Você está na página 1de 16

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

1

A CRISTOLOGIA NO EVANGELHO DE MARCOS,

UMA LEITURA A PARTIR DOS TÍTULOS HONORÍFICOS

Cristiano Quatrin 1 Gilcemar Hohemberger 2

RESUMO

A boa notícia do Evangelho segundo Marcos é que Jesus é o Messias, o Filho de Deus. O evangelista busca, a partir dos títulos honoríficos, responder a pergunta sobre a identidade de Jesus. Apresenta-o como verdadeiro homem, mas reconhece sua divindade, isto é, Jesus Cristo, do povoado de Nazaré, é o Filho de Deus, o Filho amado que todos devem escutar; O é também Filho do Homem, aquele que sofre, morre e ressuscita. A cristologia de Marcos ainda mostra que Jesus, tão simplesmente humano, é o Messias, o libertador do seu povo e da humanidade inteira. Palavras-chaves: Evangelho de Marcos. Filho de Deus. Filho do Homem. Messias.

INTRODUÇÃO

O presente artigo quer refletir acerca dos principais traços da cristologia

marcana, isto é, quer apresentar a identidade de Jesus no Evangelho de São Marcos, a

partir dos títulos honoríficos Filho de Deus, Filho do Homem e Messias. Relatando

nas linhas essenciais do Evangelho a história de Jesus, Marcos procurou desenvolver

o tema da identidade de Cristo, afirmando que o Nazareno é o Filho de Deus. O Filho

de Deus é o homem Jesus que viveu, sofreu e morreu na cruz, mas ressuscitou.

Para tal objetivo, ver-se-á, num primeiro momento, que Marcos apresenta um

Jesus verdadeiramente humano, com traços vigorosos de um homem que sofreu,

amou, morreu. Num segundo momento, buscar-se-á refletir sobre os principais títulos

cristológicos apresentados no Evangelho de Marcos, a saber: Filho de Deus, Filho do

Homem e Messias. Deste último, decorrer-se-á uma breve discussão acerca do

Segredo Messiânico.

1 Acadêmico do VI semestre do curso de Teologia.

2 Acadêmico do VI semestre do curso de Teologia.

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

2

1 A CRISTOLOGIA NO EVANGELHO DE MARCOS, UMA LEITURA A

PARTIR DOS TÍTULOS HONORÍFICOS

A cristologia de Marcos tem uma importância especial para a compreensão da

Pessoa de Jesus. Ele é o primeiro evangelho escrito e até mesmo quem inventou o

gênero literário “evangelho”. Seu objetivo está exposto no primeiro versículo:

“Princípio do evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus” (Mc 1,1). Portanto,

apresentar a identidade é sua grande intenção: Jesus de Nazaré é o Cristo do novo

povo de Deus. Para isto, a cristologia de Marcos concentra-se, especialmente, em

dois títulos honoríficos: Filhos de Deus e Filho do Homem.

A cristologia marcana pode ser resumida nestes dois termos. Porém, nenhum

destes pode ser entendido suficientemente separado da narrativa de Marcos, isto é, do

caminho percorrido por Jesus, uma vez que a cristologia está na história e através

desta história aprende-se a interpretar os títulos cristológicos (cf. Matera, 2003, p.

50).

O evangelho de Marcos é uma verdadeira declaração de fé na filiação divina

de Jesus (1,2-3). Sua cristologia oferece três traços distintos, a saber: 3 O realismo

com o qual descreve a humanidade de Jesus, representado como um homem sujeito

às limitações humanas impostas pela natureza (cólera: 3,5; surpresa: 6,6; indignação:

10,4; compaixão: 6,34; etc.). A clareza com que afirma a messianidade de Jesus, por

meio da confissão de Pedro, da cura de Bartimeu, da entrada em Jerusalém, diante de

Caifás e Pilatos e da inscrição da cruz. A familiaridade no uso freqüente do título

messiânico “Filho do Homem”, que aparece catorze vezes. Também Jesus mesmo,

ao se dizer Cristo, como no caso do perdão dos pecados (2,10.28), reivindica ser o

Filho de Deus (12,6).

1.1 Jesus de Nazaré – Verdadeiro Homem

A cristologia do Evangelho de Marcos está na história que ele conta. Esta

história identifica Jesus como o Messias, o Filho de Deus, cujo destino é sofrer,

morrer, ressuscitar dos mortos e voltar como o glorioso Filho do Homem para reunir

3 Esse esquema segue o apresentado por Hackmann, 1997, p. 93-94.

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

3

os eleitos. Compreender a vida e o ministério de Jesus de Nazaré é fundamental para

a verdadeira identidade de Jesus.

Noutras palavras,

[…] a narrativa de Marcos define a messianidade à luz do ministério, morte e ressurreição de Jesus. […] Marcos define a messianidade em termos de Jesus em vez de definir Jesus em termos de messianidade. Embora Jesus não cumpra as expectativas messiânicas tradicionais, sua vida e ministério são a norma para definir o que significa ser ungido de Deus (Matera, 2003, p. 47).

Por isso, a cristologia do Evangelho de Marcos apresenta, como nenhum

outro evangelista o fez, os traços humanos de Jesus. Comblin afirma que “o segundo

evangelho é o que mais claramente sublinha o ser humano de Jesus. Mostra que Jesus

sente e expressa os mesmos sentimentos de cada criatura humana” (1999, p. 37). 4

Marcos insiste em afirmar que Jesus era de Nazaré, povoado insignificante

(1,24; 14,67; 16,6), era o carpinteiro, filho de Maria (6,3), que era considerado como

“rabi” (4 vezes) ou como “doutor” (12 vezes) ou como profeta (6,15; 8,28). 5

Como verdadeiro homem, Jesus se compadece (1,41), fica indignado e

entristecido (1,41.43; 3,5), dorme no meio da tempestade (4,38), fica maravilhado

(6,6a), tem compaixão (6,34; 8,2), suspira (7,34), geme no mais íntimo do seu ser

(8,12), se aborrece (10,14), olha com carinho (10,21), ignora o momento do final

deste mundo (13,32), sente pavor e angústia diante da morte (14,33.35), expressa

com gritos a sua experiência do abandono de Deus (15,34) e morre no meio de

zombarias e de ultrajes (15,37) (cf. Herrero, 2006, p.125). 6

4 Segundo Kertelge e Laepple, “até mesmo os sinóticos Mateus e Lucas, que conheceram e usaram o Evangelho de Marcos para a elaboração dos seus evangelhos, consideraram aparentemente inaceitável o risco de transcrever sem comentários expressões sobre a humanidade de Jesus” (1985, p. 88).

5 Jesus, por sua vez, é mensageiro, é portador do Reino de Deus (1,15); o seu ensinamento supera em autoridade a dos mestres da Lei judaica (1,27); tem poder para curar enfermidades que resistiram a todas as tentativas (5,25-29); expulsa espíritos impuros antes que seus próprios discípulos se mostrem impotentes (9,17-29); é capaz inclusive de dominar o vento e o mar embravecidos (4,41). Não há nada de estranho no seu modo de falar e de atuar, suscita admiração, assombro e inclusive o temor reverencial (cf. Herrero, 2006, p. 125).

6 Pelo seu modo de atuar é que deve se situar o título de Messias, que Pedro lhe atribui, e também os títulos equivalentes de “Filho de Davi” e “rei de Israel” (dos judeus), assim como o Filho do Homem, utilizado por Jesus para designar-se a si mesmo. O título de “Messias” coloca em realce a relação única de Jesus com o povo de Israel. Sendo Ele o último enviado de Deus a este povo, como rei e profeta escatológico, a salvação definitiva (cf. Herrero, 2006, p. 126).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

4

A humanidade de Jesus é esboçada com traços tão vigorosos que, segundo

Kertelge e Laepple, é difícil falar de Jesus Cristo como Filho de Deus, sendo mais

fácil acreditar que aquele Jesus, o “carpinteiro”, fosse apenas um agraciado por Deus.

Na mesma linha de pensamento, Comblin expressa que os relatos da

humanidade de Jesus em nada poderia convencer alguém de que Ele era o Messias e

se consideramos o seu relacionamento social, menos razões ainda para ver nele o Messias. Era surpreendente que Jesus estivesse sempre do lado dos pobres, dos que choram, dos que passam fome, dos fracassados, dos impotentes, dos insignificantes. Era imperdoável que se misturasse com os pecadores, os publicanos, pessoas socialmente condenadas e mantidas à distância. Tudo o que estava à margem da sociedade forma a companhia de Jesus. Era escandaloso e, como era de se prever, provocou a indignação e a condenação das autoridades, dos doutores, dos fariseus, dos sacerdotes (1999, p.37).

Todavia, Marcos não fica restrito na humanidade de Jesus. 7 Seu Evangelho

não busca apenas mostrar o homem Jesus de Nazaré, mas quer ser uma boa notícia,

quer ser o Evangelho de “Jesus Cristo Filho de Deus” (1,1), e “com o título de Filho

de Deus o Evangelho quer afirmar a divindade de Jesus” (Comblin, 1999, p. 39). 8

Portanto, o Evangelho propõe-se a provar que o Jesus de Nazaré é o Filho de

Deus. Jesus, o verdadeiro homem é verdadeiramente divino. Por isso, “o objetivo e o

ponto culminante do Evangelho é apresentar a paixão de Jesus como verdadeira

revelação do Filho de Deus” (Kertelge e Laepple, 1985, p. 91). Porém, sem nunca

perder de vista que “a humanidade verdadeira de Jesus é fundamental, tanto para a

sua rejeição por parte de seu povo como para o seu triunfo em sua verdadeira morte e

ressurreição” (Nascimento, 1997, p. 128).

7 Essa apresentação humana de Jesus, que chega ao seu ápice no momento da morte, adquire um relevo singular em Marcos, pois o evangelista professa uma clara concepção dicotômica sobre Deus e o homem. A majestade de Deus contrasta com a fragilidade moral do homem (7,8; 8,33; 10,9.27; 11,30;

12,14).

8 Assim também se refere a autodesignação “Filho do Homem”, que nunca assume a função de um predicado, mas que coloca em realce a relação única de Jesus com toda a humanidade, unificando as três fases fundamentais de seu ministério: a sua atividade presente na terra (2,18-28), o seu destino de morte e ressurreição (8,31; 9,9.12.31; 10,33.45; 14,21.44) e a sua parusia gloriosa no final dos tempos (8,38; 13,26; 14,62).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

5

1.2 Títulos Honoríficos

O mistério da pessoa de Jesus resulta da manifestação do divino no humano.

Trata-se de um mistério com o qual os discípulos se confrontam (4,41). Em Mc 8,27-

9,13 encontram-se os três títulos mais importantes: Cristo (8,29), Filho do Homem

(8,31.38) e Filho de Deus (8,38; 9,7).

1.2.1 O Filho de Deus

A designação de Jesus como “Filho de Deus” ocorre cinco vezes no

evangelho de Marcos (1,11; 3,11; 5,7; 9,7; 15,39), juntamente com a leitura do título

do mesmo (1,1). A imagem de Jesus está profundamente permeada pela idéia da

filiação divina de Jesus. O título é mencionado em passagens importantes e encontra-

se explícito na confissão do centurião pagão (15,39), no ponto culminante do evento

da paixão, onde permite-se fulgurar a dignidade e majestade de Jesus (cf.

Schnackenburg, 2001, p. 60).

Portanto, Marcos quer tratar no seu Evangelho do próprio Jesus como pessoa,

como Filho de Deus. Jesus é o objeto primeiro e fundamental de seu ensinamento. E

o fato de que Jesus é o Filho de Deus é revelado muito mais no exercício que Jesus

faz de seu poder divino do que por meio de afirmações dogmáticas: a remissão dos

pecados (2,10-12); a autoridade sobre o sábado (2,28; 3,1-5); a expulsão dos

demônios (1,28.34; 3,11); o conhecimento dos segredos (2,8; 8,17; 12,15); as

predições (8,31ss; 10,39; 13,1ss). O título Filho de Deus aparece em pontos cruciais:

o prólogo (1,1); Batismo (1,11); 9 a transfiguração (9,7); a confissão do centurião

(15,39). Com o título de Filho de Deus quer-se, então, afirmar a divindade de Jesus.

9 Todavia, cabe ressaltar a revelação que se dá na cena do batismo de Jesus, devido a sua grande importância cristológica, pois, segundo Schnackenburg, “os leitores crentes recebem por meio dela logo a reta perspectiva para entender o relato evangélico subseqüente” (1973, p. 52). Mas a importância propriamente dita da cena do batismo se deduz das palavras cheias de conteúdo da voz de Deus: “Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo” (1,11). Marcos quer assegurar que o testemunho divino sobre Jesus seja entendido no sentido pleno da fé cristã, por isso usa a expressão “Filho” e não “servo”. Schnackenburg afirma ser preciso rejeitar duas concepções sobre a filialidade divina de Jesus, manifestada no Batismo: primeiro, a filiação divina metafísica, segundo a qual Jesus traria, em si, a mesma natureza divina de Deus Pai. Isto não é afirmado nessa asserção; antes, de acordo com a expressão “em ti me comprazo”, Deus aceitou Jesus como seu filho e o recebeu em seu amor. Em segundo lugar, também deve ser repudiada a concepção contrária de que Jesus seria Filho de Deus num sentido metafórico, à semelhança dos assim chamados filhos de Deus no helenismo, porque o título aponta para um pano de fundo concreto: nele ecoam textos veterotestamentários e está enraizado em idéias judaicas (cf. 2001, p. 61). Estas palavras decisivas da teofania do batismo são complementadas por ocasião da transfiguração com a expressão “a ele deveis escutar” (9,7). Schnackenburg diz que o complemento acontece aqui, após a revelação do mistério da morte do “Filho do Homem” (8,31), no sentido de uma admoestação à comunidade, de aceitar, sob a

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

6

A proclamação de Jesus como Filho de Deus é, para Comblin, a subversão de

todos os pensamentos, de todos os valores e de todas as religiões. Que Deus é esse

que nem sequer é capaz de descer da cruz? “Desça agora da cruz, para que vejamos e

creiamos” (15,32), zombam os sacerdotes e os doutores. Pois, para os sacerdotes e os

doutores, assim como para as autoridades de todas as religiões do mundo, o atributo

fundamental de Deus é o poder. Deus é antes de mais nada “todo-poderoso”. A

Palavra Deus sugere imediatamente a idéia de poder (cf. 1999, pp. 39-40).

Marcos proclamou com toda força no seu Evangelho, o Messias e o Filho de

Deus: o Filho de Deus é Jesus, de quem ele evocava a memória. 10 Este título,

portanto, representa o elemento fundamental da cristologia de Marcos. 11

Mas a pergunta sobre quem é realmente Jesus sempre se renova no

Evangelho. Embora o evangelista já insinuara a resposta desde o começo do

Evangelho (Mc 1,1) e a vai desenvolvendo no transcorrer de toda a sua obra. Assim:

Em termos de cristologia, o evangelho apresenta claramente Jesus como o Messias, o Filho de Deus, cujo destino é o mesmo do Filho do Homem, que deve sofrer, morrer e ressuscitar dos mortos, para poder voltar como personagem glorioso e poderoso no final dos tempos (Matera, 2003, p.20). 12

1.2.1.1 O contexto literário da confissão do centurião

Herrero, ao discutir sobre a filiação divina, diz que com as palavras do

centurião Romano o evangelista conclui o breve relato sobre morte de Jesus (Mc

luz da ressurreição, o caminho da morte revelado pelo próprio Jesus e assim compreendê-lo (cf. 9,9) (1973, p.

54).

10 Esta expressão filho de Deus aplica-se no Antigo Testamento aos anjos (Gn 6,2, Jó 1,6; 38,7), a Israel (Os 11,1; Ex 4,22) e ao rei (2Sm 7,14; SI 2,7; 89,26); na literatura judia posterior aplica-se ao Messias (Esd 7,28) e ao Israel justo (Eclo 4,10; Salmos de Salomão 13,8; 17,30; 18,4). Contudo, nenhum destes exemplos explica realmente o título usado por Marcos. O evangelista teve que ampliar e inclusive desenvolver a idéia do Filho de Deus como Messias, e teve que dar-lhe um significado totalmente novo (cf. Schmaus, 1977, p. 146).

11 Comblin, ao tratar da cristologia no Evangelho de Marcos, afirma que a vida e as ações humanas de Cristo em nada poderiam convencer alguém de que Jesus era o Messias, pois ninguém em Israel tinha imaginado semelhante Messias, pois esperavam um Messias-autoridade. Tudo nele parecia contradizer a messianidade. Por isso a importância de Marcos tratar da identidade de Jesus: Ele era o Messias quando estava com os seus discípulos, andando pelos caminhos da Galiléia (cf. 1999, pp.37-38).

12 Hackmann considera que “uma correta interpretação do predicado Filho de Deus indica que a filiação divina de Jesus não se interpreta como essência supra-histórica, mas como realidade que se impõe em e pelo destino e história de Jesus. Por isso, Marcos apresenta seu evangelho como do Filho de Deus (1,1) e os milagres de Jesus

como epifania misteriosa de sua filiação divina. (

Mas é o acontecimento pascal que irradia a luz definitiva

sobre a compreensão de Jesus como Filho de Deus (1997, p. 92).

)

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

7

15,33-39), 13 um relato que surpreende por sua sobriedade que contrasta com os

episódios precedentes: se Jesus anteriormente se limitou a padecer em silêncio,

depois das três horas de trevas, ele é o único que realmente atua, sendo a sua ação a

que provoca a reação dos demais. Ao seu grito de abandono respondem duas reações

humanas: de compreensão e zombaria. Ao seu grito de morte seguem também duas

reações, de sinais totalmente diversos: a primeira - rasgou-se o véu do santuário -

pode ser considerada como a reação de Deus; a segunda - confissão do centurião que

é a reação do crente (cf. 2006, p. 124).

Herrero ainda afirma que

o texto assinala expressamente que a confissão do centurião não está motivada nem pelo primeiro grito de Jesus - um grito de verdadeira angústia, no entanto não desespero, tampouco pelo rasgo do véu do santuário, símbolo da manifestação plena de Deus na morte de Jesus; está motivada tão-somente pela percepção do modo como Jesus morre, isto é, pela percepção daquele grito inarticulado que acompanha a sua morte, concebida como exalação do princípio vital com que havia realizado todas as suas ações e vivido a sua união com Deus e com os homens (“expirou”, “entregou o espírito”) (2006, p. 124).

O centurião não necessita, portanto, como parecem necessitar os chefes dos

sacerdotes e os mestres da Lei (15,32), contemplar um milagre para poder crer. É

suficiente ver o modo como Jesus expira para tirar uma conclusão oposta à que seus

companheiros haviam tirado do grito de abandono lançado por Jesus: enquanto que

estes esperam “ver” a chegada de Elias, os outros não necessitam “ver” outra coisa

senão a morte de Jesus para poder concluir: “Na verdade, este homem era Filho de

Deus”. Assim, “é o crucificado, e não o operador de milagres, que provoca a

primeira confissão de alguém que realmente compreende as poderosas ações de Deus

em Jesus” (Myers, 1992, p. 465). 14

13 As palavras do centurião romano não são para o evangelista um simples comentário de uma testemunha imparcial. Constituem o ponto culminante de toda a sua obra, oferecendo a resposta completa ao interrogante sobre a identidade de Jesus. 14 Não se trata de um título funcional, mas de um título ontológico que expressa a sua condição singular de Filho único de Deus e explica mais do que a sua missão, a origem e a procedência de sua pessoa. Este título não se encontra no mesmo nível que o de “Messias” ou “Filho de Davi”. Qualquer modo de equiparação torna-se

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

8

O fato de que essa identidade chegue a ser reconhecida e confessada pelo

homem somente no momento da morte de Jesus, significa que somente o destino de

Jesus permite compreender em plenitude a sua filiação divina, filiação que implica

fundamentalmente obediência e amor. Somente na morte redentora de Jesus é

possível perceber a sua obediência total aos desígnios do Pai e o seu amor sem

limites para com ele e para com toda a humanidade. A sua morte na cruz é, antes de

tudo, e, sobretudo, um mistério de obediência e de amor, tal como compete à sua

condição de Filho de Deus (cf. Herrero, 2006, p. 127-128). 15

O título Filho de Deus serve, entretanto, para afirmar uma relação particular

entre Jesus e o Pai , a qual não é aplicável a ninguém mais: Jesus ensina aos homens

rezar a Deus como Pai deles, mas sempre diz “meu Pai” ou “vosso Pai”, e nunca

“nosso Pai”. Segundo Serenthà, Jesus é Filho como o era Isaac, e não Ismael, para

Abraão: a expressão “o filho amado”, usada em Mc 1,11 é a mesma usada em Gn

22,2.12.16 para qualificar justamente Isaac (cf. 1986, p. 528). 16

Portanto, Jesus distingue constantemente sua filiação da dos demais. Ele é o

único Filho amado (12,6). Ele é “o” Filho (13,32), por isso é mais que o templo

(12,8). Por ser “o” Filho, pode perdoar pecados, ou seja, ordenar a relação dos

homens com Deus (2,5). Promete estar sempre presente com os seus, por isso estes

não vacilarão em confiar na promessas, porque sua palavras tem valor eterno (13,31).

Por ser o Filho, todas as suas promessas, disposições e ameaças são justas. 17

1.2.2 Filho do Homem

Na cristologia de Marcos o título de Filho do Homem é usado por Jesus para

destacar a sua autoridade (2,10.28); para referir-se ao seu sofrimento, morte e

ressurreição (8,31; 9,9.13.31;10,33; 14,21.41); para explicar o significado de sua

insuficiente. Enquanto que um explica a atividade da pessoa de Jesus o outro explica o ser mesmo dessa pessoa. Somente nisto fica revelada em plenitude a verdadeira identidade de Jesus (cf. Herrero, 2006, p. 127).

15 Surge neste contexto, aquilo que Kertelge e Laepple chamam de “dialética entre humanidade e divindade de Jesus” (1985, pp.86-92), isto é, no Evangelho de Marcos há uma tentativa muito expressiva de levar à unidade a forte tensão entre humano e divino, histórico e escatológico.

16 Em Mc 13,32s percebe-se que o Filho, Jesus, é superior aos outros filhos e que só Ele está claramente acima dos anjos de Deus.

17 Para Schmaus, “a consciência filial de Jesus constitui a base segura para a doutrina cristológica da Igreja sobre o Filho de Deus” (1977, p. 149). Portanto, é devido à intensidade desta consciência filial que se torna compreensível que a Igreja primitiva encontrasse no título “Filho de Deus” o meio mais claro para exprimir sua fé em Jesus (1,1.11; 9,7; 14,61). É por isso que desde o início a comunidade cristã afirma que Jesus pertence totalmente a Deus, embora seja um homem completo (cf. Schmaus, 1977, p. 148).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

9

morte (10,45); e para indicar a sua volta gloriosa no final dos tempos (8,38; 13,26;

14,62). Esse é o segundo título na ordem de importância, depois de Filho de Deus.

Portanto, além de identificar quem é Jesus, define o seu destino. 18

Conforme Matera, “Filho do Homem é o termo mais enigmático do

evangelho, mas é central à cristologia de Marcos. Não é um título confessional como

são o de Messias e Filho de Deus, pois ninguém se dirige a Jesus ou o confessa como

Filho do Homem” (2003, p. 49). Este título é o único a não ser proibido, mas se

encontra somente proferido pelo Cristo. Portanto, nunca é empregado para identificá-

lo.

As três dimensões que possibilita a compreensão da idéia do Filho do Homem

(sua futura vinda cheia de poder, seu caminho pelo sofrimento e morte e sua

atividade atual na terra) estão explicitadas em Marcos, mas toda a ênfase repousa em

seu sofrimento, sua morte e ressurreição. Marcos adotou essa imagem do Filho do

Homem que estava viva na Igreja Primitiva, porque ela correspondia à sua visão de

Filho de Homem terrestre e exaltado (14,62) e retraçava o caminho de Jesus (cf.

Schnackenburg, 2001, p. 74). 19

Filho do Homem é o complemento necessário a Messias e Filho de Deus,

garantindo que nenhum outro título interpretado à parte da morte e ressurreição de

Jesus. Tal expressão é vista como sendo uma denominação arcaica de Jesus, como

afirma Santos: “Na tradição sinótica, este título é um indício de arcaísmo das

palavras relatadas: alude a uma tradição que remonta às origens da fé cristã e muitas

vezes, às palavras do próprio Jesus” (1997, p. 105). 20

18 Este título só aparece fora dos Evangelhos uma única vez (At 7,56). Marcos o utiliza 14 vezes e, com exceção de Mc 2,10.28, todas as outras vezes vêm depois da pergunta: “Quem dizeis que eu sou?” (Mc 8,29).

19 No livro do profeta Ezequiel, Deus se dirige frequentemente ao profeta como “filho do homem”, o que significa apenas ser mortal. Já no livro de Daniel, o termo toma um sentido mais técnico. “Um como filho de homem” (Dn 7,13) é contraposto às figuras animalescas que o precederam (cf. Dn 7). Este “um como filho de homem” provavelmente se refere aos santos de Israel que, após um período de perseguição, estão pra receber a realeza e o poder de Deus. Este pode ser o plano de fundo para o uso de Marcos. Após um período de sofrimento e perseguição, Jesus receberá a realeza e o poder, como aconteceu com o semelhante a um filho de homem no livro de Daniel (cf. Matera, 2003, p. 49).

20 Segundo Nascimento, as obras de Jesus eram refletidas no princípio do Cristianismo pelos judeu-cristãos a partir do título “Filho do Homem”. Essa denominação era muito significativa para eles porque se lembravam do Filho do Homem comentado no livro de Daniel (7,13-14). Mas posteriormente, nas comunidades cristãs helenísticas, o título perdeu seu interesse e foi substituído por outros, de modo peculiar “Filho de Deus” (1997, p.

125).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

10

Jesus é também o Filho do Homem escatológico, 21 que virá em sua parusia:

“[

Pai com os santos anjos” (8,38). Nesse sentido, afirma Schnackenburg, “que Jesus

aparecerá um dia como o Filho do Homem para o juízo escatológico (8,38; 14,62) e

para a salvação escatológica de sua comunidade (13,26) constitui para ele uma idéia

preestabelecida pela tradição cristã primitiva” (2001, p. 55).

Destarte, “para Marcos, Jesus é o Messias, o Filho de Deus, porque cumpre o

destino do Filho do Homem. Se Jesus não cumprisse esse destino, não seria o Filho

também o Filho do Homem se envergonhará dele quando vier na glória de seu

]

messiânico de Deus” (Matera, 2003, p. 50). 22 No entanto, foi justamente por causa do

poder extraordinário que Jesus reivindica como Filho do Homem que os cristãos

puderam, com bom êxito, atribuir-lhe o título de Filho de Deus. Nesse sentido, cabe

ressaltar que “Jesus é, para Marcos, o Filho do Homem, justamente como ele é o

Filho de Deus” (Schnackenburg, 2001, p. 67).

Portanto, o Jesus descrito por Marcos é o Filho de Deus, salvador

escatológico e juiz futuro como Filho do Homem. Ele segue o caminho da cruz e

morre, oferecendo a salvação definitiva e indicando assim o caminho que deve seguir

também o seu discípulo.

1.2.3 Messias 23 – Cristo

Segundo Schnackenburg, a expressão Messias não ocorre muitas vezes no

Evangelho de Marcos, apenas em 8,29; 12,35; 13,21; 14,61; 15,32; 9, 41 e no título

1,1, onde é considerado como que um atributo a Jesus. O mais importante nessas

passagens que declaram Jesus como Messias é a confissão de Pedro: “Tu és o

Messias” (8,29) (cf. 2001, p. 75).

21 Conforme Schnackenburg, a perspectiva de Jesus como o “Filho do Homem” era importante para Marcos por causa da inclusão do caminho de sofrimento e da morte de Jesus. Esta direção permite-lhe “fazer desembocar o caminho da morte na glorificação pela ressurreição e abre a perspectiva para a vinda escatológica de Jesus. Isto permite uma visão histórico-salvífica que dificilmente viria à luz com o título de ‘Filho de Deus’” (2001, p. 71).

22 Segundo Matera, portanto, vê-se que o título “Filho do Homem parece mais uma circunlocução do que um título honorífico” (2003, p. 49).

23 Esse título é proveniente do hebraico Masiah, adjetivo verbal derivado de masah, que significa ungir, que, por sua vez, provém do aramaico mesiha, do qual deriva o grego Messias. A Vulgata traduz por Unctus, que significa ungido, consagrado. Todavia, o significado próprio de masah é “consagrado por meio da unção”, que tinha, segundo o uso constante nos livros sagrados, o sentido e o simbolismo de tornar participante de modo especial do espírito de Deus, habilitando o ungido a exercer uma função teocrática (cf. Hackmann, 1997, p. 87).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

11

A notícia do Evangelho de Marcos é que esse homem Jesus, tão simplesmente

humano é o Messias, o libertador do seu povo e da humanidade inteira. Esse era o

nome mais comum para designar o futuro libertador esperado pelo povo de Deus. “O

Messias era esperado para restaurar os destinos de Israel, estabelecendo uma nova

aliança. Ele era muito desejado e, como instrumento de Javé, deveria restabelecer

todas as coisas” (Hackmann, 1987, p. 87), 24 pois foram os profetas os instrumentos

principais empregados por Deus para a preparação dos caminhos do Senhor e de sua

obra salvadora.

Segundo Schnackenburg, “na concepção judaica, o Messias era o Filho de

Davi, o rei de Israel, que derrubaria os inimigos e restauraria o Reino de Israel em

Justiça e Santidade” (2001, 75). Porém, essa concepção de “rei” Marcos não aceita,

por mais que na condenação de Jesus ela aparece, quando Ele é questionado se é o

“rei dos judeus”, Jesus só diz “tu o dizes”. 25

Comblin diz que “Jesus não será somente o Messias no final dos tempos,

segundo o conceito de Filho do Homem do profeta Daniel 7. Jesus não somente foi

feito Messias depois da ressurreição. Jesus era o Messias quando estava com os seus

discípulos, andando pelos caminhos da Galiléia” (1999, p. 37). Nesse sentido, pode-

se perceber que em Israel ninguém tinha imaginado semelhante Messias, pois n’Ele

tudo parecia contradizer a messianidade. 26

Na perspectiva de Jesus os milagres por ele realizado podem ser interpretados

como sinais do Messias em virtude do seu contexto. O povo de Israel em geral não os

interpretou como sinais de messianidade. Muitos viram neles a prova de que Jesus

era um profeta, pois os sinais que fazia se pareciam muito com os sinais de Elias e de

Eliseu. Os inimigos de Jesus atribuíram os milagres d’Ele aos demônios, pois era

crença comum que os demônios podem fazer milagres e esta crença se manteve até

hoje.

24 Essa esperança dá consistência ao messianismo do povo de Israel, inteiramente original, que, após o monoteísmo, constitui a espinha dorsal dos livros inspirados e a crença mais antiga e radicada do povo de Israel. É o ponto de partida e o princípio mesmo da história do povo eleito, estando toda ela orientada e dirigida ao messianismo, razão de ser e de unidade da vida de Israel.

25 Segundo Schnackenburg, Jesus só responde “tu o dizes” porque a pergunta tinha interesses políticos e não tinha em vista a esperança de salvação pra Israel (cf. 2001, p. 75).

26 Marcos quer evitar uma falsa compreensão da designação de Messias, pois, segundo Schnackenburg, “poderia ser concebida num sentido terreno e político e não conforme a autocompreensão de Jesus como Filho do Homem, que caminha para o sofrimento e para a morte” (2001, p.75).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

12

O grande paradoxo do Evangelho de Marcos é este: por um lado, Jesus não

quer que se proclame que ele é o Messias; já por outro lado, ele faz sinais para

questionar os espectadores e insinuar a sua messianidade. Jesus age para mostrar a

sua messianidade e ao mesmo tempo não quer que se publique a notícia abertamente.

É o famoso paradoxo do “segredo messiânico”.

Agindo desse modo, Jesus orientava a mente do povo e dos discípulos para

que entendessem de que maneira ele era o Messias, não era o “rei de Israel”, pois a

sua messianidade era algo totalmente inesperado:

Ninguém esperava um Messias desse jeito. Todos esperavam que Jesus fosse um Messias-autoridade. Ele era, ao invés, um Messias pobre, sem autoridade sacerdotal, nem intelectual, nem social. Era um Messias que não vinha sentar-se no trono, nem era um comandante de exército, mas vinha como peregrino que anda buscando ‘as ovelhas perdidas das tribos de Israel’ (Comblin, 1999, p. 39).

Contudo, o título não é encontrado nenhuma vez na boca de Jesus, mas

sempre aplicado a ele por outros. Porém, diante do sumo-sacerdote, quando ele lhe

pergunta se é o Cristo, o Filho de Deus, e Jesus responde “Eu sou” (cf. 14,61-62), Ele

aceita por impotência no momento do processo, pois seu messianismo é o do Servo,

não do vencedor político.

1.3 O Segredo Messiânico

Marcos estrutura seu Evangelho de tal forma que a confissão de Pedro em

Cesaréia de Felipe (8,27-30) é o momento decisivo na narrativa. 27 A proclamação

inicial de Jesus de que o Reino de Deus está próximo (1,15) fornece a essência da

narrativa, 28 que identifica Jesus como o poderoso arauto do Reino de Deus que,

27 O Evangelho segundo Marcos divide-se em duas partes. A primeira parte termina na confissão da messianidade de Jesus por Pedro (8,27-29). O título do livro dizia “Evangelho de Jesus como Messias e Filho de Deus”. Toda a primeira parte recolhe diversos documentos escritos e orais que o autor tinha à sua disposição, para mostrar de que maneira Jesus preparou a revelação da sua messianidade. A segunda parte do Evangelho começa logo após a confissão de Pedro e vai até o fim do livro. Termina, sobretudo pela profissão de fé do centurião romano:

“Verdadeiramente este homem era Filho de Deus” (15,39). A ressurreição é a confirmação da fé do centurião. 28 Marcos apresenta a missão de Cristo já no início de sua narrativa dizendo que “depois que João foi preso, veio Jesus para a Galiléia proclamando o Evangelho de Deus: cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho” (1,14-15). Jesus, portanto, retoma a pregação de João, mas confere-lhe um novo conteúdo: “o Evangelho de Deus”. Em outras palavras ele reafirma esta sua missão. É uma proclamação cheia de autoridade e poderosa, como mostram dois fatos: a proclamação está ligada à expulsão dos demônios e

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

13

diferente dos escribas, recebeu a autoridade de ensinar, 29 pregar e curar. 30 Após a

confissão de Pedro, a declaração de Jesus de que o Filho do Homem deve ser

rejeitado pelos sumos sacerdotes e pelos escribas, ser morto e ressuscitar depois de

três dias, fornece a temática para o resto do evangelho. Portanto, “a chave para se

entrar na cristologia de Marcos é uma compreensão adequada da relação entre estas

duas partes da narrativa: Jesus é o arauto do reino (1,15-8,26) e Jesus é o Messias

cujo destino é a sorte do Filho do Homem (8,31-16,8)” (Matera, 2003, p.21).

A confissão de Pedro sobre a messianidade de Jesus conclui a primeira parte

do Evangelho e logo após ter sido narrada a atuação extraordinária de Jesus em favor

do povo com milagres, como o da multiplicação dos pães e dos peixes. 31 Atuando em

favor do povo, Jesus manifesta a sua relação com ele e é reconhecido com um título

que sublinha esta relação.

É desta consciência de ser o Messias que surge o “Segredo Messiânico”, o

qual aparece em inúmeras citações de Marcos. Jesus impôs silêncio, isto é, pede que

não divulguem que ele é o Messias, porque assim o exigia a natureza de seu

messianismo tal como ele o concebia; em sua perspectiva, não se tratava

primeiramente de uma situação, senão de uma atuação. Jesus acredita que é o

Messias em suas ações de cura, em seus exorcismos, em sua vitória sobre o poder de

Jesus escolhe o círculo dos doze para isso. Nesse sentido compreende-se que “a expulsão dos demônios é uma expressão exterior e visível do fato de que o Reinado de Deus está avançando e vencendo o poder do mal”

(Schnackenburg, 2001, p. 32). Combatendo o reino dos demônios, ele está preparando o caminho para o Reinado de Deus.

29 A imagem de Jesus como mestre está bastante presente no Evangelho de Marcos. Fala-se 15 vezes na docência de Jesus e apenas uma vez no ensino de seus discípulos (cf. 6,30). Jesus ensina na sinagoga (cf. 1,21; 6,2), no templo (cf. 14,49), junto ao mar de Genesaré (cf. 2,15; 4,1), nas aldeias circunvizinhas (cf. 6,6). Ele ensina a uma grande multidão, porque se pareciam com ovelhas sem pastor (cf. 6,34), e ensian a grandes grupos, que se dirigiam a ele da Judéia e também do Jordão (cf. 10,1).

30 Marcos narra muitas curas de doentes: primeiro a cura da sogra de Pedro (cf. 1,28-31), em seguida narra resumidamente muitas curas e expulsões de demônios no decorrer de um sábado (cf. 1,32-34). Embora Jesus tenha saído para proclamar, ele volta-se, sempre de novo, para os doentes: cura um leproso (1,40-45), um paralítico (2,1-12) e, então, também um homem com a mão seca (3,1-6). Após o ensino, em parábolas, seguem diversos milagres: acalma a tempestade sobre o mar da Galiléia (4,35-41), a cura do possesso de Gerasa (5,1-20),

a cura da mulher que padecia de um fluxo de sangue (cf. 5,25-34) e a ressurreição da filha de Jairo (5,21-43).

Conta, depois, em resumo, as curas de doentes em Genesaré (6,53-56), a cura da filha da sírio-finícia (7,24-30) e

a

cura do surdo-mudo (7,31-37). Em Betsaida, devolve a visão a um cego (8,22-26). Após a transfiguração sobre

o

monte tabor, Jesus cura um jovem epiclético (9,14-27). E já no caminho para Jerusalém, em Jericó, Jesus tem

pena do mendigo cego Bartimeu e faz com que veja novamente. Portanto, as curas de doentes perpassam toda a atividade de Jesus até sua entrada em Jerusalém.

31 Schamaus, ao tratar dos milagres de Cristo, afirma que “o milagre é o encontro entre Deus auxiliador e o homem necessitado de auxílio. Deus porém não se impõe à força. Só quando o homem se abre a Deus por livre decisão, Ele vem em seu auxílio. Então a fé inicial do que recebe o milagre pode desenvolver-se em fé plena (cf. Mc 9,22s)” (1977, p. 83). E ainda: “Os milagres e o reinado de Deus estão indissoluvelmente unidos. O milagre confirma o dinamismo salvífico da proclamação do reinado de Deus. E este, ao mesmo tempo, descobre o sentido salvífico dos prodígios de Jesus” (Schmaus, 1977, p. 82).

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

14

Satanás, em sua paixão, morte e ressurreição, e em sua vinda entre as nuvens do

céu. 32

O “segredo messiânico” já se tornou clássico no evangelho de Marcos. A

finalidade cristológica que aparece no desenvolvimento do evangelho põe em

evidência a existência concreta desse segredo messiânico e, ao mesmo tempo,

ilumina a razão do segredo imposto e das constantes violações.

William Wrede (1901) foi quem colocou, de modo sistemático, a questão do

“segredo messiânico”, que Marcos teria inventado para explicar o abismo entre o

culto que a Igreja primitiva prestava ao “Cristo pascal” e o Jesus histórico que nunca

teve consciência de ser o Messias. Porém a teoria de Wrede foi rechaçada por vários

argumentos, entre os quais as confissões históricas do messianismo de Jesus feitas:

por Pedro (8,29), pela multidão na entrada de Jerusalém (11,1-11) e pelo próprio

Jesus perante o Sinédrio (14,62). O segredo messiânico (“não contar nada a

ninguém” – 9,9) só é acessível a quem crê e segue a Jesus. 33

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A pergunta pela identidade de Jesus é a origem de toda a cristologia de

Marcos, isto é, que sua cristologia, em última análise, está orientada para o “Filho de

Deus” que se revela e, ao mesmo tempo, se oculta na atividade terrena de Jesus e no

“Filho do Homem” que trilha seu caminho de sofrimento e morte para a ressurreição

e que prova ser aquele que virá, um dia, com poder e glória.

O que foi exposto neste artigo é um pouco da essência do que Marcos poderia

falar sobre Jesus para os cristãos de sua época: o Cristo autêntico e verdadeiro é

aquele que cumpriu sua missão de Filho de Deus, sofreu a Cruz e a Paixão, mas que

no terceiro dia ressurgiu dos mortos, isto é, ressuscitou. Estas verdades são já

suficientes para que se possa penetrar um pouco no mistério que envolve a identidade

de Cristo, Deus e homem.

32 Segundo Félix, “ser Messias é um destino; é o que ele faz, o que o Pai quer que se cumpra nele e o que ele realiza com amor filial. Por esta razão manda calar aos endemoniados e proíbe a seus discípulos que divulguem seu segredo até o dia da ressurreição” (1997, p. 116). 33 Sobre o “Segredo Messiânico”, a teoria de Wrede e sucessivas críticas pode-se consultar: Schnackenburg, 1975, p. 46-51 (Mysterium Salutis) e o texto de João E. M. Terra, intitulado “Cristologia de Marcos e Segredo Messiânico”, 1985, p. 93-113.

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

15

Marcos percorreu seu próprio caminho, mas apresenta uma visão aberta sobre

a identidade de Cristo. Todavia, seu ponto de partida é bem definido: o “Filho de

Deus” e o “Filho do Homem” são os focos cruciais para a compreensão de sua

cristologia. Mas uma conclusão como esta, ou melhor, uma confissão de Cristo como

humano e divino, só é possível no seguimento e reconhecimento que

“Verdadeiramente o Homem de Nazaré era Filho de Deus”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bíblia Português. A Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulinas, 2002.

COMBLIN, José. A cristologia do evangelho segundo Marcos. Estudos Bíblicos,

Petrópolis: Vozes, n. 64, p. 36-42, 1999.

FÉLIX, Paulo de Matos. Títulos de Jesus no Evangelho de Marcos. Revista de

Cultura Bíblica, São Paulo: Agir, v. 21, n. 81-82, p. 110-116, 1997.

HACKMANN, Geraldo Luiz Borges. A Amada Igreja de Jesus Cristo: manual de

Eclesiologia como comunhão orgânica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

Jesus Cristo, Nosso Senhor: Iniciação à Cristologia como Soteriologia.

Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

KERTELGE e LAEPPLE. A Cristologia de São Marcos. Revista de Cultura

Bíblica, São Paulo: Agir, v. 9, n. 35-36, p. 84-92, 1985.

MATERA, Frank J. Cristologia narrativa do Novo Testamento. Petrópolis: Vozes,

2003.

MYERS, Ched. O Evangelho de São Marcos. São Paulo: Paulinas, 1992. 570 p.

(Grande comentário bíblico).

NASCIMENTO, Ademar L. Esquema cristológico de Marcos. Revista de Cultura

Bíblica, São Paulo: Agir, v. 21, n. 81-82, p. 124-132, 1997.

OPORTO, Santiago Guijarro, et al. Comentário ao Novo Testamento. São Paulo:

Ave Maria, 2006. HERRERO, Francisco Pérez, Evangelho segundo Marcos, pp.

121-179.

SANTOS, Gilvan Rodrigues dos. Retalhos da Cristologia de Marcos. Revista de

Cultura Bíblica, São Paulo: Agir, v. 21, n. 81-82, p. 101-109, 1997.

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1

Revista Eletrônica Theologia Faculdade Palotina - FAPAS

16

SCHMAUS, Michael. A Igreja, um mistério de fé. Petrópolis: Vozes, 1978,

(Coleção: A Fé da Igreja – Vol. IV).

SCHNACKENBURG, Rudolf. Jesus Cristo nos quatro Evangelhos. São Leopoldo:

UNISINOS, 2001.

SERENTHÁ, Mário. Jesus Cristo ontem, hoje e sempre: Ensaio de Cristologia.

São Paulo: Salesiana, 1986.

TERRA, João Evangelista Martins. Cristologia de Marcos e segredo messiânico.

Revista de Cultura Bíblica, São Paulo: Agir, v. 9, n. 35-36, p. 93-113, 1985.

THEOLOGIA Ano 2008, Volume 1, No.1