Você está na página 1de 2

AS ÁGUAS DE OXALÁ

O fim de ano chegou e podemos dizer que ele foi repleto de coisas boas mas
também cheio de acontecimentos que nos deixaram perplexos como a violência, o
desemprego e pouca paz entre os homens e em seus corações.
Pretendo encerrar este ano pedindo muita harmonia e desejando a todos que Oxalá
com seu Asò Funfun nos brinde com a calmaria de sua sabedoria.
Peço paz a Oxalá por ele ser o Deus da criação, Pai de todos os Orixás, seres
humanos e a natureza. Foi ele que permitiu a todos os Orixás escolherem seus domínios
e filhos quando estes nascem na Terra. Oxalá é o pai da brancura, da paz, da união, da
fraternidade entre os povos da terra e do universo, além de ser considerado o fim
pacífico de todos os seres.
Oxalá é avesso a toda violência, disputas e brigas, pois suas principais características
são a calma, respeitabilidade, ordem, força de vontade, limpeza e pureza. É por isto que
o saudamos assim:

Ritmo: Ijexá
Nação: Ketú

Observações:
As cantigas abaixo serão observadas apenas a fonética das palavras da língua
yorùbá.

Axó funfun auabí


Alá funfun Òrìsà unlá
Alaiê ajalá ô
Alá funfun ti Òrìsà unlá
1)
Sobre o pano branco nós nascemos
Sobre o lençol do grande Orixá.
Senhor que nos comanda, aquele que molda nosso Ori
Sobre o lençol do grande Orixá.

Ero, babá mi sero, eró mi baba kôjáde


Ero, babá mi sero, eró mi baba kôjáde
2)
Propiciação, o pai me propiciou, o pai me propiciou.
Levando embora os (males, pesos, etc).

Babá ôquê eêpá eêpá ôlôdô


Babá ôquê eêpá eêpá ôlôdô
3)
Pai que está no topo (acima de todos) vos saudamos,
Saudamos o dono (proprietário) do pilão.

4) Aráaiê babá unjéjé babá môriô


Aráaiê babá unjéjé babá môriô
A humanidade foi conduzida serenamente pelo pai,
A humanidade foi conduzida serenamente pelo pai.

Referências Bibliográficas:
OLIVEIRA, Altair Cantando para os Orixás (N'korin Sáwon Òrìsà) - Editora Pallas,
Bento de
- Rio de Janeiro, 1993.
VERGER, Pierre Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo; 5ª edição -
Fatumbi
- Corrupio, Salvador, 1997.
Notas sobre o Culto aos Orixás e Voduns - Edusp, São Paulo,
1999.
BENISTE, José - As Águas de Oxalá - Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 2002.

Agradecimentos Especiais:
Ìyálórìsà Jurema da Òsun, pelo respeito, carinho e atenção acima de tudo a humildade que só as grandes
damas Ìyálode possuem;
Ogan Francisco de Oxalá (Ogan Nei), pela atenção, seriedade dentro da religião e humildade digna dos
grandes homens;
Madalena de Sàngó, minha eterna Ìyálórìsà;
Heloisa d' Òsun, minha esposa, equilíbrio e amor;
Jéssica e Guilherme, meus filhos, minha herança e minha vida;
Ajoyè Fernanda T'Ynlè (Mi orè ati Omo Orixá), renovação, equilíbrio e o respeito necessário daqueles
que levam a religião a sério;
A todos que sempre nos ajudaram com algo que engrandeceu a religião, aos mais velhos, mais novos e
iguais.

Muita paz, saúde e felicidades num ano novo cheio de boas realizações,
Axé.

Bàbálórìsà Alberto Acaiaba