A Economia Brasileira – BAER.

W

Capitulo 4 – O impulso de industrializaçao pos-Segunda Guerra Mundial: 1946-61
Embora a continuação do processo de industrialização brasileira logo após a Segunda Guerra Mundial fosse originada por circunstâncias semelhantes as que prevaleceram durante os nãos da Depressão – isto é, dificuldades no balanço de pagamentos -, suas características fundamentais eram totalmente diversas. 1950 → a industrialização não era mais uma reação defensiva a acontecimentos externos, mas a principal maneira encontrada para modernizar e aumentar a taxa de crescimento da economia.

O comércio exterior do Brasil e seu papel na economia:
A estrutura das mercadorias de exportação no Brasil se concentrava em uma pequena quantidade de produtos → Brasil era extremamente dependente das exportações → mudanças nos rendimentos das principais exportações brasileiras exerciam fortes efeitos em toda a economia Principais mercados: EUA e Europa Ocidental O declínio dessas exportações ocorreu devido a:   Queda dos lucros com as principais exportações Crescimento interno da economia baseada na industrialização tendo em vista a substituição de importações

O mercado mundial para as exportações tradicionais do Brasil na década de 1950:
Expansão das exportações mundiais de produtos manufaturados → decisão do governo de mudar a estrutura da economia → promover a industrialização em substituição à importação. Queda da participação do Brasil no mercado para as suas principais mercadorias de exportação → elevados preços para o café → estimulo para outros países passarem a produzir café.

Os anos pós-guerra

Déficit → justificável. bens de capital e certos bens essenciais de consumo. já que havia preocupação com a inflação → preocupação em manter os preços baixos. Guerra da Coréia: as importações de bens de capital e bens de produção subiram Estimulo a remessa de lucros e a uma evasão de capital → desencorajamento a entrada de capital novo O sistema de câmbio múltiplo: 1953-57 Câmbio livre limitado    Entrada e saída de capital e seus lucros Compra e venda de moeda estrangeira para fins de turismo Importações e exportações retidas no câmbio oficial Função: estimular certos tipos de exportação → aumentar e diversifica as exportações → conseqüência: diminuiu o estimulo as exportações e a entrada de capital ao mesmo tempo em que criou um incentivo prejudicial ao turismo e as remessas de lucros.Queda das importações durante a Guerra → aumento das reservas cambiais do país Supervalorização do cruzeiro → gastos das reservas cambiais → atender a demanda por importações → receio do impacto causado pela desvalorização. Mudança do caráter do sistema cambial → ferramenta para promover a industrialização . Controles de câmbio: 1946-53 Impulso de industrialização → conseqüência das medidas adotadas para enfrentar as dificuldades do balanço de pagamentos → controle de câmbio (principal) Valorização do cruzeiro → estimulo as importações 1945-50: governo exerceu controle para equilibrar o balanço de pagamentos → políticas não levavam em consideração o desenvolvimento e as necessidades de suprimentos vindos do estrangeiro → essenciais para a fase inicial das indústrias. 1953: sistema de câmbio múltiplo → leilões para a obtenção de divisas → criou um mecanismo de mercado para equiparar a oferta e a procura de moeda estrangeira → direcionamento dos lucros das importações para o governo → favoreceu a maioria dos bens de capital e dos insumos correntes á agricultura → agiu como grande desestímulo ás exportações Mudanças nos controles cambiais: 1957-61 Tarifas ad valorem → taxa de câmbio baixa pra a importação de matérias-primas.

Segunda metade da década de 1950: superprodução de café Empresas estrangeiras que remetiam lucros obtinham uma taxa mais favorável do que os importadores de bens essenciais Reforma cambial: 1961-63 (?) A Lei dos Similares Principal instrumento para estimular o impulso da industrialização a fim de substituir as importações → proteção tarifária → investidores estrangeiros passaram da importação à montagem ou da montagem fabricação totalmente desenvolvida. Efeitos das políticas de industrialização: .Estados Unidos → criação do Banco Nacional de Desenvolvimento → planejar. Planos e programas especiais: Plano Salte: programa de gastos públicos → problemas de implementação devido a dificuldades financeiras → chamou atenção pra outros setores da economia defasados em relação á indústria e que poderia impedir um futuro desenvolvimento Comissão Economia Conjunta Brasil . Aumentar a taxa de crescimento da economia havia se tornado fator de extrema importância para o governo → elevada taxa de crescimento populacional “Desenvolvimentismo” → obtenção de altos índices de crescimento em um período de tempo relativamente curto → JK → Programa de Metas Metas para a indústria de base → “pontos de desenvolvimento” Programas de incentivos especiais Indústria automobilística→ benefícios a importação de equipamento para fabricação de componentes automotivos → empresas se comprometiam a adotar uma política de substituição das importações por componentes de fabricação nacional. analisar e financiar a infraestrutura e vários projetos industriais.Somente se poderia obter índices elevados de crescimento econômico e modernização através de mudanças estruturais ocasionadas pela industrialização → proteção as indústrias recémativadas → atração de investimentos estrangeiros diretos → importação de equipamento sem a necessidade de cobertura cambial.

   Elevados índices de crescimento econômico Déficits do balanço de pagamentos → grande parte dos investimentos ter sido feita via importação Aumento da proporção de matérias-primas importadas Desequilíbrios e gargalos:     Grande migração do campo para as cidades → rápidas e crescente demanda por comida nos centros urbanos → precária rede de transporte rural-urbano Aumento da taxa de inflação Distribuição desproporcional dos benefícios advindos do desenvolvimento Progressivas pressões do balanço de pagamentos .

maior controle sobre as atividades do capital estrangeiro 1964 → inflação chegou a índices anuais superiores a 100% → investimentos nacionais e estrangeiros caíram → taxa de crescimento da economia declinou continuamente.Capitulo 5 – Estagnaçao e boom: O Brasil nas decadas de 1960-70 A causa imediata da estagnação que se instalou após 1961 parece ter sido a continua crise política vivenciada pelo país após a renúncia de Jânio Quadros JQ → esforço determinado para lidar com a inflação → restrição de créditos → congelamento de salários Goulart → agitações por reformas agrárias e tributárias. Dois pontos de vista sobre a estagnação da década de 1960 “Ortodoxos”: a estrutura industrial ineficiente que resultou na produção de bens de preço elevado → limitação severa das perspectivas de crescimento industrial. Falta de diversificação das importações → estagnação baseada na restrição de importações. “Não-ortodoxos” (estruturalistas): o ISI não havia solucionado alguns dos problemas socioeconomicos fundamentais presentes até mesmo antes do início do processo → agravação dos problemas existentes 1968-74: boom econômico → crescimento = desenvolvimento? Políticas econômicas desde 1964:       Caminho pra a recuperação econômica→ controle da inflação Eliminação da distorção dos preços acumulada no passado Modernização do mercado de capitais → aumento na acumulação de poupança Criação de um sistema de incentivos → investimentos para áreas consideradas essenciais pelo governo Atração de capital estrangeiro→ expansão da capacidade produtiva do país Uso de investimentos públicos em projetos de infraestrutura → áreas de indústria pesada → indústrias estatais Reformas:   Contenção dos gastos públicos Aumento da receita tributária .

  Restrição de crédito Arrocho salarial As tarifas de serviços públicos foram aumentadas drasticamente → impacto inflacionário adicional de curto prazo → gradual eliminação dos déficits em vários setores → redução da necessidade de subsídios do governo. Modernização e fortalecimento dos mercados de capitais → sustentação do crescimento econômico Juros sobre instrumentos da dívida eram reajustados de acordo com a taxa de inflação Desenvolvimento de mecanismos de crédito → aumentar a demanda de investidores e consumidores para a produção da crescente capacidade industrial do país. BNDE → financiar as vendas de pequenas e medidas empresas brasileiras ou a aquisição de bens de capital Realizações do governo pós-1964: Grande parte do setor manufatureiro estava concentrada nos bens de consumo duráveis e nos produtos químicos. 22 milhões de pessoas → mercado suficientemente grande (Belíndia) . O setor governamental: Crescente envolvimento do Estado na economia Questões que envolvem a experiência de crescimento do período pós1964: A questão da equidade: Declínio do salário real na segunda metade da década de 1960 → estagnação → a pequena parcela da população apta a consumir não iria constituir um mercado suficientemente grande para sustentar o índice de crescimento econômico. Coeficiente de capital elevado: Aumento da capacidade de produção instalada → crescente predominância de investimentos governamentais → aumento dos impostos diretos e indiretos → abertura da economia ao comércio exterior.

Perfil de demanda → indústrias mais tecnologicamente avançadas → depende da manutenção/aumento da concentração de renda. Formação de capital→ investimentos públicos e atividades de investimento em empresas do governo (60%) Outros problemas de distribuição: (?) Afastamento da ortodoxia do período pós-1964: Normas e instituições criadas pelo governo → produção de elevados índices de crescimento de 1968-74 .Quem poupa? Os grupos de renda mais elevada estão mais inclinados a poupar do que os grupos de renda mais baixa → a primeira exigência para um crescimento rápido e sistemático é a existência de um elevado índice de poupança → vários recursos de programas sociais representavam poupanças forçadas → os grupos de renda mais baixa financiavam projetos para grupos mais favorecidos. Perfis de demanda da população: Concentração de renda→ criaria um perfil de capacidade de produção → inadequado a uma sociedade igualitária.

o Brasil ingressou numa nova fase de seu desenvolvimento → políticas de crescimento → resultaram em importantes mudanças estruturais na economia.Capítulo 6 – Dos ajustes ao choques externos a crise provocada pela dívida: 1973-85 Com o choque do petróleo em novembro de 1973. um nível de emprego e consumo 2. Aumentar a auto-suficiência do país em setores como o de energia → desenvolvem vantagens comparativas . Rápida expansão da infraestrutura econômica → investimentos em sua maioria realizados por empresas estatais ou pelo setor privado apoiado financeiramente pelo BNDE Objetivos: 1. Mudar a estrutura da economia através da substituição de importações → diversificação e expansão de exportações 3. ressurgimento da inflação e na rápida expansão da divida externa. Agir com uma forte política contracíclica diante do impacto causado pela crise do petróleo-manter uma razoável taxa de crescimento. Estimular os bancos internacionais a financiar o déficit da conta corrente → prorrogar o ajuste externo 4. O primeiro choque do petróleo: impacto e reação O Brasil importava mais de 80% do petróleo que consumia → necessidade de reagir → optou por manter elevadas taxas de crescimento contínuo → declínio significativo nas reservas cambiais do país/grande aumento da dívida externa Mudanças políticas:    PIB real havia crescido Menores níveis da inflação Piora na distribuição de renda Seria mais fácil aliviar a repressão salarial dentro de um contexto de uma economia em expansão As políticas do governo Geisel: PND II→ Metas: 1. Substituição das importações de produtos industriais básicos e bens de capital 2.

6. O macroimpacto do período de ajuste: . Declínio dos salários reais → queda no PIB real → altas taxas desestimularam os investimentos pagamentos dos juros da dívida externa → aumento das pressões inflacionárias internas e queda dos investimentos. 2. Controle de preços O desempenho econômico em 1980: Crescimento surpreendentemente alto da economia → elevada taxa de inflação → recuperação da produção agrícola → reação aos incentivos de preços e créditos Aumento da produção industrial → intensa demanda do consumidor por bens duráveis Ajustes através da recessão: Controle das importações pela redução da absorção interna → a divida externa havia se tornado um processo preponderantemente autorreforçador Programa supervisionado pelo FMI → aumento da taxa de câmbio real. diminuição da demanda interna → redução do consumo → aumento das taxas de impostos. “Pacote Econômico”: 1. Em direção à crise provocada pela dívida: Taxa de inflação crescente → dívida externa → segundo choque do petróleo → declínio das relações de troca → governo obrigado a aumentar a desvalorização do cruzeiro.A crescente dívida internacional: Opção pelo crescimento → aumento excepcional da dívida externa do país → empréstimos no mercado internacional → continuo aumento das reservas internacionais → necessidade de cobrir o déficit da conta corrente em vez de aumentar as reservas. Maxidesvalorização do cruzeiro Eliminação dos subsídios à exportação Eliminação de muitos incentivos fiscais Aumentos nos preços dos serviços públicos Extinção da Lei dos Similares Redução da alíquota do imposto de renda devido à remessa de juros → estimular empréstimos externos ao Brasil 7. 5. 4. 3.

principalmente do setor financeiro. O efeito de igualdade produzido pelos programas de ajuste: Objetivos:   Melhoria na distribuição de renda Aumento do bem-estar das massas A carga representada pelos programas de ajuste caiu pesadamente sobre os grupos de renda inferior → concentração de renda O papel do setor público na crise do período de ajuste: O setor publica suportava a maior carga do processo de ajuste → governo reteve os preços de muitas empresas publicas como instrumento anti-inflacionario → queda dos preços e tarifas reais cobrados por elas → empresas federais tornavam-se cada vez mais dependentes do governo→ financiamento de projetos de investimento.O recorde de crescimento: Dívida-com-crescimento → expansão do PIB Os indicadores macroeconômicos: Abertura da economia do ponto de vista da exportação de bens e de serviços Substituição de importações → queda na relação de bens e serviços importados A estrutura econômica: Declínio da indústria e crescimento da participação dos serviços. . Aumento relativo da importância do investimento de empresas estatais e o declínio dos investimentos governamentais em geral.

sindicatos e do Estado → empresas oligopolistas aumentavam a participação na renda nacional. através da manipulação dos preços. Os neoestruturalistas: O surto inflacionário do período ocorreu durante o período de crescimento → origem da inflação: decorrência do monopólio de empresas. Capítulo 7 – O ressurgimento da inflaçao no Brasil: 1974-86 A natureza da inflação brasileira: dois pontos de vista A tradição ortodoxa: Economistas associados ao FMI: o excesso de liquidez. taxas de juros e salários → inflação administrada Para conseguir uma queda na taxa de inflação sem um choque deflacionário → aceitação das reduções nos picos reais de renda pelos agentes econômicos. Crescimento superior ao justificado pelo balanço de pagamentos → financiado por empréstimos externos por parte do setor público. Antecedentes gerais da recente inflação brasileira:    Quintuplicaçao dos preços do petróleo Aumento das taxas de juros reais mundiais Maxidesvalorizações ocorridas Os setores podem repassar esses choques aos seus clientes sob a forma de preços mais elevados → cadeia de aumentos → nível geral da inflação será afetado → aumento das taxas da inflação.O setor público durante a crise da dívida: 1981-85 Contenção de investimentos do setor público → queda progressiva na carga tributária bruta e transferência dos subsídios para o setor privado. causado pela falta de controle do orçamento do governo e pelo acúmulo de reservas cambiais foi responsável pelo desempenho econômico do Brasil. .

Controlando a inflação pela manipulação de índices: O governo expurgou o índice de custo de vida de “acontecimento acidentais”. Expansão dos meios de pagamento → emissão de moeda para financiar seus déficits. apesar dos elaborados mecanismos de controle de preços. A capacidade de vários setores em repassar os aumentos de custos rapidamente aos preços de seus produtos 2. Aspectos monetários do processo inflacionário: A inflação não pode instalar-se ao menos que seja validada por um crescimento significativo dos meios de pagamento e/ou velocidade de sua circulação.O impacto inflacionário produzido por choques externos: Os setores afetados pelo choque do preço do petróleo ficaram ansiosos por repassar o aumento de seus custos de produção sob forma de preços mais elevados e o governo. pela redução da renda devido á inflação. as reformas a intensificou. Capacidade de se obter uma compensação. através da indexação e pela disposição das autoridades monetárias em expandir o crédito. O processo inerente ao orçamento autoritário do Brasil: Em vez de reduzir a função do Banco do Brasil como autoridade monetária. avaliou ser politicamente sensato opor pouca resistência a esse processo. por parte do Estado. Indexação: A indexação de instrumentos financeiros → evitar algumas distorções causadas pela inflação → possibilitar ao governo o financiamento de sues déficits de maneira não inflacionária e estimular a poupança → as taxas de juros reais aumentaram e as necessidades de empréstimo para a dívida indexada cresceram. mas essa medida nunca foi drástica o suficiente para mudar a distribuição de renda. O mecanismo propagador da inflação: 1. Controle de preços: .

O Plano Cruzado: 1. 3.O Brasil adotou um sistema de controle de preços nos setores industrial e agrícola → controles não eram usados para controlar a inflação → evitar explosão repentina dos preços. Congelamento geral dos preços finais dos produtos Fixação de novos salários reais com base na media dos seis meses anteriores Sistema de reajustamento salarial Criação de uma nova moeda Resultado:   Queda do índice de inflação Aceleração da atividade econômica Dificuldades e contradições emergentes: . 4. realinhamento de preços controlados Cambio regulado por minidesvalorizações → estímulo ás exportações → “milagre” Resultado: processo inflacionário de luta por participação na renda Acontecimentos que conduziram ao Plano Cruzado: A profunda recessão de 1981-84 não exerceu nenhum impacto sobre a taxa da inflação. política salarial repressiva. O aumento salarial foi o erro que resultou na falha do plano → concorrência pelo poder de compra exigia aumento dos salários. Medidas fiscais padronizadas. Antecedentes: 1964    1978   Aumento da taxa de inflação Choques internos e externos Redução gradual da inflação. 2. Capítulo 8 .Declínio e queda do cruzado Plano Cruzado: programa “heterodoxo” de estabilização que visava interromper de imediato da inflação.

O aumento salarial e o congelamento dos preços levaram a uma política de renda que favorecia a mão-de-obra. As taxas de juros relativamente baixas contribuíram de várias maneiras para superaquecer a economia. principalmente os aumentos salariais. Crescimento excessivo: Os elevados gastos do consumidor foram estimulados pelos significativos aumentos reais dos salários. mas mais por causa de fontes internas. As contas externas: A taxa de câmbio era favorável às exportações → cruzado estava desvalorizado  Deterioração das contas comerciais → a pressão inflacionária se desenvolveu aos o Plano Cruzado. em parte devido às pressões das cotas externas. Ágio do mercado paralelo em crescimento → demanda elevada  . O déficit do setor público: Ausência de um programa de controle fiscal → o congelamento dos preços eliminou o problema da “defasagem da arrecadação” Os meios de pagamento: A disposição do público em reter o dinheiro seria uma brusca conseqüência das expectativas de uma inflação em declínio. O impacto alocativo do congelamento de preços: Eliminação do mecanismo de preços como alocador de recursos Grupos de renda mais baixa aumentavam a demanda por alimentos ao mesmo tempo em que os produtores reduziram a oferta → escassez → elevação das pressões sobre as finanças do setor público.

e.O colapso do Plano Cruzado: Restrição da política monetária → esfriar a demanda agregada para captar poupança e incentivar os investimentos → rápida queda nas exportações. em decorrência disso. Cruzado II: alinhamento de preços de produtos de consumo da “classe média” para estimular a poupança → conseqüência: desvio de gastos A dívida externa: O investimento estrangeiro direto líquido caiu para virtualmente zero. → intensificação das perdas de reservas Avaliação: O objetivo básico do Plano Cruzado era eliminar a parte “inercial” da inflação brasileira O aumento salarial concedido no seu início intensificou a demanda agregada numa época em que a economia já estava aquecida → agravamento pela não-poupança do setor público Para que houvesse “inflação zero” deveria haver a diminuição dos preços O Plano Cruzado favoreceu a classe assalariada → aumento significativo por bens de consumo Conclusão: O Plano Cruzado falhou definitivamente. se pagou um preço elevado O aumento dos salários teve um preço desestabilizador O congelamento dos preços foi mantido por um tempo extremamente longo A culpa foi do Sarney (brinks. isso não tá (explícito) no livro XD) .

isso não tá (explícito) no livro XD) . em decorrência disso.O objetivo básico do Plano Cruzado era eliminar a parte “inercial” da inflação brasileira O aumento salarial concedido no seu início intensificou a demanda agregada numa época em que a economia já estava aquecida → agravamento pela não-poupança do setor público Para que houvesse “inflação zero” deveria haver a diminuição dos preços O Plano Cruzado favoreceu a classe assalariada → aumento significativo por bens de consumo Conclusão: O Plano Cruzado falhou definitivamente. se pagou um preço elevado O aumento dos salários teve um preço desestabilizador O congelamento dos preços foi mantido por um tempo extremamente longo A culpa foi do Sarney (brinks. e.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful