Você está na página 1de 3

26/04/2004 - Vinculação de Receita de Impostos / Constituição

Não-escrita

Bom dia,

Atendendo a pedidos por e-mails, comentarei, hoje, dois enunciados


cobrados no último concurso de Analista de Controle Externo do
Tribunal de Contas da União (ACE/TCU), recentemente realizado pelo
Cespe/Unb.

O primeiro enunciado reza o seguinte:

“Como regra geral, é vedada a vinculação de receita de impostos a


qualquer tipo de despesa, ressalvada, entre outras hipóteses
previstas na Constituição Federal de 1988, a vinculação à despesa
destinada à realização de atividades da administração tributária”.

No tocante a essa afirmativa – que está CERTA -, o que pesou, de


fato, foi a necessidade de atualização do candidato em relação às
modificações do texto constitucional por meio da aprovação de
emendas constitucionais. Essa matéria – princípio da vedação à
vinculação de receita de impostos – está disciplinada no art. 167, IV,
da Constituição Federal, e foi objeto de alteração recente, por meio
da EC nº 42, de 19/12/2003 (reforma tributária), que deu a seguinte
redação ao dispositivo:

“Art. 167. São vedados:

(...)

IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa,


ressalvadas a repartição do produto da arrecadação dos impostos a
que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos para as
ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e
desenvolvimento do ensino e para realização de atividades da
administração tributária, como determinado, respectivamente, pelos
arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação de garantias às
operações de crédito por antecipação de receita, previstas no art.
165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste artigo;”

Pela leitura do transcrito dispositivo constitucional, percebe-se que o


legislador constituinte derivado acrescentou uma nova hipótese de
exceção à não vinculação da receita de impostos, qual seja:
vinculação da receita de impostos para a realização de atividades da
administração tributária.

Com isso, passamos a ter as seguintes exceções ao princípio da não


vinculação de impostos:
a) a repartição do produto da arrecadação dos impostos a que se
referem os arts. 158 e 159 (repartição das receitas tributárias, entre
os entes federados);

b) a destinação de recursos para as ações e serviços públicos de


saúde (CF, art. 198, § 2º);

c) a destinação de recursos para manutenção e desenvolvimento do


ensino (CF, art. 212);

d) a destinação de recursos para realização de atividades da


administração tributária (CF, art. 37, XXII);

e) a prestação de garantias às operações de crédito por antecipação


de receita (CF, arts. 165, § 8º, e 167, § 4º).

Essa vinculação de receita de impostos para as atividades da


administração tributária, prevista nesse dispositivo constitucional
(art. 167, IV), há que ser interpretada em consonância com a nova
redação dada pela mesma EC nº 42/2003 ao art. 37, XXII, que
estabelece que as administrações tributárias da União, dos Estados,
do Distrito Federal e dos Municípios, atividades essenciais ao
funcionamento do Estado, exercidas por servidores de carreiras
específicas, terão recursos prioritários para a realização de suas
atividades.

O outro enunciado estabelece o seguinte:

“As constituições classificadas como não-escritas, produto de lenta


síntese histórica, são compostas exclusivamente por normas
costumeiras, jurisprudência e convenções.”

O enunciado está ERRADO, em face da presença da palavra


“exclusivamente”.

De fato, as constituições do tipo não-escritas são compostas,


predominantemente, por normas costumeiras, jurisprudência e
convenções. Acontece, porém, que em regimes de constituição não-
escrita podem existir, também, normas escritas, leis constitucionais
(leis com “status” de norma constitucional).

Assim, por exemplo, na Inglaterra – país que, tipicamente, adota


Constituição do tipo não-escrita –, ao lado das normas costumeiras,
temos leis constitucionais escritas, que também integram o
ordenamento constitucional inglês. A diferença, em relação aos
regimes de constituição escrita, é que tais normas escritas, nos
regimes de constituição não-escrita, não foram elaboradas por um
órgão especial que tenha recebido essa especial incumbência (para
elaborar normas constitucionais - Assembléia Nacional Constituinte,
por exemplo), num determinado período. Ganharam elas essa
especial dignidade (dignidade de lei constitucional) em razão de seu
conteúdo, por versarem sobre matéria substancialmente,
materialmente constitucional, de acordo com as tradições do Estado
inglês. Daí falar-se, nos regimes de constituição não-escrita, na
denominada “supremacia material” das normas constitucionais sobre
as demais normas do ordenamento.

Portanto, repito, a palavra “exclusivamente” invalida o enunciado do


Cespe/Unb.

Até breve.

Vicente.

Você também pode gostar