Centro de Ciências Jurídicas – CCJU Curso de Direito

TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES

Trabalho acadêmico apresentado como requisito parcial na disciplina de Direito Civil – Obrigações I. Docente: Alexandre Cortez Fernandes Alunos: Carlos Augusto Zatti Baretta e Jéssica Apolo Camargo Branco

Caxias do Sul, RS - 21 de Junho de 2011

...............................Página 05 6..............1 Relações entre cedido e cedente.................... Transmissão das Obrigações................................................SUMÁRIO 1................. Endosso..........1..Página 06 7........Página 08 ...................2 Diferenças entre cessão de crédito e cessão de débito.... Introdução.......... Assunção de dívida............................Página 02 2..................................................Página 05 6............Página 03 5..................Página 03 3..............................1........................Página 05 6..........................................................................................................................2...........................................Página 04 6....................................................... Considerações Finais....................................... Cessão de Crédito............................................... Jurisprudência...................................Página 03 3.............................Página 03 2.....Página 07 8...................3............ Modalidades..........................................Página 04 4.......Página 03 3.................. Assunção de Dívida....................... Endosso................. Referências Bibliográficas................................... Cessão de crédito...............

Depende da aprovação expressa do credor e gera a liberação do devedor originário da obrigação. na relação obrigacional. Em nosso trabalho explanaremos sobre a cessão de crédito e a assunção de dívida. INTRODUÇÃO As obrigações podem ser transmitidas de um patrimônio a outro. A assunção de dívida ocorre quando um terceiro substitui o sujeito passivo. chama-se assunção de dívida. A cessão de crédito independe da aprovação do devedor. Quando o credor transmite o direito. o negócio jurídico denomina-se cessão de crédito e quando o devedor é que transmite seu dever.02 1. O sujeito ativo. devedor primário. for proibido por lei ou contrato. como por exemplo. . exceto se isso conflitar com a natureza da obrigação. as prestações personalíssimas. credor da obrigação pode transferir seus direitos a terceiros.

Depois de concluído o inventário. Se os bens não forem de valor suficiente.1 Modalidades A transmissão da obrigação pode ser um negócio jurídico oneroso ou gratuito. Falecendo o credor. geralmente quando os sujeitos são familiares e amigos. independentemente do consentimento do devedor (cedido). A partir . é acompanhado por um ganho em favor do cessionário. TRANSMISSÃO DAS OBRIGAÇÕES 2. Pode também ser negocial. Quando oneroso. O direito de crédito a auxílio social do governo. causa mortis. pelo qual o cedente ou credor de uma obrigação transfere sua posição na relação obrigacional. vencimentos. No caso de o devedor falecer não ocorre transmissão. o sucessor é o novo titular do direito à prestação da obrigação. Créditos personalíssimos. inter vivos ou derivar da morte do sujeito obrigado. CESSÃO DE CRÉDITO A cessão de crédito é um negócio jurídico bilateral. seu direito é transmitido aos herdeiros. O credor só está impedido de ceder seu crédito se a cessão for incompatível com a natureza da obrigação ou for contrária a lei ou ao contrato com o devedor.02 2. como por exemplo. salário ou pensão alimentícia não pode ser cedido. extinguindo-se assim a obrigação. com todos os acessórios e garantias. a um terceiro (cessionário). no caso de se tratar da cessão de crédito ou do alienante. 3. gratuito ou oneroso. antes de partilhar os bens paga-se as dívidas deixadas por ele. esta se impossibilita. toda ou em parte. pois a sua natureza veta a transmissão. Relações entre cedido e cedente A cessão é uma obrigação que tem como prestação outra obrigação. não pode ser cedido em razão de expressa proibição em lei e se as partes estabeleceram em contrato que não seria aceita a cessão de crédito. os herdeiros não se tornam devedores.1. na assunção de dívida e quando gratuito não ocorrem estes ganhos. 3.

4. ele deve ser comunicado. O cedente é responsável pela existência da do crédito ao tempo da cessão perante o cessionário. O cedido continua devedor da prestação como já era antes da transmissão. inalterado. uma vez que a pessoa do devedor é de suma importância para ele em virtude da dependência do cumprimento da obrigação à solvência e idoneidade patrimonial do devedor. transfere a um terceiro os encargos obrigacionais. Ela não altera em nada a extensão da obrigação. A pessoa do devedor é de grande relevância para o credor. de modo que este assume a sua posição na relação obrigacional. 3. deve devolver ao cessionário o valor da transmissão e arcar com os danos que possa ter causado. como a existência e validade da obrigação transferida. Após a ciência estará obrigado a entregar a prestação ao cessionário e não mais ao antigo credor. o qual dependerá da solvência daquele para ter seu crédito satisfeito. que subsiste com todos os seus acessórios.03 disso o cessionário passa a ter relação jurídica não só com o cedente. O débito originário permanecerá. ASSUNÇÃO DE DÍVIDA É um negócio jurídico bilateral. a substituição do devedor com permanência na substância do vínculo obrigacional e a concordância do credor. com anuência expressa do credor. Para ser eficaz em relação ao devedor (cedido). Se o direito de crédito que ele transmitiu existia. portanto. substituindo-o. motivo pelo qual é dispensado seu assentimento. Para a validade da cessão de débito é exigida a concordância do credor para efetivação do negócio jurídico. não há como responsabilizá-lo pela insolvência do devedor. Há pressupostos para a validade. a observância dos requisitos atinentes aos negócios . assim responsabilizando-se pela dívida. mas também com o cedido. a notificação pode ser extrajudicial. o ônus a que sujeita o devedor não se agrava em virtude da alteração do credor.2 Diferenças entre cessão de crédito e cessão de débito A anuência do devedor é irrelevante na cessão de crédito. pelo qual o devedor. Se transmitir um direito que não possui. Ele deve ser apenas cientificado da cessão.

segundo nossos doutrinadores. sem que ocorra a liberação do devedor primitivo. ocorre a assunção cumulativa. Somente títulos nominativos ou à ordem podem ser endossáveis. Contudo. 5. sucedendo o devedor principal. solidaria com o novo. Outra forma também que poderá ser efetuada a assunção de dívida é pela delegação. ENDOSSO O endosso é o ato pelo qual a pessoa proprietária de um título de crédito o transfere para outra pessoa. Quando ocorre a liberação do devedor primitivo. através de um contrato entre o credor e o terceiro que assume o pólo passivo da relação jurídica obrigacional. A denominação vem do fato de que é realizado no verso do título (dorso. o qual ainda permanece na relação. que se investirá na conditio debitoris. caracterizada pelo acordo entre o devedor originário e o terceiro que vai assumir a dívida. sobrevivência das garantias reais. A assunção. cujo requisito para validade consiste na aceitação do credor. Necessário se faz elencar os passos e efeitos produzidos pela expromissão: o credor procura o terceiro (assuntor) liberando o devedor primitivo e subsistindo o vínculo obrigacional. quando ocorre o ingresso do terceiro no pólo passivo da obrigação. com todas as suas garantias. verifica-se a assunção liberatória. há a transferência do débito a terceiro. É uma espécie de garantia integrada ao título. ou seja. . poderá ser efetuada por expromissão. através da assinatura do endossante. restauração da dívida. os títulos ao portador não necessitam do endosso para que mudem de proprietário desde que a transmissão ocorra pela simples entrega do documento. As duas modalidades podem surtir efeitos liberatórios ou cumulativos. costas). possibilidade de o adquirente do imóvel hipotecado tomar a seu cargo o pagamento do crédito garantido. ocorre a cessação dos privilégios e garantias pessoais do devedor primitivo. tornando o endossante um coobrigado solidário ao cumprimento da obrigação nele contida.04 jurídicos. conferindo-lhe os direitos que lhe competiam. havendo anulação da substituição do devedor.

em branco e em preto. ILEGITIMIDADE ATIVA. pelo valor de R$ 580. Ré que comprovou a existência da cessão de crédito. NEGÓCIOS JURÍDICOS BANCÁRIOS. (Apelação Cível Nº 70042708909. Notificação da cessão de crédito tem apenas o efeito de comunicar o devedor a quem pagar. Tanto no endosso em preto quanto no endosso em branco. NO PERÍODO DE JANEIRO DE 1989 E MARÇO DE 1990. Cessão de crédito Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. NA QUAL POSTULADO O RESSARCIMENTO DOS VALORES PAGOS A MAIOR A TÍTULO DE JUROS REMUNERATÓRIOS E CORREÇÃO MONETÁRIA.2. NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO.00. Relator: Nelson José Gonzaga. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO E CANCELAMENTO DE INSCRIÇÃO NOS ÓRGÃOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO. CESSÃO DE CRÉDITO. acerca dos assuntos tratados no trabalho: 6. 6.05 Existem duas espécies de endosso. Julgado em 09/06/2011). Mantida a sentença que julgou improcedente o pedido. O endosso em branco é dado pela simples assinatura do proprietário do título no verso do mesmo. JURISPRUDÊNCIA A seguir citaremos algumas decisões do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Décima Oitava Câmara Cível.000.20ha. em que os ora demandantes efetuaram a venda a terceiros de uma área de terra de 197. deveria o endossante declarar seu endereço abaixo da assinatura. Tribunal de Justiça do RS. oriundo de contrato celebrado pela devedora com empresa de telefonia cedente. IMPROCEDÊNCIA. 451/454). mas sem excluir a exigibilidade do crédito cedido. Assunção de dívida Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. 6. AÇÃO DE REPETIÇÃO DO INDÉBITO. UNÂNIME. Contrato particular de compra e venda com assunção de dívida (fls. pagos pela . apesar de não ser exigida.1. já o endosso em preto requer mais declarações do proprietário. CÉDULA DE CRÉDITO RURAL.

Principio da inoponibilidade das exceções pessoais. Décima Primeira Câmara Cível.EMBARGOS À EXECUÇÃO PAGAMENTO EM CHEQUE PARA AQUISIÇÃO DE TÍTULO DE SÓCIO VITALÍCIO . Transmissão do título por endosso à embargada. Portador legítimo e de boa-fé. Recurso não provido. Inadmissibilidade da desconstituição do titulo. Pretenso prejuízo do emitente ressarcível mediante ação adequada em face do contratante que supostamente o lesou. ACOLHERAM A PRELIMINAR E EXTINGUIRAM O PROCESSO. Relator: Katia Elenise Oliveira da Silva.CHEQUE . 6. SEM RESOLUÇÃO. Alegação de rescisão contratual. Endosso Ementa: CAMBIAL . Autonomia da relação cambiaria.3. (Apelação Cível Nº 70042754358. Expressa transferência de todos os direitos e obrigações oriundos das referidas Cédulas. Embargos à execução julgados improcedentes. UNÂNIME.06 assunção dos compradores das cédulas rurais hipotecárias celebradas com o demandado. . Julgado em 01/06/2011).ENDOSSO TRANSLATIVO DA CÁRTULA EM OPERAÇÃO DE FACTORING . Litigância de má-fé não reconhecida. Tribunal de Justiça do RS.AUTONOMIA DAS OBRIGAÇÕES CAMBIÁRIAS.

com a busca em doutrinadores renomados que nos levaram ao entendimento entre as formas de transmissões de obrigações e suas características diferenciadoras. A transmissão de obrigações é um tópico de extrema importância para melhor regular instâncias das relações obrigacionais. com clara diferenciação de cada forma de transmissão. Evidenciando suas características. buscando assegurar as diferenças entre cada uma delas. explicitando a respeito das formas de transmissão de obrigações. CONSIDERAÇÕES FINAIS O direito das obrigações tem por objeto o estudo e regulamentação do vínculo jurídico que une dois ou mais sujeitos em uma relação de direito e dever a uma prestação aferível pecuniariamente. .07 7. Ao tratar transmissão de obrigações. espécies e efeitos na busca da melhor caracterização para cada uma delas.

1 ed. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS a) COELHO. . 2005. 2003. Fábio Ulhoa. Vocabulário Jurídico Consiso. 2º volume. 1892-1964. de acordo com o novo Código Civil (Lei nº 10.406.08 8. 2º volume. Sílvio de Salvo. Curso de Direito Civil. Rio de Janeiro: Forense. De Plácido e. 3 ed. 17 ed. Curso de Direito Civil Brasileiro. Direito Civil II – Teoria Geral das Obrigações. 2008. Atualizadores Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. São Paulo: Saraiva. Maria Helena. c) SILVA. 2003. Atual. d) VENOSA. 2 ed. São Paulo: Saraiva. b) DINIS. São Paulo: Atlas. de 10-01-2002).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful