Você está na página 1de 13

INFORMÁTICA PARA A SAÚDE

Administração de Sistemas Operativos

EST – IPCB Ficha de Laboratório nº 5: Criação de Redes Ethernet


2º Ano / 1º Semestre – 2006/2007

1 Planeamento
1 Planeamento .......................................................................................................................................1
2 Objectivos............................................................................................................................................1
3 Parte I – Redes Peer-to-Peer..............................................................................................................1
3.1 Ligação Física ................................................................................................................................1
3.2 Configuração dos Endereços de Rede...........................................................................................2
3.3 Testar Velocidades de Transferência.............................................................................................2
4 Parte II – Redes com Concentradores ................................................................................................4
4.1 Método de Acesso ao Meio CSMA/CD...........................................................................................6
5 Parte III – Redes com Comutadores ...................................................................................................8
5.1 Testar Velocidade de Transferência.............................................................................................10
6 Parte IV – Redes Wireless ................................................................................................................10
6.1 Redes Wireless Ad-Hoc ...............................................................................................................11
6.2 Redes Wireless Infraestrutura ......................................................................................................12

2 Objectivos
Neste trabalho pretende-se que os alunos implementem a ligação entre computadores. Inicialmente,
pretende-se ligar um computador a outro directamente. De seguida, pretende-se que os alunos conheçam
do ponto de vista prático o funcionamento do método de acesso ao meio CSMA/CD, e apontem algumas
das suas limitações. Tendo em conta este conhecimento, será analisada a segmentação de redes
utilizando comutadores. Por fim, os alunos vão implementar redes sem fios com base em dois tipos de
estrutura: Ad-Hoc e Infraestrutura.

3 Parte I – Redes Peer-to-Peer

3.1 Ligação Física


1. Escolha dois PCs existentes no laboratório para efectuar uma rede Peer-to-Peer (PC-PC).
2. Indique o tipo de cabo a ser utilizado para ligar um PC a outro PC, assim como a categoria do
cabo.
3. Qual a designação do conector do cabo?

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 1


4. Encontre um cabo adequado. Quais as cores dos cabos nas duas extremidades?
5. Verifique se os cabos estão correctamente ligados. As placas de rede devem indicar actividade
através de LEDs. OK [ ] Not OK [ ]
a. Caso Not OK verifique bem as ligações ou procure outro cabo, até que a ligação fique
estabelecida.

3.2 Configuração dos Endereços de Rede


1. Escolha a classe de endereços IP que vai utilizar: Classe A, Classe B ou Classe C.
Classe C
2. De acordo com a classe escolhida, utilize endereços IP para redes privadas.
a. Indique o endereço de rede a utilizar. 192.168.0.0
b. Indique a máscara de sub rede. 255.255.255.0
3. Configure, de forma estática, os endereços IP para cada uma das máquinas:
a. Endereço IP: 192.168.0.1 Máscara sub rede: 255.255.255.0 (PC1)
b. Endereço IP: 192.168.0.2 Máscara sub rede: 255.255.255.0 (PC2)
4. Utilize as ferramentas que conhece para verificar se existe ligação entre os dois PCs.
a. Comando (ferramenta) utilizada para testar ligação? Comando ping
b. Existe ligação ao nível de rede? Sim, o ping responde
c. Caso não exista ligação verifique se os endereços IP estão correctamente planeados e
configurados.

3.3 Testar Velocidades de Transferência


1. Exercício teórico: Suponha que possui um ficheiro com cerca de 50 MBytes de tamanho.
a. Calcule o tempo que demora a transferir o ficheiro de um computador para outro numa
ligação a 100 Mbit/s.
S = Tamanho do ficheiro; T = Tempo da transmissão; BW = Largura de Banda
BW = S / T
S = 50MB; T = ?; BW = 100 Mbps
BW = S / T; 100Mbps = 50MB / T;
Passar de Bytes para bits: 50MB  50MB*8 = 400Mb
100Mbps = 400Mb / T; T = 400Mb/100Mbps; T = 4 s
b. Calcule o tempo que demora a transferir o ficheiro de um computador para outro numa
ligação a 10 Mbit/s.
S = 50MB; T = ?; BW = 10 Mbps
BW = S / T; 100Mbps = 50MB / T;
Passar de Bytes para bits: 50MB  50MB*8 = 400Mb
10Mbps = 400Mb / T; T = 400Mb/10Mbps; T = 40 s

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 2


2. Arranje um ficheiro com cerca de 50 MBytes de tamanho.
a. Tamanho do ficheiro: 50MB
3. Planeie e indique a forma que vai utilizar para transferir ficheiros entre os dois PCs.
4. Configure ambos os computadores para uma taxa de transferência de 100 Mbit/s em modo Full-
Duplex (alterar o tipo de duplex - propriedades da placa de rede).
a. Transfira o ficheiro de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 4s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental...
b. Transfira o ficheiro, em simultâneo, de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 4s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental...
5. Configure ambos os computadores para uma taxa de transferência de 100 Mbit/s em modo Half-
Duplex.
a. Transfira o ficheiro de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 4s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental...
b. Transfira o ficheiro, em simultâneo, de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 4s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental, mas devem existir colisões...
6. Configure ambos os computadores para uma taxa de transferência de 10 Mbit/s em modo Full-
Duplex.
a. Transfira o ficheiro de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 40s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental...
b. Transfira o ficheiro, em simultâneo, de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 40s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental...
7. Configure ambos os computadores para uma taxa de transferência de 10 Mbit/s em modo Half-
Duplex.
a. Transfira o ficheiro de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 40s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental...
b. Transfira o ficheiro, em simultâneo, de um PC para o outro.
i. Valor teórico da transferência: 40s
ii. Quanto tempo demorou? Experimental, mas devem existir colisões...
8. Comente os resultados obtidos.

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 3


As velocidades de transferência afectam o tempo que demora a transferência do ficheiro. O
tipo de duplex também, nomeadamente quando existem transmissões em simultâneo. Em
Half-Duplex demora mais tempo que em Full-Duplex.

4 Parte II – Redes com Concentradores


1. Analise o manual do concentrador (hub) que lhe é fornecido e responda às questões seguintes:
a. Indique a marca e o modelo do concentrador que possui.
Live FH16DS Dual Speed Hub
b. Quais as tecnologias de rede que este concentrador suporta e indique e descreva
brevemente as portas que possui?
10Base-T;100Base-Tx Ethernet/FastEthernet LAN
16 portas 10/100Mbps auto-sensing; uma Porta de Extension Bridge ou UpLink
(partilhada com a porta 1, apenas se pode utilizar uma destas portas de cada vez);
portas para ligar máquinas (porta 2 a 16)
c. Existem diferentes formas de poder interligar o seu concentrador com outro
concentrador. Identifique quais e como:
- Com um Cabo Directo ligado à porta de UpLink num Hub; no outro Hub liga-se o
cabo a uma porta normal (2 a 16) ou à porta 1 (caso a porta UpLink não esteja a ser
utilizada)
- Com um Cabo Cruzado ligado a uma porta normal (2 a 16) ou à porta 1 (caso a porta
UpLink não esteja a ser utilizada); no outro Hub liga-se o cabo a uma porta normal (2
a 16) ou à porta 1 (caso a porta UpLink não esteja a ser utilizada)
2. Esquematize uma rede sem caminhos redundantes utilizando três concentradores. Indique as
ligações entre os concentradores e a ligação às máquinas (portas e tipo de cabos utilizados).
Uma solução seria utilizar apenas cabos directos.
Os 3 Hubs utilizar as portas UpLinks para os interligar.
Hub1 porta UpLink – Hub2 porta 2
Hub2 porta UpLink – Hub3 porta 2
As restantes portas podem ser utilizadas para ligar máquinas. Portas disponíveis:
Hub1 porta 2 a 16
Hub2 porta 3 a 16
Hub3 porta 3 a 16 e a porta 1 (mas não deve ser utilizada para uma possível
expansão para ligar a outro Hub)
a. O que aconteceria se existissem caminhos redundantes (a existência de um anel)?
Num Hub com caminhos redundantes iria resultar que a mesma trama chegaria ao
mesmo destino várias vezes.

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 4


3. Planeie, em conjunto com os colegas, os endereços IP das máquinas. Utilize endereços
(estáticos) para redes privadas.
Rede: 192.168.0.0 Máscara: 255.255.255.0
a. Indique o tipo de cabo necessário a ser utilizado para ligar um PC ao concentrador,
assim como a categoria do cabo.
Cabos directos, pelo menos Cat5 (para suportar FastEthernet)
b. Quais as cores dos fios nas duas extremidades?
Lar/BrLar/BrVer/Az/BrAz/Ver/BrCast/Cast
c. Verifique se os cabos estão correctamente ligados. As placas de rede devem indicar
actividade através de LEDs. OK [ ] Not OK [ ]
i. Caso Not OK verifique bem as ligações ou procure outro cabo, até que a
ligação fique estabelecida.
d. Endereço da rede: 192.168.0.0
e. Máscara de sub rede: 255.255.255.0
f. Número de máquinas existentes na rede: N
g. Gama de endereços utilizáveis: 192.168.0.1 até 192.168.0.254

4. Implemente a rede com caminhos redundantes.


Hub1 porta UpLink – Hub2 porta 2 (cabo directo)
Hub2 porta UpLink – Hub3 porta 2 (cabo directo)
ANEL (caminho redundante):
Hub1 porta 2 – Hub3 porta 3 (cabo cruzado)
a. Ligue APENAS um PC (Endereço IP: 192.168.0.1 Máscara de sub rede: 255.255.255.0)
a um dos concentradores e faça um ping para um eventual endereço pertencente à
mesma rede.
i. O que observa? Porquê?
Os Hubs começam a retransmitir as tramas infinitamente. Os leds dos Hubs
apresentam uma taxa de utilização elevada.
ii. Desligue agora o cabo do PC. Comente novamente o que observa.
Mesmo desligando o cabo que liga o PC ao Hub, os Hubs continuam com o
mesmo comportamento.
5. Implemente a rede sem caminhos redundantes.
Hub1 porta UpLink – Hub2 porta 2 (cabo directo)
Hub2 porta UpLink – Hub3 porta 2 (cabo directo)
a. Utilizando concentradores implemente uma rede 100BASETx. Teste a ligação com
todas as máquinas utilizando o comando ping.

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 5


b. Preencha para todos os computadores da rede os endereço IP (ainda não preencha a
coluna com o Endereço MAC).
Endereço IP Endereço MAC Endereço IP Endereço MAC
b) c)
192.168.0.1 00-AA-BB-12-34-56

192.168.0.2 00-AA-BB-12-34-57

... ...

c. Finalmente, complete o campo dos endereços MAC de cada computador. Para isso
utilize o comando arp que permite a consulta da tabela ARP (Address Resolution
Protocol) que contém os mapeamentos (as traduções) dos endereços MAC (endereço
da placa de rede, atribuído pelo fabricante da placa) em endereços IP. Utilize arp –a e
se algum computador não constar na tabela ecoada após a execução do comando, faça
ping para esse computador e repita o comando arp –a.
C:\>arp -a
Interface: 10.6.5.150 --- 0x4
Internet Address Physical Address Type
10.6.0.5 00-02-a5-40-d7-23 dynamic
10.6.0.254 00-0d-56-fd-e1-fa dynamic

C:\>ping 10.6.5.159
Pinging 10.6.5.159 with 32 bytes of data:

Reply from 10.6.5.159: bytes=32 time<1ms TTL=64


Reply from 10.6.5.159: bytes=32 time<1ms TTL=64

Ping statistics for 10.6.5.159:


Packets: Sent = 2, Received = 2, Lost = 0 (0% loss),
Approximate round trip times in milli-seconds:
Minimum = 0ms, Maximum = 0ms, Average = 0ms
Control-C
^C

C:\>arp -a
Interface: 10.6.5.150 --- 0x4
Internet Address Physical Address Type
10.6.0.5 00-02-a5-40-d7-23 dynamic
10.6.0.254 00-0d-56-fd-e1-fa dynamic
10.6.5.159 00-4f-ae-26-13-2a dynamic

4.1 Método de Acesso ao Meio CSMA/CD


As redes Ethernet a 10Mbit/s ou 100Mbit/s utilizam o protocolo Carrier Sense Multiple Access with
Collision Detection (CSMA/CD) para monitorar o meio e esperar que esteja livre antes de iniciar uma
transmissão de dados. Ou seja, uma estação antes de transmitir uma mensagem determina se alguma
estação está a transmitir (Detecção da actividade da Portadora). Se o meio estiver livre transmite a
mensagem, se não, atrasa a transmissão até o meio estar livre. No entanto, pode acontecer que duas

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 6


estações encontrem o meio livre e iniciem a transmissão em simultâneo. O resultado neste caso poderá
ser a existência de colisões entre as mensagens, tendo como consequência um conjunto de mensagens
corrompidas. Assim, após uma transmissão as estações verificam se as suas mensagens foram ou não
corrompidas, efectuando o que se designa por detecção de colisões.

1. Utilizando a rede que configurou no ponto anterior, copie um ficheiro razoavelmente grande
(cerca de 50MBytes).
a. Tamanho do ficheiro: 50MB
b. Duração esperada para a transferência: 4 s (100Mbps)
c. Duração da transferência: Experimental
2. Planeie e indique a forma que vai utilizar para transferir ficheiros entre os PCs.
Por exemplo, partilhar uma pasta no Windows ou utilizar servidor e clientes FTP.
3. Realize agora, simultaneamente, várias transferências desse ficheiro entre os PCs configurados.
a. Quantos ficheiros foram transferidos? Experimental
b. Qual a duração da transferência de um ficheiro? Experimental
4. O que pode concluir relativamente aos resultados. Experimental
5. O que pode concluir relativamente ao método de acesso CSMA/CD que é utilizado nas redes
Ethernet. Permite a transmissão de informação pela rede (como ficheiros), mas como o
meio é partilhado, num meio congestionado existem muitas colisões.
6. Como acha que poderia melhorar o desempenho da rede (ou seja, das transferências)?
Os desempenhos seriam melhorados se existirem meios dedicados, não partilhados, para
transferir a informação.

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 7


5 Parte III – Redes com Comutadores
Na parte II do trabalho a rede possui concentradores (hubs). Neste tipo de rede quando uma das portas
do concentrador recebe uma trama, essa é difundida para todas as portas desse concentrador. Quando
uma estação está a transmitir uma trama todas as outras têm que esperar até que a transmissão cesse. A
rede forma assim um único domínio de colisão com as desvantagens inerentes e já analisadas na parte
II.
Os comutadores (switches) tal como os concentradores possuem várias portas, e em cada porta liga-se
uma máquina ou segmento de rede. Contudo, quando uma das portas recebe uma trama os endereços
de origem e destino da trama são analisados. Com base nas tabelas que contém os endereços das
máquinas ligadas a cada porta, os comutadores transmitem as tramas para a porta onde se encontra o
destino das mesmas. Assim, os comutadores permitem várias transmissões simultâneas em diferentes
segmentos, aumentando significativamente o desempenho, ou seja, permitem a segmentação de uma
rede formando vários domínios de colisão.

1. Consulte o manual do comutador e responda às questões seguintes:


a. Indique a marca e o modelo do comutador que possui.
Live-FSH8R Fast Ethernet Switch
b. Quais as tecnologias de rede que este concentrador suporta e indique e descreva
brevemente as portas que possui?
10BaseT (IEEE802.3)/ 100BaseTx (IEEE802.3u)
auto-sensing and auto-negotiating
8 portas normais
Uma porta UpLink
A porta 1 e a porta UpLink não devem ser usadas em simultâneo
c. Descreva as características das portas (número, velocidade, etc.) do comutador.
8 portas normais 10/100 Mbps
Uma porta UpLink 10/100 Mbps
Em Full-Duplex até 200Mbps
A porta 1 e a porta UpLink não devem ser usadas em simultâneo
d. Existem diferentes formas de poder interligar o seu concentrador com outro
concentrador. Identifique quais e como.
- Com um Cabo Directo ligado à porta de UpLink num Switch; no outro Switch liga-se
o cabo a uma porta normal (2 a 16) ou à porta 1 (caso a porta UpLink não esteja a ser
utilizada)

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 8


- Com um Cabo Cruzado ligado a uma porta normal (2 a 16) ou à porta 1 do Switch
(caso a porta UpLink não esteja a ser utilizada); no outro Switch liga-se o cabo a uma
porta normal (2 a 16) ou à porta 1 (caso a porta UpLink não esteja a ser utilizada)
2. Esquematize uma rede com, pelo menos, três comutadores ligados com caminhos redundantes
(em anel).
Sw1 porta UpLink – Sw 2 porta 2 (cabo directo)
Sw 2 porta UpLink – Sw 3 porta 2 (cabo directo)
ANEL (caminho redundante):
Sw 1 porta 2 – Sw 3 porta 3 (cabo cruzado)
(ESTE TIPO DE LIGAÇÃO DEVE SER EVITADO, CASO OS SWITCH NÃO POSSUAM
MECANISMOS PARA RESOLVER PROBLEMAS DE CAMINHOS REDUNDANTES –
NOMEADAMENTE O SPANNING TREE PROTOCOL)
3. Planeie, em conjunto com os colegas, os endereços IP das máquinas. Utilize endereços
(estáticos) para redes privadas.
Rede: 192.168.0.0 Máscara: 255.255.255.0
a. Indique o tipo de cabo necessário a ser utilizado para ligar um PC ao concentrador,
assim como a categoria do cabo.
Cabos directos, pelo menos Cat5 (para suportar FastEthernet)
b. Quais as cores dos cabos nas duas extremidades?
Lar/BrLar/BrVer/Az/BrAz/Ver/BrCast/Cast
c. Verifique se os cabos estão correctamente ligados. As placas de rede devem indicar
actividade através de LEDs. OK [ ] Not OK [ ]
i. Caso Not OK verifique bem as ligações ou procure outro cabo, até que a
ligação fique estabelecida.
d. Endereço da rede: 192.168.0.0
e. Máscara de sub rede: 255.255.255.0
f. Número de máquinas existentes na rede: N
d. Gama de endereços utilizáveis: 192.168.0.1 até 192.168.0.254
4. Ligue um PC a um dos comutadores e realize um ping para um eventual endereço pertencente à
mesma rede.
a. O que observa? Porquê?
Os Switches começam a retransmitir as tramas infinitamente. Os leds dos Hubs
apresentam uma taxa de utilização elevada. Pois não tem capacidade para resolver
problemas de caminhos redundantes.
b. Comente os resultados obtidos e confronte-os com os resultados do anel de
concentradores.

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 9


Mesmo desligando o cabo que liga o PC ao Swiches, os Swiches continuam com o
mesmo comportamento.
c. Quantos domínios de colisão existem nesta configuração? Porquê?
Existe um domínio de colisão por cada porta do Switch.

5.1 Testar Velocidade de Transferência


1. Planeie e indique a forma que vai utilizar para transferir ficheiros entre os PCs.
2. Utilizando a rede que configurou no ponto anterior, copie um ficheiro razoavelmente grande
(cerca de 50MBytes).
a. Tamanho do ficheiro: 50MB
b. Duração esperada para a transferência: 4 s (100Mbps)
c. Duração da transferência: Experimental...
3. Realize agora, simultaneamente, várias transferências desse ficheiro entre os PCs configurados.
a. Quantos ficheiros foram transferidos?
b. Qual a duração da transferência de um ficheiro?
4. Comente os resultados obtidos.
Com Switches existem caminhos dedicados e não partilhados como com os Hubs.

6 Parte IV – Redes Wireless


Uma rede sem fios permite o acesso à rede informática de uma organização e também à Internet (as
redes sem fios vão ganhando maior importância no acesso à Internet) por meio de comunicação rádio na
banda de frequência dos 2.4GHz. Esta frequência é de utilização livre, sendo por este motivo partilhada
por alguns dispositivos actuais.
O actual standard de redes locais sem fios baseia-se na especificação 802.11. A modulação baseia-se na
técnica DSSS (Direct Sequence Spread Spectrum). Os equipamentos suportam taxas de transferência de
11Mbps e 54Mbps. Esta taxa é partilhada por todos os utilizadores do mesmo canal, por exemplo para
equipamentos de 11Mbps raramente ultrapassam os 5 a 8 Mbps.
Algumas tecnologias sem fios é a tecnologia de infravermelho ou de rádio, com diversas velocidades, da
banda larga até pouco mais do que o indispensável para transferir um ficheiro pequeno. Algumas das
tecnologias de redes sem fios disponíveis são as seguintes:
• Wi-Fi, é um tipo de redes locais sem fio, ou WLAN (de Wireless Local Area Networks), que utiliza
a especificação IEEE 802.11. Normalmente, é baseado em ondas de rádio.
o Redes sem fios ad-hoc
o Redes sem fios infraestrutura
• Bluetooth: protocolo por ondas de rádio, para redes pessoais sem fio, ou WPAN (de Wireless
Personal Area Networks) As redes pessoais também são chamadas de "Piconet".

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 10


6.1 Redes Wireless Ad-Hoc
Uma rede sem fios ad-hoc é uma rede formada apenas com computadores munidos com uma placa de
rede sem fios. Neste tipo de rede não existem routers wireless nem pontos de acesso (AP).
1. Nos computadores portáteis recentes os adaptadores 802.11 vêem incorporados de origem. Nos
outros casos, os adaptadores podem ser instalados na forma de uma caneta USB ou de uma
placa PCMCIA. Por exemplo, o laboratório possui canetas USB para redes sem fios.
a. Consulte o manual e indique as características principais do adaptador para redes sem
fio que vai utilizar.
2. Utilize o Windows para configurar a rede sem fios:

3. Planeie a configuração de uma rede ad-hoc com os computadores existentes no laboratório:


a. SSID (Service Set Identifier): ST (Nome da Rede)
b. Network Authentication: Open (Open/Shared)
c. Data Encryptation: WEP (WEP/Disabled)
d. Network Key: teste (a network key deve ter 5 ou 13 caracteres ASCII)

4. Configure os aspectos relacionados com a camada de rede.


a. Endereço de rede: 192.168.0.0
b. Endereço da máquina/Máscara de subrede: 192.168.0.1/255.255.255.0
5. Verifique o estado da ligação:

6. Se existirem várias ligações sem fios escolha a rede ad-hoc configurada.

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 11


7. Transfira um ficheiro entre dois computadores:
a. Tamanho do ficheiro: 50MB
b. Duração esperada para a transferência: 400Mb/54Mbps=7,4 s
c. Duração da transferência: Experimental...
d. Taxa de transferência: Depende da qualidade do sinal (54Mbps máximo)

6.2 Redes Wireless Infraestrutura


A infraestrutura de rede é formada por pontos de acesso (AP's, Access Points) que estão ligados à
infraestrutura de rede cablada e os respectivas placas de rede sem fios para os computadores.
O alcance dos pontos de acesso varia e pode atingir cerca de 200 a 300 metros em espaço aberto, mas
esta distância é consideravelmente reduzida em zonas interiores, com paredes e outros obstáculos.
Consulte o manual do router wireless existente no laboratório e apresente as suas principais
características.
IEEE802.11g e IEEE802.11b
Segurança de rede: WEP IEEE802.1x
54Mbps IEEE802.11g e 11Mbps IEEE802.11b
108Mbps IEEE802.11g
Gestão baseada em Web
1. Planeie uma rede de infraestrutura utilizando o router wireless e computadores com adaptadores
para redes sem fios.
a. Endereços Dinâmicos ou Estáticos? Dinâmicos
b. Qual a rede a utilizar? 192.168.1.0
c. Indique a forma de restringir o acesso ao router wireless aos computadores existentes
no laboratório. Através de apenas aceitar máquinas com o MAC dos computadores
do laboratório.
d. Indique o nome da rede sem fios (ESSID). ST_infra
e. Indique o número do canal wireless a usar. 6

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 12


2. Monte o router wireless e configure-o:
a. Configure uma máquina com um endereço IP na rede 192.168.1.0 (diferente de
192.168.1.1) com máscara 255.255.255.0 e ligue-a ao router wireless.
b. Aceda ao endereço 192.168.0.1 e coloque a username: admin e
passowrd: admin.

c. Para endereços dinâmicos, indique a gama utilizável. 192.168.1.100 a 192.168.1.199


d. Configure o router wireless para aceder à Internet.
e. Configure os aspectos da rede wireless no router.
f. No router wireless, restrinja o acesso apenas aos computadores do laboratório.
g. Proteja a rede sem fios.
i. Open System ou Shared Key? Open System
ii. Active o WEP.
iii. Coloque uma palavra-chave para proteger. teste
3. Após configurar o router wireless, configure as máquinas para aceder à rede sem fios de
infraestrutura.
a. SSID (Service Set Identifier): ST_infra (Nome da Rede)
b. Network Authentication: Open (Open/Shared)
c. Data Encryptation: WEP (WEP/Disabled)
d. Network Key: teste

4. Transfira um ficheiro entre dois computadores:


e. Tamanho do ficheiro: 50MB
f. Duração esperada para a transferência: 400Mb/54Mbps=7,4 s
g. Duração da transferência: Experimental...
a. Taxa de transferência: Depende da qualidade do sinal (54Mbps máximo)

Pedro António, ESTCB Sistemas Telemáticos 13