O velho gostoso da praia.

As minhas aventuras todos já conhecem e sabem o quanto adoro me exibir com meu corpo lindo. Não perco a oportunidade mesmo!! As minhas formas físicas todos já conhecem também em outros contos (procurar por Tula). O meu forte mesmo são os meus belos peitões, fartos, bicudos aureolas grandes e morenas, bicos rosados sempre durinhos. Bem, no ultimo feriado fui pra a praia e no primeiro dia fiquei na praia observando a área e vendo quem eu iria provocar muito. Logo que cheguei, um velho meio sujo veio pra tomar conta do carro e logo de cara deu uma olhada nos meus peitões que estavam até que bem cobertos com o biquíni e ficavam parecendo dois melões enormes. Ele não tirou os olhos e gostei daquilo. Só serviu para provocar a minha imaginação. No dia seguinte fui para a praia com um biquíni menor e os peitões um pouco a mostra. Ele já estava lá e ficou olhando e quando desci do carro, ele chegou bem perto da porta e quando desci, ao fechar a porta do carro, bati minha bunda de propósito nele que deu uma gemida gostosa e afastou um pouco. Eu sai rebolando e ele ficou olhando. A praia estava um pouco deserta e deitei de bruços e desamarrei a parte de traz do biquíni e fiquei tomando sol nas costas nuas e a calcinha enterrada na bundona. Ele chegou perto e puxou conversa dizendo que eu era bonita, se estava sozinha, falando do mar, da vida na praia e tudo o mais. Ele ficava na parte de cima tentando ver alguma coisa, caso eu me levantasse um pouco. Depois de um tempo resolvi ir embora e quando entrei no carro ele encostou-se à porta e ficou olhando os peitões e disse: A senhora não me leve a mal, mas difícil mesmo é ver uma mulher com um par de tetas bonito desse jeito!!. Eu disse: Que é isto? O senhor se contenha ou eu não venho mais aqui!. Mas eu já estava molhadinha com o olhar do velho nos meus bicos durinhos e ele percebeu isso e disse: A senhora me desculpe, mas verdade tem que ser dita!. Saí e fui embora. Passados dois dias, resolvi voltar à praia. Ele quando me viu chegar veio correndo se propondo a tomar conta do carro. Neste dia eu estava com o tesão à flor da pele e resolvi que iria torturar o velho imundo. Coloquei um biquíni que eram mesmo os famosos paninhos. A parte de baixo só cobria o grelinho, deixando aparecer os pelinhos e a parte de cima eram duas tampinhas seguras por duas fitinhas amarrada no pescoço e nas costas, que mal cobriam os bicos deixando transparecer as aureolas. Os seios ficavam aparecendo tudo mesmo, só os bicos cobertos. Era para arrasar mesmo, acabar com o velho, deixa-lo louco, doido. E logo percebi que ele ficou alucinado me vendo daquele jeito e eu me comportei como se nada tivesse acontecendo. Desci do carro, abri a canga para que ele visse tudo e amarrei novamente e fui caminhando para a areia. Ele não agüentou e disse: A senhora esta uma loucura hoje! De matar qualquer um! Eu fingi que não ouvi e fui caminhando. Fiquei a tarde toda deitada na areia e ele me olhando de longe. Ao final da tarde, o sol já tinha sumido, eu dei um ultimo mergulho no mar e resolvi ir embora, mas ainda queria ser mamada por aquele velho louco. Meu corpo estava todo arrepiado e os bicos pareciam dois pintinhos de tão durinhos. Quando cheguei perto do carro que estava no meio de algumas arvore, lá estava o velho esperando. Eu cheguei e devia estar louca também, pois guardei as coisas no porta malas e o velho me olhando e babando. Abri a porta do carro, sentei com as pernas pra fora e peguei uma camisetinha para trocar os paninhos molhados. Resolvi deixar o velho maluco e desamarrei as fitinhas das costas e tirei pela cabeça, ficando com os peitões totalmente a mostra para o velho olhar a vontade. Ele ficou sem fala, gaguejava, babava, tossia e dizia: PQP, que delicia de peitaria, quero mamar, quero chupar, por favor, deixa! Eu tentei fazer alguma coisa, mas ele caiu de joelhos na minha frente e grudou com as as mãos em cada peito e amassava tanto que até doía. Caiu de boca como louco e começou a mamar, chupar, morder. Queria colocar tudo na boca, mas era impossível e ele esfregava o rosto em todo meu peito e babava me deixando toda molhada. Adoro que os homens deixem meus belos peitões todo babado, melado e ele

fez isso como ninguém, me deixando com as tetas toda lambuzada. Ele para um pouco, ficava olhando e eu logo esfregava os seios na cara dele, colocava os bicos na sua boca e apertava a cabeça dele e ele mamava e gemia que nem um bezerro. Ficou um tempão me mamando, chupando, mordendo. Começou a chupar os bicos de leve e eu gemia e já estava com a bucetinha encharcada quando ele num puxão arrancou a calcinha e eu fiquei nuazinha e ele já gritava e enquanto chupava os biquinhos começou a apertar o grelinho durinho e enfiar o dedo sujo na xotinha meladinha. Eu gemia e pedia mais. Eu estava disposta a tudo com aquele velho sujo, imundo. Ele me empurrou pra trás e eu deitei nos bancos e fiquei com as pernas pra fora do carro e ele sem pensar muito abocanhou a bucetinha, chupando com tanta força que pensei que ia arrancar o grelinho. Chupava tanto, toda a xaninha, melava, mamava, fazia a língua tremer no grelo que eu gritava de tesão. Nesta altura já tinha escurecido e eu na maior orgia com o velho. Fiquei em pé do lado de fora do carro e ele me chupou loucamente de cima a baixo. Dava-me fortes chupadas nos peitos, na barriga, chegando à bucetinha, entrava por baixo, eu abria bem as pernas e ele mamava deliciosamente. Virei a bunda e ele me chupando a bucetinha, foi direto me chupando o cuzinho e eu arrebitava a bunda facilitando a entrada da língua na bundinha toda. Eu estava ardendo de tesão e queria mais que ele chupasse os peitões que estava insaciável e queriam mais e mais mamadas. Puxei a cabeça dele de encontro aos peitões e disse: mama mais velho gostoso, mama mais, muito mais, chupa gostoso, mama gostoso, estou com os peitos duros de tesão e vc tem que mamar muito. Ele gemia ao ouvir isso, acho que nunca tinha visto uma coisa dessa e atacou mamando com vontade mesmo. Ele ficou mamando, lambendo chupando, melando, mordendo, falando besteira com os peitos dentro da boca por muito tempo e eu queria mais e mais. Desceu mamou, passou a língua como um mestre na xotinha. De repente tirou pra fora um cacete gostoso, estourando de duro e eu não pensei em nada e caia de joelhos na areia, na frente dele e chupei como louca não me importando com nada. Mamei muito naquele cacetão e sem esperar sentei no banco do carro, ele se ajoelhou e entrou na bucetinha, rasgando tudo e eu quanto m ais abria a perna mais queria abrir e ele estocava o cacete gemendo e eu gritando e ele mamando mais ainda nos peitões doloridos de tesão e tantas chupadas. Naquela escuridão, no meio das arvores, com o ventinho frio que vinha do mar, gozamos desesperadamente gritando e gemendo como dois malucos. Ficamos ainda juntos exaustos e eu dolorida de tanto ser chupada, mamada, comida como uma cadela. No final da estrada vimos uma lanterna que parecia ser da policia e tratamos logo de ir embora. Ele saiu por um lado e eu fui embora. Chegando em casa, tomei um longo banho e vi o quanto meu corpo todo tinha sido chupado. Meus peitos tinham chupadas rochas, mas os bicos ainda continuavam durinhos querendo mais mamadas. Não agüentei e na banheira mesmo, enfiei na bucetinha um vidro de xampu que já tenho de propósito para essas ocasiões e gozei muito gostoso, amassando os peitões que estavam doloridos. No dia seguinte eu estava toda dolorida, mas nem por isso passava o tesão gostoso. Passei o dia cuidando do corpo e lembrando do delicioso velho imundo. Já estava escuro e resolvi dar uma olhada na praia e ver se o sujeito sujo, mas que sabe mamar num peito e numa buceta como ninguém, estaria no local da orgia do dia anterior. Coloquei apenas um robe por cima do corpo e fui. Cheguei ao local, no meio das arvores, na escuridão logo vi o velho e parecia que esperava. Vi que ele estava com o cacete na mão. Desci, fiquei na frente dele e deixei cair o robe e fiquei nua e ele me agarrou como louco, me chupando, mordendo todo meu corpo, esfregando o cacete melado em todo meu corpo. Me chupou os peitos como se há muito tempo não mamasse. Deitou na areia e eu fui por cima e coloquei a bucetinha na cara dele que mamou como doido me fazendo gritar na escuridão. Levantei, virei de bruços para o carro e disse: Vem velho gostoso, vem comer um cuzinho delicioso, vem com esse cacetão enterrar no buraquinho, vem, vem!!!. O velho não acredita no que estava ouvindo e sem pensar

abaixou, lambeu, chupou o buraquinho e enterrou sem dó o cacetão com tanta força que gritei de dor mas logo relaxei e comecei no vai e vem frenético junto com ele que segurava na minha cintura e apertava meus seios e seguramos o Maximo mas acabamos gozando gritando e gemendo. Depois que terminamos e peguei o robe me vesti e ele me perguntou se eu voltaria no dia seguinte eu disse que não que iria voltar pra min há cidade e que no próximo feriado estaria de volta. Então ele abriu meu robe e começou a chupar os peitos novamente. Foi mamando, chupando gostoso, ora um ora outro, segurava os dois peitos, apertava e queria colocar os dois bicos na boca, lambendo, mamando. Eu já estava quase me entregando novamente mas tinha que tomar banho antes. Fui para o carro nua com ele pendurado, mamando nas minhas tetas. Entrei no carro e ele continuou mamando ainda por mais ou menos uma hora, pois não agüentava ver os bicos duros empinados pra lua e mamava desesperado. Mamou muito mesmo, nunca fui tão mamada, chupada, lambida tão gostoso. Na despedida ainda deu dois chupões em cada peito que me fez gemer de tesão e dorzinha. Fui ainda morrendo de tesão. Tive que me aliviar novamente na banheira com o frasco do shampoo, mas no próximo feriado quero tudo de novo. Neste momento estou nua, com a bucetinha molhadinha só de lembrar, com os peitões duros, com os bicos durinhos loucos para serem mamados. Votem em mim, tenho muita coisa pra contar! Beijos.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful