Você está na página 1de 17

KRYON

http://www.kryon.org

AS PARÁBOLAS DE KRYON

As Parábolas de Kryon 1
As Parábolas de Kryon - Belíssimas mensagens em forma de parábolas, bem ao
estilo dos grandes Mestres. A beleza está na simplicidade!

A Lagarta A Sala de Lição

O Poço de Piche Angenon e Veréhoo

Os Dois Grupos de Guerreiros Os Dois Fazendeiros

KRYON

A LAGARTA

A floresta estava efervescente de vida, e por baixo do tapete de folhagens que


cobria o chão, grande e desengonçada lagarta estava falando ao seu grupo de
seguidoras. Nada havia mudado naquela comunidade. O trabalho da lagartona era
monitorar o grupo para que as tradições fossem mantidas e respeitadas. Afinal de
contas, elas eram sagradas.

"Há rumores" , dizia a lagarta entre mastigadas no seu sempre presente lanche de
folhas, "de que há um espírito da floresta que está oferecendo a nós lagartas, em
todos os lugares, algum grande negócio". Nham, Nham, Nham. "Eu decidi me
encontrar com este espírito e depois contar-lhes o que souber."

"Onde você encontrará este espírito?" , perguntou um dos seguidores.

"Ele virá até mim", disse a gorducha. "Afinal de contas, como vocês sabem, não
podemos ir muito longe. Não há comida para além da vala. Não podemos ficar
sem comida." . Nham, Nham, Nham.

Então quando a lagartona estava sozinha, ela chamou pelo espírito da floresta e
depois de algum tempo, o grande e silencioso espírito veio até ela. O espírito da
floresta era belíssimo, mas a lagarta não podia contemplar toda sua beleza, pois
preferia não sair de sua aconchegante cama de folhas.

"Não posso ver sua face muito bem" , disse a lagartona.

"Venha um pouco mais para cima" , disse o espírito da floresta com uma voz
gentil. "Eu estou aqui para que você me veja.", mas a lagarta continuou onde
estava. Afinal de contas era sua casa e o espírito da floresta estava lá por meio
de um convite.

"Não, obrigada", disse a roliça. "Dá muito trabalho."

As Parábolas de Kryon 2
"Diga-me, que estória é essa que tenho escutado sobre um grande milagre
oferecido somente para as lagartas – nem às formigas, nem às centopéias –
apenas às lagartas?"

"É verdade", disse o espírito da floresta . "Vocês ganharam um presente


maravilhoso. E se vocês decidirem tê-lo, direi-as como."

"Como ganhamos isto?" , perguntou a balofa, ocupada com sua terceira folha
desde o início da conversa.

"Não me lembro de ter pedido nada."

"Vocês conquistaram-no através do seu esforço durante toda sua vida para
manter a floresta como um lugar sagrado" , disse o espírito.

"Pode apostar!" , exclamou a lagartona . "Eu faço isso todo o santo dia, todo
santo dia. Eu sou a líder do grupo. Por isso é que está falando comigo em vez de
com qualquer outra lagarta." Ouvindo este comentário o espírito da floresta
sorriu para a lagartona, embora ela não tenha visto, já que havia decidido
permanecer entre as folhagens. "Eu tenho mantido a floresta sagrada por muito
tempo. O que eu recebo?"

"É um presente maravilhoso" , respondeu o espírito da floresta. " Vocês agora são
capazes, através de seu próprio esforço, de se transformarem em uma belíssima
criatura alada e voar por aí. Suas cores serão enebriantes e sua mobilidade irá
surpreender a todos que as virem. Vocês podem ir a qualquer lugar da floresta
que desejarem, voando sobre ela. Vocês poderão encontrar comida em qualquer
lugar e também encontrar outras belas criaturas aladas. Tudo isto vocês podem
fazer imediatamente se quiserem.

"Lagartas que voam?", resmungou a gorducha. "Isto é inacreditável! Se for


verdade então mostre-me algumas destas lagartas voadoras. Eu quero vê-las.

"É fácil", respondeu o espírito. "Apenas viaje para um lugar mais alto e olhe à sua
volta. Elas estão em todo lugar planando de galho em galho, tendo uma
maravilhosa e abundante vida ao sol."

"Sol ?!", exclamou a lagarta. " Se você é realmente o espírito da floresta, deve
saber que o sol é quente demais para nós lagartas, nos queima, não é bom para
nossos pêlos, você sabe... temos que ficar no escuro. Nada pior do que uma
lagarta com o pelo ruim."

"Quando vocês se transformam na criatura alada, o sol aumenta sua beleza",


disse o espírito gentil e pacientemente. "Os antigos métodos de sua existência

As Parábolas de Kryon 3
irão mudar dramaticamente, e vocês irão abandonar a vida antiga no solo da
floresta enquanto se familiarizam com o novo jeito dos seres alados."

A lagarta silenciou por um momento. "Você quer que eu abandone a minha


confortável cama e viage para um lugar alto ao sol para ver uma prova?"

"Se você precisa de provas é isto o que deve fazer.", respondeu o paciente
espírito.

"Não", disse a lagarta. "Não posso fazer isso. Eu preciso comer, você sabe. Não
posso ir a estranhos lugares altos ao sol, feito uma boba, quando há trabalho
aqui. É muito perigoso! De qualquer maneira, se você fosse o espírito da floresta,
deveria saber que os olhos das lagartas apontam para baixo e não para cima. O
grande espírito da Terra nos deu bons olhos que apontam para baixo para que
possamos achar comida. Qualquer lagarta sabe disso. O que você diz não parece
muito o jeito das lagartas", disse a desconfiada lagartona. "Olhar para cima não é
uma coisa que fazemos muito". A lagarta ficou quieta por um instante. "Então
como podemos nos tornar essa coisa voadora?"

O espírito da floresta então explicou o processo da metamorfose. Ele explicou


como as lagartas teriam que se comprometer com as mudanças, desde que ele
não poderia revertê-las após seu início. Ele explicou como a lagarta usaria sua
própria biologia, enquanto no casulo, para se transformar em uma criatura alada.
Ele explicou como a mudança requeria um esforço, um pequeno período de
escuridão enquanto no casulo até que tudo estivesse pronto para a graduação
para uma bonita e multicolorida criatura voadora. A lagarta escutou
silenciosamente, exceto pelos barulhos da mastigação. Nham, Nham, Nham.

"Deixe-me ver se entendi", disse finalmente a lagarta de forma irreverente. "Você


quer que todas nós nos deitemos e criemos a intenção para que alguma coisa
biológica, da qual nunca ouvimos falar, nos circunde. Então deixaremos esta nova
coisa biológica nos envolver totalmente no escuro por meses?"

"Sim", respondeu o espírito da floresta sabendo muito bem o rumo que a conversa
tomaria.

" E você o grande espírito da floresta não fará isto por nós? Teremos que fazê-lo
por nós mesmos? Eu pensei que havíamos ganhado isso."

"Mas vocês ganharam", disse o espírito calmamente. "E vocês ganharam também o
poder de se transformarem com a nova energia da floresta. Mesmo quando estão
sentadas nas folhas seu próprio corpo está equipado para fazer tudo isto.

"O que aconteceu aos dias quando a comida caía do céu, as águas se repartiam e
os muros das cidades caíam – coisas assim? Eu não sou estúpida. Posso ser grande

As Parábolas de Kryon 4
e desengonçada, mas tenho estado por aí por um bom tempo. O espírito da Terra
sempre faz os grandes trabalhos, e tudo o que temos que fazer é seguir
instruções. De qualquer forma, se todos nós fizéssemos o que pede, morreríamos
de fome! Qualquer lagarta sabe que temos que comer o tempo todo...Nham,
Nham, Nham... para permanecermos vivas. Sua grande boa nova parece suspeita
para mim". A lagarta pensou por um tempo e disse "Dispensado!!!", enquanto se
virava procurando o lugar para a próxima mordida.

O espírito da floresta partiu calmamente, como foi pedido, enquanto escutava a


lagarta resmungando para si mesma. "Lagartas que voam! Essa é boa!", Nham,
Nham, Nham.

No dia seguinte a lagartona providenciou uma proclamação e reuniu seus


seguidores para uma conferência. Tudo corria calmo enquanto a multidão
escutava o que a lagartona tinha a dizer sobre seu futuro.

"O espírito da Floresta é mal", proclamou a lagarta a seus seguidores. "Ele quer
nos enganar e nos levar para um lugar muito escuro, onde fatalmente
morreremos. Ele quer que acreditemos que de alguma forma nossos próprios
corpos irão nos transformar em lagartas voadoras. Tudo o que teríamos que fazer
era parar de comer por uns poucos meses!". Uma grande gargalhada ecoou no ar.

"O senso comum e a história podem mostrá-los como o grande espírito da Terra
sempre trabalhou", continuou a lagarta. "Nenhum bom espírito nunca irá levá-los
a um lugar escuro. Nenhum bom espírito irá pedí-los para fazer coisas que são
tarefas de Deus! Tudo isso é um truque do demônio da floresta". A lagartona
suspirou com um ar de arrogância, pronta para o próximo comentário. " Eu me
encontrei com o maligno e o reconheci!". As outras lagartas ficaram
enlouquecidas e gritaram em apoio à lagartona, e carregaram-na em suas costas
enquanto a adoravam por tê-los salvo da morte certa.

Deixamos agora este festival de lagartas e subimos sutilmente em direção à


floresta. Enquanto a comoção abaixo começa a se distanciar de nossos ouvidos,
passamos através do tapete de folhas que protege o chão da floresta das luzes do
sol. Gentilmente nos movemos através da escuridão das folhagens para a área
reservada àqueles que voam. Depois que o burburinho das lagartas deixa nossos
ouvidos, experienciamos a grandiosidade dos seres alados. Planando de árvore
para árvore em plena luz do sol estão miríades de gloriosas, coloridas, voadoras e
livres lagartas chamadas borboletas, cada uma vestida com o esplendor das cores
do arco-íris, e algumas até que eram amigas da grande, roliça e escura lá
embaixo, cada uma com um sorriso na face em meio à abundância – cada uma
transformada pelo magnífico presente do espírito da floresta.

E assim é.
Kryon

As Parábolas de Kryon 5
A PARÁBOLA DO POÇO DE PICHE

Imagine-se, juntamente com muitos outros seres humanos, em um poço de piche,


sujo da cabeça aos pés, incapaz de se mover rapidamente de um lugar para
outro, devido à densidade do piche. À medida que se move você se acostuma
com esta situação e ano após ano sua vida é vivida desta forma juntamente com
os outros. Assim como a gravidade do planeta, a cobertura de piche é
simplesmente aceita – um fato da vida para todos. Este é seu estado imaginado.

De repente, mas calmamente, Deus lhe oferece um presente. É uma ferramenta


"mágica" que limpa seu corpo e o mantém limpo, mesmo estando no poço! Como
um campo energético, ele realmente repele o piche à medida que você transita
por ele. Você aceita o presente e o trabalho que o acompanha e começa a
aprender a como usá-lo. Lentamente você se transforma. Para os outros você
começa a se destacar, porque é diferente – limpo e ágil, enquanto eles se movem
à sua volta, ainda envoltos pela substância escura. Você começa a perceber
como você co-criou esta realidade para si, mas também percebe que foi um
presente muito pessoal e permanece em silêncio.

Você acha que os outros à sua volta irão ignorá-lo à medida que se move
livremente sem o piche o tocando ou sobrecarregando seus pés? Eles verão o
piche tocar seu corpo sem nunca sujá-lo. O que acha que irá acontecer? AH!
Olhe! Eles estão prestes a se transformar! A primeira coisa que irá acontecer é
que onde quer que vá, haverá espaço, porque eles limparão o caminho para
você. A Segunda coisa é que eles irão perguntá-lo como algo assim é possível. E
quando eles encontrarem a "ferramenta mágica de Deus" , cada um deles
começará a usá-la por eles mesmos, e mais seres humanos também estarão
"limpos" – cada pessoa criando para ela mesma pessoalmente, assim como você
fez para si mesmo.

À medida que continua silenciosamente sua vida, observe o que está


acontecendo àqueles à sua volta. Mais da metade deles estarão "limpos" sem o
piche a cobrí-los. Pare e pense sobre o que realmente aconteceu. Você não
evangelizou seu presente ou pediu a essas pessoas que mudassem para você, e no
entanto, elas mudaram de qualquer maneira. Isto mostra como a mudança de
apenas um desencadeia a mudança de muitos!
Nós dizemos a você meu amigo (a) que quando você se transforma, é o começo
da transformação de tudo o mais à sua volta. As pessoas não podem permanecer
as mesmas quando sentem paz e amor emanando de você. É desarmante e
encantador ao mesmo tempo. Como um ímã entre outros ímãs, sua nova
polaridade irá eventualmente afetar o alinhamento de cada um à sua volta, e sua
existência nunca mais será a mesma.

E assim é
Kryon

As Parábolas de Kryon 6
OS DOIS GRUPOS DE GUERREIROS

Haviam dois grupos de guerreiros em um certo lugar no planeta Terra. Cada


grupo sabia dos novos presentes divinos na Nova Era, e cada grupo era
constituído de guerreiros da luz. Eles compreendiam seu contrato e sabiam que
havia forças trevosas trabalhando que gostariam de impedí-los de completar suas
metas pessoais. Então eles clamaram a Deus pelos presentes da nova energia e
cada guerreiro recebeu seu pacote como solicitado.
Cada pacote dado aos guerreiros era muito pessoal, e cada um continha três
itens: uma espada, um escudo e uma armadura. A espada representava a verdade
e nunca poderia ser quebrada. A verdade é pura e a espada oferecia uma defesa
perfeita contra as investidas dos inimigos. O escudo representava o
conhecimento – conhecimento das fraquezas do inimigo e conhecimento de
milênios de arquivos dos antigos. Nenhuma energia podia penetrar o escudo pois
ele desarmava segredos e conspirações. Segredos e conspirações não podem
existir à luz do conhecimento, porque seu poder depende do lugar sombrio da
ignorância. A armadura representava o "manto do espírito de Deus". Esta era a
sabedoria da consciência espiritual que dava aos homens o sentimento de
"pedaços de Deus" que eles eram. Desta forma representava a sabedoria de Deus
em todas as coisas – especialmente a sabedoria de empunhar a verdade e segurar
o conhecimento ante um ataque.
Agora estava se configurando um ataque coordenado pelas forças das trevas. Os
dois grupos de guerreiros da luz sentiam-se preparados e recorreram às suas
armas para repelir o inimigo. Assim que as forças das trevas se aproximaram, o
primeiro grupo abriu seus pacotes e olharam para seu conteúdo em descrédito.
Tudo estava em partes! Havia um manual com uma nota que dizia: REQUER
ALGUMAS MONTAGENS. Eles não podiam sequer começar a se preparar para
encontrar o inimigo e desta forma este grupo de guerreiros foi escorraçado e
derrotado pelas mãos daqueles que agora podiam controlá-los. Ficaram amargos
e pensavam que Deus havia os enganado com falsas esperanças e um falso
sentimento de segurança. Mesmo depois de derrotados eles continuavam com
seus pacotes mas acreditavam que as ferramentas eram inúteis.
O outro grupo havia aberto seus pacotes há mais tempo. Eles haviam colocado
suas ferramentas juntas mais cedo e haviam praticado com elas. Isto tinha sido
excelente pois perceberam que a espada era muito leve para ser empunhada
como haviam se acostumado. Perceberam que o escudo apresentava tantas
opções que levaram um bom tempo até conseguirem carregá-lo
apropriadamente, e a armadura era muito pesada. Com prática e meditação, eles
eventualmente aprenderam como equilibrar todas as armas e estavam prontos
para a batalha.
Os guerreiros notaram que nenhuma ferramenta funcionava sem que as três
fossem utilizadas em conjunto. A armadura, a mais próxima de sua pele era a
chave, pois de alguma forma dava a eles a sabedoria para controlar a espada e o
escudo. De fato o escudo era utilizado de várias formas dependendo da situação
e a espada era facilmente manuseada quando o escudo era utilizado

As Parábolas de Kryon 7
apropriadamente. Quando o ataque começou, o inimigo encarou aquele poderoso
grupo e fugiu em polvorosa. A batalha sequer existiu e os guerreiros se
regozijaram com sua vitória. Não houve show algum e nenhum ferimento foi
sofrido.

E assim é.
Kryon

As Parábolas de Kryon 8
A SALA DE LIÇÃO

Era uma vez um humano que chamaremos de Wo. O sexo de Wo não é importante
para essa história; mas já que vocês não tem uma palavra adequada de gênero
neutro para uma pessoa, chamamos o humano de Wo para abarcar um homem
chamado Wo, ou uma Wo-man (mulher). Para a tradução, entretanto, trataremos
Wo como um ele.

Como todos humanos em sua cultura Wo vivia numa casa, mas Wo se preocupava
apenas com o quarto em que habitava, já que era apenas seu. Seu quarto era
bonito e ele se encarregava de mantê-lo assim... e fazia isso .

Wo vivia uma vida boa; ele estava numa cultura que nunca carecia de comida,
porque havia em quantidade. Nunca sentia frio, porque sempre teve uma
coberta. Quando cresceu aprendeu muitas coisas sobre si mesmo. Ele aprendeu
coisas que o faziam sentir-se feliz, e encontrava objetos para pendurar na parede
e olhar para sentir-se feliz. Wo também aprendeu sobre coisas que o
entristeciam, e aprendeu a pendurá-las na parede quando queria sentir-se assim.
E aprendeu sobre coisas que lhe davam raiva, e escavando achou coisas que
colocar na parede e que podia virar quando escolhia sentir raiva.

Como os demais humanos, Wo tinha muitos medos. Embora tivesse o básico para
viver, ele temia outros humanos e certas situações. Temia humanos e situações
que pudessem trazer mudança uma vez que se sentia seguro e estável do jeito
que as coisas eram, e tinha trabalhado duro para chegar onde chegou. Wo temia
as situações que aparentemente tinham controle sobre sua estável moradia, e
temia os humanos que controlavam estas situações.

Aprendeu sobre Deus através de outros humanos. Eles lhe disseram que ser um
humano era coisa muito pequena e Wo acreditou nisso. Afinal de contas, olhando
ao redor via milhões de humanos mas Deus havia apenas um. A ele foi dito que
Deus era tudo e ele era nada, mas que Deus em seu infinito amor responderia a
suas preces se rezasse com seriedade e fosse íntegro durante sua vida. Então Wo,
sendo uma pessoa espiritual, orou a Deus para que os humanos e as situações que
ele temia não gerassem mudanças, de maneira que sua moradia pudesse
permanecer sem mudança... e Deus respondeu a seu apelo.

Wo tinha medo do passado que de alguma maneira lhe fazia lembrar coisas
desagradáveis; então rezou à Deus para afastar estas coisas de sua memória... e
Deus respondeu a seu pedido. Wo temia o futuro porque tinha potencial de
mudança, e era obscuro, incerto e escondido dele. Wo orou à Deus para que o
futuro não trouxesse mudanças a sua morada... e Deus respondeu a seu apelo.

Wo nunca se aventurou para muito longe de sua morada porque tudo que
realmente precisava como um humano estava na esquina. Quando seus amigos

As Parábolas de Kryon 9
vinham lhe visitar, essa era a esquina que mostrava a eles... e estava muito
satisfeito com ela.

Wo percebeu movimento na esquina pela primeira vez quando tinha cerca de 26


anos. Isso o assustou terrivelmente e ele imediatamente rezou à Deus para que
aquilo fosse embora, porque sugeria que ele não estava só em sua morada. E isso
não era aceitável. Deus respondeu a seu pedido e o movimento cessou, e Wo não
teve mais medo.

Quando fez 34 anos, o movimentou retornou e Wo pediu que ele parasse porque
tinha medo. O movimento parou não antes que Wo visse algo que ele tinha
deixado completamente de perceber na esquina... uma outra porta! Na porta
havia uma estranha inscrição, e ele temeu suas implicações.

Wo perguntou a líderes religiosos sobre a estranha porta e o movimento, e ele o


advertiram a não se aproximar dela, porque era a porta da morte, disseram e ele
certamente morreria se sua curiosidade se tornasse ação. Também lhe disseram
que a inscrição na porta era pecado e que nunca deveria olhar para ela
novamente. Ao invés disso o encorajaram a participar em rituais e a dar seu
talento e ganhos para o grupo... e com isso, eles lhe disseram, ele passaria bem.

Quando Wo fez 50, adoeceu e morreu. Embora não tivesse realmente consciência
disso quando aconteceu. Ele notou o movimento na esquina, e novamente rezou
para que parasse; mas ao invés disso, o movimento tornou-se mais claro e chegou
mais perto. Com medo Wo levantou-se da cama e descobriu que seu corpo
terreno permaneceu e que ele achava-se na forma espiritual. E assim que o
movimento chegou mais perto, Wo começou a reconhecê-lo de alguma maneira.
Ele estava curioso ao invés de temeroso, e seu corpo espiritual parecia de certa
forma natural.

Wo viu que o movimento era na verdade, duas entidades que se aproximavam. As


figuras brancas brilhavam como se tivessem luz saindo de dentro delas ,
enquanto chegavam perto. Finalmente pararam ante ele, e Wo se maravilhou
com sua majestade... mas não tinha medo.

Uma das figuras falou a Wo e disse "Venha, meu querido, é tempo de ir." A voz da
figura era pungente de gentileza e familiaridade. Sem hesitar Wo se foi com os
dois. Começava a se lembrar o quão familiar era aquilo tudo... enquanto dava
uma olhada à sua carcaça aparentemente adormecida na cama. Ele estava cheio
de um maravilhoso sentimento que não conseguia explicar. Uma das entidades
pegou sua mão e o levou diretamente à porta com a estranha inscrição. A porta
abriu-se e os três entraram.

Ele se achou num comprido vestíbulo com portas para salas da cada lado. Wo
pensou consigo mesmo, "Essa é realmente uma casa bem maior do que

As Parábolas de Kryon 10
imaginei!". Percebeu a primeira porta com mais um escrito esquisito. Ele
perguntou a uma das figuras de branco. "O que há na primeira porta à direita?"
Sem uma palavra a figura branca abriu a porta e fez um movimento convidando-o
a entrar. Quando Wo entrou ficou espantado. Empilhados do chão ao teto havia
riqueza além dos seus mais loucos sonhos! Havia barras de ouro, pérolas e
diamantes. Só num canto havia rubis e pedras preciosas suficiente para um reino
inteiro. Olhou para seus brancos e brilhantes companheiros e disse, "O que é este
lugar?" A figura maior falou, " Este é o seu salão da abundância, se quisesse ter
entrado nele. Pertence a você mesmo agora e permanecerá aqui para você no
futuro." Wo ficou assombrado com esta informação.

Assim que retornaram ao vestíbulo Wo perguntou o que havia na primeira sala à


esquerda... outra porta com inscrição que, de alguma maneira, parecia começar
a fazer sentido. Quando a figura branca abriu a porta falou " Este é o seu salão
de paz, se tivesse desejado usá-lo." Wo entrou com seus amigos e foi cercado por
uma espessa névoa branca. A névoa parecia ter vida, porque imediatamente
encasulou seu corpo e Wo respirou dentro dela. Ele foi conquistado por um bem-
estar que o fez perceber que nunca mais sentiria medo novamente. Ele sentiu
paz onde nunca antes houve alguma. Queria permanecer ali, mas seus
acompanhantes fizeram um gesto para que continuasse, e novamente estavam no
comprido vestíbulo.

Outra porta à esquerda. "Que sala é esta?" perguntou. "É um lugar que apenas
você pode ir", disse a figura branca menor. Wo entrou no salão e imediatamente
foi coberto por uma luz dourada. Ele soube o que era. Esta era a essência de Wo,
sua iluminação, seu conhecimento do passado e do futuro. Este era o depósito do
espírito e do amor. Wo chorou de alegria, e ficou absorvendo verdade e
compreensão por um longo tempo. Seus acompanhantes não entraram, tinham
paciência.

Finalmente Wo caminhou novamente para o vestíbulo. Ele tinha mudado. Olhou


para seus companheiros e os reconheceu. "Vocês são os guias", Wo afirmou de
fato. "Não" , disse o maior deles, "nós somos os seus guias Em perfeito amor
continuaram. "Temos estado aqui desde seu nascimento por uma única razão:
amá-lo e ajudá-lo a ver a entrada da porta. Você estava com medo e pediu que
recuássemos e assim o fizemos. Estamos a seu serviço em amor e honramos sua
encarnação de expressão". Wo não sentiu reprimenda em suas palavras. Ele
percebeu que não o estavam julgando, mas honrando-o, e ele sentiu o seu amor.

Wo olhou para as portas e agora estava apto a compreender as inscrições!


Enquanto era levado pelo vestíbulo havia portas marcadas com CURA,
CONTRATO, e outra com ALEGRIA. Wo viu ainda mais do que teria desejado,
porque adiante havia portas com nomes de crianças não nascidas, e até uma
marcada com LIDER MUNDIAL. Wo começou a perceber o que havia perdido. E
quando conheceram seus pensamentos, os guias disseram, "Não seja reprovador

As Parábolas de Kryon 11
com seu espírito porque é inapropriado e não serve ao seu esplendor." Wo não
compreendeu totalmente. Olhou para trás no vestíbulo, para onde tinha entrado
primeiro e viu a inscrição na porta, o escrito que originalmente o atemorizara. A
inscrição era seu nome!... era o seu nome, seu nome real... e agora Ele entendeu
completamente.

Wo conhecia a rotina porque agora se lembrava de tudo, e Ele não era mais Wo.
Ele deu adeus a seus guias e os agradeceu por sua constância. Permaneceu longo
tempo olhando-os e amando-os. Depois voltou-se e caminhou em direção a luz no
fim do vestíbulo. Ele esteve ali antes. Ele sabia o que o esperava em sua curta
viagem de três dias a caverna da criação para recuperar sua essência... e depois
para o salão de honra e celebração, onde aqueles que o amavam ternamente o
esperavam, incluindo aqueles a quem Ele tinha amado e perdido enquanto na
Terra.

Ele sabia onde tinha estado, e para onde estava indo. Wo estava indo para casa.

E assim é.
Kryon

As Parábolas de Kryon 12
ANGENON E VERÉHOO

Angenon e Veréhoo eram guias. Angenon era diferente porque já tinha sido
humano antes, então levava uma faixa de humano. Veréhoo nunca havia sido
humano, e sempre foi do grupo dos guias. Ambos tinham estado com humanos
vida após vida. Ambos estavam excitados porque estavam a caminho de uma
sessão de planejamento que marcava o início de mais uma vida humana.

Eles estavam indo ao encontro da entidade a eles assinalada, uma entre aquelas
que eram guardiãs do amor...uma daquelas que foi enviada ao plano da Terra,
uma das que recebeu o programa para ser uma guerreira da luz. Esses dois guias,
Angenon e Veréhoo, indo lado a lado à sessão de planificação, iam ao encontro
de uma entidade que chamamos "WO". Já ouvimos falar de Wo antes numa
parábola canalizada um ano atrás nessa mesma sala, quando caminhamos através
de uma vida de Wo enquanto homem, e experimentamos uma jornada com ele
onde caminhava através de sua "casa de lição". Wo agora está no salão de
planificação, próximo ao portal que leva a caverna da criação. Ele está pronto
para pegar sua essência e retornar com seu carma intacto ao planeta Terra.
Angenon e Veréhoo são parte do plano. Então assim é como Wo e todos os demais
planejam o carma que será provido a partir das lições que terão... e o
planejamento é claro, não deve ser confundido com predestinação. Novamente
Wo virá ao plano da Terra onde será exposto ao carma apropriado, e terá a
chance de caminhar através dele (assim como fez no passado). isso é feito para
dar a chance a Wo de elevar a vibração do planeta através de seus esforços, para
ser reconhecido pela galáxia... e pelos Sagitarianos, Arcturianos, Ashtar, todo o
caminho até a Força Criativa Primordial, pois todos conhecem Wo.

Então Wo está sendo preparado nessa sessão de planejamento para pegar o que
deixou (carma-conhecido), e retornar para a Terra. Aqui Wo planeja com outras
entidades o que virá em sua lição... e também, meus queridos, há planejamento
com as almas superiores daqueles já na Terra caminhando em lição. O Carma
(como já descrito em canalização passada) pode ser um plano extremamente
complexo. Assim foi que Wo decidiu retornar com Angenon e Veréhoo dessa vez
como mulher. Então Wo agora era um ela (WO-man/ mulher). Os guias de boa
vontade iniciaram sua jornada com ela para a Terra. Mas ela também escolheu o
atributo de nascer no primeiro dia do mês de setembro. Ela terá momentos
difíceis em relação a controle!

Nos primeiros anos de vida Wo foi maltratada por seu pai. Wo foi maltratada por
seu padrasto. Wo é também abusada pelo irmão de seu padrasto. Aos onze anos,
ela carrega o pesado carma de um longo ciclo de tempo... por escolha (durante
esse tempo Angenon e Veréhoo estão ao seu lado, observando o desenvolvimento
do carma de escolha). Meus queridos, não existe essa coisa de predestinação.
Suas lições são todas decididas e organizadas a priori, mas as soluções são suas
quando na Terra. É como se vocês mandassem entidades à Terra como martelos,

As Parábolas de Kryon 13
e as visitassem alguns anos depois, não se surpreendendo de encontrá-las numa
fábrica de pregos. Isso é lógico, não predestinação. Os atributos dos que nascem
em primeiro de setembro são conhecidos, e vocês não se surpreenderão com os
problemas que eles encontram, ou as lições por que têm que passar.

Wo passou por momentos difíceis com os homens. Não tem problemas com
abundância porque esse não é o carma que carrega. O dinheiro chega facilmente
para ela, e na área de trabalho da Terra ela vibra em sua busca de subir ao topo.
Ela se torna dura devido a sua raiva e energia de lição cármica, e absorve o
espírito masculino ao seu redor... curtindo o jogo dos negócios, vencendo seus
parceiros. Ela tenta parcerias três vezes, mas nenhuma sobrevive – por causa de
sua raiva. Quando Wo amadureceu, sua saúde decaiu e seu desequilíbrio permitiu
uma intensa acidez e a doença relacionada ao stress (úlcera).

Angenon e Veréhoo observavam-na em amor, calmos, sabendo que tudo tinha


sido apropriadamente estabelecido para a próxima etapa, uma vez que Wo e os
demais tinham decidido de antemão que essa poderia ser uma encarnação muito
importante, a ser lembrada devido aos novos atributos da Terra. Quando Wo
estava com 47 anos foi "acidentalmente" exposta a uma mulher iluminada... em
um desses encontros intensivos de negócios onde os humanos são obrigados a se
encontrar durante uma semana, sem condições de escapar... em nome da
eficiência. Tanto Angenon quanto Veréhoo reconheceram a mulher, pois era uma
entidade da mesma sessão de planejamento da qual haviam participado 47 anos
atrás. Essa era uma entidade programada para aparecer nesse ano e, se Wo
estivesses preparada, para informá-la sobre o Espírito.

Como se o destino houvesse preparado, Wo se interessou por essa mulher. Wo


queria saber o que havia de diferente nela; e como se fosse o destino (piada
cósmica), Wo aproximou-se da mulher uma noite já tarde e perguntou, "Porque é
que tem paz? Como é que você é tão tolerante com os outros? Qual é o seu
segredo?"

Angenon e Veréhoo estavam na ponta dos pés! A permanência do equilíbrio por


um momento era tudo que esperavam. Ambos sentiram o potencial do que estava
ocorrendo e sabiam que essa era a primeira janela de oportunidade pela qual
tinham aguardado. Nunca na história de seus contratos como guias, havia
acontecido algo assim! Enquanto a mulher falava, Wo permanecia estóica,
compreendendo tudo. Mais tarde, naquela noite, aconteceu. Sozinha em seu
quarto, Wo chorou abertamente, levantou suas mãos em aparente desespero e
verbalmente pediu ao Espírito que se encontrasse com ela. Como se a luz se
acendesse repentinamente, Angenon e Veréhoo puseram-se em ação. Ela havia
expressado intenção! Sim! O Universo estava escutando. Sim! Havia algo superior
ao intelecto humano e Sim! ela podia ter paz durante sua encarnação. Angenon e
Veréhoo celebraram... e isso causou uma senhora noite insone para Wo, com
toda aquela atividade em volta de sua cama!

As Parábolas de Kryon 14
As coisas rapidamente começaram a mudar para Wo. Ela encontrou-se com a
mulher muitas vezes mais e tornaram-se amigas. Ela encontrou-se com outros
que a levaram através de processos e lhe deram informação que precisava. O
tempo todo Angenon e Veréhoo se regozijavam na nova comunicação que lhes
era permitido ter com Wo e seu eu Deus superior. Um terceiro guia do grupo dos
guias mestres se juntou a Angenon e Veréhoo; e, então Wo foi capaz de passar
diretamente através de seu carma e perdoar aqueles que tanto a magoaram.
Adquiriu sabedoria e compreendeu sua responsabilidade em tudo que ocorrera. E
com SABEDORIA veio o AMOR. E com o AMOR veio AÇÃO! Chegou o tempo em que
Wo não apenas era capaz de tolerar os homens em sua vida, como realmente se
uniu a um..com sucesso e em amor. Muito incrível.

Quando Wo tinha 53 anos, Angenon e Veréhoo receberam permissão para partir.


Wo chegou a tal vibração que um novo grupo de guias era necessário para melhor
servi-la. Quando o grupo de guias se afastou por um período de 90 dias,
deixando-a sem apoio, Wo mesmo sob stress, entendendo o que estava
acontecendo, calmamente se manteve ocupada com os afazeres humanos... e
atravessou esse período sem dificuldade. Angenon e Veréhoo celebraram
novamente. Você poderia pensar que talvez ficassem infelizes, tristes por sair de
perto de uma amiga tão amada... no momento que tanto haviam esperado e
planejado! Mas Angenon e Veréhoo sabiam que as partes estavam em equilíbrio,
e a graduação de um era a exaltação do todo... e desejosamente partiram sem
rebelião, ou mesmo qualquer pensamento que não o de amor pelo processo.

Deixamos Wo aqui, porque seu futuro não se realizou ainda... assim como o seu.

Meus queridos, assim é que aqueles do centro ao exterior celebraram a


iluminação de Wo, porque foi um acontecimento universal, conhecido por todos.
Foi significativo porque ajudou o todo. E por isso aqueles no centro de sua
galáxia souberam do ocorrido, e também os Arcturianos, os Ashtar e os
Pleiadianos, e todos os anjos do Grupo Solar e os Mestres Ascensos. E assim é que
nenhum deles juntos poderia ter feito o que um fez por si mesmo... dar intenção
para pegar seu poder enquanto em lição.

E assim é.
Kryon

As Parábolas de Kryon 15
OS DOIS FAZENDEIROS

Havia dois fazendeiros. Ambos tinham sua plantação própria, da qual cuidavam
por conta própria, sem ajuda de outros. Mas despendiam todo o seu tempo
trabalhando nelas. Os dois fazendeiros eram humanos espiritualizados, e
honravam a terra apropriadamente. Isso criava uma boa parceria com a Terra, e
eram premiados com boas colheitas cada ano, que lhes garantiam seu sustento e
o de suas famílias. Uma parte de suas plantações era para uso próprio e a outra
era vendida no mercado para prover o sustento de suas famílias. Eles tinham
boas vidas.

Um dia um humano apareceu em seus campos, dizendo trazer uma mensagem de


Deus. Ambos os fazendeiros ficaram interessados e escutaram com atenção a
mensagem: O mensageiro lhes disse que eram ternamente amados, e que através
de seu trabalho eles adquiriram o poder de aumentar suas colheitas em dez
vezes! Isso era o presente deles, e eles tinham o poder dentro de si para realizá-
lo. Para ativar o novo poder, tudo o que tinham a fazer era erradicar a velha
plantação que crescia nos campos. Deviam tombá-las completamente com o
arado, sem deixar nada em pé. Depois deviam procurar nas raízes parasitas e
fungos e acabar com toda a impureza encontrada. Quando acabassem de fazer
isso, deveriam semear imediatamente. Antecipando seu poder, o mensageiro lhes
disse que Deus estava modificando as estações, trazendo mais sol e mais chuva
quando fosse apropriado, e protegendo-os da seca... verdadeiramente
reorganizando os componentes da agricultura como os conheciam até então, de
maneira a permitir que utilizassem sua nova dádiva.

Era a época do ano em que a colheita do plantio estava praticamente a mão.


Ambos os fazendeiros tinham suas plantas já altas prontas para o corte e para a
venda no mercado, dando-lhes assim o sustento para um ano inteiro e
permitindo-lhes a compra de sementes para o plantio no ano seguinte. Ambos os
fazendeiros estavam hesitantes quanto a destruir sua plantação, e perder sua
segurança para a futura estação de plantio.

Afinal, o que haveria de mal em colher, usando seus poderes mais tarde? Esta
área de plantio embora já tivesse sido bastante utilizada, estava com a plantação
praticamente pronta para o corte, e tornar a semear agora não seria nada bom
nesta época do ano. Qualquer fazendeiro sabia que as sementes não cresceriam
nesta época.

O primeiro fazendeiro consultou a família sobre a mensagem, e lhes pediu


conselho. Após refletir sobre o que ouvira do mensageiro, ele e sua família
acharam que Deus não iria querer lhes fazer mal, ele então destruiu sua
plantação pronta para o corte como lhe tinha sido dito para fazer, e a botou
completamente abaixo. Examinou as impurezas do solo, retirando-as
cuidadosamente, e imediatamente semeou seus campos.

As Parábolas de Kryon 16
O segundo fazendeiro não acreditou no mensageiro, e preparou-se para a
colheita como sempre fazia.

Logo depois, vieram as chuvas. Isso chocou os dois fazendeiros grandemente


porque nunca antes a chuva tinha caído naquela época do ano. Ela molhou as
sementes nos campos do primeiro fazendeiro, e inundou a plantação, a ponto de
corte, do segundo. Então veio o vento, quando nunca antes havia acontecido. A
plantação do primeiro começava a crescer de maneira que o vento não lhe
causou dano. O que tinha restado da plantação inundada do segundo foi
arrancado pelos ventos.

Assim foi que as plantas do primeiro fazendeiro cresceram numa quantidade e


altura nunca sonhadas e ele regozijou-se em seu novo poder de criar uma
plantação abundante... exatamente como o mensageiro havia predito. O segundo
fazendeiro perdeu sua plantação, e teve que esperar o momento para se alinhar
as novas estações e novamente plantar suas sementes, sentindo-se ansioso e
incerto com as novas estações não mapeadas.

Meus queridos, que bagagem velha é essa que vocês carregam na nova energia
que os mantêm a parte de seu novo poder? Alcance-as no meio de seu medo e
retirem para fora seu prêmio... e sigam em frente com sua vida. É a hora.

E assim é.
Kryon

As Parábolas de Kryon 17