Você está na página 1de 12

CONCURSO – PROVA DE HISTÓRIA

1 ) Alguns historiadores afirmam que a História iniciou quando a humanidade


inventou a escrita. Nessa perspectiva, o período anterior à criação da escrita é
denominado Pré-História. Sobre esse assunto assinale a alternativa correta.
a) A história e a Pré-História só podem se diferenciar pelo critério da escrita.
Logo, aqueles historiadores que não concordam com esse critério estão presos
a uma visão teológica da História.
b) Esta afirmação não encontra qualquer contestação dos verdadeiros
historiadores, pois ela é uma prova irrefutável de que todas as culturas
evoluem para a escrita.
c) A escrita não pode ser vista como critério para distinguir a História da Pré-
História, pois o aspecto econômico é considerado um critério muito mais
importante.
d) Os únicos historiadores que defendem a escrita como critério são os
franceses, em razão da influência da filosofia iluminista.
e) Os historiadores que defendem a escrita como único critério que diferencia a
História da Pré-História reafirmam a tradição positivista da História.

2) "A própria vocação do nobre lhe proibia qualquer atividade econômica


direta. Ele pertencia de corpo e alma à sua função própria: a do guerreiro. (...)
um corpo ágil e musculoso não é o bastante para fazer o cavaleiro ideal. É
preciso ainda acrescentar a coragem. E é também porque proporciona a esta
virtude a ocasião de se manifestar que a guerra põe tanta alegria no coração
dos homens, para os quais a audácia e o desprezo da morte são, de algum
modo, valores profissionais." (Bloch, Marc. A SOCIEDADE FEUDAL. Lisboa,
Edições 70, 1987).
O texto acima reflete(alternativa correta):
a) o dinamismo da classe social dos nobres, empenhada em combater os
inimigos da cristandade e defender a autoridade dos papas contra as
veleidades dos imperadores do Sacro Império Romano Germânico.
b) o empenho da classe clerical em defender a ideologia das três ordens como
básicas de uma visão social teleológica e mística, inspirada na patrística
bizantina.
c) a formação do feudalismo como sistema organizado e bem estruturado nos
conceitos oriundos da antiga Roma e dos bárbaros germânicos.
d) a competição que existia entre o clero regular e o clero secular pelo controle
da Igreja, principalmente no pontificado de Bonifácio VIII, autor do Dictatus
Papae.
e) o estilo de vida da ordem da nobreza, marcado pelo militarismo e, ao menos
em tese, pela coragem sem limites, seja a serviço da fé, seja a serviço dos
seus próprios interesses.

3) "Lá vai São Francisco


pelo caminho
de pé descalço
tão pobrezinho" (Vinícius de Morais, A ARCA DE NOÉ)
Partindo da estrofe acima e do contexto no qual ela se insere, podemos afirmar
que(alternativa correta):
a) São Francisco era um revolucionário, pois foi o primeiro filósofo cristão a
propor a redução dos privilégios dos clérigos e dos papas, defendendo uma
sociedade sem desigualdades econômicas, uma vez que a Igreja já estava em
nítida decadência.
b) São Francisco foi um dedicado membro da Igreja, que criou algumas idéias
inovadoras para combater as heresias e as influências dos reis franceses sobre
os papas residentes em Avinhão.
c) São Francisco e suas posturas refletem um contexto conturbado, pois as
invasões bárbaras estavam ainda muito presentes na memória da sociedade
européia e ele preocupava-se em combater o paganismo ainda existente entre
alguns povos germânicos.
d) São Francisco foi um duro crítico das ambições dos papas em conquistar o
Oriente através do movimento cruzadístico, combatendo a militarização e a
feudalização da Igreja.
e) São Francisco adotou uma postura humilde e despojada de apegos
materiais, procurando imitar a vida de Cristo, num contraponto à riqueza da
Igreja, que naquele momento estava em seu apogeu com o pontificado de
Inocêncio III.

4) Segundo a crença dos cristãos de Bizâncio, os ícones constituíam a


"revelação da eternidade no tempo, a comprovação da própria encarnação, a
lembrança de que Deus tinha se revelado ao homem e por isso era possível
representá-Lo de forma visível" (Franco Jr., H. e Andrade F°, R. O. O IMPÉRIO
BIZANTINO. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 27).
Apesar da extrema difusão da adoração dos ícones no Império Bizantino, o
imperador Leão III, em 726, condenou tal prática por idolatria, desencadeando
assim a chamada "crise iconoclasta".
Dentre os fatores que motivaram a ação de Leão III, podemos citar o (a)
(alternativa correta)
a) intolerância da corte imperial para com os habitantes da Ásia Menor, região
onde o culto aos ícones servia de pretexto para a aglutinação de povos que
pretendiam se emancipar.
b) necessidade de conter a proliferação de culto às imagens, num contexto de
reaproximação da Sé de Roma com o imperador bizantino, uma vez que o
papado se posicionava contra a instituição dos ícones e exigia a sua
erradicação.
c) tentativa de mirar as bases políticas de apoio à hegemonia do Patriarca de
Constantinopla, o qual valendo-se do prestígio de que gozava junto aos altos
dignitários da Igreja Bizantina, aspirava secretamente a sagrar-se imperador.
d) aproximação do imperador, por meio do califado de Damasco, com o credo
islâmico que, recuperando os princípios originais do monoteísmo judaico-
cristão, condenava a materialização da essência sagrada da divindade em
pedaços de pano ou madeira.
e) descontentamento imperial com o crescente prestígio e riqueza dos
mosteiros, principais fabricantes e comerciantes de ícones, e que, além disso,
atraíam para o serviço monástico numerosos jovens, impedindo-os, com isso
de contribuírem para o Estado na qualidade de soldados, marinheiros e
camponeses.

5) "Depois da colonização grega do século VIII a. C., a riqueza fundiária não


mais representou a única riqueza possível. Ninguém mais podia subestimar a
riqueza mobiliária. Ora, com maior freqüência, esta não chegou às mãos dos
nobres, afastados pelos velhos preconceitos das atividades comerciais e
industriais. A classe dirigente teve de contar com as reivindicações dos novos-
ricos encorajados pelos seus êxitos materiais e que também desejavam
participar dos negócios da cidade." (André Aymard e Jeannine Auboyer - O
ORIENTE E GRÉCIA ANTIGA, texto adaptado)
No contexto da Grécia Antiga, o texto acima retrata um dos aspectos
(alternativa correta):
a) da guerra contra os persas, cujos resultados foram favoráveis aos gregos,
liderados por Atenas.
b) da decadência ateniense no período arcaico, marcada pela derrota na
Guerra do Peloponeso.
c) da queda da monarquia e implantação da república aristocrática com a
criação do regime chamado arcontado
d) da criação do tribunato da plebe, encarregado de defender os cidadãos
pobres diante das ambições dos eupátridas.
e) da crise do regime aristocrático nas cidades gregas e ascensão dos
comerciantes, tornando algumas sociedades, como a ateniense, mais flexíveis.

6) As guerras, ao longo dos séculos, ajudaram a definir fronteiras alianças e


rivalidades, a criar e derrubar hegemonias, e moldaram muito da situação
atual do mundo. Partindo dessa reflexão, marque a ALTERNATIVA INCORRETA:
a) As guerras médicas, entre gregos e persas, foram motivadas pelos choques
de interesses entre a expansão grega rumo à Ásia Menor e o imperialismo
persa. Os persas, senhores das costas asiáticas do Mar Egeu, e das
comunicações marítimas, ameaçavam o comércio, a prosperidade das cidades
da Grécia balcânica e, principalmente, o comércio de trigo através do Mar
Negro.
b) A Primeira Guerra Mundial decorreu, em grande parte, das tensões advindas
das disputas por áreas coloniais. Dos vários fatores que desencadearam o
conflito destacaram-se rivalidades e as tensões entre as grandes potências, por
exemplo, a concorrência econômica entre Inglaterra e Alemanha.
c) As Guerras de Reconquista ocorreram paralelamente às Cruzadas que
investiram para o Oriente(Jerusalém). Essa Reconquista tinha como objetivo
expulsar os muçulmanos da Península Ibérica e está relacionada à criação dos
pequenos reinos cristãos de Leão, Castela, Aragão e Navarra, que
posteriormente resultaram na formação das monarquias nacionais de Portugal
(no final do século XIII) e Espanha(no final do século XV).
d) A Guerra dos Trinta Anos, que no começo foi um conflito religioso acabou
tornando-se uma luta pelo poder na Europa. Iniciada em 1618, na Boêmia
(hoje República Tcheca), com o episódio que ficou conhecido como a
Defenestração de Praga. Em pouco tempo quase toda a Europa estava
envolvida e dividida em dois campos: os aliados da França e os aliados do
Sacro Império e Espanha. A vitória francesa colocou a França como principal
potência européia e marcou a decadência da dinastia dos Habsburgos.
e) A Guerra da Coréia foi o ponto crucial da rivalidade sino-soviética, pois a
discordância entre os países do bloco socialista sobre a melhor forma de
resistir à invasão da Coréia pelas tropas da OTAN comandadas pelos Estados
Unidos prolongou a guerra e, ao final, facilitou a vitória norte-americana, que
exigiu a divisão do país em dois: Norte(comunista) e o Sul(capitalista).

7) Em entrevista no site da AOL, Francisco ‘Chico” Oliveira, 71 anos,


economista e sociólogo, professor titular aposentado da USP, coordenador
científico do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania dessa universidade e
um dos primeiros intelectuais de esquerda a romper com o PT afirmou que Lula
pode “transformar-se em um novo Perón”. Com tal afirmação, percebemos que
o professor Francisco Oliveira acredita que(alternativa correta):
a) o governo do presidente Lula está tentando estabelecer um governo de
extrema esquerda, nos moldes do governo que Perón praticou no México
durante os anos 40 do século passado.
b) A tendência nos próximos anos será marcado por uma estabilização da
situação brasileira frente aos órgãos financeiros internacionais como o
FMI, tal como o presidente Perón conseguiu na Argentina nos anos 80 do
século passado.
c) O atual governo federal está continuando uma política neo-liberal, muito
parecida com aquela praticada pelo ex-presidente Fernando Henrique
Cardoso, que por sua vez havia se inspirado no governo de Perón e sua
famosa esposa, Evita.
d) As origens da crise do governo Lula estão ligadas aos desacertos da
política econômica do governo José Sarney que não foram totalmente
solucionadas pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, criando uma
situação semelhante à situação Argentina na época do governo
peronista.
e) O governo Lula poderá cair num populismo semelhante ao do presidente
Perón, da Argentina, quando uma política assistencialista escamoteou a
falta de mudanças profundas na estrutura sócio-econômica Argentina
em meados do século passado.

8) À medida que o poder dos Estados Unidos foi crescendo, seus sucessivos
governos estabeleceram Doutrinas que receberam nomes específicos e
definiam a política externa do país, embora muitas vezes as boas intenções
ficassem apenas no papel. Das alternativas abaixo, marque a correta:
a) Doutrina Monroe de 1832, estabelecida pelo presidente James Monroe,
através da qual se opunha à coligação liberal, engendrada pelos monarcas
europeus no Congresso de Viena de 1815.
b) Doutrina do Livre Arbítrio de 1848, que fazia dos americanos uma espécie
de novo povo eleito por Deus, desde que se difundiu entre eles a partir da
metade do século XIX , agiu como um poderoso elemento mobilizador da
energia do país e dos indivíduos para a conquista de novos territórios ao oeste
e sul do continente.
c) Corolário ou Doutrina Roosevelt de 1899, tida como um desdobramento da
Doutrina do Big Stick, que passou ser interpretada como uma afirmação do
direito dos Estados Unidos de intervirem na política da América Latina e de
colonizar a África.
d) Doutrina Bush, iniciada em 2003, especifica que os seus atos políticos
somente buscarão aplicar o neo-liberalismo radical, temperado com idéias
religiosas, abandonando qualquer objetivo de justiça social, com o apoio do
Partido Republicano.
e) Política da Boa Vizinhança do presidente Franklin Roosevelt a partir de 1933,
foi uma grande mudança nas relações dos Estados Unidos com os demais
parceiros do continente americano, que, ao menos em tese, doravante
descartaria o uso da força para resolver os possíveis conflitos com os países
latino-americanos.

9) O processo de afirmação da chamada Civilização Ocidental do século XV ao


XIX, está intimamente relacionada ao desenvolvimento do capitalismo e ao
fortalecimento da classe burguesa. Sobre ele, é INCORRETO afirmar que:
a) a defesa dos direitos fundamentais do homem e da propriedade privada
constituiu um dos princípios básicos do ideário burguês;
b) a Revolução Gloriosa da Inglaterra, em 1688, significou o primeiro momento
histórico em que a burguesia passa a participar efetivamente do poder do
Estado, através do Parlamento;
c) o ideário liberal ultrapassou o continente europeu e serviu de bandeira para
o movimento de independência dos EUA;
e) após 1815 verificou-se um recuo na expansão do liberalismo com o
Congresso de Viena. No entanto, novas ondas liberalizantes explodiram na
Europa em 1830 e 1848.
d) a Revolução Francesa de 1789-1799 representou a ascensão burguesa ao
poder, mas continuou com o predomínio de forças conservadoras responsáveis
pela manutenção da Monarquia absoluta;

10) O açúcar e o ouro, cada qual em sua época de predomínio, garantiram


para Portugal a posse e a ocupação de vasto território na América do Sul. No
século XVIII a produção do ouro provocou muitas transformações no Brasil
Colônia. Entre elas podemos destacar(marque a correta):
a) não teve efeito multiplicador no desenvolvimento de atividades econômicas
secundárias junto às minas e nas pradarias do Rio Grande. Além disso, o ouro
brasileiro, sendo dependente do mercado externo, não resistiu à concorrência
exercida pela prata das minas de Potosi.
b) representou forte obstáculo às relações favoráveis à Metrópole e não educou
o colonizado para a luta contra a opressão do colonizador, pois as bandeiras
não foram além dos limites territoriais estabelecidos em Tordesilhas, apesar da
ação cruel contra os indígenas do sertão sul-americano.
c) a urbanização da Amazônia, o início da produção do tabaco, a introdução do
trabalho livre com os imigrantes e a introdução do tráfico africano, além da
integração do índio à economia aurífera, mesmo que dentro do sistema
escravista.
d) a industrialização de São Paulo, a produção de café no Vale do Paraíba, a
expansão da criação de ovinos em Minas Gerais, com a decadência da
produção algodoeira e a introdução de imigrantes operários europeus.
e) o aumento da produção de alimentos, a integração de novas áreas por meio
da pecuária e do comércio, a mudança do eixo econômico para o Sul. Além
disso, houve a formação de um mercado consumidor interno e um perceptível
surto urbano.

11) A revolução de 1924 e o movimento tenentista, no contexto da nossa


República Velha, relacionam-se:
a) aos desejos de reformas econômicas e sociais de caráter socialista que
acarretassem a superação da República oligárquica e elitista organizadas na
Coluna Paulista.
b) à violência praticada pelos governos republicanos controlados pelas
oligarquias paulista e mineira contra lideranças operárias e camponesas,
estabelecendo o Estado de Sítio permanente no governo Artur Bernardes.
c) ao caráter conservador do governo Epitácio Pessoa, cuja política repressiva
desencadeou o movimento de intervenção federal nos estados oposicionistas e
a Revolta do Forte de Copacabana.
d) à luta pela superação de caráter espoliativo e dependente da economia
brasileira, visando obter maior prestígio no concerto internacional, sendo o seu
ápice a Coluna Prestes e a Intentona Comunista.
e) aos anseios por reformas políticas moralizadoras de cunho liberal e
republicano. O movimento Tenentista pretendia reformas civis e o fim das
oligarquias no poder.

12) No Brasil, a CLT - Consolidação das Leis do Trabalho - foi criada por um
Decreto em meio ao governo de Getúlio Vargas, para reunir e sistematizar as
leis trabalhistas existentes no país. Tais leis representaram a
a) conquista evidente do movimento operário sindical e partidariamente
organizado desde 1917, defensor de projetos socialistas e responsável pela
ascensão de Vargas ao poder.
b) o apogeu do "Estado Novo", durante o período de 1950 a 1954, em que
Getúlio Vargas governou com poderes ditatoriais, sem garantia dos direitos
constitucionais, mas concedendo a CLT aos trabalhadores como forma de
compensação pelo fechamento dos sindicados.
c) um exemplo de inspiração notadamente fascista, que orientou o Estado
Novo desde sua implantação em 1937, desviando Vargas das intenções
nacionalistas presentes no início de seu governo.
d) pressão norte-americana, que se tornou mais clara após 1945, para que
Vargas controlasse os grupos anárquicos e socialistas presentes nos
movimentos operário e camponês.
e) participação do Estado como árbitro na mediação das relações entre patrões
e trabalhadores de 1930 em diante, permitindo a Vargas propor a organização
e a despolitização das reivindicações trabalhistas.

13) Sobre o fim do período militar no Brasil (1964-1985), pode-se afirmar que
ocorreu de forma
a) conflituosa, resultando em um rompimento entre as forças armadas e os
partidos políticos, por causa da iminente possibilidade do acesso ao poder dos
partidos de extrema esquerda.
b) abrupta e inesperada, como na Argentina do General Galtieri, por causa dos
excessos cometidos em nome do AI 5, que representou um "endurecimento"
do regime instalado em 1964.
c) negociada, como no Chile, governado pelo general Augusto Pinochet, entre o
ditador e os partidos na ilegalidade por causa do esgotamento do milagre
brasileiro.
d) sigilosa, entre o presidente Geisel e as Forças Armadas, à revelia do
Congresso e dos partidos políticos, como forma de resistir à pressão dos
grandes proprietários interessados em impedir a reforma agrária.
e) lenta e gradual, como desejavam setores das forças armadas. Os governos
dos presidentes Geisel e Figueiredo foram marcados pela chamada "distensão
política, gradual e segura"

14) A história dos países latino-americanos após o processo de independência,


apesar de distinta, tem muito em comum. Assinale a alternativa que confirma
este enunciado.
a) A industrialização da América Latina deu-se de forma homogênea, unindo
capital industrial e financeiro e acompanhando as conjunturas de crescimento
econômico dos Estados Unidos.
b) De forma vigorosa, as migrações internas entre países da América Latina
têm contribuído para uma história comum de desenvolvimento tecnológico e
cooperação.
c) As guerras de independência na América Latina foram simultâneas contra as
metrópoles e, na primeira metade do século XIX, todas as nações haviam se
transformado em repúblicas livres da escravidão, exceto o Brasil.
d) A economia dos países da América Latina está voltada para o seu próprio
mercado interno, o que determina seu caráter eminentemente agrário e
exportador dos excedentes.
e) O atraso na industrialização tornou essa região dependente do fornecedores
externos de bens de produção, o que conduziu a um crescente endividamento
externo.

15) As grandes revoluções burguesas, a revolução industrial e a francesa,


abalaram estruturas sociais seculares e acenaram com possibilidades de uma
sociedade melhor. A Declaração Universal dos Diretos do Homem evidencia
essa perspectiva otimista e a prevalência das idéias iluministas. Essa
Declaração(marque a única INCORRETA):
a) defendia a igualdade de todos perante a lei, contrariando as práticas
jurídicas da sociedade feudal, baseada num plano divino.
b) apesar de certos limites impostos pela burguesia, estabelecia a afirmação
de princípios que garantiam mudanças sociais importantes.
c) evidencia a vitória que a burguesia obteve com a revolução industrial e a
revolução francesa, mesmo excluindo o proletariado.
d) assegurava o respeito pela propriedade privada, garantindo sua legitimidade
jurídica, teoricamente disponível para todos.
e) mantinha a ordem jurídica dos tempos do feudalismo; contestava apenas
alguns dos seus princípios básicos, principalmente o teocentrismo

16) O sistema de parceria, que não foi respeitado pelos fazendeiros, foi o
método utilizado para atrair imigrantes europeus para a cafeicultura no Brasil.
Eram características do sistema de parceria:
a) trabalho assalariado e divisão dos lucros;
b) a servidão por contrato, com o arrendamento de 50% das terras aos
imigrantes e pagamento de salários;
c) divisão dos custos e do lucro da lavoura se subsistência;
d) arrendamento das terras apenas para a lavoura do café, proibindo-se a
lavoura de subsistência.
e) financiamento das despesas de viagem do imigrante pelo fazendeiro e
divisão dos lucros excedentes do café;

17) A Europa Ocidental, nos séculos XV e XVI, sofreu diversas transformações


políticas, econômicas e sociais. Sobre essas transformações podemos afirmar
que:
l - o Humanismo e o Renascimento foram movimentos intelectuais e artísticos
que privilegiaram a observação da natureza.
2 - a Reforma Luterana identificando-se com os segmentos camponeses
alemães e difundiu-se em virtude da centralização do Estado alemão.
3 - a Reforma Calvinista aproximava-se da moral burguesa, pois encorajava o
trabalho e o lucro.
4 - a reação da Igreja Católica, denominada Contra-Reforma, através do
Concílio de Trento (1545), tentou barrar o avanço protestante, alterando os
dogmas da fé católica.
5 - Dentre os fatores que contribuíram para a eclosão do movimento reformista
protestante, no início do século XVI, destacamos o declínio do nacionalismo no
processo de formação dos estados modernos.
6 - O Concílio de Trento, uma das medidas da Reforma Católica, cujo objetivo
era enfrentar o avanço das idéias protestantes, apresentou uma série de
decisões para assegurar a unidade da fé católica.
As afirmativas corretas são:
a) apenas l e 2 e 6
d) apenas l e 4 e 5
c) apenas 2 e 3 e 6
d) apenas 2 e 4 e 5
e) apenas l e 3 e 6

18) O monopólio do comércio da colônia, portanto, com todos os outros


expedientes mesquinhos e malignos do sistema mercantilista, deprime a
indústria de todos os outros países, mas principalmente a das colônias, sem
que aumente em nada - pelo contrário, diminui - a indústria do país em cujo
beneficio é adotado. (Adam Smith, A RIQUEZA DAS NAÇÕES.)
Com o auxílio das informações contidas no texto, marque o único item
INCORRETO:
a) O liberalismo econômico, teoria surgida no final do século XVIII, opunha-se
às práticas mercantilistas que alimentavam o poder do Estado com a
concessão de monopólios, protecionismo e privilégios a determinados grupos.
b) Contestando a interferência controladora do Estado na economia, liberais
como Adam Smith viam a atividade econômica regida por leis naturais,
centrando sua filosofia na lei da oferta e da procura.
c) Identificado com o capitalismo que as revoluções burguesas consolidavam, o
liberalismo defendia a divisão do trabalho, tanto no plano interno quanto no
internacional.
d) o lema “laissez faire, laissez passer, que lê monde va de lui même”, indica,
pela tradução e pelo sentido histórico, a liberdade de produção e a liberdade de
comércio, típicos do pensamento liberal.
e) Embora integrantes de um mesmo contexto histórico, Iluminismo e
liberalismo econômico divergiam em um ponto central: a limitação do poder
estatal, tese não-encampada pelos iluministas.

19) A grave crise econômico-financeira que atingiu o mundo capitalista, na


década de 30, tem suas origens nos Estados Unidos. A primeira medida
governamental que procurou, internamente, solucionar essa crise foi o "New
Deal", adotado por Roosevelt, em 1933. Uma das medidas principais desse
programa foi o(a)(única correta):
a) encerramento dos investimentos governamentais em obras de infra-
estrutura e o fim do planejamento e da intervenção do Estado na economia,
último resquício do mercantilismo tardio.
b) imediata suspensão da emissão monetária, resultando no aumento do
desemprego e no reforço do liberalismo, o que não impediu a decadência de
parte do setor industrial.
c) política de estímulo à criação de novos empregos e, pela primeira vez, o
surgimento do neoliberalismo, acarretando o fim da hegemonia européia e a
popularidade das correntes culturais existencialistas, que criticavam o
consumismo exagerado.
d) redução dos incentivos à produção agrícola e da intervenção do estado na
economia, criação de obras públicas para empregar a população e
empréstimos para os pequenos proprietários.
e) a intervenção do Estado, planejando a economia. Essa política representou
um marco na passagem do capitalismo clássico, liberal e concorrencial para o
capitalismo monopolista e estatal.

20) Analise as afirmações abaixo sobre o Brasil entre o século XVIII e o início
do século XIX e marque a única alternativa correta:
a) A Conjuração Baiana (1798) diferenciou-se da Conjuração Mineira (1789),
entre outros aspectos, porque aquela envolveu a alta burguesia da sociedade
do Nordeste.
b) A independência do Brasil, a sete de setembro de 1822, atendeu aos
interesses da elite social do Brasil Colônia e da burguesia portuguesa
favorecida pelo decreto de Abertura dos Portos de 1808.
c) O estabelecimento da família real portuguesa no Brasil, a partir de 1808
significou apenas o deslocamento do imenso aparelho burocrático português
sem nenhum desdobramento no processo de emancipação política brasileira.
d) A crise da economia mineira e a nova conjuntura internacional, na segunda
metade do século XVIII, refletiram no Brasil, contribuindo para o retorno da
monocultura da cana-de-açúcar, aproveitando-se da capacidade ociosa dos
engenhos nordestinos.
e) A Maçonaria no Brasil, no século XIX, defendia os princípios liberais. As
Lojas Maçônicas, em especial as do Rio de Janeiro, tiveram papel importante
no movimento pela separação do Brasil de Portugal.

21) A 2ª Guerra Mundial começou em 1º de setembro de 1939, mas ao longo


da década de 30 alguns acontecimentos davam sinais de que seria possível a
eclosão de um grande conflito. Entre esses indícios NÃO encontramos(marque
a incorreta)
a) os japoneses invadiram a região da Manchúria, pertencente à China. O
Império do Sol Nascente buscava reforçar suas posições no continente,
contrabalançando o poder da União Soviética e da Inglaterra.
b) Hitler ordenou a remilitarização da Renânia, região pertencente à Alemanha,
que havia sido desmilitarizada pelo Tratado de Versalhes, que ele pretendia
desmoralizar. A França protesta vigorosamente, pois sente sua fronteira
ameaçada.
c) alguns generais, liderados por Francisco franco rebelam-se na Espanha,
contra o governo eleito de tendências esquerdistas. Essa Guerra Civil durará
até 1939 e o General Franco contará com a decisiva ajuda ítalo-germânica para
sua vitória.
d) Hitler ordenou a ocupação da Áustria (Anschluss), com o apoio dos nazistas
austríacos, violando mais uma disposição do Tratado de Versalhes. Este ato foi
movido pelo pan-germanismo e pelo fato de Hitler ser austríaco de
nascimento.
e) Hitler exigiu que a França devolvesse a Alsácia-Lorena, mas a aliança
franco-inglesa desviou a atenção dos nazistas oferecendo uma troca com a
região dos Sudetos, que pertencia à Tchecoslováquia, que acabou sendo
sacrificada.

22) Sobre o barroco brasileiro no Período Colonial podemos afirmar o


seguinte(única correta):
a) O Barroco Mineiro manifestou-se em igrejas de menor porte, ricamente
adornadas com materiais importados da Europa e projetos assinados por
arquitetos portugueses de renome.
b) O Estado imperial brasileiro não promoveu a formulação de uma política
cultural, o que o diferenciou do início da República que se caracterizou por
diversos incentivos às manifestações artístico-culturais de expressão
nacionalista.
c) A cidade de Ouro Preto, centro político e econômico da região aurífera, não
foi beneficiada arquitetonicamente pelo estilo barroco.
d) O barroco mineiro seguiu as mesmas técnicas que os europeus: grandes
vitrais, noção de perspectiva valorizada, temas religiosos e bucolismo.
e) O Barroco resultou do movimento da Contra-Reforma na Europa, e
viabilizou-se com a expansão das atividades mineradoras no Brasil, onde
assumiu feições que lhe conferiram uma identidade própria.

23) A catedral de Chartres, a catedral de Notre Dame, a abadia de


Westminster, são representativas da arquitetura gótica, que predominou na
Europa durante a Baixa Idade Média e, em seu contexto, relaciona-se (única
correta)
a) à estabilidade da economia rural e ao culto doméstico, que era presidido
pelo chefe da família.
b) ao desenvolvimento das comunidades de monges e celebrações coletivas,
com ênfase no modo de vida simples.
c) ao progresso da agricultura feudal e à religiosidade individualista, que
estimulava a prática da solidão.
d) ao esgotamento dos arroteamentos e à crise econômica, que estimulava a
prática da religião.
e) à prosperidade da economia urbana e às aspirações espirituais orientadas
para Deus e os céus.

24) O Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494(única correta)


a) foi elaborado segundo os mais modernos conhecimentos cartográficos,
baseados nas teorias do geógrafo e astrônomo grego Ptolomeu e procurou
estimular a consolidação do reino português, por meio da exploração das
especiarias africanas e da formação do exército nacional.
b) nasceu de uma atitude inovadora na época: a de resolver problemas
políticos entre nações concorrentes pela via diplomática, com a concordância
da Igreja Católica, ainda bastante forte naquele momento.
c) resultou da ação dos monarcas espanhóis que resistiram à adoção da Bula
lntercoetera, contrária aos seus interesses e que tentava impor a reserva de
mercado metropolitano, por meio da criação de um sistema de monopólios que
atingia todas as riquezas coloniais.
d) surgiu da necessidade de definir a possessão do território brasileiro
disputado por Portugal e Espanha e reconhecer a transferência do eixo do
comércio mundial do Mediterrâneo para o Atlântico, depois das expedições de
Vasco da Gama às Índias.
e) demarcou os direitos de exploração dos países ibéricos, tendo como
elemento propulsor o desenvolvimento da expansão comercial marítima e
foi respeitado pelos portugueses até o século XVIII, quando novas negociações
resultaram no Tratado de Madri.

25) Sobre a Guarda Nacional, no contexto do Brasil do século XIX, é correto


afirmar que ela foi criada:
a) pelo imperador, D. Pedro II, e era por ele diretamente comandada, razão
pela qual tornou-se a principal força durante a Guerra do Paraguai.
b) para consolidar a Independência e para atuar principalmente no Sul, a fim
de assegurar a conquista da Província Cisplatina.
c) segundo o modelo da Guarda Nacional Francesa, o que fez dela o braço
armado de diversas rebeliões no período regencial e início do Segundo
Reinado.
d) para substituir o exército extinto durante a menoridade, o qual era
composto, em sua maioria, por portugueses e ameaçava restaurar os laços
coloniais.
e) pelo regente Feijó para garantir a ordem interna durante a Regência e serviu
como instrumento dos setores conservadores, destinado a manter e
restabelecer a ordem e a tranqüilidade públicas.