Você está na página 1de 3

ESCOLA SECUNDÁRIA DE FRANCISCO FRANCO 2005/06

12º ano PORTUGUÊS Data: / /


Turma: Lição nº

Nome: Nº:

Algumas noções de versificação


Verso é cada uma das linhas de um poema, correspondendo a uma sucessão de sílabas
métricas e acentos tónicos.

Sílabas métricas
O verso é constituído por um determinado número de sílabas que se contam até à
última tónica.

Acento
O acento predominante do verso é o da última sílaba métrica. No entanto, em
alguns tipos de verso é obrigatório outro acento em determinada(s) sílaba(s). Este acento,
além da intensidade, marca uma pausa.

Tipos de versos, segundo o número de sílabas métricas e os acentos dominantes:


♦ monossílabos
♦ dissílabos
♦ trissílabos
♦ tetrassílabos – quebrados de redondilha menor (acentos na 1ª ou 2ª e na 4ª
sílaba)
♦ pentassílabos – redondilha menor/arte-menor (acentos na 1ª ou 2ª ou 3ª e na 5ª
sílaba)
♦ hexassílabos – heróicos quebrados (acentos na 1ª ou 2ª ou 3ª ou 4ª e na 6ª sílaba)
♦ heptassílabos – redondilha maior
♦ octossílabos
♦ eneassílabos
♦ decassílabos heróicos (acentos na 6ª e 10ª) ou sáficos (acentos na 4ª, 8ª e 10ª
sílabas)
♦ endecassílabos – arte-maior (acentos na 5ª e na 11ª sílaba)
♦ dodecassílabos – alexandrinos (acentos na 6ª e na 12ª sílaba)
Designam-se de versos livres aqueles que não estão estruturados segundo o número
de sílabas métricas.
Os versos são agudos (masculinos/oxítonos), graves (femininos/paroxítonos) ou
esdrúxulos (proparoxítonos), segundo terminam por palavra aguda, grave ou esdrúxula.

Quanto ao ritmo, o verso é binário (dois segmentos com uma pausa), ternário
(três segmentos com duas pausas) ou quaternário (quatro segmentos com três pausas)

Rima é a correspondência entre versos da vogal tónica final (e, por vezes, os
fonemas que as seguem).
Chamam-se brancos ou soltos os versos que não rimam.
Quanto à correspondência dos sons, a rima pode ser:
• consoante, se a última vogal tónica e os sons que que se lhe seguem forem
todos repetidos (… divino/ …hino)
• toante, se apenas a vogal tónica for repetida (… sapo/ …lata)
Quanto à natureza morfológica dos vocábulos em rima, temos
• rima rica, se as palavras são de classes morfológicas diferentes (… paz / …
refaz);
• rima pobre, se as palavras forem da mesma classe morfológica (… poço / …
osso).
De acordo com o esquema de combinações, a rima é
• emparelhada, se rimam dois versos consecutivos (aa-bb)
Ex: É lá fora que correm gazelas,
é lá fora que há nuvens e estrelas,
que o milho espigado, na seara a crescer,
parece que pede que o venham colher! (Reinaldo Ferreira)
• cruzada ou aternada, se os versos rimam alternadamente (abab)
Ex: Um pouco mais de sol – eu era brasa
Um pouco mais de azul – eu era além
Para atingir, faltou-me um golpe d’asa…
Se ao menos eu permanecesse aquém… (Mário de Sá-Carneiro)
• interpoada, se entre os versos em rima há dois ou mais de rima diferente (a-a)
Ex: Nas nossas ruas, ao anoitecer,
Há tal soturnidade, há tal melancolia
Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
Despertam-me um desejo absurdo de sofrer (Cesário Verde)
• Encadeada, se um verso rima com o meio do seguinte (…a/…a…b/…b…c)
Ex: Que alegre campo e praia deleitosa!
Quão saudosa faz esta espessura (Tomás Ribeiro)

Estrofe é um conjunto de versos, formando geralmente uma unidade gráfica e


um sentido completo.

As estrofes têm um nome de acordo com o número de versos que as forma:


dístico – dois versos;
terceto – três versos;
quadra – quatro versos;
quintilha – cinco versos;
sextilha – seis versos;
sétima – sete versos;
oitava – oito versos;
nona – nove versos;
décima – dez versos.

Estrutura formal – a organização das estrofes, dos versos, da métrica, da rima


constitui a estrutura formal do poema.
Provavelmente, a estrutura poética fixa mais utilizada é o soneto: conjunto de catorze
versos decassilábicos, geralmente agrupados em duas quadras e dois tercetos; o esquema
rimático mais frequente é abba, abba, nas quadras, e cdc, cdc, nos tercetos.