Ecossonda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ecossondas são instrumentos que utilizam os princípios da acústica, principalmente do comportamento das ondas de som na água, para detectar submarinos, peixes, ou outros objectos na coluna de água, no oceano ou em outras massas de água. A penetração do som na água é significativamente maior que a da luz. Instrumentos acústicos activos que, por definição, emitem e recebem ondas sonoras, são, portanto, capazes de detectar peixes ou outros objectos a muito maior distância da que é possível atingir com sistemas visuais. A exploração desta propriedade é evidente nas sofisticadas capacidades de ecolocalização de baleias e golfinhos. Instrumentos acústicos, desenvolvidos ao longo do último século, têm hoje aplicações militares, económicas e científicas. No campo militar, esses aparelhos são utilizados por navios de vários tipos para a detecção de outros navios, particularmente de submarinos e de outras ameaças subaquáticas. No âmbito económico, instrumentos acústicos são fundamentais nos navios de pesca modernos para a detecção de cardumes. É também esse o uso principal deste tipo de instrumentos no campo científico, servindo, na ciência pesqueira, para avaliação de recursos e estudos de desempenho de artes de pesca, e para estudos mais gerais quanto à distribuição e comportamento de peixes, plâncton e outros organismos aquáticos. As ecossondas funcionam pela emissão de um sinal eléctrico que é transformado por um transdutor num pulso acústico que é dirigido para baixo. Quando este pulso atinge algum objecto na coluna de água, parte da energia acústica é reflectida e recebida pelo transdutor sob a forma de um eco, reconvertido em energia eléctrica. O tempo que medeia entre a emissão do pulso e a recepção do eco, conhecida a velocidade do som na água (cerca de 1500 ms-1), fornece a distância a que o objecto se encontra do transdutor.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecossonda

Ecobatímetro
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Esquema de um ecobatímetro em funcionamento.

O ecobatímetro é um aparelho utilizado para sondagem que se baseia na medição do tempo decorrido entre a emissão de um pulso sonoro, de frequência sônica ou ultrasônica, e a recepção do mesmo sinal após ser refletido pelo fundo do mar, lagoa, ou leito de rio. O tempo que o som leva entre o momento de sua emissão e o de sua recepção determina a profundidade entre a superfície da água e o leito do canal. Este método é também empregue na indústria, para efectuar a medição de nível em reservatórios. Leia também: sonar http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecobat%C3%ADmetro

Sonar
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Sonares: Sonar é a sigla em inglês de Sound Navigation And Ranging, ou "navegação e determinação da distância pelo som". É um instrumento auxiliar da navegação marítima. Este sistema inicialmente era empregado na localização de submarinos (em guerras), mas hoje em dia é também usado no estudo e pesquisa dos oceanos (determinação de profundidades ou de depressões) e na pesca, para a localização de cardumes. O princípio básico de funcionamento do sonar é a emissão de ultra-sons (ondas mecânicas de alta frequência) por um aparelho colocado nos navios, acoplado a um receptor de som. O som emitido propaga-se na água, reflete-se no fundo dos oceanos ou nos objetos (peixes), retorna e é captado pelo receptor, que registra a variação de tempo entre a emissão e a recepção do som, fazendo cálculos ele determina a distância e a velocidade do objeto. Na segunda década do século XX foram construídos navios com equipamentos de recolha do eco do fundo oceânico - sonares. Estes emitem ultra-sons que chocam com o fundo oceânico e regressam ao navio permitindo saber a profundidade e a forma do fundo oceânico . Mais tarde foram construídos os side -scan sonar que permitem produzir imagens a preto e branco dos fundos oceânicos , seguiram-se os multibeam sonar que permitem a construção de mapas detalhados do fundo oceânico e atualmente utilizam-se os satélites para desenhar mapas representativos dos fundos oceânicos e também para definir a topografia das zonas inacessíveis aos navios .

[editar] Ecolocalização
A ecolocalização, também chamada de “biosonar”, é uma capacidade natural, encontrada em golfinhos e morcegos, de utilização de emissão de ondas ultra-sons para locomoção e captura de presas. A partir do estudo da mesma, os seres humanos desenvolveram a “ecolocalização artificial”, com o advento do radar, sonar e aparelhos de ultra-sonografia. http://pt.wikipedia.org/wiki/Sonar

Simultaneamente. Esta antena de radar de longo alcance (aproximadamente 40 m de diâmetro) gira de modo a observar actividades no horizonte. revisando teoria eletromagnética. No início da Segunda Guerra Mundial (1939). construção difícil. Watson Watt. Em 1935. do inglês Radio Detection And Ranging (Detecção e Telemetria pelo Rádio). experiências para o desenvolvimento de um sistema de detecção por ondas de rádio de alta frequência. conseguiram criar um dispositivo de detecção que funcionou com grande precisão. melhorou e desenvolveu novas tecnologias. . naquela época não houve utilidade prática para o dispositivo. Pierre David.Radar Origem: Wikipédia. utilizando o sistema de telemetria fixa e rotatória. de baixa precisão. foi instalado o primeiro sistema de Radiotelemetria no navio Normandie com o objetivo de localizar e prevenir a aproximação de obstáculos. O radar. eficiente para a localização de aviões. é um dispositivo que permite detectar objetos a longas distâncias. A detecção das ondas refletidas permite determinar a localização do objeto. e sistema de detecção de eco ineficiente. Nota: Para outros significados. História do Radar O primeiro Radar foi construído em 1904. Em 1934. encontrou o estudo realizado pelo alemão. Ondas eletromagnéticas que são refletidas por objetos distantes. a enciclopédia livre. por Christian Hülsmeyer na Alemanha. Henri Gutton e Maurice Ponte. iniciou então. veja Radar (desambiguação).

curto período e feixe muito estreito. [editar] Sistema de Transmissão O sistema de transmissão é composto por 3 elementos principais: o oscilador. apesar do bombardeio constante efetuado pelos alemães. a transmissão é um pulso eletromagnético de alta potência. retornando para a antena. e pelo tempo de chegada do eco. decodificação. e o próprio transmissor. os radares alemães. É possível também. Durante a propagação pelo espaço. que neste momento é receptora de sinais. saber se o alvo está se afastando. diminuindo imensamente as baixas civis. eram para aumentar a precisão de tiro. pode-se facilmente calcular a distância do objeto. isto é. pois os ingleses sabiam com precisão a distância.milhões de Hertz até centenas de milhões) ou de microondas (de centenas de milhões até GHz. do sistema de recepção. isto se deve ao Efeito Doppler. O dispositivo precisa produzir uma frequência estável. além da mesa de interface entre equipamento e operador. pela defasagem de frequência entre o sinal emitido e recebido. até atingir ao alvo que está sendo monitorado. sendo então refletido. da linha de transmissão. porém seu uso era diferente. [editar] Funcionamento do Radar radar é composto por uma antena transmissora receptora de sinais para Super Alta Freqüência (SHF). . o modulador. e.Os radares foram muito importantes na previsão de ataques inimigos. Como se sabe a velocidade de propagação do pulso. A maioria dos radares usa bandas de frequências de rádio (MHz. velocidade e direção do ataque. As Potências do Eixo. O transmissor fornece radiofrequência para a antena em forma de pulsos eletromagnéticos modulados de alta potência que são disparados contra a antena parabólica que remete-os unidirecionalmente em direção ao alvo. de um transmissor de alta potência e alta frequência. [editar] Construção física do Radar O Equipamento de radar é composto de uma antena transceptora. também estavam a desenvolver sistema similar. ou guia de onda. processamento e visualização das informações coletadas. pois o radar necessita de precisão para calcular o efeito Doppler.dezenas de bilhões de Hertz). facilitando o direcionamento dos projéteis ao alvo. tendo tempo de dar o alarme para a população se proteger. o feixe se alarga em forma de cone. ou se aproximando da estação. [editar] Oscilador A produção do sinal do radar começa no oscilador. que é um dispositivo que gera radiofrequência num comprimento de onda desejado.

bem mais fraco que o emitido. Semelhante às ondas luminosas no foco de num espelho parabólico. [editar] Sistema de Recepção O receptor do radar detecta e amplifica os ecos produzidos quando as ondas refletem no alvo. permitindo que o radar faça uma varredura na área ao invés de sempre apontar para a mesma direção. Os radares em geral. é captado pela antena e amplificado novamente. Dependendo do ganho. se propagam para o ambiente. que após se propagarem. um transmissor pode amplificar a potência de 1 Watt para 1 Megawatt. conforme o caso. ele envia para a antena. necessitam enviar pulsos de alta potência. O sinal refletido. pois o transmissor está desligado. o sinal é ligado e desligado rapidamente no oscilador. é amplificar o sinal gerado no oscilador e misturado no modulador. neste caso. [editar] Transmissor A função do transmissor. são levadas por guias de onda em direção ao foco do disco parabólico. para mudar a direção das emissões. As ondas eletromagnéticas. Pois. . Num radar de pulso. pode variar o sinal em amplitude ou frequência. o modulador faz a mistura de um comprimento de onda secundário à frequência fundamental. Neste momento é captado pela mesma antena. atingem o alvo e refletem numa espécie de eco. O extremo de saída da guia de onda é localizado no foco da parabólica. O sinal bate no alvo e retorna em forma de eco. as ondas de radar se propagam em direção à parábola e por esta são emitidas em unidirecionalmente ao alvo. O sistema funciona da seguinte forma: • O pulso gerado é disparado contra a antena que o envia ao espaço. [editar] Antena Depois que o transmissor amplifica o sinal no nível desejado.[editar] Modulador O modulador. Disparadas contra a parábola. que em alguns radares tem a forma de um prato de metal (Antena Parabólica). Normalmente as antenas são giratórias. principalmente nos radares pulsados. Geralmente a antena de transmissão e recepção é a mesma. Da estabilidade do sinal gerado no oscilador e da modulação dependerá a qualidade do eco captado após atingir o alvo. depois de geradas e amplificadas.

Este sistema não opera com comutador. reflete a radiofrequência em direção ao seu foco. Entre dois pulsos. [editar] Receptor Muitos radares modernos utilizam equipamentos digitais. integrado e enviado para o monitor que é lido pelo operador de radar. pois este permite o executar funções mais complicadas. O sinal é captado por um dispositivo localizado no ponto focal.se estivesse ligado. [editar] Comutador (ou Duplexador) O comutador possibilita ao sistema de radar emitir sinais e recebê-los na mesma antena. o receptor e o transmissor operam ao mesmo tempo. pois o receptor espera por um sinal de retorno de baixa intensidade. o receptor através de uma cavidade ressonante separa o sinal por frequências automaticamente. Para usar este tipo de equipamento. e sim o pulso emitido. o sinal é processado. o sistema necessita de um conversor analógico-digital para transitar de uma forma a outra. Determinando assim quando a antena está ligada ao transmissor ou ao receptor O receptor. (V) Após a ampliação. A entrada do sinal analógico pode ser de qualquer valor. Pelo fato de ser parabólica. Para o radar de pulso contínuo. Para gerenciar a transcepção do radar. Como o receptor precisa interpretar sinais fracos ao mesmo tempo que transmissor está operando. este pode ser um dipolo. Isso evita que o sinal de grande intensidade vindo do transmissor chegue ao receptor causando sobrecarga. [editar] Antena A antena recebe o eco radioelétrico do sinal emitido no momento em que está comutada para recepção. demodulado. incluindo frações destes . os radares de onda contínua têm duas antenas separadas. Neste caso. é utilizado um dispositivo que comuta o momento de transmissão e recepção. o receptor não receberia o pulso refletido. O relê comutador conecta o transmissor à antena somente quando o sinal está sendo transmitido. atua como um relê entre a antena e o conjunto transmissor/receptor. devida alta potência. a radiofrequência se propaga através da linha de transmissão (No caso do pré amplificador estar localizado no foco) ou pela guia de onda em direção a um préamplificador localizado distante da antena. Em geral. de zero a dez milhões. recebe o sinal fraco provindo do alvo em direção à antena e amplifica-o. neste momento. uma de transmissão e outra para recepção desfasada da primeira. o comutador desconecta o transmissor e liga o receptor à antena. ou um pré amplificador de baixo ruído numa cavidade ressonante.

aumentando a área de rastreamento. ou 0. ou mesmo 1. Nestes sistemas. mas deixa a desejar em se tratando de medir sua velocidade. Uma vez que o sinal é digitalizado. e entre a emissão de dois pulsos o receptor detecta as reflexões do sinal emitido. a informação digital trabalha a valores discretos. estes radares emitem um sinal de rádio contínuo. ou 0. Esse tipo de radar é eficaz para localizar um alvo. os sistemas de radares usavam apenas modulação em amplitude – o sinal de força.667. [editar] Visor O visor é o resultado final das etapas de conversão do sinal recebido pelo radar em informação útil. Uma das mais importantes funções para o receptor é o filtro Doppler. [editar] Tipos de Radar [editar] Radar de Pulso Simples Estes são os de funcionamento mais simples. O sistema digital pode requerer uma fração de sinal para arredondar números decimais como 0. Alguns sistemas simples de radares. notificam o controlador com um sinal de áudio. Seguido do filtro Doppler. uma para o transmissor e outra para o receptor. para assinalar a presença de um objeto e não sua velocidade ou distância. O PPI mostra a direção do alvo em relação ao radar (em relação ao norte) com um ângulo de medida de cima do visor. um ponto de sinal forte aparece no lugar da tela que corresponde o alvo distante. assim impede também que o receptor faça alguma leitura enquanto o transmissor está operando. Antes. Normalmente. Esse tipo de radar requer duas antenas distintas. A emissão de um sinal contínuo permite que esse radar distinga objetos parados de objetos que estão em movimento. ou 2. Ele é usado para diferenciar alvos múltiplos. causada pelo “efeito . com uma série de zeros e uns que representam o sinal de entrada. Mais usual e mais moderno é o visor de plano de indicação posicional (PPI). enquanto que outros processam o sinal antes de exibi-lo e mostram alvos em potencial em forma de símbolos. eliminar o ruído e a interferência do sinal. como 0 e 1. ou amplitude era função da distância da antena.7.66666667.valores. baseado no efeito do mesmo nome. Todavia. porém nada entre estes. em intervalos regulares. Após o sinal analógico ser convertido para sinal discreto. o receptor pode executar complexas funções sobre este. O radar de pulso simples necessita de precisos contadores em seu alternador para impedir que o transmissor envie algum sinal enquanto o receptor está analisando o sinal de resposta. [editar] Radar de pulso Contínuo (CW) Como o próprio nome diz. O conversor analógico-digital mede o sinal analógico de entrada muitas vezes por segundo e expressa cada sinal como um número binário. Um transmissor envia diversos pulsos de rádio. Em alguns sistemas de radares que usam PPI mostra a real amplitude do sinal. através da analise da diferença do sinal de resposta. enquanto que a distancia do alvo é representado como a distância até o centro do visor. a antena desse tipo de radar pode rotacionar. para que o sinal emitido não interfira na leitura do sinal de retorno. como um beep. o número será usualmente expresso na forma binária. o receptor executa outras funções como maximizar a força do sinal de retorno.

este tipo utiliza-se de “diversas” antenas fixas que recebem sinais de diferentes direções. para “simular” uma antena bem maior do que ela realmente é. aproximadamente. Como estas antenas devem ser transportadas por uma aeronave. normalmente estes radares são de antena pequena e sinal largo. os radares são utilizados para a navegação. aquisição e seguimento de alvos. A utilização deste tipo de dispositivo contorna algumas limitações de radares convencionais como baixa refletividade e falta de posicionamento vertical. ou satélite. são essenciais para o controle efetivo do tráfego aéreo. que o tem de fazer mecanicamente. fazendo parecer que o sinal vem de uma antena grande. não é bom na detecção da posição exata do alvo. lêem sinais de resposta. combinando-os como desejado para adquirir uma direção especifica. e também para o controlo de tiro de forma a aumentar a probabilidade de . o movimento da aeronave permite que o radar faça leituras consecutivas de diversos pontos. e de uma maneira muito mais rápida que radares convencionais. Estes radares podem “mudar a direção do sinal” eletronicamente. posição. permitindo que este tipo de radar tenha uma resolução capaz de distinguir objetos relativamente pequenos. Entretanto. [editar] Phased-Array Radar Enquanto a maioria dos radares utiliza-se de uma única antena que pode rotacionar para mudar a direção do sinal emitido e assim obter uma leitura de uma área maior. aeronaves ou embarcações. enviando sinais em resposta que podem conter informações codificadas. detectando e monitorando obstáculos ou outros navios que possam oferecer riscos até distâncias de 200 km. [editar] Emprego dos Radares [editar] Marinha Na marinha. e tem objetivo de localizar alvos em terra. ao invés de uma pequena. o sinal recebido é então processado pelo receptor. etc.Doppler”.SAR Os radares SAR (Sinthetic Aperture Radar) estão acoplados a uma aeronave ou a um satélite. existem radares para a detecção. como por exemplo identificação e altitude da aeronave. Este tipo de radar. No caso de navios de guerra. [editar] Radar de Abertura Sintética . A habilidade destes radares diferenciarem dois objetos próximos depende da largura do sinal emitido. Esses dispositivos respondem a sinais chamados interrogadores emitidos pelo transmissor do radar secundário. ao invés de lerem sinais refletidos por objetos. Eles usam o movimento da aeronave. como um automóvel. [editar] Radares secundários São aqueles que. entretanto. emitidos por dispositivos chamados transponders instalados nos veículos. que depende do tamanho da antena. além de possibilitar a distinção de uma aeronave inimiga de uma aliada em seu emprego militar.

facilitando a apresentação dessa mesma informação aos operadores e aos decisores. e alcance de até 30 km para aeronaves voando em baixa altitude. o sistema não se dá por uma única estação de vigilância e rastreamento. caso estas estejam munidas do equipamento *transponder*. No controle do tráfego aéreo em geral são também instalados juntos com os radares primários. isto é. Existem também radares de controle de tráfego e vigilância aérea de maior alcance. De igual forma os radares de aviso de superfície realizam a mesma função para alvos de superfície. daí. metralhadoras. Há locais que só dispõem de radares secundários. instalados em locais que permitam um melhor desempenho. Na área da Amazônia são instalados nas peroximidades dos aeródromos para melhor proteção e apoio. Os radares de direcionamento bélico são utilizados para orientar os mísseis balísticos no momento inicial de arremesso. e sim por muitas . Há também os radares instalados nos aeroportos que controlam o movimento no solo das aeronaves e são instalados em locais onde as condições meteorológicas se tornam adversas. instalados na área do aeroporto e são bidimensionais.até o seu ponto de toque na cabeceira da pista. Existem os radares de defesa anti-aérea com alcance de até 200 km para detectar aeronaves inimigas orientando as defesas na sua direção. Várias aeronaves civis já se utilizaram destes radares no Brasil devido às condições severas de mau tempo reinante na área. não informando a altitude. existem radares de controle de tráfego aéreo. Neste caso. serem colocados em cima de montanhas.atingir o alvo com os projéteis disparados por peças de artilharia. alcance e visualização. a aeronave é guiada por um controlador militar habilitado em terra que dispõe de informações precisas de sua posição quer em altitude ou em distância. mísseis e torpedos. Hoje seu uso é obrigatório nas terminais de maior movimento de aeronaves. como é o caso de Guarulhos em São Paulo. Para o Controle de Tráfego Aéreo em Rota ela emprega radares primários. A defesa aérea e vigilância utiliza radares mais específicos com detecção de alvos até 300 km para aviões em grande altitude. quelevam as aeronaves de um determinado ponto -em torno de 6 milhas náuticas da cabeceira da pista. bi e tridimensionais. [editar] Aeronáutica O emprego de radares na aeronáutica se dá. Actualmente os navios de guerra possuem sistemas de combate que recolhem a informação obtida por todos os radares instalados a bordo. Nos Porta-aviões. em sua maioria. semelhantes aos dos aeroportos para controlar o lançamento e recolha de aeronaves com segurança e em movimento. Os radares de Terminal são. os radares secundários que passam a fornecer para o controle de tráfego aéreo a altitude das aeronaves. para depois da decolagem. e para controlo de lançamento de foguetes. principalmente. internamente estes artefatos possuem equipamentos de orientação autônomos para dirigi-los até seu alvo. só fornecem informação de azimute e distância. podendo enviar automaticamente a informação para os sistemas de armas. Nas bases aéreas também são instalados os radares de precisão (PAR). no Controle e Vigilância do Tráfego Aéreo em Rota e em Terminal Aérea.

além de radares nos mísseis ar-ar e ar-terra. entre outras. que interligados cobrem os 8. pois os sensores de calor são obsoletos e fáceis de ser despistados.5 milhões de km² do território nacional. Existe também o radar meteorológico usados nos aviões. e podem detectar se a tempestade é acompanhada de poeira ou de chuva. As aeronaves de combate possuem radares de interceptação. [editar] Meteorologia Redes de radares meteorológicos estão espalhadas por uma vasta área em vários países do mundo. radares de aquisição de alcance até 100 km. As informações são mostradas em uma tela na cabine de comando para os pilotos como manchas no formato da nuvem e através de cores mostrando a intensidade dessas nuvens. o SISCEAB (Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro) possui um sistema que funciona desta forma. Eles detectam com precisão os movimentos das massas de ar. Formações de nuvens comuns e mais leves são vistas como manchas verdes e formações mais densas e perigosas são mostradas como manchas vermelhas. por isso a detecção de chuva e neve aparece mais forte no radar do que as nuvens. de tiro e perseguição de mísseis terra-ar. esse por sua vez tem a função de detectar no ar nuvens e até mesmo granizo. vendavais e chuvas de granizo. Possuem longo alcance e hoje são de suma importância para o monitoramento da atmosfera. o Rapace utilizado nos carros de combate blindados com alcance de até cinco quilômetros. anti-artilharia. Os radares de pequeno alcance estão sendo desenvolvidos para a guerra moderna. facilitando assim atividades como a agricultura. aeronáutica. . no Brasil. O alcance desses radares é ajustável. radares de ataque com pulsos eletromagnéticos de alta definição que permitem o voo em baixa altitude sem visão direta do solo. Os radares meteorológicos usam o efeito Doppler para determinar a velocidade do vento numa tempestade. mas o retorno só é significativo se existir uma concentração de poeira maior do que o usual. o exército. onde existem conjuntos de radares com alcance de até 4000 km. com alcance de até 300 km. dando subsídios aos meteorologistas para prevenir desde geadas.interligadas e com os sinais processados de forma redundante pela somatória e processamento de todos os dados numa central. [editar] Exército Na força terrestre. Poeira na atmosfera também reflete as ondas do radar. variando de 20 a 100 milhas náuticas nos radares mais modernos. para busca de alvos por sistemas de detecção eletromagnética. fazendo assim com o que os pilotos detectem essas formações e façam os desvios necessários em voo evitando assim uma possível entrada inadvertida em tempestades ou nuvens perigosas que podem gerar grande turbulência em voo. radares de vigilância terrestre para detectar alvos móveis e regulagem de tiro de alta precisão. para reconstituição das trajetórias dos projéteis. para localização das peças de artilharia com alcance de até 10 km. entre eles se destacam os Rasura com alcance de 5 km usados pela infantaria. até tempestades. O vapor de água não reflete as ondas tão bem quanto gotas de chuva ou cristais de gelo. e. temos os radares de Patrulha aérea. além do Ratac utilizado pelas peças de artilharia para detectar alvos à 30 km.

Estes sensores são ligados a um computador e a uma câmera que geralmente ficam alocados em um poste na lateral à pista. Durante a noite. A sonda espacial US Magellan mapeou a superfície do planeta Vênus com um radar de 1990 a 1994. está associado a uma determinada faixa na via. Reino Unido e Canadá. se medirmos o tempo de passagem de um determinado veículo sobre esses sensores. [editar] Trânsito Autoridades em diversos países fazem uso da tecnologia dos radares para controlar a velocidade dos veículos nas vias públicas. ou seja. Portanto. Os Estados Unidos. por exemplo. o campo magnético é interrompido até que o mesmo passe pelo segundo sensor. rastreiam objetos em órbitas ao redor da Terra. sem que o infrator perceba que foi multado.[editar] Aplicações científicas Cientistas usam o radar para várias aplicações espaciais. etc). Cada conjunto de sensores de uma faixa a identifica no sistema de processamento do medidor de velocidade de veículos automotores.[1] Se a velocidade do veículo for superior a permitida então uma imagem é capturada pela câmera e armazenada no computador. o veículo infrator. [editar] Radar Fixo O primeiro e mais utilizado é o radar fixo. teremos a velocidade. de maneira a servir como prova da infração. O sistema fotográfico ou de registro de imagem.formando um campo magnético.18 do Regulamento Técnico Metrológico aprovado pela Portaria Inmetro nº 115/98 estabelece que quando dois ou mais veículos com velocidades distintas entrarem na área de medição.[2] . Isto ajuda os cientistas e engenheiros a vigiar lixo espacial (satélites abandonados. o sistema de medição. Durante viagens espaciais os radares também são utilizados para medir distâncias precisas. reconhece a faixa onde a velocidade limite da via foi ultrapassada e assim. Quando o veículo passa pelo primeiro sensor. No Brasil. sempre é acionado quando em alguma faixa a velocidade limite é ultrapassada. onde na via são instalados três sensores também chamados de laços detectores. Como a distância entre esses sensores é fixa e conhecida. então o sistema automaticamente calcula a velocidade de acordo com este tempo de interrupção utilizando o efeito Doppler. as câmeras funcionam com um sistema infravermelho o qual permite uma boa visualização da placa e do veículo mesmo com pouca luminosidade. o medidor de velocidade não deverá fornecer resultado de medida. • Como o medidor de velocidade faz para distinguir qual veículo excedeu a velocidade se muitos passam ao mesmo tempo sobre a via? Os medidores de veículos automotores baseiam-se na medição do tempo de passagem de um veículo entre dois sensores instalados sob o asfalto. como nas missões da Apollo nas décadas de 1960 e 1970. o item 5. partes de foguetes abandonados. Para esta finalidade existem basicamente dois tipos de radares.

não conseguem registrar a imagem de mais de um veiculo passando pelo ângulo de fiscalização no momento do disparo e durante a noite a câmera utiliza um flash para que a imagem do infrator seja capturada. encontrada em golfinhos e morcegos. que pode funcionar de duas formas: a primeira é um modelo italiano que utiliza dois feixes de laser e em função do tempo de interrupção dos feixes o computador dispara a câmera. também chamada de “biossonar”.wikipedia.[editar] Radar Móvel O segundo tipo de radar utilizado no transito é o móvel. o computador então calcula o tempo que a onda leva para fazer o percurso. http://pt.org/wiki/Radar . Na realidade. é uma capacidade natural. A partir do estudo da mesma. caso a velocidade medida for superior a permitida. de utilização de emissão de ondas ultrassons para locomoção e captura de presas. e quando é interrompida calcula a velocidade do veículo da mesma forma que os outros radares.e a segunda é um modelo holandês que emite uma micro-onda oblíqua em um ângulo de 20 graus em relação à pista. os seres humanos desenvolveram a “ecolocalização artificial”. nenhuma dessas “imitações humanas” se compara à qualidade e perfeição da ecolocalização animal. sonar e aparelhos de ultrassonografia.entretanto. com o advento do radar. Os radares móveis são capazes de monitorar até três faixas de trânsito ao mesmo tempo . [editar] Ecolocalização A ecolocalização. Os dois modelos utilizam uma máquina fotográfica comum e filmes coloridos de 35 mm e 36 poses idênticos ao que usamos no dia-a-dia.

popularmente conhecido por GPS (acrónimo do original inglês Global Positioning System. No entanto. Encontram-se em funcionamento dois sistemas de navegação por satélite: o GPS americano e o GLONASS russo. ou do português "geo-posicionamento por satélite") é um sistema de navegação por satélite que fornece a um aparelho receptor móvel a posição do mesmo. poucas garantias apontam para que em tempo de guerra o uso civil seja mantido. O sistema americano é detido pelo Governo dos Estados Unidos e operado através do Departamento de Defesa. Existem também dois outros sistemas em implementação: o Galileo da União Europeia e o Compass chinês. Antena de telhado para GPS O sistema de posicionamento global. Mais de 50 satélites como este NAVSTAR já foram lançados desde 1979.Sistema de posicionamento global Origem: Wikipédia. O GPS foi criado em 1973 para superar as limitações dos anteriores sistemas de navegação. assim como informação horária. . a enciclopédia livre. sob todas quaisquer condições atmosféricas. desde que o receptor se encontre no campo de visão de quatro satélites GPS. o que resultaria num sério risco para a navegação. a qualquer momento e em qualquer lugar na Terra. estando actualmente disponível para uso civil gratuito. Inicialmente o seu uso era exclusivamente militar.

pode situar-se na intersecção de quatro calótes. a dispositivos dedicados somente ao GPS como estes das marcas Trimble. Consiste numa "constelação" de 28 satélites sendo 4 sobressalentes em 6 planos orbitais. . tal como determinado por um conjunto de estações de observação terrestres. Medição com um GPS O receptor não necessita de ter um relógio de tão grande precisão. construídos pela empresa Rockwell. e relógios. e sabendo a velocidade de propagação do sinal. Seu desenvolvimento custou 10 bilhões de dólares. O sistema foi declarado totalmente operacional apenas em 1995.Descrição técnica Receptores GPS vêm numa variedade de formatos. de dispositivos integrados dentro de carros. e 6 de Novembro de 2004 (o 29º). o receptor. Então. Garmin e Leica. o receptor calcula a distância a cada um dos quatro satélites pelo intervalo de tempo entre o instante local e o instante em que os sinais foram enviados (esta distância é chamada pseudodistância). junto com informação adicional como os elementos orbitais de movimento. O receptor capta os sinais de quatro satélites para determinar as suas próprias coordenadas. e ainda o tempo. Os satélites GPS. Os satélites têm a bordo relógios atómicos e constantemente difundem o tempo preciso de acordo com o seu próprio relógio. foram lançados entre Fevereiro de 1978 (Bloco I). uma para cada satélite. Decodificando as localizações dos satélites a partir dos sinais de microondas (tipo de onda electromagnética) e de uma base de dados interna. telefones. mas sim de um suficientemente estável. Cada um circunda a Terra duas vezes por dia a uma altitude de 20200 quilómetros (12600 milhas) e a uma velocidade de 11265 quilómetros por hora (7000 milhas por hora).

que consistia em um erro induzido ao sinal impossibilitando que aparelhos de uso civil operassem com precisão inferior a 90 metros. Este tipo de sistema de guiamento pode ser usado em qualquer condição climática e garante um alto índice de acertos.Até meados de 2000 o departamento de defesa dos EUA impunha a chamada "disponibilidade selectiva". Porém. o presidente Bill Clinton foi pressionado a assinar uma lei determinando o fim dessa interferência no sinal do sistema [carece de fontes]. A recolha de dados por estes receptores é mais lenta. Estas bombas "inteligentes" são guiadas a seus alvos por um sistema inercial em conjunto com um GPS. Agrimensores diminuem custos e obtêm levantamentos precisos mais rapidamente com o GPS. mas existem receptores mais caros com precisão de 1 centímetro. No cenário militar. Durante experiências científicas de recolha de dados. A comunidade científica utiliza-o pelo seu relógio altamente preciso. o GPS é também usado para o direcionamento de diversos tipos de armamentos de precisão.000001 segundo) quando a amostra foi obtida. Unidades específicas têm custo aproximado de 3. qualquer pessoa que queira saber a sua posição. encontrar o seu caminho para determinado local (ou de volta ao ponto de partida). desse modo entende-se que não há garantias que em tempo de guerra o serviço continue a disposição ou com a atual precisão. conhecer a velocidade e direção do seu deslocamento pode-se beneficiar com o sistema. . Naturalmente a localização do ponto onde a amostra foi recolhida também pode ser importante. [editar] Aplicações Coordenadas com um GPS com Bússola e Altímetro integrado Além de sua aplicação óbvia na aviação geral e comercial e na navegação marítima. Atualmente o sistema está sendo muito difundido em automóveis com sistema de navegação de mapas.000 dólares e precisão de 1 metro. como as bombas JDAM (Joint Direct Attack Munition) e os famosos mísseis Tomahawk. que possibilita uma visão geral da área que você está percorrendo. pode-se regist(r)ar com precisão de microsegundos (0.

balonistas. ecoturistas. Guardas florestais. [editar] Tipos de receptores Comparação entre a duração da órbita de um satélite e o período de rotação da Terra Existem diferentes receptores GPS. A diferenciação entre essas categorias. e o oferecido pelo equipamento. Uma máquina agrícola dotada de receptor GPS armazena dados relativos à produtividade em um dispositivo de memória que. produz um mapa de produtividade da lavoura. trabalhos de prospecção e exploração de recursos naturais. ou seja a razão da igualdade entre o dado real do posicionamento. Sendo os mais acurados. desde diversas marcas que comercializam soluções "tudo-em-um". geocachers. instalado em um carro. são enormemente beneficiados pela tecnologia do sistema. As informações permitem também o(p)timizar a aplicação de corre(c)tivos e fertilizantes. arqueólogos. Geralmente categorizados em termos de demandas de uso em Geodésicos. Topográficos e de Navegação. Com a popularização do GPS. tratados por programa específico.Exemplo de um receptor GPS com mapas. pescadores. O GPS tem-se tornado cada vez mais popular entre ciclistas. bombeiros. geólogos. até os externos que são ligados por cabo ou ainda por bluetooth. vôo livre ou por aventureiros que queiram apenas orientação durante as suas viagens. os . que a princípio pode parecer meramente de preço de aquisição é principalmente devido à precisão alcançada. com valores na casa dos milímetros. um novo conceito surgiu na agricultura: a agricultura de precisão.

Actualmente existem receptores com chip SIRF III que usam 20 canais.csr. etc. o que significa que geralmente não informam o posicionamento instantaneamente (excepto os modelos RTK).45 MHz (±12 GHz). onde também encontramos aplicações para uso do dado de posicionamento em outros equipamentos como notebooks.. conta muito o número de canais que o GPS usa para adquirir o sinal. Tempo de duração das baterias(caso se aplique). que substituirá em um futuro próximo o atual . rastreadores de veículos. etc. existem muita variedade de Pocket PCs com GPS interno. Luminosidade do(a) ecrã/tela (caso se aplique). Mapas disponíveis (caso se aplique). onde vê-se uma infinidade de modelos. possibilitando assim a eliminação dos efeitos da refracção ionosférica. • • Melhora a estrutura do sinal para melhor desempenho. e características próprias como o pós-processamento. celulares. Maiores informações em http://www. No caso da categoria de maior uso. [editar] O que ter em conta ao escolher um receptor? • • • • • • Número de canais que o receptor utiliza. tanto aqueles que integram diversos equipamentos como computadores de mão. embora possua menor precisão de posicionamento. Actualmente com a convergência de dispositivos. a de navegação. Estes têm a vantagem de se poder escolher o software que se pretende utilizar com eles. porém somente captam a portadora L1. que tem características de trabalho semelhantes à categoria anterior. tem inúmeras vantagens como o baixo preço de aquisição e inúmeras aplicações. relógios. . também possuem elevada precisão. Em 2009 . este satélite será o primeiro a emitir o sinal GPS numa frequência de 1176. Ambas as categorias tem aplicações técnicas. a mídia divulgou o lançamento em âmbito comercial do novo chipset gsd4t ( SirfStar IV).GPS modernização [carece de fontes] • Dia 24 de março 2009 foi lançado o primeiro satélite GPS equipado com uma amostra de hardware funcionando em frequência L5 Entre outras novidades. Autonomia. SirfStar III . Os topográficos. geralmente na casa dos centímetros.receptores Geodésicos são capazes de captar as duas frequências emitidas pelos satélites (L1 e L2).com/products/25/sirfstariv-gsd4t [editar] Futuro. Transmissão superior ao do L1 e L2 sinal. Robustez. Porque o que conta acima de tudo é a recepção de sinal. como aqueles dedicados exclusivamente ao posicionamento GPS.

chamado de código P. O L1C estará disponível com o primeiro bloco III lançamento previsto para 2013. de frotas.42 MHz).A data limite para que a força aérea americana coloque um satélite GPS de forma operacional em na frequência L5 é 26 de agosto de 2009. no qual a precisão é centimétrica. sendo um para uso civil. e fase da portadora. Caso esta data seja ultrapassado. [editar] Curiosidades • Cada satélite GPS transmite dois sinais de rádio. porém. que é utilizado nos GPS de navegação e para posicionamento global. a Coreia do Norte e a Síria. divididos em código C/A. que atualmente contém a C/ Um sinal GPS utilizados por todos os atuais usuários.wikipedia. • http://pt.org/wiki/Sistema_de_posicionamento_global . L1C é um sinal de uso civil. para ser transmitido na mesma frequência L1 (1575. no qual subdivide-se em L1 e L2. etc. E outro mais preciso que o C/A para a obtenção de coordenadas instantâneas. sendo esse último com um código secreto usado somente pelos militares americanos.(menos preciso). no qual é possível alcançar e obter valores de coordenadas mais precisos de todos. O Egito suspendeu a proibição em Abril de 2009[2]. é utilizado em trabalhos de cartografia e levantamentos topográficos e geodésicos).[1] Actualmente há dois países onde o aparelhos receptores de GPS são proibidos. o governo dos Estados Unidos perderão o direito de empregar tal frequência em seus projetos militares/civis. é através de pós-processamento (pode-se chegar a precisões e acurácias centimétricas.

Por exemplo. Texas. um transmissor FM amador de 50 watts operando em 146 MHz pode se comunicar desde Chicago para Joplin. não interferindo com transmissões realizadas desde milhares de quilômetros. Missouri. em comparação à frequência UHF. é mais facilmente obstruído pelas características do terreno que em frequências mais baixas (como na HF). VHF é a sigla para o termo inglês Very High Frequency (Frequência Muito Alta) que designa a faixa de radiofrequências de 30 a 300 MHz. o espectro de VHF é usado para transmissão de rádio e televisão. Por outro lado. Ao contrário das altas frequências (HF). Características de propagação As características de propagação das VHF são ideais para comunicações terrestres de curta-distância. comunicações rádio bidirecionais marítimas. a enciclopédia livre.[1] As frequências abaixo das VHF são conhecidas como Altas Frequências (High Frequencies). O duto troposférico pode ocorrer paralelamente ao avanço de uma frente fria. e para Austin. a ionosfera não reflete as ondas VHF e as transmissões são restritas à área local. comunicações aéreas (dos aviões) e radioamadorismo. Também é geralmente usada para sistemas de navegação terrestre (VER no detalhe). A VHF é comummente utilizada para transmissão de rádio FM (comumente em 88108 MHz) e transmissões televisivas (em conjunto com a faixa de frequência UHF). Na maioria dos países.Very High Frequency Origem: Wikipédia. similarmente a um duto de ventilação em um prédio. Era também mais fácil construir transmissores. e rádios de avião. e antenas eficientes para VHF nos primórdios do rádio. . e as frequências acima como Ultra Altas (Ultra High Frequencies). Um duto pode se formar aproximadamente 240 km (150 milhas) adiante da frente fria. [editar] Condições de Propagação Incomuns Duas condições de propagação incomuns podem permitir um alcance muito maior do que o normal: duto troposférico e Esporádica-E (muito mais rara de ocorrer). com um alcance geralmente além da linha de visada do transmissor (ver a fórmula abaixo). embora seja menos sujeita a interferências por edifícios e outros objetos menos substanciais do que em frequências mais elevadas (como na UHF). diretamente. especialmente se houver uma diferença marcante nas umidades entre as massas de ar frio e quente. A faixa VHF é menos afetada por ruídos e interferências atmosféricas emitidas por equipamentos elétricos de baixas frequências. assim como estações bidirecionais comerciais (tais como aqueles operadas por táxis e por polícias). receptores. na parte dianteira desta. através de um repetidor. e as radiofrequências de VHF podem se propagar neste duto por centenas de quilômetros.

da mesma forma que as frequências de HF são refletidas (onda espacial). Canais de TV VHF Frequência VHF Baixo • • • • • 2 3 4 5 6 : : : : : 54 60 66 76 82 MHz MHz MHz MHz MHz a a a a a 60 66 72 82 88 MHz MHz MHz MHz MHz VHF Alto • • • • 7 :174 MHz a 180 MHz 8 :180 MHz a 186 MHz 9 :186 MHz a 192 MHz 10 :192 MHz a 198 MHz . Por exemplo. Marinha. ou seja. 5460 MHz) de Midland. que podem permitir a formação de um "remendo" ionizado denso o bastante para refletir de volta frequências de VHF. Brasil Em VHF situam-se os serviços de Radiodifusão Sonora em FM. Texas. Nova Orleães. resgate. Esta aproximação somente é válida para antenas cujas alturas são pequenas comparadas ao raio da Terra. a emissora de TV KMID (canal 2. Serviço Móvel Marítimo. Bombeiros. Estações de FM de Miami. Estes "remendos" podem durar segundos. visto que os sinais de VHF se propagam sob circunstâncias normais como um fenômeno próximo da linha de vista ("line-of-sight"). entre outros). Texas e mesmo do México foram ouvidas por várias horas na área central de Illinois durante tal evento. e Am é a altura da antena em metros. esta expressão quer dizer que ambas as antenas precisam estar "visuais". estarem na linha de vista (ou de visão) uma da outra. utilitários essenciais (Polícia. da sensibilidade do receptor. bloqueando o sinal da emissora WBBM-TV de Chicago transmitindo no mesmo canal. e da distância ao horizonte. Radiodifusão de Sons e Imagens.A propagação Esporádica-E é assim chamada por se referir à camada E da ionosfera. foi sintonizado em Chicago. Houston. Louisiana. Radioamadores. Uma aproximação para calcular a distância do horizonte da linha de vista é: onde d é a distância em quilômetros. [editar] Fórmula da Linha de Vista O alcance de VHF é uma função da potência do transmissor. Militares. Aviação. ou se estender por horas. Uma erupção de mancha solar pode lançar na atmosfera superior da terra partículas carregadas. Florida.

org/wiki/Very_High_Frequency . Contudo. como a transmissão da saída do áudio de tocadores de CD e outras mídias digitais para rádios FM sem o uso de cabos. http://pt. particularmente nos Estados Unidos e no Canadá.0 a 117.95 MHz (AM) Frequências de Navegação VHF na Aviação: • • 112.5 a 108. transmissões limitadas de baixa potência são permitidas na faixa de FM para determinadas finalidades.0 a 136.0 a 112.9 MHz (decimais pares e ímpares) ou 108.• • • 11 :198 MHz a 204 MHz 12 :204 MHz a 210 MHz 13 :210 MHz a 216 MHz Frequências de Radiodifusão Sonora em FM: • 88. isto é ilegal em outros países.0 a 108.0 MHz Frequências de Comunicação VHF na Aviação: • 118.wikipedia. como o Reino Unido.3 metro) Banda de VHF-WFM (radiodifusão) • 87.0 MHz (decimais pares) Frequências de Radioamadores: • • • 50 a 54 MHz (faixa dos 6 metros) 144 a 148 MHz (faixa dos 2 metros) 220 a 225 MHz (faixa dos 1.0 MHz [editar] Operação não licenciada Em alguns países.

realizado por sensores distantes. através do registro da interação da radiação eletromagnética com a superfície. o principal órgão que atua nesta área é o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais .Sensoriamento remoto Origem: Wikipédia. fenômenos). Estreito de Dover Sensoriamento remoto (português brasileiro) ou detecção remota (português europeu) ou ainda teledetecção é o conjunto de técnicas que possibilita a obtenção de informações sobre alvos na superfície terrestre (objetos. aviões e a nível de campo.INPE. a enciclopédia livre. áreas. ou remotos. Geralmente estes sensores estão presentes em plataformas orbitais ou satélites. . A NASA é uma das maiores captadoras de imagens recebidas por seus satélites. No Brasil.

para detecção de camuflagem • • 1944 .Desenvolvimento de equipamentos para radiometria sensíveis à radição infravermelha . Considerando a Radiação Eletromagnética como uma forma de energia.Utilização de câmaras fotográficas a bordo de balões 1903 . Outros autores preferem restringir o conceito à área de aplicação de monitoramento da superfície terrestre.Desenvolvimento de radiômetros de microondas .Coberturas sistemáticas do território para fins de levantamento de recursos naturais 1940 . por ser esta a única forma de energia capaz de se propagar pelo vácuo. sendo a definição mais usual a adotada por Avery e Berlin (1992) e Meneses (2001): uma técnica para obter informações sobre objetos através de dados coletados por instrumentos que não estejam em contato físico como os objetos investigados.Utilização de filmes infra vermelho na II Guerra Mundial. [editar] Histórico A evolução do sensoriamento remoto está ligada a alguns dos principais eventos abaixo: • 1822 . Por não haver contato físico.Primeiros experimentos para utilizar câmaras multi-espectrais 1954 .Utilização de fotografias aéreas para fins cartográficos 1909 .Desenvolvimento da teoria da luz .Definição O Sensoriamento Remoto é composto ativamente de diferentes maneiras por diversos autores.Utilização de uma câmara primitiva • 1839 .Tomadas de fotografias aéreas a bordo de aviões 1930 .Desenvolvimento de processamentos ópticos e digitais .Newton: decomposição da luz branca . o Sensoriamento Remoto pode ser definido com maior rigor como uma medida de trocas de energia que resulta da interação entre a energia contida na Radiação Eletromagnética de determinado comprimento de onda e a contida nos átomos e moléculas do objeto de estudo. a forma de transmissão dos dados (do objeto para o sensor) só pode ser realizada pela Radiação Eletromagnética.Testes iniciais visando a construção de radares de visada lateral • 1961 .Pesquisas de novas substâncias fotosensíveis • • • • • 1859 .Desenvolvimento de equipamentos ópticos .

62 a 0. em intensidade. radiação eletromagnética de comprimentos de onda diferentes. Estes intervalos também são conhecidos como "regiões". Pelo princípio da conservação da energia. parte dela será refletida por esta superfície.Desenvolvimento de veículos espaciais tripulados e nãotripulados .62 µm e a do vermelho. à energia incidente.35 a 0. ERS. a do verde vai de 0. A cor azul corresponde ao intervalo de 0. Os representantes mais conhecidos do nível sub-orbital são as também chamadas fotografias aéreas. Landsat • • • • • • 1983 1999 1991 2003 2007 2008 - Lançamento Lançamento Lançamento Lançamento Lançamento Lançamento do do do do do da Landsat 4. SIR-B. de 0. Abaixo do vermelho. e logo acima do azul está o ultravioleta. está a região do infravermelho. [editar] Níveis de Aquisição O sensoriamento remoto pode ser em nível terrestre. SPOT.Primeira fotografia orbital MA-4-Mercury • 1972 . SIR-A.70 µm (os intervalos são aproximados.50 a 0.50 µm. Absortância e Transparência) é sempre igual. O que nossos olhos percebem como cores diferentes são.. .Fotografias digitais tiradas pelo programa Gemini . Os sensores remotos medem as intensidades do Espectro eletromagnético e.Surgem outros programas espaciais envolvendo satélites de recursos naturais: SEASAT. verde e vermelho) ao infravermelho medem a intensidade da radiação eletromagnética refletida em cada intervalo pré-determinado de comprimento de onda.Lançamento de satélites meteorológicos . com essas medidas. A soma desses três componentes (Reflectância. MOMS CBERS-1 ERS-1 CBERS-2 CBERS-2B constelação RapidEye [editar] Princípios físicos básicos Três elementos são fundamentais para o funcionamento de um sistema de sensoriamento remoto: Objeto de estudo. obtém imagens nas regiões do visível (azul. e variam segundo a fonte de consulta). parte será absorvida e parte pode ser transmitida. sub-orbital e orbital. quando a radiação eletromagnética incide sobre a superfície de um material. utilizadas principalmente para produzir mapas.Primeiros radares de visada lateral • 1962 . Radiação Eletromagnética e um Sensor. na verdade. Neste nível opera-se também algumas câmeras de vídeo e radares. caso a matéria possua alguma transparência.

[editar] Resolução A questão da resolução dos sensores remotos possui grande importância nesta ciência. • • • . refletem e emitem radiação. Por outro lado.No nível orbital estão os balões meteorológicos e os satélites. A resolução temporal é definida em função do tempo de revisita do sensor para um mesmo ponto da superfície terrestre. dividem-se ainda em sistemas de varredura mecânica e sistemas de varredura eletrônica. assim como em previsões do tempo. Sensores ativos são responsáveis pelo envido de um sinal para a superfície da Terra e registram o sinal refletido. diferenciar florestas de cidades e de plantações agrícolas e até identificar áreas de vegetação que estejam doentes ou com falta de água. maior o nível de detalhe observado. Os sensores imageadores. Os primeiros são utilizados nos estudos do clima e da atmosfera terrestre. A resolução radiométrica está relacionada ao nível de quantização ou sensibilidade do sensor em detectar pequenas variações radiométricas. Os resultados destas pesquisas geram informações sobre como os objetos podem ser identificados pelos sensores orbitais. Quanto melhor a resolução espacial. avaliando a diferença entre eles (Ex. mas também são úteis nas áreas de mapeamento e estudo de recursos naturais. Ao nível terrestre são feitas as pesquisas básicas sobre como os objetos absorvem. espectral. Não deve ser confundida com tamanho de pixel. radiométrica e temporal. • A resolução espacial diz respeito à capacidade do sensor em dividir ou resolver os elementos na superfície terrestre. Desta forma é possível identificar áreas de queimadas numa imagem gerada de um satélite. RADAR). [editar] Sistemas Sensores Os sistemas sensores presentes em satélites podem ser imageadores ou não imageadores. Já os satélites também podem produzir imagens para uso meteorológico. Os sensores também podem ser classificados em função da fonte de radiação eletromagnética. A resolução espectral caracteriza a capacidade do sensor em operar em varias e estreitas bandas espectrais. os sensores passivos funcionam através do registro da radiação eletromagnética refletida pelo Sol. O conceito de resolução está dividido em 4 classes: espacial. Os sensores que operam em centenas de bandas são conhecidos como hiperespectrais. dependendo do tipo de produto gerado.

Fundamentos de Radiomentria Óptica Espectral. Planaltina: Embrapa Cerrados. 2001. M. E. São Paulo: Blucher. JENSEN. CAMPBELL. FLORENZANO. G. T. M. R. R. J. Taylor & Francis. T. Introduction to Remote Sensing. NETTO.wikipedia. L. Second edition. DF: UnB. 5 ed. Brasília... J. In: MENESES. Sensoriamento Remoto do Ambiente: Uma perspectiva em recursos terrestres. R. SP: Parêntese. M. BERLIN. Sensoriamento Remoto: Reflectância dos alvos naturais. 2008. L. New Jersey: Prentice Hall. P. São José dos Campos. G. 1996. P. NOVO. J. S.[editar] Referências AVERY.org/wiki/Sensoriamento_remoto . São Paulo: Oficina de Textos. ed. E.B. 1992. 2002. http://pt. Sensoriamento Remoto: Principios e Aplicações. Imagens de Satélite para Estudos Ambientais. Fundamentals of Remote Sensing and Airphoto Interpretation. MENESES. 2009.

São baratos. O funcionamento dos termopares é baseado neste fenómeno. utilizam-se apenas algumas combinações normalizadas. logo optou-se por medir a temperatura da junção fria e compensar a diferença para os zero graus Celsius. A leitura desta segunda temperatura. Existem tabelas normalizadas que indicam a tensão produzida por cada tipo de termopar para todos os valores de temperatura que suporta. basta que as duas novas junções criadas com a inserção do terceiro metal estejam à mesma temperatura para que não se manifeste qualquer modificação na saída do termopar. a enciclopédia livre. isto porque possuem tensões de saída previsíveis e suportam grandes gamas de temperaturas.2 mV. Caso esteja se perguntando porque é que ligando um voltímetro a um termopar não se geram várias junções adicionais (ligações ao termopar. A sua maior limitação é a exatidão. por exemplo.. Contudo. na prática as junções dos termopares podem ser construídas soldando os materiais ou por aperto dos mesmos. etc. Como Funciona Em 1822. uma vez que ao ligarmos o voltímetro estamos a criar uma segunda (e indesejada) junção no termopar. que é conhecido como Efeito de Seebeck. uma vez que assim se garante que ao soldar os dois metais a solda não irá afectar a medição. Contudo a manutenção do gelo nas condições necessárias não era fácil.. Tipicamente a temperatura da junção fria é medida por um termístor de precisão.Termopar Origem: Wikipédia. podem medir uma vasta gama de temperaturas e podem ser substituídos sem introduzir erros relevantes. Um exemplo da aplicação de termopares e termopilhas pode ser a medição de temperaturas em linhas de gás. ligações ao aparelho de medida. Todas as tabelas normalizadas dão os valores da tensão de saída do termopar considerando que a segunda junção do termopar (a junção fria) é mantida a exactamente zero graus Celsius. o que é feito recorrendo a uma técnica conhecida por compensação por junção fria (0 °C). Para se fazerem medições exactas devemos compensar este efeito.). o termopar tipo K com uma temperatura de 300 °C irá produzir 12. Antigamente isto conseguia-se conservando a junção em gelo fundente (daqui o termo compensação por junção fria). o físico Thomas Seebeck descobriu (acidentalmente) que a junção de dois metais gera uma tensão eléctrica em função da temperatura. uma vez que erros inferiores a 1 °C são difíceis de obter. que afirma que ao inserirmos um terceiro metal entre os dois metais de uma junção de um termopar. Contudo. Embora praticamente se possa construir um termopar com qualquer combinação de dois metais. ligações dentro do próprio aparelho. Esta lei é também importante na própria construção das junções do termopar. a resposta advém da lei conhecida como lei dos metais intermédios. em conjunto com a leitura do valor da tensão do . Os termopares são dispositivos elétricos com larga aplicação para medição de temperatura. não basta ligar um voltímetro ao termopar e registrar o valor da tensão produzida. Uma termopilha é o nome que se dá a um conjunto de termopares ligados em série.

é imprescindível que na especificação do termopar. já que alguns processos agridem o material utilizado. Estão disponíveis uma grande variedade de sondas. desde os modelos com a junção a descoberto que têm baixo custo e proporcionam tempo de resposta rápido. É importante a compreensão da compensação por junção fria. a compensaçao da junção fria é feita por um semicondutor sensor de temperatura.próprio termopar é utilizada para o cálculo da temperatura verificada na extremidade do termopar.458 mV a 48. a construção física do termopar. investigação médica.. Para cada processo é necessário uma construção física específica. a exatidão e a confiabilidade das leituras. científicas. A relação entre a temperatura e a tensão de saída é uma equação polinomial de 5ª a 9ª ordem dependendo do tipo do termopar. Também deve-se levar em consideração. Alguns instrumentos de alta precisão guardam em memória os valores das tabelas dos termopares para eliminar esta fonte de erro. seja levada em consideração sua construção física externa. adequadas para diferentes aplicações (industriais.. [editar] Termopares Os termopares disponíveis no mercado têm os mais diversos formatos.838 mV . tais como a gama de temperaturas suportada. além da liga. [editar] Tipo K (Cromel / Alumel) O termopar tipo K é um termopar de uso genérico. Desta forma. combinando o sinal do semicondutor com o do termopar. Quando se procede à escolha de um termopar deve-se ponderar qual o mais adequado para a aplicação desejada. bem como com o fato de a saída do termopar não ser linear. etc. entre outras. qualquer erro na medição da temperatura da junção fria irá ocasionar igualmente erros na medição da temperatura da extremidade do termopar. Em aplicações menos exigentes. devido à sua popularidade estão disponíveis variadas sondas. até os modelos que estão incorporados em sondas. • • • • Termoelemento positivo (KP): Ni90%Cr10% (Cromel) Termoelemento negativo (KN): Ni95%Mn2%Si1%Al2% (Alumel) Faixa de utilização: -270 °C a 1200 °C f.). além da especificação do tipo de liga.m. [editar] Linearização O instrumento de medida tem de ter a capacidade de lidar com a compensação da junção fria. tendo uma sensibilidade de aproximadamente 41µV/°C. Tem um baixo custo e. produzida: -6. Cobrem temperaturas entre os -200 e os 1200 °C. segundo as características de cada tipo de termopar.e.

m. • • • • Termoelemento positivo (EP): Ni90%Cr10% (Cromel) Termoelemento negativo (EN): Cu55%Ni45% (Constantan) Faixa de utilização: -270 °C a 1000 °C f. contudo. utilizam-se apenas para medir temperaturas acima dos 300 °C. devido à sua reduzida sensibilidade (da ordem dos 10 µV/°C). • • • • Termoelemento positivo (JP): Fe99.m. Contra aquilo que é habitual nos outros termopares. sob o risco de formarem com o cobre um "outro termopar". sem recorrer aos termopares que incorporam platina na sua constituição (tipos B. se a conexão estiver a temperatura diferente do instrumento de processamento do sinal (p.e. A utilização do tipo J acima dos 760 °C leva a uma transformação magnética abrupta que lhe estraga a calibração. Em compensação.373 mV [editar] Tipo J (Ferro / Constantan) A sua gama limitada (-40 a 750 °C) é a responsável pela sua menor popularidade em relação ao tipo K.4%Rh29. produzida: 0.ex. Foi desenhado para ser uma “evolução” do tipo K. R e S apresentam características semelhantes.e.919 mV [editar] Tipo N (Nicrosil / Nisil) A sua elevada estabilidade e resistência à oxidação a altas temperaturas tornam o tipo N adequado para medições a temperaturas elevadas. [editar] Tipo B (Platina / Ródio-Platina) Os termopares tipo B. a sua resolução de medida é também reduzida. produzida: -8.5% Termoelemento negativo (JN): Cu55%Ni45% (Constantan) Faixa de utilização: -210 °C a 760 °C f.1% (Ródio-Platina) Faixa de utilização: 0 °C a 1820 °C f.m.096 mV a 42.e. Os demais termopares necessitam de cabos de ligação com o mesmo material do termopar. São dos termopares mais estáveis.6% (Ródio-Platina) Termoelemento negativo (BN): Pt93. R e S). este origina a mesma tensão na saída a 0 e a 42 °C.835 mV a 76. Aplica-se sobretudo com equipamento já velho que não é compatível com termopares mais ‘modernos’. produzida: -9. Adequado para medição de temperaturas até aos 1800 °C. transmissor) • • • • Termoelemento positivo (BP): Pt70.000 mV a 13. utiliza cabos de extensão de cobre comum desde que a sua conexão com o termopar esteja neste intervalo (0 °C a 50 °C).820 mV .[editar] Tipo E (Cromel / Constantan) Este termopar tem uma elevada sensibilidade (68 µV/°C) que o torna adequado para baixas temperaturas. o que impede a sua utilização abaixo dos 50 °C.9%Rh6. Note-se que devido à reduzida sensibilidade destes termopares.

e. • • • • Termoelemento positivo (TP): Cu100% Termoelemento negativo (TN): Cu55%Ni45% (Constantan) Faixa de utilização: -270 °C a 400 °C f.872 mV Note-se que a escolha de um termopar deve assegurar que o equipamento de medida não limita a gama de temperaturas que consegue ser medida. Reduzida sensibilidade (10 µV/°C).m. [editar] Ver também • • • • • Termorresistência Pirómetro Termístor Efeito Seebeck . elevada estabilidade e custo elevado.e.Princípio físico-teórico de um termopar de geração de energia Efeito Peltier .101 mV [editar] Tipo S (Platina / Ródio-Platina) Adequado para medição de temperaturas até aos 1600 °C. • • • • Termoelemento positivo (SP): Pt90%Rh10% (Ródio-Platina) Termoelemento negativo (SN): Pt100% Faixa de utilização: -50 °C a 1768 °C f.[editar] Tipo R (Platina / Ródio-Platina) Adequado para medição de temperaturas até aos 1600 °C. produzida: -0. • • • • Termoelemento positivo (RP): Pt87%Rh13% (Ródio-Platina) Termoelemento negativo (RN): Pt100% Faixa de utilização: -50 °C a 1768 °C f.m.m. produzida: -0.e. Reduzida sensibilidade (10 µV/°C) e custo elevado.org/wiki/Termopar .258 mV a 20.693 mV [editar] Tipo T (Cobre / Constantan) É dos termopares mais indicados para medições na gama dos -270 °C a 400 °C.236 mV a 18.Princípio físico-teórico de um termopar de refrigeração http://pt.wikipedia.226 mV a 21. produzida: -6.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful