CONSTRUTIVISMO - JEAN PIAGET 1. Alguns dados sobre o autor.

Jean Piaget nasceu em 9 de agosto de 1896, em Neuchâtel na Suíça e morreu em 16 de setembro de 1980 em Genebra. Casou-se em 1932 com Valentine Chatenay, com quem teve três filhos que lhe permitiu estudar o desenvolvimento da inteligência desde o nascimento até o surgimento da linguagem. Em 1955, Piaget cria o Centro Internacional de Epistemologia Genética que dirigiu até a morte. Foi biólogo, psicólogo e filósofo, embora não fosse propriamente pedagogo, muito influenciou a pedagogia do século XX. Suas primeiras obras apareceram na década de 20 e logo provocaram viva repercussão, sobretudo na psicologia genética. Biografia de Jean Piaget: 1896 - em 9 de agosto, na cidade suíça de Neuchâtel, nasce Piaget. 1907 - com 10 anos publica na revista da Sociedade dos Amigos da Natureza de Neuchâtel um artigo com estudos sobre um pardal branco. 1915 - forma-se em Biologia pela Universidade de Neuchâtel. 1918 - torna-se doutor. Sua tese foi sobre moluscos. Muda-se para a Zurique para estudar Psicologia (principalmente psicanálise). 1919 - muda-se para a França. Ingressa na Universidade de Paris. É convidado a trabalhar com testes de inteligência infantil. 1921 - a convite do Psicólogo da educação Eduard Claparède (Escola Nova) passa a fazer suas pesquisas no Instituto Jean Jacques Rousseau, em Genebra, destinado à formação de professores. 1923 - lança seu primeiro livro: A Linguagem e o Pensamento da Criança. 1924 - casa-se com Valentine Châtenay, uma de suas assistentes, com quem teve três filhos: Jacqueline (1925), Lucienne (1927) e Laureni (1931). 1925 - começa a lecionar Psicologia, História da ciência e Sociologia em Neuchâtel. 1929 - em Genebra passa a ensinar História do Pensamento Científico. Assume o Gabinete Internacional de Educação (dedicado a estudos pedagógicos). Anos 30 - escreve vários trabalhos sobre as primeiras fases do desenvolvimento, muitos deles inspirados na observação de seus três filhos. 1941 - com as pesquisadoras Barbel Inhelder e Alina Szeminska, publica trabalhos sobre a formação dos conceitos matemáticos e físicos. 1946 - participa da elaboração da Constituição da Unesco, órgão das Nações unidas para a educação, ciência e cultura . Torna-se membro do conselho e é várias vezes subdiretor geral, responsável pelo Departamento de Educação. 1950 - publica a primeira síntese de sua teoria do conhecimento: Introdução à Epistemologia Genética. 1952 - é convidado a lecionar na Universidade de Sabonne, em Paris, sucedendo ao filósofo Merleau-Ponty. 1955 - em Genebra, funda o Centro Internacional de Epistemologia Genética, destinada a realizar pesquisas interdisciplinares sobre a formação da inteligência. 1967 - escreve a principal obra de sua maturidade: Biologia e Conhecimento. 1980 - em 16 de Setembro, Piaget morre em Genebra.

2. “Objeto de estudo” da teoria / do autor O interesse maior de Piaget era de investigar a origem e evolução da inteligência, a partir da construção do conhecimento. Reformou em bases funcionais as questões sobre o pensamento e a linguagem. A Piaget interessava uma visão da Epistemologia, o desenvolvimento cognitivo. O seu estudo é principalmente centrado em compreender como o aprendiz passa de um estado de menor conhecimento a outro de maior conhecimento. Gênese das estruturas lógicas do pensamento da criança e a maneira como elas funcionam, os procedimentos do conhecimento que a criança põe em ação. É o conhecimento, o qual se constrói pela ação do sujeito da aprendizagem. O construtivismo se refere ao processo de aprendizagem que coloca o sujeito da aprendizagem como alguém que conhece.

e não consegue se colocar. A resposta é afirmativa uma vez que a criança já diferencia aspectos e é capaz de “refazer” a ação. para que a criança diga se as quantidades continuam iguais. o bebê começa a construir um esquema de ação para assimilar mentalmente o meio. como engatinhar e depois andar. pré-operatório. *Maturação neurofisiológica: a alfabetização depende dessa maturação. abstratamente. Piaget demonstra em seus estudos de pesquisas que existe formas de perceber. Exemplos: despeja-se a água de dois copos em outros. operacional-concreto e operacional-formal. Não se limita a uma representação imediata. As noções de espaço e tempo são construídas pela ação. Em outras palavras. anulando a transformação observada (reversibilidade). deixa se levar pela aparência sem relacionar fatos. Formar inteligências inventivas e críticas. mas ainda depende do mundo concreto para chegar à abstração. pois as formas são diferentes. A interação de vários fatores é que determina o desenvolvimento humano. pegá-lo e levá-lo à boca. Existe assimilação progressiva do meio ambiente. de formatos diferentes. principalmente. A criança não se limita mais à representação imediata nem somente às relações previamente existentes. sem desrespeitar suas potencialidades mentais. já pode agir por simulação.. desde o nascimento. . no lugar do outro. O conhecimento é construído na experiência. que implica uma acomodação das estruturas mentais e a este dado do mundo exterior. de acordo com seu desenvolvimento intelectual e afetivo. “como se”. não aceita a idéia do acaso e tudo deve ter uma explicação (é fase dos “porquês”). *Hereditariedade: a carga genética estabelece o potencial do indivíduo. *Acomodação: modificação de esquemas como resultados de novas experiências. Desenvolve a capacidade de representar uma ação no sentido inverso de uma anterior.. “vê” o que está diante de si. centrada em si mesma. Período pré-operatório (2 a 7 anos) Também chamado de estágio da inteligência simbólica. possui percepção global sem discriminar detalhes. O desenvolvimento humano refere-se ao desenvolvimento mental e ao crescimento orgânico. *Crescimento orgânico: refere-se ao aspecto físico. mas a sua inteligência pode desenvolver o seu potencial. mas é capaz de pensar em todas as relações possíveis logicamente buscando soluções a partir de hipóteses e não apenas pela observação da realidade. compreender e se comportar diante de cada faixa etária. a forma de raciocinar e de aprender da criança passa por estágios: estágio sensório-motor. E. Relevância /contribuição da teoria para a Educação. Aprimorando esses esquemas. Exemplos: mostra-se para a criança duas bolinhas de massa iguais e dá a uma delas a forma de salsicha. A teoria do conhecimento não tem intenção pedagógica. Piaget mostra que o sujeito humano estabelece. e o aumento de sua altura. A criança nega que a quantidade de massa continue igual. Não relacionadas às situações.3. pela interiorização de esquema de ação construídos no estágio anterior (sensório-motor). A inteligência é prática. sobretudo devido às indicações sobre o estágio adequado para serem ensinados determinados conteúdos às crianças. Período operatório-concreto (7 a 11 anos) A criança desenvolve noções de tempo. uma relação de interação com o meio. ao processo de crescimento. reconhecer as suas individualidades para possamos assim observar interpretar os comportamentos. Período sensório-motor (0 a 2 anos) A partir de reflexo neurológico básico. A criança é egocêntrica. é capaz de ver um objeto. Exemplos: o bebê pega o que está em sua mão “mama” o que é posto em sua boca. as estruturas cognitivas da criança alcançam seu nível mais elevado de desenvolvimento e tornam-se aptas a aplicar o raciocínio lógico a todas as classes de problemas. velocidade. estudar o desenvolvimento humano significa conhecer as características de cada faixa etária. O contato com o meio é direto e imediato. *Assimilação: são os novos objetivos e experiências a esquemas existentes. ou seja. porém ofereceu aos educadores importantes princípios para orientar sua prática. espaço. já sendo capaz de relacionar diferentes aspectos e abstrair dados da realidade. Caracteriza-se. sem representação ou pensamento. Portanto. Período operatório-formal (12 anos em diante) A representação agora permite a abstração total. ordem. casualidade.

o entendimento (aprendizado) do presente é baseado no passado e dá ao futuro nova construção – nessa aprendizagem o autor reconstrói o conhecimento. O professor deve conferir especial relevo à pesquisa espontânea da criança. os problemas sociais atuais e o conhecimento já construído. por exemplo. pessoa. conhecimento) num sistema de relações vivenciadas e significativas. 3. demonstração. quando a teoria de Piaget começava a fazer parte dos ambientes educacionais. apresenta uma análise sistemática da gênese das noções básicas do pensamento racional (espaço. a capacidade de manipulação de objetos e de exercício do próprio corpo. O aluno se apodera de um conhecimento se “agir” sobre ele. lógica das relações. Concepção de professor. Respeitar o nível de desenvolvimento da criança.). *Aspecto social: é a maneira de como o indivíduo reage diante das situações que envolvem outras pessoas. *Aspecto intelectual: é a capacidade de raciocínio e pensamento. préoperatório. aprende. Procura compreender o mundo que rodeia constrói o conhecimento. cria. Estimular a pesquisa e o esforço. por um lado. O que permite a construção da autonomia moral é o estabelecimento da cooperação em vez da coação. a maturação neurofisiológico. o aluno passa a ser o sujeito da sua aprendizagem. os alunos e professores e. tem o papel de facilitador. Exigência de uma dinâmica interna de momentos discursivos (raciocínio. No Brasil. O sujeito (aluno) é um ser ativo que estabelece relação de troca com o meio-objeto (físico. dedução. Busca construir um novo contexto em conjunto com seus alunos. uma vez que este é resultado de ações do indivíduo sobre o meio em que vive.. adquirindo significação ao ser humano quando o conhecimento é inserido em uma estrutura – isto é o que denomina assimilação. conhecer não é simplesmente contemplar. isso significa democratizar as relações para formar sujeitos autônomos. A aprendizagem desse sujeito ativo exige sempre uma atividade organizadora na interação estabelecida entre ele e o conteúdo a ser aprendido. *Aspecto afetivo-emocional: sentir medo. lógica das classes. . Encorajar a criança a encontrar resposta aceitando hipóteses provisórias que surgem durante as aulas. explica como se dá a assimilação e a acomodação como um conflito cognitivo. etc. o conhecimento não está fora dele mas também nasceu com ele. e do respeito mútuo no lugar do respeito unilateral. A partir daí surge um movimento que tem visão de mundo diferente das escolas tradicionais que tratavam o aluno como objeto que deve ser treinado pelos moldes comportamentalistas. se a estimulação for intensa ela vai ser sair melhor que outra criança da mesma idade. descreve as características do pensamento sensório-moto. Concepções 1. e o educador reflete sua prática pedagógica. Criar situações e armar dispositivos iniciais capazes de suscitar problemas úteis á criança e levar às reflexões e soluções. movimento.. Concepção de educação... conhecer exige uma ação sobre o objeto para transformá-lo e para descobrir as leis que regem suas transformações. inventar. Ser mediador entre a cultura objetiva do aluno. Deve estar vigilante sem ser restritivo. aborda como se dá e desenvolvimento e aprendizagem.). além de estar vinculado sua aprendizagem ao grau de desenvolvimento já alçando. o conhecimento encontra-se em constante reconstrução. Exemplo: a criança leva a chupeta à boca sozinha por volta dos sete meses pois já coordena seus movimentos das mãos. O professor não ensina. por outro. Com a escola construtivista. Estimular a construção do conhecimento. pois aprender é modificar. ajuda o aluno a aprender. imaginar ou representar o objeto. tempo. não se pode ir além de suas capacidades nem deixá-la agir sozinha. descobrir. etc.*Meio: o conjunto de influências e estimulações ambientais altera os padrões de comportamentos dos indivíduos. busca soluções sempre em comum acordo com eles. Precisa proporcionar um conflito cognitivo para que novos conhecimentos sejam produzidos. A educação deve ser um processo de construção de conhecimento ao qual ocorrem. Além da interação desses fatores a quatro aspectos do desenvolvimento humano. 2. Concepção de aluno. alegria. Dentro da escola. causalidade. concreto e formal. *Aspectos físico motor: o crescimento orgânico. Para Piaget. esse tipo de ensino começou a ser usado nas escolas a partir da década de 70. É o sujeito de um processo.

Não se pode formar personalidades autônomas no domínio moral se o indivíduo é submetido a um constrangimento intelectual de tal ordem que tenha de se limitar a aprender por imposição. não pode haver um “construtivismo” puro. Avaliações contínuas e diversificadas. mas como instrumentos que servem ao desenvolvimento evolutivo natural. O intelectual e o afetivo estão sempre juntos. determinar o significado de valor de.4. e que os mecanismos de equilibração tem um caráter não apenas individual. pois este é intrinsecamente social. os conteúdos não são concebidos como fins em si mesmos. Os indivíduos no decorrer do seu processo de aprendizagem reconstroem mentalmente o real. ou seja. Conhecer é agir. partir das atividades do aluno. a aprendizagem é um processo de reorganização cognitiva. Como é o processo ensino /aprendizagem. com isso os sujeitos vão ganhando níveis mais altos de competência cognitiva. 5. as experiências de aprendizagem necessitam estruturar-se de modo a privilegiarem a colaboração. Como é a relação aluno-professor. isto é. construindo seus conhecimentos. implica num sujeito ativo. Concepção de sociedade /mundo. a interação social favorece a aprendizagem. A valorização do conhecimento pré-concebido. é também um problematizador que possibilita conflitos adequados aos níveis de resolução dos sujeitos. Concepção de avaliação. Projetos que a equipe usa o respeito mútuo como estratégia para integrar os estudantes ao ambiente escolar. Construindo e reconstruindo suas hipóteses sobre o mundo que a cerca. cooperação e intercâmbio de pontos de vista na busca conjunta do conhecimento. Adaptação. ele constrói seu conhecimento interagindo com o outro e com o mundo. os conflitos cognitivos são importantes para o desenvolvimento da aprendizagem. de abertura um com o outro e a interação está muito presente no ambiente escolar. . devemos avaliar muito a vivência de cada aluno antes da escola e durante a aprendizagem. está em constante processo de adaptação. a aprendizagem depende do nível de desenvolvimento do sujeito. Relação de confiança e afetividade. 7. O aluno é visto como sujeito do processo de ensino-aprendizagem. O conhecimento é construído a partir da interação entre a criança e o meio. O professor é o facilitador. assim estaria preocupado com o que o aluno sabe. ao entrar na escola traz uma bagagem cultural vivida. sua inteligência. O professor deve primeiro procurar investigar por que o aluno deu determinada resposta. É na relação com o meio que a criança se desenvolve. se é passivo intelectualmente não conseguirá ser livre moralmente. Na medida em que o construtivismo está intimamente ligado ao interacionismo. mas também social. os objetivos pedagógicos necessitam estar centrados no aluno. O sujeito interagindo no mundo. na teoria piagetiana. A escola pode e deve compreender e respeitar as características físicas das crianças auxiliando-as a alcançar maturidade física. sem descobrir por si mesmo a verdade. 6. agindo sobre o mundo e sofrendo a influência da ação deste sobre si. Todo o aluno. a aprendizagem é um processo construído internamente. primazia de um método que leve ao descobrimento por parte do aluno ao invés de receber passivamente através do professor. Avaliar no sentido de determinar ou fixar o valor de. capaz de transformar a realidade na qual interage e de transformar a si mesmo.