Você está na página 1de 13

PROPOSTA DE GESTÃO ESCOLAR

ATAÍDE GONÇALVES 1

A CONTRUÇAO DE UMA GESTÃO DEMOCRATICA NO COLEGIO ESTADUAL “PROFESSOR” MAILON MEDEIROS – EFMP

Proposta em Gestão Escolar apresentado ao Curso Formação de Profissionais da Educação para a Gestão da Organização Escolar, Secretaria de Estado da Educação.

BANDIERANTES

2011

1 Professor QPM 40 horas. Disciplina de Química - Pós Graduação em Formulação e Gestão de Políticas Publicas - UEL. Lotação: Col. Est. Nóbrega da Cunha – Bandeirantes – NRE – Cornélio Procópio. ataide@seed.pr,gov.br

1 APRESENTAÇÃO

O presente plano de ação tem como referência as necessidades do Colégio Estadual Prof. Mailon Medeiros - EFMP, situado a Rua São Paulo 2394, em Bandeirantes – PR e pertencente ao NRE de Cornélio Procópio, expressas e articuladas no seu com o PPP – Projeto Político Pedagógico. Elaborar e executar uma proposta pedagógica deve ser a primeira e principal atribuição da direção da escola. A LDB propõe:

] [

pedagógica; administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros; assegurar o cumprimento dos dias letivos e hora-aula

estabelecidas; velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente; prover meio de recuperação de alunos de menor rendimento; articular-se com as famílias e a comunidade, criando processo de integração da sociedade com a escola; informar os pais

e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, bem

como sobre a execução de sua proposta pedagógica.” (Art.12, Inciso I

a VII).

é de incumbência das escolas, elaborar e executar a sua proposta

Conceitua - se gestão participativa como sendo um conjunto de princípios e processos pelo qual se atribuem influências ou poder acrescido às pessoas (colaboradores), designadamente através do desenvolvimento no processo de decisão, concedendo autonomia, responsabilidade e autoridade, utilizando suas habilidades e seus conhecimentos. Nesse ambiente, as pessoas possuem automotivação, pois passam a participar das soluções dos problemas da escola, a criar e inovar nas suas atividades e, como consequência, a produtividade e a qualidade aumentam.

Compete ao diretor administrar conflitos, buscando soluções para indagações, sempre se pautando nos princípios da ética e da democracia, e nos valores que regem as relações humanas, bem como zelar pelo bem-estar de todos os servidores. Ao estabelecer uma relação de informalidade e cordialidade, estará estimulando e favorecendo o processo de construção coletivo e possibilitando a

construção

de

saberes

contextualizados.

U

ma

gestão

democrática

e

transparente se faz administrando o projeto pedagógico da escola, as pessoas

que constituem a comunidade escolar e os aspectos físicos e financeiros da

organização escolar, com o objetivo de que os recursos sejam usados para

atender as necessidades de

aprendizagem

dos alunos.

VASCONCELOS

expressa da seguinte forma a função do gestor com referencia a uma gestão democrática:

[

]

antes de tudo. O diretor deve entender-se como um educador: a

gestão envolve estratégias, onde a comunidade exerce papel fundamental, como ponto de partida, para que todos se entendam. Assim é importante ao gestor discutir soluções possíveis e promover negociações, assumir responsabilidades e deixar que os outros também assumam; ser ouvido, mas também ouvir, valorizar os aspectos do grupo, deixando claras as suas intenções para com a escola e zelar pela total transparência de todas as ações (2002, p.24)

Em se tratando de uma gestão democrática e participativa, é preciso ter conhecimento sobre a TICs e sua importância na escola, pois as tecnologias de informação contribuem para expandir o acesso à informação atualizada e, principalmente, para promover a criação de comunidades colaborativas de aprendizagem que privilegiam a construção do conhecimento, a comunicação,

a formação continuada e a gestão articulada entre as áreas administrativa,

pedagógica e informacional da escola. Assim a escola se abre para novas relações com o saber, vivenciando a comunicação compartilhada e a troca de informações com outros espaços do conhecimento que possuem os mesmos interesses fazendo com que o ensino, a aprendizagem e a gestão participativa possam se desenvolver em um processo colaborativo com os setores internos

e externos da comunidade escolar. Segundo Maria Elizabeth Bianconcini de

Almeida Lígia Cristina Rubim Menezes, as TIC podem ser usadas para oferecer suporte em diferentes ações coordenadas pelo gestor escolar, tais como:

- possibilitar a comunicação entre os educadores da escola, pais, especialistas, membros da comunidade e de outras organizações;

- dar subsídios para a tomada de decisões, a partir da criação de um fluxo de informações e troca de experiências; produzir atividades colaborativas que permitam o enfrentamento de problemas da realidade escolar;

- desenvolver projetos relacionados com a gestão administrativa e

pedagógica; criar situações que favoreçam a representação do conhecimento pelos alunos e de sua respectiva aprendizagem. (O papel do gestor escolar na incorporação das TIC na escola:

experiências em construção e redes colaborativas de aprendizagem,

p.1)

Sendo o plano de ação um instrumento que deve ser executado, consultado e valorizado como uma fonte de inspiração, para que se possam construir outros instrumentos, sempre em sintonia com a comunidade e com diferentes segmentos e instituição da sociedade espera – se que a gestão escolar e cada

segmento da escola se reconheçam e reconheça seu trabalho como parte da escola, construída de forma coletiva e com bases em objetivos comuns. É relevante que gestor de um estabelecimento de ensino deve cuide, dentro dos tramites legais da lei e com transparência, que os investimentos sejam empregados na conservação do prédio e do patrimônio escolar, na aquisição do material necessário ao funcionamento da Escola, na capacitação e aperfeiçoamento dos profissionais da educação, na avaliação da aprendizagem, na aquisição de material didático-pedagógico e no desenvolvimento e implementação do Projeto Pedagógico. Administrar a instituição escolar significa fazer escolhas coletivas e empregar, com a participação da comunidade escolar, os recursos de que a Escola dispõe para que sejam dispostos a serviço das prioridades de seu Projeto Pedagógico.

2 OBJETIVOS

2-1 GERAIS

- Trabalhar em prol de uma escola democrática, participativa buscando e

possibilitando a formação de cidadãos críticos, conscientes e responsáveis.

- Criar condições para o cumprimento das metas apresentadas pelo PDE e

para a resolução dos problemas detectados no presente e eventualmente surgidos.

- Buscar recursos para a efetivação de projetos que se fizerem necessários.

- Trabalhar de forma integrada visando o desenvolvimento integral das ações

no chão da escola, estimulando toda comunidade escolar sobre a importância da execução do plano de ação. _ Qualificar e aprimorar todo trabalho que se refere aos professores e funcionários da escola. _ Criar laços de afinidades e parceria com a comunidade escolar, trazendo as famílias para dentro da escola e levando a escola para dentro da comunidade.

2-2 ESPECIFICOS

-Desenvolver projetos que envolvam maior integração entre escola, comunidade e família;

- Ampliar o conhecimento dos alunos através de projetos interdisciplinares;

- Despertar no aluno o gosto pelo estudo como fator de crescimento, auto-

realização e melhoria de qualidade de vida; - Desenvolver projetos pedagógicos que reforcem a ação do professor e sirvam de suporte no processo ensino-aprendizagem;

- Favorecer o encontro entre professores incentivando a troca de experiências, de materiais pedagógicos, a criação de critérios de avaliação adequados e coerentes com cada turma.

- Incentivar e possibilitar a participação dos funcionários da escola em cursos de atualização e aperfeiçoamento; -Incentivar e criar condições para o desenvolvimento de palestras, apresentações, cursos, eventos desportivos, seminários e outras atividades que envolvam alunos e comunidade escolar. -Incentivar e dar condições aos professores de realizar atividades de recuperação paralela e final para os alunos com defasagem de ensino;

- Buscar meios necessários para realização de atividades que promovam o

reforço extraclasse e diminuam as dificuldades de aprendizagem dos alunos que apresentam necessidade de intervenção pedagógica.

3 JUSTIFICATIVA

Uma gestão democrática pressupõe o atuar “coletivamente”, oportunizando a comunidade local e escolar a elaboração de um plano de ação para minimizar ou solucionar possíveis problemas existentes na escola. É preciso que os membros de uma comunidade sejam perseverantes que tenham participação ativa em uma tomada de decisões, pois uma gestão que não envolve a comunidade pode formar um conjunto de interesses internos que não coincidem cós as propostas do Projeto Político da escola. Sugere

a participação é uma resposta a um dos anseios

VASCONCELOS, [

fundamentais do homem: ser levado em conta, tomar parte, ser incluído e respeitado. (2002, p.24). Neste sentido, HORA (2000:53) diz que:

]

A principal função do administrador escolar é realizar uma liderança política, cultural, e pedagógica, sem perder de vista a competência técnica para administrar a instituição que dirige, demonstra que o diretor e a escola contam com possibilidades de, em cumprimento com a legislação que os rege, usar criatividade e colocar o processo administrativo a serviço do pedagógico e assim facilitar a elaboração de projetos educacionais que sejam resultantes de uma construção coletiva dos componentes da escola. (HORA (2000:53)

Com a utilização adequada das Tecnologias de Informação e Comunicação - TIC's é possível realizar um trabalho que vise à melhoria do desempenho do gestor e à viabilização e utilização dos recursos tecnológicos objetivando a melhoria do ensino e aprendizagem. Nesse sentido, Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Lígia Cristina Rubim Menezes orienta que:

O envolvimento dos gestores escolares na articulação dos diferentes

segmentos da comunidade escolar, na liderança do processo de inserção das TIC na escola em seus âmbitos administrativo e pedagógico e, ainda, na criação de condições para a formação

continuada e em serviço dos seus profissionais, pode contribuir significativamente para os processos de transformação da escola em um espaço articulador e produtor de conhecimento compartilhados.

A incorporação das tecnologias de informação e comunicação – TIC,

na escola, contribui para expandir o acesso à informação atualizada

e, principalmente, para promover a criação de comunidades colaborativas de aprendizagem que privilegiam a construção do

conhecimento, a comunicação, a formação continuada e a gestão articulada entre as áreas administrativa, pedagógica e informacional da escola.

A transformação da escola está acontecendo com maior frequência

em situações nas quais diretores e comunidade escolar (funcionários, professores, alunos, pais e comunidade) se envolvem diretamente no trabalho realizado em seu interior. Além do envolvimento, destacam- se escolas que dispõem de todos os recursos, inclusive as TIC, oferecendo a abertura para espaços articuladores e participativos nas redes colaborativas de aprendizagem. ((O papel do gestor escolar na incorporação das TIC na escola: experiências em construção e redes colaborativas de aprendizagem, p.1,2,3)

É relevante e, ao mesmo tempo, difícil superar as expectativas de uma escola em um processo democrático. Por isso é preciso perseverança, buscar e alcançar o sucesso almejando alternativas em uma gestão altamente democrática.

4 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (TEÓRICA)

Segundo o artigo 14 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e 22 do Plano Nacional de Educação (PNE) os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica obedecendo aos princípios da participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola e a participação das comunidades escolares e locais em conselhos escolares. Isso reflete o caráter político do gestor da escola publica. HORA (1994, p. 52), afirma:

A dimensão política da função do educador traduz-se no compromisso com a ação educativa revolucionária, que lhe dê condições de inserir a organização escolar em seu contexto social, político e econômico.

Uma gestão democrática exige a compreensão em profundidade dos

problemas postos pela prática pedagógica, partindo todos os segmentos

envolvidos no processo educacional. Para isso é necessário mudança de

mentalidade de todos os membros da comunidade escolar justificando a

importância da participação coletiva dos educadores, funcionários, alunos, pais

e comunidade. Essa postura é proposta por Veiga, quando afirma:

A gestão democrática implica primeiramente o repensar da estrutura de poder da escola, tendo em vista sua socialização. A socialização do poder propicia a prática da participação coletiva, que atenua o individualismo da reciprocidade, que supera a expressão da autonomia, que anula a dependência, de órgão intermediário que elaboram políticas educacionais tais quais a escola é mera executora. (VEIGA, 2001, p.18).

Assim, um bom gestor é um administrador. Devera manter a escola dentro das

normas do sistema educacional, seguir portarias e instruções e ser exigente no

cumprimento de prazos, como também valorizar a qualidade do ensino, o

projeto pedagógico, a supervisão e a orientação pedagógica e criar

oportunidades de capacitação docente. Sua sala deve livre para todos, isto é,

preocupar – se com a participação da comunidade, atender sempre pais alunos

e lideranças do bairro e abrir a escola aos finais de semana para a comunida.

Ainda são características de um gestor: indica caminhos, é sensível às

necessidades da comunidade, desenvolve talentos, facilita o trabalho da equipe

e resolve problemas.

5 METAS A SEREM ATINGIDAS NOS ASPECTOS TECNOLÓGICOS, HUMANOS, PEDAGÓGICOS, DEMOCRÁTICOS, ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS.

5.1 ASPECTOS TECNOLÓGICOS APLICADOS À EDUCAÇÃO

Promover a inclusão das Mídias Educacionais no processo ensino

aprendizagem com vistas à melhoria da educação básica, através de

capacitações, assessoria e orientação técnico pedagógica.

Promover a inclusão digital dos alunos e comunidade local;

Capacitar professores e funcionários para a utilização da TICs como

ferramenta auxiliar de ensino;

Desenvolver projetos educacionais relacionados ao contexto e

conteúdos trabalhados em sala de aula;

Promover a formação dos professores nos cursos elaborados pelo

MECProinfo e SEED, incentivando o uso das tecnologias existentes

nas escolas como ferramenta pedagógica.

Implantação de um Centro de Educação a Distância

Informatização dos ambientes da Biblioteca e da Secretaria, provendo novos equipamentos e novos softwares para execução de suas atividades;

5.2 ASPECTOS DOS RECURSOS HUMANOS

Acompanhar o processo de ensino-aprendizagem, visando aumentar o índice de aprovação.

Acompanhar a vida profissional dos funcionários, assegurando o funcionamento eficiente da Secretaria Escolar.

Promover ações de Formação continuada.

Criar um clima de parceria e respeito entre todos os segmentos do funcionalismo, oferecendo abertura para conversas e exposição de dificuldades bem como incentivo a ações e projetos que visam o desenvolvimento de um ambiente agradável na escola;

Programar campanhas de preservação do material escolar, do espaço físico da escola, do mobiliário, dos utensílios de cozinha, do acervo bibliográfico, etc.

Oportunizar- formação, capacitação a professores, funcionários, pais e alunos, inclusive aos demais órgãos colegiados (APMF, CE, GREMIO).

Capacitação Geral: Palestras, Reuniões, Seminários, Fóruns, Gincana.; Professores: Grupo de Estudos, Hora Atividade, Reuniões, Oficinas,

Estudos,

Reuniões Setoriais, Cursos, Encontros para troca de experiências; Pais:Palestras, Reuniões; Alunos: Conferenciais, Palestras, reuniões e Fóruns.

Conselho

de

Classe;

Funcionários:Palestras,

Grupo

de

5.3 ASPECTOS PEDAGÓGICOS

Oferecer apoio material e pedagógico para reformulação das aulas de

Educação Física.

Acompanhar rendimento e frequência dos alunos, zelando pela disciplina

e organização da escola.

Fazer da biblioteca um espaço agradável e de busca constante para a

realização de estudos, reuniões, trabalhos em grupo e pequenos

eventos;

Buscar meios para aquisição de material e equipamentos que sejam

usados para enriquecer as aulas, facilitar o aprendizado dos alunos e

tornar o ambiente escolar mais prazeroso.

Buscar condições para aquisição de materiais paradidáticos como

revistas, jornais, livros, internet incentivando e permitindo o seu uso

como apoio a prática pedagógica e incentivo a prática de leitura;

Promover a participação dos especialistas em educação nas reuniões de

planejamento entre os professores, no planejamento de reuniões

pedagógicas, reuniões de conselho de classes, reuniões de pais e

outras atividades;

Oferecer suporte técnico e pedagógico aos professores na realização do

planejamento bimestral e anual, na confecção de material pedagogico,

nas questões de indisciplina dos alunos e outras que se fizerem

necessário;

Oferecer suporte pedagógico as bibliotecárias para que elas possam

preparar atividades que sejam usadas com os alunos durante a

ausência de professores;

Efetivar as ações previstas no PDE-2010 com fins de melhorar os rendimentos das disciplinas críticas e o desempenho da escola nos resultados do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica);

Dar suporte na elaboração e execução de projetos de trabalho com o intuito de assegurar um melhor desempenho em equipes;

5.4 ASPECTOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA

Promover periodicamente reuniões pedagógicas, de pais, de conselho de

classe e de planejamento, estabelecendo um bom relacionamento com a

equipe de trabalho e comunidade escolar.

Auxiliar na realização de excursões, eventos desportivos, palestras,

seminários e outros;

Apresentar à comunidade escolar as normas disciplinares da escola, o

calendário escolar e as decisões tomadas pelo colegiado, entre outros;

Programar eventos educativos, festas e momentos de confraternização

entre funcionários e alunos; proporcionando um ambiente de trabalho

agradável e prazeroso.

Promover encontros sobre relacionamento humano, direitos e deveres do

funcionalismo público;

Conduzir o Conselho de Classe de maneira que se torne um momento de

reflexão e que possa contribuir para com a solução de eventuais duvidas

em relação às turmas e também a alunos especificamente;

Incentivar a participação dos membros do colegiado escolar (Conselho

escolar, representantes de turma, A.P.M.F. Grêmio Estudantil)

envolvendo-os nas tomadas de decisões e promoções que envolvam a

escola;

5.5 ASPECTOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS I E II.

Por ser uma escola pública algumas metas só serão possíveis com

recursos provindos de projetos e do poder público, como Fundo Rotativo

e outros.

Zelar pela conservação e bem estar da merenda escolar.

Discussão com educadores, APMF e Conselho Escolar, para um melhor

aproveitamento dos recursos de acordo com as prioridades definidas

coletivamente.

Administrar, com a participação de professores, pais, funcionários e

direção, as verbas recebidas, de forma a atingir o objetivo maior que é a

construção de uma escola pública de qualidade, gerindo os recursos

financeiros de formas eficaz.

Incentivar a realização de intercâmbio com outras escolas e instituições,

a fim de melhorar os resultados da sua e das outras escolas

Efetivar a instalação e adequação do auditório da escola.

Buscar financiamentos para o desenvolvimento de projetos e oficinas na escola, envolvendo toda a comunidade escolar.

Proporcionar espaço de atuação ao grêmio estudantil;

Ampliar a utilização da rádio nas atividades da escola.

5.6. ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO ESCOLAR

Construção coletiva da concepção de currículo, de gestão democrática e

de formação continuada dos educadores.

Compromisso ético-político com a transformação da realidade social:

superação das marcantes desigualdades sociais.

Participação efetiva de todos os autores e atores da prática educativa,

discutindo as diretrizes gerais da política educacional e propondo formas

de intervenção na realidade.

Autonomia da escola enquanto exercício de democratização de um

espaço público que articule sempre o compromisso ético-profissional

que é educar.

Compromisso do poder público (Estado) na oferta e manutenção da

educação pública de qualidade

Apoiar-se

na

legislação

vigente

como

meio

cumprimento de direitos e deveres;

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

norteador

para

o

Apesar das dificuldades na implementação do processo de gestão

democrática, pode – se fazer da escola um ambiente em que cada membro da

comunidade educacional sinta-se parte importante do mesmo. O gestor de uma

escola deve ter uma ação político-pedagógico, atuando como um incentivador,

um líder democrático que ouve que dá oportunidade a todos os componentes

de opinarem e decidirem as soluções adequadas às problemáticas surgidas.

Possuir habilidades para diagnosticar e propor soluções às causas geradoras

de conflitos nas equipes de trabalho, se preocupar com o processo de

ensino/aprendizagem na sua escola, escolher ferramentas e técnicas que

possibilitem a melhor administração do tempo, promovendo ganhos de

qualidade e melhorando a produtividade profissional, é qualidade

imprescindível em um gestor. É preciso saber integrar objetivo, ação e

resultado, agregando à sua gestão colaboradores empreendedores, que

procuram o bem comum de uma coletividade e também priorizar a

democratização do ingresso e a permanência do aluno na escola, assim como

a garantia da qualidade social da educação.

Conclui – se que para se construir uma escola democrática e se concretize essa proposta de gest, algumas sugestões são importantes:

A comunidade deve ser participativa na escola, isto é, não se omitir em fazer colocações ou dar opiniões, que devem ser aceitas, tão logo tenha fundamentos, sejam teóricas ou práticas.

A administração escolar deve ser feita de forma que todos se sintam à vontade à participar, pois uma administração autoritária vai de encontro com a democracia escolar.

O educador deve estar sempre em constante busca pelo aprimoramento de seus conhecimentos, para que possa atuar com segurança favorecendo um ensino-aprendizado de qualidade.

Para que a gestão democrática se efetive nas escolas públicas é necessário antes de tudo uma conscientização de toda a comunidade escolar, a respeito do que é e como se faz gestão democrática na escola.(Gestão Escolar: Numa perspectiva democrática-Belém-Pará -2002, p.48)

Numa perspectiva democrática-Belém-Pará -2002, p.48) Como a escola pode ser mais democrática e garantir a

Como a escola pode ser mais democrática e garantir a participação de todos?

RECEPTIVIDADE

HISTÓRIA DE VIDA DO ALUNO

de todos? RECEPTIVIDADE HISTÓRIA DE VIDA DO ALUNO FORMAÇÃO CONTINUADA DA COMUNIDADE ESCOLAR P A R

FORMAÇÃO CONTINUADA

DA COMUNIDADE ESCOLAR

PARTICIPAÇÃO

METODOLOGIA

UNIFICADA

AVALIAÇÃO DAS

ATIVIDADES

fonte: A GESTÃO ESCOLAR DA INOVAÇÃO: REFLEXOS NA PRÁTICA DO PROFESSOR E NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS (BEATRIZ BOLDRINI DUTRA)

7 REFERENCIAS

Almeida, Maria Elizabeth Bianconcini de ; Menezes, Lígia Cristina Rubim - O papel do gestor escolar na incorporação das TIC na escola: experiências em construção e redes colaborativas de aprendizagem.

Begot, Márcia Gleyb dos Santos;Nascimento, Marlene José Cardoso do- Gestão Escolar: Numa perspectiva democrática- Belem-2002

Brasil - LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional- Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

Dutra, Beatriz Boldrin - A GESTÃO ESCOLAR DA INOVAÇÃO: REFLEXOS NA PRÁTICA DO PROFESSOR E NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS

Hora, Dinair Leal. Gestão Democrática da Escola. Campinas - SP: Papirus,

1994

Rebelo, Márcia Nunes; Santos, Sandra Jaqueline Salvador dos - PLANO DE AÇÃO A PARTIR DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA: SEMFRONTEIRAS ENTRE ESCOLA E COMUNIDADE

PARANA, Secretaria de Estado da Educação - SEED. Diretrizes Curriculares de Química para a educação básica. 2006.

Superintendência da Educação.Orientações para a Organização da Semana Pedagógica. Curitiba, 2008.

Colégio Estadual Prof Mailon Medeiros. Projeto Político Pedagógico. Bandeirantes (PR), 2005, p. 18.

Secretaria De Estado De Educação De Minas Gerais - GUIA DO DIRETOR ESCOLAR.

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC - GESTÃO ESCOLAR:

ORIENTAÇÕES BÁSICAS FEVEREIRO/2003- Salvador

Vasconcellos, Celso dos S. Coordenação do Trabalho Pedagógico: do Projeto Político Pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo:

Libertad, 2002.

Veiga, I. P. A. (org.) Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 23. ed. Campinas: Papirus, 2001.

Sites acessados:

http://esperancanaeducacao.blogspot.come - acessado em 15/09/2011 http://www.conteudoescola.com.br-acessado em 15/09/2011 www.portalensinando.com.br - 15/09/2011 http://www.bib.unesc.net/biblioteca - 15/09/2011