Você está na página 1de 3

Materiais de Apoio

Curso: Hardware Aula: Disp. de Hardware Data: 


Descrição/Objetivo: 

Elaborador: Bruno Aparecido Gonçalves Unidade: Nova Granada

WLAN (Wireless Local Area Network - Redes Locais


sem Fio)
Introdução
WLAN (Wireless Local Area Network - Redes Locais sem Fio) é uma tecnologia de redes de
computadores que surgiu a alguns anos e cujo uso cresce constantemente. O objetivo
deste artigo é explicar os conceitos desta tecnologia, além de vantagens e exemplos de
uso.
O que é WLAN
WLAN é uma nova tecnologia de redes de computadores, com as mesmas funcionalidades
das redes de computadores com fio. Por meio do uso de rádio ou infravermelho é que as
WLANs estabelecem a comunicação entre os computadores e dispositivos da rede, ou seja,
não usam fios ou cabos. Os dados são transmitidos através de ondas eletromagnéticas e
várias conexões podem existir em um mesmo ambiente sem que uma interfira na outra,
permitindo, por exemplo, a existência de várias redes dentro de um prédio. Para isso,
basta que as redes operem em freqüências diferentes. Através de algumas ferramentas, é
possível até mesmo interconectar estas redes.
Tecnologias usadas na transmissão
As WLANs podem utilizar várias tecnologias para permitir a conexão dos computadores e
dispositivos da rede. Cada uma tem vantagens e limitações que as distinguem das outras.
As mais conhecidas são: os sistemas Spread Spectrum, rádio e infra-vermelho (infrared),
sendo este último pouco usado em WLANs.
Também conhecida como CDMA (Code Division Multiple
Access) a Spread Spectrum é a tecnologia de transmissão mais
utilizada atualmente, pois é menos sensível a interferências e
mais capaz de atravessar obstáculos, como paredes, por
exemplo.
As WLANs baseadas em infravermelho utilizam a mesma
tecnologia empregada em produtos como controles remotos. A
vantagem é a sua habilidade de oferecer uma grande largura
de banda, podendo atingir até 16 Mbps, operando a faixas de
100 THz. Porém, o infravermelho pode ser facilmente obstruído
(a luz não atravessa objetos sólidos, como as paredes) e
também sofre a interferência do sistema de iluminação do
ambiente.
Já a tecnologia de rádio não chega a ser exatamente uma tecnologia de WLAN, mas pode
ser utilizada para interligar redes locais que se encontram em prédios diferentes. As
microondas operam numa faixa de freqüência de 18 GHz e teoricamente podem atingir
velocidades de transmissão de até 15 Mbps.
O padrão 802.11
O padrão 802.11 é uma arquitetura definida pelo IEEE (Institute of Electrical and
Electronics Engineers) para as redes sem fio, onde a área coberta pela rede é dividida em
partes denominadas células. Cada célula, por sua vez, é chamada de BSA (Basic Service
Area). O tamanho da BSA depende das características do ambiente e da capacidades dos
transmissores usados na rede.
Existem vários tipos de padrão 802.11, onde cada um é dotado de características próprias,
principalmente no que se refere à velocidade de transmissão dos dados. Cada tipo é
identificado por uma letra ao final do nome 802.11. Por exemplo: 802.11a, 802.11b, etc.
No momento em que este artigo era escrito, o padrão mais recente era o 802.11g.
É importante citar que apesar de ser possível a criação de WLANs com áreas grandes de
cobertura, o 802.11 é voltado somente às redes locais.
A questão da segurança
Existem alguns problemas de segurança que devem ser considerados no uso de WLANs.
Nestas redes, qualquer pessoa com equipamento adequado poderá captura os dados
transmitidos. Além disso, por serem simples de instalar, muitas pessoas estão utilizando
redes desse tipo em casa, sem nenhum cuidado adicional, e até mesmo em empresas,
sem o conhecimento dos administradores de rede.
Vários cuidados devem ser observados quando pretende-se conectar à uma WLAN. O
principal é usar firewall, antivírus, aplicar as últimas atualizações de softwares, desabilitar
o compartilhamento de pastas e impressoras sempre que não houver uso, enfim.

Os administradores da rede devem implementar o WEP (Wired Equivalent Privacy), que


permite criptografar o tráfego entre os computadores. No entanto, o protocolo WEP possui
diversas fragilidades e deve ser encarado como uma camada adicional de segurança. Por
isso mesmo, é importante implantar soluções de criptografia e adotar outros mecanismos
de segurança, como usar SSH (Secure SHell) para conexões remotas, por exemplo.
É necessário saber montar uma WLAN, pois a rede pode abranger uma área muito maior
que a planejada, permitindo o uso não autorizado ou a captação indevida de dados
transmitidos. É o que acontecia com o "warchalking" ou "guerra de giz": um recurso
empregado por hackers para marcar com giz em postes, muros ou calçadas, símbolos que
informam aos seus companheiros a existência, na localidade, de uma rede sem fio e sua
condição (aberta, fechada ou protegida). As marcas são feitas com giz para que possam
ser atualizadas. Os símbolos indicam se a rede é "aberta" (dois semicírculos em oposição),
"fechada" (um círculo vazio) ou "WEP" (de Wireless Equivalent Privacy, indicado por um
círculo com um "W" no centro, cujo acesso é mais difícil porque o protocolo WEP usa
criptografia). Acima do símbolo há um código (o SSID, ou Service Set IDentifier, que
funciona como uma senha para conectar-se àquele ponto) e, abaixo, o valor da taxa de
transferência (bandwidth) alcançada naquele ponto (nem sempre informado). Achado um
símbolo, basta ligar o notebook e tentar conectar-se.

Finalizando
As WLANs oferecem e oferecerão cada vez mais recursos úteis. O simples fato de poder
utilizar a rede ou a Internet em qualquer ponto do local, sem a necessidade de conectar
cabos já representa uma grande vantagem. Muitas empresas já conseguiram verificar um
aumento de produtividade devido a mobilidade que os funcionários têm com seus
dispositivos de acesso ( notebooks, handhelds, palmtops, entre outros). Ainda há de se
considerar que não é preciso realizar nenhuma alteração na estrutura do prédio para
instalar um rede sem fio, o que poupa gastos e impede o interrompimento das atividades.
Apesar de haver problemas de segurança, nada impede que as WLANs sejam cada vez
mais usadas. Mesmo porque novas soluções de proteção estão sendo pesquisadas e serão
disponibilizadas tão logo quanto possível.