Contrato de Consórcio

CONTRATO

DE

CONSTITUIÇÃO DO

CONSÓRCIO XXXX

Este documento destina-se apenas a uso didático. Seu uso comercial pode estar protegido por leis de direito autoral e de propriedade intelectual o qual a SME e os instrutores do curso podem não ter ciência. Por isso, seu uso deve ser restrito. É vedada a reprodução total ou parcial do documento. Os instrutores eximem-se de qualquer responsabilidade quanto ao uso deste documento, inclusive em relação a seu conteúdo, completude e suficiência de uso. No documento podem estar faltando itens indispensáveis a contratos desta natureza. A SME e os instrutores recomendam fortemente a consulta a um advogado antes de qualquer ação que envolva questões contratuais.

As opiniões, fatos e constatações contidas no documento não representam necessariamente a opinião da SME ou dos instrutores do curso.

................... ...5 CLÁUSULA SEGUNDA – DENOMINAÇÃO... No documento podem estar faltando itens indispensáveis a contratos desta natureza............................................... NATUREZA JURÍDICA E SEDE.....................................................................................................................5 CLÁUSULA QUARTA – LIDERANÇA................................................................................................5 CLÁUSULA TERCEIRA – DURAÇÃO....................12 Este documento destina-se apenas a uso didático.......................................................................6 XXXXX..... inclusive em relação a seu conteúdo............ completude e suficiência de uso..............................................................................12 EMPRESA 1..................................................................................................... É vedada a reprodução total ou parcial do documento.............................................................................................................................................................................................................................................................................6 Transporte para bota fora do material escavado......................... A SME e os instrutores recomendam fortemente a consulta a um advogado antes de qualquer ação que envolva questões contratuais........... Os instrutores eximem-se de qualquer responsabilidade quanto ao uso deste documento.................................................................................................... Seu uso comercial pode estar protegido por leis de direito autoral e de propriedade intelectual o qual a SME e os instrutores do curso podem não ter ciência................................................................................................................................................................................Contrato de Consórcio Responsabilidade Técnica......12 EMPRESA 2.................................................................................12 XXXX............................... seu uso deve ser restrito................................................... Por isso..............................................................................................................6 Execução de XXXX ................................................6 CLAUSULA DÉCIMA NONA – FORO................3 CLÁUSULA PRIMEIRA – OBJETO.............................................................................................................................................. ..................................................................................................................6 Fornecimento XXXX....................5 EMPRESA 1 (DEFINIR ESCOPO).......6 EMPRESA 2 (DEFINIR ESCOPO).................................

Contrato de Consórcio ÍNDICE CLÁUSUL 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 ASSUNTO Objeto Denominação. Natureza Jurídica e Sede Duração Liderança Participações das Consorciadas Responsabilidades das Partes Responsabilidade Técnica Administração do Consórcio Exercício Social/Contabilidade/Auditoria Confidencialidade Irrevogabilidade e Irretrabilidade Exclusividade Alteração deste instrumento Arbitragem Novação Notificações e Correspondências Penalidades Disposições Diversas Foro .

estabelecida em XXXX. residente e domiciliado. com registro na JUCEP nº XXXX. CPF XXXX.XXX.XXX/XXXX-XX. que isoladamente são denominadas PARTE ou CONSORCIADA e em conjunto PARTES ou CONSORCIADAS. inscrita no CNPJ/MF sob o nº XX. representada pelo seu Diretor XXXX. um contrato em regime de preços unitários para a realização dos serviços de execução de XXXX. casado. a seguir denominada simplesmente EMPRESA 2. identidade XXXX. CPF XXXX. inscrita no CNPJ/MF sob o n° XXXX. em XXXXX – XX. registrada na JUCEMG NIRE XXXX. de acordo com as seguintes cláusulas e condições: . separado. Inscrita No CNPJ/MF sob o nº XXXX e Inscrição Estadual nº XXXX. por seus representantes legais ao final qualificados. promoveu processo seletivo para Contratação dos serviços de execução de XXXX da CONTRATANTE em XXXX. com sede à XXXX. a CONTRATANTE levou ao conhecimento das PARTES a firme pretensão de celebrar com o CONSÓRCIO XXXX. XXXX. brasileiro. Estado do XXXX. representada pelo seu Diretor XXXX. CONFORME AS SEGUINTES CLÁUSULAS E CONDIÇÕES: As empresas : EMPRESA 1. doravante simplesmente denominada CONTRATANTE. a seguir simplesmente denominada EMPRESA 1.Contrato de Consórcio CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO. sob o no XXXX. firmar o presente CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO. EMPRESA 2. residente e domiciliado à XXXX e pelo Sr. engenheiro civil. CPF XXXX residente e domiciliado a XXXX. resolve. e considerando que: a) CONTRATANTE. QUE ENTRE SI FAZEM AS EMPRESAS ABAIXO NOMEADAS E QUALIFICADAS. nesse instrumento denominado simplesmente CONSORCIO. identidade XXXX. engenheiro civil. brasileiro. brasileiro. Município de XXXX. b) Em XX de XXXX de 200X por meio da “Carta de Intenção”. identidade XXXX Crea/XX. com sede à XXXXX. engenheiro civil. casado.

.1. ou em nome de qualquer um dos seus membros. O CONSÓRCIO não se constitui. à XXXX. Para isso. CLÁUSULA SEGUNDA – DENOMINAÇÃO.1. CLÁUSULA TERCEIRA – DURAÇÃO 3.1. A liderança do CONSÓRCIO será exercida pela EMPRESA 1. em regime de preços unitários. doravante denominada simplesmente de CONTRATANTE.Contrato de Consórcio CLÁUSULA PRIMEIRA – OBJETO 1. Estaduais ou Municipais. particularmente os artigos 278 e 279. cujo objeto é. a execução dos serviços de XXXX em XXXX. cabendo-lhe a representação do CONSÓRCIO e a coordenação dos trabalhos perante a CONTRATANTE e terceiros durante a vigência do contrato. O CONSÓRCIO terá um prazo de duração igual ao necessário para a integral execução das obras e cumprimento do contrato N°“XXXX” celebrado com a CONTRATANTE. O CONSÓRCIO atenderá à legislação brasileira em vigor. nem se constituirá. 2. necessárias ao seu regular funcionamento.2. 2. receber instruções e comunicações por e em nome do CONSÓRCIO.1. O CONSÓRCIO terá a sua sede e domicílio no endereço da Empresa Líder. NATUREZA JURÍDICA E SEDE. podendo manter escritórios de apoio em outras localidades. da Lei 6. em XXXX – XX. de 15 de dezembro de 1976 (Leis das Sociedades Anônimas). O CONSÓRCIO providenciará. Constitui objeto do presente instrumento a constituição de um CONSÓRCIO com o objetivo de execução do “Contrato de Prestação de Serviços Nº XXXX e seus eventuais aditivos. firmado entre as CONSORCIADAS e a CONTRATANTE. 2. em pessoa jurídica distinta daquela de seus membros constituintes.404. ainda. Estado do XXXX . a sua inscrição em todas as repartições e autarquias Federais. CLÁUSULA QUARTA – LIDERANÇA 4. mediante arquivamento deste Contrato na repartição competente do Registro do Comércio. fica a Líder autorizada a assumir compromissos e responsabilidades.3. e terá a denominação de CONSÓRCIO XXXX.

. Caberão integralmente às CONSORCIADAS. serviços extras e adicionais. todos os resultados decorrentes da execução dos serviços objeto do contrato de prestação de serviços N“XXXX” celebrado com a CONTRATANTE.1.1.1. Cada CONSORCIADA será responsável pelo fornecimento e alocação dos recursos necessários à execução das obras segundo o indicado no item 5. As CONSORCIADAS. As CONSORCIADAS assumirão responsabilidades conjunta e solidária pelas obrigações assumidas perante a CONTRATANTE e terceiros em função do CONSÓRCIO. quando for de responsabilidade destas. participando nos lucros e perdas. nos recebimentos e aportes dos recursos financeiros necessários. supra. supra.Contrato de Consórcio CLÁUSULA QUINTA – PARTICIPAÇÕES DAS CONSORCIADAS 5. EMPRESA 1 (DEFINIR ESCOPO) XXXXX Fornecimento XXXX Transporte para bota fora do material escavado. .4. 5. na proporção de suas participações.2. através do CONSÓRCIO. CLÁUSULA SEXTA – RESPONSABILIDADES DAS PARTES 6. modificações. e detalhado na Planilha de Preços Unitários integrante da Proposta n.. sejam elas de que natureza forem. . na distribuição do escopo estabelecida na planilha mencionada no item 5. As CONSORCIADAS deverão encaminhar os respectivos documentos de cobrança à CONTRATANTE através do CONSÓRCIO. dos tributos e outros encargos que venham a incidir sobre os serviços e as obras objeto deste Instrumento. e de acordo com a planilha mencionada no item 5.1 acima.1. realizarão os serviços. obras e fornecimentos necessários à completa execução do objeto deste Contrato. 5.3. conforme planilha mencionada no item 5.Apoios operacionais à EMPRESA 2 e à execução da XXXX EMPRESA 2 (DEFINIR ESCOPO) Execução de XXXX 5. bem como todas as demais despesas e desembolsos. obedecida a proporção de suas respectivas participações no escopo sintético a seguir.1. inclusive reajustamentos.º XXXX-Consolidada. Cada PARTE deverá faturar os fornecimentos e serviços diretamente contra a CONTRATANTE na proporção de suas participações na execução dos serviços. mesmo quando estes e suas respectivas receitas provierem de gestão especial de qualquer uma das CONSORCIADAS.

2. II – Do Conselho Diretivo 8. em virtude do não cumprimento de obrigações decorrentes deste Contrato e que sejam de sua responsabilidade. A responsabilidade técnica pela execução das obras será exercida conjuntamente por 04 (quatro) profissionais. todas as declarações e realizará todos os registros e recolhimentos exigidos pela legislação aplicável. com as funções e atribuições aqui estabelecidas. com observância do disposto no presente contrato. CLÁUSULA SÉTIMA – RESPONSABILIDADE TÉCNICA 7. Cada CONSORCIADA será responsável e arcará com o pagamento de todos os tributos. cabendo a cada uma das CONSORCIADAS indicar um representante e o seu respectivo suplente.2. . A administração do CONSÓRCIO será integrada por um Conselho Diretivo e um Núcleo Gerencial da Obra. substituir os membros do Conselho Diretivo por elas respectivamente indicados. taxas e contribuições atribuíveis ao seu escopo de trabalho que não forem de competência direta do CONSÓRCIO e prestará. As CONSORCIADAS. assim.1.3. poderão.Contrato de Consórcio 6. 8. O Conselho Diretivo será composto por O2 (dois) membros efetivos e 02 (dois) suplentes. Após o término do empreendimento cada CONSORCIADA e os profissionais previstos no item anterior. 8.4. desempenhados por procuradores nomeados pelo Conselho Diretivo. a qualquer tempo. de modo a cumprir com todas as obrigações perante as autoridades fiscais. poderão incluir a execução das obras objeto deste Contrato nos seus respectivos Acervos Técnicos.3. Os atos da administração ordinária do CONSÓRCIO serão. impostos. 6. 7. Compete ao Conselho Diretivo: a) fixar as competências dos demais órgãos da administração do CONSÓRCIO.2. Cada CONSORCIADA será ilimitadamente responsável perante a outra pelos prejuízos e danos a que der causa. ou pertencentes ao quadro societário de empresas que tenham vinculo contratual com as CONSORCIADAS. mediante prévia e escrita comunicação à outra. CLÁUSULA OITAVA – ADMINISTRAÇÃO DO CONSÓRCIO I – Dos órgãos de Gestão e Administração do Consórcio 8.1. sendo até 02 (dois) indicado por cada uma das CONSORCIADAS e que pertençam aos seus quadros de empregados.

8. O Gerente de Obras será o preposto do CONSÓRCIO perante a CONTRATANTE e terceiros. as quais serão assinadas por todos os seus membros. Sem prejuízo do acima indicado. as CONSORCIADAS se reunirão para deliberar sobre o assunto. com poderes específicos para discutir os assuntos relacionados à execução das obras objeto do CONSÓRCIO. O Conselho Diretivo se reunirá sempre que necessário ou. O Núcleo Gerencial da Obra constitui-se de 01 (um) Gerente de Obras e dos Chefes de Áreas.5.6. As deliberações do Conselho Diretivo. Em permanecendo a controvérsia.11. ainda.Contrato de Consórcio b) c) d) e) aprovar o orçamento das obras e suas eventuais alterações. .8.10 8. tomando as decisões que se fizerem necessárias para o restabelecimento das faltas cometidas. As deliberações do Conselho Diretivo serão tomadas pela unanimidade de seus membros efetivos ou suplentes. bem como a indicação e substituição de seus membros pelas CONSORCIADAS. 8. o matéria será submetida a arbitragem.12. 8. salvo aquela percebida em suas respectivas CONSORCIADAS. cabendo ao representante indicado pela empresa líder a sua coordenação. Aos membros do Conselho Diretivo não caberão nenhuma remuneração. serão registradas em um livro. ainda. Compete ao Gerente de Obras.9. lavrando-se atas de suas reuniões. Não sendo possível obtê-la. sempre que convocado por qualquer de seus membros. cujas regras serão as da CAMARA DE ARBITRAGEM DE XXXX. as PARTES se comprometem a envidar todos os esforços para buscar a unanimidade na tomada das decisões.7. III – Do Núcleo Gerencial da Obra 8. deliberar sobre eventuais inadimplementos das PARTES no cumprimento das obrigações oriundas ou decorrentes da execução do contrato celebrado junto à CONTRATANTE e. sendo que as CONSORCIADAS acatarão a decisão arbitral de forma final e irrecorrível. decidir sobre a conveniência de propor ações judiciais e/ou administrativas relativas a assuntos que afetem o CONSORCIO. ou a sua defesa em ações judiciais e/ou administrativas propostas por terceiros contra o CONSORCIO. aprovar a indicação e contratação de procuradores para o foro em geral. perante terceiros. aprovar orçamentos financeiros originários de despesas a serem suportadas pelo CONSÓRCIO. além de outras atividades e atribuições: 8. f) 8. 8.

a cada CONSORCIADA. segundo diretrizes traçadas pelo Conselho Diretivo. esquemas de planejamento. As CONSORCIADAS responderão solidariamente pelos SERVIÇOS perante a CONTRATANTE. etc. da Lei no 6.2. normas. na forma das condições ajustadas neste Contrato de Constituição do Consorcio XXXX. respondendo cada CONSORCIADA por suas obrigações. CLAUSULA DÉCIMA PRIMEIRA . desenhos e informações recebidas de outra parte. CLÁUSULA NONA – EXERCÍCIO SOCIAL 9. poder público. e no relacionamento entre si não haverá presunção de solidariedade.404. do artigo 278. as CONSORCIADAS se comprometem a não divulgar as técnicas construtivas.IRREVOGABIDADE E IRRETRATABILIDADE 10. na ocorrência de fatores ou situações relevantes que justifiquem a deliberação daquele órgão. balancetes e demais documentos do CONSÓRCIO. administrativa.1. . o direito de receber eventuais perdas e danos. 9. métodos. De igual forma. elaborar com sua equipe os planos e orçamentos de longo e curto prazo das obras. financeira e de produção da obra. etc.1. CLAUSULA DÉCIMA .CONFIDENCIALIDADE 10. b) c) e. de 15 de dezembro de 1976. fornecedores. inclusive "royalties" e lucros cessantes. conforme preceitua o parágrafo primeiro. As CONSORCIADAS se comprometem a manter absoluta confidencialidade com relação aos documentos.2.Contrato de Consórcio a) decidir sobre todas as questões internas inerentes a execução técnica. utilizando-os com a finalidade única e exclusiva de cumprir os objetivos do contrato de prestação de serviços N°“XXXX” celebrado com a CONTRATANTE. bem como todas as decisões externas. referentes ao posicionamento do CONSÓRCIO junto ao cliente. oriundos de uso indevido de técnicas da outra CONSORCIADA exceto para levar a cabo o objeto do contrato de prestação de serviços “XXXX”. Solicitar a convocação de reuniões do Conselho Diretivo. terceiros. O CONSÓRCIO não se constituirá em pessoa jurídica distinta da de seus membros e apenas para efeito de sua identificação usará a designação “CONSÓRCIO XXXX”. responsabilizar-se pela gestão direta das obras em todos os seus aspectos. assim como os relatórios gerenciais de avaliação de desempenho. população. procedimentos. processos. reservando-se assim..

CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA . de empréstimos ou de outras operações bancaria e financeiras. Fica avençado que nenhum outro participante poderá ser admitido neste Contrato. poderá haver a cessão de direitos e obrigações deste contrato de qualquer CONSORCIADA para sociedade controlada.1.3.1. A eventual cessão de direitos é admitida apenas quando houver o consenso das CONSORCIADAS e.2. tais como fusões. sendo um indicado por cada uma das PARTES e o terceiro indicado por estes dois. . O presente instrumento é pactuado com as cláusulas de irrevogabilidade e irretratabilidade. 12. CLAUSULA DÉCIMA SEGUNDA . e a sua oferta em garantia de obrigações. Nenhuma da CONSORCIADAS poderá ceder para terceiros quaisquer dos seus respectivos direitos e/ou obrigações decorrentes do contrato de prestação de serviços N°“XXXX” celebrado com a CONTRATANTE. CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA – ALTERAÇÃO DESTE INSTRUMENTO. incorporações e cisões. a subrrogação. As controvérsias que eventualmente surgirem entre as PARTES. por um Tribunal Arbitral de 3 (três) árbitros. mesmo assim.Câmara de Arbitragem Empresarial – Brasil. na forma da legislação vigente.1. sem a concordância expressa das CONSORCIADAS. a alienação ou qualquer outra forma de repasse para terceiros dos direitos e/ou obrigações dele oriundos.EXCLUSIVIDADE 12. 13. ainda. que não forem solucionadas por decisão conjunta. que o CONSÓRCIO não poderá ter a sua composição alterada até o integral cumprimento de todas as obrigações decorrentes do contrato de prestação de serviços “XXXX” celebrado com a CONTRATANTE Mediante acordo escrito das partes. desde que seja celebrada em nome e no interesse do CONSÓRCIO. sendo que os custos da 14. A arbitragem se dará na Cidade de Belo Horizonte – MG. serão dirimidas mediante arbitragem. 12. inclusive.1. sendo certo. Este Instrumento poderá ser revisto a qualquer tempo por decisão do Conselho Diretivo. sendo vedada. o empréstimo. de acordo com as regras de conciliação e arbitragem da CAMARB .Contrato de Consórcio 11.ARBITRAGEM 14. quando então será celebrado o competente termo de aditamento a este contrato. coligada ou sob controle acionário comum desta. vigorando até a completa execução das obras e serviços do contrato de prestação de serviços N°“XXXX” firmado com a CONTRATANTE.2. em função de reorganização societária.

obrigando-se as PARTES a encontrarem uma forma adequada para a condução dos trabalhos.1. 14. EMPRESA 2 Av. a penalidade será de responsabilidade exclusiva da PARTE inadimplente. não constituindo estes justificativa para interrupção ou atrasos. . As obras.PENALIDADES 17. não importará em novação ou alteração contratual. devendo especificar e justificar a decisão e ser conclusivo na indicação de qual PARTE é vencedora e qual é a vencida. XXXX – Bairro XXXX CEP: XX. XXXX – Bairro XXXX CEP XX. O laudo arbitral é vinculativo e exeqüível contra a PARTE vencida. obrigações e prerrogativas previstas no contrato firmado com a CONTRATANTE e neste Instrumento de Constituição de Consórcio. e será elaborado por escrito na língua portuguesa.1. Exceto quando de outra forma for estabelecido neste Contrato. CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA – NOTIFICAÇÕES E CORRESPONDÊNCIAS 16. nem impedirá as outras PARTES de exercerem. remetida sob protocolo para os seguintes endereços : a) EMPRESA 1 Av. todas as correspondências e/ou notificações endereçadas de uma PARTE à outra deverão ser apresentadas por escrito através de carta. CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA – NOVAÇÃO 15. incluindo honorários e despesas com os árbitros. 14. A eventual tolerância para com qualquer das PARTES que se tornarem inadimplentes perante o CONSÓRCIO. correrão por conta da PARTE vencida.1. a CONTRATANTE e/ou terceiros. em qualquer tempo.3.Contrato de Consórcio arbitragem. Caso o CONSÓRCIO seja penalizado por inadimplemento no cumprimento das obrigações de uma das PARTES. com relação ao exercício de um ou mais direitos.4.XXX-XXX - b) CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA . serviços e fornecimentos objeto do contrato de prestação de serviços “XXXX” deverão prosseguir sem qualquer solução de continuidade durante eventuais arbitramentos.XXX-XXX – XXXX-XX. todos os seus direitos e prerrogativas decorrentes daqueles documentos.

Elege-se o foro da Comarca de XXXX para a execução da decisão arbitral. para a solução do impasse. EMPRESA 1 _________________________ XXXX Diretor XXXX Identidade : XXX. CLAUSULA DÉCIMA NONA – FORO 19. Os assuntos não definidos neste Instrumento serão objeto de decisões em comum acordo pelas PARTES. em 03 (três) vias de igual teor e forma.Contrato de Consórcio CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA – DISPOSIÇÕES DIVERSAS. renunciando-se expressamente a qualquer outro por mais privilegiado que seja. O contrato de prestação de serviços “XXXX” firmado entre o CONSÓRCIO e a CONTRATANTE. na presença das testemunhas abaixo relacionadas. Em caso de conflitos entre este Instrumento e aquele contrato. as CONSORCIADAS firmam o presente Instrumento Particular. as regras e condições que as PARTES se submeteram nos termos do contrato de prestação de serviços N°“XXXX”. prevalecerão.XXX _________________________________ XXXX Diretor XXXX Identidade : XXXX EMPRESA 2 _________________________ XXXX Diretor XXXX Identidade Crea/XX: XXXXXX . E por estarem assim justas e acertadas. 18. XX de XXXX de 200X.1. será sempre fonte subsidiária na busca de soluções para pontos omissos ou não definidos neste Instrumento. XXXX.1.

Contrato de Consórcio Testemunhas: 1.________________________________ Nome: Nome: RG : RG: CPF: CPF: Endereço: Endereço: .____________________________ 2.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful