3

Introdução:


São inumeras as praticas laboratoriais que requerem a utilização de pipetas, sendo
estas das mais diversas Iormas e aplicabilidade. Cada pipeta deve ser utilizada de acordo com
a natureza da pratica a ser desenvolvida no laboratorio, por isso, hoje são encontradas no
mercado, pipetas que se ajustam perIeitamente a necessidade do laboratorista e permitem que
suas praticas estejam no mais perIeito padrão de Iidelidade das medidas. Pelo criterio de
volume a ser trabalhado, costuma se classiIicas as pipetas em três tipos:
Pipeta volumetrica, usada para transIerir uma quantidade exata de liquidos possuindo
uma grande precisão de medida exatamente por medir um unico volume;
Pipeta graduada, usada para medir pequenas quantidades de liquidos, em volumes
variados, não apresenta uma boa precisão nas medidas e não pode ser aquecida;
Micropipeta ou pipeta automatica, utilizada par medir pequenos volumes, da ordem de
microlitros, mas com precisão e exatidão geralmente inIeriores as obtidas pelas pipetas
graduadas e volumetricas de maior volume. Este tipo de pipeta utiliza ponta descartaveis
Ieitas de polipropileno.
Na aula sobre tecnicas de pipetagem ministrada pelo proIessor Pedro na disciplina de
praticas em biomedicina I pode ser esclarecido alguns Iundamentos a respeito de como
prepara e manusear devidamente as pipetas, para que se tenha uma melhor precisão e exatidão
nos processos de medidas e transIerências de liquidos.


Metodologia:


Para aula Ioram utilizadas pipetas graduadas (tubo de vidro graduado em que permite
ser Ieito varias medidas com volumes diIerentes), peras de sucção manuais e automaticas,
(estruturas que são anexadas as pipetas para que se tenha a sucção e o controle do volume do
liquido a ser transIerido de um recipiente para outro), beckers e Erlenmeyers para contenção
do liquido a ser pipetado




Objetivos:


Demonstrar quais as melhores Iormas de manuseio das pipetas, como preparar uma
pipeta para os procedimentos de pipetagem, quais os tipos e estados Iisicos das substâncias
que podem ser manipulados atraves de pipetas e de acordo com essas especiIicidades, saber
escolher qual o tipo de pipeta a ser utilizada no procedimento. E um ponto muito importante,
que e aprender a Iazer a devida distinção que cada pipeta possui com relação a precisão e a
exatidão nos procedimentos laboratoriais e sua aplicação na tecnica sem ter prejuizo
econômico ou nos resultados das praticas.


Resultado:


Durante a pratica Ioi abordado principalmente as tecnicas de pipetagem com pipetas
de vidro graduadas, cujo procedimento sera descrito a seguir:
Prepara-se a pipeta, ambientalizando a com o liquido que vai ser pipetado e anexando
a ela uma pêra de sucção na extremidade superior, esse procedimento permite ter controle da
quantidade de liquido a ser captado pela pipeta e tambem evita a pipetagem com a boca, o que
não e seguro, pois em casos de acidentes o laboratorista pode se contaminar causando ate
mesmo sua morte.
Depois de preparada, segura-se a pipeta entre o polegar e os 3 ultimos dedos da mão,
coloca-se a pipeta no liquido e com o correto manuseio da pêra de sucção, aspira-se
cuidadosamente ate que a coluna do liquido esteja um pouco acima da marca a qual representa
o volume a ser retirado do becker, lembrando que no caso de pipetas volumetricas o volume e
a ser retirado sempre o mesmo, depois com o dedo indicador Iecha-se a abertura da pêra e
retira-se a pipeta da solução, agora cuidadosamente movimenta-se o dedo Iazendo entrar na
pêra uma certa quantidade de ar, o suIiciente para Iazer com que o liquido escorra ate a linha
que delimita o volume a ser transportado, lembrando que e necessario manter a marca na
posição vertical e ao nivel dos olhos, evitando um erro chamado de 'erro de Paralaxe¨. Em


seguida remove-se o liquido aderente a parede externa da pipeta com um papel absorvente
para evitar que o volume transIerido seja alterado por esse excesso, coloca-se então a ponta da
pipeta junto a parede interna do recipiente destinado a receber o liquido, deixando escoar
lentamente o conteudo da pipeta ate o nivel desejado, e importante remover para o recipiente
a ultima gota que Iica na pipeta, isso e Ieito encostando a pipeta na parede do recipiente.


Conclusão:


Em qualquer laboratorio de ensino ou pesquisa o uso de pipetas e Iundamental paras as
mais diversas praticas, então considera-se essencial que o laboratorista tenha uma perIeita
intimidade com esse tipo de instrumento, por que são as pipetas as responsaveis pelas
medidas exatas dos liquidos utilizados nos experimentos laboratoriais.
O uso adequado das pipetas requer algumas normas como, por exemplo, ao pipetar
soluções cujo Irasco contem deposito de soluto, introduzir a pipeta no sobrenadante, nunca
introduzir pipetas sujas nos Irascos que contenham soluções ou reativos quimico e puros,
deve-se sempre usar pipetas secas para não diluir o liquido. No caso de pipetas volumetricas
de vidro,a existência de duas listras signiIica que quando o liquido e despejado, o que restar
dentro da pipeta não deve ser extraido (ou soprado), ja ao contrario acontece justamente com
as pipetas que possuem uma so listra.
Tambem e importante saber qual a natureza do liquido na pipeta, viscosidade e tensão
superIicial, logo isso ira reIletir no momento da descida do liquido, se liquido Ior viscoso,
quanto mais rapida a descida maior sera o excesso que Iicara na parede interna da pipeta e
uma pipetagem previa do liquido e aconselhavel para minimizar problemas de tensão
superIicial.
Depois de se ter o controle pratico e metodologico de toda tecnica de pipetagem, o
trabalhador do laboratorio pode usar suas tecnicas padronizadas ao experimento com um grau
maior de conIiabilidade, mas sem desconsiderar os erros existentes nas medidas.









BIBLIOGRAFIA:




BARKER, Kathy. Na Bancada: Manual de iniciação científica em laboratório de
pesquisas biomédicas; trad. Cristina Maria Moriguchi Jeckel. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BACCAN, Nivaldo; ANDRADE, João Carlos de; GODINHO, Osvaldo E. S.; BARONE, Jose
Salvador. Química Analítica Quantitativa e Elementar: 3ª edição, São Paulo: Edgard
Blucher, Instituto Maua de Tecnologia, 2001.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pipeta

hLLpť//wwwŦlnfoescolaŦcom/maLerlalsŴdeŴlaboraLorlo/plpeLa/

. 34 J6:/4 0 ./:.4.0/203948 /0 5509.7.5../450.:8.4270.439740/. 46:0 34 F 80:74  548 02 .432.7 6:.43J./48..0./747././48 1J8.5509.857. 0.. 57E9./4 573. 4.5509.8 /0 5509. /0.3907 .4 3.4954/05509. 54/0 80 .8 0 8:.. 48 574.09702/.4:20. 80 4 /0/4 1.80:7  !705. .5H7.9F.:/.4:3.07./47 10.3/46:034.42.8 5509.848 /0 . 5509./.. 5509.9.39/./4/0 0774/0!./48.59.7 3.7. 807 7097..2.8 204708 1472.47/4 .20390 24.84.23.30.9F6:0. 80:7./03908 4 ../.7.0/203948 .94789.-47/. /. 6:0 /029./40..24  ..8077097.:2.42 5509.385479./08  8. 0 7097.35:.:254:..807.7.3..2-F20.48 /.84:4  .1.44:348708:9.4  .5703/07.039704540. 5H7.7.8 /0./4/4-0. 14 .:4574..3:804 /. 5488: .-07 08. /0 8:.426:04J6:/408.3/4.70489248/0/48/.0/20394807E/08.088E74 2.8  .5.F8 /0 5509.3/4 6:0 F 30.4 570.02.7../4  02-7.-4. 80 ./4    :7.20390.84/05509.8 48 9548 0 089.48    0243897.. 5H7..3/4:2 0774.20390 8 9F.02  6:.079.5509. 9F. . . 6:.:2../08:50747 0880574.857E9..7.424J6:/46:0.:/.3/4 . /..079.. 80.2039...  -09./4J6:/40890.424 5705.03905.4:20F .0/20394 :2543942:9425479.44.390  6:0 F .8 8:-893.39/. .-47.3/4 .4:20 . 5509. 5H7.8 . 80.7 :2.5509.1.947.8../0/0.8    #08:9.9. /8934 6:0 ..0.8 0 /0.807:9.4:2F97. 5484.477.7 48:1..9F 208248:.0/48448 0./08:.24790   0548/05705./.390 .97.8 0850. 3.09.8 .5509.8 6:0 54/02 807 2.705708039.42 4 .3:804 /.03/4 0397.9/4 348 574. 80.07..42 4 /0/4 3/.3.2.8 /0 2.34574.84 0..6:.. 4 .7.47.0 2   . 2.07 02-7. 5./4 802570 4 20824  /0548 .7 ./.-47.. 802 907 570:J4 0.43./.2.0/20394507290907.42 088.439.794./48. 80./.8075509.3. 807 97.6:.477094 2./0/0J6:/4./48/...4076:. 80 .1..-079:7...2-039.02 .

0 80802570:8.470. /.42 :2 5..70/0 39073.42 .85509.4 0 2094/4O.8F1:3/. 903.34/:74J6:/4 4.5509./0 2.75509. 5509.947.8 5509.3.50390 /0893.02  4 97.0807097.390  3:3..4. 884F109403.880..7E 3.85.3/446:/4F/0850.0884 6:0 1. /08./454708800.84/0 5509. 5.50390 .47/0. 0 :2.34/0.0390 5./74  ./4 46:07089.8 8:. 2.7.-/.907.438/07.78:.8.8897. /.4390.3.9.4:2F97./4 E.70/0 09073.7..8831.8. 232. 80 08803.47 807E 4 0. /08.2-F2F25479..8 2.9:70.J/4 4:8457.7.   0548 /0 80 907 4 .7 /03974/. :394  5.-. 6:0 4 . /4 70.5509./0 .424  547 00254  .. 5509.42:27.-47.075.02 57F./483480507203948.4 5509..  44 884 7E 701097 34 2420394 /./47/4./4 F25479.0884 .-076:.:84    26:.484  6:././..439740 57E9.70/0 39073.7.8 348 17.489.   %.48 6:J2.48/./. 34 84-703.4397E74.7. 9F.2039.8 .5509.0:89.9F43J.3.6:07..203904.438/07.08 50.. /4 J6:/4  80 J6:/4 147 .50 .94789.2 84:08 4: 70.4:84/05509.4050720394.8 5509.8..-47.8.6:01.8  0394 .4.9.8O897./070390 .. /4 J6:/4 F . 5509./0090384 8:5071.7 039.43903.4380E..4390/4/. 3974/:7 5509.8 /.0 5.8 57E9.48 6:0 .49.078.8         .0 80 4 J6:/4 .85.5.70/0/470.8.: 2.8 706:07 ..38107/480.0/080.. /0 5509.:2. 507109.8     :84 .8.20390.8 /0 90384 8:5071.7 574-02./4 . .4 ..431.3908.089H3.8 3472..3907024.8 7085438E..42 0880 954 /0 3897:20394  547 6:0 84 ./.8802/08.9O74/0038344:5086:8. 392/.4:2097.5509. ./743./0/:.4 0 5:748  /0. 70.:4 17.8 20//.76:04.50390    43..0. 5509.820//.6:06:.4 /0 94/.3/4 08.9.3/4.439F2 /05O894 /0 84:94  3974/:7 .80.-847..92.394 2./4J6:/43.0-07 4 J6:/4  /0.8 7E5/.86:05488:02:2.44./..5. 5509.89F. :2.8 . .8 /0.-47..8/48J6:/48:9. 5. 7024.3.9O7454/0:8.5439./06:. 800394.74807748089039083.8./4 /.5509.7 84:08 .80:/.3.-47.

.039J1.9..8-42F/.47:. /0 3. 3.9O74 /0 5086:8. 0 02039.0.:4 /.7./ 7893../4# 44.399./47  ":J2../4 $ #  48F $.897. .9  .3.07 3899:94...:E/0%0.4 .    #     ##  ./. ":..344. 02 .3:....7/ :.0 !47940707920/      .     995.7   0/4  $4 !.J9...748/0   8.-47. .

.

59 50/. 47.

.

  ½ $$ °€ ¾nf n¯$¯f f¾ f f$½½ f$    .!509.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful