Você está na página 1de 11

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

Referências bibliográficas

INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto – curso prático de leitura e redação. São Paulo:

Scipione, 1998, p. 214-218; 230; 240; 252; 260; 270.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Esquema do ato de comunicação . Fonte: INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático
Esquema do ato de comunicação
.
Fonte:
INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. 5 ed. São Paulo: Scipione, 1998, p. 17.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Funções da linguagem

Função metalingüística Função poética Função expressiva ou emotiva Função conativa ou apelativa .
Função metalingüística
Função poética
Função
expressiva ou
emotiva
Função conativa
ou apelativa
.
Fonte:
INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. 5 ed. São Paulo: Scipione, 1998, p. 17.

Função referencial

Função fática

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Fonte: Capa do jornal O Estado de S. Paulo. Disponível em http://www.newseu m.org/media/dfp/pd

f24/BRA_OE.pdf.

Acesso em 24 de fevereiro de 2006.

Observação: o site indicado é uma ótima fonte de pesquisa. Nele, diariamente, são reproduzidas capas de jornais de cerca de 140 países.

reproduzidas capas de jornais de cerca de 140 países. Função Referencial Trata-se do uso da linguagem

Função Referencial

de jornais de cerca de 140 países. Função Referencial Trata-se do uso da linguagem com a

Trata-se do uso da linguagem com a finalidade de transmitir informações, expor situações. Ela se caracteriza pela tentativa de produzir uma mensagem mais objetiva. Por isso, ela está muito presente em textos jornalísticos e científicos.

Nesta função, destaca-se o emprego de pronomes e verbos de 3ª pessoa.

No texto jornalístico, ela será predominante, pois sua intenção principal é informar o público sobre fatos e acontecimentos.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Função Expressiva ou Emotiva

O que caracteriza esta função é o emprego da linguagem para expressar opiniões e/ou sentimentos do emissor.

Ela vai se evidenciar, mais claramente, pelo uso de pronomes e verbos de 1ª pessoa. Porém, muitas vezes, isso não ocorre.

Nos textos jornalísticos, esta função é muito utilizada nos editoriais

(porque emitem a opinião do jornal); nos textos assinados por colunistas e críticos de cinema, música, teatro etc. e nas charges (trata-se da opinião do chargista sobre um determinado fato).

TETO DE VIDRO Buemba! Vou passar um Carnaval acústico! E esse ano eu vou PULAR
TETO DE VIDRO
Buemba! Vou passar um Carnaval acústico!
E esse ano eu vou PULAR o Carnaval.
O presidente do Supremo Tribunal Federal e do
Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Nelson
Jobim, adotou como prioridade aprovar resolução que
Literalmente. Vou dormir hoje à noite e só
acordar Quarta-Feira de Cinzas. Pulei o
garanta desconto nos salários de quem, no Judiciário,
receba mais do que o teto do funcionalismo público. A
norma deve ser votada até 15 de março pelo CNJ e
decerto vai deflagrar uma disputa corporativa tão
renhida quanto aquela gerada pela resolução contra a
contratação de parentes.
Carnaval. Vou passar um Carnaval acústico.
Unplugged! Não vou atrás do trio elétrico. Não
quero nada elétrico. Porque na Bahia é assim:
você liga o liquidificador e sai todo mundo
correndo atrás pensando que é trio elétrico! É
mole? É mole, mas sobe! Ou como diz o outro:
A iniciativa é muito bem-vinda. A medida tem
é duro, mas desce!
O ano passado eu pulei tanto que quase botei

como alvo os servidores da Justiça que oneram os cofres públicos com supersaláros. Pela Constituição, o vencimento mensal de um ministro do STF (R$ 24,5 mil) corresponde ao teto do funcionalismo. Os desembargadores podem receber até 90,2% desse valor. Mas são abundantes os magistrados que encontram brechas para manter o privilégio. Há casos extremos de vencimentos superiores a R$ 50 mil. Não por acaso, Tribunais de Justiça relutam em enviar ao STF planilhas com a composição dos salários bem como a justificativa legal para terem sido estipulados.

um ovo. Aliás, no Nordeste todo é assim: de tanto que pulam acabam botando ovo. Ovo elétrico! E eu vou sair no Bloco de Paulista: o Blockbuster. Sábado de aleluia na videolocadora. Vou passar um Carnaval trepidante: vou alugar nove fitas. Rarará! Enfim, chegou o Carnaval. De hoje em diante É PROIBIDO PENSAR!

Fonte: Trecho do texto de José Simão publicado no jornal Folha de S. Paulo, de
Fonte: Trecho do texto de José Simão publicado no jornal
Folha de S. Paulo, de 24 de fevereiro de 2006, p. E.9.
Folha de S. Paulo, de 24 de fevereiro de 2006, p. E.9. Fonte: Trecho de Editorial

Fonte: Trecho de Editorial publicado no jornal Folha de S. Paulo, de 24 de fevereiro de 2006, p. A2.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Fonte: Capa do Jornal da Tarde. http://www.jt.com.br/

editorias/2006/02/24.

Acesso em 24 de fevereiro de 2006.

editorias/2006/02/24 . Acesso em 24 de fevereiro de 2006. Função Conativa ou Apelativa A linguagem é

Função Conativa ou Apelativa

A linguagem é trabalhada com o objetivo de persuadir o destinatário. Ou seja, fazer com que ele atenda aos interesses do emissor.

A marca mais evidente desta função é o emprego de pronomes e verbos da 2ª pessoa. Todavia, muitas vezes, isso não ocorre.

Esta função sempre é predominante no texto publicitário. No jornal, ela estará presente, principalmente, nas capas de jornais, de revistas, de boletins etc.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Comunicação e linguagens Carlos Straccia Função Fática Nesta função, a linguagem é empregada com a intenção
Comunicação e linguagens Carlos Straccia Função Fática Nesta função, a linguagem é empregada com a intenção

Função Fática

Nesta função, a linguagem é empregada com a intenção de, primeiramente, despertar a atenção do seu destinatário e depois, manter contato com ele. Ou seja, manter o canal aberto.

Esta função se apresenta de diferentes formas: ruídos, falar alto, repetição, música, recursos gráficos (tais como, tamanho da fonte, cores etc.).

Como a maior dificuldade do emissor é conseguir despertar a atenção do receptor, torna-se uma função muito utilizada em textos da comunicação de massa.

Fonte: página de abertura de matéria assinada por Eurico Andrade. Publicada na Revista Realidade, ano II, n. 18, setembro de 1967, p. 159.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Função Metalingüística

JORNALISMO ECONÔMICO

Quelle língua ist this one?

Rolf Kuntz

Dólar opera? PIB registra? Por que case em vez de "caso"? Câmbio tem stress? A soja é responsável?

A linguagem do jornalismo econômico é muito estranha, sim, e não por causa do famigerado economês. O idioma dos cadernos de Economia é muito menos técnico do que se diz. É infinitamente mais próximo da fala comum do que o código usado em matérias sobre turfe, tênis ou informática – sem falar, naturalmente, nos magníficos artigos sobre conjuntos musicais de garagem. O problema do material econômico não é a especialização, mas a deformidade. A linguagem é feia e repleta de vícios. É um produto da combinação da preguiça, principalmente dos chefes, com a precária formação dos jovens profissionais.

es, com a precária f ormação dos jovens profissionais. O corre quando a linguagem é u

Ocorre quando a linguagem é utilizada para falar da própria linguagem. Ou seja o código é empregado para explicar, definir ou fazer referência ao próprio código.

O exemplo mais evidente dessa função é o dicionário. Mas ela está presente em muitas situações do cotidiano.

No caso do texto jornalístico, isso acontece quando se faz referência à própria produção do jornal. Como, por exemplo, na coluna do ombusdman ou na coluna erramos.

Fonte: Trecho de texto disponível em http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=369IMQ001. Acesso em 24 de fevereiro de 2006. Uso didático do texto.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

Fonte: página de abertura de ensaio fotográfico de Cláudia Andujar. Publicado na Revista Realidade, ano

n. 18,

setembro de 1967, p. 148.

II,

Realidade , ano n. 18, setembro de 1967, p. 148. II, Função Poética É o emprego

Função Poética

É o emprego da linguagem concentrada na

mensagem. Isto é, a intenção é apresentar

o conteúdo por meio de uma forma que

atraía o destinatário. Por isso, ela também

recebe o nome de função estética.

O destinatário. O
O
destinatário.
O

que a caracteriza é a novidade, criar

efeitos que provoquem o senso estético do

texto jornalístico recorre com freqüência

a esta função como forma de causar um certo estranhamento sobre o receptor. Isso ocorre nos títulos das matérias, nas chamadas de telejornal ou de radiojornal, na seleção e arranjo das imagens.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

“O estudo das funções da linguagem é muito importante para percebermos as diferenças e semelhanças existentes entre os vários tipos de mensagem. Analisando o modo como essas funções se organizam nos textos alheios, podemos detectar as finalidades que orientaram sua elaboração. Aplicando-as em nosso próprios textos, podemos planejar o que escrevemos, de modo a fortalecer a eficácia e a expressividade das mensagens.” (INFANTE, 1998, p. 217)

Deve-se destacar, ainda, que nas mensagens, raramente, é utilizada apenas uma função da linguagem. Quase sempre, há várias funções presentes. Contudo, sempre haverá uma predominante. Essa função predominante será determinada de acordo com a finalidade com que a mensagem foi elaborada.

Por esse motivo, nos textos jornalísticos, a função referencial prevalecerá sobre as outras. Porém não se deve ignorar a presença das demais funções como forma de atrair o público e de manter-se em contato permanente com ele.

Comunicação e linguagens

Carlos Straccia

C omunicação e linguagens Carlos Straccia Fonte: http://esportes.terra.com.br/futebol/copadasconfederacoes2005/int

Fonte:

http://esportes.terra.com.br/futebol/copadasconfederacoes2005/int

erna/0,,OI574013-EI5024,00.html. Acesso em 24 de fevereiro de

2006.

Diário argentino Olé simulou uma falha de impressão em sua capa: "Por razões técnicas, esta página não pôde ser impressa. Desculpem, até amanhã"