Você está na página 1de 35

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

1

INTRODUÇÃO:

Este módulo aborda as funções e deveres do Despachante Aduaneiro junto aos órgãos anuentes que fiscalizam as Exportações brasileiras para os demais países do mundo, com o objetivo de qualificação profissional para função do Despacho Aduaneiro junto a Aduana brasileira.

INDICE:

Câmbio;

Despacho Aduaneiro de Exportação;

Documentos do Despacho de Exportação;

Etapas do Despacho;

Passo a Passo do Processo de Despacho Aduaneiro de Exportação;

CÂMBIO.

Câmbio é toda operação em que há troca de moeda nacional por moeda estrangeira ou vice-versa, desta forma a cobertura câmbial acima citada apresenta-se como cobertura de moeda, ou seja, uma negociação internacional coberta por moeda acordada entre as partes, exportador e importador.

Despacho Aduaneiro de Exportação

O despacho aduaneiro de mercadorias na exportação é o procedimento fiscal

mediante o qual é verificada a exatidão dos dados declarados pelo exportador em

relação às mercadorias, aos documentos apresentados e à legislação específica, com vistas a seu desembaraço e a sua saída para o exterior.

Toda mercadoria destinada ao exterior, inclusive aquela admitida temporariamente e reexportada, está sujeita a despacho de exportação, que é realizado com base em declaração apresentada à unidade aduaneira que jurisdicione o local de conferência e desembaraço da mercadoria a ser exportada.

Em geral, o despacho de exportação é processado por meio de Declaração de Exportação (DE), registrada no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), tendo a si vinculado um ou mais Registros de Exportação (RE) nos termos da Instrução Normativa SRF nº 28/94. Entretanto, em algumas situações, o exportador pode optar pelo despacho aduaneiro simplificado, que pode se dar por meio do Siscomex ou por formulários, conforme o caso.

Assim, antes de iniciar a sua operação de exportação, o interessado deve verificar

se a sua habilitação para utilizar o Siscomex será necessária e se ela se encontra

em vigor.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

2

INÍCIO DA OPERAÇÃO DE EXPORTAÇÃO.

A operação de exportação, no Siscomex, inicia-se pela fase

administrativa/comercial, controlada pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Esse controle é composto de três operações principais realizadas no sistema:

a) Registro de Venda (RV);

b) Registro de Crédito (RC);

c) Registro de Exportação (RE).

As instruções para o correto preenchimento dos RV, RC e RE estão disponíveis no

próprio sistema, podendo ser consultadas por qualquer operador devidamente habilitado pela SRF ou por instituição financeira integrante do Sistema de Informações do Banco Central do Brasil (Sisbacen).

O Registro de Venda (RV) é o conjunto de informações que caracterizam a

operação de exportação de produtos negociados em bolsas internacionais de mercadorias ou de commodities, por meio de enquadramento específico. O preenchimento do RV é prévio ao Registro de Exportação (RE) a que ele se vincula e, por conseqüência, anterior ao embarque da mercadoria.

Os

produtos sujeitos a RV constam na Portaria Secex nº 36/07.

O

Registro de Crédito (RC) representa o conjunto de informações de caráter

cambial e financeiro relativo à exportação financiada. É obrigatório para operações

com prazo de pagamento superior a 180 dias e, com prazos iguais ou inferiores,

sempre que houver incidência de juros.

O RC tem um prazo de validade para embarque, dentro do qual devem ser

efetuados os correspondentes REs a ele vinculados e respectivas solicitações para

desembaraço aduaneiro. Como regra geral, o exportador deve solicitar o RC e obter

o seu deferimento antes do RE e, por conseqüência, previamente ao embarque da mercadoria.

O Registro de Exportação (RE) é o conjunto de informações de natureza comercial, financeira, cambial e fiscal que caracterizam a operação de exportação de uma mercadoria e definem o seu enquadramento. Deve ser obtido previamente à Declaração de Exportação (DE). É nesta fase que é realizado o chamado tratamento administrativo da exportação.

Obter o RE é o passo inicial da grande maioria das operações de exportação. As tabelas com os códigos utilizados no seu preenchimento estão disponíveis no próprio Siscomex e no sítio na Internet do Ministério do Desenvolvimento, Indústria

e Comércio Exterior (MDIC).

Uma vez concluído o seu preenchimento, o RE passará à situação "Efetivado" ou,

no caso de existência de tratamento administrativo, "Pendente de Efetivação",

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

3

quando então será analisado pela Secex e/ou por algum outro órgão governamental, até ser efetivado, estando então disponível para ser vinculado a uma declaração de exportação (DE).

Quais Mercadorias sujeitam-se ao Despacho?

Todas, sem exceção. Inclusive aquelas que tenham sido importadas em caráter não definitivo, como às exportações temporárias.

Documentos Necessários para o Despacho de Exportação:

Nota Fiscal

a) A nota fiscal é um documento fiscal e que tem por fim o registro de uma transferência de propriedade sobre um bem ou uma atividade comercial prestada por uma empresa e uma pessoa física ou outra empresa. Nas situações em que a nota fiscal registra transferência de valor monetário entre as partes, a nota fiscal também destina-se ao recolhimento de impostos e a não utilização caracteriza sonegação fiscal. Entretanto, as notas fiscais podem também ser utilizadas em contextos mais amplos como na regularização de doações, transporte de bens, empréstimos de bens, ou prestação de serviços sem benefício financeiro á empresa emissora. Uma nota fiscal também pode cancelar a validade de outra nota fiscal, como por exemplo na devolução de produtos ou cancelamento de contratos de serviços.

Vide Modelo de Nota Fiscal na próxima página:

serviços. Vide Modelo de Nota Fiscal na próxima página: EMMA MAERSK, MAIOR NAVIO DE CONTAINERES DO

EMMA MAERSK, MAIOR NAVIO DE CONTAINERES DO MUNDO NA ATUALIDADE.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

4

NOTA FISCAL Nº FULANO DE TAL LTDA. NOME / RAZÃO SOCIAL X SAÍDA ENTRADA 000.001
NOTA
FISCAL
FULANO DE TAL LTDA.
NOME / RAZÃO SOCIAL
X
SAÍDA
ENTRADA
000.001
Fulano de Tal Ltda.
ENDEREÇO
BAIRRO/DISTRITO
Rua A, N° 1.000
Centro
MUNICÍPIO
ITAJAÍ
FONE / FAX
47- 0000 – 0000
UF
1ª VIA
SC
CEP
DESTINATÁRIO /
88.300-000
CGC
REMETENTE
NATUREZA DA OPERAÇÃO
CFOP
INSCRIÇÃO ESTADUAL DO SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO
INSCRIÇÃO ESTADUAL
VENDA DE PRODUTO PARA EXPORTAÇÃO
7.101
DATA LIMITE PARA
EMISSÃO
DESTINATÁRIO REMETENTE
NOME / RAZÃO SOCIAL
CGC / CPF
DATA DA EMISSÃO
ENDEREÇO
BAIRRO / DISTRITO
CEP
DATA DA SAÍDA / ENTRADA
-------------------------
MUNICÍPIO
FONE / FAX
UF
INSCRIÇÃO ESTADUAL
HORA DA SAÍDA
DADOS
DO PRODUTO

CÓDIGO

DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS

CLASSIFIC.

SITUAÇÃO

UNIDADE

QUANTIDADE

VALOR UNITÁRIO

VALOR TOTAL

ALÍQUOTAS

VALOR DO

IPI

PRODUTO

FISCAL

TRIBUTÁRIA

ICMS

IPI

CÁLCULO DO IMPOSTO

BASE DE CÁLCULO DO ICMS VALOR DO ICMS BASE DE CÁLCULO ICMS SUBSTITUIÇÃO VALOR DO
BASE DE CÁLCULO DO ICMS
VALOR DO ICMS
BASE DE CÁLCULO ICMS SUBSTITUIÇÃO
VALOR DO ICMS SUBSTITUIÇÃO
VALOR TOTAL DOS PRODUTOS
0,00
0,00
0,00
0,00
VALOR DO FRETE
VALOR DO SEGURO
OUTRAS DESPESAS ASSESSÓRIAS
VALOR TOTAL DO IPI
VALOR TOTAL DA NOTA
0,00
0,00
0,00
TRANSPORTADOR / VOLUMES TRANSPORTADOS
NOME / RAZÃO SOCIAL
FRETE POR CONTA
PLACA DO VEÍCULO
UF
CGC / CPF
1
EMITENTE
2
DESTINATÁRIO
ENDEREÇO
MUNICÍPIO
UF
INSCRIÇÃO ESTADUAL
QUANTIDADE
ESPÉCIE
MARCA
NÚMERO
PESO BRUTO
PESO LÍQUIDO
DADOS ADICIONAIS
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
RESERVADO AO FISCO
NÃO
INCIDENCIA
DE
ICMS
CONF.
ART
6
INCISO
II
DO
DECRETO
Nº DE CONTROLE
DO FORMULÁRIO
2870/2001 RICMS/SC.
000.001
DADOS DA AIDF E DO IMPRESSOR
AUTENTICAÇÃO MECÂNICA
RECEBEMOS DE (RAZÃO SOCIAL DO EMITENTE) OS PRODUTOS CONSTANTES DA NOTA FISCAL AO
LADO
NOTA FISCAL
000.001
DATA DO RECEBIMENTO
IDENTIFICAÇÃO E ASSINATURA DO RECEBEDOR

Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro Sob Registro 9D.02.668).

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

5

PRO-FORMA INVOICE (FATURA PRO-FORMA):

a) É um documento de responsabilidade do exportador, emitido a pedido do importador, para que este providencie a licença de importação, dentre outras providências. Este documento é o modelo de contrato mais frequente, formaliza e confirma a negociação, desde que devolvido ao exportador, contendo o aceite do importador para as especificações contidas. b) Este documento não gera obrigações de pagamento por parte do importador. A fatura Pro-forma deve ser emitida no idioma do país importador ou em inglês.

Abaixo modelo de Pro-Forma Invoice:

ou em inglês. Abaixo modelo de Pro-Forma Invoice: Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

6

Commercial Invoice (Fatura Comercial):

a) É o documento internacional, emitido pelo exportador que, no âmbito externo, equivale à Nota Fiscal, cuja validade começa a partir da saída da mercadoria do território nacional e é imprescindível para o importador desembaraçar a mercadoria em seu país.

Abaixo modelo de Commercial Invoice:

em seu país. Abaixo modelo de Commercial Invoice: Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

7

Romaneio de Transporte / Packing List (Lista de Embalagem):

a) Deve ser emitido pelo exportador. É necessário para o desembaraço da mercadoria e para orientação do importador quando da chegada dos produtos no país de destino. Na verdade, é uma simples relação, indicando os volumes a serem embarcados e respectivos conteúdos.

Abaixo modelo de Packing List:

e respectivos conteúdos. Abaixo modelo de Packing List: Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

8

Conhecimento de Embarque (AWB, B/L, CRT):

a) AWB - Conhecimento aéreo (AWB) ou ar expedição refere-se a um recibo emitido por uma empresa de courier internacional de bens e uma prova do contrato de transporte.

Abaixo modelo AWB:

e uma prova do contrato de transporte. Abaixo modelo AWB: Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

9

b) BILL OF LADING - Um conhecimento de embarque (por vezes referido como BL) é um documento emitido por um transportador a um carregador, reconhecendo que determinados bens foram recebidos a bordo como carga para o transporte de uma chamada local, para a entrega ao destinatário que normalmente é identificado.

Abaixo modelo de Bill of Lading (BL):

é identificado. Abaixo modelo de Bill of Lading (BL): Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

10

c) CRT – Conhecimento Rodoviário de Transporte (também conhecido pelas abreviaturas CTRC ou CTO) é um documento fiscal emitido pelas transportadoras de cargas para acobertar as mercadorias entre a localidade de origem e o destinatário da carga. Para a própria empresa transportadora, esse documento é a sua nota fiscal, ou seja, é o documento oficial usado para contabilizar as receitas e efetivar o faturamento.

Abaixo modelo CRT:

as receitas e efetivar o faturamento. Abaixo modelo CRT: Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

Telas do Registro de Exportação.

11

a) Documento preenchido eletronicamente no SISCOMEX (Sistema Integrado de Comércio Exterior), diretamente pelo exportador ou pelo seu representante legal. Destina-se ao registro da operação para fins do gerenciamento governamentais na área comercial, fiscal, cambial e aduaneira.

Abaixo Modelo de RE:

SISBACEN 85015-5137/429688109

S

I

S

C

O

M

E

X

TRANSACAO PCEX300 REGISTRO DE OPERACOES DE EXPORTACAO --------------- PCEX501A - INCLUSAO DE REGISTRO DE EXPORTACAO

NUMERO-REGISTRO:

01-EXPORTADOR:

a-CGC/CPF

b-NOME DO EXPORTADOR:

:

01234567000100

02-ENQUADRAMENTO DA OPERACAO:

DATA-REGISTRO

01/01/2009 00:00

MCEX501A

--------------

:

01/01/2009

a-CODIGO

:

b-NUM DO RV

:

f-DATA LIMITE

:

c-NUM DO RC

:

g-MARGEM NAO SACADA % :

d-GE/DE/RE VINCULADO:

h-NUM DO PROCESSO

:

e-DI/RI VINCULADO

:

03-UNIDADE RF DESPACHO:

04-UNIDADE RF EMBARQUE:

05-IMPORTADOR:

a-NOME

:

b-ENDERECO

:

c-PAIS

:

-------------------------------------------------------------------------------

ENTRA=SEGUE

PF9/21=TRANSACAO

PF8/20=ATUALIZA

PF2/14=CORRIGE

PF3/15=RETORNA

PF12/24=ENCERRA

PF1/13=SOS

====================================================================================

SISBACEN 85015-5137/429688109

NUMERO DO RE:

/

-

X

TRANSACAO PCEX300 REGISTRO DE OPERACOES DE EXPORTACAO --------------- PCEX501B - INCLUSAO DE REGISTRO EXPORTACAO

S

I

S

C

O

M

E

MCEX501B

-------------- DATA-REGISTRO: 01/01/2009

01/01/09 00:00

06-PAIS DE DESTINO FINAL

07-INSTRUMENTO DE NEGOCIACAO.:

:

08-CODIGO CONDICAO VENDA

:

09-ESQUEMA DE PAGAMENTO TOTAL:

(calculado)

a-MODALIDADE TRANSACAO

:

b-MOEDA

:

c-VALOR PAGTO ANTECIPADO

:

d-VALOR PAGTO A VISTA

:

e-NUMERO PARCELAS

:

g-INDICADOR

:

_ (D ou M)

f-PERIODICIDADE

:

h-VALOR DA PARCELA

:

i-VALOR MARGEM NAO SACADA.:

(calculado)

j-VALOR EM CONSIGNACAO

l-VALOR S/COBERTURA CAMBIO:

:

:

m-VALOR FINANCIAMENTO RC

-------------------------------------------------------------------------------

ENTRA=SEGUE

PF9/21=TRANSACAO

PF8/20=ATUALIZA

PF1/13=SOS

PF2/14=CORRIGE

PF6/18=MENU

PF3/15=RETORNA

PF12/24=ENCERRA

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

12

01/01/09 00:00

TRANSACAO PCEX300 REGISTRO DE OPERACOES DE EXPORTACAO MCEX501C --------------

DATA-REGISTRO: 01/01/2009

10-CODIGOS DA MERCADORIA:

SISBACEN 85015-5137/429688109

S

I

S

C

O

M

E

X

--------------- PCEX501C - INCLUSAO DE REGISTRO DE EXPORTACAO

NUMERO DO RE:

/

-

a-NCM.:

-

b-NALADI/SH

:

11-DESCRICAO DA MERCADORIA:

12-CATEGORIA TEXTIL:

13-ESTADO PRODUTOR.:

-------------------------------------------------------------------------------

ENTRA=SEGUE

PF9/21=TRANSACAO

PF8/20=ATUALIZA

PF1/13=SOS

PF2/14=CORRIGE

PF6/18=MENU

PF3/15=RETORNA

PF12/24=ENCERRA

=====================================================================================

01/01/09 00:00

TRANSACAO PCEX300 REGISTRO DE OPERACOES DE EXPORTACAO MCEX501D --------------

--------------- PCEX501D - INCLUSAO DE REGISTRO DE EXPORTACAO

SISBACEN 85015-5137/429688109

S

I

S

C

O

M

E

X

NUMERO DO RE:

/

-

VALOR TOTAL DA EXPORTACAO

VALOR TOTAL MERCADORIAS INCLUIDAS:

:

DATA-REGISTRO: 01/01/2009

14-VALIDADE EMBARQUE.: 15-PESO LIQUIDO (KG).:

16-QUANTIDADE E UNIDADE DE MEDIDA NA COMERCIALIZACAO:

a-QUANTIDADE

:

b-UNIDADE

17-QUANTIDADE NA UNIDADE DE MEDIDA DA MERCADORIA:

:

(Preencher se diferente KG)

a-QUANTIDADE 18-PRECO TOTAL

:

a-CONDICAO VENDA

:

b-LOCAL EMBARQUE.:

19-PRECO UNITARIO NAS UNIDADES DE MEDIDA DE COMERCIALIZACAO E DA MERCADORIA

a-CONDICAO VENDA

:

:

(Calculado)

b-LOCAL EMBARQUE 20-COMISSAO DO AGENTE

(Calculado)

a- _0.00 % b-FORMA: _ (G, F ou R)

c-VALOR:

0.00

(Calculado)

21-FINALIDADE

22-O EXPORTADOR E' O FABRICANTE .: _ (S/N) 23-OBSERVACAO DO EXPORTADOR: _ (S/N)

-------------------------------------------------------------------------------

ENTRA=SEGUE PF8/20=ATUALIZA PF2/14=CORRIGE PF6/18=MENU PF3/15=RETORNA

PF9/21=TRANSACAO PF1/13=SOS

PF12/24=ENCERRA

:

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

13

Declaração de despacho de Exportação, ou Solicitação de Despacho. – DDE / SD.

A formulação da Declaração de Exportação (DE) inicia o despacho aduaneiro de exportação, que é processado, na forma estabelecida na IN SRF n o 28/94, por meio do Siscomex.

Por meio da DE o exportador informa os Registros de Exportação (RE), já efetivados, que serão submetidos a despacho e, conseqüentemente, as mercadorias que ele pretende destinar ao exterior

Modelo de DDE ou SD:

SISCOMEX - EXPORTACAO DECLARACAO PARA DESPACHO DE EXPORTACAO

------------------------------------------------------------------------------

CNPJ/CPF EXPORTADOR: 12.345.678/0001-00

01/01/2009 00:00 JA

CGC/CPF REPRESENTANTE LEGAL: 041.058.999/37 MAGNUM MICHEL SANTANA VIA DE TRANSPORTE INTERNACIONAL:

TOTAL PESO LIQUIDO DOS R.E. DO DESPACHO

(KG):

,

TOTAL PESO BRUTO DO DESPACHO

(KG):

,

TOTAL COND. VENDA DOS R.E. DO DESPACHO(NA MOEDA NEG.):

,

NRO(S). DE R.E. (QUANDO HOUVER INTERESSE, INFORMAR POR FAIXA):

/

-

A

/

-

A

/

-

A

/

-

A

------------------------------------------------------------------------------

PF3 - MENU ANTERIOR

ENTER - CONTINUA

? - AJUDA

SISCOMEX - EXPORTACAO DECLARACAO PARA DESPACHO DE EXPORTACAO

------------------------------------------------------------------------------

NRO. DESPACHO:

12.345.678/0001-00

UNIDADE R.F. DE DESPACHO:

VIA:

01/01/2009 00:00 JB

/_

UNIDADE R.F. DE EMBARQUE:

QTDE. ESTABELECIMENTOS PARTICIPANTES DO DESPACHO:

/ _

DESPACHO POSTERIORI _

- NRO. SOLICITACAO DESPACHO EM LOCAL NAO ALFANDEGADO:

IDENTIFICACAO DO VEICULO TRANSPORTADOR:

INFORME S/N : DESPACHO DE CARGA FRACIONADA _

VOLUMES:

QTDE. TOTAL:

ESPECIE

QUANTIDADE

MARCACAO

------------------------------------------------------------------------------

PF3 - MENU ANTERIOR

ENTER - CONTINUA

? - AJUDA

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

14

SISCOMEX - EXPORTACAO DECLARACAO PARA DESPACHO DE EXPORTACAO

------------------------------------------------------------------------------

NRO. DESPACHO:

12.345.678/0001-00

UNIDADE R.F. DE DESPACHO:

01/01/2009 00:00 JC

/_

UNIDADE R.F. DE EMBARQUE:

NOTAS FISCAIS POR ESTABELECIMENTO. QTDE. ESTABELECIMENTO INFORMADO: 01

ESTABELECIMENTO - 1 / 01 -

12.345.678 /

NRO. NOTA FISCAL / SERIE A A A A A A A A A A

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

------------------------------------------------------------------------------

PF3 - MENU ANTERIOR

ENTER - CONTINUA

? - AJUDA

Outros Documentos que podem ser solicitados pelo Importador na Exportação:

Certificado de Origem:

a) É o documento providenciado pelo exportador. É emitido pelas Federações de Agricultura, da Indústria e do Comércio, por Associações Comerciais, Centros e Câmaras de Comércio. O importador o utiliza para comprovação da origem da mercadoria e habilitação à isenção ou redução do imposto de importação, em decorrência de disposições previstas em acordos internacionais, ou em cumprimento de exigências impostas pela legislação do país de destino. Os certificados de Origem são fornecidos mediante a apresentação de cópia da Fatura Comercial e documentos de análise previstos em cada acordo internacional.

Modelo de Certificado de Origem:

Vide próxima página!

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

15

EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO. 15 Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

• Certificado Fitossanitário:

16

Certifica as condições sanitárias e de salubridade dos produtos.

Modelo de Fitossanitário:

e de salubridade dos produtos. Modelo de Fitossanitário: Obs.: O Certificado fitossanitário é emitido pelo

Obs.: O Certificado fitossanitário é emitido pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), pois o mesmo tem a finalidade de certificar mercadorias de origem vegetal.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

• Certificado de Qualidade:

Atesta a qualidade do produto exportado.

17

Obs.: Este Certificado é um documento emitido pelo exportador se for uma exigência do Importador em sua lista de documentos, desta forma, cada exportador possui o seu devido modelo.

• Certificado de Inspeção:

Certifica que foi realizada a inspeção da mercadoria antes do embarque e as boas condições desta.

Abaixo modelo de Certificado de Inspeção da Certificadora Boureal Veritas:

Certificado de Inspeção da Certificadora Boureal Veritas: Obs.: A Boureal Veritas é uma empresa de Certificação

Obs.: A Boureal Veritas é uma empresa de Certificação através de inspeções físicas da carga, que certifica ao importador caso o mesmo solicite em sua lista de documentos um certificado que conste a real carga que está inclusa no Container ou qualquer outro objeto de acondicionamento.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

18

Etapas do Despacho (Simulação de um Processo de Exportação do início ao Fim):

1. Representante Legal do Exportador.

A

primeira exportação entre o Despachante Aduaneiro e o Exportador inicia-se com

o

cadastro no sistema RADAR Comercial, sistema este que o exportador deve estar

cadastrado para poder incluir neste sistema o Despachante Aduaneiro como seu Representante Legal.

Abaixo segue uma prévia sobre o significado do sistema Radar Comercial para Leitura extra-classe:

Sistema Radar

Foi disponibilizado em 21 de agosto de 2002, para todas as Unidades Aduaneiras da SRF, o acesso ao sistema Ambiente de Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros (RADAR).

A concepção geral do sistema objetiva disponibilizar, em tempo real, informações

de natureza aduaneira, contábil e fiscal que permitam à fiscalização identificar o comportamento e inferir o perfil de risco dos diversos agentes relacionados ao comércio exterior, tornando-se uma ferramenta fundamental no combate às fraudes.

Após a Inclusão no Sistema Radar Comercial o Exportador deve emitir uma procuração dando poderes ao Despachante Aduaneiro para representá-lo junto aos órgãos anuentes cujo envolvem todo o Processo Aduaneiro.

Com a Representação pronta e o Despachante Aduaneiro já cadastrado no Radar iniciam-se os trabalhos com um e-mail enviado pelo exportador ao seu Despachante Aduaneiro (Representante Legal), Com a Fatura Pro-forma já finalizada na negociação entre Exportador e Importador.

2. Preenchendo uma Commercial Invoice e um Packing List:

Agora com a Fatura Pro-forma em mãos vamos através dos dados listados nela preencher a Fatura Comercial e o Packing List.

O nome do importador, seguido de seu endereço completo são copiados da pro- forma, feito isso passamos aos valores, quantidades e pesos da mercadoria a ser exportada, cujo pode gerar alguns cálculos para chegarmos aos devidos totais. Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro Sob Registro 9D.02.668).

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

19

Ainda na Commercial Invoice temos que lançar os dados cambiais, que são a condição de venda da mercadoria que para exportação são definidas em três partes:

Advance, Pagamento antecipado.

At order, Pagamento á vista.

Payment Term, 30 – 60 – 90 days, Pagamento a prazo de 30, 60 ou 90 dias.

Após a informação da condição de pagamento na venda da mercadoria, deve-se

informar o Incoterm (Exemplo, FOB, CIF, CFR

).

Abaixo prévia do significado de Incoterm para leitura extra-classe.

Incoterms (International Commercial Terms) são uma série de termos de vendas internacionais amplamente utilizados em todo o mundo. Eles definem operação monetária papel e responsabilidades para ambos os lados do comércio internacional comprador e vendedor transação. O objetivo do Incoterms é padronizado para determinar exportação e importação apuramento responsabilidades, que é proprietária do risco para a condição de os produtos em cada fase do processo de transporte, e quem é responsável por pagar por aquilo.

O preenchimento do Packing List é muito simples após estar com a Commercial Invoice pronta, pois o Packing List é composto de todas as informações da Commercial invoice exceto informações Cambiais.

3. Efetuando um Booking (Reserva).

Agora que já possuímos a Commercial Invoice e o Packing List aprovados pelo Exportador, Temos que fazer a Reserva da carga a ser exportado no veículo transportador.

O Booking pode ser efetuado junto ao Armador (Proprietário de navios e

containeres) ou junto ao Agente de Carga NVOCC (O NVOCC nada mais é que um armador que não é proprietário de navios ou de contêineres).

No

caso da modalidade Rodoviária a reserva é feita com o transportador Rodoviário

ou

com o Agente de Carga e na modalidade Aérea a reserva é feita junto a Cia.

Aérea ou com o Agente de carga.

Obs.: Porque efetuarmos reservas com agentes de carga se podemos efetuar direto com o transportador?

Resposta: O trabalho do agente de carga é agenciar a negociação da reserva junto ao Armador facilitando o acesso as informações e trazendo ao Despachante/Exportador uma maior comodidade!

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

20

Para solicitar uma reserva o Despachante deve obter do exportador os seguintes

detalhes:

Mercadoria, Pesos líquido e Bruto, Metragem cúbica da carga (m³), Acondicionamento da Carga (Exp.: Caixas, Pallets, Rolos, Etc.), Porto de Origem, Porto de Destino, Modalidade de Pagamento do Frete.

Os Itens acima citados já devem estar descriminados na Invoice e no Packing List que preenchemos anteriormente, com exceção a Modalidade de Pagamento de frete que não é item obrigatório na Invoice e no Packing List e na maioria das vezes o Despachante tem que solicitar ao exportador.

O que é a Modalidade de Pagamento de Frete?

Modalidade de pagamento de frete nada mais é aonde o frete será pago. Esta questão já é definida na negociação de compra e venda da carga entre o Exportador e Importador quando se define o Incoterm, que tem ligação direta no pagamento do frete, conforme exemplo abaixo:

Freight Prepaid (Frete pré-pago): É a modalidade de Frete paga na Origem, ou seja, paga pelo Exportador, vinculada a alguns incoterms como - CIF, CFR, CIP, CPT entre outros.

Freight Collect (Frete a Cobrar): É a modalidade de Frete paga no Destino, ou seja, Paga pelo Importador ou seu representante, vinculada a alguns incoterms como – FOB, EXW, FCA entre outros.

Com todos os dados em mãos para solicitar a Reserva (Booking) temos um detalhe

a

definir para o caso dos embarques marítimos, que é a responsabilidade pela Ova

e

Desova, com a utilização dos termos FCL/FCL, LCL/LCL, FCL/LCL e LCL/FCL,

sendo FCL full container load (carga total de container) e LCL less than a container load (menos que uma carga de container, Carga consolidada).

Para definir se a Carga deve ser FCL ou LCL devemos fazer alguns cálculos com as medidas da carga para saber se existe a necessidade de fretarmos um ou mais containeres somente para a carga a ser exportada ou se o tamanho é menor que a capacidade de alguns containeres e podemos utilizar a opção consolidada.

Desta forma apresentamos abaixo os padrões e medidas dos containeres:

Abaixo seguem informações sobre os tipos de containeres disponíveis para o transporte de mercadorias, medidas e utilização.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

Refrigerado de 20"

Refrigerado de 20" 21 Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

21

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 5.498 Largura: 2.270 Altura: 2.267 Abertura de Porta (mm) Largura: 2.270 Altura: 2.267 Cubagem (m3): 28,3 Pesos (kg) Peso Máximo: 25.400 Tara: 3.040 Carga: 22.360 Utilização Carga geral que precisa manter sua temperatura controlada para manter a integridade.

Plataforma de 20"

controlada para manter a integridade. Plataforma de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 226 Medidas Internas (mm) Comprimento: 6.020 Largura: 2.413 Altura: 2.267 Cubagem (m3): 29,0 Utilização Carga com excesso de dimensão na largura, altura ou comprimento.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

22

Plataforma de 40"

22 Plataforma de 40" Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438 Altura: 628 Medidas Internas (mm) Comprimento: 12.150 Largura: 2.290 Altura: 2.267 Cubagem (m3): 67,0 Utilização Carga com excesso de dimensão na largura, altura ou comprimento.

Opentop de 20"

na largura, altura ou comprimento. Opentop de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 5.590 Largura: 2.340 Altura: 2.286 Abertura de Porta (mm) Largura: 2.336 Altura: 2.233 Cubagem (m3): 32,2 Pesos (kg) Peso Máximo: 24.000 Tara: 2.050 Carga: 21.950 Utilização Carga irregulares que só podem ser carregadas por cima.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

23

Opentop de 40"

23 Opentop de 40" Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 12.043 Largura: 2.338 Altura: 2.272 Abertura de Porta (mm) Largura: 2.337 Altura: 2.280 Cubagem (m3): 65,6 Pesos (kg) Peso Máximo: 30.820 Tara: 3.800 Carga: 27.020 Utilização Carga irregulares que só podem ser carregadas por cima.

Flatrack de 20"

que só podem ser carregadas por cima. Flatrack de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura:

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 5.702 Largura: 2.438 Altura: 2.237 Cubagem (m3): 28,9

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

Pesos (kg) Peso Máximo: 25.400 Tara: 2.845 Carga: 22.555 Utilização Carga regulares.

24

Flatrack de 40"

Utilização Carga regulares. 24 Flatrack de 40" Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm)

Comprimento: 12.192 Largura: 2.438 Altura: 2.591

Medidas Internas (mm)

Comprimento: 11.820 Largura: 2.148 Altura: 2.095 Cubagem (m3): 67,0

Pesos (kg)

Peso Máximo: 45.000 Tara: 5.180 Carga: 39.820

Utilização

Carga regulares.

Graneleiro de 20"

39.820 Utilização Carga regulares. Graneleiro de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 5.838

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

Largura: 2.366 Altura: 2.374 Cubagem (m3): 32,7 Abertura Frontal (mm) Largura: 2.114 Altura: 500 Abertura Traseira (mm) Largura: 280 Altura: 300 Escotilhas de Teto (mm) Diâmetro: 500 Pesos (kg) Peso Máximo: 30.480 Tara: 2.450 Carga: 28.030

25

Highcube de 40"

30.480 Tara: 2.450 Carga: 28.030 25 Highcube de 40" Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438 Altura: 2.895 Medidas Internas (mm) Comprimento: 12.056 Largura: 2.347 Altura: 2.684 Abertura de Porta (mm) Largura: 2.338 Altura: 2.585 Cubagem (m3): 76,2 Pesos (kg) Peso Máximo: 30.480 Tara: 4.150 Carga: 26.330 Utilização Carga geral não perecível de baixa relação peso/volume.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

26

Ventilado de 20"

26 Ventilado de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 2.590 Largura: 2.323 Altura: 2.367 Abertura de Porta (mm) Largura: 9.000 Altura: 1.000 Cubagem (m3): 32,6 Pesos (kg) Peso Máximo: 24.000 Tara: 2.650 Carga: 21.350 Utilização Carga perecíveis que precisam de renovação do ar para preservarem suas características.

Tanque de 20"

ar para preservarem suas características. Tanque de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

27

Utilização Cargas líquidas ou gasosas, perigosas ou não; tanques com capacidades diferenciadas.

Standard de 20"

tanques com capacidades diferenciadas. Standard de 20" Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 6.058 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 5.919 Largura: 2.340 Altura: 2.380 Abertura de Porta (mm) Largura: 2.286 Altura: 2.278 Cubagem (m3): 33,0 Pesos (kg) Peso Máximo: 24.000 Tara: 2.800 Carga: 21.920 Utilização Carga geral não perecível de alta relação peso/volume.

Standard de 40"

de alta relação peso/volume. Standard de 40" Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438

Medidas Externas (mm) Comprimento: 12.192 Largura: 2.438 Altura: 2.591 Medidas Internas (mm) Comprimento: 12.051 Largura: 2.340 Altura: 2.380 Abertura de Porta (mm) Largura: 2.286

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

28

Altura: 2.278 Cubagem (m3): 67,3 Pesos (kg) Peso Máximo: 30.480 Tara: 3.550 Carga: 26.930 Utilização Carga geral não perecível de média relação peso/volume.

Definida a quantidade e tipo de containeres, para o embarque marítimo, vamos ao modelo de formulação de e-mail para solicitação de cotação dos valores para booking.

Modelo de Solicitação de cotação de reserva ( booking ):

Prezados senhores (a) bom dia.

Gentileza cotar valores de frete marítimo All In, conforme abaixo:

Quantidade/tipo CNTR: 1x40’ HC

Mercadoria: Móveis de Madeira

Peso Bruto: 26.000,00 Kgs

Quantidade Carga: 5.700,00 Caixas

Cubagem: 62 m³

Porto de Origem: Itajaí

Porto de Destino: Rotterdam – Holanda

Modalidade de pagamento: Prepaid

Aguardo retorno com valores, Transit Time (Tempo de Transito) e datas dos próximos navios.

Atenciosamente,

--------------------------------------------

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

PRIMEIRA ETAPA:

29

Após o recebimento do booking o primeiro passo é atentar-se aos Dead Lines, Tradução é Linha Morta, mais na exportação Dead Line é um Tempo Limite, improrrogável, ou seja, o Dead Line nada mais é que prazos impostos pelos participantes do embarque armador, terminal de armazenagem, porto e outros para uma organização no embarque, tendo como objetivo maior, o menor tempo de operação possível do Navio entre sua atracação e saída.

Existem para o marítimo quatro tipos de Dead Lines Conforme Abaixo:

Dead Line de Draft (rascunho) de BL: É o prazo dado pelo armador ou agente de carga para o envio dos dados a serem inclusos no BL, cujo veremos quais os dados e obrigações mais adiante nesta apostila. Geralmente é o primeiro prazo a ser cumprido, porém varia entre alguns Armadores/Agentes.

Dead Line de Lista de Carga: Assim como draft, também é um prazo que Armadores e Agentes colocam para envio dos dados do Container e Carga, cujo veremos mais a frente no modelo de lista. Geralmente seu prazo é junto com o do Draft ou horas a mais, porém geralmente na mesma data.

Dead Line de Gate: É o prazo dado pelo Operador portuário para a entrada dos Containeres para embarque, ou seja, o gate tem um prazo entre sua abertura e fechamento para que todos os containeres de um devido navio entre no porto para que os liberados pela Receita Federal possam se posicionar para subir ao navio assim que o mesmo atraque.

Dead Line de Carga ou Liberação: É o último Dead Line a ser cumprido, pois para cumprir este Dead Line a Carga já deve estar no Porto ou Terminal alfandegado para ter a presença de carga dada pelo Terminal, ou seja, neste momento do processo já encerrou os Dead Lines de Draft, Lista e Gate, que já devem estar cumpridos pelo Despachante, agora para finalizar deve-se liberar o processo junto a Receita Federal até o término deste Dead Line.

Dead Lines de acordo e observados vamos às funções a serem feitas para o Cumprimento dos Dead lines.

O próximo passo após receber o booking e atentar-se aos Dead Lines é cumprir os dois primeiros Dead lines que é de Lista de Carga e Draft de BL.

Para Cumprir o Dead Line de Draft precisamos de cinco itens obrigatórios pelo Siscarga (Siscomex Carga) que são:

1. Todo Draft de BL deve conter junto ao Endereço do Exportador o CNPJ do mesmo.

2. Todo Draft de BL deve conter número de RE

3. Todo Draft de BL deve conter número de SD/DDE, ou DSE para Exportações Simplificadas.

4. O Draft de BL deve conter os dados do Container com exceção para os Casos

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

30

LCL. 5. Todo Draft de BL deve Conter quantidade, Pesos e Metragem Cúbica (m³) da Mercadoria.

Com os Itens obrigatórios Localizados em Invoice, Packing List e Nota Fiscal, nos restam os Registros de RE e SD/DDE que não encontraremos lógico nos documentos citados anteriormente, pois é a função do Despachante emitir este registro no SISCOMEX (Sistema Integrado do Comércio Exterior).

Sendo assim vamos agora para nossa atividade prática que é a Emissão do RE.

===================================================

RE. Emitido agora nos resta à emissão do SD/DDE que também veremos na prática seu preenchimento.

===================================================

Agora com todos os dados em mãos, Invoice, Packing List, Nota Fiscal, RE e SD/DDE iremos para o próximo passo que é o cumprimento dos Dead Lines de Draft de BL e Lista de Carga, cujo preenchimento destes documentos será visto na Prática.

===================================================

Draft de BL e Lista de Carga emitida devemos enviá-los por e-mail para o Armador/Agente dentro do prazo estipulado no Dead Line cumprindo assim a primeira etapa do Despacho de Exportação.

SEGUNDA ETAPA:

A segunda etapa é o cumprimento do Dead Line do Gate, onde devemos estar com o Container ou Parte da Carga dentro do recinto de Embarque, Porto ou Aeroporto.

Para isto varia de um porto para o outro, onde iremos ver a Guia de Entrada do Porto na Prática.

===================================================

TERCEIRA ETAPA:

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

31

Com o Container dentro do Porto passamos para Terceira Etapa, que é a Liberação do Despacho de Exportação.

Para obtermos a liberação junto a Receita Federal devemos efetuar um envelope com capa conforme modelo na próxima página, que também veremos seu preenchimento na prática.

No envelope deve conter os seguintes documentos:

Extrato do SD/DDE, que veremos como imprimir na prática.

Extrato do SD/DDE por RE, que também veremos na prática.

Nota Fiscal Original 1ª via.

Termo de Fiscalização Liberado pelo M.A.P.A. somente para cargas de origem animal ou vegetal. (Os modelos do processo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e seus deveres estão no link que apresentamos abaixo da capa do envelope).

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

32

EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO. 32 Elaborado por: Magnum Michel Santana. (Despachante Aduaneiro

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

33

Envelope pronto agora o próximo passo é operacional, mais veremos também como funciona.

O envelope deve ser apresentado ao depositário (Depositário é o local onde o Container está armazenado, Terminais Redex, EADIs ou Portos), neste caso usaremos como exemplo a operação do porto de Itajaí, cujo depositário é o Teconvi, desta forma o Teconvi com base nos dados informados na capa do envelope irá lançar no Siscomex a presença de carga, que é a informação que o depositário coloca no sistema para que a Receita Federal tenha a certeza que o Container ou Carga solta, já estão na área alfandegada para uma possível conferência se assim se fazer necessário.

Após a presença de carga estar efetuada, deve-se apresentar o envelope no guichê da Receita Federal da unidade de Despacho. Envelope apresentado o próximo passo é aguardar a parametrição do despacho no Siscomex.

Parametrização:

Uma vez parametrizado o Despacho, a conferência efetua-se da seguinte forma, selecionando-as em um dos canais gerado automaticamente pelo sistema:

Canal Verde – Despacho Liberado sem conferência Aduaneira – Desembaraço Automático.

Canal

Conferência Documental.

Laranja

Despacho

Desembaraçado

com

verificação

Aduaneira

Canal Vermelho – Despacho Interrompido para conferência física – Conferência documental e Física da Mercadoria.

Recapitulando O Processo Para Liberação Do Despacho De Exportação:

Registro de Exportação - SISCOMEX Declaração de Despacho de Exportação - SISCOMEX Recepção da mercadoria no Armazém Alfandegado – Presença de Carga. Recepção dos documentos na Alfândega de Despacho – Receita Federal Parametrização do Despacho – Siscomex. Conferência dos documentos ou mercadoria conforme seleção da parametrização. Conclusão/Liberação da Declaração de Despacho (DDE/SD) e/ou início do trânsito.

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

34

QUARTA ETAPA - PROCEDIMENTOS PÓS-EMBARQUE:

Despacho desembaraçado em um dos canais acima citado, agora passamos a liberação da documentação de exportação que deverá seguir para o importador que fará no destino seu processo de Importação.

Após a saída do navio onde estava reservado o embarque do Container ou Carga Seca, desembaraçado deve-se solicitar ao Armador/Agente a confirmação de embarque no mesmo endereço eletrônico (e-mail) que foi enviado o Draft do BL no início do processo.

Após o Armador/Agente responder sua solicitação confirmando o embarque da carga, deve-se solicitar ao mesmo os valores para Liberação do BL que na maioria das vezes são as seguintes taxas:

Frete - É a quantidade a ser paga por um contratante, por uma prestação de serviço de transporte.

THC ou Capatazia – É definida como uma despesa portuária, mais precisamente despesa de manuseio em terminal, nas operações. É utilizada principalmente nas operações com container. É a antiga capatazia dos tempos de administração portuária pelas Companhias Docas. Nas cargas a granel o termo capatazia ainda é utilizado.

Liberação do BL – É a taxa paga pela emissão das vias originais do BL com todas as normas exigidas pelo SISCARGA para os Armadores/Agentes e com os dados informados no Draft enviados pelo Despachante.

Taxas pagas e BL liberado deve se enviar ao Destino os seguintes documentos:

Duas vias da Comercial invoice assinada e carimbada.

Duas vias do Packing List assinado e carimbado.

Duas vias Originais e duas cópias não negociáveis do BL.

OBS: Demais documentos como Certificação e outros documentos exigidos pelo Importador deve-se sempre consultar o Exportador antes do envio, solicitando a autorização do mesmo para enviar a lista de documentos ao Exportador Informado.

Documentação enviada passamos agora para o término do Processo de Exportação.

QUINTA E ÚLTIMA ETAPA:

FINALIZANDO O PROCESSO DE EXPORTAÇÃO:

REGISTRO DOS DADOS DE EMBARQUE

O transportador registrará os dados de embarque em um prazo de vinte e quatro horas da data do embarque, depois de realizado o embarque da

DESPACHODESPACHODESPACHODESPACHO ADUANEIROADUANEIROADUANEIROADUANEIRO MMÓMMÓÓDULOÓDULODULODULO EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.EXPORTAÇÃO.

35

mercadoria para o exterior, com base nos documentos por ele emitidos (Conhecimento de Embarque).

AVERBAÇÃO DE EMBARQUE

A averbação é o ato final do Despacho de Exportação.

A averbação será feita, no Sistema, após a confirmação do efetivo embarque

da mercadoria e do registro dos dados de embarque que é de

responsabilidade pelo transportador.

Registrados os dados de embarque, se os dados informados pelo transportador coincidirem com os registrados no desembaraço da SD/DDE ou DSE, haverá averbação automática do embarque pelo Sistema. Caso contrário, a Alfândega irá analisar a documentação apresentada, confrontando-a com os dados relativos ao desembaraço e ao embarque, efetuando-se a chamada averbação manual, com ou sem divergência.

EMISSÃO DO COMPROVANTE DE EXPORTAÇÃO

Concluída a operação de Exportação, com a sua averbação no Sistema, será fornecido ao exportador, quando solicitado na maioria das vezes, o documento comprobatório da exportação o C.E., emitido pelo Siscomex WEB, Por Acesso via CPF e Senha assim como no Emulador do Serpro.

Observações Gerais:

O Registro de exportação (RE) é requisito essencial para o despacho de exportação.

Outros documentos podem ser solicitados no despacho (Fatura Comercial, Certificado de Origem, etc.),conforme legislação específica. O Despacho têm Inicio na data em que a Declaração receber numeração específica Os documentos deverão ser entregues à unidade da S.R.F. em até quinze dias da data do início do despacho de Exportação.

Base Legal: Decreto 91.030/85 art. 438-443 Portaria SCE nº. 02/92