REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente

MINISTÉRIO DAS CIDADES OLÍVIO DE OLIVEIRA DUTRA Ministro de Estado JORGE FONTES HEREDA Secretário Nacional de Habitação MARIA SALETTE DE CARVALHO WEBER Coordenadora Geral do PBQP-H

FICHA TÉCNICA
CONSULTORES PNUD FRANCISCO FERREIRA CARDOSO REGINA HELENA TONELLI

EQUIPE TÉCNICA DO PBQP-H DANIEL DA COSTA FERNANDES DE FREITAS HENRIQUE OTTO COELHO LUIZ AUGUSTO DOS SANTOS MARIA ÂNGELA CAVALCANTI OLIVEIRA

APOIO Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação - SNH Esplanada dos Ministérios, Bloco “A”, 2º. andar, Sala 237 Brasília - Distrito Federal - Brasil - CEP 70.050-901 Telefone (61) 2108-1794 Endereço eletrônico: pbqp-h@cidades.gov.br

...........19 páginas 3 Regimento Específico..................13 páginas 5 Referencial Normativo Nível “C”.......23 páginas 8 Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do SiAC..14 páginas .................................21 páginas 7 Referencial Normativo Nível “A”....................................Portaria nº......11 páginas 4 Referencial Normativo Nível “D”...................................SiAC SUMÁRIO 1.............. 118................................SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE EMPRESAS DE SERVIÇOS E OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ..................................................................1 página 2 Regimento Geral....18 páginas 6 Referencial Normativo Nível “B”.................................................................................................................................................................... de 15 de março de 2005...........................................................

PORTARIA N 118.no âmbito do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H. OLIVIO DE OLIVEIRA DUTRA . 42 do Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC). conforme exposto no Art. de 20 de dezembro de 2002. parágrafo único. em versões compatíveis com a norma NBR ISO 9000:2000 (Anexo III). 87. Nº 54. 1° Alterar a denominação do projeto SiQ . resolve: Art. aplicáveis as empresas da especialidade técnica Execução de Obras. 6° Aprovar normas transitórias para o Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H. B e A . Art.Sistema de Qualificação de Empresas de Serviços e Obras substituindo-a por Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil -SiAC . 4° Aprovar os Referenciais Normativos nos níveis D . DE 15 DE MARÇO DE 2005 (Publicada no DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO. 3° Aprovar o Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) na Especialidade Técnica Execução de Obras (Anexo II). inciso II da Constituição Federal. Art. Art. Art. DE 21 DE MARÇO DE 2005) O MINISTRO DE ESTADO DAS CIDADES. Art. 8° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC). Art. 2° Aprovar o Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) (Anexo I). no uso da atribuição que confere o Art. C . SEÇÃO 1. 7° Revoga-se a Portaria n 67. Art. 5° Aprovar os Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) (Anexo IV).

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .PBQP-H ANEXO I Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) Brasília. março de 2005 .

...................................................................................................... 11 DOS PROCEDIMENTOS E OBRIGAÇÕES DOS ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO CREDENCIADOS AUTORIZADOS ...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 19 DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS ...........C..................................................................................................................................................... 17 CAPÍTULO XI ......................................................... 2 DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS ....... 11 CAPÍTULO VI ...............................................................SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat ...............................................C.............................................................................................................................................. E DAS PENALIDADES ............................................................................................................................... 3 DAS DEFINIÇÕES ................................................................................................................................ 13 DO PROCESSO DE DECLARAÇÃO DE ADESÃO AO PBQP-H E DE CONFORMIDADE A REFERENCIAL NORMATIVO E DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO ...............................................................................PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil ...................................................................................................................................... 17 DO SISTEMA DE MELHORIA CONTÍNUA E SUPERVISÃO ................................................... 13 DA INCIDÊNCIA ......................... 13 CAPÍTULO VII................................................ 6 DAS NORMAS E DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA ........... 17 CAPÍTULO X ... 19 ..................................................................................................................................................................................MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .................................................................. 13 CAPÍTULO VIII ............................................................... 6 DA ESTRUTURA DO SISTEMA ........................................................... 15 DA QUALIFICAÇÃO DOS AUDITORES E DA EQUIPE AUDITORA.. 15 CAPÍTULO IX .......................................................................................................................... 6 CAPÍTULO V .........................................................SiAC Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) Sumário CAPÍTULO I ...................................................................................................................... 2 CAPÍTULO II.................................... 3 CAPÍTULO III .................................................................................................................................................................................................................................................................................... 17 DAS FALTAS DAS EMPRESAS E DOS O.............................................................................................................................................................................. 6 CAPÍTULO IV ...

transparência quanto aos critérios e decisões tomadas. definido pelo presente Regimento e por um conjunto de Regimentos Específicos e de Referenciais Normativos. flexibilidade. adaptados às diferentes especialidades técnicas e subsetores da Construção Civil envolvidos na produção do habitat. credenciado pela Coordenação Geral de Credenciamento do Instituto Nacional de Metrologia. . 1o O Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . possibilitando sua adequação às diferentes especialidades técnicas e subsetores. Art. sendo um dos Projetos do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat. II. X. caráter evolutivo dos requisitos dos Referenciais Normativos. VIII. segurança e confiança interna (empresa) e externa (seus mercados) de que a empresa é capaz de satisfazer sistematicamente os requisitos acordados para qualquer produto fornecido dentro do escopo especificado na sua Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo ou no seu Certificado de Conformidade.Sistema Nacional de Metrologia. com níveis progressivos de avaliação da conformidade. IX.CGCRE/INMETRO. IV.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Normalização e Qualidade Industrial . segundo os quais os sistemas de gestão da qualidade das empresas são avaliados e classificados. para que obtenham o nível de avaliação da conformidade almejado. VII. III. interesse público. sobretudo o da publicidade diante da sua relação com as empresas que participam do SiAC. harmonia com o SINMETRO .). ao ser toda certificação atribuída pelo SiAC executada por Organismo de Certificação Credenciado (O. cujos requisitos os sistemas de gestão da qualidade das empresas devem atender.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 2 SiAC CAPÍTULO I Dos Princípios e Objetivos Art.C. caráter nacional único. às características das empresas de diferentes regiões e às tecnologias e formas de gestão que caracterizam os diferentes tipos de escopo de atuação. 2o O Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) obedece às seguintes diretrizes: I. idoneidade técnica e independência dos agentes certificadores e demais agentes envolvidos nas decisões. VI. não tendo fins lucrativos.C.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . visando a contribuir para a evolução da qualidade no setor. sigilo quanto às informações de caráter confidencial das empresas.PBQP-H tem como objetivo avaliar a conformidade de Sistemas de Gestão da Qualidade em níveis adequados às características específicas das empresas do setor de serviços e obras atuantes na Construção Civil. visando à criação de um ambiente de suporte que oriente o melhor possível as empresas. respeitando os princípios do Artigo 37o da Constituição Federal. V. caráter pró-ativo. Normalização e Qualidade Industrial.

atribuído à empresa indicando que o seu sistema de gestão da qualidade está em conformidade com um dos Referenciais Normativos do SiAC e com eventual documento de Requisito Complementar aplicável (substitui o antigo Atestado de Qualificação). ou ainda outras instituições parceiras do Programa PBQP-H.C. para qualquer nível de certificação. Auditoria de Manutenção: Auditoria realizada. observando-se os princípios da ausência de conflito de interesses e da confidencialidade.C. para a verificação da conformidade do sistema de gestão da qualidade da empresa. para avaliar a eficácia das ações corretivas adotadas pela empresa. ficam válidas. Pode ser feita com base documental ou in loco.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . VI. VII. pelo qual as primeiras se comprometem a implantar um Programa Setorial da Qualidade junto a seus associados e as segundas a introduzirem em seus processos de contratação e sistemáticas de financiamento mecanismo de indução à participação de empresas no respectivo Programa Setorial da Qualidade.C. contemplando todos os requisitos e aspectos regimentais do nível em avaliação. Auditorias-Testemunha: São auditorias. para qualquer nível de certificação. Certificado de Conformidade: Documento público. também. bem como aprimorarem seus processos de contratação e gerenciamento de serviços e obras ou financiamentos II. para qualquer nível de certificação.C. IX. para a verificação da manutenção do sistema de gestão da qualidade da empresa. V. Acordo Setorial: Documento firmado entre entidades representativas de empresas de uma determinada especialidade técnica da Construção Civil e entidades contratantes de serviços e obras ou agentes financeiros. ao término de um ciclo de certificação. para qualquer nível de certificação.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 3 SiAC CAPÍTULO II Das Definições Art. Auditoria Extraordinária: Auditoria completa realizada. as seguintes definições: I. para a especialidade técnica e subsetor do SiAC considerados III. IV. por solicitação da equipe auditora ou da Comissão de Certificação do Organismo de Certificação Credenciado. para qualquer nível de certificação.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . . VIII. Auditoria de Recertificação: Auditoria realizada. realizadas com o acompanhamento de representante da CGCRE/INMETRO. realizada dentro do período de validade do certificado de conformidade.. alem das definições utilizadas na NBR ISO 9000:2000. As auditorias de manutenção podem não contemplar a totalidade dos requisitos do Referencial Normativo aplicável. por solicitação da equipe auditora ou da Comissão de Certificação do Organismo de Certificação Credenciado. por representante da CGCRE/INMETRO para verificação do cumprimento dos termos e condições instituídas no contrato entre ambos. Auditoria de Certificação: Auditoria realizada. 3 Para efeito do presente Regimento. emitido por um O. Auditoria de Supervisão: Auditoria realizada no O. Auditoria de Follow Up: Auditoria realizada. de quaisquer das categorias previstas nas alíneas II a VII. devendo contemplar todos os requisitos do nível em avaliação. contando com eventual presença de pessoa indicada pela Comissão Nacional. Também se aplica quando não ocorre a Auditoria de Manutenção dentro do período de vigência do certificado de conformidade.

C.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 4 SiAC X. o sistema de gestão da qualidade da empresa pode abrigar mais de um escopo.C. tem por finalidade certificar a conformidade do sistema de gestão da qualidade de uma empresa em um ou mais de seus escopos. XI.C. É composta por profissionais de experiência e conduta ética compatível com os objetivos do Sistema de Avaliação da Conformidade representando seis entidades ou instituições do setor. de 18 de dezembro de 1998.C.: Organismo público. 5. Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação CTECH: Órgão colegiado.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . como a execução de uma obra ou de um serviço de engenharia. o O. XX. pode ou não corresponder ao usuário final do produto projetado e construído. contratantes e neutros. XV. Organismo de Certificação Credenciado O. No âmbito do Sistema de Avaliação da Conformidade. para cada especialidade técnica para o qual emita certificados de conformidade. devendo ser autorizado pela C. recuperação ou ampliação. XXI. instituído pela Portaria Interministerial n . uso e manutenção. XVIII. n . ou uma situação que vá. baseada em Referencial Normativo do Sistema de Avaliação da Conformidade e em eventual documento de Requisito Complementar aplicáveis. fabricação. XIX. passando pelas etapas de projeto e execução. constituída por representantes de contratantes. para atuar . podendo compartilhar parte ou a totalidade do sistema de gestão da qualidade. Comissão Nacional C. que atende aos requisitos de credenciamento estabelecidos pela CGCRE/INMETRO. devendo. Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo: Documento que a empresa utiliza para declarar a sua adesão ao PBQP-H e também a conformidade do seu sistema de gestão da qualidade a um Referencial Normativo. levantar dúvida significativa quanto à qualidade dos produtos ou serviços que a empresa oferece. de livre escolha do O. 134. reforma.C. sendo a decisão tomada em função da análise técnica de relatórios preparados pelos auditores. Escopo de certificação: Produtos oferecidos e serviços prestados por uma empresa cobertos pelo seu sistema de gestão da qualidade. Obra: Toda construção. Não-conformidade maior ou crítica: Ausência de um ou mais requisitos do sistema de gestão da qualidade. XIV. de 16 de fevereiro de 1998. XII. privado ou misto. realizada por execução direta por uma empresa construtora ou indireta por uma empresa construtora ou por um conjunto de empresas especializadas de execução de obra. Consórcio de empresas: Sem personalidade jurídica própria. XVII.: Comissão constituída pelo O. XXII. fornecedores e entidades de apoio técnico da Construção Civil. envolvendo uma série de agentes e de etapas. do estudo de viabilidade à operação. XXIII. ser assegurada uma composição tripartite entre representantes de fornecedores.N. segundo a Portaria. ou a falha em implementá-los e mantê-los. Empreendimento: Atividade fim da Construção Civil. de terceira parte. com base em evidência objetiva disponível. no entanto.. quando estabelecido em Regimento Específico de uma dada especialidade técnica. é constituído pela união formal de duas ou mais empresas para atender a um objetivo específico. XIII.: Instância do SiAC de caráter neutro.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . que tem como objetivos principais zelar pelo funcionamento do Sistema de Avaliação da Conformidade e fazê-lo progredir. Cliente: Pessoa física ou jurídica para quem a(s) empresa(s) de uma dada especialidade técnica trabalha(m). Comissão de Certificação C. Especialidade técnica: Cada uma das áreas específicas de atuação profissional dos diferentes agentes da Construção Civil atuantes no setor de serviços e obras. XVI. Tem caráter deliberativo quanto à atribuição da certificação à empresa.C. Empresas compartilhadas: Duas ou mais empresas são consideradas compartilhadas quando apresentam razões sociais diferentes e alguma participação societária comum.C. impedindo a sua certificação. Coordenação Geral do PBQP-H: Instância máxima da estrutura gerencial do PBQP-H.C.N. nos setores público ou privado.C.

uma ou mais partes ou subsistemas de uma obra. XXX. Para o caso de empresas contratantes da especialidade técnica Execução de Obras. os requisitos complementares que o sistema de gestão da qualidade da empresa deve atender. para uma dada especialidade técnica. atividades. capacidades e recursos que. Requisitos Complementares: Documento normativo que faz parte do Sistema de Avaliação da Conformidade e define. XXXIII. Sistema de Gestão da Qualidade: Estrutura organizacional. para o caso de entidades representativas de empresas de serviços e obras. processos e conhecimentos específicos. instalações de sistemas prediais e revestimentos especiais. com seu diagnóstico. Sistema de Avaliação da Conformidade: Sistema que possui suas próprias regras de procedimentos e gestão para que a empresa faça sua Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo e para operar a auditoria que conduz à emissão por Organismo de Certificação Credenciado de um certificado de conformidade a um Referencial Normativo e à sua subseqüente manutenção. e que para tanto utiliza técnicas. estrutura metálica. procedimentos. metas. orçamento. o sistema de gestão da qualidade da empresa pode abrigar mais de um subsetor. responsabilidades. XXIX. planejamento da higiene e segurança do trabalho e consultorias em geral. processos ou serviços da empresa satisfaçam às necessidades e expectativas de seus clientes. métodos. Referencial Normativo: Documento normativo que faz parte do Sistema de Avaliação da Conformidade e define. XXXII. produção. São exemplos de serviços especializados de execução de obras. têm por objetivo assegurar que os produtos. para se referir às empresas para as quais terceirizam serviços: Empresa especializada de execução de obra: Empresa constituída por profissionais e recursos agrupados sob uma mesma entidade jurídica para executar. com seus próprios meios. . Possui caráter nacional. para um subsetor de uma dada especialidade técnica. Referencial Tecnológico: Documento não normativo constituído por um conjunto de requisitos de caráter tecnológico e definidos pelo cliente ou por entidade de classe.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . XXV. Programa Setorial da Qualidade PSQ: Documento elaborado por entidades representativas dos diferentes agentes da Construção Civil envolvidos na produção do habitat. estudo de viabilidade técnica-econômica. instalação. que recomenda práticas ou procedimentos para projeto. e nacional ou local. para o caso de edificações: terraplanagem. XXXI.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 5 SiAC XXIV. Serviço especializado de engenharia: Serviço de natureza intelectual para a elaboração do qual se constituem no mercado empresas especializadas para executá-los. manutenção ou utilização de produto. prazos e requisitos da qualidade a serem implantados pelas empresas. devido à necessidade de competências tecnológicas específicas. Subsetor: Cada um dos segmentos de mercado específicos de atuação profissional das empresas de uma determinada especialidade técnica. pelo contratante. Serviço especializado de execução de obras: Serviço de natureza física para o qual se constituem no mercado empresas especializadas para executá-los.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . XXVII. XXVI. é usual o emprego das definições. os requisitos que o sistema de gestão da qualidade da empresa deve atender. fundações. impermeabilização. Terceirização de serviços: Trata-se da contratação de terceiros para a execução indireta de serviço administrativo ou de serviço especializado de engenharia ou de execução de obra. ditas empresas construtoras. São exemplos de serviços especializados de engenharia: elaboração de planos diretores. até o limite admitido. em conjunto. em cada caso. planejamento de obra. XXVIII. devido à necessidade de competências tecnológicas específicas. para o caso de entidades representativas de fabricantes de materiais e componentes. que contém o programa da qualidade específico.

5o A estrutura do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil é constituída pelos seguintes agentes: a) Coordenação Geral do PBQP-H.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 6 SiAC Subempreitada de serviço: Trata-se da contratação de uma empresa especializada de execução de obra para que execute um determinado serviço especializado. Subempreitada global de obra: Trata-se da contratação de uma ou mais empresas especializadas de execução de obras para a execução integral de uma obra. 4° Visando a conferir a necessária flexibilidade ao Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC). ainda. . que estabelece a estrutura e o funcionamento básico do Sistema.N. d) Requisitos Complementares para os diversos subsetores de uma dada especialidade técnica. os subsetores ligados ao habitat. que estabelecem regulação própria a cada uma das especialidades técnica. ao seu papel junto ao contratante ou sua especialidade técnica. f) documentos de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo. CAPÍTULO III Das Normas e Documentação de Referência Art. e) certificados de conformidade. CAPÍTULO IV Da Estrutura do Sistema Art. Subempreiteiro: Condição particular de uma empresa especializada de execução de obras. § 1o Os Referenciais Normativos e os Requisitos Complementares estabelecem os critérios a serem atendidos pelos sistemas de gestão da qualidade das empresas de uma dada especialidade técnica e atuantes num dado subsetor nos processos de avaliação da conformidade. considerando. este é composto pelas seguintes normas e documentos normativos de referência: a) o presente Regimento Geral. § 2o Os requisitos são específicos ao segmento de mercado em que atue a empresa buscando a avaliação da conformidade.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . c) Referenciais Normativos específicos de cada especialidade técnica. incluindo seus subsetores e escopos de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo e de certificação. b) Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação (CTECH). b) normas definidas em Regimentos Específicos.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .). c) Comissão Nacional (C. que decorre de sua relação contratual com uma empresa construtora.

c) propor alterações ao Regimento Geral e aos Regimentos Específicos. cujos sistemas de gestão da qualidade estejam conforme a Referencial Normativo aplicável. . os documentos que evidenciem a conformidade do sistema de gestão da qualidade da empresa declarante ao Referencial Normativo aplicável. k) conferir a Declaração de Adesão e enviar para a Coordenação Geral do PBQP-H relação de empresas a ser publicada na página do PBQP-H na Internet. e) Comissões de Certificação (C.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . e) propor procedimentos harmônicos e uniformes de aplicação do Sistema de Avaliação da Conformidade. d) propor Referenciais Normativos e Requisitos Complementares válidos para atestar a conformidade dos sistemas de gestão da qualidade dos diferentes agentes do setor.) dos O. no âmbito do Sistema de Avaliação da Conformidade publicar na página do PBQP-H na Internet relação recebida da C. h) conceder e revogar autorizações para que Organismos de Certificação Credenciados emitam certificados de conformidade do SiAC.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . de empresas cujos sistemas de gestão da qualidade caracterizados por documentos de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo estão em conformidade com as exigências do Referencial Normativo aplicável. entre seus integrantes.N.C. em função de sua especialidade técnica bem como suas eventuais alterações. de 18/12/1998. f) definir as entidades que a compõem .C. 2o.N. de caráter neutro.N. um Presidente e um Vice-Presidente. por perda de validade da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo ou por aplicação de penalidade. definida nos termos da Portaria no. sendo constituída por representantes de contratantes. b) propor Regimentos Específicos válidos para as diferentes especialidades técnicas. Art. para emitirem certificados de conformidade do SiAC. m) comunicar à empresa declarante a eventual não conformidade na Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo em relação a padrão estabelecido. j) receber. n) enviar para Coordenação Geral do PBQP-H relação de empresas que devam ser retiradas da página do PBQP-H na Internet. g) eleger. fornecedores e entidades de apoio técnico. Art 6° Compete à Coordenação Geral do PBQP-H.C. O Sistema de Avaliação da Conformidade está vinculado à Coordenação Nacional de Projetos e Obras do PBQP-H.) é a instância que tem como objetivos principais zelar pelo seu funcionamento e fazê-lo progredir. Trata-se da instância para representação do setor.C. Parágrafo Único.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 7 SiAC d) Organismos de Certificação Credenciados (O.C.) pela CGCRE/INMETRO e autorizados pela C. l) controlar a validade da Declaração de Adesão ao PBQP-H e Conformidade a Referencial Normativo. i) receber a Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo. 7o A Comissão Nacional do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (C. respeitada a proporção estabelecida no § 2o deste artigo. 134. §1o Compete à Comissão Nacional: a) garantir os meios para o correto aprimoramento do Sistema de Avaliação da Conformidade. respeitados os princípios estabelecidos no Art. no caso da Declaração de Adesão.

a renovação das entidades ou instituições representativas do setor com assento na Comissão. . A eleição dá-se por maioria simples.N por número ilimitado de mandatos. 8o. 7o. Parágrafo Único. 9o Os membros da Comissão Nacional devem eleger o Presidente e o Vice-Presidente da Comissão. com mandato coincidente ao seu. § 3o Os membros da Comissão Nacional são indicados pelas entidades que a compõem. obrigatoriamente. obrigatoriamente. § 2o A Comissão Nacional é constituída por representantes das entidades ou instituições do setor que possuam experiência e conduta ética compatível com os objetivos do SiAC. podendo haver uma recondução. sendo os mandatos dos eleitos de um ano. Art. permitido a qualquer delas compor a C. representar entidade de origem diferente daquela da entidade do presidente (associações ou sindicatos de fornecedores. § 5o Não há entidade ou instituição com assento permanente. devendo as indicações serem apresentadas ao Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação . Cada representante deve ter. clientes contratantes ou instituições neutras). § 4o Respeitados os prazos definidos pelo Art. 8o O mandato dos membros da Comissão Nacional é de dois anos. sendo sempre respeitada a composição paritária estabelecida.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . a fim de que possam ser utilizados em. b) três representantes de clientes contratantes. r) interagir com a CGCRE/INMETRO sobre todos os assuntos afeitos ao Sistema de Avaliação da Conformidade. respeitada a seguinte composição: a) três representantes de associações ou sindicatos de fornecedores. Art. permitida uma única recondução. com os mesmos direitos e responsabilidades.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .CTECH e registradas em Ata de Reunião do Comitê. um suplente indicado pela mesma entidade. deve ser decidida pela própria Comissão. escolhidos entre seus pares. porém. possíveis. e c) três representantes de instituições neutras.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 8 SiAC o) manter legíveis e prontamente identificáveis e recuperáveis a Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo bem como os documentos que comprovem a conformidade ao Referencial Normativo de empresas declarantes. sendo. q) instaurar procedimento de apuração de falta grave e aplicar penalidade aos Organismos de Certificação Credenciados autorizados. a cada ano. obrigatoriamente. questionamentos futuros. As alterações devem ser apresentadas ao CTECH e registradas em Ata de Reunião do Comitê. e devendo o resultado ser apresentado ao CTECH e registrado em Ata de Reunião do Comitê. cuja função é a de substituir o titular nos casos de impedimento deste. § 1o O vice-presidente deve. a substituição anual de no mínimo um dos representantes de cada uma das três partes definidas no § 2o do Art. Deve haver. p) instaurar procedimento de apuração de falta grave e aplicar penalidade a empresa declarante de documento de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo. até o limite do seu prazo de validade.

neste caso sem direito a voto. especialistas ou lideranças representativas da sociedade para participar das reuniões e. fixar. no mínimo. conforme prevê o Art. passando a ser responsável por todas as atribuições do mesmo. as datas das reuniões ordinárias. § 2o No caso de consultas deliberativas feitas por meios eletrônicos. no mínimo. em conjunto com os titulares. zelar pela observância dos princípios de concepção e de funcionamento do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil e de respeito à transparência e independência das decisões tomadas. a pauta da reunião e a versão definitiva das matérias dela constantes. as decisões são tomadas a partir da manifestação de. 11 Os membros da Comissão devem receber. Art. § 1o Caso a Reunião Ordinária não seja convocada pelo Presidente da Comissão até o final do bimestre. por requerimento de dois terços de seus membros. metade dos membros da Comissão. o § 3o O Presidente pode convidar outras entidades. § 3 . § 3o São funções do Vice-Presidente: a) assumir a presidência das reuniões no caso de ausência do presidente. Neste caso. 10. . 12 As reuniões da Comissão são realizadas com a presença de. autoridades. pode facultar a palavra a pessoas não-integrantes da Comissão para que se pronunciem sobre matéria de interesse. no caso de vacância definitiva do cargo. sendo que para as decisões deve ser obedecido o limite mínimo de manifestação definido no Art. nos trinta dias seguintes. b) assumir a função de Presidente. obrigatoriamente. Art. o mandato do vice-presidente não é alterado. § 2o O ato de convocação da Reunião Extraordinária deve ser formalizado pelo Presidente da Comissão até cinco dias após o recebimento do requerimento.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 10 A Comissão deve se reunir: a) ordinariamente. metade de seus membros. convocar reuniões extraordinárias da Comissão. 12.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . semestralmente. em dia. e a reunião deve ser realizada no prazo máximo de dez dias a partir do ato de convocação. por solicitação de qualquer dos membros. § 3o O Presidente da Comissão pode decidir pela realização de consultas deliberativas aos seus membros com o uso de meios eletrônicos. com pauta que preveja. b) extraordinariamente. § 1o A Comissão deve decidir quanto à participação nas reuniões. por convocação de seu Presidente. a cada bimestre. dos suplentes dos membros. hora e local marcados com antecedência mínima de quinze dias. com antecedência mínima de cinco dias da reunião ordinária. e convocar reunião. Art. qualquer membro pode fazê-lo no prazo de quinze dias a contar do encerramento do bimestre.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 9 SiAC § 2o São funções do Presidente: a) b) c) d) presidir as reuniões da Comissão. a eleição de um novo Presidente.

Art. o Organismo de Certificação Credenciado pode possuir mais de uma C.C. . § 5o As reuniões da C.) de um Organismos de Certificação Credenciados tem por atribuição dar parecer quanto à certificação de determinada empresa segundo um escopo do SiAC. b) dois representantes de clientes contratantes.C. d) possuir corpo próprio de auditores e especialistas. § 4o Em função da demanda.C. autorizados constam do Capítulo V. c) possuir Comissão de Certificação (C..C.C.C.. § 3o Os representantes dos fornecedores podem alternar-se em função da especialidade técnica.N.C.) estabelecidos pela CGCRE/INMETRO para a especialidade técnica para o qual queira emitir certificados de conformidade. § 2o Cabe ao O. privados ou mistos.C. § 1o As Comissões de Certificação são sempre específicas ao tipo de especialidade técnica da empresa avaliada. sua anuência a este Regimento e à documentação de referência dele decorrente. § 2o As Comissões de Certificação devem ser formadas por profissionais de experiência e conduta ética compatível com os objetivos do SiAC. § 3o Os procedimentos e obrigações dos O.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 10 SiAC Art.C. só podem se realizar com o comparecimento de pelo menos dois terços dos seus membros. de uma mesma especialidade técnica. § 6o Embora se deva perseguir o consenso de opiniões. b) ter declarado formalmente à C.) do SiAC são organismos públicos. uma vez verificada e aceita a documentação. seja autorizado: a) atender aos requisitos de credenciamento de Organismo de Certificação Credenciado (O.C.C.C. as decisões da C. 13 Os Organismos de Certificação Credenciados (O.N.N.C. 14 A Comissão de Certificação (C. c) dois representantes de instituições neutras.) para a especialidade técnica para o qual queira emitir certificados de conformidade. devem ser tomadas por maioria absoluta de votos da totalidade de seus membros. baseando-se nos requisitos e nas disposições regimentais aplicáveis para a especialidade técnica e subsetor.C.C. credenciados pela CGCRE/INMETRO e autorizados pela Comissão Nacional a emitir certificados de conformidade do Sistema.C. sob sua iniciativa. sendo obrigatória a presença do presidente ou do seu vice-presidente. clientes e neutros). atendendo às exigências do CAPÍTULO VIII.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . solicitando autorização para atuar no SiAC. de terceira parte. inclusive de âmbito regional. a documentação definida no § 1o. com composição tripartite (fornecedores. enviar à C. A decisão pela autorização de atuação no SiAC é um simples ato administrativo da C. § 1o São condições para que o O. respeitada a seguinte composição mínima: a) dois representantes de associações ou sindicatos de fornecedores. representando entidades ou instituições do setor de serviços e obras.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . em função da análise técnica de relatórios preparados pela equipe de auditoria do O.C.

e) fornecer aos membros das C. CAPÍTULO V Dos Procedimentos e Obrigações dos Organismos de Certificação Credenciados Autorizados Art. por carta registrada ou devidamente protocolada no destinatário nomes de auditores e especialistas que venham a ser impedidos de fazer parte de equipe auditora que atua no SiAC. subsetor. d) dar segurança e confiança interna à empresa certificada e externa aos seus clientes de que a empresa certificada é capaz de satisfazer sistematicamente aos requisitos do SiAC no (s) escopo (s) especificado (s) no certificado de conformidade. por carta registrada ou devidamente protocolada no destinatário.C. i) divulgar amplamente as entidades ou instituições que fazem parte de suas C. § 8o A composição de uma C. p) prever mecanismos de transição devido às mudanças regimentais trazidas pela implementação do presente Regimento. no caso da análise de empresa em que tenha havido não-conformidade em certificação anterior. b) possuir C. para atuar no SiAC.N. as informações necessárias para que tomem posição sobre a concessão da certificação.C.C. obtida a seu pedido.N.C.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . f) manter atualizada a base de dados sobre empresas certificadas pelo SiAC que alimenta a página do PBQP-H na Internet. . incluindo aplicação de penalidades. dentro dos prazos por esta estipulados. k) estabelecer procedimentos internos para análise de denúncias ou constatações de faltas graves cometidas por empresas clientes.C. atuantes no SiAC: a) possuir autorização da C. n) informar à C. 15 São obrigações dos O. m) dispor de código de ética a ser seguido por seus auditores e especialistas. conforme CAPÍTULO XI. g) manter atualizada a base de dados que alimenta a página do PBQP-H na Internet sobre suspensões de certificados de conformidade havidas com as empresas clientes. sua anuência a todas as normas e documentos normativos de referência do SiAC previstos neste Regimento.N. escopo e nível de certificação. preferencialmente via página na Internet e dispondo de serviço de apoio a clientes. e os profissionais que as representam. informando tal fato à C. a cada emissão de certificado de conformidade e a cada rescisão contratual.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .N. esta deve acompanhar o relatório. c) ter declarado formalmente à C. j) dispor de canais de comunicação de livre e fácil acesso pelas partes interessadas. h) enviar semestralmente à C.N. detectadas nas auditorias e agrupadas por especialidade técnica. conforme § 3o do Art. bem como para as providências cabíveis.C.C. l) estabelecer procedimentos internos para análise de apelações. o) atender a todas as decisões e solicitações da C. específica para a (s) especialidade (s) técnica (s) onde atuar.N.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 11 SiAC § 7o As decisões de certificar ou não uma determinada empresa somente podem ser tomadas em reunião formal da Comissão de Certificação. deve ser amplamente divulgada pelo O. em particular. 30 deste Regimento. quadro estatístico da incidência de não conformidades e respectivos requisitos do Referencial Normativo aplicável.C. reclamações e disputas.

identificação da empresa (nome e endereço).C.C..C. data de realização da auditoria e equipe auditora.C.C. incluindo o fato de a empresa compartilhar o seu sistema de gestão da qualidade. deve ser realizada auditoria complementar para verificar a conformidade aos requisitos específicos.C. especialidade técnica e subsetor (es) em questão. pode ser aceito para efeito de equivalência ao SiAC desde que o O.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 12 SiAC Art. contendo no mínimo as seguintes informações: nível de certificação em que se encontra a empresa e desde quando tem o certificado e o nível para o qual solicita a certificação. deve providenciar: a) cópias atualizadas dos Referenciais Normativos e dos Requisitos Complementares utilizados nas auditorias.) antes da data de seu término de validade.. .SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . nível.C. responsável pela sua emissão verifique e ateste o atendimento aos requisitos específicos do SiAC. à página do PBQP-H na Internet contendo relação de empresas certificadas pelo SiAC. recomenda-se a consulta. Art.C. em particular os Requisitos Complementares. d) certificados de conformidade anteriores (Referencial Normativo. data de decisão pela certificação inicial no Referencial Normativo e datas de término do ciclo de certificação e de validade do certificado de conformidade. deve solicitar: a) Contrato Social com suas últimas alterações e seu registro na Junta Comercial ou órgão equivalente. com destaque para conformidades e nãoconformidades e observações. Devido à possibilidade de um certificado deixar de ser válido (rescisão contratual da empresa com o O. eventuais comentários da equipe auditora. data de decisão pela certificação inicial e validade). Art.C. c) eventual condição de compartilhamento do sistema de gestão da qualidade com outra empresa. e que tenha logomarca do INMETRO ou de outro organismo de credenciamento signatário do Acordo de Reconhecimento Multilateral do Fórum Internacional de Credenciamento (IAF). recertificação e manutenção. 19 Certificado NBR ISO 9001:2000 emitido por O.C. quando registrada não-conformidade. 18 Para o dimensionamento de auditorias de certificação. 17 Quando do pedido de certificação pela empresa. escopo. b) ata de análise de cada pedido. com o objetivo de padronização dos critérios entre os O.. recomendação da equipe auditora. Referencial Normativo/revisão (número ou data da revisão). escopo (s) de certificação.C. aplicação de penalidade.C. o O. Art. resultados da auditoria. cujo escopo seja compatível com escopo do SiAC.C. d) relatório da auditoria anterior. 20 Para as reuniões das Comissões de Certificação o O. c) evidências documentais da implementação das ações imediatas ou das ações corretivas conduzidas pela empresa em conseqüência das não-conformidades detectadas nas auditorias. b) relação de serviços terceirizados cobertos pelo sistema de gestão da qualidade da empresa. duração da auditoria. cabíveis no nível de certificação pretendido.C. 16 Nos certificados de conformidade devem constar: nome do O. etc. não realização de auditoria de manutenção. é obrigatória a observância de critérios definidos nos Regimentos Específicos das especialidades técnicas.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . com a apresentação à respectiva Comissão de Certificação das evidências de seu perfeito atendimento. Art. sempre que conveniente. Caso necessário. Parágrafo Único. O processo deve ser submetido à Comissão de Certificação da especialidade técnica em questão.

outras especialidades técnicas. CAPÍTULO VI Da Incidência Art. 25 Os subsetores e escopos das diferentes especialidades técnicas são definidos nos seus Regimentos Específicos.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 13 SiAC e) demonstrativo de cálculo de dimensionamento de auditorias. deve observar sempre um prazo mínimo para que seja possível evidenciar a conclusão da ação corretiva proposta pela empresa. é feito exclusivamente com base no ponto de vista técnico. a presença dos auditores e especialistas a fim de esclarecer dúvidas dos membros da comissão. f) sempre que necessária.C.C. com quem esteja ligado. serviços especializados de execução de obras. em todas as instâncias do SiAC.C. . definidas pela C. o O.C. Parágrafo Único. A ação corretiva proposta deve ser coerente com a gravidade e abrangência da não-conformidade apontada pela equipe auditora. somente podem emitir certificados de acordo com os escopos definidos pelo SiAC nos diferentes Regimentos Específicos. 26 O exame da documentação fornecida pela empresas. Art. ou seja. principalmente no que diz respeito ao prazo para sua efetivação. mecanismos contratuais ou institucionais.N. pode aceitar evidências documentais da implementação da ação corretiva.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .C. assim como nas auditorias.C. elaboração de projetos. por exemplo. Art.C. Os O. com exceção dos aspectos contratuais e de responsabilidade técnica da empresa. 23 É vetado a um O. 24 As especialidades técnicas cobertas pelo presente Regimento são: a) b) c) d) e) execução de obras. CAPÍTULO VII Do Processo de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo e Do Processo de Certificação Art. 21 O O. Art.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . e apreciados pelo CTECH. Art. previsto nos Regimentos Específicos das especialidades técnicas. por meio de proprietários ou diretores comuns. 22 Para o caso de ocorrência de não-conformidades de caráter documental. gerenciamento de obras e de empreendimentos.C. certificar empresa cujo sistema de gestão da qualidade tenha sido implementado por organismo relacionado. um nome comum ou entendimento informal. oriundas dos relatórios das auditorias efetuadas.

§ 1° No intervalo máximo de 12 (doze) meses. § 10 A empresa que tenha alterado o seu sistema de gestão da qualidade (alteração de sua estrutura organizacional.C. § 3° Em não se submetendo à auditoria de manutenção no prazo máximo previsto. mudança de sistemática de funcionamento. podendo ser certificada somente em nível igual ou superior ao que possuía. deve possuir procedimento interno para avaliar pedidos de extensão de escopo. o prazo de validade de um certificado de conformidade é de 12 (doze) meses.C. etc. contado a partir da data da última auditoria.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . pedir certificação no Referencial Normativo do nível superior. devendo passar por uma nova auditoria de certificação para o nível requerido.C. a partir da data de decisão pela certificação pela C.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . a empresa deve se submeter à auditoria de manutenção. desde que a última auditoria tenha ocorrido. ou obtido em meio eletrônico na página do PBQP-H na Internet. alteração significativa da equipe técnica. em quaisquer dos níveis do SiAC.C. e a empresa certificada.C. .C. § 7° Salvo em situações de exceção previstas nos Regimentos Específicos das especialidades técnicas. é de 36 (trinta e seis) meses. somente quando houver a aprovação da certificação por ela solicitada. § 4° A empresa pode solicitar auditoria de manutenção em prazo inferior ao de validade do seu certificado de conformidade.C. § 2° Por estar sujeita a auditorias de manutenção segundo o prazo máximo definido no § 1º. constituindo em falta grave não comunicá-lo. 27 O processo de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo e o seu prazo de validade são definidos pelo Regimento Específico da especialidade técnica que a adote.) deve comunicar imediatamente tal fato ao O.C. ter acesso a qualquer informação que permita a identificação da empresa que solicita a certificação.C. que envolve auditorias de certificação e auditorias de manutenção. Art. § 9o O O. 29 Em todas as etapas do processo é vetado aos membros de Comissão de Certificação do O.C. § 6° Toda empresa pode.C. a empresa que peça mudança ou extensão de escopo numa mesma especialidade técnica e nível de certificação pode passar por uma nova auditoria que verifique apenas os Requisitos Complementares aplicáveis.C. a qualquer momento.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 14 SiAC Art. § 8° A data de validade de um certificado de conformidade não pode ultrapassar a data de vigência do contrato entre o O. no máximo. a empresa deve ser submetida novamente a auditoria de recertificação. 28 A duração de um ciclo de certificação. a data de término de validade do certificado de conformidade da empresa deve ser definida contando-se o intervalo máximo 12 (doze) meses..C. 6 (seis) meses antes. § 1o O nome da empresa deve ser divulgado pelo O. § 5º O certificado de conformidade emitido após auditoria de manutenção pode ser fornecido pelo O. Art.

em empresa da qual seja sócio ou com quem tenha negócios. Art. junto ao O.C.C. CAPÍTULO VIII Da Qualificação dos Auditores e da Equipe Auditora Art. declarar previamente o seu eventual impedimento e convocar. Cabe à gerência de certificação do O. sua capacidade de julgamento isenta e objetivo. 30 Os O. termo de ausência de conflito de interesses. § 1o O O. no mínimo.C. junto ao O. conseqüentemente..C. deve assinar.. 30. termo de confidencialidade. participar do julgamento de empresa onde mantenha qualquer vínculo societário. sua capacidade de análises e sua facilidade de expressão escrita e oral.C. § 2o É vetado ao auditor e ao especialista realizar auditoria em empresa em que tenha participado da implementação ou desenvolvimento do sistema de gestão da qualidade (consultoria). bem como que não respeitarem as exigências deste artigo e todas as demais cabíveis não podem mais atuar em equipe auditora no âmbito do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil. § 4o Todo membro de C. não pode.C. que expresse explicitamente as exigências do § 1o.C.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 15 SiAC § 2o Todo membro de C. 30. deve ainda exigir do auditor e do especialista outras qualidades pessoais que indiquem sua idoneidade moral. ou ainda que tenha parentesco até segundo grau com seus proprietários e administradores. . que expresse explicitamente as exigências do § 3o.C. § 3o Um membro de C. sob qualquer pretexto.C.C.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .C.C. autorizados devem obrigatoriamente trabalhar com auditores e especialistas cujo perfil atenda às exigências da tabela a seguir. por um auditor líder e por um especialista que atendam aos critérios da tabela do Art. § 3o Auditores e especialistas que não respeitarem o código de ética do O. Um auditor ou um auditor líder pode acumular a função de especialista caso atenda aos critérios da tabela do Art.C. diretivo ou funcional. o respectivo suplente.C. 31 Uma equipe auditora para atuar em auditorias do SiAC deve ser formada. deve assinar.C.

eventualmente exigidas para uma dada especialidade técnica e subsetor. Nota 2 Engenheiros com graduação plena e formações não diretamente relacionadas à Construção Civil podem ser aceitos como especialistas.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 16 SiAC Parâmetro Auditor Auditor Líder Especialista Graduação plena relacionada à Construção Civil.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . Experiência Profissional. Nenhuma Nota 1 A graduação plena mencionada é obtida em instituição de ensino superior. reconhecida pelo Ministério da Educação. Nota 5 Exigências adicionais quantos aos parâmetros de Educação. Nota 4 Uma auditoria completa é uma auditoria que cobre todos os passos descritos nos itens 6. desde que possuam experiência profissional comprovada nela mínima de 6 (seis) anos. tal como em engenharia civil.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Treinamento e Experiência em Auditoria.6 da NBR ISO 19011:2002. (dois) últimos anos sucessivos. Nota 3 Atividades de consultoria. no mínimo. 15 (quinze) dias de experiência em auditoria atuando como auditor líder supervisionado sob a direção e orientação de um auditor líder qualificado (nota 4). atuando em função técnica específica na especialidade técnica do escopo da auditoria (nota 3) Nenhuma Educação Graduação plena 3º Grau (nota 1) Mesmo solicitado para auditor Experiência profissional comprovada mínima total Experiência profissional comprovada mínima em SGQ Treinamento em auditoria comprovado mínimo 4 (quatro) anos Mesmo solicitado para auditor 2 (dois) anos do total mínimo de 4 (quatro) anos Mesmo solicitado para auditor 40 (quarenta) horas de treinamento em auditoria Mesmo solicitado para auditor Nenhuma Experiência em auditoria A solicitada para o auditor.Auditores líderes NBR ISO 14001 já qualificados de acordo com a NBR ISO 19011:2002 poderão atuar como líderes no SiAC desde que realizem três auditorias completas em Referencial Normativo Nível A e/ou na NBR ISO 9001:2000 em um total de. ou tecnólogo de nível superior em construções civis (nota 1) (nota 2) 4 (quatro) anos na área da construção civil. e orientação de um auditor As auditorias devem ser líder (nota 4). As auditorias devem ser completadas dentro dos 2 (dois) últimos anos sucessivos. auditoria de certificação e/ou implementação de sistemas de gestão da qualidade ou sistemas de gestão ambiental em empresas da Construção Civil não atendem a este requisito. engenharia de produção civil e arquitetura.3 a 6. . Convém que a experiência global em auditoria inclua todo um Referencial Normativo Nível A ou toda a norma NBR ISO 9001:2000. Nota 7 . Quatro auditorias completas mais três auditorias no SiAC Nível A e/ou na completas na no SiAC Nível NBR ISO 9001:2000 em um A e/ou na NBR ISO total de no mínimo 20 (vinte) 9001:2000 em um total de no dias de experiência em mínimo 15 (quinze) dias de auditoria atuando como experiência em auditoria auditor em treinamento sob a atuando como auditor líder direção e orientação de um supervisionado sob a direção auditor líder (nota 4). encontram-se definidas nos Regimentos Específicos. Nota 6 Auditores líderes NBR ISO 9001:2000 já qualificados de acordo com a NBR ISO 19011:2002 poderão atuar como líderes no SiAC desde que atendam aos critérios de Educação definidos na tabela acima. completadas dentro dos 3 As auditorias devem ser (três) últimos anos completadas dentro dos 2 sucessivos.

c) divulgação de informação enganosa quanto aos dados do seu certificado de conformidade ou da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo. verificar a harmonização dos procedimentos de certificação das empresas pelos O. Parágrafo Único.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .C.C.C.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 17 SiAC CAPÍTULO IX Do Sistema de Melhoria Contínua e Supervisão Art. auditorias-testemunha e mecanismo de análise de denúncias ou de constatações de faltas graves envolvendo O. CAPÍTULO X Das Faltas das Empresas e dos O. deve atuar como pólo de convergência das informações oriundas de todas as fontes. Os Regimentos Específicos das diferentes especialidades técnicas podem definir outras condutas consideradas faltas graves. obter informações sobre as empresas e seus produtos.C.N.C. enviar à C. a intervalos convenientes.. e) realização de produto ou prestação de serviço sem observar os preceitos da gestão da qualidade. § 3o A C. Art. estabelecidos pelos agentes participantes do PBQP-H. § 2o A CGCRE/INMETRO.C.C. deve.N.. relatório de síntese com resultados de seus mecanismos de supervisão.C. e das Penalidades Art. b) alteração no seu sistema de gestão da qualidade sem comunicação imediata ao O. .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . às circunvizinhas e aos futuros usuários da construção. que causem riscos à segurança das pessoas que trabalham na empresa auditada. d) envio de informação falsa no processo de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo. 33 O sistema de melhoria contínua e supervisão leva em conta informações obtidas por meio de mecanismos de supervisão da CGCRE/INMETRO. tais como auditorias de supervisão nas instalações dos O. podem vir a apoiar o sistema de melhoria contínua e supervisão.C.C. 32 Com o objetivo de obter subsídios para eventuais e periódicas ações corretivas no SiAC. § 1o Sistemas de indicadores e mecanismos de acompanhamento da qualidade de obras e serviços. e comprovar denúncias ou faltas graves é estabelecido um sistema de melhoria contínua e supervisão. como parceira do Programa. 34 O Sistema considera como falta grave aquela cometida por uma empresa detentora de um certificado de conformidade ou Declarante da Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo que tenha realizado uma ou mais das seguintes condutas: a) adulteração de qualquer informação que conste de seu certificado de conformidade ou da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo.

o mesmo deve comunicar este fato à C. tenha emitido certificado de conformidade em situação de conflito de interesses ou em desacordo com este Regimento ou com os Regimentos Específicos. a C.C.N.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .C.C. parcial ou integral. Art. pode instaurar procedimento interno de apuração.C. 37 Nos processos de apuração de faltas que possam levar à aplicação de penalidade a uma empresa. as ações consideradas faltosas previstas no regulamento NIT-DICOR-016 da CGCRE/INMETRO.. incluindo de recebimento de denúncia. com rescisão de contrato. 38 O Sistema considera como falta grave que um O. além de retirá-la da página do PBQP-H da Internet. será definido em procedimento pela C. b) cancelamento da aceitação da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo.C. a C. 35 As penalidades aplicadas pela C.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . de que haja a sua retirada da página do PBQP-H na Internet de empresas certificadas pelo SiAC. e deve providenciar. § 2o O procedimento de apuração e decisão da conduta faltosa grave pela empresa. que resulte na aplicação de penalidade. Art. Art. por carta registrada ou devidamente protocolada no destinatário. por prazo de até um ano.N. nas exigências do CAPÍTULO V e do CAPÍTULO VIII. § 2o O procedimento de apuração e decisão da conduta faltosa segue o previsto no regulamento NIT-DICOR-016 da CGCRE/INMETRO.N. da autorização atribuída ao O. c) cancelamento do certificado de conformidade da empresa. .C. como parceira do PBQP-H.N. à empresa que comete falta grave podem ser: a) advertência.C.. é garantido-lhe o direito de ampla defesa. com ênfase.C.C. passíveis de redundarem na aplicação de penalidades. do certificado de conformidade da empresa. à empresa que comete falta grave podem ser: a) suspensão da aceitação da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo. § 1o Caso a penalidade implique em suspensão ou no cancelamento do certificado de conformidade da empresa. que atuam no SiAC. Parágrafo Único.C. Parágrafo Único.C. e se assegurar. pelo O. deve comunicar tal fato à empresa.C. pode levar à suspensão. b) suspensão. mas não exclusivamente. 40 A penalidade aplicada pela C. as penalidades aplicadas aos O. Art. A CGCRE/INMETRO.N.. Art. 36 As penalidades aplicadas pelo O. 39 Ao receber denúncia de falta grave cometida por O.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 18 SiAC Art. sem rescisão de contrato. São igualmente consideradas faltas graves. § 1o Caso a penalidade implique em suspensão ou cancelamento da aceitação da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo da empresa.N. independente do conduzido pela CGCRE/INMETRO. deve informar à C.N.

C. ii) obtenção de autorização junto à C. autorizados do SiAC segundo as regras da Portaria no 67. da Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano da Presidência da República. autorizados do SiAC têm o prazo de transição de 12 (doze) meses. a contar da data de disponibilização do credenciamento dos O.C. pela CGCRE/INMETRO. poderá continuar emitindo novos atestados de qualificação do SiQ . definido na alínea e). seja respeitado o prazo máximo de transição.p. e) durante o período de transição e antes do credenciamento do O.C.C.C. novos atestados de qualificação emitidos do SiQ. não renováveis. pela CGCRE/INMETRO.SiQ do nível D podem ainda ser emitidos pelos O.N. b) O. CAPÍTULO XI Das Disposições Finais e Transitórias Art. para atuarem no SiAC. para se adequarem ao presente Regimento. terão prazo máximo de validade de 12 (doze) meses. f) atestados de qualificação do SiQ do nível A já emitidos na data de publicação deste Regimento terão prazo máximo de validade de 12 (doze) meses. também. atendendo às exigências cabíveis.C. não renováveis.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .. Art. 120 (cento e vinte) dias após a publicação do presente Regimento e do Regimento Específico que o estabeleça. desde que. Tal prazo inclui: i) credenciamento junto à CGCRE/INMETRO para emitirem certificados de conformidade segundo os Referenciais Normativos do SiAC afeitos às diferentes especialidades técnicas. p. a contar da data de disponibilização do credenciamento dos O. de 20 de dezembro de 2002 (DOU de 23/12/2002.C. seção 1.C. 42 São as seguintes as disposições transitórias aplicadas a este Regimento: a) os processos de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo começam a ser recebidos pela C. a contar da data de disponibilização do credenciamento no SiAC pela CGCRE/INMETRO. dentro deste prazo. . o O.PBQP-H Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 19 SiAC Art. d) uma vez credenciado numa especialidade técnica. também. B e A . de modo a adequá-los às exigências do presente Regimento.C. 46-60). é garantido o direito de ampla defesa. definido na alínea e).C.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . mas passíveis de serem estendidos por mais 6 (seis) meses caso ocorra uma auditoria de manutenção no período. por especialidade técnica.C. dispõem de igual prazo para reverem os contratos já existentes com empresas qualificadas pelo SiQ. segundo as regras da Portaria no 67 por um período máximo de 90 (noventa) dias. 41 Nos casos de processos de apuração de faltas que possam levar à aplicação de penalidade a um O.C. sendo que atestados de qualificação do Sistema de Qualificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil . seja respeitado o prazo máximo de transição.C. desde que. para os níveis C ..N.C. c) os O.C. 43 Os casos omissos e as dúvidas suscitadas quanto à aplicação deste Regimento serão dirimidos pela Comissão Nacional. de qualquer nível.C.

PBQP-H ANEXO II Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) da Especialidade Técnica Execução de Obras Brasília. março de 2005 .Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .

PBQP-H válido para a especialidade técnica Execução de Obras objetiva estabelecer seus aspectos regimentais particulares. 1o O Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . outros subsetores. conforme Art.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. recuperação ou ampliação de uma obra. B e A . 14. definidos pela C. devendo ser apreciados pelo Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação CTECH. e os três documentos de Requisitos Complementares SiAC . Os aspectos regimentais particulares afeitos a serviços especializados de execução de obras realizados por empresas contratadas por empresas construtoras são tratados em regimento específico. 4o do Regimento Geral.Execução de Obras. estabelecendo. fabricação. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. conforme Art. obras viárias e obras de arte especiais. os requisitos que o sistema deve atender para a sua certificação nos níveis C .Execução de Obras possuem caráter evolutivo. assim como as que pratiquem a subempreitada global de obra. § 2o Submetem-se às normas deste instrumento as empresas construtoras que compartilhem parte ou a totalidade do sistema de gestão da qualidade. 3° Para a especialidade técnica Execução de Obras. obras de saneamento básico. os quatro Referenciais Normativos de Empresas de Execução de Obras SiAC . reforma. 2° Para efeito da avaliação da conformidade dos sistemas de gestão da qualidade das empresas. § 3o Fazem parte deste Regimento. desde que observada a condição do seu Art. para os diferentes subsetores e escopos de certificação. os Referenciais Normativos de Empresas de Execução de Obras SiAC . Art. Civil 1 SiAC . Técnica Execução de Obras Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) da Especialidade Técnica Execução de Obras Art.. . Art. ditas empresas construtoras. 22 deste Regimento. para os demais níveis.Execução de Obras. requisitos que o sistema de gestão da qualidade da empresa declarante deve atender no processo de Declaração de Adesão e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D e. para o nível D . § 1o O presente Regimento cobre tão somente as empresas responsáveis pela construção. são os seguintes os subsetores passíveis de certificação pelo SiAC: a) b) c) d) obras de edificações.N.da Esp. Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral do SiAC e demais documentos normativos cabíveis.

N. d) envio pela C. devendo ser apreciados pelo Comitê Nacional de Desenvolvimento Tecnológico da Habitação CTECH. Técnica Execução de Obras Art 4° Em função de suas especificidades. por carta registrada ou devidamente protocolada no endereço da C. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg.N. mesmo se o subsetor for diferente. Essas especificidades não dão origem a escopos de certificação diferentes. Art.. c) subsetor obras viárias e obras de arte especiais: c1) execução de obras viárias. disponibilizado na página do PBQP-H na Internet. e) publicação pela Coordenação Geral do PBQP-H da relação na página do PBQP-H na Internet. e desde que o mesmo tenha sido auditado durante a sua execução há no máximo 6 (seis) meses. admite-se o aproveitamento de material controlado e de serviço de execução controlado de um dado escopo de certificação para um escopo diferente. em função de seus diferentes escopos. 5° São os seguintes os escopos de certificação dos diferentes subsetores da especialidade técnica Execução de Obras: a) subsetor obras de edificações: a1) execução de obras de edificações. este aproveitamento só é possível quando a tecnologia envolvida na execução do serviço auditado aproveitado da outra obra tiver no mínimo o mesmo grau de complexidade do serviço controlado. 6° O processo de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D é feito pela empresa. § 2º É permitido à empresa possuir níveis de certificação diferentes caso seja certificada em mais de um escopo. . Os Requisitos Complementares podem definir especificidades que levem em conta diferentes características regionais relacionadas aos subsetores e escopos. cujos sistemas de gestão da qualidade estão em conformidade com os requisitos do Referencial Normativo Nível D . Art. e envolve as seguintes etapas. definidos pela C. da Declaração e dos documentos que evidenciem a conformidade do sistema de gestão da qualidade da empresa aos requisitos do Referencial Normativo Nível D . b) subsetor obras de saneamento básico: b1) execução de obras de saneamento básico. d) outros escopos...N. para a Coordenação Geral do PBQP-H da relação de empresas a ser publicada na página do PBQP-H na Internet.N.N. até a sua publicação na página do PBQP-H na Internet: a) envio à C. c) conferência da Declaração pela C. § 1º Nas auditorias. No caso de serviços de execução controlados. Parágrafo Único. sob as penalidades legais. b) recebimento da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade a Referencial Normativo Nível D e dos documentos que evidenciem a conformidade do sistema de gestão da qualidade da empresa declarante aos requisitos do Referencial Normativo. c2) execução de obras de arte especiais. um subsetor pode possuir mais de um documento de Requisitos Complementares.da Esp. Civil 2 SiAC .

prorrogação por mais 6 (seis) meses. § 3º Para a publicação da relação de empresas na página do PBQP-H na Internet serão utilizados como base a Declaração de Adesão e os documentos que evidenciem a conformidade do sistema de gestão da qualidade da empresa aos requisitos do Referencial Normativo Nível D . 9° A Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D é única para a Especialidade Técnica Execução de Obra e independente do subsetor em que a empresa atue. No entanto. no endereço disponibilizado na página do PBQP-H na Internet. Civil 3 SiAC . seu nome é retirado.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. o serviço por esta executado pode ser auditado. demonstrado por ART Anotações de Responsabilidade Técnica junto ao CREA Conselho Regional de Engenharia. Art. 11 e no Art. a mesma tem seu nome retirado da página. § 1o Somente são aceitas para auditoria obras cuja responsabilidade técnica pela sua execução esteja em nome da empresa construtora que busca a certificação. enviando para tanto carta registrada ou devidamente protocolada para C. A documentação enviada pela empresa deverá apontar de maneira explícita a correspondência entre os requisitos do Referencial Normativo Nível D e os respectivos documentos. Parágrafo Único. sendo que a atualização dos dados ocorrerá até o 5º dia útil do mês subseqüente.da Esp. da página do PBQP-H na Internet. nesta obra. automaticamente.N. seja qual for a situação da empresa. recebidos até o 20º dia do mês. Art. Somente é permitido que uma mesma obra seja utilizada para auditoria de várias empresas quando existam evidências da clara delimitação da . Técnica Execução de Obras § 1º O processo de Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D pode ser feito pela empresa uma única vez no âmbito do SiAC para uma mesma especialidade técnica. Art. Parágrafo Único. Arquitetura e Agronomia.N. deve obedecer ao padrão disponibilizado na página do PBQP-H na Internet. Caso a empresa não solicite a prorrogação dentro do prazo. § 2º A comprovação da Declaração de Adesão e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D pode ser obtido pela impressão de comprovante através da página do PBQP-H na internet ou pela utilização de comprovante do protocolo da documentação feito diretamente junto a C. Art. devendo nesse momento reiterar a conformidade de seu sistema de gestão da qualidade ao Referencial Normativo. 8° O prazo de validade da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D é de 6 (seis) meses. e após os 12 (doze) meses.N. podendo a empresa solicitar à C. § 2o Uma obra somente pode ser utilizada para auditoria de uma única empresa. se a empresa construtora houver subempreitado serviço para uma empresa especializada de execução de obra que esteja em processo de certificação pelo SiAC.N. 12 deste Regimento. para efeito da certificação deste fornecedor. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. 10 A auditoria em canteiros de obras do escopo pretendido é essencial para a atribuição de uma certificação a uma empresa construtora. exceto nas situações previstas no Art. 7° A Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D enviada pela empresa para a C.

C.C. f) informar ao O. b) desenvolver os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de serviços de execução controlados e de materiais controlados dos níveis e escopos pretendidos.. d) submeter-se a auditoria in loco do seu sistema de gestão da qualidade. etc. manutenção ou recertificação. equipamentos e ferramentas. excluídos apenas os requisitos auditáveis no canteiro de obras. c) definir os recursos necessários à execução de tais serviços. obedecidas as demais condições deste artigo. avaliar tal semelhança e selecionar os serviços a serem auditados. observações e particularidades.. tipo da obra. Art. o início de nova obra no escopo. por carta registrada ou devidamente protocolada no destinatário. determinados no documento de Requisitos Complementares aplicável. datas de início e de previsão de término.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. e) informar imediatamente ao O. serviços em execução realizados com mão-de-obra própria e realizados por subempreiteiros e quantidade de funcionários próprios e terceirizados.C.C. qual seja. § 3o É permitido à empresa solicitar extensão de escopo utilizando a mesma auditoria de certificação. a empresa deve: a) declarar ao O..da Esp.C. verificando os eventuais registros de obras já concluídas no escopo desejado. independentemente do seu escopo e do estágio de execução. volume de concretagem. Civil 4 SiAC . Art.C.). extensão. endereço. para o agendamento da auditoria. conforme previsto nos procedimentos supra citados. em situações nas quais a empresa já esteja certificada em um subsetor da especialidade técnica Execução de Obras. superfície. responsável técnico. § 2o Caso a empresa tenha obra em andamento em outro escopo. características de seu porte (área construída. ou seja. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. 11 Uma primeira condição de excepcionalidade é autorizada para a certificação de empresa construtora que esteja sem obra no escopo pretendido no momento da extensão de escopo da certificação.C. a auditoria in loco deve verificar todos os serviços de execução controlados em andamento que tenham semelhança com serviços de execução controlados previstos no escopo almejado. a empresa deve: . sob as penalidades legais. Técnica Execução de Obras atuação de cada uma destas empresas (contrato registrado em cartório e existência de ART junto ao CREA). mas tão somente no nome da empresa cuja obra tenha sido auditada ou cujos dados conste da documentação do processo de Declaração. a inexistência de obra no escopo pretendido. 12 Uma segunda condição de excepcionalidade autorizada diz respeito à confirmação da certificação atribuída a uma empresa construtora no momento de uma auditoria de manutenção sem a existência de obra nos escopos nos quais esteja certificada.C.C. número de unidades. § 3o Não há a possibilidade de atribuição de uma certificação ou da aceitação da Declaração de Adesão ao PBQP-H e de Conformidade ao Referencial Normativo Nível D em nome de um consórcio de empresas. principalmente no que se refere a mão-de-obra qualificada. as características de todas as obras em andamento. sob as penalidades legais. a superveniência de fato impeditivo da certificação normal. § 1o Neste caso. caso não tenha obra em andamento. § 1o Neste caso. ficando a cargo do O.C. a empresa deve declarar tal fato ao O. incluindo nome da obra.

o início de nova obra no escopo. 12 é considerada falta grave cometida pela empresa construtora o fato dela não informar imediatamente ao O. para central de serviços.C. sob as penalidades legais. 15 Para proceder à correta avaliação de seu sistema de gestão da qualidade e instruir as decisões da Comissão de Certificação. datas de início e de previsão de término.. etc. incluindo nome da obra.T) das referidas obras. volume de concretagem. número de unidades. características de seu porte (área construída. arquiteto ou tecnólogo de nível superior. além das definidas no Art. d) idem. em um ciclo de certificação de 36 (trinta e seis) meses..C.C. b) idem. o O.C. 13 Para as condições de excepcionalidade do Art. deve solicitar à empresa construtora. 17 do Regimento Geral.C. e) características de todas as obras em andamento no escopo pretendido. Art. § 2o A empresa construtora pode lançar mão desta excepcionalidade de realizar auditoria de manutenção sem a existência de obra desde que tenha obra em pelo menos um dos escopos certificados. estando sujeita às penalidades previstas no Capítulo X .C.C.C. qual seja. é obrigatória a observância de: . Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. tipo da obra. a inexistência de obra nos escopos pretendidos. c) idem. responsável técnico. Civil 5 SiAC . as seguintes informações: a) quantidade de funcionários próprios e terceirizados trabalhando no escritório. Técnica Execução de Obras a) declarar ao O. para central de manutenção. f) Anotações de Responsabilidades Técnicas (A. com o objetivo de padronização dos critérios entre os O. 14 A empresa construtora que pede a certificação somente pode ser certificada com base em auditoria numa obra onde pratique a subempreitada global de obra desde que nela tenha implantado o seu sistema de gestão da qualidade e que disponha de equipe técnica própria presente na obra. 11 e Art. extensão. g) relação de serviços terceirizados cobertos pelo sistema de gestão da qualidade da empresa. observações e particularidades. que assegure o correto funcionamento de tal sistema.). endereço. 16 Para o dimensionamento de auditorias de certificação..C. contando obrigatoriamente com um engenheiro. Para o caso de não ter obra em nenhum dos escopos certificados. por carta registrada ou devidamente protocolada no destinatário. tal como de pré-fabricação ou pré-montagem. b) informar imediatamente ao O. Art. a superveniência de fato impeditivo da certificação normal. recertificação e manutenção e escolha de canteiros de obras a serem auditados.C.Das Faltas das Empresas e dos O. para depósito central.da Esp. o início de nova obra em qualquer dos escopos para o agendamento da auditoria. serviços em execução realizados com mão-de-obra própria e realizados por subempreiteiros e quantidade de funcionários próprios e terceirizados. atividades nele desenvolvidas com impacto no sistema de gestão da qualidade e endereço.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. superfície. e das Penalidades do Regimento Geral. a confirmação da certificação atribuída à empresa construtora no momento de uma auditoria de manutenção só é possível uma única vez. e independente da disponibilizada pela empresa à qual subempreita a obra. Art.C. Art.C.R. independentemente de seu estágio de execução.

5 1.5 3.0 9. conforme previsto no mesmo documento. Onde: E = número de funcionários do (s) escritório (s).MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg.0 Nível B 1.0 1. a seguir reproduzidas.0 1.0 13.0 Manutenção com obra Nível C 1.0 1. c) utilização da seguinte expressão.0 1.0 12. depósito central. válidos para auditorias dos níveis de certificação C e B .5 3.0 2.0 1.5 6.0 4.0 1.0 Dimensionamento Mínimo de Auditores (Homem.0 10. Civil 6 SiAC . usar os mesmos critérios previstos para o nível B e que estão definidos na alínea a . podem ser aplicados os critérios de redução de horas de auditoria.0 Número de empregados auditados (NA) Entre 1 e 10 Entre 11 e 25 Entre 26 e 45 Entre 46 e 65 Entre 66 e 85 Entre 86 e 125 Número de empregados auditados (NA) Entre 126 e 175 Entre 176 e 275 Entre 276 e 425 Entre 426 e 625 Entre 626 e 875 Entre 876 e 1175 Acima de 1175.0 1.5 2..5 2. Auditoria do SiAC Execução de Obras Número de empregados auditados (NA) Entre 1 e 29 Entre 30 e 59 Entre 60 e 99 Entre 100 e 249 Entre 250 e 499 Entre 500 e 999 Acima de 999 (mínimo) Dimensionamento Mínimo de Auditores (Homem.5 Nível B 1.0 1.0 1.0 1.0 3.5 4.0 1.5 2. para o dimensionamento das certificações e recertificações no nível A .0 5.0 1. dos valores previstos no IAF Guidance on the Application of ISO / IEC Guide 62:1996.0 7.0 1.0 1.0 11.dia) Certificação e Recertificação Nível C 1.dia) para o nível A 2.5 b) utilização. consultar o documento IAF para as auditorias de manutenção relativas ao nível A . para o cálculo do número de empregados auditados (NA) para o dimensionamento mínimo de auditorias: NA = E + soma dos funcionários das obras auditadas. incluindo de terceirizados. com e sem obra. .0 1. Dimensionamento Mínimo de Auditores (Homem.0 2.5 Nível B 1. Técnica Execução de Obras a) utilização dos critérios para definir dimensionamento mínimo de auditorias.0 1.C. a critério do O.0 1.5 1. de acordo com a tabela a seguir.0 1.C.0 Manutenção sem obra Nível C 1. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr.da Esp.0 1.0 1. central de serviços e central de manutenção.0 3.dia) para o nível A 8.0 1.5 1.0 6.0 1.0 1.

o O.C. extensão. quanto ao número de canteiros auditados. 17 Para a realização das auditorias de certificação nos Referenciais Normativos devem ser utilizadas: a) lista padrão de verificação do O. as exigências do Referencial Normativo .C. c) critérios e tabela para verificação do número de serviços e materiais controlados. no nível de certificação solicitado pela empresa.da Esp. para os diferentes subsetores. características de seu porte (área construída. resultante de penalidade. independentemente do tempo decorrido entre as auditorias anteriores. § 2º No caso da realização de auditorias extraordinárias. devendo ser auditado o canteiro que tenha originado a denúncia ou outros mais. que apresenta os pontos mínimos a serem observados. f) verificação de todos os requisitos constantes no Referencial Normativo e nos documentos de Requisitos Complementares aplicáveis. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. volume de concretagem. para qualquer nível de certificação.C.C. não são mais aplicáveis. Art.C. na empresa construtora. escopos e níveis de certificação. serviços em execução realizados com mão-de-obra própria e realizados por subempreiteiros. etc. superfície. dado pela tabela a seguir. deve verificar. Técnica Execução de Obras d) utilização do critério mínimo de amostragem dos canteiros de obras auditados. quantidade de funcionários próprios e terceirizados. que traga minimamente as informações: tipo da obra.C.C.. os valores da alínea d). a critério do O. para a escolha do (s) canteiro (s) de obras em andamento a ser (em) auditado (s). Civil 7 SiAC . e da CGCRE/INMETRO. número de unidades. datas de início e de previsão de término. b) documento que permita identificar as características da obra auditada. Art. 18 Quando da realização da auditoria de manutenção. no mínimo um canteiro de obras tem que ser auditado por escopo. e) procedimento específico estabelecido pelo O.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. observações e particularidades da obra.).C. Número de obras em andamento do escopo visado 1a3 4a8 9 a 20 Acima de 20 Número mínimo de canteiros obras auditados 1 2 3 4 no caso da certificação em mais de um escopo. condições de compartilhamento do sistema de gestão da qualidade. de acordo com os Requisitos Complementares aplicáveis para o escopo e nível de certificação em questão. § 1o Uma auditoria de manutenção pode ter seu dimensionamento reduzido em função de auditoria realizada dentro do prazo de validade do certificado de conformidade para extensão de escopo ou por solicitação da empresa para auditar uma nova obra.

exige-se ainda que o profissional tenha comprovadamente atuado no mínimo por 1 (um) ano em atividades com interface em canteiro de obras desse subsetor. b) informações sobre as obras em andamento e sobre a empresa.C.C. 19 Para um especialista fazer parte de uma equipe auditora da especialidade técnica Execução de Obras. 20 Para auxiliar a tomada de decisão dos membros das Comissões de Certificação. quando aplicáveis. com a evolução do tratamento dos mesmos nos diferentes níveis de certificação. conforme previsto nos Art. 5o deste Regimento. sendo esta a função técnica específica dele exigida. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. deve providenciar. ação corretiva e preventiva. satisfação do cliente. do total mínimo de 4 (quatro) anos. § 2o Para poder atuar como especialista num subsetor. o O. 21 Para as reuniões das Comissões de Certificação da especialidade técnica Execução de Obras.C. Parágrafo Único. além dos documentos constantes da Art. 11 e 15 deste Regimento. auditoria interna. d) justificativa de eventual aproveitamento de auditoria de serviço de execução controlado de outro escopo. segurança do trabalho em canteiros de obras. desde que analisadas e justificadas pelo O. ou ainda as de planejamento e controle de obras. que deve ser verificada nas auditorias pelo O. 20 do Regimento Geral: a) tabela de materiais e serviços de execução controlados.C. 16 deste Regimento. melhoria contínua. Deve haver uma caracterização rigorosa da situação da empresa quanto a eventual condição especial de funcionamento na sua estrutura organizacional. conforme previsto no Art. projeto e logística de canteiros de obras. c) justificativas de escolha do (s) canteiro (s) de obras auditado (s). Art.C. § 1o Constituem-se atividades com interface em canteiro de obras. conforme Art. Art. de acordo com Art. Técnica Execução de Obras relativas a responsabilidade da direção da empresa. avaliada pela capacitação efetiva dos responsáveis. b) qualidade dos serviços constatados em obra em andamento ou acabada. as que envolvem a responsabilidade direta pela produção em obra (engenheiro residente.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. deve possuir experiência profissional comprovada mínima de 4 (quatro) anos em atividades com interface em canteiro de obras. c) efetividade da análise crítica do sistema de gestão da qualidade realizada pela alta direção da empresa. 17 do Regimento Geral. os relatórios de auditoria devem obrigatoriamente trazer. 30 do Regimento Geral.C. de acordo com Art.da Esp. comentários da equipe auditora sobre: a) eficácia dos treinamentos realizados. e) efetividade das auditorias internas praticadas. Civil 8 SiAC . análise de dados. d) efetividade das ações corretivas praticadas. Outras atividades profissionais de mesma natureza podem ser aceitas. e) informações sobre contratos de construção e subempreitada em nome da empresa e ART junto ao CREA das obras auditadas. . Art. quando aplicáveis. definidos pelos Requisitos Complementares aplicáveis. por exemplo).

quando existente. com reflexos no seu sistema de gestão da qualidade. § 3o Os procedimentos relacionados à terceirização de serviços devem sempre contemplar as especificações e as fases de contratação. Técnica Execução de Obras Parágrafo Único. 24 Quando vierem a existir. se assegura do uso de produtos que atendam a essa exigência. Art 23 O O. sem quebra do anonimato.C. Art. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr. e que pratica a terceirização de serviços com a (s) outra (s) com quem compartilha parte ou a totalidade da sua infra-estrutura. c) manual da qualidade. O O. § 4o O Plano da Qualidade de Obra. o plano da qualidade da empresa terceirizada.C. . dispondo minimamente de: a) estrutura diretiva e gerencial (técnica e administrativa).C. deve verificar a evidência de que a empresa construtora. pontos de inspeção e recebimento dos mesmos. 22 Quando da certificação de empresas compartilhadas.C. por meio da sua direção e conforme estabelecido no seu manual da qualidade. em empregando materiais cuja certificação seja compulsória. independentemente do fato dela empregar serviços terceirizados ou mão-de-obra própria. devem estar disponíveis para análise da Comissão de Certificação.C. § 7o As informações sobre terceirização de serviços. sendo que empresa construtora compartilhada que pede a certificação deve ter estrutura técnica própria de fiscalização dos serviços contratados. deve verificar as condições básicas de garantia da qualidade apresentadas pela empresa construtora que pede a certificação. Referenciais Tecnológicos reconhecidos pela C. dotada de infra-estrutura adequada.C. § 5o No caso de subempreitada de serviços especializados de execução de obras. Civil 9 SiAC . referentes a materiais. d) estrutura técnico/administrativa capaz e suficiente para garantir a qualidade nos serviços terceirizados.C. § 2o A empresa construtora deve demonstrar condições próprias de funcionamento.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg. dotado de infra-estrutura adequada. Art. deve assegurar que o fornecimento de tais informações aos membros das Comissões de Certificação ocorra sem quebra do anonimato. equipamentos de obras e serviços de execução. sendo obrigatória a verificação da respectiva marca do INMETRO ou da rastreabilidade dos ensaios constantes dos laudos. previsto nos Referenciais Normativos.C. § 6o As verificações que o O. acompanhamento dos serviços. o O. b) representante da alta direção. são considerados itens auditáveis pelo O.C. a sua prática de terceirização de serviços referente aos diferentes níveis de certificação.. de acordo com os parágrafos abaixo. deve ser sempre o da empresa construtora compartilhada que pede a certificação. § 1o A empresa construtora deve declarar.N.da Esp. componentes. deve sofrer análise crítica para verificação do atendimento aos requisitos do plano da qualidade da empresa construtora. realiza na empresa construtora são as mesmas.C.

deve realizar auditoria de follow up para avaliação in loco da implementação das ações corretivas destas não-conformidades antes de submeter o processo à Comissão de Certificação.. o O. no entanto.C.C. Art. independente do realizado pelo fornecedor.C. sempre que possível por meio de laboratório externo ou da própria empresa.C. mas o O. análise crítica e aprovação dos seus procedimentos de execução. registradas em auditorias.C. o O.C.C. mantida a obrigatoriedade de inspeção e registro desses produtos. no entanto. § 1o O O. deve verificar a possibilidade de acesso às mesmas para consulta. Não é obrigatória a disponibilização das normas técnicas na empresa ou nos seus canteiros de obras. quando aplicável. definidos nos Requisitos Complementares.da Esp.C. mantida a obrigatoriedade de inspeção e registro desses produtos. Técnica Execução de Obras Art. deve verificar a evidência de que a empresa construtora. deve realizar auditoria de follow up para verificação in loco da implementação dos treinamentos antes de submeter o processo à Comissão de Certificação. esta poderá não ser atendida. desde que garantida a rastreabilidade dos ensaios. fica definido que: a) a empresa construtora que praticar a subempreitada de serviços com fornecedores certificados pelo SiAC ou em seus respectivos Programas Setoriais da Qualidade está desobrigada da elaboração. 27 Quando a auditoria registrar não-conformidade maior que possam provocar riscos à segurança das pessoas que trabalham na obra auditada. ficando. Civil 10 SiAC . 25 De modo a valorizar a compra e a contratação de produtos e serviços que estejam atendendo às exigências de seus respectivos Programas Setoriais da Qualidade do PBQP-H. mantida a obrigatoriedade de inspeção e registro dos mesmos. Art. mediante evidência de justificativa técnica da empresa. deve verificar a evidência de que a empresa construtora se assegura das condições de calibração do equipamento de ensaio dos materiais e componentes utilizados na estrutura portante de suas obras e da competência da equipe responsável pela realização do mesmo. A critério do O. pode aceitar evidências documentais da implementação da ação corretiva.C. Deve ser dada preferência aos laboratórios credenciados pela Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios (RBLE). 28 O O.C.C. quando necessário. Parágrafo Único. citando-as em seus documentos de especificação e aquisição.C. o O.C. fica. § 2o O O. 29 Para as não-conformidades maiores referentes ao requisito de treinamento. pode ser realizada auditoria de follow up para avaliação in loco da implementação das ações corretivas destas não-conformidades. c) a empresa construtora é dispensada da realização de ensaios de recebimento de produtos certificados voluntariamente pelo Modelo 5 do SBAC Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformidade.C. Para os casos de inadequação de uma norma a uma situação específica. no entanto. ficando. Art. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr.C. às circunvizinhas e aos futuros usuários da construção. atende às normas técnicas referentes a produtos e serviços. 26 Para o caso de ocorrência de não-conformidades de caráter documental relacionadas a procedimentos de materiais e serviços controlados. controle tecnológico dos materiais e componentes utilizados na estrutura portante de suas obras. deve verificar a evidência de que a empresa construtora realiza. b) a empresa construtora que comprar produtos de fornecedores de materiais e componentes certificados em seus respectivos Programas Setoriais da Qualidade está desobrigada do processo de qualificação. Art. .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg.C.

. Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Constr.da Esp. Técnica Execução de Obras Art. 30 Os casos omissos e as dúvidas suscitadas quanto à aplicação deste Regimento serão dirimidas pela Comissão Nacional. Civil 11 SiAC .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Reg.

PBQP-H ANEXO III Referencial Normativo Nível D do SiAC Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil. março de 2005 . Brasília.Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .

Agir: levar adiante as ações que permitam uma melhoria permanente do desempenho dos processos. Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras e Requisitos Complementares . organizar e . ela deve desempenhar diferentes atividades. 4.Execução de Obras adota a abordagem de processo para o desenvolvimento. A abordagem de processo procura assim identificar. para os diferentes subsetores e escopos de avaliação de conformidade. Este documento é único e aplicável em qualquer subsetor onde a empresa atue. Para que uma empresa atuando na construção de obras trabalhe de maneira eficaz. Check e Act): 1. os requisitos para os níveis C . complementarmente. 1. aumentar a satisfação dos clientes no que diz respeito ao atendimento de suas exigências. Os subsetores que podem ser cobertos são os previstos no Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras. Executar: executar as atividades (processos) planejadas.1. respeitadas as especificidades definidas no documento de Requisitos Complementares aplicável ao subsetor em questão. implementação e melhoria da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade da empresa construtora. Do.Execução de Obras. Introdução Este Referencial Normativo do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H estabelece os requisitos do nível D aplicáveis às empresas da especialidade técnica Execução de Obras. A presente versão do SiAC . Outros três Referenciais Normativos estabelecem. 2. Este Referencial é aplicável a toda empresa construtora que pretenda melhorar sua eficiência técnica e econômica e eficácia por meio da implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade. antes de tudo. o menos abrangente dos níveis previstos. Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral do SiAC. B e A .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Controlar: medir e controlar os processos e seus resultados quanto ao atendimento às exigências feitas pelos clientes e analisar os resultados.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 1 Referencial Normativo Nível D Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) 1 Objetivo 1.2. 3. Um dos pontos marcantes da abordagem de processo é o da implementação do ciclo de Deming ou da metodologia conhecida como PDCA (do inglês Plan. Esta visa. e que transformam elementos de entrada em elementos de saída . Abordagem de processo. independentemente do subsetor onde atue. Planejar: prever as atividades (processos) necessárias para o atendimento das necessidades dos clientes.

Os Certificados de Conformidade emitidos com base nos Referenciais Normativos Nível C .C. conforme estes Referenciais Normativos. Para o Referencial Normativo Nível D . Generalidades O SiAC .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . . as interações ocorrem nas interfaces entre dois processos.C. estabelecerem prazos para começarem a vigorar as exigências de cada nível. levando em conta suas condições iniciais e os recursos necessários para leválas adiante (tudo aquilo que é necessário para realizar a atividade).) autorizados pela Comissão Nacional. Tal abordagem leva em conta o fato de que o resultado de um processo é quase sempre a entrada do processo subseqüente.) do SiAC ou na página Internet do PBQP-H (http://www.4. B e A do SiAC só têm validade se emitidos por Organismos de Certificação Credenciados (O.gov.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 2 gerenciar tais atividades. autorizados. individualmente. a empresa deve declarar a conformidade de seu Sistema de Gestão da Qualidade obedecendo ao previsto no Regimento Geral do Sistema de Avaliação de Conformidade de Empresas de Serviços e Obras (SiAC) e no Regimento Específico do Sistema de Avaliação de Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) da Especialidade Técnica Execução de Obras.cidades.N. Portanto. 1. estabelecendo níveis de avaliação da conformidade progressivos. as empresas construtoras que desejam se certificar.Execução de Obras possui caráter evolutivo. Cabe aos contratantes. ou preferencialmente por meio de Acordos Setoriais firmados entre contratantes e entidades representativas de contratados.C. 1.3. públicos e privados. os elementos que dela resultam (tudo o que é produzido pela atividade) e as interações entre atividades.C. Estes e outros aspectos regimentais estão previstos nestes documentos.br/pbqp-h) a lista de O. Requisitos aplicáveis do Sistema de Gestão No Quadro a seguir são apresentados os requisitos do Sistema de Gestão aplicáveis para este Referencial Normativo. Ele baseia-se nos princípios que constam do Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC). segundo os quais os sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras são avaliados e classificados. devem consultar junto à Secretaria Executiva Nacional (S.E.

5.4. Plano da Qualidade da Obra 7.1.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .2.2.1 Requisitos gerais 4.1. Planejamento da execução da obra 7.2.1. Generalidades 4. Responsabilidade. Manual da Qualidade 4.2.3.2. Comprometimento da direção da empresa 5.4.1. Foco no cliente 5.1.2. Planejamento 5 Responsabilidade da direção da empresa 6 Gestão de recursos 7 Execução da obra B B A A .1.2.5. Provisão de recursos 6.3.2.1. Projeto elaboração do projeto 7.2. Planejamento da Obra 7.2.4.3.2.1.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 3 Quadro Requisitos do Sistema de Gestão SiAC SEÇÃO 4 Sistema de Gestão da Qualidade Execução de Obras Nível D 4. Saídas da análise crítica 6.2. Treinamento. Generalidades 5. Controle de documentos 4. Responsabilidade e autoridade 5.4. Ambiente de trabalho 7. Comunicação interna 5. Análise crítica pela direção crítica 5.2.2.2. Infra-estrutura 6. Identificação de requisitos relacionados à obra 7.3. Entradas de projeto 5.2.2.6. Designação de pessoal 6.1.5.4. Política da qualidade 5.3.2.1.2. Recursos humanos conscientização e competência 6.6. Análise crítica dos cliente requisitos relacionados à obra 7.1. Requisitos de documentação 5. Controle de registros X X X X X X X X C X X X A C C C X X C B A C B X REQUISITO 4. Comunicação com o cliente 7. Planejamento da 7. Entradas para a análise 5.6. Representante da direção Comunicação da empresa 5.1.3. Objetivos da qualidade 5. 6.3. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.1.3.6.5.3.2.2. Processos relacionados ao 7. Autoridade e 5.

2. Saídas de projeto 7. Validação de processos 7. Aquisição 7.2.3.5. Ação preventiva 8 Medição.7.4.2. Verificação de projeto 7. Melhoria 8.3.2.5.1.5.3. Operações de produção e fornecimento de serviço 7. Análise de dados 8. Validação de projeto 7.4. . Controle de alterações de projeto 7.3.8.2.3.6.5.3.3.1.5.4. Medição e monitoramento de processos 8.2.6.2. Informações para aquisição 7.2. Preservação de produto Nível D A A A A B B C C C C A C B C C C C C A REQUISITO 7.5.3. Verificação do produto adquirido 7.5. Propriedade do cliente 7. Identificação e rastreabilidade 7. B e C se referem aos demais Referenciais Normativos nos quais os requisitos começam a ser aplicados. análise e melhoria C C C C C A Nota: A letra X da coluna nível indica os requisitos exigíveis neste Referencial Normativo.1.5.5. Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra nãoconformes 8. Controle de dispositivos de medição e monitoramento 8.3. Generalidades 8. Processo de aquisição 7.4.1.5.3.4. Medição e monitoramento 8.4. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra 8. Análise crítica de projeto 7. Ação corretiva 8. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente 7. Satisfação do cliente 8.3. Auditoria interna 8. Melhoria contínua 8. As letras A .4.1. Controle de operações 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .5.3.5.4.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 4 SiAC SEÇÃO Execução de Obras 7.2.

e nem tampouco a exime de respeitar toda a legislação a ela aplicável. em relação aos presentes requisitos. o mesmo. Requisitos gerais Para implementar o Sistema de Gestão da Qualidade. isso pode ser considerado para exclusão. No entanto. Os requisitos são genéricos e aplicáveis para todas as empresas construtoras.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 5 1.1. 2 Referência normativa Como já dito. f) estabelecer um planejamento para desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da .2). A empresa construtora deve: a) realizar um diagnóstico da situação da empresa. é composto por uma série de Requisitos Complementares. e) determinar a seqüência e interação destes processos. Os títulos de requisitos aplicáveis nos demais Referenciais Normativos são indicados à medida que aparecem no texto. Escopo de aplicação Todos os requisitos deste referencial são válidos para as empresas construtoras. b) definir claramente o(s) subsetor(es) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . respeitandose as exigências específicas dos Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) onde atua. reivindicação de conformidade com este referencial não são aceitáveis a não ser que as exclusões fiquem limitadas aos requisitos contidos na Seção 7 . Quando são efetuadas exclusões. Quando algum requisito deste referencial não puder ser aplicado devido à natureza de uma empresa construtora e seus produtos e serviços. 3 Termos e definições Aplicam-se os termos e definições do Regimento Geral do SiAC e da NBR ISO 9000:2000.Execução da obra e que tais exclusões não afetem a capacidade ou responsabilidade da empresa construtora para fornecer produtos que atendam aos requisitos dos clientes e requisitos regulamentares aplicáveis. no início do desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade. além destes requisitos. a aplicação do presente referencial normativo não impede a empresa construtora de implementar e de se certificar pelo referencial da norma NBR ISO 9001:2000.5. c) estabelecer lista de serviços de execução controlados e lista de materiais controlados. cada qual válido para um subsetor. d) identificar e gerenciar os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade e sua aplicação por toda a empresa construtora (ver 1. a empresa construtora deve atender em seu planejamento de implantação do SGQ os requisitos abaixo descritos. 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4. sem levar em consideração o seu tipo e tamanho.

sempre que constar que a empresa construtora deve estabelecer procedimento documentado . c) à competência do pessoal. estabelecendo responsáveis e prazos para atendimento de cada requisito e obtenção da certificação conforme os demais Referencias Normativos. documentos identificados como necessários pela empresa construtora para assegurar a efetiva operação e controle de seus processos. . significa que ela deve: elaborar. Requisitos de documentação 4. b) detalhes e justificativas para quaisquer exclusões de requisitos deste referencial (ver 1.2. O controle de tais processos deve ser identificado no Sistema de Gestão da Qualidade. procedimentos documentados requeridos pelo presente referencial. devendo incluir: a) b) c) d) declarações documentadas da política da qualidade. implementar e manter estes procedimentos.4). e) registros da qualidade requeridos por este referencial (ver 4. implementar e manter um Manual da Qualidade que inclua: a) subsetor(es) e tipo(s) de obras abrangido(s) pelo seu Sistema de Gestão da Qualidade .2.2.2).5). Nota 3: A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade pode estar em qualquer forma ou tipo de meio de comunicação.2. Generalidades A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade deve ser constituída de modo evolutivo. assegurar a disponibilidade de recursos e informações necessárias para apoiar a operação e monitoramento desses processos. implementar ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua desses processos. Manual da Qualidade A empresa construtora deve elaborar. documentar. b) à complexidade dos processos e suas interações. Manual da Qualidade (ver 4. A empresa construtora deve gerenciar esses processos de acordo com os requisitos deste referencial. de acordo com os níveis de certificação obtidos.1. 4.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 6 g) h) i) j) Qualidade. Quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum processo que afete a conformidade do produto em relação aos requisitos. ela deve assegurar o controle desse processo.2. medir e analisar esses processos.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 4.2. monitorar. Nota 2: A abrangência da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade de uma empresa construtora pode diferir de uma outra devido: a) ao tamanho e subsetor de atuação. documentar. Nota 1: Em todos os requisitos. determinar critérios e métodos necessários para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes.

Registros são um tipo especial de documento e devem ser controlados de acordo com os requisitos apresentados em 4. ou referência a eles. Controle de documentos Os documentos requeridos pelo Sistema de Gestão da Qualidade devem ser controlados. Controle de Registros Registros da qualidade devem ser instituídos e mantidos para prover evidências da conformidade com requisitos e da operação eficaz do Sistema de Gestão da Qualidade. a fim de evitar o uso indevido de documentos não-válidos ou obsoletos. c) assegurar que alterações e a situação da revisão atual dos documentos sejam identificadas. b) analisar criticamente e atualizar.2.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 7 c) procedimentos documentados instituídos para o Sistema de Gestão da Qualidade. d) assegurar que as versões pertinentes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em todos os locais onde são executadas as operações essenciais para o funcionamento efetivo do Sistema de Gestão da Qualidade.3. antes da sua emissão.1). prontamente identificáveis e recuperáveis. Foco no cliente A direção da empresa construtora deve assegurar que os requisitos do cliente são determinados com o propósito de aumentar a satisfação do cliente (ver 7.4. 4.4. . e reaprovar documentos. 5.2.2. b) o estabelecimento da política da qualidade. assim como aos regulamentares e estatutários.1. c) a garantia da disponibilidade de recursos necessários. 4. 5 Responsabilidade da direção da empresa 5. e) assegurar que os documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis. quando necessário. e d) descrição da seqüência e interação entre os processos do Sistema de Gestão da Qualidade. Comprometimento da direção da empresa A direção da empresa construtora deve fornecer evidência do seu comprometimento com o desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e com a melhoria contínua de sua eficácia mediante: a) a comunicação aos profissionais da empresa e àqueles de empresas subcontratadas para a execução de serviços controlados da importância de atender aos requisitos do cliente.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .2. Registros da qualidade devem ser mantidos legíveis.2.2. f) prevenir o uso não intencional de documentos obsoletos e aplicar uma identificação adequada nos casos em que forem retidos por qualquer propósito. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para: a) aprovar documentos quanto à sua adequação.1 e 8.

b) a integridade do Sistema de Gestão da Qualidade é mantida quando mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade são planejadas e implementadas. deve ter responsabilidade e autoridade para: a) assegurar que os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade sejam estabelecidos.4. Responsabilidade e autoridade A direção da empresa deve assegurar que as responsabilidades e autoridades são definidas ao longo da documentação do Sistema e comunicadas na empresa construtora.5. Objetivos da qualidade Nível C 5.2.2.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 8 5. Planejamento 5. segundo um plano de sensibilização previamente definido.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .1.5. d) seja comunicada nos níveis apropriados da empresa construtora e de seus subcontratados com responsabilidades definidas no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa. Comunicação interna Nível A . 5.4.5. pelos profissionais da empresa construtora e de seus subempreiteiros com responsabilidade no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa.1. b) inclua o comprometimento com o atendimento aos requisitos e com a melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. Responsabilidade. Representante da direção da empresa A direção da empresa deve indicar um membro da empresa construtora que.3. 5. e) seja entendida. Política da qualidade A direção da empresa deve assegurar que a política da qualidade: a) seja apropriada aos propósitos da empresa construtora.5.4. b) assegurar a promoção da conscientização sobre os requisitos do cliente em toda a empresa. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade A direção da empresa deve assegurar que: a) o planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade é realizado de forma a satisfazer aos requisitos citados em 4. Autoridade e Comunicação 5.1. implementados e mantidos. no grau de entendimento apropriado. independente de outras responsabilidades. 5. c) proporciona uma estrutura para estabelecimento e análise crítica dos objetivos da qualidade. 5.3.

1.6. Saídas da análise crítica Nível C 6 Gestão de recursos 6. qualificação profissional.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Provisão de recursos A empresa construtora deve determinar e prover recursos. Planejamento da Obra 7. Plano da Qualidade da Obra Nível C .6. Entradas para a análise crítica Nível C 5.1.2.2. conscientização e treinamento Nível C 6.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 9 5.1.2.1. treinamento.6.3.2. Análise crítica pela direção 5. Competência. Generalidades Nível C 5. Designação de pessoal O pessoal que executa atividades que afetam a qualidade do produto deve ser competente com base em escolaridade.1.4.3.1. habilidade e experiência apropriados. 6.6. Recursos humanos 6. necessários para: a) implementar e manter seu Sistema de Gestão da Qualidade. 6. Infra-estrutura Nível B 6. Ambiente de trabalho Nível A 7 Execução da obra 7.2.

1.4.2. Planejamento da execução da obra Nível B 7. d) qualquer requisito adicional determinado pela empresa construtora.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 10 7.2.2. Comunicação com o cliente Nível B 7. Determinação dos requisitos relacionados à obra A empresa construtora deve determinar: a) requisitos da obra especificados pelo cliente. Análise Crítica de projeto Nível A 7.3.5. Entradas de projeto Nível A 7.3. incluindo requisitos regulamentares e legais. c) obrigações relativas à obra.1.2.3.3.3. 7.1. incluindo os requisitos de entrega da obra e assistência técnica. Saídas de projeto Nível A 7.3. Projeto 7.2. b) requisitos da obra não especificados pelo cliente. Análise crítica dos requisitos relacionados à obra Nível B 7. mas necessários para o uso especificado ou intencional. Verificação do projeto Nível A . Processos relacionados ao cliente 7.3.3.2. Planejamento da elaboração do projeto Nível A 7.2.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .

3.4. Processo de avaliação de fornecedores Nível B 7.2. Controle de alterações de projeto Nível B 7.4. Informações para aquisição 7. Serviços de projeto e serviços especializados de engenharia Nível B 7.4. Aquisição 7.4. Processo de qualificação de fornecedores Nível C 7.2. Materiais controlados Nível C 7.1. Verificação do produto adquirido Nível C . Serviços controlados Nível C 7.2.2.1.4.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 11 7.1.6.2.3.3. Validação de projeto Nível A 7.1.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Processo de aquisição Nível C 7.4.1.3. Análise Crítica de projetos fornecidos pelo cliente Nível B 7.4. Serviços laboratoriais Nível B 7.8.2.4.4.7.2.4.4.3.

1. Propriedade do cliente Nível B 7.3. Operações de produção e fornecimento de serviço 7. Satisfação do cliente Nível C . Identificação Nível C 7.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 12 7.5. Validação de processos Nível A 7. Controle dos serviços de execução controlados Nível C 7.5.1.5. Controle de dispositivos de medição e monitoramento Nível C 8 Medição.3.3. análise e melhoria 8.5.4. Identificação e rastreabilidade 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Medição e monitoramento 8.1.2.1.1.5.5.2.1.5.5.6.5. Preservação de produto Nível C 7. Rastreabilidade Nível B 7.2.5.2. Controle de operações Nível C 7. Generalidades Nível C 8.

5.2.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra não-conformes Nível C 8. Melhoria 8. Melhoria contínua Nível C 8.5.5.3.1. Análise de dados Nível C 8.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível D do SiAC 13 8.2. Auditoria interna Nível C 8.4. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra Nível C 8.4.3. Medição e monitoramento de processos Nível A 8. Ação Preventiva Nível A .3.2.2.5.2. Ação corretiva Nível C 8.

Brasília. março de 2005 .Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .PBQP-H ANEXO III Referencial Normativo Nível C do SiAC Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil.

1 Objetivo 1.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 1 Referencial Normativo Nível C do SiAC Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil. Do. aumentar a satisfação dos clientes no que diz respeito ao atendimento de suas exigências. Os outros sistemas de gestão A presente versão do SiAC . Ele deve ser aplicado conjuntamente com o Regimento Geral do SiAC. respeitadas as especificidades definidas no documento de Requisitos Complementares aplicável ao subsetor em questão. organizar e gerenciar tais atividades. Este Referencial é aplicável a toda empresa construtora que pretenda melhorar sua eficiência técnica e econômica e eficácia por meio da implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade. implementação e melhoria da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade da empresa construtora. os requisitos para os níveis B e A . antes de tudo. 3. 1.Execução de Obras adota a abordagem de processo para o desenvolvimento. ela deve desempenhar diferentes atividades. independentemente do subsetor onde atue. 4. Check e Act): 1. para os diferentes subsetores e escopos de certificação. e que transformam elementos de entrada em elementos de saída . Planejar: prever as atividades (processos) necessárias para o atendimento das necessidades dos clientes. o Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras e Requisitos Complementares Execução de Obras.2. Outros dois Referenciais Normativos estabelecem. Esta visa. A abordagem de processo procura assim identificar. Um dos pontos marcantes da abordagem de processo é o da implementação do ciclo de Deming ou da metodologia conhecida como PDCA (do inglês Plan. Agir: levar adiante as ações que permitam uma melhoria permanente do desempenho dos processos. Introdução Este Referencial Normativo do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Execução de Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H estabelece os requisitos do nível C aplicáveis às empresas da especialidade técnica Execução de Obras.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 2. Este documento é único e aplicável em qualquer subsetor onde a empresa atue. levando em conta suas condições iniciais e os recursos necessários para levá- . Abordagem de processo.1. complementarmente. Para que uma empresa atuando na construção de obras trabalhe de maneira eficaz. Executar: executar as atividades (processos) planejadas. Os subsetores que podem ser cobertos são os previstos no Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras. Controlar: medir e controlar os processos e seus resultados quanto ao atendimento às exigências feitas pelos clientes e analisar os resultados.

Execução de Obras possui caráter evolutivo.C.C. individualmente. Estes e outros aspectos regimentais estão previstos no Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras (SiAC) e no Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) da Especialidade Técnica Execução de Obras. Tal abordagem leva em conta o fato de que o resultado de um processo é quase sempre a entrada do processo subseqüente. Generalidades O SiAC . Cabe aos contratantes.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . .3.br/pbqp-h) a lista de O.gov.) autorizados pela Comissão Nacional. as interações ocorrem nas interfaces entre dois processos. 1. Requisitos aplicáveis do Sistema de Gestão No Quadro a seguir são apresentados os requisitos do Sistema de Gestão aplicáveis para este Referencial Normativo. as empresas construtoras que desejam se certificar. Portanto. ou preferencialmente por meio de Acordos Setoriais firmados entre contratantes e entidades representativas de contratados.N. estabelecerem prazos para começarem a vigorar as exigências de cada nível. 1. devem consultar junto à Secretaria Executiva Nacional (S.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 2 las adiante (tudo aquilo que é necessário para realizar a atividade). Ele baseia-se nos princípios que constam do Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC).E. públicos e privados. segundo os quais os sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras são avaliados e classificados.C.cidades. Os Certificados de Conformidade emitidos com base nos Referenciais Normativos Nível C . conforme o presente Referencial Normativo. estabelecendo níveis de avaliação da conformidade progressivos.C. autorizados. B e A do SiAC só têm validade se emitidos por Organismos de Certificação Credenciados (O.) do SiAC ou na página Internet do PBQP-H (http://www.4. os elementos que dela resultam (tudo o que é produzido pela atividade) e as interações entre atividades.

5.2.3.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 3 Quadro Requisitos do Sistema de Gestão SiAC . Provisão de recursos 6. Controle de documentos 4. Política da qualidade 5. 6.2.3.5.4.6.1.2.3. Análise crítica pela direção crítica 5. Ambiente de trabalho 7. Planejamento 5 Responsabilidade da direção da empresa 4.2.2. Objetivos da qualidade 5.4.2. Generalidades 4. Identificação de requisitos relacionados à obra 7. Infra-estrutura 6. Foco no cliente 5.2.3.6.2. Projeto elaboração do projeto 7.1. Treinamento. Designação de pessoal 6.2.1.3.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .1.2.3. Entradas de projeto 5. Plano da Qualidade da Obra 7.5. Planejamento da execução da obra 7.1.1. Manual da Qualidade 4. Processos relacionados ao 7. Comunicação com o cliente 7.1. Entradas para a análise 5.5.Execução de Obras SEÇÃO 4 Sistema de Gestão da Qualidade REQUISITO 4.6.4.1. Planejamento da 7. Saídas da análise crítica 6. Responsabilidade e autoridade 5. Requisitos de documentação 5.2.1.2.2.1.3.2. Recursos humanos conscientização e competência 6.4.3. Comunicação interna 5. Representante da direção Autoridade e Comunicação da empresa 5.2. Planejamento da Obra 7.2.6. Generalidades 5. Controle de registros D X X X X X X X X X X X A Níveis C X X X X X X X X X X X X A X X X X X X B A B A X B X X X X 6 Gestão de recursos 7 Execução da obra B B A A B B A A . Análise crítica dos cliente requisitos relacionados à obra 7.3.2.1.2.1. Comprometimento da direção da empresa 5.2.2.1. 5. Responsabilidade. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.4.1 Requisitos gerais 4.2.

5. Generalidades 8. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente 7.2.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 4 SiAC . Satisfação do cliente 8. Ação preventiva 8 Medição. Operações de produção e fornecimento de serviço 7.3.3.5. As letras A e B se referem aos níveis nos quais os requisitos começam a ser aplicados.3.2.5. Análise crítica de projeto 7. Controle de dispositivos de medição e monitoramento 8.8. Controle de operações 7.5.1. Informações para aquisição 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .4.3.3.5.3. Aquisição 7.2. Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra nãoconformes 8.3.2.5.2.6.5. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra 8. Propriedade do cliente 7.5.4.4. Análise de dados 8.3.1. .4.2.4.1.2.5.3.2. Verificação de projeto 7. Medição e monitoramento de processos 8. Saídas de projeto 7.1.2. Melhoria contínua 8. Medição e monitoramento 8. Processo de aquisição 7. Identificação e rastreabilidade 7. Ação corretiva 8. Validação de projeto 7.3.4. Auditoria interna 8.5.5.Execução de Obras SEÇÃO REQUISITO 7. Verificação do produto adquirido 7.5.6. Preservação de produto D A A A A B B Níveis C A A A A B B X X X A X A X B B X X X X X A A 7.4. análise e melhoria X X X X X A A Nota: A letra X da coluna níveis indica os requisitos exigíveis a partir do presente nível de certificação e no nível anterior.7. Melhoria 8. Validação de processos 7.1. Controle de alterações de projeto 7.3.4.3.

a aplicação do presente referencial normativo não impede a empresa construtora de implementar e de se certificar pelo referencial da norma NBR ISO 9001:2000. isso pode ser considerado para exclusão. 3 Termos e definições Aplicam-se os termos e definições do Regimento Geral do SiAC e da NBR ISO 9000:2000. Os requisitos são genéricos e aplicáveis para todas as empresas construtoras. cada qual válido para um subsetor. no início do desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade. em relação aos presentes requisitos.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . reivindicação de conformidade com este referencial não são aceitáveis a não ser que as exclusões fiquem limitadas aos requisitos contidos na Seção 7 . f) estabelecer um planejamento para desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da . respeitandose as exigências específicas dos Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) onde atua. e) determinar a seqüência e interação destes processos. e nem tampouco a exime de respeitar toda a legislação a ela aplicável. sem levar em consideração o seu tipo e tamanho. é composto por uma série de Requisitos Complementares.5. a empresa construtora deve atender em seu planejamento de implantação do SGQ os requisitos abaixo descritos. Requisitos gerais Para implementar o Sistema de Gestão da Qualidade.1. além destes requisitos. 2 Referência normativa Como já dito. o mesmo.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 5 1. No entanto. c) estabelecer lista de serviços de execução controlados e lista de materiais controlados.2). b) definir claramente o(s) subsetor(es) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. Quando são efetuadas exclusões. Os títulos de requisitos aplicáveis nos demais Referenciais Normativos são indicados à medida que aparecem no texto.Execução da obra e que tais exclusões não afetem a capacidade ou responsabilidade da empresa construtora para fornecer produtos que atendam aos requisitos dos clientes e requisitos regulamentares aplicáveis. A empresa construtora deve: a) realizar um diagnóstico da situação da empresa. 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4. d) identificar e gerenciar os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade e sua aplicação por toda a empresa construtora (ver 1. Quando algum requisito deste referencial não puder ser aplicado devido à natureza de uma empresa construtora e seus produtos e serviços. Escopo de aplicação Todos os requisitos deste referencial são válidos para as empresas construtoras.

Requisitos de documentação 4. monitorar.5). documentar. implementar e manter um Manual da Qualidade que inclua: a) subsetor(es) e tipo(s) de obras abrangido(s) pelo seu Sistema de Gestão da Qualidade . sempre que constar que a empresa construtora deve estabelecer procedimento documentado . b) detalhes e justificativas para quaisquer exclusões de requisitos deste referencial (ver 1. e) registros da qualidade requeridos por este referencial (ver 4.2. Manual da Qualidade (ver 4. assegurar a disponibilidade de recursos e informações necessárias para apoiar a operação e monitoramento desses processos. documentos identificados como necessários pela empresa construtora para assegurar a efetiva operação e controle de seus processos. implementar ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua desses processos. .1. devendo incluir: a) b) c) d) declarações documentadas da política da qualidade e dos objetivos da qualidade. O controle de tais processos deve ser identificado no Sistema de Gestão da Qualidade.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 6 g) h) i) j) Qualidade. Nota 2: A abrangência da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade de uma empresa construtora pode diferir do de uma outra devido: a) ao tamanho e subsetor de atuação. 4. documentar. significa que ela deve: elaborar. procedimentos documentados requeridos pelo presente referencial. medir e analisar esses processos.1).2. implementar e manter estes procedimentos.2. Nota 3: A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade pode estar em qualquer forma ou tipo de meio de comunicação. Manual da Qualidade A empresa construtora deve elaborar.4).1. A empresa construtora deve gerenciar esses processos de acordo com os requisitos deste referencial. estabelecendo responsáveis e prazos para atendimento de cada requisito e obtenção da certificação conforme os demais Referencias Normativos. c) à competência do pessoal.2. de acordo com os níveis de certificação obtidos. Nota 1: Em todos os requisitos.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . determinar critérios e métodos necessários para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes. 4.2) e Planos da Qualidade de Obras (ver 7. b) à complexidade dos processos e suas interações.2. Generalidades A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade deve ser constituída de modo evolutivo. Quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum processo que afete a conformidade do produto em relação aos requisitos.2. ela deve assegurar o controle desse processo.

tempo de retenção e descarte dos registros da qualidade. e) assegurar que os documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis. d) assegurar que as versões pertinentes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em todos os locais onde são executadas as operações essenciais para o funcionamento efetivo do Sistema de Gestão da Qualidade. tais como especificação de materiais e procedimentos para execução de serviços. tenham distribuição controlada e estejam disponíveis em todos os locais onde são aplicáveis. b) analisar criticamente e atualizar.4.2. e d) descrição da seqüência e interação entre os processos do Sistema de Gestão da Qualidade. antes da sua emissão. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para identificação. prontamente identificáveis e recuperáveis. Nota: As empresas não estão obrigadas a disponibilizar as normas técnicas que porventura sejam citadas nos seus documentos.4.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 7 c) procedimentos documentados para o Sistema de Gestão da Qualidade. quando necessário. g) assegurar que documentos de origem externa.1.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . recuperação. memoriais e especificações do cliente. c) assegurar que alterações e a situação da revisão atual dos documentos sejam identificadas. 5 Responsabilidade da direção da empresa 5. sejam identificados. f) prevenir o uso não intencional de documentos obsoletos e aplicar uma identificação adequada nos casos em que forem retidos por qualquer propósito. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para: a) aprovar documentos quanto à sua adequação.2. Comprometimento da direção da empresa A direção da empresa construtora deve fornecer evidência do seu comprometimento com o desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e com a melhoria contínua de sua eficácia mediante: . Registros são um tipo especial de documento e devem ser controlados de acordo com os requisitos apresentados em 4. a fim de evitar o uso indevido de documentos não-válidos ou obsoletos. tais como normas técnicas. 4. Registros da qualidade devem ser mantidos legíveis. Controle de Registros Registros da qualidade devem ser instituídos e mantidos para prover evidências da conformidade com requisitos e da operação eficaz do Sistema de Gestão da Qualidade. 4. Controle de documentos Os documentos requeridos pelo Sistema de Gestão da Qualidade devem ser controlados. armazenamento. Devem também ser considerados registros oriundos de fornecedores de materiais e serviços controlados. ou referência a eles. proteção.2. projetos. e reaprovar documentos.3.

segundo um plano de sensibilização previamente definido.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 8 a) a comunicação aos profissionais da empresa e àqueles de empresas subcontratadas para a execução de serviços controlados da importância de atender aos requisitos do cliente. 5. bem como aos objetivos da qualidade. d) seja comunicada nos níveis apropriados da empresa construtora e de seus subcontratados com responsabilidades definidas no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa. b) inclua o comprometimento com o atendimento aos requisitos e com a melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade.2. assim como aos regulamentares e estatutários. Objetivos da qualidade A direção da empresa deve assegurar que: a) sejam definidos objetivos da qualidade mensuráveis para as funções e níveis pertinentes da empresa construtora e de modo consistente com a política da qualidade.4. b) sejam definidos indicadores mensuráveis para permitir o acompanhamento dos objetivos da qualidade. b) o estabelecimento da política da qualidade.1 e 8. Foco no cliente A direção da empresa construtora deve assegurar que os requisitos do cliente são determinados com o propósito de aumentar a satisfação do cliente (ver 7. 5.1. pelos profissionais da empresa construtora e de seus subempreiteiros com responsabilidade no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa. b) a integridade do Sistema de Gestão da Qualidade é mantida quando mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade são planejadas e implementadas.3. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade A direção da empresa deve assegurar que: a) o planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade é realizado de forma a satisfazer aos requisitos citados em 4. c) a garantia da disponibilidade de recursos necessários.4. 5. no grau de entendimento apropriado.2.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 5. Política da qualidade A direção da empresa deve assegurar que a política da qualidade: a) seja apropriada aos propósitos da empresa construtora.4. e) seja entendida. Planejamento 5. c) proporciona uma estrutura para estabelecimento e análise crítica dos objetivos da qualidade.2.1.2. .1).

5. adequação e eficácia.1. Comunicação interna Nível A 5. Responsabilidade e autoridade A direção da empresa deve assegurar que as responsabilidades e autoridades são definidas ao longo da documentação do Sistema e comunicadas na empresa construtora. b) assegurar a promoção da conscientização sobre os requisitos do cliente em toda a empresa. A análise crítica deve incluir a avaliação de oportunidades para melhoria e necessidades de mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade. 5. deve ter responsabilidade e autoridade para: a) assegurar que os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade sejam estabelecidos.6.3.5.2. para assegurar sua contínua pertinência. Saídas da análise crítica Os resultados da análise crítica pela direção devem incluir quaisquer decisões e ações relacionadas a: a) melhoria do produto com relação aos requisitos do cliente. Responsabilidade.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 9 5. Análise crítica pela direção 5. a situação das ações corretivas.3. .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . mudanças que possam afetar o sistema de gestão da qualidade. Representante da direção da empresa A direção da empresa deve indicar um membro da empresa construtora que. implementados e mantidos.4).5. acompanhamento de ações oriundas de análises críticas anteriores. 5.6. incluindo a política da qualidade e os objetivos da qualidade.6. b) necessidade de recursos. a intervalos planejados.5.6.2. Generalidades A direção da empresa deve analisar criticamente o Sistema de Gestão da Qualidade.5. Autoridade e Comunicação 5. independente de outras responsabilidades. 5. recomendações para melhoria.2.1. Entradas para a análise crítica As entradas para a análise crítica pela direção devem incluir informações sobre: a) b) c) d) e) os resultados de auditorias. Devem ser mantidos registros das análises críticas pela direção da empresa (ver 4.

c) avaliar a eficácia das ações executadas.1. 6. 7.2. e e) manter registros apropriados de escolaridade. d) assegurar que seu pessoal está consciente quanto à pertinência e importância de suas atividades e de como elas contribuem para atingir os objetivos da qualidade. em função da empresa construtora ter sido contratada para atuar apenas em etapa(s) específica(s) de sua produção ou para sua produção integral. qualificação profissional. Ambiente de trabalho Nível A 7 Execução da obra Execução da obra é a seqüência de processos requeridos para a obtenção parcial ou total do produto almejado pelo cliente. Recursos humanos 6. Competência.2. quando apropriado: .SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 10 6 Gestão de recursos 6. consistente com os outros requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade (ver 4. Designação de pessoal O pessoal que executa atividades que afetam a qualidade do produto deve ser competente com base em escolaridade.2.3. qualificação profissional. para cada uma de suas obras.4).1).1. elaborar e documentar o respectivo Plano da Qualidade da Obra.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 6. 6. Plano da Qualidade da Obra A empresa construtora deve.2.1.1. habilidade e experiência apropriados. Infra-estrutura Nível B 6. conscientização e treinamento A empresa construtora deve: a) determinar as competências necessárias para o pessoal que executa trabalhos que afetam a qualidade do produto. experiência e habilidade (ver 4.4. contendo os seguintes elementos. Provisão de recursos A empresa construtora deve determinar e prover recursos necessários para: a) implementar e manter seu Sistema de Gestão da Qualidade. treinamento.2.1. Planejamento da Obra 7. treinamento. b) fornecer treinamento ou tomar outras ações para satisfazer estas necessidades de competência.

c) obrigações relativas à obra.2. e respectivos procedimentos de execução e inspeção.1.2. mas necessários para o uso especificado ou intencional. d) identificação das especificidades da execução da obra e determinação das respectivas formas de controle. b) relação de materiais e serviços de execução controlados.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 11 a) estrutura organizacional da obra. incluindo definição de responsabilidades específicas. devem ser mantidos registros dos controles realizados (ver 4.3.3.2. Planejamento da elaboração do projeto Nível A 7. incluindo os requisitos de entrega da obra e assistência técnica.2.2.3.2. Análise Crítica dos requisitos relacionados à obra Nível B 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .2. Processos relacionados ao cliente 7. Planejamento da execução da obra Nível B 7. 7.4). Projeto 7.1. d) qualquer requisito adicional determinado pela empresa construtora.2. devem ser mantidos registros dos controles realizados (ver 4. bem como de suas formas de controle. Determinação dos requisitos relacionados à obra A empresa construtora deve determinar: a) requisitos da obra especificados pelo cliente. c) projeto do canteiro. 7. Entradas de projeto Nível A . incluindo requisitos regulamentares e legais. Comunicação com o cliente Nível B 7. b) requisitos da obra não especificados pelo cliente. e) identificação dos processos considerados críticos para a qualidade da obra e atendimento das exigências dos clientes.3.4). f) identificação das especificidades no que se refere à manutenção de equipamentos considerados críticos para a qualidade da obra e atendimento das exigências dos clientes.1.2.

Poderá ser dispensado do processo de qualificação o fornecedor formalmente participante do Programa Setorial da Qualidade de produtos de seu subsetor industrial.4. Verificação do projeto Nível A 7.5.3. Análise Crítica de projeto Nível A 7. Processo de qualificação de fornecedores A empresa construtora deve estabelecer critérios para qualificar (pré-avaliar e selecionar). Aquisição 7.3.6. Este requisito abrange a compra de materiais controlados e a contratação de serviços de execução controlados.3.4. Análise Crítica de projetos fornecidos pelo cliente Nível B 7.7.4. O tipo e extensão do controle aplicado ao fornecedor e ao produto adquirido devem depender do efeito do produto adquirido durante a execução da obra ou no produto final.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 12 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Saídas de projeto Nível A 7. seus fornecedores.3. 7.1.3.1. em função do subsetor de atuação da empresa . Deve ser tomado como base a capacidade do fornecedor em atender aos requisitos especificados nos documentos de aquisição. serviços laboratoriais. ver Requisitos Complementares. Processo de aquisição A empresa construtora deve assegurar que a compra de materiais e a contratação de serviços estejam conforme com os requisitos especificados de aquisição.3. serviços de projeto e serviços especializados de engenharia e a locação de equipamentos que a empresa construtora considere críticos para o atendimento das exigências dos clientes. Para a definição dos materiais e serviços de execução controlados.8. Controle de alterações de projeto Nível B 7. e atendendo os requisitos estabelecidos no Projeto da Meta Mobilizadora Nacional da Habitação.1.4. .3. Validação de projeto Nível A 7.

4) para todos os materiais e serviços de execução controlados.4.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 7.2. oriundas da qualificação (ver 4. Serviços controlados A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços de execução controlados descrevam claramente o que está sendo contratado.4.4.2. 7.3. as providências de verificação pretendidas e o método de liberação de produto.1.2. a empresa construtora deve declarar. A empresa construtora deve estabelecer.2.2.4. nas informações para aquisição.4. Quando a empresa construtora ou seu cliente pretender executar a verificação nas instalações do fornecedor. procedimentos documentados de inspeção de recebimento (ver 8.4).2. Materiais controlados A empresa construtora deve garantir que os documentos de compra de materiais controlados descrevam claramente o que está sendo comprado. contendo especificações técnicas (ver requisitos complementares aplicáveis ao subsetor pertinente). a adequação dos requisitos de aquisição especificados antes da sua comunicação ao fornecedor.4.3.4. Informações para aquisição A empresa construtora deve assegurar. . Processo de avaliação de fornecedores Nível B 7. Serviços de projeto e serviços especializados de engenharia Nível B 7. contendo especificações técnicas (ver requisitos complementares aplicáveis ao subsetor pertinente).1. 7.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 13 A empresa construtora deve ainda manter atualizados os registros de qualificação de seus fornecedores e de quaisquer ações necessárias.2.2.4.2. Serviços laboratoriais Nível B 7. 7. Verificação do produto adquirido A empresa construtora deve instituir e implementar atividade de inspeção ou outras atividades necessárias para assegurar que o produto adquirido atende aos requisitos de aquisição especificados.

entrega e atividades pós-entrega.1.5. a implementação da liberação.5. Validação de processos Nível A 7. continua. 7. quando necessário.1. garantir que o fornecedor o implemente e assegurar o controle de inspeção desse processo. a implementação de monitoramento e medição. a partir do recebimento e durante os estágios de execução e entrega.1. garantir que os procedimentos documentados afeitos aos serviços de execução controlados incluam requisitos para (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor): a) realização e aprovação do serviço. a empresa construtora deve identificar o produto ao longo da produção. 7.5. Controle dos serviços de execução controlados A empresa construtora deve. conforme previsto nos Requisitos Complementares aplicável ao subsetor. Operações de produção e fornecimento de serviço 7.2) analisar criticamente e aprovar o procedimento documentado de realização do serviço definido pela empresa externa subcontratada e assegurar o seu controle de inspeção.3. Nota: caso o serviço seja considerado um serviço especializado de execução de obras e tenha sido terceirizado. Identificação e rastreabilidade 7.1) definir o procedimento documentado de realização do processo.5. Controle de operações A empresa construtora deve planejar e realizar a produção e o fornecimento de serviço sob condições controladas. quando aplicável: a) b) c) d) e) f) g) a disponibilidade de informações que descrevam as características do produto. a disponibilidade de procedimentos de execução documentados. no entanto. a disponibilidade e uso de dispositivos para monitoramento e medição. b) qualificação do pessoal que realiza o serviço ou da empresa subcontratada.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 14 7. sendo obrigatória.5.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .5.1. A existência do procedimento documentado de inspeção. ou a. quando apropriado.3. ficando a empresa construtora dispensada de analisá-lo criticamente e de aprová-lo.2. Identificação Quando apropriado. . a manutenção de equipamentos considerados críticos para o atendimento das exigências dos clientes. quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum serviço controlado ela deve: a. Condições controladas devem incluir. sendo que. o uso de equipamentos adequados. não há necessidade de demonstração do procedimento de realização.

a correta identificação.4. produtos. a empresa construtora deve garantir que tais materiais não sejam empregados.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 15 Esta identificação tem por objetivo garantir a correspondência inequívoca entre projetos.1). Essas medidas devem ser aplicadas. 7. estocagem e condicionamento. para os materiais controlados. serviços e registros gerados. 7. Para todos os serviços de execução controlados. Propriedade do cliente Nível B 7. deve ser assinalada de modo apropriado de tal forma a indicarem a conformidade ou não dos mesmos. por ela ou por empresa subcontratada.2.6. enquanto eles não tenham sido controlados ou enquanto suas exigências específicas não tenham sido verificadas. manuseio. Controle de dispositivos de medição e monitoramento A empresa construtora deve determinar as medições e monitoramentos a serem realizados e os dispositivos de medição e monitoramento necessários para evidenciar a conformidade do produto com os requisitos determinados (ver 7. no caso do não atendimento às exigências feitas. No caso de situações nas quais um desses materiais tenha que ser aplicado antes de ter sido controlado.3. enquanto não tenham sido controlados ou enquanto suas exigências específicas não tenham sido verificadas. a identificação tem também por objetivo a rastreabilidade. por ela ou por empresa subcontratada. preservando a conformidade dos mesmos em todas as etapas do processo de produção. A empresa construtora deve preservar a conformidade dos serviços de execução controlados.5. até a entrega da obra.5. Para todos os materiais controlados. Preservação de produto A empresa construtora deve. com relação às inspeções e aos ensaios feitos. . Rastreabilidade Nível B 7.5. o mesmo deve ser formalmente identificado. em todas as etapas do processo de produção. evitando erros. não importando se tais materiais e serviços estão sob responsabilidade da empresa construtora. a empresa construtora deve garantir que as etapas subseqüentes a eles não sejam iniciadas. garantir. A situação dos produtos. com relação aos requisitos de monitoramento e de medição. No caso dos materiais estruturais. permitindo sua posterior localização e a realização das correções que se fizerem necessárias.2.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . ou de empresas subcontratadas.5.

planejar e implementar os processos necessários de monitoramento.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . O responsável pela área a ser auditada deve assegurar que as ações para eliminar nãoconformidades e suas causas sejam tomadas sem demora indevida. escopo.2. medição. a empresa construtora deve monitorar informações relativas à percepção do cliente sobre se a organização atendeu aos seus requisitos. freqüência e métodos devem ser definidos.2.2. As atividades de . 8 Medição.1. e. Satisfação do cliente Como uma das medições do desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade. As responsabilidades e os requisitos para planejamento e para execução de auditorias e para relato dos resultados e manutenção dos registros (ver 4. análise e melhoria para: a) demonstrar a conformidade do produto. Isso deve incluir a determinação dos métodos aplicáveis.4) devem ser definidos em um procedimento documentado. A seleção dos auditores e a execução das auditorias devem assegurar objetividade e imparcialidade do processo de auditoria.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 16 A empresa construtora deve estabelecer processos para assegurar que a medição e o monitoramento possam ser realizados e sejam realizados de uma maneira coerente com os requisitos de medição e monitoramento. Medição e monitoramento 8.2. incluindo técnicas estatísticas. análise e melhoria 8. Os critérios da auditoria. Os auditores não devem auditar o seu próprio trabalho. levando em consideração a situação e a importância dos processos e áreas a serem auditadas. b) assegurar a conformidade do Sistema de Gestão da Qualidade. 8. de maneira evolutiva. Generalidades A empresa construtora deve. com os requisitos deste Referencial e com os requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade por ela instituídos. e a abrangência de seu uso. 8.1).1.2. Um programa de auditoria deve ser planejado. b) está mantido e implementado eficazmente. Auditoria interna A empresa construtora deve executar auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o seu Sistema de Gestão da Qualidade: a) está conforme com as disposições planejadas (ver 7. c) melhorar continuamente a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. bem como os resultados de auditorias anteriores. e. Os métodos para obtenção e uso dessas informações devem ser determinados.

8. Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra não-conformes A empresa construtora deve assegurar. Os registros devem indicar a(s) pessoa(s) autorizada(s) a liberar o produto (ver 4.2. liberação ou aceitação sob concessão por uma autoridade pertinente e. onde aplicável. o serviço de execução ou a obra não-conforme for corrigido.2. incluindo concessões obtidas (ver 4.4). . quando aplicável.4).MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Nota: Ver NBR ISO 10.2). pelo cliente. 8.1) tenham sido satisfatoriamente concluídas.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 17 acompanhamento devem incluir a verificação das ações tomadas e o relato dos resultados de verificação (ver 8.011-13 para orientação. sendo possível a sua reclassificação para aplicações alternativas. Quando o material.3. Medição e monitoramento de processos Nível A 8. a fim de verificar o atendimento aos requisitos especificados. A empresa construtora deve tratar os materiais controlados. NBR ISO 10.2. liberação ou entrega não intencional. Devem ser mantidos registros sobre a natureza das não-conformidades e qualquer ação subseqüente tomada. Estas atividades devem ser definidas em um procedimento documentado. os serviços de execução controlados ou a obra não-conformes segundo uma ou mais das seguintes formas: a) execução de ações para eliminar a não-conformidade detectada. A evidência de conformidade com os critérios de aceitação devem ser mantidas. esse deve ser reverificado para demonstrar a conformidade com os requisitos. Isto deve assegurar a inspeção de recebimento.011-2 e NBR ISO 10. em ambos os casos. A liberação dos materiais e a liberação e entrega dos serviços de execução controlados e da obra não deve prosseguir até que todas as providências planejadas (ver 7. b) autorização do seu uso.5.1). e deve ser conduzido nos estágios apropriados dos processos de execução da obra (ver 7. pelo cliente. os produtos resultantes dos serviços de execução controlados e a obra a ser entregue ao cliente que não estejam de acordo com os requisitos definidos sejam identificados e controlados para evitar seu uso. a menos que aprovado de outra maneira por uma autoridade pertinente e. c) execução de ação para impedir a intenção original de seu uso ou aplicação originais.3.2. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra A empresa construtora deve estabelecer procedimentos documentados de inspeção e monitoramento das características dos materiais controlados (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor) e dos produtos resultantes dos serviços de execução controlados (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor).4.011-1. que os materiais controlados.

f) análise crítica de ações corretivas executadas.1.5. de forma a evitar sua repetição.2.2. e suas tendências de desempenho. incluindo reclamações de cliente. A análise de dados deve fornecer informações relativas a: a) satisfação do cliente (ver 8. b) determinação das causas de não-conformidades. análise de dados. incluindo desempenho operacional dos processos. b) conformidade com os requisitos do produto (ver 7. e) registro dos resultados de ações executadas (ver 4.4. c) características da obra entregue. d) fornecedores. 8. 8.5. d) determinação e implementação de ações necessárias. e incluindo oportunidades para ações preventivas. c) avaliação da necessidade de ações para assegurar que aquelas não-conformidades não ocorrerão novamente. As ações corretivas devem ser proporcionais aos efeitos das não-conformidades encontradas. coletar e analisar dados apropriados para demonstrar a adequação e eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade e para avaliar onde melhorias contínuas podem ser realizadas.2.2. objetivos da qualidade. ações corretivas e análise crítica pela direção. do serviço de execução ou da obra for detectada após a entrega ou início de seu uso. 8.1). a empresa construtora deve tomar as ações apropriadas em relação aos efeitos. Análise de dados A empresa construtora deve determinar. Melhoria 8.1). ou potenciais efeitos. Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir os requisitos para: a) análise crítica da não-conformidades.4).5. Melhoria contínua A empresa construtora deve continuamente melhorar a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade por meio do uso da política da qualidade.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível C do SiAC 18 Quando a não-conformidade do material. dos processos de execução de serviços controlados e dos materiais controlados.3. 8.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Isto deve incluir dados gerados como resultado do monitoramento e das medições e de outras fontes pertinentes.5. resultados de auditorias. Ação Preventiva Nível A . Ação corretiva A empresa construtora deve executar ações corretivas para eliminar as causas de nãoconformidades. da não-conformidade.

PBQP-H ANEXO III Referencial Normativo Nível B do SiAC Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil. março de 2005 . Brasília.Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .

Um dos pontos marcantes da abordagem de processo é o da implementação do ciclo de Deming ou da metodologia conhecida como PDCA (do inglês Plan. 2. Este documento é único e aplicável em qualquer subsetor onde a empresa atue. Outro Referencial Normativo estabelece. A abordagem de processo procura assim identificar. Executar: executar as atividades (processos) planejadas. 4.Execução de Obras adota a abordagem de processo para o desenvolvimento. Os outros sistemas de gestão A presente versão do SiAC . Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral do SiAC. Controlar: medir e controlar os processos e seus resultados quanto ao atendimento às exigências feitas pelos clientes e analisar os resultados. implementação e melhoria da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade da empresa construtora. ela deve desempenhar diferentes atividades. independentemente do subsetor onde atue. aumentar a satisfação dos clientes no que diz respeito ao atendimento de suas exigências. Planejar: prever as atividades (processos) necessárias para o atendimento das necessidades dos clientes. 1. Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras e Requisitos Complementares Execução de Obras. respeitadas as especificidades definidas no documento de Requisitos Complementares aplicável ao subsetor em questão. complementarmente. Os subsetores que podem ser cobertos são os previstos no Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras. Este Referencial é aplicável a toda empresa construtora que pretenda melhorar sua eficiência técnica e econômica e eficácia por meio da implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade. Do. Abordagem de processo. e que transformam elementos de entrada em elementos de saída . Agir: levar adiante as ações que permitam uma melhoria permanente do desempenho dos processos. antes de tudo. os requisitos para o nível A .SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 1 Referencial Normativo Nível B do SiAC Sistema de Certificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil 1 Objetivo 1. organizar e . Check e Act): 1. para os diferentes subsetores e escopos de certificação.1. Para que uma empresa atuando na construção de obras trabalhe de maneira eficaz.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Esta visa. Introdução Este Referencial Normativo do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H estabelece os requisitos do nível B aplicáveis às empresas da especialidade técnica Execução de Obras. 3.2.

Os Certificados de Conformidade emitidos com base nos diversos Referenciais Normativos do SiAC só têm validade se emitidos por Organismos de Certificação Credenciados (O.gov. autorizados. ou preferencialmente por meio de Acordos Setoriais firmados entre contratantes e entidades representativas de contratados.E.N.C. estabelecerem prazos para começarem a vigorar as exigências de cada nível. Estes e outros aspectos regimentais estão previstos no Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras (SiAC) e no Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) da Especialidade Técnica Execução de Obras.) autorizados pela Comissão Nacional. levando em conta suas condições iniciais e os recursos necessários para leválas adiante (tudo aquilo que é necessário para realizar a atividade). Generalidades O SiAC . individualmente. .) do SiAC ou na página Internet do PBQP-H (http://www. públicos e privados. 1. segundo os quais os sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras são avaliados e classificados. conforme o presente Referencial Normativo. as empresas construtoras que desejam se certificar.C. Ele baseia-se nos princípios que constam do Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC).cidades.br/pbqp-h) a lista de O. Tal abordagem leva em conta o fato de que o resultado de um processo é quase sempre a entrada do processo subseqüente. as interações ocorrem nas interfaces entre dois processos.C.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . os elementos que dela resultam (tudo o que é produzido pela atividade) e as interações entre atividades.C.3. devem consultar junto à Secretaria Executiva Nacional (S.4. Cabe aos contratantes. Requisitos aplicáveis do Sistema de Gestão No Quadro a seguir são apresentados os requisitos do Sistema de Gestão aplicáveis neste Referencial Normativo. estabelecendo níveis de avaliação da conformidade progressivos. 1.Execução de Obras possui caráter evolutivo. Portanto.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 2 gerenciar tais atividades.

3. Análise crítica pela direção crítica 5.2.6. Entradas de projeto 5. Responsabilidade e autoridade 5. Entradas para a análise 5.2. Manual da Qualidade 4. Saídas da análise crítica 6. Comprometimento da direção da empresa 5.3. Planejamento da 7. Política da qualidade 5.4.1.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .2. Análise crítica dos cliente requisitos relacionados à obra 7.3.1.4. Plano da Qualidade da Obra 7.5.3. Planejamento 5 Responsabilidade da direção da empresa 4. Objetivos da qualidade 5.2.3. Processos relacionados ao 7.6.1.1 Requisitos gerais 4.3. 5.2. Ambiente de trabalho 7.6. Comunicação com o cliente 7.4.3.3. Provisão de recursos 6.1. Generalidades 4. Generalidades 5. Treinamento.3. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.1. Recursos humanos conscientização e competência 6. Comunicação interna 5.1.2.2. Infra-estrutura 6. Designação de pessoal 6.1.1.1.2. Planejamento da Obra 7.5.2. Foco no cliente 5. Requisitos de documentação 5.2.2.2.2.2.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 3 Quadro Requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade SiAC .2.2.1.4.5. Planejamento da execução da obra 7. Responsabilidade.6.1. Controle de documentos 4.2.1.2.2.4.5. Identificação de requisitos relacionados à obra 7.1. Projeto elaboração do projeto 7.Execução de Obras SEÇÃO 4 Sistema de Gestão da Qualidade REQUISITO 4. Representante da direção Autoridade e Comunicação da empresa 5.2.2. 6. Controle de registros D X X X X X X X X X X X A Níveis C X X X X X X X X X X X X A X X X X X X B X X X X X X X X X X X X A X X X X X X X A X X X X X X X 6 Gestão de recursos A A X 7 Execução da obra X X A A A A A A .

2.2. Validação de projeto 7.2.4.5.4.4.1. Análise crítica de projeto 7.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 4 SiAC . Controle de operações 7.5.3. Processo de aquisição 7.3.3.1.3. Saídas de projeto 7.1. Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra nãoconformes 8.5. Identificação e rastreabilidade 7. Verificação de projeto 7.3.2. Preservação de produto D A A A A Níveis C A A A A B A A A A X X X X X A X A X X X X X X A A X X X X A X X X X X X X A 7.5.3. Satisfação do cliente 8. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra 8.7.6. Ação preventiva 8 Medição.5. Medição e monitoramento 8.5.4.4. Validação de processos 7. Melhoria 8.6. Controle de alterações de projeto 7. Medição e monitoramento de processos 8.1. Informações para aquisição 7. Auditoria interna 8.Execução de Obras SEÇÃO REQUISITO 7. A letra A se refere ao nível no qual o requisito começa a ser aplicado.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . .3. Análise de dados 8.1. Aquisição 7.2.5.2.3. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente 7.2.3.5.4.5. Generalidades 8.3.4.5.5. Verificação do produto adquirido 7. Propriedade do cliente 7. Operações de produção e fornecimento de serviço 7. Ação corretiva 8.8.2. Melhoria contínua 8. Controle de dispositivos de medição e monitoramento 8.4.3. análise e melhoria X X X X X X A X X X X A A Nota: A letra X da coluna níveis indica os requisitos exigíveis a partir do presente nível de certificação e em níveis anteriores.5.3.2.

Os requisitos são genéricos e aplicáveis para todas as empresas construtoras. a empresa construtora deve atender em seu planejamento de implantação do SGQ os requisitos abaixo descritos. a aplicação do presente referencial de certificação não impede a empresa construtora de implementar e de se certificar pelo referencial da norma NBR ISO 9001:2000.1. o mesmo. respeitandose as exigências específicas dos Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) onde atua. f) estabelecer um planejamento para desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da . reivindicação de conformidade com este referencial não são aceitáveis a não ser que as exclusões fiquem limitadas aos requisitos contidos na Seção 7 . 3 Termos e definições Aplicam-se os termos e definições do Regimento Geral do SiAC e da NBR ISO 9000:2000. Requisitos gerais Para implementar o Sistema de Gestão da Qualidade. b) definir claramente o(s) subsetor(es) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. cada qual válido para um subsetor.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 5 1. no início do desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade. Os títulos de requisitos aplicáveis nos níveis superiores são indicados.2). 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4. Quando algum requisito deste referencial não puder ser aplicado devido à natureza de uma empresa construtora e seus produtos e serviços. isso pode ser considerado para exclusão. d) identificar e gerenciar os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade e sua aplicação por toda a empresa construtora (ver 1. c) estabelecer lista de serviços de execução controlados e lista de materiais controlados. Escopo de aplicação Todos os requisitos deste referencial são válidos para as empresas construtoras. assim como aquele nos quais começam a ser exigidos. é composto por uma série de Requisitos Complementares. além destes requisitos. No entanto. e) determinar a seqüência e interação destes processos. em relação aos presentes requisitos.5. A empresa construtora deve: a) realizar um diagnóstico da situação da empresa.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . sem levar em consideração o seu tipo e tamanho. 2 Referência normativa Como já dito.Execução da obra e que tais exclusões não afetem a capacidade ou responsabilidade da empresa construtora para fornecer produtos que atendam aos requisitos dos clientes e requisitos regulamentares aplicáveis. e nem tampouco a exime de respeitar toda a legislação a ela aplicável. Quando são efetuadas exclusões.

ela deve assegurar o controle desse processo.1. A empresa construtora deve gerenciar esses processos de acordo com os requisitos deste referencial. medir e analisar esses processos. procedimentos documentados requeridos pelo presente referencial. documentos identificados como necessários pela empresa construtora para assegurar a efetiva operação e controle de seus processos. devendo incluir: a) b) c) d) declarações documentadas da política da qualidade e dos objetivos da qualidade. sempre que constar que a empresa construtora deve estabelecer procedimento documentado .SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 6 g) h) i) j) Qualidade.2) e Planos da Qualidade de Obras (ver 7. implementar e manter um Manual da Qualidade que inclua: a) subsetor(es) e tipo(s) de obras abrangido(s) pelo seu Sistema de Gestão da Qualidade . c) à competência do pessoal.2. Nota 2: A abrangência da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade de uma empresa construtora pode diferir do de uma outra devido: a) ao tamanho e subsetor de atuação. Requisitos de documentação 4.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Manual da Qualidade (ver 4.4). documentar. monitorar.1.2.2. 4.5). Nota 1: Em todos os requisitos. b) detalhes e justificativas para quaisquer exclusões de requisitos deste referencial (ver 1. de acordo com os níveis de certificação obtidos. Quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum processo que afete a conformidade do produto em relação aos requisitos. 4. documentar. implementar ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua desses processos. O controle de tais processos deve ser identificado no Sistema de Gestão da Qualidade. .2. determinar critérios e métodos necessários para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes. implementar e manter estes procedimentos. b) à complexidade dos processos e suas interações.2.1). assegurar a disponibilidade de recursos e informações necessárias para apoiar a operação e monitoramento desses processos. significa que ela deve: elaborar. estabelecendo responsáveis e prazos para atendimento de cada requisito e obtenção dos diferentes níveis de certificação. Generalidades A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade deve ser constituída de modo evolutivo. Nota 3: A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade pode estar em qualquer forma ou tipo de meio de comunicação.2. Manual da Qualidade A empresa construtora deve elaborar. e) registros da qualidade requeridos por este referencial (ver 4.

tenham distribuição controlada e estejam disponíveis em todos os locais onde são aplicáveis.2.1. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para: a) aprovar documentos quanto à sua adequação. tais como normas técnicas. Nota: As empresas não estão obrigadas a disponibilizar as normas técnicas que porventura sejam citadas nos seus documentos.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 7 c) procedimentos documentados instituídos de modo evolutivo para o Sistema de Gestão da Qualidade. e) assegurar que os documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis. proteção.2.3. quando necessário. tempo de retenção e descarte dos registros da qualidade. tais como especificação de materiais e procedimentos para execução de serviços. 4. ou referência a eles.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Registros da qualidade devem ser mantidos legíveis. Controle de Registros Registros da qualidade devem ser instituídos e mantidos para prover evidências da conformidade com requisitos e da operação eficaz do Sistema de Gestão da Qualidade. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para identificação. Devem também ser considerados registros oriundos de fornecedores de materiais e serviços controlados. 5 Responsabilidade da direção da empresa 5. sejam identificados. prontamente identificáveis e recuperáveis. b) analisar criticamente e atualizar. d) assegurar que as versões pertinentes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em todos os locais onde são executadas as operações essenciais para o funcionamento efetivo do Sistema de Gestão da Qualidade. projetos. e reaprovar documentos. recuperação. g) assegurar que documentos de origem externa. a fim de evitar o uso indevido de documentos não-válidos ou obsoletos. antes da sua emissão. conforme o nível de certificação da empresa construtora. c) assegurar que alterações e a situação da revisão atual dos documentos sejam identificadas. 4. e d) descrição da seqüência e interação entre os processos do Sistema de Gestão da Qualidade. Comprometimento da direção da empresa A direção da empresa construtora deve fornecer evidência do seu comprometimento com o desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e com a melhoria contínua de sua eficácia mediante: . f) prevenir o uso não intencional de documentos obsoletos e aplicar uma identificação adequada nos casos em que forem retidos por qualquer propósito. memoriais e especificações do cliente. armazenamento.4. Controle de documentos Os documentos requeridos pelo Sistema de Gestão da Qualidade devem ser controlados.

5.4. c) a garantia da disponibilidade de recursos necessários.1 h). e .1).1).2.2.2.3.1. Objetivos da qualidade A direção da empresa deve assegurar que: a) sejam definidos objetivos da qualidade mensuráveis para as funções e níveis pertinentes da empresa construtora e de modo consistente com a política da qualidade. d) seja comunicada nos níveis apropriados da empresa construtora e de seus subcontratados com responsabilidades definidas no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade A direção da empresa deve assegurar que: a) o planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade é realizado de forma a satisfazer aos requisitos citados em 4.4.1.2. c) os objetivos da qualidade incluam aqueles necessários para atender aos requisitos aplicados à execução das obras da empresa (ver 7. Foco no cliente A direção da empresa construtora deve assegurar que os requisitos do cliente são determinados com o propósito de aumentar a satisfação do cliente (ver 7. Planejamento 5. bem como aos objetivos da qualidade. b) inclua o comprometimento com o atendimento aos requisitos e com a melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. segundo um plano de sensibilização previamente definido.4. 5. c) proporciona uma estrutura para estabelecimento e análise crítica dos objetivos da qualidade. b) o estabelecimento da política da qualidade.1.2.4. 5. d) seja implementado um sistema de medição dos indicadores definidos. conforme o seu nível evolutivo. 5. e) seja entendida. no grau de entendimento apropriado. A direção da empresa construtora deve assegurar que os requisitos do cliente são atendidos com o propósito de aumentar a satisfação do cliente (ver 7.2. d) a garantia de que são estabelecidos os objetivos da qualidade (ver 5. b) sejam definidos indicadores para permitir o acompanhamento dos objetivos da qualidade. assim como aos regulamentares e estatutários.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 8 a) a comunicação aos profissionais da empresa e àqueles de empresas subcontratadas para a execução de serviços controlados da importância de atender aos requisitos do cliente. pelos profissionais da empresa construtora e de seus subempreiteiros com responsabilidade no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .1 e 8. Política da qualidade A direção da empresa deve assegurar que a política da qualidade: a) seja apropriada aos propósitos da empresa construtora.1).1 e 8.

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação - SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC

9

b) a integridade do Sistema de Gestão da Qualidade é mantida quando mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade são planejadas e implementadas. 5.5. Responsabilidade, Autoridade e Comunicação 5.5.1. Responsabilidade e autoridade A direção da empresa deve assegurar que as responsabilidades e autoridades são definidas ao longo da documentação do Sistema e comunicadas na empresa construtora. 5.5.2. Representante da direção da empresa A direção da empresa deve indicar um membro da empresa construtora que, independente de outras responsabilidades, deve ter responsabilidade e autoridade para: a) assegurar que os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade sejam estabelecidos de maneira evolutiva, implementados e mantidos; b) assegurar a promoção da conscientização sobre os requisitos do cliente em toda a empresa. 5.5.3. Comunicação interna Nível A 5.6. Análise crítica pela direção 5.6.1. Generalidades A direção da empresa deve analisar criticamente o Sistema de Gestão da Qualidade, a intervalos planejados, para assegurar sua contínua pertinência, adequação e eficácia. A análise crítica deve incluir a avaliação de oportunidades para melhoria e necessidades de mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade, incluindo a política da qualidade e os objetivos da qualidade. Devem ser mantidos registros das análises críticas pela direção da empresa (ver 4.2.4). 5.6.2. Entradas para a análise crítica As entradas para a análise crítica pela direção devem incluir informações sobre: a) b) c) d) e) os resultados de auditorias; a situação das ações corretivas; acompanhamento de ações oriundas de análises críticas anteriores; mudanças que possam afetar o sistema de gestão da qualidade; recomendações para melhoria.

5.6.3. Saídas da análise crítica Os resultados da análise crítica pela direção devem incluir quaisquer decisões e ações relacionadas a: a) melhoria do produto com relação aos requisitos do cliente;

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação - SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC

10

b) necessidade de recursos.

6 Gestão de recursos 6.1. Provisão de recursos A empresa construtora deve determinar e prover recursos, de acordo com os requisitos do nível evolutivo em que se encontra, necessários para: a) implementar de maneira evolutiva e manter seu Sistema de Gestão da Qualidade. 6.2. Recursos humanos 6.2.1. Designação de pessoal O pessoal que executa atividades que afetam a qualidade do produto deve ser competente com base em escolaridade, qualificação profissional, treinamento, habilidade e experiência apropriados. 6.2.2. Competência, conscientização e treinamento A empresa construtora deve, em função da evolução de seu Sistema de Gestão da Qualidade: a) determinar as competências necessárias para o pessoal que executa trabalhos que afetam a qualidade do produto; b) fornecer treinamento ou tomar outras ações para satisfazer estas necessidades de competência; c) avaliar a eficácia das ações executadas; d) assegurar que seu pessoal está consciente quanto à pertinência e importância de suas atividades e de como elas contribuem para atingir os objetivos da qualidade; e e) manter registros apropriados de escolaridade, qualificação profissional, treinamento, experiência e habilidade (ver 4.2.4). 6.3. Infra-estrutura A empresa construtora deve identificar, prover e manter a infra-estrutura necessária para a obtenção da conformidade do produto, incluindo: a) canteiros de obras, escritórios da empresa, demais locais de trabalho e instalações associadas; b) ferramentas e equipamentos relacionados ao processo de produção; e c) serviços de apoio (tais como abastecimentos em geral, áreas de vivência, transporte e meios de comunicação). 6.4. Ambiente de trabalho Nível A

7 Execução da obra Execução da obra é a seqüência de processos requeridos para a obtenção parcial ou total do produto

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação - SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC

11

almejado pelo cliente, em função da empresa construtora ter sido contratada para atuar apenas em etapa(s) específica(s) de sua produção ou para sua produção integral. 7.1. Planejamento da Obra 7.1.1. Plano da Qualidade da Obra A empresa construtora deve, para cada uma de suas obras, elaborar e documentar o respectivo Plano da Qualidade da Obra, consistente com os outros requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade (ver 4.1), contendo os seguintes elementos, quando apropriado: a) estrutura organizacional da obra, incluindo definição de responsabilidades específicas; b) relação de materiais e serviços de execução controlados, e respectivos procedimentos de execução e inspeção; c) projeto do canteiro; d) identificação das especificidades da execução da obra e determinação das respectivas formas de controle; devem ser mantidos registros dos controles realizados (ver 4.2.4); e) identificação dos processos considerados críticos para a qualidade da obra e atendimento das exigências dos clientes, bem como de suas formas de controle; devem ser mantidos registros dos controles realizados (ver 4.2.4); f) identificação das especificidades no que se refere à manutenção de equipamentos considerados críticos para a qualidade da obra e atendimento das exigências dos clientes; g) programa de treinamento específico da obra; h) objetivos da qualidade específicos para a execução da obra e atendimento das exigências dos clientes, associados a indicadores; i) definição dos destinos adequados dados aos resíduos sólidos e líquidos produzidos pela obra (entulhos, esgotos, águas servidas), que respeitem o meio ambiente. 7.1.2. Planejamento da execução da obra A empresa construtora deve realizar o planejamento, programação e controle do andamento da execução da obra, visando ao seu bom desenvolvimento, contemplando os respectivos recursos. Devem ser mantidos registros dos controles de andamento realizados (ver 4.2.4). 7.2. Processos relacionados ao cliente 7.2.1. Determinação dos requisitos relacionados à obra A empresa construtora deve determinar : a) requisitos da obra especificados pelo cliente, incluindo os requisitos de entrega da obra e assistência técnica; b) requisitos da obra não especificados pelo cliente, mas necessários para o uso especificado ou intencional; c) obrigações relativas à obra, incluindo requisitos regulamentares e legais; d) qualquer requisito adicional determinado pela empresa construtora.

7.3. 7.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 12 7. inclusive emendas.7. Entradas de projeto Nível A 7.2. Análise crítica dos requisitos relacionados à obra A empresa construtora deve analisar criticamente os requisitos da obra.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . b) informações sobre a obra.4). Projeto Para empresas construtoras que executam seus projetos internamente ou subcontratam os mesmos.3.2.3.5. 7.2. b) quaisquer divergências entre a proposta e o contrato estão resolvidas. Para as que recebem projetos de seus clientes aplica-se apenas o requisito 7. A análise crítica deve ser conduzida antes que seja assumido o compromisso de executar a obra para o cliente (por exemplo.3.2.3.8.1. determinados em 7. Saídas de projeto Nível A . submissão de uma proposta. estes devem ser confirmados antes da aceitação. Comunicação com o cliente A empresa construtora deve determinar e implementar meios de comunicação com os clientes relacionados a: a) tratamento de propostas e contratos.1. Quando o cliente não apresenta seus requisitos documentados.3. o requisito 7. Planejamento da elaboração do projeto Nível A 7. Quando os requisitos da obra forem alterados. lançamento de um empreendimento ou assinatura de um contrato) e deve assegurar que: a) os requisitos da obra estão definidos.3.1 ao 7.2. c) a empresa construtora tem capacidade para atender aos requisitos determinados.3.3 deve ser aplicado dos requisitos 7. Devem ser mantidos registros dos resultados das análises críticas e das ações resultantes dessa análise (ver 4.3. previsto no requisito 1.2. devendo isso ser explicitado na definição do escopo do Sistema de Gestão da Qualidade. a empresa construtora deve assegurar que os documentos pertinentes são complementados e que o pessoal pertinente é notificado sobre as alterações feitas.

. Este requisito abrange a compra de materiais controlados e a contratação de serviços de execução controlados.1.3. Validação de projeto Nível A 7. Verificação de projeto Nível A 7.8.3. Aquisição 7.3.6.2. 7. memoriais. serviços de projeto e serviços especializados de engenharia e a locação de equipamentos que a empresa construtora considere críticos para o atendimento das exigências dos clientes.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Processo de aquisição A empresa construtora deve assegurar que a compra de materiais e a contratação de serviços estejam conforme com os requisitos especificados de aquisição. Caso tal análise aponte a necessidade de quaisquer ações. A análise crítica das alterações de projeto deve incluir a avaliação do efeito das alterações no produto como um todo ou em suas partes (por exemplo. verificadas e validadas. Análise crítica de projeto Nível A 7.3. e aprovadas antes da sua implementação.4. a empresa construtora deve informar tal fato e comunicar ao cliente propostas de modificações e adaptações necessárias de qualquer natureza. Devem ser mantidos registros dos resultados da análise crítica (ver 4.4). Devem ser mantidos registros dos resultados da análise crítica de alterações e de quaisquer ações necessárias (ver 4. 7.4.5. serviços laboratoriais. A empresa construtora deve prever a forma segundo a qual procede à análise crítica de toda a documentação técnica afeita ao contrato (desenhos. O tipo e extensão do controle aplicado ao fornecedor e ao produto adquirido devem depender do efeito do produto adquirido durante a execução da obra ou no produto final.3.2. especificações técnicas). de modo apropriado. Controle de alterações de projeto As alterações de projeto devem ser identificadas e registros devem ser mantidos.7.4). possibilitando a correta execução da obra ou etapas da mesma. interfaces entre subsistemas). As alterações devem ser analisadas criticamente. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente A empresa construtora deve realizar análise crítica dos projetos do produto como um todo ou de suas partes que receba como decorrência de um contrato.4.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 13 7.

2.2. seus fornecedores. oriundas da avaliação (vê 4.4. Processo de avaliação de fornecedores A empresa construtora deve estabelecer. A empresa construtora deve ainda manter atualizados os registros de avaliação de seus fornecedores e de quaisquer ações necessárias.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Informações para aquisição A empresa construtora deve assegurar. 7. de maneira evolutiva. em função do subsetor da certificação almejada. e atendendo os requisitos estabelecidos no Projeto da Meta Mobilizadora Nacional da Habitação.1.2.2.2.4). contendo especificações técnicas (ver requisitos complementares aplicáveis ao subsetor pertinente). Deve ser tomado como base a capacidade do fornecedor em atender aos requisitos especificados nos documentos de aquisição.3. Poderá ser dispensado do processo de qualificação o fornecedor formalmente participante do Programa Setorial da Qualidade de produtos de seu subsetor industrial. o que está sendo contratado. A empresa construtora deve ainda manter atualizados os registros de qualificação de seus fornecedores e de quaisquer ações necessárias. de maneira evolutiva. ver Requisitos Complementares. de maneira evolutiva.2. 7. incluindo especificações técnicas. Deve ser tomado como base a capacidade do fornecedor em atender aos requisitos especificados nos documentos de aquisição. 7. .SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 14 Para a definição dos materiais e serviços de execução controlados.1.1. 7.4. contendo especificações técnicas (ver requisitos complementares aplicáveis ao subsetor pertinente). Processo de qualificação de fornecedores A empresa construtora deve estabelecer critérios para qualificar (pré-avaliar e selecionar).4. Materiais controlados A empresa construtora deve garantir que os documentos de compra de materiais controlados descrevam claramente o que está sendo comprado.4. 7. 7.4.4).4. Serviços laboratoriais A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços laboratoriais descrevam claramente.1. a adequação dos requisitos de aquisição especificados antes da sua comunicação ao fornecedor. critérios para avaliar o desempenho de seus fornecedores em seus fornecimentos. Serviços controlados A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços de execução controlados descrevam claramente o que está sendo contratado. oriundas da qualificação (ver 4.2.2.

No caso de obras do subsetor edificações. a manutenção de equipamentos considerados críticos para o atendimento das exigências dos clientes. tal fornecimento é facultativo. a implementação de monitoramento e medição.4. sendo que. a atividade de entrega inclui o fornecimento ao cliente de Manual de Uso. contendo as principais informações sobre as condições de utilização das instalações e equipamentos bem como orientações para a operação e de manutenção da obra executada ao longo da sua vida útil. a implementação da liberação. nas informações para aquisição. 7.2. Quando a empresa construtora ou seu cliente pretender executar a verificação nas instalações do fornecedor. 7. Para os demais subsetores.3. a disponibilidade e uso de dispositivos para monitoramento e medição. quando necessário. as providências de verificação pretendidas e o método de liberação de produto. de modo evolutivo e quando aplicável: a) b) c) d) e) f) g) a disponibilidade de informações que descrevam as características do produto.5. incluindo especificações técnicas.4.4.5. Serviços de projeto e serviços especializados de engenharia A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços de projeto e serviços especializados de engenharia descrevam claramente.2. de maneira evolutiva. garantir que os procedimentos documentados afeitos aos serviços de execução controlados incluam requisitos para (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor): a) realização e aprovação do serviço. procedimentos documentados de inspeção de recebimento (ver 8. o que está sendo contratado.1 Controle dos serviços de execução controlados A empresa construtora deve.5. de maneira evolutiva. 7. quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum serviço controlado ela deve: .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Verificação do produto adquirido A empresa construtora deve instituir e implementar.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 15 7. a não ser em situações onde seja exigido pelo cliente. entrega e atividades pós-entrega. Operações de produção e fornecimento de serviço 7. o uso de equipamentos adequados.1. de maneira evolutiva. Condições controladas devem incluir. inspeção ou outras atividades necessárias para assegurar que o produto adquirido atende aos requisitos de aquisição especificados. A empresa construtora deve estabelecer. a disponibilidade de procedimentos de execução documentados. Controle de operações A empresa construtora deve planejar e realizar a produção e o fornecimento de serviço sob condições controladas.4) para todos os materiais e serviços de execução controlados.1. Operação e Manutenção. a empresa construtora deve declarar.

a identificação tem também por objetivo a rastreabilidade. por ela ou por empresa subcontratada. conforme previsto nos Requisitos Complementares aplicável ao subsetor. a empresa construtora deve garantir que as etapas subseqüentes a eles não sejam iniciadas. garantir que o fornecedor o implemente e assegurar o controle de inspeção desse processo. . Validação de processos Nível A 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . no caso do não atendimento às exigências feitas. sendo obrigatória.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 16 a. A existência do procedimento documentado de inspeção. A situação dos produtos. com relação aos requisitos de monitoramento e de medição.5. ficando a empresa construtora dispensada de analisá-lo criticamente e de aprová-lo. Esta identificação tem por objetivo garantir a correspondência inequívoca entre projetos. Nota: caso o serviço seja considerado um serviço especializado de execução de obras e tenha sido terceirizado. a empresa construtora deve identificar o produto ao longo da produção.2) analisar criticamente e aprovar o procedimento documentado de realização do serviço definido pela empresa externa subcontratada e assegurar o seu controle de inspeção. 7. a partir do recebimento e durante os estágios de execução e entrega.5. quando apropriado. o mesmo deve ser formalmente identificado. com relação às inspeções e aos ensaios feitos.1) definir o procedimento documentado de realização do processo. no entanto. enquanto eles não tenham sido controlados ou enquanto suas exigências específicas não tenham sido verificadas. Identificação Quando apropriado. Identificação e rastreabilidade 7. continua.5. produtos. permitindo sua posterior localização e a realização das correções que se fizerem necessárias.3. No caso de situações nas quais um desses materiais tenha que ser aplicado antes de ter sido controlado. Para todos os materiais controlados. não há necessidade de demonstração do procedimento de realização. b) qualificação do pessoal que realiza o serviço ou da empresa subcontratada.3.1. por ela ou por empresa subcontratada.2. evitando erros. deve ser assinalada de modo apropriado de tal forma a indicarem a conformidade ou não dos mesmos. ou a. a empresa construtora deve garantir que tais materiais não sejam empregados. Para todos os serviços de execução controlados. serviços e registros gerados. No caso dos materiais estruturais. enquanto não tenham sido controlados ou enquanto suas exigências específicas não tenham sido verificadas.

b) ajustado ou reajustado. como necessário.2. Preservação de produto A empresa construtora deve. o dispositivo de medição deve ser: a) calibrado ou verificado a intervalos especificados ou antes do uso. não importando se tais materiais e serviços estão sob responsabilidade da empresa construtora. ou de empresas subcontratadas. tal fato deve ser informado ao cliente e devem ser mantidos registros (ver 4.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . d) protegido contra ajustes que possam invalidar o resultado da medição. garantir.4). Caso a propriedade do cliente seja perdida. contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais.1). danificada ou considerada inadequada para uso. Nota: Propriedade do cliente pode incluir propriedade intelectual. até a entrega da obra. estocagem e condicionamento. A empresa construtora deve estabelecer processos para assegurar que a medição e o monitoramento possam ser realizados e sejam realizados de uma maneira coerente com os requisitos de medição e monitoramento.6. Devem ser mantidos registros de tal identificação (ver 4.5. ou identificação única dos locais de utilização de cada lote. para os materiais controlados cuja qualidade não possa ser assegurada por meio de medição e monitoramento realizados antes da sua aplicação. verificar. 7. Quando for necessário assegurar resultados válidos. em todas as etapas do processo de produção. Essas medidas devem ser aplicadas.2.5. .5. 7. manuseio. proteger e salvaguardar a propriedade do cliente fornecida para uso ou incorporação no produto. A empresa construtora deve identificar.4).5. de maneira evolutiva. c) identificado para possibilitar que a situação da calibração seja determinada.2.2. A empresa construtora deve preservar a conformidade dos serviços de execução controlados. manutenção e armazenamento. para os materiais controlados. e) protegido de dano e deterioração durante o manuseio. Propriedade do cliente A empresa construtora deve ter cuidado com a propriedade do cliente enquanto estiver sob seu controle ou por ela sendo utilizada. preservando a conformidade dos mesmos em todas as etapas do processo de produção.3. quando esse padrão não existir. Controle de dispositivos de medição e monitoramento A empresa construtora deve determinar as medições e monitoramentos a serem realizados e os dispositivos de medição e monitoramento necessários para evidenciar a conformidade do produto com os requisitos determinados (ver 7. Rastreabilidade A empresa construtora deve garantir a rastreabilidade. 7.4. a base usada para calibração ou verificação deve ser registrada. a correta identificação.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 17 7.

SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 18 Adicionalmente. com os requisitos deste Referencial e com os requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade por ela instituídos. análise e melhoria para: a) demonstrar a conformidade do produto.2. planejar e implementar os processos necessários de monitoramento. bem como os resultados de auditorias anteriores. Satisfação do cliente Como uma das medições do desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade. Medição e monitoramento 8. Um programa de auditoria deve ser planejado. 8 Medição. b) está mantido e implementado eficazmente. Os métodos para obtenção e uso dessas informações devem ser determinados.4).1).MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .2. e. Todos processos definidos pelo Sistema de Gestão da Qualidade da empresa construtora devem ser auditados pelo menos uma vez por ano. A empresa construtora deve tomar ação apropriada no dispositivo e em qualquer produto afetado.1. Generalidades A empresa construtora deve.1. freqüência e métodos devem ser definidos. a empresa construtora deve avaliar e registrar a validade dos resultados de medições anteriores quando constatar que o dispositivo não está conforme com os requisitos. . e a abrangência de seu uso. Auditoria interna A empresa construtora deve executar auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o seu Sistema de Gestão da Qualidade: a) está conforme com as disposições planejadas (ver 7. c) melhorar continuamente a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. escopo. incluindo técnicas estatísticas. Os auditores não devem auditar o seu próprio trabalho. 8.2. Registros dos resultados de calibração e verificação devem ser mantidos (ver 4. de maneira evolutiva. NOTA: Ver NBR ISO 10012-1 e NBR ISO 10012-2 para orientação.2. 8.2. A seleção dos auditores e a execução das auditorias devem assegurar objetividade e imparcialidade do processo de auditoria. Os critérios da auditoria. levando em consideração a situação e a importância dos processos e áreas a serem auditadas. e. medição. Isso deve incluir a determinação dos métodos aplicáveis. a empresa construtora deve monitorar informações relativas à percepção do cliente sobre se a organização atendeu aos seus requisitos. análise e melhoria 8. b) assegurar a conformidade do Sistema de Gestão da Qualidade.

Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra não-conformes A empresa construtora deve assegurar.2. 8.2. os serviços de execução controlados ou a obra não-conformes segundo uma ou mais das seguintes formas: a) execução de ações para eliminar a não-conformidade detectada. liberação ou aceitação sob concessão por uma autoridade pertinente e. Isto deve assegurar a inspeção de recebimento. A empresa construtora deve estabelecer procedimento documentado para inspeção das características finais da obra antes da sua entrega.011-2 e NBR ISO 10. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra A empresa construtora deve estabelecer procedimentos documentados de inspeção e monitoramento das características dos materiais controlados (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor) e dos produtos resultantes dos serviços de execução controlados (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor). de maneira evolutiva. NBR ISO 10. As atividades de acompanhamento devem incluir a verificação das ações tomadas e o relato dos resultados de verificação (ver 8.1).SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 19 As responsabilidades e os requisitos para planejamento e para execução de auditorias e para relato dos resultados e manutenção dos registros (ver 4. em ambos os casos.3. os produtos resultantes dos serviços de execução controlados e a obra a ser entregue ao cliente que não estejam de acordo com os requisitos definidos sejam identificados e controlados para evitar seu uso. Em ambos os casos.1) tenham sido satisfatoriamente concluídas. A empresa construtora deve tratar os materiais controlados. Nota: Ver NBR ISO 10. liberação ou entrega não intencional. e deve ser conduzido nos estágios apropriados dos processos de execução da obra (ver 7. .2). onde aplicável.3. 8. b) autorização do seu uso. pelo cliente. quando aplicável. a fim de verificar o atendimento aos requisitos especificados.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . pelo cliente.011-13 para orientação. A liberação dos materiais e a liberação e entrega dos serviços de execução controlados e da obra não deve prosseguir até que todas as providências planejadas (ver 7.2. Os registros devem indicar a(s) pessoa(s) autorizada(s) a liberar o produto (ver 4. a menos que aprovado de outra maneira por uma autoridade pertinente e. Medição e monitoramento de processos Nível A 8. as evidência de conformidade com os critérios de aceitação devem ser mantidas.4.2.5.4). Estas atividades devem ser definidas em um procedimento documentado. O responsável pela área a ser auditada deve assegurar que as ações para eliminar nãoconformidades e suas causas sejam tomadas sem demora indevida.011-1. que os materiais controlados.4) devem ser definidos em um procedimento documentado. de modo a confirmar a sua conformidade às especificações e necessidades do cliente quanto ao produto acabado.

e suas tendências de desempenho. análise de dados.2. Devem ser mantidos registros sobre a natureza das não-conformidades e qualquer ação subseqüente tomada. c) avaliação da necessidade de ações para assegurar que aquelas não-conformidades não ocorrerão novamente. d) fornecedores. de forma a evitar sua repetição. 8.4). Quando a não-conformidade do material.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . incluindo desempenho operacional dos processos. A análise de dados deve fornecer informações relativas a: a) satisfação do cliente (ver 8. Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir os requisitos para: a) análise crítica de não-conformidades.4. do serviço de execução ou da obra for detectada após a entrega ou início de seu uso. a empresa construtora deve tomar as ações apropriadas em relação aos efeitos. As ações corretivas devem ser proporcionais aos efeitos das não-conformidades encontradas. Melhoria contínua A empresa construtora deve continuamente melhorar a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade por meio do uso da política da qualidade.1). incluindo reclamações de cliente. resultados de auditorias. 8.5.5. Análise de dados A empresa construtora deve determinar. o serviço de execução ou a obra não-conforme for corrigido. Isto deve incluir dados gerados como resultado do monitoramento e das medições e de outras fontes pertinentes. Quando o material. e incluindo oportunidades para ações preventivas. ações corretivas e preventivas e análise crítica pela direção. coletar e analisar dados apropriados para demonstrar a adequação e eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade e para avaliar onde melhorias contínuas podem ser realizadas. sendo possível a sua reclassificação para aplicações alternativas. ou potenciais efeitos. da não-conformidade. c) características da obra entregue. 8. Melhoria 8. incluindo concessões obtidas (ver 4.5.2. d) determinação e implementação de ações necessárias.1). dos processos de execução de serviços controlados e dos materiais controlados. objetivos da qualidade.1.2. Ação corretiva A empresa construtora deve executar ações corretivas para eliminar as causas de nãoconformidades. b) conformidade com os requisitos do produto (ver 7.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 20 c) execução de ação para impedir a intenção original de seu uso ou aplicação originais. b) determinação das causas de não-conformidades.2. esse deve ser reverificado para demonstrar a conformidade com os requisitos. .

3.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível B do SiAC 21 e) registro dos resultados de ações executadas (ver 4.2. f) análise crítica de ações corretivas executadas. 8. Ação Preventiva Nível A .4).MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .5.

Brasília.Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . março de 2005 .PBQP-H ANEXO III Referencial Normativo Nível A do SiAC Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil.

independentemente do subsetor onde atue. o mais abrangente dos níveis previstos. Agir: levar adiante as ações que permitam uma melhoria permanente do desempenho dos processos. implementação e melhoria da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade da empresa construtora. Um dos pontos marcantes da abordagem de processo é o da implementação do ciclo de Deming ou da metodologia conhecida como PDCA (do inglês Plan. A abordagem de processo procura assim identificar. Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral do SiAC. Do. 3. aumentar a satisfação dos clientes no que diz respeito ao atendimento de suas exigências. Check e Act): 1. organizar e . antes de tudo. ela deve desempenhar diferentes atividades. Os outros sistemas de gestão A presente versão do SiAC .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 1 Referencial Normativo Nível A Sistema de Certificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) 1 Objetivo 1. Esta visa. respeitadas as especificidades definidas no documento de Requisitos Complementares aplicável ao subsetor em questão. Introdução Este Referencial Normativo do Sistema de Avaliação de Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H estabelece os requisitos do nível A aplicáveis às empresas da especialidade técnica Execução de Obras.Execução de Obras adota a abordagem de processo para o desenvolvimento.1.2. Executar: executar as atividades (processos) planejadas. Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras e Requisitos Complementares . 2. Os subsetores que podem ser cobertos são os previstos no Regimento Específico da Especialidade Técnica Execução de Obras. e que transformam elementos de entrada em elementos de saída . Planejar: prever as atividades (processos) necessárias para o atendimento das necessidades dos clientes. Controlar: medir e controlar os processos e seus resultados quanto ao atendimento às exigências feitas pelos clientes e analisar os resultados. Abordagem de processo. Este Referencial é aplicável a toda empresa construtora que pretenda melhorar sua eficiência técnica e econômica e eficácia por meio da implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade. Este documento é único e aplicável em qualquer subsetor onde a empresa atue. 4. Para que uma empresa atuando na construção de obras trabalhe de maneira eficaz. para os diferentes subsetores e escopos de certificação.Execução de Obras. 1.

C.C. Ele baseia-se nos princípios que constam do Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC). Generalidades O SiAC . devem consultar junto à Secretaria Executiva Nacional (S.4.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 2 gerenciar tais atividades. públicos e privados. levando em conta suas condições iniciais e os recursos necessários para leválas adiante (tudo aquilo que é necessário para realizar a atividade). individualmente. 1. estabelecendo níveis de avaliação da conformidade progressivos.) do SiAC ou na página Internet do PBQP-H (http://www. ou preferencialmente por meio de Acordos Setoriais firmados entre contratantes e entidades representativas de contratados. Os Certificados de Conformidade emitidos com base nos diversos Referenciais Normativos do SiAC só têm validade se emitidos por Organismos de Certificação Credenciados (O.C. conforme o presente Referencial Normativo. autorizados. estabelecerem prazos para começarem a vigorar as exigências de cada nível. os elementos que dela resultam (tudo o que é produzido pela atividade) e as interações entre atividades. Portanto.C.gov. segundo os quais os sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras são avaliados e classificados.) autorizados pela Comissão Nacional. Requisitos aplicáveis do Sistema de Gestão No Quadro a seguir são apresentados os requisitos do Sistema de Gestão aplicáveis neste Referencial Normativo. as interações ocorrem nas interfaces entre dois processos. Cabe aos contratantes. Estes e outros aspectos regimentais estão previstos no Regimento Geral do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras (SiAC) e no Regimento Específico do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) da Especialidade Técnica Execução de Obras. as empresas construtoras que desejam se certificar.E. Tal abordagem leva em conta o fato de que o resultado de um processo é quase sempre a entrada do processo subseqüente.br/pbqp-h) a lista de O. 1.N. .3.cidades.Execução de Obras possui caráter evolutivo.

4.2.2.1.3. Foco no cliente 5.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 3 Quadro Requisitos do Sistema de Gestão SiAC .2.2.1. Provisão de recursos 6.5. Controle de registros D X X X X X X X X X X X Níveis C X X X X X X X X X X X X X X X X X X B X X X X X X X X X X X X X X X X X X X A X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X . Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5 Responsabilidade da 5.4.2.2.3.3. Entradas para a análise 5. Infra-estrutura 6. Processos relacionados ao 7.2. Entradas de projeto 5. Manual da Qualidade 4. Designação de pessoal 6.2.2.3. Projeto elaboração do projeto 7. Análise crítica dos cliente requisitos relacionados à obra 7. Identificação de requisitos relacionados à obra 7.2.1. Controle de documentos 4.1 Requisitos gerais 4.4.1.3.1. Requisitos de documentação 5. Responsabilidade. Responsabilidade e direção da autoridade 5. Recursos humanos 6 Gestão de conscientização e recursos competência 6. Comunicação com o cliente 7.2.5. Planejamento 4. Generalidades 5.2. 6.1.2.2. Planejamento da 7.6.2.1.2.1.2. Plano da Qualidade da 7 Execução da Obra obra 7. Generalidades 4.4.3.3.2. Planejamento da Obra 7. Treinamento. Análise crítica pela direção crítica 5.4.2.2. Objetivos da qualidade 5.1.6. Saídas da análise crítica 6. Comunicação interna 5.6. Planejamento da execução da obra 7.3.1.5. Ambiente de trabalho 7.Execução de Obras SEÇÃO 4 Sistema de Gestão da Qualidade REQUISITO 4.3. Política da qualidade 5.1. Comprometimento da direção da empresa 5.5.1.2. Representante da direção Autoridade e Comunicação da empresa 5.6. empresa 5.1.

Verificação de projeto 7. Generalidades 8.3.2. Propriedade do cliente 7. Análise crítica de projeto 7.5. Validação de projeto 7.7.1.4.5. Medição e monitoramento de processos 8.6.5.5. Melhoria 8. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente 7.3.3. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra 8.3. podendo a empresa construtora solicitar certificação simultânea à certificação segundo este referencial normativo.4. Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra nãoconformes 8.6. Preservação de produto D Níveis C B A X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X 7.5.5.4.2.3.2.5. . O nível A atende integralmente às exigências da NBR ISO 9001:2000.2.3. Controle de dispositivos de medição e monitoramento 8. Melhoria contínua 8.3. Processo de aquisição 7. Operações de produção e fornecimento de serviço 7.4.1.4.4.5. Informações para aquisição 7.8.1. análise e melhoria X X X X X X X X X X X X X X X X Nota: A letra X da coluna níveis indica os requisitos exigíveis no presente nível de certificação e em níveis anteriores.2.1. Medição e monitoramento 8.3.3.4. Auditoria interna 8.5.5.3. Satisfação do cliente 8. Controle de operações 7.5.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 4 SiAC . Verificação do produto adquirido 7.3. Ação preventiva 8 Medição.2.Execução de Obras SEÇÃO REQUISITO 7. Saídas de projeto 7.1. Validação de processos 7.2.3.4. Identificação e rastreabilidade 7.5. Controle de alterações de projeto 7. Análise de dados 8. Aquisição 7.2.2. Ação corretiva 8.

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC

5

1.5. Escopo de aplicação Todos os requisitos deste referencial são válidos para as empresas construtoras. No entanto, o mesmo, além destes requisitos, é composto por uma série de Requisitos Complementares, cada qual válido para um subsetor. Os requisitos são genéricos e aplicáveis para todas as empresas construtoras, sem levar em consideração o seu tipo e tamanho. Quando algum requisito deste referencial não puder ser aplicado devido à natureza de uma empresa construtora e seus produtos e serviços, isso pode ser considerado para exclusão. Quando são efetuadas exclusões, reivindicação de conformidade com este referencial não são aceitáveis a não ser que as exclusões fiquem limitadas aos requisitos contidos na Seção 7 - Execução da obra e que tais exclusões não afetem a capacidade ou responsabilidade da empresa construtora para fornecer produtos que atendam aos requisitos dos clientes e requisitos regulamentares aplicáveis.

2 Referência normativa Como já dito, a aplicação do presente referencial normativo de certificação não impede a empresa construtora de implementar e de se certificar pelo referencial da norma NBR ISO 9001:2000, e nem tampouco a exime de respeitar toda a legislação a ela aplicável.

3 Termos e definições Aplicam-se os termos e definições do Regimento Geral do SiAC e da NBR ISO 9000:2000.

4 Sistema de Gestão da Qualidade 4.1. Requisitos gerais Para implementar o Sistema de Gestão da Qualidade, a empresa construtora deve atender em seu planejamento de implantação do SGQ os requisitos abaixo descritos. A empresa construtora deve: a) realizar um diagnóstico da situação da empresa, em relação aos presentes requisitos, no início do desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade; b) definir claramente o(s) subsetor(es) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade; c) estabelecer lista de serviços de execução controlados e lista de materiais controlados, respeitandose as exigências específicas dos Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) onde atua; d) identificar e gerenciar os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade e sua aplicação por toda a empresa construtora (ver 1.2); e) determinar a seqüência e interação destes processos; f) estabelecer um planejamento para desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC

6

g) h) i) j)

Qualidade, estabelecendo responsáveis e prazos para atendimento de cada requisito e obtenção dos diferentes níveis de certificação; determinar critérios e métodos necessários para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes; assegurar a disponibilidade de recursos e informações necessárias para apoiar a operação e monitoramento desses processos; monitorar, medir e analisar esses processos; implementar ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua desses processos.

A empresa construtora deve gerenciar esses processos de acordo com os requisitos deste referencial. Quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum processo que afete a conformidade do produto em relação aos requisitos, ela deve assegurar o controle desse processo. O controle de tais processos deve ser identificado no Sistema de Gestão da Qualidade. 4.2. Requisitos de documentação 4.2.1. Generalidades A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade deve ser constituída de modo evolutivo, de acordo com os níveis de certificação obtidos, devendo incluir: a) b) c) d) declarações documentadas da política da qualidade e dos objetivos da qualidade; Manual da Qualidade (ver 4.2.2) e Planos da Qualidade de Obras (ver 7.1.1); procedimentos documentados requeridos pelo presente referencial; documentos identificados como necessários pela empresa construtora para assegurar a efetiva operação e controle de seus processos; e) registros da qualidade requeridos por este referencial (ver 4.2.4). Nota 1: Em todos os requisitos, sempre que constar que a empresa construtora deve estabelecer procedimento documentado , significa que ela deve: elaborar, documentar, implementar e manter estes procedimentos. Nota 2: A abrangência da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade de uma empresa construtora pode diferir do de uma outra devido: a) ao tamanho e subsetor de atuação; b) à complexidade dos processos e suas interações; c) à competência do pessoal. Nota 3: A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade pode estar em qualquer forma ou tipo de meio de comunicação. 4.2.2. Manual da Qualidade A empresa construtora deve elaborar, documentar, implementar e manter um Manual da Qualidade que inclua: a) subsetor(es) e tipo(s) de obras abrangido(s) pelo seu Sistema de Gestão da Qualidade ; b) detalhes e justificativas para quaisquer exclusões de requisitos deste referencial (ver 1.5);

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC

7

c) procedimentos documentados instituídos de modo evolutivo para o Sistema de Gestão da Qualidade, ou referência a eles; e d) descrição da seqüência e interação entre os processos do Sistema de Gestão da Qualidade. 4.2.3. Controle de documentos Os documentos requeridos pelo Sistema de Gestão da Qualidade devem ser controlados, conforme o nível de certificação da empresa construtora. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para: a) aprovar documentos quanto à sua adequação, antes da sua emissão; b) analisar criticamente e atualizar, quando necessário, e reaprovar documentos; c) assegurar que alterações e a situação da revisão atual dos documentos sejam identificadas, a fim de evitar o uso indevido de documentos não-válidos ou obsoletos; d) assegurar que as versões pertinentes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em todos os locais onde são executadas as operações essenciais para o funcionamento efetivo do Sistema de Gestão da Qualidade; e) assegurar que os documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis; f) prevenir o uso não intencional de documentos obsoletos e aplicar uma identificação adequada nos casos em que forem retidos por qualquer propósito; g) assegurar que documentos de origem externa, tais como normas técnicas, projetos, memoriais e especificações do cliente, sejam identificados, tenham distribuição controlada e estejam disponíveis em todos os locais onde são aplicáveis. Nota: As empresas não estão obrigadas a disponibilizar as normas técnicas que porventura sejam citadas nos seus documentos, tais como especificação de materiais e procedimentos para execução de serviços. 4.2.4. Controle de Registros Registros da qualidade devem ser instituídos e mantidos para prover evidências da conformidade com requisitos e da operação eficaz do Sistema de Gestão da Qualidade. Registros da qualidade devem ser mantidos legíveis, prontamente identificáveis e recuperáveis. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para identificação, armazenamento, proteção, recuperação, tempo de retenção e descarte dos registros da qualidade. Devem também ser considerados registros oriundos de fornecedores de materiais e serviços controlados. 5 Responsabilidade da direção da empresa 5.1. Comprometimento da direção da empresa A direção da empresa construtora deve fornecer evidência do seu comprometimento com o desenvolvimento e implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e com a melhoria contínua de sua eficácia mediante: a) a comunicação aos profissionais da empresa e àqueles de empresas subcontratadas para a execução de serviços controlados da importância de atender aos requisitos do cliente, assim como aos regulamentares e estatutários;

d) a garantia de que são estabelecidos os objetivos da qualidade e de que seus indicadores estão sendo acompanhados (ver 5. c) os objetivos da qualidade incluam aqueles necessários para atender aos requisitos aplicados à execução das obras da empresa (ver 7.3.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 8 b) o estabelecimento da política da qualidade.4. b) inclua o comprometimento com o atendimento aos requisitos e com a melhoria contínua da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade.1).2. f) seja analisada criticamente para manutenção de sua adequação.1. e) seja entendida. pelos profissionais da empresa construtora e de seus subempreiteiros com responsabilidade no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa. 5. Foco no cliente A direção da empresa construtora deve assegurar que os requisitos do cliente são determinados com o propósito de aumentar a satisfação do cliente (ver 7. Política da qualidade A direção da empresa deve assegurar que a política da qualidade: a) seja apropriada aos propósitos da empresa construtora.2. 5.2. d) seja comunicada nos níveis apropriados da empresa construtora e de seus subcontratados com responsabilidades definidas no Sistema de Gestão da Qualidade da empresa.4. conforme o seu nível evolutivo. c) proporciona uma estrutura para estabelecimento e análise crítica dos objetivos da qualidade.2.1). segundo um plano de sensibilização previamente definido. 5. A direção da empresa construtora deve assegurar que os requisitos do cliente são atendidos com o propósito de aumentar a satisfação do cliente (ver 7.1. Objetivos da qualidade A direção da empresa deve assegurar que: a) sejam definidos objetivos da qualidade mensuráveis para as funções e níveis pertinentes da empresa construtora e de modo consistente com a política da qualidade. e) a condução das análises críticas pela direção da empresa. para verificar o atendimento dos objetivos da qualidade. 5.1).2. Planejamento 5. no grau de entendimento apropriado.2.1 e 8.1 h).4. b) sejam definidos indicadores para permitir o acompanhamento dos objetivos da qualidade.1 e 8. d) seja implementado um sistema de medição dos indicadores definidos. c) a garantia da disponibilidade de recursos necessários.4. Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade A direção da empresa deve assegurar que: . e) haja acompanhamento da evolução dos indicadores definidos.

implementados e mantidos. Análise crítica pela direção 5. Responsabilidade e autoridade A direção da empresa deve assegurar que as responsabilidades e autoridades são definidas ao longo da documentação do Sistema e comunicadas na empresa construtora.2. 5.5.6. Devem ser mantidos registros das análises críticas pela direção da empresa (ver 4. acompanhamento de ações oriundas de análises críticas anteriores. independente de outras responsabilidades. b) assegurar a promoção da conscientização sobre os requisitos do cliente em toda a empresa. A análise crítica deve incluir a avaliação de oportunidades para melhoria e necessidades de mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade. 5. Comunicação interna A direção da empresa deve assegurar que são estabelecidos internamente os processos de comunicação apropriados e que seja realizada comunicação relativa à eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. incluindo a política da qualidade e os objetivos da qualidade. 5.2.1. a situação das ações corretivas. Generalidades A direção da empresa deve analisar criticamente o Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da direção da empresa A direção da empresa deve indicar um membro da empresa construtora que.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 9 a) o planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade é realizado de forma a satisfazer aos requisitos citados em 4. as retroalimentações do cliente. bem como aos objetivos da qualidade. a intervalos planejados. adequação e eficácia.3.1. 5. Autoridade e Comunicação 5.5.2. 5. .5. Entradas para a análise crítica As entradas para a análise crítica pela direção devem incluir informações sobre: a) b) c) d) e) f) os resultados de auditorias. mudanças que possam afetar o sistema de gestão da qualidade. para assegurar sua contínua pertinência. deve ter responsabilidade e autoridade para: a) assegurar que os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade sejam estabelecidos de maneira evolutiva.6.1.6. e b) a integridade do Sistema de Gestão da Qualidade é mantida quando mudanças no Sistema de Gestão da Qualidade são planejadas e implementadas. recomendações para melhoria. Responsabilidade.5. c) relatar à direção da empresa o desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade e qualquer necessidade de melhoria.4).

treinamento. treinamento. b) necessidade de recursos. de acordo com os requisitos do nível evolutivo em que se encontra.1. c) avaliar a eficácia das ações executadas. prover e manter a infra-estrutura necessária para a obtenção da conformidade do produto. . 6. h) a situação das ações preventivas. escritórios da empresa.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 10 g) o desempenho dos processos e da análise da conformidade do produto. d) assegurar que seu pessoal está consciente quanto à pertinência e importância de suas atividades e de como elas contribuem para atingir os objetivos da qualidade.2. Designação de pessoal O pessoal que executa atividades que afetam a qualidade do produto deve ser competente com base em escolaridade. experiência e habilidade (ver 4.3.3. necessários para: a) implementar de maneira evolutiva e manter seu Sistema de Gestão da Qualidade. demais locais de trabalho e instalações associadas.1. 6.6. e e) manter registros apropriados de escolaridade. c) melhoria da eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade e de seus processos. qualificação profissional. incluindo: a) canteiros de obras. 6 Gestão de recursos 6. habilidade e experiência apropriados. conscientização e treinamento A empresa construtora deve. 5. em função da evolução de seu Sistema de Gestão da Qualidade: a) determinar as competências necessárias para o pessoal que executa trabalhos que afetam a qualidade do produto.2.2. Recursos humanos 6. c) aumentar a satisfação dos clientes mediante o atendimento aos seus requisitos. b) melhorar continuamente a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. Saídas da análise crítica Os resultados da análise crítica pela direção devem incluir quaisquer decisões e ações relacionadas a: a) melhoria do produto com relação aos requisitos do cliente. qualificação profissional.2. Infra-estrutura A empresa construtora deve identificar. Provisão de recursos A empresa construtora deve determinar e prover recursos. 6. b) fornecer treinamento ou tomar outras ações para satisfazer estas necessidades de competência.2.4). Competência.

programação e controle do andamento da execução da obra.4). devem ser mantidos registros dos controles realizados (ver 4. esgotos. que respeitem o meio ambiente.4. águas servidas).4).2. áreas de vivência. Ambiente de trabalho A empresa construtora deve determinar e gerenciar as condições do ambiente de trabalho necessárias para a obtenção da conformidade com os requisitos do produto. e respectivos procedimentos de execução e inspeção. contendo os seguintes elementos.2. h) objetivos da qualidade específicos para a execução da obra e atendimento das exigências dos clientes. Devem ser mantidos registros dos controles de andamento realizados (ver 4.2.1. . Plano da Qualidade da Obra A empresa construtora deve. incluindo definição de responsabilidades específicas.4). contemplando os respectivos recursos. quando apropriado: a) estrutura organizacional da obra. 7.1. i) definição dos destinos adequados dados aos resíduos sólidos e líquidos produzidos pela obra (entulhos. e) identificação dos processos considerados críticos para a qualidade da obra e atendimento das exigências dos clientes. associados a indicadores. e c) serviços de apoio (tais como abastecimentos em geral. b) relação de materiais e serviços de execução controlados. consistente com os outros requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade (ver 4. f) identificação das especificidades no que se refere à manutenção de equipamentos considerados críticos para a qualidade da obra e atendimento das exigências dos clientes. devem ser mantidos registros dos controles realizados (ver 4.1. para cada uma de suas obras. 6.1). em função da empresa construtora ter sido contratada para atuar apenas em etapa(s) específica(s) de sua produção ou para sua produção integral. transporte e meios de comunicação).MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 11 b) ferramentas e equipamentos relacionados ao processo de produção. c) projeto do canteiro. Planejamento da Obra 7. 7. d) identificação das especificidades da execução da obra e determinação das respectivas formas de controle.2. elaborar e documentar o respectivo Plano da Qualidade da Obra. bem como de suas formas de controle. Planejamento da execução da obra A empresa construtora deve realizar o planejamento. visando ao seu bom desenvolvimento. 7 Execução da obra Execução da obra é a seqüência de processos requeridos para a obtenção parcial ou total do produto almejado pelo cliente. g) programa de treinamento específico da obra.1.

incluindo os requisitos de entrega da obra e assistência técnica. inclusive emendas.3.4).2. 7. d) qualquer requisito adicional determinado pela empresa construtora. lançamento de um empreendimento ou assinatura de um contrato) e deve assegurar que: a) os requisitos da obra estão definidos. devendo isso ser explicitado na definição do escopo do Sistema de Gestão da Qualidade. c) a empresa construtora tem capacidade para atender aos requisitos determinados. Projeto Para empresas construtoras que executam seus projetos internamente ou subcontratam os mesmos. b) quaisquer divergências entre a proposta e o contrato estão resolvidas. c) obrigações relativas à obra.2.2.3.3. c) retroalimentação do cliente.1 ao 7.5. Para as que recebem projetos de seus clientes aplica-se apenas o requisito 7. submissão de uma proposta. Determinação dos requisitos relacionados à obra A empresa construtora deve determinar: a) requisitos da obra especificados pelo cliente. 7.3 deve ser aplicado dos requisitos 7. b) requisitos da obra não especificados pelo cliente mas necessários para o uso especificado ou intencional. previsto no requisito 1.8.3. Análise crítica dos requisitos relacionados à obra A empresa construtora deve analisar criticamente os requisitos da obra. estes devem ser confirmados antes da aceitação.2. A análise crítica deve ser conduzida antes que seja assumido o compromisso de executar a obra para o cliente (por exemplo. o requisito 7. determinados em 7. Quando o cliente não apresenta seus requisitos documentados. Comunicação com o cliente A empresa construtora deve determinar e implementar meios de comunicação com os clientes relacionados a: a) tratamento de propostas e contratos.2. Quando os requisitos da obra forem alterados. Processos relacionados ao cliente 7.2.1. . a empresa construtora deve assegurar que os documentos pertinentes são complementados e que o pessoal pertinente é notificado sobre as alterações feitas.1.2. b) informações sobre a obra.7. 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 12 7.3. incluindo suas reclamações. incluindo requisitos regulamentares e legais. Devem ser mantidos registros dos resultados das análises críticas e das ações resultantes dessa análise (ver 4.

c) as responsabilidades e autoridades para o projeto. Requisitos devem ser completos. b) a análise crítica e verificação que sejam apropriadas para cada etapa do processo de elaboração do projeto.3. As saídas de projeto devem: a) atender aos requisitos de entrada do processo de projeto. Estas entradas devem ser analisadas criticamente quanto a sua adequação. descritivos ou justificativos. c) onde pertinente. b) fornecer informações apropriadas para aquisição de materiais e serviços e para a execução da obra. d) onde pertinente.2.2. para suas diferentes especialidades técnicas. conter ou referenciar os critérios de aceitação para a obra.1. .MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 13 7. informações provenientes de projetos similares anteriores. da mesma forma que as especificações técnicas e os desenhos e demais elementos gráficos. Entradas de projeto As entradas do processo de projeto relativas aos requisitos da obra devem ser definidas e os respectivos registros devem ser mantidos (ver 4. 7. A empresa construtora deve gerenciar as interfaces entre as diferentes especialidades técnicas (internas ou externas) envolvidas no projeto para assegurar a comunicação eficaz e a designação clara de responsabilidades. informações provenientes de projetos similares anteriores. quaisquer outros requisitos essenciais para o projeto.3. requisitos regulamentares e legais aplicáveis. Durante este planejamento. Estas devem incluir: a) b) c) d) requisitos funcionais e de desempenho. de acordo com a evolução do projeto. sem ambigüidades e não conflitantes entre si 7. e) definir as características da obra que são essenciais para seu uso seguro e apropriado. incluindo indicações dos dispositivos regulamentares e legais aplicáveis.3. São consideradas saídas de projeto os memoriais de cálculo. conforme apropriado. Planejamento da elaboração do projeto A empresa construtora deve planejar e controlar o processo de elaboração do projeto da obra destinada ao seu cliente. As saídas do planejamento da elaboração do projeto devem ser atualizadas.3.4). Saídas de projeto As saídas do processo de projeto devem ser documentadas de uma maneira que possibilite sua verificação em relação aos requisitos de entrada e devem ser aprovadas antes da sua liberação. considerando as suas diferentes especialidades técnicas. a empresa construtora deve determinar: a) as etapas do processo de elaboração do projeto. onde pertinente.

no projeto.7. 7. Validação de projeto A validação do projeto deve ser realizada. ensaios em partes do produto projetado (físicos os simulados).4).3. As análises críticas de projeto devem envolver representantes das especialidades técnicas concernentes ao estágio de projeto que está sendo analisado. comparação com projetos semelhantes já construídos. confecção de maquetes. de modo apropriado. O registro do processo de validação deve incluir as hipóteses e avaliações aplicáveis consideradas para garantir que o desempenho pretendido será atingido.2. 7.2. b) garantir a compatibilização do projeto.3. onde for praticável. Controle de alterações de projeto As alterações de projeto devem ser identificadas e registros devem ser mantidos. para a obra toda ou para suas partes.1).5. Análise crítica de projeto Devem ser realizadas. e aprovadas antes da sua implementação.1).6. em estágios apropriados e planejados (ver 7. Verificação de projeto A verificação de projeto deve ser executada conforme disposições planejadas (ver 7.3. análises críticas sistemáticas do projeto para: a) avaliar a capacidade dos resultados do projeto de atender plenamente aos requisitos de entrada do processo de projeto. interfaces entre subsistemas). As alterações devem ser analisadas criticamente.3.4). Devem ser mantidos registros dos resultados das análises críticas e das subseqüentes ações necessárias (ver 4.2. A análise crítica das alterações de projeto deve incluir a avaliação do efeito das alterações no produto como um todo ou em suas partes (por exemplo. Apresenta-se como conclusão do processo de análise crítica.3.4. conforme planejado (ver 7. Os resultados da validação e as ações de acompanhamento subseqüentes devem ser registradas (ver 4.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 14 7. Devem ser mantidos registros dos resultados da verificação e das ações necessárias subseqüentes (ver 4. construção de unidades tipo.4). c) identificar todo tipo de problema e propor ações necessárias. avaliação de desempenho.3. reuniões com possíveis usuários. 7. onde conhecidos. etc. Nota: Tal validação pode se dar com o uso de medidas tais como: realização de simulações por computador.1). e procura assegurar que o produto resultante é capaz de atender aos requisitos para o uso ou aplicação especificados ou pretendidos.3. verificadas e validadas. soluções inovadoras. que podem ou não corresponder às etapas do processo de projeto. físicas ou eletrônicas. . particularmente quando incluídas. para assegurar que as saídas atendam aos requisitos de entrada.

7. serviços laboratoriais.4.4.1.2.8. a empresa construtora deve informar tal fato e comunicar ao cliente propostas de modificações e adaptações necessárias de qualquer natureza.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 15 Devem ser mantidos registros dos resultados da análise crítica de alterações e de quaisquer ações necessárias (ver 4.3.4). Este requisito abrange a compra de materiais controlados e a contratação de serviços de execução controlados. Processo de qualificação de fornecedores A empresa construtora deve estabelecer critérios para qualificar (pré-avaliar e selecionar).1. serviços de projeto e serviços especializados de engenharia e a locação de equipamentos que a empresa construtora considere críticos para o atendimento das exigências dos clientes. Caso tal análise aponte a necessidade de quaisquer ações. 7. A empresa construtora deve ainda manter atualizados os registros de qualificação de seus fornecedores e de quaisquer ações necessárias.2. Deve ser tomado como base a .4.4. Processo de aquisição A empresa construtora deve assegurar que a compra de materiais e a contratação de serviços estejam conforme com os requisitos especificados de aquisição. 7. ver Requisitos Complementares. possibilitando a correta execução da obra ou etapas da mesma.2. seus fornecedores. Para a definição dos materiais e serviços de execução controlados. Aquisição 7. especificações técnicas). de maneira evolutiva.2. Devem ser mantidos registros dos resultados da análise crítica (ver 4. 7. e atendendo os requisitos estabelecidos no Projeto da Meta Mobilizadora Nacional da Habitação. oriundas da qualificação (ver 4. Processo de avaliação de fornecedores A empresa construtora deve estabelecer.1.1. de maneira evolutiva. Análise crítica de projetos fornecidos pelo cliente A empresa construtora deve realizar análise crítica dos projetos do produto como um todo ou de suas partes que receba como decorrência de um contrato. em função do subsetor da certificação almejada. memoriais.4). A empresa construtora deve prever a forma segundo a qual procede à análise crítica de toda a documentação técnica afeita ao contrato (desenhos. critérios para avaliar o desempenho de seus fornecedores em seus fornecimentos. Poderá ser dispensado do processo de qualificação o fornecedor formalmente participante do Programa Setorial da Qualidade de produtos de seu subsetor industrial. Deve ser tomado como base a capacidade do fornecedor em atender aos requisitos especificados nos documentos de aquisição.4). O tipo e extensão do controle aplicado ao fornecedor e ao produto adquirido devem depender do efeito do produto adquirido durante a execução da obra ou no produto final.

4. incluindo especificações técnicas. Serviços de projeto e serviços especializados de engenharia A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços de projeto e serviços especializados de engenharia descrevam claramente. Materiais controlados A empresa construtora deve garantir que os documentos de compra de materiais controlados descrevam claramente o que está sendo comprado. Quando a empresa construtora ou seu cliente pretender executar a verificação nas instalações do fornecedor. A empresa construtora deve estabelecer. 7. Serviços laboratoriais A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços laboratoriais descrevam claramente.2.2.4). 7. 7.2.3. o que está sendo contratado.2. contendo especificações técnicas (ver requisitos complementares aplicáveis ao subsetor pertinente). Informações para aquisição A empresa construtora deve assegurar. nas informações para aquisição. oriundas da avaliação (vê 4. procedimentos documentados de inspeção de recebimento (ver 8. a adequação dos requisitos de aquisição especificados antes da sua comunicação ao fornecedor.4.2. Serviços controlados A empresa construtora deve garantir que os documentos de contratação de serviços de execução controlados descrevam claramente o que está sendo contratado.4. a empresa construtora deve declarar. A empresa construtora deve ainda manter atualizados os registros de avaliação de seus fornecedores e de quaisquer ações necessárias.4.2.3. contendo especificações técnicas (ver requisitos complementares aplicáveis ao subsetor pertinente). 7.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 16 capacidade do fornecedor em atender aos requisitos especificados nos documentos de aquisição.1.4) para todos os materiais e serviços de execução controlados. o que está sendo contratado.4. Verificação do produto adquirido A empresa construtora deve instituir e implementar. 7. de maneira evolutiva. inspeção ou outras atividades necessárias para assegurar que o produto adquirido atende aos requisitos de aquisição especificados.4. as providências de verificação pretendidas e o método de liberação de produto.2. incluindo especificações técnicas.4.2. . de maneira evolutiva. de maneira evolutiva. 7.

.2) analisar criticamente e aprovar o procedimento documentado de realização do serviço definido pela empresa externa subcontratada e assegurar o seu controle de inspeção. Nota: caso o serviço seja considerado um serviço especializado de execução de obras e tenha sido terceirizado. entrega e atividades pós-entrega. No caso de obras do subsetor edificações. a implementação da liberação. Operação e Manutenção. a atividade de entrega inclui o fornecimento ao cliente de Manual de Uso. conforme previsto nos Requisitos Complementares aplicável ao subsetor. a não ser em situações onde seja exigido pelo cliente. garantir que os procedimentos documentados afeitos aos serviços de execução controlados incluam requisitos para (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor pertinente): a) realização e aprovação do serviço. Operações de produção e fornecimento de serviço 7. quando apropriado. o uso de equipamentos adequados. Condições controladas devem incluir. não há necessidade de demonstração do procedimento de realização. continua no entanto sendo obrigatória. de maneira evolutiva. a disponibilidade de procedimentos de execução documentados. Controle dos serviços de execução controlados A empresa construtora deve.1) definir o procedimento documentado de realização do processo. Para os demais subsetores. ou a.1.5. quando necessário. quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum serviço controlado ela deve: a.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 17 7. a manutenção de equipamentos considerados críticos para o atendimento das exigências dos clientes. a disponibilidade e uso de dispositivos para monitoramento e medição. garantir que o fornecedor o implemente e assegurar o controle de inspeção desse processo. sendo que.1.5. 7. contendo as principais informações sobre as condições de utilização das instalações e equipamentos bem como orientações para a operação e de manutenção da obra executada ao longo da sua vida útil. a implementação de monitoramento e medição. b) qualificação do pessoal que realiza o serviço ou da empresa subcontratada. tal fornecimento é facultativo. Controle de operações A empresa construtora deve planejar e realizar a produção e o fornecimento de serviço sob condições controladas. ficando a empresa construtora dispensada de analisá-lo criticamente e de aprová-lo.1. de modo evolutivo e quando aplicável: a) b) c) d) e) f) g) a disponibilidade de informações que descrevam as características do produto.5. A existência do procedimento documentado de inspeção.

permitindo sua posterior localização e a realização das correções que se fizerem necessárias. uso de métodos e procedimentos específicos.1. a partir do recebimento e durante os estágios de execução e entrega. por ela ou por empresa subcontratada. Para todos os materiais controlados.3. a empresa construtora deve identificar o produto ao longo da produção. A validação deve demonstrar a capacidade desses processos de alcançar os resultados planejados. a empresa construtora deve garantir que as etapas subseqüentes a eles não sejam iniciadas. no caso do não atendimento às exigências feitas.3. .5. por ela ou por empresa subcontratada. a identificação tem também por objetivo a rastreabilidade. Identificação Quando apropriado. evitando erros. o mesmo deve ser formalmente identificado. quando aplicável: a) b) c) d) e) critérios definidos para análise crítica e aprovação dos processos. incluindo. Identificação e rastreabilidade 7. No caso dos materiais estruturais. enquanto eles não tenham sido controlados ou enquanto suas exigências específicas não tenham sido verificadas. 7. com relação às inspeções e aos ensaios feitos. enquanto não tenham sido controlados ou enquanto suas exigências específicas não tenham sido verificadas. A situação dos produtos. Isso inclui os processos onde as deficiências só fiquem aparentes depois que o produto esteja em uso ou o serviço tenha sido entregue. requisitos para registros (ver 4. e. Validação de processos A empresa construtora deve validar todos os processos de produção e de fornecimento de serviço onde a saída resultante não possa ser verificada por monitoramento ou medição subseqüente.2. Esta identificação tem por objetivo garantir a correspondência inequívoca entre projetos. com relação aos requisitos de monitoramento e de medição.4). serviços e registros gerados. No caso de situações nas quais um desses materiais tenha que ser aplicado antes de ter sido controlado. deve ser assinalada de modo apropriado de tal forma a indicarem a conformidade ou não dos mesmos.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 18 7. A empresa construtora deve tomar as providências necessárias para esses processos. a empresa construtora deve garantir que tais materiais não sejam empregados.5. aprovação de equipamento e qualificação de pessoal.2. Para todos os serviços de execução controlados.5. revalidação. produtos.

ou identificação única dos locais de utilização de cada lote. Caso a propriedade do cliente seja perdida. 7.1). de maneira evolutiva. quando esse padrão não existir. a correta identificação.4. Preservação de produto A empresa construtora deve.5. A empresa construtora deve estabelecer processos para assegurar que a medição e o monitoramento possam ser realizados e sejam realizados de uma maneira coerente com os requisitos de medição e monitoramento. Controle de dispositivos de medição e monitoramento A empresa construtora deve determinar as medições e monitoramentos a serem realizados e os dispositivos de medição e monitoramento necessários para evidenciar a conformidade do produto com os requisitos determinados (ver 7.4). b) ajustado ou reajustado. garantir.5.5.6. ou de empresas subcontratadas. Quando for necessário assegurar resultados válidos. estocagem e condicionamento. tal fato deve ser informado ao cliente e devem ser mantidos registros (ver 4. contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais.2. o dispositivo de medição deve ser: a) calibrado ou verificado a intervalos especificados ou antes do uso. Rastreabilidade A empresa construtora deve garantir a rastreabilidade. em todas as etapas do processo de produção. até a entrega da obra. para os materiais controlados. A empresa construtora deve identificar. manuseio. Devem ser mantidos registros de tal identificação (ver 4. d) protegido contra ajustes que possam invalidar o resultado da medição. verificar.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 19 7. Nota: Propriedade do cliente pode incluir propriedade intelectual.4).2. Essas medidas devem ser aplicadas.5. preservando a conformidade dos mesmos em todas as etapas do processo de produção. A empresa construtora deve preservar a conformidade dos serviços de execução controlados. não importando se tais materiais e serviços estão sob responsabilidade da empresa construtora.2. e) protegido de dano e deterioração durante o manuseio.3. manutenção e armazenamento. 7. como necessário. para os materiais controlados cuja qualidade não possa ser assegurada por meio de medição e monitoramento realizados antes da sua aplicação. . Propriedade do cliente A empresa construtora deve ter cuidado com a propriedade do cliente enquanto estiver sob seu controle ou por ela sendo utilizada. proteger e salvaguardar a propriedade do cliente fornecida para uso ou incorporação no produto. a base usada para calibração ou verificação deve ser registrada. c) identificado para possibilitar que a situação da calibração seja determinada. 7.2. danificada ou considerada inadequada para uso.

Os auditores não devem auditar o seu próprio trabalho. c) melhorar continuamente a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade. Generalidades A empresa construtora deve. escopo. NOTA: Ver NBR ISO 10012-1 e NBR ISO 10012-2 para orientação. 8.2. Auditoria interna A empresa construtora deve executar auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o seu Sistema de Gestão da Qualidade: a) está conforme com as disposições planejadas (ver 7. b) assegurar a conformidade do Sistema de Gestão da Qualidade. Os métodos para obtenção e uso dessas informações devem ser determinados. Satisfação do cliente Como uma das medições do desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade. Isso deve incluir a determinação dos métodos aplicáveis. Os critérios da auditoria. análise e melhoria para: a) demonstrar a conformidade do produto. Todos processos definidos pelo Sistema de Gestão da Qualidade da empresa construtora devem ser auditados pelo menos uma vez por ano.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 20 Adicionalmente. de maneira evolutiva. bem como os resultados de auditorias anteriores. freqüência e métodos devem ser definidos. A seleção dos auditores e a execução das auditorias devem assegurar objetividade e imparcialidade do processo de auditoria. com os requisitos deste Referencial e com os requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade por ela instituídos. levando em consideração a situação e a importância dos processos e áreas a serem auditadas. incluindo técnicas estatísticas. .1.2. Registros dos resultados de calibração e verificação devem ser mantidos (ver 4. A empresa construtora deve tomar ação apropriada no dispositivo e em qualquer produto afetado. e.1). Medição e monitoramento 8.2.2. Um programa de auditoria deve ser planejado. 8.1. a empresa construtora deve avaliar e registrar a validade dos resultados de medições anteriores quando constatar que o dispositivo não está conforme com os requisitos.4).2. 8 Medição. e a abrangência de seu uso. análise e melhoria 8. medição. planejar e implementar os processos necessários de monitoramento. b) está mantido e implementado eficazmente. a empresa construtora deve monitorar informações relativas à percepção do cliente sobre se a organização atendeu aos seus requisitos. e.

quando aplicável.2. que os materiais controlados. A empresa construtora deve tratar os materiais controlados. O responsável pela área a ser auditada deve assegurar que as ações para eliminar nãoconformidades e suas causas sejam tomadas sem demora indevida. NBR ISO 10.2.3. e deve ser conduzido nos estágios apropriados dos processos de execução da obra (ver 7. As atividades de acompanhamento devem incluir a verificação das ações tomadas e o relato dos resultados de verificação (ver 8. Esses métodos devem demonstrar a capacidade dos processos em alcançar os resultados planejados. Quando os resultados planejados não são alcançados. pelo cliente. Inspeção e monitoramento de materiais e serviços de execução controlados e da obra A empresa construtora deve estabelecer procedimentos documentados de inspeção e monitoramento das características dos materiais controlados (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor) e dos produtos resultantes dos serviços de execução controlados (ver Requisitos Complementares aplicáveis ao subsetor). a menos que aprovado de outra maneira por uma autoridade pertinente e.4. Em ambos os casos.2. de modo a confirmar a sua conformidade às especificações e necessidades do cliente quanto ao produto acabado.011-1. liberação ou entrega não intencional.011-2 e NBR ISO 10. Medição e monitoramento de processos A empresa construtora deve aplicar métodos adequados para monitoramento e. a fim de verificar o atendimento aos requisitos especificados. os serviços de execução controlados ou a obra não-conformes segundo uma ou mais das seguintes formas: . 8. quando aplicável. os produtos resultantes dos serviços de execução controlados e a obra a ser entregue ao cliente que não estejam de acordo com os requisitos definidos sejam identificados e controlados para evitar seu uso. em ambos os casos.3. 8. Nota: Ver NBR ISO 10. Controle de materiais e de serviços de execução controlados e da obra não-conformes A empresa construtora deve assegurar.1) tenham sido satisfatoriamente concluídas.5.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 21 As responsabilidades e os requisitos para planejamento e para execução de auditorias e para relato dos resultados e manutenção dos registros (ver 4. Isto deve assegurar a inspeção de recebimento. A liberação dos materiais e a liberação e entrega dos serviços de execução controlados e da obra não deve prosseguir até que todas as providências planejadas (ver 7. as evidência de conformidade com os critérios de aceitação devem ser mantidas. A empresa construtora deve estabelecer procedimento documentado para inspeção das características finais da obra antes da sua entrega.4). Estas atividades devem ser definidas em um procedimento documentado.2.2). como apropriado. 8. para medição dos processos do Sistema de Gestão da Qualidade.4) devem ser definidos em um procedimento documentado. devem ser efetuadas as correções e as ações corretivas. de maneira evolutiva. para assegurar a conformidade do produto.011-13 para orientação.1). Os registros devem indicar a(s) pessoa(s) autorizada(s) a liberar o produto (ver 4.

o serviço de execução ou a obra não-conforme for corrigido. Análise de dados A empresa construtora deve determinar. Ação corretiva A empresa construtora deve executar ações corretivas para eliminar as causas de nãoconformidades. 8. coletar e analisar dados apropriados para demonstrar a adequação e eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade e para avaliar onde melhorias contínuas podem ser realizadas. esse deve ser reverificado para demonstrar a conformidade com os requisitos.5.2. Quando a não-conformidade do material. e suas tendências de desempenho.5. incluindo desempenho operacional dos processos.1). dos processos de execução de serviços controlados e dos materiais controlados.1. c) características da obra entregue.2. objetivos da qualidade. d) fornecedores.4. 8.1). onde aplicável. liberação ou aceitação sob concessão por uma autoridade pertinente e. b) autorização do seu uso.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 22 a) execução de ações para eliminar a não-conformidade detectada. análise de dados.5. ou potenciais efeitos. c) execução de ação para impedir a intenção original de seu uso ou aplicação originais. . Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir os requisitos para: a) análise crítica de não-conformidades. A análise de dados deve fornecer informações relativas a: a) satisfação do cliente (ver 8. e incluindo oportunidades para ações preventivas. Isto deve incluir dados gerados como resultado do monitoramento e das medições e de outras fontes pertinentes. pelo cliente. Quando o material. a empresa construtora deve tomar as ações apropriadas em relação aos efeitos. 8. Melhoria contínua A empresa construtora deve continuamente melhorar a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade por meio do uso da política da qualidade. incluindo reclamações de cliente. incluindo concessões obtidas (ver 4.2. resultados de auditorias. As ações corretivas devem ser proporcionais aos efeitos das não-conformidades encontradas.2. ações corretivas e preventivas e análise crítica pela direção.4). da não-conformidade. Devem ser mantidos registros sobre a natureza das não-conformidades e qualquer ação subseqüente tomada. Melhoria 8. do serviço de execução ou da obra for detectada após a entrega ou início de seu uso. de forma a evitar sua repetição. b) conformidade com os requisitos do produto (ver 7. sendo possível a sua reclassificação para aplicações alternativas.

2. d) determinação e implementação de ações necessárias.4). Ação Preventiva A empresa construtora deve definir ações para eliminar as causas de não-conformidades potenciais. de forma a evitar sua ocorrência. c) avaliação da necessidade de ações para assegurar que aquelas não-conformidades não ocorrerão novamente. . f) análise crítica de ações corretivas executadas. 8.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H Referencial Normativo Nível A do SiAC 23 b) determinação das causas de não-conformidades. As ações preventivas devem ser proporcionais aos efeitos dos problemas potenciais. avaliação da necessidade de ações para evitar a ocorrência de não-conformidades.5. registros de resultados de ações executadas (ver 4. e) registro dos resultados de ações executadas (ver 4. análise crítica de ações preventivas executadas.2. Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir os requisitos para: a) b) c) d) e) identificação de não-conformidades potenciais e suas causas.4). definição e implementação de ações necessárias.3.

Execução de Obras Viárias e de Obras de Arte Especiais Brasília.PBQP-H ANEXO IV Requisitos Complementares para os subsetores da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) Requisitos Complementares SiAC .Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . março de 2005 .Execução de Obras de Saneamento Básico Requisitos Complementares SiAC .Execução de Obras de Edificações Requisitos Complementares SiAC .

Ele objetiva estabelecer os critérios a serem atendidos pelos sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras atuantes no subsetor obras de edificações para obtenção da certificação no seu único escopo.PBQP-H. para cada nível. com o Referencial Normativo de Empresas de Execução de Obras SiAC . para o estabelecimento do planejamento da implementação do Sistema de gestão da qualidade (requisito 4.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 1 Requisitos Complementares para o subsetor obras de edificações da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) Requisitos Complementares SiAC . ela será dispensada de estabelecer o(s) respectivo(s) procedimento(s) documentado(s). de acordo com o nível de certificação. conforme item 2. Caso a empresa utilize serviços específicos que substituam serviços constantes da lista mínima. e demais documentos normativos cabíveis.Execução de Obras de Edificações Este documento estabelece as particularidades do fornecimento de materiais e serviços de execução controlados. que apresenta um único escopo de certificação: a) subsetor obras de edificações: a1) execução de obras de edificações. Serviços de Execução e Materiais Controlados A empresa construtora deve preparar uma lista própria de serviços de execução controlados que utilize e que afetem a qualidade do produto exigido pelo cliente. respeitar as porcentagens mínimas de evolução do número de serviços de execução controlados estabelecido em sua lista. a quantidade mínima de serviços de execução controlados. desde que seja obedecido. Caso os sistemas construtivos empregados pela empresa nos tipos de obras cobertos pelo Sistema de gestão da qualidade não empreguem serviços de execução controlados que constem da lista mínima. .1 do Referencial Normativo de Empresas de Execução de Obras SiAC Execução de Obras). Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral e com o Regimento Específico da especialidade técnica Execução de Obras. A empresa deve. abrangendo no mínimo os serviços listados no item 1.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .Execução de Obras. Esta lista deve ser representativa dos sistemas construtivos por ela empregados em suas obras. conforme item 2.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . para o caso do subsetor obras de edificações da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . os mesmos devem ser controlados.

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação - SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras

2

A partir dessa lista de serviços de execução controlados, a empresa construtora deve preparar uma lista de materiais que sejam neles empregados, que afetem tanto a qualidade dos serviços, quanto à do produto exigido pelo cliente. A empresa deve, para o estabelecimento do planejamento da implementação do Sistema de gestão da qualidade (requisito 4.1 do Referencial Normativo SiAC - Execução de Obras), respeitar as porcentagens mínimas de evolução do número de materiais controlados estabelecido em sua lista, de acordo com o nível de certificação, conforme item 4.

1. Definição dos serviços de execução controlados São os seguintes os serviços de execução obrigatoriamente controlados do subsetor obras de edificações, segundo a etapa da obra, a partir dos quais a empresa deve elaborar sua lista de serviços controlados: Serviços preliminares: 1. compactação de aterro; 2. locação de obra. Fundações: 3. execução de fundação. Estrutura: 4. execução de fôrma; 5. montagem de armadura; 6. concretagem de peça estrutural; 7. execução de alvenaria estrutural. Vedações verticais: 8. execução de alvenaria não estrutural e de divisória leve; 9. execução de revestimento interno de área seca, incluindo produção de argamassa em obra, quando aplicável; 10. execução de revestimento interno de área úmida; 11. execução de revestimento externo. Vedações horizontais: 12. execução de contrapiso; 13. execução de revestimento de piso interno de área seca; 14. execução de revestimento de piso interno de área úmida; 15. execução de revestimento de piso externo; 16. execução de forro; 17. execução de impermeabilização; 18. execução de cobertura em telhado (estrutura e telhamento). Esquadrias: 19. colocação de batente e porta; 20. colocação de janela. Pintura: 21. execução de pintura interna; 22. execução de pintura externa.

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação - SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras

3

Sistemas prediais: 23. execução de instalação elétrica; 24. execução de instalação hidro-sanitária; 25. colocação de bancada, louça e metal sanitário. Notar que, em qualquer nível, a empresa deve garantir que sejam também controlados todos os serviços de execução que tenham a inspeção exigida pelo cliente. A partir destes, ela deverá ampliar a lista de materiais controlados, considerando aqueles já relacionados como críticos para o atendimento das exigências dos clientes, e que sejam empregados em tais serviços. Notas: 1) Quando aplicável, deve ser incluída na lista de serviços de execução obrigatoriamente controlados a produção de materiais e componentes em obra, tais como: concreto, graute, blocos, elementos prémoldados, argamassas, esquadrias, etc. 2) Observar o previsto no requisito 7.5.1.1 do Referencial Normativo SiAC - Execução de Obras, quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum serviço de execução controlado. 3) Caso a obra contenha serviços não listados acima, mas que sejam relacionados em outro documento de Requisitos Complementares de subsetor da especialidade técnica Execução de Obras, estes devem ser controlados.

2. Evolução do número de serviços de execução controlados, conforme nível de certificação Devem ser controlados no mínimo as seguintes porcentagens de serviços da lista de serviços de execução controlados da empresa, conforme o nível de certificação: Nível C : 15 %; Nível B : 40 %; Nível A : 100%. Para obtenção da certificação em determinado nível, a empresa construtora deve: a) ter desenvolvido os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de serviços de execução controlados determinados acima, e aplicá-los efetivamente em obra do escopo visado, tendo treinado pessoal e gerado registros de sua aplicação, no mínimo para a metade das porcentagens estabelecidas; b) dispor de obra do escopo visado, de modo que, a cada nível de certificação, possa nela ser observada a efetiva aplicação dos procedimentos, incluindo o treinamento de pessoal e geração de registros, no mínimo para um quinto das porcentagens estabelecidas. As quantidades restantes de serviços de execução controlados poderão ser auditadas sob a forma de registros, incluindo os relativos aos treinamentos efetuados; c) o número de serviços controlados a cada nível, resultante da aplicação das respectivas porcentagens e fatores de redução da metade ou um quarto, conforme alíneas a) e b) acima, deve ser arredondado obrigatoriamente para cima. 3. Definição dos materiais controlados A empresa construtora deve preparar uma lista mínima de materiais que afetem tanto a qualidade dos seus serviços de execução controlados, quanto a da obra, e que devem ser controlados. Esta lista deve ser representativa dos sistemas construtivos por ela utilizados e dela deverão constar, no mínimo, 20 materiais.

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação - SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras

4

Notar que, em qualquer nível, a empresa deve garantir que sejam também controlados todos os materiais que tenham a inspeção exigida pelo cliente, como também todos aqueles que considerou críticos em função de exigências feitas pelo cliente quanto ao controle de outros serviços de execução (ver item 2).

4. Evolução do número de materiais controlados, conforme nível de certificação Devem ser controlados no mínimo as seguintes porcentagens de materiais da lista de materiais controlados da empresa, conforme o nível de certificação: Nível C : 20 %; Nível B : 50 %; Nível A : 100 %. Para obtenção da certificação em determinado nível, a empresa construtora deve: a) ter desenvolvido os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de materiais controlados determinados acima, e aplicá-los efetivamente em obra do escopo visado, tendo treinado pessoal e gerado registros de sua aplicação, no mínimo para a metade das porcentagens estabelecidas; b) dispor de obra do escopo visado, de modo que a cada nível de certificação, possa nela ser observado a efetiva aplicação dos procedimentos, incluindo o treinamento de pessoal e geração de registros, no mínimo para um quarto das porcentagens estabelecidas. As quantidades restantes de materiais controlados poderão ser auditadas sob a forma de registros; c) o número de materiais controlados a cada nível, resultante da aplicação das respectivas porcentagens e fatores de redução da metade ou um quarto, conforme alíneas a) e b) acima, deve ser arredondado obrigatoriamente para cima.

5. Disposições finais válidas para serviços e materiais controlados 1) O número de serviços controlados poderá ser diferente de 25 (20 para o caso dos materiais controlados) desde que justificado pelo sistema construtivo utilizado pela empresa. Os porcentuais aplicam-se a este número de serviços apresentado pela empresa. 2) A quantidade de procedimentos elaborados é igual ou maior do que a quantidade de serviços (materiais), pois um mesmo serviço (material) pode gerar mais de um procedimento. Devem ser verificados todos os procedimentos relacionados à quantidade exigida de serviços (materiais), independente de seu número. 3) Só deve ser verificada a evidência de treinamento no procedimento na fase imediatamente anterior à execução do respectivo serviço. 4) Os registros somente são gerados quando os respectivos serviços são executados (materiais são controlados). Portanto, em uma auditoria a soma do número de registros e do número de serviços em execução (materiais sob controle) deve atender à quantidade de serviços (materiais) controlados. Como se trata de certificação de uma empresa e não de uma obra, podem ser utilizados registros e serviços (controles) de várias obras.

Caso a empresa utilize serviços específicos que substituam serviços constantes da lista mínima. lineares ou localizadas. conforme item 2. os mesmos devem ser controlados. de acordo com o nível de certificação. e demais documentos normativos cabíveis. abrangendo no mínimo os serviços listados no item 1. Ele objetiva estabelecer os critérios a serem atendidos pelos sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras atuantes no subsetor obras de saneamento básico para obtenção da certificação no seu único escopo. que apresenta um único escopo de certificação: b) subsetor obras de saneamento básico: b1) execução de obras de saneamento básico.Execução de Obras. Esta lista deve ser representativa dos sistemas construtivos por ela empregados em suas obras. que dão no entanto origem a um único escopo de certificação. para o caso do subsetor obras de saneamento básico da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat .PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 5 Requisitos Complementares para o subsetor obras de saneamento básico da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) Requisitos Complementares SiAC . com o Referencial Normativo de Empresas de Execução de Obras SiAC .1 do Referencial Normativo SiAC .Execução de Obras de Saneamento Básico Este documento estabelece as particularidades do fornecimento de materiais e serviços de execução controlados. que podem ser de duas naturezas. A empresa deve. Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral e com o Regimento Específico da especialidade técnica Execução de Obras. Serviços de Execução e Materiais Controlados A empresa construtora deve preparar uma lista própria de serviços de execução controlados que utilize e que afetem a qualidade do produto exigido pelo cliente.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . .PBQP-H.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .Execução de Obras). para o estabelecimento do planejamento da implementação do Sistema de gestão da qualidade (requisito 4. respeitar as porcentagens mínimas de evolução do número de serviços de execução controlados estabelecido em sua lista.

ligações prediais de esgoto. 3. locação da obra e acompanhamento topográfico. Execução de canais / galerias: 7. assentamento de tubulações. em seção fechada.1 do Referencial Normativo SiAC . Definição dos serviços de execução controlados São os seguintes os serviços de execução obrigatoriamente controlados do subsetor obras de saneamento básico. para o estabelecimento do planejamento da implementação do Sistema de gestão da qualidade (requisito 4. a quantidade mínima de serviços de execução controlados. 4. para cada nível. execução de caixas e poços de visita.Execução de Obras). desde que seja obedecido. ligações prediais de águas pluviais. Dispositivos de Inspeção e Limpeza: 9. 1. ligações prediais de água. ela será dispensada de estabelecer o(s) respectivo(s) procedimento(s) documentado(s). em seção aberta. 14. 11. Assentamento de Tubulações: 5. A partir dessa lista de serviços de execução controlados. A empresa deve. Fechamento de Valas: 10. reaterros. de acordo com o nível de certificação. execução de fundações para tubulações. tanto de natureza linear como localizada. escavação manual e mecânica. que afetem tanto a qualidade dos serviços. 8.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . . a empresa construtora deve preparar uma lista de materiais que sejam neles empregados. rebaixamento do lençol freático. escoramentos. conforme item 4. quanto à do produto exigido pelo cliente. a partir dos quais a empresa deve elaborar sua lista de serviços controlados: Obras Lineares Serviços Preliminares: 1.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Abertura de Valas: 2. respeitar as porcentagens mínimas de evolução do número de materiais controlados estabelecido em sua lista. conforme item 2. reposição de pavimentação.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 6 Caso os sistemas construtivos empregados pela empresa nos tipos de obras cobertos pelo Sistema de gestão da qualidade não empreguem serviços de execução controlados que constem da lista mínima. 6. Ligações Prediais: 12. 13. segundo a etapa da obra.

deve ser incluída na lista de serviços de execução obrigatoriamente controlados a produção de materiais e componentes em obra. locação das obras. considerando aqueles já relacionados como críticos para o atendimento das exigências dos clientes. Edificações: Ver nota 5. 8. a empresa deve garantir que sejam também controlados todos os serviços de execução que tenham a inspeção exigida pelo cliente. requisitos de registro e referência a documentos documentados. montagem de armadura. previsto no Referencial Normativo SiAC . execução de impermeabilização. 2) Observar o previsto no requisito 7. execução de formas. corte. blocos. quando necessário. pontos de monitoramento. desinfecção de redes e elaboração de cadastros devem ser tratados nas rotinas de inspeção final e entrega e constar do plano da qualidade de obra. 6) Caso a obra contenha serviços não listados acima. 5.5. hidro-mecânica e industrial devem ser tratados em rotinas específicas e constar do plano da qualidade de obra.Execução de Obras. estes devem ser controlados. quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum serviço de execução controlado. Estruturas de concreto: 6. mas que sejam relacionados em outro documento de Requisitos Complementares de subsetor da especialidade técnica Execução de Obras.Execução de Obras de Edificações. 9. e que sejam empregados em tais serviços. previsto no Referencial Normativo SiAC .1 do Referencial Normativo SiAC . 3) Serviços finais como testes de funcionamento. 7. Notas: 1) Quando aplicável. Notar que.Execução de Obras. Movimento de Terra: 2.Execução de Obras. 3. em qualquer nível. execução de fundação. tais como: concreto.1. compreendendo projetos. concretagem de peça estrutural. .PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 7 Obras Localizadas Serviços Preliminares: 1. argamassas. graute. A partir destes. etc. rebaixamento do lençol freático. 4) Serviços de montagem elétrica. elementos prémoldados. ela deverá ampliar a lista de materiais controlados.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . Fundações: 4.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 5) Os serviços afeitos à execução de edificações devem atender aos requisitos estabelecidos no documento Requisitos Complementares . aterro.

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . Nível A : 100 %. Nível A : 100%. conforme nível de certificação Devem ser controlados no mínimo as seguintes porcentagens de serviços da lista de serviços de execução controlados da empresa. 3. em função da obra auditada apresentar natureza de obra linear ou localizada. Para obtenção da certificação em determinado nível. Nível B : 40 %. Notar que.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . b) dispor de obra do escopo visado.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 8 2. incluindo os relativos aos treinamentos efetuados. e que devem ser controlados. no entanto. incluindo o treinamento de pessoal e geração de registros. resultante da aplicação das respectivas porcentagens e fatores de redução da metade ou um quarto. Evolução do número de serviços de execução controlados. 9 (nove) materiais para Obras Lineares e 7 (sete) para Obras Localizadas. conforme alíneas a) e b) acima. no mínimo. Evolução do número de materiais controlados. conforme o nível de certificação: Nível C : 20 %. tendo treinado pessoal e gerado registros de sua aplicação. Esta lista deve ser representativa dos sistemas construtivos por ela utilizados e dela deverão constar. as porcentagens acima fixadas não variam. e aplicá-los efetivamente em obra do escopo visado. Nível B : 50 %. no mínimo para um quinto das porcentagens estabelecidas. . Definição dos materiais controlados A empresa construtora deve preparar uma lista mínima de materiais que afetem tanto a qualidade dos seus serviços de execução controlados. ou de ambas. As quantidades restantes de serviços de execução controlados poderão ser auditadas sob a forma de registros. 11 (onze) materiais. conforme o nível de certificação: Nível C : 15 %. em qualquer nível. conforme nível de certificação Devem ser controlados no mínimo as seguintes porcentagens de materiais da lista de materiais controlados da empresa. como também todos aqueles que considerou críticos em função de exigências feitas pelo cliente quanto ao controle de outros serviços de execução (ver item 2). a empresa construtora deve: a) ter desenvolvido os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de serviços de execução controlados determinados acima. Notar que. no mínimo. no mínimo para a metade das porcentagens estabelecidas. deverão ser controlados. caso uma mesma obra apresente ambas as naturezas. 4. de modo que a cada nível de certificação possa nela ser observado a efetiva aplicação dos procedimentos. c) o número de serviços controlados a cada nível. a empresa deve garantir que sejam também controlados todos os materiais que tenham a inspeção exigida pelo cliente. deve ser arredondado obrigatoriamente para cima. quanto a da obra. o número de serviços constantes da lista elaborada de serviços controlados pode variar.

no mínimo para um quarto das porcentagens estabelecidas. 2) A quantidade de procedimentos elaborados é igual ou maior do que a quantidade de serviços (materiais). As quantidades restantes de materiais controlados poderão ser auditadas sob a forma de registros. Portanto. conforme alíneas a) e b) acima.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . incluindo o treinamento de pessoal e geração de registros. independente de seu número. . pois um mesmo serviço (material) pode gerar mais de um procedimento. para o caso dos materiais controlados) desde que justificado pelo sistema construtivo utilizado pela empresa. resultante da aplicação das respectivas porcentagens e fatores de redução da metade ou um quarto. possa nela ser observada a efetiva aplicação dos procedimentos. podem ser utilizados registros e serviços (controles) de várias obras. Disposições finais válidas para serviços e materiais controlados 1) O número de serviços controlados poderá ser diferente do estabelecido no item 1 (item 2. b) dispor de obra do escopo visado. Os porcentuais aplicam-se a este número de serviços apresentado pela empresa. de modo que.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 9 Para obtenção da certificação em determinado nível. e aplicá-los efetivamente em obra do escopo visado. no mínimo para a metade das porcentagens estabelecidas. c) o número de materiais controlados a cada nível. 3) Só deve ser verificada a evidência de treinamento no procedimento na fase imediatamente anterior à execução do respectivo serviço. tendo treinado pessoal e gerado registros de sua aplicação. a empresa construtora deve: a) ter desenvolvido os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de materiais controlados determinados acima. a cada nível de certificação. 5. Como se trata de certificação de uma empresa e não de uma obra.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . 4) Os registros somente são gerados quando os respectivos serviços são executados (materiais são controlados). em uma auditoria a soma do número de registros e do número de serviços em execução (materiais sob controle) deve atender à quantidade de serviços (materiais) controlados. Devem ser verificados todos os procedimentos relacionados à quantidade exigida de serviços (materiais). deve ser arredondado obrigatoriamente para cima.

em função do escopo escolhido.Execução de Obras.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 10 Requisitos Complementares para o subsetor obras viárias e obras de arte especiais da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) Requisitos Complementares SiAC . Serviços de Execução e Materiais Controlados A empresa construtora deve preparar uma lista própria de serviços de execução controlados que utilize e que afetem a qualidade do produto exigido pelo cliente.Execução de Obras Viárias e Obras de Arte Especiais Este documento estabelece as particularidades do fornecimento de materiais e serviços de execução controlados.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . Ele objetiva estabelecer os critérios a serem atendidos pelos sistemas de gestão da qualidade das empresas construtoras atuantes no subsetor obras viárias e obras de arte especiais para obtenção da certificação nos seus diferentes escopos. para o caso do subsetor obras viárias e obras de arte especiais da especialidade técnica Execução de Obras do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . os mesmos devem ser controlados. respeitar as porcentagens mínimas de evolução do número de serviços de execução controlados estabelecido em sua lista. A empresa deve. abrangendo no mínimo os serviços listados no item 1. e demais documentos normativos cabíveis. que apresenta dois escopos de certificação: c) subsetor obras viárias e obras de arte especiais: c1) execução de obras viárias. Ele deve ser utilizado conjuntamente com o Regimento Geral e com o Regimento Específico da especialidade técnica Execução de Obras. conforme item 2. para o estabelecimento do planejamento da implementação do Sistema de gestão da qualidade (requisito 4.PBQP-H.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . de acordo com o nível de certificação. Caso a empresa utilize serviços específicos que substituam serviços constantes da lista mínima. .Execução de Obras). c2) execução de obras de arte especiais. com o Referencial Normativo de Empresas de Execução de Obras SiAC . A lista preparada deve ser representativa dos sistemas construtivos por ela empregados em suas obras.1 do Referencial Normativo SiAC .

SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . respeitar as porcentagens mínimas de evolução do número de materiais controlados estabelecido em sua lista. segundo a etapa da obra. aterro. limpeza do terreno. a empresa construtora deve preparar uma lista de materiais que sejam neles empregados. 2. quanto à do produto exigido pelo cliente. conforme item 4. 10. para cada nível. ela será dispensada de estabelecer o(s) respectivo(s) procedimento(s) documentado(s). sarjeta e boca de lobo. conforme item 2. que afetem tanto a qualidade dos serviços. 8. Terraplenagem: 3.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação .1 do Referencial Normativo SiAC . recuperação de pavimentos. 7. execução de drenagem profunda.Execução de Obras). Definição dos serviços de execução controlados São os seguintes os serviços de execução obrigatoriamente controlados do subsetor obras viárias e obras de arte especiais. de acordo com o nível de certificação. para o estabelecimento do planejamento da implementação do Sistema de gestão da qualidade (requisito 4. desde que seja obedecido. Drenagem profunda: 12. A empresa deve. . estrutura do pavimento (base). a partir dos quais a empresa deve elaborar sua lista de serviços controlados: OBRAS VIÁRIAS Serviços Preliminares: 1. 1. revestimento flexível. regularização do sub-leito. corte.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 11 Caso os sistemas construtivos empregados pela empresa nos tipos de obras cobertos pelo Sistema de gestão da qualidade não empreguem serviços de execução controlados que constem da lista mínima. execução de meio fio. a quantidade mínima de serviços de execução controlados. locação de obra e acompanhamento topográfico. Execução do pavimento: 6. Drenagem superficial: 11. revestimento rígido. 9. exploração de jazidas (empréstimo). 4. A partir dessa lista de serviços de execução controlados. 5.

em qualquer nível. 11. A partir destes. execução de formas. 2) Observar o previsto no requisito 7. passarelas. recuperação de estruturas.5. tais como: concreto. concretagem de peça estrutural. não inclui túneis) Serviços Preliminares: 1. rebaixamento do lençol freático. revestimento rígido. elementos prémoldados. 8. considerando aqueles já relacionados como críticos para o atendimento das exigências dos clientes. Fundações: 4. OBRAS DE ARTE ESPECIAIS (pontes. execução de cimbramentos. ela deverá ampliar a lista de materiais controlados. revestimento flexível. corte. Execução do pavimento: 15. 7.1. Superestrutura: 6. 3. revestimento vegetal. concreto asfáltico. deve ser incluída na lista de serviços de execução obrigatoriamente controlados a produção de materiais e componentes em obra. contenção de taludes. Obras Complementares: 17. a empresa deve garantir que sejam também controlados todos os serviços de execução que tenham a inspeção exigida pelo cliente. . estes devem ser controlados. execução de estrutura metálica.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . revestimento vegetal. e que sejam empregados em tais serviços..MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . execução de fundação.Execução de Obras. 18.Execução de Obras. 16. aterro. viadutos. 12. montagem de armadura. 10. 3) Serviços de sinalização e segurança no trânsito devem ser tratados em rotinas específicas e constar do plano da qualidade de obra.1 do Referencial Normativo SiAC . locação da obra. 9. previsto no Referencial Normativo SiAC . Movimento de Terra: 2. etc.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 12 Obras Complementares: 13. 14. 5. Notar que. 4) Caso a obra contenha serviços não listados acima. etc. mas que sejam relacionados em outro documento de Requisitos Complementares de subsetor da especialidade técnica Execução de Obras. Notas: 1) Quando aplicável. execução de estrutura protendida. contenção de taludes. quando a empresa construtora optar por adquirir externamente algum serviço de execução controlado.

conforme o nível de certificação: Nível C : 15 %. em função da obra auditada apresentar.MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . conforme nível de certificação Devem ser controlados no mínimo as seguintes porcentagens de materiais da lista de materiais controlados da empresa. 7 (sete) materiais para Obras Viárias e 8 (oito) para Obras de Arte Especiais. conforme o nível de certificação: Nível C : 20 %. natureza de obra viária e obra de arte especial.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 13 2. quanto a da obra. como também todos aqueles que considerou críticos em função de exigências feitas pelo cliente quanto ao controle de outros serviços de execução (ver item 2). deve ser arredondado obrigatoriamente para cima.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . Evolução do número de serviços de execução controlados. a empresa deve garantir que sejam também controlados todos os materiais que tenham a inspeção exigida pelo cliente. já que devem ser combinados. b) dispor de obra do escopo visado. a empresa construtora deve: a) ter desenvolvido os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de serviços de execução controlados determinados acima. Nível B : 50 %. possa nela ser observada a efetiva aplicação dos procedimentos. Notar que. Nível A : 100%. no entanto. a cada nível de certificação. de modo que. c) o número de serviços controlados a cada nível. 4. no mínimo para um quinto das porcentagens estabelecidas. no mínimo para a metade das porcentagens estabelecidas. conforme alíneas a) e b) acima. As quantidades restantes de serviços de execução controlados poderão ser auditadas sob a forma de registros. em qualquer nível. conforme nível de certificação Devem ser controlados no mínimo as seguintes porcentagens de serviços da lista de serviços de execução controlados da empresa. tendo treinado pessoal e gerado registros de sua aplicação. incluindo os relativos aos treinamentos efetuados. Definição dos materiais controlados A empresa construtora deve preparar uma lista mínima de materiais que afetem tanto a qualidade dos seus serviços de execução controlados. 3. Esta lista deve ser representativa dos sistemas construtivos por ela utilizados e dela deverão constar. no mínimo. Notar que. e aplicá-los efetivamente em obra do escopo visado. Nível A : 100 %. incluindo o treinamento de pessoal e geração de registros. Nível B : 40 %. resultante da aplicação das respectivas porcentagens e fatores de redução da metade ou um quarto. Evolução do número de materiais controlados. e que devem ser controlados. as porcentagens acima fixadas não variam. o número de serviços constantes da lista elaborada de serviços controlados pode variar. . Para obtenção da certificação em determinado nível. simultaneamente.

5. As quantidades restantes de materiais controlados poderão ser auditadas sob a forma de registros c) o número de materiais controlados a cada nível. a cada nível de certificação.SNH Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat . pois um mesmo serviço (material) pode gerar mais de um procedimento. Devem ser verificados todos os procedimentos relacionados à quantidade exigida de serviços (materiais). em uma auditoria a soma do número de registros e do número de serviços em execução (materiais sob controle) deve atender à quantidade de serviços (materiais) controlados. 3) Só deve ser verificada a evidência de treinamento no procedimento na fase imediatamente anterior à execução do respectivo serviço. deve ser arredondado obrigatoriamente para cima.PBQP-H Requisitos Complementares do SiAC Especialidade Técnica Execução de Obras 14 Para obtenção da certificação em determinado nível. a empresa construtora deve: a) ter desenvolvido os procedimentos documentados para as porcentagens mínimas de materiais controlados determinados acima. incluindo o treinamento de pessoal e geração de registros. conforme alíneas a) e b) acima. podem ser utilizados registros e serviços (controles) de várias obras. tendo treinado pessoal e gerado registros de sua aplicação. 4) Os registros somente são gerados quando os respectivos serviços são executados (materiais são controlados). b) dispor de obra do escopo visado. Como se trata de certificação de uma empresa e não de uma obra. e aplicá-los efetivamente em obra do escopo visado. independente de seu número. de modo que. Portanto. Disposições finais válidas para serviços e materiais controlados 1) O número de serviços controlados poderá ser diferente do estabelecido no item 1 (item 2. . Os porcentuais aplicam-se a este número de serviços apresentado pela empresa. resultante da aplicação das respectivas porcentagens e fatores de redução da metade ou um quarto. 2) A quantidade de procedimentos elaborados é igual ou maior do que a quantidade de serviços (materiais).MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação . no mínimo para um quarto das porcentagens estabelecidas. para o caso dos materiais controlados) desde que justificado pelo sistema construtivo utilizado pela empresa. possa nela ser observada a efetiva aplicação dos procedimentos. no mínimo para a metade das porcentagens estabelecidas.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful