Você está na página 1de 19

Água,

gota a gota
S
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO
Secretaria de Estado do Meio Ambiente
Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental

Coordenadora: Lucia Bastos Ribeiro Sena; Pesquisa e texto: Maria Julieta A. C. Penteado e Sandra N. S.
Almeida; Projeto gráfico: Sonally R. P.C. Pelizon; Tratamento de imagens: Pedro O. V. Galletta.

Ilustrações: Capa - cartaz Retrato de Piquenique na Represa - Cecília Esteves. Páginas 1 e 2 (imagem de fundo)
e 4 - Diamani Regina de Paulo. Págs. 14 e 15 - Água e Cidade (folheto) – Curitiba/PR. Pág. 6 - Associação Brasileira
de Educação Agrícola Superior – O Caminho das Águas – A&A&A Autores & Agentes & Associados – Brasília/DF,
1998.

S
Apresentação
Em nosso organismo, no alimento que nos nutre, no ar
que nos envolve ou no solo que pisamos, em tudo existe
água. E se a Terra é o Planeta Água; e se a água é a
fonte da vida; e se a sede mata mais depressa do que a
fome, o que falar mais sobre um bem tão vital?
S imples, constante e abundante, ou forte, cristalina e
primordial, a água é um tema apaixonante. Aqui, você
encontrará algumas gotas de informação sobre esse recurso
natural. Beba. Beba desta e de muitas outras fontes.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente


- 2003 -

S
Trucidaram o rio
Prendei o rio
Maltratai o rio
Trucidai o rio
A água não morre
A água que é feita
De gotas inermes
Que um dia serão
Maiores que o rio
Grandes como o oceano
Fortes como os gelos
Os gelos polares
Que tudo arrebentam. Manoel Bandeira – 1935

S
Água, qual é a questão?
A água é uma riqueza natural indispensável à vida na Terra, porém, é um bem finito
e permanecerá sempre com a mesma quantidade.
A água está presente no solo, no ar e nos seres vivos. Três quartos do corpo humano,
por exemplo, são constituídos por ela.
A superfície do nosso planeta é
ocupada por água em 70% da sua exten-
são. Quase que a totalidade dessa água
encontra-se nos oceanos e é salgada. A
água doce responde por apenas 2,5% do
total, sendo que mais da metade forma as
geleiras, não podendo ser aproveitada.
Resta apenas 1% em condições de - Atlas Geográfico Melhoramentos - Pe. Geraldo José Pauwels
- Ed. Melhoramentos - SP/1997 -

S3
uso imediato. Parece pouco, mas tem sido suficiente para manter a vida e as
diferentes atividades humanas.
Então qual é o problema?
O problema está em manter a
qualidade da água e assim garantir a
ocorrência dos processos naturais que
dependem dela.
Uma das funções básicas da água é
servir para beber. Se devido a outros usos ela
perder suas principais características ou
adquirir substâncias prejudiciais e até fatais para a saúde, a qualidade fica comprometida,
mesmo que a sua quantidade não se altere.
É preciso proteger as fontes de água potável nas suas nascentes e durante o seu
percurso. Os rios podem morrer por causa do desmatamento nas nascentes, por

S 4
desbarrancamento nas margens devido à derrubada da mata ciliar que as
protege e por lançamento de esgoto e lixo nas suas águas.
Precisamos de água de boa qualidade para outros usos como agricultura,
indústria e lazer, por exemplo.
A água superficial e subterrânea disponíveis no Estado de São Paulo não são
um privilégio definitivo. Se não forem tratadas com cuidado podem tornar-se escassas
onde eram abundantes, trazendo secas em alguns pontos e grandes enchentes em outros.
Atualmente, 40% da população mundial enfrentam escassez de água para beber.
Na Espanha, por exemplo, há cidades que têm água nas casas somente algumas horas
por dia. Nos centros urbanos com poucas áreas verdes e alta concentração de habitantes
é necessário maior empenho, tanto do poder público quanto do cidadão, no sentido de
usar racionalmente e economizar a água que é captada, tratada e distribuída pela rede
pública.

Mata ciliar é a floresta que cresce nas áreas que ladeiam o rio e que protege suas margens.

S5
O que é a água?
A água é uma substância natural, composta de hidrogênio e oxigênio na proporção
de dois para um.
Apresenta-se na
natureza em três estados:
líquido, como nos rios,
mares e torneiras; gasoso,
como nas nuvens e no bico
de uma chaleira fervendo; e
sólido, como nas geleiras e
nas pedras de gelo do
congelador.
A água movimenta-se e muda de estado, obedecendo etapas constantes que formam
um ciclo.

S6
S
Bom de saber! Algumas sementes como o
Quem descobriu a feijão, apesar de parecer
De cada 500 Basta que o ser composição química da totalmente secas e sem
litros de água humano perca 12% água – H2 O – foram vida, têm mais ou menos
doce do planeta, da água de seu Cavendish e Lavoisier, no 15% de água. E basta ser
50 litros estão corpo para que século XVIII. umedecidas para germinar,
no Brasil. ocorra sua morte. produzindo novas plantas.

S
O grande volume de
Para manter acesa uma
lâmpada de 100 wats,
Uma torneira
pingando
S
Os agüeiros eram escravos
lentamente durante
durante 10 horas, usam-se que carregavam água em
água dos oceanos age 1 ano desperdiça o
16 000 litros de água. vasilhas de barro e
como um reservatório de equivalente a um
calor, influindo sobre o vendiam-na para o abasteci-
caminhão pipa com
clima e impedindo que as 3 mento dos senhores do Rio
35 m de água.
temperaturas se tornem Um terço da humanidade de Janeiro no Primeiro
exageradamente altas ou vive doente por beber Reinado. Os serviços regula-
baixas. água imprópria, sem res de abastecimento come-

S tratamento.
S çaram somente no século
XVIII.

S7
E aqui, como a água rola?
Sem dúvida, o Brasil não devia ter problemas quanto à quantidade de água doce
disponível, uma vez que se trata de um país cortado em todas as direções por uma
infinidade de rios, riachos, quedas d‘água, lagos e lagoas. Não podemos esquecer que o
Rio Amazonas, correndo na sua maior parte em território brasileiro, é o mais caudaloso do
mundo, quer dizer, é o maior em volume de água.
Porém, a questão não se prende somente à quantidade, mas à qualidade, distribuição
e prioridades de uso que a própria sociedade define. E isso vale também para cada Estado
brasileiro.
A quantidade
Quanto mais água de chuva penetrar no solo, maior garantia de ser mantido o volume
de água doce.
Nos centros urbanos fortemente pavimentados e ocupados por edificações, com
poucas áreas verdes, o solo apresenta-se quase todo impermeabilizado. E, nesse caso, a água
das chuvas não se infiltra; ela escorre com força, formando as enxurradas, e encaminha-se
para locais mais baixos, inundando-os.

S 8
A qualidade
Existem diferentes níveis de qualidade a manter, conforme o uso que vai ser dado à
água. Por exemplo, para beber exige-
se uma água mais pura do que para
Mananciais de São Paulo: rios e represas.

usar nas usinas com fins de geração


de energia.
A qualidade da água depende
de que:
¨ a sua degradação não ultrapasse
a capacidade de suporte, quer
dizer, a capacidade de renovar a
qualidade naturalmente; e
¨ as áreas de nascente, margens e
várzea estejam protegidas por
vegetação de porte, conhecida
como mata ciliar.

S9
A distribuição
No planeta, no Brasil e em qualquer estado ou região, a distribuição natural dos mananciais
de água doce não é uniforme, tanto que existem desertos e também regiões grandemente irrigadas.
Em tempos remotos, o suprimento de água para uso doméstico era responsabilidade
individual ou do grupo familiar. Hoje, o que acontece é muito diferente. Num Estado como São
Paulo, todos os municípios contam com um sistema público de abastecimento. E essa água custa
caro.
Quanto
mais comprometi-
da a qualidade da
água, mais caro
será o processo
para a sua recupe-
ração e mais pro-
dutos químicos
serão utilizados
para isso.

S10
E o que mais pode rolar ?
Poluição

Uma dificuldade crescente nas cidades é a captação de grandes volumes de água


de boa qualidade para o consumo. Em muitas regiões, a água pode ser obtida somente a
partir de represas e rios sujeitos a inúmeros tipos de poluição.
Águas poluídas são aquelas que apresentam impurezas e substâncias estranhas
que alteram profundamente sua qualidade, tornando-as impróprias para suas várias
utilizações.
A poluição pode ser causada simplesmente pela presença de terra em suspensão,
que deixa a água turva. Esse problema é resolvido facilmente por meio da filtração.
Mais grave, no entanto, é a poluição provocada por substâncias como, por exemplo,
resíduos de indústrias químicas e farmacêuticas, toxinas resultantes de organismos em
decomposição, detergentes e pesticidas (agrotóxicos).

S11
Doenças
Algumas doenças que a água contaminda pode causar.

DOENÇAS PARASITA SINTOMAS


CAUSADOR

Cólera Bactéria Forte diarréia, vômitos e, em conseqüência,


desidratação, coma e até a morte.
Infecção intestinal Bactéria Diarréia e, em conseqüência, desidratação.
Leptospirose* Bactéria Icterícia e hemorragias internas.
Hepartite Vírus
infecciosa Graves danos ao fígado.
Poliomelite Vírus
( paralisia infantil) Ataca o sistema nervoso, causando paralisia e até a
morte.
Amebíase Protozoário Diarréia com sangramento e, em conseqüência,
anemia e enfraquecimento.
Giárdia Protozoário Disenteria e dores intestinais.

(*) É transmitida pela urina do rato, que contamina as águas.

S12
Então, como cair na água?
O primeiro convite é desfrutar do prazer que ela oferece. Aproxime-se da
natureza para curtir um bom banho de cachoeira; ouça o murmúrio de um riacho;
pesque na beira de um rio; ou simplesmente deixe cair na pele a água de uma boa
chuva de verão.
Outra proposta é conhecer e usar as nossas fontes de águas medicinais. O
Estado de São Paulo dispõe de muitas estâncias hidrominerais onde se pode
encontrar tratamento para numerosas doenças.
Em relação à água de beber, cabe a cada um de nós a responsabilidade por seu
uso racional. Procure conhecer o caminho que a água de beber percorre desde a sua
origem até as torneiras. Mantenha a caixa d’água e o encanamento da sua casa
limpos e livres de vazamentos. Na limpeza doméstica e na higiene pessoal adquira o
hábito de gastar somente o necessário.

S
13
Economizando água

2 Molhar,
ensaboar e enxa-
1 Feche a guar: um banho
torneira ao planejado limpa e
escovar os economiza água e
dentes. energia.

3 Água potável é muito 4 Molhe as plantas pela ma-


cara e preciosa para ser nhã ou ao anoitecer e use o
desperdiçada lavando cal- regador. Ele gasta menos
çadas. Use a vassoura: água que a mangueira e o
você vai economizar água e exercício faz bem.
tempo.

S
14
5 Mantenha seu carro limpo,
mas não precisa exagerar no
uso da água. Com um balde
você economiza e dá conta do
recado.

6 Cuidado! Vasos sanitários não são li-


xeiras. Jogar objetos, além de ser um
atentado ao meio ambiente, provoca
entupimento da rede de esgoto, que
7 Faça uma boa viagem, pode retornar para dentro da sua casa
mas não esqueça de fe- ou da casa do vizinho.
char o registro da água
antes de sair.

8 Pense no futuro de nossas crianças. Elas


precisam de rios limpos e esgoto tratado.

S
15
Bibliografia
. Silva Junior, Cesar da; Sasson, Sezar; Sanches, Paulo Sergio Bedaque. O mundo em que vive-
mos. São Paulo: Saraiva, 1995. 192p. (Ciências Entendendo a Natureza).
. Água e Cidadania – Dossiê do Saneamento – Curitiba/PR, s/d.
. Água e Cidade (folheto) – Curitiba/PR, s/d.
. Calvi, Gian. O Caminho das Águas. Brasília/DF; Associação Brasileira de Educação Agrícola
Superior/Autores & Agentes & Associados, 1998. 32p.
. Coleção a Patrulha Verde – Claro como Água – Looney Tunes – Ed. Edelbra - 2001.
. Secretaria de Estado do Meio Ambiente; Condini, Paulo – Educação Ambiental: A Qualidade
das Águas. São Paulo: SMA/CEAM, 1998. 43p.
. Secretaria dos Recursos Hídricos e Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior –
Água Subterrânea: conceitos, reservas, usos e mitos – Brasília/DF, 1999.
. Calvi, Gian. Fazendo e aprendendo com a água - Brasília/DF: Associação Brasileira de Educa-
ção Agrícola Superior/Autores & Agentes & Associados, 1998. 32p.
. Dias, Sonia. Água, Meio Ambiente e Vida. Brasília/DF: Associação Brasileira de Educação Agrí-
cola Superior - Autores & Agentes & Associados, 1998. 32P.
. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC – Ciência Hoje na Escola – Meio Am-
biente - Águas – São Paulo,1997.

S
16
S