Você está na página 1de 4

AULA 04 ESPELHOS ESFÉRICOS FORMAÇÃO DE IMAGENS

Introdução Na calota da roda de um automóvel, ou na bola que enfeita uma árvore de Natal, podemos ver nossa imagem refletida. Percebemos assim, facilmente, as diferenças entre os espelhos planos, aos quais estamos acostumados, e os de superfície curva, que podem fornecer imagens aumentadas ou diminuídas, maiores ou menores que o objeto.

todos os elementos geométricos inerentes a ambos, descritos a seguir:

Os espelhos esféricos em particular têm a forma de uma calota obtida da intersecção entre um plano e uma superfície esférica, na qual uma das faces é espelhada.

Espelho côncavo: superfície refletora interna.

 Eixo principal do espelho (ep) é a reta definida pelo centro da curvatura e pelo vértice.  Eixo secundário do espelho (es) é qualquer reta que passa pelo centro de curvatura, mas não passa pelo vértice.  Abertura do espelho (α ) é o ângulo plano determinado pelos eixos secundários tangentes aos bordos do espelho.  Raio de curvatura do espelho (R) é o raio da superfície esférica à qual a calota pertence.  Centro de curvatura ou centro óptico do espelho (C) é o centro da superfície esférica à qual a calota pertence.  Foco principal do espelho (F) é, aproximadamente, o ponto médio do eixo principal no trecho compreendido entre o vértice e o centro óptico.  Distância focal do espelho (f) é a distância do foco principal ao vértice.  Plano focal (PF) é o plano frontal, perpendicular ao eixo principal, que contém o foco.  Foco secundário do espelho (Fs) é o ponto de intersecção de um eixo secundário com o plano focal.  Vértice do espelho (v) é o pólo da calota esférica. Propriedades Alguns dos infinitos raios luminosos que incidem sobre um espelho apresentam comportamento particular ao serem refletidos. Por este motivo, expomos a seguir os chamados raios notáveis. *0 Todo raio que incidir paralelamente ao eixo
principal de um espelho esférico se reflete passando pelo foco principal.

Espelho convexo: superfície refletora externa. Se a superfície refletora for a interna, o espelho será chamado côncavo e, se for a externa, teremos um espelho convexo. Elementos Tornar-se importante, no estudo dos espelhos esféricos, conhecer os elementos que os caracterizam. Abaixo representamos um espelho que pode ser côncavo ou convexo, com

Pelo princípio da reversibilidade, o caminho inverso também pode ocorrer.

sendo maior que o objeto e de cabeça para baixo? A imagem é real. ampliada e invertida. invertida e maior. 2) Objeto sobre C A imagem é virtual. forma ângulos de incidência e reflexão iguais. 5) Objeto entre F e V As propriedades citadas no item anterior facilitam grandemente o traçado geométrico das imagens nos espelhos esféricos. na prática. invertida e menor. Vejamos alguns exemplos: 1) Objeto antes de C A miragem é virtual. Construção Gráfica de Imagens A miragem é imprópria (localizada no infinito). Mas.*1 Todo raio que incidir sobre o centro de curvatura retorna sobre si mesmo após a reflexão. direita e maior. A imagem é real. uma imagem surge na frente do espelho. por enquanto. .  No quinto exemplo observa-se que o espelho côncavo pode ser utilizado como “espelho de aumento”. invertida e de mesmo tamanho. 4) Objeto sobre F Pois este é exatamente o tipo de imagem obtida nos projetores de “slides” ou de cinema. 3) Objeto entre C e F Observações:  No terceiro exemplo observa-se que a imagem de um objeto colocado entre o foco e o centro óptico resulta real. direita e menor. A imagem é real. ou seja. conforme veremos mais adiante. 6) Objeto na frente do espelho convexo. vamos gravar que apenas as imagens reais podem ser projetadas. • Todo raio que incidir no vértice reflete-se simetricamente em relação ao eixo principal. Mas como.

(Não vale para o espelho convexo. embora o espelho convexo diminua a imagem. complete a trajetória dos raios de luz: Propriedades dos raios luminosos nos espelhos esféricos: a) Espelho côncavo: b) Espelho convexo: f c c f f c c f f c . (Não vale para o espelho convexo. neste caso. d) Objeto no centro óptico:  A imagem é idêntica ao objeto. mas invertida com relação ao mesmo. com relação ao espelho:  A imagem formar-se-á sobre o foco.) c f c f EXERCÍCIOS EM SALA 1) Com base nas figuras abaixo. c) Objeto no vértice:  Teoricamente admite-se que. Casos Especiais a) Objeto colocado sobre o foco principal:  A imagem estará no infinito.) b) Objeto no infinito. formando-se também no centro óptico. No sexto exemplo observa-se que. a imagem é idêntica ao objeto e coincide com o mesmo. ele aumenta o campo visual.

direita e um pouco maior. virtual. ele observa sempre uma imagem: a) b) c) d) e) 0 virtual. direita e menor. real. esboce graficamente a imagem e classifiqueas: a) Espelho côncavo b) Espelho convexo: 0 0 f c f c c) Desenho Geral 0 c c f f 0 c f 3) Um motorista de táxi observa atento a sua própria imagem formada pelo espelho convexo utilizado como retrovisor em seu carro. c f . virtual. direita e de mesmo tamanho. Mesmo fazendo variar a distância do seu rosto ao espelho. sem tocá-lo. invertida e menor.0 f c c f 2) Com base nas figuras abaixo. real. direita e menor.