Você está na página 1de 5

Comércio exterior – balança comercial e balanço de pagamentos Histórico - A evolução do nosso comércio externo pode ser dividida, grosso

modo, em quatro etapas, mais ou menos distintas. A primeira vai, praticamente, da descoberta do Brasil até 1808, quando houve a abertura dos portos. Nesse período, o comércio externo brasileiro era monopolizado pela Metrópole, sendo esta atividade exercida pelas companhias que recebiam privilégio do reino. As exportações brasileiras eram representadas por açúcar, ouro, pedras preciosas e fumo, este em menor escala. As importações consistiam em gêneros alimentícios e manufaturados. Esse monopólio tornou-se mais compulsório após a aplicação do Pacto Colonial. Em 1808, com a abertura dos portos, o Brasil entrou no regime de livrecambismo, que vigorou até 1844, iniciando-se o segundo período, quando, apesar das vantagens tarifárias obtidas pela Inglaterra com o Tratado de 1810 (de comércio e navegação), de forma geral o comércio externo conheceu regular desenvolvimento. Em 1844, foi instituída a tarifa Alves Branco, entrando o País num regime protecionista. Foi estabelecida em 30% a tarifa alfandegária para todos os produtos e todos os países. O estabelecimento da taxa alfandegária, em nível elevado, diminuiu a concorrência de produtos estrangeiros, possibilitando, dessa forma, um ligeiro desenvolvimento das indústrias internas. Nesse período, o café tornou-se o produto básico da economia brasileira, atingindo 75% do valor das exportações, por volta de 1900. Ao lado desse produto, aparecem o algodão, o cacau, a borracha e o açúcar. No início da República, o governo, por intermédio de Rui Barbosa, permitiu a emissão de títulos resgatáveis por parte dos bancos particulares. Essa medida, que integrou a política do

“Encilhamento”, foi toma da pelo fato de o meio circulante ser deficitário, em consequência do próprio desenvolvimento econômico, e por ter havido alteração na relação de trabalho com a abolição da escravatura. Essa crise provocou a saída de capitais estrangeiros do Brasil, ao mesmo tempo em que o nosso comércio externo sofreu abalo causado pela inflação. Em 1900, foi então estabelecida a tarifa Joaquim Murtinho, que vigorou até 1934. Durante esse período, houve duas anormalidades no comércio exterior: a primeira causada pela Primeira Guerra Mundial e que acarretou a diminuição das importações; a segunda causada pela crise da Bolsa de Nova York. Até o início da Segunda Guerra Mundial, a exportação do País permaneceu modesta, apesar da evolução industrial que se verificava. Contudo, as importações de manufaturas foram se diversificando. Durante a Segunda Guerra Mundial, houve violenta restrição de importações no Brasil, uma vez que as indústrias dos países beligerantes estavam empenhadas em produzir armamentos. Mas, não havendo restrição das exportações com a mesma intensidade, o País viu a sua capacidade de importação cada vez maior. Porém, finda a guerra, houve forte importação de equipamentos para substituir os antigos ou os de segunda mão que vinham sendo utilizados, o que esgotou rapidamente a nossa capacidade de importação. Por causa desse fato e do desenvolvimento crescente das áreas de influências comerciais no plano mundial, entramos, a seguir, na fase de acordos comerciais, pelos quais deveriam surgir vantagens. A partir de 1945, profundas modificações ocorreram no comércio inter nacional. Em consequência de vários fatores (2.ª Guerra Mundial, desenvolvimento dos meios de transporte e comunicações e independência dos países africanos), os países subdesenvolvidos ativaram as suas

1

Chile. os seis principais países compradores do Brasil – Estados Unidos. A participação relativa dos Estados Unidos. principalmente da América Latina. o Brasil lentamente modificou também o seu comércio externo. à medida que o País vai sofrendo um rápido processo de industrialização.82% da pauta. No entanto. Em vista dessa alteração no comércio internacional. o Brasil passou por muitos planos econômicos e trocas de moedas até o Plano Real. incentivando tais por outro lado. Venezuela e México.94%) e México (17. equipamentos. máquinas etc. Os vinte países mais relevantes que importaram do Brasil representaram 78. Comparadas ao mesmo período de 2002.17%).Nos primeiros cinco meses de 2003.36%). o mercado de consumo tornou-se inelástico. O saldo favorável no ano depende da recuperação da demanda internacional. na tentativa de impulsionar o comércio dos países membros. Os anos de 1990 foram marcados por grandes crises econômicas que influenciaram no pagamento da dívida externa. Índia (92.exportações na tentativa de minorar os problemas econômicos internos. Coreia do Sul (52. Chile (54. Em agosto de 1980. sofrendo lenta evolução.9 bilhões. Holanda (38. Equador. A desvalorização do real teve como motivo básico a necessidade de equilibrar as contas externas.66%) e Espanha (47. enquanto as nossas importações subiram em razão da necessidade de industrializar o País (matéria-prima. Quanto às importações.85% no período considerado.45%).). vendas de manufaturados e minérios. em geral os subdesenvolvidos possuem natureza climática semelhante. Argentina. com sede em Montevidéu.76%). o Brasil desenvolveu esforços para depender cada vez menos das exportações de produtos primários agrícolas. China. Vale ainda destacar as elevadas taxas de crescimento das exportações para o Irã (163. 2 . Holanda (porto de Roterdã). EUA (18. atingiu 24. Peru. o que tornou bastante intensa a concorrência desses produtos no merca do de consumo mundial. Na década de 1980.5 bilhões. Colômbia. vários problemas dificultaram a realização satisfatória do comércio nessa área. Em 1960. Porém. Argentina (107. como ferro. como a falta de Marinha Mercante dos paísesmembros e a postura individualista desses países. as vendas do Brasil para os seus seis principais mercados apresentaram as seguintes taxas de variação: China (230. nosso principal parceiro comercial na pauta. vão sofrendo modificações. Alemanha e México – importaram mais de US$ 978 milhões. portanto.35% de nossa pauta de exportações. que defendiam o seu comércio em detrimento da associação. totalizando US$ 21. Paraguai. Formosa (78. produzindo. Argentina. foi criada a Alalc (Associação Latino-Americana de Livre Comércio). equivalentes a US$ 13. com grandes promessas a partir de 2000 em virtude do aumento das exportações.11%). manganês e alumínio. em relação ao mesmo período do ano anterior. baseado na desindexação e estabilidade cambial.91%). sendo responsáveis por 50.71%). Alemanha (44. Ora. cada um. os mesmos produtos agrícolas de exportação. a Alalc foi extinta e substituída pela Aladi (Associação Latino-Americana de Integração). A balança comercial tem se mostrado muitas vezes superavitária.45%). em 1994.32%). naturalmente as receitas de exportações baixaram. Por outro lado. como as exportações brasileiras eram constituídas por esses produtos em grande parte. Esses fatores mantiveram os preços dos produtos primários agrícolas em níveis bastante baixos. que são: Brasil.17%). Uruguai. que consome 40% das exportações brasileiras de produtos manufaturados. A partir de 1986. Exportações .

com US$ 898 milhões.27%) lugares. computadores.642 bilhão). 3 . As exportações de soja. máquinas e aparelhos (ótica. Pode-se perceber que os EUA. Espírito Santo (9% do total) – embarque: Vitória e Tubarão. que tem com nosso País o acordo do Mercosul. mesmo triturada. consequentemente aumenta a concorrência. seguido de Campinas. produtos químicos. gravação e som). São Paulo (participa com 40% do total) – Santos é o principal local de embarque.As vinte principais mercadorias exportadas nos primeiros cinco meses de 2003 representaram 49. indicando um significativo grau de concentração. carvão mineral.97% da pauta. México e Venezuela Ásia: Japão e Coreia do Sul Nossos maiores fornecedores são os países árabes (fornecedores de petróleo). Sepetiba e Angra dos Reis. Arábia     Saudita e Kuwait Mercosul: Argentina. Uruguai. França e Rússia África: Nigéria. cobre. com US$ 808 milhões. México.411 bilhão) destacou-se pelo aumento das exportações para a China. Rio Grande do Sul (12% do total) – embarque: Rio Grande. O centro-sul do País é responsável pela quase totalidade das exportações brasileiras. Argélia e África do Sul Oriente Médio: Iraque e Arábia Saudita Ásia: Japão. A soja. Importações . cinema e medição).98%). Holanda. Itália. liderou a exportação (5. quando o mercado de importações apresenta maior liberdade.As principais exportações do Brasil foram feitas para os seguintes países:  Mercosul: Argentina. Chile e Canadá UE: Alemanha. Venezuela. seguida pelos minérios de ferro e pelos automóveis de passageiros. cereais (trigo). a Argentina. Rio de Janeiro (13% do total) – principais locais de embarque: Rio de Janeiro. veículos. aviões. perderam esta posição para os países europeus e para a Argentina. chumbo. que sempre foram nosso principal parceiro comercial. e o farelo de soja o quinto lugar. que ocuparam o segundo (5. material óptico.14%) e terceiro (3. o minério de ferro (US$ 1. China. a UE e os EUA. Os automóveis de passageiros ocuparam a terceira colocação. São Sebastião e São Paulo. mesmo tritura da (US$ 1. Porto Alegre e Uruguaiana. As principais importações brasileiras foram feitas dos seguintes países:  Oriente Médio: Iraque. Paraná (10% do total) – embarque: Paranaguá e Foz do Iguaçu. Chile e Venezuela UE: Alemanha. Itália e França América: EUA. República da Coreia e Taiwan Atualmente nossos maiores compradores são. e de petróleo (US$ 866 milhões) atingiram esse valor em consequência da participação mais intensa do Brasil no mercado mundial em virtude da maior competitividade do produto brasileiro. EUA. respectivamente. UE. fotografia. Países de maior intercâmbio com o Brasil . pela ordem: Argentina. material de comunicação (instrumentos musicais. Paraguai e      Uruguai América: EUA. Os principais produtos de importação são: petróleo. A receita de divisas com aeronaves totalizou US$ 779 milhões. aparelhos de reprodução.Cabe lembrar que.

mais do que recebem do exterior. Bulgária e Romênia. o termo designa um tipo particular de mercadoria em estado bruto ou produto primário de importância comercial. A criação da Alca tem sido incerta. enquanto o Produto Interno Bruto se refere à produção no país. algodão. Inicialmente. o governo norte-americano não aprovou o “fast track”. nesses países. com exceção de Cuba. assim como a manutenção de uma TEC (Tarifa Externa Comum) e trabalhadores. que inclui hoje 27 paísesmembros. Mercosul . entre si. soja. facilitando o fluxo de bens e serviços na região. caracteriza-se como uma união aduaneira incompleta. Letônia. como é o caso do café. Países. Eslovênia. tanto no País como no exterior. Tcheca. capital financeiro e transferências comerciais. seguro e frete. Hungria. como o Brasil. O princípio básico para aceitação é que os países acatem a legislação do grupo. que são responsabilidades do vendedor. o valor pago pelo comprador inclui o valor da mercadoria + frete + seguro. Rep. Nesta modalidade.O Produto Nacional Bruto (PNB) pode ser descrito como a produção do País. PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO MUNDIAL Nafta . Estônia. insurance and freight” – custo.Saiba mais . o processo deve se atrasar em razão de impasses em setores importantes. No entanto. Polônia. juros etc. No entanto. o objetivo era chegar à situação de um mercado comum em 2005. o frete + seguro são responsabilidades do comprador. Alca . serviços. estanho e ferro. que deverá extinguir tarifas de comércio entre os países. Balança comercial – é a variável que compara os valores monetários resultantes das exportações de um País para o resto do mundo menos as suas importações. Malta. com a extinção de barreiras tarifárias entre os países-membros. PNB – é a renda total recebida pelos nativos. PIB – é o principal indicador das atividades econômicas de um país. criada com o objetivo de obter reduções tarifárias progressivas entre os membros. mas não inclui o montante ganho pelos estrangeiros que moram no país. Eslováquia. O mercado comum entrou em vigor em 1993. Valor FOB – “free on board” (posto a bordo) – o valor pago pelo comprador inclui somente a mercadoria. mas excluindo os ganhos dos nativos que vivem no exterior.É uma área de livre circulação de mercadorias e pessoas. Commodity – nas relações comerciais internacionais. Os países-membros da Alca terão. registrando o total do dinheiro que entra e sai na forma de importações e exportações de produtos. Atualmente. e a moeda única – o euro –. Isso significa que grande parte das tarifas entre os países já foi reduzida e que se busca um acordo para definir uma TEC para todos os setores. a introdução de metas macroeconômicas comuns e o estabelecimento de uma legislação supranacional. que exprime o valor da produção realizada dentro de suas fronteiras.É uma área de livre-comércio já estabelecida entre Estados Unidos. o PNB é menor que o PIB. União Europeia . em 1999. em 1993. Valor CIF “cost. Chile e Argentina já haviam manifestado intenção de aderir ao Nafta em meados da década de 1990. o de produtos lácteos e outros. Argentina. Balança de pagamentos – é um instrumento da contabilidade social referente à descrição das relações comerciais de um País com o resto do mundo. É muito mais um acordo comercial do que um projeto de integração política e econômica. preferências tarifárias. que utilizam uma proporção grande de capital estrangeiro . um recurso legal que permitia aceitar novos membros no bloco sem necessidade de aprovação do Congresso. pois 4 . como o automotivo. Foi criado com o objetivo de promover a integração da Europa.É uma proposta de criação de um mercado comum entre Brasil. Lituânia.É uma proposta de integração comercial que. Chile e Argentina focaram sua atenção no Mercosul. O objetivo é que as tarifas para o comércio intra bloco sejam reduzidas até que fiquem zera das. Depois desse episódio. Por isso. se concluída. bens e serviços poderão cruzar fronteiras sem qualquer impedimento. cobre. Uruguai e Paraguai.remetem lucro. abrangeria todos os países das Américas. México e Canadá. incluindo a dos estrangeiros que moram no país. Os novos membros são: Chipre.

os países costumam adotar medidas antidumping para impedir a entrada de mercadorias suspeitas. principalmente em mercados estrangeiros por empresas ou grupos de empresas. a preços abaixo do custo da produção. Termos importantes • Risco-país – conceito que diz respeito ao grau de incerteza associado a investimentos feitos em determinado país que abrange riscos mercadológicos. Quando acreditam ser alvos dessa prática. entre outros. 5 . em seguida. de forma a permitir que a indústria local se adapte às mudanças repentinas no grau de concorrência externa. até 2008 as negociações por sua implementação permaneceram estagnadas.existe uma carta de intenções – lançada em 1994 e confirmada em 1998 – entre as principais economias da região para que fosse discutida a sua implantação a partir de 2005. sociais. dominar o mercado. • Dumping – comercialização desleal de mercadorias. com o objetivo de enfraquecer a concorrência ou levá-la à falência para. climáticos. No entanto. jurídicos. • Salvaguardas – medida que suspende temporariamente a importação de um produto.