Você está na página 1de 3

SENADO FEDERAL SECRETARIA-GERAL DA MESA

SF - 201 01/11/2011

SECRETARIA DE TAQUIGRAFIA

O SR. ALOYSIO NUNES FERREIRA (Bloco/PSDB – SP. Pela Liderança..) – Sr. Presidente, Srªs Senadoras, Srs. Senadores, começo à semelhança da Senadora Ana Rita, por desejar ao Presidente Lula plena, rápida recuperação. A notícia de sua doença aturdiu a todos, mas logo em seguida, vieram versões mais tranquilizadoras produzidas pela sua equipe de médicos e com a total aquiescência do Presidente, que dá um exemplo, realmente, de como essas questões devem ser tratadas por pessoas que vivem a vida pública, com a transparência mais absoluta. Essas notícias nos dão conta de que o seu tumor pode ser tratado de forma não invasiva e que a esperança de recuperação, de remissão total é enorme, e é nesse sentido que vão também os meus votos. Venho à tribuna, hoje, Sr. Presidente, apenas para fazer um registro de projeto de lei que apresentei inspirado por um colega desta Casa, pelo Senador Mozarildo Cavalcanti. S. Exª é um dos Senadores mais assíduos às sessões do plenário, tanto do Senado e mais frequentes na tribuna. Na semana passada, S. Exª fez um apanhado dos trabalhos e das conclusões de uma Comissão Parlamentar de Inquérito que funcionou no Senado na Legislatura passada, presidida pelo Senador Heráclito Fortes, tendo como relator o Senador Inácio Arruda. O tema dessa CPI era as organizações não governamentais e irregularidades cometidas sob cobertura dessas organizações. O Senador Mozarildo Cavalcanti nos chamou a atenção para o relatório dessa Comissão que, infelizmente, não chegou a ser votado. Ao tomar conhecimento do relatório, encontrei ali minuta de um projeto de lei formulado há dois anos, mas de enorme atualidade, exatamente um projeto de lei que cria um marco legal para o relacionamento entre o Poder Público e as organizações não governamentais que, por delegação do Poder Público, assumem um papel importante na execução de políticas públicas na área da saúde, da educação, da capacitação profissional, da assistência social, e que nos últimos tempos vêm sendo colocadas numa atmosfera sulfurosa, numa atmosfera de suspeição por conta do desvirtuamento dessa relação Poder Público/Organizações Não Governamentais. Os dados do IBGE mostram, na última pesquisa de que tenho conhecimento, que existiam no Brasil, em 2005, Sr. Presidente, 338 mil organizações desse tipo, organizações voluntárias, sob forma de fundações ou de sociedades civis. Trezentas e trinta e oito mil! Trinta e cinco por cento delas - é o dado do IBGE - se dedicam à defesa de interesses, de direitos dos cidadãos. Um grande número delas é de inspiração religiosa, cerca de ¼ delas. Sete por cento delas se dedicam à educação e à capacitação profissional. Portanto, é um universo imenso de gente dedicada a fazer o bem dos outros e sair da esfera de sua vida puramente privada e se dedicar altruisticamente a trabalhar em proveito da coletividade. De uns anos para cá, o Poder Público passou a estabelecer com essas organizações convênios que em muitos casos foram plenamente exitosos, têm sido plenamente exitosos. Eu me refiro, por exemplo, aos convênios que o Governo de São Paulo, desde o Governo do saudoso governador Mário Covas, vêm atuando na área da saúde na gestão de hospitais públicos, dando a esses hospitais um caráter público não estatal. São organizações sérias, como as Irmãs Marcelinas, na zona leste de São Paulo, como a Fundação Faculdade de Medicina, como a Fundação Oswaldo
C:\Users\LM\Downloads\ANF011111 Projeto ONGs.doc 01/11/11 20:52

Com isso. mas há. num discurso que antecedeu a este. hoje. porque a grande maioria destas organizações são sérias. com alegria. como há pouco tempo foi apontado pelo Tribunal de Contas da União. ao lado de uma atuação conforme o contrato de parceria muito aquém daquilo que o contrato prevê. do Plenário desta Casa. Sr. E registro. de tal maneira que já temos cinco anos seguidos em que a juventude brasileira é vítima de lambanças que decorrem da má preparação dessas provas. recebendo dinheiro público. mas há também outros problemas – a falta de uma estrutura de fiscalização efetiva.doc 01/11/11 20:52 . para embolsar dinheiro para engordar o caixa dos seus partidos ou o bolso dos seus gestores. pela incúria. que desempenham bem o seu trabalho no interesse da população brasileira. concorreram além dos Parlamentares membros da CPI a que me referi. especialistas do terceiro setor. da Controladoria-Geral da União. inspiradas pelo projeto de lei a que me refiro. depois. largueza de objetivos e pluralismo que caracterizam as organizações não governamentais foi totalmente desvirtuada em decorrência de uma forma de organizar o Governo. de correligionários partidários. Mas. Há inúmeros problemas que explicam o desvirtuamento dessa relação poder público/organizações não governamentais. dirigentes da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais.202 01/11/2011 SECRETARIA DE TAQUIGRAFIA Ramos. Este era o objetivo da comissão de inquérito. estará. Uma idéia boa. independentemente do trabalho que venha a ser feito no âmbito da C:\Users\LM\Downloads\ANF011111 Projeto ONGs. pela falta de planejamento. Acontece que nos últimos anos também essa boa idéia acabou sendo pervertida. que é a possibilidade da abertura de vagas nos vestibulares para alunos que tenham sido bem sucedidos nos exames de avaliação.SENADO FEDERAL SECRETARIA-GERAL DA MESA SF . generosa e democratizante. é preciso reconhecer. que levam em conta o conjunto do percurso do aluno no ensino médio: o Enem. que acabaram por formular um belo texto. que é o fisiologismo na gestão de alguns Ministérios nos governos dirigidos pelo PT e seus aliados. que consistiu em lotear os aparelhos governamentais entre partidos políticos. do Ministério Público Federal. chefes políticos. de companheiros. desse porte. Já me referi a um deles. problemas de gestão de toda ordem –. facções de partidos políticos. um vazio legal. em grande parte. e foi exatamente esse texto que pincei. para a sua elaboração. Com as ONGs aconteceu um fenômeno semelhante: uma ideia boa de estabelecer relações com setores da sociedade civil para levar adiante projetos de interesse público com a agilidade. Presidente. Escoimei o texto de algumas disposições que me pareciam inconstitucionais e apresentei à deliberação. O Senador José Agripino. as ONGs acabaram vivendo. que passavam a contratar ONGs de amigos. um vazio de normatização. que são. que acabou sendo pervertida pela incompetência. que a Presidente Dilma Rousseff determinou a criação de um grupo de trabalho para estabelecer regras administrativas no âmbito do Executivo. fez referência a uma boa ideia que acabou sendo pervertida. técnicos do Tribunal de Contas da União. dentro em breve. sob um clima de suspeição injusto. Nesse projeto. como a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e outras organizações desse nível. à deliberação das Comissões e. entre outros: produzir um texto que pudesse suprir essa lacuna legislativa do ordenamento jurídico.

aos seus dirigentes e aos responsáveis do Poder Público. Presidente. um antídoto eficaz contra o clientelismo. com as modificações. de chamamento público de projetos. que os meus colegas julgarem oportunas. dando total transparência à forma de escolha dos projetos e das ONGs que deverão levá-los adiante. atribuem-se responsabilidades bem definidas aos gestores das organizações não governamentais. Sr. de tal forma que todas as organizações que estejam habilitadas. Diz-se exatamente quem deve fazer o que e quem é responsável por qual parcela do projeto coletivo.SENADO FEDERAL SECRETARIA-GERAL DA MESA SF . e a escolha de entidades para atender não a interesse público. repito. portanto. sob a forma de concursos públicos. Cria-se. possam ter a oportunidade de se candidatar e ver a sua organização escolhida. É.doc 01/11/11 20:52 . Muito obrigado. Presidente. Estabelece-se inclusive a responsabilização pessoal dos dirigentes dessas organizações que. sérias e dedicadas – desse clima de suspeição no qual estão hoje imersas por culpa de maus gestores. Nesse projeto. de maus políticos e de maus administradores. Estabelecem-se normas de prestação de contas que devem seguir o padrão das normas brasileiras de contabilidade. independentemente da proximidade com esse ou aquele partido político.203 01/11/2011 SECRETARIA DE TAQUIGRAFIA presidência da República. se for acolhido pelo Senado e pelo Congresso Nacional. creio que vai contribuir para que possamos resgatar essas organizações – na sua imensa maioria. escaparem ou trabalharem contrariando ou frustrando os objetivos. evidentemente. Sr. é que considero conveniente a aprovação do projeto. C:\Users\LM\Downloads\ANF011111 Projeto ONGs. por má-fé. para dar mais solidez – eu diria – a esse regramento. mas ao interesse particular do dirigente público que as escolhe. um projeto que. cujo objeto de trabalho coincida com o tema proposto para parceria.