Você está na página 1de 5

Termmetro Gs a Volume Constante

INTRODUO O objetivo deste experimento estudar o comportamento da presso exercida por um gs (ar) em funo da sua temperatura, a volume constante, e atravs deste estudo, determinar a temperatura do zero absoluto e o coeficiente de presso do gs em uma temperatura, usando os seguintes materiais: Fogareiro, kitassato, Becker, termmetro, manmetro de mercrio, suportes, funil, mangueiras e vlvula. MONTAGEM

PROCEDIMENTOS E ANLISES Inicialmente o equipamento j estava montado sobre a bancada, nivelamos o mercrio nas duas ramificaes na marca zero e fechamos a vlvula, ligamos o fogareiro e para que o volume do gs no kitassato permanea constante na marca de referncia na ramificao direita, subimos o funil, comeamos o experimento com uma temperatura de 350 , anotando a temperatura e a presso manomtrica simultaneamente de 30 em 30 graus e completamos a tabela seguinte: MEDIDAS / TABELAS Densidade do mercrio : dhg = 13.6 g/cm3 Densidade da gua : dagua = 1.0 g/cm3 Presso atmosfrica local : 71.5 cmHg TABELA I 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 T( C) 35 38 41 44 47 50 53 56 59 62 h(cmH 1.8 2.9 3.6 4.4 5.2 5.9 6.7 7.4 8.0 8.8 g)
0

11 65 9.4

12 13 14 15 16 17 68 71 74 77 80 83 10.3 10.8 11.7 12.3 12.8 13.4

18

19

20

Com os parmetros a e b extrados do programa de ajuste de curvas que so: A = (0.2395 +- 0.0029) B = (65.33 +- 0.17) Temos como determinar a temperatura do zero absoluto experimentalmente, P=0. P = atc + b tc = -c/a = -272.776K TABELA II

Como P = P0 + h temos: 1 2 3 4 5 0 T( C) 35 38 41 44 47 P(cmHg 73. 74. 75. 75. 76. ) 3 4 1 9 7

6 50 77. 4

7 53 78. 2

8 56 78. 9 18

9 59 79. 5 19

10 62 80. 3 20

11 12 13 14 15 16 17 65 68 71 74 77 80 83 80.9 81.8 82.3 83.2 83.3 84.3 84.9

Tendo como valor terico 273.15K, o erro percentual na determinao do zero absoluto foi de: % = |Vexp Vteo|x100 = |272.776 273.15|x100 = 0.136% Vexp 273.15 O coeficiente de presso em relao a temperatura T : (I) teo = (1/P).dP/dT (II) PV = nRT Derivando (II) temos: dP/dT = nR/V substituindo em (I) temos: teo = 1/T teo = 1/273 = 3.6x 10-3 A anlise dimensional do coeficiente que e muito pequeno na ordem de 10-3. Equao para o coeficiente experimental: exp = 1/P(T).(dP/dT) Para 00C :

exp exp

= (1/66.5)x 0.2457 = 0.0036947

para 360C :

exp exp

= (1/73.5)x 0.242 = 0.0032925

CONLUSO O erro percentual de exp a 00C : % = |Vexp Vteo|x100 = |0.0036947 0.0036|x100 = 2.6% Vexp 0.0036 Com este erro percentual conclui-se que a exatido do experimento foi boa, os principais erros erros sistemticos so a considerao do gs como sendo perfeito e de que a vlvula no vaza gs, a zeragem do mercrio no ponto zero etc. Se utilizssemos gua no lugar de mercrio o comprimento do ramo esquerdo seria: pagua =phg dagua . g . h = dhg . g . h 1 . h = 13,6 .36,5 h = 4.96 m A vantagem de um manmetro de gua em comparao com um de mercrio que o mais barato, mas fcil de encontrar, e as desvantagens que a coluna de gua seria em media de 4 metros, e no daria para fazer este experimento em laboratrio. Na temperatura do zero absoluto as molculas esto paradas, ou seja a presso nula e a energia cintica no existe.

Anexo Clculo para o grfico P(cmhg) x T(0) Abscissa mx = 150/83-0= 1.807 = 2mm/Ux y Lx = mx . Lx = 2 x 5 = 10 Degrau = 5 (cmhg) Passo = 10mm Ordenada My = 100/85-60= 4= 5mm/Ux Ly = mx . x Ly = 5 x 2= 10 Degrau = 2(cmHg) Passo = 10mm