********************************************************************

SETOR DE HIGIENE E MEDICINA DO TRABALHO
MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS ==================================================================== CONTEÚDO Índice das substâncias químicas ........................... Índice dos antídotos ...................................... PREFÁCIO ....................................................... INTRODUÇÃO ..................................................... 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Quadro Sinóptico - Primeiros Socorros ....................... Descrição das substâncias químicas ......................... Medidas gerais de primeiros socorros e tratamento imediato . Medidas gerais de prevenção de acidentes de trabalho ....... Auto-cuidado no atendimento ................................ Relação dos antídotos ...................................... Relação das substâncias tóxicas com antídotos específicos .. Orientação de diagnóstico diferenciado ..................... Primeiros socorros e tratamento imediato nas queimaduras químicas ................................... Situações clínicas de emergência ........................... Serviço de informação BAYER ................................

CONCLUSÃO ...................................................... ********************************************************************

2

********************************************************************

ÍNDICE DAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS
DESCRIÇÃO PRIMEIROS SOCORROS

1,3-BUTADIENO ................................................. ACETATO DE BUTILA ............................................. ACETATO DE ETILA .............................................. ACETOACETATO DE METILA ........................................ ACETONA ....................................................... ÁCIDO ACÉTICO (GLACIAL) ....................................... ÁCIDO Cianídrico .............................................. ÁCIDO Clorídrico .............................................. ÁCIDO CRÔMICO ................................................. ÁCIDO FLUORÍDRICO ............................................. ÁCIDO Fosfórico ............................................... ÁCIDO NÍTRICO ................................................. ÁCIDO OXÁLICO ................................................. ÁCIDO PERCLÓRICO .............................................. ÁCIDO PROPIÔNICO .............................................. ÁCIDO SULFÚRICO ............................................... ACRILAMIDA .................................................... ACRILONITRILA ................................................. AMÔNIA (ANIDRA) ............................................... ANILINA (C6H5NH2) ............................................. ARSÊNIO ....................................................... BENZENO ....................................................... BI-HEDONAL .................................................... BUTANOL ....................................................... BUTILGLICOL ................................................... CARBAMATOS .................................................... CARBONATO DE SÓDIO ............................................ CICLOHEXANONA ................................................. CICLOHEXILAMINA ............................................... CLORAL ........................................................ CLORATO DE COBRE .............................................. CLORETO DE BENZOÍLA ........................................... CLORETO DE CIANURILO .......................................... CLORETO DE ETILENO 1,2 ........................................ CLORETO DE METILA ............................................. CLORO ......................................................... CLOROFORMIATO DE ETILA ........................................ CLORONITROBENZENO ............................................. CRESOL ........................................................ DI-ISOBUTILCETONA ............................................. DIACETONA ÁLCOOL .............................................. DICLOROBENZIDINA .............................................. DICLORVOS ..................................................... DICROMATO DE POTÁSSIO ......................................... DICROMATO DE SÓDIO ............................................ DIETILENO GLICOL .............................................. DIFENIL METANO-4,4 DIISOCIANATO ...............................

DIISOPROPILAMINA .............................................. DIMETILSULFATO (DMS) .......................................... DIÓXIDO DE ENXOFRE ............................................ DIÓXIDO DE NITROGÊNIO ......................................... DOWANOL PM .................................................... E-118 ......................................................... ENXOFRE ....................................................... ETANOL ........................................................ ETIL GLICOL ACETATO ........................................... ETILENO CLORIDRINA ............................................ ETILENO GLICOL ................................................ FENOL ......................................................... FOLIDOL ....................................................... FOLIMAT ....................................................... FOLITHION DDT ULTRA ........................................... FORMALDEÍDO ................................................... FÓSFORO ....................................................... FOSGÊNIO ...................................................... HEXACLORO BENZENO ............................................. HEXAMETILENO DIISOCIANATO (HDI) ............................... HIDRAZINA ..................................................... HIDRÓXIDO DE AMÔNIA (20 A 35% NH3) ............................ HIDRÓXIDO DE AMÔNIA (35% ATÉ O MÁXIMO DE 50% NH3) ............. HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO ......................................... HINOSAN 500 ................................................... HIPOCLORITO DE SÓDIO .......................................... ISOPROPANOL ................................................... LEBAYCID TIGUVON .............................................. MCPA .......................................................... MERCÚRIO ...................................................... METANOL ....................................................... METILETILCETONA ............................................... METILISOBUTILCETONA ........................................... MONOCLOROBENZENO .............................................. MONÓXIDO DE CARBONO ........................................... MORFOLINA ..................................................... NEGUVON (DIPTEREX 50) ......................................... NITRITO DE SÓDIO .............................................. NITROBENZENO .................................................. NITROTOLUENO .................................................. OLEUM ......................................................... ORTO-NITRO-ANILINA ............................................ ORTO-XILENO ................................................... OXICLORETO DE FÓSFORO ......................................... ÓXIDO DE ETILENO .............................................. ÓXIDO DE PROPILENO ............................................ OXIGÊNIO ...................................................... OZONA ......................................................... PARA-NITROFENOL ............................................... PARATHION METÍLICO ............................................ PERSULFATO DE POTÁSSIO ........................................ PIPERIDINA .................................................... POLIÉSTERES ................................................... SEBACIL ....................................................... SODA CÁUSTICA .................................................

4 SULFATO DE CARBONO ............................................ SULFATO DE DIMETILA ........................................... TAMARON ....................................................... TÉRCIO-BUTILAMINA ............................................. TOLUENO ....................................................... TOLUENO 2,4 DIISOCIANATO ...................................... TRICLORETO DE FÓSFORO ......................................... TRIETILAMINA .................................................. TRIÓXIDO DE ENXOFRE ........................................... XILENO ........................................................ XILIDINA ......................................................

.............. EDETATO BICOBÁLTICO (EDTA CO2) ...................................... SIMETICONE ..........................................................................******************************************************************** ÍNDICE DOS ANTÍDOTOS ÁCIDO ACÉTICO ...................................... IPECACUANA ...................... CARVÃO ATIVADO ....................... TIOSSULFATO DE SÓDIO ........................................... ÁLCOOL ETÍLICO .......................................................................................................................................... NITRITO DE SÓDIO . PENICILINA (CLORIDRATO ) .................................................. HIDROXICOBALAMINA ................................................................... AZUL DE METILENO ......... THIOLA ..................................... APOMORFINA (CLORIDRATO) ...................................... BAL-DIMERCAPROL .......................................................... NITRITO DE AMILA ........................................................................ MAGNÉSIO ........ LEITE ... ******************************************************************** ................................. ALBUMINA DE OVO .......... ÁCIDO TIÓCTICO .....................................................................................................................

A saúde do trabalhador passou a ser considerada uma prioridade no que tange à perspectiva de melhorar a produção. advindos de exposição aos produtos industriais. Manter o trabalhador em boas condições de saúde passou a ser uma preocupação cada vez maior. pois a qualidade da produção está diretamente relacionada ao bem estar dos mesmos. portanto. em especial os químicos. que predispõem efeitos tóxicos.A. . O manuseio diário de produtos químicos de características toxicológicas. muitas vezes irreparáveis. foram objeto de pesquisa na tentativa cada vez maior de minimizar os fatores agravantes. sem dúvida. levarem a algum tipo de prejuízo à saúde do trabalhador. no entanto. Os benefícios foram recebidos com muito entusiasmo pela humanidade. pelo fato de suas exposições. foi um marco importante no desenvolvimento da qualidade de vida. tornase imperativo a manutenção de padrões ótimos de saúde.6 ******************************************************************** SETOR DE HIGIENE E MEDICINA DO TRABALHO MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS ******************************************************************** P R E F _ C I O A evolução tecnológica. processadas pela Bayer do Brasil S. O aprimoramento técnico-científico a nível de segurança. O trabalhador desempenha papel fundamental dentro da complexa engrenagem que movimenta os processos industriais. . Os danos à saúde. Partindo deste princípio. porém os malefícios com tristezas e mágoas. merece uma atenção muito especial. Este processo foi também marcante no progresso da indústria química. vítima de lesão e de intoxicação de substâncias produzidas pela própria empresa. quase sempre. sem prejudicar a saúde do contingente laborativo.Belford Roxo. higiene e medicina do trabalho. justifica-se pela intenção de apresentar procedimentos efetivos na assistência sistematizada ao colaborador. envolvendo a indústria química. sentimos a necessidade de elaborar um manual de procedimentos técnicos das principais substâncias químicas. objeto de domínio de algumas profissões especializadas. de uso diário no mundo contemporâneo. uma vez que o trabalho por si expõe o indivíduo à ação de agentes nocivos.

A expectativa em foco é sobretudo a manutenção e promoção da saúde do colaborador. bem como. estendendo estes preceitos aos profissionais de outras empresas afins e à comunidade em geral. enfatizando os aspectos educativo e preventivo. .

Diante destas limitações. com base na ação das substâncias químicas e seus efeitos toxicológicos na saúde dos indivíduos. A toxicologia constitui-se matéria ainda crescente no campo da ciência. compreendendo uma amplitude de conhecimentos técnicos e relativa experiência no controle toxicológico nas indústrias. enfatizando suas características toxicológicas gerais. aliado à dificuldade em se obter dados bibliográficos em língua nacional. visando consequentemente contribuir com a qualidade da assistência a ser prestada ao colaborador. considerando-o como um instrumento de alto valor a ser enriquecido cada vez mais com a experiência adquirida e crítica reflexiva de outros profissionais. Constitui também uma fonte de consulta para que sejam tomadas medidas de primeiros socorros e tratamento imediato. os sinais e sintomas decorrentes da intoxicação. produção e manuseio de substâncias químicas. pretende. medidas de primeiros socorros e tratamento específico. sua relação absorção/efeito no organismo. Pretende-se ainda apresentar as substâncias químicas de grande utilização no mundo moderno.8 I N T R O D U Ç Å O A criação deste Manual de Procedimentos Técnicos. evidencia-se ' a priori ' certas limitações para sua confecção. produzem efeitos tóxicos ao indivíduo. que pela diversidade de sua natureza. por ser um tema relativamente novo. quando da exposição e contato dos colaboradores com substâncias químicas. bem como. presentes nos processos industriais da Bayer. . quando não observados os aspectos de proteção à saúde e segurança no trabalho. durante a exposição no desenvolvimento das atividades laborativas. a elaboração deste Manual de Procedimentos Técnicos Bayer não pretende esgotar este assunto. estudiosos do mesmo. dar suporte técnico aos profissionais de saúde que trabalham em serviços ligados à saúde ocupacional de indústrias de processamento. em linhas gerais.

1 Q U A D R O S I N _ T I C O .

5g de tiossulfato de sódio. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO ACÉTICO * .IRRITANTE * * * . de hemólise. Controlar aparelho cardiovascular. efedrina e derivados. Ingestão . Inalação de vapores de bicarbonato de sódio. * .possib. Controlar os glóbulos vermelhos por hemograma e diurese horária.não dar: leite. consequentemente tratar acidose.ADM.IRRITANTE * * * * . Ingestão .controlar as cãibras com uso de barbitúricos de * * * * ação rápida.DEPRESSORA DO SNC * * * .IV. seguido de purgante salino. * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO cianídrico * . Inalação .CO2 (etilenodiamino * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . Controlar reserva alcalina.ALTERAÇÕES CARDÍACAS * * * tempo o nitrito de amila e o oxigênio). sulfato de sódio e carvão ativado).CORROSIVA * * * . Controlar acidose/usar lactato de sódio ou bicarbonato de sódio . provocando a formação de metemoglobina. * * * * * * * * . * * * * * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACETONA * . Transfusão.IRRITANTE * * * * . evitando. * * * * * * * * . Intoxicação leve (vitima consciente): fazer inalar.EDTA . Não administrar elementos potássicos como medida diurética. com reposição hidroeletrolítico. Observar sangramento nasal e/ou digestivo. Ingestão . administrando 300mg de nitrito de sódio e * * * * 12.analépticos respiratórios ou respiração artificial * . num período total de 15 minutos. * * * * * * * * .lavagem gástrica e administrar antídoto universal(leite de * * * * magnésia. * * * * * * * * . * * * * * * * * .DISTÚRBIOS SNC * * * * * * * .Oxigênio sob máscara * .lavagem gástrica. Sistema nervoso . Intoxicação grave (vitima inconsciente) . * * * * * * * * . Uso de corticóide (oftálmico) para conjuntivites e queralites. * . se necessário. durante 15 segun* .DEPRESSÃO DO APARELHO * * * dos. se * * * * possível. FÁBRICA BR 109 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * AÇÃO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * ACETATO DE BUTILA * . * . Cuidado no uso de adrenalina. * . * * * * * * * * .IRRITANTE * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACETATO DE ETILA * . óleo de rícino ou álcool. com intervalo de 15 segundos. * RESPIRATÓRIO * * * de 3 a 4 ampolas ou pérolas de nitrito de amila (não usar ao mesmo * . * * * * * * * * .usar a terapia metemoglobi* * * * lizante por via endovenosa.

lavagem gástrica ou emese. * * * * .FÁBRICA BR 110 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * AÇÃO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * ACIDO CIANÍDRICO * tetracetato dicobáltico .(200 ml). * .lavagem gástrica e administrar laxantes. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO CRÔMICO * INTOXICAÇÃO AGUDA * . * * * * .ADM. * * * * * * * * .administrar leite ou água.O. * * * * . * * * * .V.em caso de suspeita de perfuração. e repetir após 30 * * * * minutos. * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * * . com observação de pro* * * * teinúria e hematúria freqüentes.leite com ovos batidos (num intervalo de 1 a 2 horas).tratar pneumonia.12 em 12 horas durante 8 dias. Inalação .2 g .lavagem meticulosa com água. * * * * * * * * . * * * * .tratar insuficiência respiratória.não usar antídotos químicos.Hidroxicobolamina . * * * * * * * * . risco de insuficiência * * * * renal. a reação libera calor. aumentando * * * * a queimadura.4 em 4 horas nos primeiros 2 dias. * * * * .60 mg / dia ou * * * * equivalente. Pele .Kelocyanor) . se* * * * guido de solução glicosada hipertônica. * * * * * * .iniciar ate 4 horas após intoxi* * * * cação. após tratamento * * * * com nitrito de sódio e tiossulfato de sódio.controle hidroeletrolítico severo. seguido de leite de magnésia * . * . * * * * .IRRITANTE * * * * .CORROSIVA * * * .dose de * * * * 1 a 4 g completada com tiossulfato de sódio.tratar edema de glote (risco de asfixia). * * * * 3 a 4 mg/Kg .tratar edema pulmonar.ASFIXIANTE * * * .NEFROTOXICA * * * . Pele . * * * * . Ingestão . * * * * * * * * .administrar corticóides prednisolona .administrar acido ascórbico . * * * * * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO Clorídrico * .CORROSIVA * * * .tratar queimadura.1 ou 2 ampolas de 300 mg. * * * * 3 mg/Kg . verificando pH ate a neutra* * * * lização.).IRRITANTE * * * .administrar 5 a 10 g de Vitamina C comprimidos (V. Ingestão . * * * * . Ingestão .tratar choque.V. Olhos . manter em dieta zero. via E.O. * .dimetal (dimercaprol) .não provocar emese ou fazer lavagem gástrica.não usar antídotos químicos.

* * * * * * * * .broncoespasmo . * * * * . Respiratória .lavar continuamente com água e instilar 01 ampola de Vitamina * * * * C na bolsa conjuntival. * . * * * * * * * * .IRRITANTE * * * * . repetindo a operação por várias vezes (3 a 4). * * * * * * * * . * .instilar gluconato de cálcio a 10% ou bicarbonato de sódio.CORROSIVA * * * seguido de instilação de gel de hidróxido de alumínio. * .auxiloson spray a cada 5 minutos.tratar lesão hepática com dieta hiperproteica. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO PERCLÓRICO * .IRRITANTE * * * * . * .aplicar solução de acido ascórbico (Vitamina C)a 10%. Ingestão . Ingestão .cuidados cardio-circulatórios. Pele .tratar com acetato de alumínio a 1%. A sonda nasogástrica deve ser passada com cuidado. Olhos .DEPRESSORA DO APARELHO* * * . hipercalórica * * * * e hipervitamínica * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO FLUORÍDRICO * .lavagem imediata c/ água corrente ou com solução de amoníaco a * .aldrox.FÁBRICA BR 111 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * ACIDO CRÔMICO * . * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO NÍTRICO * .infiltrar gluconato de cálcio a 10% mais lidocaína 2% em redor * * * * da lesão. Pele . * * * * .lavagem gástrica com solução de bicarbonato de sódio a 5%.aplicar gel gluconato de cálcio a 10% sob a lesão ate a * * * * supressão da dor. colocan* * * * do compressas sobre as áreas afetadas.CORROSIVA * * * * . * * * * * * * * * * * * INTOXICAÇÃO CRÔNICA * * * * * * * * .SENSIBILIZANTE * * * .leite em grande quantidade.ADM.INOTRÓPICA * * * . * * * * * * * * . * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .CORROSIVA * * * . Respiratória . * .administrar oralmente solução quente de cloreto de cálcio * * * * ou de sódio (1 colher de sopa/copo de água) e estimular o * * * * vomito. Ingestão . Olhos . Controlar a dor. * . * * * * * * * * . Fígado .ASFIXIANTE * * * .lavagem imediata com água corrente ou solução fisiológica.ASFIXIANTE * * * 10% durante 10 minutos. * CARDIOVASCULAR * * * .aminofilina e corticóide.prevenir choque.tratar eventual edema pulmonar * .IRRITANTE * * * .

Se a pressão arterial não subir. deve-se beber * * * * cerca de 500 ml de solução de tiossulfato de sódio a 1 %. * * * * .lavagem gástrica com uma solução de permanganato de * * * * potássio 0. Inalação . Para o desenvenenamento devido a resíduos que * * * * ainda estiverem no estômago do acidentado. ate o liquido * * * * sair claro. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO SULFÚRICO * . juntamente com tiossulfato de sódio ( 12. * * * * . Ter cuidado na administração de alcalis.5 g = * * * * = 10 amp).IRRITANTE * * * cada 15 minutos. * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACIDO PROPIÔNICO * . segurando-se de 10 ate no * . * * * * em seguida.não usar solução neutralizante.5%.V.após a primeira lavagem. caso haja risco de hemólise. * * * * .não usar neutralizante. administrar 1 ml de noradrenalina. Pele . de ampolas * .7. aplicar nova* * * * mente meia dose de cada(de Kelocyanor e de solução de gli* * * * cose). * * * * .ASFIXIANTE * * * 1 cápsula de 8 em 8 horas.codeína. se eventualmente * * * * aparecer uma coloração azulada nos olhos.2. * * * * podendo repetir após 15 minutos.aplicar compressas de algodão ou de gaze embebidas por Trieta* * * * nolamina.não fazer lavagem gástrica. setux cápsulas ou solução aquosa . * * * * * * * * . ou algodão embebido.fazer aspirar amilonitrila (nitrito de amila).bicar* .IRRITANTE * * * bonato de sódio . devido a possibilidade de * * * * formação de gases.CAUSTICA * * * .1% ou 3% de H2O2.ingerir bastante água. * * * * . * * * * * * * * .15 ml ou * . lábios e ouvidos * * * * não devera ser motivo de parar com o tratamento.5% ou procaína 0. * .lavar com água em abundância. * * * * . 2 ampolas (total=40ml) de Kelocyanor.6 ml * .IRRITANTE * * * quebráveis.leite com ovos crus batidos. se necessário.ASFIXIANTE * * * repetindo após um minuto do mesmo modo. * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . Inalação . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ACRILONITRILA * .aplicar por via E. * * * * * * * * . * * * * . 30 segundos em frente ao nariz e boca do acidentado.ADM.lavar com água abundante.ALTERAÇÕES NO SNC * * * max.administrar muito liquido. injetar 50 ml de solução de glicose de 25% * * * * a 50 %. Olhos . aplicar 3 gotas de solução de tetra* * * * caína 0.FÁBRICA BR 112 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * ACIDO PERCLÓRICO * . mantendo a lavagem de olhos a * .fazer nebulização com solução de bicarbonato a 2% . Ingestão .CORROSIVA * * * . * * * * * * * * .4 ml + água destilada . Ingestão .tomar imediatamente uma solução de sal refinado ( 1 colher * * * * de sopa num copo de água)e provocar vômitos.

acido ascórbico . deve-se imediatamente aplicar a res* * * * piração artificial. em dose terapêutica. em dose elevada (acima de 500 mg). vinagre. * * * * . No caso de parada respiratória.V. podendo usar uma solução de ácido bórico * * * * a 5% ao invés de água. Inalação .METAHEMOGLOBINIZANTE * * * GGPDH.administrar 1 g via E.NEUROTRÓPICA * * * Quando a metahemoglobina estiver acima de 40 % ou quando houver sinto* * * * mas. prosseguindo com irrigações repetidas * * * * de soro fisiológico. num período * * * * mínimo de 10 minutos.evitar lavagem gástrica ou o uso de eméticos que aumentem * * * * a possibilidade de perfuração gástrica ou esofageana. não * * * * deve-se inspirar os gases. encaminhando ao especialista.administrar quando não ha diferença de * .azul de metileno . * .controle seriado de TGO e TGP. causa: vômitos.analépticos. * * * * * * * * . Na respiração artificial deve-se juntar * * * * nitrito de amila.ingerir água ou leite imediatamente e provocar vômitos. * * * * * * * * .dar vinagre diluído em igual quantidade de água e suco de * . * * * * . administrar 0.HEPATOTÓXICA * * * * . podendo ser usado in* * * * clusive externamente.CORROSIVA * * * frutas cítricas (suco de limão fresco ou enlatado) para * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ANILINAS * .FÁBRICA BR 113 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * ACRILONITRILA * . * * * * * * * * . * * * * diarréia. * * * * . Olhos . cianose e * * * * sudorese. * * * * .alcalinizar a urina. mal * * * * estar. Ingestão . dias após * * * * a administração.lavar os olhos durante 15 minutos. * * * * . causa hipertensão.tratar possível edema pulmonar.IRRITANTE * * * .ADM. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * AMÔNIA * . caso não haja outra forma na fase de expiração do intoxicado. náuseas. * * * * * * * * . confusão mental.1 ml/Kg de azul de metileno a 1 % via IV. sendo o método boca a boca usado em ultimo recur* * * * so.sucos de frutas cítricas. Não deve-se usar morfina e escopolamina. * * * * * * * * Azul de metileno: * * * * . Antídoto .ASFIXIANTE * * * neutralizar o alcalis. dor torácica. Pode levar a anemia hemolítica. Antídoto . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * AMÔNIA * . repetindo a cada 10 minu* * * * tos durante 1 hora. (ação mais len* * * * ta na reversão da metahemoglobina).

HEPATOTÓXICA * * * * .risco de fibrilação * * * * ventricular. * * * * * * * * .HEPATOTÓXICA * * * .IRRITANTE * * * evitar aspiração.0.1 mg / * * * * /Kg. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * ARSÊNIO * . via EV. Administrar dimercaptol (BAL) . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * BENZENO * . esquema de 4 / 4 horas * * * * no 1o. tomando cuidado para * .V. * . * * * * * * * * .. Controlar sinais vitais. * * * * * * * * . 6/6 horas no 2o. Manter hidratação venosa com rigoroso balanço hídrico.1 mg / Kg em solução glicosada na * * * * proporção de 1%. * * * * * * * * . * * * * * * * * . Controlar a excitação ou as convulsões com diazepam. Avaliação neurológica.provocar vômitos ou realizar lavagem gástrica. Lavar a pele com água abundante e sabão e acrescentar uma solução de * . dia. dia em 8/8 horas.epinefrina e efedrina . em seguida * . * . Manter repouso absoluto. * . Contra-indicação .CAUSTICA * * * hidróxido férrico ou permanganato de potássio.1 g via E. Tratamento dos danos hepáticos.FÁBRICA BR 114 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * ANILINA * .nas metahemoglobinemias severas: * * * * . via E. Ingestão . * * * * * * * * . lentamente (10 minutos). * * * * * * .DEPRESSORA DO SISTEMA * * * * HEMATOPOIÉTICO * * * . azul de metileno .ADM. não exceder de 300 mg numa única dose. Anemia .2 mg/l sugere intoxicação). * * * * * * * * .na dose de 3 a 4 mg / Kg de peso por * * * * via IM. Antídoto . * * * * * * * * . Monitorar ECG para detectar arritmias ventriculares. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * * . acido ascórbico (Vitamina C) .V. risco de * * * * parada cardíaca. dia e a partir do 3o. seguido de purgante salino..METAHEMOGLOBINIZANTE * * * administrar carvão ativado. Lavagem gástrica com água. Dosar o arsênio na urina (acima de 0. Lavagem gástrica. * * * * . * * * * * * * * .NEUROTRÓPICA * * * . administrando laxante salino.0.reposição por transfusão.NEUROTÓXICA * * * * . * * * * * * * * . Outras medidas: hemodiálise e exosangüíneo transfusão. lentamente.

Traqueotomia. taquicar* . ate desaparecerem os sin* .controle das convulsões. Pele .NEUROTRÓPICA * * (CARBARIL. * * * * * * * * .IRRITANTE * * * * . peritonite e perfura* * * * ção gastrointestinal. passando * .NEUROTÓXICA * * * .V.FÁBRICA BR 115 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * BI-HEDONAL * . desaparecimento da sialorréia e da sudorese).5 a 10 mg. * * * * * * * * . Catárticos salinos.se intoxicado estiver consciente. Carvão ativado após emese ou lavagem gástrica.contration. Controlar PVC. * * *--------------------*-----------------------------------------------------------------------------------------------------* * CARBAMATOS * . * .IRRITANTE * * * aumentar a lesão. * * * * * * * * .50 a 100 mg . PA. aminofilina e tranquili* * * * zantes.o calor liberado na reação pode * . via E. diurese e eletrólitos.não usar antídotos químicos . de 1 a 6 mg.HEPATOTRÓPICA * * CARBAMULT) * dia. * .ASFIXIANTE * * * a sonda devagar para evitar perfuração e devera ser feita * * * * com água .M. Fenobarbital (gardenal) . Ingestão . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * CLORETO DE * .CORROSIVA * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .E. Envoltórios gelados . Tratar edema agudo do pulmão. enquanto houver hemoglobinúria. Morfina . * * * * * * * * .infusão em SG 5% (xylocaína 2% .CAUSTICA * * * * . * * * * * * * * . Contra-indicações .ADM.lavagem gástrica.CORROSIVA * * * .60 ml) * * * * * * * * . se necessário. * * * * * * * * .não induzir ao vomito.controle das arritmias cardíacas . Bicarbonato de sódio . * * * * 1 a 4 mg/minuto . 10 ou 30 minutos. * * * * * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * CLORO * .NEFROTOXICA * * * * . Corticosteróide. * * * * * * * * .IRRITANTE * * CIANURILO * .10 a 15 g/dia. * . * tomas e surgir uma leve atropinização (dilatação da pupila. * . dar bastante água. se necessário. hora da ingestão. morfina.controle da febre. Administrar sulfato de atropina por via I. * * * * * * * * . Lidocaína .V.IRRITANTE * * * petindo a dose a cada 5.V. mucosas secas. antes da 1a. * * * * * * * * . Gastrostomia. Estar alerta para: hemorragia gastrointestinal. * . re* .250 ml por vez. ou E.CARDIOTRÓPICA * * * . BAYGON.

utilizar em doses mínimas. * * * * numa dose de 1 mg/Kg. Tratar o estado de choque e o edema pulmonar. * * * * * * * * . * .150 a 300 mg . * * * * * * * * . * . mas não deve * * * * exceder a dose total de 7 mg/Kg. a menos que o nível de metahemo* . * .antibióticos largo espectro. Prednisolona . * * * * * * * * . * * * * * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * CLORONITROBENZENO * .75 mg dexa* * * * metasona.500 mg .ASFIXIANTE * * * . Exsangüíneo.ADM. Profilaxia anti-infecciosa . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * CLOROFORMIATO * . Estar atento para parada cardio-respiratoria. * * * * * * * * .V. Hortocortin 25 mg .HEPATOTÓXICA * * * globina esteja acima de 40%. Solução injetável prednisolona apsen .METAHEMOGLUBINIZACAO * * * * . * * * * * * * * .6 a 12 ampolas. profilaticamente * . Determinar grau de metahemoglobinemia a cada hora..não usar antídotos químicos.DEPRESSORA DO SNC * * * cao. * * * * * * * * .utilizar via oral ou retal por clister * * * * gota/gota 25 mg prednisolona = 100 mg hidrocortisona = 3. * * * * * * * * . Hemodialise * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . ate a estabiliza* .via E. seguido de purgante salino. * . * * * * * * * * .FÁBRICA BR 116 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * CLORO * . repetir em 1 hora.administrar durante período latente.V. Usar antibióticos em infecções broncopulmonares. * * * * * * * * . Não fazer hidratação venosa . Olhos .IRRITANTE * * * * . usar a solução de azul de metileno a 1%. Lavagem gástrica.CORROSIVA * * * . Morfina . Azul de metileno não e recomendado. Reposição hídrica em caso de vômitos. Transfusão sanguínea. por via E.aplicar curativos estéreis sem qualquer medicação e aliviar a * * * * dor pela administração sistêmica de analgésicos.diluída em 10 ml * * * * aplicar 3 a 6 ml.SENSIBILIZANTE * * * * * * * .IRRITANTE * * * . * * * * * * * * .CAUSTICA * * DE ETILA * . * * * * * * * * . Oxigênio hiperbárico.

* * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * M D I (difenilmeta-* .200 mg de sol. Inalação . Ingestão .aplicar 250 mg EV. * .teofilina (aminofilina). * * * * . * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . * * * * Contrathion .IRRITANTE * * NITROGÊNIO * * . Verificar sinais vitais rigorosamente em intervalos de 1 hora. de 6 em 6 horas.IRRITANTE * *(no 4. Irrigar os olhos e lavar as áreas do corpo contaminadas com uma mis* .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente. * * * * . se estiver consciente. * . choque e convulsões.administrar oxigênio.METAHEMOGLOBINIZANTE * * * . * .DEPRESSORA DO SNC * * * . * * * * . * . Atropina . * * * * * * * * .aplicar 250 mg EV.ASFIXIANTE * * * * . Codeína para a tosse. Controlar equilíbrio eletrolítico. em 30 minutos ate indicarem * . * * * * . * * * * * * * * .HEPATOTÓXICA * * * . Administrar oxigênio. * * * --------.HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização.1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. Tratar acidose.se necessário repetir 200 mg EV. * .não dar óleo. * * * * * * * * .4 diisocianato* . Emprego de broncodilatadores e descongestionantes.1 ml/minuto).NEUROTÓXICA * * * .ADM. ate sair limpa.9%.CAUSTICA * * * .SENSIBILIZANTE * * * paração similar que tenha absorção de componente fenolico. * * * * .IMS . toplexil).. Uso de solução de bicarbonato de sódio a 5%. se obtiver resposta satisfatória.CORROSIVA * * * tura de polietilenoglicol 300 (PEG 300 . Contra-indicações . * * * * * * * * .repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos.reserpina.morfina. Lavagem gástrica .3 a 5 mg/Kg. lentamente * * * * (+. Oxima . fisiológica 0. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas. * . * * * * .2:1 de volume) ou pre* . leite ou alimentos gordurosos. ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). neuleptil.tranqüilizantes.FÁBRICA BR 117 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * CRESOL * .9%. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * DIÓXIDO DE * . em forma de aerosol.aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvidos em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * DICLORVOS (DDVP) * .provocar vomitos. * * * * .fenotiazinas (migristen.dose máxima . * * * * * * * * Toxogonin .

a não ser * * * * com orientação médica.tranqüilizantes.fenotiazinas (migristen. leite ou alimentos gordurosos.dose máxima . * * * * . Contra-indicações . * * * * . * * * * * * * * .em caso de dor.não usar pomadas.DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . * * * * * * * * . reduzir a dose ate zero durante 1 e 2 meses. fisiológica 0. de 6 em 6 horas. cremes ou ungüentos nos olhos. Atropina .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente.9%. ate sair limpa.teofilina (aminofilina). * * * * * * * * Toxogonin .200 mg de sol. toplexil).repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos.se necessário repetir 200 mg EV. * * * * . em 30 minutos ate indicarem * . * * * * . * * * * se estiver consciente.1 ml/minuto).FÁBRICA BR 118 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * DIÓXIDO DE * . * * * * * * * * Contrathion .1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. * * * * . * * * * . * . * * * * .aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. * * * * .5 mg VO .não dar óleo. instilar 2 a 3 gotas de solução pantocaína * . Lavagem gástrica . Oxima .para reação inflamatória . * * * * . * * * * * * * * .IRRITANTE * * * 0.induzir o vomito com solução salina (2 colheres de sopa p/ * * * * 01 copo de água). * . Tratar edema pulmonar e broncopneumonia.ingerir água em abundância para reduzir a concentração da * * * * substancia.HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização..reserpina. Prednisona ou prednisolona .aplicar 250 mg EV.30 dias.5% ou solução anestésica de efeito tópico correspondente. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .NEFRO E HEPATOTÓXICA * * * .3 a 5 mg/Kg. neuleptil.aplicar 250 mg EV. * .9%. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas.CORROSIVA * * * .6/6 * * * NITROGÊNIO * horas .ADM. se obtiver resposta satisfatória. * * * * --------. Olhos .IRRITANTE * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * FENOL * . ou de forma mecânica (dedo na garganta). * .lavar com água corrente por 15 minutos. * * * * * * * * . Ingestão . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * FOLIDOL * . ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). lentamente * * * * (+. Medidas gerais de primeiros socorros e de tratamento imediato. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * E 118 * .morfina.

se obtiver resposta satisfatória. se obtiver resposta satisfatória.não dar óleo.HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização. ate sair limpa.. ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). * * * * .se necessário repetir 200 mg EV.fenotiazinas (migristen.FÁBRICA BR 119 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * FOLIMAT * .9%.1 ml/minuto).dose máxima . * * * * .3 a 5 mg/Kg. Lavagem gástrica . * * * * .repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos. * * * * * * * * Contrathion . * * * * . leite ou alimentos gordurosos.1 ml/minuto). * . Oxima .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . * * * * --------. Oxima . ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). * * * * . * * * * * * * * Contrathion .teofilina (aminofilina).tranqüilizantes.9%. fisiológica 0. * * * * . em 30 minutos ate indicarem * .aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. * * * * * * * * .reserpina.ADM.3 a 5 mg/Kg. * * * * . * * * * --------.aplicar 250 mg EV. lentamente * * * * (+. * * * * * * * * Toxogonin .9%.1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. * * * * . neuleptil. de 6 em 6 horas. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas. * * * * . Atropina .dose máxima .aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas.repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos. * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * FOLITHION + * .HEPATOTÓXICA * * DDT ULTRA * sinais de atropinização. Contra-indicações .1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos.aplicar 250 mg EV. * * * * * * * * .200 mg de sol.se necessário repetir 200 mg EV. lentamente * * * * (+. em 30 minutos ate indicarem * . Atropina .aplicar 250 mg EV.aplicar 250 mg EV.DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . * * * * * * * * Toxogonin . toplexil). * * * * . de 6 em 6 horas.morfina.DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . * ..iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente.

seguindo após o tratamento especificado (em * * * * anexo). * .corticosteróide . seguido por 30 a 60 ml (Fleet enema * * * * Ayerst).2 g de sulfato de sódio por via oral a cada 10 minu* MÚSCULO E ESQUE* * * tos.broncodilatador . se necessário * * * * máscara com 4 l/minuto. * * * * * * * * . * . * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * FORMALDEÍDO * .ASFIXIANTE * * * queta piloto do acidentado aos vapores de hidróxido de * * * * amônia ate a mudança de coloração e comparar o resul* * * * tado.50 ppm . Pele .5 g.antibióticos. Anticonvulsionantes . Tratar edema pulmonar e choque.25 ppm .1% ou peróxido de hidrogênio 2%.vide anexo. fisiológica 0. Não dar estimulantes . usando carbonato amonico a 1%. * * * * . * * * * . se ingerido. lavar as áreas queimadas com solução de sulfato de cobre * .NARCÓTICA * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * FÓSFORO * .IRRITANTE * * * de purgante salino. * * * * . * * * * * * * * .IPECA. * * * DDT ULTRA * .Fenobarbital 100 mg (SC) 1/1 h ate controlar * * * * convulsões ou 0. Manitol 20% .500 mg EV.não dar óleo. * * * * .200 ml . * . * * * * . * * * * . * * * * . seguido * . ate sair limpa.9%.100 ppm .IRRITANTE * * * .ADM. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .hostacortin . Lavagem gástrica.500 ml (manutenção de * * * * veia).oxigênio . diluído 1 : 4.200 mg de sol. repetir após 2 horas.dar 0. * * * * .CORROSIVA * * * * .500 mg EV.catárticos salinos.respiração artificial.diazepam 10 mg EV + bloqueio neuromuscular * * * * (respiração artificial).FÁBRICA BR 120 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * FOLITHION + * .flebocortid .hidratação . * * * * * * * * .soro glicosado 5% .seguir com a administração de 120 ml de óleo mineral e 4 g * * * * de sulfato de sódio. Ingestão . * LETICO * * * . Respiratória . * * * * .flebocortid .HEPATOTÓXICA * * * * . * .lavar imediatamente a parte contaminada do corpo com água.auxiloson spray .epinefrina (adrenalina). leite ou alimentos gordurosos.25 mg IM. * * * * .lavagem intestinal. ate provocar o vomito.IRRITANTE * * * a 5%.lavagem gástrica com solução de permanganato de potássio * * * * 0.lavar com solução de carbonato de sódio. * * * * .expor a pla* .CORROSIVA * * * após. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * FOSGÊNIO * . Pele .proceder teste de exposição ao fosgênio .SOBRE O SISTEMA * * * . * * * * . Emese . Lavagem gástrica .

Dieta rica em cálcio. por via endovenosa. neuleptil. Gluconato de cálcio 10%. administrar * * * * broncodilatadores (aminofilina.teofilina (aminofilina). * * * * .podem demorar 12 horas para iniciar. em 30 minutos ate indicarem * . Lavagem gástrica . seguido de purgante salino. fisiológica 0.aplicar 250 mg EV. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas.dar leite ou água .dose máxima . Lavagem gástrica. * .aplicar 250 mg EV.ASFIXIANTE * * * * . * * * * .DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * * * * * .IRRITANTE * * * .reserpina. * * * * --------.ADM. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * HINOSAN * .SENSIBILIZANTE * * * * * * * . Atropina . * * * * * * * * . toplexil).9%.HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização. de 6 em 6 horas.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente.aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. * * * * * * * * . para espasmo muscular. ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). * . leite ou alimentos gordurosos.HEPATOTÓXICA * * * .não induzir vomito. Contra-indicações .1 ml/minuto). Radiografia do tórax após 8 horas. * * * * * * * * Contrathion . * * * * * * * * Toxogonin . * * * * . * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * HEXACLOROBENZENO * . * * * * . * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * T D I * . Ingestão . lentamente * * * * (+. adrenalina quando in* * * * dicado) e esteróide sistêmico (flebocortid). Broncoespasmo .1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos.repouso.repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . se obtiver resposta satisfatória.não dar óleo. se consciente.fenotiazinas (migristen. * . Controle de sinais vitais. hidratos de carbono e vitaminas.se necessário repetir 200 mg EV.9%.ESTIMULANTE DO SNC * * * * . ate sair limpa. * * * * .tranqüilizantes.200 mg de sol. * * * * .3 a 5 mg/Kg. * * * * * * * * . * * * * . se ingerido.SENSIBILIZANTE * * * . * . Oxima .FÁBRICA BR 121 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * FOSGÊNIO * .250 ml.morfina.. * * * * * * * * .

Atropina . ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). ate sair limpa. * * * * . Lavagem gástrica . Envoltórios gelados .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente.200 mg de sol. Oxima .CAUSTICA * * * . Administrar BAL de 3 a 4 mg/Kg IM.10 a 15 g/dia.60 ml). * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . Tratar anúria.dose máxima .repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos. toplexil). * * * * .1 ml/minuto). * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * MERCÚRIO * .tranqüilizantes. * * * * * * * * . * * * * .1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas. * * * * . * * * * .ADM.HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização. * * * * * * * * .controle das convulsões.aplicar 250 mg EV.CAUSTICA * * * * . lentamente * * * * (+.ESTIMULANTE DO SNC * * * .controle da febre. Lavagem gástrica com água albuminosa bicarbonatada. Contra-indicações .fenotiazinas (migristen.9%.se necessário repetir 200 mg EV.IRRITANTE * * * * . * * * * * * * * Contrathion .FÁBRICA BR 122 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * LEBAYCID * . se obtiver resposta satisfatória. * .infusão em SG 5% -(Xylocaína 2% . Carvão ativado após emese ou lavagem gástrica. fisiológica 0.não dar óleo. neuleptil. * * * * * * * * Toxogonin . * * * * --------.9%. * * * * * * * * . * * * * . * * * * . seguido de catárticos * .reserpina..morfina. Fenobarbital (gardenal) .IRRITANTE * * * salinos. * * * * * * * * .aplicar 250 mg EV.DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . enquanto houver hemoglobinúria. * . * * * * . * * * * * * * * .controle das arritmias cardíacas 50 a 100 mg EV. cada 4 horas durante os primeiros * . de 6 em 6 horas. * * * * * * * * .ESTIMULANTE DO SNC * * * dois dias e então cada 12 horas durante 10 dias. Bicarbonato de sódio . * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * M C P A * .1 a 4 mg/min .aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. * .3 a 5 mg/Kg.teofilina (aminofilina). Lidocaína . em 30 minutos ate indicarem * . leite ou alimentos gordurosos.

combater a acidose administrando EV ou via oral.60 g/l). * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * MONÓXIDO * . Administrar antibióticos (pneumonia química).iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente. controlando a * * * * reserva alcalina. * * * * --------. Atropina .IRRITANTE * * * (40 . * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . * * * * ..lavagem gástrica com uma solução de carvão ativo * . * * * * .ADM.FÁBRICA BR 123 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * MERCÚRIO * . lentamente * * * * (+. durante 10 dias. durante 5 dias.etilenodiaminotetraacetato . Ingestão .aplicar 250 mg EV.ASFIXIANTE * * DE CARBONO * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * NEGUVON * . uma solu* * * * ção de bicarbonato ou lactato de sódio. Combater a hipotensão.aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. em 30 minutos ate indicarem * . ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). * * * * * * * * Toxogonin . administrando pequenas quanti* * * * dades de alimentos em intervalos regulares de 3 a 4 horas. de 6 em 6 horas. penicilamina -(250 mg* * * * VO .dose máxima .(20 mg/Kg * * * * por dia. repetir após um intervalo de 2 * * * * a 3 semanas. EV. sendo eficazes: * * * * CaNa2 EDTA . * * * * * * * * . durante 12 horas.1 ml/minuto). Medidas gerais de primeiros socorros e de tratamento imediato.repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos.1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. se obtiver resposta satisfatória.administrar álcool etílico para inibir a oxidação do * * * * álcool metílico.DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . * * * * * * * * Contrathion .3 a 5 mg/Kg. Manter o estado nutritivo adequado. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * METANOL * . * * * * * * * * . repetir após 2 semanas. ate que a excreção * * * * urinaria do mercúrio seja normal. * * * * .9%. ingerindo 3 litros de uma solução de * * * * álcool etílico a 5%. ate que a * * * * excreção urinaria do mercúrio seja normal).HEPATOTÓXICA * * (Dipterex 50) * sinais de atropinização. Manter funções vitais. * * * * . * * * * * * * * . * . Na intoxicação crônica. * . * * * * * * * * .se necessário repetir 200 mg EV.4 vezes ao dia. * . o BAL ativo não tem efeito.cálcio dissodio .NEUROTÓXICA * * * . observando o estado do paciente.aplicar 250 mg EV. e. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas. Oxima .

3 a 5 mg/Kg.via EV.1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. Solução de azul de metileno a 1% .IRRITANTE * * * * . * . após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas.ADM.ASFIXIANTE * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * PENTACLOROETANO * .DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * * * * * . * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * OZONA * .lavagem gástrica ou emese administrando laxantes. * . * * * (Dipterex 50) * .FÁBRICA BR 124 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * NEGUVON * . * * * * . Contra-indicações .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente.reserpina. toplexil).morfina.200 mg de sol. Ingestão . Oxima .METAHEMOGLOBINIZANTE * * * 4 g por via EV. Hidratação venosa . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * NITROBENZENO * . * . * . * * * * * * * * Contrathion . * * * * . * * * * * * * * . Atropina . Medidas gerais de primeiros socorros e de tratamento imediato.HEPATOTÓXICA * * * * .1 a 3 mg/Kg . Usar redutores da hemoglobina: . se obtiver resposta satisfatória. * * * * . dose única * * * * ou doses fracionadas para evitar fenômenos de depressão ventricular * * * * ação rápida .DEPRESSORA DO SNC * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * SEBACYL * .não dar óleo. * * * * --------.tranqüilizantes.aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0.9%.9%..fenotiazinas (migristen.IRRITANTE * * * * . de 1 a * .HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização.teofilina (aminofilina).aplicar 250 mg EV. ação lenta. * * * * * * * * . ate sair limpa. * * * * .dose máxima . leite ou alimentos gordurosos. * * * * * * * * . * * * * . em 30 minutos ate indicarem * . ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). * * * * . Medidas gerais de primeiros socorros e de tratamento imediato. Lavagem gástrica .em torno de 1/2 hora. * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* . lentamente * * * * (+.repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos.se necessário repetir 200 mg EV.aplicar 250 mg EV. neuleptil. fisiológica 0. de 6 em 6 horas. * * * * * * * * Toxogonin .solução glicosada 5%. * * * * .1 ml/minuto).IRRITANTE * * * .vitamina C (acido ascórbico).

Critérios na utilização de sondagem nasogastrica para não aumentar as * * * * lesões. lentamente * * * * (+.após lavar com bastante água.suco de frutas. Contra-indicações . toplexil).se necessário repetir 200 mg EV. * * * * * * * * . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * SODA CAUSTICA * . * * * * * * * * .1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos.fenotiazinas (migristen.CORROSIVA * * * água (suco de limão fresco) podem ser administrados com a * * * * finalidade de neutralizar o alcalis. Pele . * * * * * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .após lavar com bastante água. * * * * * * * * .aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água * * * * ----------destilada ou solução fisiológica 0. * . * * * * . * * * * * * * * .administrar imediatamente água ou leite para diluir o pro* . Atropina .200 mg de sol. * * * * . leite ou alimentos gordurosos.3%. vinagre diluído em igual quantidade de * . Observar sangramentos.tranqüilizantes. Não provocar o vomito e não administrar quaisquer substancias que * * * * induz.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocor* * * * rido o acidente. * * * * . * . de 6 em 6 horas. pois aumenta a possibilidade de perfuração.não dar óleo.9%. * * * * * * * * . * . aplicar compressas de gazes em* . * * * * * * * * . Ingestão .repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 minutos. Pele . neuleptil.HEPATOTÓXICA * * * sinais de atropinização.NEUROTÓXICA * * * * . Lavagem gástrica .CAUSTICA * * * . ate sair limpa. * * * * .1 ml/minuto).DEPRESSORA DO SNC * * * * * * * . aplicar compressas de gazes em* * * * bebidas em acido acético. Inalação de aerosol carbonato de sódio 1.IRRITANTE * * DE DIMETILA * bebidas em acido acético. * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * TAMARON * .teofilina (aminofilina). Administrar corticosteróides.ADM.FÁBRICA BR 125 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * SEBACYL * . em 30 minutos ate indicarem * .reserpina. * * * * .morfina. * * * * .9%. fisiológica 0. * * * * * * * * Contrathion .HEPATO E NEFROTOXICA * * * .IRRITANTE * * * duto. Oxima . * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* * SULFATO * . ate * * * * completar a dose de 1 g (5 ampolas). * * * * .

teofilina (aminofilina). neuleptil. toplexil). * * *--------------------*---------------------------------------------------------------------------*-------------------------* .morfina.ADM. * * * * . leite ou alimentos gordurosos. * * * * . após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes * * * * com intervalos de 2 horas.FÁBRICA BR 126 Q U A D R O S I N O T I C O ============================================================================================================================ * SUBSTANCIA QUÍMICA * PRIMEIROS SOCORROS E TRATAMENTO IMEDIATO * ACAO NO ORGANISMO * *====================*===========================================================================*=========================* * TAMARON * Toxogonin .não dar óleo. Contra-indicações .aplicar 250 mg EV. * * * * . Lavagem gástrica . ate sair limpa.9%. fisiológica 0.tranqüilizantes.200 mg de sol..3 a 5 mg/Kg. * * * * . * * * * --------.reserpina. se obtiver resposta satisfatória.aplicar 250 mg EV. * * * * . * * * * * * * * . * * * * * * * * . * * * * .dose máxima .fenotiazinas (migristen.

2 DESCRIÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS As substâncias químicas serão apresentadas em ordem alfabética para facilitar a consulta. .

Quanto ao . Orientação médica ----------------Tratar as áreas da pele atingidas como congelamentos. 3. Em caso de risco de perda dos sentidos.1. O contato do gás liquefeito com a pele pode provocar congelamento. Observaram-se também cefaléias e vertigens. em caso de paralisação respiratória. de forma estável. aquecêlo. efeito narcótico e irritante dos olhos e das mucosas respiratórias. Com o deslocamento de oxigênio pode ocorrer asfixia. Transportar o acidentado o mais rápido possível para o médico. Primeiros socorros -----------------No caso de aspiração. 2. tratamento sintomático. respiração artificial. Em caso de contato com o gás liquefeito ou frio. aplicar água fria continuamente às áreas congeladas. Pesquisa preventiva de conformidade com a BGGrundsatz G 40. somente em altas concentrações. manter e transportar o acidentado deitado de lado.3 .BUTADIENO 1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O butadieno tem. Deitar o acidentado. massagem cardíaca. mais. Nos experimentos com animais observou-se um efeito cancerígeno. evitando que perca calor. ar fresco.

normal .950 mg/m3 Absorção .200 ppm . Tratamento específico Uso de corticóide (oftálmico) para conjuntivites e queralites. tonturas. Características Gerais Líquidos incolores e odores agradáveis.710 mg/m31 . lesões vasculares finas da córnea. náuseas. secundário e terciário.Via mucosa. anorexia. dermatites.150 ppm . tosse. .secundário e terciário . irritação benigna do trato respiratório.Via respiratória .ACETATO DE BUTILA - N-BUTYLACETATO Sinonímia Três isômeros: normal. desmaio. conjuntivites. cefaléia. Tolerância (valor limite) . Efeitos (sinais e sintomas) Arder dos olhos.

tem efeito desengordurante.solvente.Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----.efeito narcótico em altas concentrações. Absorção .Sistema nervoso .ACETATO DE ETILA Sinonímia Éster do ácido etanóico Éster acético Éter acético Éter de ácido acético Nafta acética Etil acético Óxido de etila acético Características Gerais Líquido incolor. sobre a pele. infecção nas gengivas à altas concentrações. mais leve que a água. odor agradável . volátil. .efeito irritante.Pele .Via cutânea . Respiratória em baixas concentrações possui semelhante ao odor de frutas. Tolerância (valor limite) Até 48 horas por semana . . pode levar à dermatite. inflamável e de difícil solubilidade em água. vapores mais pesados que o ar.Via mucosa .Mucosas . odor agradável.310 ppm ou 1090 mg/m3.

com reposição . irritação da garganta. Controlar aparelho hidroeletrolítica.lavagem gástrica e administrar antídoto universal (leite de magnésia.não dar: leite.Sintomas: -------.Cuidado no uso de adrenalina.controlar as cãibras com uso de barbitúricos de ação rápida. dores de cabeça. .analépticos respiratórios ou respiração artificial. se possível.concentrações mais elevadas levam à narcose ou subnarcose. evitando.falta de apetite.oxigênio sob máscara. .Ingestão . .Aparecem sintomas de hipersensibilidade após exposição crônica.Após inalação . efedrina e derivados. dores no estômago.Sistema nervoso . . . óleo de rícino ou álcool. . Tratamento específico . . sulfato de sódio e carvão ativado).Inalação . cárdio-vascular.

repetidamente. especialmente dos olhos.ACETOACETATO DE METILA 1. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Conforme o caso oxigênio. manter livre as vias respiratórias. Em caso de ingestão cuidado com os vômitos e com a lavagem estomacal (risco de aspiração). Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de ChibroKerkain e após colírio Isogutt fechando com gaze solta. Este é o fator determinante para o valor MAK. Primeiros socorros -----------------Lavar imediata e completamente a área da pele atingida com água.manter a cabeça em posição lateral. fazer inalar o mais depressa possível spray de Demathoson (p. Cuidado com os vômitos .ex. 2. Orientação médica ----------------Em caso de inalação continuar o tratamento com Dexamethason. Auxiloson). . eventualmente fracos. embora também atue assim sobre as vias respiratórias. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Dentre os hexilésteres do ácido acético o acetoacetato de metila é o que apresenta efeito mais forte como irritante das mucosas. Fazer beber em seguida bastante água com carvão ativado e sulfato de sódio. forte efeito de retirada das gorduras que leva a inflamações da pele. eventualmente com cefaléias. Providenciar passagem rápida pelo intestino. risco de aspiração. No caso da inalação de grandes quantidades ar fresco. O contato freqüente com a pele provoca. A exposição aguda ao vapor quente leva a efeitos narcóticos. No caso de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. 3. A exposição crônica leva a distúrbios do trato gastrointestinal e cansaço. Repouso. Eventualmente sedativos da tosse. Eventualmente auxílio à respiração. No mais tratamento sintomático. em caso de dispnéia manter a cabeça alta. aquecimento. além da corrosão.

gastrite com náuseas e vômitos. Tratamento específico . seguido de purgante salino.A C E T O N A Sinonímia Dimetilcetona Beta-cetopropano Propanona 2 Éter Características Gerais Líquido volátil. obnubilação. acetona na urina ou ar alveolar. . .1780 mg/m3 Absorção . conjuntivite e erosão corneal. odor picante. faringite e bronquite. vertigem. Tolerância (valor limite) . narcose. claro e incolor. desmaio.Ingestão .Controlar acidose / usar lactato de sódio ou bicarbonato de sódio IV. Teste de diagnóstico: acetona no sangue acima de 2 mg%.Controlar reserva alcalina.Via respiratória .lavagem gástrica. cefaléia. debilidade. irritação no nariz e garganta. inflamável. .750 ppm .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Eczema. confusão mental.

ÁCIDO ACÉTICO (GLACIAL) Características Gerais Líquido cáustico e irritante.Via cutânea . quando aquecido. Tratamento específico Ingestão possibilidade acidose. . claro incolor e cheiro penetrante de vinagre. . conjuntivite. consequentemente tratar . . Em alguns casos.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Lacrimejamento dos olhos. apresenta médio risco de incêndio e.Não administrar elementos potássicos como medida diurética. de hemólise. dermatite e úlcera. emite fumos tóxicos.Controlar os glóbulos vermelhos por hemograma e diurese horária. mucosas do nariz e garganta.Transfusão. Quando inalada produz irritação da mucosa das vias respiratórias. Reage violentamente com oxidantes.Via respiratória . . Quando exposto ao calor e à chama. Tolerância (valor limite) Até 48 horas por semana . ao atingir a sua temperatura de decomposição. ardência e queimadura da pele.8 ppm ou 20 mg/m3 Absorção . .Inalação de vapores de bicarbonato de sódio. se necessário.Observar sangramento nasal e / ou digestivo.

Gás cianídrico hidrociônico . sonolência. devido a sua fraca acidez. náusea.Via cutânea. concentração até 55 mg/m3 após 60 minutos . tonturas.ácido prússico Características Gerais _ uma atmosfera é líquido. concentração de 100 e 240 mg/m3 por 30 minutos . parada respiratória e/ou cardíaca.2 .Via cutânea e mucosa .ÁCIDO Cianídrico Sinonímia . . .Via respiratória: ---------------. Pode ser neutralizado pela cal ou água de cal. cefaléia. . colapso imediato e cessação da respiração. perda da consciência.sensação de ondas de calor. convulsão e distúrbios no ritmo respiratório. hipotensão. A morte pode ocorrer em convulsões dentro de 4 horas. Tolerância (valor limite) . astenia. solúvel em álcool e éter.intoxicação grave ou letal com colapso.Via respiratória .cefaléia. . . miscível em água.8 ppm ou 9 mg/m3 Absorção . odor característico de amêndoas amargas. mucosa ou digestiva: -------------------------------. pulso rápido e inconsciência. concentração de 0. porém não havendo inativação das propriedades tônicas com este procedimento. incolor. respiração rápida. distúrbios da consciência. concentração até 45 mg/m3 acima de 30 minutos .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) . dispnéia.efeitos ausentes ou leves cefaléias. alteração de olfato e paladar. vômito e arritmia cardíaca.13 mg/3 .

durante 15 segundos.CO2 (etilenodiamino tetracetato dicobáltico .5 g de tiossulfato de sódio. num período total de 15 minutos.V.usar a terapia metemoglobilizante por via endovenosa.Tratamento específico . . seguido de solução glicosada hipertônica.1 ou 2 ampolas de 300 mg. .Kelocyanor) . provocando a formação de metemoglobina. .EDTA . de 3 a 4 ampolas ou pérolas de nitrito de amila (não usar ao mesmo tempo o nitrito de amila e o oxigênio).Ingestão lavagem tratamento sódio.dose de 1 a 4 g completada com tiossulfato de sódio.Hidroxicobolamina . após com nitrito de sódio e tiossulfato de .Intoxicação leve (vítima consciente) . gástrica e administrar laxantes.Intoxicação grave (vítima inconsciente) . via E. com intervalo de 15 segundos.fazer inalar. . administrando 300 mg de nitrito de sódio e 12.

edema pulmonar e eventualmente morte. erosão dentária.H2O.Cloreto de hidrogênio. .provoca queimaduras e ulcerações. Características Gerais Líquido incolor a levemente amarelado. . .Via respiratória . dermatose. Tolerância (valor limite) .Exposição crônica .ácido muriático . não inflamável e solúvel em água. bronquite. .ÁCIDO Clorídrico Sinonímia .Via cutânea e mucosa .Gás clorídrico.HCl . edema de glote.4 ppm ou 5.Via digestiva .dose letal 1 g/Kg Absorção .perfuração esofageana ou gástrica.altas concentrações de vapores são irritantes. . odor fortemente irritante e pungente.irritação crônica da via respiratória e faringes.5 mg/m3 . .Via digestiva .Via respiratória .Via mucosa e cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----. provocando laringite.

Sintomas: -------- Intoxicação aguda: - Ingestão: -------- dor intensa devido à queimadura da boca, faringe e abdômen (mucosa de cor marrom ou amarelada). - diarréia e vômitos c/sangue escuro. - edema de glote c/risco de asfixia. - febre devido à mediastinite ou peritonite. - Inalação: -------- tosse, sufocamento, cefaléia, tontura e fraqueza. - no caso de exposição maciça pode ocorrer traqueobronquite, bronquite e edema pulmonar c/dispnéia, tontura, expectoração espumosa e cianose, apresentando ESTERTORES ÚMIDOS, HIPOTENSÃO e PULSO CHEIO. - Pele: ---- queimadura de coloração marrom ou amarelada, penetra todas as camadas da pele, bordas nitidamente definidas. - Olhos: ----- edema da conjuntiva, destruição da córnea c/lacrimejamento e fotofobia. - Intoxicação crônica: exposição aos vapores pode levar à CORROSÃO DOS NECROSE GENGIVAL. - bronquites crônicas e broncopneumonias de repetição. - dermatose. Tratamento específico - Ingestão - não provocar emese ou fazer lavagem gástrica. - administrar leite ou água, seguido de leite de magnésia (200 ml). - leite com ovos batidos (num intervalo de 1 a 2 horas). - tratar edema de glote (risco de asfixia). - em caso de suspeita de perfuração, manter em dieta zero. - administrar corticóides - prednisolona - 60 mg/dia ou equivalente. - Inalação tratar tratar tratar tratar insuficiência respiratória. choque. edema pulmonar. pneumonia. DENTES e

- Pele - não usar antídotos químicos, a reação libera calor, aumentando a queimadura. - tratar queimadura. - Olhos - não usar antídotos químicos.

ÁCIDO Crômico

Sinonímia KDC, NDC, trióxido de cromo - CrO3 Cromato de zinco - ZnCrO4 Dicromato de sódio - Na2Cr2O7 Dicromato de potássio - K2Cr2O7

Características Gerais Metal duro, algo prateado e seus compostos apresentam-se diversas cores. É irritante e destrói as células do corpo. Tolerância (valor limite) - solução de dicromato - 0,05 mg/m3 - cromo metal ou sal insolúvel - 1 mg/m3 Absorção - Via respiratória - Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----A principal manifestação de intoxicação pelo cromo é irritação e corrosão. Sintomas: -------- Intoxicação aguda: - Ingestão: -------Leva à chamada cromoenteropatia. Mal estar, sede intensa. Dor abdominal, vômito, diarréia com sangue - com risco de choque. Oligúria, anúria, morte por uremia. - Intoxicação crônica: - Inalação: ------De fumos por longos períodos causa hemorragia e perfuração do septo nasal. sob

ulceração

dolorosa,

- Pele ---Contatos repetidos levam à dermatite eczematosa incapacitante com edema e ulceração. - Olhos: ----Conjuntivite e lacrimejamento. - Fígado: -----Hepatite com icterícia pode ocorrer com perda náuseas hepatomegalia mole nos quadros agudos. Tratamento específico - Intoxicação aguda - Ingestão: -------- lavagem gástrica ou emese. - administrar 5 a 10 g de vitamina C comprimidos (V.O.). - dimetal (dimercaprol) - iniciar até 4 horas após intoxicação. 3 a 4 mg/Kg - 4 em 4 horas nos primeiros 2 dias. 3 mg/Kg - 12 em 12 horas durante 8 dias. - controle hidroeletrolítico severo, com observação de proteinúria e hematúria freqüentes; risco de insuficiência renal. - Pele: ---- lavagem meticulosa com água, verificando pH até a neutralização. - administrar ácido ascórbico - 2 g - V.O. e repetir após 30 minutos. - aplicar solução de ácido ascórbico (vitamina C) a 10%, colocando compressas sobre as áreas afetadas. - Olhos: ----- lavar continuamente com água e instilar 01 ampola de vitamina C na bolsa conjuntival.

de

apetite,

hipercalórica e hipervitamínica.. .Tratar lesão hepática com dieta hiperprotéica.Fígado: -----.Intoxicação crônica . .Pele: ---.tratar com acetato de alumínio a 1%.

. 2. No mais tratamento sintomático.ACIDO Fosfórico 1. Em caso de corrosão da pele proteção contra infecções (inclusive profilaxia do tétano). Limpar os respingos dos olhos com água corrente durante alguns minutos mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. eventualmente lavar de novo com leite ou água e sabão. Não fazer qualquer "tentativa de neutralização" e sim encaminhar imediatamente ao oftalmologista. Evitar carbonatos. Pesquisa radiológica imediata e profilática do estômago e esôfago. Primeiros socorros -----------------Limpar imediata e completamente a área de pele atingida com água corrente. "neutralização". Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Em caso de ingestão dores fortes na região das mucosas atingidas. Orientação médica ----------------No caso de ingestão administrar imediatamente bastante água e fazer beber leite (na medida do possível com alguns ovos crus misturados ou com hidrato de magnésia). 3. vômitos e lavagem estomacal tardia. vômitos sucessivos de massa com aparência de borra de café. No caso de borrifamento do ácido sobre os olhos conjuntivite dolorosa e corrosão da córnea. diarréia.

. Características Gerais .líquido incolor. diminuindo o nível do cálcio plasmático. Tolerância (valor limite) .ÁCIDO FLUORíDRICO Sinonímia .Reage com a água formando fumos no ar úmido que se desloca ao nível do solo. .subcombustível. Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----Age como um veneno celular por interferência com o metabolismo do cálcio e mecanismos enzimáticos. . incolor c/cheiro perceptível. . Localmente provoca acumulo de potássio com estimulação das terminações nervosas. fumegante com cheiro perceptível.Solução .Gás fluorídrico.Via respiratória. .Fluoreto de hidrogênio. .Via digestiva. .Via cutânea. alumínio e titânio .gás liquefeito.Anidro . Absorção .Corrosivo ao vidro. A citotoxicidade manifesta-se a nível renal e miocárdio. Forma precipitado insolúvel com o cálcio.5 mg e fluoretos na urina (valor ajustado para densidade padrão da urina = 1024).

.Intoxicação crônica: . .síndrome traqueobronquite.tetania .podem destruir o segmento anterior do olho.queimaduras profundas e dolorosas em contato com pele.laringoespasmo.edema pulmonar.irritação do seio paranasal (dor).Nariz: ----.distúrbios rítmo-cardíacos .Via cutânea e mucosa: -------------------. espasmos abdominais e diarréia. .hipocalcemia . .sensação de sufocamento.dispnéia.hematúria / anúria . . .síndrome hemorrágica .epistaxes. . fragilidade do sistema ósseo.distúrbios consciência . . vômitos.sensação pruriginosa no nariz e olhos . olhos e mucosas.tosse c/espasmo. fraqueza.Sintomas: -------. . sensação de mal estar e rigidez das articulações). anemia.retenção dos fluoretos podendo levar a ostecesclerose (ossificação dos ligamentos). .síndrome sistêmica: .Ossos: ----.Via digestiva: ------------.fluorose óssea grave (perda de peso. .náuseas. .Exposição maciça: ---------------. .Intoxicação aguda: . .síndrome alveolite hemorrágica c/absorção de flúor.Via respiratória: ---------------.

repetindo a operação por várias vezes (3 a 4).Tratamento específico . .lavagem imediata c/água corrente ou com solução de amoníaco a 10% durante 10 minutos.instilar gluconato de cálcio a 10% ou bicarbonato de sódio.Respiratória . .Controlar a dor.Olhos . .lavagem imediata com água corrente ou solução fisiológica. .administrar oralmente solução quente de cloreto de cálcio ou de sódio (1 colher de sopa/copo de água) e estimular o vômito.aplicar gel gluconato de cálcio a 10% sob a lesão até a supressão da dor. .tratar eventual edema pulmonar. . Pele . .Ingestão .infiltrar gluconato de cálcio a 10% mais lidocaína 2% em redor da lesão.

dor torácica. edema e necrose de tecidos profundos.2 ppm .Via digestiva.espirros. Circulatório a intensa estimulação pelo ácido causa perda reflexa de tonus vascular com colapso circulatório. de incolor a amarelo. Líquido de cheiro penetrante. nos casos severos.dose letal: 1 ml 200 a 700 ppm.desnudação do epitélio corneano e.ácido azótico. que se dissolve com o ácido concentrado. Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----.ÁCIDO NíTRICO HNO3 Sinonímia . . bronquite e - Respiratório .Via cutânea.Olhos . .destruição dos tecidos por ação química direta.Pele e mucosas . sufocante. Tolerância (valor limite) . Absorção . tosse. Características Gerais .Água forte.Via respiratória. . broncopneumonia. a proteína tissular é convertida a proteinato. .

Olhos .Respiratória .a inspiração dos vapores poderá levar à irritação gasosa com formação de edema pulmonar. .Sintomas: -------.aminofilina e corticóide.Pele e mucosas . . .broncoespasmo . aldrox cuidados cárdio-circulatórios prevenir choque . Tratamento específico .Respiratória .o efeito oxidante leva à corrosão grave da pele e mucosas.corrosão da córnea de cor amarela com ou sem perfuração.Ingestão leite em grande quantidade. Após a ação local é característica a coloração amarela intensa da crosta.auxiloson spray a cada 5 minutos. . lesões muito dolorosas.

A morte se dá em estado de coma ou por insuficiência renal. Primeiros socorros -----------------Lavar imediatamente a pele e olhos atingidos com água abundante. 3. cefaléias. tremores. danos aos vasos sanguíneos e finalmente de uma gangrena extremamente dolorosa exigem a amputação dos dedos. No caso de soluções mais fortes. esôfago e estômago. gluconatos ou lactatos) devido à formação de oxalato de cálcio de difícil dissolução. bem como as ulceraçÕes da pele e unhas dos dedos da mão amareladas e quebradiças. e de maneira muito boa pelas mucosas. albuminúria. Transporte do acidentado deitado de lado em posição estável. . colapso. água) fazendo vomitar repetidamente.ex. A absorção por via oral provoca efeitos de irritação com dores na boca. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O ácido oxálico é reabsorvido de forma relativamente boa pela pele externa. com possível transição para a poliúria. Em caso de ingestão fazer beber imediatamente leite na medida do possível com alguns ovos crus batidos e misturados (em caso de necessidade.ACIDO OXÁLICO 1. hipersensibilidade e espasmos (devido à queda de Ca). fazendo vomitar repetidamente e/ou lavagem estomacal com bicarbonato de sódio. A inalação dos vapores ou de pó provoca efeitos irritantes sobre as mucosas. Banhar as áreas de pele atingidas com solução concentrada de sulfato de magnésio. Conhecem-se os efeitos de vertigem. simplesmente água. hipersensibilidade. vômitos e fraqueza geral são sintomas de efeito crônico. vômitos com sangue. Deve-se evitar a administração de qualquer preparado que contenha cálcio (como p. provocando ulceraçÕes. 2. São possíveis também as ocorrências prematuras de colapso cardíacocirculatório ou de distúrbios funcionais renais que terminem em anúria ou uremia. em caso de necessidade. A ocorrência de hiperemias. de forma tal que as grandes quantidades levam depressa a um envenenamento por reabsorção. Tosse crônica. o efeito superficial corrosivo se evidencia. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão administrar imediatamente quantidade suficiente de leite (com ovos) ou. Os trabalhadores que tem contato com o ácido oxálico em solução sem luvas de proteção apresentam poucos dias após dores nas mãos.

eventualmente. 2. . Primeiros socorros -----------------Lavar a pele/mucosas atingidas com água e sabão imediata e continuamente. Orientação médica ----------------Manter o pessoal lotado na área sob observação neurológica constante e deslocá-lo para outro local de trabalho ao menor sinal de distúrbio do sistema nervoso. A causa conhecida é uma degeneração dos nervos periféricos motores e sensores e dano ao mesencéfalo. A absorção se dá em geral pela pele. lavar com água corrente por alguns minutos com as pálpebras bem abertas. Retirar imediatamente todas as peças de roupa afetadas. Em caso de ingestão. após a lavagem. enviar amostra do material com outras informações. com reconstituiçåo extremamente demorada. Evitar vômitos na medida do possível. dificuldade motora. e a inalação do pó constitui exceção.ACRILAMIDA 1. 3. e nos casos mais graves. suores. distúrbios epileptiformes. Nos experimentos realizados com ratos o potencial cancerígeno das dosagens subtóxicas demonstrou-se significativamente elevado. Durante a gestação deve ser evitado qualquer tipo de contato com a substância. Aplicar sempre que possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain antes da lavagem e. o efeito de irritação da pele e das mucosas não é muito acentuado. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água). Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A acrilamida é um tóxico nervoso forte. Há melhor tolerabilidade de doses pequenas (1-2 mg/Kg/dia) durante longo tempo do que de doses maiores em espaço de tempo curto. Informar ao médico e/ou clínica a designação do material perigoso e. seguida por insensibilização das pernas e dos braços. aquecimento. Cancerígeno . fazer beber imediata e repetidamente água abundante. Em caso de contato com os olhos. Descolamento da pele nos locais atingidos.como ficou demonstrado nos experimentos realizados com animais reproduzindo as condições do ambiente industrial. O primeiro sinal de envenenamento é a insensibilização dos dedos. um colírio Isogutt. Repouso. Encaminhar para o médico mesmo em casos de contatos reduzidos. Ao contrário do que ocorre com os demais derivados do ácido acrílico. se possível com 3 a 4 colheres de carvão ativado.

queimaduras corneais.não determinado. superior quando ingerido.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Sintomas: -------.tosse.Via respiratória . .ÁCIDO PERCLÓRICO Sinonímia Dihidrato de ácido perclórico Perclorato de dioxônio Perclorato de hidróxio Reativo de fraude Características Gerais Líquido higroscópico claro. Tolerância (valor limite) . . dispnéia. Absorção .Pulmão .Trato gastrointestinal .Irritação. .Pele .Olhos . .queimaduras graves. erupção crônica da pele de indivíduos sensibilizados. altamente corrosivo de ação irritante e sensibilizadora.náuseas. vômitos e queimaduras no trato gastrointestinal.

. .Ter cuidado na administração de alcalis. devido à possibilidade de formação de gases.Ingestão . seguido de instilaçåo de gel de hidróxido de alumínio.Tratamento específico .lavagem gástrica com solução de bicarbonato de sódio a 5%.A sonda nasogástrica deve ser passada com cuidado. .

formando mistura ainda corrosiva.ação cáustica local em contato com o líquido.ácido propanóico . .Via cutânea . . quando em contato com líquido. inflamável quando aquecido.Cutânea .1. solúvel em água. . Absorção . .Pelegação cáustica local .irritação forte pelos vapores. ocorre queimadura.ácido metil acético . inalação sob forma de neblina tem ação cáustica na árvore respiratória com possibilidade de edema de laringe e edema pulmonar.5 ppm .Via respiratória .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) . Tolerância (valor limite) 0.Sangue . .hemólise pode ocorrer nas grandes intoxicações.ÁCIDO PROPIÔNICO Sinonímia . forma misturas explosivas e corrosivas.vapores irritam fortemente os órgãos respiratórios.Respiração .Luprosil Características Gerais Líquido transparente com odor penetrante e desagradável.Olhos .5 mg/m3. mucosas nasais e garganta com tosse. vômitos e coma.ardência nos olhos.

. setux cápsulas ou solução aquosa . .Inalação .2.administrar muito líquido.15 ml ou 1 cápsula de 8 em 8 horas. caso haja risco de hemólise.4 ml + água destilada .fazer nebulização com solução de bicarbonato a 2% bicarbonato de sódio . .7.codeína.Tratamento específico .6 ml.

Monotioácido .Via cutânea .afeções associadas à exposição a longo prazo: conjuntivite.neblinas de ácido sulfúrico produzem efeitos de irritação e corrosão. o efeito principal é a corrosão dos tecidos. rinorréia. máxima: 1 mg/m3 .Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----. eczemas cutâneos. Tolerância (valor limite) .óleo de vitriolo Características Gerais Líquido incolor.bronquite. aprofundando-se sem a formação de crosta protetora. . oleoso. com possível dano pulmonar posterior (bronquite crônica).Via digestiva . enfisema e distúrbios digestivos. .Respiratória . Sintomas: -------.dose letal: 1 ml Absorção .conc.corrosão e degeneração dos tecidos.Efeito na exposição a longo prazo: . broncopneumopatia crônica.ÁCIDO SULFÚRICO Sinonímia . .Pele . manifestando-se por tosse e inflamação das vias aéreas superiores. inodoro. . epistaxes e lacrimejamento.Dihidrosulfato . infecçÕes respiratórias freqüentes.Não provoca fenômenos de intoxicação.

escurecimento das unhas. . .lavar com água em abundância. .Pele . leite com ovos crus batidos não usar neutralizante não fazer lavagem gástrica .5%. .Ingestão ingerir bastante água. alterações dentárias e alteraçÕes no paladar e no olfato. Tratamento específico .não usar solução neutralizante. . aplicar 3 gotas de solução de tetracaína 0.aplicar compressas de algodão ou de gaze embebidas por trietanolamina.lavar com água abundante. mantendo a alvagem de olhos a cada 15 minutos.após a primeira lavagem.Olhos .5% ou procaína 0.

mas esta não é a via comum de introdução na exposição profissional.Via respiratória .ACRILONITRILA Sinonímia Cianoetileno Cianeto de vinila Ventox Fumigrain Características Gerais Vapores irritantes.Via digestiva . podendo provocar eritemas. formação de bolhas e irritação da mucosa ocular.os vapores de acrilonitrila são classificados como altamente tóxicos. . queimaduras. Tolerância (valor limite) 16 ppm ou 35 mg/m3 Absorção . sendo considerados também potentes irritantes da mucosa respiratória. .a ingestão de acrilonitrila pode ser acidental ou intencional.Via cutânea e mucosa .é um irritante da pele. classificados como altamente tóxicos. O produto é classificado como altamente tóxico por esta via. .Via digestiva .Via respiratória .Via cutânea ou mucosa Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----.

2 ampolas (total = 40 ml) de Kelocyanor. não deve-se inspirar os gases. sendo o método boca a boca usado um último recurso.tomar imediatamente uma solução de sal refinado (1 colher de sopa num copo de água) e provocar vômitos.1% ou 3% de H2O2.aplicar por via E.Longo prazo .Curto prazo . ou algodão embebido. se necessário. . . se eventualmente aparecer uma coloração azulada nos olhos.lavagem gástrica com uma solução de permanganato de potássio 0.Sintomas: -------. aplicar novamente meia dose de cada (de Kelocyanor e de solução de glicose). Para o desenvenenamento devido a resíduos que ainda estiverem no estômago do acidentado. injetar 50 ml de solução de glicose de 25% a 50%.alteraçÕes do SNC.V. deve-se beber cerca de 500 ml de solução de tiossulfato de sódio a 1%. rins e fígado. caso não haja outra forma na fase de expiração do intoxicado.No caso de parada respiratória. . além da sensibilização do trato respiratório e a ação irritante sobre a pele. de ampolas quebráveis. .5 g + 10 amp). Tratamento específico Inalação . segurando-se de 10 até no máx. em seguida. podendo repetir após 15 minutos. quando em contato contínuo. repetindo após um minuto do mesmo modo. lábios e ouvidos não deverá ser motivo de parar com o tratamento. opressão torácica. Se a pressão arterial não subir. juntamente com tiossulfato de sódio (12.Não deve-se usar morfina ou scopolamina.Ingestão . deve-se imediatamente aplicar a respiração artificial. sialorréia. administrar 1 ml de noradrenalina. cefaléia e diarréia e intensa vasodilatação da metade superior do tórax.irritação da mucosa. . .fazer aspirar aminonitrila (nitrito de amila). Na respiração artificial deve-se juntar nitrito de amila. . 30 segundos em frente ao nariz e boca do acidentado. até o líquido sair claro.

como uma reação tardia. conjuntivas congestas e hiperemia das membranas. . cegueira temporária.Ingestão . odor amoniacal. Características Gerais Gás liquefeito comprimido.AMÔNIA (ANIDRA) Sinonímia Amônia líquida.Inalação . vômitos e choque. Irritação pulmonar e edema pulmonar podem aparecer após 12 / 24 horas. cianose e pulso rápido e fraco. com tosse. Tolerância (valor limite) 20 ppm ou 14 mg/m3 Absorção .gás de amônia (1000 ppm) causa irritação dos olhos e vias aéreas superiores. vômito. súbita espuma (saliva) indicativa de edema pulmonar. Altas concentraçÕes provocam edema na pele e conjuntiva. Perfuração do esôfago e gástrica pode ocorrer com o aumento da dor abdominal. dor no peito. com tosse. éter etílico e outros solventes orgânicos. sendo muito ou pouco prolongado. causará uma irritação severa e dolorosa e corrosão violenta. gás incolor. bastante pungente. tórax e abdômen.Via cutânea e mucosa Efeitos (sinais e sintomas) A principal manifestação da amônia é a irritação extrema. inquietação.Via respiratória . febre e rigidez abdominal.O contato com a pele. mucosas e da pele. .Pele . . intoxicação aguda dos compostos de .Via digestiva . etanol. muito solúvel em água com produção razoável de calor.a ingestão de amônia causa dor severa na boca. e da nasofaringe.

com sintomas que vão desde o lacrimejamento e edema palpebral. ulceração corneal e possivelmente cegueira. principalmente se o contato for com amônia líquida.000 Tratamento específico . pode levar à irritação ocular.dar vinagre diluído em igual quantidade de água e suco de frutas cítricas (suco de limão fresco ou enlatado) para neutralizar o alcalis. Com o aumento da concentração de amônia no ar pode haver dano severo aos olhos.tratar possível edema pulmonar.000 5.. . . . garganta e olhos com lacrimejamento tosse convulsiva e irritação severa dos olhos espasmos respiratórios Período de exposição -------------------exposição prolongada não produz dano exposição máxima aceitável em 08h trabalho 1 hora 400 .000 .Olhos .10. A tabela seguinte relaciona algumas concentraçÕes de exposição e seus efeitos decorrentes: Efeitos devido à exposição aos vapores de amônia -----------------------------------------------Concentração do vapor (ppm) ------------50 .Inalação .53 100 300 Efeito geral -----------odor detectável pela maioria das pessoas ausência de efeitos p/a maioria dos trabalhadores concentração máxima que não provoca sérios distúrbios irritação do nariz.Ingestão . até o aumento da pressão intraocular.000 .700 curtas exposições geralmente não produzem efeitos graves exposição não permissível rapidamente e fatal 2. .com baixas concentraçÕes.evitar lavagem gástrica ou o uso de emeticos que aumentem a possibilidade de perfuração gástrica ou esofageana.3.ingerir água ou leite imediatamente e provocar vômitos.

Antídoto . repetindo a cada 10 minutos durante 1 hora. .. prosseguindo com irrigações repetidas de soro fisiológico. encaminhando ao especialista.lavar os olhos durante 15 minutos. vinagre.sucos de frutas cítricas. . podendo ser usado inclusive externamente. podendo usar uma solução de ácido bórico a 5% ao invés de água.Olhos .

Relacionado ao grau de metahemoglobina. Tolerância (valor limite) 4 ppm ou 15 mg/m3 Absorção . . coma.convulsÕes.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----. vertigem.cianose mais intensa (manchas roxas na pele.40 a 50% . característico de amina aromática.Via cutânea .70% . debilidade. lábios). odor .A N I L I N A (C6 H5 NH2) Sinonímia .60% .acima 15% . orelhas. cefaléia.cianose (unhas. Vapor muito mais pesado que o ar. podem ser: pulso lento e fraco hipotensão falta de ar náuseas e vômitos distúrbios cerebrais decorrentes da hipoxemia levemente oleoso. . que podem levar à uma suspeita de uma ação metahemoglobinizante. Sintomas: -------Os sintomas mais objetivos e relevantes. hipotensão.Fenil amina Características Gerais Líquido incolor a marrom vermelho. letargia e torpor. dispnéia de esforço. choque e possível morte.confusão mental. . crise de angina. taquicardia.Aminobenzeno .Via respiratória . .

arritmia.. diarréia. cianose e sudorese. ou quando houver sintomas.Sintomas hematológicos . Quando a metahemoglobina estiver acima de 40%.em dose elevada (acima de 500 mg). num período mínimo de 10 minutos. A sintomatologia dependerá do grau de metahemoglobinemia.1 ml/Kg de azul de metileno a 1% via E.Antídoto .alcalinizar a urina .Observação . para um homem de 70 Kg.Sintomas hepáticos . confusão mental.relacionados à hepatoxocididade. Pode levar à anemia hemolítica. avaliar hemograma e EAS. .V. Tratamento específico .administrar 1 g via E. administrar 0.a DL 50 por via oral. causa: vômitos. está em torno de 15-30 ml.controle seriado de TGO e TGP . dor torácica.administrar quando não há diferença de GGPDH. . náuseas. devem ser investigados pelas provas de função hepática. causa hipertensão. . dias após a administração.analépticos . ácido ascórbico --------------. (ação mais lenta na reversão de metahemoglobina).V.crise de angina.azul de metileno ..Sintomas cardíacos . mal estar.em dose terapêutica. .pode haver hemólise intravascular. Azul de metileno ---------------. .

vertigem Até 60% ------.Intoxicação aguda (inalação.A N I L I N A S (C6 H5 NH2 NO2) Sinonímia Nitroanilina. odor perceptível (característico de amina aromático). Outros sintomas: . Características Gerais Líquido incolor ou marrom pálido.confusão .fenilhidroxilamina. ingestão): ---------------------------------------------------------1.hipotensão .cianose .icterícia . produto intermediário do Sintomas: -------Principais manifestações na intoxicação são: .icterícia .cefaléia .anemia .Via cutânea e mucosa Efeitos (sinais e sintomas) Formação de metahemoglobina por metabolismo .débil . Tolerância (valor limite) 4 ppm.letargia 70% ou mais ----------convulsão coma choque morte iminente - - 2. absorção pela pele.dor à micção .resp. Sintomas dependentes do grau de formação de metahemoglobina: Até 15% ------cianose leito ungueal orelhas lábios Até 40% ------.Via respiratória . Absorção .

Intoxicação crônica: ------------------. . lentamente (10 minutos).Outras medidas: hemodiálise e exosanguíneo transfusåo.1 g via E.0. .1 mg/Kg em solução glicosada na proporção de 1% via E.ação tóxica sobre o fígado Tratamento específico Ingestão .fraqueza .irritibilidade ..V.V. em . ..ácido ascórbico (vitamina C) . lentamente.dermatites vesiculares .Tratamento dos danos hepáticos.nas metahemoglobinemias severas: .Antídoto . .perda de peso .anemia .. gástrica.azul de metileno .provocar vômitos ou realizar lavagem seguida administrar carvão ativado.

polipsia. tenesmo com diarréia profusa.na dose de 3 a 4 mg/Kg de peso por via I. . prurido.Manter hidratação venosa com rigoroso balanço hídrico. paralisia arsenical e graves atrofias musculares. .A R S _ N I O Características Gerais Ação cáustica.Lavar a pele com água abundante e sabão e acrescentar uma solução de hidróxido férrico ou permanganato de potássio. neurite.Administrar dimercaptol (BAL) . renal e hepático. seguido de purgante salino. Tratamento específico . apresenta-se sob a forma líquida amarelada e como sólido cristalino e amorfo. melodermia (manchas castanhas na pele). sabor metálico. náuseas. hiperqueratose palmo-plantar e epitelioma. não exceder de 300 mg numa única dose.Via respiratória . Absorção . debilidade. dores abdominais. Distúrbios neurológicos com impotência. parestesia. .M.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Sintomas agudos: --------------Salivação abundante. Tolerância (valor limite) 0. Hematúria e depressão da medula óssea. mal-estar. febre. artralgia. cãimbras. Pode ocorrer comprometimento cardíaco.5 mg/m3.Lavagem gástrica com água. infiltração gordurosa do fígado.Via cutânea .. fragmentação da bainha de mielina. 6 / 6 horas no 20 dia e a partir do 30 dia em 8 / 8 horas. esquema de 4 / 4 horas no 10 dia. vômitos. . Sintomas crônicos: ----------------Aumenta a permeabilidade capilar.

Controlar sinais vitais..2 mg/l sugere intoxicação).Avaliação neurológica. .Dosar o arsênio na urina (acima de 0. . .

B E N Z E N O Sinonímia .Via cutânea: ----------. .Líquido .Via respiratória . e . vapores mais Tolerância (valor limite) 8 ppm ou 24 mg/m3. dor de cabeça. Pode ser absorvido por estas vias.Via digestiva: ------------.Via respiratória: ---------------.mucosa e olhos. A morte por colapso circulatório e parada respiratória pode ocorrer.Líquido . boca. odor aromático característico. Irritação .Líquido .Benzol Características Gerais Líquido incolor. pesados que o ar. garganta esôfago. Absorção .Via cutânea e mucosa .Vapores . . com colapso bronquite e pneumonia.Hidrofenileto .dermatite de contato.irritação local das mucosas.irritação respiratória.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----. . dispnéia. perda da consciência. quando na presença de alta concentração seguida de tonteira.edema pulmonar e hemorragia local.

cefaléia. administrando laxante salino. RISCO DE LESÃO HEPÁTICA E RENAL. desconforto torácico. . .leucopenia nucleares. fraqueza.os sintomas incluem cefaléia. Inalação continuada até o ponto de euforia tem causado encefalopatia irreversível com ataxia. hemocitoblástica com rápida evolução e morte. . tremores. via E.Intoxicação crônica: .Controlar a excitação ou as convulsÕes com diazepan. hipoplásica ou hiperplásica. respiração superficial e rápida.Leucócitos . Sintomas: -------. Anemia. arritmias ventriculares e fibrilação. labilidade emocional e atrofia cerebral difusa. náuseas.Exposição moderada .Manter repouso absoluto.. . com grande redução dos polimorfos Tratamento específico .Plaquetas . quando em contato com os olhos. . tremores.Olhos: ----.normal. leucemia aguda.Líquido: irritação local. Estado de inconsciência pode ser precedido por intensa excitação e delírio.1 mg/Kg . petequias e sangramento anormal ocorrem após exposição ao benzeno. euforia. perda de apetite.visão borrada. vômitos.Anemia .plaquetopenia. paralisias.Intoxicação aguda (inalação ou ingestão): .redução dos glóbulos vermelhos até 20% do normal. nervosismo e palidez. perda da consciência e convulsÕes.Sistema hematopoiético: ---------------------.Medula .V.Lavagem gástrica. .Inalação .Exposição severa . . A anemia pode progredir à completa aplasia da medula. .tonteiras. tomando cuidado para evitar aspiração. 0.

.Contra-indicação .Anemia .epinefrina e efedrina .reposição por transfusão.risco de fibrilação ventricular. . risco de parada cardíaca.Monitorizar ECG para detectar arritmias ventriculares.. .

4 .HEDONAL Sinonímia . Tolerância (valor limite) Correspondente ao grupo organofosforado. dor e fraqueza muscular. . fraqueza e paralisia de músculos intercostais. letargia.S N C .Via respiratória . faringe e abdômen.2.Urina .4 D (ácido 2.Via cutânea .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Sintomas: -------Principais sintomas são fraqueza e hipertensão arterial.De quantidade próxima à dose letal causa queimação na língua.MCPA (ácido 2. Febre ou temperatura baixa.diclorofenoxicoacético) . . vômitos.BI . rubor na pele.Escura após 1 semana (hemoglobinúria).Absorção causa fraqueza muscular. .convulsões. com cheiro perceptível. Absorção . metil-4-clorofenoxiacético) Características Gerais Líquido incolor à marrom. .Distúrbios do ritmo cardíaco.Choque em intoxicações com doses muito elevadas. . . .Ingestão .Coração .Pele .

enquanto .V.50 a 100 mg . . 5% (xilocaína 2% .10 a 15 g/dia.controle das convulsÕes.controle da febre.Envoltórios gelados .G. .Catárticos salinos. houver hemoglobinúria.Bicarbonato de sódio .Fenobarbital (gardenal) . .Carvão ativado após emese ou lavagem gástrica. .1 a 4 mg/minuto infusão em S.Lidocaína . .60 ml).controle das arritmias cardíacas .Tratamento específico . .E.

que provocam sensação de queimação nos olhos. A irritação das mucosas e dos olhos começa a ocorrer abaixo do valor MAK. respiração lenta e profunda. infusão com levulose. no caso de reabsorção de quantidades maiores. oligúria. lavar durante alguns minutos com água corrente. O efeito interno se traduz em cefaléia. Nos casos graves. despir imediatamente e lavar com água. observando as medidas de cautela. cobrindo com gaze solta. colírio Isogutt. ar fresco com liberação das vias respiratórias. especialmente nas unhas dos dedos da mão e entre os dedos. Utilizar com laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água) com carvão ativado. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação. Aplicar antes. após. regridem após o término do efeito da substância. vertigem. de presença de corpos estranhos. Inalação de oxigênio. se possível com carvão ativado. e sob certas circunstâncias de efeito forçado. Manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Fazer inalar o mais rápido possível um spray de Auxiloson. Em caso de contato com os olhos. atuando sobre o sistema nervoso central. sintomas esses que. 2. respiração artificial. Em caso de contato extenso com a pele. na medida do possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e. Nos casos graves parece interessante tentar a diurese forçada ou a diálise. O efeito específico de distúrbio nos olhos provocado pelo vapor se dá pela formação de vacúolos de cerca de 0. Encaminhar imediatamente ao oftalmologista. não provocar vômito e dar bastante água. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. taquicardia e aumento do fígado. sonolência com sensação acentuada de fraqueza.05 mm nas camadas média e profunda do epitélio da córnea. proteinúria. a partir do limite de percepção de cheiro (25 ppm). entretanto. Em caso de ingestão. lavagem estomacal com água. controle da respiração e da circulação. sem deixar consequências. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão de quantidades maiores.BUTANOL 1. carbonato hidrogenado de sódio. 3. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O butanol na forma de vapor ou líquido é irritante das mucosas dos olhos e dos tratos respiratórios e digestivo e apresenta. A atuação do líquido sobre a pele provoca queimaduras. fotofobia e lacrimejamento. . efeito narcótico.

Auxiloson). Em caso de contato com os olhos. ácidos butoxiacéticos atacam. Mantendo-se o valor MAK não há necessidade de se temer dano à descendência. Auxiloson). 3. além do fígado e de início os rins. Evitar barbitúricos ! . Primeiros socorros -----------------Em caso de ingestão fazer beber bastante água com carvão ativado. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Utilizar como laxante sulfato de sódio. liberar as vias respiratórias. enxaguar durante alguns minutos com água corrente. se possível. eventualmente auxílio à respiração. Em caso de inalação ar fresco. Observação das funções orgânicas sob risco. Não fazer infusão de soluções com cálcio e potássio sem controle. Em caso de ingestão. broncopneumonia). É raro acontecerem danos mais profundos pela inalação a temperatura ambiente devido à reduzida volatibilidade.BUTILGLICOL 1. Aplicar. em caso de dispnéia com a cabeça alta. aquecimento. desde que ainda não tenham aparecido sinais de reabsorção. 2 colheres de sopa em meio litro de água morna.ex. Não utilizar sulfato de magnésio. a pele pode absorver quantidades de efeito tóxico sem provocar irritação pronunciada. Repouso. eventualmente oxigênio. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água). Fazer inalar o mais rapidamente possível spray de Dexamethason (p. Orientação médica ----------------Tendo ocorrido inalação a níveis de risco aplicar spray de Dexamethason o mais rapidamente possível (p. cólicas. além de cefaléia. nas concentrações mais altas é possível a ocorrência de efeito narcótico. fechando com gaze solta. As consequências gerais são hemoglobinemia e albuminúria.ex. Em caso de ingestão fazer beber bastante água com carvão ativado. Observação e tratamento sintomático (edema pulmonar. 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain antes e colírio Isogutt depois. e posteriormente as manifestações de reabsorção citadas acima. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O butilglicol na forma de vapor ou líquido atua como irritante das mucosas dos olhos e do trato respiratório. Em caso de risco de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. 2. Em caso de ingestão: vômitos. Encaminhar ao oftalmologista. o efeito é claramente tóxico. O butilglicol e seus produtos de decomposição. Assim. Eventualmente lavagem estomacal (com carvão ativado). Os sintomas do efeito dos vapores são irritações dos olhos e das vias respiratórias.

vômitos. hipertensão arterial passageira. . .C A R B A M A T O S Sinonímia Carbaril. . miose. ataxia. inflamável. sudorese. aprocarb. Características Gerais Líquido castanho claro. . dispnéia e colapso respiratório. baygon. Absorção . . sialorréia. tosse. depressão dos centros cárdio-respiratórios e coma. disúria.Via digestiva. solubilidade variável. Efeitos (sinais e sintomas) . colapso. dores musculares.Síndrome neurológico: -------------------Ansiedade. Tolerância (valor limite) Não determinado. blattanex.Síndrome muscular: ----------------Cãimbras. odor característico. tenesmo. propoxur. muscarínico ou parassimpático: --------------------------------------------------Visão borrada. confusão mental.Via cutânea. convulsÕes. methomyl. diarréia. carbamult.Via respiratória. broncoespasmo com aumento de secreções.Síndrome colinérgico.

. ou E. aminofilina e . tranqüilizantes. mucosas secas.M. morfina.Contra-indicações . repetindo a dose a cada 5.V.Tratamento específico .Administrar sulfato de atropina por via I. taquicardia. 10 ou 30 minutos. de 1 a 6 mg. desaparecimento da sialorréia e da sudorese).contration. até desaparecerem os sintomas e surgir uma leve atropinização (dilatação da pupila.

Descanso. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Nas condições normais dos ambientes de trabalho não é de se esperar envenenamento. Lavagem estomacal cuidadosa (com os mesmos produtos) mantendo as cautelas usuais. Retirar os respingos dos olhos com água corrente com solução fisiológica de NaCl durante alguns minutos mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a área de pele atingida com água. Os níveis presentes no sangue só começam a apresentar risco de vida quando absorvidos por via oral em grandes quantidades. Eventualmente oxigênio (administrar por meio de solução de ácido acético a 7%) fazendo inalar durante cerca de meia hora. Orientação médica ----------------No caso de ingestão não provocar vômito de imediato. Observação das funçÕes circulatória e pulmonar e do equilíbrio ácido-base. antecipadamente. Se possível. . Grande predisposição a infecções. Colocar curativo que não provoque irritação. Enviar ao oftalmologista. vinho (tinto) azedo ou leite com ovos. optando pelo que se possa conseguir mais rapidamente. acima de cerca de 15 g. retirar com cuidado. 2. as partículas menores dos olhos com o auxílio de um pincel fino. aquecimento. Na absorção sistêmica ocorrem eventualmente os sintomas tóxicos da hipercalemia. No caso da inalação de grandes quantidades de névoa da substância ar fresco e fazer inalar imediatamente vapor de água ou de água com vinagre. Depois desse período a lavagem passa a ser fortemente contraindicada (risco de perfuração). 3. nos primeiros 15 minutos após a ingestão.CARBONATO DE SÓDIO 1. manter livres as vias respiratórias. e sim fazer beber bastante água e tão logo quanto possível administrar suco de limão ou vinagre diluídos (2 colheres de sopa em um copo de água).

descrevendo-se nos casos graves vertigens. Encaminhar ao oftalmologista. com risco de inflamação. Repouso. sensação de vertigens e de angústia. No mais. Controlar especialmente o equilíbrio ácido-base.CICLOHEXANONA 1. Dependendo do caso colocar gaze solta. aquecimento. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A ciclohexanona apresenta efeito irritante localizado sobre a pele e olhos. fechando com gaze solta. eventualmente auxílio à respiração. utilizar o spray de Auxiloson o mais depressa possível. liberar as vias respiratórias. Em caso de inalação. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão cuidado com os vômitos e lavagens estomacais (risco de aspiração). Controle da reserva de alcalis. Transportar para o médico. tratamento sintomático. Fazer beber repetidas vezes bastante água com carvão ativado e sulfato de sódio.ex. Havendo contato prolongado com os olhos há risco de catarata. estado de embriaguez. em caso de dispnéia sentado com a cabeça alta. danos ao fígado e aos rins. vômitos. Auxiloson). O contato regular com a pele leva ao desengorduramento e secagem da pele. ar fresco. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. No caso de inalação de grandes quantidades de vapor atua como narcótico. Fazer inalar o mais rapidamente possível spray de Dexamethason (p. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a pele/mucosa atingida com água e eventualmente com sabão. Em caso de inalação ar fresco. 3. 2. Aplicar antes na medida do possível 1 a 2 gotas de ChibroKerakain e após colírio Isogutt. cefaléias. .

5 THAM/Kg. Repouso absoluto. Como profilático contra o edema pulmonar utilizar o mais depressa possível spray de Dexamethason. Repouso absoluto. Fazer beber bastante água. em caso de dispnéia com a cabeça alta. Os olhos passam por grande risco. fechando com uma gaze solta. bem como provocando convulsÕes nos centros motores da medula espinal e da medula oblongata. Encaminhar imediatamente ao oftalmologista. Auxiloson). Se houver inalação compulsória de altas doses. Orientação médica ----------------Em caso de inalação combate à tosse. Administrar sulfato de sódio como laxante. infusões de um total de cerca de 0. Em caso de ingestão há risco de perfuração. aquecimento. Em caso de inalação. Oxigênio. estas atuarão como forte irritante das vias respiratórias. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A ciclohexilamina funciona em princípio como um líquido fortemente corrosivo da pele e mucosas. de preferência água mineral ácida. Primeiros socorros -----------------Lavar imediata e continuamente a área de pele atingida com água e cobrir com gaze esterilizada. . Liberar as vias respiratórias por aspiração. Oxigênio. ar fresco e eventualmente aplicar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Náusea durante horas. Tratar os ferimentos da pele como queimaduras alcalinas. Durante o tempo de latência altas doses de Prednisolon por via endovenosa. Em caso de contato os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos.CICLOHEXILAMINA 1. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Em caso de risco de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Em caso de vômitos colocar a cabeça do acidentado em posição lateral. O cheiro forte e a reação rápida com o dióxido de carbono do ar formando carbonato insolúvel diminui bastante as chances da absorção de doses perigosas pela respiração. A ocorrência de convulsÕes é indício de absorção de doses muito altas transportar imediatamente para um centro de desenvenenamento. 3.ex. 2. inclusive de gases de queima. A ingestão é bastante inibida pelo gosto fortemente amargo mesmo em soluções diluídas. A reabsorção pela pele não é perigosa do ponto de vista sistêmico. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Profilaxia das infecçÕes.

Os sintomas são: coceira na garganta. lavar os olhos durante alguns minutos com água corrente. perda dos sentidos. Em caso de ingestão provocar vômito imediato e/ou administrar emético. utilizar respiração artificial. conhecido como tóxico nervoso (hipnótico). controle da temperatura. retardamento da respiração. . 3. se a respiração espontânea for insuficiente. Para os respingos nos olhos. porque quando em contato com os líquidos do corpo forma-se imediatamente o cloralhidrato. O efeito é de forte irritante das mucosas. bem como administração de sulfato de sódio e carvão ativado. Não fazer lavagem estomacal ou profilaxia de infecção. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A intoxicação pelo cloral é praticamente impossível. No mais tratamento sintomático. paralisação da respiração. A parte da pele atingida deve ser lavada imediatamente com sabão e água abundante. pulsação fraca. tontura. hemodiálise conforme o caso. terapia da circulação. administrar Strophantin. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. diurese osmótica. 2. Primeiros socorros -----------------Liberação das vias respiratórias. de preferência com intubação e balão de oxigênio. Em caso de enfraquecimento cardíaco. vômitos. Possibilidade de criação de hábito.C L O R A L 1. Orientação médica ----------------Após aplicação de oxigênio ao sistema respiratório.12 g é letal. baixa da pressão arterial.9 . A dosagem interna de 0. dilatação das pupilas.

Para as metahemoglobinas graves balão de oxigênio. 3. Ocorre metahemoglobina e hemólise. com o azul de metileno 1-2 mg/Kg por via endovenosa consegue-se apenas uma melhora temporária. Dentro de uma hora após a ingestão ocorrem os seguintes sintomas: vômitos. Primeiros socorros -----------------Lavar a área de pele atingida com água abundante e sabão. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Forte irritante das mucosas em caso de aspiração da névoa da solução ou de ingestão. administração abundante de líquidos levemente alcalinos. Repouso absoluto. 2. colapso. uremia. Tirar imediatamente toda a roupa atingida. Orientação médica ----------------Administrar imediatamente água ou leite por via oral e provocar vômitos sucessivos. Atenção: existe risco de incêndio ! Lavar os olhos durante alguns minutos retirando os respingos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. taquicardia. Quanto ao mais aplicar tratamento sintomático. diurese. dores de estômago. Cuidado com álcool e opiatos. náuseas. diarréia.CLORATO DE COBRE 1. anúria. No caso da absorção por via oral associam-se os efeitos do íon clorato. Evitar a administração sem controle das soluçÕes potássicas. simultaneamente com convulsÕes. cianose que vai progredindo pouco a pouco. Utilizar como laxante sulfato de sódio (2 colheres de sopa/ 1/2 litro de água morna). falta de ar. transfusão para troca de sangue (sem sangria). O acidentado deve ser mantido e transportado deitado de lado em posição estável. . icterícia hemolítica com aumento do fígado e do baço. perda dos sentidos. em todos os casos deverá ser feita lavagem estomacal observando as medidas usuais de cautela com uma solução de bicarbonato de sódio a 5%.

os olhos. cobrindo os olhos com uma gaze solta. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. No mais tratamento sintomático. Manter as vias respiratórias livres por aspiração. podendo levar a edema pulmonar nos casos de duração mais prolongada.ex. mas levaria a gravíssimas corrosões das mucosas. Repouso. se necessário respiração artificial. Em caso de perigo de perda dos sentidos conservar e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Primeiros socorros -----------------Lavar a pele atingida com água e sabão. como p. Durante o tempo de latência administrar doses altas de Prednisolon a título profilático por via endovenosa. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A aspiração provoca forte irritação das vias respiratórias. acrescentando InfusÕes de um total de cerca de 0. As porções de pele ou mucosa úmidas atingidas pelo líquido.ex. A ingestão é muito difícil de ocorrer devido ao cheiro forte. que chega a atingir níveis mais profundos devido à hidrólise lenta. aplicando se possível antes 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Em caso de inalação ar fresco. liberação das vias respiratórias. No caso de tosses fortes determinadas pela irritação administrar codeína. aquecimento. . Morfina somente em doses pequenas! Debelar o espessamento do sangue pela administração oral de líquidos ou por clister seco.5 g THAM/Kg. O ataque à pele seca é mais lento. que se segue de dispnéia após uma latência de algumas horas. Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos com as pálpebras bem abertas. Demonstrou-se que 2. apresentam dores muito fortes e apresentam crostas de ferida típicas de corrosão.CLORETO DE BENZOÍLA 1. Proteger contra infecçÕes. Orientação médica ----------------No caso de aspiração continuar o tratamento com o Dexamethason. 3. sem entretanto utilizar outras InfusÕes endovenosas. Administrar oxigênio. Auxiloson).4 ml de vapor por metro cúbico de ar já é uma quantidade insuportável para o ser humano a partir de 1 minuto de exposição. Inicialmente aparece uma tosse convulsiva. 2.

Quadro clínico: -------------Lacrimejamento. com cheiro muito ativo e penetrante. . .Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Provoca lacrimejamento e intensa irritação do trato respiratório.Via respiratória .se intoxicado estiver consciente. .Gastrostomia. .Controlar PVC. antes da 1a hora da ingestão.Via digestiva .V. se necessário.Ingestão . via E. . Produz irritação da pele com formação de bolhas. . dificuldade respiratória e tosse.Não induzir ao vômito. . PA.250 ml por vez.Traqueotomia. . A excessiva inalação pode provocar EDEMA DE PULMÃO. congestão ocular. peritonite e perfuração gastrointestinal.Morfina .Corticosteróide. passando a sonda devagar para evitar perfuração e deverá ser feita com água . dar bastante água. diurese e eletrólitos.Tratar edema agudo do pulmão. Em presença de umidade o cloreto de cianurilo se hidrolisa formando ácido clorídrico.5 a 10 mg. se necessário. Absorção . Tem ação corrosiva sobre os tecidos e no trato gastrointestinal. lavagem gástrica.CLORETO DE CIANURILO Características Gerais É incolor e cristalino. Tratamento específico .Estar alerta para: hemorragia gastrointestinal. .

introduzindo na aspiração um spray de Dexamethason (p. 3. No caso de envenenamento por via oral administrar imediatamente óleo de parafina (3-5 ml/Kg) e. agitação psicomotora seguida de coma com paralisação respiratória. Após algumas horas de latência aparecem vômitos típicos. anúria e icterícia.2 1. com quantidades maiores. Em caso de inalação ar fresco.2-cloreto de etileno demonstrou-se cancerígeno em experimentos realizados com animais em condiçÕes comparáveis às do ambiente industrial. oligúria. Na medida do possível aplicar antes da lavagem 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após a lavagem colírio Isogutt.CLORETO DE ETILENO 1. eventualmente com carvão ativado.ex. A aspiração provoca uma sucessão típica de efeitos em fases com irritação das mucosas e. e em caso de falta de ar sentado com a cabeça alta. óleo de rícino. Após cerca de 24 horas de latência aparecem sinais de danos renais e hepáticos com proteinúria. Primeiros socorros -----------------Em caso de ingestão. No caso de risco de perda dos sentidos manter e transportar o paciente deitado de lado em posição estável. Não administrar leite. eliminação do veneno. cobrindo os olhos com gaze solta. Quando o atendimento for precoce. Em caso de contato com os olhos lavá-los durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Orientação médica ----------------A observação clínica e tratamento intensivos são necessários em todos os casos. liberar as vias respiratórias. . Auxiloson). Encaminhar ao oftalmologista para tratamento. em seguida. álcool ou catecolamina (risco de fibrilação ventricular!). Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O 1. lavagem do estômago com água. difíceis de acalmar. freqüentemente acompanhados de cólicas abdominais. Em caso de ingestão ocorrem também diarréias e hipovolemia com taquicardia e cianose das mucosas. Repouso. hematúria. Dar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água). eventualmente respiração artificial. aquecimento. 2. administrar imediata e repetidamente ao acidentado água abundante.

CLORETO DE METILA 1. Em caso de contato com os olhos. As concentraçÕes agudas. Transportar o acidentado para receber cuidado médico. enquanto que as concentraçÕes muito altas tem efeito narcótico. 200 ml/m3 (antigo valor MAK) produzem mais de 5% de COHb com uma inalação de 8 horas. Auxiloson). que só sofre alterações em relação às condiçÕes de exposição com grande retardo. aquecimento. através do monóxido de carbono que se forma no corpo. Repouso. Tendência identificável de dano à descendência. em primeiro lugar soprar com as pálpebras bem abertas para a evaporação do líquido. nas concentraçÕes baixas. lavar os olhos durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras bem abertas e colocar atadura solta. respiração artificial conforme o caso. Encaminhar ao oftalmologista. Primeiros socorros -----------------Em caso de efeito por via externa retirar toda a roupa atingida e lavar imediatamente a área de pele atingida com sabão e água abundante. No decorrer de uma exposição contínua de 8 horas na faixa MAK observa-se um aumento aproximadamente linear do nível de COHb. provocando edema pulmonar dependendo das circunstâncias. Fazer aspirar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Em caso de inalação ar fresco e liberação das vias respiratórias. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O cloreto de metila atua. 2. de acima de 500 ml/m3 tem efeito sedante pré-narcótico. observando-se em ensaios realizados com animais que o aparecimento de inflamações parece ser a causa que deflagra os tumores. sentado com a cabeça alta em caso de problema de respiração. aplicando creme gorduroso para a proteção da pele. sem que tenha sido possível estabelecer uma classificação clara até o momento. Isto feito.ex. Existe suspeita fundada de potencial cancerígeno. Informar ao médico e à clínica a designação do material perigoso e encaminhar eventualmente uma amostra do material com maiores informações. observaram-se também edemas cerebrais. .

. leite e álcool. Eventualmente balão de oxigênio. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão tomar cuidado com os vômitos e a lavagem estomacal (risco de aspiração). terapia de proteção do fígado. É possível administrar alternativamente óleo de parafina (3 ml/Kg de peso corporal) com carvão ativado. apoio da respiração e da circulação (cuidado com adrenalina e derivados). Não administrar óleo de rícino. Fazer ingerir doses repetidas de água abundante com sulfato de sódio e bastante carvão ativado (2 colheres de sopa para 1/4 de litro de água).3.

característico e asfixiante. . lacrimejamento.Via respiratória. Quando comprimido.Via respiratória: ---------------Deve-se mencionar ainda que a exposição à baixas concentraçÕes provocam sensação de queimadura nos olhos. Ocorre sensação de sufocamento. A inalação de altas concentraçÕes de cloro afeta o trato respiratório inferior e superior. . Possui também ação cáustica e necrosante. . nariz e garganta e. Absorção .C L O R O Sinonímia Não existe. Tolerância (valor limite) 5 ppm. amarelo-esverdeado. Características Gerais Substância muito irritante.Via cutânea e mucosa.Via cutânea e mucosa: -------------------Os vapores são irritantes para os olhos. O cloro líquido provoca grave irritação e formação de bolhas na pele. Efeitos (sinais e sintomas) . algumas vezes. dores de cabeça. Pode também ocorrer ruborização da face. produzindo eventualmente edema pulmonar. sendo que a morte pode ocorrer por sufocamento. tosse e perda da voz e ainda o sangramento do nariz. junto com aparecimento do catarro sanguinolento. constrição do peito e fechamento da garganta. podendo levar à queimadura. se liquefaz e forma solução corrosiva em contato com a água.

Queixa de distúrbios digestivos como anorexia.não usar antídotos . . tontura e fraqueza. devido à conjuntivite. cefaléia. Na exposição profissional crônica: --------------------------------Bronquite crônica. lesões cutâneas (cloroacne). . catarro espumoso e cianose. com bordas nitidamente definidas. sufocamento.O acidentado queixa-se de dor intensa e apresenta coloração marrom ou amarelada da epiderme. lacrimejamento e fotofobia. Os sinais físicos associados são estertores úmidos. curando lentamente com a formação de cicatriz.tosse.Olhos .Pele . Tratamento específico . pode queixar-se de distúrbios oculares. como cefaléia e vertigens. .aplicar curativos estéreis sem qualquer medicação e aliviar a dor pela administração sistêmica de analgésicos. Podem aparecer alteraçÕes pulmonares crônicos (fibrose) e seqüelas funcionais.Estar atento para parada cárdio-respiratória.Olhos .o calor liberado na reação pode aumentar a lesão.Reposição hídrica em caso de vômitos.Tratar o estado de choque e o edema pulmonar. . . apresentam alteraçÕes dentárias com abrasão do esmalte e dentina. falta de ar.não usar antídotos químicos. azia e vômitos.Via respiratória . tontura. Pele . .Usar antibióticos em infecçÕes broncopulmonares. . pressão sanguínea baixa e pulso cheio.O acidentado pode apresentar edema conjuntival e destruição da córnea com dor. . A queimadura penetra usualmente em todas as camadas da pele. distúrbios gerais. queralite e blefarite. Eventualmente palidez e anemia.Na exposição profissional aguda: ------------------------------. Após 6 horas de latência. aparece edema pulmonar com compressão do tórax.

éter.ardência nas mucosas nasais e da garganta. Reage lentamente com água.Via respiratória . . Solúvel em álcool absoluto.lacrimejamento. a lesão é mais severa.o contato com vapores provoca irritação e corrosão. . líquido claro. . .Pele.CLOROFORMIATO DE ETILA Sinonímia Clorocarbonato de etila Etil cloroformiato Etil clorocarbonato Etil clorometanoato Características Gerais Altamente tóxico. clorofórmio e benzol.falta de ar .ponto de fulgor: 16oC. . mais pesado que o ar. CO2 e etanol. Inflamável .Olhos . ácido fórmico. vômitos.o líquido provoca forte causticação. Sintomas: -------. à edema pulmonar.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----. umidade e vapor d'água formando ácido clorídrico.o líquido provoca forte causticação. Vapor facilmente inflamável.Pele .os vapores podem levar causticação e irritação severa. mucosas e olhos . Pode levar ao coma. ardência nas mucosas e pele. . fosgênio e ácido clorídrico). em contato com o líquido.o vapor causa irritação e corrosão.Via cutânea e mucosa . produz na combustão vapores venenosos (ester etílico de cloro. Absorção . incolor. O ácido clorídrico pode corroer o recipiente e dispersar o éster.Respiratório . de cheiro penetrante.Respiratório .Mucosas .

. .Profilaxia anti-infecciosa .aplicar 3 a 6 ml. .utilizar em doses mínimas.150 a 300 mg . .6 a 12 ampolas. . .Solução injetável prednisolona apsen .administrar durante período latente.V.500 mg .antibióticos largo espectro.Prednisolona .75 mg dexametasona.diluída em 10 ml . profilaticamente .Tratamento específico .Hortocortin 25 mg .via E.Morfina .utilizar via oral ou retal por clister gota/gota 25 mg prednisolona = 100 mg hidrocortisona = 3.Não fazer hidratação venosa .

3 mg/m3. dispnéia. dermatites alérgicas. a menos que o nível de metahemoglobina esteja acima de 40%.Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Irritação dos olhos. para-nitroclorobenzeno. determinar grau estabilização.lavagem gástrica. Tratamento específico .Via respiratória . seguido de purgante salino.. dor de cabeça.5 ppm . numa dose de 1 mg/Kg.CLORONITROBENZENO Sinonímia Três isômeros: orto. até a odor Azul de metileno não é recomendado. hematúria. usar a solução de azul de metileno a 1%. náuseas. formação de metahemoglobina. mas não deve exceder a dose total de 7 mg/Kg. anemia e formação de corpúsculos de Heinz.V. Características Gerais Orto é um líquido amarelo e outros são cristais amarelados. de metahemoglobinemia a cada hora. sonolência. cianose. cilindrúria. debilidade muscular e incoordenação. aromático. Tolerância (valor limite) 0. meta. Absorção . depressão do SN e alérgeno. contrações abdominais. excitação e alucinação. síncope. .Via digestiva . por via E. repetir em 1 hora. anemia hemolítica. hemoglobinúria. vertigem. nariz e garganta. vômitos. dor torácica.

. . .Oxigênio hiperbárico.Transfusão sanguínea.Hemodiálise..Exsanguineo. .

metilfenol. para-ácido cresílico. tremores.2:1 de volume) ou preparação similar.Via respiratória .C R E S O L Sinonímia Três isômeros. coma. Absorção . tosse. ingestão pode resultar em hemólise intravascular e metahemoglobinemia. Tolerância (valor limite) 5 ppm . com empalidecimento precoce das áreas de contato. e contato prolongado da pele pode resultar em ocronose. acidose metabólica. cianose. hematúria.Via digestiva . do . edema pulmonar. Crônico: ------Exposição crônica pode produzir sintomas quase semelhantes fenol. com perfuração do intestino. se ingerido. corrosivo. hemoglobinúria. cresilol. sensibilidade. orto.22 mg/m3. odor fenólico. Dispnéia. queimadura severa na pele. debilidade.ims . Características Gerais Líquido amarelo. Oligúria e anúria. cefaléia.Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Agudo: ----Necrose conjuntival e de córnea. meta. garganta e trato gastrointestinal. provoca corrosão da boca. Tratamento específico . choque e colapso. vertigem. acidose. danos no fígado e rim. convulsÕes. choque.Irrigar os olhos e lavar as áreas do corpo contaminadas com uma mistura de polietilenoglicol 300 (PEG 300 . estimulação seguida de depressão do SNC. que tenha absorção de componente fenólico. sudorese.

Controlar equilíbrio eletrolítico.Tratar acidose. . choque e convulsÕes.. .

DIACETONA ÁLCOOL 1. fechando com gaze solta. Auxiloson). Administrar bastante água com carvão ativado repetidas vezes e por fim sulfato de sódio (2 colheres de sopa em 1/4 de litro de água). em caso de dispnéia com a cabeça alta. Não dar óleos graxos ou leite em hipótese alguma. até agora só se evidenciarem em experimentos realizados com animais. bem como anemia. Encaminhar ao oftalmologista. Profilaxia das infecçÕes. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água) com bastante carvão ativado. eventualmente auxílio à respiração. Aplicar antes na medida do possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Havendo risco de perda dos sentidos manter e transportar o paciente deitado de lado em posição estável. Forte irritação das vias respiratórias e eventualmente parada respiratória. Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água. 2. A irritação começa a cerca de 100 ppm.ex. Até agora não se observaram danos crônicos à saúde. 3. principalmente dos olhos. No caso da inalação de grandes quantidades ar fresco. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A diacetona álcool funciona primariamente como irritante das mucosas. liberar as vias respiratórias. Repouso. se possível com carvão ativado. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação ar fresco. spray de Auxiloson e eventualmente respiração artificial com oxigênio. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão cuidado com vômitos e lavagem estomacal (perigo de aspiração!). aquecimento. em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. óleo de rícino e leite são contraindicados. Fazer inalar o mais rapidamente possível spray de Dexamethason (p. No mais tratamento sintomático. Devido a esse efeito de advertência somente em caso de acidente ocorrem danos graves por efeito narcótico. Danos sistêmicos ao fígado e rins. . dar atenção particular ao controle do nível ácido-base.

Alerta em caso de reação cromática da urina com cloroamina. 3 ml/Kg) e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água morna). os experimentos realizados com animais tem demonstrado um efeito cancerígeno semelhante ao da benzidina. Em caso de ingestão fazer beber repetidamente grandes quantidades de água e vomitar. Podem ocorrer efeitos alérgicos. também. Limite de alerta 0. podendo trazer dano às vias urinárias. oxigênio. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a pele atingida com água e sabão e em caso de necessidade enxaguar com vinagre ou solução de ácido acético a 5% aproximadamente. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------É altamente provável que a substituição com o cloro de à diclorobenzidina uma liposolubilidade maior do que a da benzidina.DICLOROBENZIDINA 1. Evitar álcool e leite. embora a tendência à formação de metahemoglobina seja significativamente mais reduzida. Pesquisa regular da urina verificando a presença de glóbulos vermelhos. exame anual da bexiga. O aumento da temperatura ambiente e da umidade do ar aumentam a velocidade de reabsorção. . Não utilizar álcool! 3. O pó pode ser absorvido. auxílio à respiração. Orientação médica ----------------Em caso de inalação ar fresco. carvão ativado. utilizar como laxante Paraffinum subliquidum (aprox. pelas vias respiratórias ou pela alimentação contaminada.1 ppm. lavagem estomacal com cuidado tomando as cautelas necessárias. A reabsorção pela pele é o fato mais importante no trato com o material. 2. No mais tratamento sintomático (o mais importante é a profilaxia).

.Via mucosa Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da colinesterase.Via cutânea . em 30 minutos.1 a 6 mg E.Via respiratória .musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf. até indicarem sinais de atropinização.V. . cheiro imperceptível.DDVP . BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr.Dimetil-2.2-diclorovinil fosfato Características Gerais Líquido incolor a marrom.Atropina .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente. Sintomas: -------Pequenas exposições múltiplas podem apresentar efeito cumulativo.DICLORVOS Sinonímia . Absorção .respiratória Tratamento específico .Oxima . de 5 a 30 minutos.

..se necessário. toplexil) reserpina . (2 amp) dissolvidos em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0. . neuleptil.9%. teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migristen.200 mg de solução fisiológica 0.1 ml/minuto). leite ou alimentos gordurosos.3 a 5 mg/Kg.Contra-indicação morfina.V.aplicar 250 mg E. . .Lavagem gástrica . . (1 amp) após 10 minutos.Contrathion . .não dar óleo. .V.repetir 200 mg E..aplicar 250 mg E. lentamente (+/..9%.aplicar 400 mg E.V.V. até sair limpa. repetir 200 mg E.dose máxima .Toxogin . após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas. .V. até completar a dose de 1 g (5 amp). de 6 em 6 horas. se obtiver resposta satisfatória..

podendo também ocorrer sangue. A anemia e a uremia podem acabar por levar à morte. 3. dar bastante água e tão logo quanto possível leite. A absorção de doses de dicromato de potássio da ordem de gramas. seja da substância pura seja em solução provocam rapidamente dores abdominais. efeito esse que parece ficar acentuadamente reforçado pela ação dos cigarros fumados no mesmo período. e cobrir com unguento. tonturas e vômitos de cor amarelada a esverdeada. hidrato de magnésia a 10%). urticária). 2. É possível o surgimento de tumor maligno no pulmão (câncer pulmonar do cromato) como consequência do efeito crônico do pó de cromato sobre a mucosa brônquica. Nos olhos ocorrem conjuntivites. Manter livres as vias respiratórias. 6-8 g). fazendo vomitar. fazendo em todos os casos lavagem estomacal com as cautelas usuais (acrescentar leite. Aparece sangue na urina. mesmo que das menores quantidades. Manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O pó de cromato não ataca a pele onde não houver solução de continuidade. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão fazer beber bastante leite e provocar vômitos. Nas pessoas sensíveis o cromato leva com relativa facilidade à sensibilização e a reações alérgicas (eczema de contato. mas nos locais onde houver os menores ferimentos aparecem ulcerações em forma de furo que se ampliam e que são de difícil cura. mesmo as menores. No caso de ingestão. Retirar imediatamente o pó dos olhos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. As quantidades menores provocam dores gastrointestinais freqüentes e diarréias que podem apresentar sangue e catarro nas fezes. Limpar cuidadosamente todas as feridas. .DICROMATO DE POTÁSSIO 1. Primeiros socorros -----------------Em caso de contato com a pele lavar bem imediatamente com água e sabão e enxaguar com leite. O choque pode levar rapidamente à morte (dose letal por aprox. A aspiração do pó provoca catarro e necrose da mucosa nasal com a formação de furos característicos no septo nasal em caso de ação prolongada durante alguns meses.

Em caso de necessidade trocar o sangue por transfusão.2 colheres de sopa de cada). No mais tratamento sintomático. controle e correção da quantidade de água e de eletrólitos. Nos casos de risco iniciar o mais depressa possível diurese forçada e/ou hemodiálise. Tratamento do sistema circulatório ou de choque e terapia da dor.administrar então leite com ovos (4-5 ovos crus em 1/4 a 1/2 litro de leite). . Proteção contra infecçÕes. hidrato de magnésio e/ou carvão ativado (1 .

tonturas e vômitos de cor amarelada a esverdeada. podendo também ocorrer sangue. mesmo as menores. dar bastante água e tão logo quanto possível leite. 2. É possível o surgimento de tumor maligno no pulmão (câncer pulmonar do cromato) como consequência do efeito crônico do pó de cromato sobre a mucosa brônquica.DICROMATO DE SÓDIO 1. A aspiração do pó provoca catarro e necrose da mucosa nasal com a formação de furos característicos no septo nasal em caso de ação prolongada durante alguns meses. As quantidades menores provocam dores gastrointestinais freqüentes e diarréias que podem apresentar sangue e catarro nas fezes. fazendo em todos os casos lavagem estomacal com as cautelas usuais acrescentar leite. A absorção de doses de dicromato de sódio da ordem de gramas. O choque pode levar rapidamente à morte (dose letal por aprox. 3. Manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. A anemia e a uremia podem acabar por levar à morte. Nos olhos ocorrem conjuntivites. fazendo vomitar. Limpar cuidadosamente todas as feridas. Manter livres as vias respiratórias. . urticária). Retirar imediatamente o pó dos olhos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. efeito esse que parece ficar acentuadamente reforçado pela ação dos cigarros fumados no mesmo período. No caso de ingestão. Nas pessoas sensíveis o cromato leva com relativa facilidade à sensibilização e a reaçÕes alérgicas (eczema de contato. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão fazer beber bastante leite e provocar vômitos. Aparece sangue na urina. mesmo que das menores quantidades. 6-8 g). e cobrir com unguento. seja da substância pura seja em solução provocam rapidamente dores abdominais. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O pó de cromato não ataca a pele onde não ataca a pele onde não houver solução de continuidade. hidrato de magnésia a 10%). Primeiros socorros -----------------Em caso de contato com a pele lavar bem imediatamente com água e sabão e enxaguar com leite. mas nos locais onde houver os menores ferimentos aparecem ulceraçÕes em forma de furo que se ampliam e que são de difícil cura.

2 colheres de sopa de cada). controle e correção da quantidade de água e de eletrólitos. Nos casos de risco iniciar o mais depressa possível diurese forçada e/ou hemodiálise. Tratamento do sistema circulatório ou de choque e terapia da dor. Proteção contra infecçÕes.administrar então leite com ovos (4-5 ovos crus em 1/4 a 1/2 litro de leite). . hidrato de magnésia e/ou carvão ativado (1 . Em caso de necessidade trocar o sangue por transfusão. No mais tratamento sintomático.

Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos com as pálpebras bem abertas. ou pela ingestão da substância. as mucosas do sistema respiratório. cobrindo os olhos com uma gaze solta. mediante a não observância de todas as normas de segurança e somente pela inalação prolongada de névoa. Dada a baixa pressão do seu vapor e da ausência de reabsorção pela pele os efeitos de dano à saúde só podem ocorrer. como muitos álcoois. Primeiros socorros -----------------Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água. enquanto que a sua inalação repetida e prolongada pode levar a nefropatias crônicas. Encaminhar ao oftalmologista. sensação de sono até a perda dos sentidos e distúrbios gastrointestinais. em caso de dispnéia mantendo-o com a cabeça alta. em caso de necessidade lavagem estomacal (acrescentando permanganato de potássio e carvão ativado). 2. se necessário respiração artificial. aplicando se possível antes 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O dietileno glicol atua. Os vapores do líquido a temperaturas muito elevadas. As indicações sobre a sua toxicidade que se encontram na literatura específica não são coincidentes. raramente. Em caso de perigo de perda dos sentidos conservar e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Utilizar como laxante sulfato de sódio (2 colheres de sopa em 1/2 litro de água). bem como a névoa pulverizada irritam. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão administrar imediata e repetidamente bastante água com bastante carvão ativado. aquecimento.DIETILENO GLICOL 1. Dar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água). como depressivo do sistema nervoso central e atacando claramente os rins e o fígado pelo ácido oxálico que se forma no corpo como resultado da sua decomposição. após uma latência de meia a algumas horas.ex. em ambiente industrial. Aplicar solução de levulose ou dextrose a 5 % por via endovenosa (quantidade de acordo com o . liberação das vias respiratórias. Em caso de inalação ar fresco. embriaguez. Os sintomas agudos incluem cefaléias. Auxiloson). Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Repouso. eventualmente com carvão ativado. 3.

Além do controle da circulação e da administração de oxigênio. No mais tratamento sintomático. principalmente a renal. Não infundir soluçÕes que contenham potássio sem controle. . Risco de anúria.grau de gravidade e a retenção de líquidos). controlar especialmente os níveis de eletrólitos e de água (acidose). bem como o equilíbrio ácidobase. Administração de quantidade suficiente de líquidos de gluconato de cálcio (até 20 ml em solução a 20%) por via endovenosa. observação das funçÕes orgânicas sob risco.

. dificuldade respiratória . . branco a levemente amarelado.DIFENIL METANO .MDI .Via cutânea e mucosa Efeitos (sinais e sintomas) . pode desenvolver alergia.compressão torácica. "dusts" . "dust" . O vapor causa irritação em concentraçÕes muito altas. aerosol ou "dust" . Tolerância (valor limite) 0.sólido.olhos .4 DIISOCIANATO Sinonímia .mais importante .Pele .lacrimejamento .pele lacrimejamento.cefaléia Líquido.4. aerosol e "dust". Sintomas: -------Vapor.Via respiratória .pouca ação. desconforto pequena ação alergia as vezes com .irritação das mucosas das vias aéreas e olhos pelo vapor. acima do limite de exposição.vapor.Irritação e desconforto nos olhos em contato com líquido ou "dust"."dryness" da garganta . aerosol.02 ppm Absorção .Diisocianato difenil metano Características Gerais Monômero .

administrar oxigênio. se estiver consciente. . .Ingestão .Tratamento específico .provocar vômitos.Inalação .

A substância tem efeito desengordurante sobre a pele. No mais tratamento sintomático. eventualmente auxílio à respiração. Aquecimento. A irritação só deixa de se manifestar a concentraçÕes abaixo de 20 ppm. provocando a secreção de lágrimas. Já a 100 ppm observaram-se cefaléias e vertigens. No caso de ingestão cuidado com vômitos e lavagens estomacais (risco de aspiração). dar atenção especial ao controle do equilíbrio ácido-base. 3. A aspiração. manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável.DI-ISOBUTILCETONA 1. eventualmente terapia da circulação. vômitos. Orientação médica ----------------Em caso de inalação: ar fresco. em caso de necessidade respiração artificial (oxigênio). Em caso de aspiração ar fresco. mesmo de quantidades pequenas. Efeito depressivo sobre o sistema nervoso central. Profilaxia das infecçÕes. a edema pulmonar. É possível ocorrer hábito passageiro. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O líquido possui efeito irritante local acentuado. De acordo com a experiência da ICI a dosagem de 1000 ppm é fortemente tóxica em inalação prolongada. condição de embriaguez. óleo de rícino e leite contraindicados. leva a infiltrações pneumônicas e. Sintomas que ocorrem após a inalação: náuseas. vertigens e sensação de angústia. . 2. queda de pressão. Ocorrem também danos ao fígado e aos rins. Primeiros socorros -----------------Enxaguar imediatamente a pele ou olhos atingidos com água abundante durante alguns minutos. O contato crônico pode provocar dermatites. eventualmente. cefaléias. Administrar Paraffinum subliquidum (aproximadamente 3 ml/Kg) e/ou sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água).

Em caso de inalação ar fresco. manter livres as vias respiratórias. Antibióticos. Lavagem estomacal utilizando os mesmos produtos com as cautelas usuais somente nos primeiros quinze minutos após o envenenamento depois fortemente contraindicada (risco de perfuração!). 3. Orientação médica ----------------Tratamento dos efeitos de irritação localizados. Os vapores irritam fortemente os olhos. Fazer beber bastante água. Lavar imediatamente a pele atingida com água. perda dos sentidos. Observar e controlar a pressão arterial. dado o seu caráter de solução alcalina sobre a pele e as mucosas. ou suco de limão ou vinagre diluídos (2 colheres de sopa em 1 copo de água) ou vinho tinto azedo ou leite com ovos crus. bronquite e em casos mais graves edema pulmonar. repouso. aquecimento. ácido tartárico. 2. Em caso de ingestão não provocar vômito de imediato e administrar bastante água e tão logo quanto possível ácido acético.DIISOPROPILAMINA 1. No caso de contato extenso com a pele ocorre corrosão alcalina e como consequência da reabsorção pela pele efeitos internos tais como aumento da pressão arterial e excitação da musculatura lisa. nos casos de risco oxigênio (passando por solução de ácido acético a 7%) durante cerca de meia hora. . Primeiros socorros -----------------Se os olhos tiverem sido atingidos por líquido ou vapor lavá-los bem durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Observação das funçÕes circulatória e pulmonar. bem como do equilíbrio ácido-base. ácido lático ou ácido cítrico diluídos a 1 a 2%. náusea. Chamar o médico imediatamente ! Em caso de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Em caso de inalação fazer inalar imediatamente vapor de água ou de chá de camomila ou água com vinagre. As consequências da inalação variam com a quantidade e a duração da exposição: tosse. e enviar imediatamente ao oftalmologista (possibilidade de danos à córnea!). podendo ocorrer além de distúrbios de visão pela irritação grave do tecido conjuntivo também turvação ou corrosão da córnea. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A diisopropilamina atua em princípio.

febre. efeitos cancerígenos. também. Orientação médica ----------------Em caso de inalação continuar a profilaxia do edema pulmonar com spray de Dexamethason (auxiloson). Repouso. Em caso de contato com a pele Prednisolon por via venosa com infusão lenta. A ausência de sofrimento não deve tranqüilizar em hipótese alguma. aquecimento. . Em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. O grande perigo está na toxicidade aguda que se manifesta com latência prolongada. Nos casos graves transporte rápido a uma clínica especializada com equipamento para desenvenenamento. se for o caso encaminhar ao oftalmologista. Repouso absoluto. a formação por hidrólise de ácido sulfúrico e metanol. Auxiloson). Controle das funçÕes hepática e renal. conforme se verificou em experimentos com animais. Como antídoto reconhece-se também o azul de toluidina (Daunderer). Encaminhar ao oftalmologista. No ser humano ainda não se observaram efeito cancerígeno nem danos pela ação crônica de concentraçÕes baixas. e possibilitando inflamação dos olhos. fechando com uma gaze solta. Mesmo quando se absorvem dosagens grandes e fatais de dimetilsulfato por inalação ou por reabsorção pela pele (o que pode acontecer pela contaminação das roupas!) ocorre uma latência assintomática de algumas horas até que apareça a primeira manifestação de irritação nos olhos e mucosas do aparelho respiratório. edema pulmonar. à qual se pode atribuir também. Contribui para isso. escarros com mucosa. 3. No decorrer do processo ocorrem principalmente inflamaçÕes necrosantes da pele e das mucosas formando feridas de corrosão de difícil cura. Primeiros socorros -----------------Em caso de contato com a pele lavar prolongadamente as partes atingidas com solução de amoníaco a 5%. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O dimetilsulfato atua principalmente atacando os órgãos parenquimatosos e o sistema nervoso central pela metilização das enzimas. Somente o tratamento médico imediato pode evitar danos graves à saúde. 2. Antitússicos. dificuldade respiratória.ex. Em caso de inalação aplicar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas.DIMETILSULFATO (DMS) 1. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. danos ao fígado e aos rins.

Orientação médica ----------------Em caso de inalação contínua o tratamento com Auxiloson. enfisema. secreção das mucosas nasais e dos brônquios. nos casos mais graves edema pulmonar tóxico com dispnéia. Oxigênio. Observar o tempo de latência do edema pulmonar. e a partir de aproximadamente 400-500 ml/m3 já existe risco de vida em alguns minutos. bem como danos por congelamento da pele e mucosas. Primeiros socorros -----------------Retirar os atingidos da área de perigo. Sensação de estreitamento. Daí resultam fortes irritaçÕes localizadas e bronquite. inflamaçÕes dos olhos muitas vezes como o único sintoma de uma policitemia. A adesão do SO2 ao pó ou partículas de aerosol que passam pelos pulmões aumenta consideravelmente a exposição. perda do paladar. No caso de exposiçÕes mais prolongadas pode ocorrer broncopneumonia. A partir de cerca de 100 ml/m3 o efeito é relativamente rápido.DIÓXIDO DE ENXOFRE 1. 2. 3. deita-los e mantê-los em repouso absoluto. A exposição instantânea a concentraçÕes muito altas há risco de espasmos da laringe ou de respiração refletida ou parada respiratória. A pele ou olhos atingidos pelo SO2 líquido ou gasoso concentrado devem ser lavados imediatamente com água corrente durante alguns minutos. constipação. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Encaminhar a atendimento médico. cianose e colapso cardíaco e respiratório. aplicando respiração artificial em caso de parada respiratória. evitando qualquer perda de calor. o gás liquefeito provoca equimoses e catarata. freqüentemente apresentando sangue. cobrindo com gaze seca. . Em caso de inalação fazer inalar o mais depressa possível um spray de Auxiloson durante período prolongado. Os sintomas crônicos são perda do apetite. língua vermelha. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O efeito primário do dióxido de enxofre está nos danos às mucosas (úmidas) pela formação de ácido sulfuroso. Conjuntivite dolorosa.

edema palpebral.DIÓXIDO DE NITROGÊNIO Sinonímia . Tolerância (valor limite) 5 ppm Absorção .Via respiratória . Solúvel em água .hidrolisa em ácido nítrico.Intoxicação aguda: . decomposição de material orgânico (plantas).Pele . dispnéia. tosse com expectoração amarelada ou hemoptóicos. explosivos.Peróxido de nitrogênio .Edema pulmonar e bronquiolite obliterante. .Dor no peito. Sintomas: -------.Respiratória .olhos . ácido nitroso e óxido nítrico. hialinização da membrana basal).Óxido nítrico (resultado da hidrólise) . formação de membrana hialina. substituição fibrosa do estroma do brônquio terminal. edema pulmonar. .Bronquiolite fibrosa cáustica (hemorragia.irritação. resultado da combustão de substâncias contendo nitrogênio (anilinas.conjuntivite. . cigarros). cianose. combustível. .broncopneumonia. . respiração asmática .Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Sinais: -----.forma metahemoglobinemia. febre. ulceração córnea. .NO2 Características Gerais Gás marrom.Irritante. ducto e saco alveolar.

náuseas.Codeína para a tosse.sabor ácido.Prednisona ou prednisolona .. . . insônia.6 / 6 horas .Circulatório .redução da capacidade inspiratória.10 a 100% valor normal.Sangue . debilidade. debilidade.O. inconsciência. vertigem. .aumento no número de plaquetas .Verificar sinais vitais rigorosamente em intervalos de 1 hora.Gastrointestinal .Emprego de broncodilatadores e descongestionantes. em forma de aerosol.5 mg V. .Função respiratória . abdominal. . .traquisfigmia.Intoxicação crônica: Cefaléia. vômitos e dor .para reação inflamatória . erosão dental.bloqueio à difusão alveolocapilar. .Administrar oxigênio. . convulsÕes. .30 dias. delírio. ataxia. . .Sistema nervoso .Tratar edema pulmonar e broncopneumonia. enfisema.redução da capacidade vital. Tratamento específico . úlceras no nariz e boca. hipotensão. reduzir a dose até zero durante 1 e 2 meses.Uso de solução de bicarbonato de sódio a 5%. arritmias e choque. bronquite crônica. anorexia e dispepsia. .dor de cabeça. . .

Orientação médica ----------------Em caso de ingestão fazer beber imediata e repetidamente bastante água com carvão ativado. Aplicar antes na medida do possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. embriaguez. como cefaléia. 3. em caso de necessidade fazer em seguida lavagem estomacal (com carvão ativado). No caso da ingestão de quantidades maiores efeitos sobre o sistema nervoso central.DOWANOL PM 1. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a pele/mucosa atingida com água. fechando com gaze solta. No mais tratamento sintomático. colapso circulatório. eventualmente com sabão. Não fazer infusão de substâncias que contenham potássio sem controle). Encaminhar ao oftalmologista. cobrindo com gaze solta se for o caso. . ocorre reabsorção pela pele. vertigens. No caso de ingestão e no de inalação de vapores concentrados produz manifestaçÕes localizadas de irritação nas mucosas. Auxílio à circulação do balanço de eletrólitos e de água. Informar ao médico/clínica a denominação do material perigoso enviando conforme o caso uma amostra com maiores informaçÕes. se possível com carvão ativado. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água) com bastante carvão ativado. além do equilíbrio ácido-base. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------De um modo geral o Dowanol PM é de toxicidade reduzida. 2. No caso de contato com os olhos enxaguar os olhos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água. É possível a ocorrência de inflamaçÕes da pele em caso de contato repetido e freqüente. Utilizar como laxante sulfato de sódio (2 colheres de sopa em 1/2 litro de água) e aplicar por via endovenosa uma solução de levulose ou dextrose a 5% (dosagem conforme a gravidade e o nível de retenção de líquidos. queda de pressão com espasmos.

Por isso. e tendo. antibióticos e/ou anti-sépticos. . efeito retardado.Metasystox .E . da luz. as mucosas e a pele.Tratar infecção tardia com colírios.Tonteira. freqüentemente. de cheiro penetrante. abundantemente.Irrigar os olhos com água destilada. .Via respiratória . tanto quanto possível. Absorção .Os outros agravantes deverão ser tratados sintomaticamente. começar imediatamente o tratamento. que ataca fortemente os olhos. . Sintomas: -------. Tratamento específico .Via cutânea e mucosa Efeitos (sinais e sintomas) .Cloreto de dimetiltiofosforila Características Gerais É um gás e passa a líquido sob compressão. . .Proteger os olhos. atacando especialmente os olhos. ao suspeitar de acidente.Avaliar o grau de dano dos olhos. . aspecto amareloesverdeado. mal-estar geral e náusea. por causa da conjuntivite. Possibilidade de absorção através da pele. .Irritação dos olhos.Os vapores de E-118 tem ação altamente irritante sobre a pele e mucosa.infecçÕes oculares tardias. soro fisiológico ou água boricada.1 1 8 Sinonímia . . as mucosas e a pele.Irrita os olhos.Vômitos. pele e mucosas. .

No caso de inalação de gases de combustão oxigênio para respiração. Profilaxia da pneumonia. No caso de contato com os olhos esticar as pálpebras e retirar as partículas sólidas com cotonetes ou gaze de forma cuidadosa mas completa. Cuidado médico imediato. Deve-se observar o efeito irritante das mucosas do pó fino.E N X O F R E 1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O enxofre elementar é de um modo geral inofensivo. Observar se há edema pulmonar. que quando prolongado pode provocar dermatoses e inflamação das pálpebras. particularmente na ingestão por via oral. . 2. 3. até o momento. não retirar as crostas de enxofre e encaminhar imediatamente ao médico. Aplicar uma pomada oftalmológica anestésica e encaminhar imediatamente ao oftalmologista. causando eventualmente diarréia. Lavar por 15 minutos aproximadamente com água abundante. Cobrir as queimaduras com gaze esterilizada. um antídoto específico. Ar fresco. Em contrapartida não há evidência de danos aos pulmÕes provocados pela inalação do pó de enxofre na fabricação e no processamento do enxofre. No mais tratamento sintomático. Orientação médica ----------------Não se conhece. Transportar o acidentado em posição estável. eventualmente respiração artificial. deitado de lado. Controlar as funçÕes circulatória e pulmonar. O enxofre na forma líquida produz queimaduras graves da pele e a queima do enxofre libera grandes quantidades de dióxido de enxofre. que é fortemente irritante e venenoso. Tratamento sintomático das queimaduras após a retirada das eventuais crostas. Administrar por via oral salmoura quente (1 colher de sopa de sal em um copo de água) e provocar vômito e/ou sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água morna) como laxante. Se houver ocorrido a aspiração de gases de combustão ar fresco. Primeiros socorros -----------------Retirar da área de perigo as pessoas expostas a nuvens de pó de enxofre. No mais tratamento sintomático.

Após a aspiração ar fresco. tetra. repouso. anilina (formador de metahemoglobina).ex. paralisias. em concentraçÕes superiores a 50-60%. A vitamina B6 (100-250 mg) por via endovenosa é interessante em todos os casos. bem como do nível de açúcar no sangue. Não utilizar eméticos. arsênico. A eliminação se dá principalmente por decomposição oxidativa. mercúrio (aumento da reabsorção!). A reabsorção pelo trato (gastro) intestinal é rápida.e nitrobenzol. 40 ml a 40% por via endovenosa lenta ou por infusão endovenosa em gotas (aproximadamente 15 ml de solução a 10% por Kg por hora). as pequenas quantidades residuais são eliminadas pela respiração e pelos rins. depois embriaguez com distúrbios de equilíbrio e de coordenação mental. Segue-se o estado de asfixia com narcose total ou coma profundo com perda dos reflexos. chumbo. Lavagem estomacal somente com intubação. Eventual administração de oxigênio: controle e correção do sistema circulatório e do equilíbrio entre ácidos. cianamida de cálcio. provocar vômitos. dar café forte conforme o caso. Primeiros socorros -----------------Enxaguar bem os respingos sobre os olhos com água corrente. De acordo com as quantidades ocorre o estado de euforia. cianose da pele e mucosas. . carbonato de enxofre. Risco de parada respiratória fatal! 2. Administração de levulose. manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. 3. Devido à grande solubilidade dos lipóides há efeito forte sobre o sistema nervoso central. p. Em caso de ingestão. Não dar carvão animal nem leite.E T A N O L 1. distúrbios de identidade e de consciência. danos localizados às mucosas por desidratação e precipitação de albumina. desde que mantida a plena consciência. No mais tratamento sintomático. Orientação médica ----------------Verificar o funcionamento das funções respiratória e circulatória. bases e eletrólitos. a reabsorção pela pele é reduzida. É perigoso o efeito coincidente de substâncias como tri-. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O álcool provoca. Analépticos centrais. Observar diagnóstico diferencial.

Não administração gorduras. Após a ingestão ocorrem vômitos. com o que se tem um grande efeito de advertência. fechando com gaze solta. Repouso. Orientação médica ----------------Em caso de inalação que apresente risco fazer inalar o mais depressa possível spray de Dexamethason oxigênio. No caso de contato com os olhos enxaguar os olhos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água com lama de carvão ativado. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água). produz danos no organismo. eventualmente auxílio à respiração. Com altas concentraçÕes é possível um efeito narcótico. atacando além do fígado principalmente os nervos. Não fazer infusão com soluções contendo cálcio e potássio sem controle. Cuidado com a aspiração! Eventualmente lavagem estomacal (com carvão ativado) em seguida. Cuidado com os barbitúricos! . Utilizar como laxante sulfato de sódio. 2. 2 colheres de sopa em 1/2 litro de água morna. aquecimento. Este e o ácido oxálico. liberar as vias respiratórias. 3. que é produto da sua decomposição. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação ar fresco. Não utilizar sulfato de magnésio. Observação e tratamento sintomático (edema pulmonar. cólicas e posteriormente os efeitos de reabsorção citados acima. óleos ou leite em hipótese alguma. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O etil glicol acetato atua. seja na forma de vapor a altas concentrações seja na forma de líquido como irritante das mucosas dos olhos e do trato respiratório. Encaminhar ao oftalmologista. broncopneumonia). mas nunca após o aparecimento de sinais de reabsorção. Em caso de ingestão administrar imediata e repetidamente bastante água e fazer vomitar repetidamente. A pele pode absorver dosagens tóxicas sem que se produzam efeitos acentuados de irritação. Aplicar antes na medida do possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt.ETIL GLICOL ACETATO 1. No caso de risco de perda dos sentidos manter e transportar o paciente deitado de lado em posição estável. principalmente associado ao cálcio. No organismo o etil glicol acetato divide-se em ácido acético e etilglicol. Observação das funçÕes orgânicas sob risco. em caso de dispnéia com a cabeça alta.

Orientação médica ----------------Início ou prosseguimento o mais rapidamente possível da profilaxia do edema pulmonar. 2. No caso de inalação. além de edema cerebral. já se tendo registrado muitos casos fatais de envenenamento. 3. queda da pressão arterial e hematúria. Encaminhar ao oftalmologista. Fazer inalar spray de Dexamethason (p. em caso de dispnéia sentado com a cabeça alta. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A etileno cloridrina tem um efeito fortemente irritante dos pulmões. Encaminhar ao médico. A zona de transição entre as concentraçÕes inofensiva e letal parece ser muito estreita.ETILENO CLORIDRINA 1. vômitos (de bile). Profilaxia das infecções. Auxiloson).ex. . como aliás também com a absorção pela pele. Utilizar luvas de neoprene. Lavar bem a área de pele/mucosa atingida com água e sabão. ar fresco. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de ChibroKerakain e após colírio Isogutt fechando com gaze solta. além de um efeito sistêmico muito forte sobre o sistema nervoso central. Manter livres as vias respiratórias. A reabsorção forte pela pele é muito perigosa. Repouso. O efeito sucessivo da exposição a quantidades ou concentraçÕes reduzidas pode se acentuar de forma cumulativa. auxílio à respiração se necessário. No caso de ingestão ocorrem principalmente depressões do sistema nervoso central. Primeiros socorros -----------------Cuidado nas operações de salvamento e de limpeza. manter livres as vias respiratórias. Além disso ocorre. tratamento da insuficiência circulatória. uma série de efeitos sistêmicos como tonturas. o fígado e os rins. vertigem. em caso de necessidade oxigênio. mesmo se da solução aquosa. a circulação. As luvas de borracha não oferecem proteção suficiente. risco de aspiração. Cuidado com os vômitos.ex. Auxiloson). Tratamento intensivo para combate dos efeitos sobre o sistema nervoso central e fígado. pulso irregular. O efeito de advertência dado pela irritação das mucosas externas é reduzido. aquecimento. movimentos descoordenados. No caso de aspiração ocorre edema pulmonar com latência de algumas horas.

eventualmente com lavagem estomacal (acrescentando permanganato de potássio e carvão ativado) e utilizando como laxante sulfato de sódio (2 colheres de sopa em 1/2 litro de água). São raros os envenenamentos em ambiente industrial. No metabolismo intermediário ocorre a metabolização oxidativa em glicolaldeído e glicoxal. Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos com as pálpebras bem abertas. Orientação médica ----------------No caso da ingestão de pequenas quantidades forçar a passagem rápida pelo intestino administrando carvão ativado suficiente. se necessário respiração artificial. aplicando se possível antes 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Aplicar solução de levulose ou dextrose a 5% por via endovenosa (quantidade de acordo com o grau de gravidade e a retenção de líquidos). Repouso. que são responsáveis pelos compomentes neurotóxicos. As doses mais altas provocam hiperemia e sangramento dos rins. eventualmente com carvão ativado. No caso de ingestão o quadro é semelhante ao do envenenamento pelo álcool. Encaminhar ao oftalmologista. cobrindo os olhos com uma gaze solta. começando pela excitação e podendo passar a um estado semelhante ao de uma narcose. 3. Não infundir soluçÕes que contenham potássio sem controle. e a inalação de vapores só é possível na presença de líquidos fortemente aquecidos.ex. Uma dose de aproximadamente 100 ml torna-se letal pela paralisação da respiração e colapso circulatório.ETILENO GLICOL 1. névoa ou fumo ar fresco. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Em caso de ingestão o etanodiol é absorvido rápida e completamente pela mucosa do trato digestivo. Primeiros socorros -----------------Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água. A reabsorção pela pele é reduzida. O ácido glicoxílico e o ácido oxálico que aparecem no decorrer do processo tem efeito de dano aos rins devido à sua característica de precipitar o cálcio. Além do . em caso de dispnéia mantendo-o com a cabeça alta. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. aquecimento. Em caso de inalação de vapores. liberação das vias respiratórias. 2. No mais tratamento sintomático. Dar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água). No caso de ingestão de maiores quantidades provocar vômito imediato. Auxiloson). em caso de perigo de perda dos sentidos conservar e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável.

Administração de quantidade suficiente de líquidos. principalmente a renal. Observação das funçÕes orgânicas sob risco. Risco de anúria. . de gluconato de cálcio (até 20 ml em solução a 20%) por via endovenosa. bem como o equilíbrio ácido-base.controle da circulação e da administração de oxigênio. controlar especialmente os níveis de eletrólitos e de água (acidose).

Sistema nervoso central . sudorese.queimaduras da boca. aromático.F E N O L Sinonímia . característico.Cor: incolor a rosa claro. .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Efeito agudo: -----------. fênico. . clorofórmio. debilidade.Odor: pungente. necrosisciorneal. trato gastrointestinal.Via digestiva . . tosse. Muito solúvel em etanol e éter. e solúvel em água. glicerol e tetracloreto de carbono.Via respiratória .Estado físico: sólido ou líquido (fórmula C6H2OH) . Absorção .cefaléia. vertigens. hidróxibenzeno.Via cutânea e mucosa . faringe. hidróxido de Características Gerais . . ácido carbólico.dispnéia. queimaduras conjuntivais. perturbações visuais. com possibilidade de perfuração. graves queimaduras na pele. .Via respiratória . cianose e edema pulmonar (altamente tóxico por esta via). além de irritação cutânea. Via cutânea e mucosa irritação ocular. Tolerância (valor limite) 4 ppm ou 15 mg/m3. vômitos. dor intestinal e icterícia. náuseas.ácido fenila.o fenol é irritante das vias respiratórias e corrosivo para os tecidos.

Distúrbios digestivos. . . como náuseas e vômitos matutinos.não usar pomadas.Eliminaçåo: o fenol absorvido é excretado totalmente durante a jornada de trabalho. . instilar 2 a 3 gotas de solução pantocaína 0.lavar com água corrente pior 15 minutos. com exposição de 5 mg/m3.3 mg/hora. alteração funcional hepática e renal. .Olhos . cremes ou unguentos nos olhos. se estiver consciente. a não ser com orientação médica. hiperexcitabilidade e astenia são também relatados como efeitos decorrentes da exposição crônica ao fenol.em caso de dor. na urina (forma livre e conjugada). .5% ou solução anestésica de efeito tópico correspondente. A eliminação ao final de um turno.Ingestão . que pode levar à conjuntivite. . além de irritação ocular. deverá estar em torno de 15. .induzir o vômito com solução salina (2 colheres de sopa p/01 copo de água).Efeito crônico: -------------. Tratamento específico .Irritação da mucosa nasal e da faringe.ingerir água em abundância para reduzir a concentração de substância.

Dietil para nitrofenil tiofosfato .respiratória . inflamável.F O L I D O L Sinonímia .musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsões coma parada cardíaca choque insuf.DNTP Características Gerais Líquido amarelo escuro a marrom.Parathion metílico . organofosforado.Tiofosfato de dimetil para nitrofenila . Tolerância (valor limite) Correspondente aos organofosforados. BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr. bem solúvel em água. Absorção Via respiratória Via cutânea e mucosa Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da colinesterase.Folidol etílico . Sintomas: -------Pequenas exposições múltiplas podem apresentar efeito cumulativo.

toplexil) reserpina .3 a 5 mg/Kg.Oxima . teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migristen. até indicarem sinais de atropinização.V. .Lavagem gástrica . .dose máxima . lentamente (+/.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente.aplicar 250 mg E. .. . até completar a dose de 1 g (5 amp).200 mg de solução fisiológica 0. leite ou alimentos gordurosos. em 30 minutos.repetir 200 mg E.9%.Contrathion . .V. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas . . (1 amp) após 10 minutos.não dar óleo. neuleptil. se obtiver resposta satisfatória.1 ml/minuto). (2 amp) dissolvidas em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0. . de 5 a 30 minutos..Tratamento específico . de 6 em 6 horas.aplicar 400 mg E.se necessário.1 a 6 mg E. repetir 200 mg E.Toxogin . até sair limpa.V.Atropina ..Contra-indicação morfina. .V.V.V.9%.aplicar 250 mg E. .

de 5 a 30 minutos. BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr.0 dimetil-s(2.respiratória Tratamento específico .Via cutânea e mucosas Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da colinesterase. bem solúvel em água. em 30 minutos.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente. .0x0 .0.Oxima . Sintomas: -------Pequenas exposiçÕes múltiplas podem apresentar efeito cumulativo.1 a 6 mg E. Absorção .Via respiratória .Omethoate . inseticida organofosforado. até indicarem sinais de atropinização.3-aza-butil)monotiofosfato Características Gerais Líquido. inflamável. de amarelo escuro a marrom. .musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf.V.F O L I M A T Sinonímia .Atropina .

V.Contra-indicação morfina. se obtiver resposta satisfatória. . após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas.aplicar 250 mg E. ... teofilina (aminofilina) tranqÜilizantes fenotiazinas (migistren. até sair limpa.aplicar 250 mg E.aplicar 400 mg E.9%.V.V.V..repetir 200 mg E. lentamente (+/. repetir 200 mg E.1 ml/minuto). .V. .Lavagem gástrica . .Contrathion . toplexil) reserpina . de 6 em 6 horas.não dar óleo. até completar a dose de 1 g (5 amp). . neuleptil.se necessário.3 a 5 mg/Kg. (1 amp) após 10 minutos.Toxogin . leite ou alimentos gordurosos. (2 amp) dissolvidos em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0.dose máxima .9%.200 mg de solução fisiológica 0. . .

Sintomas: -------Pequenas exposiçÕes múltiplas podem apresentar efeito cumulativo. .2-bis-(p-clorofenil)1-1-1-tricloroetano Diclodifenil .Via respiratória.Inseticidas . Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da colinesterase. .DDT .0 dimetil-0(3-metil-4-nitrofenil)tiofosfato 2.musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf.organo clorado (DDT) .Via cutânea íntegra (ambos) e mucosa.líquido amarelo e marrom. BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr.cristais incolores. pó branco.organo fosforado (fenitrothion) .Fenitrothion . Absorção .DDT ULTRA Sinonímia Fenitrothion Folithion DDT 0.tricloroetano Características Gerais .Inflamável 1 B. .FOLITHION .respiratória .

.Lavagem gástrica .dose máxima .V.V.V.V. de 6 em 6 horas. . até indicarem sinais de atropinização. .V.Contrathion . até completar a dose de 1 g (5 amp).1 ml/minuto).Oxima . se obtiver resposta satisfatória.Atropina .iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas.aplicar 400 mg E.Toxogin . .aplicar 250 mg E. repetir 200 mg E.200 mg de solução fisiológica 0. (1 amp) após 10 minutos. (2 amp) dissolvidos em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0. . de 5 a 30 minutos. .3 a 5 mg/Kg.se necessário. . até sair limpa...Tratamento específico . lentamente (+/.repetir 200 mg E. .9%.aplicar 250 mg E. . .9%.1 a 6 mg E.não dar óleo..V. leite ou alimentos gordurosos. em 30 minutos.

Oximetileno .FORMALDEÍDO Sinonímia .Via respiratória .Aldeído metílico . Pode ser narcótico (sonolento) em baixas concentraçÕes e inflamável.Via digestiva . Irritante e altamente solúvel em água.5 mg/m3 Absorção .Metanol . Tolerância (valor limite) 1 ppm/1. conjuntivite Queimaduras de córnea Coloração parda da pele Dermatites: urticária Erupção pulsovisicular Inalação Rinites e anosmia Faringites Espasmos da laringe Traqueítes e bronquites Edema pulmonar Tosse Dispnéia Cefaléia Debilidade .Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Local Irritante e necrose Irritação dos olhos.Aldeído fórmico . odor penetrante e reconhecível em baixas concentraçÕes.Paraformaldeído Características Gerais Gás incolor.Farmalina .

.não dar óleo.V.V. até sair limpa. neuleptil.Lavagem gástrica .V.Palpitação .aplicar 250 mg E.V. .dose máxima .V.1 ml/minuto)..Contrathion .9%. . .Oxima .V.1 a 6 mg E. .aplicar 250 mg E. . repetir 200 mg E. se obtiver resposta satisfatória. . lentamente (+/. de 6 em 6 horas.se necessário. até completar a dose de 1 g (5 amp). até indicarem sinais de atropinização..repetir 200 mg E.aplicar 400 mg E.Toxogin . toplexil) reserpina . . Tratamento específico .9%.200 mg de solução fisiológica 0.3 a 5 mg/Kg. . de 5 a 30 minutos. após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas. . (2 amp) dissolvidos em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0.Atropina .. (1 amp) após 10 minutos.Contra-indicação morfina. em 30 minutos. leite ou alimentos gordurosos. .ácido fórmico na urina.Gastroenterites Ingestão Queimaduras da boca do esôfago Náuseas e vômitos Dor abdominal Diarréia Vertigem Inconsciência Icterícia Albuminúria Hematúria e anúria Acidose convulsÕes Testes de diagnóstico .Formaldeído no ar expirado e na urina.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente.. teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migristen.

.Não se tem encontrado lesões permanentes.Sequelas .

choque.Via cutânea Patologia Icterícia Lesão direta das paredes dos vasos sanguíneos Irritante Hemorragias Degeneração gordurosa Necrose do fígado e dos rins Congestão e erosão do trato gastro intestinal Osteoporose.Via digestiva .Fósforo branco . náuseas. sangue e sedimentos na urina.Via respiratória . diarréia com depósitos de sangue.Agudos: -----Os sintomas iniciais podem persistir durante vários dias e se desenvolver logo numa forma mais intensa: sede exagerada. Também em forma radioativa. inquietação. destruição dos tecidos com distúrbios no metabolismo dos carboidratos. vômitos.Tetrafósforo Características Gerais Elemento químico não metálico.Fósforo amarelo .1 mg/m3 ar / altamente tóxica. hematemese.FÓSFORO Sinonímia . Queima espontaneamente quando em contato com o ar. queimaduras profundas da pele. hemorragia por petéquias múltiplas. Insolúvel em água e solúvel em gordura (liposolúvel).0. oligúria e anúria. Absorção . sólido branco/amarelo. hepatomegalia. desequilíbrio e convulsÕes. cianose. Tolerância (valor limite) . coma. especialmente da mandíbula Efeitos (sinais e sintomas) . icterícia. (dor epigástrica). dor abdominal intensa. lipídios e proteínas . presença de albumina.

no fígado; deposição de glicogênio deposição de gordura é aumentada.

no

fígado

é

inibida

e

- Crônicos: -------Estomatites ulcerativas, perda dos dentes, anorexia e perda de peso, absorção crônica aumenta a formação óssea sob cartilagem epifiseal e obstrui a circulação no osso devido a formação óssea nos canais de HAVER, levando a necrose e seqüestração do osso, ocorrendo mais freqüentemente na mandíbula, debilidade, bronquites, anemia, hepatomegalia e icterícia. As principais manifestações da intoxicação são icterícia e colapso. Sequelas As lesÕes dos rins, fígado e cérebro podem ser permanentes. Testes de diagnóstico - Fósforo em vômitos e fezes - Vômitos fosforescentes - Aumento da excreção de aminoácidos em urina. Tratamentos - Pele - Lavar imediatamente a parte contaminada do corpo com água, após, lavar as áreas queimadas com solução de sulfato de cobre a 5%. - Ingestão - Dar 0,2 g de sulfato de cobre por via oral a cada 10 minutos até provocar vômito; - Lavagem gástrica com solução de permanganato de potássio a 0,1% ou peróxido de hidrogênio a 0,2%; - Seguir com a administração de 120 ml de óleo mineral e 4g de sulfato de sódio, seguido por 30 a 60 ml (Fleetenema Ayerst) diluído 1:4, repetir após 2 horas. Tratar edema pulmonar e choque.

FOSGÊNIO - COCl2

Sinonímia Carbonicloreto Cloreto de cloroformila Cloreto de óxido de carbono Cloreto de carbonila

Características Gerais Altamente tóxico, gás, incolor, mais pesado que o ar, em baixas concentraçÕes, odor adocicado de frutas; em altas concentraçÕes, ao de frutas podres; gás liquefeito tem coloração verde amarelado, extremamente frio, vaporizando com grande rapidez. Não inflamável, em temperatura de 300 graus centígrados ocorre decomposição em CO e Cloro. Pode ser narcótico (sonolento) em baixas concentraçÕes e inflamável. Solubiliza em água decompondo-se em HCL (ácido Clorídrico) e CO2. Tolerância (valor limite) - 0,08 ppm. Absorção - Via cutânea - Via respiratória - Via mucosa Efeitos (sinais e sintomas) - Cutâneas e mucosas: provoca queimaduras graves quando em estado líquido. - Respiratória: ocorrem dois efeitos quando inalados: 10. Em conseqüência da hidrólise e formação de ácido fluorídrico ocorre deterioração do epitélio pulmonar sendo este efeito secundário na patologia. 20. Reações químicas muito rápidas no grupo carbonila com aminoácidos e enzimas, bloqueando funçÕes metabólicas vitais. Este efeito pode ser detectado muito antes do surgimento do edema pulmonar. Surge após inalar pequenas concentraçÕes durante um curto espaço de tempo - 5 ppm - 1 min, sem efeitos irritantes localizados e após latência de 24 horas.

- concentraçÕes mais elevadas tem efeito irritante sobre as mucosas e musculatura brônquica e concentraçÕes muito elevadas ocorre o sufocamento antes de desenvolver edema pulmonar. Sintomas - Principais manifestações são cárdio respiratórias. - Pequenas quantidades podem desencadear efeito tóxico sem efeitos irritantes locais e após período de latência de 24 horas. - concentraçÕes mais elevadas tem efeito irritante sobre mucosas e musculaturas bronquiais. - concentraçÕes extremamente elevadas levam a sufocamento antes de desenvolver efeito pulmonar. Tratamento imediato - Pele - Lavar c/solução de carbonato de sódio. - Respiratória - Proceder teste de exposição ao fosgênio - expor a plaqueta piloto do acidentado aos vapores de hidróxido de amônia até a mudança de coloração e comparar o resultado, seguindo a avaliação conforme tratamento específico (em anexo). - Broncodilatador - auxiloson spray (vide anexo). - Corticosteróide - 25 ppm - Hostacortin - 50 ppm - Flebocortid -100 ppm - Flebocortid 25mg IM 500mg EV 500mg EV

- Oxigênio - Respiração artificial se necessário. Máscara c/4 1/min. - Antibióticos. - Hidratação - Soro glicosado 5% 500 ml (manutenção de veia) - Repouso Controle sinais vitais Radiografia tórax após 8 hs.

HEXACLOROBENZENO

Sinonímia - Perclorobenzeno Características Gerais - Agulhas cristalinas, brancas Tolerância (valor limite) - 50 ppm no ar. Absorção - Via respiratória - Via digestiva - Via cutânea e mucosa Efeitos (sinais e sintomas) É estimulante do SNC provocando: cefaléia; vertigem; náuseas e vômitos; adormecimento de mãos e braços; apreensão e excitação; tremores das extremidades; paralisia parcial das extremidades e ataxia; perda do sentido vibratório e proprioceptivo; coma; convulsÕes; pode apresentar porfiria cutânea com fotossensibilidade; hepatomegalia e parafirinúria. Tratamento específico . Lavagem gástrica, se ingerido, seguido de purgante salino. . Gluconato muscular. de cálcio 10%, por via endovenosa, para espasmo

. Dieta rica em hidratos de carbono e vitaminas.

Dada a temperatura muito baixa do seu vapor só os aerosóis tem significado tecnológico a temperatura ambiente. Observar efeitos posteriores. enquanto que quantidades reduzidas já produzem danos graves aos olhos. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt fechando com gaze solta. Profilaxia de infecção secundária das vias respiratórias. Auxiloson) como profilaxia contra a ameaça de um edema pulmonar. Auxiloson). Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. No caso da inalação de gases de queima fazer inalar Dexamethason (p. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a área de pele/mucosa atingida com água. mesmo com altas concentraçÕes. O efeito de sensibilização parece ser mais fraco do que o do tolueno diisocianato. aquecimento. tais como conjuntivite. O quadro de envenenamento que se desenvolve é típico dos isocianatos.HEXAMETILENO DIISOCIANATO (HDI) 1. Em caso de incêndio formam-se gases nitrosos que podem provocar edema pulmonar após sua tempo de latência. Encaminhar ao médico.ex. espasmos brônquicos. No caso de inalação. 3. A forte reação com água faz com que o efeito sobre os olhos e as vias respiratórias superiores fique limitado. O contato com a pele determina uma irritação forte das áreas atingidas. traqueíte e bronquite. ataques asmáticos. 2.ex. Pesquisa de controle conforme BG-Grundsatz G 27. substâncias broncodilatadoras. ar fresco. principalmente se de gases de queima. com tosse. Orientação médica ----------------Tratamento sintomático com oxigênio. eventualmente com sabão. em caso de dispnéia sentado com a cabeça alta. Encaminhar ao oftalmologista. manter livres as vias respiratórias. bronquite. . Repouso. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O HDI é forte irritante da pele e das mucosas dos olhos e das vias respiratórias. Como não se forma ácido cianídrico não ocorre dano ao sangue.

bem como controle do hemograma. dependendo das circunstâncias após uma latência de várias horas tontura. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------De acordo com a concentração. manutenção e transporte do acidentado deitado de lado em posição estável. Perigo de opacidade permanente da córnea. efeito de gases de combustão. aquecimento. também. Tempo de observação prolongado (edema pulmonar). atingindo a córnea no caso de contato com os olhos. perda de peso. bem como irritações localizadas das mucosas atingidas dos olhos e das vias respiratórias. Em caso de contato com os olhos lavar por alguns minutos com água corrente com as pálpebras bem abertas. Em caso de ingestão da solução diluída por via oral fazer beber imediata e repetidamente água abundante com bastante carvão ativado. Primeiros socorros -----------------Lavar a área de pele atingida com água. No caso de espasmos administrar oxigênio e eventualmente barbitúricos de ação rápida como Hexobarbital. No caso de ingestão administrar imediata e repetidamente água abundante com carvão ativado. Em caso de aspiração ocorre. Liberar as vias respiratórias. 2. . 3. associadas a dispnéia. a hidrazina atua como irritante ou corrosiva da pele e das mucosas. Segue-se tratamento pelo oftalmologista. serve como alerta. O produto demonstrou-se cancerígeno em experimentos realizados com animais. vômitos. repouso. Eventualmente profilaxia do Prednisolon. fazendo com que a ingestão seja quase impossível.HIDRAZINA 1. principalmente se houver ocorrido. tremores musculares e espasmos. danos renais e adipose nos lóbulos centrais do fígado. No caso de aspiração de pó ou névoa ar fresco. Orientação médica ----------------Lavar o local com água abundante. Há possibilidade de inflamação da pele pelo contato repetido e de efeito fortemente sensibilizador. e em seguida leite ou sopa de aveia. Como efeitos crônicos observaram-se anorexia. Evipan-natrium por via endovenosa. Repouso absoluto. Nos casos mais graves remoção para clínicas especializadas com observação das funçÕes hepática e renal. utilizar eventualmente atadura com unguento. que lembra o amoníaco. Aplicar sempre que possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain antes da lavagem e após a lavagem um colírio Isogutt e cobrir com gaze solta. O cheiro penetrante.

5g de THAM/Kg Repouso absoluto. 3. No caso de inalação de vapores ar fresco. no caso de perda dos sentidos colocar o acidentado e transportá-lo deitado de lado em posição estável. Eventualmente infusões de um total de 0. No caso de parada respiratória e espasmos a solução na maior parte dos casos é o tratamento de choque. Traqueíte. laringite. ou de preferência com água com vinagre. Combater a tosse com Hidrocodon. esôfago e estômago. Orientação médica ----------------No caso de inalação de vapores de amoníaco fazer inalar o mais rapidamente possível spray de Auxiloson. vômito com sangue. de acordo com a disponibilidade fazer inalar prolongadamente vapor de água ou vapor de água com vinagre. Pode ocorrer. tosse. Retirar os respingos dos olhos lavando-os com água corrente ou com solução fisiológica de cloreto de sódio durante alguns minutos. passada com abundância. 2. que pode ser substituído por oxigênio com ácido acético a 7%. Observação das funçÕes circulatória e pulmonar e do equilíbrio ácido-base. Manter as vias respiratórias livres por aspiração. Prescrever repouso absoluto. O efeito é somente local na maior parte dos casos. Primeiros socorros -----------------Lavar imediatamente a pele atingida com água corrente. A ingestão provoca dores fortes de queimadura na boca. aquecimento. a morte do indivíduo exposto por perfuração do estômago ou mediastinite. Trata-se sempre de um quadro grave com sintomas localizados e gerais. aquecimento. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O amoníaco provoca efeitos significativos de irritação sobre a pele e mucosas. entretanto.HIDRÓXIDO DE AMÔNIA (20 A 35% NH3) 1. mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. profilaxia da infecção. Dilaudid (0. como o avermelhamento por inflamação e a formação de bolhas.001) ou Dicodid. Profilaxia da pneumonia com antibióticos. havendo sinais de edema pulmonar durante o tempo de latência aplicar profilaticamente altas doses de Prednisolon por via endovenosa. diarréia com sangue. repouso. 3 a 5 ml de amônia são letais para o ser humano. bronquite. eventualmente auxílio à respiração. levando à cegueira. danos à íris e ao corpo vítreo. Morfina somente em doses pequenas! Em caso de ingestão não provocar vômitos de imediato e sim administrar bastante água e tão logo quanto possível vinagre ou suco de limão diluídos (só se faz lavagem estomacal quando de imediato e com sonda fina). O efeito localizado do vapor sobre os olhos pode provocar catarata. . Encaminhar imediatamente ao oftalmologista.

combate à dor. Auxílio à respiração. profilaxia das infecçÕes. . Infusão de sangue com 100 . sedativos no caso de convulsÕes. controle da circulação. Não administrar ACTH. oxigênio (traqueotomia). não entubar (Bougie). terapia de choque.200 mg de hidrocortisona e dependendo das condições noradrenalina.Sedação. posteriormente profilaxia da estenose.

Profilaxia da pneumonia com antibióticos. laringite. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O amoníaco é um gás irritante com efeito localizado pronunciado e sem ação reabsorvente. Combater a tosse com Hydrocodon ou Dilaudid.5g de THAM/Kg. Repouso absoluto.HIDRÓXIDO DE AMÔNIA 1. repouso. traqueobronquite). chegando ao edema pulmonar. No caso de inalação de vapores ar fresco. ou de preferência com água com vinagre. Orientação médica ----------------No caso de inalação fazer inalar o mais rapidamente possível spray de Auxiloson. A solução concentrada. cefaléia. Primeiros socorros -----------------Lavar imediatamente a pele atingida com água corrente. As consequências podem ser perda do epitélio da córnea e glaucoma. Os efeitos mais fortes ocorrem sobre os olhos e as vias respiratórias superiores (faringite. Encaminhar imediatamente ao oftalmologista. bem como o gás concentrado exercem efeito fortemente corrosivo sobre a pele. No caso da inalação de doses mais altas risco de vida pela formação de edema da glote e outros danos graves às mucosas do aparelho respiratório. O olho fica particularmente ameaçado pela difusão da substância no seu interior. As consequências. demoram alguns dias para se manifestar. No caso de perda dos sentidos colocar o acidentado e transportá-lo deitado de lado em posição estável. de acordo com a disponibilidade fazer inalar prolongadamente vapor de água ou vapor de água com vinagre. mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. 3. eventualmente bradicardia. aquecimento. devido à hidrosolubilidade extremamente alta da substância. Havendo sinais de edema pulmonar durante o tempo de latência aplicar profilaticamente altas doses de Prednisolon por via endovenosa. aquecimento. profilaxia da infecção. vertigens. eventualmente auxílio à respiração. Manter as vias respiratórias livres por . salivação. A toxicidade reside no efeito fortemente alcalino do hidróxido de amônia que se forma sobre as mucosas. mesmo as oftalmológicas. que pode ser substituído por oxigênio com ácido acético a 7%. Prescrever repouso absoluto. Eventualmente infusÕes de um total de 0. tosse. Além disso sintomas de caráter geral como náuseas. Observação das funções circulatória e pulmonar e do equilíbrio ácido-base. É freqüente que não se perceba de imediato a extensão dos danos. Retirar os respingos dos olhos lavando-os com água corrente ou com solução fisiológica de cloreto de sódio durante alguns minutos. 2.

Sedação. terapia de choque. Morfina somente em doses pequenas! Em caso de ingestão não provocar vómitos de imediato e sim administrar bastante água e tão logo quanto possível vinagre ou suco de limão diluídos (só se faz lavagem estomacal quando de imediato e com sonda fina). sedativos no caso de convulsÕes.200 mg de hidrocortisona e dependendo das condiçÕes noradrenalina. combate à dor.aspiração. Infusão de sangue com 100 . Auxílio à respiração. controle da circulação. oxigênio (traqueotomia). . posteriormente profilaxia da estenose. profilaxia das infecçÕes.

Descanso. devido às suas propriedades fortemente higroscópicas. 2. Primeiros socorros -----------------Lavar a pele atingida com água. Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos com as pálpebras bem abertas. Nas mucosas e nos olhos aparecem bolhas. cobrindo os olhos com uma gaze solta. ulcerações e turvação da córnea.HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO 1. . Em caso de inalação de pó/névoa ar fresco. Encaminhar ao oftalmologista. manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Em caso de ingestão fazer beber água suficiente e repetidamente para provocar vómitos sucessivos. A sua propriedade. leva a danos de grandes áreas das vias respiratórias superiores. No caso de edema de glote devido à aspiração de névoa do produto intubação. comum a todos os alcalis. que pode se liberar p. fazer aspirar o mais rapidamente possível spray de Dexamethason (p. A aspiração de névoa fina. Profilaxia do choque com expansor de plasma. 3. porque pode haver risco de perfuração do estômago.ex. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O hidróxido de potássio sólido. Combate à dor com Dolantin. nos processos de dissolução. Auxiloson). aquecimento. Em caso de efeito corrosivo sobre os olhos internação imediata. Orientação médica ----------------Diluição o mais rápida possível do álcali pelo enxaguamento prolongado das áreas de pele atingidas com água. no caso de corrosão extensa da boca e faringe pode ser necessária a traqueotomia. Onde houver se iniciado o processo corrosivo cobrir com gaze esterilizada. de dissolver a albumina leva rapidamente a destruições profundas dos tecidos (necrose coliquativa) com dores fortes. aplicando se possível antes 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt.ex. evitar os vômitos. aplicação local de Thesit-Gel ou Targophagin para ser absorvido lentamente por via oral. atua praticamente sempre na forma de solução concentrada na pele e mucosas de forma particularmente intensa quando em granulação fina ou quando a exposição é demorada. que pode levar à cegueira. Se esta lavagem imediata não for possível.

BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr. inflamável. .1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos.Oxima .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da acetilcolinesterase. Absorção .Atropina . .Correspondente aos organofosforados.Via cutânea e mucosa . fungicida organofosforado.O. em 30 minutos até indicarem sinais de atropinização.musculares ataxia com efeito cumulativo nas GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf.HINOSAN 500 Sinonímia . etil-ss-difenil-ditiofosfato Características Gerais Líquido. Tolerância (valor limite) .iniciar 5 minutos após atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente. pequenas exposiçÕes múltiplas.Edifenphos . solúvel.respiratória Tratamento imediato . incolor a marrom.

Toxogonin: ---------. até completar a dose de 1 g (5 amp). de 6 em 6 horas. se obtiver resposta satisfatória.aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0.Lavagem gástrica . .Aplicar 250 mg EV.Repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 min. toplexil) reserpina .Se necessário repetir 200 mg EV.Contra-indicações morfina teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migristen.Dose máxima 3 a 5 mg/Kg. .1 ml/min). lentamente (+/. . até sair limpa. neuleptil.200 mg de solução fisiológica 0.9%. . Não dar óleo.9%. .aplicar 250 mg EV. leite ou alimento gorduroso. . após 10 min e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas.Contrathion ----------.

aquecimento. 2. Evitar vômitos na medida do possível. Auxiloson). controle do equilíbrio de água e dos eletrólitos. Encaminhar ao oftalmologista. Primeiros socorros -----------------Lavar bem com água a pele/mucosa atingida. eventualmente auxílio à respiração.ex. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água). aquecimento. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão administrar o mais rapidamente possível bastante água com carvão ativado. sedativos. Repouso. fechando com uma gaze solta. Em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. após o que é seriamente contraindicada. se possível com carvão ativado (3 a 4 colheres de sopa). Aplicar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. e de acordo com as circunstâncias medicação para a circulação e antibióticos. Repouso. o efeito combinado equivale ao de um envenenamento alcalino com forte ataque aos tecidos. manter livres as vias respiratórias. Em caso de inalação ar fresco. aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. 3. com solução fraca de ácido acético ou cítrico. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O efeito do hipoclorito de sódio se dá por um lado devido à sua forte reação alcalina e por outro devido ao caráter fortemente oxidante dos ácidos subclóricos subjacentes e dos produtos de sua reação em contato com material orgânico. Em caso de dispnéia transportar o acidentado para o médico com a cabeça alta. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas.HIPOCLORITO DE SÓDIO 1. Analgésicos. . A lavagem estomacal só pode ser feita nos primeiros quinze minutos após o envenenamento. Em caso de ingestão fazer beber imediata e repetidamente água. eventualmente com sabão. Possibilidade de formação de bolhas na pele.

Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos com as pálpebras do acidentado bem abertas. Ele apresenta um efeito protoplasmático geral e pode ser considerado como um veneno celular fraco. 3. Fazer beber água abundante. como irritante local. Primeiros socorros -----------------Lavar a pele atingida com água abundante. embriaguez ou perda dos sentidos. albumina e vitaminas e pobre em gordura. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão cuidado com os vómitos e lavagens estomacais (risco de aspiração). sonolência. de acordo com a quantidade absorvida. Na convalescença dieta rica em hidratos de carbono. Os distúrbios hepáticos e renais são raros. O efeito geral é comparável ao do etanol. Os danos ocorridos em ambiente industrial podem resultar tanto da inalação dos vapores (eventualmente quentes como da ingestão inadvertida. . em caso de dispnéia com a cabeça alta. principalmente das mucosas. auxílio à respiração. enquanto que a concentraçÕes mais altas funciona como inibidor da colinesterase. No mais tratamento sintomático. são cefaléia. como vapor e como líquido. Controle e correção da circulação. Os vapores têm efeito anestésico. do equilíbrio de ácidos e bases e dos eletrólitos. Não administrar em hipótese alguma óleos graxos ou leite. tonturas. utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água) com bastante carvão ativado. bem como do nível de açúcar no sangue. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O isopropanol atua. Em caso de inalação ar fresco. aquecimento.ISOPROPANOL 1. Em caso de perigo de perda dos sentidos colocar e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Os sintomas. Em caso de necessidade oxigênio. Os vômitos associados à perda dos sentidos são perigosos. 2. A uma determinada concentração ideal atua como ativador da colinesterase.

metilfenil) Características Gerais Líquido.Inibição da acetilcolinesterase.respiratória Tratamento imediato . BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr.Atropina .LEBAYCID TIGUVON 15 SPOT-ON Sinonímia . em 30 minutos até indicarem sinais de atropinização. escuro. organofosforado. com efeito cumulativo nas pequenas exposiçÕes múltiplas.1 a 6 mg EV de 5 a 30 minutos. inflamável.Mucosas . .Pele íntegra . amarelo água.iniciar 5 minutos após atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente.Oxima .0-dimetil-0 (4-metil mercapto-3 . Absorção .Respiratória Efeitos (sinais e sintomas) .musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf.Tiguvon 15 SPOT-ON . solúvel em Tolerância (valor limite) .Fenthion (0. .correspondente aos organofosforados.

aplicar 250 mg EV. após 10 min e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas.9%.Aplicar 250 mg EV.1 ml/min).Se necessário repetir 200 mg EV. .aplicar 400 mg EV (2 amp) dissolvida em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0. . leite ou alimento gorduroso.Dose máxima 3 a 5 mg/Kg. . até completar a dose de 1 g (5 amp). . toplexil) reserpina . Toxogonin: ---------. .Contrathion ----------. Não dar óleo. de 6 em 6 horas.Repetir 200 mg EV (1 amp) após 10 min. se obtiver resposta satisfatória.9%. neuleptil.Lavagem gástrica . até sair limpa.Contra-indicaçÕes morfina teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migristen.200 mg de solução fisiológica 0. . lentamente (+/.

1 a 4 mg/min .Via cutânea .infusão em SG 5% (xilocaína 2% . . .choque em intoxicações com doses muito elevadas. Características Gerais Pó. Absorção . inflamável com produção de HCl (ácido clorídrico).absorção causa fraqueza muscular. derivados clorofenoxis herbicida.Ingestão . solução em água. rubor na pele.SNC . faringe e abdome.ácido 2 metil 4 clorofenoxi acético.Lidocaína .Via digestiva . Tratamento específico Carvão ativado após catárticos salinos.Pele .Não determinado.controle das arritmias cardíacas 50 a 100 mg EV.Coração . . . cristais incolores até branco com cheiro imperceptível. .de quantidade próxima à dose letal causa queimação na língua. dor e fraqueza muscular. ação hormonal. vômitos.Urina .Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) .escura após 1 semana. emese ou lavagem gástrica. Tolerância (valor limite) . .distúrbios de ritmo cardíaco.Principais são fraqueza e hipertensão arterial. seguido de .60ml). . .convulsÕes.M C P A Sinonímia .

..Fenobarbital (gardenal) . enquanto houver .controle das convulsões. Bicarbonato de sódio 10 a 15 g/dia.controle da febre.Envoltório gelados . hemoglobinúria.

Tolerância (valor limite) . elementar. tosse.Via cutânea e mucosa . náuseas. perturbações vasomotoras. bronquite. em ácidos minerais diluídos e solúvel em amônia. salivação. Alguns dias após a . choque. edema e pústula ulcerosa nas extremidades dos dedos.1 mg/m3 de ar Absorção . insolúvel em água quente ou fria. .Via respiratória: a inalação de vapores do mercúrio provoca irritação no trato respiratório. aumento dos reflexos tendinosos profundos. hematúria. albuminúria.Via respiratória . queimaduras na boca e garganta. dor abdominal acentuada.04 mg/m3 0. oligúria.no ambiente de trabalho: 0. Não possui propriedade inflamável. gosto metálico.MERCÚRIO Sinonímia . inquietação e irritabilidade. lesão renal. insônia. . O mercúrio elementar pode ser absorvido pela pele tanto na forma líquida como de vapor produzindo efeitos sistêmicos. A nível de SNC são observados: cefaléia. sede. edema agudo do pulmão. vertigem. cor prateada/metálica e inodoro.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) . Os cloretos e nitritos mercuriais são extremamente corrosivos ao contato com a pele. estomatite. vômitos. arritmias cardíacas.Via digestiva: gosto metálico na boca. diarréia sanguinolenta. ataxia.Mercúrio metálico. tremores.Via cutânea e mucosa: os sais de mercúrio provocam irritação cutânea. Características Gerais Elemento químico de estado físico líquido.

constituem os primeiros sinais observados na intoxicação a longo prazo.Outros sintomas: inflamação e sangramento das gengivas. então cada 12 horas durante 10 dias. observando o estado do paciente até que a excreção urinária seja normal.Administrar BAL de 3 a 4 mg/Kg IM. até que a excreção urinária do mercúrio seja normal). repetir após 2 semanas. Na intoxicação crônica. dores nas gengivas e mucosa bucal. . . repetir após o intervalo de 2 a 3 semanas. tremores nos braços.Administrar antibióticos (pneumonia química). EV.VO . Tratamento específico . durante 5 dias.Lavagem gástrica com água albuminosa bicarbonatada. .Tratar anúria. sendo eficazes: CaNa2 EDTA cálcio dissódio etilenodiaminotetraacetato (20 mg/Kg por dia. Gosto metálico na boca. durante 10 dias.4 vezes ao dia). mãos e nas pernas.Exposição a longo prazo: salivação abundante. . cada 4 horas durante os primeiros dois dias. e penicilina (250 mg .ingestão o fluxo urinário diminui e a morte pode ocorrer devido à uremia. . . o BAL ativo não tem efeito.

Distúrbios neurológicos. .METANOL Sinonímia álcool metílico Espírito colonial álcool de madeira Espírito de madeira metil carbinol Características Gerais Líquido ligeiramente incolor e inflamável.O metanol é absorvido por essa via podendo causar desengorduramento da pele e dermatite.Via respiratória: ---------------O metanol é irritante para o trato respiratório em concentração acima de 2000 ppm. como irritação da mucosa respiratória.Distúrbios locais. insônia. neuro depressão e possível neurite acústica. distúrbios digestivos como náuseas e vômitos.A ingestão de 30 a 100 ml de metanol é mortal para o adulto e os distúrbios aparecem após um tempo de latência de algumas horas ou dias e podem ser: . pele e olhos. .Via cutânea e mucosa .náuseas . vertigens. ataxia. Absorção . . como cefaléia. fadiga. .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) .Via respiratória .Via digestiva: ------------.Via cutânea e mucosa: -------------------.dor epigástrica .Distúrbios visuais com possível cegueira. .vômitos .

uma solução de bicarbonato ou lactato de sódio controlando a reserva alcalina. vertigens.distúrbios hemodinâmicos com hipotensão. .- distúrbios neuro psíquicos como cefaléia.distúrbios oculares como midríase. Tratamento específico . ausência de reflexo a luz e cegueira.Manter o estado nutritivo adequado administrando pequenas quantidades de alimento em intervalos regulares de 3 a 4 horas. astenia. .Manter funções vitais. . que pode levar ao coma. . durante 12 horas.Ingestão .lavagem gástrica com uma solução de carvão ativo (40 60 g/l). . Administrar álcool etílico para inibir a oxidação do álcool metílico.distúrbios metabólicos como acidose e acetonúria.Combater a hipotensão. embriaguez. . ingerindo 3 litros de uma solução de álcool etílico a 5%. . sonolência e delírio. .Combater a acidose administrando EV ou via oral.

A ação da metil-n-butil-cetona ou do n-hexano parecem ser potencializadas pela presença da metiletilcetona (o que não ocorre com a metilisobutilcetona). vômitos. fechando com uma gaze solta. No caso de exposição prolongada dos olhos ao líquido podem ocorrer danos graves à córnea. Já se reconheceu uma tendência a prejudicar a descendência. Em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. Na forma crônica ocorre o aparecimento de polineurite sensível-motora.METILETILCETONA 1. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. eventualmente auxílio à respiração. aquecimento. Orientação médica ----------------Iniciar ou continuar os primeiros socorros. Indicar ao médico e à clínica a denominação do material perigoso e eventualmente encaminhar amostra com maiores informações. cefaléia. sensações de vertigens e de angústia. Auxiloson). Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água. no mais tratamento sintomático. mas ainda não foi possível estabelecer uma classificação unívoca (Grupo D). Normalmente só é necessária a internação no caso de ingestão de grandes quantidades. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A metiletilcetona é de início narcótica. Nos casos graves náusea. Controle do equilíbrio ácido-base e da reserva de álcalis. liberar as vias respiratórias. O contato com a pele. sendo que em dois deles houve o efeito sinergético da acetona. Encaminhar ao oftalmologista. Os envenenamentos agudos com a metiletilcetona de que se tem notícia até o momento são raros. 3. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação ar fresco. Inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Repouso. Não dar óleos graxos ou leite ao acidentado em hipótese alguma. . 2. O seu efeito irritante relativamente forte sobre os olhos e as vias respiratórias é surpreendente (efeito de advertência). mesmo com os vapores concentrados pode provocar danos à pele. narcose. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água) com bastante carvão ativado. Em caso de risco de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. em caso de dispnéia com a cabeça alta. se possível com carvão ativado. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas.ex.

3. eventual auxílio à respiração. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação ar fresco. se possível com carvão ativado. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água) com bastante carvão ativado. Repouso. Em caso de contato com os olhos lavar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Encaminhar ao oftalmologista. Em geral a internação só é necessária no caso de ingestão de grandes quantidades. No caso de risco de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Auxiloson). Encaminhar ao médico/clínica a designação do material e eventualmente uma amostra. A concentração de 1000 ml/m3 leva (conforme relatório da ICI) com inalações prolongadas a forte secreção de saliva e lágrimas. Na faixa do valor MAK (100 ml/m3) encontram-se relatos sobre cefaléias e tonturas. fechando com uma gaze solta. Fazer inalar o mais depressa possível o spray de Dexamethason (p. em caso de ingestão desenvenenamento por passagem forçada pelo intestino com adição de carvão ativado. aquecimento. Controle do equilíbrio ácido-base e da reserva de álcalis. liberar as vias respiratórias. Não dar ao acidentado óleos graxos ou leite em hipótese alguma.METILISOBUTILCETONA 1. Orientação médica ----------------Início ou prosseguimento dos primeiros socorros. em caso de dispnéia com a cabeça alta.ex. que só se mantém durante alguns dias. As concentrações de vapor mais altas têm ação levemente anestésica. 2. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A metilisobutilcetona atua principalmente como irritante local da pele e olhos. Em caso de ingestão dar imediata e repetidamente bastante água. No mais tratamento sintomático. Pode ocorrer tolerância passageira a valores mais altos. A irritação só desaparece abaixo de 20 ml/m3. . Aplicar antes na medida do possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt.

3. 3 ml/Kg) e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água). Em caso de ingestão evitar vômitos. eventualmente oxigênio. Não se conhece efeito hematológico nocivo semelhante ao que ocorre com o benzol. Encaminhar ao médico. aquecimento. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. . de qualquer forma. Controle do equilíbrio ácido-base e da diurese. O contato prolongado e repetido com a pele leva a perda de gordura e inflamação. Dentro dos limites dos valores MAK não há necessidade de preocupação com danos à descendência.MONOCLOROBENZENO 1. Manter o acidentado deitado de lado em posição estável. No caso da insuficiência circulatória tratamento de choque. leite e álcool! Não fazer lavagem estomacal sem incubação (risco de aspiração). ocorrem danos ao fígado e aos rins. 2. sem consequências. eventualmente com sabão. Em caso de contato com os olhos sucede uma inflamação dois dias após. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Conhece-se muito pouco sobre a toxicidade do monoclorobenzeno apesar da difusão do seu uso no ambiente industrial. No caso de exposição mais prolongadas. que ele age como depressivo do sistema nervoso central e em dosagens mais altas como narcótico. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a pele/mucosa atingida com água. Sabe-se. Encaminhar ao oftalmologista. em caso de necessidade aplicar 20 ml de solução de glicose a 20-40% por via endovenosa.ex. manter livres as vias respiratórias. Não havendo melhora aplicar 1 ampola de metanfetamina subcutânea. Repouso. Em caso de parada respiratória auxílio à respiração. ocorrência de nitrobenzol). Evitar óleo de rícino. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão administrar imediatamente óleo de parafina (aprox. No caso de inalação ar fresco. principalmente sobre a pele. As formações de metahemoglobina que se observaram parecem estar ligadas a impurezas das qualidades industriais (p. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de ChibroKerakain e após colírio Isogutt fechando com gaze solta. Descreve-se também uma coloração avermelhada da urina. Em caso de convulsões aplicar com cuidado Hexobarbital-sódio por via endovenosa. Não administrar nenhum medicamento do grupo adrenalina-efedrina.

pulso e respiração aumentados.Via cutânea e mucosa . tontura. inconsciência. pressão na fonte. Afinidade do monóxido pela hemoglobina é de 200 a 300 vezes maior que a do oxigênio. a hemoglobina de se combinar com o oxigênio para formar a oxihemoglobina e conseqüentemente. coma com convulsÕes intermitentes. Esta impede assim.MONÓXIDO DE CARBONO Sinonímia . náuseas. o organismo fica privado de oxigênio podendo produzir leves palpitações no coração.Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) O monóxido de carbono é classificado como asfixiante químico. Tolerância (valor limite) 39 ppm ou 43 mg/m3.Monóxido Características Gerais É um gás incolor.Via respiratória . dores de cabeça. inodoro. diminuição da visão. Absorção . depressão cárdiorespiratória. combina com a hemoglobina do sangue para formar a carboxihemoglobina. fraqueza. . vertigem e confusão mental.Medidas gerais de primeiros socorros e de tratamento específico. Tratamento específico . insípido e pouco solúvel em água e álcool.

forte irritação do nariz e tosse. Os vapores irritam as mucosas dos olhos e das vias respiratórias. e em seguida com solução de ácido acético diluído a 5%.ex. Repouso. em caso de dispnéia com a cabeça alta. O líquido de forte reação alcalina provoca corrosão grave da pele. se possível com carvão ativado. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Do ponto de vista toxicológico.MORFOLINA 1. fechando com uma gaze solta. As reações com agentes nitrosantes pode ter como resultado a formação da N-morfolina nitrosa. aquecimento. Nos casos graves há possibilidade de edema pulmonar. mas ainda não se pode estabelecer uma classificação unívoca (Grupo D). Ruticlean). Informar ao médico e à clínica a denominação do produto e se possível encaminhar amostra com maiores informaçÕes. a morfolina assemelha-se ao amoníaco. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. O cheiro apresenta forte efeito de advertência. É preferível a limpeza com polietileno-glicol 400 (Ludigol. Em caso de perigo de perda dos sentidos colocar e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Encaminhar ao oftalmologista. Em caso de inalação ar fresco. Evitar vômitos na medida do possível. Não utilizar álcool. Não se observaram efeitos crônicos. que é cancerígena. Em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. eventualmente auxílio à respiração. 2. com necrose. Há tendência a danos à descendência. Não dar ao acidentado óleos graxos ou leite em hipótese alguma. Auxiloson). Ocorre lacrimejamento. liberar as vias respiratórias. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Em caso de ingestão (o que não é provável devido ao forte cheiro de advertência) fazer beber imediata e repetidamente bastante água. Primeiros socorros -----------------Lavar bem com água a pele/mucosa atingida. . Há risco particularmente para os olhos.

Acrescentar infusão de um total de aproximadamente 0. Aplicar o mais depressa possível o spray de Auxiloson e altas doses de Prednisolon por via endovenosa. Morfina somente em doses pequenas. Não utilizar óleo de rícino.3. Profilaxia das infecções.5g de THAM/Kg Repouso. Utilizar como laxante sulfato de sódio com carvão ativado. Em caso de ingestão administrar imediata e repetidamente bastante água com carvão ativado. . aquecimento. leite ou álcool. Orientação médica ----------------No caso de aspiração de grandes quantidades tratamento profilático do edema pulmonar.

de 5 a 30 minutos. .9%. lentamente (+/. até completar a dose de 1 g (5 amp).NEGUVON (DIPTEREX 50) Sinonímia . em 30 minutos.0 dimetil-OXI-2.Via cutânea ..musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf. BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr.respiratória Tratamento específico .Fosfonato de 0. (1 amp) após 10 minutos.1 a 6 mg E.V.V.aplicar 400 mg E. tricloretil .2. até indicarem sinais de atropinização.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente. . . . líquido incolor.Dipterex 5 Características Gerais Pó branco.Atropina .1 ml/minuto). Absorção . de 6 em 6 horas.se necessário repetir 200 mg E.Via mucosa .Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) Pequenas exposições múltiplas podem causar efeito cumulativo.Contrathion .Oxima . . solúvel em água.V.2.repetir 200 mg E. (2 amp) dissolvidos em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica 0.Triclorfon .V. inflamável.

até sair limpa.dose máxima . após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas..V.aplicar 250 mg E. leite ou alimentos gordurosos.Lavagem gástrica .aplicar 250 mg E..9%.3 a 5 mg/Kg. se obtiver resposta satisfatória. neuleptil.. . teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migistren.200 mg de solução fisiológica 0.V.não dar óleo. . . . toplexil) reserpina .Contra-indicação morfina. .Toxogin .

De acordo com Oettel não ocorre efeito potencializador do álcool. . aplicar colírio Isogutt e fechar com gaze solta. terapia da circulação. No caso de dosagens altas colapso circulatório. Em caso de contato com a pele lavar com água abundante! No caso de contato com os olhos aplicar o mais depressa possível 1 a 2 gotas de Novesine 0. são: pressão na cabeça. e administrar por fim carvão ativado e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1 copo de água). Orientação médica ----------------Eliminação do veneno. queda da pressão arterial. cianose cinza-pardo e mucosas azuladas. Os sintomas que ocorrem. Primeiros socorros -----------------Em caso de ingestão fazer beber água abundante repetidas vezes provocando vômitos repetidamente. fazer inalar o mais depressa possível spray de Auxiloson. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A absorção do nitrito de sódio leva inicialmente à formação reversível de metahemoglobina sem a formação dos corpúsculos internos de Heinz. e enxaguar bem em seguida com água corrente durante alguns minutos. O oxigênio só é necessário em caso de cianose grave. 3. a decomposição no corpo leva até 12 horas dependendo da quantidade. Contra a formação de metahemoglobina azul de o-toluidina (o-Toluidinblau).4% em cada olho. No caso de exposição a gases de queima profilaxia contra o edema pulmonar. 2.NITRITO DE SÓDIO 1. vertigem. Transportar para o médico. sob certas circunstâncias retardador. A substância só é letal em dosagens a partir de alguns gramas. eventualmente lavagem estomacal com as cautelas usuais.

cefaléia e insuficiência hepática.Via respiratória . Tolerância (valor limite) 1 ppm ou 5 mg/m3 . benzeno e muito pouco solúvel em água.NITROBENZENO (C6 H5 NO2) Sinonímia . irritabilidade. anemia. adocicado (amêndoas).25 mg/m3: vertigens. Perda de peso.óleo de mirbana Características Gerais Líquido oleoso. Vapores mais pesados que o ar. acetona.Absorção . amarelo-esverdeado à marrom.Via cutânea e mucosa: --------------------Pode provocar queimaduras no contato com os olhos.acima de 200 mg/m3: metahemoglobina intensa.Agudo .Via digestiva Efeitos (sinais e sintomas) .Crônico .Via cutânea e mucosa .Vertigens e cefaléia.exposição a nível de 5. lesões hepáticas.Nitrobenzol . vertigens. . DL = 1 ml .Essência de mirbana . cefaléia. com odor semelhante à graxa de sapatos. renais e cerebrais e alterações gráficas no ECG. Solúvel em álcool. fraqueza. . hipoxemia. formação de metahemoglobina .Via respiratória ---------------. éter.

em torno de 1/2 hora.Hidratação venosa .. dose única ou doses fracionadas para evitar fenômenos de depressão ventricular. lábios e orelhas) 40% cianose mais intensa: a pele torna-se cinzenta.lavagem gástrica ou emese administrando laxantes. .Solução de azul de metileno a 1% . . Tratamento específico .Metahemoglobina 15% cianose perceptível (unhas.V.V.Ingestão . ação lenta.1 a 3 mg/Kg . se 1 a 4 g por via E. podendo .Usar redutores da hemoglobina: vitamina C (ácido ascórbico).via E. .solução glicosada a 5%.. manifestar alguma dor. ação rápida .

aquecimento. lavagem estomacal com cuidado. Utilizar como laxante carvão animal e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água morna). que muitas vezes levam a um coma tóxico. Primeiros socorros -----------------Limpar completa e imediatamente a pele com água corrente. óleo de rícino e leite.0 g por via endovenosa. lavando depois com vinagre ou solução de ácido acético a 5% ou de preferência polietilenoglicol 400 (Lutrol). O risco de envenenamento de maior interesse para a medicina industrial é a reabsorção pela pele. Lavar os olhos durante alguns minutos retirando os respingos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. analépticos. dores de cabeça. 2. colapso circulatório. Thionin 10 ml a 20% por via endovenosa. dispnéia. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Os nitrotoluenos provocam envenenamentos agudos. vômitos. respiração artificial. Eventualmente oxigênio. Controle e correção da circulação e das funçÕes ácido e base. Cuidado com a hipotermia. muitas vezes com complicações hepáticas graves. repouso. Orientação médica ----------------No caso de ingestão da substância fazer beber água abundante várias vezes provocando vômitos repetidos. Nos casos graves transfusão de sangue. paralisia. permanecem consequências. respiração artificial. Se ocorrerem distúrbios nervosos. em alguns casos distúrbios polineuríticos. Manter boa diurese devido ao risco de anúria por hemólise. 3. Em caso de inalação: ar fresco. infusões de glicose e NaCl.NITROTOLUENO 1. cuidado com a utilização de álcool. A aspiração dos vapores provoca tonturas. não permitir álcool. Manter e transportar o paciente deitado de lado em posição estável. perda de consciência. eventualmente vitamina C 1. bem como água e eletrólitos e rins e fígado. . Estes podem aparecer como metahemoglobinemia ou distúrbios gastrointestinais. Não utilizar o último se já houver sinal de metahemoglobinemia.

dado o seu efeito de forte absorção de água é extremamente corrosivo e destrói os tecidos. No caso de contato com os olhos há risco agudo de sua destruição imediata. Transporte para local onde o acidentado receba cuidado médico. na medida do possível. injetar nas vias respiratórias um spray de Dexamethason (p. Aplicar previamente.ex. A ingestão é praticamente impossível dado o efeito altamente irritante do SO3. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O ácido sulfúrico concentrado. Se a contaminação for habitual podem ocorrer danos aos pulmões (bronquite crônica) e danos aos dentes incisivos. Orientação médica ----------------Qualquer contato com vapores de ácido sulfúrico traz consigo o risco de danos profundos aos tecidos da derme e das mucosas. produzindo tosse e inflamação das vias respiratórias superiores. O trióxico de enxofre liberado tem ação irritante/corrosiva sobre as mucosas dos olhos e sobre as vias respiratórias. O tratamento a seguir deverá ser realizado por oftalmologista. Ocorrem feridas fortes. terapia de choque. Exame preventivo conforme BGGrundsatz G 22. analgésicos. Antes de retirar as roupas atingidas colocar bastante água nelas de forma a evitar a propagação do ácido. com a cabeça alta em caso de problema respiratório. cobrindo com uma gaze solta. calor. Lavagem intensa com água. No caso de queimaduras graves enviar a clínicas especializadas. No caso de áreas extensas afetadas terapia da perda de líquidos. 3. Auxiloson) o mais depressa possível. Como não se forma crosta de ferida da corrosão o ácido penetra rapidamente. 2. liberação das vias respiratórias. Primeiros socorros -----------------Lavar a área de pele/mucosa afetada com água abundante o mais depressa possível e cobrir com atadura solta. expansor de plasma. Uma dosagem abaixo de 4 mg/l já impossibilita a respiração. utilização de ataduras esterilizadas. No caso de inalação de vapores ar fresco. O tratamento deve ser tópico. eventualmente equipamento de oxigênio. 1 a 2 gotas ce Chibro-Kerakain e após a lavagem um colírio Isogutt. Em caso de contato com os olhos lavar os olhos durante alguns minutos retirando os respingos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Repouso. .O L E U M 1.

cansaço. repouso. cianose e coma. 2.ORTO NITRO ANILINA 1. e sim hipertensina. depois com solução de vinagre ou de ácido acético a 5%. A ingestão ou a aspiração de pó ou reabsorção pela pele provocam dores de cabeça. Em caso de ingestão da substância fazer beber imediata e repetidamente água abundante e provocar vômitos. carvão ativado. aquecimento. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A nitroanilina é um tóxico hematológico muito forte. o ideal é polietilenoglicol 400 (Lutrol). respiração artificial eventualmente. limpar os respingos nos olhos durante alguns minutos com água corrente com as pálpebras bem abertas. . O contato repetido com a pele provoca dermatite.2%) ou azul de metileno (a 1%) ou toluidina (a 4%). Abster-se de óleo de rícino. utilizar eméticos com as precauções usuais. leite e álcool! Para acelerar a evolução regressiva da metahemoglobina aplicar tionina (a 0. 3. rubor facial. O efeito local é de forte irritação da pele e das mucosas. O álcool aumenta muito esse efeito. Cuidado com a hipotermia! Não administrar adrenalina. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a área de pele atingida com água corrente. fraqueza generalizada. aplicando tratamento sintomático em caso de necessidade. Em caso de aspiração: ar fresco. optando pelo de obtenção mais rápida e repetindo a administração se necessário. problemas respiratórios. que provoca a formação de metahemoglobina mesmo em pequenas quantidades. vômitos. Utilizar como laxante Paraffinum subliquidum (aproximadamente 3 ml/Kg) e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água morna). não utilizar álcool. Controle e correção da circulação sanguínea e do equilíbrio de ácidos e bases. bem como água e eletrólitos e das funçÕes renal e hepática. Manter boa diurese. Orientação médica ----------------Em caso de inalação administrar oxigênio imediatamente. vertigem. manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável.

No caso de convulsÕes aplicar com cuidado Hexobarbital-sódio por via endovenosa. 2. Ação irritante das mucosas. Não administrar nenhum fármaco do grupo da adrenalina-efedrina.ORTO-XILENO 1. Controle do equilíbrio ácido-base e da diurese. Em caso de inalação ar fresco. Evitar óleo de rícino. No caso de insuficiência circulatória tratamento de choque. Em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. intolerabilidade do álcool. Não se apresentando melhora aplicar uma ampola de metanfetamina por via subcutânea. além de distúrbios gastrointestinais com náuseas. parada cardíaca e paralisia respiratória. O acidentado deve ser mantido deitado de lado em posição estável. os xilenos não atacam o sangue. Primeiros socorros -----------------Lavar a pele/mucosa atingida com água. A inalação prolongada de pequenas concentraçÕes faz surgir cefaléia e vertigens. É possível ocorrerem condições de embriaguez e de excitação. eventualmente oxigênio. . Uma parte do xilol é eliminada pela respiração. 3. em caso de necessidade 20 ml de solução de glicose a 20-40% por via endovenosa. Há tendência a dano à descendência mas ainda não foi possível estabelecer uma classificação unívoca (Grupo D). Orientação médica ----------------Em caso de ingestão administrar imediatamente lama de carvão ativado e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água). No caso de parada respiratória auxílio à respiração. Em caso de ingestão fazer beber repetidamente bastante água com carvão ativado. aquecimento. Encaminhar ao oftalmologista. uma vez que eles não formam produtos intermediários com esse efeito no organismo. leite e álcool! Não fazer lavagem estomacal sem incubação (risco de aspiração). fechando com uma gaze solta. desmaio profundo. Transporte para atendimento médico. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de ChibroKerakain e após colírio Isogutt. liberar as vias respiratórias. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Evitar vômitos. aparecem muitos ácidos do toluol que são eliminados pela urina associados à glicina. Repouso. eventualmente com sabão. Não se conhecem danos crônicos. os vapores atacam particularmente o sistema nervoso central e atuam de maneira fortemente narcótica em altas concentraçÕes. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Ao contrário do benzol. Pesquisa de controle conforme BG-Grundsatz G 29. Risco de choque.

Encaminhar ao médico. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a pele/mucosa atingida com água. em caso de dispnéia sentado com a cabeça alta. A fase aguda ocorre freqüentemente ao longo de um processo crônico prolongado. A ingestão provoca destruição profunda dos tecidos das mucosas atingidas. vômitos e dificuldade de engolir. o que provoca o efeito irritante acentuado sobre as mucosas dos olhos e do trato respiratório. aquecimento. Repouso. Auxiloson) contra edema das vias respiratórias ou iniciá-lo o mais rapidamente possível. No caso de inalação continuar o tratamento com spray de Dexamethason (p.OXICLORETO DE FÓSFORO 1. no caso de inalação. aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de ChibroKerakain e após colírio isogutt fechando com gaze solta. eventualmente auxílio à respiração. muitas vezes com sangue. eventualmente com sabão. Encaminhar ao oftalmologista. Auxiloson). 2. possibilita uma penetração profunda pelas vias respiratórias. Orientação médica ----------------Tratar as partes da pele atingidas pela substância como queimaduras por ácido. astenia. O contato imediato com a pele leva. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O oxicloreto de fósforo reage com a umidade do ar formando anidrido clorídrico e ácido fosfórico. com pequeno efeito de advertência imediato. manter livres as vias respiratórias. pequenas vertigens. Como efeitos colaterais ocorrem cefaléias. A falta inicial do incômodo subjetivo aumenta o perigo da formação de danos muito graves e irreversíveis às vias respiratórias inferiores com edema pulmonar e secreção espumosa. Repouso absoluto e aquecimento prolongados. que se torna lenta devido à reduzida solubilidade em água.ex. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Encaminhar a clínica especializada em envenenamentos. perda de apetite. A reação. dependendo da duração do contato e da umidade presente. tonturas. a queimaduras por ácido de intensidade variada.ex. . 3. ar fresco.

ex. cefaléia. degenerações de pele com formação de bolhas e necrose das áreas atingidas. Vertigens. no caso de danos graves à pele utilizar desde logo glucocorticóides e antibióticos. edemas. manter livres as vias respiratórias. Orientação médica ----------------Em caso de inalação aplicar eventualmente oxigênio. 3. mesmo com as soluções diluídas pode provocar. Pesquisa preventiva de medicina do trabalho conforme BG-Grundsatz G 40. água. Lavar bem a pele com água e sabão (se possível banho). diarréia. spray de Dexamethason (p. Auxiloson). a irritaçÕes dos olhos e das vias respiratórias. Reside aqui o perigo principal que ocorre no ambiente industrial. irritações e necroses dos olhos com danos à córnea. Observar particularmente a circulação e o equilíbrio de eletrólitos. ácido-base.ÓXIDO DE ETILENO 1. O contato. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O óxido de etileno atua como amortecedor central e veneno protoplasmático fortemente irritante. Como o limite de odor fica em 700 ml/m3 não há limite de advertência adequado. a classificação da Comunidade Europeia é de mutagênico. Para avaliar a excitação e a náusea persistente administrar Promazin com cuidado. . mas não provocam edema pulmonar. observou-se efeito cancerígeno em experimentos realizados com animais. seguida de acessos de confusão mental. Em caso de inalação ar fresco. A forte atuação dos vapores leva. fraqueza profunda das extremidades. bem como a depressões do sistema nervoso central. 2. As altas concentraçÕes tem efeito narcótico. aquecimento. Encaminhar obrigatoriamente ao médico. Primeiros socorros -----------------No caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água abundante. às vezes com retardamento de algumas horas. Profilaxia da infecção. vômito prolongado a intervalos. mesmo com latência de algumas horas. Retirar imediatamente as roupas contaminadas e elimina-las colocando-as em recipiente fechado. No caso de contato com o líquido tratamento local conforme o caso. controlar depois as funçÕes renal e hepática. em caso de necessidade oxigênio. repouso. em caso de acidose administrar carbonato e lactato de sódio. e na pele irritaçÕes. Não se conhecem envenenamentos crônicos. Observar infecçÕes secundárias dos pulmÕes. Controle da urina.

ÓXIDO DE PROPILENO

1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------De acordo com a concentração o óxido de propileno atua principalmente como irritante, chegando a corrosivo da pele e mucosas. O líquido puro não irrita a pele exposta, porque se evapora com grande rapidez. As soluçÕes de propileno podem, entretanto, apresentar efeito fortemente irritante ou até mesmo corrosivo. O maior perigo está nos olhos. Além disso observouse um efeito depressivo sobre o sistema nervoso central. A inalação provoca náusea, vômitos, diarréia, perturbação, ataxia e depressão geral. A substância revelou-se também mutagênica. Os ensaios de cancerigeneidade realizados com animais aos quais se aplicaram injeções subcutâneas, incubações intragástricas e inalação revelaram-se positivos 2. Primeiros socorros -----------------Lavar bem a área de pele/mucosa atingida com água, eventualmente cobrir com gaze solta. Em caso de contato com os olhos enxaguar durante alguns minutos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt fechando com gaze solta. Encaminhar ao oftalmologista. No caso de inalação, ar fresco, manter livres as vias respiratórias. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p.ex. Auxiloson). Repouso, aquecimento. Encaminhar ao médico, em caso de dispnéia sentado com a cabeça alta. 3. Orientação médica ----------------Em caso de inalação inalar o mais depressa possível spray de Dexamethason (p.ex. Auxiloson). Eventualmente administrar sedativo da tosse. Tratamento sintomático das irritaçÕes da pele e pontos de ataque corrosivo. Em caso de irritaçÕes fortes das mucosas utilizar rapidamente glucocorticóides e antibióticos. Para reduzir a excitação e a náusea utilizar com cuidado Promazin, eventualmente oxigênio. Pesquisa de controle conforme BG-Grundsatz G 40.

OXIGÊNIO

1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O oxigênio líquido provoca danos por congelamento e ataques à pele semelhantes às queimaduras, com avermelhamento e aumento e a formação eventual de bolhas. Dependendo das circunstâncias poderá haver destruição de maior ou menor profundidade dos tecidos. Dores fortes. Quando o gás perde pressão forma-se rapidamente uma névoa fria que se propaga com facilidade. 2. Primeiros socorros -----------------Retirar os acidentados da área de perigo e fornecer-lhes ar fresco. As consequências da inalação aguda de oxigênio cessam espontaneamente com repouso. Colocar as partes do corpo atingidas pelo líquido frio mergulhadas em água e retirar a roupa com cuidado. Não friccionar a área de pele atingida e cobri-la com gaze esterilizada. No caso de risco de perda dos sentidos colocar o paciente deitado de lado em posição estável e transportá-lo dessa maneira. 3. Orientação médica ----------------Tratar as áreas do corpo congeladas. No caso de dores fortes aplicação subcutânea de uma ampola de hidrocloreto de Hydromorphon. Controlar a respiração e a circulação. Aplicar 2 ampolas de Methylprednisolon intramuscular. Administrar 1 cápsula de antibiótico de amplo espectro 4 vezes ao dia. Persistindo as dores fortes aplicar uma ampola de Diazepan intramuscular. Controlar a respiração e a circulação. Tratamento de choque.

O Z O N A

Sinonímia - O3 (ozônio) Características Gerais Gás azulado, odor penetrante, sendo outra forma de oxigênio. Tolerância (valor limite) - 0,1 ppm no ar / 0,2 mg/m3 Absorção -Via respiratória -Via cutânea Efeitos (sinais e sintomas) Irritação dos olhos, rinites, dispnéia, tosse, bronquites e pneumonias, edema pulmonar, cefaléia, vertigem, sonolência, anorexia, náuseas e vômitos, fadiga, gosto azedo, diminuição da acuidade visual, queimadura na pele podendo ocorrer por contato com líquido ozona; os sintomas podem persistir de 6 - 9 meses, porém não se observa incapacidade permanente. Tratamento específico . Medidas gerais de primeiros socorros e tratamento específico.

PARATHION METÍLICO

1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O parathion apresenta uma volatibilidade reduzida e toxicidade percutânea relativamente baixa, sendo entretanto muito mais alta nos solventes orgânicos, já que não há irritação de pele de advertência. Sintomas típicos: aumento das secreções salivares, lacrimais, de sudação, nasais e brônquicas; miose, distúrbios da visão, cefaléia, sensação de medo, náusea, vômitos, cólicas intestinais, diarréia, bradicardia, queda da pressão arterial, dispnéia e cianose; eventualmente convulsÕes tônico-clônicas, paralisia, coma. A atividade de colinesterase se reduz prematuramente, e o distúrbio se prolonga por semanas. observaram-se como efeitos crônicos da exposição a pequenas doses de parathion em animais anemia, leucocitose, queda da albumina do sangue com aumento relativo da globulina e danos ao fígado. A dose letal é de 5-30 mg/Kg, percutânea de 500mg (Oettel) da substância pura. Na forma de emulsão, solução ou pó a toxicidade é menor. Se o tratamento for iniciado rapidamente as chances de salvação são grandes, mesmo com doses letais. 2. Primeiros socorros -----------------Lavar imediatamente a pele atingida com solvente orgânico e depois com água e sabão (não usar álcool). Limpar os respingos nos olhos com água corrente (ou de preferência com uma solução de bicarbonato de sódio a 3%) mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas; enxaguar; aplicar em seguida 1 a 2 gotas de solução de homatropina a 1% em cada olho. 3. Orientação médica ----------------Liberar as vias respiratórias, eventualmente com auxílio à respiração. No caso de envenenamento por via oral fazer beber imediata e repetidamente bastante água e provocar vômito repetido ou fazer lavagem estomacal (acrescentar bastante carvão ativado); em seguida instilar 20 - 30 g de sulfato de sódio. Evitar óleo de rícino, sulfato de magnésio, leite e álcool. Dar atropina o mais depressa possível como antídoto. Nos casos menos graves bastam 0,5 - 1 mg, do contrário 2 mg (em 10 ml de solução fisiológica de sal) muito lentamente por via endovenosa a intervalos de 10 minutos. Nos casos mais graves oxigênio. Além

Phenothiazinas.05 aplicados devagar por via endovenosa. barbitúricos de efeito prolongado e álcool.ex. no caso de ameaça de asfixia incubação imediata. aprox. liberar as vias respiratórias. cuidado com a tendência a convulsÕes). 0. No caso de convulsÕes aplicar barbitúricos de efeito rápido além dos antídotos específicos. .disso aplicar por via endovenosa reativadores da colinesterase. 3-4 mg/Kg No mais tratamento sintomático e profilático. Evitar opiatos. oxigênio e Cardiazol (p.

PARA-NITROFENOL 1. Evitar o uso de álcool e o aquecimento. . Primeiros socorros -----------------Retirar a roupa contaminada da área de pele atingida e lavar com água corrente. O risco aumenta com a exposição simultânea ao calor e ao álcool. Manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------no caso da absorção oral ocorrem na maior parte dos casos vômitos fortes devido aos efeitos de irritação local e ao gosto amargo. 3 ml/Kg) e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água morna). 2. aplicandose as cautelas usuais (evitar aspiração). álcool. 3. de preferência polietilenoglicol 400 (Lutrol). Somente em ensaios com animais envidenciaram-se os sintomas de cefaléia aguda. Normais tratamento sintomático de acordo com o grau de gravidade do envenenamento. aplicar emético com cuidado. o que impede o efeito de reabsorção. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão da substância fazer beber repetidamente bastante água e vomitar. Em caso de metahemoglobinemia aplicar Thionin ou azul de metileno por via endovenosa. após o que lavar com vinagre. cansaço e cianose intensa azul-cinzenta (que passa lentamente das mucosas visíveis e das extremidades para o corpo inteiro). Utilizar como laxante Paraffinum subliquidum (aprox. hipertermia. Carvão ativado. leite. metahemoglobinemia e depressão do sistema nervoso central. sensação de vertigem. Evitar óleo de rícino. mal estar geral.

encaminhar ao oftalmologista! No caso de aspiração de pó. aquecimento. No caso de perigo de perda dos sentidos colocar o paciente deitado de lado de maneira estável e transportá-lo nessa posição. Os sintomas esperados são queimadura das mucosas do nariz e garganta. dos olhos e acessos de tosse. tanto pela aspiração do pó como pelo contato com o material sólido. ar fresco. eventualmente com oxigênio. Cuidado com o risco de edema pulmonar! . Retirar as partículas cristalinas dos olhos com água corrente com solução fisiológica de NaCL com as pálpebras do acidentado bem abertas. Na decomposição da substância por aquecimento administrar codeína ou eventualmente também morfina contra a tosse. A solução aquosa tem como efeito principal a formação de peróxido de hidrogênio pela formação de ácido sob a pele com forte prurido. Repouso. Primeiros socorros -----------------Lavar a área da pele atingida com água abundante. 2. 3.PERSULFATO DE POTÁSSIO 1. Em caso de paralisação da respiração aplicar respiração artificial. No mais tratamento sintomático. liberação das vias respiratórias. Orientação médica ----------------No caso de ingestão dar salmoura quente (1 colher de sopa de NaCL em um copo de água) e provocar vômito e/ou sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/2 litro de água morna) como laxante. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O efeito fortemente oxidante da substância provoca a irritação da pele e das mucosas.

5%. repouso. Primeiros socorros -----------------Lavar a pele atingida com água abundante e sabão. Em caso de inalação ar fresco. respiração artificial. e é em grande parte rapidamente eliminada. taquicardia. embora também o seja pela pele. Controle da água e dos eletrólitos e das funçÕes cardíaca e circulatória. oxigênio) até a retração dos sintomas agudos (não interromper enquanto o coração se mantiver funcionando!). sensação de secura na boca. distúrbios da visão. Manutenção e transporte do acidentado deitado de lado em posição estável. Orientação médica ----------------Provocar vômito imediatamente após a absorção por via oral (provocar irritação da faringe ou fazer beber solução levemente violácea de permanganato de potássio e provocar vômito novamente) ou fazer lavagem estomacal tomando as cautelas usuais com solução de permanganato de potássio a 0. 3. liberação das vias respiratórias. aquecimento. Em caso de progresso da paralisia respiração artificial (incubação ou traqueotomia. náusea.PIPERIDINA 1. Imediatamente após a ingestão salivação. contrações dos músculos da face. sede. Nos casos graves ocorrem comumente paralisias que começam pelas pernas e vão subindo pelo corpo. Administrar em seguida sulfato de sódio (2 colheres de sopa em 1/2 litro de água morna) como laxante. A substância é reabsorvida rapidamente pelo trato gastrointestinal. eventualmente vômitos. terminando com parada respiratória com privação total dos sentidos. rouquidão. No mais tratamento sintomático. . dificuldade em engolir. Lavar os respingos nos olhos com água corrente durante alguns minutos mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. 2. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O perigo principal está na atração.

secar e aplicar um creme gorduroso. em geral. entretanto. Se o peróxido atingir o estômago provocar vômitos imediatamente e fazer beber uma quantidade suficiente de solução de ascorbato de sódio. lavar com bastante água. dilauroilperóxido (50%). nos primeiros trinta segundos após o acidente. o que em muitos casos. muito forte = cumolhidroperóxido (70%). Enxaguar com água abundante sem utilizar a solução de bicarbonato de sódio só poderá ser eficiente. dibenzoilperóxido (50%0. Os respingos nos olhos devem ser retirados por enxaguamento com solução aquosa de bicarbonato de sódio a 2% durante alguns minutos. 2. metiletilcetonaperóxido (40%). média = média = butilhidroperóxido terciário. condicionadas quase que exclusivamente pelo meio de reticulação. não é suficiente. ácido peracético (40%). Orientação médica ----------------O efeito tóxico de cada um dos componentes apresenta variação excepcional de acordo com o produto. O mesmo se aplica à inalação dos vapores.POLIÉTERES 1. butilperacetato terciário (50%). . Conhecem-se manifestaçÕes asmáticas. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------As irritaçÕes de pele e manifestações alérgicas são agudas. lavando depois os olhos com água corrente mantendo bem abertas as pálpebras do acidentado. Não utilizar solventes em hipótese alguma! Lavar depois com água de sabão quente. encaminhar imediatamente ao oftalmologista. Primeiros socorros -----------------Lavar imediatamente a área de pele atingida com água utilizando uma pasta para lavagem das mãos. As áreas da pele atingidas pelo peróxido devem ser limpas imediatamente com água comum. Eliminar a exposição. mistura de ciclohexanoperóxido (50%). Ordem de grandeza do efeito dos peróxidos: fraca = dibutilperóxido terciário. Tem-se demonstrado eficazes as lavagens intensivas com solução aquosa de soda a 5%. no mais tratamento sintomático. fornecendo-lhe informação sobre o tipo e ação dos catalisadores e aceleradores bem como sobre as instruções constantes da "Informationsmerkblatt" correspondente. diciclohexilperóxido (50%). 3. diacetilperóxido (30%). Esta solução se prepara imediatamente antes da utilização a partir de ácido ascórbico e solução de carbonato de sódio.

Contrathion . .Phoxim Absorção .V.) dissolvida em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica a 7 %.V.respiratória Tratamento específico Atropina . de 5 a 30 minutos.) após 10 minutos.V. em 30 minutos até indicarem sinais de atropinização. BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr. Oxima . (dietoxitiofosforil) oximino fenilcetonitril. lentamente (+/. até completar a dose de 1 g (5 amp).Sintomas Pequenas exposiçÕes múltiplas podem apresentar efeito cumulativo.1 ml/min). .repetir 200 mg I.1 a 6 mg I. (1 amp.Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da acetilcolinesterase .SEBACIL Sinonímia .musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf. (2 amp.O.Se necessário repetir 200 mg I.V.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o incidente. .aplicar 400 mg I.Via cutânea . . de 6 em 6 horas.Via mucosa .

9%. Lavagem gástrica . .Aplicar 250 mg I. teofilina(aminofilina). tranqüilizantes fenotiazinas (migristen. se obtiver resposta satisfatória. .Dose máxima 3 a 5 mg após 10 min e mais 1 ou 2 vezes com . Aplicar 250 mg I.V. até sair limpa.Toxogonin . Contra indicações morfina. intervalos de 2 horas .200 mg de solução fisiológica 0. leite ou alimentos gordurosos.V. neuleptil. Não dar óleo. reserpina. toplexil).

libera calor. T. Em contato com alguns metais pode gerar hidrogênio explosivo e inflamável. Tratamento específico . pele e membranas mucosas do trato respiratório superior. Ingestão . pois aumenta a possibilidade de perfuração. podem causar irritação severa para os olhos. A exposição repetida a soluçÕes diluídas poderá provocar dermatites. Na intoxicação aguda por ingestão o acidentado apresenta dor intensa. Efeitos (sinais e sintomas) A principal manifestação no contato com a soda cáustica é a corrosão.Soda Características Gerais Soda cáustica é uma substância sólida de aspecto branco e inodora. Absorção -Via cutânea-mucosa -Via respiratória -Via digestiva Os fumos em quantidade suficientemente alta.Hidróxido de sódio . Não provocar o vômito e não administrar quaisquer substâncias que induz. . diarréia e colapsos.SODA CÁUSTICA Sinonímia . . É um produto lesivo aos tecidos vivos quando em contato permanente. Os vômitos contém sangue e revestimento mucoso descamado.administrar imediatamente água ou leite para diluir o produto.Soda cáustica . . Solúvel em soluçÕes aquosas e em água. vômitos. vinagre diluído em igual quantidade com água (suco de limão fresco) podem ser administrados com a finalidade de neutralizar o álcalis. Limite de tolerância: Não fixado pelo M.suco de frutas.

Observar sangramentos. Contato cutâneo . . Critérios na utilização aumentar as lesÕes.. embebidas em compressas de gases. .lavagem copiosa com água e aplicação tópica de ácido acético a 2 %. de sondagens nasogástricas para não .

SULFATO DE METILA
Sinonímia Metil sulfato Sulfato de Metila Dimetil sulfato Sulfato de dimetila Éster dimetílico do ác. sulfúrico

Características Gerais Altamente venenoso, líquido incolor, inodoro, oleoso, vapores muito mais pesados que o ar, inflamável com produção de vapores altamente tóxicos, insolúvel em água, reação violenta c/ amônia concentrada; explosivo em contato com algumas bases terciárias; reage com água quente, álcalis, ácidos. Absorção - Via cutânea - Via mucosa - Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) - Se hidrolisa em ácido sulfúrico e álcool metílico no organismo. - Ataca órgãos (rins e fígado) e SNC com lesão no nervo ótico mesmo em contaminação por absorção ou inalação de quantidades letais, transcorre em intervalos de tempo de várias horas antes que surjam os primeiros sintomas de intoxicação. Sintomas - Olhos . . . . Conjuntivite e edema palpebral Fotofobia e lacrimejamento Ulceração da córnea. Acuidade visual e visão de cores perturbadas.

- Pele . Prurido . Queimaduras de difícil cicatrização

- Inalação . Perfuração do septo nasal . erupções necrotizantes de difícil cicatrização (característica de ataque corrosivo). . Dispnéia, dor no peito, tosse com expectoração de pedaços de mucosa. . Edema pulmonar, febre, pneumonia. - Ingestão . Queimaduras das náuseas/vômitos. - Fígado . Icterícia - Rim . Oligúria. . Hematúria. . Albuminúria. - SNC . Agitação motora. . convulsÕes. . Arreflexia. - Cardiocirculatório . Choque, cianose Tratamento específico . Pele - lavar com água e sabão as partes atingidas, após usar solução de amoníaco a 5% . Inalação de aerosol carbonato de sódio 1,3% . Administrar corticosteróide mucosas da boca, faringe, estômago,

SULFETO DE CARBONO

1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O sulfeto de carbono atua em primeiro lugar sobre o sistema nervoso. O efeito do líquido sobre a pele e mucosas é o de irritaçÕes fortes, queima, vermelhidão e, sob certas circunstâncias, o desaparecimento de áreas de pele. A exposição à substância por 5 a 10 minutos leva a uma situação semelhante a uma queimadura do segundo grau. A propriedade de boa solubilidade em lipides determina uma forte reabsorção pela pele, da qual se podem esperar efeitos sistêmicos em caso de grandes contatos. A inalação de vapores (100 - 1000 ppm) leva a irritação das mucosas, agitação, distúrbios da visão, vertigens, vômitos, cefaléia, perda de consciência, parada respiratória. a inalação ou reabsorção pela pele durante períodos prolongados leva a fadiga, dores nas articulações e insensibilização, bem como atonia muscular. Posteriormente ocorrem: irritabilidade, distúrbios do trato digestivo (eventualmente úlcera), psicoses e condiçÕes de embriaguez. No caso de ingestão os sintomas principais são vômitos (com cheiro de rábanos podres), cefaléia, cianose, paralisia respiratória, hipotonia, tremor, perda dos sentidos e convulsÕes. A dose letal (verificada) a partir de 10 g p.o., ou seja 2000 ppm em poucos minutos. 2. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação: ar fresco, respiração artificial, repouso, aquecimento, lavar as áreas atingidas do corpo com água. no caso de contato com os olhos lavar imediatamente com água corrente com as pálpebras do acidentado bem abertas. No caso de vômitos manter a cabeça em posição lateral. Em caso de perigo de perda dos sentidos manter e transportar o paciente deitado de lado em posição estável. 3. Orientação médica ----------------No caso de ingestão tomar o maior cuidado possível com vômitos e lavagem estomacal (risco de aspiração). Administrar laxantes como Paraffinum subliquidum (até aproximadamente 3 ml/Kg) e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água). Não administrar óleo de rícino. Evitar também álcool, leite e fármacos que paralisem os centros. Em caso de necessidade medidas sintomáticas. A recuperação pode demorar semanas. Os danos residuais não são raros. Pesquisas de controle conforme "Berufgenossenschaftlichen Grundsaetzen fuer arbeitsmedizinische Vorsorgeuntersuchungen" (princípios estabelecidos pelas associações profissionais para as pesquisas de controle de medicina do trabalho), Registro G 6.

TAMARON

Sinonímia - Methamodophos - 0,5 - Dimetil fosforamidotidato Características Gerais Incolor/Amarelo claro, organofosforado, inflamável, solúvel em água Absorção - Via cutânea - Via mucosa - Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) Inibição da acetilcolinesterase Sintomas - Pequenas exposiçÕes múltiplas podem apresentar efeito cumulativo BENIGNOS -------cefaléia anorexia e náuseas debilidade vertigem visão turva miose MODERADOS --------vômitos cólicas/diarréia sialorréia lacrimejamento sudorese dispnéia bradisfigmia tremores contr.musculares ataxia GRAVES -----cianose edema pulmonar arreflexia perda do controle de esfíncter convulsÕes coma parada cardíaca choque insuf.respiratória

Tratamento específico . Atropina - 1 a 6 mg I.V. de 5 a 30 minutos, em 30 minutos até indicarem sinais de atropinização.

se obtiver resposta satisfatória. . após 10 minutos e mais 1 ou 2 vezes com intervalos de 2 horas. .aplicar 400 mg IV (2 amp. neuleptil.3 a 5 mg/Kg .1 ml/min).) dissolvida em 20 ml de água destilada ou solução fisiológica a 0.iniciar 5 minutos após a atropina e 36 a 48 horas após ocorrido o acidente..morfina Teofilina (aminofilina) tranqüilizantes fenotiazinas (migristen. Lavagem gástrica . Contrathion .dose máxima . . leite ou alimentos gordurosos .aplicar 250 mg IV.9%.não dar óleo. Toxogonin . Oxima . .aplicar 250 mg IV.9% até sair limpa. lentamente (+/. . Contra-indicações . toplexil) reserpina . fisiológica 0.200 mg de sol.

coma. Orientação médica ----------------Em caso de inalação aplicar spray de Dexamethason (p. mas que acaba se transformando em feridas profundas de difícil cura. A propriedade de solvente do resíduo de butil é responsável pela liposolubilidade e portanto pela forte reabsorção pela pele. fazendo 5 nebulizações a cada 10 minutos. Auxiloson).TÉRCIO-BUTILAMINA 1. Auxílio à circulação. a partir daí fortemente contra indicada (risco de perfuração!). edema pulmonar. aquecimento. Encaminhar ao oftalmologista. apresenta características fortemente alergênicas. Como muitas aminas. em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A tércio-butilamina. Retirar imediatamente as roupas contaminadas. manter e transportar o acidentado deitado de lado com posição estável. aplicar o mais depressa possível em spray de Dexamethason (p. fechando com uma gaze solta. Auxiloson). Primeiros socorros -----------------Lavar imediatamente a pele atingida com água abundante. Liberar as vias respiratórias. 3. Os vapores provocam irritação dos olhos e das vias respiratórias superiores. bem como outras medidas de profilaxia do edema pulmonar.ex. 2. A dosagem de 10 a 15 ml/m3 já é fortemente irritante em exposiçÕes rápidas. Tratamento de choque. O contato com o líquido provoca corrosão da pele que começa sem maior incômodo. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. como derivado do amoníaco funciona como forte agente de corrosão alcalina da pele e mucosas. dispnéia.ex. repouso. eventualmente leite com 2 a 3 ovos crus. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. enquanto que 25 ml/m3 são insuportáveis ao cabo de alguns minutos. No caso de ingestão eventual de soluçÕes diluídas (o que é pouco provável devido ao cheiro) não provocar vômitos de imediato e fazer beber bastante água e tão logo quanto possível vinagre ou suco de limão diluídos. Profilaxia da infecção. Em caso de inalação ar fresco. Lavagem estomacal cuidadosa observando as cautelas usuais no máximo 15 minutos após o envenenamento. No caso de inalação compulsória ocorrem convulsÕes. O contato com os olhos pode levar a cegueira. auxílio à respiração. No mais tratamento sintomático. .

Havendo risco de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. sangramento da pele e mucosas. sensação de embriaguez. dependendo da quantidade inalada e da duração da inalação. Primeiros socorros -----------------Em caso de inalação ar fresco. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. vertigens. Evitar óleo de rícino. No caso de inalação compulsória de grandes quantidades há possibilidade inclusive de óbito por parada respiratória ou colapso cardíaco-circulatório. Reconheceu-se uma tendência de dano à descendência. Auxiloson). Em caso de inalação ocorrem. fadiga. . em caso de dispnéia com a cabeça alta. tonturas. 2. Informar ao médico/à clínica a denominação do produto e eventualmente fornecer amostra com maiores informaçÕes. O quadro de envenenamento pode se complicar pela falta de O2. bem como encefalopatias. uma vez que não se oxida no corpo formando quinona. Ele se transforma em ácido benzóico. leite. álcool. cefaléia. mas não se fez até o momento uma classificação unívoca (Grupo D). Cerca de 20% do tolueno sai pela respiração. eventualmente auxílio à respiração. Em caso de contato com os olhos enxaguar com água corrente durante alguns minutos. Descreveram-se efeitos a longo prazo dos produtos da decomposição com danos à medula espinal e à composição do sangue. Repouso. Os sintomas crônicos são: cefaléia. perda dos sentidos com rigidez da pupila. liberar as vias respiratórias.ex. vertigens. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O tolueno não apresenta a toxicidade do benzol. que é eliminado pela urina. perda de apetite. mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. fechando com uma gaze solta. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão tentar passagem o mais rápida possível pelo intestino. administrando sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água). Fazer inalar o mais depressa possível spray de Dexamethason (p. convulsÕes. aquecimento. 3. Encaminhar ao oftalmologista.TOLUENO 1.

Aquecimento. Pesquisa de controle conforme BG-Grundsatz G 29. Em caso de convulsÕes aplicar com cuidado Hexabarbital-sódio por via endovenosa. necessidade de acompanhamento clínico de pesquisa posterior. Controle do equilíbrio ácido-base e da diurese. Eventualmente internação em centro de desenvenenamento. . Não utilizar fármacos do grupo de adrenalina-efedrina.Não fazer lavagem estomacal sem incubação (grande risco de aspiração!). em caso de necessidade aplicar por via endovenosa 20 ml de solução de glicose a 20 a 40%.

lesão transitória da córnea. . natureza e extensão da exposição.Olhos . Produzindo vários sintomas como lacrimejamento.causa irritação em concentraçÕes significantemente altas conjuntivites. levando ao edema pulmonar. .Via respiratória: Irritação da mucosa das narinas. inflamável produção de vapores tóxicos (NO2).Via mucosa . 4 DI ISOCIANATO Sinonímia TDI Nacconato 100 Mondor TDS Hylene T Características Gerais Líquido incolor ou levemente amarelado. compressão torácica (as vezes com dificuldade na respiração) e cefaléia.11 mg/m3 Absorção . Forma líquida . Reação alérgica asmática pode ocorrer em pessoas suscetíveis. .TOLUENO 2. Valores . insolúvel em água. o completo desenvolvimento dos sintomas pode demorar por várias horas após exposição.Reage com as proteínas do organismo.irritação severa com lacrimejamento. garganta e pulmÕes.Via respiratória Efeitos (sinais e sintomas) .0. O efeito depende principalmente do tempo. irritação da garganta. desconforto. adocicado.Via cutânea .016 ppm ou 0. Tolerância (vapor limite) . . odor pungente de frutas. Do ponto de vista prático o principal risco provém da inalação de vapores.

Pele: .Broncoespasmo: tratamento sintomático sintomas podem demorar 12 horas para iniciar..Via cutânea . Causa queimadura com estenose posterior.250 ml se consciente . baixa toxicidade. Pode levar a danos de estômago e fígado. remoção das roupas . lavar com água e isopropílico a 99% . Contatos repetidos causa sensibilização em certos indivíduos. Provoca queimadura severa no local com a formação de bolhas.Ingestão: não induzir vômitos dar leite ou água . Tratamento específico .Olhos: lavagem dos olhos com água por vários minutos .Inalação: remover do local manter em repouso . sabão verde abundantes e álcool . dermatite de contato. Não é absorvido pela pele em quantidades tóxicas. .Via digestiva .

Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. Primeiros socorros -----------------Lavar a área de pele/mucosas atingida com água.ex. 3. O líquido atua como ácido clorídrico resultando em corrosão local da pele e das mucosas. Em caso de dosagens altas profilaxia e observação durante o tempo de latência de um possível edema pulmonar. aquecimento. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------O tricloreto de fósforo atua como vapor que em contato com a umidade do ar forma anidrido clorídrico com efeito fortemente irritante dos olhos e das vias respiratórias com risco de formação de edema pulmonar ou de inflamação química dos pulmÕes. repouso. Sedativos da tosse. Auxiloson). . Orientação médica ----------------Em caso de inalação dos vapores continuar ou. eventualmente fechando com gaze solta. Em caso de dispnéia o transporte para o médico deverá ser feito com o acidentado sentado mantendo a cabeça alta. inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. Na medida do possível aplicar antes 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt cobrindo com gaze solta. de cheiro fortemente agressivo. auxílio à respiração se for o caso. 2. tratamento de choque. especialmente nos olhos. encaminhar ao oftalmologista. A ingestão da substância. com conjuntivite dolorosa e corrosão da córnea. Em caso de inalação ar fresco. liberar as vias respiratórias.TRICLORETO DE FÓSFORO 1. O envenenamento por reabsorção de fósforo é praticamente impossível devido à sua transformação em ácido fosfórico em contato com os líquidos do corpo. é praticamente impensável e levaria a corrosões gravíssimas. iniciar imediatamente o tratamento com o spray de Dexamethason. Em caso de contato com a pele tratar os locais que sofreram corrosão ou necrose como queimaduras. se for o caso.

Em caso de contato com os olhos lavar com água corrente durante alguns minutos com as pálpebras bem abertas. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A trietilamina tem efeito pronunciadamente acentuado de irritante local da pele. vômitos e convulsÕes. Observação prolongada da possibilidade de ocorrência de edema no aparelho respiratório. se necessário respiração artificial. As consequências são. Fazer inalar o mais depressa possível um spray de Dexamethason (p. 3. .ex. principalmente em solução concentrada. Em caso de inalação ar fresco. Utilizar como laxante o sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água). cobrindo os olhos com uma gaze solta. Posteriormente ocorre nova sensação de falta de ar devido a edema pulmonar ou laríngeo. Lavar demoradamente a pele atingida com água morna. dissolvendo p. aquecimento. Auxiloson). aplicando se possível antes 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio isogutt. mesmo que as quantidades sejam pequenas. em caso de perigo de perda dos sentidos conservar e transportar o acidentado deitado de lado em posição estável. liberação das vias respiratórias. fazendo beber água abundante com leve acidez. Auxiloson). Em caso de necessidade aplicar Prednisolon por via endovenosa. vinagre diluído ou suco de limão com carvão ativado na água. irritação e aumento das mucosas do nariz. Orientação médica ----------------Em caso de aspiração iniciar ou continuar o mais depressa possível o tratamento com o spray de Dexamethason (p. Fazer beber água abundante com líquidos levemente ácidos e carvão ativado. faringe e traqueia. Primeiros socorros -----------------Em caso de ingestão não provocar vômito na medida do possível. os vapores provocam irritação dos olhos e do aparelho respiratório. falta de ar e sensação de estreitamento ou asfixia.ex. tosses de irritação. Em caso de ingestão não provocar vômito na medida do possível. em caso de falta de ar com a cabeça alta. 2. Encaminhar ao oftalmologista. É possível também a ocorrência de sensibilização e de manifestaçÕes alérgicas.ex. O contato com o líquido provoca irritação da pele.TRIETILAMINA 1. a toxicidade é reduzida. Pode haver escarro com sangue. Em caso de contato com os olhos ocorrem danos graves ao tecido conjuntivo e à córnea. conforme a concentração e a quantidade. Repouso. A ingestão provoca corrosão dolorosa das mucosas atingidas com tonturas.

Lavar os olhos durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. sedação da tosse. A morfina só deve ser utilizada em doses pequenas! Espessamento do sangue pela administração de líquidos por via oral ou clister. Se pelo efeito do calor ocorrerem vapores venenosos de SO2. sódio como laxante. A ingestão de SO3 é pouco provável devido ao forte efeito irritante dos vapores e da reação violenta com a umidade das mucosas. Repouso. Não se observaram. 2. auxílio à respiração.Administrar sulfato de tratamento de choque. havendo perigo de perda dos sentidos manter e transportar o acidentado deitado de lado de forma estável. Orientação médica ----------------Se houverem sido aspiradas grandes quantidades. manter as vias respiratórias livres por aspiração. utilizando de preferência solução fisiológica de cloreto de sódio. eventualmente TRIÓXIDO DE ENXOFRE 1. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A inalação dos vapores provoca efeito irritante/corrosivo sobre as mucosas. 3. sedativos centrais da tosse e prevenção de infecção com antibióticos. sobre os olhos e as vias respiratórias (relativamente rápido a partir de 100 ppm).5 g THAM por Kg de peso corporal. envenenamentos por reabsorção. sobre a pele úmida. Cuidado com o edema pulmonar nos casos extremos. eventualmente bronquite crônica e danos aos dentes. não tentar contê-lo por outras injeções endovenosas. Primeiros socorros -----------------Ar fresco. Administração de oxigênio. aplicando-se eventualmente depois carbonato de hidrogênio ou água de cal diluída. aquecimento. há possibilidade de danos graves aos pulmões. aquecimento. A porção de pele atingida deve ser lavada imediatamente com água abundante. Possibilidade de edema da glote. possibilidade de edema da glote. Durante o período de latência aplicação profiláctica de altas doses de Prednisolon endovenosa. entretanto. com infusão de um total de cerca de 0. . Não tentar procedimentos de neutralização e encaminhar imediatamente ao oftalmologista.

leite. eventualmente com sabão. evitar vômitos. Não utilizar qualquer composto de adrenalina/efedrina. Controle do equilíbrio ácido-base e da diurese. Transportar para local onde haja possibilidade de cuidado médico. Não havendo melhora aplicar uma ampola de metanfetamina subcutânea. fechando com uma gaze solta. é possível que ocorram condições de embriaguez e de excitação. Encaminhar ao oftalmologista. No caso de parada respiratória aplicar auxílio à respiração. profunda perda dos sentidos. 2.XILENO 1. No caso de inalação ar fresco. parada cardíaca. O xilol é irritante das mucosas e os seus vapores atacam principalmente o sistema nervoso central atuando como narcótico. Ocorrem em maior número os ácidos do toluol. Primeiros socorros -----------------Lavar a pele/mucosas atingidas com água. . Repouso. No caso de enfraquecimento do sistema circulatório tratamento de choque. A inalação prolongada de concentrações baixas provoca cefaléia e vertigens bem como distúrbios gastrointestinais com náuseas. aplicar antes na medida do possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. Evitar óleo de rícino. álcool! Não fazer lavagem estomacal sem incubação (perigo de aspiração). aquecimento. em caso de necessidade 20 ml de solução de glicose a 20-40% por via endovenosa. Em caso de ingestão fazer beber bastante água com carvão ativado. paralisação da respiração e espasmos. Não se conhecem danos crônicos. Em caso de contato com os olhos lavar por alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. uma vez que não formam produtos intermediários com esse efeito no organismo. Risco de choque. No que diz respeito ao risco da descendência reconhece-se uma tendência mas ainda não foi possível estabelecer uma classificação segura (Grupo D). Uma parte do xilol é eliminada pela respiração. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------Ao contrário do benzol. manter o acidentado deitado de lado em posição estável. Orientação médica ----------------Em caso de ingestão administrar imediatamente lodo de carvão ativado e sulfato de sódio (1 colher de sopa em 1/4 de litro de água. os xilóis não trazem dano ao sangue. liberar as vias respiratórias. Em cano de convulsões aplicar com cuidado Hexabarbital-sódio por via endovenosa. como por exemplo oxigênio. 3. Pesquisa de controle conforme BG-GRundsatz G 29. intolerabilidade do álcool. que são eliminados pela urina associados à glicina.

.

bradicardia. Tem-se descrito distúrbios da função hepática. Evitar vômitos na medida do possível. Características dos efeitos e toxicidade ---------------------------------------A xilidina (como a toluidina) é um forte formador de metahemoglobina muito mais ativo do que a anilina. Em caso de ingestão administrar imediata e repetidamente bastante água. Utilizar como laxante sulfato de sódio (1 colher de sopa em um copo de água). cianose. . se possível com carvão ativado (3 a 4 colheres de sopa). Em caso de ingestão aplicar o mais depressa possível e repetidamente bastante água com sulfato de sódio e boa quantidade de carvão ativado. bem como danos aos pulmÕes e aos rins. azul de metileno a 1%. 2 a 4 mg/Kg por via endovenosa. A presença concomitante do álcool potencializa perigosamente os efeitos. As concentraçÕes muito altas podem atacar o sistema nervoso central. aquecimento. levando à anemia. Contra a formação de metahemoglobina azul de toluidina. Não utilizar álcool em hipótese alguma. A absorção pela pele e mucosas é fácil. fechando com gaze solta. em caso de necessidade com vinagre ou solução de ácido acético a 5% aproximadamente e com água e sabão. eventualmente com euforia ("Anilinpips").2% (Helthion) 10 ml por via endovenosa e 10 ml intramuscular (a urina se torna escura) ou Vitamina C. Os sintomas são náuseas. cefaléia. Primeiros socorros -----------------Em caso de contato com a pele retirar imediatamente as roupas e enxaguar a pele atingida com polietilenoglicol (Lutrol. Orientação médica ----------------Em caso de contato com a pele prestar ou continuar os primeiros socorros. Aplicar antes se possível 1 a 2 gotas de Chibro-Kerakain e após colírio Isogutt. dispnéia. hipotonia. Repouso. Em caso de contato com os olhos lavar durante alguns minutos com água corrente mantendo as pálpebras do acidentado bem abertas. hematúria. Os envenenamentos em ambiente industrial ocorrem em geral por reabsorção pela pele.XILIDINA 1. 3. No caso de contaminação de áreas extensas fazer eventualmente banho completo em água corrente temperada. Podem ocorrer danos agudos ou crônicos irreversíveis das hemácias. Informar ao médico/à clínica a designação da substância e eventualmente uma amostra com outras informações. Encaminhar os oftalmologista. Roticlean). Nos experimentos realizados com animais observaram-se danos hepáticos diferenciadamente acentuados. 2. 1 a 2 mg/Kg por via endovenosa ou Thionin a 0.

encaminhando-o ao oftalmologista. máscaras. isto é. colocando-o em posição cômoda. solicitando que mexa os olhos para todos os lados. botas.Nos acidentes que envolvem os olhos. etc. que envolva substâncias químicas de efeito tóxico ou qualquer causa que acarrete risco para o profissional de saúde. afrouxando-lhe as roupas e.No caso de inalação de substâncias tóxicas. sua maneira de contato.1. exceto quando se tratar de neutralizantes específicos para determinados casos.Nos casos de ingestão. lavar imediatamente a pele com água corrente abundante (chuveiro ou bico d'água) e sabão. tendo o cuidado de manter as pálpebras afastadas. o colaborador acidentado deve ser afastado imediatamente do ambiente de exposição para um local de ventilação natural. lavar abundantemente com água corrente ou solução fisiológica. podendo proceder a irrigação ocular com solução fisiológica ou água corrente e o curativo estéril. o deve ser observado.Nos casos de contaminação cutânea. administrar-lhe oxigênio sob máscara. Ao prestar uma assistência ao colaborador acidentado. via de introdução e áreas do corpo atingidas. . se houver necessidade. de assistência imediata ao - . possibilitando uma ação mais efetiva. . provocar vômitos quando o colaborador acidentado estiver lúcido ou consciente. Internação em clínica 3 MEDIDAS GERAIS DE PRIMEIROS SOCORROS E DE TRATAMENTO IMEDIATO 3.FÁBRICA BR 127 por via endovenosa. óculos. o uso de equipamento de proteção individual (luvas. . As medidas gerais são: Inteirar-se sobre qual substância causou o acidente. e quando a substância química ingerida não for corrosiva.500 a 1000 mg especializada! ADM. .) se faz necessário. Não administrar medicamentos nos olhos. aventais impermeáveis. com a finalidade de remover o excesso da substância. realizando o procedimento quantas vezes necessário. Objetivo -------Estabelecer medidas padronizadas colaborador acidentado.

..Não provocar vômitos em colaboradores acidentados que tenham ingerido substância corrosiva ou que estejam em estado de inconsciência.

tendo como meta . retirando próteses dentárias e secreções que porventura estejam dificultando a respiração.Atentar e tratar o edema pulmonar agudo.Puncionar veia periférica para reposição hidro-eletrolítica e estabelecer uma via de administração de medicamentos.Retirar roupas. .ADM.Combater a hipertermia.Dar suporte psicológico principal mantê-lo calmo.Prevenir e tratar o choque. .Observar mudanças na coloração da pele (cianose e palidez) . . tendo o cuidado de desobstruir as vias aéreas superiores. se houver . Proteger a cabeça contra sinais de lipotímia. proceder a massagem cardíaca externa sincronizada com a ventilação artificial. ao acidentado. acidentes secundários. .Administrar analgésicos.FÁBRICA BR 128 . . .Manter o acidentado em decúbito lateral. . hipotermia.Tratar o edema de glote. . .Realizar a imunoprofilaxia tetânica.Tratar queimaduras. se necessário. . sapatos e meias molhadas ou contaminadas por produtos químicos tóxicos. se houver iminência de desmaio e vômitos. Manter o repouso e evitar agasalhando convenientemente o acidentado.Verificar e controlar os sinais vitais (PA+TPR). quando necessário. .Em caso de parada cardio-respiratória.

Procurar o SHMT sempre que for percebida alguma sensação desagradável relacionada ao desempenho da atividade laborativa e também para orientações adicionais sobre a saúde. promovendo a saúde e conscientizando os colaboradores da influência dos aspectos de saúde na sua prática laborativa.1. 4. aspectos de segurança e unidades de saúde. botas apropriadas.Conhecer os locais de evasão propostos pelo esquema geral de segurança da empresa em casos de acidentes. máscaras com filtros específicos. . Objetivo: --------Propor medidas preventivas que visam evitar acidentes do trabalho. .2. óculos protetores. Destacaremos a seguir as principais medidas preventivas adotadas nos locais de manuseio e processamento de substâncias químicas de alto teor de toxicidade e agressão ao organismo: .Usar e conservar os equipamentos de proteção individual adequados ao risco da exposição.ADM. . dentro das características que lhe forem peculiares. tais como: luvas protetoras. .FÁBRICA BR 129 4 MEDIDAS GERAIS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO 4. reciclagem e atualização de conhecimentos que envolvam os riscos de suas atividades. etc. .Seguir as normas de segurança preconizadas pela legislação em vigor e por sua empresa. atentando para o estado geral e controle dos limites de tolerância biológica (LTB) das substâncias a que estão expostos os colaboradores. roupas impermeáveis e vedantes.Realizar avaliação periódica de saúde. . Submeter periodicamente os colaboradores a treinamento. assim como os locais onde estão instalados os chuveiros de emergência. Observar e alertar colegas de serviço que encontrem-se cometendo ato inseguro ou estejam atuando sob condições inseguras durante às operações ou processos de trabalho.Concientizar dos riscos a que estão expostos e atentar para o controle do limite de exposição.

ADM.evitar o contato de substâncias químicas com a pele.trocar diariamente o uniforme de trabalho.Manter limpo o local de trabalho. lavando principalmente as mãos e o rosto. .alimentação. trocando-as se estiverem molhadas. como medida de segurança. lavá-lo com água em abundância e neutralizar com cal extinta ou hidróxido de magnésio. .tomar banho após o término do trabalho com bastante água e sabão.Orientar o colaborador para que tenha uma atitude tranqüila e segura na ocorrência e/ou atendimento de um acidente. destacando a importância de: . os olhos e as roupas. . utilizando após creme emoliente. conduto auditivo e dobras cutâneas. nunca permitir que o colaborador trabalhe sozinho em áreas de alta periculosidade.não comer.Nunca fumar nas dependências da empresa. havendo derramamento de ácido no chão. sono e repouso adequados.FÁBRICA BR 130 . .Recomenda-se. cabelos. .Orientar os colaboradores quanto aos aspectos de higiene pessoal. . . beber ou conservar alimentos nas áreas de produção e/ou processamento de substâncias químicas. .reforçar a limpeza das unhas. . .

no ímpeto de ajudar o acidentado.Ao transportar o acidentado. como por exemplo. Prestar assistência ao indivíduo acidentado é sem dúvida. faça-o com segurança. procurar o auxilio de outros colegas ou pessoas que porventura estejam circulando próximo ao acidente. um telefonema.Usar equipamento de proteção individual sempre que prestar assistência ao acidentado (luvas impermeáveis longas. Mas. para que seja submetido a exames de avaliação e orientaçÕes. .ADM. quando não estamos convenientemente preparados para este fim. é importante nessas ocasiões. efetuar a lavagem das mãos antes e após cada atendimento. uma atitude nobre. aproveitar a oportunidade e relatar sua própria exposição no evento.Sempre que prestar assistência ao acidentado. ex. Por menor que seja a ajuda. capacete. .). que engrandece e dignifica o ser humano. . etc. Portanto. . Manter o estado emocional equilibrado antes de prestar qualquer cuidado. máscara contra gás. pois este constitui um fator preponderante na qualidade da prestação da assistência. sapatos ou botas. avental impermeável.: indivíduo desacordado numa área com escapamento de vapores tóxicos.Proceder a auto-higienizaçåo após prestar assistência ao acidentado ou exposição a produtos químicos circunstanciais em geral.1. podemos enveredar por caminhos desagradáveis. . Para o serviço de saúde. tornase fundamental lembrar alguns preceitos básicos no atendimento ao acidentado. principalmente.FÁBRICA BR 131 5 AUTO CUIDADO NO ATENDIMENTO 5.

havendo a alternativa de uso de whisky. A dose emética para o adulto é de 5mg I. pelo perigo de flebotrombose). A administração é I. primeiramente diluir o álcali.M. diluído em água até 5%. não produz efeitos tóxicos ou colaterais indesejáveis.V. nem incompatibilidade com outras substâncias usadas para a mesma terapia. são utilizados para neutralizar os álcalis cáusticos. em leite. o álcool a 50% pode ser misturado com soro fisiológico ou glicosado isotônico (não usar concentrações de álcool superiores a 5%. 6. se pode repetir a administração somente uma vez. 6. Se.5 ml/kg. Controlar o fluxo da infusão de modo a administrar 0. diluídos (5 colheres em um copo de água). para injeção I. ou mais precisamente 0. . Administra-se por via oral 3 a 4 claras de ovo emulsionadas em 300 ml de água ou.25 a 0. e indicado no tratamento de todas as síndromes hepáticas por tóxicos exógenos. em doses de 300 a 500 mg/24horas.3 ALBUMINA DE OVO (CLARA DE OVO) ----------------------------Bloqueia a ação de substâncias corrosivas e a absorção de sais de metais pesados. nas mesmas doses.V. Repetir doses de 0.FÁBRICA BR 132 6 RELAÇÃO DOS ANTÍDOTOS 6. preferivelmente em infusão contínua ou ao longo das 24hs.ADM.1 ÁCIDO ACÉTICO ------------O vinagre de mesa ou ácido acético a 5%. após 15 minutos não aparecer o seu efeito. 6. Em caso de ingestão destes últimos. ou subcutânea. 6.4 ÁLCOOL ETÍLICO -------------Nas intoxicações por álcool metílico. Mesmo em dose duas ou três vezes maior que aquela indicada.M. em doses de 1 a 1. Se a via gástrica não for utilizável.06 mg/kg. o etanol a 50%. doador grupos SH.5 APOMORFINA ---------É um emético (preparado galênico) fornecido em ampolas de 10mg/ml para administração I. pode ser administrado por via oral.5 ml/kg de álcool a 50% por hora.5 a 1 ml/kg cada 2 horas. sem que haja perfuração gástrica. de 3mg/10ml.2 ÁCIDO TIÓCTICO (TIOCTIDASE) -------------------------É um hepatoprotetor. administrando então 2 copos da água acidificada (ver acima) ou ainda com o suco de 1-2 limões. fazendo o paciente ingerir grande quantidade de água. sempre diluído em água. durante 4 dias. preferivelmente.

Doses de 5 mg/kg a cada 3 horas.M. dia 3o.FÁBRICA BR 133 Em caso de urgência é possível utilizar a via I. É indicado nas intoxicaçÕes por arsênio. Se o efeito emético for muito prolongado. mercúrio. dia nos 10 dias sucessivos ou até a recuperação 6 doses/dia 4 doses/dia 2 doses/dia 1 dose /dia cada cada 4 horas 6 horas cada 12 horas cada 24 horas Em casos particularmente graves é possível utilizar uma dose inicial mais elevada (5mg/kg). A administração deve ser sempre I. dia 2o. antimônio. e a injeção deve ser feita lentamente até o aparecimento de náuseas. níquel e chumbo. dose 3 mg/kg de peso corpóreo 1o. não parecem causar efeitos tóxicos decorrentes do acumulo. . dia nos 10 dias sucessivos ou até a recuperação 6 doses/dia 6 doses/dia 4 doses/dia 2 doses/dia cada cada cada 4 horas 4 horas 6 horas cada 12 horas INTOXICAÇÃO DE GRAVIDADE MÉDIA : dose 2.V.V. conforme segue abaixo: INTOXICAÇÃO GRAVE. Efeitos secundários: -------------------Mesmo em doses terapêuticas se pode observar efeitos secundários transitórios.5 mg/kg 1o. durante 24 horas. e não em ml de solução.. bismuto. sendo perigoso ou inativo nas intoxicaçÕes por outros metais. 6. é possível bloqueá-lo com nalorfina (1-2 mg I.6 BAL .ADM. para os quais é indicado. dia 2o. A dose calculada em mg de BAL. preferivelmente entre 3 4 hs após a intoxicação por metais.DIMERCAPROL (Britsh Anti-Lewisite) ---------------------------------------É apresentado em ampolas de 100 mg/ml em solvente oleoso..). dia 3o.

A reação acontece por conversão da substância corada em leucobase. Em presença de DPN reduzido. contrição e formigamento) nos lábios. o azul de metileno converte uma pequena fração de Hb normal em meta Hb. mãos e pênis. cefaléia). Já em doses mais elevadas (acima de 500 mg) é relatado o aparecimento de vômitos. O azul de metileno é indicado apenas quando a concentração de metahemoglobina é superior a 40% ou quando houver sinais de hipóxia devido a um déficit no transporte de oxigênio (dispnéia. garganta. 6. mas a reação é mais lenta do que aquela com o azul de metileno. Tal incremento é proporcional à dose administrada e atinge o seu máximo até 2 horas após o uso. náuseas e vertigens. inativo na meteahemoglobinemia causada por compostos clorados e nos indivíduos com carência da glicose . por injeção I. Este é. são: náuseas.7 AZUL DE METILENO ---------------Apresentado em solução a 1% em ampolas de 10ml é indicado nas metahemoglobinemias. sudorese. em doses de 1g é capaz de reduzir o íon férrico da metahemoglobina em íon ferroso. então. Se não existe metahemoglobinemia. repetir a injeção do azul de metileno. Efeitos colaterais -----------------Para doses terapêuticas poderá ocorrer hipertensão. aparecimento dos sinais de Chvostek (contração dos músculos faciais após bater no tronco do nervo facial logo à frente do meato auditivo externo) e de Trousseau (espasmo do carpo ou "mão de obstetra") ..flexão do pulso e dos dedos em correspondência com as articulações metacarpofalangeanas com extensão das articulaçÕes interfalangeanas e adução do polegar).FÁBRICA BR 134 O efeito mais constante do BAL em doses terapêuticas é um aumento da pressão arterial sistólica e diastólica com taquicardia. diarréias. vômitos. Atua reduzindo o íon férrico da metahemoglobina a íon ferroso e.6 . Todos os efeitos tóxicos do BAL são reversíveis espontaneamente após um breve período de tempo e. dores abdominais ou lombares.ADM. parestesias (sensação de queimadura. boca. a reação é contínua e não é necessário. lacrimejamento e salivação. cefaléias.2 mh/kg.V. ou 1 . cianose intensa. no entanto. portanto. dores torácicas. Esta leucobase rapidamente reduz o íon férrico (Fe +++) a ferroso (Fe ++) enquanto se recupera o azul de metileno.fosfato desidrogenase (G-6-PDH). retornando à hemoglobina normal. tremores. As doses indicadas variam entre 10 e 50 ml de solução a 1% segundo a gravidade da situação. conjuntivite. por meio da coenzima DPN (difosfato-piridin-nucleotídeo). lentamente. . tórax. por ordem de frequência observada. Também o ácido ascórbico (vitamina C).

10 HIDROXICOBALAMINA ----------------Apresentada em ampolas de 1000 ug liofilizadas.NAVARRON LA ROCHE) -----------------------------------------------------------É encontrado em ampolas de 300mg/20ml e pode substituir o complexo nitrito de amila. em doses de 2 a 4 g I.V. tiossulfato) na intoxicação por ácido cianídrico e por cianetos. Usado em doses de 300 a 600 mg E. Um grama de carvão ativado adsorve de 0. mas se não houver efeito dentro de 15 minutos. A suspensão é dada na razão de 5 ml/kg e. cianose.confusão mental. para ressuspensão no momento do uso.V. preparado galênico que contém: extrato fluido de ipecacuana .U. nitrito de sódio e tiossulfato usados no tratamento das intoxicaçÕes por ácido cianídrico e cianetos.V. seguido rapidamente de 50 ml I. Pode ser útil associar igualmente à injeção de tiossulfato de sódio. pode-se repetir a administração uma única vez. 6.7 ml. glicerol 10 ml. ADM. de solução glicosada hipertônica.1 a 1 g de substâncias tóxicas.Hipertensão arterial. Efeitos colaterais . sudorese e anemia hemolítica.11 IPECACUANA (Xarope . 100 ml. para a lavagem gástrica. xarope simples q. Garantir que o pó esteja bem molhado.) -----------------------------------É o adsorvente específico mais usado sob a forma de suspensão a 10% em solução fisiológica. pode se repetir a administração várias vezes após cada remoção. Preparação . É utilizado em doses de 15 ml diluídos em /ou em seguida a mais ou menos 100ml de suco de frutas..FÁBRICA BR 135 6. além de ser boa norma ter sempre à disposição algumas ampolas da suspensão pronta para uso.9 EDETATO BICOBÁLTICO (EDTA CO2. nitrito de sódio.KELOCYANOR .s. A administração abundante de líquidos facilita o vômito.IPECA xarope) ---------------------------------É o emético de eleição.Agitar vigorosamente 50 g de carvão finamente pulverizado em 400 ml de solução fisiológica num recipiente de pelo menos meio litro de capacidade.. Estes efeitos são fugazes. 6. Liga-se ao íon cianeto e é indicada em substituição aos antídotos clássicos (nitrito de amila. 6. talvez com maior eficácia e certamente com simplificação do tratamento. benignos e reversíveis espontaneamente. .p. xarope aromatizado ou água. chá.8 CARVÃO ATIVO (carbo medicinalis F.

Esta é lentamente retransformada em Hb. e queda de pressão pela ação hipotensiva dos nitritos.inalação de nitrito de amila (15 a 30 inalações a cada minuto e durante 4 a 5 minutos). fixando-o sob a forma de cianometahemoglobina. no entanto.FÁBRICA BR 136 6. até cerca de 12g no adulto. para todos os tóxicos lipossolúveis. Deve ser conservado em recipiente bem fechado para evitar sua degradação na forma de carbonato. o qual determina distensão das paredes gástricas com perigo de lesão e perfuração das mesmas. ao passo que o íon cianeto é por sua vez transformado por via enzimática em íon tiocianato não tóxico. . O leite.) ésteres organofosfóricos. a qual separa o íon cianeto da citocromoxidase. é contra-indicado em intoxicaçÕes por cloretos de alquila (CHCl3.de injeção intravenosa lenta (não menos de 10 minutos) 50 ml de tiossulfato de sódio a 25%. mas apresenta alguns perigos.12 LEITE ----Bloqueia a absorção dos sais de metais pesados. . tais como: formação de quantidades excessivas de metahemoglobina com agravamento da anoxia. fósforo branco e. São formadores da metahemoglobina. leite ou ainda em água. Este tratamento é eficaz.ATENÇÃO: não confundir com o extrato fluido que é tóxico pelo seu alto teor de alcalóides. trielina. onde se adicionou 2 a 3 claras de ovo.injeção intravenosa lenta (possível queda de pressão) de 10 ml de nitrito de sódio a 3% seguidos. ou mais diluído. O uso do leite em pó e diluído no momento com duas partes de água é também muito prático.é um neutralizante dos ácidos sob a forma de suspensão extemporânea de uma colherinha em 300 ml de água.14 NITRITO DE AMILA E NITRITO DE SÓDIO ----------------------------------São antídotos do ácido cianídrico e cianetos utilizados em associação com tiossulfato de sódio. etc.13 MAGNÉSIO -------Em pó ou similar . ADM. 6. . Como alternativa ver EDTA CO2 e HIDROXICOBALAMINA. 6. em geral. pois o leite facilita sua absorção. Esta última reação é acelerada pelo tiossulfato. origina o anidrido carbônico. em presença de ácidos. dilui e neutraliza a ação dos ácidos e dos álcalis corrosivos. CCl4. O uso destes antídotos é feito nas seguintes etapas: .sem retirar a agulha . que.

M. lenta (não menos de 10 minutos) em dose de 50 ml a 25%. arsênio e outros metais pesados.V.ADM. paracetaminofenol.18 THIOLA (alfa-mercaptopropionilglicerina) ---------------------------------------É um doador de grupos . Deve ser sempre usado depois de outros antídotos que separam o íon cianeto da citocromoxidase indiretamente. Pode ser usado seja "per os". agranulocitose e trombocitopenia. compressas e ampolas é rapidamente absorvido pelo tubo digestivo e é administrado em doses de 25 mg/Kg/dia "per os". 6. . iodo e ácido cianídrico. tetracloreto de carbono e outros halogenados. fósforo. administrar 3 ml de Maalox diluído em pouca água. ou mais diluído. 6.4 administrações 1/2 hora antes das refeições. Nos envenenamentos do cianeto em tiocianato não tóxico. 6. Efeitos colaterais: -----------------Manifestações alérgicas.17 TIOSSULFATO DE SÓDIO (hipossulfito de sódio) -------------------------------------------É um antídoto para intoxicaçÕes por hipoclorito.FÁBRICA BR 137 6. leucopenia. é um antídoto quelante usado nas intoxicações por sais de cobre e intoxicaçÕes por chumbo e mercúrio.SH. ou I.. indicado para a proteção específica contra venenos hepatotóxicos (toxina Amanita phaloides). anti-espumante -----------------------------------------------A ingestão de detergentes aniônicos não iônicos e derivados de amônia quaternária (catiônicos) pode provocar formação de espuma com risco de absorção pelas vias respiratórias.16 SIMETICONE . Nestes casos. tricloroetileno. ou nos casos graves.DIMETILPOLISILOXANA. iproniazida e similares. Utilizado na forma de injeção I.10 mg/Kg por dia. seja por via I. Após uso prolongado: síndromes nefróticas. em doses de 8 . cutâneas (sobretudo nos indivíduos sensíveis à penicilina).). em solução de 10% para inativar os hipocloritos em dose de 200ml ou mais. por meio da formação de metahemoglobina.V. 3 a 6 g por infusão contínua nas 24 primeiras horas. absorver o conteúdo gástrico. pielonefrites e nevrite ótica. Preparado em cápsulas. a 5% para precipitar o iodo na forma de iodetos insolúveis (100 ml). assegurar-se da ausência de espuma e conduzir a lavagem gástrica juntando à solução de lavagem 2ml/l de Maalox. Todos os efeitos são reversíveis com a suspensão do tratamento. É usado por via oral. etc. atophan. até cerca de 12g para os adultos. dividido em 3 .15 PENICILINAS (CLOROIDRATO) ------------------------É um produto de hidrólise da penicilina.

FÁBRICA BR 138 7 RELAÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS TÓXICAS COM ANTÍDOTOS ESPECÍFICOS .ADM.

Alcool etilico | .NARCOTICOS | .Água ou leite albuminados | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 2) ACIDO CIANÍDRICO E | .Albumina de ovo | * * | .Hidroxicobalamina | * * | .Leite ou agua albuminados | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 4) ALCOOL METILICO | .ADM.Hexanguinotransfusao * * METAHEMOGLOBINIZANTES | .Leite | * * | . nao | | * * nos toxicomanes).* * | | dialise.Azul de Metileno | .Sodio Tiossulfato | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 3) ALCALES CAUSTICOS | . * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 8) ARSENIO | .Nalorfina Bromidrato | * * NATURAIS E SINTETICOS | | * * (Morfina. Acetico (diluidos) | * * | .Simeticone | * * E NAO-IONICOS | | * * ------------------------------------------------------------------------------------* 139 . limao | * * | .Dialise Piroteneal ou* * | | Hemodialise (depois * * | | da administracao do * * | | antidoto). C (Acido Ascorbico) | em subordem: Dialise * * | | Peritoneal ou Hemo.Vinagre.Albumina de ovo | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 10) DETERGENTES ANIONICOS | . | | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 7) ANILINA E OUTROS | .Magnésia | * * | .Keylocianor) | * * | .Dialise peritoneal * * | | ou Hemodialise * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 5) AMONIA QUATERNARIO | | * * (Derivados) | .Simeticone | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 6) ANALGESICOS . heroina.Nitrito de Amila | * * | . * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 9) CORROSIVOS | . | | * * nao em associacao.Edetato Bicobáltico | * * CIANETOS | (EDTA Co2 .Dimercaprol (BAL) | .Vit. ecc.Leite | * * | .Ac.FÁBRICA BR ======================================================================================= * RELAÇÃO DAS SUBSTANCIAS TÓXICAS COM ANTÍDOTOS ESPECÍFICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------* * SUBSTANCIAS TÓXICAS | ANTÍDOTOS | OUTRA TERAPIA * ======================================================================================= * | | * * 1) ÁCIDOS CÁUSTICOS | .Nitrito de Sodio | * * | .

Penicilamina.Acido Tioctico | * * O FIGADO | .m.Thiola (alfa-Mercaptopro. | Anti-tosse * * | | * * IDROMORFONE | 2-4 mg | * * | | * * MEPERIDINA.Penicilamina | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 18) TENSOATIVOS (conteudos | .v. BERILIO.Calcio Edetato Bisodico | * * MANGANES. | . | * * DOLANTINA) | lentamente | Espasmolitico * * | | * * ------------------------------------------------------------------------------------* 140 .Leite | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 17) SAIS DE COBRE | . | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * ESTUPEFACIENTES: deprimem a respiracao e provocam o habito * *-------------------------------------------------------------------------------------* * NOME | DOSE | OUTROS EFEITOS * *-------------------------------------------------------------------------------------* * MORFINA (Prenarcol) | 10-20 miligramas i. ZINCO.Calcio Edetato Bisodico | * * | CaNa2 EDTA | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 16) SAIS DE METAIS PESADOS | .F_BRICA BR ======================================================================================= * RELACAO DAS SUBSTANCIAS TOXICAS COM ANTIDOTOS ESPECIFICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------* * SUBSTANCIAS TOXICAS | ANTIDOTOS | OUTRA TERAPIA * ======================================================================================= * 11) FLUORETOS | .| * * | pionilglicina).Dimercaprol (Bal) | . e tambem | * * | . ou e.v.Dialise peritoneal ou* * | | Hemodialise (depois * * | | da administracao do * * | | antidoto). (DEMEROL | 100 mg i.m.Calcio | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 12) MERCURIO (e compostos) | .Albumina de ovo | * * | . lentamente | * * | | * * CODEINA (Becosan. * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 13) METAIS (FERRO.Simeticone | * * em todos os detergentes) | | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 19) TOXICOS IGNORADOS | . ou | * * | e.Sodio Sulfato | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 15) COBRE | . Ambenyl) | 20-40 miligramas i. | CaNa2 EDTA | * * CHUMBO) | | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 14) CHUMBO (SAIS SOULVEIS) | .m.ADM.Carvao ativado | * * ------------------------------------------------------------------------------------* * 20) TOXICOS COM ACAO SOBRE | .

| Espasmolitico * * | | * * DESTRAMORAMIDA | 5-10 mg i. algafan.o. e.5-1.o. Cerimit) | | anti-inflamatorio * * | | * * PARACETAMOL | 0. | anti-piretico * * antiespasmodico (BARALGINA) | i.8 g v.. saridon) | | * * | | * * FENAZONA | 0.5 somente v. e.m.m. | anti-inflamatorio * ======================================================================================= 141 .m. i.0 g v.0 g v.v. Doranol) | | * * | | * * METAMIZOL (Novalgina) + | 0.o. | anti-piretico * * (auditol. | brando * * | | * * FENILBUTAZONA (Celestazone.5-1.3-0.5-1. e. | 0. Pyrethane) | | * * | | * * AMINOFENAZONA | 0. | anti-piretico * * (Parazolidin. Teraflu) | | * * | | * * FENACETINA | 0. | Espasmolitico * * | | * * PENTASOCINE (Sossegon) | 30-60 mg i.m.o.o.F_BRICA BR ======================================================================================= * RELACAO DAS SUBSTANCIAS TOXICAS COM ANTIDOTOS ESPECIFICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------* * SUBSTANCIAS TOXICAS | ANTIDOTOS | OUTRA TERAPIA * ======================================================================================= * LEVORFANOL | 2-4 mg i.5 g v.v..v.4-0. | anti-piretico * * (antigripe..o. ACETIL SALICILICO | 0. | anti-piretico * * (cibalena.m.o.o. Parazodilin) | | * * | | * * INDOMETACIN (Indocid) | 20-50 mg v.6 g v. | * * | lentamente | * *-------------------------------------------------------------------------------------* * ANALGESICOS: acao antipiretica e tambem anti-inflamatoria | * *-------------------------------------------------------------------------------------* * Ac.0 g v. | anti-inflamatorio * * Doriplex.2-0.ADM. | anti-piretico e * * (Aspirina.

F_BRICA BR 142 8 ORIENTAÇÅO DE DIAGN_STICO DIFERENCIADO .ADM.

infarto de | ECG.Parada circulatoria subita| acido cianidrico. hemocultura. RX do * * | por causticantes e como | | | abdomem com niveis gaso.* * | | | | las. elevada.* * | | | | nal. etc)* *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 3.Colapso. Frequente nas le| | | * * | soes do tubo digestivo | | oclusao | sinais abdominais.* * | | | | poprotidemia. nervoso.Edema pulmonar agudo | gases.| | xinfeccoes alimentares | * * | de perda de agua e ele.* * | consequencia do vomito | | gastroenterite aguda. sinais abdominais * * | rico. fluoretos e vene. * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 4. fu-| anamnese | cardiopatias vasculares.* * | por arsenico. alteracoes enzimati-* * | | | | cas * * | | | | * * | | | septicemia | febre. utero. sinais humorais * * | cos | | miocardio | * *=====================================================================================================================================* . sinais humorais * * | | salivacao.E.| ECG. pos. anemia e * * | | | | hipoosmolaridade do plas-* * | | | | ma.| | | * * | nos vegetais.| | | tose. especialmente | | peritonite | V. vomito. he* * | qualquer intoxicacao | | rompimento de varizes | matocrito * * | com ataque cardiaco.F_BRICA BR 143 *=====================================================================================================================================* * ORIENTACAO DE DIAGNOSTICO DIFERENCIAL CARDIO-VASCULARES * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * SINAIS CLINICOS | INTOXICACOES | OUTRA PATOLOGIA * * DOMINANTES |-------------------------------------------------------------------------------------------------------* * | TIPO |DADOS PARA CONFIRMACAO| TIPO | DADOS PARA CONFIRMACAO * *=====================================================================================================================================* * | | | | * * 1. | infarto miocardio | ECG. sinais humorais * * | tos | amargas do halito e | drome de Adams-Stokes . to| sos * * | e de diarreia com gran.Arritmias cardiacas | hidrocarbonetos | coma com convulsao | cardiopatia valvular | sinais cardiacos * * | | | | * * | hidrocarbonetos aromati-| vomitos | miocardite. miose. faringe. acido bo. focus* * | | | | septicus inicial (amida.| | | * * | trolitos. mais sinais especifi-* * | | | | cos de insuficiencia re. | * * | vo. leucoci.ADM. choque | pode ser complicacao de | anamnese | hemorragia interna por | hematesis. sin. vapores.| sinais cardiovasculares * * | mos toxicos | | hipertensao | * * | | | | * * | esteres fosforados | bradicardia.vas-| | ou por ulcera-gastro-du | * * | cular. digesti-| | odenal. | | * * | | caimbras abdominais | nefropatia cronica | hipertensao arterial hi. | | | * * | | | | * * | CO | | infarto miocardio | ECG. melena. | * * | | /ou conteudo gas| crise asfictica por cor | * * | | trico | po estranho | * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 2. ciane-| cheiro de amendoas | infarto miocardio.S.

| inalacao de corpo estra-| endoscopia. pos | cao recente por al.| ticos ou corrosivos | queimadura da oro. dedos hipocra.* * | | ate paralisia mus. pneu. ECG.* * | | gastricas.| anteriores. | * * | | | enfisema.| | nais clinicos da cardio. cefaleia.ADM. convulsoes. | arteria pulmonar.* * | | cular. RX do torax. sinais de| craneanos | gico e neurologico * * | | perfuracao do tubo | | * * | | digestivo (por in.| anamnese de exposi.| | * * rias ou traqueobronquial | | faringe.* * | | coma.| paralisia dos nervos | exame otorrinolaringolo.caus-| faringe. colapso. edema pulmonar| * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 3. | | patia e dados laborato.* * | | total ausencia de | | tacao. sinais de | nho | * * primeiras vias respirato.| anamnese.F_BRICA BR 144 *=====================================================================================================================================* * ORIENTACAO DE DIAGNOSTICO DIFERENCIAL RESPIRATORIOS * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * SINAIS CLINICOS | INTOXICACOES | OUTRA PATOLOGIA * * DOMINANTES |------------------------------------------------|------------------------------------------------------* * | TIPO |DADOS PARA CONFIRMACAO| TIPO | DADOS PARA CONFIRMACAO * *=====================================================================================================================================* * | | | | * * 1. para os fos. dispneia.* * | | | ficiencia respiratoria | ticos. * * | | | cronica por bronquite. agi. RX do torax * * c/ sinais de obstrucao das| agentes irritantes. sinais * * | | pulmonares | | objetivos toraxicos.| | * * | | gestao) | | * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 2. edema | anamnese de episodios * * | forados e carbonetos | aumento de peris| pulmonar agudo cardio.Insuficiencia respiratoria| ingestao ou inalacao de | edema da laringe. Insuficien.* * | | taltismo.| cianose predominante no * * obstrucao | nizantes | confusao ate a coma | motorax espontaneo | rosto. edema * * | | sinais objetivos | | pulmonar.| | anteriores * * bronquiolo-alveolar | | guns minutos ate | | * * | | 6-12 horas antes | | * * | | | | * * | esteres organo e tiofos-| miose.Insuficiencia respiratoria| inalacao de gases toxi.| | riais * * | | forados contato por | | * * | | qualquer via de 30' | | * * | | ate 2-3 horas antes | | * * | | | | * * | | | descompensacao na insu. | crise asmatica. bradicardia. * * | | | | RX do torax * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * *=====================================================================================================================================* . tremores | genico | cia circulatoria e si.| crises asmaticas | anamnese de episodios * * com sinais de obstrucao | cos ou irritantes.| intensa. dores epi.Insuficiencia respiratoria| anilina e outros toxicos| cianose difundida | tromboembolia macica da | aparecimento subito de * * em ausencia de sinais de | meta ou sulfahemoglobi.

| | | * * cacao seja para muitas ou-| laxantes e purgativos. alcalis | logicos.* * (sozinhos sao sinais espe-| corrosivos.F_BRICA BR 145 *=====================================================================================================================================* * ORIENTACAO DE DIAGNOSTICO DIFERENCIAL GASTROENTERICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * SINAIS CLINICOS | INTOXICACOES | OUTRA PATOLOGIA * * DOMINANTES |------------------------------------------------|------------------------------------------------------* * | TIPO |DADOS PARA CONFIRMACAO| TIPO | DADOS PARA CONFIRMACAO * *=====================================================================================================================================* * | | | | * * 1.| tifo. vomito. diarreia | metais. acidos. paralisia dos * * | | | | nervos cranianos.| seticidas. quadri-* * | | | | plegia. in. | | toxinfeccoes alimentares| anamnese.Sindrome gastroenterica | a maioria dos toxicos | anamnese. paralisia dos * * | | | | musculos respiratorios. paratifo. exames bac-* * nausea. coprocultura * * tras patologias) | | | | * * | | | botulismo | sinais neurologicos. dores abdominais. exames | gastroenterite aguda. | febre com estado septico. tensoativos. | colera e outras formas | teriologicos e sorologi. di. * * | | | | (atencao! Os sintomas * * | | | | gastroentericos podem * * | | | | ser moderados ou ausen.ADM.| | infecciosas | cos * * cificos seja para intoxi. * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * *=====================================================================================================================================* .* * | | | | plopia.* * | | | | tes. | quimicos especialmente | clinicos e toxico.* * aguda. | coprocultura. fenois.

parada res.* * | | | | teral do tono muscular ou* * | | | | de motilidade espontanea * * | | | | e reflexa.| * * | | | cacao por hidrocarbone.* * | | amargas (HCN) ou de | ventricular.| macica espontanea.* * | | | | pertensao endocraniana. | * * | CO. | cos: anisocoria. sinais de hi. lesoes craneanas e * * | | | | ou extracraneanas).ne. endoscopia. * *=====================================================================================================================================* .* * | | | | teral do tono muscular ou* * | alcalis e glicois | | | da motilidade espontantea* * | | | | e reflexa.* * | querosene e derivados | | | pertensao endocreana * * | do petroleo | | | * * | | | | * * | hidrocarbonetos | | | * * | | | | * * | acetaldeido e similares | | | * * | tensoativos cationicos | conteudo gastrico | lesao cerebral | como acima. assimetria la. * * | | | ventricular por intoxi. sinais de hi. | cheiro de amendoas | sistolia ou fibrilacao | ECG e. desvios * * | | ristico | trombose cerebral | oculares. desvios * * | | | | aculares. mais as cir.* * | aromaticos | com cheiro caracte. eventualmente hu.* * | | espumoso | traumatica | cunstancias e sinais do * * | | | | trauma (fraturas. CO2 e outros gases | mente tambem circula-| | * * | toxicos ou inertes com | toria. contu.| (aspiracao de corpo es.F_BRICA BR 146 *=====================================================================================================================================* * ORIENTACAO DE DIAGNOSTICO DIFERENCIAL NEUROLOGICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * SINAIS CLINICOS | INTOXICACOES | OUTRA PATOLOGIA * * DOMINANTES |------------------------------------------------|------------------------------------------------------* * | TIPO |DADOS PARA CONFIRMACAO| TIPO | DADOS PARA CONFIRMACAO * *=====================================================================================================================================* * | | | | * * 1. assimetria la. | morais de isquemia .ADM. * * com aparecimento subito | netos | breve periodos de | obstrucao aguda total | * * | | dispneia e/ou con| das vias respiratorias | * * | acido sulfidrico | vulsoes.| * * | | piratoria. * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 2. eventual.| tranho).| circulatorio. sinais do * * | cao. halito e con.* * | | | macica espontanea | cos: anisocoria.Coma de qualquer | CO | | hemorragia subaracnoidea| rigor nucal * * profundidade | | | | * * | hidrocarbonetos | conteudo gastrico | hemorragia cerebral | sinais focais neurologi.| Infarto miocardioo com | Apos o restabelecimento * * | alto poder de concentra | teudo gastrico com | parada cardiaca em as.* * | | | | soes.| * * | | | tos).Coma profunda ou arreflexo| acido cianidrico ou cia-| Coma precedido por | Crises asficticas por | RX do torax.* * | | ovos podres (H2S) | (e possivel fibrilacao | crose miocardica. | * * | | | | * * | | | Hemorragia subaracnoidea| Liquor hematico * * | | | | * * | | | Hemorragia cerebral | sinais locais neurologi.

No caso de* * | | | | nao seguir outras crises * * | | | | convulsivas a resolucao e* * | | | | espontanea e rapida. dados de labo. confusao. * . | episodio febril ou inter-* * | | | | vencao cirurgica.* * | | xicos exogenos e | co ou hiperosmolar.| dados objetivos e | matoria: hipertensao en-| * * cia sem contato psicologi-| ou em fase inicial | neurologicos: re| docreana por qualquer | * * co com o ambiente e rea. | | dades febris | processo inflamatorio em * * | acido cianidrico | | | curso. atitude| provocam coma (ver 1 | lidade duvidosa os | matica. | * * | | | histeria. | hipoglicemico.Estado de extupor. cor | | * * | | e aspecto da pele e | choque por calor | condicoes ambientais ou * * | | cheiro do halito.Convulsoes tonico-cronicas| inseticidas clorados | | Epilepsia | anamnese de episodios an-* * | | | | teriores. * * | | | | * * | | | lesao cerebral anoxica: | * * | | | pode coexistir e se so. observacao * * | | | neuroses | * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 4. EEG * * | | | | com sinais focais fixos * * | | | | e caracteristicos.| coma diabetico.| enca exantematica. | flexos oculares e | causa. coma| ratorio * * | | endogenos. * * | coma anoxico e ao dese. psicoses e | anamnese. | * * coes adequadas aos estimu-| | pupilares. crises latera. emude. vascular.* * | substancias que levam ao| | | lizadas ou jacksonianas. | | climaticas. infla-| * * comportamental de vigilan-| e 2) em dosagens baixas.| | | * * | quilibrio metabolico | | complicacoes de enfermi-| idade inferior a 5-6 anos* * | grave.| todos os toxicos que | ambiguos e de uti.| * * | | | brepor a intoxicacao | * * | | | exogena que causa insu.| patologia cerebral trau-| vide (2) * * cimento. herpes* * | | | logica. vacina-* * | | | | cao (especialmente anti. | | osteotendineos e | Insolacao | * * | | tono muscular.* * | | | | variola).F_BRICA BR 147 *=====================================================================================================================================* * ORIENTACAO DE DIAGNOSTICO DIFERENCIAL NEUROLOGICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * SINAIS CLINICOS | INTOXICACOES | OUTRA PATOLOGIA * * DOMINANTES |------------------------------------------------|------------------------------------------------------* * | TIPO |DADOS PARA CONFIRMACAO| TIPO | DADOS PARA CONFIRMACAO * *=====================================================================================================================================* * | | | meningoencefalite viral | nos dias antecedentes do-* * | | | ou de origem autoimuno.| * * | | | ficiencia respiratoria | * * | | | ou circulatoria grave | * * | | | | * * | | | coma post-crisis | anamnese de epilepsia ja * * | | | | diagnosticada. * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 3.| ou de cura. acidoti-| anamnese. hipertermia * * | | podem ser semelhan.ADM.| | * * | | tes nos estados to. reflexos | | * * los.

| alcool (intoxicacao mo.*=====================================================================================================================================* ADM. doenca de Parkin-| anamnese * * distonmia do tipo extra.| delirium tremens. | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * * | | | | * . arritmias | corea. histe-| anamnese * * alucinacoes. alucina| psicoses | * * | | coes. manifesta| derada ou fase inicial) | tico do halito. neuroses.F_BRICA BR 148 *=====================================================================================================================================* * ORIENTACAO DE DIAGNOSTICO DIFERENCIAL NEUROLOGICOS * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * SINAIS CLINICOS | INTOXICACOES | OUTRA PATOLOGIA * * DOMINANTES |------------------------------------------------|------------------------------------------------------* * | TIPO |DADOS PARA CONFIRMACAO| TIPO | DADOS PARA CONFIRMACAO * *=====================================================================================================================================* * | | | | * * 5.| | | * * | lepticos. poliuria. psicoses | * * coes psicoticas.| * * piramidal. histeria. | | conteudo gastrico.| midriase.| mina. | | * * | | vomito. | | * * | | | | * * | farmacos depressores do | midriase | | * * | SNC associados aos ana.Movimentos como na corea. tremores | tiazinas. imipra. feno-| cardiacas. | amitriptilina. coma. | | * *-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------* * 6. e | ria. anfetaminas. | delirio.| cheiro caracteris. | son.Agitacao psico-motora. nevroses.

*=====================================================================================================================================* .

substâncias químicas que produzem bolhas e liberam aminas teciduais . b. 4. diluiçåo inicial neutralizaçåo remoçåo de tecidos necrosados tratamento sistêmico(detoxificaçåo) eliminaçåo e excreçåo do agente tópico 9.ácido acético.1 Procedimentos técnicos ---------------------1. hipoclorito de sódio e permanganato de potássio.fenol. DMSO e fosgênio. f. c.F_BRICA BR 149 9 PRIMEIROS SOCORROS E TRAMENTO IMEDIATO NAS QUEIMADURAS QU_MICAS 9.catárticos.2 Tratamento das queimaduras químicas ----------------------------------O princípio básico do atendimento de uma queimadura por agente químico consiste em: 1. b.1 A queimadura por substâncias químicas constitui o maior risco de acidente no âmbito da industria química. 5. e. 2. e. fluorídrico e clorídrico Desidratantes celulares (dissecantes) . Oxidantes ácido crômico. que iråo depender: a. da da do da do força ou concentraçåo da substância quantidade modo e duraçåo do contato cutâneo extensåo da penetraçåo no tecido mecanismo de açåo As substâncias químicas podem ser classificadas pela forma como agem nos tecidos (coagulaçåo de proteínas): a. A diluiçåo hídrica diminui a taxa de reaçåo entre a substância química e o tecido. Remover rapidamente as vestes do acidentado a lavar a parte afetada com grande quantidade de água corrente ou soro fisiológico. c. fósforo branco. 9. sais dicromatos e bases Formadores de sais . ------------------------------------------------------------Fisiopatologia -------------A exposiçåo e o contato de substâncias químicas traz como resultado sérios danos teciduais.sulfúrico e muriático Vesicantes (bolhas) .ADM. 3. se disponível. Corrosivos .2. . d.

se a extensåo da lesåo ultrapassar os limites de controle clínico local e sistêmico. medida esta imperativa.F_BRICA BR 150 2. 5. Indivíduos com queimaduras mais sérias ou com lesÆes adicionais deve ser removidos em ambulâncias equipadas e com pessoal treinado. estimar a extensåo e a profundidade das lesÆes. 4. níveis gasométricos do sangue arterial. Encaminhar o acidentado para centros especializados. Após lavagem copiosa com água da parte afetada. Administrar máscaras. se indicado. a área deve ser novamente irrigada e o paciente deve ser envolvido em um lençol limpo e estéril. 2. 3.2 Cuidados no transporte do queimado aos hospitais especializados: ---------------------------------------------------------1. o tipo de queimadura. assegurar uma ventilaçåo adequada e puncionar uma veia periférica para infusåo de soro fisiológico. com avaliaçåo dos sinais vitais. 6. 3. No local do acidente: aferir e avaliar os sinais vitais.2. Implementar tratamento clínico de suporte. . aplicar o agente neutralizador específico para cada substância. 4. através de tubos ou Estabelecer contato com o local a ser transportado o queimado. oxigênio. Roupas que estejam quentes ou vestimentas ainda embebidas com agentes químicos devem ser removidas. 9. dando informaçÆes adicionais relacionadas à extensåo e profundidade. estado mental. o agente químico e à presença de complicaçÆes.ADM. dos eletrólitos plasmáticos e débito urinário para estabelecer reposiçåo hídrica adequada. a fim de reduzir o risco de vômitos e pneumonia por aspiraçåo. Uma sonda nasogástrica deve ser ingerida no paciente antes do seu transporte.

Queimaduras 1o.causadas por: escaldamento de imersåo.formaçåo de bolhas úmidas . grau 9.sensibilidade dolorosa .2.ADM.3 Estimativa da profundidade da queimadura ----------------------------------------------------------------A profundidade da lesåo pode ser estimada pela aparência inicial da ferida e pelo conhecimento do fato causal.F_BRICA BR 151 9. usando-se o representa .indolores por várias horas .eritematosas .2. W. .rosas ou avermelhadas . Um método rápido e eficiente que pode ser usado no local do acidente é a Regra dos Nove idealizada por E.geralmente é seca Queimaduras 2o.J.isquêmicas ou carbonizadas . Consiste em dividir a superfície corporal em áreas representando 9% do total ou múltiplos de 9% (conforme figura anexa).Pulaski e C.nåo tem bolhas . chamas.causadas por escaldamento ou explosÆes . grau . grau Queimaduras 3o.Pequenas áreas de lesÆes podem ser calculadas princípio de que a superfície palmar aproximadamente 1% da superfície corporal. eletricidade e agentes químicos . Tennison.4 Estimativa da extensåo das queimaduras -------------------------------------A extensåo de um traumatismo por queimaduras geralmente é avaliada pela quantidade de área lesada em relaçåo à superfície corporal total.

Os pacientes com 6 a 7% de superfície corporal lesada såo considerados graves. .Implementar tratamento geral específico (vide página 129). que rapidamente se transforma em esbraquiçada ou nacarada. Características da lesåo -----------------------Formaçåo de uma zona esbranquiçada com bordas elevadas. .3 dias em queimaduras de 20. a sua açåo.4. protegendo as måos com a aplicaçåo de gel de gluconato ou usando luvas cirúrgicas embebidas em gluconato de cálcio. necessitando de uma unidade de terapia intensiva. 9.Lavar a parte afetada com bastante água. . preferentemente. infiltrar gluconato de cálcio diluído em xylocaína a 2%.Aplicar gel de gluconato de cálcio a 2. .Evite infiltrar dedos. Posteriormente desprendimento do tecido necrosado pelo simples contato. que por vezes pode levar o paciente ao choque.3 Queimadura da pele por ácido fluorídrico ---------------------------------------9.Desprezar roupas contaminadas . os profissionais de saúde que iråo tratar do paciente. devido à coagulaçåo tissular. . repetindo-o por 2 .ADM. . graus.3. . deveråo atentar para o auto-cuidado. . nariz e pavilhåo auditivo.Iniciar este tratamento imediatamente e mantê-lo por 20 minutos.1. e 30.Avaliaçåo da extensåo e profundidade da lesåo .5% com massagem firme para permitir a penetraçåo nos tecidos lesados.4 Queimadura por ácido sulfúrico -----------------------------9.avaliar o dano causado no aparelho respiratório devido ao fator de inalaçåo.2 Tratamento imediato ------------------. .No atendimento ao queimado por ácido fluorídrico. só infiltrar se for muito necessário e deve ser feito com precauçåo para se evitar a isquemia. Característica da lesåo ----------------------Formaçåo de uma zona eritematosa. 9.F_BRICA BR 152 9.1. para aliviar a intensidade da dor.3.Conforme a extensåo das lesÆes.3 vezes por dia num período de 2 . que pode perdurar até 72 horas.

Implementar tratamento geral específico (vide página 129).Aplicar soluçåo de TRIETANOLAMINA na área afetada com auxílio de pistola de ar comprimido ou compressas de gase embebidas nesta soluçåo.Desprezar roupas contaminadas . .2 Tratamento imediato ------------------.Lavar a parte afetada com bastante água . .4.ADM. .Iniciar este tratamento e mentê-lo até que o paciente obtenha alívio da dor provocado pela lesåo.F_BRICA BR 153 9.

A congeståo pulmonar ocorre quando o leito vascular pulmonar recebeu mais sangue do ventrículodireito do que o esquerdo pode acomodar e remover. Há uma tosse incessante. permeando as vias aéreas. nåo conseguindo expandir-se e o ar nåo consegue entrar. escapa para os alvéolos adjacentes através de bronquíolos e brônquios que se comunicam.1.1 ManifestaçÆes clínicas ---------------------Há um inicio súbito de falta de ar e uma sensaçåo assustadorade sufocaçåo. determinando uma dispnéia de intensidade dramática.ADM. O edema pulmonar nåo-cardiaco tem uma grande variedade de causas: inalantes tóxicos. 10. o pulso está fino e rápido e as veias jugulares distendidas. a qual determina quantidade cada vez maior de escarro mucóide. misturando-se com o ar e agitado pela respiraçåo e expelido pela boca e narina produzindo o "estertor da morte". exigindo uma açåo imediata. seja nos espaços intersticiais ou nos alvéolos.1 EDEMA PULMONAR AGUDO -------------------É o acúmulo anormal de líquido nos pulmÆes. superdose de drogas e o edema pulmonar neurogênico. devido ao líquido espumoso sanguinolento que está agora penetrando os brônquios e na traquéia. os leitos ungueais ficam cianosados e a pele fica cinzenta. O tratamento clínico visa reduzir o fluxo sanguíneo no pulmåo e a pressåo arterial pulmonar. Devido à composiçåo do líquido. _ medida que o edema pulmonar evolui. a princípio seroso e mais tarde sanguinolento.F_BRICA BR 154 10 SITUAÇæES CL_NICAS DE EMERG_NCIA 10. os pulmÆes ficam rígidos. na qual o líquido extravasou pelas paredes capilares. afogando-se literalmente em suas próprias secreçÆes.1. As måos do paciente ficam frias e úmidas. 10. O líquido. resultando numa hipoxia grave. ficando confuso e depois torporoso. A respiraçåo torna-se ruidosa e estertorosa. a ansiedade aumenta até próximo ao pânico. representando o último estágio da congeståo pulmonar.2 Tratamento ---------Objetivos: melhorar a ventilaçåo e a oxigenaçåo reduzir a cogeståo pulmonar aumentar a contratilidade do miocárdio .

V. A posiçåo ereta também melhora o volume pulmonar e a capacidade vital. em doses pequenas para reduzir a ansiedade e a dispnéia e para diminuir a resistência periférica possibilitando a redistribuiçåo da circulaçåo pulmonar para a periferia. Morfina ------Administra-se por via I. Caso os sinais de hipoxemia persistam. Aminofilina ----------Administra-se por via I. para determinar o efeito diurético rápido. há um retorno sanguíneo menor ao coraçåo.V. assim que o sangue acumula na periferia. devido ao grande volume de urina que se acumulará. Posiçåo ------Ajuda a reduzir o retorno venoso ao coraçåo. Se ocorrer a insuficiência respiratória torna-se necessária a intubaçåo endotraqueal e a ventilaçåo mecânica. Observaçåo: presença de depressåo respiratória excessiva. levando à diminuiçåo da pressåo nos capilares pulmonares e à transudaçåo do líquido. 2. . 5. Diuréticos ---------Administra-se furosemida ou ácido etacrínico por via I. reduzindo o débito do ventrículo direito e descongestionando os pulmÆes. fornece-se oxigênio por pressåo positiva intermitente ou contínua. A oxigenaçåo é monitorizada por gasometrias arteriais. Observaçåo: introduzir sonda vesical de demora. com a finalidade de .F_BRICA BR 155 1. Oxigenaçåo ---------Administrar oxigênio em uma concentraçåo elevada por máscara facial para aliviar a hipóxia e a dispnéia.A seguir. aliviando a dispnéia e a congeståo pulmonar diminui. colocar o paciente numa posiçåo ereta no leito para permitir que o sangue se acumule nas partes pendentes do corpo.Colocar o paciente ereto. relaxar o broncoespasmo.ADM.. lentamente. 4. 3.V. com suas pernas e pés pendentes .

. retirando 250 a 500 ml de sangue de uma via periférica.o fluxo venoso em qualquer extremidade deve ficar ocluído por 45 minutos e livre por 15 minutos.administrar nitroprussiato de sódio via I.verificar a pressåo arterial a intervalos curtos. .girar os torniquetes no sentido dos ponteiros do relógio. 8. Suporte psicológico ------------------- . retirar os torniquetes um de cada vez com intervalos de 15 minutos. 10.colocar torniquetes posicionados sobre uma compressa o mais elevado possível em três extremidades. Flebotomia ---------Reduçåo do retorno venoso ao coraçåo. 9. A retirada simultânea pode precipitar uma recorrência do edema pulmonar.V. . Terapêutica vasodilatadora -------------------------Para reduzir a resistência à ejeçåo de sangue pelo ventrículo esquerdo. por meio de infusÆes cuidadosamente monitorizadas. Torniquetes giratórios ---------------------Diminui o retorno venoso e o débito ventricular direito.afrouxe um torniquete a cada 15 minutos. .ADM. Digital ------Administrar um preparado digitálico de açåo rápida para melhorar a força contrátil do coraçåo e para aumentar o débito do ventrículo esquerdo.F_BRICA BR 156 6. . depois aplique um torniquete na extremidade anteriormente livre. .depois que os sintomas forem aliviados. ajudando descongestionar os pulmÆes. 7. .

A. pelo fato dessas informaçÆes estarem restritas aos profissionais de saúde que exercem suas atividades dentro dessa área. o manuseio e o transporte das substâncias químicas compreendidas desde a intoxicaçåo até os cuidados com o meio ambiente. Ressaltando-se ainda.ADM. a Bayer do Brasil S. .Belford Roxo. que atende pelo telefone (0210 761-4023 .A.Setor de Higiene e Medicina do Trabalho.. denominado SERBAY. cujo telefone encontra-se nos rótulos e embalagens dos produtos comercializados.F_BRICA BR 157 11 SERVIÇO DE INFORMAÇÆES BAYER (SERBAY) Diante da dificuldade de acesso à informaçÆes relacionadas à açåo e efeitos das diversas substâncias químicas existentes e integradas ao cotidiano doméstico e industrial. . presta esclarecimentos referentes às medidas de primeiros socorros e ded tratamento imediato sobre os efeitos tóxicos de todas as substâncias químicas cadastradas na empresa. que este serviço visa atender ocorrências diversas que envolvem o uso. Estes esclarecimentos såo prestados através de um serviço próprio da Bayer do Brasil S. recebendo ligaçÆes a cobrar de todas as localidades do país. através do seu Setor de Higiene e Medicina do Trabalho. e até mesmo.

que encontravam-se dispersas no Setor de Higiene e Medicina do Trabalho e. Sentiu-se a necessidade de agrupar-se estas fontes dispersas para que as informaçÆes. ******************************************************************** . dinamizando e padronizando as açÆes dos profissionais de saúde no atendimento e orientaçåo ao cloaborador em exposiçåo. facilite a obtençåo de informaçÆes imediatas relacionadas quanto à açåo e o efeito das substâncias de uso mais comum sobre o organismo. mas contribuir com o acervo de informaçÆes para que outros trabalhos desta natureza possam ser elaborados favorecendo assim a qualidade da assistência no que tange aos aspectos toxicológicos. houve necessidade de utilizarmos bibliografia estrangeira. próprias de cada fábrica. em alguns casos. devido à escassez de material divulgado sobre o assunto em língua nacional. Buscou-se ainda grupar as informaçÆes existentes na empresa. agora centralizadas num único documento em forma de manual. tornando difícil a reuniåo de dados relativos aos produtos químicos e seus efeitos. Os profissionais de saúde que elaboraram este manual nåo pretenderam esgotar o assunto em queståo. incompletas.F_BRICA BR 158 C O N C L U S Å O Neste Manual procurou-se reunir alguns assuntos referentes aos aspectos toxicológicos considerados importantes no que diz respeito ao envolvimento do colaborador com as substências químicas.ADM. Para a elaboraçåo de manual.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful