Você está na página 1de 77

O QUE É O OZIEXPLORER?

2
O OZIEXPLORER
É um programa que utiliza imagens em
diversos formatos gráficos como fundo,
permitindo a navegação num
computador, a visualização e modificação
de dados do GPS, e a criação de rotas,
waypoints e trajectos.

3
PARA QUE SERVE O OZIEXPLORER?

4
O Oziexplorer é utilizado principalmente
para as seguintes funções:
- Criar waypoints;
- Criar rotas;
- Criar tracks;
- Identificar uma posição em movimento,
sobre um mapa;
- Enviar e receber waypoints, rotas e
tracks do GPS;

5
DEFINIÇÕES BÁSICAS
Waypoint - Ponto da superfície terrestre
com uma determinada localização. É
uma referência para a navegação, com
latitude, longitude e altitude
conhecidas.

Em suma, um waypoint é uma localização


física definida pelas suas coordenadas.

7
Rota - é uma sequência de pontos ou
waypoints, dispostos por uma certa
ordem. Uma rota é uma sequência
encadeada composta por tramos que
ligam os waypoints.

8
Track ou rasto - é o trajecto armazenado
na memória do GPS. É constituído por
uma série de pontos a determinada
distância entre si, que contêm
informação como coordenadas, altitude,
velocidade, etc.
A diferença entre um “Track Log” e um
“Track”, é que o Track Log está em
formato comprimido, reduzindo-se
assim muita da informação e a
qualidade do Track.

9
A função Track Back é mais uma “rota” de
retorno guiada pelo próprio GPS, a
partir de um Track previamente
guardado.

10
GoTo – Um GoTo é uma linha recta que
parte desde uma posição actual até um
ponto determinado ou waypoint.
No acidentado do terreno é impossível
fazer uma ligação em linha recta, pelo
que se torna importante configurar o
GPS, nos seus campos de dados, de
modo a dispor da bússola, do ponteiro e
da distância ao destino.

11
O QUE SE DEVE UTILIZAR:
ROTA
OU TRACK?

12
Decididamente, deve utilizar-se um Track.
Um Track é muito mais fácil de seguir no
terreno, pois tem muita informação
acerca dos pontos e permite sempre um
Track Back – apesar de ser mais
vantajoso utilizar um Track Log.

13
PROVAS DE NAVEGAÇÃO

1. OBJECTIVOS
2. MEIOS
3. NORMAS BÁSICAS
4. ESTRATÉGIA

14
1. OBJECTIVOS
O principal objectivo de uma Prova de
Navegação é a deslocação de um ponto
de origem conhecida, até uma série de
lugares ou pontos de que só se
conhecem as coordenadas geográficas
(waypoints). O modo como se chega até
ao destino ganha um papel secundário.

15
Para o deslocamento entre pontos nas
Provas de Navegação utilizado-se um
veículo Todo Terreno - de preferência,
um Land Rover Defender.

Aquele que controlar o maior número de


pontos em menos tempo sairá
vencedor.

16
2. MEIOS
Para a realização correcta deste tipo de
provas são necessários os seguintes
itens:
- as coordenadas dos waypoints a visitar;
- as fotografias-modelo dos pontos a
visitar;
- mapas, em papel, da zona da prova;

17
- GPS e bússola;
- Computador com programa de
navegação (quando permitido);
- Regulamento da prova e rotas de zonas
proibidas a circulação.

18
3. NORMAS BÁSICAS
É fundamental haver uma sincronia entre
o navegador e o condutor,
nomeadamente na sua
habilidade/experiência/KDU.
O entendimento entre o condutor e o
navegador é fundamental para o êxito
na prova.

19
Como norma geral, é fundamental estar
atento a:
- reunião ou briefing;
- tipo de saída ou largada dos
participantes;
- Ponto de Controlo Obrigatório (CPO)
-lugar conhecido em que os
participantes devem passar num
determinado intervalo de tempo, para
controlar e/ou recolher novos dados da
prova.

20
- Meta - ponto final a controlar, com hora
definida de acordo com o Regulamento
da Prova .

21
4. ESTRATÉGIA
A estratégia é uma das acções mais
importantes numa Prova de Navegação.
Uma estratégia bem delineada deve
atender aos seguintes requisitos:
4.1. Definição da rota;
4.2. Nem sempre o caminho mais curto
se percorre em linha recta;

22
4.3. Desconfiança;
4.4. Conhecimento dos caminhos;
4.5. Orografia;
4.6. GPS.

23
4.1. Definição de Rota
Deve ser ponderada e eficiente.
Face a uma dispersão de pontos, é
fundamental assinalar no mapa, com
cores, os pontos de cada estratégia e a
sua pontuação.
Também se deve definir, face ao tempo
disponível, o caminho mais
curto/rápido, no menor tempo possível.

24
4.2. Nem sempre o caminho mais curto é
uma recta
É mais vantajoso percorrer caminhos do
que pistas que podem ser falsas ou
“cortadas”.

25
4.3. Desconfiança
Muitas vezes, pontos próximos no mapa
são um engano, quando se pretende
controlar pela distância mais curta. Para
além do desnível, da orografia ou de
obstáculos naturais, é necessário fazer
grandes distâncias a partir de caminhos
desconhecidos.

26
4.4. Conhecimento dos Caminhos
Neste ponto, a experiência é novamente
importante, para se avaliar se um
caminho tem saída ou continuidade
(face as marcas existentes no solo
como rastos, silvas, muros, etc.)

27
4.5. Orografia*
As cartas militares que servem de suporte
às Provas de Navegação têm uma
definição precisa e visível da orografia.
Torna-se fundamental analisar ao
pormenor as curvas de nível e os
pontos de passagem para “a outra
margem”.

*- descrição das montanhas;


- parte da Geografia que estuda a parte sólida do
globo terrestre.

28
Muitas das Provas de Navegação apostam
neste tipo de pontos no limite das
margens. Estes pontos situam-se em
locais quase intransponíveis, obrigando
a definir nova estratégia ou a utilizar
outros meio auxiliares - como guinchos
ou bloqueios.

29
4.6. GPS
É um dispositivo que recolhe sinais
enviados por uma rede de satélites
situados em redor da órbita da Terra.
A combinação de sinais de (pelo menos) 3
satélites permite determinar as
coordenadas geográficas de um ponto -
a sua latitude e longitude.

30
Estas foram as Noções Básicas que
considero mais importantes para se
trabalhar com o Oziexplorer ou outro
programa de navegação, bem como
para usufruir com maior proveito a
utilização do seu GPS.

31
OUTRAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES

32
- Trackpoint – são pontos que compõem
um track.
- DGPS – é a correcção diferencial de
erros, determinadas a partir de
estações terrestres de referência
conhecidas, a partir do qual se
determina o factor de erro que cada
satélite introduz.

33
- WAAS é um sistema de correcção de
sinais de GPS. Na Europa tem a
designação de EGNOS.
- EPE é a estimativa do erro de posição,
expressa em metros.
- DATUM é um modelo matemático com a
forma e a dimensão daTerra, numa
zona particular do planeta. Existem
mais de 100 datum distintos,
dependendo da zona em que nos
encontramos.

34
- UTM (Universal Transverse Mercator) é
um sistema de coordenadas, baseado
na unidade de medida Metro, que tem o
mesmo valor em qualquer parte do
planeta.
- WGS 84 (World Geodetic System) é o
Datum Universal, normalizado para todo
o planeta. É o modelo usado por defeito
em todos os GPS, para calcular e
armazenar na sua memória todos os
dados, ou o elipsóide de referência
utilizado pelo GPS.

35
- Active Leg
Segmento de uma rota que está a ser
actualmente percorrida.
- Azimute
Direcção horizontal de um ponto a outro
na Terra, medido no sentido horário,
em graus (dos 0º aos 360º), a partir de
uma linha de referência Norte ou Sul.
Também é chamado de bearing.

36
- Bearing
A direcção a ser seguida para se atingir
determinado objectivo, tendo a bússola
como referência.
- Coordenada
Conjunto de números que definem uma
localização na Terra.
- Dilution of Precision (DOP)
Uma medida da geometria dos satélites
GPS visíveis no céu. Um valor DOP
baixo significa grande precisão.

37
- Elevação
Distância em relação ao nível médio do
mar.
- Global Positioning System
(GPS)/NAVSTAR
Sistema global de navegação, baseado
em 24 satélites que orbitam a Terra a
12.000 milhas de altitude. Provê a Terra
inteira com sinais extremamente
precisos para posicionamento e
navegação, 24 horas por dia, sob
qualquer condição climática.

38
- Latitude
Distância da linha do equador, para o
Norte ou Sul, medida em graus (de 0º a
90º). Um minuto de latitude equivale a
uma milha náutica.
- Longitude
Distância para Este ou Oeste do
meridiano de Greenwich. Medida em
graus (de 0º a 180º).

39
- NMEA (National Marine Electronics
Association)
Comité Norte Americano que define
padrões de mensagem, conteúdo e
protocolos electrónicos para a
comunicação entre aparelhos de
navegação, como o GPS ou piloto
automático.

40
MANUSEAMENTO DO OZIEXPLORER

41
CALIBRAR UM MAPA

Calibrar um mapa consiste em referenciar


a sua imagem digitalizada, de forma a
que aos pontos desse mapa
correspondam coordenadas geográficas
verdadeiras.

42
CALIBRAR UM MAPA

A partir de pelo menos quatro pontos de


coordenadas conhecidas , o Ozi é capaz
de determinar a correspondência
geográfica de qualquer ponto da
imagem do mapa.

43
COMO SE CALIBRA UM MAPA:

PROCEDIMENTOS DE CALIBRAÇÃO

44
1 – Carregar o arquivo de imagem do
mapa

45
A forma mais recomendada para imagem
de mapa será a JPG, já que ocupa
pouco no disco e não representa uma
perda significativa na qualidade de
imagem.
Se queremos que o mapa se carregue
rapidamente devemos convertê-lo para
formato OZF, através da função
“Img2OZF”, própria do OziExplorer.

46
47
Carregado o mapa é necessário…:
- Indicar o Datum do mapa, que no nosso
País e nos mapas até 1996 é o
“European 1950 Spain and Portugal”;
- Indicar a declinação magnética que vem
indicada no mapa (mas que é
desprezável face a escala do mapa);
- Projecção do mapa que indica o sistema
de coordenadas que utiliza o mapa. Por
norma, utiliza-se a projecção UTM.

48
Com os pontos de coordenadas
conhecidas, seleccionamos o ponto no
mapa e introduzimos os dados fazendo
a mesma operação de acordo com os
pontos disponíveis.
Este processo fica concluído com a
operação “Save”, com a extensão
“*.map”.

49
WAYPOINT
Calibrado o mapa, é possível trabalhar
sobre ele, marcando waypoints para
marcar uma rota, ou definir pontos de
interesse.
Podemos, situando o ponteiro sobre o
waypoint criado, ter acesso às
propriedades e outras funções deste,
bastando para isso clicar no lado direito
do rato.

50
WAYPOINT

51
WAYPOINT

52
WAYPOINT
Para a introdução de um waypoint,
devemos:
- Seleccionar no menu View “List The
waypoint” ou pressionar Alt+w;
- Seleccionar “Add” e introduzir as
coordenadas e os outros dados do
waypoint.

53
54
55
TRACKS

56
TRACKS

Os tracks recebidos por GPS ou lidos de


um arquivo permitem representar sobre
um mapa o trajecto percorrido numa
rota, e ainda extrair os waypoints que
nos interessam para modificar ou criar
uma rota.
Activando a função “view” “track control”,
é possível executar uma série de
operações muito importantes.

57
TRACKS

58
Pressionando a tecla ALT, pode criar-se
um novo ponto de track com uma
nova secção ou um track diferente.
Contudo, o Ozi guardará estas duas
secções de track num arquivo com se
de um só track se tratasse.

59
Carregando na tecla Shift podemos criar
um novo ponto de track, no ponto
mais próximo do track, unindo-se a
ele.

60
TRACKS
Carregando em Shift e Alt ao mesmo
tempo, podem criar-se bifurcações no
track.

Esta função também é importante quando


se pretende unir dois tracks
diferentes.

61
Ver este exemplo:

Para unir os dois tracks, selecciona-se


“track control” e activa-se a função de
criar pontos activos.

62
Com os pontos activos e seleccionando a
função “Snap to closed track point”, os
pontos unem-se automaticamente.

63
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
SISTEMA

64
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
MAPAS

65
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
IMAGENS DO MAPA

66
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
GPS

67
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
COM

68
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
OBJECTOS E TRACK

69
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
OBJECTOS E TRACK

70
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER
MAPA MÓVEL

71
MAPA MÓVEL
Screen Update Rate é o intervalo de
tempo entre cada mudança de posição
sobre o mapa.
Dica: aumentar este valor em
computadores lentos.
Store Track Point Interval é a distância
medida, em unidades métricas, que
deve existir entre dois pontos de
track.

72
MAPA MÓVEL
Track Tail Length é a representação de
pontos no ecrã. Quanto maior for o
número de pontos, menor será a
velocidade do computador. Se o valor
for zero serão armazenados todos os
pontos.
Scale representa o tamanho do ponteiro
no ecrã do computador, quanto maior
pior será o desempenho do PC.

73
MAPA MÓVEL

Current map path - esta função permite


buscar o mapa automaticamente no
arquivo dos mapas.

74
NAVEGAÇÃO

75
CONFIGURAÇÃO DO OZIEXPLORER

GPS Sim

76
CURSO BÁSICO SOBRE OZIEXPLORER

Dados os conhecimentos e noções


básicas, importa agora passar para a
fase prática com o programa, para
sentir e perceber todas as operações e
potencialidades do Programa
Oziexplorer.

77

Você também pode gostar