Você está na página 1de 4

SEGURANÇA DA BIBLIOTECA

Marcos Paulo Anselmo (3161/96-5)


Luciano Chiarello (1840/94-7)
A Segurança da Biblioteca visa zelar pela saúde de seus
funcionários e freqüentadores, assim como preservar o acervo
de possíveis furtos e danos causados por incêndios e
inundações.
Segurança das Instalações Elétricas
Todos os cuidados com a Instalação Elétrica devem-se ao fato
de 50% de todos os incêndios serem ocasionados por falhas
na instalação elétrica.
Toda instalação elétrica deve seguir as recomendações dos
códigos locais, que no Brasil devem seguir as instruções da
NB-R 5410, Normas Brasileiras para Instalações Elétricas de
Baixa Tensões.
A chave do serviço elétrico central deve ser localizada de
forma a permitir acesso fácil e imediato por parte dos
funcionários e deve ser claramente identificada. Instruções
para o desligamento da chave mestra e dos circuitos
individuais devem ser fornecidas. Todos os interruptores de
circuito devem ser claramente rotulados.
A biblioteca deve explorar a necessidade de um suprimento
de energia ininterrupto para seus computadores. Isto
permitirá que eles sejam apropriadamente desligados no caso
de um corte de energia. Além de "filtrar" continuamente a
corrente elétrica bruta para prevenir quedas, picos de energia,
e sobrecargas danosas.
A instituição deve investigar a necessidade da proteção contra
relâmpagos e sobre cargas elétricas.
Segurança contra Inundações
Para prevenir inundações as Bibliotecas devem evitar a
construção abaixo do nível do solo. Se tal tipo de construção
for inevitável, a Biblioteca deve requerer a impermeabilização
e drenagem das partes localizadas abaixo do nível do solo.
As tubulações de água não devem passar sobre áreas de
coleções e armazenamento de livros. Se inevitável, o
projetista deve incorporar técnicas paliativas apropriadas.
Todas as válvulas para fechamento de água devem ser
claramente indicadas e os funcionários devem saber como
desligar a água no caso de uma emergência.
Todas as torneiras e sanitários nas áreas públicas da
Biblioteca devem ser à prova de vandalismo.
Tanto um telhado inclinado ou um telhado plano podem ser
seguramente utilizados em uma Biblioteca. O que muda
significativamente de um pro outro é que, no telhado plano o
projetista deve dedicar atenção particular aos seguintes
aspectos: drenagem, transmissão de vapor de água e
condensação e resistência ao desgaste previsto.
Segurança contra Incêndios:
Embora não se possa criar nenhuma instituição
completamente segura contra incêndios, a melhor proteção
envolve a integração de alguns elementos no planejamento:
• Compartimentalização da biblioteca e instalação de
paredes e portas corta-fogo; a compartimentalização
possui o objetivo de através das portas e paredes corta-
fogo confinar um incêndio à sala ou conjunto de salas
onde se originou, ou mesmo retardar seu progresso de
um espaço para outro.
• Eliminação de condições para correntes de ar verticais;
com esse tipo de corrente de ar fica facilitada a
propagação do incêndio por entre os andares.
• Utilização mínima de materiais combustíveis em
acabamentos e equipamentos internos; mobílias tais
como escrivaninhas, mesas e cadeiras devem ser
incombustíveis ou de madeira tratada com retardadores
de fogo. Tecidos e cortinas devem ser à prova de
chamas.
• Instalação de um bom sistema de detecção de incêndio e
sinalização.
• Presença de saídas de emergência e/ou escadas de
emergência; devem conter as seguintes exigências: ser
construída de material resistente a fogo, o piso deve ser
revestido com materiais incombustíveis e anti-
derrapante, deve atender a todos os pavimentos,
inclusive sub-solo, deve ser sinalizada e bem iluminada.
• Presença obrigatória de extintores de incêndio. A
distância máxima de deslocamento até ele e de 15,2
metros.
Segurança contra Furtos
O furto em bibliotecas pode ser reduzido pela proibição de
objetos pessoais como livros de bolso, pastas, guarda-chuvas
e casacos volumosos. Para que esta abordagem seja bem
sucedida, a biblioteca deve planejar a colocação de
escaninhos antes da entrada da área principal da biblioteca.
Deve haver sinalização adequada para reforçar as regras e os
funcionários devem assegurar que todos os usuários sigam as
regras estabelecidas.
Algumas instituições e consultores têm recomendado o uso de
circuitos fechados de televisão (CFTV) para monitorar
bibliotecas e áreas de armazenamento de livros de grande
porte. Com muitas câmeras, deve haver múltiplos monitores
ou um sistema automático de canais. O conceito do CFTV, a
não ser que tenha a finalidade de funcionar como um
dispositivo caro de intimidação psicológica, exige que o tempo
do pessoal seja dedicado ao acompanhamento dos vários
monitores. Sistemas de CFTV ultimamente têm falhado, não
devido ao equipamento propriamente dito, mas por falhas
humanas.
Outro sistema muito utilizado, é o sistema eletrônico anti-
furto, semelhante ao utilizado em lojas comerciais. Os
sensores são compostos por etiquetas, ativador, desativador e
detector. As etiquetas podem ser flexíveis e autocolantes,
contendo código de barras ou fitas metálicas (mais eficientes).
O Ativador e deastivador permitem a magnetização e
desmagnetização de etiquetas, por contato, proximidade ou
de forma portátil. Os detectores são aparelhos de controle,
sob forma de painéis ou pedestais, que emitem um alarme
sonoro, caso seja detectado a saída não autorizada de
material.
Iluminação
A luz é utilizada em bibliotecas de duas maneiras, como
iluminação ambiental e como iluminação de serviço. A
iluminação ambiental define a expectativa geral do visitante,
transmitindo uma atmosfera psicológica no espaço interno. A
iluminação de serviço é aquela utilizada por funcionários e
usuários da biblioteca nos espaços de estudo e serviço fixo,
por isso deve ser melhor avaliado seu processo de escolha
para não prejudicar essas pessoas. A luz também causa
deterioração de todos os documentos orgânicos da biblioteca.
Comparando os quatro tipos básicos de iluminação através da
radiação Ultra Violeta UV constatou-se a grande diferença
entre as luzes artificiais e a luz natural. A quantidade máxima
de radiação UV recomendada tanto para acervos quanto para
a vista das pessoas é de 75 UV (m w/lumem), a luz natural
solar direta deve ser enfaticamente evitada.
TIPO DE LUZ RADIAÇÃO UV
Incandescente 60/80 UV (m w/lumem)
HID (luz de Mercúrio) 400 UV (m w/lumem)
Fluorescentes 650 UV (m w/lumem)
Natural com sol 1600 UV (m w/lumem)
Natural nublado 800 UV (m w/lumem)
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
1 TRINKLEY, Michael. Considerações Sobre Preservação
na Construção e Reforma de Bibliotecas: planejamento
para preservação. [On Line] Disponível na URL:
http://cecor.eba.ufmg.br/cpba/recursos/cad38.htm em
18/11/99
2 OGDEN, Sherelyn. Caderno Técnico: administração de
emergências. [On Line] Disponível na URL:
http://cecor.eba.ufmg.br/cpba/recursos/cad20a25.htm em
18/11/99
3 LIMA, Gercina Ângela Barem de Oliveira. Sistemas de
Segurança para Bibliotecas. In: REVISTA DA ESCOLA DE
BIBLIOTECONOMIA DA UFMG, Belo Horizonte, v.24, n.1, p. 112-
128, Jan/Jun. 1995
4 RUTHERFORD, Christine. Disaster: planning,
preparation, prevention. In: PUBLIC LIBRARIES, v.29, n.5,
271-276, sept./oct. 1990.