Você está na página 1de 2

1.

Tipos de cortinas Nos contrafortes as cortinas funcionam como uma laje vertical contnua recebendo como aes as presses do terreno. O dimensionamento dos contrafortes depende diretamente dos momentos fletores na laje vertical resultantes do empuxo e dos pesos prprios do muro. Com isso o dimensionamento da cortina se torna de grande importncia para estabilidade da estrutura. Para isso pode-se lanar mo de vrios tipos de cortina. Elas podem ser: i. ii. iii. Cortina de espessura constante armada numa direo (horizontal ou vertical) ou armada em cruz (nos dois sentidos); Cortina de espessura constante com vigas intermedirias armadas no sentido vertical ou armadas em cruz; e Cortina de espessura varivel; No primeiro tipo a soluo mais vantajosa a laje contnua armada no sentido horizontal, pois assim a laje transfere para os contrafortes os esforos gerados pela presso da terra enquanto a laje armada no sentido vertical o carregamento concentrado na viga de coroamento e na sapata. J a laje armada em cruz se torna comum quando tem-se a relao entre a altura do muro e o vo entre os gigantes menor que 2. Isso no ocorre geralmente j que o espaamento dos contrafortes no vai alem de 3,00 m e a altura do muro varivel entre 7,00 e 7,00 m. O segundo tipo de cortina tem a presena de vigas intermedirias que ajudam na distribuio dos esforos. Independente do tipo e direo das armaduras, com uma conveniente distribuio das distncias entre estas vigas pode-se obter uma melhor distribuio dos carregamentos provenientes da presso de terra. Estas vigas tambm podem combater a flambagem nos contrafortes impedindo a deformao lateral nos mesmos. As cortinas podem tambm apresentar espessuras variveis ao longo da altura do muro. Isso aceitvel partindo-se do fato que a presso de terra diminui com a diminuio da profundidade. (MOLITERMO, (1994) 2. Tipos de fundao Para a construo do muro de arrimo com contrafortes pode-se executlo sobre sapata ou sobre estacas.

Para as sapatas devido a elevada ao do empuxo inclina-se a sapata do lado da terra e se adiciona uma viga de ancoragem. Essa ao promove melhores condies de atrito na interface solo-sapata e a viga de ancoragem distribui cargas da sapata para os gigantes e propicia aumento da resistncia passiva na fundao garantindo estabilidade do conjunto. As sapatas pode ser lajes contnuas armada numa direo apoiada nos contrafortes ou armada em cruz. Os muros com fundao sobre estacas so a variao da sapata por um bloco rgido sobre estacas. Tal fato modifica os critrios de dimensionamento dos contrafortes. Torna-se importante tambm o projeto do estaquemento nesse caso.

Você também pode gostar