Você está na página 1de 36
- 0 - FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA - FEJAL CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ

- 0 -

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA - FEJAL CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ - CESMAC

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CIÊNCIAS HUMANAS – CCH CURSO DE PSICOLOGIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO - CISE CURSO DE PEDAGOGIA

JOSÉ BATISTA DA ROCHA

- 0 - FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA - FEJAL CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ

MACEIÓ AGOSTO DE 2006

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 1 -
- 1
-

JOSÉ BATISTA DA ROCHA

- 1 - JOSÉ BATISTA DA ROCHA CESMAC –––– CCH CESMAC CESMAC CESMAC CCH CCH

CESMAC –––– CCH

CESMAC

CESMAC CESMAC

CCH CCH

CCH ---- CISE

CISE CISE CISE

CURSO DE PSICOLOGIA CURSO DE PEDAGOGIA

MACEIÓ

AGOSTO DE 2006

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 2 -

Aos meus filhos Aos Aos meus Aos meus filhos,,, Pedro meus filhos, filhos Pedro Pedro Pedro
Aos meus filhos
Aos
Aos meus
Aos meus filhos,,, Pedro
meus filhos,
filhos Pedro
Pedro
Pedro eeee Gisele.
Gisele. Gisele. Gisele.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

SUMÁRIO

- 3 -

 
  • 1 INTRODUÇÃO ..............................................................................

5

  • 2 ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO ...............................

5

  • 2.1 Capa .........................................................................................

6

  • 2.2 Folha de rosto ..........................................................................

7

  • 2.3 Dedicatória ...............................................................................

8

  • 2.4 Agradecimentos ......................................................................

9

  • 2.5 Epigrafe ....................................................................................

9

  • 2.6 Resumo em língua vernácula ................................................

9

  • 2.7 Resumo em língua estrangeira ..............................................

10

  • 2.8 Lista de ilustrações .................................................................

10

  • 2.9 Lista de tabelas .......................................................................

11

  • 2.10 Lista de abreviaturas e siglas ..............................................

11

  • 2.11 Sumário ..................................................................................

12

  • 2.12 Elementos textuais ................................................................

12

  • 2.12.1 Introdução ..........................................................................

13

  • 2.12.2 Desenvolvimento ou corpo do texto ................................

13

  • 2.12.3 Conclusão ...........................................................................

13

2.13

Elementos pós-textuais ........................................................

13

  • 2.13.1 Referências .........................................................................

13

  • 2.13.2 Glossário ............................................................................

18

  • 2.13.3 Apêndices ...........................................................................

18

  • 2.13.4 Anexos ................................................................................

18

  • 2.13.5 Índice ...................................................................................

18

3

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA REDAÇÃO .............................

18

3.1Citações ....................................................................................

18

  • 3.1.1 Definições .............................................................................

18

  • 3.1.2 Localização ...........................................................................

19

  • 3.1.3 Classificação ........................................................................

19

  • 3.1.4 Notas de rodapé ...................................................................

21

4

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA DIGITAÇÃO ............................

21

  • 4.1 Formato e fontes ....................................................................

21

  • 4.2 Margens ...................................................................................

22

  • 4.3 Paginação ................................................................................

22

  • 4.4 Espaçamento ...........................................................................

22

  • 4.5 Alinhamento à direita ..............................................................

23

  • 4.6 Ilustrações ...............................................................................

23

  • 4.7 Notas bibliográficas e explicativas .......................................

23

Prof. Rocha

Orientador

____________

de metodologia

- 4 -

4.8 Regra geral ..............................................................................

23

5 ABREVEATURAS DE USO FREQUÊNTE EM DESCRIÇÃO

BIBLIOGRÁFICA ........................................................................

23

REFERÊCIAS .................................................................................

ANEXO A – ORIENTAÇÃO PARA FORMATAÇÃO DE

PÁGINAS ........................................................................................

ANEXO B – MODELO DE CAPA ...................................................

ANEXO C – MODELO DE FOLHA DE ROSTO .............................

ANEXO D – FOLHA DE APROVAÇÃO .........................................

ANEXO E – INDICAÇÃO DO FORMATO DE DEDICATÓRIA,

AGRADECIMENTOS E EPÍGRAFE .........................

ANEXO F – INDICAÇÃO DO FORMATO DE RESUMO ................

ANEXO G – INDICAÇÃO DO FORMATO DE RESUMO EM

LÍNGUA ESTRANGEIRA .........................................

ANEXO H – MODELO DE SUMÁRIO ............................................

26

27

28

29

30

31

32

33

34

ANEXO I – MODELO DE SUMÁRIO PARA O TCC CUJO

DESENVOLVIMENTO É CONSTITUÍDO DE

CAPÍTULOS ................................................................

35

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 5 -

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

CURSO DE PSICOLOGIA – CCH/ CESMAC

CURSO DE PEDAGOGIA – CISE/ CESMAC

ELABORAÇÃO: Professor José Batista da Rocha

1 INTRODUÇÃO

Estas orientações são fundamentadas nas normas da ABNT – Associação

Brasileira de Normas Técnicas, e tem como propósito principal o estabelecimento de

critérios para a elaboração de trabalhos científicos.

No nível de graduação deve-se incentivar a realização de trabalhos que

exijam o domínio do fazer com cientificidade, o que requer, por parte do professor, a

orientação e a cobrança dos procedimentos que permitem a realização desse objetivo.

A norma da ABNT – NBR 14724:2002 define como trabalhos acadêmicos

e similares (Trabalho de Conclusão de Curso – TCC, Trabalho de Graduação

Interdisciplinar – TGI, e outros):

Documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar

conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente

emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e

outros ministrados. (op.cit., p. 3)

2 ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO

Tabela 1 – Disposição dos elementos

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 6 -

Estrutura

Elemento

 

Capa (obrigatório)

Folha de rosto (obrigatório)

Folha de aprovação (obrigatório no TCC)

Dedicatória(s) (opcional)

Agradecimento(s) (opcional)

Pré-textuais

Epígrafe (opcional)

Resumo na língua vernácula (obrigatório)

 

Resumo em língua estrangeira (obrigatório no

TCC – abstract)

Lista de ilustrações (opcional)

Lista de tabelas (opcional)

Lista de abreviaturas e siglas (opcional)

Sumário (obrigatório)

 

Introdução

Desenvolvimento

Textuais

Conclusão

 

Referências (obrigatório)

Glossário (opcional)

Apêndice(s) (opcional)

Pós-textuais

Anexo(s) (opcional)

Índice(s) (opcional)

2.1 Capa – Elemento obrigatório

É a proteção externa do trabalho

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 7 -

CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ Centro Universitário de Ciências Humanas Curso de Psicologia Maria José
CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ
Centro Universitário de Ciências Humanas
Curso de Psicologia
Maria José da Rocha
CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA DO TCC
MACEIÓ – ALAGOAS
AGOSTO DE 2006

2.2 Folha de rosto – elemento obrigatório

Deve conter informações essenciais que identificam a obra, na seguinte ordem:

autor(es), título principal, subtítulo (se houver), nota de apresentação, nome do orientador, local

e data.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 8 -

Maria José da Rocha CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA DO TCC Monografia apresentada como requisito para
Maria José da Rocha
CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA DO TCC
Monografia apresentada como
requisito para obtenção do título de
Bacharel em Psicologia pelo Centro
Universitário de Ciências Humanas
do CESMAC. Prof. orientadores:
________________________________
________________________________
MACEIÓ - ALAGOAS
AGOSTO DE 2006

2.3 Dedicatória – elemento opcional

Oferecimento do trabalho à determinada pessoa ou pessoas.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

  • 2.4 Agradecimentos – elemento opcional

- 9 -

Agradecimentos às pessoas que contribuíram para o desenvolvimento do

trabalho. Colocado após a dedicatória.

  • 2.5 Epígrafe – elemento opcional

Pensamentos retirados de um texto,

uma música, um poema,

sempre

seguido da indicação da autoria. Colocado após os agradecimentos.

2.4 Agradecimentos – elemento opcional - 9 - Agradecimentos às pessoas que contribuíram para o desenvolvimento
  • 2.6 Resumo na língua vernácula – elemento obrigatório

Apresentação concisa dos pontos mais importantes do texto, que possibilite

uma visão rápida e clara do conteúdo e conclusões do trabalho.

Formado por frases curtas e objetivas e não de uma simples enumeração de

tópicos. Após o resumo devem ser colocadas as palavras-chave e/ ou descritores

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

- 10 -

conforme NBR 6028, antecedidas da expressão Palavras-chave: separadas entre si por

ponto e finalizadas também por ponto.

  • 2.7 Resumo em língua estrangeira – elemento obrigatório

Com as mesmas características do resumo em língua vernácula, mantendo

o mesmo formato e inclusive as palavras-chave. Deve ser digitado em folha separada

(em inglês Abstract, em espanhol Resumen, em francês Résumé, por exemplo).

Preferencialmente escreva em Inglês.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx ... xxxxxxxxx. xxxxxxxxxxx. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx RESUMO/ABSTRACT Palavras-chave/Key words:
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
...
xxxxxxxxx.
xxxxxxxxxxx.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
RESUMO/ABSTRACT
Palavras-chave/Key words:
  • 2.8 Lista de ilustrações – elemento opcional

Deve ser apresentada de acordo com a ordem do texto, com cada item

numerado e designando o número da respectiva página em que foi mencionado. Se

necessário é recomendado lista própria para cada tipo de ilustração (esquemas,

fotografias, gráficos, quadros, retratos e outros.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

2.9 Lista de tabelas – elemento opcional

- 11 -

Elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, cada item com seu

respectivo nome e número da página.

2.10 Lista de abreviaturas e siglas – elemento opcional

Relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto seguidas do

seu significado

por extenso. É recomendado a elaboração de lista própria para cada

tipo.

LISTA DE ABREVIATURAS

art.

artigo

A., AA.

autor(es)

bibliog.

bibliografia

bibl.

biblioteca

c.a.

caixa alta

cat.

catálogo

c.b.

caixa baixa

et al.

e outros

ex.

exemplos

fig.

figura

il.

ilustração,

ilustrado(a)

n.

número

p.

página

p&b

preto e branco

tit.

título

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

12

  • 2.11 Sumário – elemento obrigatório

Relação das partes do trabalho, numeradas e acompanhadas do respectivo

número da página onde se encontra no texto, conforme NBR 6027.

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

  • 1.1 Justificativa

.................................................

8

  • 1.2 Objetivos

  • 1.3 Problema e Hipóteses

  • 2 REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA

13

  • 3 EMBASAMENTO TEÓRICO

15

  • 3.1 Teorias de Base.

  • 4 METODOLOGIA

25

  • 5 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

27

  • 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES

30

REFERÊNCIAS

32

GLOSSÁRIO

33

APÊNCDICES

34

  • 2.12 Elementos textuais – elementos obrigatórios

Compreende as três partes fundamentais: a introdução, o desenvolvimento

e a conclusão.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

13

  • 2.12.1 Introdução

É a parte inicial do texto onde deve constar a delimitação do assunto tratado,

a justificativa, os objetivos, o problema e as hipóteses e outros elementos que se

fizerem necessário para situar o tema.

  • 2.12.2 Desenvolvimento ou corpo do texto

Parte principal do texto que é dividida em seções e subseções que variam na

apresentação conforme a abordagem do tema e o método empregado.

  • 2.12.3 Conclusão

É a parte final do texto onde se apresentam conclusões correspondentes aos

objetivos e/ ou hipóteses.

2.13 Elementos pós-textuais

São os elementos que se seguem ao texto: referências,

anexo(s), índice(s).

glossário, apêndice(s),

  • 2.13.1 Referências (conforme NBR 6023) – elemento obrigatório

É o conjunto padronizado de elementos descritivos tirados de um documento

que possibilitam a sua identificação. A seguir serão apresentados exemplos de

referências mais comuns na atividade acadêmica, ao nível de graduação. Exemplos:

Monografias no Todo

Inclui livro e/ ou folheto (manual, guia, catálogo, enciclopédia, dicionário, etc.)

e trabalhos acadêmicos (TGI, TCC, dissertações, teses, entre outros).

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

14

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da educação. São Paulo: Moderna, 1989.

ALVES,Castro. Navio negreiro. [S.l.]: Virtual Books, 2000. Disponível em:

<http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>.

Acesso em: 10 jan. 2003, 16:30:30.

KOOGAN, André; HOUAISS, Antônio (Ed.). Enciclopédia e dicionário digital 98.

Direção geral de André Koogan Breikma. São Paulo: Delta: Estadão. 1998. 5 CD-ROM.

Com Dois ou Três Autores

GIOVANNI, José Ruy; BONJORNO, José Roberto; GIOVANNI JR., José Ruy.

Matemática: 2º grau. São Paulo: FTD, 1988.

Com Mais de Três Autores

SILVA, José da et al. (forma abreviada de et alii que significa “e outros”).

Parte da Monografia

DEMO, Pedro. A construção científica. In:

_____.

ciência. São Paulo: Atlas, 1985. cap. 2.

Introdução à metodologia da

ROMANO, Giovani. Imagens da juventude na era moderna. In: LEVI, G; SCHMIDT, J.

(Org.). História dos Jovens 2. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 7-16.

Em Meio Eletrônico

POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da ngua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 1998.

Disponível em: <http://www.priberam.pt/dlDLPO>. Acesso em: 8 de mar. 1999.

Número de Revista (Periódico)

REFLEXÃO. Filosofia na América Latina III. Campinas: Instituto de Filosofia da

PUCCAMP, v. 47, 1990.

DINHEIRO: revista semanal de negócios. São Paulo: Ed. Três, n. 148, 28 jun. 2000. 98

p.

Parte de Periódico (Revista)

ISKANDAR, Jamil Ibrahim. A mesquita: o berço das escolas árabes. Comunicações,

Piracicaba, n. 1, p. 126-128, jun. 1999.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

15

VIEIRA, Casio Leite; LOPES, Marcelo. A queda do cometa. Neo Interativa, Rio de

Janeiro, n. 2, Inverno 1994. 1 CD- ROM.

SILVA, M. M. L. Crimes da era

digital.

.Net, Rio de Janeiro, nov. 1998. Seção Ponto de

Vista. Disponível em: <http://www.brazilnet.com.br/context/brasilrevistas.htm>. Acesso

em: 28 nov. 1988.

Artigo de Jornal

COUTINHO, Wilson. O paço da cidade retorna ao seu brilho barroco. Jornal do Brasil,

Rio de Janeiro, 6 de mar., 1985. Caderno B, p. 6.

BIBLIOTECA climatiza seu acervo. O Globo, Rio de Janeiro, 4 mar. 1985, p.11, c. 4.

ARRANJO tributário. Diário do Nordeste Online. Fortaleza, 27 nov 1998. Disponível

em: <http://www.diariodonordeste.com.br>. Acesso em: 28 nov. 1998.

Documento de Acesso Exclusivo em Meio Eletrônico

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas.doc. Curitiba,

1998. 5 disquetes.

AVES do Amapá: banco de dados. Disponível em:

<http://www.bdt.org/bdt/avifauna/aves>. Acesso em: 30 maio 2002.

ALMEIDA, M. P. S. Fichas para MARC [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por

mtmendes@uol.com.br em 12 jan. 2002.

GALERIA virtual de arte do Vale do Paraíba. São José dos Campos, Fundação Cultural

Cassiano Ricardo, 1998. Apresenta reprodões virtuais de obras de artistas plásticos

do Vale do Paraíba. Disponível em: <http://www.virtualvale.com.br/ galeria>. Acesso em

27 nov. 1998.

Teses, Dissertações e Trabalhos Acadêmicos

CARVALHO, Jussara Maria J. Jung e a educação: uma abordagem no âmbito do

ensino superior. Curitiba, 1989. 94 p. Dissertação de Mestrado em Educação. Centro de

Teologia e Ciências Humanas – Mestrado em Educação, Pontifícia Universidade

Católica do Paraná.

Entrevista Publicada

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

16

LATTES, César. História da Ciência. Campinas, SP, 1997. Superinteressante, ano 11,

  • n. 5, p. 36-37, maio de 1997. Entrevista concedida a Omar Paixão.

Entrevista não Publicada

OTERO, R. Entrevista concedida a Kalil Mussa. Curitiba, 30 set. 1999.

Imagem em Movimento (filmes, videocassetes, DVD, entre outros)

OPERA do malandro. Direção de Ruy Guerra. Rio de Janeiro. Áustria Cinema e

Comunicação. Globo Vídeo, 1985. 1 videocassete (100 mm) 1h: son., color. 12 x 12 mm,

VHS.

Escritos Mimeografados

CAVALCANTE, Luiz Henrique. Avaliação e o fracasso escolar. Maceió, Universidade

Federal de Alagoas, 1995. 23 p. Mimeografado.

Partes de Enciclopédia

GRANDE Enciclopédia Delta Larousse. Rio de Janeiro: Delta, 1968. 2. ed. rev. at., v. IX,

  • p. 4683.

Bíblia

BÍBLIA. Português. Tradução ecumênica. Trad. Grupo Ecumênico do Brasil. São

Paulo: Loyola, 1996.

Conferências, Palestras e Semelhantes

SAVIANI, D. A educação brasileira diante da nova LDB. Palestra proferida na

PUCPR, 18 mar. 1999.

Trabalhos Publicados Apresentados em Congressos e Similares

PUIG, J. A destruição dos filósofos. In: COLÓQUIO IBEROAMERICANO DE

FILOSOFIA, 3. 1998. Madrid. A destruição dos filósofos. Madrid: IMEC, 1999.

  • p. 20-41.

Publicações de Entidades Coletivas

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

17

BRASIL, Ministério da Educação e cultura, Departamento de Divulgação Estatística,

Sinopse Estatística do Brasil: 1970. Rio de Janeiro, 1971. 55 p.

Diapositivos (Eslaides)

ELE MENTOS DE FÍSICA QUÂNTICA. Curitiba: CCET- PUCPR, 1999. 40 diap: color:

4,5 x 4,5 cm.

Transparências

BEHRENS, Marilda. O paradigma emergente. Mestrado em Educação, PUCPR, 1999.

20 transparências: color.

Documento jurídico - Legislação

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.

Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional nº 9, de 9 de novembro de 1985.

Lex: Legislação federal e marginalia, São Paulo, v. 59, p. 1966, out /dez. 1995.

BRASIL. Decreto-lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943. Lex: coletânea de legislação:

edição federal, São Paulo, v. 7, 1943. Suplemento.

BRASIL. Código civil. 46. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

BRASIL. Medida provisória nº 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. Diário Oficial [da]

República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 14 de dez. 1997. Seção

1, p. 29514.

Documento jurídico – jurisprudência

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 14. In:

______.

Súmulas. São Paulo:

Associação dos Advogados do Brasil, 1994.p. 16.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Hábeas-corpus nº 181.636-1, da 6ª Câmara

Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Brasília, DF, 6 de dezembro de

1994. Lex: Jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São Paulo, v. 10, n.

103, p. 236-240, mar. 1998.

Documento jurídico – Doutrina

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

18

BARROS, Raimundo Gomes de. Ministério Público: sua legitimação frente ao Código do

Consumidor. Revista Trimestral de Jurisprudência dos estados, São Paulo, v. 19, n.

139, p. 53-72, ago. 1995.

  • 2.13.2 Glossário – elemento opcional

Corresponde ao item definição dos termos no Projeto.

  • 2.13.3 Apêndices – elemento opcional

Devem ser identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e

pelos respectivos títulos.

Exemplo:

APÊNDICE A – Tabela geral de resultados

  • 2.13.4 Anexos – elemento opcional

Devem ser indicados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos

títulos.

Exemplo:

ANEXO A – Grade curricular do Curso de Psicologia do CESMAC

  • 2.13.5 Índice – elemento opcional

Elaborado de acordo com a NBR 6034.

3 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA REDAÇÃO

3.1 Citações (Conforme NBR 10520:200)

3.1.1 Definições

Citação é a menção de uma informação retirada de outra fonte.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

19

Citação de citação é a citação direta ou indireta em que não se teve acesso ao

original.

Citação direta é a transcrição textual de parte da obra do autor consultado.

Citação indireta é um texto baseado na obra do autor consultado.

Notas de referência são notas que indicam fontes consultadas ou levam a outras

partes da obra onde o assunto foi consultado.

Notas de rodapé são indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo

autor, tradutor ou editor.

Notas explicativas são usadas para esclarecimentos, comentários ou

explanações que não possam ser colocados no texto.

  • 3.1.2 Localização

As citações podem aparecer no texto ou em notas de rodapé.

Exemplos – sistema autor-data

  • 3.1.3 Classificação

Indiretas

A ironia seria assim uma forma implícita heterogeneidade mostrada, conforme

a classificação

proposta

por

Authier-Reiriz (1982).

Demo ( 1996) assinala duas vertentes para a metodologia em razão de sua

orientação, a saber: [

...

]

A produção de lítio começa em Searles Lake, Califórnia, em 1928 (

MUMFORD, 1949, p. 513).

Observação: A indicação da(s) página(s) consultada(s) é opcional nas

citações indiretas.

Ela polariza e encaminha, sob a forma de “demanda coletiva”, as

necessidades de todos (FONSECA, 1997; PAIVA, 1997; SILVA, 1997).

Observação: Diversos documentos de vários autores, mencionados ao

mesmo tempo.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

20

diretas

Para Guedes ( 1997, p. 115) “ A indução, portanto, é a propriedade lógica

que possibilita a generalização de uma proposição a partir de proposições particulares.”

“A abordagem holística tenta resgatar a dimensão fenomenológica, simbólica

e espiritual do processo saúde-doença [

...

]”

(TAVARES, 1996, p. 89).

Barbour (1971, p. 35) descreve: “O estudo da morfologia dos terrenos [ ] ...

ativos [ ]” ...

 

“Não se mova, faça de conta que está morta.” ( CLARAC; BONNIN, 1985, p.

72).

 

“[

]

para que não tenha lugar a produção de degenerados, quer physicos

quer moraes, misérias, verdadeiras ameaças à sociedade.” (SOUTO, 1916, P. 46, grifo

nosso).

“[

...

]

b)

desejo de criar uma literatura independente, diversa, de vez que,

aparecendo o classicismo como manifestação de passado colonial [

...

]”

1993, v. 2, p. 12, grifo do autor).

(CANDIDO,

“Ao fazê-lo pode estar envolto em culpa, perversão, ódio de si mesmo [ ] ...

pode julgar-se pecador e identificar-se com seu pecado.” (RAHNER, 1962, v. 4, p. 463,

tradução nossa).

Observação: Neste caso, o texto original deve vir no rodapé da página.

“Em Nova Londrina (PR), as crianças são levadas às lavouras a partir dos 5

anos.” (NOS CANAVIAIS

...

, 1995, p. 12).

Na lista de referência:

NOS CANAVIAIS, mutilação em vez de lazer e escola.

O

Globo, Rio de

Janeiro, 16 jul. 1995. O país, p. 12.

“A abordagem transpessoal ainda é encarada com desconfiança no meio

médico e no ambiente acadêmico da Universidade, não fazendo parte sequer do

currículo dos cursos de psicologia [

...

]”

(TAVARES, 1996, p. 105).

Citação de citação

Segundo Santos (2000 apud SILVA 1998) afirma que [

...

]

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

21

“Metodologia é

o

‘tratado

dos

métodos;

arte

de

dirigir

o

espírito

na

investigação da verdade’” (FERREIRA, 1996, p. 796 apud ROCHA, 2002, p. 45).

No modelo serial de Gough (1972 apud NARDI, 1993), o ato de ler envolve

um processamento serial que começa com uma fixação ocular sobre o texto,

prosseguindo da esquerda para a direita de forma linear.

3.1.4 Notas de rodapé

Deva-se usar o sistema autor-data para as citações no texto e o numérico

para as notas explicativas.

A numeração das notas de referência e das notas explicativas deve ser feita

em algarismos arábicos, com numeração única e consecutiva para cada capítulo ou

parte.

Exemplos:

_______________________

  • 5 Veja-se como exemplo desse tipo de abordagem o estudo de Silva (1998).

12 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 1989, p. 9.

13 Id. 2000, p. 19.

  • 7 SANTANA, 2001, p. 56.

  • 8 SANTANA, 2001, loc. cit.

4 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA DIGITAÇÃO

4.1 Formato e fontes

Papel tamanho A4 (210x297mm), digitados

ilustrações.

na

cor preta com

exceção das

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

22

Fonte Times New Roman ou Arial. O tamanho 12 deve ser observado para a

digitação do texto e tamanho menor para as citações de mais de 3 linhas, notas

de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas.

  • 4.2 Margens

Esquerda - 3,0 cm.

Superior - 3,0 cm.

Direita - 2,0 cm.

Inferior - 2,0 cm.

Margem de parágrafo – 5,0 cm (ou recuo de 2,0 cm da margem esquerda).

Margem de citação longa (mais de 3 linhas) - 7,0 cm (ou recuo de 4,0 cm da

margem esquerda).

  • 4.3 Paginação

Todas as folhas do trabalho devem ser contadas a partir da folha de rosto e a

numeração deve ser colocada a partir da primeira folha da parte textual (no caso,

Introdução). Devem ser seguidos os seguintes critérios:

em algarismos arábicos;

no canto superior direito, a 2,0 cm da borda superior e o último

algarismo a 2,0 cm da borda direita.

  • 4.4 Espacejamento

Todo o texto deve ser digitado em espaço entrelinhas 1,5. O espaço simples

deve ser usado nas seguintes situações:

nas citações diretas longas (mais de 3 linhas);

nas notas de rodapé;

dentro de cada referência, porém entre elas espaço duplo;

na nota de grau (informações sobre a natureza do trabalho,

objetivos, etc) da folha de rosto.

Entre o capítulo e o texto usar 2 espaços 1,5.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

23

Entre o capítulo e o subcapítulo usar 2 espaços 1,5.

Os subcapítulos devem ser separados do texto que os precede ou que os

sucede também por 2 espaços 1,5.

4

5

Alinhamento à direita

 

Quando necessário, fazer uso do hífen após a letra e nunca abaixo dela.

Justificar, porém não abusar do espaçamento entre palavras.

 

4.6

Ilustrações

 
 

Inserir na página onde são citadas ou na imediatamente posterior.

 

Devem ficar centralizadas na página, sempre acompanhadas das informações

 

pertinentes como: fontes, notas, etc.

 

4.7

Notas bibliográficas e explicativas

 

Notas bibliográficas devem ser postas nas citações diretas e indiretas, no próprio

 

texto, de forma abreviada e entre parêntese, da seguinte forma:

 

a) (SILVA, 1990, p. 20) ou (1990, p. 20) se o autor for mencionado, na

citação direta;

 
 

b) (1990) logo após

ter

sido mencionado o nome do autor, nas citações

indiretas.

 
 

Outras

notas

como

as

explicativas

devem

vir

no

rodapé

da página,

 

acompanhadas do número de chamada e separadas do texto por um filete de

linha.

4.8

Regra geral

 

Procedimentos uniformes em todo o trabalho.

 

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

24

5 ABREVIATURAS DE USO MAIS FREQÜENTE EM DESCRIÇÃO BIBLIOGRÁFICA

 

Abreviaturas

 

Significado

apud (pronuncia-se ápud)

 

citado por, conforme, segundo

art.

artigo

A., AA.

autor(es)

cap.

capítulo(os)

cf.

confira, confronte

c.a.

caixa alta

c.b.

caixa baixa

cit.

citação, citado(a)

c

copirraite

diap.

diapositivo

et al.

e outros

ex.

exemplos

ect.

etecétera

e.

exemplar

fig.

figura

ibidem ou ibid.

 

na mesma obra

id.

idem

il.

ilustrado(a), ilustrador(a), ilustração

loco citato ou loc. cit.

 

no lugar citado

n.

número

nov. (meses)

 

novembro (todos os meses – exceto maio,

 

são abreviados com as três primeiras letras

seguidas de ponto)

opus

citatum,

opere

citato

ou

obra citada

op.cit.

org.

organização, organizador(a)

p.

página

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

 

25

passim

aqui e ali, em diversas passagens

p.ex.

por exemplo

rer. at.

revisto e atualizado

s.d.

sem data

s.l.

sem lugar de publicação (sine loco)

s.n.

sem nome de editor(a) ou puplicador(a)

(sine nomine)

v.

volume, tomo

v.o.

ver o texto original

v.tb.

veja também, ver também

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

26

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Informação e documentação –

referências – elaboração: NBR 6023. Rio de Janeiro: ABNT, 202.

______.

Informação e documentação – citação em documentos – apresentação:

NBR 10520. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.

______.

Informação e documentação – trabalhos acadêmicos – apresentação: NBR

14724. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.

______.

Informação e documentação – sumário – apresentação: NBR 6027. Rio de

Janeiro: 2002.

______.

Resumos. NBR 6028. Rio de Janeiro: ABNT, 1990.

______.

Numeração progressiva das seções de um documento. NBR 6024. Rio de

Janeiro: 1989.

______.

Preparação de índice de publicações. NBR 6034. Rio de Janeiro: ABNT,

1989.

ISKANDAR, Jamil Ibraim. Normas da ABNT comentadas para trabalhos científicos.

Curitiba: Champagnat, 2000.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia

científica. 3.ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1996.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de Oliveira. Tratado de metodologia científica: projetos de

pesquisa, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. 2.ed. São Paulo: Pioneira,

1999.

ROCHA, Paulo Felisberto. Como fazer uma pesquisa científica? uma abordagem

teórico prática. Maceió: Catavento, 2002.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

27

ANEXO A – ORIENTAÇÃO PARA FORMATAÇÃO DE PÁGINAS

Prof. Rocha ____________ Orientador de metodologia
Prof. Rocha
____________
Orientador
de metodologia

28

ANEXO B – MODELO DE CAPA

CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ

Centro Universitário de Ciências Humanas

Curso de Psicologia

Maria José da Rocha

CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA DO TCC

MACEIÓ – ALAGOAS

AGOSTO DE 2006

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

29

ANEXO C – MODELO DE FOLHA DE ROSTO

Maria José da Rocha

CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA DO TCC

Monografia apresentada no 9º período

do Curso de Psicologia do CCH -

CESMAC, como requisito parcial para

obtenção do título de Bacharel em

Psicologia.

Professores orientadores:

MACEIÓ – ALAGOAS

AGOSTO DE 2006

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

30

ANEXO D – FOLHA DE APROVAÇÃO

Maria José da Rocha

CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA DO TCC

 

Monografia apresentada

no 9º período

 

do

Curso

de

Psicologia

do

CCH

-

CESMAC, como requisito parcial para

obtenção

do

título

Bacharel

em

de

Psicologia.

 
 

Professores orientadores:

 

Maceió/ AL, ____

de

________________

200

de

___

Aprovação: __________________________

Banca Examinadora

__________________________________

Prof.

_____________________

__________________________________

Prof.

_____________________

__________________________________

Prof.

_____________________

MACEIÓ - ALAGOAS

OUTUBRO DE 2003

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

31

ANEXO E – INDICAÇÃO DO FORMATO DE

EPÍGRAFE

DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS E

31 ANEXO E – INDICAÇÃO DO FORMATO DE EPÍGRAFE DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS E Prof. Rocha ____________ Orientador

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

32

ANEXO F – INDICAÇÃO DO FORMATO DE RESUMO

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Palavras-chave: xxxxxxx.

RESUMO

xxxxxx.

...

por ponto e finalizadas também por ponto.

Deve ser feito com frases concisas e objetivas,

trabalho – as palavras-chave, separadas entre si

com aproximadamente 250 palavras, seguido

das palavras representativas do conteúdo do

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

33

ANEXO G – INDICAÇÃO DO FORMATO DE RESUMO EM LÍNGUA

ESTRANGEIRA

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

...

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Key words: xxxxxxxxx.

xxxxxxxxxxxxxxx

ABSTRACT

Xxxxxxx.

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

34

ANEXO H – MODELO DE SUMÁRIO

SUMÁRIO

  • 1 INTRODUÇÃO

    • 1.1 Justificativa

.............................................................

7

  • 1.2 Objetivos

  • 1.3 Problema e Hipóteses

    • 2 REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA

................................

10

  • 3 EMBASAMENTO TEÓRICO

.....................................

11

  • 3.1 Teorias de Base

    • 4 .........................................................

METODOLOGIA

22

  • 5 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

...................

23

  • 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES

.................................

28

REFERÊNCIAS

..............................................................

29

GLOSSÁRIO

...................................................................

31

APÊNDICES

...................................................................

32

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia

35

ANEXO I – MODELO DE SUMÁRIO PARA O TCC CUJO DESENVOLVIMENTO É

CONSTITUÍDO DE CAPÍTULOS

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

 

8

2

O PLANEJAMENTO DA PESQUISA PARA O TCC

.............................

10

  • 2.1 Características especiais do TCC

 
  • 2.2 A escolha do tema e a denominação final;

  • 2.3 A elaboração do anteprojeto como etapa inicial na construção do TCC.

 

3

A ESCOLHA DA MODALIDADE DA PESQUISA

................................

22

  • 3.1 Aspectos que devem influenciar na escolha da metodologia;

  • 3.2 Paradigmas influenciadores da pesquisa;

  • 3.3 Principais diferenças entre a pesquisa quantitativa e a pesquisa qualitativa;

  • 3.4 Tipologia da pesquisa.

4

ASPECTOS ÉTICOS DA PESQUISA

40

  • 4.1 A questão dos direitos autorais;

  • 4.2 A pesquisa com seres humanos – legislação e normas.

5

ASPECTOS TÉCNICOS E ESTÉTICOS DO TCC

48

  • 5.1 Referências, citações e notas;

  • 5.2 Redação técnico-científica;

  • 5.3 Aspectos estéticos.

6

CONCLUSÃO

62

REFERÊNCIAS

64

Prof. Rocha

____________

Orientador

de metodologia