Você está na página 1de 4

PraçaVerde

QUARTA-FEIRA, 11 DE ABRIL DE 2007

Ambiente
Imagens Dispersas 2007

Fotografia João Cosme Grafismo Duarte Regalado


Referências
concurso p a l e s t r a
catástrofe

Desde o princípio existiram referências, mas estas


acumulam-se de ano para ano. Muitas referências
Visões Criativas da Natureza Biblioteca Municipal de Ovar tendem quase sempre para o espectro mundial, desde
entrega de trabalhos até 23 de Março Sexta / 13 de Abril / 21.30 h a imagem de Nick Ut que precipitou o fim da guerra do
nomeação dos vencedores durante a palestra
Vietname, passando pela imagem de W. Eugene Smith

exposição workshop que se sentiu comprometido com o mal que atingia os


animais e a população de Minamata, servindo-se da
flora

sua habilidade para mostrar ao mundo as sequelas


Biblioteca Municipal de Ovar Fotografia
Museu de Ovar Introdução à narrativa/ambiente que a fábrica de químicos CHISSO tinha imposto à
Junta de Freguesia de Ovar 29 de Abril, 5 e 6 de Maio
pequena habitante Tomoko Uemura, encontrando
de 13 de Abril a 12 de Maio assim um rosto para poluição industrial. Ainda
fauna

existem outras referências que rapidamente


associamos ao cariz da nossa associação, é o caso
do fotógrafo de natureza e vida selvagem Art Wolfe
que escreve «O ambiente é o centro do trabalho de
um fotógrafo de natureza. Quer retrate a beleza
paisagem

natural, quer mostre a degradação da natureza


provocada pelo Homem, as fotografias da natureza
são, essencialmente documentos políticos. Estas
fotografias são poderosas, muitas vezes de forma
pouco clara, […]. Como qualquer outro meio, as
fotografias têm a capacidade de acordar e agitar o
público.» Pois é através destas referências que a
Associação Amigos do Cáster capta energia para
construir o encontro de fotografia “AMBIENTE
IMAGENS DISPERSAS 2007”. Mudar o mundo será
uma meta que não está ao nosso alcance, contudo
melhorar a nossa região é um enquadramento que
FOTOGRAFIA

nos assenta bem, e esta iniciativa é o testemunho


disso mesmo, mostrando imagens da natureza às
pessoas que visitam as nossas exposições, que de
outra maneira não veriam, demonstrando que através
delas é possível estudar, e até salvar espécies e o
seu habitat. Ainda será interessante sublinhar que, as
personalidades que enriquecem esta actividade, não
têm alcance mundial, são gente da nossa terra, são
pessoas de Portugal.
“Gratidão” é a única palavra de apreço que encontro
Organização:
momentaneamente, para todos aqueles que estiveram
amigos docaster ao nosso lado na produção deste evento.
- www.amigosdocaster.blogspot.com - 964205415
Agora para si: seguindo a expressão de José Carlos
Apoios: Designjet Z3100 Malato no seu programa “Um Contra Todos”, assista e
componha esta iniciativa da A.J. Amigos do Cáster,
“porque sem si isto não tem piada nenhuma”.

carlos.m.ramos@sapo.pt
12 Quarta-feira, 11 de Abril de 2007 PRAÇA VERDE praçapública

Concurso de Fotografia
Ambiente
Imagens Dispersas 2007

Fotografia João Cosme Grafismo Duarte Regalado

concurso p a l e s t r a
catástrofe

Visões Criativas da Natureza Biblioteca Municipal de Ovar


entrega de trabalhos até 23 de Março Sexta / 13 de Abril / 21.30 h

O Tema do concurso foi VISÕES CRIATIVAS DA NATUREZA. Este concurso foi dirigido a todos os destinatários excepto aos
nomeação dos vencedores durante a palestra

exposição workshop
flora

Biblioteca Municipal de Ovar


Museu de Ovar
Junta de Freguesia de Ovar
Fotografia
Introdução à narrativa/ambiente
29 de Abril, 5 e 6 de Maio
membros da organização do evento.
de 13 de Abril a 12 de Maio
fauna

OS PRÉMIOS
paisagem

1.º Classificado: 1 Expedição fotográfica do Fotoadrenalina Marrocos + 1 Curso de Fotografia Digital ministrado pelo IPF
(Instituto Português de Fotografia);
2.º Classificado: 1 Expedição fotográfica do Fotoadrenalina Picos da Europa + 1 Workshop de Técnica Fotográfica ministrado
FOTOGRAFIA

pelo IPF (Instituto Português de Fotografia);


3.º Classificado: 1 FOTOGAME Fotoadrenalina (participão gratuita num jogo fotográfico entre equipas para 2 pessoas).
Organização:
As fotografias do concurso, patenteadas nas salas do evento Ambiente Imagens Dispersas, integrarão o portfólio publicado na
amigos docaster
- www.amigosdocaster.blogspot.com

Apoios: Designjet Z3100


- 964205415

revista FOTOdigital referente a Maio de 2007.

O Júri
O que dizem sobre a associação, fotografia e concurso

CARLOS DIAS | DESIGNER E FOTÓGRAFO DE JOSÉ MANUEL BACELAR | FOTOJORNALISTA DUARTE REGALADO | FOTÓGRAFO, ELEMENTO CONCEIÇÃO VASCONCELOS | VEREADORA DA
NATUREZA E VIDA SELVAGEM DA ASSOCIAÇÃO E DA ORGANIZAÇÃO DO CULTURA DA CÂMARA MUNICIPAL DE OVAR
«Não existem regras rígidas para ex- AMBID2007
«Há uma dedicação e empenho muito plicar a vitória ou a derrota de um fotó- “Os Amigos do Cáster são um grupo
grande nas pessoas que fazem a associação grafo num concurso, contudo existe um “A duplicação do número de parti- muito jovem e desde a sua existência,
Amigos do Cáster evoluir e crescer, so- elemento chave: originalidade. Quando cipantes é a recompensa pelo nosso es- habituaram-nos a um dinamismo
bretudo na área da protecção do Ambiente. analiso centenas de fotografias, aguardo forço, mas também o aumento da res- peculiar, a uma criatividade diferenciada
São jovens cheios de vontade de fazer mais por uma que me faça parar e suster a ponsabilidade na escolha das melhores e a uma irreverência construtiva. É um
e melhor e o evento Ambiente Imagens respiração». fotografias. Procurar “a imagem” que grupo atento aos problemas ambientais
Dispersas é prova inequívoca do seu esfor- melhor se adequa ao tema, conseguindo, deste século, organizando a sua activi-
ço e crescente aperfeiçoamento». ao mesmo tempo, conciliar técnica e dade em torno da formação cívica, des-
composição adequadas, é uma tarefa pertando nos outros formas de estar e
Sobre a Fotografia… «Quando estou a delicada mas entusiasmante”. agir entre outras. Relativamente a este
fotografar, procuro interpretar e modificar evento, tem tudo a ver com um dos ob-
a realidade que está à minha volta de modo Hélder Almeida jectivos desta associação, o sensibilizar
a conferir-lhe um toque pessoal. A fotografia para as questões ambientais e neste caso
é, portanto, uma Arte interpretativa da reali- pelo respeito e conservação da Natureza.
dade, sob o posto de vista do fotógrafo que “Ambiente, Imagens Dispersas” é já uma
manipula e interpreta enquadramentos, cores referência.
e luz para transmitir sensações e ideias. Para
além de tecnicamente boa, uma imagem O que valoriza numa fotografia?
deve transmitir sensações, mensagens, ideias «De forma genérica valorizo a cor, o
e impressionar quem a vê. Deve tocar o posicionamento do objecto fotografado
espectador e ser muito mais do que um (existe quase sempre um instante deci-
mero documento fotográfico - mesmo que sivo), a qualidade de luz e o meu próprio
tecnicamente “perfeita”. Não é por acaso gosto».
que as melhores imagens que vemos são as
que ficam retidas na nossa memória durante
muito tempo… por vezes anos.»
praçapública PRAÇA VERDE Quarta-feira, 11 de Abril de 2007 12

Palestra “Lobos em Portugal”


Os autores da publicação “LO- eles contribuem para desenvolvi- quim Pedro e do Jorge: salvar o É disso que este livro trata. A escrita, saída, em Novembro de 2005, desem-
BOS em Portugal” são Paulo Caetano, mento ou constrangimento da espécie lobo da extinção em Portugal. escorreita e descodificadora das dis- penhou os cargos de Editor de Ciên-
jornalista, Joaquim Pedro Ferreira, no território nacional. Como é o dia- sertações científicas, aproxima o lobo cia e de Sociedade e, ainda, de Chefe
fotógrafo e biólogo, finalmente Jorge a-dia de uma investigação deste gé- SOBRE A OBRA: do comum mortal (...). Este livro pode de Redacção. De Setembro de 1997
Mateus, ilustrador. Joaquim Pedro nero, desde o planeamento à recolha “Escreve-se neste livro sobre o ser uma pedra determinante numa a Abril de 1998 foi Coordenador do
Ferreira e Paulo Caetano e vão-nos de dados e imagens no campo, a con- lobo em todas as suas perspectivas: nova relação com o lobo. Com os Programa “FILHOS DA NAÇÃO”,
honrar com a sua presença na pa- cretização das respostas e as pergun- arqueologia, história, etnografia, lobos” - José Antunes, in “FOTOdi- na SIC. Foi pioneiro no tratamento
lestra, agendada para dia 13 de tas que persistem, as novas perguntas morfologia, biologia, comportamento gital”. jornalístico de temas de Ambiente,
Abril às 21h30 na Biblioteca que surgem, fruto deste trabalho. Que e conservação. (...) É a bíblia do Lobo tendo publicado reportagens na re-
Municipal de Ovar. papel tem a fotografia nesta vivên- dizem alguns biólogos e arqueólogos” QUEM É PAULO CAETANO? vista “Expresso” e na “Pública”, no
Vão contar-nos como é o quo- cia? - Teresa Firmino, in “Mil Folhas do Actualmente, a exercer funções “DNA”, na “Sábado”, no “JÁ”, na
tidiano desta espécie em Portugal, Esta palestra tem a pretensão de Público”. Ou ainda: “Imagine-se de Responsável de Comunicação no “Vida Mundial”, na “Volta ao
quem são os agentes que se rela- dar um pequeno contributo para a sentado diante do fogo comunal ou Grupo CUF. Em 2001, foi admitido Mundo”, “Fórum Ambiente”,
cionam com o lobo, e em que medida divulgação da causa do Paulo, do Joa- do lar a escutar uma história antiga. nos quadros da revista “FOCUS” “Ozono” e ainda nas espanholas
como Grande Repórter. Até à sua “Cambio 16” e “Península”.

Exposições de Fotografia
Junta de Freguesia de Ovar - De direcciona-se para a paisagem. resultado de uma outra simbiose
sempre diferentes e o seu
14 de Abril a 10 de Maio - Os trabalho é reflexo disso mesmo: Segundo José Antunes «É bom Joaquim Pedro Ferreira/Paulo
trabalhos que vão compor as versatilidade. Da moda, ao encontrar uma associação Caetano/Jorge Antunes que resulta
exposições são, “Incêndios” do desporto, passando pela ambiental que sabe explorar a na publicação com a mesma
Sérgio Azenha, o qual compila actividade política, e claro, por fotografia como uma arma para denominação. Este trabalho permite-
uma série de fotografias aquilo que o une ao encontro de chamar a atenção para a sua nos de uma forma muita directa
recolhidas em diversos cenários fotografia “Ambiente Imagens actividade e também para, perceber a utilidade da fotografia
de catástrofe ecológica e ao longo Dispersas”, o flagelo dos através dessa mesma fotografia, num dos campos da actividade
de diversos anos. Este trabalho incêndios. dinamizar a filosofia que prega: a ambiental: a Conservação da
ilustra drama de quem combate defesa do ambiente. É saudável Natureza. Assim, através das
os incêndios e das suas vítimas, que assim suceda e que o ilustrações patenteadas pelo
além disso transmite um profundo exemplo venha de alguém fora João Cosme é fotógrafo de natureza fotógrafo/biólogo, também
sentido estético e revela dos grandes centros. A e vida selvagem. As suas fotografias poderemos perceber ao longo do
composições fantásticas. Uma Associação Amigos do Cáster, têm sido publicadas em diversas tempo esta relação: Homem/Lobo/
palavra para a definir: Soberbo! cuja actividade se estendeu para revistas nacionais e internacionais, Biótopo. Esta intervenção ainda terá
lá do rio que lhe dá nome, está, como a National Geographic – uma forte vertente intimista ao
de novo de parabéns». O convite magazine, Grande Reportagem, conhecermos os “bastidores” deste
para participar na exposição de Focus, Factos, tribuna da Natureza, trabalho de investigação.
fotografia de 2007 deixou-o Ozono, Fotonatureza, Fotodigital,
surpreendido. Afinal, o seu Super Foto prática, Naturaleza
trabalho na área da fotografia é Salvage (Espanha), entre outras. As
uma extensão da sua actividade suas imagens também têm
jornalística, encetada no final dos ilustrado livros, postais, cds, posters
anos 70. A escrita sobre o e alguns estudos científicos. Em
Biblioteca Municipal de Ovar - De património, arqueologia e Fevereiro de 2003 é inaugurada a
13 de Abril a 12 de Maio - A percursos na Natureza, para sua primeira grande exposição no
segunda exposição é a do publicações desde o “Diário de Centro de Artes e Espectáculos da
jornalista José Antunes o qual Notícias Magazine” à “Capital” ou Figueira da Foz, integrada na Joaquim Pedro Ferreira é licenciado
desenvolve a sua actividade “Diário Popular”, conciliaram-se “Coimbra 2003” Capital Nacional da em biologia desde 1997 pela
Sérgio Azenha, Fotojornalista a profissional na revista sempre com a escrita sobre Cultura, intitulada “Os Bichos que Faculdade de Ciências da
viver em Coimbra. Licenciou-se “FOTOdigital” e é primeiro fotografia técnica e, claro a sua andam por aí…”. Em Novembro de Universidade de Lisboa (FCUL) e em
em Jornalismo pela Universidade fotógrafo que num trabalho prática, além da escrita sobre 2003 é lançado o seu primeiro livro 2003 conclui o Mestrado em Gestão
de Coimbra e iniciou a actividade consegue transitar do deslumbre informática e multimédia. sobre o património natural da Serra dos Recursos Biológicos pela
profissional no “Jornal de para aspectos menos positivos Suportes para uma carreira de do Caramulo, onde se destacam Universidade Évora, e desde aí tem
Notícias”. Depois de alguns anos que atentam contra a natureza – a freelancer entre o agreste da surpreendentes imagens. Em trabalhado em diversos projectos na
a trabalhar no jornal “Público”, Exposição chama-se “4 Natureza e o cheiro quente dos Fevereiro de 2004 é lançado o seu área da conservação de mamíferos
tornou-se freelancer, tendo as Olhares”. O primeiro “olhar” computadores. segundo livro, Litologias, onde se carnívoros. Neste momento é
suas fotografias sido publicadas representa o prejuízo que uma retrata aspectos geológicos de Bolseiro de Doutoramento centrado
em vários jornais, entre os quais estrada pode causar quando Biblioteca Municipal de Ovar - De Portugal. Em Março de 2005, é na problemática de conservação do
o “Diário de Notícias”, “Público”, atravessa o habitat de inúmeras 13 de Abril a 12 de Maio - Com o lançado o seu terceiro livro sobre a gato-bravo europeu. Dedica-se à
“Jornal de Notícias”, “Correio da espécies, ou seja o mal que a seu trabalho “Rios de Vida” região de Riba-Côa, onde retrata o fotografia de Natureza (amador)
Manhã”, “Le Figaro” e “Toronto intervenção do homem pode demonstra diversos olhares de mundo natural daquela região. E desde 1998, tendo publicado alguns
Star”, bem como nas revistas causar. O segundo “olhar” elementos adjacentes aos rios, também é co-autor do guia Roteiro trabalhos em revistas como a
“Sábado e Visão”. Colabora paradoxal face ao primeiro, uma assim como a sua própria do vale do Côa. Em 2006 publica a Fórum Ambiente, Cortiçol, Tribuna
também com as agências vez que a natureza “em cativeiro” composição paisagística. Um sua página pessoal, da Natureza, fez uma exposição
noticiosas “Associated Press” garante a integridade de milhares trabalho com profunda www.joaocosme.net. Actualmente intitulada: “No silêncio da Noite”
(AP) e “LUSA”. Tem portfolio em de seres humanos nos preocupação estética, com uma está a preparar um novo livro sobre sobre o mundo dos morcegos
http://www.sergioazenha.com” aeroportos. O terceiro “olhar” gama de fotografias que percorre rios. integrada na semana europeia dos
Cada despertar matinal é entra no momento do fascínio ao desde imagens com linhas morcegos realizada em Montemor-
diferente, e não sabe se existirão completar-se com retratos perfeitamente definidas até Museu de Ovar - De 14 de Abril a o-Novo, foi editor fotográfico e um
sujeitos a capturar pela sua faunísticos, e finalmente o quarto imagens que se aproximam à 12 de Maio - Joaquim Pedro dos fotógrafos do Livro Roteiros das
enorme colecção de câmaras “olhar” mantém-se na linha do corrente pictórica Ferreira expõe LOBOS em Portugal. aves no Alentejo editado pelo Centro
fotográficas. Se existirem serão anterior mas desta vez “impressionista”. Esta simbiose exposição/palestra é Estudos da Avifauna Ibérica.
12 Quarta-feira, 11 de Abril de 2007 PRAÇA VERDE praçapública

EDITORIAL Depoimento de Joaquim Pedro Ferreira


duas espécies raras e em perigo de extinção, o
Ambiente, que eu pretendo é defendê-las, contribuir para
Imagens a sua conservação, bater-me pela sua sobrevi-
vência neste território que partilham – ances-
Dispersas tralmente – com o Homem.
No meio deste trabalho, conheci pes-
soalmente o Paulo Caetano. Já conhecia as
ELIANA DUARTE
suas reportagens de ambiente, já tinha lido as
suas entrevistas e as suas crónicas. Identificava-
me com as suas opiniões, com a postura que
O Encontro de Fotografia assumia na sua escrita, emocionava-me com
Ambiente, Imagens Dispersas
a sua prosa magistral. E tínhamos algo em
comum: a fotografia de Natureza. A seu con-
tomou conta desta edição do vite, fomos a Doñana, em busca de linces em
Praça Verde. Mais do que A paixão pela Natureza é coisa antiga. principal objecto de estudo foi tomando forma, liberdade. E a empatia entre nós foi imediata.
Impossível de definir quando começou, pois foi-se definindo: de entre todos os animais, os Foi nessa viagem inesquecível, onde vimos
preparámos para este Encontro: linces pela primeira vez, que surgiu a ideia do
acompanha-me desde sempre. Daí a opção pelo carnívoros eram os que, em definitivo, mais
o concurso, a palestra, as curso de Biologia da Faculdade de Ciências de me fascinavam. E, entre eles, o destaque vai livro Ibéria Selvagem. Desde então, ficou a
Lisboa – foi a melhor forma de poder dar vazão para o gato-bravo e o lince ibérico. São estas amizade. E os projectos comuns, como o do
exposições e o workshop,
a este gosto que me consumia e me realizava. duas espécies de felinos que, actualmente, livro recente sobre os Lobos em Portugal. E
queremos apresentar-lhe os A opção académica e o meu percurso de vida ocupam grande parte do meu tempo: o gato- outros que, dentro em breve, daremos à
como investigador surgiram, assim, com toda bravo como objecto do doutoramento, o lince estampa. E, pelo caminho, ficaram milhares
autores dos trabalhos, mostrar-
a naturalidade: depois da licenciatura, seguiram- ibérico enquanto colaborador do “Programa de quilómetros em terra batida e dezenas de
lhe o profissionalismo, a se alguns anos como bolseiro de investigação, Lince” da Liga para a Protecção da Natureza horas a palmilhar os montes ou escondidos
dedicação, o prestígio e a paixão
depois o mestrado e agora o doutoramento, (LPN). Mas, mais do que estudar e compre- em abrigos à espera de vislumbrar os animais
ainda em curso. E ao longo destes anos, o meu ender as necessidades e comportamentos destas mais esquivos da fauna ibérica.
de grandes Homens que nos
estenderam a mão e que fizeram
com que conseguíssemos
cumprir com mais este sonho.
Depoimento de Paulo Caetano
Era um jovem jornalista estagiário quan- acabei por perder a conta aos trabalhos WORKSHOP
Quisera e pudesse eu contar a do este gosto pela Natureza e o Ambiente publicados. Mas, de todos eles, guardo
definiu o rumo da minha vida e da minha memórias muito vivas das pessoas que
importância e significado da
carreira. Na época, colaborava num trabalho conheci, das histórias que relatei sempre em Introdução à Narrativa
aprendizagem, bem como, o de investigação de faculdade sobre o primeira mão, dos bichos que pude apreciar
comportamento dos gorilas no Jardim a escassos metros de distância.
Fotográfica e o Ambiente
crescimento pessoal e HÉLDER ALMEIDA
Zoológico de Lisboa. Comecei a entrar no A parceria com o Joaquim Pedro foi algo
associativo que nos traz este mundo do comportamento animal e da de inesperado. E de natural. Acima de tudo,
conservação e, graças à participação em partilhamos a mesma postura e o mesmo Para a edição deste ano convidámos o
evento, mas não me resta fotojornalista José Manuel Bacelar, galar-
congressos e colóquios, conheci histórias profissionalismo: evitamos colocar-nos em
espaço, cumpre-me, no entanto, fantásticas de investigadores portugueses que bicos de pés e deixamos que seja o nosso doado com o IV Prémio Visão de Foto-
tentavam salvar espécies raras da extinção. trabalho a brilhar. E, com ele, realçamos o jornalismo 2004, a organizar um workshop,
dizer que:
E como não se escrevia na imprensa sobre fundamental que são os objectos da nossa nos dias 29 de Abril, 5 e 6 de Maio, com a
Nós, Amigos do Cáster estamos estes temas, tentei ser pioneiro. Comecei com escrita e das nossas fotografias: os animais e temática “Introdução à Narrativa
uma reportagem sobre os golfinhos do Sado as pessoas que lutam pela conservação da Fotográfica e o Ambiente”. Será proposto
gratos e de mãos dadas com
para a revista do “Expresso”, logo se seguiu Natureza. Este trabalho conjunto, de vários aos formandos a elaboração de um projecto
estas pessoas que na sua vida outra sobre lobos e ainda uma outra sobre anos, permitiu que realizássemos obras iné- que irá ser definido pelos mesmos, tendo
aves de rapina. A partir desse longínquo ano ditas, como o álbum Ibéria Selvagem que te- como ponto de partida a caracterização
lutam pela preservação de
de 1991, nunca mais deixei de escrever na ve o arrojo de mostrar a diversidade biológica ambiental de Ovar. As inscrições decorrem
espécies e ecossistemas, juntos
imprensa ou de realizar peças na televisão da Península Ibérica. Com o livro dos lobos, até ao dia 23 de Abril, através dos contactos:
queremos assistir aos aplausos sobre a vida selvagem em Portugal e Espanha. que se insere numa colecção também inédita hhelder@gmail.com ou 965 614 805. Para
“Expresso”, “Pública”, “Notícias Magazine” em Portugal, voltámos a arriscar e com grande participar os sócios pagam 80 euros e os
que preconizamos para este
e “DNA”, “Focus”, “RTP” e “SIC”, “Já”, sucesso – como atestam todas as críticas ao não sócios 100 euros. Parafraseando José
encontro: a sua consciência “Volta ao Mundo”, “Vida Mundial”, “Fórum livro. De todo este percurso, fica uma certeza: Manuel Bacelar: “Tragam as vossas câmaras,
Ambiente”, “Ozono”, “Tribuna da não nos vamos acomodar e iremos continuar um portfolio de 15 a 20 imagens e a vossa
ambiental!
Natureza”, “Cambio 16”, “Península”… a surpreender com novos projectos editoriais. curiosidade!”.