Evolução do conceito do direito de ação art.

463 CPC
Art. 463. Publicada a sentença, o juiz só poderá alterá-la: (Redação dada pela Lei nº
11.232, de 2005)
I - para Ihe corrigir, de ofício ou a requerimento da parte, inexatidões materiais, ou
Ihe retificar erros de cálculo;
II - por meio de embargos de declaração.

Filtragem: interpretação do processo civil sobre a ótica da constituição
republicana:
-Principio do contraditório
-Principio ampla defesa
-Efetividade da jurisdição (o processo deve ter uma duração razoável)
Art 5, LXXVIII Razoabilidade: LXXVIII a todos, no âmbito judicial e administrativo, são
assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua
tramitação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)

Direito e garantia do cidadão: não é norma programática, é uma regra
para ser concretizada.
-Realizacao de pretensão do cidadão
-O processo é o campo de atuação do estado como garantia de um
direito.
-Mecanismos para efetivação de um resultado útil
- Não basta reconhecer um direito do cidadão: busca de resultados
efetivos no processo.
Principio da inafastabilidade da jurisdição: não e possível o impedimento
da busca da jurisdição, deve haver um amplo acesso do cidadão a justiça
( gratuidade da própria justiça) Lei 10.050/60 -> se o autor da demanda perde
ele paga as custas, honorários advocatícios-. Aqueles que são declaradamente
pobres, dispensados da verba de sucumbência

-Instrumentos coletivos
-Legitimacoes ativas extraordinárias
-Acao civil publica
- Mandado de segurança
- Tutelas coletivas:Viabilizar o acesso a justica através de instrumentos
processuais:
-Tutelas antecipadas: antecipação em carater liminar de um direito
material
Fase automista: D.P.C é diferente do D. Privado
Utilitarista: dar efetividade de forma celebre
Processo justo: processo útil
Escopo social: o processo visa a participação entre as partes
Escopo político: com o provimento jurisdicional verifica-se o
fortalecimento do estado ( forca das decisões)
Escopo jurídico: criação dos mecanismos processuais que visam a
efetivação do direito postulado. Ex: tutelas antecipadas
Hoje tudo se desenvolve em fases procedimentais
Sincretismo processual:Reconhecimento de um direito numa decisão
interlocutória
A capacidade de determinado instituto processual, reconhecer um direito
e realizar esse direito.

Tutela antecipada:E uma execução (realização de um direito antes da
sentença)
O ato de conhecer e executar estão aglutinados
Quando o juiz defere esta tutela, há uma atividade cognitiva, atendente
Art 273
Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os
efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova
inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: (Redação dada pela
Lei nº 8.952, de 1994)
I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou (Incluído pela
Lei nº 8.952, de 1994)
II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito
protelatório do réu. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994)
§ 1o Na decisão que antecipar a tutela, o juiz indicará, de modo claro e preciso, as
razões do seu convencimento. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994)
§ 2o Não se concederá a antecipação da tutela quando houver perigo de
irreversibilidade do provimento antecipado. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994)
§ 3o A efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme sua
natureza, as normas previstas nos arts. 588, 461, §§ 4 o e 5o, e 461-A. (Redação dada
pela Lei nº 10.444, de 2002)
§ 4o A tutela antecipada poderá ser revogada ou modificada a qualquer tempo, em
decisão fundamentada. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994)
§ 5o Concedida ou não a antecipação da tutela, prosseguirá o processo até final
julgamento. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994)
§ 6o A tutela antecipada também poderá ser concedida quando um ou mais dos
pedidos cumulados, ou parcela deles, mostrar-se incontroverso. (Incluído pela Lei
nº 10.444, de 2002)
§ 7o Se o autor, a título de antecipação de tutela, requerer providência de natureza
cautelar, poderá o juiz, quando presentes os respectivos pressupostos, deferir a

diferente da impugnação que já houve processo de conhecimento e a cognição e parcial. vai ter que ter autorização do devedor.medida cautelar em caráter incidental do processo ajuizado.xtrajudiciais: que não são sentença. ele pode alegar o que quiser. O credor já pode iniciar uma ação executória o titulo extrajudicial já autoriza Se o credor pede desistência da ação. por isso não pode limitar a defesa. fica em apenso. A x B(devedor) se propor embargos de devedor e uma outra ação e não uma mera peca. pois o embargo termina em sentença de mérito .444. Ação executória + embargos de devedor: e uma ação onde a cognição a ser feita pelo juiz e ampla. pois nunca houve prévio processo de conhecimento. (Incluído pela Lei nº 10. somente a lei lhe deu forca executória Se tratando de um cheque e um processo autônomo e independente Cumprimento da sentença e igual execução da sentença Títulos judiciais:sentença O direito de obtenção de um resultado decorre da sentença ( resultado pratico) Ao publicar a sentença tem que dar cumprimento da sentença. Títulos extrajudicias: Processo autônomo: Cheque (abrir mão de um prévio processo de conhecimento) Ex. ele pode alegar o que quiser. o devedor se torna o autor (embargante). de 2002) Há duas modalidades de títulos executivos: Jucidiais: sentenças.

de 2005) I . e como e incidente processual não há custas para o devedor.Sentenças e Títulos extrajudiciais tinham que iniciar uma nova ação de execução. O credor paga a conta relativa o embargo de devedor 569CPC. não há necessidade de concordância do devedor.Hoje a execução de sentença e tratada como um incidente processual (restabeleceu o sistema dual) Evolução no conceito de ação: vide art. . não há execução de sentença. trazer só questões processuais.232. Ex: devedor interpõe uma impugnação (peca de defesa) ela e interposta dentro da fase executória.232/05 Art.para Ihe corrigir. de ofício ou a requerimento da parte. ou Ihe retificar erros de cálculo.Ex: Devedor não quer o juiz. II .por meio de embargos de declaração Princípios informativos da tutela executiva: 1- Da autonomia: e tão somente para os títulos extrajudiciais que não e sentença. então o credor pode pedir desistência. igual no embargo de devedor O código de Napoleão unificou o sistema: . inexatidões materiais. Não há execução sem titulo . 463. nada impede que amanhã ele retorne a esse direito No caso de embargo de devedor. Publicada a sentença. 463 CPC com a redação dada pela Lei 11. não justificava o mesmo tratamento. o juiz só poderá alterá-la: (Redação dada pela Lei nº 11.Desistência não e renuncia de direito. pois não esta ocorrendo prejuízo para o devedor.

(Incluído pela Lei nº 11.1994) II .232.1994) III . não fazer. de 2005) Art. 475 N e 585 CPC rt. São títulos executivos judiciais: (Incluído pela Lei nº 11. a duplicata. penhor. (Redação dada pela Lei nº 11. de 2005) I – a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer. de 2005) V – o acordo extrajudicial. (Incluído pela Lei nº 11. . o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público.(Redação dada pela Lei nº 8. a debênture e o cheque. de 13. ainda que inclua matéria não posta em juízo. a nota promissória.382. pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores. (Incluído pela Lei nº 11. entregar coisa ou pagar quantia.2- Do titulo executivo Art. homologada pelo Superior Tribunal de Justiça.232.232. (Incluído pela Lei nº 11.232.232.953. homologado judicialmente. de qualquer natureza. o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5.232.953. 475-N. (Incluído pela Lei nº 11.925. de 2005) II – a sentença penal condenatória transitada em julgado.12. de 2005) III – a sentença homologatória de conciliação ou de transação.10.232. (Incluído pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 8.a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor. de 2005) VII – o formal e a certidão de partilha. de 2005) VI – a sentença estrangeira. bem como os de seguro de vida. exclusivamente em relação ao inventariante.os contratos garantidos por hipoteca. (Incluído pela Lei nº 11. de 1º. aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal.1973) I .a letra de câmbio. anticrese e caução. de 13. de 2005) IV – a sentença arbitral. de 2006).232.12.

de perito.382. V . (Redação dada pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 8.12.1994) § 2o Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal.382. quando as custas. de 2006). (Redação dada pela Lei nº 5. (Redação dada pela Lei nº 11.1973) Nula execução sem titulo. de 2006).IV . de 2006). por disposição expressa.953.o crédito de serventuário de justiça.a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União. emolumentos ou honorários forem aprovados por decisão judicial. bem como de encargos acessórios. § 1o A propositura de qualquer ação relativa ao débito constante do título executivo não inibe o credor de promover-lhe a execução. de 2006).o crédito. para serem executados. a lei atribuir força executiva.o crédito decorrente de foro e laudêmio. dos Territórios e dos Municípios. Esta Mitigado 475N A execução sempre se lastreia em sentença. documentalmente comprovado. de 1º. para ter eficácia executiva.10. ou de tradutor.382. correspondente aos créditos inscritos na forma da lei.382. VIII . VII .todos os demais títulos a que. Não posso pensar que títulos judiciais seja so sentença Ex: tutela antecipada . de 13. os títulos executivos extrajudiciais. (Redação dada pela Lei nº 11. do Distrito Federal. O título.925. VI . tais como taxas e despesas de condomínio. (Redação dada pela Lei nº 11. decorrente de aluguel de imóvel. há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação. (Incluído pela Lei nº 11.382. de 2006). oriundos de país estrangeiro. mais hoje a decisões interlocutórias que são dotadas de executórias. de intérprete. dos Estados.

de 2005) § 3o O exeqüente poderá. a requerimento do credor e observado o disposto no art. (Incluído pela Lei nº 11. o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e. ou.2-RE 349703 e 466343 4- Da disponibilidade:O credor tem a livre iniciativa e disponibilidade de continuar ou não a execução Formas do devedor se opor: (mecanismo processual) a cumprimento de sentença e a impugnação.232. o seu representante legal. condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação.1. na falta deste. por mandado ou pelo correio. (Incluído pela Lei nº 11. desta Lei. nomeará avaliador. a partir da lei de 2005) Art. ou pessoalmente. de 2005) § 2o Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação.Responsabilidade patrimonial ex: 3 um fiador. inciso II. na pessoa de seu advogado (arts. não o efetue no prazo de quinze dias. (Incluído pela Lei nº 11. 569(livre disponibilidade) CPC Art.232. por depender de conhecimentos especializados. 236 e 237). de 2005) . 614. no prazo de quinze dias. 475-J.3- Da Patrimonialidade Toda execução atinge o patrimônio do devedor e (exceto alimentos que da reclusão) Obs. assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo. Caso o devedor. de imediato.232. podendo oferecer impugnação. querendo. indicar desde logo os bens a serem penhorados. de 2005) § 1o Do auto de penhora e de avaliação será de imediato intimado o executado. 477 J Art. ( no cheque a forma se da através de embargo de devedor. (Incluído pela Lei nº 11.232. o seu patrimônio também e atingido Obs. o juiz. expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. em seu requerimento.

(Incluído pela Lei nº 11. . quando evidente que o produto da execução dos bens encontrados será totalmente absorvido pelo pagamento das custas da execução. 620 Art. 649. Da tipicidade dos atos executivos: Obs. 649. 692.382. de 2006).232.os móveis. Art.§ 4o Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto no caput deste artigo. juros. de 2005) Art. O credor tem a faculdade de desistir de toda a execução ou de apenas algumas medidas executivas. II . 569. 620.232. (Redação dada pela Lei nº 11. A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal atualizado. não sujeitos à execução.382. de 2005)§ 5o Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses. custas e honorários advocatícios.os bens inalienáveis e os declarados. 659. § 2o Não se levará a efeito a penhora. o juiz mandará arquivar os autos. a multa de dez por cento incidirá sobre o restante. pertences e utilidades domésticas que guarnecem a residência do executado. Quando por vários meios o credor puder promover a execução. o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor. (Redação dada pela Lei nº 11. por ato voluntário. de 2006). Atipicidade em algumas modalidades executórias Da máxima utilidade da execução:Art. Da menor onerosidade:Art. (Incluído pela Lei nº 11. sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte.659 s2 CPC Art. 745 a CPC Art. salvo os de elevado valor ou que ultrapassem as necessidades comuns correspondentes a um médio padrão de vida. São absolutamente impenhoráveis: I .

de 2006).382. XI .os recursos públicos do fundo partidário recebidos. de 2006). salvo se essas forem penhoradas. (Redação dada pela Lei nº 11. VIII . (Redação dada pela Lei nº 11. bem como os pertences de uso pessoal do executado. VI . (Redação dada pela Lei nº 11. observado o disposto no § 3o deste artigo. saúde ou assistência social. a quantia depositada em caderneta de poupança. as ferramentas.382. pensões. de 2006). os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal.os materiais necessários para obras em andamento. desde que trabalhada pela família. de 2006).III . as máquinas. (Redação dada pela Lei nº 11. VII .os livros. nos termos da lei. IX .382. de 2006). por partido político. (Incluído pela Lei nº 11. salvo se de elevado valor. de 2006). (Redação dada pela Lei nº 11. os utensílios.382.até o limite de 40 (quarenta) salários mínimos.694.382. proventos de aposentadoria.os vestuários.382.382. assim definida em lei. (Redação dada pela Lei nº 11.382. salários.a pequena propriedade rural. remunerações. os instrumentos ou outros bens móveis necessários ou úteis ao exercício de qualquer profissão. as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e sua família. (Redação dada pela Lei nº 11. de 2008) .os recursos públicos recebidos por instituições privadas para aplicação compulsória em educação. IV . X . soldos. (Redação dada pela Lei nº 11. pecúlios e montepios. de 2006). V .os vencimentos. de 2006).o seguro de vida. subsídios.

681 CPC Art. mantido o depósito. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. Art. Não será aceito lanço que.382. de 2006). de 13. 745-A. imposta ao executado multa de 10% (dez por cento) sobre o valor das prestações não pagas e vedada a oposição de embargos. (Incluído pela Lei nº 11. 692. § 2o O não pagamento de qualquer das prestações implicará. seguir-seão os atos executivos. § 3o (VETADO). (Redação dada pela Lei nº 8.953. (Incluído pela Lei nº 11.12.382. de 2006). de pleno direito. será apresentado no prazo fixado pelo juiz. de 2006).382. inclusive custas e honorários de advogado. acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês. com o imediato início dos atos executivos. ofereça preço vil. o exeqüente levantará a quantia depositada e serão suspensos os atos executivos. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. caso indeferida. § 1o Sendo a proposta deferida pelo juiz.382. o vencimento das subseqüentes e o prosseguimento do processo. O laudo da avaliação integrará o auto de penhora ou. (Incluído pela Lei nº 11. poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais. reconhecendo o crédito do exeqüente e comprovando o depósito de 30% (trinta por cento) do valor em execução.382. 680). de 2006). Da execução equilibrada :t. de 2006). devendo conter: (Redação dada pela Lei nº 11. 681. No prazo para embargos.382. § 2o O disposto no inciso IV do caput deste artigo não se aplica no caso de penhora para pagamento de prestação alimentícia.§ 1o A impenhorabilidade não é oponível à cobrança do crédito concedido para a aquisição do próprio bem. em caso de perícia (art.1994) Art. . em segunda praça ou leilão.382. de 2006).

Inexistencia propriamente da lide -> cognição .382. Da máxima utilidade da execução:art. mais obrigação de fazer. Característica da tutela executiva: .Ex: Penhora on-line. o avaliará em partes. o avaliador. E uma atipicidade em algumas modalidades executórias. Cada obrigação tem uma execução especifica.649 parag 2 CPC Art. sentença obrigatoria da entrega da coisa. São absolutamente impenhoráveis: § 2o O disposto no inciso IV do caput deste artigo não se aplica no caso de penhora para pagamento de prestação alimentícia. entes e fato bloqueio on-line. A execução tem que ser útil para o credor. II . e a indicação do estado em que se encontram. outro Ex: instituto adjudicao. (Redação dada pela Lei nº 11.382.a descrição dos bens. Quando o imóvel for suscetível de cômoda divisão. ele verifica ao caso contrario. fica a critério do juiz. sugerindo os possíveis desmembramentos. tem método especifico. com os seus característicos. se não há entrega. 649.credor receber como forma de pagamento próprio bem penhorado . (Incluído pela Lei nº 11. tendo em conta o crédito reclamado.o valor dos bens.I . Parágrafo único. de 2006).Inexistência de analise de mérito Principio da tipicidade dos atos executivos: Pode haver sentença não somente de pagamentos. não há método típico de execução de sentença para entrega de coisa. Ex: entrega de medicamentos. de 2006).

§ 2o O não pagamento de qualquer das prestações implicará. 692.12. mantido o depósito. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. Art. poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais. No prazo para embargos. de 13. de 2006).12.1994) Art. caso indeferida. inclusive custas e honorários de advogado. § 1o Sendo a proposta deferida pelo juiz. (Incluído pela Lei nº 8. (Redação dada pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 8. no que couber. de 13. seguir-se-ão os atos executivos.382. 746. aplicando-se. imposta ao executado multa de 10% (dez por cento) sobre o valor das prestações não pagas e vedada a oposição de embargos . de 2006). (Incluído pela Lei nº 11.745 alcac Art. ou em causa extintiva da obrigação.649.382. alienação ou arrematação. contados da adjudicação. acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês. o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor. . o vencimento das subseqüentes e o prosseguimento do processo. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. de pleno direito. Será suspensa a arrematação logo que o produto da alienação dos bens bastar para o pagamento do credor. Não será aceito lanço que.382. com o imediato início dos atos executivos.382. Art. em segunda praça ou leilão. 620. (Incluído pela Lei nº 11. Quando por vários meios o credor puder promover a execução. § 1o Oferecidos embargos. reconhecendo o crédito do exeqüente e comprovando o depósito de 30% (trinta por cento) do valor em execução. no prazo de 5 (cinco) dias. oferecer embargos fundados em nulidade da execução. É lícito ao executado. de 2006). desde que superveniente à penhora. o exeqüente levantará a quantia depositada e serão suspensos os atos executivos. ofereça preço vil.692. poderá o adquirente desistir da aquisição. o disposto neste Capítulo. 745-A.953.1994) Parágrafo único.Da menor onerosidade art 620.382.953.

. não superior a 20% (vinte por cento) do valor da execução. 620).quanto aos semoventes. incisos IV e VI. III . § 3o Caso os embargos sejam declarados manifestamente protelatórios. em favor de quem desistiu da aquisição. o juiz deferirá de plano o requerimento.382. particularizar o estado e o lugar em que se encontram. de 2006). com a imediata liberação do depósito feito pelo adquirente (art. desde que comprove cabalmente que a substituição não trará prejuízo algum ao exeqüente e será menos onerosa para ele devedor (art. (Incluído pela Lei nº 11. Vender o veiculo.00. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. não pode o bem ser arrematado por preço vil. I . Ex: veiculo e imóvel para ser penhorado. Ex: vale 1000.382. Art. (Incluído pela Lei nº 11. 17. situá-los e mencionar as divisas e confrontações. § 1 o. Parágrafo único. o juiz imporá multa ao embargante. e art.382. de 2006). de 2006).382. de 2006).00 e vende por 100. inciso IV). Da execução equilibrada art 668cpc 668. indicar as respectivas matrículas e registros. de 2006).quanto aos móveis. de 2006). 694. sempre a forma menos onerosa.382. especificá-los. requerer a substituição do bem penhorado. ao executado incumbe: (Incluído pela Lei nº 11.quanto aos bens imóveis. no prazo de 10 (dez) dias após intimado da penhora.§ 2o No caso do § 1o deste artigo. de 2006). indicando o número de cabeças e o imóvel em que se encontram.382. Menos sacrificante para o devedor Ex: principio da dignidade da pessoa humana. Na hipótese prevista neste artigo. (Incluído pela Lei nº 11. O executado pode. II . (Redação dada pela Lei nº 11.382.

IV - quanto aos créditos, identificar o devedor e qualificá-lo, descrevendo a origem
da dívida, o título que a representa e a data do vencimento; e (Incluído pela Lei nº
11.382, de 2006).

V - atribuir valor aos bens indicados à penhora. (Incluído pela Lei nº 11.382, de
2006).

Quando o devedor quer substituir bem penhorado, tem que demostrar
que não traz prejuízo ao credor e é menos oneroso a ele.
Ex: devedor trabalha com mármore, requer por base no 668 CPC por
debêntures da vale do rio doce, mais o credor acha que não cobre a
divida integral
Característica da tutela executiva
- Inexistência propriamente da lide: cognição rarefeita
A lide em si mesma i decidida na ação de embargo de devedor( a
cognição é ampla)
Impugnação: forma de defesa do devedor: não se discuti questões de
fundo, e preciso o embargo de devedor.
Embargo de devedor: títulos extrajudiciais
Inexistência de analise de mérito, observação:Processo de execução finda
com uma sentença(aspecto meramente formal), não há analise de mérito,
não julga procedente ou improcedente. Do contrario no embargo de
devedor, a sentença e de mérito, julga procedente ou improcedente. Art
795CPC
Art. 795. A extinção só produz efeito quando declarada por sentença.
Art. 794. Extingue-se a execução quando:

I - o devedor satisfaz a obrigação;
II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da
dívida;
III - o credor renunciar ao crédito.

Especifidade / Subsidiariedade
Toda obrigação inadimplida, desemboca numa execução especifica na
obrigação de fazer. Ex pagamento entrega de coisa
Cada obrigação terá uma forma, mais tem a forma própria.
Ex: A comprou um quadro de artista e ela se recusa a pintar, é
personalíssimo, só esta artista pode pintar, então há perdas e
danos( apurar prejuízos e executa-la em modalidade de pagamento de
quantia certa.
Da execução definitiva: quando transita em julgado não cabe mais
recurso
Da execucao provisória: Diferente, o devedor se protege com a
impugnação (se processa igual à definitiva, provisória e a sentença)
Nasce quando tem sentença sujeita a apelacao recebida so no efeito
devolutivo, não havendo efeito suspensivo, na apelação a sentença tem
efeitos, então há a execucao provisória, o que distingue e garantia que o
devedor possuir.
Nos títulos judiciais: Art 475 I parágrafo 1 /CPC art 475º 1/
Art. 475. Está sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão
depois de confirmada pelo tribunal, a sentença: (Redação dada pela Lei nº 10.352,
de 2001)
I – proferida contra a União, o Estado, o Distrito Federal, o Município, e as
respectivas autarquias e fundações de direito público;

§ 1o Nos casos previstos neste artigo, o juiz ordenará a remessa dos autos ao
tribunal, haja ou não apelação; não o fazendo, deverá o presidente do tribunal
avocá-los. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 2001)

Impropriedade do termo(Araquém de Assis)
Execução ope legis: Não é o juiz quem da executoriedade definitiva ou
executa e sim a lei
execução open Judicis:Quando defere tutela antecipada, execuções
provisórias como executa: regras de execução provisória 273 parag 3
Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os
efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova
inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: (Redação dada pela
Lei nº 8.952, de 1994)
§ 3o A efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme
sua natureza, as normas previstas nos arts. 588, 461, §§ 4 o e 5o, e 461-A.
(Redação dada pela Lei nº 10.444, de 2002)

Efetivação da tutela antecipada art 273 parag 3 CPC
Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os
efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova
inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: (Redação dada pela
Lei nº 8.952, de 1994)
§ 3o A efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme sua
natureza, as normas previstas nos arts. 588, 461, §§ 4 o e 5o, e 461-A. (Redação dada
pela Lei nº 10.444, de 2002)

Princípios que regem a execução provisória: art 475 O e incisos
Art. 475-O. A execução provisória da sentença far-se-á, no que couber, do mesmo
modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: (Incluído pela Lei nº
11.232, de 2005)
I – corre por iniciativa, conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a
sentença for reformada, a reparar os danos que o executado haja sofrido; (Incluído
pela Lei nº 11.232, de 2005)

322. de 2005) I o credor não e obrigado a iniciar execução provisoria.00.232. Parágrafo 2.232. a responsabilização e objetiva e tem que ressarcir todos os prejuízos. sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução.II – fica sem efeito. prejuízos que o devedor possa ter. de 2010) Sença julga procedente 10. 544). será intimado o recorrido. restituindo-se as partes ao estado anterior e liquidados eventuais prejuízos nos mesmos autos. seu recurso especial/ recurso extraordinário: efeito devolutivo 542 parágrafo 2: execução provisória Art. de 2005) I – quando.950. (Incluído pela Lei nº 11.Não se processa a nenhuma alienação se não houver sido prestado caução idôneo: garantia por estimativa. arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos. (Incluído pela Lei nº 11. § 2o A caução a que se refere o inciso III do caput deste artigo poderá ser dispensada: (Incluído pela Lei nº 11. de difícil ou incerta reparação. se o terceiro não pode. (Incluído pela Lei nº 11. de 2005) (Vide Lei nº 12.232. o exeqüente demonstrar situação de necessidade. salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar risco de grave dano.I: a caução pode ser dispensada. de 1994) . abrindo-se-lhe vista.352. (Redação dada pela Lei nº 10. nos casos de crédito de natureza alimentar ou decorrente de ato ilícito. réu apela.232. (Incluído pela Lei nº 11. sentença confirma. de 2001) § 2o Os recursos extraordinário e especial serão recebidos no efeito devolutivo. III. uma vez iniciada.000. Recebida a petição pela secretaria do tribunal. por arbitramento.232.quando a relação entre as partes retorna ao estado quo antes. de 2005) III – o levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ao executado dependem de caução suficiente e idônea. para apresentar contra-razões. II. o risco corre por conta dele. (Incluído pela Lei nº 8. de 2005) II – nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art. 542. até o limite de sessenta vezes o valor do salário-mínimo.

de 2005) § 2o A caução a que se refere o inciso III do caput deste artigo poderá ser dispensada: (Incluído pela Lei nº 11. 520. restituindo-se as partes ao estado anterior e liquidados eventuais prejuízos nos mesmos autos.decidir o processo cautelar. de 2005) (Vide Lei nº 12.925. de 1973) I . (Redação dada pela Lei nº 8. nega segmento a recurso extraordinário.rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes. de 1973) II .925.925.julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. (Redação dada pela Lei nº 5. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5. de 2005) II – nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art.950.232.232.232. de difícil ou incerta reparação. salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar risco de grave dano.condenar à prestação de alimentos. de 2005) IV .307. recebida só no efeito devolutivo.925. no entanto. de 2010) Sentenças sujeitas á execução provisória art 520 CPC Art. de 1996) . há dispensa de caução 475 O parágrafo 2 II II – fica sem efeito. (Redação dada pela Lei nº 5.232.(Revogado pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 9.TJ recurso extraordinário. (Incluído pela Lei nº 11.322. Será. de 1994) VI . (Incluído pela Lei nº 11. arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos.homologar a divisão ou a demarcação. 544). de 1973) V . A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. de 2005) III – o levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ao executado dependem de caução suficiente e idônea.232. sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução. cabe agravo de instrumento. por arbitramento. de 1973) III . (Incluído pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 5.

(Incluído pela Lei nº 10. Obs revogação do inciso III do art 520 Obs execução provisória e fazenda publica 546 paragrafo 2 CPC Como barrar execução provisória? Da execução definitiva e provisória nos títulos extrajudiciais: Art 587 antes da lei 11. de 2001) Art. 521.352. O recurso terá somente efeito devolutivo. extraindo a respectiva carta.382 “a execução e definitiva quando fundada em sentença transitada em julgado ou em titulo extrajudicial. desde logo. Leis especiais: Lei 8245/91 art 58. Recebida a apelação em ambos os efeitos. o juiz não poderá inovar no processo. 14.382: . para evitar dano irreparável à parte Lei 9099/95 art 43 Dos juizados especiais Art. 43. para evitar dano irreparável para a parte. o apelado poderá promover. podendo o Juiz dar-lhe efeito suspensivo.VII – confirmar a antecipação dos efeitos da tutela. O juiz poderá conferir efeito suspensivo aos recursos.016/09 art 14 paragrafo 5 Lei 7347/85 art 14 Acao Civil publica Art. II C/C art 63 paragrafo 4 . a execução provisória da sentença. E provisória quando a sentença foi impugnada mediante recurso recebido so no efeito devolutivo” Art 587 com a lei 11. recebida só no efeito devolutivo.Lei das locacoes Lei 12.

382. Os embargos do executado não terão efeito suspensivo.382. § 2o A decisão relativa aos efeitos dos embargos poderá. ser modificada ou revogada a qualquer tempo. (Incluído pela Lei nº 11. 295). (Incluído pela Lei nº 11. a requerimento da parte. o prosseguimento da execução manifestamente possa causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. cessando as circunstâncias que a motivaram.quando manifestamente protelatórios. II . de 2006). de 2006).quando inepta a petição (art. de 2006).382.382. (Incluído pela Lei nº 11.E provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos da executada quando recebidos com efeitos suspensivo.382.382. a requerimento do embargante.quando intempestivos. de 2006) Art. (Redação dada pela Lei nº 11.382. (Redação dada pela Lei nº 11. Art 739 Art. de 2006) § 2o (Revogado pela Lei nº 11. III . ou (Redação dada pela Lei nº 11. 739. depósito ou caução suficientes. de 2006). de 2006) § 3o (Revogado pela Lei nº 11. sendo relevantes seus fundamentos. 739-A. § 1o O juiz poderá.“E definitiva a execução fundada em titulo extrajudicial. de 2006). atribuir efeito suspensivo aos embargos quando.382.382. . em decisão fundamentada. de 2006). e desde que a execução já esteja garantida por penhora. § 1o (Revogado pela Lei nº 11. O juiz rejeitará liminarmente os embargos: I .

382. § 4o A concessão de efeito suspensivo aos embargos oferecidos por um dos executados não suspenderá a execução contra os que não embargaram. (Incluído pela Lei nº 11.a parágrafo 1 CPC Art. de 2006).05/10/2005 . (Incluído pela Lei nº 11.10. a requerimento do embargante. . quando o respectivo fundamento disser respeito exclusivamente ao embargante. § 1o O juiz poderá. ainda que pendente apelação contra sentença que julgue improcedentes os embargos . depósito ou caução suficientes. o prosseguimento da execução manifestamente possa causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação.382. Obs: art 739. atribuir efeito suspensivo aos embargos quando. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. Os embargos do executado não terão efeito suspensivo. § 6o A concessão de efeito suspensivo não impedirá a efetivação dos atos de penhora e de avaliação dos bens. § 5o Quando o excesso de execução for fundamento dos embargos. de 2006).382.§ 3o Quando o efeito suspensivo atribuído aos embargos disser respeito apenas a parte do objeto da execução.Pendente Apelação Contra Sentença que Julgue Improcedente os Embargos É definitiva a execução de título extrajudicial. Obs: S.382. de 2006).2005 Execução de Título Extrajudicial . de 2006). de 2006).DJ 18. 739-A. (Incluído pela Lei nº 11.382. 317 STJ STJ Súmula nº 317 . sendo relevantes seus fundamentos. o embargante deverá declarar na petição inicial o valor que entende correto. essa prosseguirá quanto à parte restante.382. sob pena de rejeição liminar dos embargos ou de não conhecimento desse fundamento. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. e desde que a execução já esteja garantida por penhora. apresentando memória do cálculo.

de 1973) . de 1973) I . a segunda sentença e recebida so no efeito devolutivo. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. O juiz executa provisoriamente. no entanto. Será. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5.II Se o juiz julga procedente ação de alimetos. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. no entanto. Se verificar se e caso de divisão ou de demarcar Na primeira fase cognitiva verifica-se se cabe ação divisória ou demarcatória. A 2 etapa se caracteriza por atos concretos de demarcar ou dividir.925. 520. o juiz pede um perito.925. ele julga procedente a sentença e executada imediatamente.A regra e que não haja execução provisória art 520 caput I Art. o perito faz um laudo que e objeto de homologação ou não 520 I. de 1973) Ação divisória: quando quer dividir algo indiviso ou demarcatória: ação entre proprietários. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5. definir limites.925. (Redação dada pela Lei nº 5. Será. entre propriedades. visa demarcar. 520. A 1 sentenca e cognitiva para verificar se pode haver ação demarcatória Se não tiver no Rol e leis especiais não cabe execução provisória. 520. Art. A primeira fase e recebida em efeito devolutivo e suspensivo. O autor pode executa provisoriamente.homologar a divisão ou a demarcação. Houve apelação. recebida só no efeito devolutivo. julgou procedente a primeira etapa de demarcar. recebida só no efeito devolutivo.

IV Periculun in mora se ele julga procedente uma acão cautelar 520. ele objetiva garantir a efetividade de um outro processo Ex: bateram no carro. de 1973) . recebida só no efeito devolutivo. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5. Será. o que o juiz so definiria no final A prova tem que ser inequívoca.925. então o juiz ouve hoje a testemunha para garantir a efetividade do processo. Ex emitir cheque pelo devedor e o credor descobre que ele esta dispondo o patrimônio. analise in limine (logo de plano) Momento logo de inicio que faz analise do pedido. Tutela antecipada: ela e instituto processual que visa antecipar o mérito. 520. a única pessoa que viu foi uma velhinha. o cheque não venceu. VII a sentença que confirma Art.925.Nao há analise de mérito e sim garantir o ouro processo. a pequena analise e muito singela para dar garantia de um outro processo. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. vincular os bens do devedor para garantir o outro processo. Requer liminarmente que o juiz conceda a ordem. pode ser que ela morra.II . há uma ação cautelar. de 1973) IV -decidir o processo cautelar: Processo cautelar: O juiz não avalia se aquele autor procede ou não. direito probilissimo( quase certeza que o autor esta correto) Liminar:momento processual em que se faz a analise do pedido.condenar à prestação de alimentos. 520. no entanto. A analise e de perigo na demora e fumaça do bom direitoFumus Boni Iuri. (Redação dada pela Lei nº 5.

de 1994) VI . a sentença. de 2001) Ex:Liminar era tutela antecipada. terá o efeito devolutivo.950. recebida só no efeito devolutivo. Ex: lei 9494/97 Lei7347/85 art 14 ( ação civil publica) de regra já são dotadas de eficácia imediata.352. Será. de 2001) VI. pois não há efeito suspensivo .rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes. 520. (Incluído pela Lei nº 9.307. de 1996) VII – confirmar a antecipação dos efeitos da tutela. .II C/C 63 paragra 4 Lei 12016/04 (mandado de segurança) art 14 para 3 Há perigo na demora. se não for possivel liminar. no entanto. Lei 9099/95 art 43 juizado especial. o titulo já tem forca executória. podendo dar suspensivo. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. O juiz na sentença confirma a tutela antecipada. autoriza que a sentença seja executada imediatamente. (Incluído pela Lei nº 10.E a única sentença que não emana do poder judiciário e é considerada titulo judicial. o juiz concede a sentença julga procedente a ação. (Redação dada pela Lei nº 8. Analise. (Incluído pela Lei nº 10.julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. já tem efeito imediato. Leis especiais: 8245/91(inquilinato) 58. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5. quando houver a apelação e recebida so no efeito devolutivo. Art. se não pode haver liminar não pode executar provisoriamente. São dotadas de eficácia imediata.925.VII – confirmar a antecipação dos efeitos da tutela.352. se a ordem não for concedida. de 1973) V .

(Redação dada pela Lei nº 10. Hoje é fase processual. Como barrar a execução provisória?Com interposição de agravo de instrumento. de 1994) Sentença----------------apelacao------------------RE extraordinario ou interposto recurso Especial: execução provisória nao consegue por causa de uma regra constitucional *fazenda publica não paga antes de sentença transitada em julgado Apelação: duplo efeito suspensivo e devolutivo. Recebida a petição pela secretaria do tribunal. abrindo-se-lhe vista.950. *nada que diz respeito à hierarquia publica. em pagamento. de 2001) § 2o Os recursos extraordinário e especial serão recebidos no efeito devolutivo. a liquidação de sentença tornouse fase. de dar efeito suspensivo aquele que não tem art 527. (Incluído pela Lei nº 8. 542. para apresentar contra-razões. confirmou sentença. só em transito em julgado. obrigação de fazer ou entrega de coisa não há esta vedação art 400 parag 1 * pagamento de quantia certa.Obs revogação do inciso III art 520 Inciso III revogado: Antes da reforma: sentença antes tinha que passar por liquidação de sentença como processo que terminaria com outra sentença. único que desenvolve etapa.III + 558 CPC . Ex: Se for entrega de remédio.352. vai ser decisão interlocutória que cabe agravo de instrumento Execuçao provisórias e fazenda publica art 542 § 2 CPC Art. será intimado o recorrido.

e distribuído incontinenti.925. Art. de 1973) VII – confirmar a antecipação dos efeitos da tutela. VII Art.925. de 2001) A apelação.139. (Redação dada pela Lei nº 9. de 2001) III – poderá atribuir efeito suspensivo ao recurso (art. Recebido o agravo de instrumento no tribunal. 520. de 30.382/06 “A execução e definitiva quando fundada em senteca transitada em julgado ou em titulo extrajudicial. a pretensão recursal. remição de bens. o relator: (Redação dada pela Lei nº 10. nos casos de prisão civil. 527.decidir o processo cautelar. recebida só no efeito devolutivo. e apelação que interpõe agravo de instrumento com efeito suspensivo para a execução provisória. no entanto.11. Art 520 A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. adjudicação. de 2001) . (Redação dada pela Lei nº 5. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5. IV.352.352. suspender o cumprimento da decisão até o pronunciamento definitivo da turma ou câmara. e esta decisão que autoriza o autor a iniciar a decisão interlocutória. comunicando ao juiz sua decisão. a requerimento do agravante.1995) O agravo de instrumento e interposto na decisão interlocutória que recebe a apelação nos seus regulares efeitos art 520. 558. ou deferir. (Incluído pela Lei nº 10. 558). A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. total ou parcialmente. O relator poderá. Será. vista. quando interposta de sentença que: IV decidir processo cautelar. levantamento de dinheiro sem caução idônea e em outros casos dos quais possa resultar lesão grave e de difícil reparação. VII confirmar a antecipação dos efeitos da tutela Da execução definitiva e provisória nos títulos extrajudiciais: Art 587 antes da lei 11. será no entanto recebida so no efeito devolutivo. de 1973) IV .Art.352. (Redação dada pela Lei nº 10. E provisória . sendo relevante a fundamentação. em antecipação de tutela.

§ 1o O juiz poderá.V x Art 587 e sumula 317/STJ Art 587 com a lei 11. quando recebidos com efeito suspensivo art 739 Obs art 739 A parag 1 CPC: Art. atribuir efeito suspensivo aos embargos quando. o prosseguimento da execução manifestamente possa causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. Liquidez e exigibilidade . e provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado. Da execução em geral Pressupostos específicos: .382/06 Art 587 e definitiva a execução fundada em titulo extrajudicial.formal -Pratico Requisito: .382. sendo relevantes seus prosseguimento da execução manifestamente executado grave dano de difícil ou incerta reparação e desde que a execução já esteja garantida por penhora. de 2006). depósito ou caução suficientes. Os embargos do executado não terão efeito suspensivo.certeza. a requerimento do embargante. (Incluído pela Lei nº 11. e desde que a execução já esteja garantida por penhora.quando a sentença for impugnada mediante recurso recebido so no efeito devolutivo art 520. atribuir o efeito embargos quando. 739-A. o possa causar ao requerimento do embargante. O juiz poderá a suspensivo aos fundamentos. deposito ou caução suficientes. (Incluído pela Lei nº 11. de 2006). sendo relevantes seus fundamentos.382.

DJ 18. quando recebidos com efeito suspensivo (art. ainda que pendente apelação contra sentença que julgue improcedente os embargos”( começa e termina definitiva. . de 2005) § 3o Ao requerer a execução provisória.322. 587. de 2010) § 1o O agravante deverá interpor um agravo para cada recurso não admitido.parag 1” Art. de 2010) *475. mesmo a apelação ser só no efeito devolutivo) O art 587 fala que pode haver execução provisória em títulos extrajudicias: Art. podendo o advogado declarar a autenticidade.2005 Execução de Título Extrajudicial . de 2006). sob sua responsabilidade saber-se do disposto na parte final do art 544. (Redação dada pela Lei nº 12. no prazo de 10 (dez) dias. no que couber.382. parag 3Art. titulos extrajuduciais Cheque: embargos de devedor: sentença julga improcedente a apelação e recebida so no devolutivo. (Redação dada pela Lei nº 12. quando recebidos com efeito suspensivo (art. 587. 544. 475-O. (Redação dada pela Lei nº 11. ainda que pendente apelação contra sentença que julgue improcedentes os embargos. (Redação dada pela Lei nº 11.382. de 2006). 739). O.Pendente Apelação Contra Sentença que Julgue Improcedente os Embargos É definitiva a execução de título extrajudicial. tem que ter fisicamente altos suplementares Títulos extrajudiciais: Art 587 Art. É definitiva a execução fundada em título extrajudicial. então há execução provisória . caberá agravo nos próprios autos. 739).475. A sumula 317/ STJ STJ Súmula nº 317 . A execução provisória da sentença far-se-á. é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado. A execução continua sendo em caráter definitivo”e definitiva a execução do titulo extrajudicial.322.10. o exequente instruirá a petição com cópias autenticadas das seguintes peças do processo. paragr 3 requer execução provisória.05/10/2005 .232. Não admitido o recurso extraordinário ou o recurso especial. É definitiva a execução fundada em título extrajudicial. observadas as seguintes normas: (Incluído pela Lei nº 11. do mesmo modo que a definitiva. é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado. O.

a execução e provisória.352. 739).925.232. de 1973) II . de 1994) VI .925. de 1973) I . de 1973) V .(Revogado pela Lei nº 11. de 1973) III . de 1996) VII – confirmar a antecipação dos efeitos da tutela. sentença de improcedência de embargos quando recebida com efeito suspensivo. O art 587 que resolve o embargo do devedor suspensivo e não o 520. (Incluído pela Lei nº 9. 587. 520.homologar a divisão ou a demarcação. de 2006). de 2001) .julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. Art. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. (Incluído pela Lei nº 10. quando recebidos com efeito suspensivo (art. (Redação dada pela Lei nº 8.307. Embargos de devedor:--------sentenca: julgou improcedente. se o juiz não da embargo suspensivo a execução e definitiva.rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes. (Redação dada pela Lei nº 11.EX: execução: se o juiz da embargo suspensivo. desde que recebida os embargos com efeito suspensivo.condenar à prestação de alimentos. é provisória enquanto pendente apelação da sentença de improcedência dos embargos do executado.O juiz da ou não efeito suspensivo no embargo Embargos de devedor---sentenca---improcedencia----apelacao: há possibilidade da execução provisória (e provisória enquanto pendente apelação. É definitiva a execução fundada em título extrajudicial.925. (Redação dada pela Lei nº 5. (Redação dada pela Lei nº 5.925. interpõe apelação e prossegue com efeito suspensivo.382. quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5. de 2005) IV . recebida só no efeito devolutivo. Art.950. Será.decidir o processo cautelar. (Redação dada pela Lei nº 5. no entanto.

de 2006). 1. anticrese e caução. Não e automático o efeito suspensivo.382. Ex: Juiz julga procedente embargos----efeito suspensivo--. o juiz que da. Art. ope ijudicis. Se falta qualquer deles. atribuir efeito suspensivo aos embargos quando. 739-A.o credor embargado apela desta sentença art 520CPC ( e recebida em ambos efeitos)---. a requerimento do embargante. penhor. o juiz que pode dar com base no art 739 A paragr 1. de 2006). . direitos e obrigacoes.A execução pode prosseguir mesmo estando discutindo os embargos.382. o prosseguimento da execução manifestamente possa causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. sendo relevantes seus fundamentos. Pressuposto formal: se reporta ao titulo. bem como os de seguro de vida) Documento particular assinado por devedor e 2 testemunhas( ele não guarda requisito certeza) não revela inadimplencia do devedor pois é sinalagmatico(recíproco). Pressuposto pratico: e o inadimplemento por parte do devedor   todos os títulos tem que ter concomitantemente 3 requisitos. se preencher os requisitos do embargante. depósito ou caução suficientes. não serve como titulo executivo. e desde que a execução já esteja garantida por penhora. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. § 1o O juiz poderá. Os embargos do executado não terão efeito suspensivo. toda execução tem que se lastrear em um titulo.titulo executivo extrajudicial (III contratos garantidos por hipoteca.paralisa o efeito de procedência----entao doutrinariamente da o efeito. e open judicis.Certeza: não pode haver duvida quanto a existencia deste titulo Ex: art 585 II. Ope judicis so devolutivo e executa a sentença procedente.

a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor. por isso não pode limitar a defesa. Para os títulos judiciais. . o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas. ou ele é liquido ou não é e não serve. O titulo extrajudicial tem que ter liquidez. Titulo extajudicial há impugnação da sentença Processo autônomo: Cheque Ex: A x B(devedor) se propõe embargos de devedor e uma mera ação e não uma mera peca.1994) 2. pode alegar o quiser diferente da impugnação.1994) II .12. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5. a nota promissória.Liquidez: Todo titulo tem que ter definição quanto ao valor ou objeto. 585. isso não torna o titulo nulo. o devedor que se torna o autor(embargante) ele pode alegar o que quiser.953.925. (Redação dada pela Lei nº 8.(Redação dada pela Lei nº 8. de 13.a letra de câmbio. fica em a penso Ação executória + embargos de devedor: E uma acão onde a cognição a ser feita pelo juiz e ampla. de 13. a debênture e o cheque.953. pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores. tem que passar por faze previa de liquidação de sentença. de 1º. há possibilidade de sentença iliquida.Art. que já houve prévio processo de conhecimento e a cognição e parcial. pois nunca houve prévio processo de conhecimento.12.1973) I .10. o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público. a duplicata.

igual no embargo de devedor. . ela interposta dentro da fase executória e como e incidente processual não há custas para o devedor. O credor paga a conta relativa. pois o embargo termina em sentença de mérito.o Ministério Público. se o credor pede desistência da ação. vai ter que ter autorização do devedor. mais obrigação de fazer. trazer só questoes processuais. a embargos de devedor 569/CPC (Art.Tutela extrajudicial: já autoriza ação executória. não há execução de sentença. No caso de embargo de devedor. Principio da tipicidade dos atos executivos: Pode haver sentença não somente de pagamentos. II . Desistência não e renuncia de direito.o credor a quem a lei confere título executivo. o credor pode pedir desistência. Podem promover a execução forçada: I .).Ex entrega de medicamentos. O credor tem a faculdade de desistir de toda a execução ou de apenas algumas medidas executivas. Ex: devedor não quer aquele juiz no caso. nos casos prescritos em lei. Principio da máxima utilidade da execução: Elementos objetivos e subjetivos da execução( as partes que podem figurar a execução) Dos legitimados ativos: Art 566 credor originário: 566. nada impede que amanha ele retorne a esse direito. 569. não há necessidade de concordância do devedor. pois não esta tendo prejuízo para o devedor Ex devedor interpõe uma impugnação (peca de defesa).

de 1º. reconhecido como tal no título executivo.925.1973) I . com o consentimento do credor.925.10. Art. em qualquer tempo.1973) IV . de 1º. assim definido na legislação própria.o responsável tributário. .1973) III . de 1º. de 2005) 925.925. apenas responsáveis.o espólio. superveniente.232.10. no caso de decair da ação. III . o juiz assinar-lhe-á o prazo de 5 (cinco) dias para requerer caução sob pena de ser depositada a coisa litigiosa.925. de 1º.o fiador judicial.o sub-rogado. de 1º. A execução provisória da sentença far-se-á. Podem também promover a execução. Legitimados passivos: art 568 – devedor originário.925. (Redação dada pela Lei nº 5. conta e responsabilidade do exeqüente. Ihes for transmitido o direito resultante do título executivo. 567. II .1973) V . no que couber.1973) II . a obrigação resultante do título executivo. nos casos de sub-rogação legal ou convencional. Art. se a sentença for reformada.567 credor derivado ou superveniente: Art.o cessionário.10.o espólio. que o autor provisoriamente mantido ou reintegrado na posse carece de idoneidade financeira para.Art. (Redação dada pela Lei nº 5.10.925. os herdeiros ou os sucessores do credor.10. ou nela prosseguir: I . por morte deste. que assumiu. responder por perdas e danos. (Redação dada pela Lei nº 5.o devedor. 475-O.1973) IV e V fiador judicial ex art 475-O I Art. (Redação dada pela Lei nº 5. observadas as seguintes normas: (Incluído pela Lei nº 11. quando o direito resultante do título executivo Ihe foi transferido por ato entre vivos. Se o réu provar. do mesmo modo que a definitiva. de 1º. (Redação dada pela Lei nº 5. São sujeitos passivos na execução:(Redação dada pela Lei nº 5. 568. (Incluído pela Lei nº 11.232. a reparar os danos que o executado haja sofrido. 925. os herdeiros ou os sucessores do devedor. que se obriga.o novo devedor. de 2005) I – corre por iniciativa.10. sempre que.

contrato social ou estatutos: I . Nos casos de impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte. São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei. 940. VI .as pessoas referidas no artigo anterior. desde que preste caução e demonstre prejuízo resultante da suspensão dela. pelos tributos devidos pela massa falida ou pelo concordatário. 134. embora a causa se encontre no tribunal. em razão do seu ofício.os sócios. requerer o prosseguimento da obra. III . pelos tributos devidos sobre os atos praticados por eles.o inventariante. § 2o Em nenhuma hipótese terá lugar o prosseguimento. Parágrafo único. pelos tributos devidos por seus tutelados ou curatelados. pelos tributos devidos por estes. . escrivães e demais serventuários de ofício. em matéria de penalidades.os administradores de bens de terceiros. Responsável tributário: art 121 C/C art 134 e 135CTN Art.os tabeliães. O disposto neste artigo só se aplica. O nunciado poderá. a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição.os pais. ou perante eles. no caso de liquidação de sociedade de pessoas. tratando-se de obra nova levantada contra determinação de regulamentos administrativos.o síndico e o comissário. 135.940 CPC Art.os tutores e curadores. respondem solidariamente com este nos atos em que intervierem ou pelas omissões de que forem responsáveis: I . § 1o A caução será prestada no juízo de origem. IV . Art. V . pelos tributos devidos pelo espólio. II . às de caráter moratório. VII . pelos tributos devidos por seus filhos menores.

Execução do Julgado Responsabilidade O fiador que não integrou a relação processual na ação de despejo não responde pela execução do julgado. sitos na mesma comarca. prepostos e empregados. Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade senão nos casos previstos em lei. que alegar o benefício deste artigo. gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado. tem direito a exigir que sejam primeiro excutidos os bens da sociedade. demandado pelo pagamento da dívida.382. Art.do sucessor a título singular.os diretores. mas. nos termos da lei. II . de 2006). § 1o Cumpre ao sócio. 592.os mandatários. livres e desembargados. O espólio responde pelas dívidas do falecido. 597.Ação de Despejo . § 2o Aplica-se aos casos deste artigo o disposto no parágrafo único do artigo anterior. cada herdeiro responde por elas na proporção da parte que na herança Ihe coube. Ficam sujeitos à execução os bens: I . para o cumprimento de suas obrigações. o sócio. feita a partilha.do sócio. 591. com todos os seus bens presentes e futuros. nomear bens da sociedade. O devedor responde. Art.22/05/2002 . (Redação dada pela Lei nº 11. salvo as restrições estabelecidas em lei.2002 Fiador não Integrante da Relação Processual .II . 3-beneficio de ordem art 596 e 597 CPC Art. Da responsabilidade patrimonial art 591 e 592 CPC Art. .05. quantos bastem para pagar o débito.DJ 29. III . rediricionamento da ação fiscal 2-fiador extrajudicials S 268 STJ STJ Súmula nº 268 . 596. tratando-se de execução fundada em direito real ou obrigação reipersecutória.

Podem promover a execução forçada: I . Hipoteses legais: 12- bens do sucessor a titulo singular bens do sócio 3- bens em poder de terceiros 4-bens do cônjuge S 134/STJ STJ Súmula nº 134 .Penhora . Suspende-se o processo: . 2-Pode ser que o credor venha a falecer e pode surgir os credores derivados su-ervenientes Art. sempre que.do cônjuge. CPC.alienados ou gravados com ônus real em fraude de execução. IV . Ihes for transmitido o direito resultante do título executivo. ou nela prosseguir: I . I: Art.DJ 05. o cônjuge do executado pode opor embargos de terceiro para defesa de sua meação. os herdeiros ou os sucessores do credor. nos casos prescritos em lei Credor originário: pode figurar na execução e MP art 567. nos casos em que os seus bens próprios. Podem também promover a execução. quando em poder de terceiros. 265. 567.26/04/1995 .1995 Intimação . por morte deste. 566.III .do devedor.o espólio.o Ministério Público. II .o credor a quem a lei confere título executivo.05.Cônjuges . reservados ou de sua meação respondem pela dívida.Meação Embora intimado da penhora em imóvel do casal. V . Elementos subjetivos da execução: Art 566 CPC Art.Embargos de Terceiro .

ou nela prosseguir: II . Art 42 paragr 1 adquirente ou o cessionário Art. sem que o consinta a parte contrária Legitimados passivos: Ex: devedor superveniente que assume debito do devedor originário. credor ajuíza execução contra o fiador. por ato entre vivos. ou o cedente. nos casos de sub-rogação legal ou convencional. III. IV. A alienação da coisa ou do direito litigioso.o sub-rogado. quando há inventario. 567. b tem que pagar ITBI.pela morte ou perda da capacidade processual de qualquer das partes. não paga e o .O Sub-rogado: ex locatário e fiador condenados.I . e se torna credor superveniente e agora cobra do devedor .V apenas responsáveis Ex Obrigação:gênero: elemento pessoal remete a divida Patrimonial: remete a responsabilidade Ex: O tabelião pode ser responsabilizado pelo pagamento do ITBI. III . de seu representante legal ou de seu procurador 265.o cessionário. quando o direito resultante do título executivo Ihe foi transferido por ato entre vivos. ente despersonalisado) Art 567. 42. o fiador e executado e paga. vendo imóvel para B e vamos para o tabelionato de notas para lavrarmos a escritura publica. não altera a legitimidade das partes. I suspende-se o processo( espolio. § 1o O adquirente ou o cessionário não poderá ingressar em juízo. substituindo o alienante. a título particular. surge o fato gerador o ITBI. Podem também promover a execução. sessão de debito. o credor tem que concordar.II O Cessionário Art.

por forca de lei. Caução(sempre idônea)fideijusoria. que o autor provisoriamente mantido ou reintegrado na posse carece de idoneidade financeira para. esta omissão o torna responsável tributário (responsabilidade patrimonial) Fiador judicial: figura eminentemente processual art 475 C. responder por perdas e danos. 940. O nunciado poderá. lavrou a escritura publica. 475-C. quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador. .caucao pessoal – fiador judicial Caucao real(hipoteca.232. de 2005) I – determinado pela sentença ou convencionado pelas partes. O sujeito passivo da obrigação principal diz-se: I .tabelião se omite quanto a exigência. eu sem dinheiro vou contra o patrimônio de B. Se o réu provar. Sujeito passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade pecuniária. Art. Responsável Tributário: art 121/CTN paragrafo único Art.232.925.anticrese) Ex se eu quero vcender patrimônio.penhor. de 2005) Art. Far-se-á a liquidação por arbitramento quando: (Incluído pela Lei nº 11. desde que preste caução e demonstre prejuízo resultante da suspensão dela. Parágrafo único. requerer o prosseguimento da obra.contribuinte. em qualquer tempo. 121. (Incluído pela Lei nº 11.232. o juiz assinar-lhe-á o prazo de 5 (cinco) dias para requerer caução sob pena de ser depositada a coisa litigiosa. no caso de decair da ação. de 2005) II – o exigir a natureza do objeto da liquidação. juiz quer que preste caução. O fisco pode ir contra o tabelião. eu posso falar para B ser fiador (fideijusoria). (Incluído pela Lei nº 11. 940 CPC Art. a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição. 925.

pelos tributos devidos por seus tutelados ou curatelados.IV o inventariante.VII.responsável. pelos tributos devidos pela massa falida ou pelo concordatário. VI . V . III . pelos tributos devidos sobre os atos praticados por eles.as pessoas referidas no artigo anterior. respondem solidariamente com este nos atos em que intervierem ou pelas omissões de que forem responsáveis: I . ou perante eles. II . no caso de liquidação de sociedade de pessoas.os mandatários.os tabeliães.os pais. Nos casos de impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte. I Os pais. VII . prepostos e empregados. escrivães e demais serventuários de ofício. V o sindico. Parágrafo único. VI. 135.o síndico e o comissário. quando. às de caráter moratório. em razão do seu ofício. 134.os sócios. sem revestir a condição de contribuinte.(figura do gestor) Art 135 responsabilidade por infração: Art. Art 134 responsabilidade de terceiros: Art. . IV .II tutores. pelos tributos devidos pelo espólio.os tutores e curadores. sua obrigação decorra de disposição expressa de lei. contrato social ou estatutos: I . pelos tributos devidos por seus filhos menores. O disposto neste artigo só se aplica. em matéria de penalidades.o inventariante.III os administradores.os administradores de bens de terceiros. pelos tributos devidos por estes.II . II . São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei.

O logado executa fiador do Ctt( é nula de pleno direito) não pode ir contra o fiador pois não responde pela execução do julgado.Execução do Julgado Responsabilidade O fiador que não integrou a relação processual na ação de despejo não responde pela execução do julgado. lavrou auto de infracao.II. mais o credor não esta impedido. A fazenda publica faz o rediricionamento da ação fiscal para pessoa física sócio gerente. rediricionado para o sócio gerente.22/05/2002 . gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado I. se os do devedor forem insuficientes à satisfação do direito do credor.Ação de Despejo . pois não houve sentença condenatória contra o fiador. a fazenda publica utiliza lei 6830/80 lei de execução fiscal com titulo extrajudicial CDA(certidão divida ativa) Consta na CDA pessoa jurídica devedora. seja penhora credor prinicipal. 595. O fiador. e o nome de pessoa jurídica art 135.os diretores. sócio gerente tem patrimônio particular vinculado ao pagamento. a pessoa jurídica. quando executado. Art.05. .III mais comum(agem com excesso) O patrimônio responde pelo pagamento do tributo EX: fiscal autua empresa. Os bens do fiador ficarão.III .2002 Fiador não Integrante da Relação Processual .DJ 29. pode ser executado se participa do processo(não integrou a relação processual) Beneficio de ordem: art 595 e 596 CPC pedir que antes penhorado o fiador. fecha o negocio. fiador levanta beneficio de ordem. Requer citação do sócio gerente como pessoa física. porém. Fiador extrajudicial S 268/STJ STJ Súmula nº 268 . responde por execução fiscal. poderá nomear à penhora bens livres e desembargados do devedor. sujeitos à execução.

quando em poder de terceiros. II . para o cumprimento de suas obrigações. III . livres e desembargados.alienados ou gravados com ônus real em fraude de execução . V . § 2o Aplica-se aos casos deste artigo o disposto no parágrafo único do artigo anterior. Art. demandado pelo pagamento da dívida. salvo as restrições estabelecidas em lei 593. ao tempo da alienação ou oneração. II . § 1o Cumpre ao sócio. tratando-se de execução fundada em direito real ou obrigação reipersecutória. Hipóteses legais: 591 bens futuros respondem pela execução I sucessor a titulo singular. que alegar o benefício deste artigo. quantos bastem para pagar o débito. de 2006). CPC Art.quando. 596. O fiador. nos termos da lei. Ficam sujeitos à execução os bens: I . reservados ou de sua meação respondem pela dívida. IV . nomear bens da sociedade.382.Parágrafo único. (Redação dada pela Lei nº 11.nos demais casos expressos em lei. O devedor responde. 592. Art. 591. poderá executar o afiançado nos autos do mesmo processo. tem direito a exigir que sejam primeiro excutidos os bens da sociedade. nos casos em que os seus bens próprios. Art. Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade senão nos casos previstos em lei. III . 593.do sócio.do cônjuge.do devedor.do sucessor a título singular. com todos os seus bens presentes e futuros.quando sobre eles pender ação fundada em direito real. que pagar a dívida. o sócio. corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência. sitos na mesma comarca. Considera-se em fraude de execução a alienação ou oneração de bens: I .

corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência. o cônjuge do executado pode opor embargos de terceiro para defesa de sua meação. e os do outro na razão do proveito que houver auferido. arrolamento. ao tempo da alienação ou oneração. em casos como o de penhora. arrecadação. (Redação dada pela Lei nº 11. poderá requerer Ihe sejam manutenidos ou restituídos por meio de embargos embora intimado(litisconsórcio necessário) ex: 655 CPC § 2o Recaindo a penhora em bens imóveis. arresto. 593. se a divida beneficiou o cônjuge ele responde se não beneficiou não responde art 1663 paragra 1 Art. sofrer turbação ou esbulho na posse de seus bens por ato de apreensão judicial.Penhora . depósito. 1. pois não são partes na execução art 1046 CPC Art. Ação de embargos de terceiro.663.382.Cônjuges . IV cônjuge não devedor verificar cada caso concreto.1995 Intimação .) Encidentalmente decretada não demanda ação própria. partilha. alienação judicial.26/04/1995 .quando sobre eles pender ação fundada em direito real.046. Considera-se em fraude de execução a alienação ou oneração de bens: I . A administração do patrimônio comum compete a qualquer dos cônjuges.Meação Embora intimado da penhora em imóvel do casal.DJ 05. Quem.Embargos de Terceiro . II . Histórico da fraude: restabelecer a garantia patrimonial Finalidade: preservação de responsabilidade patrimonial sobre aquele bem que foi alienado . inventário. será intimado também o cônjuge do executado. Bens alienados em fraude a execução art 593( Art.nos demais casos expressos em lei. 1. adquirente do bem art 50 CC requisitos III do devedor quando em poder de terceiro.Citado por 49 Bens do cônjuge S 134 STJ STJ Súmula nº 134 .quando.05. não sendo parte no processo.Citado por 80 § 1o As dívidas contraídas no exercício da administração obrigam os bens comuns e particulares do cônjuge que os administra.592 sujeita a execução os bens. III . seqüestro. de 2006).

Se inferior.327 Art. ou por eles reduzido à insolvência. O credor quirografário. Se o adquirente dos bens do devedor insolvente ainda não tiver pago o preço e este for. a pessoa que com ele celebrou a estipulação considerada fraudulenta. A ação.Citado por 3 1- omitantemente elemento objetivo e subjetivo Teoria da anulabilidade e da ineficácia Efeito pós eficacizacao( Yussef Said Cabali) “o que era ineficaz perante o credor pode se tornar eficaz”. se os praticar o devedor já insolvente. com a citação de todos os interessados. em proveito do acervo sobre que se tenha de efetuar o concurso de credores. de boa-fé e valem os negócios ordinários indispensáveis à manutenção de estabelecimento mercantil. para conservar os bens. sua invalidade importará somente na anulação da preferência ajustada. poderá ser intentada contra o devedor insolvente. que receber do devedor insolvente o pagamento da dívida ainda não vencida.504 Art. Ex: Alienei bem a A e B pode ir contra. Presumem-se fraudatórias dos direitos dos outros credores as garantias de dívidas que o devedor insolvente tiver dado a algum credor. Anulados os negócios fraudulentos. a vantagem resultante reverterá em proveito do acervo sobre que se tenha de efetuar o concurso de credores.Citado por 176 Parágrafo único. Citado por 1. Citado por 2. 165. rural.Da fraude contra credores art 158 e segs CC: o autor credor demonstra conc Da Fraude Contra Credores Art. A. 158. porém. ou à subsistência do devedor e de sua família. ou industrial.Citado por 49 Art. ainda quando o ignore. aquilo que recebeu. 158 e 159. poderá depositar o preço que lhes corresponda ao valor real.Citado por 1. penhor ou anticrese. 164.Citado por 1. ficará obrigado a repor. o adquirente. nos casos dos arts. poderão ser anulados pelos credores quirografários.Citado por 20. Serão igualmente anuláveis os contratos onerosos do devedor insolvente. aproximadamente.592 Parágrafo único. ou terceiros adquirentes que hajam procedido de má-fé.525 Art. ou houver motivo para ser conhecida do outro contratante. Presumem-se.Citado por 20 Art. 163. o corrente.Citado por 35 Art. desobrigar-se-á depositando-o em juízo. 162. Os negócios de transmissão gratuita de bens ou remissão de dívida. Se esses negócios tinham por único objeto atribuir direitos preferenciais.Citado por 42 § 2o Só os credores que já o eram ao tempo daqueles atos podem pleitear a anulação deles.188 § 1o Igual direito assiste aos credores cuja garantia se tornar insuficiente.Citado por 26 Art. C paga B o que era ineficaz para B. como lesivos dos seus direitos. 160. quando a insolvência for notória. tornou-se eficaz * Teoria da ineficácia . mediante hipoteca. 159. 161.

I . (Redação dada pela Lei nº 5. de 1º.“O bem responde pelo pagamento da divida” Ler sobre a teoria da eficácia( doutrinário) Elementos: Objetivo: eventus domini: o devedor que desfauca patrimônio e cria dano concreto ao credor. Considera-se atentatório à dignidade da Justiça o ato do executado que: (Redação dada pela Lei nº 11. Considera-se em fraude de execução a alienação ou oneração de bens: I .I foi com ciência por isso houve a fraude na execução Art. II .nos demais casos expressos em lei. 600. 593.quando.382. III . Subjetivo: Consitum Fraudis: O autor( credor) tem que demonstrar que existe um coluio devedor alienante e 3 adquirente(de ma fé) intencao de fraudar.1973) . fins específicos deste elemento) Fraude: atentou a justica 600. acontece quando o fato existe. Não e ação de conhecimento. de 2006). “Especialização da Ação Pauliana” Elementos: Litispendência (doutrinaria.925. corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência. Da fraude na execução: Art 593 CPC Art.frauda a execução.10. ao tempo da alienação ou oneração. e incidente processual.quando sobre eles pender ação fundada em direito real.

a respectiva . (Renumerado do art. A inicia execução.Prova de Má-Fé do Terceiro Adquirente O reconhecimento da fraude à execução depende do registro da penhora do bem alienado ou da prova de má-fé do terceiro adquirente Forma de ilidir a alegação de boa-fe de terceiros pelo credor primeiro pode promover o registro das citações art 167. cabendo ao exeqüente. no curso da demanda B aliena para C imóvel. além da matrícula.o registro: (Redação dada pela Lei 6216.Registro da Penhora . B 30/09 e citado. sentença julga procedente pedido de A.18/03/2009 . na hora que o oficial vai penhorar o bem. fraude na execução. B paga 3000. 168 com nova redação pela Lei 6216. constata que não tem bem para penhorar. de 1975).DJe 30/03/2009 Reconhecimento da Fraude à Execução . 652. 21 da lei 6015/73 Art.Pré existência da demanda quando de pratica de ato considerado fraudulento: Ex: A x B bateu carro 20/08 e 1/09 A entra contra B. 167 . I. I . 21) das citações de ações reais ou pessoais reipersecutórias. pois assim o terceiro não pode alegar desconhecimento pois esta registrado Registro de averbacao da penhora: art 659 paragrafo 4 CPC § 4o A penhora de bens imóveis realizar-se-á mediante auto ou termo de penhora. sem prejuízo da imediata intimação do executado (art. relativas a imóveis. atentou a justiça. providenciar.No Registro de Imóveis. serão feitos. de 1975). pois devedor não tem bem para penhorar e observa que quando da ação no curso devedor aliena bem e frusta a execução Frustacao do meio executório mais ma Fe de terceiro Jurisprudência em torno do tema: S 375/STJ STJ Súmula nº 375 . Registro de citações se trata de ação real ou reipersecutória (ligada a imóvel) registra ato de citação no registro de imóveis. para presunção absoluta de conhecimento por terceiros. foi com ciência art 600. § 4 o).I.00 de indenização.

de 2006). 615-A. obter certidão comprobatória do ajuizamento da execução. Se cai em bem imóvel pode registrar no cartório de imóvel a penhora. Vincula patrimônio do devedor a pagamento de quantia certa. (Incluído pela Lei nº 11.382. será determinado o cancelamento das averbações de que trata este artigo relativas àqueles que não tenham sido penhorados. nos termos do § 2o do art. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11.382.averbação no ofício imobiliário. 593). Se terceiro compra bem penhorado há a ma fe absoluta.382. § 2o Formalizada penhora sobre bens suficientes para cobrir o valor da dívida.382. no prazo de 10 (dez) dias de sua concretização. processando-se o incidente em autos apartados. Registra a penhora ( só em ato de execução) ato processual só acontece em execução de quantia certa dinheiro).382. § 1o O exeqüente deverá comunicar ao juízo as averbações efetivadas. mediante a apresentação de certidão de inteiro teor do ato. para fins de averbação no registro de imóveis. de 2006). (Redação dada pela Lei nº 11. independentemente de mandado judicial. registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto. de 2006). § 3o Presume-se em fraude à execução a alienação ou oneração de bens efetuada após a averbação (art.382. de 2006). Averbação premonitoria de cautela art 615 A/ CPC parágrafo 3: Art. no ato da distribuição. (Incluído pela Lei nº 11. Se tiver execução em curso pode haver esta ação destribuída Ajuizar na execução . 18 desta Lei. (Incluído pela Lei nº 11. § 4o O exeqüente que promover averbação manifestamente indevida indenizará a parte contrária. com identificação das partes e valor da causa. O exeqüente poderá. de 2006).

. 129. dentro do termo legal. seja ou não intenção deste fraudar credores: I – o pagamento de dívidas não vencidas realizado pelo devedor dentro do termo legal. A ineficácia poderá ser declarada de ofício pelo juiz. Parágrafo único. a massa falida receberá a parte que devia caber ao credor da hipoteca revogada. salvo se. até 2 (dois) anos antes da decretação da falência. tratando-se de dívida contraída anteriormente. inclusive a retenção. V – a renúncia à herança ou a legado. IV – a prática de atos a título gratuito. por qualquer forma que não seja a prevista pelo contrato. após serem devidamente notificados. ainda que pelo desconto do próprio título. se os bens dados em hipoteca forem objeto de outras posteriores. tenha ou não o contratante conhecimento do estado de crise econômico-financeira do devedor.Ação indenizatória não da e so na execução Ação(fraude na falência) Revocatória falencial art 129 e 130 da lei 11. por título oneroso ou gratuito. III – a constituição de direito real de garantia. VI – a venda ou transferência de estabelecimento feita sem o consentimento expresso ou o pagamento de todos os credores. salvo se tiver havido prenotação anterior. São ineficazes em relação à massa falida. por qualquer meio extintivo do direito de crédito. II – o pagamento de dívidas vencidas e exigíveis realizado dentro do termo legal. ou a averbação relativa a imóveis realizados após a decretação da falência.101/05 âmbito da falência) (especificamente do Art. a esse tempo existentes. judicialmente ou pelo oficial do registro de títulos e documentos. no prazo de 30 (trinta) dias. não tendo restado ao devedor bens suficientes para solver o seu passivo. VII – os registros de direitos reais e de transferência de propriedade entre vivos. alegada em defesa ou pleiteada mediante ação própria ou incidentalmente no curso do processo. desde 2 (dois) anos antes da decretação da falência. não houver oposição dos credores.

gratuito ate 2 anos V antes Art 129 elemento objetivo. antes dos 90 dias do primeiro protesto. 130. propor ação por perdas e danos contra o devedor ou seus garantes Fraude na execução fiscal Ex pessoa jurídica x ICMS processo tributário PTA administrativo. Art 129 exclui qualquer indagação a certeza do terceiro (a boa f não e questionada) pouco importa a intenção do terceiro Faz menção de período suspeito IV ato oneroso 90 dias. reconhecendo pessoa jurídica tem que pagar fundo e passado o prazo para pagamento se o contribuinte não paga e feito inscrição do debito em divida . as partes retornarão ao estado anterior. Reconhecida a ineficácia ou julgada procedente a ação revocatória. São revogáveis os atos praticados com a intenção de prejudicar credores.Art. a qualquer tempo. Quem interpõe tem que demonstrar ma Fe Art 136 paragrafo 2 esta de boa Fe ou não se torna irrelevante Art. 136. e o contratante de boa-fé terá direito à restituição dos bens ou valores entregues ao devedor. provando-se o conluio fraudulento entre o devedor e o terceiro que com ele contratar e o efetivo prejuízo sofrido pela massa falida. § 2o É garantido ao terceiro de boa-fé. sobra para o credor ou massa falida. presunção de fraude Art 130 elemento objetivo: tem que demostrar Situação também de fraude e acontecimento fora do período suspeito.

antes da execução fiscal(nível administrativo) LC 118/05 alteracao do art 185/CTN Resp. ou seu começo. Parágrafo único. Art. escrevendo a divida.141. Art 185/ CTN a fraude contra o fisco entes de ter a demanda. Elemento especifico: .141 990/PRSTJ . A fluência de juros de mora não exclui. regularmente inscrita na repartição administrativa competente. pela lei ou por decisão final proferida em processo regular. 185.ativa 201 CTN fazenda publica extrai a CDA titulo extrajuducial . Constitui dívida ativa tributária a proveniente de crédito dessa natureza.PR (2009/0099809-0) RELATOR : MINISTRO LUIZ FUX RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : JOSÉ AGNALDO DE MORAES ADVOGADO : DANIELE JUNGLES CARVALHO DECISÃO .quanto ao momento da inscrição do debito: a fraude pode ser caracterizada desde o momento da inscrição e não no ajuizamento judicial.PETICAO DE RECURSO ESPECIAL: REsp 1141990 Decisão RECURSO ESPECIAL Nº 1. para os efeitos deste artigo. a liquidez do crédito. retroativo. depois de esgotado o prazo fixado. Parágrafo único. por sujeito passivo em débito para com a Fazenda Pública por crédito tributário regularmente inscrito como dívida ativa em fase de execução. para pagamento. O disposto neste artigo não se aplica na hipótese de terem sido reservados pelo devedor bens ou rendas suficientes ao total pagamento da dívida em fase de execução. já pode sem a execução e não quando a demonstra esta no judiciário Art.990 .quanto ao sujeito ativo de ato fraudulento : . 1. 201. Presume-se fraudulenta a alienação ou oneração de bens ou rendas.

desafetando-o da Corte. 4º Não se beneficiará do disposto nesta lei aquele que.10. desfazendo-se ou não da moradia antiga . aplica a revelia no embargo. sujeito ao procedimento do art. sabendo-se insolvente. por isso que determino a afetação do julgamento deste recurso à Primeira Seção.inércia do devedor e irrelevante na execução 1. O ônus de desconstituir o titulo e do devedor S 196/STJ: devedor réu. o devedor tem que derrubar a presunção no titulo. Entretanto. 543-C do CPC.01/10/1997 .na execução: irrelevante -nos embargos: ação executória Ação embargos *Se o credor se mantem inerte pode aplicar a prescrição? Não. por edital se nomeia curador oficial para embargo de devedor STJ Súmula nº 196 . em face da inexistência de registro de penhora do bem alienado. elemento subjetivo:impenhorabilidade cai no bem de maior valor Observações necessárias a execução: . revel.revelia: . verifica-se que o thema iudicandum é de interesse da Primeira Seção. MINISTRO LUIZ FUX Relator (DF) Outras fraudes art 4 da lei 8009/90 : Art. qual seja. tendo em vista a Súmula 375 do STJ.1997 . 07 de abril de 2010.DJ 09. adquire de má-fé imóvel mais valioso para transferir a residência familiar. Brasília .O presente recurso especial foi afetado à Corte Especial como "recurso representativo da controvérsia". Ex: Mora em uma sala. a configuração ou não de fraude à execução fiscal diante da boa-fé do terceiro adquirente. muda de residência para imóvel mais valioso com a intensao de fraudar. citado.

Necessário: não . 9o O juiz dará curador especial: I .Execução . de 2006). não necessário. Art. será intimado também o cônjuge do executado. de 2006). bem como ao revel citado por edital ou com hora certa.Citação por Edital ou Hora Certa . 655. se não tiver representante legal.Apresentação de Embargos Legitimidade Ao executado que. será nomeado curador especial.Revelia . Parágrafo único. .Ativo: facultativo: sempre possível ex: A e B contra estado.ao incapaz.Ex: cônjuge não devedor art 655 paragrafo 2 CPC. Intervenção de terceiros e litisconsórcio: Litisconsórcio: dividir a mesma sorte . ou se os interesses deste colidirem com os daquele. permanecer revel. . Nas comarcas onde houver representante judicial de incapazes ou de ausentes. será intimado também o cônjuge(gera nulidade) Ex: terceiro adquirente de fraude de credores na execução Art. a este competirá a função de curador especial. § 2o Recaindo a penhora em bens imóveis. o credor escolhe quem quer executar. (Redação dada pela Lei nº 11.Necessário:há na execução. não e obrigado a demandar os dois.Passivo: facultativo: se a condenação e contra locatário e fiador.ao réu preso. citado por edital ou por hora certa. A penhora observará. a seguinte ordem: (Redação dada pela Lei nº 11.382. II .sentença favorável. sempre a figura e ativo e facultativo. com legitimidade para apresentação de embargos art 9 CPC . preferencialmente.382.

por força de obrigação ou direito. do credor pignoratício.18/03/2009 . a fim de que esta possa exercer o direito que da evicção Ihe resulta.ao proprietário ou ao possuidor indireto quando. so cabe embargos de devedor Eu posso questionar elemento subjetivo contra o fisco? Sim Nos Resp.* A execução não e possível. A denunciação da lide é obrigatória: I .Denunciação da lide chama mérito ao processo : art 70 CPP assegurar direito de regresso do valor que desembolsar.ao alienante. em casos como o do usufrutuário. Intervenção de terceiro: . não admite elastecimento. em ação regressiva.àquele que estiver obrigado. II . pela lei ou pelo contrato. III . citado em nome próprio. a indenizar.990/PR Fraude Execução fiscal ( não exigência de prova de ma Fe) lei especial prevalece lei geral A sumula não se aplica: STJ Súmula nº 375 . 70. não pode ter na execução so em outro processo. cujo domínio foi transferido à parte. auxilia * Lide secundaria não cabe na execução. o prejuízo do que perder a demanda -oposicao: o terceiro quando quer se opor a oposição a via e sempre embargos de terceiro -narracao a autora: -assistencia: assiste uma das partes. 1141. do locatário. exerça a posse direta da coisa demandada. Art. na ação em que terceiro reivindica a coisa. o réu.DJe 30/03/2009 .

desde que para todas elas seja competente o juiz e idêntica a forma do processo. 573. competência absoluta: o juiz que processou a causa que executou a execução) . de 2005) O juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição 34 vara civil e não tribunal (competência funcional. 1) identidade das partes: Três requisitos para acumular duas ações executórias em curso: 12- Que as partes sejam as mesmas O mesmo juízo seja competente para essa decisão A competência varia titulo judicial e titulo extrajudicial art 475 P. II: Art. O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: (Incluído pela Lei nº 11. * A fraude e tratada pelo fato em si. inaplicabilidade da sumula 375 no âmbito da execução fiscal Processo Cumulativo . sendo o mesmo o devedor. cumular várias execuções. (Incluído pela Lei nº 11.Registro da Penhora .Reconhecimento da Fraude à Execução .Requisitos: art 573/CPC Art. de 2005) II – o juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição.232.232. 475-P. ainda que fundadas em títulos diferentes. É lícito ao credor.Prova de Má-Fé do Terceiro Adquirente O reconhecimento da fraude à execução depende do registro da penhora do bem alienado ou da prova de má-fé do terceiro adquirente.

232.Identidade de forma do processo executório Obs regras de competência Obs concorrência eletiva de foros(art 475 paragrafo único.Mesmo Negócio Pode a execução fundar-se em mais de um título extrajudicial relativos ao mesmo negócio.CPC) Art. de 2005) Parágrafo único. No caso do inciso II do caput deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.12/06/1991 .DJ 20.232. O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: (Incluído pela Lei nº 11.Mais de Um Título . o exeqüente poderá optar pelo juízo do local onde se encontram bens sujeitos à expropriação ou pelo do atual domicílio do executado. de 2005) II – o juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição. o negocio jurídico e único Hipóteses: . 475-P. (Incluído pela Lei nº 11. 1 cheque outra 2 obrigacao de fazer Tem que haver identidade quanto ao procedimento .06.Competência do mesmo juízo . casos em que a remessa dos autos do processo será solicitada ao juízo de origem. verifica competencia para ver se da para acumular acoes : se for dois juízos competentes não há como reunir esses processos Se tem mesma partes 34 vara civil. Ex: escritura publica (titulo extrajudicial) + nota promissoria: pode iniciar uma única execução baseada nos 2 titulos e com 2 obrigados. de 2005) S 27 STJ * pode a execução fundada em mais um titulo extrajudicial no mesmo negocio STJ Súmula nº 27 .1991 Execução .232. so não pode desmembrar.Titulo extrajudicial: a competência e relativa.

.475 P não se aplica Vara ponte nova x vara BH competência absoluta . pode pedir para remeter na ponte nova e reunir os dois processos -Mesmo procedimento .Mesmas partes Titulo judicial x titulo extrajudicial Titulo judicial: Competência absoluta 20 vara civil Titulo extrajudicial: ( cheque)competência relativa BH. por ser em BH o parágrafo único do art.titulo judicial x titulo judicial: 34 vara BH x 20 vara BH : competencia absoluta. por causa da diferença de rito processual III requisito. falta identidade da forma do processo executório Titulo extrajudicial x titulo extrajudicial Ambos cheque. pede para que seja distribuído. competência relativa: -mesmas partes -mesmo rito -mesma competência relativa *Ler principio especificidade . *não pode aglutinar cheque extrajudicial com titulo judicial.

615. 594. de 2006). Cumpre ainda ao credor: III . no prazo de 3 (três) dias. podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade. a requerimento do exeqüente. Ex: ctt de mandato art 681C/C direito de retancao 655 paragrafo 1 ex: banco extrajudicial + hipoteca.pleitear medidas acautelatórias urgentes .Art 594/CPC Art.III CPC Art. 652. Art. arrestar-lhe-á tantos bens quantos bastem para garantir a execução. na posse de coisa pertencente ao devedor. 653. “exceptio escrimiorus realis positiva” art 681 C/C Art. Na hora que penhora. direito de retenção. O mandatário tem sobre a coisa de que tenha a posse em virtude do mandato. O mandatário tem o direito de reter. (Incluído pela Lei nº 11. por direito de retenção.382. efetuar o pagamento da dívida. 664. Art. 655-A. O oficial de justiça. O credor. requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário.382. Ex: art 185-A/CTN. art 652 e 653. 664/C/C Art. 681. (Redação dada pela Lei nº 11. o juiz. que estiver. do objeto da operação que lhe foi cometida. até o valor indicado na execução. até se reembolsar do que no desempenho do encargo despendeu . de 2006). Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira. informações sobre a existência de ativos em nome do executado. não encontrando o devedor. cai primeiro na hipoteca Medidas acautelatoris: art 615. O executado será citado para. penhora primeiro o bem que é a garantia do negocio jurídico. quanto baste para pagamento de tudo que lhe for devido em conseqüência do mandato. preferencialmente por meio eletrônico. 655 A/CPC Art. . não poderá promover a execução sobre outros bens senão depois de excutida a coisa que se achar em seu poder.

de 2006). o devedor pode não ser localizado. 1 ato para pagar em tres dias. O executado será citado para. na mesma oportunidade. não o tendo. de 2006). § 4o A intimação do executado far-se-á na pessoa de seu advogado.382. será intimado pessoalmente. ele aguarda 3 dias para ver se houve pagamento.I. 652. (Redação dada pela Lei nº 11.a dos bens dele quando a não localizacao e intencional Art. de 2006). Além dos procedimentos cautelares específicos.615. § 2o O credor poderá. . 655).382.2. § 3o O juiz poderá. quando houver fundado receio de que uma parte. (Redação dada pela Lei nº 11. oficial posse de duas vias do mandado. determinar. 798. antes do julgamento da lide. (Incluído pela Lei nº 11. munido da segunda via do mandado. situação que prevêem risco processo 798 CPC não precisa medida cautelatória prevista Art.382.3. na inicial da execução. de 2006). lavrando-se o respectivo auto e de tais atos intimando. poderá o juiz determinar as medidas provisórias que julgar adequadas. se não houve pagamento ele penhora bem do devedor. indicar bens a serem penhorados (art.382. no prazo de 3 (três) dias.382. o executado. a intimação do executado para indicar bens passíveis de penhora.III CPC pleitear medidas acautelatória urgentes.II. a qualquer tempo.4. o oficial de justiça procederá de imediato à penhora de bens e a sua avaliação. efetuar o pagamento da dívida. § 1o Não efetuado o pagamento. que este Código regula no Capítulo II deste Livro. de 2006).5 :O devedor e citado por mandado(oficial de justiça) no CPC. de ofício ou a requerimento do exeqüente. (Incluído pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 11. cause ao direito da outra lesão grave e de difícil reparação Art 185-A/CTN medida de cautela (indisponibilidade do bem) Art 652 paragrafo 1. o oficial medida acautelatória proceder ao arresto art 813.

preferencialmente por meio eletrônico.925. .1973) I . informações sobre a existência de ativos em nome do executado.382.382.(Redação dada pela Lei nº 5. requisitará à autoridade supervisora do sistema bancário.quando o devedor.I CPC Art.ordenar o comparecimento das partes.§ 5o Se não localizar o executado para intimá-lo da penhora. 600. Art.10. em qualquer momento do processo:(Redação dada pela Lei nº 5.I juiz pode a todo momento determinar que as partes compareçam e juízo (audienca)* mais para juízo de conciliação Do contempt of caut art 600 e 601/CPC Art.382. (Incluído pela Lei nº 11.10.925. 655-A. Considera-se atentatório à dignidade da Justiça o ato do executado que: (Redação dada pela Lei nº 11. O juiz pode. de 1º. ou deixa de pagar a obrigação no prazo estipulado. 599.1973) Audiência no juizado especial e obrigatória lei 9099/95(conciliação) 599. O arresto tem lugar: I . Para possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira. até o valor indicado na execução. II . podendo no mesmo ato determinar sua indisponibilidade. o juiz. de 2006). 813.quando o devedor sem domicílio certo intenta ausentar-se ou alienar os bens que possui. a requerimento do exeqüente. de 1º. de 2006). caso em que o juiz poderá dispensar a intimação ou determinará novas diligências. Audiência execução art 599. de 2006). que tem domicílio: Medida acautelatória na execução: Ex 655-a bloqueio não é penhora Art. (Incluído pela Lei nº 11. o oficial certificará detalhadamente as diligências realizadas.

o devedor incidirá em multa fixada pelo juiz.1973) (desacato a corte).resiste injustificadamente às ordens judiciais.I .232.10. de 1º. frauda a execucao. sem prejuízo de outras sanções de natureza processual ou material. de 2005) Parágrafo único.intimado. O juiz relevará a pena. em montante não superior a 20% (vinte por cento) do valor atualizado do débito em execução. aplica-se a multa Elementos subjetivos do orgao judicial art 475-p Art. (Incluído pela Lei nº 11.1973) II .1973) III .925. o exeqüente poderá optar pelo juízo do local onde se encontram bens sujeitos à expropriação ou pelo . que responda ao credor pela dívida principal. 601. de 2005) II – o juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição. de sentença arbitral ou de sentença estrangeira. (Redação dada pela Lei nº 5.frauda a execução. atos atentatorios a justice ex: devedor tenta nao indicar o bem.925. Nos casos previstos no artigo anterior. de 2005) III – o juízo cível competente. nas causas de sua competência originária. Art.10. exigível na própria execução. não indica ao juiz. 475-P. de 1º.1973) IV . empregando ardis e meios artificiosos. de 1º. de 13.925.382.232.10. multa essa que reverterá em proveito do credor. despesas e honorários advocatícios.925.10. quais são e onde se encontram os bens sujeitos à penhora e seus respectivos valores. de 2006).232.1994) Parágrafo único.232. (Redação dada pela Lei nº 5. de 1º.12. No caso do inciso II do caput deste artigo.se opõe maliciosamente à execução.953. em 5 (cinco) dias. (Redação dada pela Lei nº 11. de 2005) I – os tribunais. (Incluído pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 5. (Redação dada pela Lei nº 5.(Redação dada pela Lei nº 8. se o devedor se comprometer a não mais praticar qualquer dos atos definidos no artigo antecedente e der fiador idôneo. quando se tratar de sentença penal condenatória. O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. juros.

homologado.232. de 2005) Parágrafo único. aspecto civil com o dever de indenizar. passível de execução: juízo civil competente e a justiça comum federal 109.232. de 2005) III – o juízo cível competente. absoluta(pode optar por outro foro) I ex mandado de segurança: competência originaria do TJ III Sentença penal e titulo judicial. (Incluído pela Lei nº 11. ajuizados no juízo civil.I. (Incluído pela Lei nº 11. parágrafo único prevê competência funcional.X. (Incluído pela Lei nº 11.232. chance-la de que pode ser executado no nosso território(tem que haver receptividade) uma vez homologado ela se torna titulo judicial. CF. de 2005) I – os tribunais.do atual domicílio do executado. o juiz criminal não tem competência As decisões emana do juízo arbitral. torna-se titulo judicial.232. o exeqüente poderá optar pelo juízo do local onde se encontram bens sujeitos à expropriação ou pelo do atual domicílio do executado.232. 475-P. nas causas de sua competência originária. de 2005) II – o juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição. No caso do inciso II do caput deste artigo. casos em que a remessa dos autos do processo será solicitada ao juízo de origem. Nos titulo judiciais art 475 –p/CPC Art. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. casos em que a remessa dos autos do processo será solicitada ao juízo de origem. quando se tratar de sentença penal condenatória. de sentença arbitral ou de sentença estrangeira. de 2005) .232. O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: (Incluído pela Lei nº 11. de 2005) Nos títulos judicias: Art 475 p. juízo arbitral não tem competência para ajuizar Sentença estrangeira: 1.

para serem executados. de 2005) . será processada perante o juízo competente. as decisões tem forca de sentença Art. São títulos executivos judiciais: (Incluído pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 5. Título IV.232. há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação. de 2005) II – a sentença penal condenatória transitada em julgado. oriundos de país estrangeiro. na conformidade do disposto no Livro I.1973) § 2o Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal. não e so sentença passível de execução.10. mais é classificada como titulo judicial por forca da lei.X CF Titulo extrajudicial nacionai art 576 CPC: não tinha regra de competência absoluta. Titulo extrajudicial estrangeiro: 585 paragrafo 2/CPC Art.Competencia puramente relativa Dos elementos objetivos dos títulos judicias e extrajudicias 1- Dos títulos judicias art 475. chancela de algum órgão.Ele se executa onde o titulo extrajudicial consignar que tenha a execução. não fazer. A execução. entregar coisa ou pagar quantia.232.1973) Não dependem de homologação do STJ.925. O título.Títulos judicias estrangeiros art 105. (Incluído pela Lei nº 11. de 1º. (Incluído pela Lei nº 11. os títulos executivos extrajudiciais. fundada em título extrajudicial. de 1º.232.N/CPC não e taxativo. para ter eficácia executiva. 576. e territorial e relativa Art. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5.10. 585. A sentença arbitral não emana do poder judiciário. para que tenha validade no Brasil. 475-N. Capítulos II e III.925. de 2005) I – a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer.

Constitutivas Classificação quinaria das sentencas: declaratória. homologada pelo Superior Tribunal de Justiça. (Incluído pela Lei nº 11.I/CPC demanda complemento. Nos casos dos incisos II. de 2005) Parágrafo único. aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal. para liquidação ou execução. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. o mandado inicial (art. de qualquer natureza. satisfação. fazer. no juízo cível.232.232. de 2005) Três espécies de obrigações: pagamento. entregar Observação quanto ao inciso I: Classificação quinaria das sentenças: títulos jurisdicionais intransitiva: não demanda complemento: a execução. exclusivamente em relação ao inventariante. de 2005) IV – a sentença arbitral.232. condenatória. já é ordem automática Tutelas jurisdicionais transitivas art 475. conforme o caso. de 2005) V – o acordo extrajudicial. constitutiva = executiva lato sensu mandamentais sentença insine intervalo:não demanda nada.232. ainda que inclua matéria não posta em juízo. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor. IV e VI. (Incluído pela Lei nº 11.232. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11.232. de 2005) VI – a sentença estrangeira. pagamento e entrega de coisa . pois se auto satisfazem Ex: A divorcia de B -Declaratoria pode ter forca executória . homologado judicialmente. de 2005) VII – o formal e a certidão de partilha.III – a sentença homologatória de conciliação ou de transação.

por depender de conhecimentos especializados. método típico. querendo.232.232. de 2005) Stricto sensu: so pagamento de quantia certa. a multa de dez por cento incidirá sobre o restante. o seu representante legal. em autos apartados. tem todo procedimento a ser seguido . de imediato. (Incluído pela Lei nº 11. podendo oferecer impugnação. O cumprimento da sentença far-se-á conforme os arts. a liquidação desta. de 2005) § 1o Do auto de penhora e de avaliação será de imediato intimado o executado. 461 e 461-A desta Lei ou. de 2005) Tutela condenatória stricto sensu art 475 J/CPC: Art.232. de 2005) § 1o É definitiva a execução da sentença transitada em julgado e provisória quando se tratar de sentença impugnada mediante recurso ao qual não foi atribuído efeito suspensivo.232. ingessado na atividade do juiz. a requerimento do credor e observado o disposto no art. de 2005) § 5o Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses. (Incluído pela Lei nº 11. desta Lei.232. 475-I. ou pessoalmente. 236 e 237). 614. por mandado ou pelo correio. (Incluído pela Lei nº 11. indicar desde logo os bens a serem penhorados. nomeará avaliador.Art. de 2005) § 2o Quando na sentença houver uma parte líquida e outra ilíquida.232. em seu requerimento. na pessoa de seu advogado (arts. assinandolhe breve prazo para a entrega do laudo. ou. na falta deste. o juiz mandará arquivar os autos. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. nos termos dos demais artigos deste Capítulo. expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. (Incluído pela Lei nº 11. de 2005) § 4o Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto no caput deste artigo. por execução.232. inciso II.232. não o efetue no prazo de quinze dias. tratando-se de obrigação por quantia certa. de 2005) § 3o O exeqüente poderá. o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e. de 2005) § 2o Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação. sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. (Incluído pela Lei nº 11.232. (Incluído pela Lei nº 11. o juiz. Caso o devedor. (Incluído pela Lei nº 11. no prazo de quinze dias. ao credor é lícito promover simultaneamente a execução daquela e. 475-J. condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação.

(Incluído pela Lei nº 10. (Incluído pela Lei nº 8. o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou. fixará o prazo para o cumprimento da obrigação.952. fixando-lhe prazo razoável para o cumprimento do preceito.952. de 1994) § 1o A obrigação somente se converterá em perdas e danos se o autor o requerer ou se impossível a tutela específica ou a obtenção do resultado prático correspondente. caso verifique que se tornou insuficiente ou excessiva. (Incluído pela Lei nº 8. determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do adimplemento. busca e apreensão. cabendo ao devedor escolher. tais como a imposição de multa por tempo de atraso. de 2002) Art. A medida liminar poderá ser revogada ou modificada. o juiz.444. remoção de pessoas e coisas. de ofício. ao conceder a tutela específica. de 1994) § 2o A indenização por perdas e danos dar-se-á sem prejuízo da multa (art. o credor a individualizará na petição inicial. 461. de 1994) § 5o Para a efetivação da tutela específica ou a obtenção do resultado prático equivalente. determinar as medidas necessárias. modificar o valor ou a periodicidade da multa. de 1994) § 3o Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo justificado receio de ineficácia do provimento final. se procedente o pedido. se lhe couber a escolha. de 2002) § 6o O juiz poderá. impor multa diária ao réu. (Redação dada pela Lei nº 10.444. Na ação que tenha por objeto a entrega de coisa. (Incluído pela Lei nº 10. de 2002) . poderá o juiz.Tutela executivas latu sensu: generalizadas 461. em decisão fundamentada. Na ação que tenha por objeto o cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer. 461ª o juiz valora a melhor forma Art. (Redação dada pela Lei nº 8. de 1994) § 4o O juiz poderá. no prazo fixado pelo juiz. desfazimento de obras e impedimento de atividade nociva. independentemente de pedido do autor. (Incluído pela Lei nº 8.952.444. a qualquer tempo.952. este a entregará individualizada. (Incluído pela Lei nº 8. (Incluído pela Lei nº 10. é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente ou mediante justificação prévia. se for suficiente ou compatível com a obrigação. citado o réu.444. na hipótese do parágrafo anterior ou na sentença.952. 287). de ofício ou a requerimento. se necessário com requisição de força policial. 461-A. de 2002) § 1o Tratando-se de entrega de coisa determinada pelo gênero e quantidade.

a forma que melhor provem ao juiz Art 461.  o que as distingue e ter ou não ter método típico de execução art 475. de 2005) II – a sentença penal condenatória transitada em julgado. (Incluído pela Lei nº 10. de 2002) Insini intervalo Tutelas mandamentais: determina um fazer parte do devedor Método atípico de execução: -não há forma prevista no CPC como executa esse tipo de sentença: fazer ou não fazer. (Incluído pela Lei nº 10. 475-N. Art. caput trata de tutela especifica e execução de sentença condenatória Art 461 A entrega de coisa o método atípico.II: efeito que emerge de toda sentença penal: efeito civil de tornar certo o poder de indenizar. 91 CP.444. I: efeitos extra penais da sentença: tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime. de 2005) Art. expedir-se-á em favor do credor mandado de busca e apreensão ou de imissão na posse. 461.§ 2o Não cumprida a obrigação no prazo estabelecido. conforme se tratar de coisa móvel ou imóvel.232. . São títulos executivos judiciais: (Incluído pela Lei nº 11.444.N.232. (Incluído pela Lei nº 11. de 2002) § 3o Aplica-se à ação prevista neste artigo o disposto nos §§ 1 o a 6o do art.

685 VII . de 2008)Citado por 3. 63. unic/CPP Art. de 2008). a execução poderá ser efetuada pelo valor fixado nos termos do inciso IV do caput do art. Se tem sentença penal. não precisa passar por prévio processo de conhecimento Requisito certeza e exigibilidade: sentensa transitada em julgado. o ofendido. Da sentença penal condenatória: E inerente a ele efeito extrapenal.690. Transitada em julgado a sentença condenatória.414 Art 935/CC instancias independentes ex processo criminal extingue punibilidade presunção. desde que reconheça:Citado por 26.719/08 autoriza que juiz criminal na sentença criminal fixe um valor mínimo indenizatório:liquidez 386.não haver prova da existência do fato. não se podendo questionar .Art.tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime . poderão promover-lhe a execução. 91 . valor a ser indenizado.não existir prova suficiente para a condenação. falta liquidez.IV CPP/ de 11. mencionando a causa na parte dispositiva. 935.I. (Incluído pela Lei nº 11.CP tornar certo o dever de indenizar( o que é devido an debênture) Art 387. 386.719.Citado por 405 Parágrafo único. e certo o devedor de indenizar. não há refluxo na ação civil Art.Citado por 1. seu representante legal ou seus herdeiros. Art 91. 387 deste Código sem prejuízo da liquidação para a apuração do dano efetivamente sofrido. Transitada em julgado a sentença condenatória. A responsabilidade civil é independente da criminal. (Incluído pela Lei nº 11.613 II . para o efeito da reparação do dano. art 63 p.VII CPP Art. no juízo cível.São efeitos da condenação: I . O juiz absolverá o réu.

Art 64 a 67CPC Art.a. Se o nomeado reconhecer a qualidade que Ihe é atribuída. recusando-o.5) suspende acao civil. Aceitando o nomeado. 110. ou sobre quem seja o seu autor. Art. Em ambos os casos. o réu requererá a nomeação no prazo para a defesa. 65. Art. ficará sem efeito a nomeação. por conta do processo criminal onde se apura o reu condenado. ou da declaração da existência ou inexistência da relação jurídica. ou quando este negar a qualidade que Ihe é atribuída. no que Ihes for aplicável. quando estas questões se acharem decididas no juízo criminal. 67. b e c do n o IV. Art 110/CPC( art 265cpc. Art. 66. o juiz mandará prosseguir no processo. Nas exceções de litispendência. ao deferir o pedido. o período de suspensão nunca poderá exceder 1 (um) ano. o processo continuará contra o nomeante. Findo este prazo. ao autor incumbirá promover-lhe a citação. suspenderá o processo e mandará ouvir o autor no prazo de 5 (cinco) dias. Quando o autor recusar o nomeado. § 5o Nos casos enumerados nas letras a. assinar-se-á ao nomeante novo prazo para contestar. Art 622CPP art 574/CPC .prg. que constitua o objeto principal de outro processo pendente. o juiz.mais sobre a existência do fato.quando a sentença de mérito: a) depender do julgamento de outra causa. ilegitimidade de parte e coisa julgada. Suspende-se o processo: IV . 265. o disposto sobre a exceção de incompetência do juízo. 64. Art. se a negar.IV. será observado. contra ele correrá o processo.

de 2005) VII – o formal e a certidão de partilha. (Incluído pela Lei nº 11.232. (Incluído pela Lei nº 11.Citado por 447 Art. não fazer. (Incluído pela Lei nº 11. no juízo cível.Art. (Incluído pela Lei nº 11. de 2005) V – o acordo extrajudicial. (Incluído pela Lei nº 11. de 2005) IV – a sentença arbitral. aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal.Citado por 610 Parágrafo único. que deu lugar à execução Demais titulos do artigo 475N/CPC Art. A revisão poderá ser requerida em qualquer tempo. a obrigação. .232. de 2005) II – a sentença penal condenatória transitada em julgado.232. o mandado inicial (art.232. São títulos executivos judiciais: (Incluído pela Lei nº 11. conforme o caso. (Incluído pela Lei nº 11. homologada pelo Superior Tribunal de Justiça. de 2005) Parágrafo único. de 2005) III – a sentença homologatória de conciliação ou de transação. Não será admissível a reiteração do pedido. 622. passada em julgado.232. ainda que inclua matéria não posta em juízo.232.232. 574. exclusivamente em relação ao inventariante. (Incluído pela Lei nº 11. salvo se fundado em novas provas. quando a sentença. de 2005) Qualquer acordo realizado pelas partes com chancela do poder judiciário torna-se titulo judicial. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor. antes da extinção da pena ou após. declarar inexistente. Nos casos dos incisos II. para liquidação ou execução. de qualquer natureza. de 2005) I – a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer. (Incluído pela Lei nº 11.232. O credor ressarcirá ao devedor os danos que este sofreu. entregar coisa ou pagar quantia. de 2005) VI – a sentença estrangeira. 475-N.232. no todo ou em parte. homologado judicialmente. IV e VI.

a seu prudente critério.IV sentença arbitral não emana do poder judiciário e sim juízo arbitral(títulos judicias) V acordo extrajudicial: questões postas e não postas em juízo VI sentença estrangeira homologada STJ art 109. se for o caso. fixar de plano. o resultado tenha ou devesse ter ocorrido no estrangeiro. Quando a sentença não determinar o valor devido. o valor devido. quando. processando-se em autos apartados. alíneas ‘d’ e ‘e’ desta Lei. procede-se à sua liquidação. na forma do art. 475-J desta Lei. 109. na pessoa de seu advogado. 475-A. de 2005) § 1o Do requerimento de liquidação de sentença será a parte intimada.os crimes previstos em tratado ou convenção internacional. cumprindo ao liquidante instruir o pedido com cópias das peças processuais pertinentes. no juízo de origem. titulo restrito as partes Da liquidação da sentença: antes art 603 a 611 hoje art 475 A a 475 H CPC Art. de 2005) § 3o Nos processos sob procedimento comum sumário. é defesa a sentença ilíquida. Quando a determinação do valor da condenação depender apenas de cálculo aritmético. inciso II. 275. de 2005) § 2o A liquidação poderá ser requerida na pendência de recurso.CF Art. Aos juízes federais compete processar e julgar V . iniciada a execução no País.232.232. . instruindo o pedido com a memória discriminada e atualizada do cálculo. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. referidos no art. (Incluído pela Lei nº 11.232. ou reciprocamente VII pagamento feito a herdeiros para ser posto aos demais herdeiros. 475-B.V. de 2005) Art. n.232.Processo em rumo trazido ao poder judiciário 745. (Incluído pela Lei nº 11. o credor requererá o cumprimento da sentença. cumprindo ao juiz.

se não o forem pelo terceiro. 475-E. existe so para títulos judiciais . para determinar o valor da condenação. sobre o qual poderão as partes manifestarse no prazo de dez dias. injustificadamente. quando a memória apresentada pelo credor aparentemente exceder os limites da decisão exeqüenda e. na liquidação. o juiz. mas a penhora terá por base o valor encontrado pelo contador. Art. 272). Art. II – o exigir a natureza do objeto da liquidação. Art.§ 1o Quando a elaboração da memória do cálculo depender de dados existentes em poder do devedor ou de terceiro. o juiz proferirá decisão ou designará. 475-H. Art. Apresentado o laudo. Parágrafo único. exigibilidade e liquidez. Da decisão de liquidação caberá agravo de instrumento. Na liquidação por artigos. se necessário. ainda. quando. o juiz nomeará o perito e fixará o prazo para a entrega do laudo. § 4o Se o credor não concordar com os cálculos feitos nos termos do § 3 o deste artigo. 475-G. Far-se-á a liquidação por artigos. 475-F. nos casos de assistência judiciária. 475-D. Art. houver necessidade de alegar e provar fato novo. no que couber. observar-se-á. discutir de novo a lide ou modificar a sentença que a julgou. reputar-se-ão corretos os cálculos apresentados pelo credor. Far-se-á a liquidação por arbitramento quando: I – determinado pela sentença ou convencionado pelas partes. § 3o Poderá o juiz valer-se do contador do juízo. 475-C. 362. far-se-á a execução pelo valor originariamente pretendido. o procedimento comum (art. audiência. a requerimento do credor." (NR) -certeza. poderá requisitálos. apresentados pelo devedor. configurar-se-á a situação prevista no art. Requerida a liquidação por arbitramento. § 2o Se os dados não forem. Art. e. É defeso. fixando prazo de até trinta dias para o cumprimento da diligência.

de 1973) I .925. 459.III P. O juiz proferirá a sentença. as conseqüências do ato ou do fato ilícito.quando a determinação do valor da condenação depender de ato que deva ser praticado pelo réu. O embasamento e o fato de que o autor pode formular pedidos genericos (ex :qual valor? Então e genérico). de modo definitivo. Se o pedido for certo e não genérico e vedado ao juiz proferir sentença iliquida Sumula 318 STJ.925. porém. Quando o autor tiver formulado pedido certo.DJ 18. decisão iliquida não fala qual valor a pagar.Fase no processo único.Argüição de Vício da Sentença Ilíquida Formulado pedido certo e determinado. é vedado ao juiz proferir sentença ilíquida STJ Súmula nº 318 .925.quando não for possível determinar. 286.Interesse Recursal . Objetivo Art 475A .10.único do art 459/CPC e S 318 STJ Art. então passa pela fase de liquidação da sentença. se não puder o autor individuar na petição os bens demandados. É lícito. somente o autor tem interesse recursal em argüir o vício da sentença ilíquida. de 1973) Art. liquidacao incidente processual – cunho meritorio valor Razão da alteração topológica Fundamento da liquidação art 286/CPC. (Redação dada pela Lei nº 5. o ideal e sentença liquida. no todo ou em parte.2005 Pedido Certo e Determinado . (Redação dada pela Lei nº 5. de 1973) II .O ideal e que não haja liquidação de sentença.I. o pedido formulado pelo autor. acolhendo ou rejeitando.nas ações universais. de 1973) III . O pedido deve ser certo ou determinado. Parágrafo único.II.925. (Redação dada pela Lei nº 5. o juiz decidirá em forma concisa.05/10/2005 . Nos casos de extinção do processo sem julgamento do mérito. o autor levanta o vicio da sentença. formular pedido genérico: (Redação dada pela Lei nº 5.

Por arbitriamento 475 C e D Art.232. Quando a sentença não determinar o valor devido.Por cálculos art 475 g Art. de 2005) Art.232/05 ao instituto 12- ausência de nova citação possibilidade do seu inicio antes do transito em julgado 3- necessidade de liquidez em algumas situações 4- decisão agravável Modalidades: . o juiz nomeará o perito e fixará o prazo para a entrega do laudo. 475-A. de 2005) . (Incluído pela Lei nº 11. É defeso.232.232. procede-se à sua liquidação. discutir de novo a lide ou modificar a sentença que a julgou.Art.232. (Incluído pela Lei nº 11. de 2005) OBS consideracoes quanto a redação anterior do art 603/CPC Procede-se a liquidação quando a sentanca não determinar o valor ou não individualizar o objeto da condenação Inovações introduzidas pela lei 11. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. 475-G. 475-D.232. 475-C. de 2005) . de 2005) II – o exigir a natureza do objeto da liquidação.232. (Incluído pela Lei nº 11. Far-se-á a liquidação por arbitramento quando: (Incluído pela Lei nº 11. Requerida a liquidação por arbitramento. na liquidação. de 2005) I – determinado pela sentença ou convencionado pelas partes.

de 2005) Liquidação provisória: ex acima lucros cessantes: pelo parágrafo 2 e possível que a autora inicie o incidente de liquidação de sentença(ganha tempo).232. *servia para individuar o incerto tornando-o certo:ideal e sentanca liquida. 475-A. (Incluído pela Lei nº 11. procede-se à sua liquidação. Art. quando.Processo único. (Incluído pela Lei nº 11. art 286 autoriza pedidos genéricos iliquidos Inovação introduzida pela lei 11. A .232/05 1- ausência de nova citação: torna a liquidação um simples incidente processual. de 2005) § 1o Do requerimento de liquidação de sentença será a parte intimada.232. o juiz proferirá decisão ou designará. sobre o qual poderão as partes manifestarse no prazo de dez dias. Far-se-á a liquidação por artigos. houver necessidade de alegar e provar fato novo.232. 475-A. Apresentado o laudo. de 2005) Por artigos art 475-e Art.232. (Incluído pela Lei nº 11. 475-E. procede-se à sua liquidação. se necessário.Parágrafo único.232. audiência. de 2005) Obs redação anteriorart 603/CPC: procede-se a liquidação quando a sentença não determinar o valor ou não individuar o objeto da condenação. para determinar o valor da condenação.a CPC Art. na pessoa de seu advogado. (Incluído pela Lei nº 11. fase de liquidação de sentença. basta intimação requerendo a liquidação art 457aparg 1. Quando a sentença não determinar o valor devido. de 2005) Objetivos art 475. (Incluído pela Lei nº 11. pois a COPASA apelou efeito suspensivo e devolutivo parágrafo 2. Quando a sentença não determinar o valor devido. para conhecimento sentença iliquida.475.

no juízo de origem. perdeu clientela. (Incluído pela Lei nº 11. 475-A. de 1995) . fez varioa danos. se for o caso. B. Cabeleireiraimóvel e teve que mudar. 275. alíneas ‘d’ e ‘e’ desta Lei. cumprindo ao liquidante instruir o pedido com cópias das peças processuais pertinentes.232.danos morais o juiz já arbitria valoraco do juiz próprio processo de conhecimento.232. Observar-se-á o procedimento sumário: (Redação dada pela Lei nº 9. formulou 3 pedidos. D e E art 475 A.II. Possibilidade do seu inicio antes do transito em julgado Obrigatório. (Incluído pela Lei nº 11. danos materiais. (Incluído pela Lei nº 11. o valor vai ser apurado em liquidação. de 2005) § 3o Nos processos sob procedimento comum sumário. parágrafo 3. o valor devido.sentença liquidade quantificada. de 2005) Liquidez do titulo a pressupostoda execução provisória e executiva EX:A com ação contra COPASA.245.232. 475-A. prova pericial danos. Quando a sentença não determinar o valor devido. qual valor deixou de ganhar? Esse pedido e julgado procedente. fixar de plano. procede-se à sua liquidação. Quando a sentença não determinar o valor devido.Art. processando-se em autos apartados. lucro cessantes. procede-se à sua liquidação. de 2005) Art. é defesa a sentença ilíquida. lucros cessantes e morais.acidente de transito e via terrestre -acidente de seguro 275. 275. referidos no art. (Incluído pela Lei nº 11. cumprindo ao juiz. a seu prudente critério. duas únicas obrigatoriamente liquidas: modalidaes de ação a sentença . art 52.I Art. inciso II. de 2005) § 2o A liquidação poderá ser requerida na pendência de recurso.232.

de 2005) § 4o Se o credor não concordar com os cálculos feitos nos termos do § 3 o deste artigo. hoje so para liquidação com calculo. a requerimento do credor.245.232. de 1995) e) de cobrança de seguro. instruindo o pedido com a memória discriminada e atualizada do cálculo. Art.00. de 1995) d) de ressarcimento por danos causados em acidente de veículo de via terrestre. 362. já começa a execução com a planilha.245. antes era fase procedimental. reputar-se-ão corretos os cálculos apresentados pelo credor. simples calculo aritimetico.II . ainda.232. então tinha uma aglutinação Ex: sentença condena réu 20. se o calculo tiver incorreto há impugnação. relativamente aos danos causados em acidente de veículo. de 1995) 3-Necessidade de liquides em algumas sentenças 4. (Incluído pela Lei nº 11. na forma do art. o juiz. de 2005) § 2o Se os dados não forem. o devecor comum se opõe a execução de sentença com impugnação. quando a memória apresentada pelo credor aparentemente exceder os limites da decisão exeqüenda e. (Incluído pela Lei nº 11. nos casos de assistência judiciária. (Incluído pela Lei nº 11. apresentados pelo devedor. fixando prazo de até trinta dias para o cumprimento da diligência. 475-B. de 2005) § 3o Poderá o juiz valer-se do contador do juízo. e. poderá requisitálos.Decisão agravável Modalidades: por cálculos: art 475b-. qualquer que seja o valor (Redação dada pela Lei nº 9. Quando a determinação do valor da condenação depender apenas de cálculo aritmético. configurar-se-á a situação prevista no art. o credor requererá o cumprimento da sentença. de 2005) § 1o Quando a elaboração da memória do cálculo depender de dados existentes em poder do devedor ou de terceiro.nas causas. 475-J desta Lei. simples calculotor pode encerra de plano com a planilha. se não o forem pelo terceiro. far-se-á a execução pelo valor originariamente pretendido.245. ressalvados os casos de processo de execução.000. mas a penhora .232. (Redação dada pela Lei nº 9. injustificadamente. (Incluído pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 9.não precisa de fase para liquidação dessa sentença. com juro de mora.232.

e: fase procedimental também tem que ter prova técnica.articulados os itens que vão ser demostrados. de 2005) Parágrafo único. Far-se-á a liquidação por arbitramento quando: (Incluído pela Lei nº 11. para determinar o valor da condenação. de 2005) I – determinado pela sentença ou convencionado pelas partes. esta fase procedimental tenho quando estou diante de simples calculo aritimetico. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. (Incluído pela Lei nº 11. não tinha para a composição do quanto indenizatório. quando. Requerida a liquidação por arbitramento. para saber prova pericial para apenas o valor.232. 475-E. Art. houver necessidade de alegar e provar fato novo. Far-se-á a liquidação por artigos. 475-C.232. são fatos pré existentes ao tempo da demanda e não são descutidos.Ex adicional noturno precisa de todos os espelhos de contas.232. de 2005) -Por artigos:art 475. o juiz nomeará o perito e fixará o prazo para a entrega do laudo. de 2005) II – o exigir a natureza do objeto da liquidação. audiência. de 2005) Art. de 2005) . 475-D. 475-G.g.232. Apresentado o laudo. (Incluído pela Lei nº 11.232. o fato novo.232. (Incluído pela Lei nº 11. O que caracteriza e a necessidade de prova Art. audiência. sobre o qual poderão as partes manifestarse no prazo de dez dias. se necessário.232. na liquidação. distingue quando o autor tiver a necessidade de provar fato novo. (Incluído pela Lei nº 11.D . de 2005) O que caracteriza. É defeso. art 475. discutir de novo a lide ou modificar a sentença que a julgou. o juiz proferirá decisão ou designará. de 2005) -Por arbitramento:art 475-C. (Incluído pela Lei nº 11. Não pode ser superveniente a sentença. Art.terá por base o valor encontrado pelo contador.232. pois se não fere o principio da fidelidade ao titulo.

(Incluído pela Lei nº 11.DJ 28/11/2007 Liquidação Diversa da Sentença . Obs liquidação zero: Há duas situações: se a cabeleireira não prova lucro cessante. de 2005) Obs S 344/STJ liquidação: o fato da sentença já ter determinado uma das modalidades (calculo. artigo).g Art. condenou réu por lesão corporal.decisão interlocutória faz coisa julgada material. julga improcedente. e uma sentenca complementar. não deu . Sentença que julga liquidacao: A decisão interlocutoria que julga a liquidação de sentença cabe agravo de instrumento Decisão que tem toda natureza jurídica de sentença. arbitramento. 475-G. discutir de novo a lide ou modificar a sentença que a julgou. É defeso.07/11/2007 . propõe liquidação de danos emergentes e lucros cessantes.Obs conceituação de fato novo Principio da fidelidade ao titulo art 475. mais não faz juízo de certeza e sim de probabilidade. como faz coisa julgada material. não pode reabrir. a liquidação . a questão esta sacramentada. objetiva complementar. Ex da cabeleireira: se ela não prova lucro cessantes e julgada improcedente a liquidação de sentença. Porque e possível? existe em potencial um dano. Ex: sentença penal condenatória. liquidação zero.Ofença à Coisa Julgada A liquidação por forma diversa da estabelecida na sentença não ofende a coisa julgada. na liquidação.232. não impede que futuramente haja alteração dessas modalidades STJ Súmula nº 344 . sentença.

de 2006). não chegou a nenhum dano. (Redação dada pela Lei nº 11. VIII .382. do Distrito Federal. a debênture e o cheque.o crédito de serventuário de justiça. bem como de encargos acessórios.os contratos garantidos por hipoteca. tais como taxas e despesas de condomínio. (Redação dada pela Lei nº 11. .todos os demais títulos a que. documentalmente comprovado. a nota promissória. de 2006). pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores. de 1º. a lei atribuir força executiva. IV . de 2006).(Redação dada pela Lei nº 8. decorrente de aluguel de imóvel. de 2006). bem como os de seguro de vida. VII .a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União. de perito. de 2006).382. enao teve desconto no salário. atendimento publico. 585. penhor.12.1994) III . de intérprete. emolumentos ou honorários forem aprovados por decisão judicial. dos Estados. quando as custas. (Redação dada pela Lei nº 11. (Redação dada pela Lei nº 8. V .925.12. Dos títulos extrajudiciais:art 585/CPC Art. de 13. o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas. a duplicata. dos Territórios e dos Municípios.10.1994) II . de 13. o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público. ou de tradutor.a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor. (Redação dada pela Lei nº 11. anticrese e caução. (Incluído pela Lei nº 11. correspondente aos créditos inscritos na forma da lei.382.o crédito.953. (Redação dada pela Lei nº 11. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5.382.953.despesa para a vitima. VI .382. de 2006).382.1973) I .a letra de câmbio.o crédito decorrente de foro e laudêmio. liquidação zero. por disposição expressa.

Conflito: democratização e segurança: Não há segurança( principal argumento) principio da suficiência do titulo.§ 1o A propositura de qualquer ação relativa ao débito constante do título executivo não inibe o credor de promover-lhe a execução. há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação.II CPC o documento particular assinado por duas testemunhas(contratos). a fazenda publica Encargo de aluguel: ele quer presentear o proprietário Duplicata. (Redação dada pela Lei nº 5. de 1º.12. democratização. de 13. não presta porque não garante que o contrato esta adimplente Da polemica em torno do inciso II do 585 CPC .953. a forca executória e idêntica. o credor não precisa entrar com ação de conhecimento Necessidades sociai senciveis (rotonPiran) Legislador que escolhe seguimento as sociedade. os títulos executivos extrajudiciais. O título.10. oriundos de país estrangeiro. o que distingue e o rito processual. sem p prévio processo de conhecimento. para ter eficácia executiva.1994) § 2o Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal.925. cheque: quer presentear os comerciantes.1973) Documentos que a lei que da forca executória e decide quias os títulos são extrajudiciais Nascimento dos ttulos extrajudicias: a forca e idêntica a uma sentença. ele propicia nos titulures do documento. ele quer presentear o titulo executivo extra judicial O legislador quer presentear o fisco. (Redação dada pela Lei nº 8. para serem executados. empresários art 581. inicia a aço executória. mais não tem segurnaca.

Contrato de Abertura de Crédito . pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores. não gera a suficiência do titulo CTT acórdão lesing resp 10.12.a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor.13/12/1999 . STJ Súmula nº 258 . 258. ela se desnatura STJ Súmula nº 233 .2001 Nota Promissória .DJ 24. o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas.80 RJ No embargo de devedor.I.10. o elemeto certeza que o devedor não e inadimplente Não guarda elemento da suficiência do titulo. de 13. o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público. O titulo deve conter os requisitos necessários para por si so verificar a existência da obrigação e do direito correspondente. 300(instrumento de confissão de divida e contraditório.DJ 08.12/09/2001 .1973) II .953. não traz ao três elementos exigidos para o titulo. Na jurisprudência vide S 233.2000 Contrato de Abertura de Crédito . prova a certeza que não há inadimplemento. de 1º. não é título executivo.1994) Contrato como titulo extrajudicial. atrelado ao ctt de abertura de credito.Título Executivo O contrato de abertura de crédito.(Redação dada pela Lei nº 8. levantar alegando que este documento não e titulo judicial Principio da suficienciaa do titulo: O titulo deve conter os requisitos necessário: certeza.09. ainda que acompanhado de extrato da conta-corrente.02.925.Autonomia . 585. exigibilidades. para por si so verificar a segurança do titulo.Art. S 233 Ctt abertura de conta corrente S 258 nota promissória. liquidez. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5.

III hipoteca.direito civil.18/10/2004 . . comercial.Título Executivo Extrajudicial O instrumento de confissão de dívida.DJ 22. extrai titulo. Lei da duplicata: como tornar duplicata em titulo extrajudicial? Entrega da mercadoria mais o processo. ainda que originário de contrato de abertura de crédito.. emite duplicata. V credito :não e para o condomínio e entre partes VI-redito de serventuário: titulo que no entanto parte de uma decisão judicial ex: honorários periciais: não houve adiantamento da despesa.Contrato de Abertura de Crédito . Art.( estado de Minas fez lei processual e o advogado quer receber do estado) não pode pois e inconstitucioanl. ex cheque assinatura diferente. Ex advogado dativo cobra do estado. cheque é ordem de pagamento a vista. aeronáutico. eleitoral. se a parte sucumbente assistida pela gratuidade e inexigível a cobrança contra ela. seguro de vida. discussão e aposteriori. 22. o estado. o contrato acessório que institui direito real de garantia. o credor pode cobrar de quem tem que dar assistência. constitui título executivo extrajudicial. extrai certidão como titulo executivo que a parte incidente tem que pagar. espacial e do trabalho. percentual de qualquer venda de direito real de enfiteuse.A nota promissória vinculada a contrato de abertura de crédito não goza de autonomia em razão da iliquidez do título que a originou.. penal. processual.2004 Instrumento de Confissão de Dívida . que são títulos executivos ex: hipoteca IV credito decorrente de foro e laudêmio: aluguel. qdo esta sendo executado. agrário. STJ Súmula nº 300 . tem que entrar com ação de cobrança contra o estado com a via de ação de cobrança. marítimo. embargo de devedor.11. credito da decisão judicial. Compete privativamente à União legislar sobre: I . se deu aceite já se torna titulo Titulo executivo prescreve em 6meses. penhor.

(Redação dada pela Lei nº 8. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5.02. O controle externo. então o juiz faz uma decisão única. se um deles já foi julgado. lei 10. para continuar o embargo. ao qual compete § 3º . de 1º.DJ 10. cédulas de credito bancário e imobiliário. lei 7. ele pode aguardar o resultado final da ação de conhecimento.As decisões do Tribunal de que resulte imputação de débito ou multa terão eficácia de título executivo.. de 13. o devedor requer que os fatos sejam reunidos. pendente apelação. 585.931/04 garantia promitente compradores.925.ação heterotopica vara civil(outra via que não e embargos de desconstituir titulo extrajudicial) Se já foi julgado esta ação não consegue reunir os feitos.2000 Conexão . S 235. pragurafo3 da CF/88 multas aplicadas pelo tribunal de contas da união Art. entra com ação heterotopica de conhecimento STJ Súmula nº 235 .Outras leis DL 167/67 cedula de credito rural. será exercido com o auxílio do Tribunal de Contas da União. art 71.Reunião de Processos . ex: perder prazo de embargos.10.Coisa Julgada A conexão não determina a reunião dos processos. .347/85 acao civil publica. 71. Parágrafo 1 do art 585/CPC ação heterotopica e execução: Art.01/02/2000 . Ação executória devedor embarga a execução e usa o mesmo fato e fundamento da ação heterotopica.O credor esta executando o titulo. Solução Processual: 1.1994) E possível que a oposição do devedor entre com ação de conhecimento pedindo anulação do titulo extrajudicial.. DL 414/63 cedula de credito industrial e comercial DL911/69 cria alienação fiduciária em garantia. a cargo do Congresso Nacional.12.953.1973) § 1o A propositura de qualquer ação relativa ao débito constante do título executivo não inibe o credor de promover-lhe a execução.

quando a penhora recair sobre bens gravados por penhor. anticrese ou usufruto. IV . hipoteca. que Ihe corresponde. se o executado não for obrigado a satisfazer a sua prestação senão mediante a contraprestação do credor.indicar a espécie de execução que prefere. realiza-se a execução no interesse do credor. (Redação dada pela Lei nº 8.12. 614.Disposições gerais de execução: art 612 segs/CPC: DAS DIVERSAS ESPÉCIES DE EXECUÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.provar que adimpliu a contraprestação. hipotecário. pedir a citação do devedor e instruir a petição inicial: I . de 2006). ao requerer a execução.953. Ressalvado o caso de insolvência do devedor. que adquire. III . Recaindo mais de uma penhora sobre os mesmos bens. 615. ou anticrético. cada credor conservará o seu título de preferência.382. ou usufrutuário.pleitear medidas acautelatórias urgentes. II . o direito de preferência sobre os bens penhorados. (Incluído pela Lei nº 8.com o título executivo extrajudicial. de 13. (Redação dada pela Lei nº 11.com a prova de que se verificou a condição. III).1994) III . II . quando se tratar de execução por quantia certa. de 13. Art. ou que Ihe assegura o cumprimento. . em que tem lugar o concurso universal (art. Cumpre ainda ao credor: I .953.com o demonstrativo do débito atualizado até a data da propositura da ação. 612. pela penhora. 613. ou ocorreu o termo (art.1994) Art. 751. quando por mais de um modo pode ser efetuada. Cumpre ao credor.12. Art.requerer a intimação do credor pignoratício. 572).

Art. 615-A. O exeqüente poderá, no ato da distribuição, obter certidão
comprobatória do ajuizamento da execução, com identificação das partes e valor
da causa, para fins de averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou
registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto. (Incluído pela Lei nº 11.382,
de 2006).

§ 1o O exeqüente deverá comunicar ao juízo as averbações efetivadas, no prazo de
10 (dez) dias de sua concretização. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006).

§ 2o Formalizada penhora sobre bens suficientes para cobrir o valor da dívida, será
determinado o cancelamento das averbações de que trata este artigo relativas
àqueles que não tenham sido penhorados. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006).

§ 3o Presume-se em fraude à execução a alienação ou oneração de bens efetuada
após a averbação (art. 593). (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006).

§ 4o O exeqüente que promover averbação manifestamente indevida indenizará a
parte contrária, nos termos do § 2o do art. 18 desta Lei, processando-se o incidente
em autos apartados. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006).

§ 5o Os tribunais poderão expedir instruções sobre o cumprimento deste artigo.
(Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006).
Art. 616. Verificando o juiz que a petição inicial está incompleta, ou não se acha
acompanhada dos documentos indispensáveis à propositura da execução,
determinará que o credor a corrija, no prazo de 10 (dez) dias, sob pena de ser
indeferida.
Art. 617. A propositura da execução, deferida pelo juiz, interrompe a prescrição,
mas a citação do devedor deve ser feita com observância do disposto no art. 219.
Art. 618. É nula a execução:
I - se o título executivo extrajudicial não corresponder a obrigação certa, líquida e
exigível (art. 586); (Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006).
II - se o devedor não for regularmente citado;

III - se instaurada antes de se verificar a condição ou de ocorrido o termo, nos
casos do art. 572.
Art. 619. A alienação de bem aforado ou gravado por penhor, hipoteca, anticrese ou
usufruto será ineficaz em relação ao senhorio direto, ou ao credor pignoratício,
hipotecário, anticrético, ou usufrutuário, que não houver sido intimado.
Art. 620. Quando por vários meios o credor puder promover a execução, o juiz
mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o devedor.

Respeito a penhora e sua preferência.Penhora ato processual, exclusivo
de pagamento de quantia certa, não se confundem com direito real.
Como tem a formalização da penhora? O que indica apenhora? A
lavratura de um alto ou termo de penhora, 659 paragr 9.Alto: ato externo,
praticado pelo oficial de justiça, penhora bens que encontrar esta
realizado a penhora. Termo:credor indica bem do devedor, não precisa
expedir carta precatória para bens de outros estados, com o numero da
matricula, certidão, o escrivão lavra termo de penhora, ato interno do
escrivão.
Art. 659. A penhora deverá incidir em tantos bens quantos bastem para o
pagamento do principal atualizado, juros, custas e honorários advocatícios.
(Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006).

Direito de preferência gerado pela penhora:
Art 612 prior tempore patior jure- quem primeiramnete no tempo
Art. 612. Ressalvado o caso de insolvência do devedor, em que tem lugar o
concurso universal (art. 751, III), realiza-se a execução no interesse do credor,
que adquire, pela penhora, o direito de preferência sobre os bens penhorados

Pode haver mais de uma penhora sobre o mesmo bem?
Direito de preferência ao credor que primeiramente penhorou, lavrou ato
te termo de penhora e não aquele que penhorou primeiro.
Pode recair varias penhora sobre o mesmo bem

Sede diante de uma situação de insolvência civil, não vai haver a
preferência de quem lavrar o termo de penhora, vai ser por rateio entre
credores. Pode haver penhora cobre bem gravado com ônus real, ex
hipoteca, penhor. O credor hipotecário não pode perder garantias real
para credor quirografário de penhora. O credor hipotecário tem a
preferencial pois e direito material
A penhora pode servir sobre bem gravado com ônus real? Art 615,II C/C
art 619 CPC, art 333/CC mesmo que o credor hipotecário não tenha
requerido a preferência primeiro que o credor quirografário, o credor
garantia real sempre terá preferência. Existe independente que ele mova
a execução, tem que haver a intimação do credor hipotecário.
Art. 615. Cumpre ainda ao credor:
I - indicar a espécie de execução que prefere, quando por mais de um modo pode
ser efetuada;
II - requerer a intimação do credor pignoratício, hipotecário, ou anticrético, ou
usufrutuário, quando a penhora recair sobre bens gravados por penhor, hipoteca,
anticrese ou usufruto;
Art. 619. A alienação de bem aforado ou gravado por penhor, hipoteca, anticrese ou
usufruto será ineficaz em relação ao senhorio direto, ou ao credor pignoratício,
hipotecário, anticrético, ou usufrutuário, que não houver sido intimado.
Art. 333. Ao credor assistirá o direito de cobrar a dívida antes de vencido o prazo
estipulado no contrato ou marcado neste Código:
I – no caso de falência do devedor, ou de concurso de credores;
II – se os bens, hipotecados ou empenhados, forem penhorados em execução
por outro credor;
III – se cessarem, ou se se tornarem insuficientes, as garantias do débito,
fidejussórias, ou reais, e o devedor, intimado, se negar a reforçá-las.
Parágrafo único. Nos casos deste artigo, se houver, no débito, solidariedade
passiva, não se reputará vencido quanto aos outros devedores solventes.

Situação em relação ao credor com garantia real:
Não intimado: teoria da ineficácia: credor A, bem de B, aliena para
C,credor E hipotecário,não intimado, c compra bem com hipoteca,pois o

anticrese ou usufruto. Art.o devedor comum é insolvente. III - outra é a coisa dada em garantia. o credor hipotecário tem preferência no preço pago pelo c e depois o credor quirografário Intimado se opõe art 1047. credor com garantia real tem que ser intimada. somente poderá o embargado alegar que: I . III .501.para o credor com garantia real obstar alienação judicial do objeto da hipoteca. devidamente registrada. penhor ou anticrese. Cumpre ainda ao credor: II . hipotecário. a arrematação ou adjudicação. 615.II C/C art 1054/CPC Art.E não foi intimado da hipoteca. ou usufrutuário. Qual a . ou anticrético. ntimado: A hipoteca se extingue. sem que tenham sido notificados judicialmente os respectivos credores hipotecários. art1501.pleitear medidas acautelatórias urgentes. que não forem de qualquer modo partes na execução. hipoteca.requerer a intimação do credor pignoratício.o título é nulo ou não obriga a terceiro. II . sob pena de ineficácia 615.047. 1. 1.IIC/C para evitar alienação do bem que ele tem preferência. quando a penhora recair sobre bens gravados por penhor. Art. Contra os embargos do credor com garantia real. Não extinguirá a hipoteca.II C/C Art. Admitem-se ainda embargos de terceiro: II . 1.054. Se credor hipotecário intimado se opõe com embargos de terceiro 1047.

ou usufrutuário.047. ou anticrético. se o executado não for obrigado a satisfazer a sua prestação senão mediante a contraprestação do credor. Admitem-se ainda embargos de terceiro: II . quando a penhora recair sobre bens gravados por penhor. pela penhora. Art. Compete ao credor. citação editalicia. que adquire.razão para interpor embargo de 3? Acontece na situação em que o devedor tiver outros bens para ser alienado. anticrese ou usufruto. O credor pode requerer a qualquer momento as medidas acautelatórias 615. convertendo-se o arresto em penhora em caso de não-pagamento Art. realiza-se a execução no interesse do credor. hipoteca. terá o devedor o prazo a que se refere o art. se o devedor for insolvente não justifica este embargo de terceiro. dentro de 10 (dez) dias. penhor ou anticrese. III).para o credor com garantia real obstar alienação judicial do objeto da hipoteca. hipotecário.indicar a espécie de execução que prefere. que Ihe corresponde. contados da data em que foi intimado do arresto a que se refere o parágrafo único do artigo anterior. Cumpre ainda ao credor: I .requerer a intimação do credor pignoratício. Findo o prazo do edital. ou que Ihe assegura o cumprimento. . o direito de preferência sobre os bens penhorados.provar que adimpliu a contraprestação. Ressalvado o caso de insolvência do devedor. arresto de em do devedor não localizado intencional. requerer a citação por edital do devedor. não pagou bem arrrestado se corrola em bem penhorado. II .pleitear medidas acautelatórias urgentes. Art. 615. 652. III . IV . 1. quando por mais de um modo pode ser efetuada. em que tem lugar o concurso universal (art. 751. 612. e julgado improcedente. medida cautelar e não do processo de execução. 654. Obs da pré-penhora art 654/CPC Direito de preferência art 612 Art.

o oficial de justiça procurará o devedor três vezes em dias distintos. Sentença transitou em 17/09/06-----5anos---11/09/11 Ato ilícito prescreve em 3 anos S 150 STF. não encontrando o devedor. A propositura da execução. 653. mas a citação do devedor deve ser feita com observância do disposto no art. dar-se-á: Parágrafo único. mesmo tempo que tem para pretender a ação So e imprescritível ação declaratória art 205 CC Art. A prescrição ocorre em dez anos. Art. A prescrição interrompida recomeça a correr da data do ato que a interrompeu. 219. que somente poderá ocorrer uma vez. Parágrafo único. A interrupção da prescrição. Prescrição art 617/CPC S 150 /STF : Art. 202. arrestar-lhe-á tantos bens quantos bastem para garantir a execução. deferida pelo juiz. Prescrição intercorrente art 202 paragrafo único/CC art 40 paragrafo 4 lei 6830/80 e S 314/ STJ Art. . Nos 10 (dez) dias seguintes à efetivação do arresto. O oficial de justiça. 205. 617.Pode retroagir a datas que houve a lavratura do auto de arresto653. tempo que tem para executar. ou do último ato do processo para a interromper. quando a lei não lhe haja fixado prazo menor. auto de arresto serve como marco de arresto para gerar preferência. não o encontrando. certificará o ocorrido. interrompe a prescrição. a data do auto do arresto. Súmula 150RESCREVE A EXECUÇÃO NO MESMO PRAZO DE PRESCRIÇÃO DA AÇÃO.

202.DJ 18.12/12/2005 .Prazo da Prescrição Qüinqüenal Intercorrente Em execução fiscal. lei 118/2005 s 314 STJ STJ Súmula nº 314 . ainda que pendente apelação contra sentença que julgue improcedentes os embargos.Suspensão do Processo . § 4o Se da decisão que ordenar o arquivamento tiver decorrido o prazo prescricional. nesses casos.2006 Execução Fiscal . não localizados bens penhoráveis.Não Localizados Bens Penhoráveis . de 2004) STJ Súmula nº 317 . enquanto não for localizado o devedor ou encontrados bens sobre os quais possa recair a penhora.05/10/2005 . reconhecer a prescrição intercorrente e decretá-la de imediato.10. não correrá o prazo de prescrição. 40 . poderá. ou do último ato do processo para a interromper . Não localizado o devedor. que somente poderá ocorrer uma vez. A prescrição interrompida recomeça a correr da data do ato que a interrompeu. Acontece quando já tem a execução em curso Sentença 17/11/06 prazo 3 anos execução 17/11/07---------passou + 3 anos----17/11/11 houve a prescrição interiormente lei fiscal 6830/80 art 40 paragrafo 4. e. depois de ouvida a Fazenda Pública. (Incluído pela Lei nº 11.DJ 08.Pendente Apelação Contra Sentença que Julgue Improcedente os Embargos É definitiva a execução de título extrajudicial.02. parágrafo 4 .O Juiz suspenderá o curso da execução.051. suspende por 1 ano o processo art 40. findo o qual se inicia o prazo da prescrição qüinqüenal intercorrente.Dispõe sobre a cobrança judicial da Dívida Ativa da Fazenda Pública Lei 6839/80 Art. pois os atos processuais interrompem a prescrição) art 202 paragurafo único C/C Art. se a execução ficar esquecida por 5 anos há a prescrição interiormente( se não praticar atos processuais. A interrupção da prescrição. suspende-se o processo por um ano. o juiz. dar-se-á: Parágrafo único. Ex: fazenda publica prazo 5 anos. de ofício.2005 Execução de Título Extrajudicial .

O executado será citado para. 655). caso em que o juiz poderá dispensar a intimação ou determinará novas diligências. A rt 222. § 1o Não efetuado o pagamento.382. na inicial da execução. (Redação dada pela Lei nº 11. de 1993) Exceções art 8 da lei 8630/80 e . de 2006). para qualquer comarca do País. de 1993) d) nos processos de execução. (Redação dada pela Lei nº 11. § 5o Se não localizar o executado para intimá-lo da penhora.CPC Art. na mesma oportunidade. o executado. 222. determinar. § 2o O credor poderá. indicar bens a serem penhorados (art.382.382. exceto: (Redação dada pela Lei nº 8.d. 652. (Incluído pela Lei nº 11.710. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. lavrando-se o respectivo auto e de tais atos intimando.Citações: Nos titulos extrajudiciais:art 652/CPC Art.382.710. de 2006). (Incluído pela Lei nº 11. o oficial de justiça procederá de imediato à penhora de bens e a sua avaliação. munido da segunda via do mandado.382. § 4o A intimação do executado far-se-á na pessoa de seu advogado. de 2006). (Incluído pela Lei nº 8. a intimação do executado para indicar bens passíveis de penhora. (Redação dada pela Lei nº 11. de ofício ou a requerimento do exeqüente. no prazo de 3 (três) dias. efetuar o pagamento da dívida. de 2006). não o tendo. a qualquer tempo. § 3o O juiz poderá.382. será intimado pessoalmente. de 2006). A citação será feita pelo correio. o oficial certificará detalhadamente as diligências realizadas.

e será proferido julgamento. § 1º A citação conterá cópia do pedido inicial. Parágrafo único. § 3º O comparecimento espontâneo suprirá a falta ou nulidade da citação . considerar-se-ão verdadeiras as alegações iniciais. 18. com aviso de recebimento em mão própria. dia e hora para comparecimento do citando e advertência de que. convertendo-se o arresto em penhora em caso de nãopagamento. Findo o prazo do edital. contados da data em que foi intimado do arresto a que se refere o parágrafo único do artigo anterior. Elementos objetivos e subjetivos da execução:( as partes que podem figurar a execução) Dos legitimados ativos: Art. III . . certificará o ocorrido.099(LEI DOS JUIZADOS ESPECIAIS) Art. por oficial de justiça.art 18 da lei 9. II . requerer a citação por edital do devedor.por correspondência. Citação penhora certa A parágrafo único. mediante entrega ao encarregado da recepção.o credor a quem a lei confere título executivo. terá o devedor o prazo a que se refere o art. Podem promover a execução forçada: I . arrestar-lhe-á tantos bens quantos bastem para garantir a execução. que será obrigatoriamente identificado. não encontrando o devedor. 653 paragrafo único 654 Art. Compete ao credor. 566.sendo necessário. 654.credor originário Art. 652. § 2º Não se fará citação por edital. Art. de plano.tratando-se de pessoa jurídica ou firma individual. 653. Nos 10 (dez) dias seguintes à efetivação do arresto. O oficial de justiça. o oficial de justiça procurará o devedor três vezes em dias distintos. não o encontrando. 566. não comparecendo este. independentemente de mandado ou carta precatória. A citação far-se-á: I . dentro de 10 (dez) dias.

de 1º. 475. por morte deste. nos casos prescritos em lei Art.1973) IV .o sub-rogado.o novo devedor. (Redação dada pela Lei nº 5. apenas responsáveis Art. (Redação dada pela Lei nº 5. de 1º.II . que assumiu.925.1973) IV e V fiador judicial ex art.1973) V .o responsável tributário.925.1973) I . ou nela prosseguir: I . (Redação dada pela Lei nº 5.o espólio.925. 568 devedor originário devedor superveniente. de 1º. Dos legitimados passivos: Art. de 1º.925. São sujeitos passivos na execução:(Redação dada pela Lei nº 5. de 1º.1973) II . quando o direito resultante do título executivo Ihe foi transferido por ato entre vivos.10.O I .1973) III . com o consentimento do credor. a obrigação resultante do título executivo. reconhecido como tal no título executivo. os herdeiros ou os sucessores do devedor. 567 credor derivado ou superveniente Art.925.o Ministério Público.o devedor. (Redação dada pela Lei nº 5.10. os herdeiros ou os sucessores do credor. 567. Podem também promover a execução. nos casos de sub-rogação legal ou convencional. sempre que. (Redação dada pela Lei nº 5.10. III .10. de 1º.10.925. II . Ihes for transmitido o direito resultante do título executivo.o fiador judicial.o cessionário.10.o espólio. assim definido na legislação própria. 568.

os pais. desde que preste caução e demonstre prejuízo resultante da suspensão dela. Considera-se condição a cláusula que. 940 CPC Art. em qualquer tempo. pelos tributos devidos por seus tutelados ou curatelados. Art. 134. pelos tributos devidos por seus filhos menores. derivando exclusivamente da vontade das partes. 925. respondem solidariamente com este nos atos em que intervierem ou pelas omissões de que forem responsáveis: I .os tutores e curadores. a reparar os danos que o executado haja sofrido. Nos casos de impossibilidade de exigência do cumprimento da obrigação principal pelo contribuinte. se a sentença for reformada. 940. § 1o A caução será prestada no juízo de origem. requerer o prosseguimento da obra. no que couber. II . O nunciado poderá. 121. embora a causa se encontre no tribunal. .Art. no caso de decair da ação. a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição. responder por perdas e danos. tratando-se de obra nova levantada contra determinação de regulamentos administrativos Responsável tributário art 121 C/C art 134 e 135 CTN Art. 475-O. de 2005) I – corre por iniciativa.232. conta e responsabilidade do exeqüente. que o autor provisoriamente mantido ou reintegrado na posse carece de idoneidade financeira para. o juiz assinar-lhe-á o prazo de 5 (cinco) dias para requerer caução sob pena de ser depositada a coisa litigiosa Art. § 2o Em nenhuma hipótese terá lugar o prosseguimento. observadas as seguintes normas: (Incluído pela Lei nº 11. Se o réu provar. A execução provisória da sentença far-se-á.232. subordina o efeito do negócio jurídico a evento futuro e incerto . que se obriga. de 2005) 925. (Incluído pela Lei nº 11. do mesmo modo que a definitiva.

em razão do seu ofício. . São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei. O disposto neste artigo só se aplica. pelos tributos devidos pela massa falida ou pelo concordatário. IV .III .o inventariante. VII . pelos tributos devidos por estes. prepostos e empregados. 135.Ação de Despejo .DJ 29. Art. no caso de liquidação de sociedade de pessoas. 596.22/05/2002 . ou perante eles. V .os administradores de bens de terceiros. pelos tributos devidos sobre os atos praticados por eles. gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado. VI .as pessoas referidas no artigo anterior. Parágrafo único.05. em matéria de penalidades.2002 Fiador não Integrante da Relação Processual .os diretores. o sócio. escrivães e demais serventuários de ofício.os mandatários. demandado pelo pagamento da dívida.Execução do Julgado Responsabilidade O fiador que não integrou a relação processual na ação de despejo não responde pela execução do julgado.os sócios. às de caráter moratório.o síndico e o comissário. Beneficio de ordem art 596 e 597 CPC Art. Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade senão nos casos previstos em lei. II . III . pelos tributos devidos pelo espólio. tem direito a exigir que sejam primeiro excutidos os bens da sociedade. contrato social ou estatutos: I .os tabeliães. Redirecionamento da ação fiscal Fiador extrajudicial S 268 STJ STJ Súmula nº 268 .

382. salvo as restrições estabelecidas em lei.26/04/1995 .do sucessor a título singular. com todos os seus bens presentes e futuros.do sócio. Ficam sujeitos à execução os bens: I . para o cumprimento de suas obrigações. 592. feita a partilha. IV . (Redação dada pela Lei nº 11. O devedor responde. nos termos da lei. que alegar o benefício deste artigo. quantos bastem para pagar o débito. livres e desembargados.do cônjuge. de 2006).do devedor. nos casos em que os seus bens próprios.DJ 05.alienados ou gravados com ônus real em fraude de execução. III . tratando-se de execução fundada em direito real ou obrigação reipersecutória. Hipoteses legais: 12- Bens do sucessor a tutela singular Bens do sócio 3- Bens em poder de terceiros 4- Bens do cônjuge S 134 STJ STJ Súmula nº 134 . II . cada herdeiro responde por elas na proporção da parte que na herança Ihe coube Da responsabilidade patrimonial art 591 e 592 CPC Art.1995 . Art. Art. sitos na mesma comarca. V . reservados ou de sua meação respondem pela dívida. 597. O espólio responde pelas dívidas do falecido. quando em poder de terceiros. § 2o Aplica-se aos casos deste artigo o disposto no parágrafo único do artigo anterior. 591. mas.05.§ 1o Cumpre ao sócio. nomear bens da sociedade.

Ihes for transmitido o direito resultante do título executivo.o cessionário. II . sempre que. os herdeiros ou os sucessores do credor.o espólio. sempre que. ( espolio – quando há inventario. Suspende-se o processo: I .Intimação . Podem também promover a execução. ente despersonalisado) Art Art.o espólio. Elementos subjetivo da execução Credor originário 566 CPC: pode figurar na execução e MP art 567 –I CPC Art. por morte deste. os herdeiros ou os sucessores do credor. Podem também promover a execução. 566. 265.o credor a quem a lei confere título executivo. 265.Embargos de Terceiro .II O CessionárioIII O sub-rogado .o Ministério Público.I suspende-se o processo Art. o cônjuge do executado pode opor embargos de terceiro para defesa de sua meação. 567. II . quando o direito resultante do título executivo Ihe foi transferido por ato entre vivos .Meação Embora intimado da penhora em imóvel do casal. nos casos prescritos em lei Art. ou nela prosseguir: I .Penhora . Ihes for transmitido o direito resultante do título executivo Credor venha a falecer e pode surgir os credores derivados superveniente. 567. 567.Cônjuges . de seu representante legal ou de seu procurador. Podem promover a execução forçada: I .pela morte ou perda da capacidade processual de qualquer das partes. por morte deste. ou nela prosseguir: I .

substituindo o alienante. credor ajuíza execução contra o fiador.10. 568.1973) I .10. A alienação da coisa ou do direito litigioso. § 1o O adquirente ou o cessionário não poderá ingressar em juízo. de 1º.o sub-rogado.III .II. a título particular. os herdeiros ou os sucessores do devedor. de 1º.925.o devedor. por ato entre vivos. 42. a obrigação resultante do título executivo. (Redação dada pela Lei nº 5. (Redação dada pela Lei nº 5. não altera a legitimidade das partes.925.925.10. Art 42 paragrafo 1 adquirente ou cessionário Art.10.III Art. (Redação dada pela Lei nº 5. ou o cedente. de 1º.925.1973) . IV.925. V apenas responsáveis: IV . reconhecido como tal no título executivo. nos casos de sub-rogação legal ou convencional Ex: locatário e fiador condenados.1973) II . de 1º. de 1º. (Redação dada pela Lei nº 5.o espólio.925.10. São sujeitos passivos na execução:(Redação dada pela Lei nº 5. (Redação dada pela Lei nº 5.1973) V .o fiador judicial. assim definido na legislação própria.o novo devedor. sem que o consinta a parte contrária Legitimados passivos: art 568. de 1º.10.1973) Ex: devedor superveniente que assume debito do devedor originário. O credor tem que concordar sessão de debito.1973) III .I. com o consentimento do credor. que assumiu.o responsável tributário. o fiador e executado e paga e se torna credor superveniente e agora cobra do devedor.

Ex: obrigação: patrimonial remete a responsabilidade Gênero elemento pessoal remete a divida .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful