Você está na página 1de 2

Ficha de Formação Cívica

Tema: Direitos e liberdades fundamentais

Data: ___/ ___/ ____ Nome: ____________________________________

Prostituição e tráfego de mulheres

Lê com atenção o texto seguinte:

As novas escravas

«Antes mesmo de Ludmila Ivanova pensar em emigrar, a teia já estava montada. Discreta mas à vista
de toda a gente, impressa em letra de forma, num anúncio de jornal – linhas brilhantes, sedutoras,
perfeitas. Era um estranho pedido de dinheiro, em troco de trabalho como “bailarina”, num soalheiro
país do sul da Europa – e também um ardil. A russa de 21 anos, licenciada em história, foi ingénua.
Talvez porque, afinal, uma amiga já a precedera na aventura ibérica e até casara com um espanhol.
“Queria conhecer outros mundos, sair dali.” Ela era a presa, sem que o soubesse. “Paguei 500 euros”.
O dinheiro que entregara a uma agência de trabalho, percebeu no destino, era apenas metade da pas-
sagem. O restante devia pagá-lo com o corpo, num bordel, em Almeria, na Andaluzia, onde encontrou
mais europeias do leste. Tão enganadas como ela, todas elas ilegais e enlaçadas na teia. Fora traficada:
“Não podia recusar clientes, nem sair sozinha à rua”, recorda. “Fingi-me doente mas, às tantas, tive
mesmo de ir com um homem.”
Esta história não acaba aqui. Ludmila tinha armas para resistir à lei do mais forte. Falava espanhol. E
escondera um cartão de telemóvel. Alguém possuía um aparelho e assim nasceu uma conspiração de
eslavas. Entre todas juntaram 50 euros. Uma saiu com um cliente para passar a noite fora e deixou a
porta aberta. A russa seguiu-a, descalça e chamou um táxi: “Leve-me à polícia”.
Ludmila denunciou o proxeneta que foi algemado à frente das mulheres, e recolheu a um convento:
“Ele disse às outras que me ia matar” (…).

Como Ludmila Ivanova (…), 4 milhões de mulheres caíram nas frotas do tráfico de pessoas para explo-
ração sexual, a que se somam outras 500 mil, em cada ano. Segundo a ONU, esta globalização do
comércio de carne humana é já o terceiro negócio ilícito mais rentável do mundo, depois da droga e
das armas.
No estudo “O Tráfico de Migrantes”, lançado em 2004 (…) é referido um número indicativo de 5 mil
mulheres forçadas a prostituírem-se em Portugal. (…) 80% são brasileiras. (…) O tráfico de pessoas
passa pelas casas de alterne e pela rua, cada vez mais apartamentos e pelos classificados dos jornais:
(…) mas ninguém quer ver: “A prostituição não é ilegal nem ilegal” comenta Joaquim Pedro Oliveira,
do SEF.

Ardil: “glamour” europeu


Tão fácil. A brasileira Sukie, 25 anos, pode dizer que foi traficada, porque perdeu o autocarro, em
Manaus. O atraso permitiu a abordagem por duas mulheres, uma delas idosa, que elogiaram a sua
beleza e lhe ofereceram trabalho na Europa, “no turismo”. Ela pensou que podia ganhar dinheiro para
ajudar a família. Em poucos dias, seguiu para Lisboa, onde a esperava uma portuguesa que a levou
para a Galiza. Só, então, soube que ia fazer “programas”. Existem mais de cem rotas de tráfico de pes-
soas, só no Brasil. Oito destinam-se a Portugal.
A teia monta-se também com gente paga para sinalizar os alvos – os “olheiros”, como no futebol e os
loverboys que simulam apaixonar-se pelas mulheres e, depois, as vendem. São escolhidas até pela
Internet, com a transmissão de fotos entre os seus “agentes”. (…).
Uma boa parte do problema está nos aliciadores. Mónica Goracci, chefe da missão lisboeta da organi-
zação Internacional das Migrações, define-os como “vendedores de sonhos”. Sonhos que se alimentam
nas revistas, nos filmes – “acreditam que há um país maravilha que lhes vai mudar as vidas. Mesmo
que saibam que vão prostituir-se, não estão à espera de ser agredidas, fechadas e roubadas. É isso que
configura o tráfico para exploração sexual.”
A vítima é, também uma imigrante ilegal. Tem medo das redes e de ser expulsa do país. (…).»

Adaptado de “Visão, 1 de Março de 2007


[Reportagem de Henrique Botequilha e Isabel Marques da Silva (texto)
e Lucília Monteiro (fotografias)]

1. Explica o título do texto.


2. Caracteriza a “vítima”.
3. Explica a frase: «Os olheiros e loverboys vendem sonhos».
4. Identifica os factores que conduzem à existência do tráfico de mulheres.
5. O auxílio à imigração ilegal e o lenocínio (fomento da prostituição) são crimes. Infere as
razões que levam as pessoas que tomam conhecimento dessas situações a não denunciá-las.
6. Comenta a afirmação: “O tráfico de mulheres envolve a violação dos direitos humanos”.
7. Sugere algumas medidas destinadas a impedir o tráfico de mulheres.