¯

C 20-1

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

Manual de Campanha

GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO

3ª Edição 2003

C 20-1

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

Manual de Campanha

GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO
3ª Edição 2003 CARGA Preço: R$ EM.................

PORTARIA Nº 121-EME, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003

Aprova o Manual de Campanha C 20-1 - Glossário de Termos e Expressões para uso no Exército, 3ª Edição, 2003. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 113 das IG 10-42 - INSTRUÇÕES GERAIS PARA A CORRESPONDÊNCIA, AS PUBLICAÇÕES E OS ATOS ADMINISTRATIVOS NO ÂMBITO DO EXÉRCITO, aprovadas pela Portaria do Comandante do Exército nº 041, de 18 de fevereiro de 2002, resolve: Art. 1º Aprovar o Manual de Campanha C 20-1 - GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO, 3ª Edição, 2003, que com esta baixa. Art. 2º Determinar que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Revogar o Manual de Campanha C 20-320 - GLOSSÁRIO DE TERMOS E EXPRESSÕES PARA USO NO EXÉRCITO, 2ª Edição, 1992, aprovado pela Portaria Nº 083-EME, de 14 de agosto de 1992.

NOTA
Solicita-se aos usuários deste manual a apresentação de sugestões que tenham por objetivo aperfeiçoá-lo ou que se destinem à supressão de eventuais incorreções. As observações apresentadas, mencionando a página, o parágrafo e a linha do texto a que se referem, devem conter comentários apropriados para seu entendimento ou sua justificação. A correspondência deve ser enviada diretamente ao EME, de acordo com o artigo 108 Parágrafo Único das IG 10-42 - INSTRUÇÕES GERAIS PARA A CORRESPONDÊNCIA, AS PUBLICAÇÕES E OS ATOS ADMINISTRATIVOS NO ÂMBITO DO EXÉRCITO, aprovadas pela Portaria do Comandante do Exército nº 041, de 18 de fevereiro de 2002.

................................................................. Letra L ............................................... Letra J ............................................................................... Letra I ........................................................................................................................... F-1 a F-14 Letra G ............................... E-1 a E-15 Letra F .. O-1 a O-11 Letra P ......................................................................................................... C-1 a C-25 Letra D ........................................................................................................................................................................... N-1 a N-5 Letra O ................................. Q-1 e Q-2 ................................................................... M-1 a M-13 Letra N .................................... 1e2 Letra A .. D-1 a D-15 Letra E ........... P-1 a P-23 Letra Q .................................................... G-1 a G-9 H-1 a H-3 I-1 a I-10 J-1 L-1 a L-6 Letra M ........................................................................................................................................ A-1 a A-29 Letra B ..... Letra H ...............................................................................................................................................................................ÍNDICE DOS ASSUNTOS GLOSSÁRIO DE TERMOS MILITARES Pag Apresentação .............................................................................................................................................................. B-1 a B-7 Letra C .............................................................................................................................................................................................................

.............Pag Letra R ............................................................................................................. Letra Z . Letra U ............................................................................................................................................................... T-1 a T-7 U-1 a U-3 V-1 a V-3 Z-1 a Z-3 ........ R-1 a R-15 Letra S ................................ S-1 a S-13 Letra T .................................................................................................................................................................................................... Letra V .................

b. no âmbito da Força Terrestre. 2. As conceituações estabelecidas não visam. ABRANGÊNCIA a. especialmente aqueles relativos à execução de Operações Militares e o respectivo apoio a essas operações. Os termos e expressões incluídos neste manual. b. a substituir o tratamento detalhado dos diferentes assuntos representados pelos termos ou expressões conceituados. Os termos e expressões especificamente aplicáveis à F Ter foram conceituados com base na doutrina em vigor no Exército. 3. podem ser considerados compreendidos em dois grupos: (1) aqueles aplicáveis a um âmbito militar geral. c. 1 . encontram-se definidos em textos de difusão limitada. porém. Contribuir para a padronização da linguagem militar. OBJETIVOS a.C 20-1 APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE O presente manual tem por finalidade apresentar conceitos sintéticos e objetivos de termos e expressões amplamente utilizados no âmbito da Força Terrestre (F Ter). embora de interesse geral. tratamento esse contido nos diferentes manuais e em outras publicações em vigor. de modo geral. Facilitar o entendimento comum de termos e expressões utilizados em diferentes setores ou situações abrangidas pela doutrina da Força Terrestre. Ampliar a divulgação de conceitos que. e (2) os especificamente aplicáveis à Força Terrestre.

tais termos e expressões deverão. ser harmonizados com os contidos no presente manual. Além dos termos e expressões constantes deste Glossário. progressivamente. eventualmente.C 20-1 c. Todavia. poderão ser encontrados nos diversos manuais que tratam dos assuntos considerados. outros aplicáveis em contextos específicos da doutrina da Força Terrestre. 2 .

A artilharia com essa missão constitui uma reserva de fogos. a fim de preparar a comunidade para se auto-assistir e manter. potência de fogo e proteção blindada) sobre o inimigo. A-1 . Ação corrente Ação estratégica que se traduz no preparo e na aplicação do Poder Nacional para atender à situação normal. desenvolvendo o espírito cívico e comunitário dos cidadãos. no país ou no exterior. imediatamente disponível. Ação comunitária A atividade que visa. de socorro às populações. para resolver problemas imediatos e prementes [além da natureza assistencial e. a normalidade da vida comunitária. para o comandante intervir no combate. a estimular o espírito comunitário do cidadão brasileiro. Ação de choque Efeito resultante do aproveitamento simultâneo das características dos blindados (mobilidade. Ação de conjunto Missão tática padrão pela qual o elemento de artilharia deve proporcionar apoio de fogo à força como um todo. em qualquer situação. em cooperação com as lideranças civis. Esta missão tática é empregada somente nos escalões divisão de exército e superiores.C 20-1 A Ação cívico-social (ACISO) Conjunto de atividades de caráter episódico ou programado de assistência e auxílio a comunidades. às vezes. a ação cívico-social também se insere como assunto civil e colabora nas operações psicológicas].

para impedir que mantenha o controle de um acidente capital ou para repeli-lo de área conquistada. atitudes ou comportamentos favoráveis à consecução de objetivos específicos. na concentração ou na manobra estratégica. realizada na frente selecionada de ataque (faixas do terreno adjacentes ou não. Ação de emergência Ação estratégica que se traduz no preparo e na aplicação do Poder Nacional para atender às situações de emergência. na consecução da Estratégia Nacional. podendo ser de duas ordens: ação corrente e ação de emergência. Ação estratégica A ação orientada para o preparo e a aplicação do Poder Nacional. gerando emoções. Ação dinâmica da defesa Ato ofensivo (ataque limitado ou contra-ataque) que se emprega na condução da defesa para desorganizar a ação do atacante. Ação estratégica militar Aquela que se realiza no deslocamento. A-2 . Ação psicológica Atividade destinada a fortalecer o moral de grupos amigos e influenciar os demais públicos-alvo. Esta missão tática é empregada somente nos escalões divisão de exército e superiores. desencadeadas para realizar um objetivo ou finalidade estratégica pela aplicação da expressão militar do poder nacional. exprimindo um efeito desejado. apoio de fogo à força como um todo e. bem como pelo apoio ao combate decorrente.C 20-1 Ação de conjunto . um conjunto de ações táticas simples para sua consecução. normalmente. onde se espera obter sucesso decisivo no combate ofensivo). com prioridade. adicionalmente. Ação genérica Ação que comporta. reforça os fogos de outra artilharia em apoio a determinado elemento de manobra. restabelecendo o dispositivo do defensor.reforço de fogos Missão tática padrão pela qual o elemento de artilharia proporciona. Ação (esforço) principal Ação caracterizada pelo ataque principal e o (s) mais importante (s) ataque secundário (s).

outros . seja de ambos. sem se engajar decisivamente no combate. que busca conquistar as populações para um movimento político revolucionário pela destruição de bases fundamentais da comunidade que integram. sob pressão. quando as ações preventivas não surtiram efeito. em caráter permanente. num quadro de cooperação com os governos estaduais ou com o Ministério da Justiça. Ações preventivas São àquelas desencadeadas. ou numa situação de não-normalidade. A-3 .bem como pelo apoio ao combate decorrente. necessária à execução de uma operação militar. Elas podem ser desencadeadas numa situação de normalidade. Visam a reverter um quadro de grave comprometimento da ordem pública. Ação secundária Ação caracterizada pelo (s) ataque (s) secundário (s) menos importante (s) . manutenção ou controle proporcione acentuada vantagem a qualquer das forças oponentes. dissimulação. manutenção do contato. Acidente capital Qualquer acidente do terreno ou área cuja conquista. podendo as tropas que a empreenderem combater ou não. Normalmente se restringe às atividades de inteligência e de comunicação social. para uma situação de paz e harmonia social. realizada na frente de ataque onde não se espera obter sucesso decisivo no combate ofensivo. Ação tática Toda ação de combate que implica em movimento tático e articulação. Ações operativas São àquelas desencadeadas. seja de elemento de apoio ao combate. procurando infligir ao inimigo o máximo de retardamento e o maior desgaste possível. troca espaço por tempo. que visam a evitar um emprego prematuro da força terrestre e impedir ou dificultar a eclosão e o agravamento de uma situação de pertubação da ordem. seja de peças de manobra.fixação. apoiando ou coordenando as ações dos órgãos de segurança pública. com aplicação de salvaguardas constitucionais. Ação subversiva Atividade de caráter predominantemente clandestino.C 20-1 Ação retardadora Movimento retrógrado no qual uma força. em caráter episódico.

Administração Atividade que se destina ao gerenciamento dos efetivos prontos. Aditamento Documento colecionado em ordem numérica para ampliar ou esclarecer um adendo. desencadeadas num quadro de comprometimento da ordem pública. as ações operativas de intensidade mais branda. sem aumentar sua capacidade física. Adequação Consiste nos trabalhos para alterar a destinação de uso de um recurso físico já existente. Adendo Documento juntado a um apêndice para ampliá-lo ou esclarecê-lo. e de quantidade e qualidade. quanto à ação. Adequabilidade É a característica do planejamento logístico que representa a possibilidade de resolver o problema considerado em todos os seus aspectos. atender às condições de tempo e espaço. isto é. visando a prover as organizações militares dos recursos humanos necessários para as diversas funções. A-4 . envolvendo apenas as operações tipo polícia. como atividades meio. Acolhimento Operação que consiste na passagem de uma força que retrai através do dispositivo de outra força em posição. em apoio às governamentais principalmente àquelas que se relacionam com as atividades de caráter social e em apoio ao desenvolvimento nacional. podendo esta assumir a missão daquela. em seu todo ou em parte. quanto aos meios. Sua principal tarefa é o controle de efetivos. Ações subsidiárias Ações realizadas pela força terrestre.C 20-1 Ações repressivas São consideradas as ações repressivas.

tudo com a finalidade de proporcionar condições para a aplicação da força militar. Administração militar Conjunto de atividades administrativas relacionadas com o poder militar visando ao planejamento. helicópteros. à coordenação e ao controle de pessoal. e assegurar o apoio logístico. localizar e engajar forças da linha de contato. de forças terrestres ou navais. ampliar o comando e controle. Aeromobilidade Capacidade que uma força. Aeroestratégica Atividade. operação ou organização que envolve meios aéreos e meios navais. redirecionar a manobra. de caráter estratégico. visando objetivos mais amplos. antecipando-se ao inimigo. operação ou organização relacionada com o emprego da Força Aérea. Aerotática Atividade relacionada com o emprego da Força Aérea em proveito próprio. controlar as áreas de retaguarda. em um teatro de operações. possui para: atuar em profundidade. organização e meios relacionados com o uso da mobilidade tática proporcionada na área de operações à força de superfície por aeronaves. operação. a fim de cumprir uma missão no quadro de manobra tática. Aeronave de ligação e observação Aeronave de pequeno porte. recursos e instalações. A-5 . particularmente.C 20-1 Administração de pessoal Processo de planejamento. organização. alertar sobre o esforço inimigo. tendo em vista a adequada utilização do potencial em pessoal de uma organização. controle e supervisão das atividades relativas aos recursos humanos. reorganizar o apoio ao combate. Aeronaval Atividade. empregando meios aéreos no campo de batalha. Aeromóvel Atividade. à organização. destinada a fazer ligação entre determinados comandos das forças de superfície e realizar observação aérea em proveito dessas mesmas forças.

denunciam através de palavras de ordem. que trabalham com as massas. levando-os a apoiar as suas causas. equipamento e material diverso transportado por aeronave. operações psicológicas. com organização e doutrina constantes de manual específico. Este processo desenvolve-se por meio de pressões. sabotagem. em função deles. as falhas e fracassos do governo e das instituições. Caracterizam-se quando a força adversa possui um braço armado. comícios. selecionados e treinados para atividades específicas. Agitação e propaganda O processo que permite à força adversa influir no comportamento de indivíduos e grupos sociais.C 20-1 Aeroterrestre Atividade. usado na realização de exercícios escolares. Aerotransportado Pessoal. A-6 . Agitadores São os ativistas de formação mais fácil e rápida. nos movimentos reivindicatórios. Agentes armados São os militantes formados para a execução das ações armadas da força adversa. Exploram fatos concretos ocorridos e. Agressor Inimigo fictício. resistência passiva e terrorismo. em áreas operacionais extracontinentais. combinada ou conjunta. Caracterizam-se como homens de poucas palavras para muitas pessoas. Dirigem-se a grandes públicos. Agentes especiais São elementos altamente comprometidos com a força adversa. como sabotadores e terroristas. greves e distúrbios. operação ou organização relacionada com o movimento aéreo de uma força (particularmente pára-quedista) e sua introdução por lançamento ou aterragem numa determinada área para execução de uma missão tática ou estratégica com objetivo profundo em terra. Agrupamento bateria Reunião de duas baterias de artilharia antiaérea em que uma delas fica vinculada ao comando da outra em situação de reforço. passeatas e assembléias.

Águas interiores Águas internas. participar em ações de segurança interna. de mesmos valores. ou sejam. o aliciamento pode ter como alvo todas ou uma determinada classe da sociedade. proporcionam flexibilidade à organização para o combate. rios. cabe-lhe. sob um mesmo comando. pela diversidade e de tipos e calibres. que reúne. também. Ala Força que opera no flanco. ocupa determinada posição em relação a outra chamada guia ou líder. de treinamento e/ou emprego em operações independentes. meios aéreos de idêntica missão. as quais. lagos. Agrupamento grupo Reunião de dois grupos de artilharia em que um deles fica vinculado ao comando de outro em situação de reforço. Conforme os objetivos da força adversa. ancoradouros e certas baías. Águas territoriais Águas constituídas pelo mar territorial e as águas interiores. integrada. conjuntas e/ou combinadas. É realizado por meio de contatos pessoais. Aliciamento Forma de atuação das forças adversas que consiste na conquista de adeptos para a causa da força adversa. de valor mínimo de um esquadrão aéreo e máximo de um grupo aéreo. parte de força que está à direita ou à esquerda do corpo principal. meios de apoio de suprimento e manutenção e meios de apoio auxiliar e administrativo. Na antiaérea é denominada de Agrupamento de Artilharia Antiaérea. para fins de adestramento. bem como o espaço marítimo compreendido entre o litoral e a linha de base estabelecida para a medição de faixa do mar territorial. A-7 . em uma formatura. Unidade aérea isolada. mares internos. Aeronave que.C 20-1 Agrupamento de artilharia Escalão intermediário de artilharia constituído de um comando e bateria de comando e de número variável de unidades de artilharia (normalmente de 2 a 6 grupos). formação de grupos de estudo ou reuniões informais.

ao desconforto. A-8 . Ambiente operacional Parte do ambiente terrestre que reúne um complexo de características fisiográficas. Cada unidade de tarefa só pode ter um alvo prioritário a ela designado. Ampliação Consiste nos trabalhos destinados a aumentar a capacidade de um recurso físico já existente.C 20-1 Alocação de armas Designação de meios a empregar em uma ação de defesa aeroespacial ativa. onde está permanentemente submetido ao perigo. sociais e humanas que se caracterizam pelos grandes conglomerados humanos. sociais e humanas que se caracterizam pelos grandes espaços. Diz respeito à natureza do alvo que se quer bater. com alta densidade demográfica. de uma pista de pouso. Ambiente urbano O conjunto das condicionantes físicas. à fadiga e às intempéries. distante dos grandes conglomerados urbanos. à hostilidade do inimigo. de um alojamento ou de parte de um sistema. Alvo prioritário Alvo sobre o qual os fogos são imediatamente desencadeados quando o pedido de tiro é realizado. Ambiente rural O conjunto das condicionantes físicas. circunstâncias e influências próprias que afetam de modo peculiar o desenvolvimento das operações militares e os procedimentos de combate. Alvo de alta prioridade Alvo cuja perda pelo inimigo pode trazer grande vantagem à força amiga. com problemas de ausência de infra-estrutura e baixa densidade demográfica. Pode ser de um pátio ferroviário. Ambiente de combate Aquele em que vive e atua o combatente na frente de combate.

político. Análise de alvo Estudo das características e dos aspectos operacionais de um alvo de modo a determinar a sua importância militar. econômico. mediante o uso de técnicas diversas. Anfíbio Diz-se das operações e das forças que participam do desembarque em uma praia hostil a partir de navios ou de uma costa. Anexo Documento correlacionado em ordem alfabética para ampliar ou esclarecer. a partir daí. se necessário. Carro ou viatura que tem capacidade de se mover tanto em terra quanto navega na água. a oportunidade. A-9 . aprimorando e completando as próprias e concluindo pelas vantagens e desvantagens de cada uma delas e pelos fatores preponderantes que condicionam o cumprimento da missão. concluindo sobre seus efeitos nas operações próprias e do inimigo. Análise prospectiva Consiste em um método sistemático que investiga. concluindo por um novo enunciado em que inclui as ações a realizar. Análise das linhas-de-ação opostas Fase do estudo de situação em que o comandante faz o confronto dialético das suas linhas-de-ação com as linhas-de-ação prováveis do inimigo. e a sua finalidade. impostas e deduzidas. Análise da missão Fase do estudo de situação em que o comandante faz a interpretação da missão que recebeu.C 20-1 Análise da área de operações Fase do estudo de situação em que o comandante avalia as condições meteorológicas e o terreno e aprecia as condições políticas. o texto de uma ordem. psicossocial ou de relações internacionais. entre outros. o meio mais adequado e o método mais eficiente para o ataque. as tendências e a dinâmica de evolução de determinado sistema militar. tecnológico. econômicas e psicossociais locais.

Apêndice Documento colecionado em ordem numérica para ampliar ou esclarecer. Como forma de emprego da engenharia. considerada como um todo ou não. com a finalidade de aumentar o poder de combate das unidades de manobra.C 20-1 Antagonismo Óbices internos ou externos que. Sob tal forma de apoio. ou em proveito comum de dois ou mais de seus elementos componentes. Apoio aéreo imediato Apoio aéreo para atender necessidades específicas que surjam no decorrer do combate e que. especialmente a uma de suas subdivisões. Apoio ao combate Ato ou efeito realizado pelo apoio de fogo. pelo apoio de engenharia ou pelo apoio de comunicações e guerra eletrônica. realizadas em coordenação com as respectivas forças. um anexo. proteção ou complementação que um elemento ou força proporciona a outro. se necessário. se contrapõe à consecução e manutenção dos objetivos nacionais permanentes. o apoio ao conjunto se caracteriza pela realização de trabalhos em proveito do conjunto da grande unidade ou da unidade apoiada. manifestando atitude deliberada e contestatória. A-10 . não pode ser planejado antecipadamente. Apoio Ajuda. Apoio aerotático Ato ou efeito de ações áreas de auxilio direto às operações terrestres ou navais. Apoio aéreo Todas as formas de apoio fornecido pelas forças aéreas às forças em terra ou em mar. as unidades de engenharia permanecem centralizadas sob o comando da engenharia do escalão considerado. por sua natureza. Apoio ao conjunto Apoio proporcionado a uma força.

É empregado. Apoio de fogo Ato ou efeito de fogo sobre determinados alvos ou objetivos. sem vinculação específica a qualquer organização militar subordinada. o elemento ao qual se atribuiu essa missão presta apoio à força como um todo. Apoio ao conjunto . se puder exercer convenientemente controle sobre a mesma. É aquele em que o combatente de apoio emprega a tropa sob seu comando em apoio a uma unidade ou fração que não o possui. por período limitado. sem alterar a organização para o combate existente. realizados por elemento. Um elemento de guerra eletrônica em apoio ao conjunto atenderá às necessidades da força como um todo. nos escalões exército de campanha. A-11 . Prioritariamente. diretamente.C 20-1 Apoio ao conjunto de guerra eletrônica (GE) Apoio proporcionado por elemento de guerra eletrônica orgânico da força. para atender a uma determinada situação de combate. aos pedidos por ela formulados. Apoio de fogo adicional Acréscimo de apoio de fogo proporcionado pela artilharia do escalão superior. Apoio aproximado Ato ou efeito da força de apoio contra alvos ou objetivos situados tão próximos da força apoiada que exigem integração e coordenação detalhada da ação de apoio com o fogo.reforço de guerra eletrônica Apoio caracterizado pela fusão de missões de apoio ao conjunto e reforço de guerra eletrônica. movimento ou outras ações da força apoiada. unidade ou força. unidade ou força. Apoio direto Apoio proporcionado à determinada organização militar por um elemento não subordinado à mesma. normalmente. ou em reforço ou integração. que atende. para apoiar ou proteger outros elementos. cabendo a este determinar as prioridades dos trabalhos a serem realizados. reforçando outro elemento de guerra eletrônica. Caracteriza-se pela ligação permanente entre os elementos de apoio e o apoiado.

Apoio por área Forma de apoio logístico em que este é prestado a todas as forças e organizações militares localizadas ou em trânsito em determinada área geográfica. permanecendo sob comando da força a qual pertence. Apoio mútuo Ajuda recíproca que dois combatentes ou que duas forças se proporcionam pelo fogo. Apoio geral Missão tática padrão pela qual o elemento de artilharia proporciona um apoio de fogo contínuo e cerrado ao elemento de manobra ao qual é subordinado. o elemento de guerra eletrônica não lhe fica subordinado. em determinada e específica tarefa no teatro de operações. saúde. engenharia e salvamento para sustentar a capacidade de operar e de durar na ação das forças em campanha. suprimento. seja para uma unidade. transporte. manutenção. Apoio específico Aquele proporcionado por um elemento de manobra a um elemento apoiado. os fogos e ações do inimigo. abrangendo a execução de atividade da função logística de recursos humanos.C 20-1 Apoio direto de guerra eletrônica Apoio proporcionado a uma força por elemento de guerra eletrônica que não lhe é subordinado. Embora atenda às necessidades dessa força em primeira prioridade. garantindo segurança e auxílio uma à outra e dividindo a atenção. grupo de unidades ou uma área. pela proximidade e atuação. seja em apoio aos elementos de primeiro escalão. Apoio logístico Aquele prestado por organizações militares específicas. A-12 . empregando seus fogos. Apoio por unidade Forma de apoio logístico em que este é levado até uma força ou conjunto de unidades nas áreas em que estão estacionadas ou operando. Apoio por tarefa Apoio fornecido por um elemento de apoio logístico apenas dentro do tipo ou qualidade da atividade especificada. seja no ataque a alvos que interessam à força como um todo.

completam a preparação para o combate e aprontam-se para o embarque. pela engenharia em apoio. pela engenharia em apoio. Aproveitamento do êxito Operação que se segue a um ataque bem sucedido e que. Apoio suplementar por área Consiste na realização. necessárias para tornar uma força pronta para o emprego a qualquer momento. incluindo instrução. na zona de ação do escalão apoiado. A-13 . claramente especificado(s). Apoio suplementar específico Consiste na execução. adestramento e preparo logístico. colocando a unidade (mesmo na situação normal em quartéis) tão completamente pronta quanto possível para embarcar ou entrar em ordem de marcha com rapidez. de determinado(s) trabalho(s). de trabalhos de engenharia em parte da zona de ação de escalão apoiado. sobre o mesmo. viaturas. elevado grau de controle. em dificuldades para manter suas posições. reconhecidamente. Caracteriza-se por um avanço contínuo e rápido das forças amigas. Pode apresentar as seguintes modalidades: por área. específico e por combinação dos dois. normalmente.C 20-1 Apoio suplementar Forma de suprir a insuficiência de engenharia de um determinado escalão que já a possua. Conjunto de medidas. com a finalidade de ampliar ao máximo as vantagens obtidas no ataque e anular a capacidade do inimigo de reorganizar-se ou de realizar um movimento ordenado. Apronto operacional Conjunto de providências iniciais de aprestamento do material. tem início quando a força inimiga se encontra. Ardil Artifício empregado para desviar a atenção do inimigo de determinadas atividades ou iludí-lo em relação ao que observa. Aprestamento Procedimento pelo qual unidades participantes de uma operação aeroterrestre se deslocam para estacionamento nas vizinhanças dos pontos de embarque. equipamentos. quando o comando a que pertence o elemento designado para o apoio puder exercer.

de prisioneiros de guerra e de material capturado. É a principal área de operações das forças de guerrilha. contendo as facilidades para o desembarque de tropas e de material de apoio das forças em terra. Área coração Expressão genérica que designa o conjunto de áreas vitais de máxima importância estratégica para uma nação. mas que não se encontra sobre controle efetivo nem das forças de guerrilha nem das forças legais. que tentam colocar parcela cada vez maior dela sob seu efetivo controle. destinada ao desdobramento de instalações logísticas para o apoio a determinado elemento ou força. é especialmente visada pelos ataques do inimigo.C 20-1 Área Superfície delimitada. por sua importância estratégica. as áreas de transportes e as áreas de apoio de fogo nas vizinhanças imediatas das raias de embarcações. Área amarela Área na qual as forças de guerrilha operam com freqüência. Área crítica Área que. Área de assalto Área que inclui as áreas de praia. A-14 . bem como para a evacuação de baixas. Área de apoio de fogo Área. as raias de embarcações. interesse ou atividade. as linhas de partida. Área de apoio de praia Área na praia de desembarque. dentro da área de desembarque. pelo destacamento de praia. as áreas dos navios de desembarque. organizada e operada. Área de apoio logístico Área delimitada. inicialmente. que define jurisdição. Área de aproximação de praia Área situada entre a linha de partida e as praias de desembarque. em que operam os navios que prestam apoio de fogo naval a uma força de desembarque ou a uma força terrestre que se desloque próxima do litoral.

situado suficientemente longe dos rios destinado a permitir a utilização máxima das estradas alternativas para os locais de travessia. mediante autorização do comando superior. de cada elemento subordinado nas operações de selva. na qual são reunidos os meios. A-15 . caracterizando a responsabilidade tática e territorial de cada comando. Área de coordenação de fogos Área dentro da qual o desencadeamento de fogos obedece determinadas restrições ou critérios.C 20-1 Área de carregamento Região que. ativada e delimitada pelo Comando Militar de Área. Área de concentração Área. oferecendo características de terreno favoráveis a operações de aeronaves e situando-se adequadamente dentro de determinada situação tática. de pacificação e outras conduzidas em zonas autônomas. presta-se ao embarque de pessoal ou material para a execução de transporte aéreo. por subdivisão. Caso haja necessidade do cumprimento de uma missão que contrarie as restrições. Área de cobertura anti-submarino Área dentro da qual os elementos aéreos e de superfície com a missão de cobertura anti-submarino operam para proteger os navios da força anfíbia. Área de combate Espaço da área de operações delimitada e designada para atuação de uma unidade ou força e. geralmente no teatro de operações. Área de conflito Área geográfica situada nas regiões fronteiriças. Área de controle Local de permanência de viaturas nas operações de transposição de cursos de água. onde serão desencadeadas ações operativas para se contrapor às ameaças que ponham em risco a soberania e a integridade do território nacional. antes do início das operações ativas. torna-se obrigatória a coordenação com o comando que a estabeleceu.

selecionada(s) ao longo das vias de acesso do inimigo. delimitada pela cabeça-de-praia. onde suas formações blindadas tornam-se vulneráveis ao fogo concentrado das armas anticarro. Área de desembarque Área usada para desembarque de tropa e de material. especialmente nos blindados inimigos. Área de engajamento Região selecionada pelo defensor. Tem a finalidade de causar o máximo de destriução. compreendendo as áreas de mar. às margens das estradas que demandam os locais de pontes e portadas. A-16 . Área de destruição de blindados Área(s) crítica(s). dentro da qual são executadas as operações de desembarque de uma força-tarefa anfíbia. empregados em primeiro escalão. com sua mobilidade restringida pelo sistema de barreiras.C 20-1 Área de defesa avançada Área defensiva compreendida entre o limite avançado da área de defesa avançada e o limite de retaguarda dos elementos diretamente subordinados. Área de dispersão Em operações de transposição de cursos de água. e de provocar o choque mental e físico pela violência. onde a tropa inimiga. compreendendo uma ou mais zonas de lançamento ou pista de pouso. completa-se a preparação e se processa o embarque ulterior (posterior). por lançamento aéreo ou por pouso de aeronave. região situada na área de travessia. parte da área do objetivo. pela área de cobertura anti-submarino e pelo espaço aéreo correspondente. Em operações anfíbias. é engajada pelo fogo ajustado. na qual as viaturas param e se dispersam quando o fluxo do tráfego estiver interrompido ou quando ocorrer uma queda no rendimento dos meios de travessia. Área de embarque Área que abrange vários pontos de embarque na qual se reúne pessoal e material. simultâneo e concentrado de todas as armas de defesa. surpresa e letalidade dos fogos aplicados. terra e espaço aéreo necessários para executar e apoiar o desembarque e estabelecer a cabeça-de-praia da força de desembarque.

se necessário. Área de influência Parte da área de operações na qual o comandante é capaz de influenciar diretamente no curso do combate. Área de fogo livre Área específica na qual qualquer meio de apoio de fogo pode atuar sem a necessidade de coordenação adicional com a força que a estabeleceu. exceto se a missão de tiro provém da força que estabeleceu a área e existe necessidade de se apoiar determinada tropa amiga em situação crítica. no interior da mesma. Normalmente. Área de escala de tropa Área utilizada pelas tropas a embarcar durante seu deslocamento das áreas de estacionamento e/ou aquartelamento para a área de embarque. Área de espera Local de permanência de viaturas nas operações de transposição de cursos de água. A-17 . Área de estacionamento Área destinada à acomodação temporária de unidades de tropa e pessoal em trânsito nas vias de transporte. antes de serem chamadas a contrabordo dos transportes. mediante o emprego do poder de combate de suas tropas. reparos de emergência. Área de fogo proibido Área onde nenhum meio de apoio de fogo pode desencadear fogos. Nas operações centralizadas. a área de influência se confunde com a zona de ação e nas operações descentralizadas os limites da referida área se confundem com o alcance efetivo das armas de apoio. na vizinhança imediata da área de travessia. Em operações anfíbias. é uma área destinada à reunião de embarcações de desembarque vazias.C 20-1 Área de escala Área que pode ser usada por uma força-tarefa anfíbia no percurso entre a área de embarque e a área do objetivo para fins de apoio logístico. cada comando possui os meios necessários para obter informações dentro de sua área de influência. quando este deslocamento não puder ser feito sem interrupções. redistribuição de forças e ensaio final. situado na margem amiga ou inimiga. para receber o pessoal e o material.

Área de operações Ampla área geográfica onde são planejadas ou executadas operações militares. tanto à frente como nos flancos e retaguarda. para qual os navios de desembarque se encaminham a fim de aí lançarem viaturas anfíbias. Não representa um limite para a instalação dos demais elementos da unidade (subunidade). Área de reagrupamento Local em que unidades ou forças são reunidas e reorganizadas após uma ação. Genericamente. onde os fatores e acontecimentos que nela se produzam possam repercutir no resultado ou afetar as ações. espaço delimitado em linhas gerais. em preparação para operações posteriores. Área de recuperação Área destinada a receber unidades recentemente retiradas de combate ou de serviços pesados para fins de repouso. Área de posição Parte do terreno ocupada ou a ser ocupada por uma unidade (subunidade) de artilharia com seus elementos de tiro. as operações atuais e as futuras. Área de lançamento de viaturas anfíbias Área localizada nas vizinhanças da linha de partida. recuperação e reposição do material. além da preparação para emprego futuro. Área de pacificação Área onde serão desenvolvidas as operações de garantia da lei e da ordem nas situações de normalidade e não-normalidade institucional. climáticas e humanas. A-18 . recompletamento dos claros. extensão de território. Área de objetivo de interesse Área(s) favorável(is) onde o inimigo ou os objetivos no terreno podem ser atacados.C 20-1 Área de interesse Área geográfica que se estende além da zona de ação. com suas características e influências topográficas. É constituída por áreas adjacentes à zona de ação.

C 20-1 Área de repouso Área preparada. A-19 . Área de reunião Em operações anfíbias. Área de reserva Área defensiva compreendida entre o limite de retaguarda dos elementos empregados em primeiro escalão e o limite de retaguarda do escalão considerado. Área de retaguarda Espaço geográfico . Área de segurança Região situada à frente da área de defesa avançada. Área de segurança integrada Subdivisão da Zona de Segurança Integrada. destinada a receber pessoal recentemente retirado de combate ou de serviços pesados para fins de descanso e recuperação física.porção da zona de ação atribuída a uma força terrestre destinado ao desdobramento da reserva. onde o vôo é livre e o fogo só pode ser aberto sobre aviões previamente designados como alvos a engajar. e que corresponde a uma área atribuída a responsabilidades de uma Divisão de Exército ou Região Militar. depois de serem carregadas e antes de se dirigirem para a linha de partida. para fins de planejamento de garantia da lei e da ordem. Área de responsabilidade Área necessária à execução de operações militares atribuída a uma força. área onde se reúnem embarcações de desembarque e viaturas anfíbias para formar vagas. quanto a execução de ações ou medidas preventivas e de caráter permanente. particularmente nas atividades de inteligência e comunicação social. dos elementos de apoio ao combate e de apoio logístico desta força. onde atuam as forças do escalão de segurança da defesa. Área de sobrevôo livre Área restrita.

os navios-aeródromos de helicópteros de assalto lançam e recolhem os seus helicópteros. ficam sob o controle dos comandos de zona de segurança integrada. de áreas sensíveis em áreas problemas. Área de transferência Em uma operação anfíbia. dentro do planejamento global da defesa. Área defensiva Região onde se desdobra um escalão defensivo que dispõe de forças e fogos. Área do objetivo Área em que se acha localizado o objetivo a ser capturado ou atingido. situada dentro da área de cobertura antisubmarino. definida pela autoridade competente. normalmente para fins de planejamento de garantia da lei e da ordem. não sediar organização militar da força terrestre e ser desprovida de potenciais forças adversas que possam transformar estas áreas. Estas áreas. Área do escalão do mar Parte da área de desembarque. a área de defesa avançada e a área de reserva. na qual os aviões podem penetrar desde que autorizados e obedecendo às normas de sobrevôo preestabelecidas. Área dos navios-aeródromos de helicópteros de assalto Áreas situadas ao longo e nos flancos das áreas externas de transporte e das áreas de navios de desembarque. Área de vigilância Áreas que se caracterizam pela existência de espaços vazios. área compreendida pelos locais de travessia e o terreno circunvizinho que é sujeito aos fogos inimigos.C 20-1 Área de sobrevôo proibido Área(s) restrita(s). mas dentro da área de cobertura antisubmarino. Elas ficam dentro da área de assalto. Área de travessia Em operações de transposição de cursos de água. para fins de comando e controle. A-20 . no todo ou em parte. onde operam os navios que aguardam sua vez para penetrar na área de assalto ou que já foram descarregados. área de segurança integrada ou subárea de segurança integrada. compreendendo a área de segurança. Nelas. área em que se efetua a transferência das tropas e suprimentos das embarcações de desembarque para as viaturas anfíbias. quando caracterizadas.

em caráter permanente ou transitório. tráfego de embarcações e ação inimiga. normalmente definida por limites políticoadministrativos. em princípio. Área geral de desembarque Setor(es) da área de objetivo anfíbio. onde prepondera o interesse nacional. Área operacional Área estratégica. para onde os transportes podem movimentar-se a fim de acelerar a descarga. perigo à navegação. relacionada com o planejamento de ações predominantemente do campo militar e onde possíveis operações militares poderão ocorrer. o desembarque e as operações posteriores para a conquista de uma cabeça-de-praia.C 20-1 Área dos transportes Área marítima estabelecida nas proximidades da área de aproximação de praia para permitir o estacionamento dos transportes durante as operações de descarga. a despeito dos óbices que se possam opor. Área indispensável à segurança nacional Área do território brasileiro. de maneira a assegurar a manutenção dos objetivos estratégicos. Área estratégica Região de natureza geográfica ou setores que envolvem atividades humanas. para onde se dirigem os transportes de assalto logo que cheguem à área do objetivo. em cujo interior existem os objetivos da força-tarefa anfíbia e onde a situação do inimigo e as características da área permitem considerar exeqüível. ou parte dela. Área externa dos transportes Área demarcada no interior da área de cobertura anti-submarino. Área onde se localizam ou possam realizar-se ações estratégicas relacionadas com o preparo e a aplicação do poder nacional sob quaisquer de suas expressões. A-21 . Área interna dos transportes Área tão próxima às praias de desembarque quanto permitido pela profundidade. caracterizadas por óbices existentes ou potenciais. em face de realização de atividades ligadas ao desenvolvimento e/ou à segurança. Faz parte da área de assalto.

São exemplos: área de sobrevôo proibido. Área sensível Área física ou da atividade humana. Área-problema Área(s) sensível(is).C 20-1 Área operacional de guerra irregular Área geográfica selecionada e designada pelo comandante do teatro de operações. Área vermelha Área sob o controle contínuo ou intermitente das forças de guerrilha. A-22 . Área restrita de defesa antiaérea Área e espaço aéreo correspondente. são desdobrados os destacamentos de forças especiais para a condução da guerra de guerrilha com base em forças locais. o inimigo localiza suas instalações e bases e opera com relativa impunidade. às ações de franco-atiradores e às operações de inquietação. às pequenas emboscadas. às pequenas emboscadas. normalmente. na qual não são adotadas ou foram suspensas as medidas rigorosas de controle da vida normal da população. a população apóia. onde as força adversas se apresentam organizadas e atuantes. Nessas áreas. onde. que por suas características e/ou problemas conjunturais pode ser explorada pela força adversa. Nela. Nessa área. o movimento revolucionário. área de sobrevôo restrito ou área de sobrevôo livre. compreendendo águas e terreno. Área ribeirinha Área do interior. onde vigoram medidas especiais para vôo de aeronaves amigas. ou às incursões. Área sob o firme controle da força legal. Nessa área. às ações de franco-atiradores e às operações de inquietação. as atividades das forças adversas restringem-se às clandestinas. explorando os pontos de tensão existentes ou potenciais. Área verde Área sob firme controle da força legal. voluntariamente ou sob coação. caracterizada por linhas de comunicações terrestres limitadas e pela existência de aquavias. as atividades do inimigo limitam-se às ações clandestinas ou às incursões. normalmente.

Arma nuclear Qualquer engenho cujo efeito destruidor resulta de energia liberada pela fissão ou fusão do átomo . Artigos críticos São itens que. na quantidade equilibrada e adequada de elementos de manobra e de apoio ao combate. Artigo controlado Artigo referente a qualquer classe de suprimento que. é utilizado de acordo com diretrizes baixadas por determinado escalão de comando.C 20-1 Área vital Área onde se acham localizados pontos vitais suficientemente próximos. Elas se localizam. proporcionando-lhe uma capacidade integral de realizar o combate. Áreas externas de navios de desembarque Áreas para as quais os navios de desembarque inicialmente se dirigem. seja ele peça ou conjunto. cujo fornecimento. Artigo Designação genérica que pode ser dada a qualquer tipo de material. São classificados como controlados ou regulados. pelas suas características. nos flancos das áreas externas de transporte. por sua natureza crítica ou por existir em pequena quantidade. após a sua chegada à área do objetivo. Armas combinadas Constituição de uma força em que as organizações militares componentes são unidades das diferentes Armas. podendo referir-se a um ou vários itens de suprimento. normalmente. está submetido a um controle específico. por motivos especiais. Artigo regulado Artigo referente a qualquer classe de suprimento. merecem tratamento especial. A-23 . de maneira a formarem um conjunto único.

inclusive. inclusive. visando a conquista e manutenção de regiões do terreno e a participação na destruição de forças inimigas. inclusive. mas bem ordenado. Artilharia pesada A constituída por canhões e obuses de calibre superior a 160 mm. contra um objetivo local. até 210 mm inclusive. realizada num quadro de operações aeromóveis. A-24 . sob o comando da força superfície.C 20-1 Artilharia divisionária Artilharia orgânica de uma divisão de exército. Assalto aeromóvel Missão de combate. Ataque curto. compreendendo o choque com o inimigo em suas posições. Artilharia muito pesada A constituída por canhões e obuses de calibre superior a 210 mm. Assalto aeroterrestre Fase de uma operação aeroterrestre. na qual uma força-tarefa aeromóvel. Artilharia média A constituída por canhões e obuses de calibre de mais de 120 mm até 160 mm. durante a qual as unidades aeroterretres são lançadas ou aterram sob controle descentralizado para conquistar objetivos iniciais. Assalto Fase final de um ataque. interditar áreas e preparar o desembarque subseqüente de outros elementos. Aspiração(ões) nacional(is) A projeção e a integração dos interesses nacionais na consciência da nacionalidade. toda artilharia colocada sob comando do comandante da divisão de exército e por este empregada diretamente. Artilharia leve A constituída por canhões e obuses de calibre até 120 mm. violento. Para fins operacionais. desloca tropa adestrada e equipada.

Assuntos civis Conjunto de atividades referentes ao relacionamento do comandante e dos demais componentes de uma organização ou força militar com as autoridades civis e a população da área ou território sob a responsabilidade ou jurisdição do comandante dessa organização ou força. em proveito da operação realizada pelo escalão enquadrante. a fim de auxiliar o comandante no esforço de elevar e manter o moral da unidade. Assistência ao pessoal Conjunto de atividades administrativas que trata o pessoal como indivíduos. simultaneamente ou sucessivamente. A-25 . após esclarecer a situação e analisar os fatores da decisão. reconhecimentos detalhados. na qual uma força de helicópteros. por uma força de desembarque. sem executar as medidas normalmente exigidas em um ataque coordenado. Assinatura eletrônica do emissor Técnica de identificação de um emissor específico. movimento e ação de choque contra uma resistência ou posição defensiva do inimigo. sobre a qual as informações disponíveis indicam a necessidade de um planejamento completo. reforçada ou não por elemento de força superfície. é empregada para neutralizar ou destruir forças ou instalações inimigas. Ataque Ato ou efeito de dirigir uma ação ofensiva contra o inimigo. realizada num quadro de operações aeromóveis.C 20-1 Assalto anfíbio Tipo principal de operação anfíbia envolvendo ações empreendidas. de forma a explorar uma determinada situação. Ataque aeromóvel Missão de combate. o comandante conclui sobre a viabilidade de realizar um ataque imediato. para o estabelecimento de uma cabeça-de-praia em território sob o poder do inimigo e enfrentando sua oposição. Ataque coordenado Operação ofensiva que consiste em combinar fogo. baseada em parâmetros únicos que associam a emissão a um determinado posto ou localização. centralização das ações e esforço coordenado por parte dos escalões executantes. Ataque de oportunidade Ataque realizado quando.

em relação ao ataque principal. com a finalidade de criar condições e contribuir para o êxito do ataque principal. Caracteriza-se. pela superioridade de forças. é executado por escalão a partir do escalão divisão de exército. No ataque coordenado.C 20-1 Ataque diversionário Ação em que uma força ataca ou faz crer que ataca com o propósito de afastar as defesas inimigas do esforço principal (Ver definição de Demonstração e Finta). Atitude defensiva Atitude que se caracteriza por ceder a iniciativa das ações ao inimigo. inclusive. Atitude Concepção da forma de operar a nível de estratégia operacional. pode ser realizado por um ou mais dos elementos de manobra da força atacante. Ataque parcelado Ataque em que o comandante de determinado escalão emprega seus meios à proporção que se tornam necessários ou disponíveis. A-26 . geralmente. com a mesma intensidade. ou para fixá-lo numa ação secundária. Ataque frontal Forma de manobra ofensiva. Normalmente. empregando um poder de combate esmagador sobre um inimigo consideravelmente mais fraco ou desorganizado. sem que isto implique no emprego de todos os elementos em linha. Atitude ofensiva Atitude que se caracteriza pela manutenção da iniciativa e. por receber uma frente normalmente maior e uma menor dosagem de meios. Ataque principal Ataque por meio do qual é lançada a maioria dos meios disponíveis. podendo ser ofensiva ou defensiva. para destruílo ou capturá-lo. Ataque secundário Qualquer ataque de menor importância em relação ao ataque principal. por força a que represente o esforço principal para a conquista de determinado objetivo. que consiste em um ataque incidindo ao longo de toda a frente. tirando partido de uma superioridade tática momentânea.

adotando. prevalentemente.C 20-1 Atitude operativa No quadro de operações de garantia da lei e da ordem. de medidas preventivas. Deve ser acompanhado de documentos complementares. determinando as providências decorrentes dessa adotação. identificar e atacar posições de artilharia de tubo. interdependência ou de similaridade. bem preparados e que têm como missão instilar nas mentes de indivíduos ou das massas os ideais da força adversa e propagar sua ideologia. A-27 . Esta atitude é caracterizada pelo desencadeamento. A situação a enfrentar pode evoluir até o estágio de luta interna e a ação correspondente é de ordem operativa. determinado material ou equipamento. de nítida característica militar. diz respeito ao posicionamento do Governo para destruir o mecanismo e neutralizar os dirigentes das forças adversas. Os ativistas podem ser agitadores ou propagandistas. Ato de adoção Documento expedido pelo Estado-Maior do Exército. Atividade de contrabateria Operações e procedimentos necessários para localizar. Atividade Conjunto de ações com finalidades definidas e geralmente essenciais para o funcionamento contínuo dos órgãos e das unidades. Atividade logística Conjunto de tarefas afins. Ativistas Elementos especializados. particularmente inteligência e comunicação social. reunidas segundo critérios de relacionamento. Atitude preventiva No quadro de operações de garantia da lei e da ordem. para uso no Exército. diz respeito ao posicionamento do Governo para evitar que se crie e amplie no país o clima propício ao desenvolvimento de processos subversivos. de mísseis e de morteiros inimigos.

Autodefesa Legítima defesa. determinando as providências decorrentes a serem tomadas. com o emprego dos próprios meios. No transcorrer da operação e no continuar do estudo de situação. em resposta a um ataque direto. A-28 . normalmente blindada. Autenticação Medida de segurança destinada a proteger o sistema de comunicações. Atuar Ação física genérica do inimigo. difícil de ser enunciada com precisão. que considera determinado material ou equipamento suscetível de adoção pelo Exército. O termo é bastante usado nos campos da guerra irregular e nas situações em que o contato não esteja definido. Utilizada para identificar os elementos que transmitem ou recebem mensagens e as próprias mensagens.C 20-1 Ato de desativação Documento expedido pelo Estado-Maior do Exército. até então adotado no Exército. envolvendo dois ou mais elementos de uma ou mais forças armadas. Autopropulsado Armamento de artilharia montado permanentemente sobre reparo constituído pela própria viatura. Ato declaratório Documento expedido pelo Estado-Maior do Exército. retirando de uso determinado material ou equipamento. Deve ser acompanhado de documentos complementares. Autopropulsionado Engenho espacial bélico que se locomove por seus próprios meios. ela tende a tomar um caráter mais específico. Autoridade coordenadora Um comandante ou indivíduo que recebe responsabilidade para coordenar funções ou atividades específicas. Ação física genérica levada a efeito por nossas forças quando não estiver caracterizado nenhum tipo específico de manobra ofensiva ou defensiva.

no clero. na administração pública. de forma racional e sistematizada. por medo ou por conveniência. aos elementos da estrutura do Estado. mas que em todas as ocasiões defendem as posições favoráveis à força adversa. em relação aos objetivos e políticas constantes do conceito estratégico nacional. ao se manifestarem. Avaliação estratégica Ato ou efeito de determinar se as possibilidades e as vulnerabilidades existentes na área podem interferir.C 20-1 Auxiliares de influência São pessoas colocadas em posições tais de evidência. Avaliação política da conjuntura Pesquisa visando proporcionar. no magistério. são capazes de obter ressonância favorável à força adversa. A-29 . dentre outras que. ocultam sua simpatia pela força adversa. Auxiliares ocultos São elementos que. representando ocupar uma posição isenta e imparcial. um panorama eminentemente conjuntural e dinâmico que possibilite estabelecer os objetivos de natureza político-estratégico. na imprensa. favorável ou desfavoravelmente. nas artes.

Denomina-se de cobertura imediata. posições. no quadro dos fogos previstos para a defesa imediata da posição. destinado a proteger tropas ou instalações amigas. Barreira de cobertura Barreira lançada à frente da área de defesa avançada. etc. impedindo que o inimigo atravesse linhas. acidente ou doença. Barragem Tiro linear previsto. É normalmente estabelecido no terreno. B-1 . Ato ou efeito de desligar uma praça do serviço ativo. Barreira de flanco Barreira que se destina à proteção de um flanco de unidade em posição. coordenada com a manobra tática e destinada a canalizar. quando batida pelos fogos da barragem geral da posição e de cobertura avançada quando fora do alcance desses fogos.C 20-1 B Baixa Internamento em hospitais ou em enfermaria. Designação genérica das perdas ocorridas por ferimento. Barreira Série contínua e mais ou menos profunda de obstáculos colocados para obstruir uma via de acesso. retardar ou impedir o movimento do inimigo.

estabelecida pelo comandante da força-tarefa ribeirinha ou por escalões diversos dessa força. em operação de pacificação e em certas operações em áreas autônomas para assegurar o apoio logístico. subordinados ao comando de uma base de operações de forças especiais. onde se oculta e se prepara para executar as suas ações. Base de coordenação avançada Conjunto de meios. Destina-se à proteção de importantes instalações ou acidentes do terreno. Base de apoio interno Conjunto de instalações e meios localizados em território controlado pelo inimigo. B-2 . terrestre ou flutuante. ou mesmo de uma outra posição. acolher e despachar tropas e garantir a duração na ação. as instalações. Área onde se localizam. Barreiras interiores Barreiras localizadas no interior da área a defender. transversal à principal direção a defender. Pode coincidir com o limite de retaguarda do escalão considerado ou estar localizada à frente deste. de onde são desencadeadas e apoiadas as ações contra o inimigo. Base de combate ribeirinha Base temporária. proporcionar a ligação com os elementos subordinados e superior. para proporcionar apoio de toda natureza aos destacamentos de forças especiais e às forças irregulares operando na área ou em suas proximidades. a tornar celular o sistema de barreiras do escalão considerado. Base de combate Ponto forte que se estabelece na área de combate ou de pacificação de uma força em operações na selva. Destinam-se. na área de operações. destinados à coordenação imediata das operações de destacamentos de forças especiais quando desdobrados a uma distância que impossibilite ou dificulte um eficiente controle e apoio pela referida base de operações de forças especiais. Base de guerrilha Área de instalação temporária de uma força ou elemento de guerrilha.C 20-1 Barreira de retaguarda Última barreira. temporariamente. normalmente. postos de comando e unidades de guerrilhas.

por estes assistidas. Região. o conjunto das organizações encarregadas de proporcionar o apoio logístico às forças em operações. a partir da qual o pelotão ou grupo de combate executa ações de patrulha. Local ou posição forte onde se reúne ou se concentra uma força em condições de atuar em uma área de operações. B-3 . incursões e emboscadas. normalmente. a adaptação e a transformação dos recursos do potencial militar ou poder. que operam em um teatro de operações. destinada a assegurar o apoio cerrado às forças terrestres em operação e empregadas segundo uma direção tática de atuação. rapidamente. sob um comando de um grupamento logístico. coordenação e apoio logístico aos destacamentos de forças especiais e às forças irregulares. se reorganizar e dar prosseguimento ao cumprimento da missão. Base logística avançada Aquela. Base de operações Região de grande amplitude na zona do interior ou em uma posição conveniente do teatro de guerra onde é feita a acumulação de meios e estabelecido o complexo logístico de sustentação das forças armadas de uma potência de onde serão lançadas para operarem contra a potência inimiga em um ou mais teatros de operações. capaz de permitir. dá início a uma operação ou campanha e para onde retrai em caso de insucesso.C 20-1 Base de mobilização Infra-estrutura básica. desdobrada em área mais avançada da Zona de Administração. Área oculta na qual se acolhe a patrulha de longa duração por curto prazo para se refazer. Base logística Área onde se desdobra. Base de operações de forças especiais Área onde se localiza o principal conjunto de meios destinados a proporcionar comando. na escala e no ritmo exigidos pela guerra. Base de patrulha Local de uso temporário na área de combate de companhia. localidade ou praça militar utilizada para preparação e sustentação de uma força que. a partir dela.

destinada a receber os recursos logísticos provenientes da Zona do Interior. acompanhando ou em imediato apoio às unidade de carros-de-combate. no qual ambos os contendores visam modificar sua situação estratégica. em substituição a uma base de operações de forças especiais. mental e emocional provocado por longos períodos de combate e trabalho extremado sob pressão. Consiste no choque violento de forças de valor considerável. Binômio infantaria-carros Organização temporária para o combate em que elementos de infantaria e carros-de-combate progridem e operam juntos. às organizações de outras forças armadas e população civil. em mútuo apoio e em íntima combinação de características. desdobrada na parte mais à retaguarda da Zona de Administração. aos animais e ao meio ambiente. no tempo e no espaço. B-4 . Concepção de emprego dos blindados em que unidades de infantaria (mecanizada ou blindada) atuam antecedendo o ataque.C 20-1 Base logística recuada Aquela. normalmente. Batalha Consiste numa série de combates relacionados e próximos. cuja situação possa tornar-se insustentável ou quando a nova localização venha a concorrer para facilitar o cumprimento de uma missão em curso. realizados no nível tático. Bibliografia Relação de obras citadas ou consultadas num determinado trabalho. a estocar o grosso dos suprimentos destinados ao teatro de operações e assegurar o apoio logístico às forças terrestres e. As batalhas compreendem uma ou mais operações táticas e se materializam por meio de operações e ações táticas. Biossegurança Conjunto de ações voltadas para o controle e a minimização de riscos advindos da exposição. possibilidades e meios. conquistando posições no terreno ou destruindo parcela do poder de combate do inimigo. se determinado. da manipulação e do uso de organismos vivos que podem causar efeitos adversos ao homem. Bem-estar e manutenção do moral militar Atividade da função logística recursos humanos que destina-se a fazer com que o recurso humano se refaça do desgaste físico. Base operacional alternativa Área selecionada para instalação futura.

inclusive de neutros. aeroportos e entradas de fronteira do país antagonista. de valor de dois ou três grupos aéreos. de apoio ao combate e de apoio logístico. permitindo a penetração de uma força em busca de um objetivo à retaguarda. Interdição de um ponto de passagem ou via pela ocupação com tropa. [O Boato pode ter conotação com fatos mal conhecidos. como ato de guerra. meios de apoio de suprimento e manutenção e meios de apoio auxiliar e administrativo. reirradiação ou reflexão de energia eletromagnética com a finalidade de reduzir ou anular a recepção do sinal dos equipamentos ou sistemas eletrônicos/eletroópticos em uso pelo oponente. podendo criar ansiedade.] Brecha Ruptura realizada em um segmento da frente defensiva. de origem não identificável. sob um mesmo comando. para fins de adestramento e/ou emprego em operações independentes. que reúne. pela colocação de obstáculos ou realização de fogos. Abertura conseguida no muro de uma fortificação ou muralha de praça forte. Para a Guerra Eletrônica. conjuntas e/ou combinadas. integrada. meios aéreos de idêntica missão. caracteriza-se pela irradiação intencional. com foros de verdade. motorizadas ou blindadas.C 20-1 Bloqueio Interdição diplomática e militar (marítima. fabulosa ou catastrófica. Solução de continuidade no dispositivo de uma força ou posição. B-5 . Unidade aérea isolada. devendo ser adequadamente demarcadas. Boatos Notícia ou informação imprecisa. integrada num conjunto equilibrado por unidade de combate. aérea ou terrestre) que uma nação impõe a outra. Brigada Grande Unidade básica de combinação de armas. Uma brecha simples tem. normalmente. insegurança e afetar o moral. 7 metros de largura e uma brecha dupla tem 14 metros. especulações ou má fé. que circula “de ouvir falar” no meio de um agrupamento. aos portos. impedindo o acesso de pessoas e mercadorias. Passagem aberta ou deixada em uma barreira destinada à passagem de tropas a pé. todos de nível grupo. com capacidade de atuar independentemente e de durar na ação.

Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel) Grande Unidade formada. Sua principal característica é a elevada mobilidade tática. B-6 . por batalhões de infantaria blindados e regimentos de carros de combate. por batalhões de infantaria mecanizados. basicamente. organizada para atuar na selva. Brigada de Infantaria Mecanizada Grande Unidade formada. Brigada de Infantaria de Selva Grande Unidade formada. por batalhões de infantaria de montanha.C 20-1 Brigada Blindada (de Infantaria ou de Cavalaria) Grande Unidade formada. Brigada de Infantaria de Montanha Grande Unidade formada. de batalhões de infantaria de selva. Brigada de Artilharia Antiaérea Escalão de artilharia antiaérea constituído. Suas características principais são a ação de choque. destinado a realizar a defesa antiaérea de pontos e áreas sensíveis em sua área de responsabilidade. Suas principais características são fluidez e capacidade de sobrevivência em ambiente hostil de selva. basicamente. decorrente de sua estrutura organizacional leve e modular. por regimentos de cavalaria mecanizados. basicamente. a relativa proteção blindada e a potência de fogo. relativa proteção blindada e potência de fogo. basicamente. basicamente. Suas principais características são a grande mobilidade. Brigada de Cavalaria Mecanizada Grande Unidade formada. basicamente. na faixa de baixa e média altura. Suas principais características são a grande mobilidade. Sua principal característica é a capacidade de conduzir operações em terreno montanhoso e de sobrevivência em ambiente de condições meteorológicas extremas e altitudes elevadas. a mobilidade e a pontência de fogo. de um número variável de grupos e de baterias de artilharia antiaérea. por batalhões de infantaria leves. basicamente.

Exige. para a sua execução. Busca Atividade sigilosa voltada para a obtenção de dados não-disponíveis e protegidos por medidas de segurança estabelecidas por quem os detém. embarcações de superfície. determinar a melhor maneira de batê-los. capaz de executar o combate terrestre sob quaisquer condições de tempo e de terreno. pessoal especializado e emprego de técnicas operacionais. a busca pode ser sistemática ou exploratória. conseqüentemente. por batalhões de infantaria páraquedistas. a fim de analisá-los e. Em combate. perdidas ou vítimas de acidentes e da ação hostil do inimigo com o emprego de aeronaves. por meio de processos próprios das operações militares convencionais. alvos terrestres.C 20-1 Brigada de Infantaria Motorizada Grande Unidade constituída. submarinos ou outro qualquer equipamento especial. precisa e oportunamente. socorrer e resgatar pessoas em perigo. proporcionada pelo transporte aéreo. Busca e salvamento Ação de localizar. também. Brigada de Infantaria Pára-quedista Grande Unidade formada. Sua principal característica é a elevada mobilidade estratégica. podendo realizar operações aeromóveis ou aerotransportadas. é realizada. basicamente. B-7 . de batalhões de infantaria motorizados. Busca de alvos Parte da atividade de inteligência que consiste em descobrir. Quanto à continuidade. identificar e localizar. basicamente. associado ao assalto aeroterrestre com a utilização de pára-quedas.

por via aérea. conquistada ou mantida. área geográfica. já testada através de um lote-piloto. assegura o desembarque contínuo de tropa e material e proporciona espaço de manobra para operações em terra. C-1 . por meio da qual é exercido o comando. Cabeça-de-ponte aérea Em operações aeroterrestres ou aeromóveis.C 20-1 C Cabeça-de-ponte Área ou posição na margem inimiga de um curso de água obstáculo (ou desfiladeiro). Cabeça-de-série Fração inicial (primeiras unidades) de um lote oriundo de uma linha de produção. a fim de assegurar as melhores condições para o prosseguimento de suas operações ou para as operações de outras forças. que uma força conquista na ofensiva ou mantém na defensiva. equipamentos e suprimentos. quando capturada e mantida. a fim de proporcionar o espaço necessário para o desembarque. Cabeça-de-praia Área determinada em uma área hostil que. de tropas. Cadeia de comando Seqüência hierárquica de comandantes.

no qual se estabelecem comandos correspondentes em cada escalão subordinado de ambos os componentes. Cadeias de comando paralelas Sistema paralelo de comando. Quando a situação não apresentar a gravidade ou as características de calamidade pública. Série de postos ou órgãos de saúde (veterinária) pelos quais os feridos (animais feridos) são reunidos e transportados para as instalações de saúde (veterinária) da retaguarda. total ou parcialmente. privando-a. Caderno de trabalho Documento interno de estado-maior no qual são lançadas todas as informações recebidas ou prestadas pela seção considerada. Série de postos e instalações. É constituído pelas áreas com objetivo de interesse e respectivos pontos de decisão. Caderno de encargos Conjunto das especificações técnicas relativas a determinado material e que se destina à produção do mesmo e à correspondente aferição de qualidade. Calamidade pública Situação de emergência provocada por fatores anormais e adversos que afetam gravemente a comunidade. por meios dos quais o material salvado. sensível às relações mútuas entre as tarefas da Força Naval e de desembarque. mas reduz as incertezas do combate. danificado ou capturado é enviado para a retaguarda. C-2 . Pode ser combinado com o calco de eventos. para facilitar o planejamento coordenado e a execução da operação anfíbia.C 20-1 Cadeia de evacuação Série de postos de coleta de prisioneiros de guerra e prisões pelos quais os prisioneiros de guerra e os civis internados são reunidos e evacuados da zona de combate para a retaguarda. Não dita decisões ao comandante. classificadas por assunto. Calco de apoio à decisão Calco confeccionado pelo oficial de operações com a colaboração do oficial de inteligência. Sua finalidade é relacionar o movimento e a localização do inimigo com a adoção de alguma medida tática que tenha que ser tomada. do atendimento de suas necessidades ou ameaçando a existência ou a integridade de seus elementos componentes. será considerada como de anormalidade.

C 20-1 Calco de eventos Calco utilizado em conjunto com uma matriz de apoio ou de eventos. normalmente. Campo de batalha não-linear Parte da área de operações em que as ações ocorrem concomitantemente. realizadas numa ampla faixa de tempo e espaço para a consecução de objetivos estratégicos. de relevo. as instalações e os órgãos de comando e apoio essenciais do escalão considerado. C-3 . relacionadas no tempo e no espaço. visando a um determinado fim. revelarão qual a linha de ação que o inimigo adotou. próximas à linha de contato e em toda a profundidade do campo de batalha. aplicação de fogos maciços em profundidade. Calco de restrições ao movimento Calco que integra os calcos de vegetação. assim como por infiltrações táticas noturnas e incursões. onde são representados o esquema de manobra. de outras restrições do terreno e de condições meteorológicas de forma a fornecer uma informação visual sobre as regiões em que uma tropa de determinada natureza terá a mobilidade afetada e onde o movimento será facilitado. visando o isolamento do campo de batalha. Canal Trâmite de entendimento oficial entre órgãos de comando. Campanha terrestre Conjunto sistematizado de ações predominantemente terrestres. quando observadas. Campanha Conjunto de operações militares. órgãos de chefia ou comandantes de unidades. mediante a realização de operações aeromóveis e com blindados. Faixa de freqüência ou circuito em que podem ser mantidas as comunicações. Consiste na marcação de áreas específicas e atividades do inimigo que. integrante de um plano ou ordem de operações. Calco de operações Documento de estado-maior. As áreas específicas onde se espera que aconteça uma atividade inimiga denominam-se região de interesse para a inteligência. a derrota da força inimiga e a rápida conquista dos objetivos estratégicos selecionados.

C 20-1 Canal de comando Trâmite de entendimento existente entre as diversas autoridades com responsabilidade de comando. Canal de suprimento Em logística, via administrativa por meio da qual o suprimento flui para seu destino. Canal técnico Aquele que corresponde às linhas de entendimento funcional entre autoridades técnicas, entre comandos de apoio (ao combate e logístico) e as organizações militares apoiadas bem como entre membros do estado-maior da força e os comandos subordinados. [Os canais técnicos permitem entendimentos funcionais de informação, coordenação, supervisão e controle]. Canibalização Retirada de conjuntos ou peças em bom estado de um equipamento indisponível para emprego na reparação de outro equipamento. Capacidade de tráfego Número máximo de veículos que pode se deslocar numa via de transporte, num determinado período (normalmente de 24 horas), em um sentido. Número de composições que podem circular, diariamente, numa via ou num trecho dessa via, em um sentido. Representada por uma fração ordinária (N/24), onde N é o número de composições. Número máximo de mensagens que podem ser transmitidas por um determinado equipamento de comunicações, num determinado período, num sentido. Capacidade de transporte anfíbio Capacidade total dos transportes de assalto empregados em uma operação anfíbia em termos de pessoal, viaturas e toneladas de carga. Capitulação Ato ou efeito de capitular; rendição negociada e com condições acordadas. A convenção firmada pelos comandantes oponentes ou por seus delegados, pela qual a força ou praça se rende sob as condições acordadas.

C-4

C 20-1 Capturado-recuperado Todo indivíduo, nacional ou aliado que, tendo sido capturado pelo inimigo, foi posteriormente recuperado. Carga geral Caracteriza-se pela carga constituída dos mais diversos tipos de cargas acondicionadas em volumes próprios, embarcados em partidas de tonelagens diversas e de valor unitário variável. Os produtos acondicionados em sacos e os líquidos em tambores, bem como as cargas reunidas em “pallets” ou contêineres, são, também, classificados como carga geral. Carga pré-configurada Conjunto de suprimento classe V (Mun) necessário para uma subunidade, em determinado período de tempo, normalmente para uma jornada completa, e para determinada operação de combate. Composição de Sup Cl V (Mun) de um Pacote Logístico (Pac Log) e tem por finalidade agilizar os trabalhos nas instalações logísticas e nos Pontos Intermediários Logísticos (PIL). Carta de circulação e controle de trânsito Documento que aponta a utilização da rede de estradas para atender a determinadas necessidades táticas e logísticas, indicando os itinerários e as medidas conseqüentes para a regulação do trânsito. Carta de itinerário de linhas Carta, calco, fotocarta, esboço ou redução fotográfica, em que são assinalados, por meio de símbolos regulamentares, os itinerários da linhas de comunicações existentes ou projetadas, bem como a quantidade de circuitos e a localização dos elementos ligados. Carta de operações Carta que mostra a localização e o valor das forças amigas empenhadas numa operação, com seus limites, objetivos, zonas de ação e outras medidas de coordenação. Pode, também, indicar os movimentos prováveis e a localização das forças inimigas. Carta de situação Carta que indica a situação tática ou administrativa em determinada ocasião, utilizada para o estudo da situação do estado-maior ou como referência a relatórios desse órgão. C-5

C 20-1 Carta estratégica Carta especial para o planejamento de operações estratégicas, incluindo movimento, concentração e suprimento. Centro de apoio aéreo direto Órgão do sistema de controle aerotático (SCAT), subordinado ao centro de operações aerotáticas (COAT), cuja missão principal é prover atendimento rápido às necessidades das forças terrestres, em missões imediatas de cobertura e reconhecimento aerotático. Centro de comunicações Conjunto de instalações de comunicações com os encargos de recepção, processamento, transmissão e entrega de mensagens, estabelecidas e mantidas por troca de comunicações, para atender a um determinado posto de comando, escalão de quartel general ou grupo de unidades e instalações. Centro de comunicações de comando Estabelecido para atender às necessidades de um posto de comando ou escalão de posto de comando em meios de comunicações. Pode, eventualmente, apoiar tropas ou instalações nas suas proximidades. Centro de controle aerotático Centro de operações de comando da força aérea do teatro de operações (FATO), onde é planejado e coordenado o emprego de todo esforço aerotático e controlado todo o movimento aéreo do teatro de operações através do sistema de controle aerotático (SCAT), do qual é o órgão de cúpula. Centro de controle de defesa aérea Órgão principal de controle de defesa aérea ativa de um setor de defesa aérea, por cujo intermédio são coordenadas todas as aeronaves, a artilharia antiaérea, os mísseis guiados e as funções de alarme aéreo. Centro de coordenação das armas de apoio Órgão a bordo de navio da força-tarefa-anfíbia, onde estão centralizados pessoal e meios de comunicações, responsável pela coordenação do apoio de fogo naval, aéreo e de artilharia até a instalação, em terra, do órgão de coordenação do apoio de fogo da força de desembarque.

C-6

C 20-1 Centro de coordenação de apoio de fogo Órgão encarregado da coordenação de todos os meios de apoio de fogo à disposição de uma força e onde são reunidos os elementos e centralizados os meios de comunicações necessários à execução dessa coordenação. Centro de mensagens Elemento componente de um centro de comunicações, com a responsabilidade de receber, preparar para a transmissão, dar recibos e entregar mensagens. Centro de operações Instalação do posto de comando de unidade em campanha onde trabalham os oficiais de operações e de inteligência. [Nele estão as cartas de situação e os meios de comunicações do sistema de comando]. Centro de operações aerotáticas Órgão do sistema de controle aerotático (SCAT), destinado a planejar e coordenar o emprego de todo o esforço da força aerotática (FAT) à qual pertence, bem como controlar todo o movimento aéreo na área de responsabilidade dessa FAT. Centro de operações antiaéreas Órgão pertencente ao sistema de controle e alarme da artilharia antiaérea, responsável pelo controle de todos os meios integrantes da defesa antiaérea. Centro de operações combinadas Órgão para operações de apoio aéreo às forças terrestres ou navais. Constitui o mais alto escalão das forças participantes da operação que coordena as atividades de todos os elementos aéreos e terrestres ou aéreos e navais empenhados na operação. Centro de operações de segurança integrada Órgão de planejamento, de coordenação e de assessoria dos comandos de zona de segurança integrada, área de segurança integrada e subárea de segurança integrada das medidas a cargo da força terrestre e dos órgãos de Segurança Pública e, eventualmente, das demais Forças Singulares. Tem por finalidade, permitir a necessária coordenação do planejamento e execução nas operações de garantia da lei e da ordem, facilitando a conjugação de esforços e a ligação entre os órgãos da esfera federal e os da esfera estadual e municipal que tenha responsabilidade na segurança interna.

C-7

C 20-1 Centro de operações e orientação Órgão localizado na base de operações de forças especiais (BOFE), integrado por pessoal selecionado de operações e inteligência, que tem por missão: - elaborar planos e ordens para operações projetadas; - orientar, antes do desdobramento, os destacamentos de forças especiais, sobre as áreas operacionais e as missões a cumprir; e - acompanhar as operações em desenvolvimento. Centro de operações táticas Órgão constituído no posto de comando de grande unidade, reunindo oficiais do estado-maior e de apoio ao combate com a finalidade de fazer o acompanhamento das operações em curso enquanto o restante do estado-maior se dedida ao planejamento das operações subseqüentes e futuras. Centro de recompletamento Organização do sistema de recompletamento, instalada e operada por uma unidade de recompletamento, com a missão normal de receber, alojar, qualificar, instruir e encaminhar os recompletamentos para as unidades apoiadas. Centro de recreação Instalação, ou conjunto de instalações, que funciona com o fim específico de proporcionar repouso e recreação a oficiais e praças em gozo de licença. Centro de tráfego Órgão de comunicações, existente nos grandes comandos, que reúne sob uma mesma chefia o centro de mensagens, meios de criptografia e decriptografia e os controles remotos dos diferentes meios de comunicações. Centro nodal São os nós troncais do sistema, com a função central de trânsito, para onde convergem todas as ligações e, através de enlaces de grande capacidade de tráfego, ligam-se uns aos outros, proporcionando uma cobertura, em comunicações, em toda a zona de ação dos escalões divisões de exército e superiores. Cercar Isolar completamente uma força impedindo-a de receber reforço, suprimento ou efetuar o seu retraimento e fuga.

C-8

Circuito local Circuito que liga um telefone a uma central telefônica ou a outro telefone no âmbito do centro de comunicações. processamento e difusão. cortando-lhe as vias de comunicações terrestres. Pode ser considerada ciência pura ou fundamental. compreende as fases de planejamento. buscando a sua capitulação. em seqüência lógica. que tem por objetivo bloquear determinada área ou força.C 20-1 Cerco Variante do desbordamento e do envolvimento. Ciclo de informações Conjunto de atividades relacionadas com a produção de informações e que se desenvolvem segundo um método de raciocínio que. impedindo seu retraimento e fuga em qualquer direção e cortando-lhe o recebimento de reforços e suprimentos. Circuito privativo Circuito reservado para uso exclusivo de uma autoridade ou organização. podendo ser instalado especialmente ou ser um dos canais de um sistema já existente. Circuito tronco Circuito que liga duas centrais. segundo regras ou convenções predeterminadas. C-9 . Ciência Conjunto dos conhecimentos relativos ao universo: seus fenômenos naturais. ambientais e comportamentais. reunião de informes. quando é desvinculada de objetivos práticos. para obter o texto criptografado. Cifra Sistema criptográfico no qual as letras de cada palavra do texto em claro são substituídas por outras letras. símbolos ou algarismos. quando visa a conseqüências determinadas. Completo isolamento que uma força impõe à do adversário. rendição pelo sítio ou destruição pela redução em força. e ciência aplicada. Ciclo de ração (víveres) Período de 24 horas durante o qual uma ração vai ser consumida.

estiverem em poder de nossas forças. Civis internados São estrangeiros que. Classe de suprimento Conjunto de artigos afins.C 20-1 Citação Transcrição de palavras (citação textual) ou reprodução de conceitos (citação conceitual) em um trabalho literário. Cobertura aérea Missão da Força Aérea que consiste na proteção aproximada das forças de superfície contra a ação de elementos aéreos ou de superfície do inimigo. grupados para facilitar o planejamento. cartas e outros meios. à bravura. em relação a cada movimento (fase do ciclo de interceptação). Cobertura antiaérea Proteção aproximada proporcionada pelos meios de defesa antiaérea contra a ação de elementos aéreos do inimigo. com a finalidade de facilitar o controle das operações militares e de tráfego aéreo e de determinar uma conduta a tomar. Cobertura aérea de coluna Missão de apoio aéreo que consiste em manter aeronaves em alerta no ar sobre uma coluna em movimento para protegê-la contra a ação do inimigo aéreo ou terrestre. atribuindo uma categoria a cada movimento aeroespacial. Cobertura Segurança proporcionada a uma força por tropa interpostas entre ela e o inimigo. a qualquer momento. C-10 . em documento oficial. mosaicos. a administração e o controle da atividade de suprimento. fotocartas. Referência. Classificação Resultado da identificação. ato meritório ou realização de relevante valor praticado por militar no cumprimento do dever. Área de terreno representada em fotografias aéreas. (ver definição de cobrir).

entre 5 e 12 viaturas por quilômetro. Atividade por meio da qual o analista de inteligência reúne conhecimentos. integradas em uma unidade. Coeficiente de perdas Dado para a estimativa de perdas. das perdas esperadas em dada situação e da sua distribuição por armas e serviços. Coeficiente de dispersão Percentual de leitos fixos do teatro de operações terrestre que deixa de estar. com elementos. de material. normalmente. que possibilita a previsão das variações do efetivo em operações. o início desta atividade é caracterizada no escalão brigada ou divisão de exército. para evitar que o mesmo possa atuar prematuramente sobre a região ou força coberta. disponível para receber baixas. correspondendo a uma densidade de coluna estabelecida. orientados na direção do inimigo. animal ou pessoal (mesmo mortos). empregando aeronaves anti-submarinos equipadas com sonar e escoltadas de superfície.C 20-1 Cobertura de submarino integrada Cobertura organizada a fim de proteger o corpo principal contra ataques por submarinos. em determinado escalão. Coleta Atividade de apoio logístico para receber e iniciar o processamento de evacuação. Essa previsão permite avaliar as necessidades em recompletamento e planejar a sua distribuição. C-11 . Cobrir Ação que proporciona segurança à determinada área. normalmente. evitando a ação e a observação inimiga. Em relação à manutenção. Coluna aberta Formação de marcha motorizada em que as viaturas guardam entre si uma distância que lhes assegure a dispersão exigida pela situação. expresso em percentagem ou por mil. unidades ou forças distanciados. Ação ou conjunto de ações táticas que proporciona segurança a determinada região ou força. tropa ou força. sem a necessidade de uma investigação.

que venham a ser nele constituídas. não integrantes de forças combinadas. a uma densidade de coluna superior a 12 viaturas por quilômetro. não integrantes de forças combinadas. Comandante das forças navais do teatro de operações Autoridade que exerce o comando das forças navais do teatro de operações. dentro do mesmo movimento. correspondendo. sob o mesmo comando. em princípio. podendo ser constituída de um ou mais grupamentos de marcha. Coluna tática Técnica do movimento por estrada. daquelas forças. Comandante das forças terrestres do teatro de operações Autoridade que exerce o comando das forças terrestres do teatro de operações.C 20-1 Coluna cerrada Formação de marcha motorizada em que a distância entre as viaturas reduz-se ao mínimo imposto pela segurança na condução das mesmas. que venham a ser nele constituídas. Comandante de praia Oficial da armada encarregado do grupamento naval do destacamento de praia. navais e aéreas do teatro de operações e responsável pela coordenação das medidas administrativas (logísticas). consiste na organização de grupamentos de forças para atender à segurança e à eventualidade de emprego. que venham a ser nele constituídas. usada quando há possibilidade de interferência do inimigo terrestre durante o deslocamento ou logo após a chegada ao destino. pela mesma rodovia. Comandante do teatro de operações Oficial-general investido do comando operacional das forças terrestres. Coluna de marcha Todos os elementos que se deslocam. não integrantes de forças combinadas. C-12 . Comandante das forças aéreas do teatro de operações Autoridade que exerce o comando das forças aéreas do teatro de operações.

Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro Grande Comando combinado que tem a missão de fazer a defesa do território nacional contra todas as formas de ataque aeroespacial e assegurar o exercício da soberania nacional no espaço aéreo brasileiro. decorrente de leis e regulamentos. disciplina. Comando operacional Grau de autoridade que compreende as atribuições para a composição das forças subordinadas. em razão de seu posto e função. C-13 . Unidade ou unidades. a designação de missões e objetivos. organização ou área. controlar. encarregado do apoio logístico ao conjunto da força terrestre no teatro de operações. sob todos os aspectos. [Realiza o apoio logístico por intermédio da Regiões Militares do teatro de operações]. não inclui assuntos como administração. sob o comando de um militar. O comandante e os órgãos que o assessoram ou qualquer organização de chefia destinados a conduzir ações militares. atribuída a um militar para dirigir e controlar forças. Comando Logístico do Teatro de Operações Terrestre Grande-Comando logístico e territorial. Comando combinado Comando composto de elementos de mais de uma Força Armada sob a responsabilidade de um comandante único. permite comandar. Comando de guerra irregular Comando por meio do qual o comandante do teatro de operações exerce o controle das forças irregulares. estabelecer comunicações com as forças amigas e obter informações. além da direção necessária para a condução das operações militares. Normalmente. componente da Força Terrestre. Comando e controle Conjunto de recursos humanos e materiais que. Ato ou efeito de comandar. organização interna e instrução. juntamente com determinados procedimentos.C 20-1 Comando Autoridade.

C 20-1 Comando supremo Exercido pelo Presidente da República. Comandos Tropa altamente adestrada e qualificada a operar sob circunstâncias e ambientes impróprios ou contra-indicados ao emprego de outros elementos das forças regulares, sendo apta a cumprir uma ampla variedade de missões ou tarefas, táticas ou estratégicas. Combate Ação militar de objetivo restrito e limitado, realizada de maneira hostil e direta contra o inimigo. Combate aproximado Ação militar violenta, caracterizada pelo choque entre combatentes opostos, na qual são empregadas armas de fogo de variados tipos, arma branca e, até mesmo, a luta corpo-a-corpo, que ocorre na fase do assalto a uma posição, visando a destruir, capturar, repelir ou expulsar o inimigo. Combate de encontro Ação que ocorre quando uma força em deslocamento, ainda não completamente desdobrada para a batalha, engaja-se com uma força inimiga, em movimento ou parada, sobre a qual se dispõe de poucas informações. Combinado(a) Atividade, operação ou organização relacionada com ações militares estratégicas ou táticas de qualquer natureza, em que tomam parte elementos ponderáveis de mais de uma Força Armada, sob um só comando. Comboio Certo número de navios mercantes ou navios auxiliares ou ambos, geralmente escoltados por navios de guerra e/ou aeronaves, reunidos e organizados para efetuar conjuntamente uma travessia. Grupo de viaturas organizado com o propósito de que seu movimento seja regulado e controlado, dispondo ou não de proteção de escolta.

C-14

C 20-1 Comboio especial de suprimento Processo especial de suprimento que compreende o envio de um comboio, organizado com os meios de transporte do escalão que presta o apoio, para descarregamento do suprimento em região proposta pelo escalão que recebe o apoio. Compartimento transversal Compartimento do terreno cujo eixo longitudinal é perpendicular ou oblíquo à direção do movimento de uma força. Comprometimento da ordem interna Situação em que a ação das forças adversas, por sua natureza, origem, amplitude e vulto representa ameaça de grave e iminente instabilidade institucional. Comprometimento da ordem pública Situação em que os órgãos de segurança pública não se mostram capazes de se contraporem, com eficácia, às forças adversas que ameaçam a integridade das pessoas e do patrimônio e o pleno exercício do estado de direito, sem caracterizar ameaça à estabilidade institucional. Comunicação social Processo pelo qual se pode exprimir idéias, sentimentos e informações, visando estabelecer relações e somar experiências. Comunicações Conjunto dos sinais eletromagnéticos utilizados para o trânsito de informações. São empregados, neste campo, radiotransmissores e receptores em geral. Conceito da operação Exposição verbal ou escrita, por meio da qual o comandante de uma força expõe aos comandos subordinados como visualiza a execução da operação em seu todo. Conceito estratégico Orientação resultante do estudo da situação estratégica; é uma fixação do que cumpre fazer, em termos amplos e flexíveis, a fim de permitir a utilização na composição dos empreendimentos básicos que dela decorrem.

C-15

C 20-1 Conceito estratégico nacional Documento formal que encerra a concepção estratégica da Política Nacional e orientadora da Política Governamental. Concentração Volume de fogo colocado em uma área, em um dado período de tempo, limitado, e que recebe um número para referência futura como possível alvo. Concentração estratégica Reunião de forças, em áreas adequadas, com propósitos estratégicos. Concepção das operações Expressão que tem em vista a definição das ações estratégicas que devem ser realizadas pelas Forças Armadas, a caracterização objetiva da natureza das operações a serem empreendidas, as forças e materiais necessários e o respectivo momento de emprego, em face da hipótese de emprego (HE) prevista. Concepção de guerra Definição, dentro do quadro geral de uma hipótese de emprego, dos objetivos de guerra e da estratégia para sua consecução, expressando a maneira pela qual o governo encara a resposta da Nação à eventualidade de um determinado conflito. Concepção geral da guerra Entendimento da guerra como um todo e visualização de como ela pode apresentar-se em seus aspectos gerais de interesse para a adequada aplicação do poder nacional, em todas suas expressões, com a definição da atitude nacional correspondente. Concepção militar de guerra Formulação da alçada do Alto Comando que, em perfeito entrosamento com a política de segurança nacional e traduzindo as políticas de guerra, define a estratégia militar para alcançar os objetivos de guerra, estabelecendo, por sua vez, o elo com a estratégia nacional pelas raízes políticas em que se fundamenta. Conduta do combate Ações previamente planejadas que serão colocadas em execução durante o combate. Não confundir com solução de conduta. Decisão corretiva de uma ação, em curso de execução, em face de um óbice que incidentalmente se apresenta. C-16

C 20-1 Conjunto de procedimentos por meio dos quais o comandante acompanha o desenrolar do combate (estudo continuado da situação), coordena e controla a execução das ações e intervém quando necessário, empregando fogos, modificando a manobra e empregando a reserva; condução da operação. Conferência Reunião de representantes ou delegados de diferentes países, a fim de tratarem de questões de interesse internacional. Confiabilidade Probabilidade de que um dispositivo (componente, sistema, equipamento) irá desempenhar satisfatoriamente suas funções específicas por um determinado período de tempo, sob um dado conjunto de condições de operação. Confisco Apropriação sumária e em caráter punitivo, sem pagamento, mas controlada, de bens ou serviços pertencentes ou executados por alguém, para utilização em proveito das organizações militares. Conflito Fenômeno social caracterizado por um choque de ações que decorre do propósito de conquistar objetivos distintos, utilizando o mesmo poder disponível, ou de conquistar o mesmo objetivo, utilizando distintos poderes disponíveis. Congresso Reunião ou assembléia solene de pessoas competentes para discutirem sobre alguma matéria relevante. Conjuntura Quadro configurador, numa determinada época, da situação política, econômica, psicossocial e militar de uma região, de um país ou de um conjunto de países, nos seus aspectos internos e em suas projeções externas. Conquistar Ação tática de assumir o controle de determinada posição ou acidente do terreno defendido pelo inimigo, por meio do emprego efetivo do poder de combate.

C-17

Contato Situação em que os elementos de uma força se encontram desdobrados no terreno em face de outra força oponente e em relação à qual tem possibilidades de executar fogos ajustados e obter informações com seus próprios meios. sistema de água. pessoal ou objetos. sofrer a ação terrestre do inimigo regular e cerrar o contato com o mesmo. agentes bacteriológicos ou químicos. cujo consumo é admitido em determinado período. trecho de dutos e outros. Consolidação de uma posição Ato ou efeito de ultimar a limpeza de remanescentes da defesa inimiga de uma posição (objetivo). Construção Consiste nos trabalhos para obtenção de um recurso físico novo. Contato iminente Possibilidade de contato considerada para determinada força quando o seu grosso pode. Pode ser um segmento de rodovia. pátio para transbordo de cargas. pista de pouso. a superfície de estruturas. a fim de evitar a surpresa e garantir um certo grau de iniciativa. e adotar dispositivo que permita sua manutenção. recentemente conquistada. Consumo provável de suprimento Quantidade de suprimento. Contaminação Ato de contaminar. áreas. a qualquer momento. estimada com base em fatores experimentais. C-18 . isolado ou em conjunto com outros. Conjunto de operações que visam manter o equipamento em condições de uso e evitar sua depreciação prematura (manutenção). como única informação. dados referentes a um mesmo assunto e provenientes de vários elementos subordinados.C 20-1 Conservação Consiste nos trabalhos correntes realizados para a manutenção em condições de utilização de um recurso físico (engenharia). Consolidar Reunir. por material radioativo. alojamento. depósito.

seja pela distância entre ambos. numa região onde as possibilidades da ação do inimigo terrestre aumentam progressivamente. Conteinerização Técnica pela qual são agrupados volumes de diversos tamanhos ou mesmo outras unidades de carga. Contra-atacar Ação ofensiva. a ação terrestre do inimigo regular. Contrabateria Atividade que visa localizar. de mísseis e de morteiros inimigos. C-19 . normalmente. identificar e neutralizar os meios de apoio de fogo inimigo por meio de fogos desencadeados sobre as posições de artilharia de tubo. iniciando-se a partir do momento em que o comandante sente a necessidade de grupar seus elementos. temporária e local. por esse motivo. tendo lugar. deixa de ser computado no efetivo da força terrestre. a curto prazo. O conjunto formado é manipulado e transportado como uma unidade de carga. para conquistar terreno perdido ou para isolar.C 20-1 Contato pouco provável Fase de transição entre o contato iminente. Contingente de recompletamento da força terrestre Efetivo de recompletamento que a força terrestre pode manter com autorização do Comando do Exército. desencadeada por parte ou pela totalidade de uma força defensora. Contato remoto Possibilidade de contato considerada para determinada força quando o seu grosso não pode sofrer. Contra-contramedidas eletrônicas São atividades de guerra eletrônica que buscam assegurar a utilização efetiva de nossas irradiações eletromagnéticas. denominados contêineres ou contentores. seja pela interposição de força de cobertura. em recipientes especialmente projetados. Contingente de baixados do Comando do Exército Pessoal hospitalizado no teatro de operações e que. desorganizar ou destruir forças atacantes. a despeito do emprego de guerra eletrônica pelo inimigo.

destruir ou capturar a força de guerrilha inimiga e eliminar a organização do movimento revolucionário. direta ou indiretamente aplicada sobre os sistemas inimigos. as atividades e os segredos manipulados ou mantidos pelo nosso Sistema de Inteligência. as atividades e os segredos manipulados ou mantidos pelo nosso sistema de informações. de energia eletromagnética. da interferência adversa. detecção e neutralização de ações adversas de qualquer natureza. na área de operações. Contra-inteligência Atividade de inteligência de natureza defensiva. As contramedidas eletrônicas podem ser realizadas pelo uso. Contra-informação Atividade de informações de natureza defensiva que se caracteriza pela execução de um conjunto de medidas planejadas e destinadas a preservar. obstrução. que se caracteriza pela execução de um conjunto de medidas planejadas e destinadas a preservar da interferência adversa os assuntos de interesse da Segurança Nacional. bem como a identificar ações de caráter psicológico sobre a população. (inclusive agressões de caráter psicológico à população) e a salvaguardar os segredos de interesse nacional. Contraguerrilha Operações realizadas com a missão de neutralizar. de caráter sistemático. ou não. destinadas a preservar da espionagem adversa a sua estrutura de inteligência e os segredos de interesse da Segurança Nacional. através de medidas de prevenção. C-20 . bloqueando ou neutralizando as ações de organizações de inteligência adversas. os assuntos de interesse da segurança nacional. Contramedidas eletrônicas Divisão da guerra eletrônica que visa impedir ou reduzir o emprego eficiente do espectro eletromagnético pelo oponente. bem como a identificar ações de caráter psicológico sobre a população. Atividade de informação que engloba um conjunto de medidas destinadas a neutralizar a eficiência dos serviços de informações adversos. Ramo da atividade de informações direcionado para a salvaguarda do conhecimento e/ou dado sigiloso.C 20-1 Contra-espionagem Atividade de contra-inteligência que compreende um conjunto de medidas e atividades de um sistema de inteligência.

pequena autonomia e proteção estrutural nula. Contratorpedeiro Navio de guerra de alta velocidade. pelo combate. resultantes da conciliação das necessidades de adestramento e disponibilidade de recursos de toda ordem. destinadas a impedir. Contrapropaganda Conjunto de atividades dirigidas para o público-alvo pertencente a grupos amigos ou neutros com o objetivo de contraditar. podendo ficar em um posto de observação no ar ou no solo. C-21 . ações e técnicas especiais que permeiam as missões de cobertura. das facilidades existentes e das dificuldades estruturais e conjunturais. Controlador aéreo avançado Piloto experimentado e conhecedor das técnicas e táticas empregadas em operações aerotáticas. neutralizar ou minorar os efeitos da propaganda contrária. Controle Ato ou efeito de acompanhar a execução de qualquer empreendimento. que os elementos de reconhecimento do inimigo obtenham informações sobre nossas forças ou o terreno. desorganizar seu sistema de comando.C 20-1 Contrapreparação Intenso fogo previsto. para obtenção da certeza de consecução dos objetivos fixados para a atividade. Contrato de objetivos Compromisso entre a autoridade responsável pelo planejamento do adestramento em determinado nível e seus comandantes executantes. tamanho moderado. grande mobilidade. quase sempre com amplo controle visual. proteção e vigilância. cuja missão consiste em orientar e controlar os ataques aéreos durante a execução do apoio aéreo aproximado. diminuir a eficiência de sua preparação de artilharia e a enfraquecer o seu espírito ofensivo. Contra-reconhecimento Conjunto de medidas. desencadeado quando se descobre a iminência de um ataque inimigo. por forma a não permitir que ele se desvie de propósito preestabelecido. podendo a ela se antecipar ou mesmo dela se beneficiar. destinado a romper as suas formações.

incluindo o pedido. a arrumação. a armazenagem. o recebimento. durante e após a ocorrência de qualquer ataque inimigo. Controle de trânsito militar Conjunto de medidas que visam a assegurar a execução da sistematização e ordenação do tráfego. a identificação. Controle de danos Atividade que compreende todas as providências executadas antes. a coleta de dados relativos à quantidade. Controle de suprimento Conjunto de atividades que visa ao acompanhamento de todas as situações em que se possam achar os artigos. o controle de estoque e a contabilidade. C-22 . logística e outros assuntos não incluídos nas missões de combate e apoio ao combate. localização e condições dos suprimentos a receber. isto é. salvar vidas. do plano de circulação. Controle de efetivos Tarefa da atividade administração da função logística recursos humanos que tem a seu cargo realizar a contabilidade e as estimativas referentes a efetivos. Controle de defesa aeroespacial Controle exercido por um centro de controle de defesa aérea ou por um centro de controle aerotático sobre todos os meios empenhados na defesa aeroespacial. Controle de trânsito por área Sistema de controle do trânsito militar. a fim de manter ou restaurar o controle. exercido por uma mesma autoridade de trânsito. no que diz respeito à gestão do pessoal. evento destruidor ou catástrofe da natureza.C 20-1 Controle administrativo Autoridade exercida sobre um órgão ou unidade por outro órgão de escalão superior. existentes e a distribuir. no que se refere às quantidades disponíveis. mediante um sistema de registros e relatórios. que regula todos os movimentos dentro e através de uma determinada área. isolar áreas perigosas e iniciar operações de salvamento para evitar perdas posteriores. Controle de estoque Atividade que assegura. seu estado e localização. o carregamento.

realizando a integração dos fogos com a manobra. os componentes dos elementos em questão e o controle logístico dos mesmos. separadamente. Controle operacional Grau de autoridade atribuído a um comandante ou chefe de serviço para empregar ou controlar forças. pelos meios ou armas disponíveis. em missões ou tarefas específicas e limitadas. de uma aeronave em vôo. Coordenação Ato ou efeito de conciliar interesses e conjugar esforços para a consecução de um propósito comum. Corpo de fuzileiros navais Componente da Marinha para operações terrestres de caráter naval. da tática. de modo a capacitá-lo ao cumprimento de sua missão. C-23 . Coordenador aerotático Oficial que coordena. mais apropriados e eficazes. referente a assuntos técnicos. a ação das aeronaves de combate empenhadas em apoio a forças terrestres ou navais. Corredor aéreo Rotas aéreas previstas para uso das aeronaves amigas e estabelecidas para prevenir que venham a ser atingidas pelo fogo das forças amigas. com a responsabilidade principal no desenvolvimento da doutrina. Controle técnico Controle exercido por meio de canal técnico sobre um órgão ou unidade.C 20-1 Controle de trânsito por unidade Sistema de controle de trânsito militar. de tal sorte que os alvos sejam atacados. com oportunidade. sem contudo incluir a autoridade para empregar. exercido pela própria unidade que se desloca ao longo das estradas que utiliza. da técnica e dos meios empregados por forças de desembarque em operações anfíbias. Coordenação de apoio de fogo Ato ou efeito de dispor o planejamento e a execução do fogo.

não possuindo densidade nem profundidade. entre determinadas forças e o inimigo.C 20-1 Corredor de mobilidade Faixa do terreno por meio da qual um elemento de manobra poderá se deslocar. Crédito de suprimento Quantidade de suprimento que determinado escalão está autorizado a consumir dentro de um período considerado. São representados por setas (indicadoras de direção) com o símbolo do escalão a que atende. quando associados. C-24 . São levantados para as forças de dois escalões abaixo daquele que realiza o estudo do terreno. uma força. Os corredores de mobilidade variam com o tipo. de forma que. Cortina de fogos Sistema de fogos defensivos. para se obter uma determinada densidade de tráfego. despachadas por hora. formem vias de acesso para os elementos de manobra desse mesmo escalão (um escalão abaixo). boa qualidade e velocidade. das vistas inimigas. Cortina de vigilância Dispositivo linear e disperso que interpõe postos de vigilância fixos ou móveis. Corveta Navio de guerra de pequeno calado. podendo fazer escolta de comboio. Corrente de tráfego Número de viaturas. cuja característica essencial é a continuidade. navio ou instalação. Criptoanálise Procedimentos empregados na conversão de criptogramas em texto claro. a natureza e a mobilidade de cada força. sem conhecimento prévio da chave empregada na sua produção. destinado à patrulha anti-submarina. Cortina de fumaça Volume de fumaça produzida para cobrir. com a finalidade de prover-lhe segurança pela observação e informação oportuna.

Crise Situação de tensão provocada por fatores internos e/ou externos. grande velocidade. Cruzador Navio de guerra de tamanho médio. etc. cobertura. bombardeios de costa. na qual existe o risco de escalada. C-25 . boa qualidade e armamento de calibre médio e tiro rápido. Criptograma Mensagem criptografada. escoltas de comboios. contra-ataques de superfície. como navio de controle aéreo e lançador de mísseis. sem a utilização da criptoanálise. grande raio de ação.C 20-1 Criptografia Meios e processos utilizados para a conversão de um texto claro em criptograma ou de um criptograma em texto claro. proteção moderada. atualmente. Mais usado. destinado a efetuar exploração. podendo originar um conflito armado.

Decriptografar Converte um criptograma ao texto claro pela inversão do processo para criptografar. com autorização do Congresso. [A declaração de guerra autoriza o emprego da Expressão Militar do Poder Nacional. D-1 . despesas extraordinárias e as requisições civis e militares necessárias ao esforço de guerra. Declaração de guerra Ato formal expresso por decreto do Presidente da República. Ato formal de comunicação ao opositor e demais nações de que serão iniciadas as ações bélicas. É também um ato de Direito Internacional]. Decisão básica (ou fundamental) Decisão que deve ser tomada no mais alto escalão de uma força combinada antes de ser iniciado o planejamento detalhado da operação. a Mobilização Nacional. em caso de ameaça ou de agressão concreta que coloca a Nação em estado de beligerância contra outra Nação hostil ou coligação. Decodizar Operação de decriptografar um texto empregando um código.C 20-1 D Decifrar Ato de decriptografar utilizando uma cifra. não compreendendo solução por criptoanálise. Decisão Expressão clara e precisa de como um comandante ou chefe militar resolveu cumprir sua missão ou solucionar determinado problema.

também. medidas para restaurar os serviços públicos essenciais e preservar o moral da população. desencadeadas de uma plataforma aeroespacial e destinadas a anular ou reduzir a eficiência da ação de vetores aeroespaciais hostis. sem idéia de recuo. Defesa aeroespacial passiva Conjunto de medidas. Defesa civil Conjunto de medidas que tem por finalidade prevenir e limitar. Defesa aeroespacial Conjunto de ações destinadas a assegurar o exercício da soberania no espaço aéreo da nação. Defesa aeroespacial ativa Ações executadas diretamente contra os vetores aeroespaciais inimigos. por ação inimiga ou em conseqüência de calamidades quaisquer. os recursos e bens materiais de toda ordem. Defesa antiaérea Ação de defesa aeroespacial ativa desencadeada da superfície. destinada a impedir. durante e depois de um ataque aeroespacial. sem hostilizar o inimigo.C 20-1 Defesa aérea Conjunto de ações e medidas de defesa aeroespacial ativa. em vôo. em situação de guerra ou de paz. para anular ou reduzir a eficiência de um ataque aeroespacial. destruindo-o ou expulsando-o para restabelecer a posição. Compreende a defesa aeroespacial ativa e passiva. para reduzir seus efeitos. a intenção do defensor é manter o terreno a todo custo. anular ou reduzir a ação de vetores aéreos hostis. Inclui a defesa aérea e a defesa antiaérea. os riscos e perdas a que estão sujeitos a população. destruir ou repelir o atacante pelo fogo e combate aproximado e guardando um mínimo de força em reserva para bloquear penetrações do inimigo. compreendendo. colocando o máximo de forças em posição à frente para deter. Na defesa de área. Defesa de área Tipo de defesa que se baseia na manutenção de uma faixa do terreno específico. tomadas antes. impedindo seu uso para a prática de atos hostis ou contrários aos objetivos nacionais. D-2 .

navais e aéreas. disposta na contra-encosta. São empregadas medidas de dissimulação para levar o inimigo a crer que a posição defensiva está na encosta. total ou parcialmente.C 20-1 Defesa de área de retaguarda Medidas que têm por finalidade evitar ou reduzir ao mínimo a interferência das forças terrestres inimigas nas operações de apoio logístico. forma de manobra defensiva comum no escalão divisão de exército. Defesa móvel Tipo de defesa que se baseia na destruição do inimigo por meio do fogo e do contra-ataque. Defesa elástica Técnica que admite a penetração do inimigo em região selecionada para emboscá-lo e atacá-lo pelo fogo ao longo de todo seu dispositivo. A maioria dos meios é. de onde se possa engajar o inimigo que atingir a crista topográfica da elevação. em nível operacional. realizada nos escalões batalhão e brigada. Defesa em posição Tipo de manobra tática na defensiva. Não se trata de defesa móvel. em que uma força procura contraporse às forças inimigas numa área organizada em largura e profundidade e ocupada. reprimir ou eliminar antagonismos e pressões de origem externa sobre a nação e a garantir a segurança nacional. Normalmente. D-3 . com a finalidade de destruir o inimigo ou manter e controlar o terreno em sua posse. Defesa externa Conjunto de ações e medidas. A posição é ocupada por tropas desdobradas em profundidade. entretanto. Defesa em contra-encosta Visa a utilizar uma crista topográfica para proteger o defensor da observação terrestre e do fogo direto do inimigo. por todos os meios disponíveis. adotadas ou empreendidas com o fim de dificultar ou repelir qualquer forma de ataque ao litoral. empreendidas predominantemente no campo militar. visando a evitar. Defesa de costa Conjunto de medidas e operações militares terrestres.

baseadas na proteção. Defesa pública Conjunto de atitudes. Defesa passiva Defesa de um local sem a utilização de armas. ser sanada. insuficiência ou imperfeição e que pode ou não. no espaço geográfico sob jurisdição nacional. se aproveitada por nós e se o inimigo não tiver possibilidades de saná-la. impedir ou eliminar a prática de atos que perturbem a ordem pública. D-4 . Deficiência Condição ou circunstância da situação do inimigo em dado momento. sendo empregada em vigorosa ação ofensiva para destruir o inimigo em momento e local mais oportunos. Uma deficiência poderá se constituir em vulnerabilidade. medidas e ações adotadas para garantir o cumprimento das leis de modo a evitar. impedir ou eliminar os antagonismos e pressões de origem interna ou externa sobre a nação e a garantir a segurança nacional. aproveitamento do terreno. não incluído no teatro ou zona de operações para resguardar o potencial nacional e garantir a segurança interna contra todas as formas de agressões partidas de dentro ou de fora do país. despistamento.C 20-1 Forma de manobra tática em que o comandante emprega um menor poder de combate à frente. busca canalizar e retardar ou bloquear o atacante. ocasionada por falta. Defesa nacional Conjunto de medidas que visam a evitar. dos fogos e da organização do terreno para recuperar a iniciativa. Defesa territorial Conjunto de medidas militares adotadas em situação de guerra. Na defesa móvel. levantadas as considerações lógicas. valendo-se da manobra. dispersão. camuflagem. Defesa nuclear Conjunto de medidas destinadas a anular ou reduzir os efeitos de ataques nucleares. de forma a ter influência na seleção de nossas linhas de ação gerais. a reserva recebe maior prioridade na distribuição dos meios. controle de danos e outros. na área de defesa avançada.

contudo. em área onde não se procure obter uma decisão. durante um certo período. para distribuição aos elementos a apoiar. serviço ou Força Armada. sem. basicamente. Densidade de tráfego rodoviário Número de viaturas por quilômetro. Depósito especializado Instalação que recebe.C 20-1 Definição política Expressa as bases necessárias à concepção de uma estratégia. armazena e distribui suprimento de determinada classe ou de determinado tipo de material. Demonstração de força Ação destinada a dissuadir. traduzidas por objetivos a alcançar e pelos rumos a serem seguidos para alcançá-los. Depósito Instalação de suprimento destinada. Demolição Consiste nos trabalhos para desfazer ou destruir um recurso físico. haver avanço em sua direção. em uma determinada rodovia. iludir ou intimidar as forças adversas por meio da exibição de força. armazena e fornece suprimentos de mais de uma classe. Depósito privativo Depósito de suprimentos pertencentes a um único serviço ou classe. à estocagem do nível de suprimento prescrito ao escalão que o opera. Depósito geral Instalação de suprimentos que recebe. D-5 . Demonstração Ação destinada a iludir o inimigo por meio de uma exibição de força.

às necessidades em terra da força de desembarque. o funcionamento de uma unidade. após determinado prazo. posto.C 20-1 Depósitos flutuantes Navios ou embarcações de desembarque ou viaturas anfíbias. que dirige o desembarque dos suprimentos de acordo com os pedidos do comandante de tropa interessado. Desbordamento vertical Desbordamento em que a força desbordante se desloca por via aérea. cortando seus itinerários de fuga e sujeitando-o ao risco da destruição na própria posição. evitando sua principal posição defensiva. de bordo dos navios em que estavam. D-6 . campo. Ficam localizados nas vizinhanças de um oficial de controle. de itens específicos. em que se procura responder. Desativar Fazer cessar. prontamente. seus suprimentos e equipamentos. base e outros. a pedido do comandante da força de desembarque. Desaparecido em ação Militar sobre cujo destino. carregados com cargas prescritas de suprimentos de emergência. Descarga geral Consiste no desembarque de unidades de tropa. por meio de documento oficial. estação. Descarga inicial (ou descarga de assalto) Período inicial das operações de descarga. não existem provas suficientes para considerá-lo em outra categoria de perdas. de caráter fundamentalmente tático. Desbordamento Forma de manobra tática ofensiva na qual o ataque principal ou de desbordamento é dirigido para a conquista de um objetivo à retaguarda do dispositivo inimigo ou sobre o seu flanco. Descarga seletiva Descarregamento controlado do comboio de assalto e transporte para terra. tão rapidamente quanto as condições em terra o permitam.

produtos. visando tanto à produção de novos materiais. Desenvolvimento experimental Uso de conhecimentos científicos já acumulados da pesquisa ou da prática. particularmente das suas armas de tiro tenso. gradualmente. Desengajar Ação pela qual uma força busca preservar ou recuperar a liberdade de ação de seu grosso. tornar inofensivos ou remover agentes químicos. Desdobramento Ato de dispor os elementos de uma força em largura e profundidade ou em ambas. com a rede de observação instalada e com as comunicações estabelecidas. Desenvolver Disseminar uma tropa no terreno. condições para prosseguimento. radiológicos ou biológicos. Ato de dispor a artilharia com o material em posição. campos minados e outros) garantindo. destruir. Desgaste Ato ou efeito de enfraquecer. Envolve. D-7 .C 20-1 Descontaminação Processo para absorver. sistemas ou serviços específicos. neutralizar. Desembocar Ação na qual o elemento atacante sobrepuja as dificuldades iniciais impostas pelo inimigo (defesas. processos. tomando o dispositivo de combate. a fim de aumentar o seu grau de prontidão para o cumprimento de uma missão. fogos. com a finalidade de anular ou reduzir a eficácia da observação e dos fogos do inimigo. equipamentos. a construção e testes de protótipos ou de plantas-piloto. barreiras. de acordo com um plano previamente elaborado. quanto ao melhoramento técnico daqueles já existentes. geralmente. as forças do adversário por meio de numerosas e bem sucedidas operações. a realização de ensaios em escala natural ou a concepção semifinal do processo pesquisado. conseqüentemente.

caracteriza-se pela irradiação intencional. a fim de simular as atividades normais na frente e. voluntária ou involuntariamente. reduzido e organização variável. D-8 . dentro de suas possibilidades. Despistamento Para a GE. dentro das condições estabelecidas e mediante horário. Destacamento de contato Força organizada com elementos de manobra e de apoio. absorção ou reflexão de energia eletromagnética do sinal interceptado ou ao mau uso dos dados recebidos pelos seus sensores. Deslocado de guerra Civil que devido à guerra está. empregado no retraimento sem pressão do inimigo. encarregada de executar a destruição de pontos críticos ao longo de um eixo (passagens em desfiladeiros. alteração. fora dos limites nacionais de seu país. viadutos. Destacamento de destruição Força organizada sob o comando de um oficial ou graduado de engenharia.C 20-1 Desinformação Manipulação planejada de dados reais ou artificiais com a finalidade de iludir ou confundir organizações adversas de inteligência. túneis e outros). Deslocamento sob condições desfavoráveis Deslocamento executado através do campo ou estradas precárias com reflexos sobre o consumo de classe III. Deslocamento estratégico Deslocamento de amplitude estratégica que objetiva à condução das forças para as regiões de onde deverão iniciar suas operações militares. desejoso ou não de retornar à sua pátria. Destacamento Parte de uma força separada de sua organização principal para cumprir uma missão em outra região. reirradiação. senha ou ordem superior. destacados pelas unidades de contato. pontes. prover segurança ao retraimento do grosso. com efetivo. tendo a missão principal de permanecer em contato. normalmente. dependendo da situação.

equipamentos e suprimentos. compreendendo. normalmente. normalmente. acionar e proteger o destacamento de destruição e. temporariamente. composto de pessoal altamente especializado nas várias atividades necessárias à condução de guerra irregular. a evacuação de baixas e prisioneiros de guerra da praia para o mar e para facilitar o abicamento. da organização a que pertence. Destacamento retardador Organizado. subordinada à força de desembarque. saúde e suprimentos. essenciais à manutenção do poder de combate do elemento apoiado. entre as posições de retardamento. Destacamento de segurança Força organizada com a missão de proteger um ponto crítico ao longo de um eixo (passagens em desfiladeiros. fazer pequenos reparos e balizar itinerários de marcha e preparar. ou parte da tropa. um grupo de itinerário e um grupo de estacionadores. sua movimentação através da praia. pontes. com a missão de executar o retardamento contínuo do inimigo. formada para facilitar o desembarque de tropas. com elementos da reserva de uma força que realiza uma ação retardadora. realizando atividades das funções logísticas recursos humanos. controlar sua utilização pelas forças amigas. Destacar Separar. se for o caso. coordenar a execução do alerta e a evacuação de tropas e civis.C 20-1 Destacamento de forças especiais Elemento básico do emprego de forças especiais. É formado por elementos terrestres e navais. D-9 . Destacamento precursor Elemento organizado com a finalidade de reconhecer. viadutos. repartir e guiar a tropa na nova área de estacionamento. Destacamento de praia Organização por tarefas. o retraimento e o salvamento de navios e embarcações de desembarque. com fins específicos de realizar determinada tarefa. Destacamento logístico Fração de composição variável que tem por missão proporcionar apoio logístico cerrado e contínuo aos elementos de primeiro escalão de uma brigada e/ou divisão de exército. um militar. túneis e outros) contra sabotagem e ataques inimigos.

Dia de suprimento de munição Quantidade de munição prevista como necessária. exigindo sua retirada de combate.C 20-1 Destinatário de ação Órgão ou pessoa a quem uma mensagem é dirigida para execução. Dia de suprimento Suprimentos considerados necessários para manter uma força durante um dia em determinada área. D-10 . Diagrama da área de assalto Diagrama que contém extratos de outros documentos relativos ao desembarque numa operação anfíbia e que. a organização das linhas de partida. as áreas de transporte e as áreas de apoio de fogo adjacentes às raias de embarcações. por dia. em face de acentuadas perdas em seu pessoal-chave. as vagas programadas. Diagrama da embarcação Na fase do assalto de uma operação anfíbia. mostra. Dia “D” Expressão usada para designar o dia em que uma operação ou uma fase da operação terá início. a área dos navios de desembarque. determinando sua exata posição (fase do ciclo de interceptação). de maneira esquemática. as raias de embarcações. bem como danos em seu equipamento. Detecção Localização dos movimentos aeroespaciais. para a realização das operações. normalmente. ampla recuperação e nova e intensiva instrução. Destruição tática de uma força Ato de tornar determinada força completamente ineficiente para o combate. o diagrama que mostra as posições de indivíduos e equipamentos em cada embarcação. as designações das praias.

Difusão da informação Última fase do ciclo da produção de informações e que consiste em divulgar o conhecimento obtido para o órgão ou escalão que solicitou a informação ou para aquele ao qual tal conhecimento possa interessar ou ser útil. Diário de seção de estado-maior Registro diário. no quadro de uma manobra estratégica. Direção estratégica Visualização de uma direção de aplicação de força militar. que indica o itinerário aproximado ao longo do qual um comandante deseja que o comandante subordinado oriente seu ataque principal. Diagrama do desenvolvimento Na fase do assalto de uma operação anfíbia. fixada em planos ou ordem de operações. de todos os eventos (mensagens. ordens e outros) do interesse da seção considerada. no âmbito do escalão considerado. cabo múltiplo ou multicanal-cabo). em ordem cronológica. mostrando a quantidade de circuitos lançados e os indicativos das diferentes centrais e terminais. D-11 .C 20-1 Diagrama de desembarque Meio gráfico para ilustrar o movimento navio-para-terra de um grupamento de desembarque de batalhão. Difusão do alarme Provimento de alarme a órgãos de um sistema de defesa aeroespacial. Aquela segundo a qual é aplicada a parcela da expressão militar do Poder Nacional. diagrama que mostra o dispositivo em que o grupo de embarcações progride da área de reunião de assalto. Direção de ataque Direção. Diagrama dos circuitos Representação esquemática das ligações por circuitos físicos (fio. abrangendo direções táticas de atuação.

munições. Diretrizes gerais de planejamento Diretrizes governamentais destinadas à ordenação metódica do esforço nacional. a fiscalização e a instrução. armas. edificações e atividades. Diretriz Comunicação oral ou escrita em que se estabelece determinada orientação ou se rege ação. com a finalidade de autorizar e regular o processamento e a elaboração dos planos. Em artilharia antiaérea. Disciplina de suprimento Observância pelos indivíduos e pelas organizações de regras e normas com a finalidade de criar o hábito de conservar. Disciplina de rede Forma de segurança das comunicações que compreende o uso adequado do material. em torno do ponto médio.C 20-1 Direção tática de atuação Direção que permite chegar ao objetivo estratégico ou atingir a finalidade estratégica fixada pelo escalão superior. segundo linhas particulares de ação. em uma ampla área. víveres. guardar e aproveitar ao máximo peças de fardamento. combustíveis e lubrificantes. controle da rede. viaturas. Diretrizes particulares de planejamento Documentos formais que traduzem a decisão do Governo do Estado sobre as opções de alternativas apresentadas pelos órgãos de cúpula de planejamento. Dispersão Distribuição sistemática dos arrebentamentos de bombas lançadas sob idênticas condições ou de projéteis atirados por uma mesma arma ou grupos de armas com os mesmos elementos de tiro. conduta ou procedimento. manter. navios. a observância das freqüências e regras de exploração prescritas. material. repartição do tiro em alcance e direção. D-12 . a fim de não apresentar um alvo concentrado. mediante ações estratégicas. Espaçamento de tropas. conseqüência das linhas gerais definidas nas políticas de consecução.

Distância de controle Distância máxima entre as praias de desembarque situadas nas extremidades do conjunto de praias a serem utilizadas. lançados em pára-quedas.C 20-1 Disseminação de agentes químicos. por intermédio de meios de qualquer natureza. por meio de bombas ou tanques pulverizadores. Dispositivo de expectativa No âmbito de uma defesa em posição. numa situação tática. para cada brigada e para a divisão como um todo. eficazmente. seja pela interpretação errônea do conteúdo das emissões. Distância de apoio Maior afastamento que uma unidade. Dispositivo Modo particular por que são desdobrados. Disseminação de pessoal e equipamento. instalação ou força de apoio pode guardar de uma unidade. seja induzindo falsas indicações em seus sistemas eletrônicos. na área de reserva. Dissimulação eletrônica Irradiação ou reirradiação de energia eletromagnética. reais ou potenciais. inicialmente. trata-se de preservar. Dissimulação tática Conjunto de medidas e ações que procuram iludir o inimigo a respeito de determinada situação e/ou planos táticos com o propósito de conduzi-lo a reagir de modo vantajoso para nossa manobra. instalação ou força apoiada. os elementos de uma força. assim que for detectada a orientação da maioria dos meios do inimigo. D-13 . o grosso do poder de combate para emprego no momento e local oportuno. em forma líquida ou gasosa. dentro do qual se admite que o apoio possa ser. Dissuasão Atitude estratégica que. inclusive militares. que permite o controle naval centralizado do movimento navio-para-terra. tem por finalidade desaconselhar ou desviar adversários. É conseqüência da existência de amplos espaços e da crescente mobilidade dos meios nos atuais campos de batalha. prestado. com o propósito de iludir o inimigo. de possíveis ou presumíveis propósitos bélicos. Essa distância é medida entre os limites externos das praias de desembarque de batalhão.

Distribuição de suprimento “em instalação de suprimento” Distribuição feita em instalações do escalão que apóia. impedir que o inimigo o faça em relação aos seus próprios interesses. Dotação orgânica Quantidade de cada item de suprimento classe V (Mun). Distribuição do suprimento “na unidade” Distribuição feita pelo escalão que apóia. que obriga o elemento apoiado a procurá-las para receber os suprimentos. que determinada organização militar deve manter em seu poder para atender às necessidades de emprego operacional. junto às unidades de apoio logístico do elemento apoiado. expressa em tiros por arma ou em outra medida adotada. expressa em tiros por arma. que poderá ser subdividido. e por tropas divisionárias que compreendem unidades de combate e de apoio logístico. Divisão de Exército Grande comando operacional da força terrestre. em subdistritos. Domínio do mar Capacidade do poder naval de uma nação. para garantir a utilização efetiva do mar e. Dotação orgânica de munição Quantidade de suprimento de classe V (Mun). D-14 . correspondendo. Distrito administrativo Área situada na zona de administração e no território nacional. à parte do território de uma região militar incluído na zona de administração. constituído de um número variável de brigadas. normalmente.C 20-1 Distância média de suprimento Dobro da média aritmética das distâncias entre a linha de contato e os locais onde o escalão considerado recebe o suprimento do escalão superior. simultaneamente. transportada por uma unidade (com seus homens e nas viaturas orgânicas) e constante dos quadros de organização e dotação. sob a jurisdição de um comando militar para fins de administração territorial militar e de segurança. não necessariamente idênticas. pelo respectivo comando.

Doutrina de segurança Conjunto de conceitos básicos. D-15 .C 20-1 Doutrina de guerra Parte integrante da doutrina de segurança nacional que engloba uma concepção filosófica e sociológica da guerra. define e reparte as tarefas de ação entre os diversos setores da atividade nacional e interaliada e indica as regras de sua coordenação. processos e normas de comportamento que permitem orientar os estudos. a formulação e o desdobramento da política nacional de segurança. processos e normas de comportamento que sistematizam e coordenam as atividades das Forças Armadas na nação. princípios gerais. Doutrina militar Conjunto de conceitos básicos. princípios gerais.

incluindo: .o efetivo extranumerário previsto. Efetivo-teto da força terrestre do teatro de operações Efetivo previsto para todas as forças terrestres que integram o teatro de operações. incluindo a eficiência. previsto em documentos oficiais.o efetivo de recompletamento que a força terrestre do teatro de operações pode manter. criando e implementando boas estratégias. Efetivo existente em pessoal Número de pessoas realmente existente em determinada organização militar. isto é. mas não se limitando. com autorização do Comando do Exército.efetivo de quadro de organização e dotação de todas as unidades e grandes unidades. É o que se espera da realização da tarefa. Efetividade Realização de atividades em melhor nível. "fazer a coisa certa da maneira certa". E-1 . . para integrar uma organização militar. Efetivo previsto em pessoal Número de pessoas. em determinado momento. . Implica em que alguma forma de ação deve ser executada. além do que consignam os quadros de organização e dotação das unidades e grandes unidades.C 20-1 E Efeito desejado Resultado da ação a ser executada.

Eixo de progressão Direção de movimento que se orienta para a área do objetivo. ao controle operacional do órgão central do sistema. estabelecida para fins de controle. ao longo do qual o posto de comando deverá se deslocar. Elemento alocado Fração de uma organização destinada ao desempenho de atividades relacionadas com a defesa aeroespacial que passa. Eficiência operacional Capacidade técnico-administrativa da organização militar. por determinação da autoridade competente. avaliado depois de executada a ação. E-2 . É a obtenção de um resultado desejado. com eficiência. destinada a balizar a progressão de determinada força.C 20-1 Eficácia Medida do grau com que o material se aproxima de sua capacidade nominal e alcança facilidade de manutenção e operação. dinamizando os recursos materiais e humanos que definem seu nível de operacionalidade. Eixo de comunicações Itinerário ao longo do qual devem ser estabelecidos os postos de comandos futuros. para desempenhar. é orientado para as instalações logísticas da zona de administração (base logística) e destas para as instalações logísticas da zona de combate (grupamento logístico). as atividades e as ações correspondentes às missões que lhe são atribuídas em quadro de organização. sendo designado pelos sucessivos locais prováveis do posto de comando ou por um itinerário específico. Eixo prioritário de transporte Conjunto de vias de transporte multimodais que. com a finalidade de dar suporte físico ao trânsito de suprimentos que se destinam a um teatro de operações terrestres. Eficiência Grau de perfeição obtido na produção de um resultado. obedecendo a uma mesma direção geral.

para a defesa específica desses elementos. equipamento e suprimento em qualquer meio de transporte. um elétrico e outro magnético. unidade de artilharia antiaérea do Exército Brasileiro alocados ao SISDABRA. com as demais operações de combate e apoio ao combate. Embarcação de desembarque Qualquer embarcação construída especificamente para transportar material ou pessoal até as praias e aí desembarcá-lo. centros integrados de defesa aérea e controle de tráfego aéreo (CINDACTA). destacamentos de proteção ao vôo. Em Condições De (ECD) Expressão que caracteriza determinadas situações às missões táticas atribuídas a uma OM. e que se desloca no espaço à velocidade da luz.C 20-1 Elemento de comunicações e guerra eletrônica Órgão do centro de operações táticas cuja missão é a coordenação das ações de comunicações e guerra eletrônica. a saber: órgão central (COMDABRA). sem contar com recursos além dos que possui a bordo. detecção e telecomunicações (DPV-DT). formando dois campos. com a finalidade de alertá-los sobre possíveis ou previstas alterações naquelas missões. unidades aéreas de defesa aérea da Força Aérea. no que se refere à utilização do espectro eletromagnético no âmbito da Divisão de Exército. E-3 . Elementos essenciais de informações Tópico de informação ou de informe sobre as características da área de operações ou sobre as possibilidades do inimigo que o comandante julga necessitar para poder chegar a uma boa decisão. Emissão eletromagnética Energia irradiada por uma antena. Embarque Carregamento de pessoal. tendo em vista facilitar as operações futuras. e para o estabelecimento de outros dispositivos da defesa antiaérea em todo o Território Nacional. Elementos permanentes da defesa aeroespacial Elementos permanentemente alocados ao sistema de defesa aeroespacial.

considerando-se.. de imediato.. Envolvimento Força de manobra tática ofensiva. pessoas ou grupos de pessoas.”.C 20-1 Engajamento Situação em que se encontra uma força desdobrada e em contato com o inimigo. obra. como por exemplo. exigidos na respectiva especificação ou projeto. pela introdução de potência de fogo ou de manobra. Envolvimento vertical Envolvimento em que a força envolvente se desloca por via aérea. evitando a parte mais forte do seu dispositivo. com propósito específico.. ainda. ser empregadas em outra parte da área de operações. A ordem de engajar pode ser complementada com sua finalidade. Ensaio Conjunto de aferições e testes a que deve ser submetido um determinado material. devendo impedir seu acesso à região de . fogos e manobra da força que engaja. Equilíbrio Característica do planejamento logístico que representa a correspondência real entre as necessidades (N) e os meios (M). as forças engajada e engajadora não poderão. Engajamento decisivo Quando a força tiver perdido sua liberdade de ação e não mais tiver possibilidade de iniciar uma ação planejada com seus próprios meios. produto. A ação desencadeada por meios de defesa aeroespacial.. E-4 .. Dessa forma. instalação. “engajar o inimigo.. a capacidade (C) e o tempo (T) decorrentes para a transformação da capacidade em meios (N = M + CT).” ou “engajar o inimigo. (ver fase do ensaio). devendo impedir seu emprego na região de.. Engajar Ação tática genérica que obriga a tropa engajada a desdobrar-se para fazer frente à observação.. na qual o ataque principal é dirigido contra objetivo vital situado profundamente na retaguarda do inimigo.

dando condições ou aumentando possibilidades de elementos padronizados. da freqüência de manutenção e do fator de equivalência entre os diferentes materiais. Equipe de embarcação Tropa designada para uma embarcação de desembarque ou viatura anfíbia. Escalão Cada um dos sucessivos e distintos níveis da cadeia de comando. Qualquer das frações de um conjunto militar articulado no sentido da profundidade. como: radares. Equipamentos de não-comunicações São aqueles destinados. tais como radiotransmissores e recptores em geral. cada um com sua missão principal definida no combate. para o trânsito das informações. necessários para dotar um militar ou organização militar para o desempenho de uma missão. É estabelecido em função da produção estimada. num movimento navio-para-terra. sensores infravermelhos. particularmente.C 20-1 Equipamento Todos os artigos. basicamente. exceto o fardamento e o armamento. Equivalente de manutenção Fator que permite calcular o volume de trabalho de manutenção necessário ao ciclo operacional de determinado período. Equipe Reunião de pessoal especializado e dosado harmonicamente para desempenhar tarefas específicas. a produzir informações. Equipamentos de comunicações São aqueles empregados. E-5 . Equipe de controle aerotático Órgão encarregado de assessorar o comandante da unidade terrestre quanto ao emprego do apoio aéreo e controlar o mesmo. intensificadores de luz e diversos equipamentos com aplicações laser.

destinadas a fornecer uma cortina de contra-reconhecimento e informações sobre o inimigo. numa posição defensiva. Escalão de reserva Conjunto de forças. mas necessário para as operações subseqüentes a este assalto. destinadas a deter. empregadas com responsabilidade de defesa de uma parte da frente. em uma operação aeroterrestre ou aeromóvel. desdobradas na área de reserva e destinadas a influir na ação. numa posição defensiva. retardando-o . E-6 . não necessário na área do objetivo no assalto inicial. Em uma operação aeromóvel. segundo suas capacidades em pessoal e material. Escalão de assalto Em operação aeroterrestre. Escalão de defesa avançada Conjunto de forças. Escalão de manutenção Grau de amplitude de trabalho atribuído a uma unidade ou organização militar.C 20-1 Escalão de acompanhamento Escalão de forças. numa posição defensiva. Escalão de segurança Conjunto de forças. e desdobrando-se à frente da área de defesa avançada. canalizar ou destruir as forças atacantes. o escalão de forças composto pelos elementos necessários para a conquista dos objetivos de assalto na cabeça-de-ponte aérea inicial. inclusive reservas e tropas de apoio. Escalão de ataque Conjunto de elementos previstos no plano de manobra do comandante para executar as ações de combate necessárias ao cumprimento da missão de ataque. iludindo-o. vagas de embarcações que encabeçam a aproximação para a praia. tanto quanto possível. Em uma operação anfíbia. com o fim de assegurar a conservação do equipamento. o escalão de forças composto dos meios necessários ao engajamento no combate terrestre que são desembarcados na área do objetivo.

É temporária e só é utilizada quando o risco para as aeronaves amigas for de tal ordem que a justifique. pertencentes a um militar morto. em relação aos fogos superfície-superfície. um material. e encontrados com o mesmo ou em uma organização militar. Escalão recuado Em uma operação aeroterrestre ou aeromóvel. em condições de “a pedido” ou de “não programado”. Escolta Elemento destinado a assegurar prioridades de tráfego e segurança à autoridades e comboios. Especificação Tipo de norma que apresenta uma descrição rigorosa e minuciosa das características que um trabalho de natureza doutrinária ou intelectual. Espaço aéreo Porção do espaço sobrejacente a determinada superfície terrestre ou marítima. afastadas da terra. o escalão de forças deixado na área de partida para desempenhar funções logísticas e de serviço. Espólio Conjunto de bens materiais.C 20-1 Escalão do mar Parcela do comboio de assalto que se retira da área dos transportes ou permanece fora dessa área durante um desembarque anfíbio e opera em áreas determinadas. Espaço aéreo restrito Medida de coordenação de apoio de fogo que cria um corredor relativamente seguro para as aeronaves. subgrupamento ou coluna de marcha por determinado ponto do itinerário. Escoamento Tempo necessário para a passagem de unidades. E-7 . uma função ou grupo funcional. uma obra ou um serviço deverão apresentar. grupamento.

para promover a conquista e a manutenção dos objetivos nacionais de um povo. Estado Entidade soberana de natureza política. sob a forma de acampamento.C 20-1 Esquema de manobra Representação gráfica dos elementos essenciais de uma linha de ação para o cumprimento de uma missão tática ou estratégica. Estado de defesa Salvaguarda constitucional. Estação controladora da rede Estação responsável. Representa a probabilidade de ocorrência de ataque aeroespacial a determinada área defendida pela artilharia antiaérea. também. Estabilidade estratégica Situação de equilíbrio moral e material das forças disponíveis. bem como pelo correto cumprimento das ordens existentes para a rede. dentro do critério do bem comum. a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza. nos campos operacional. amarelo e branco. cabendo a responsabilidade de sua difusão ao sistema de controle e alarme. Estado de ação Grau de liberdade de abrir fogo das armas antiaéreas de determinada defesa antiaérea. para preservar ou prontamente restabelecer. acantonamento ou bivaque. dentro de uma rede. eficiência e disciplina do tráfego. em locais restritos e determinados. Estacionamento Parada de uma tropa em determinada região. instituída em determinado território. decretada pelo Presidente da República. pela coordenação. nas redes dirigidas. Compreende os seguintes tipos: vermelho. Estado de alerta Circunstâncias relativas ao alarme fornecidas a todos os elementos empenhados numa defesa antiaérea. A ela compete. logístico e psicológico. E-8 . o controle do encaminhamento do tráfego entre as demais estações da rede.

Estado-maior geral Fração do estado-maior. que tem por finalidade assessorar o comandante no exercício do comando. normalmente sob a égide de um organismo internacional.C 20-1 Estado de sítio Salvaguarda constitucional. após autorizado pelo Congresso Nacional. culturas e idiomas que . Estado-maior especial Órgão composto de pessoal militar de qualificação técnica. Estimativa de captura de prisioneiros de guerra Cálculo do número de prisioneiros de guerra cuja captura é esperada em determinada operação. decretada pelo Presidente da República. em assuntos relacionados com suas especialidades. cujos integrantes têm atribuições concernentes às relações do comandante com outras autoridades e executam. Estado-maior combinado Estado-maior de uma organização militar integrado por militares de mais de uma força armada. e de declaração de estado de guerra ou resposta a agressão armada estrangeira. missões prescritas pelo comandante. de diferentes nacionalidades. composto de pessoal militar qualificado. assim. especialistas e chefes de serviços. para assessorar o comandante no exercício do comando. Estado-maior Órgão composto de pessoal militar qualificado e de qualificação técnica. Estado-maior pessoal Fração de estado-maior. nos casos de comoção grave de repercussão nacional ou ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia de medida tomada durante o estado de defesa. que têm por finalidade assessorar o comandante no exercício de comando. E-9 . Estado-maior internacional Pessoal militar de qualificação específica. fundamentado em fatores condicionantes e dados experimentais. tem por finalidade assessorar o comandante no exercício do comando de tropa ou missão internacional. ao qual são diretamente subordinados.

selecionada(s) por determinado escalão. fundamentando-se em dados experimentais. Estrada guardada Estrada sobre a qual se exerce um completo controle. tanto no que diz respeito à prioridade de utilização como à regulação dos movimentos no tempo e no espaço. Estrada policiada Aquela que. de maneira a proporcionar-lhe melhores condições de apoio. deslocamentos. selecionada(s) com a finalidade de tornar flexível o planejamento. ou mais de uma. Estrada livre Estrada sobre a qual se exerce um mínimo de controle. com a finalidade de. ou mais de uma. Estiva Método de colocar a carga em um porão ou compartimento de um navio. E-10 . a fim de evitar avarias. sem ter um tráfego pesado. por ali.C 20-1 Estimativa de consumo Cálculo que exprime a quantidade de determinado suprimento. A Estimativa Logística identifica necessidades e permite ao planejador que estabeleça prioridades e obtenha os meios de atendê-las. atender ao grosso do apoio em suprimento aos seus elementos subordinados. Estrada principal de suprimento alternativa Estrada. Estrada principal de suprimento Estrada. Estimativa logística Processo lógico e sistemático empregado por planejadores logísticos para analisar a influência que o apoio logístico terá sobre determinada linha de ação. pode ser controlada por meio de postos de controle de trânsito e patrulhas de trânsito e sobre a qual se exerce um limitado controle. para consumo em determinado período. etc. no caso de ocorrer impossibilidade de utilização da estrada principal de suprimento.

designada especificamente para o uso exclusivo de determinada unidade. Estratégia Arte de preparar e aplicar o poder para. Estratégia de defesa nacional Conjunto de opções e diretrizes governamentais que. em determinada conjuntura. Estratégia governamental de desenvolvimento Arte de preparar e aplicar o poder nacional.C 20-1 Estrada reservada Estrada. Estratégia governamental de segurança Arte de preparar e aplicar o poder nacional para garantir a consecução e manutenção dos objetivos estabelecidos pela política nacional. orientam a nação quanto ao emprego dos meios de que dispõe. a despeito dos antagonismos existentes ou potenciais. econômica. Estratégia de desenvolvimento Arte de preparar e aplicar o poder nacional para conquistar e manter os objetivos estabelecidos pela política nacional de desenvolvimento. empregadas para alcançar e manter os objetivos nacionais atuais. para conquistar e manter os objetivos estabelecidos política nacional. psicossocial e militar). E-11 . alcançar e manter os objetivos fixados pela política. ou seja. para um tipo de tráfego ou para um determinado propósito. superando óbices de toda ordem. Estratégia militar Arte de preparar e aplicar meios militares para a consecução e manutenção de objetivos fixados pela política nacional. para superar as ameaças aos seus objetivos. a despeito dos fatores adversos existentes. conforme o estabelecido na Política de Defesa Nacional. Estratégia governamental Modo pelo qual o governo busca alcançar e manter os objetivos nacionais atuais fixados pela política governamental. inclusive os que têm potencialidade de gerar antagonismos. tendo em vista seu aperfeiçoamento e fortalecimento. a despeito dos fatores adversos existentes. a integração das estratégias governamentais específicas (política.

comandos de forças. usufruindo da liberdade de ação. preparado por um estado-maior. arsenais. Estratégia setorial Modo pelo qual cada ministério decide alcançar e manter os objetivos que lhe foram atribuídos (política setorial). Estratégia operacional Arte de deslocar. Estratégias particulares Arte de preparar e aplicar as respectivas expressões ou formas de poder nacional para alcançar os objetivos fixados pela estratégia nacional. em atividades não relacionadas com as operações de combate. objetivos que lhes forem designados. superando os óbices existentes ou potenciais. Estratégia nacional Arte de preparar e aplicar o poder nacional para. parques. conquistar e manter os objetivos nacionais. Tem por finalidade aplicar forças em uma campanha para realizar os objetivos fixados pela estratégia militar. métodos e normas de procedimento comuns.grandes comandos.em pessoal e material. estabelecimentos. desdobrar. sendo o resultado de uma pesquisa militar meticulosa que fornece ao comandante ou a outros escalões um relato da análise. de acordo com a orientação estabelecida pela política nacional. Estudo de estado-maior Documento formal. em consonância com a estratégia governamental. preparar e empregar as forças armadas. utilizando ações e instrumentos peculiares a cada uma delas. mas norteada por princípios. Estrutura militar Organização geral das Forças Armadas . nas melhores condições. órgãos. contendo uma análise concisa e acurada. visando a atender. unidades operacionais e de apoio logístico . conciliando-os com as possibilidades táticas e técnicas dos meios. juntamente com conclusões e propostas feitas pelo autor. propõe uma solução para um problema específico ou para uma área problema específica. E-12 . ou um de seus oficiais. e sua articulação no território nacional.C 20-1 Estratégia militar combinada Arte de conduzir meios de duas ou mais forças armadas para a batalha ou para outras ações de campanha. em que se examina um problema e se propõe soluções. buscando superioridade no momento e local desejados. Documento formal que.

etapas e meios necessários à sua consecução. sob cuidados especiais. financeiro e de recursos materiais e humanos. com vistas a realização de ações pertinentes à estratégia militar terrestre. podendo ter a assistência de forças especiais ou forças irregulares amigas. por autoridade militar. em direção às linhas amigas. Estudo de viabilidade técnico-econômica Análise de exeqüibilidade de um projeto quanto aos aspectos técnico. a fim de possibilitar o conhecimento dos problemas e o planejamento das soluções. Evacuado Civil removido. ou entre elas. utilizando o transporte aéreo. compreendendo três fases: levantamento. animal e material que. até o acolhimento. mas sempre de um local com recursos médicos limitados para outro com maiores possibilidades técnicas. o movimento para a retaguarda de pessoal. com a definição prazos. Compreende. por qualquer motivo. Evacuação aeromédica Movimento de baixas para instalações médicas de tratamento.C 20-1 Estudo de situação Processo lógico e continuado de raciocínio pelo qual um comandante ou um oficial de estado-maior considera todas as circunstâncias que possam afetar a situação militar e chegar a uma decisão ou proposta. E-13 . também. do local onde se encontra. avaliação e exame. Evasão Deslocamento realizado em território sob o controle do inimigo. de pessoal doente e/ou ferido para uma instalação de saúde. Evacuação Tarefa da atividade medicina curativa da função logística que envolve o deslocamento. Estudo estratégico de área Estudo de uma área. em benefício de sua própria segurança ou de necessidades militares. após a realização de uma fuga ou acidente de aeronave. deve ser retirado das áreas da frente. ou desta para outra de escalão superior com maior resolutividade. que objetive o cumprimento de uma missão.

com vistas à consecução e manutenção dos objetivos nacionais. Expressão militar do poder nacional Conjunto de meios predominantemente militares de que dispõe a nação para. Expressão política do poder nacional Conjunto de meios predominantemente políticos de que dispõe a nação para expressar a vontade do povo e em seu nome exercer as funções de direção. a conquista e a manutenção dos objetivos nacionais. Expedidor Autoridade que envia ou determina que seja enviada uma mensagem. Exército de Campanha Grande comando operacional terrestre que executa operações estratégicas. com vistas à consecução e manutenção dos objetivos nacionais. sendo constituído de um comando. coordenação e decisão. quadro de cargos e outros). Exfiltração Técnica de movimento realizado de modo sigiloso com a finalidade de retirar forças ou pessoal isolado e/ou material do interior de território inimigo ou por ele controlado. de apoio ao combate e de apoio logístico. sob a direção do Estado. por meio dos quais se busca o melhor funcionamento do sistema econômico. com a finalidade de comprovar. pela dissimulação ou pela coação. E-14 . na prática. tropas de exército e enquadrando um número variável de divisões de exército. com emprego de tropa e sob condições que simulem ao máximo as situações de combate. Expressão econômica do poder nacional Conjunto de meios predominantemente econômicos de que dispõe a nação. planeja e conduz operações táticas dos seus elementos subordinados e prevê o apoio logístico das unidades que são orgânicas ou que o integram. Experimentação doutrinária Apreciações de documentos doutrinários em vigor (manuais. brigadas e unidades de combate. assegurar.C 20-1 Exeqüibilidade Característica do planejamento logístico que representa a capacidade de se fazer realizar de modo real com o emprego dos meios necessários. ou que se encontravam realizando operações militares. a exeqüibilidade e a eficácia dos preceitos contidos naqueles documentos.

C 20-1 Expressão psicossocial do poder nacional Conjunto de meios predominantemente psicológicos e sociais de que dispõe a nação para assegurar a plena realização da pessoa humana. E-15 . Extraviado Todo militar encontrado na zona de combate. com vistas à conquista e à manutenção dos objetivos nacionais. afastado de sua unidade sem permissão.

F-1 . Fase da travessia Fase em que vários componentes de uma força-tarefa anfíbia se movimentam dos portos de embarque para a área do objetivo. por suas características. equipamentos e suprimentos são movimentados para os portos designados e embarcados nos navios. Faixa de tráfego Faixa longitudinal de uma pista de rodagem destinada ao trânsito de uma única fila de veículos. iniciando-se uma outra. no fim da qual muda a natureza ou característica da ação.C 20-1 F Faixa de infiltração Faixa do terreno que contém caminhamentos a serem utilizados por forças de infiltração e que. Fase do embarque Período durante o qual as tropas. Fase Período distinto de uma atividade ou operação. Fase do assalto Período entre a chegada do grosso das forças de assalto da força-tarefa anfíbia na área do objetivo e a consecução da missão dessa força. permite a essas forças passar através das posições avançadas do inimigo sem que haja necessidade de engajamento em combate.

efetivo médio do escalão considerado mais o efetivo necessário para apoiá-lo nos escalões superiores e na zona de administração. classificado como material de consumo. Fator de acúmulo Coeficiente numérico que reflete o acúmulo de baixas nos hospitais. numa determinada situação. no tempo e no espaço. para uma determinada organização. F-2 . Fatia de tropa Para fins de planejamento logístico. Faseamento da operação Divisão em fases. de reajustamento no apoio logístico ou de mudança na natureza ou no ritmo da operação. com o período e com o tipo de baixa (em combate ou fora de combate) considerados. Fatia Fator médio de planejamento logístico. empregado para obter estimativas de necessidades em material e pessoal. Fator de consumo Índice utilizado para estimar quantitativamente o consumo de um item específico de suprimento. Varia com a norma de evacuação. Depende da taxa de admissão diária e do tipo de doença ou ferimento. num determinado período de tempo.C 20-1 Fase do ensaio Período durante o qual a operação em perspectiva é treinada sob condição tão real quanto possível. Fase do planejamento Intervalo de tempo entre a expedição da diretriz (diretiva) inicial e o início da fase do embarque. em que a manobra é fracionada em mais de um impulso. de modo a atender à necessidade de reorganização ou reagrupamento da força. Fatia de brigada Fatia de tropa que visualiza os efetivos a partir de uma brigada de combate em primeiro escalão. [Da fatia de brigada pode-se estimar as necessidades logísticas de toda a força no teatro de operações ou daquela empregada em uma operação em particular pelo seu número em presença].

Ficar em condições de Expressão que caracteriza determinadas situações às missões táticas atribuídas a uma OM. coeficiente que. arma. multiplicado pela quantidade total de um item de suprimento de duração indeterminada. o INIMIGO. Figurar Simular ou representar tropa. o TERRENO e as CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS. fatores de influência decisiva para a consecução do propósito determinado que emergem da análise da situação considerada.C 20-1 Fator de reposição Para fins de planejamento logístico. Fatores da decisão A sistematização do estudo de uma situação de combate é dividida cartesianamente para maior detalhamento de cada questão. com a finalidade de alertá-los sobre possíveis ou previstas alterações naquelas missões. Fatores preponderantes Em um estudo de situação. os MEIOS e o TEMPO. Ficar em condições de prosseguir Ordem de alerta prescrita a um elemento quando o escalão superior tem mais de uma opção para continuar no cumprimento de sua missão. instalação ou atividade amiga ou inimiga no terreno para dar realismo aos exercícios de campanha. F-3 . destituído de sentido contestatório. internos ou externos. mas não dispõe de informações que lhe permitam antecipar uma decisão a respeito. As partes constitutivas desse estudo são os fatores da decisão: a MISSÃO. fornece a quantidade desse item necessário a recompletá-lo durante um certo período de tempo. Fator de suprimento Fator de consumo quando o período considerado é de um mês (ou 30 dias). se interpõe aos esforços da comunidade nacional para alcançar e manter os objetivos nacionais. Fatores adversos Óbices de toda ordem. tendo em vista facilitar as operações futuras. que.

Fogo Execução do tiro com finalidade tática. Fixar Ação tática. com objetivo limitado. de suas reservas e meios de apoio. de acordo com a doutrina e os planos estabelecidos. para iludir o inimigo e desviar a sua atenção do ataque principal. Flanco Lado ou prolongamento lateral de uma unidade ou dispositivo tático. ao longo do processo de suprimento. Fogo a pedido Fogo previsto para desencadeamento quando solicitado. Fogo a horário Fogo previsto que deve ser desencadeado num determinado instante. durante a manobra ou operação da força apoiada. Fluxo de suprimento Dinâmica dos suprimentos em circulação desde as fontes de origem até o emprego.C 20-1 Finta Ataque secundário pouco profundo. normalmente ofensiva e de profundidade limitada. Flexibilidade Característica do planejamento logístico que representa a possibilidade de sofrer ajustes na sua execução e de oferecer soluções alternativas de modo a atender às imprevisibilidades do combate. F-4 . Fogo de neutralização Fogo desencadeado para produzir perdas e danos capazes de eliminar ou reduzir a eficiência combativa do inimigo. que visa a impedir o desengajamento do inimigo em contato. Flancoguarda Força de proteção que opera no flanco da força principal.

tropas militares. estabelecido para fins operacionais ou logísticos. bem como de apoiá-las administrativamente. compreendendo comando. F-5 . normalmente. não tripulado. existindo desde o tempo de paz. Foguete Engenho espacial bélico. Fogo inopinado Fogo a ser desencadeado com rapidez. autopropulsado. Fogo previsto Fogo planejado. a fim de reduzir a eficiência da defesa inimiga.C 20-1 Fogo de preparação Fogo a horário. desencadeado antes de um ataque. Subdivisão de uma esquadra. cujos elementos de tiro são preparados preventivamente e atualizados. estas integrando meios aéreos de idêntica missão. constituído de uma unidade de comando – o comando da força aérea – e de brigada e/ou alas. ou ainda uma combinação desses elementos. atribuídas ao teatro de operações. organizações. Força Conjunto de navios. aeronaves. sem que haja elementos de tiro preparados para os mesmos. contra alvos inopinados. unidades e instalações e que é capaz de planejar e executar operações estratégicas e táticas. cuja trajetória balística não pode ser controlada após o lançamento. Força adjudicada Conjunto de unidades e organizações de uma Força Armada que integra uma força combinada. Força Aérea Grande comando destinado ao emprego em operações de guerra. Força aérea do teatro de operações Componente básico das forças da Aeronáutica. para desencadeamento em um determinado momento ou para o qual pode haver necessidade de rápido desencadeamento.

articulação e adestramento conferem. Força aeroterrestre Força combinada ou força-tarefa combinada. nível exército de campanha. em curto prazo. reunidos para desenvolverem ações militares. constituída de acordo com as necessidades para realizar operações aeroestratégicas. sob um único comando com um estado-maior composto de elementos das forças singulares envolvidas. em que tomam parte elementos de mais de uma força armada. normalmente. de organização variável. mobilidade tática e estratégica para. possibilitar ao Exército uma pronta resposta a situações em que a rapidez e a oportunidade constituem fatores preponderantes para o emprego da tropa. aeroterrestres ou aerotransportadas. Força aerotática Grande unidade aérea. Força avançada Organização temporária. unidades de transporte de tropas e unidades terrestres. aos elementos integrantes. subordinada ao comando supremo. Força componente Conjunto de unidades e organizações de uma mesma Força Armada que integra uma força combinada. constituída no teatro de operações de acordo com as necessidades para realizar operações aerotáticas. compreendendo. Força de ação rápida (estratégica-regional) Forças cujas características de organização. F-6 . Força armada Expressão que designa uma das organizações singulares que compõe as forças militares de uma nação. dentro da força-tarefa anfíbia.C 20-1 Força aeroestratégica Grande unidade aérea. Força combinada Conjunto de meios. organizada pelo comando supremo ou pelo comandante do teatro de operações para a execução de operações aeroterrestres. que precede o corpo principal na área do objetivo anfíbio. de organização variável.

tem como objetivos manter a integridade do território nacional e ficar em condições de conduzir operações ofensivas. grande unidade ou grande comando. Força de contra-ataque Totalidade dos meios empregados. dinâmica ou estaticamente nas ações do contra-ataque. inclusive os elementos de artilharia do escalão considerado e o apoio aéreo. partindo de um dispositivo permanente estabelecido numa região fronteiriça. em terra. Força de desembarque Força organizada por tarefas. o mais cedo possível. para emprego em operações de defesa de área de retaguarda de determinada unidade. Força de cobertura Força taticamente auto-suficiente (exceto em elementos de apoio durante períodos prolongados) que opera a uma distância considerável de uma força principal. esclarecer a situação e. se possível.C 20-1 Força de choque Conjunto dos meios dotados de poder de choque. a missão que lhe for atribuída em uma operação anfíbia. F-7 . Força de cobertura estratégica Força de segurança organizada pela Força Terrestre que. Força de defesa de área de retaguarda Elemento. iludir. orgânico ou constituído. Força de guerrilha Elemento ostensivo da força irregular que pode variar desde pequenos grupos até grandes unidades. constituída de unidades treinadas para ações anfíbias. com a missão de. destinadas a cumprir. podendo englobar não apenas elementos da reserva divisionária. retardar e desorganizar o inimigo até que a força coberta possa fazer face à situação. empregados na execução da luta interna. como também elementos oriundos de outras forças subordinadas à divisão. empregados dinamicamente no contra-ataque para destruir o inimigo.

destinados a realizar operações de guerra em rios. tem como objetivo proporcionar alerta oportuno sobre as atividades de forças adversas ou oponentes que possam comprometer a integridade do território nacional. e exercem sua atividade de apoio à força de guerrilha de maneira clandestina. Força de vigilância estratégica Força de segurança organizada pela Força Terrestre que . partindo de um dispositivo permanente estabelecido numa região fronteiriça. Força de proteção Força que opera à frente. flanco ou retaguarda desta força principal. Os elementos que compôem a força de sustentação levam uma vida aparentemente normal e dentro da lei. de modo a protegê-la da observação terrestre. normalmente. ou à retaguarda de uma força principal. São forças formadas por pessoas residentes na área de atuação da força de guerrilha e têm a finalidade de prestar apoio logístico àquela força. podendo incluir navios auxiliares. F-8 . A força de pacificação. destacada da força principal. Mediante emprego de novos meios.C 20-1 Força de pacificação Conjunto de forças alocadas a um comando que recebe a missão de pacificar uma área de pacificação ou zona de operações. lagos ou lagoas. Força de sustentação Elemento clandestino da força irregular que assegura o apoio logístico adequado à força de guerrilha. Força de vigilância Força de segurança. nos flancos. pode evoluir para força de cobertura estratégica. com o objetivo de proporcionar alerta oportuno sobre as atividades do inimigo. Força fluvial Grupamento de navios de combate de pequeno porte. dos fogos diretos e dos ataques inimigos de surpresa. será organizada com base em uma brigada de infantaria. Força expedicionária Força militar organizada para cumprir missão num teatro de operações não contíguo ao território nacional. que opera à frente. parada ou em movimento.

bem como algumas operações de combate na zona administrativa. lagoas e áreas terrestres que lhe são adjacentes. bem como apoiá-las administrativamente. unidades e instalações. sabotagem. Em operações anfíbias. Cabe aos meios flutuantes. Eventualmente apóia outras forças singulares. organizações. Força subterrânea Elemento da força irregular que atua. Força terrestre do teatro de operações Grande comando operacional terrestre do mais alto nível no teatro de operações. posto sob um comando único e destinado a realizar operações navais ou a parte naval de operações combinadas. brigada de artilharia antiaérea e outros elementos atribuídos pelo escalão superior. estruturada e preparada para o comprimento de missões operacionais terrestres. Força singular Designação genérica de uma das Forças Armadas (Marinha. de comando. prover apoio tático e logístico às forças terrestres. é a componente naval da força-tarefa anfíbia (sendo. destinado a realizar operações em rios. embarcações menores e forças terrestres. na clandestinidade realizando seqüestro. F-9 . roubos. capaz de planejar e executar operações estratégicas e táticas. Força Terrestre Instrumento de ação do Exército. elo de ligação entre o Comando do Exército e as forças terrestres do teatro. podendo dispor de apoio aéreo. lagos. além das tarefas relacionadas com o controle da hidrovia. capaz de planejar e conduzir as operações logísticas em apoio a essas forças. usada a expressão forças navais). Força naval do teatro de operações Componente básico das forças navais atribuídas ao teatro de operações. Força ribeirinha Grupamento de navios de pequeno porte. compreendendo comando. chantagens e operações psicológicas. Exerce o comando administrativo sob as demais forças do teatro de operações. Constitui-se. Forças capacitadas à execução da guerra irregular caracterizadas por organização não institucionalizada.C 20-1 Força naval Grupamento de navios de guerra. Exército e Aeronáutica). visando a minimizar ou anular a ação da força legal. basicamente. comando de apoio logístico. também. normalmente.

pelo nível de capacitação operacional atingido e pela mobilidade estratégica . Numa situação de conflito armado. têm condições de atuar . desde o tempo de paz. na área estratégica onde estiver localizada. Forças armadas Constituídas pela Marinha. Forças de emprego local Forças articuladas em profundidade. utilizando procedimentos ilegais. elementos preponderantes e regulares. em qualquer área estratégica compatível com sua base doutrinária.C 20-1 Forças adversas São segmentos autônomos ou infiltrados em movimentos sociais. tanto no recompletamento de forças de emprego estratégico como operacionalmente. desde o tempo de paz. numa determinada área estratégica. F-10 . Uma organização militar de emprego geral pode ser empregada. instituições e/ou organizações não-governamentais. das ameaças e do grau de risco admitido. que comprometem a ordem pública ou até mesmo a ordem interna do país. no todo ou parte. e articuladas nas diversas áreas estratégicas.em qualquer área estratégica compatível com sua doutrina de emprego. pelo Exército e pela Aeronáutica. disponíveis para atuar. organizadas com base na hierarquia e na disciplina. ativada a Estrutura Militar de Guerra. tendo como objetivo manter a integridade do território nacional. Em função do ambiente operacional. para efeito de GLO. entidades. com mobilidade tática suficiente para serem empregadas em qualquer parte da área estratégica onde estão localizadas. Forças de segurança estratégica São forças organizadas e articuladas. com destinação específica prevista na Constituição. Forças de emprego geral Forças existentes desde o tempo de paz ou ativadas por mobilização. são constituídas por forças de cobertura estratégica e forças de vigilância estratégica. Forças de emprego estratégico Conjunto das grandes unidades que são dotadas de estrutura organizacional completa. ao longo da fronteira terrestre. sob autoridade suprema do Presidente da República.

mas semelhantes em organização. outras operações irregulares. As forças irregulares se organizam em três elementos: a força de guerrilha. equipamento. conforme as hipóteses de emprego formuladas. a força subterrânea e a força de sustentação. normalmente acionado quando da impossibilidade da tomada do poder pela subversão. bem como atividades correlatas. a qualidade dos chefes civis ou militares. para efeito de planejamento. que possam ser fornecidos por outros Estados. constituídas. o patriotismo. o meio físico e outro. treinamento ou missão. destinados a conduzir a guerra de guerrilha. nelas se incluem os meios materiais. como os efetivos militarmente organizados. Forças morais Exprimem valores abstratos. Forças paramilitares Forças distintas das forças armadas regulares. F-11 . econômicos e financeiros. Forças irregulares Braço armado do movimento revolucionário. as quantidades de armamentos. Forças materiais Estas forças exprimem valores concretos. em princípio. entre os quais figuram a capacidade de organização e de realização. em conseqüência de convergências de interesses. a consciência que a população e o seu governo têm das possibilidades das suas forças materiais e outros. da mesma natureza dos referidos. navais e aéreas que possam vir a caracterizar o inimigo. Forças oponentes São. Forças legais Expressão genérica para designar todas as forças com responsabilidades na condução e execução das medidas de garantia da lei e da ordem. os recursos humanos. por forças terrestres. tendo em vista facilitar o cumprimento da missão de uma força militar.C 20-1 Forças especiais Elementos de emprego estratégico. forças regulares ou paramilitares estrangeiras. a capacidade de sacrifício e de adaptação a situações novas.

organizada para a execução de uma missão específica. etc. formado com o propósito de executar uma operação ou missão específica. Frente Extensão ocupada por um dispositivo. Força-tarefa combinada Força combinada. para o cumprimento de uma ou mais tarefas específicas. de valor unidade ou subunidade. principalmente anti-submarino. etc. destinado ao serviço de escolta. ao mesmo nível da força naval e da força de desembarque. sob um comando único. formatura. está dirigido. para efetuar uma operação de desembarque. sob um comando único. organizada pelo comandante de uma esquadra-tarefa ou autoridade superior. Força-tarefa anfíbia Organização por tarefa.C 20-1 Força-tarefa Grupamento temporário de forças. em proporções adequadas. Formação Distribuição ordenada dos elementos de uma força. Parte componente de uma esquadra. Fragata Navio de guerra. do tipo contratorpedeiro. de objetivos e duração limitados. Direção para a qual um dispositivo. largura da zona de ação. com uma finalidade específica. formatura. Extensão compreendida entre dois limites. F-12 . contendo uma força naval (forças navais) e uma força de desembarque com as respectivas aviações orgânicas (se for o caso). Pode também incluir como componente uma força aérea. ou seja. sendo a sua principal finalidade a de atrair o inimigo para o interior da área de engajamento. Fração isca Tropa que retarda ou vigia nas proximidades da orla anterior de uma área de engajamento. que exija a utilização de uma força peculiar de combate. e medida entre as extremidades de dois flancos.

quando houver avarias. e à conservação da saúde animal. visando manter o material na melhor condição para emprego e. Função logística recursos humanos Conjunto de atividades relacionadas com o gerenciamento dos RH e que tem a seu cargo planejar. Função logística salvamento Conjunto de atividades que são executadas. bem-estar e manutenção do moral militar e mão-de-obra civil em apoio às forças terrestres em operações. por meio de medidas sanitárias de prevenção e de recuperação. recuperando a sua liberdade. sob uma única designação. reconduzi-lo àquela condição. administrativas e de supervisão. Função logística É a reunião. procura e admissão. levantamento das necessidades. correlatas ou de mesma natureza. para escapar de seus captores ou de instalações onde se encontra preso. Função logística saúde Conjunto de atividades relacionadas com a conservação dos RH nas condições adequadas de aptidão física e psíquica. Função logística manutenção Conjunto de atividades que são executadas. destinadas a manter ou recolocar um equipamento em condições de desempenhar. eficazmente. de um conjunto de atividades logísticas afins. visando à salvaguarda e ao resgate de recursos materiais e/ou suas cargas ou itens específicos. podendo ter a assistência de forças especiais ou forças irregulares amigas. Função logística engenharia Conjunto de atividades que estão orientadas para o planejamento e a execução de obras ou serviços com o objetivo de obter e adequar a infra-estrutura física e as instalações existentes às necessidades da Força Terrestre. F-13 . as funções para as quais foi projetado. preparação. Combinação de ações técnicas.C 20-1 Fuga Ação desenvolvida por um elemento. integrar e controlar as atividades de administração.

C 20-1 Função logística suprimento Conjunto de atividades que trata da previsão e provisão do material. a fim de atender às necessidades. de todas as classes. necessário às organizações e forças apoiadas. materiais e animais por diversos meios. Função logística transporte Conjunto de atividades que são executadas. visando ao deslocamento de recursos humanos. F-14 . em tempo e para os locais predeterminados.

treinamento. realizando o planejamento. normas. liderança e motivação.local de trabalho. procedimentos e diretrizes. Gerenciamento Capacidade de administrar. atuando sobre seus agentes e seus efeitos. de forma a manter a lei e a ordem e garantir os poderes constitucionais. Atuação coordenada das Forças Armadas e dos órgãos de segurança pública na execução de ações e medidas provenientes de todas as expressões do poder nacional. da lei e da ordem. no nível intermediário.inclui a gestão dos recursos humanos. o “software” . Gaseado Vítima da ação de agente químico.C 20-1 G Garantia da lei e da ordem Conjunto de medidas levadas a efeito para superar antagonismos e pressões que se manifestam ou produzam efeitos no âmbito interno. a direção e o controle dos meios existentes em diversos processos. Faz a interligação entre os níveis institucional e operacional.inclui técnicas de operação. G-1 . a organização. Tem por finalidade a garantia dos poderes constitucionais. englobando formação. Geopolítica Parte da ciência política que estuda a fundamentação geográfica da política. uma organização. o “humanware” . máquinas e ferramentas. suprimentos e matérias-primas necessários. em caráter integrado e realçado na expressão militar. Os meios são divididos em três ordens: o “hardware” .

normalmente. missão ou área de responsabilidade. transcendem às possibilidades de qualquer grande unidade. de constituição variável em unidades e grandes unidades. de apoio ao combate e de apoio logístico. sem acondicionamento. especialmente designado. se for o caso. básica para a combinação de armas e integrada por unidades de combate. segundo uma estrutura prevista. privativo de oficial-general. cujos meios. singular ou combinada. G-2 . Governo militar Estrutura que pode ser organizada e mantida para exercer o governo de áreas ocupadas pela força militar. Grande comando operacional Organização militar de valor ponderável. em um território ocupado exerce a autoridade suprema do governo militar. Grande comando Denominação genérica dada a qualquer comando da Força Terrestre. que. a estrutura judiciária. que pode ser mantida para governar as áreas dominadas pela força militar. em veículos-tanque. capaz de servir e de ser empregada como um todo. Granéis líquidos São cargas em estado líquido (água. Organização militar que reúne elementos e unidades das armas e serviços segundo uma estrutura prevista. petróleo e outros). São transportadas. Organização militar que reúne elementos e unidades das armas e serviços. Estrutura administrativa. capaz de servir e de ser empregada como um todo.C 20-1 Governador militar Militar. inclusive. Grande unidade Organização militar com capacidade de atuação operacional independente. Governo Estrutura organizada para exercer o poder político através do complexo de funções de direção de um país.

G-3 . eventualmente. o livre funcionamento dos poderes. a critério do governo federal. deslocando-se pelo mesmo itinerário. subunidades e frações elementares. As unidades de marcha de um grupamento de marcha possuem.C 20-1 Granéis secos ou sólidos São cargas em estado sólido (minério. com a mesma velocidade e sob comando único. Grupamento Organização militar. Grupamento de marcha Parte de uma coluna de marcha. normalmente. as mesmas características de marcha. possam vir a comprometer a integridade nacional. amplitude e vulto representa ameaça à integridade e à soberania nacional. Grau de sigilo Padrão de segurança para o manuseio. onde se incluem as ações contestatórias que. de constituição variável que reúne elementos de comando e unidades de valor batalhão e. segundo a previsão do período decorrente de seu reconhecimento por pessoa não autorizada. normalmente. guarda e disseminação de matéria classificada. por sua natureza. Grave comprometimento da ordem interna Situação em que a ação das forças adversas. em veículos graneleiros. amplitude e vulto representa ameaça potencial à estabilidade da nação. cereais e outros). sem acondicionamento e transportadas. origem. não incluindo os elementos destacados para sua segurança. origem. Grave perturbação da ordem Ampliação do quadro de perturbação da ordem. por sua natureza. Grosso A maioria do poder de combate de uma força considerada que fica disponível para emprego imediato. tática ou administrativa. a lei e a prática das instituições. Grave comprometimento da ordem pública Situação em que a ação das forças adversas.

C 20-1 Grupamento logístico Grande comando de constituição variável. destinados a acompanhar. proteger. normalmente subdivisão de uma força. Grupo de desembarque Subdivisão da força de desembarque. selecionadas ou grupadas em função principalmente da missão. de segurança. assistir e auxiliar o comandante da força em seus deslocamentos fora do posto de comando principal. organizado quando é necessário o desembarque simultâneo em dois pontos muito afastados. operar em deslocamento. Um ou mais símbolos que forma uma unidade de transmissão ou de criptografia. do valor. de comunicações e outros. subunidades e frações elementares de organização variável. ou quando o vulto da operação não permite o controle centralizado. designados para uma determinada tarefa. por sua repartição pelas unidades subordinadas e pela execução de pequenos trabalhos de sapa que melhorem as condições do local. desembarcar e apoiar um grupo de desembarque. Grupo de ataque Subdivisão da força-tarefa anfíbia. Grupo de estacionadores Elemento pertencente ao destacamento precursor responsável pela marcação do local exato da nova área de estacionamento. destinada a transportar. Grupo de itinerário Elemento pertencente ao destacamento precursor destinado a reconhecer o(s) itinerário(s) de marcha e a facilitar a marcha ao longo desse(s) itinerário(s). controle e execução do apoio logístico. Grupo Unidade tática e administrativa que abrange dois ou mais esquadrões de aeronaves ou baterias de artilharia. que reúne elementos de comando. Grupo de comando Conjunto variável de elementos do estado-maior. G-4 . companhia de comando. unidades. da organização da força a apoiar e do ambiente operacional. Conjunto de navios ou aeronaves. destinado ao planejamento. além da remoção de minas e de armadilhas.

destinado a fornecer um grupo administrativo. entre grupos. produtos biológicos tóxicos e reguladores químicos do crescimento de plantas. ocorrer. incluindo uma série de medidas flexíveis que podem evoluir para a sua defesa aproximada. Pode. Guerra civil Conflito interno desencadeado por grupos nacionais ou não de um estado contra o governo. de tropas. Guerra aérea estratégica Operações aéreas de combate e apoio destinadas a realizar. animais e plantas ou a defesa contra essas ações. do qual componentes táticos navais necessários podem ser fornecidos ao comandante da força de desembarque para apoiar o desembarque de uma divisão. a destruição e desintegração progressiva da capacidade bélica do inimigo até um ponto tal que este já não tenha mais possibilidade ou vontade de fazer a guerra. com caráter permanente. para produzir a morte ou baixa de seres humanos. Guardar Ação que objetiva o estabelecimento da segurança de determinado ponto sensível. para substituí-lo ou forçá-lo a modificar suas normas. Guarda Elemento postado em um ponto crítico (passagem de nível. uma disputa do poder ou a busca de uma situação relativa mais favorável. ainda. Grupo tático logístico Conjunto de representantes dos comandantes de tropa destinado à auxiliar os oficiais de controle (da Marinha) a bordo dos navios de controle. Guerra biológica Emprego de organismos vivos.C 20-1 Grupo naval de praia Comando naval organizado. dentro de uma força anfíbia. cruzamento e outros) do itinerário de marcha com a finalidade de evitar acidentes de trânsito e facilitar o movimento. equipamentos e suprimentos. no movimento navio-para-terra. a fim de preservá-lo de qualquer ação hostil. G-5 . mediante a aplicação sistemática de força sobre uma série selecionada de objetivos vitais.

podendo ser total ou limitada. econômico. Guerra eletrônica Conjunto de ações que visam assegurar o emprego eficiente das emissões eletromagnéticas próprias. Guerra de independência Guerra interna empreendida por nativos de um território colonizado. nos campos políticos. É o principal objetivo da preparação e do adestramento das forças armadas da grande maioria dos países. a fim de reduzir a eficiência do governo estabelecido. G-6 . ou do poder de ocupação. Guerra de resistência nacional Forma de guerra interna na qual as forças armadas de um país militarmente fraco emprega táticas de guerrilha. ao mesmo tempo que buscam impedir. dificultar ou tirar proveito das emissões inimigas. quer pela amplitude dos efeitos a obter. para resistir e expulsar um invasor militarmente mais poderoso. contra o poder colonizador. com a finalidade de desgastar sua capacidade militar. recorrendo à manobra. Guerra de libertação Termo de propaganda revolucionária usado para dignificar esforços de agressão. ou forças irregulares. com o objetivo de alcançar a independência política. quer pela extensão da área conflagrada. Guerra de guerrilha Forma de guerra irregular conduzida por grupos ou forças não-regulares. psicossocial e militar. contando com o apoio da totalidade ou parcela ponderável da população. à organização dos fogos e à utilização do terreno. Guerra de movimento Tipo de guerra que se caracteriza pela ausência de frente estática e no qual as forças de ambos os partidos nela empenhados procuram obter ou conservar a iniciativa das operações. Forma de guerra irregular que compreende as operações de combate executadas por forças predominantemente locais. contra um governo estabelecido ou um poder de ocupação.C 20-1 Guerra convencional Forma de guerra realizada dentro dos padrões clássicos e com o emprego de armas convencionais.

punitivas e coativas) em todos os campos do poder. auxiliado ou não do exterior. Guerra irregular Conflito armado executado por forças não-regulares ou por forças regulares fora dos padrões normais da guerra regular. Guerra geral Conflito armado entre Estados ou coligações de Estados que empregam todos os recursos de que dispõe. entre Estados ou coligações de Estados.C 20-1 Guerra externa Conflito armado. Forma ou tipo de guerra no qual os beligerantes empregam todo o seu poder militar disponível. total ou limitado. visando a atender tanto a interesses políticos internos de um grupo ou povo. mas com adoção de medidas de hostilidades (restritivas. Guerra interna Conflito armado no interior de um país. sem restrições quanto aos métodos e engenhos e mesmo quanto às leis convencionais da guerra. Guerra limitada Conflito armado entre Estados ou coligações de Estados. exceto o poder militar. Guerra insurrecional Conflito interno. em que uma parte da população empenha-se contra o governo para depô-lo ou obrigá-lo a aceitar as condições que lhe forem impostas. sem apoio de uma ideologia. como a objetivos políticos de um Estado ou coligação de Estados. de fuga e evasão e de subversão. que obedece a processos geralmente empíricos. G-7 . sem que haja uma declaração formal de guerra (estado de beligerância). pelo menos por um dos beligerantes. sem a amplitude da guerra total. contra um governo estabelecido ou um poder de ocupação. de caráter regular ou não. tais como espaço geográfico restrito ou limitação do poder militar empregado. compreendendo ações interligadas de guerra de guerrilha. caracterizado pela restrição implícita ou consentida dos beligerantes. Guerra fria Situação de confrontação aberta entre duas nações ou grupos de nações.

quanto pelos efeitos desejados. biológica e nuclear (GQBN) Emprego de agentes químicos. no qual não são empregadas armas nucleares. com a finalidade de colocá-los contra os objetivos nacionais do inimigo. aviões e mísseis balísticos intercontinentais) ou de combate nuclear tático (menor poder de destruição e lançamento por vetores de curto e médio alcance. com o objetivo de combalir seu ânimo. tais como. Guerra nuclear Conflito armado entre Estados ou coligação de Estados. Guerra nuclear ativa Conflito armado entre Estados ou coligação de Estados. e em grupos neutros. no qual não há possibilidade do emprego de armas nucleares. efetivamente. em grupos inimigos e hostis. havendo. possibilidade desse emprego. mísseis táticos e artilharia). Guerra química Emprego de agentes químicos nas operações militares. Pode ser total ou limitada. destruir seu moral ou levá-los à rendição. Guerra nuclear não-ativa Conflito armado entre Estados ou coligação de Estados. tais como. tanto pela extensão da área conflagrada. atitudes ou comportamentos. Guerra psicológica Categoria das operações psicológicas destinada a gerar emoções. Guerra regular Conflito armado onde as operações militares são executadas. por forças regulares. aviões. predominantemente. no qual são empregadas armas nucleares estratégicas (grande poder de destruição e lançamento por vetores de grande alcance. no qual são. empregadas armas nucleares. biológicos e nucleares nas operações militares.C 20-1 Guerra não-nuclear Conflito armado entre Estados ou coligações de Estados. Guerra química. porém. G-8 .

psicossocial e militar. orientada e conduzida por um grupo político. sem restrições quanto aos métodos e engenhos. com a finalidade de desgastar sua capacidade militar. a fim de reduzir a eficiência do governo estabelecido. nos campos políticos. em que parcela da população já subvertida. Guerrilha Forma de guerra irregular conduzida por grupos ou forças não-regulares. geralmente inspirado em uma ideologia. na estrada. econômico. que obedece a processos determinados. que visa à conquista do poder pelo controle progressivo da nação. empenhase contra o governo a fim de conquistar o poder para implantar uma nova ideologia. contra um governo estabelecido ou um poder de ocupação. ou do poder de ocupação. no interior ou na saída de localidade(s) ou área(s) de estacionamento. Forma de guerra irregular que compreende as operações de combate executadas por forças predominantemente locais. com o auxílio ou não do exterior.C 20-1 Guerra revolucionária Conflito interno. de possível adoção por movimentos revolucionários de qualquer inspiração. Guia aéreo avançado Elemento da força de superfície empregado para guiar aviões de ataque até os alvos estabelecidos. e mesmo quanto às leis convencionais da guerra. Guerra total Forma ou tipo de guerra na qual os beligerantes empregam todo o seu poder militar disponível. G-9 . Conflito interno. Guia Elemento encarregado de orientar as unidades ou veículos por determinado itinerário. normalmente. empregado.

Hipotecar Condicionar. como medida restritiva. particularmente da reserva. a hipótese básica estabelece supostas condições que estão fora de controle do comandante. em que o poder nacional deva ser empregado para enfrentar ações que possam comprometer interesses vitais da nação. A hipótese básica substitui uma informação indispensável não disponível no momento em que é necessária. à autorização expressa do comando superior. para permitir ao comandante completar o planejamento.C 20-1 H Heliponto Local para pouso e decolagem de helicópteros. Hipótese básica Suposição acerca da situação existente. Hipótese Suposição lógica e útil como antecipação ou explicação que se expressa pela identificação de fatos. Normalmente. marcado pela existência de óbices. H-1 . Hipótese de emprego Antevisão de um quadro nacional ou internacional. sem as facilidades de controle e proteção de vôo. situações e condições que podem possivelmente acontecer. o emprego de determinado elemento do comando subordinado. ou uma pressuposição sobre o futuro dos acontecimentos.

Hospital cirúrgico móvel Instalação de saúde de acompanhamento (de campanha) das forças na zona de combate. Hipótese de planejamento Conjunto de fatores. na ordem cronológica. de que atos ou comprovações realizadas estão em conformidade com os requisitos estabelecidos em normas específicas. Horário de fogos Documento que indica.C 20-1 Hipótese de guerra Antevisão da possibilidade de ser necessário o emprego violento do poder nacional como último recurso para a superação de pressões dominantes. situação ou circunstância cuja ocorrência é considerada possível e que é tomada por base para elaboração de um plano de operações ou de qualquer outro plano militar que será desencadeado caso venha a se concretizar em realidade. Suposição admissível de eclosão de conflito. Hora sobre objetivo Medida de coordenação que define o momento de bloqueio de uma aérea de objetivo por aeronaves. Hora “H” Expressão usada para designar a hora. destinado ao atendimento imediato das baixas intransportáveis. H-2 . Hora no alvo Expressão usada para descrever o método de tiro sobre um alvo. Homologação Confirmação. ainda não fixada. no qual várias unidades de artilharia desencadeiam seus fogos de forma a assegurar que todos os projetis atinjam o alvo simultaneamente. devidamente certificada pelo órgão competente. os fogos a serem desencadeados. em apoio a uma operação. em que terá início um evento qualquer.

não recebe baixas da zona de combate. é julgado não recuperável nos 1º e/ou 2º escalões funcionais do serviço de saúde. H-3 . para fins de tratamento clínico ou cirúrgico. a uma área limitada e que. Hospitalização Internação de doentes e feridos. por indicação médica. por indicação médica. Hospital geral Hospital instalado em construções permanentes ou semipermanentes.C 20-1 Hospital de campanha Hospital instalado em barracas ou outras construções provisórias. se possível completo. a todo indivíduo que. em organização ou instalação de saúde civil ou militar. destinado a realizar o tratamento em campanha quando inexeqüível a instalação ou utilização de hospitais fixos. de todos os tipos de baixa ocorridas no teatro de operações. destinado a realizar o tratamento geral e. normalmente. Hospital de guarnição Hospital fixo que serve. nas condições normais. Hospitalização militar Tratamento dispensado em organizações específicas de saúde.

Ideologia Sistema de idéias que consubstancia um programa de pensamento e de ação com a finalidade de se impor como norma de caráter conservador ou revolucionário e que inspira um sistema social. Idéia força Valor ou conceito abrangente de natureza racional. estação. Identificação Processo pelo qual se obtém a garantia da identificação de qualquer agente envolvido nas comunicações. que constitui forte apelo. segundo o qual os agrupamentos operacionais são treinados executando missões de combate dentro de uma situação tática coerente e completa. capaz de conduzir à consecução do objetivo das ações de operações psicológicas. político ou religioso. I-1 .C 20-1 I Idéia de manobra Concepção que tem um comandante quanto à manobra que pretende executar para realizar determinada operação. mensageiro e outros. Imitação do combate Fundamento metodológico do adestramento. com o terreno e inimigo caracterizados e com o desenvolvimento de todas as ações próprias da operação considerada. aeronave. emocional ou ambas. tais como navio.

alto-falantes ou radiodifusão. explorando o seu moral baixo ou situação crítica em que se encontra. Forma da atuação das forças adversas que consiste na colocação de militares ou simpatizantes da força adversa em órgãos públicos ou setores da sociedade que permitam contribuir positivamente para atuação da força adversa ou negativamente para a atuação das forças legais. que possui um só título de propriedade. Sua obtenção. Infiltração Forma de manobra tática ofensiva na qual procura-se desdobrar uma força à retaguarda de uma posição inimiga. normalmente de pequena escala.C 20-1 Imóvel Terreno. dirigida aos combatentes inimigos. Indicativo postal Indicação codificada do endereço postal de uma unidade. compreendendo uma rápida penetração em área sob o controle do inimigo. ela mesma. I-2 . por meio de um deslocamento dissimulado. por panfletos. As brigadas determinam ou autorizam a realização de infiltrações por parte de escalões inferiores. Formação de marcha motorizada em que as viaturas partem em intervalos irregulares para dar aparência de tráfego normal com uma densidade inferior a 5 viaturas por quilômetro. com ou sem benfeitoria. com a finalidade de concentrar pessoal e/ou material em área hostil ou sob controle das forças adversas. buscando quebrar a coesão e a vontade de lutar dos integrantes da força adversária. adequação. com a finalidade de cumprir uma missão que contribua diretamente para o sucesso da manobra do escalão que enquadra a força que se infiltra. Incitamento à rendição Convite e indução à rendição. realizado de modo furtivo. visando à realização de operações militares. Técnica de movimento. outra forma de manobra. Incursão Ação ofensiva. adotando. manutenção. administração e desincorporação são tarefas afetas à função logística engenharia. terminando com uma retirada planejada. Não há idéia de conquista ou manutenção do terreno. a fim de obter informações. confundi-lo ou destruir suas instalações.

Informação estratégica Informação que vai influir nas decisões de caráter estratégico. resultante do processamento de informes com a finalidade de servir de base a atos decisórios. atualizar ou formar cultura e opinião. relacionados com o referido fato ou situação. destinado a fornecer elementos para as decisões do Presidente da República e dos altos chefes civis e militares. espião. O mesmo que Informação tática ou operacional. possam causar na Política Nacional. Informação estratégica militar Conhecimento de nível nacional. e que tenha reflexo direto na expressão militar do poder nacional. em conseqüência. Informação externa Conhecimento de fatos ou situações relativas a países estrangeiros. resultante do processamento de todos os informes disponíveis. bem como o aproveitamento ou neutralização dos efeitos que os fatos. de caráter predominantemente militar. a execução e o acompanhamento da política externa. merecendo. Também é considerada. como a expressão da verdade. Informação Conhecimento de um fato ou situação. de esclarecer. de interesse imediato para o planejamento e execução de operações militares de alcance limitado no tempo e no espaço. normalmente relativa ao inimigo. terreno ou condições meteorológicas. Tem em vista o planejamento. Conhecimento objetivo. ou situações conhecidas. Conhecimento de fato ou situação de interesse imediato ou potencial para o planejamento e condução de ações de alcance estratégico. I-3 . Informação de combate Informação.C 20-1 Infiltrar Introduzir veladamente um agente. informante ou simpatizante em uma organização adversa ou neutra para buscar dados de inteligência ou influir em seu funcionamento ou atuação. Pode situar-se em qualquer dos campos de expressão do poder nacional. ainda. toda a credibilidade. grupos de países ou organismos internacionais.

Informação militar Conhecimento que diz respeito à expressão militar do poder nacional. aos aspectos abrangidos pela missão e campo de atuação do órgão que a produz.C 20-1 Informação global ou nacional Caracteriza-se por integrar todos os aspectos que devam ser considerados geográficos. integrando. em tempo de guerra. no âmbito interno do País. abrangendo toda a área ocupada pelo país ou grupo de países focalizados. o planejamento e a execução de medidas necessárias à segurança nacional e. A informação tática é a informação operacional que se refere especificamente às operações militares. aos produtos e técnicas resultantes dessa atividade ou a novos produtos e técnicas desconhecidas. todos os aspectos que se liguem ao referido assunto. o estabelecimento. a execução e o acompanhamento da política do governo. uma informação global é denominada informação nacional. Informação regional Caracteriza-se pela amplitude do assunto nela tratado limitada à extensão de determinada região de um país. particularmente quanto aos óbices que possam afetar. Informação interna Conhecimento relativo ao poder e potencial nacionais. econômicos e outros para o completo conhecimento de um determinado assunto. Informação setorial Está especificamente relacionada com as atribuições de um órgão. No caso de informação interna. também. focaliza o assunto tratado. I-4 . possibilitando. O mesmo que informação de combate. em tempo de paz. políticos. Informação tática ou operacional Conhecimento de fato ou situação de operações de alcance limitado no tempo e no espaço. Informação técnico-científica Informação referente à atividade de pesquisa e desenvolvimento científicotecnológico. cingindo-se. à condução das operações militares. apenas.

Informe Qualquer observação. à população civil e outros aspectos do ambiente operacional. fato.C 20-1 Informações necessárias Dados que o comandante precisa conhecer. terreno. ação de caçadores e outras atividades para localizar. infligir baixas e tirar a liberdade de ação da guerrilha. inimigo. Fogo destinado a produzir perdas ou ameaças de perdas para perturbar o repouso das tropas inimigas. desagregar seus movimentos e. abater-lhe o moral. de forma a permitir a necessária coerência na montagem e na condução dos exercícios desenvolvidos em áreas operacionais do continente e a tornar mais objetivo o estudo dos problemas de inteligência. É qualquer dado formador do conhecimento que se deseja. relato ou documento que possa contribuir para o conhecimento de determinado assunto. a fim de poder cumprir sua missão. I-5 . aquáteis e aéreos. relativos às condições meteorológicas. Denominação do tiro que tem a finalidade de inquietar o inimigo. emboscadas. Inquietação Nas operações de contraguerrilha. conjunto de ações de combate realizadas a partir da presença da força legal em uma área e execução de intenso patrulhamento. com organização e características próprias constantes de manual específico. por desconhecimento ou por inconsciência. incursões. de um modo geral. Inocentes úteis Pessoas que se prestam à manipulação pela força adversa por vaidade. destinado exclusivamente aos trabalhos escolares. ferrovias e oleodutos) e aquáteis (particularmente as interiores) e os terminais de transporte terrestres. Designação genérica de pessoa ou tropa da força adversária e dos seus aliados [O inimigo é um dos fatores da Decisão]. Infra-estrutura viária Compreende a rede de vias de transporte terrestres (rodovias. Inimigo Oponente fictício.

normas e planos estratégicos para operações. da categoria das ordens de operações. de modo a permitir a uniformidade dos procedimentos e a continuidade das ações de todas as operações de apoio logístico.C 20-1 Instalação Sistema integrado de equipamentos. o inimigo. Inteligência militar De natureza técnico-militar. numa organização de constituição variável. conjuntos e similares. especializada e permanente. desde o nível estratégico até o tático. agregado ao solo ou à benfeitoria. instalações e pessoal contra as ações de serviços de inteligência do oponente ou inimigo. tenham direção comum e compatibilidade. num período de tempo considerável. de tal forma que as relações entre eles sejam mais importantes do que os próprios subsistemas. Integração Ação de ligar um conjunto de subsistemas num todo lógico. Integrabilidade Característica do planejamento logístico que decorre da necessidade de que todos os planos logísticos formulados. I-6 . condições meteorológicas e outras) e proteger os conhecimentos sensíveis. normas e planos que orientam sua ação. que visa produzir conhecimentos de interesse do comandante (sobre o terreno. Instruções Forma de ordem pela qual um comandante transmite a um ou mais subordinados amplos desígnios. temporariamente. Ação de colocar uma unidade ou elemento. peças. Inteligência Sistema e conjunto de atividades especializadas e permanentes de busca e produção de conhecimentos de interesse da autoridade para a tomada da decisão e condução da sua ação executiva. com a finalidade de dar suporte físico a uma serventia específica. Instruções de operações Documento. por intermédio do qual os grandes comandos divulgam os objetivos gerais.

objetivamente. conscientemente. nos escalões brigada ou divisão de exército.C 20-1 Inteligência técnica de material bélico Conhecimento especializado de determinado material de emprego militar. ainda. mercê da suficiência da finalidade e da missão. com a finalidade de aumentar o volume de fogos em proveito de uma força durante determinadas fases de uma operação ou quando o tempo. os meios disponíveis ou insuficiência de alvos não permitem a montagem de uma preparação ou contra-preparação. Comentários: não deve repetir conceitos doutrinários gerais. quanto mais alto for o escalão e quanto mais descentralizada for a execução da missão. com vistas a subsidiar as ações do comando a nível tático ou estratégico. Intenção do comandante A intenção do comandante deve traduzir. organização e outras. encerrar motivações que complementem as idéias expressas no enunciado da missão e que. Em conseqüência. Nos escalões mais baixos. Interaliado Atividade. para o cumprimento de uma missão comum. mais sentirá o comandante a necessidade de expressar sua intenção. o comandante deve fazê-lo de forma que permita ao subordinado exercer a iniciativa em proveito da missão (comentários a seguir). operação. relacionada com o emprego de forças ou elementos ponderáveis de dois ou mais aliados sob comando único. mas apresentar um objetivo claro que garanta ao subordinado visualizar o fulcro que caracteriza o cumprimento da missão. empresas e outros segmentos) realizada entre Estados. o comandante julga não ter sido possível traduzí-las. como meio de automatização de determinadas operações ou procedimentos. realizados. Isso ocorrerá. I-7 . Intercâmbio Troca de informações (entre instituições. particularmente. Intensificação de fogos Fogos planejados. Quando enunciá-la. a emissão da intenção tenderá a perder sua importância. brigada e inferiores. quando a missão e a finalidade não forem suficientes para orientar a obtenção do efeito desejado. nos pequenos escalões e nas operações centralizadas. há casos em que a intenção será a própria finalidade. normalmente. Deve. em caráter freqüente ou regular. Em contrapartida. a situação final desejada para a missão (o estado final do campo de batalha).

Interesses Necessidades de toda ordem. expresso em jornadas. ainda. demonstradas pelos atores. em freqüência utilizada pelo oponente. Interferência de barragem Caracteriza-se por distribuir a potência necessária (calculada) por todas as freqüências de uma determinada faixa (banda larga) simultaneamente. Ações executadas para evitar ou impedir que o inimigo se beneficie de determinadas regiões. a fim de identificá-lo e/ou destruí-lo.C 20-1 Interceptação Ação de conduzir um vetor ao encontro de outro. Interferência Caracteriza-se pela irradiação deliberada de energia eletromagnética. despertados pelas necessidades materiais e espirituais. que podem interferir na evolução de um sistema. I-8 . de pessoal. iniciando com a entrega do pedido e encerrado com o fim do consumo da ração. É empregada quando se deseja aplicar a potência necessária (calculada) sobre um receptor-alvo que esteja operando com freqüência fixa. primárias ou derivadas. característicos desta emissão. com o propósito de impedir ou dificultar a recepção de emissões do seu interesse. Interferência de ponto Realizada sobre uma única freqüência. de toda a nação. Caracteriza-se pela constatação da presença da emissão eletromagnética e pelo levantamento dos dados preliminares ou parâmetros técnicos. de instalações ou de material. Interdição Fogo aplicado numa área ou ponto para impedir a sua utilização pelo inimigo. oscilar da firme parceria ao conflito aberto. Podem ser concordantes ou antagônicos e podem. Interesses nacionais Expressão dos desejos coletivos. Intervalo de ração Período.

garantir o livre exercício de qualquer dos poderes nas unidades da Federação. particularmente. civis. quarteirão por quarteirão. em alguns casos. Investimento de localidades Fase do combate em área edificada que consiste no avanço ordenado e metódico. aquela oriunda de detonação de artefatos nucleares. fogos. repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra. através das mencionadas áreas. prover a execução de lei federal. Intervenção federal Recurso constitucional que dispõe a União para intervir nos Estados e no Distrito Federal. com o objetivo de manter a integridade nacional. sendo medido entre a passagem da cauda de um elemento e a da testa do elemento seguinte. edificação por edificação. Isolamento do campo de batalha Ações que visam a impedir que o inimigo concentre seus meios nos momentos e locais em que as nossas forças irão realizar as ações decisivas. e assegurar a observância de certos princípios constitucionais. destruições ou outros processos adequados. Isolamento Ação militar que visa a impedir o livre trânsito de tropas. entre determinadas áreas por meio da ocupação de pontos ou regiões importantes. Intervalo entre o pedido e o recebimento Prazo entre a expedição de um pedido e o recebimento (inclusive) dos suprimentos correspondentes. I-9 . reorganizar. Inclui o emprego maciço de fogos aéreos e de artilharia. assaltos aeromóveis ou aeroterrestres. infiltrações. para que a decisão seja rápida e com o mínimo de perdas. ordem ou decisão judicial. incluindo sua colocação em condições de distribuição. sabotagens. assegurando um poder relativo de combate que nos seja extremamente favorável. grupamentos ou subgrupamentos de marcha por um determinado ponto do itinerário de marcha. Irradiado Vítima dos efeitos da radiação. as finanças de unidade da Federação.C 20-1 Intervalo de tempo Tempo entre a passagem sucessiva de duas unidades. equipamentos ou suprimentos. demolições e ações de guerrilha. por termo a grave comprometimento da ordem pública.

visando não só maiores dados sobre o inimigo. facilitando a captura ou a destruição do inimigo no interior da posição.C 20-1 Isolamento estratégico Conjunto de operações desencadeadas pelos comandos. com a finalidade de evitar a fuga e/ou a entrada de reforços e isolar a força de guerrilha. Item Designação empregada para definir um artigo ou um de seus componentes. constantes de catálogo de suprimento ou de uma relação de nomenclatura de material. Objetiva a neutralização dos apoios identificados e da componente política do movimento. I-10 . bem como a identificação de possíveis apoios internos e externos. Isolamento tático Conjunto de operações desencadeadas visando ao estabelecimento de isolamento nos principais eixos que adentrem à zona de operações.

Jornada Período de tempo. podendo ser realizada entre uma força em deslocamento e uma outra estacionária ou entre duas forças em movimento convergente. J-1 . usando regras. (ver simulação de combate).C 20-1 J Jogo da guerra Análise de cada linha de ação reagindo contra cada uma das possibilidades do inimigo. Jogo de guerra Simulação de uma operação militar envolvendo duas ou mais forças oponentes. desde a posição inicial das tropas até o cumprimento da missão. conduzidas. para representar uma situação real ou imaginária. equivalente às 24 horas do dia. visualizando-se a ação para ambos os contendores numa seqüência lógica. selecionadas anteriormente. dados e procedimentos fixados. Junção Operação que envolve a ação de duas forças terrestres amigas que buscam o contato físico. em que se desenvolvem determinadas atividades de caráter operacional ou logístico.

Leito fixo Leito previsto na dotação estabelecida para satisfazer às necessidades hospitalares. Levantamento estratégico Compilação organizada e metódica de conhecimento atinentes às áreas estratégicas ou de atividade humanas. constituindo-se em valioso subsídio para o estudo de situação de operações psicológicas. área geográfica ou região com relação às operações psicológicas. resumidamente. psicossocial e militar da área onde se pretende atuar. O seu conteúdo fornece informações referentes à opinião pública. Levantamento de área para operações psicológicas Documento que traz. à comunicação e aos fatores fisiográficos. as características de um país. destinadas a caracterizar o poder e o potencial nacionais. Não são considerados leitos fixos os existentes na zona de combate e nos centros de convalescentes. econômico.C 20-1 L Lançamento aéreo com pára-quedas Processo de desembarque de suprimento. sem o auxílio de páraquedas. político. no qual os mesmos são lançados ao ar. material ou pessoal transportado em aeronave em vôo. L-1 . Lançamento aéreo em queda livre Processo de desembarque de suprimento ou material transportado em aeronave em vôo. com o fim de proceder à sua correta avaliação. no tratamento médico e cirúrgico. no qual os mesmos são lançados ao ar com utilização de pára-quedas.

com o mínimo possível de restrições de estados. Ligações Relações e contatos estabelecidos por meios diversos. sendo o seu traçado bem geral nos grandes escalões e somente podendo ser caracterizada. Ligações necessárias Contatos que devem ser assegurados entre o comando de um escalão considerado e todos os demais elementos envolvidos ou diretamente interessados na ação do referido escalão. na busca da concretização de interesses e/ou objetivos nacionais. com precisão. entre os diferentes elementos que participam de uma mesma ação.C 20-1 Levantamento estratégico de área Informação que fornece uma massa de dados. destinada à coordenação do apoio de fogo. em função do reconhecimento no terreno. nos escalões menores. Limite Linha. Líderes da força adversa Elementos dotados de qualidades naturais de liderança. de modo a coordenar os esforços por eles dispendidos. podendo essas serem desenvolvidas em cursos de capacitação específica ou não. L-2 . normalmente. É obtida pela aplicação das manobras exteriores e interiores. à ocupação de posição e à manobra das forças. organismos e/ou opinião pública. em determinada área. internacional e/ou nacional. conhecimentos suficientes para uma apreciação de suas características quanto ao poder e ao potencial. facilmente identificáveis. balizada por acidentes de terreno. Limite anterior da área de defesa avançada Linha que liga a orla anterior dos núcleos de defesa de primeiro escalão da área de defesa avançada. destinada a proporcionar. Liberdade de ação Capacidade de executar ações estratégicas. destinada a definir área de responsabilidade e a facilitar a coordenação e o controle dos fogos e da manobra. em benefício de um objetivo comum. e que conduzem os rumos da força adversa ou de setores significativos daquela.

L-3 . Linha de coordenação do apoio de fogo Linha além da qual todo alvo pode ser atacado por qualquer meio de apoio de fogo ou sistemas de armas. definidora de responsabilidades territoriais. facilmente identificável. além da qual uma não pode atirar sem buscar a coordenação com a outra. balizada por acidentes nítidos do terreno. sem afetar a segurança ou necessidade de coordenação adicional com a força que a estabeleceu. Limite de retaguarda Linha balizada no terreno. Linha de cerco Linha contínua e envolvente de uma posição ou área cercada. à retaguarda da qual são empregados elementos de engenharia do escalão superior. definidora do limite avançado das posições das forças que realizam o cerco. entre um escalão considerado e seu superior ou subordinado. transversal à respectiva zona de ação. Linha de ação Solução possível que pode ser adotada para o cumprimento de uma missão ou execução de um trabalho.C 20-1 Limite avançado de trabalho Linha nítida do terreno. normalmente. Linha de coordenação de fogos Linha estabelecida entre forças terrestres amigas. utilizada para controlar ou coordenar a progressão de uma ou mais unidades ou fasear uma operação e facilitar a adoção de plano alternativo. geralmente. Linha de controle Linha. em apoio suplementar por área ao escalão considerado. Linha de contato Designação particular do limite avançado das posições amigas. situada na área de responsabilidade de determinado escalão e. Limpeza da zona de ação Destruição dos remanescentes de resistência inimiga numa área que tenha sido cercada ou isolada ou através da qual tenham passado unidades sem eliminálas. quando há possibilidade de observação e fogos terrestres direto entre as forças oponentes.

Linha de escurecimento parcial Linha balizada no terreno além da qual.C 20-1 Linha de desembarque Seguimento contínuo de litoral sobre o qual podem ser desembarcados tropas. ser apoiada em acidentes facilmente identificados no terreno. que indica o limite avançado de responsabilidade de controle e regulação de trânsito exercido pelo comandante que mantém o controle global da operação. são obrigadas a usar luzes de escurecimento ou aquém da qual as viaturas. tendo em vista a possibilidade de observação terrestre do inimigo. durante à noite. Linha de segurança de apoio de artilharia Linha além da qual as unidades de artilharia e os navios de apoio de fogo podem atirar livremente na zona de ação de determinada força. Linha de isolamento Linha contínua que delimita uma área de pacificação ou zona de operações. equipamentos e suprimentos por meios de superfície. Linha de partida Linha destinada a coordenar a partida de elementos do escalão de ataque. Linha de regulação de trânsito Em operações de transposição de curso de água obstáculo. as viaturas. Linha de escurecimento total Linha de escurecimento à frente da qual nenhuma luz é permitida. linha de controle. selecionada para cada fase da operação. que se dirigem para a frente. sem necessidade de coordenação com o comando da força que a estabeleceu. Linha de provável encontro Linha identificada por acidentes do terreno onde estima-se que possa haver o contato inicial ou restabelecimento de contato entre duas forças oponentes. que se dirigem para a retaguarda podem operar com as luzes normais acesas. L-4 . abranger as áreas-problema e garantir espaço suficiente para manobra. em princípio. devendo.

passadeiras. local favorável à travessia a vau e à utilização dos meios de transposição (meios de assalto. Local de travessia Em operações de transposição de cursos de água. local favorável ao lançamento de passadeiras. da posição de uma fonte emissora de energia eletromagnética. Local de ponte Em operações de transposição de cursos de água.C 20-1 Linha de transferência Numa operação anfíbia. por meios eletrônicos. L-5 . Local de desembarque Ponto da margem de uma aquavia que permita o encostamento das embarcações para o desembarque de tropas e material. portadas e pontes). Localização eletrônica Processo de determinação. Local de travessia de assalto Em operações de transposição de cursos de água. em botes de assalto ou viaturas anfíbias. local favorável ao lançamento ou à construção de ponte. linha estabelecida quando os planos operacionais ou as condições hidrográficas aconselham operações de transferência da embarcações de desembarque para viaturas anfíbias. Local de portadas Em operações de transposição de cursos de água. local favorável ao lançamento e à operação de portada. Local de passadeira Em operações de transposição de cursos de água. local favorável à travessia de um batalhão de infantaria ou unidade equivalente.

abrangendo todas as formas de conflito armado.C 20-1 Logística Parte da arte da guerra que trata do planejamento e execução das atividades de sustentação das forças em campanha. materiais e animais. L-6 . Loteamento de rações Repartição de rações recebidas para distribuição aos elementos subordinados. Luta interna Situação caracterizada pela exacerbação do processo subversivo. no interior do país. apoiado por parte da população. quando aplicável. pela obtenção e provisão de meios de toda sorte e pela obtenção e prestação de serviços de natureza administrativa e técnica. de caráter regular ou não. (o mesmo que guerra interna). tendo por finalidade adequar o protótipo e testar a respectiva linha de produção. Logística militar terrestre Conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão de meios necessários ao funcionamento organizacional do Exército e às operações da Força Terrestre. e dos serviços necessários à execução das missões das Forças Armadas. Logística militar Conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão de recursos humanos. Lote piloto Produção experimental ou preliminar de um produto. Logística nacional Conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão dos meios necessários à realização das ações impostas pela estratégia nacional. relativamente reduzido.

a fim de conquistar. Manobra na carta Exercício tático que cria uma situação de combate. coerente com as decisões tomadas no nível político-estratégico. com tropas amigas e inimigas representadas por símbolos. M-1 .C 20-1 M Manobra Movimento destinado a colocar forças. que imita uma situação de guerra destinado ao adestramento de homens e unidades. Exercício tático. o objetivo estratégico fixado. Manobra logística Consiste na mudança de área de apoio logístico do escalão considerado com o objetivo de manter a continuidade do apoio. equipamentos ou fogos em uma situação vantajosa em relação ao inimigo ou para cumprir determinada missão. pode ser conduzido como manobra de ação simples (um partido figurado pelos executantes e as ações inimigas determinadas pela arbitragem) ou de dupla ação (dois partidos figurados pelos executantes e arbitragem dirigindo as ações. Manobra estratégico-operacional Conjunto de operações destinado a colocar forças. Manobra de crise Conjunto de ações destinadas a solucionar uma crise. no terreno ou na carta. nas melhores condições. criando as condições favoráveis à realização da batalha (nível tático). equipamentos ou fogos em situação de vantagem estratégica em relação ao inimigo. sem conduzir o exercício). com comandos organizados e desenvolvendo-se sob o controle da arbitragem.

por antecipação. sob controle de uma arbitragem. visando a prevenir. Engloba tarefas mais simples das atividades de manutenção preventiva e corretiva. dissuadir. Manutenção da fisionomia da frente Providências adotadas para simular absoluta normalidade no quadro geral da situação tática. Manobra tática Conjunto de ações que se executam no campo tático para levar forças a uma posição vantajosa para o combate. Manutenção Função logística que compreende as ações executadas para conservar em condições de uso ou recuperar todo o material existente ou restaurá-lo a essa situação. manifestado por atuações predominantemente ostensivas. Manter o contato Ação tática genérica cuja finalidade é impedir que o inimigo rompa o contato. com ênfase nas ações de conservação do material de emprego militar. visando a evitar que o inimigo seja alertado. quanto à evolução dos acontecimentos.C 20-1 Manobra no terreno Exercício que cria uma situação de combate no terreno. em relação ao inimigo. Manutenção da ordem pública Exercício dinâmico do poder de polícia. com dois partidos representados por tropa e material. aos quais é atribuída a máxima liberdade possível. Manutenção corretiva Atividade da função logística manutenção que se destina à reparação ou recuperação do material danificado para repô-lo em condições de uso. Manutenção de 1º escalão Compreende as ações realizadas pelo usuário e/ou operador do material de emprego militar e pela organização militar responsável pelo material. M-2 . visando a manter o material em condições de apresentação e funcionamento. com os meios orgânicos disponíveis. Pode ser classificada como planejada e não planejada. podendo realizar reparações de falhas de baixa complexidade. coibir ou reprimir eventos que violem a ordem pública. no campo da segurança pública.

normalmente situadas na zona de interior. Categoria de manutenção. que compreende todas as atividades realizadas por organizações militares de manutenção subordinadas à grande unidade ou grande comandos operacionais. em proveito das organizações militares de um grande comando ou de uma grande unidade. próprias ou mobilizadas.C 20-1 Manutenção de 2º escalão Compreende as ações realizadas pelas companhias logísticas de manutenção dos batalhões logísticos. Visa a reparação dos materiais de emprego militar indisponíveis ou parcialmente disponíveis. ultrapassando a capacidade dos meios orgânicos da organização militar responsável pelo material. Engloba algumas das tarefas da atividade de manutenção corretiva. Envolve projetos específicos de engenharia e aplicação de recursos financeiros. com ênfase na reparação do material de emprego militar que apresente ou esteja por apresentar falhas de alta complexidade. Manutenção de retaguarda Compreende as atividades de manutenção modificadora realizadas pelas organizações militares de logística de manutenção fixas e/ou por empresas civis mobilizadas em proveito das organizações militares situadas na área de jurisdição de uma região militar. Manutenção de campanha Compreende as atividades de manutenção corretiva realizadas pelas organizações militares de logística de manutenção de móveis. implica no retorno do material aos estoques da forca terrestre. que compreende todas as atividades realizadas por unidades especializadas. Categoria de manutenção em instalações fixas. Visa à completa recuperação dos materais de emprego militar. Essa categoria. por envolver ações altamente complexas e demoradas. Engloba tarefas das atividades de manutenção preventiva e corretiva. com ênfase na reparação do material de emprego militar que apresente ou esteja por apresentar falhas de média complexidade. Manutenção de 3º escalão Compreende as ações realizadas pelos batalhões de manutenção e parques regionais de manutenção. operando em instalações fixas. M-3 . restituindo-lhes a plena capacidade operativa. Manutenção de 4º escalão Compreende as ações realizadas pelos arsenais de guerra e/ou por indústrias civis especializadas. com ênfase na recuperação do material de emprego militar. com equipamentos altamente especializados ou volumosos. visando a manter os seus respectivos equipamentos nas melhores condições possíveis de emprego. Engloba as tarefas da atividade de manutenção modificadora.

compreendendo a manutenção realizada pelo operador do material ou utilizador do material e a realizada pelas oficinas orgânicas. testes. Categoria de manutenção que compreende todas as atividades realizadas pelas organizações militares. para otimizar os trabalhos da própria manutenção. recomendações do fabricante ou referências externas. desde o momento do seu recebimento. com a finalidade de favorecer as operações militares. ainda. Manutenção preventiva Nível de manutenção que inclui operações sistemáticas onde o equipamento é submetido a medições. desde que as ações de manutenção se realizem de acordo com procedimentos previstos e recursos necessários. Os estudos para a determinação do momento exato. Manutenção preditiva Manutenção realizada em determinado equipamento no momento exato em que eles interferem na confiabilidade do sistema. conservação e emprego. ou momento preditivo. administração e utilização) no teatro de operações. podem ser feitos por meio de análise estatística ou análise de sintomas. visando mantê-los nas melhores condições de apresentação e emprego. M-4 . visando a manter o seu equipamento nas melhores condições possíveis de apresentação. Manutenibilidade Probabilidade de que um material será mantido operando satisfatoriamente ou será restaurado às condições especificadas. ajustes e trocas de peças. Manutenção modificadora Consiste nas ações de manutenção destinadas a adequar o equipamento às necessidades ditadas pelas exigências operacionais ou.C 20-1 Manutenção dos laços táticos Princípio geral do emprego que preconiza a conveniência de um mesmo elemento ser designado para apoiar uma mesma força. Mão-de-obra Atividade que compreende o uso de recursos em pessoal (obtenção. em função de um programa preestabelecido a partir da experiência operativa. Manutenção orgânica Compreende as atividades de manutenção preventiva e corretiva realizadas por todas as organizações militares em seus materiais de emprego militar orgânicos.

após um dia de trabalho. o estado do equipamento. o nome do comandante. Marcha administrativa Movimento realizado com a principal preocupação de utilizar. de modo mais eficiente.C 20-1 Mão-de-obra civil Atividade complementar da função logística recursos humanos que trata da utilização e controle de auxiliares civis. sob determinadas condições técnicas ou logísticas. Marcha Movimento realizado por uma força terrestre. o efetivo previsto. Mão-de-obra contratada Civis contratados para determinado trabalho. sobre o qual ele exerce sua soberania. o efetivo existente. Mar territorial Porção do mar adjacente a um estado costeiro. Mão-de-obra móvel Compreende os civis empregados mediante contrato de longa duração. Mapa da força Registro sintético da situação de uma organização militar em determinado momento. tendo como limite interno a linha de base e como limite externo uma linha eqüidistante da linha de base e regulada por legislação específica desse estado. os quais são organizados em unidades de mão-de-obra que se movimentam de um local para outro. de acordo com as necessidades. M-5 . admitindo-se para a sua execução não haver possibilidade de contato com o inimigo terrestre durante o percurso ou logo após a chegada ao destino. Mão-de-obra estática Constituída pelos civis empregados nas proximidades da área de suas residências e que a elas retornam. a capacidade combativa e a experiência de combate. tal como qualquer unidade militar. com a finalidade de suplementar a força militar disponível. contendo a sua parada. os meios de transporte disponíveis. utilizando ou não seus próprios meios. podendo ser indivíduos ou firmas estabelecidas no local.

C 20-1 Marcha de aproximação Fase de marcha para o combate. etc. pronta para entrar em ação. Marcha para o combate Operação tática que se destina a obter ou restabelecer o contato com o inimigo ou assegurar vantagens que facilitem as operações futuras. emprega uma parte desses meios para transportar suas tropas à pé e suprimento essenciais. após a execução do cerco de uma tropa das forças irregulares. até que o movimento de todos os elementos esteja terminado. M-6 . Marcha por escalões Movimento de uma unidade ou força que. responsável pela compressão do cerco até que as forças irregulares fiquem bloqueadas entre esses escalões. que consiste em um escalão de bloqueio (bigorna). não devendo ser alterada as velocidades normais de marcha. realizada quando a ação do inimigo terrestre ou a sua iminência obriga a força que executa a desdobrar-se e desenvolver-se no terreno. Martelo e bigorna Operação realizada. que pode ser ou não facilmente distinguido. Marcha forçada Marcha em que a etapa de marcha é aumentada para apressar a chegada da tropa ao seu destino. dentro das operações contra forças irregulares. em sucessivas viagens. máscara. Marcha tática Movimento executado com a preocupação de deslocar a tropa num dispositivo que facilite a sua rápida passagem para uma formação de combate adequada. normalmente colocado apoiado num obstáculo natural e um escalão de assalto (martelo). por ser possível o encontro com o inimigo terrestre durante o percurso ou logo após a chegada no destino. não possuindo meios de transporte suficientes para conduzir todo o seu pessoal e equipamento em uma só viagem. Mascaramento Processo de camuflagem que consiste em ocultar um objetivo por meio de cortina.

aéreos. em virtude. de produção fácil e abundante. Material essencial Material indispensável. Material de emprego militar Armamento. exige medidas especiais para sua obtenção. como psicossociais. Material estratégico Material que. Material em excesso Material que existe além da quantidade autorizada para determinada unidade. ao bem-estar das populações e aos imperativos da segurança nacional. quer por falta de disciplina de suprimento. industrialização e comércio. cuja obtenção não apresenta dificuldades dentro do território nacional. capturado ou encontrado no campo de batalha. terrestres e anfíbios de uso privativo ou característico das forças armadas. do ponto de vista de sua utilização. em face das condições de acessibilidade e das conjunturas geopolíticas e geo-econômicas. munição. equipamentos militares e outros materiais ou meios navais. bem como seus sobressalentes e acessórios. em virtude de desfavorável acessibilidade. Material capturado Qualquer tipo de equipamento ou suprimento utilizado pelas forças armadas inimigas. produção. nem problema especial por ocasião da mobilização nacional.C 20-1 Material Todo artigo necessário à utilização ou ao consumo para fins operacionais ou logístico. Material crítico Material para o qual ocorre dificuldade de obtenção. carência nos mercados e dificuldade de acesso às fontes de suprimento. dada à necessidade de sua utilização para empreender uma ação estratégica e. tanto de fatores econômicos. ao processo evolutivo do país. M-7 . Material comum Material. na qualidade e quantidade desejadas. quer em conseqüência de alteração nos planos de operações. em épocas e prazos determinados.

com a finalidade de alertá-los sobre possíveis ou previstas alterações naquelas missões. em favor do enfoque mecanista. de progressivamente afastarem-se do enfoque sistêmico. às suas atividades normais. com a finalidade de obter o máximo de poder relativo de combate no ponto decisivo. Matriz de sincronização Documento empregado no arranjo das atividades de todos os sistemas operacionais no tempo e no espaço. tendo em vista facilitar as operações futuras. envolvendo. M-8 . sob regime pré-hospitalar ou hospitalar. Medicina curativa Conjunto de ações destinadas ao tratamento de doentes e feridos. farmacêuticos e outros). Medicina veterinária Conjunto de ações relacionadas à assistência veterinária. Mediante ordem Expressão que caracteriza determinadas situações às missões táticas atribuídas a uma OM. à inspeção de alimentos e ao controle de doenças de origem animal. Medicina preventiva Conjunto de ações destinadas a promover a saúde e a prevenir as doenças. buscando a eficiência das partes e não a eficácia do sistema e a otimização do objetivo-síntese. que tem por finalidade devolver ao homem as condições psicofísicas que o capacitem a retornar. o mais breve possível.C 20-1 Material salvado Todo material utilizado por uma força armada ou por forças aliadas. mesmo que só possa ser aproveitado como matéria-prima. que seja suscetível de ser utilizado para suas finalidades originais (com ou sem reparação) ou aproveitado para outras finalidades diferentes dessas. equipes multidisciplinares (médicos. dentistas. geralmente. encontrado em situação de abandono no campo de batalha. ao crescer. Procuram trabalhar isoladamente. perdendo a interação. Mecanização progressiva Tentativa que as organizações têm. As partes ou componentes (subsistemas) crescem tanto que tendem ao isolamento.

objetivando o reconhecimento imediato da ameaça. As medidas de proteção eletrônica podem ser implementadas por meio de procedimentos. partes. Meio ambiente Conjunto de condições. Medidas operacionais de proteção preventiva Sistema flexível de proteção contra ataques químicos. mapas ou outras informações. a despeito do emprego das medidas eletrônicas de apoio e contramedidas eletrônicas do oponente. sistemático e ordenado.C 20-1 Medidas de proteção eletrônica Divisão da guerra eletrônica que tem por objetivo assegurar a utilização eficiente do espectro eletromagnético. documentos. e pela utilização de tecnologias incorporadas aos equipamentos. que permite. Mensagem Termo empregado nas comunicações para todas as instruções. que contém sugestões para decisão do comando sobre o equipamento de proteção adequado a usar em dada situação. Método científico Dispositivo ordenado em um conjunto de procedimentos sistemáticos que o pesquisador emprega para obter o conhecimento adequado do problema que se propõe resolver. influências e interações de ordem física. Meios Força e elementos materiais que integram o poder de combate. fotografias. em texto claro ou criptografado. Método Forma de procedimento seqüencial. Têm a finalidade de interceptar e identificar essas emissões e localizar suas fontes emissoras. no planejamento e no emprego dos sistemas de comunicações e não-comunicações. M-9 . ordens. abriga e rege a vida em todas as suas formas. enviado pelos meios de comunicações. Medidas eletrônicas de apoio Divisão da guerra eletrônica que consiste na obtenção de dados a partir da aquisição de sinais eletromagnéticos. química e biológica.

veículos ou embarcações.C 20-1 Método de análise e solução de problemas Metodologia empregada para solucionar problemas. podendo ser profissionais ou não. Método operacional Maneira geral e adequada para a consecução de determinado propósito relacionado com o combate. instalação. Método de ensaio Norma que prescreve a maneira de verificar ou determinar características. organização ou força para alcançar um determinado fim. causa efeito letal ou lesivo. Consiste na identificação. classificam-se em: ativistas. da maneira mais segura. Militantes São os elementos estruturados nos diversos níveis e setores de atividades das forças adversas. Missão Tarefas ou ações que devem ser realizadas por um indivíduo. Minagem Missão ou operação que consiste no lançamento de minas em determinada área aquática ou terrestre. produto. obra. cuja trajetória pode ser totalmente ou em parte controlada. utilizando ferramentas da qualidade. Mina Artefato utilizado para dificultar ou impedir o movimento de pessoas. líderes e agentes armados. análise e solução de determinado problema. autopropulsado e não tripulado. material. M-10 . Organização racional e bem calculada dos recursos disponíveis e dos procedimentos mais adequados para se atingir determinado objetivo. Em função das atividades que desempenham. contendo uma carga explosiva. função ou grupo funcional. agentes especiais. Míssil Engenho espacial bélico. de modo a conduzi-lo a um determinado objetivo. condições ou requisitos exigidos para uma doutrina. econômica e eficiente possível. que ao ser acionada.

velocidade de intervenção e flexibilidade do emprego. de toda natureza. Mobilização industrial Transformação da indústria. visando ao aparelhamento das Forças Armadas para o cumprimento de sua destinação constitucional. por sua transportabilidade. apreciada. capital. bem como flexibilidade de emprego. M-11 . Mobilidade tática Mobilidade de uma força no campo de batalha. estão nele incorporados. Míssil teleguiado Míssil dirigido por um comando à distância. por seu raio de ação. Compreende a mobilização de materiais. raio de ação. trabalho. imprescindíveis ao atendimento prioritário de ações em prol da segurança nacional e/ou benefício do esforço de guerra. que sejam essenciais para o programa de provisões. insensibilidade ao terreno e às condições meteorológicas. artigos e serviços auxiliares. de sua atividade de tempo de paz para o cumprimento do programa de provisões necessário para apoiar os objetivos militares nacionais. velocidade. relativa à execução de ações táticas e apreciada. Mobilização de transportes Execução de uma série de medidas planejadas e preparadas em tempo de paz. particularmente.C 20-1 Míssil autoguiado Míssil em que todos os componentes do guiamento ou pelo menos os principais. Mobilização militar Parte integrante da mobilização nacional. Mobilidade estratégica Mobilidade de uma força. relacionada a grandes distâncias e relativa à execução de ações estratégicas. particularmente. visando à rápida adaptação e coordenação dos meios de transportes. que consiste na execução das medidas destinadas a assegurar a passagem da organização militar da situação de paz à de guerra. instalação de produção.

desvinculando-o da função ou organização militar anterior. com seus equipamentos e suprimentos. opiniões e idéias. para fazer face a uma situação de emergência de grau excepcional e conduzir o retorno da nação à situação de normalidade. na área do desembarque. seja forçado por este ou executado voluntariamente como parte de um esquema geral de manobra. de acordo com um plano previamente estabelecido. durante a qual as tropas. M-12 . com a finalidade de capacitar o poder nacional a realizar ações estratégicas. Movimento preparatório Movimento executado por uma tropa. são transportadas para posições em terra. Movimento retrógrado Movimento organizado de uma força para a retaguarda ou para longe do inimigo. Moral militar Estado de espírito de um indivíduo ou organização militar. vindas no comboio de assalto. Movimentação Parte da administração do pessoal que consiste em deslocar um indivíduo de uma função ou organização militar para outra.C 20-1 Mobilização nacional Conjunto de atividades empreendidas pelo estado ou por ele orientadas desde a situação comum. resultante de seus pensamentos. tendo em vista facilitar a missão que terá de executar posteriormente. Movimento Designação geral da operação militar que consiste no deslocamento de uma força de uma região para outra. capaz de influenciar sua vontade de cumprir o dever e de cooperar na consecução dos propósitos do grupo ao qual pertence. Movimento navio-para-terra Parte da fase do assalto. uma vez cessado ou reduzido de intensidade o motivo determinante daquelas ações. no campo da segurança nacional. em atendimento à idéia de manobra em terra.

Movimento tático Movimento de forças ou elementos militares. expressa em tiros por arma e por dia.C 20-1 Movimento revolucionário Tentativa de mudança político-social por meio da conquista do poder ou do atendimento a interesses de um grupo ou do povo. tais como a subversão e a luta armada e que traduz um inconformismo com a ordem vigente ou a ambição de pessoas ou grupos. sob condições de combate. Multiplex Equipamento que permite o uso simultâneo de vários canais de comunicações através de um único circuito físico ou onda portadora. com a finalidade de cumprir uma missão tática. por processos alheios às normas estabelecidas. Multicanal Meio de comunicações que emprega equipamento de transmissão e recepção de ondas de rádio em freqüência VHF ou UHF (multicanal-rádio) ou cabo especial (multicanal-cabo). durante um período determinado. prevista como sendo necessária para o consumo nos diferentes tipos de operação. M-13 . Munição disponível Quantidade de munição. que a força poderá receber durante determinada operação ou período. expressa em tiros por arma e por dia. Munição necessária Quantidade de munição. permitindo a utilização simultânea de vários canais telefônicos e telegráficos por multiplexão.

C 20-1 N Nação Estrutura histórico-cultural constituída por determinada parcela da humanidade. lutas e vicissitudes comuns. linguagem. crenças. Militar que realiza serviços técnicos. idéias. aglutinada sob tradições. a estabilidade institucional. vocações. hábitos. Não-normalidade Situação na qual as forçcas adversas. costumes. a intervenção federal. baseado no respeito à sua personalidade jurídica internacional. No plano legal. caracteriza-se pela decretação das salvaguardas constitucionais. a integridade e a soberania nacionais acarretando grave comprometimento da ordem pública ou interna. comprometem gravemente a ordem pública. pelo qual um estado se abstém de se intrometer nos negócios internos de outro estado quando nele não tem interesses seus a defender. chegando a ameaçar. que não se envolve ou pratica atos de hostilidade. Pessoa da população em território ocupado ou no teatro de operações. administrativos e logísticos. de forma potencial ou real. Não-combatente Pessoa não-militar que presta serviço às Forças Armadas: funcionário ou contratado. Não-intervenção Princípio de direito internacional de inviolabilidade da soberania de uma nação e da integridade do seu país. N-1 . o estado de defesa ou o estado de sítio. que vive em determinado espaço de terra. em apoio aos combatentes que participam diretamente do combate. ainda que potencialmente.

Navio de controle Embarcação que se coloca num ponto designado para controle do movimento navio-para-terra. dentro de certos limites. empenhadas no desembarque e no apoio. a eficiência do inimigo.C 20-1 Navio de comando anfíbio Navio de guerra de onde um comandante exerce o controle em operações anfíbias. construído especialmente para operar em rios. Navio aeródromo Unidade de superfície capaz de reabastecer. Neutralidade Situação declarada por uma nação diante do estado de beligerância entre outras potências. reparar e operar aeronaves e suas equipagens aéreas e defender-se. em que se dispõe a não tomar partido nem auxiliar quaisquer dos beligerantes. Situação de neutro. É destinado a satisfazer às necessidades de comunicações indispensáveis ao controle de unidades de superfície. impedindo a sua movimentação. Navio de desembarque Navio-transporte destinado a longas viagens marítimas e ao rápido descarregamento em qualquer praia ou em suas proximidades. Redução. na expectativa de recíproco respeito à sua integridade territorial. N-2 . Neutralização Fogo desencadeado para produzir perdas e danos capazes de reduzirem. Navio patrulha fluvial Embarcação de combate de pequeno calado. inibição ou anulação temporária da capacidade operativa do inimigo pela manobra ou pelo fogo. patrimonial e dos seus cidadãos no país e no exterior. tiro e observação. submarinas e aéreas. de ataques aéreos e de superfície. superestruturas relativamente altas e armado. municiar. Navio capitânea Navio de guerra onde se instala o comando de uma força. alojar. por algum tempo.

C 20-1 Neutralização de uma força Ato de tornar determinada força incapaz de interferir em uma operação tática. Nível de operacionalidade Estudo ou situação que corresponde à possibilidade de transformação de uma organização militar operacional em instrumento eficaz de combate. para emprego imediato ou futuro. expressa em dias de suprimento ou em unidades de medida. Nível de estoque Quantidade de qualquer item. Neutralizar Tornar pessoal ou material inimigo incapaz de interferir em uma determinada operação. Nível de capacitação operacional Estágio de preparação da força terrestre ou de uma organização militar. N-3 . Nível corrente Quantidade de suprimentos. É a soma dos níveis operacional e de segurança. Pode ser expresso em: dias de suprimento. avaliado por meio da análise de sua estrutura organizacional. material e preparação orgânica. Os níveis de capacitação operacional estão vinculados aos conceitos de: operacionalidade. em operações de guerra. Tornar inofensiva qualquer coisa contaminada por agente químico. podem ser indicados os níveis para o atendimento de emergências. de seu pessoal. ou unidades de medida de suprimento. por ter sofrido perdas consideráveis. quantidades de itens de suprimento. artigo ou material cuja estocagem é autorizada ou prevista. Nível de reserva Quantidade de suprimentos cuja estocagem é determinada para atender a uma finalidade específica. autorizada a ser estocada para manter as operações correntes e para atender às necessidades imprevistas. e poder de combate. de acordo com as necessidades de distribuição para o consumo. Sua utilização dependerá de autorização do escalão competente. para equipar novas organizações ou para equipar organizações que chegarão ao teatro de operações terrestre sem seu equipamento. Como exemplo. eficiência operacional.

fixado pelo Comando do Exército. tendo em vista as necessidades de distribuição para o consumo. computados os artigos existentes e por receber e considerando as necessidades previstas e a capacidade de armazenagem. Corresponde à soma dos níveis operacional. N-4 . Nível de suprimento Quantidade de suprimento cuja estocagem é autorizada ou prevista. Nível operacional Quantidade de suprimentos necessária para manter as operações no intervalo de tempo entre dois pedidos. de segurança e de reserva. É calculado para o efetivo médio previsto para o período. Operação de colocar na horizontal superfície ou base de instrumento. duas ordens automáticas de fornecimento ou entre a chegada de duas remessas consecutivas. Nível máximo Maior quantidade de suprimentos que um comando poderá ter em seu poder. tornando horizontal trecho da superfície de terreno (normalmente como preparação para uma obra de construção). Nivelamento Ato ou efeito de igualar ou compatibilizar efetivos . além da que constitui o nível operacional.suprimentos ou quaisquer outros valores ou quantidades. Nível projetado Quantidade de suprimentos. Levantamento topográfico feito no terreno com instrumentos no qual as distâncias e ângulos são medidos e referidos a um plano horizontal de referência. para o cumprimento de determinada missão ou projeto. que um homem pode permanecer hospitalizado no teatro de operações.C 20-1 Nível de segurança Quantidade de suprimento. especificamente autorizados. Trabalho de terraplenagem. necessária para garantir a continuidade das operações na eventualidade de pequenas interrupções da reposição ou flutuação imprevisível nas necessidades de suprimento. Norma de evacuação Número máximo de dias.

caracteriza-se pela plena vigência das garantias individuais e pela não-utilização das salvaguardas constitucionais. um dispositivo flexível para a defesa em todas as direções e em profundidade para sustentar a posição. Número série Número atribuído a cada elemento de tropa (bem como ao seu equipamento e ao seu suprimento inicial) que preencha todos os seguintes requisitos: embarque num só navio. N-5 . Núcleo de defesa Célula defensiva da organização nucleada na defesa em posição em que os pelotões de fuzileiros. interesses e objetivos. a fim de livrar o texto de material incidental e explanativo e estabelecer a fonte de onde foi retirado o material. Normas gerais de ação Prescrições relativas às diversas atividades de uma organização militar ou de um comando ou chefia. que visam uniformizar a conduta de seus integrantes no trato de casos idênticos. porque o estado. nas respectivas zonas de ação.C 20-1 Normalidade Situação na qual os indivíduos. mantém a ordem pública e a incolumidade das pessoas e do patrimônio. Nota de rodapé Nota explicativa. para deter em profundidade e limitar eventual penetração do atacante no dispositivo. ocupada ou para ser ocupada oportunamente por elemento da reserva de uma força na defesa em posição. No plano legal. As forças adversas podem estar atuantes. desembarque aproximadamente num mesmo horário. companhias de fuzileiros e batalhões de infantaria adotam. ameaçar a estabilidade institucional do País. Núcleo de aprofundamento Célula defensiva preparada. mesmo que ultrapassada ou atacada de diferentes lados. colocada na parte inferior da página de um trabalho. grupos sociais e a nação sentem-se seguros para concretizar suas aspirações. desembarque em conjunto numa mesma praia ou zona de desembarque. em seu sentido mais amplo. simplificar a preparação e transmissão de ordens e evitar ao máximo as confusões e erros. sem entretanto.

Objetivo de desagregação Em operações psicológicas. não estando. material (força. Objetivo Elemento tangível. representando condições estruturais ou conjunturais. necessariamente. Objetivo decisivo Objetivo cuja posse mais facilita o cumprimento da missão. separar um grupo de outros. Objetivo de coesão Em operações psicológicas. objetivo que se destina a apartar o indivíduo de seu grupo. instalação. em relação ao qual se vai operar para obter determinado efeito. região. materiais e imateriais. população e outros). desorganizar um grupo ou a própria sociedade. O-1 . É o alvo de uma ação. de fatos naturais ou sociais ou da vontade humana e que dificultam ou impedem a conquista e a manutenção dos objetivos nacionais. objetivo cuja consecução fortalecerá ou unirá mais os membros de uma sociedade ou grupo social específico.C 20-1 O Óbices Obstáculos de toda ordem. indispor um determinado grupo com a comunidade. entre os objetivos finais recebidos por um escalão considerado.

resultante de compromissos entre os interesses e as aspirações nacionais básicas e a capacidade do poder nacional. em determinada fase da evolução cultural. Objetivos nacionais atuais Objetivos nacionais que. constituindo um meio para alcançar os objetivos políticos. Objetivos de guerra São políticos e militares. cuja destruição ou neutralização contribui para abater a estrutura política. toda uma nação busca satisfazer. assumem. em nível estratégico. consubstanciam os fins a alcançar pela comunidade nacional. O-2 . Efeito desejado. Os objetivos militares. A consecução dos objetivos políticos constitui a finalidade da guerra. Objetivo final Em um ataque. Objetivos básicos operacionais Documento que estabelece as características operacionais desejadas. psicossocial ou econômica do inimigo. privando-o de recursos necessários ao prosseguimento da guerra. que deve ser alcançado ou visado e que contribui para a consecução de um objetivo político ou objetivo estratégico de nível mais alto. no quadro de determinada conjuntura. ajuda na conquista do objetivo final e/ou facilita o controle das forças de manobra. expressam etapas intermediárias com vistas a alcançar ou manter os objetivos nacionais permanentes.C 20-1 Objetivo estratégico Objetivo. no entanto. posição de preponderância para a aplicação do poder nacional. objetivo que consubstancia o cumprimento da missão Objetivo intermediário Objetivo cuja conquista auxilia concretamente o cumprimento da missão. militar. Objetivos nacionais que. que podem estar acompanhadas de informações técnicas. e capaz de orientar o processo de pesquisa e desenvolvimento. Objetivos nacionais Representam a cristalização dos interesses e aspirações que. em determinada conjuntura e considerada a capacidade do poder nacional.

Ocupação Ato ou efeito de guarnecer com tropas um território conquistado. tática. Operação Ação militar para a execução de uma missão de natureza estratégica. com a aplicação e/ou emprego de mão-de-obra. junto a um órgão. transmitindo informes de combate. O-3 . como delegado de seu chefe. retardar ou impedir o movimento. ou qualquer objetivo. de uma aeronave em vôo. compreendendo interesses e aspirações vitais e que. Obtenção Fase logística que visa à aquisição dos meios necessários nas respectivas fontes. obra ou situação criada. materiais e equipamentos. condição de solo ou de ambiente. Obra de engenharia Empreendimento envolvendo conhecimentos e técnicas de engenharia. Obstáculo Acidente do terreno. utilizada para canalizar. observar o campo de batalha para colher informes necessários às forças de superfície. Oficial de ligação Oficial encarregado de missão bem definida. unidade ou Força Armada. diferente da sua própria. existente ou resultante de fenômeno meteorológico adverso. por isso mesmo. Observador aéreo Elemento especializado cuja função primordial é. subsistem por longo tempo. logística ou de instrução.C 20-1 Objetivos nacionais permanentes Objetivos nacionais. Observador avançado Observador que opera com as tropas da linha de frente e tem a tarefa de ajustar o fogo de artilharia naval e terrestre e o bombardeio aéreo.

com penetração no interior do território inimigo. em um teatro de operações. de forma independente ou combinada. embarcadas em navios e embarcações. Operação aeroterrestre Operação combinada. que necessitam ser evacuadas. Operação anfíbia Ataque lançado do mar por forças navais e de desembarque. relacionada com o movimento aéreo e a introdução de forças de combate. estratégicas ou táticas. contra litoral defendido pelo inimigo ou em favor de forças amigas. de apoio ao combate ou de apoio logístico. com a finalidade de concorrer para o cumprimento da missão a ele atribuída.C 20-1 Operação aeroestratégica Operação realizada independentemente pela Força Aérea. O-4 . para executar tarefas que contribuirão para o cumprimento da sua missão. em benefício do escalão ao qual esteja subordinada. denominada força amiga. visando ao cumprimento de uma missão de combate. numa determinada área. Operação de apoio a cargo de força amiga Caracterizada por aquela realizada por uma força que não está sob o comando do comandante. em que tomem parte elementos ponderáveis de mais de uma força singular. a fim de destruir ou neutralizar seus elementos vitais. sob um só comando. Operação aerotática Operação realizada pelas forças aéreas. Operação componente Caracterizada por aquela realizada por uma parcela de determinada força. Operação combinada Operação relacionada com ações militares. Operação aeromóvel Operação realizada por força de helicópteros ou força-tarefa aeromóvel. que não estará sob comando tático do seu comandante para executar as tarefas que lhe foram atribuídas. localizadas em costa inimiga. com seus respectivos apoios. para a execução de uma ação de natureza tática ou estratégica.

a fim de preservar o poder de combate. desenvolvidas em caráter sistemático ou exploratório. o terreno. ou quando o distúrbio ocorrer em área sujeita à administração militar. desenvolvidas em caráter sistemático ou exploratório. onde se procura utilizar. Operação defensiva Operação sob condições adversas. integralmente. Operação de informações Conjunto de ações de buscas especializadas. medicamentos e outros materiais importantes. O-5 . Os meios da força terrestre só devem ser empregados em ações de controle de distúrbios após esgotados os meios da Polícia Militar. os meios e processos disponíveis para impedir. de pessoal. manter a eficiência operacional ou atender a necessidades táticas. infligindo-lhe o máximo de desgaste e desorganização. Operação de substituição Operação destinada a substituir forças em combate. aprisionar elementos das forças adversas (ou guerrilheiros) ou elementos suspeitos e descobrir e apreender armas. buscando criar condições mais favoráveis para a retomada da ofensiva. resistir ou destruir um ataque inimigo. Operação de inteligência Conjunto de ações de buscas especializadas. Operação de controle de distúrbio Ações freqüentemente empregadas em operações de GLO e podem ser executadas em situação de normalidade. de instalações ou de material. equipamentos. Operação de interdição Ações executadas para dificultar ou impedir que o inimigo se beneficie de determinadas regiões. em apoio à produção e à salvaguarda do conhecimento. em apoio à produção e à salvaguarda do conhecimento. particularmente a inferioridade de meios.C 20-1 Operação de busca e apreensão Operação destinada a investigar uma área edificada.

Operação presença Tipo de ação efetiva e transitória que consiste no estacionamento temporário de organizações ou forças militares de valor adequado. do movimento e da ação de choque e. Operacional Termo genérico. especialmente os de natureza psicológica. com o emprego de tropas. linhas a atingir ou fases. embarcações e eventual apoio aéreo. passar ao aproveitamento do êxito e/ou à perseguição. por habitantes da área. onde predominam o movimento e a iniciativa. simultaneamente. ao longo de canais navegáveis. negá-los ao inimigo. sendo expresso pelo grau de ordenação. Operação ribeirinha Operação realizada em rios. em uma área sensível.C 20-1 Operação fluvial Operação realizada em rios. com a finalidade de cerrar sobre o inimigo. sendo terrestre o esforço principal. ao longo das margens ou partindo destas para o interior. Operação ofensiva Operação agressiva. Operacionalidade Atributo intrínseco de uma organização militar que define a sua possibilidade de desenvolver eficiência operacional e poder de combate para o cumprimento de missões previstas em quadro de organização. obtido sucesso. O-6 . sendo naval o esforço principal. quantificação e preparação dos recursos materiais e humanos que a integram. Operação regulada Operação. empregado para caracterizar a relação com a operação ou a ela pertencente. navios e embarcações especiais e eventual apoio aéreo. concentrar um poder de combate superior no local e momento decisivo e aplicá-lo para destruir suas forças por meio do fogo. com o emprego de navios. em termos de objetivos. para a obtenção de determinados efeitos. Sua finalidade é estabelecer e manter o domínio dos rios para que possam ser utilizados como vias de comunicações e. em cuja ordem ou plano de operações as missões dos elementos subordinados estão definidas claramente. normalmente.

Corresponde. Operações de guerra Operações conduzidas em um teatro de operações (zona de operações) contra um inimigo. viaturas anfíbias ou helicópteros. ao controle operacional. Operações de inteligência Operações. de navios de transporte para embarcações de desembarque. antes da operação anfíbia ou concomitantemente.C 20-1 Operacionalidade empenhada Para a força aérea. equipamentos e suprimentos. Ato de movimentar pessoal ou material de um local para outro. Operações contraguerrilha Operações realizadas com a missão de neutralizar. que se destina à busca de informes sob condições especiais de sigilo. planejadas e conduzidas por um órgão (elemento) do sistema de inteligência de qualquer nível. Operações de transferência Passagem de pessoal. com a finalidade de concorrer para o sucesso desta última operação. é a disponibilidade total ou parcial de uma unidade aérea. Operações de transbordo Passagem de pessoal. em caso de guerra. ainda. para a força apoiada. na área de operações. O-7 . destruir ou capturar a força de guerrilha inimiga e eliminar a organização do movimento revolucionário. Operações de apoio Operações executadas por forças não pertencentes à força-tarefa anfíbia. com suas aeronaves e respectivas tripulações sujeitas ao emprego determinado por parte de outra organização ou autoridade. equipamentos e suprimentos de um para outro navio ou. de embarcações de desembarque para viaturas anfíbias. Operações ar-terra Emprego coordenado de forças aéreas e terrestres de um teatro de operações para cumprir a missão atribuída a este.

sem transbordo. Operações pré-assalto Operações realizadas na área do objetivo por unidades subordinadas da força-tarefa anfíbia. econômicas. Operações pré-desembarque (ou pré-hora “H”) Eventos iniciais da fase de assalto. Operações pré-dia “D” Operações realizadas na área do objetivo antes da chegada do corpo principal da força-tarefa anfíbia. vias de transporte e núcleos urbanos. não constituindo parte da operação anfíbia. abrangendo operações de apoio e as operações pré-assalto. Operações praia-a-praia Operações anfíbias em que a força de desembarque. com seu equipamento e suprimentos. Operações tipo polícia Operações contra forças irregulares realizadas com a finalidade de assegurar o controle da população e prover a segurança das tropas. para a conquista e a consolidação da cabeça-de-praia. e o preparo final do movimento navio-para-terra. Operações que se sucedem à operação de junção.C 20-1 Operações em terra As operações levadas a efeito pelos elementos da força de desembarque. após desembarcados. compreendendo a continuação da preparação da área de desembarque. diretamente de uma base ou cabeça-de-praia avançada para uma praia de desembarque.inimigos. Operações psicológicas São ações políticas. Operações subseqüentes Operações que se sucedem ao firme estabelecimento da força de desembarque em terra. hostis.emoções. se desloca por mar. iniciada pela força avançada (se empregada). que normalmente são organizadas como força avançada. atitudes ou comportamentos favoráveis à consecução de objetivos específicos. instalações. O-8 . neutros ou amigos . psicossociais e militares destinadas a criar em grupos .

C 20-1 Oportunistas São indivíduos que. tanto em forma de uma listagem. com propósito de executar. com o objetivo de proporcionar a determinado escalão o controle de seu crédito referente àquele suprimento. amiga ou inimiga. uma operação militar. colaborando com ela e procurando tirar vantagens dessa colaboração. Ordem de operações Documento pelo qual um comandante define a situação e determina missões ou tarefas específicas a seus diferentes subordinados. tendo em vista facilitar as operações futuras. a função e outros dados relativos aos equipamentos emissores de energia eletromagnética do inimigo. estrutura de comando. Ordem de transporte Documento que autoriza o transporte de suprimento classe V (munições). Ordem de batalha eletrônica do inimigo Conjunto de informações contendo o tipo. Ordem de alerta Expressão acrescida às missões táticas. O-9 . se associam à força adversa. efetivo. Elementos que possuem idéias contrárias às da força adversa mas que dela se valem para a conquista de determinados objetivos comuns. atribuídas a determinados elementos com a finalidade de alertá-los sobre possíveis ou previstas alterações naquelas missões. por interesse pessoal ou por receio. a localização. Ordem de movimento Documento que determina a realização de deslocamentos de forças para fins operacionais ou outros que se fizerem necessários. históricos e outros dados relativos a unidades e personalidades militares. identificação. Entre os oportunistas estão os "companheiros de viagem" ou "aliados". localização. Ordem de batalha Informações sobre pessoal. se possível. incluindo. como na forma de um calco ou de uma imagem de vídeo. unidades e equipamentos de uma força. Pode ser elaborada. coordenadamente.

Organização militar subordinada Unidade ou subunidade que. que emanam do ordenamento jurídico da nação. tendo por escopo regular as relações sociais de todos os níveis do interesse público. Organização para a experimentação da doutrina Unidade especialmente preparada. que determina ações e providências decorrentes de uma decisão tática. instalações. referidas ao apoio logístico em determinado escalão. na categoria das ordens de combate. Ordem pública Conjunto de regras formais. fiscalizado pelo poder de polícia e constituindo uma situação ou condição que conduza ao bem comum. O-10 . com a finalidade de apoiá-lo na operação que será executada ou que esteja em curso de execução. Ordem logística Documento. para o cumprimento de uma missão. material e pessoal com a missão de executar trabalhos experimentais e ensaios práticos relacionados com as necessidades da doutrina. O mesmo que ordem fragmentária. Ordem jurídica Complexo de normas objetivas e de princípios de direito disciplinadores dos interesses dos cidadãos entre si e em relação à sociedade à qual pertencem. para o cumprimento de uma missão.C 20-1 Ordem fragmentária Ordem contendo apenas instruções e dados necessários a um ou mais elementos subordinados. não constando do organograma de uma grande unidade ou unidade. O mesmo que ordem particular. a ela se subordina para todos os efeitos. Ordem particular Ordem contendo apenas instruções e dados necessários a um ou mais elementos subordinados. dispondo de todas as facilidades necessárias. estabelecendo um clima de convivência harmoniosa e pacífica.

programar. de promover estudos visando à uniformização de conceitos. a missão tática ou a forma de emprego para seu controle. designando-lhes a relação de comando. Orientação estratégica Diretriz de alto nível que se destina a complementar a definição política. estabelecendo o “como fazer” para implantação das políticas de consecução. encarregado de administrar e supervisionar as atividades setoriais de pesquisa e desenvolvimento quanto ao seu aspecto específico. documentos e processos e de representar o sistema perante entidades congêneres. meios provenientes de organizações ou comandos logísticos para o cumprimento de determinadas tarefas. a situação de comando. Órgão de execução Órgão encarregado de realizar as atividades de pesquisa e desenvolvimento. O-11 . apoio ao combate e apoio logístico de determinada força. coordenar. fiscalizar e controlar a execução das atividades de pesquisa e desenvolvimento. Órgão de direção setorial Órgão de coordenação.C 20-1 Organização para o combate Ato de grupar adequadamente para uma missão os elementos de combate. Órgão técnico de apoio Órgão encarregado de estudar. Organização por tarefas Organização temporária que atribui. dirigir. ensaiar. avaliar e comprovar os resultados das atividades de pesquisa e desenvolvimento. Órgão de comprovação e experimentação Órgão encarregado de testar. Órgão de direção geral Órgão encarregado de harmonizar a ação dos demais. a comandante especialmente designado.

C 20-1 P Pacificar Ação genérica que representa as operações desenvolvidas pelas Forças Armadas contra uma ou mais forças adversas. O conjunto formado é manipulado e transportado como uma unidade de carga. e para determinada operação de combate. normalmente. O emprego dos pacotes logísticos tem por finalidade agilizar os trabalhos nas instalações logísticas e nos pontos intermediários logísticos. Paletização Agrupamento de cargas de diversos tamanhos em uma plataforma portátil chamada "pallet". sendo suficientemente larga para permitir o trânsito de uma força amiga em formação tática. Ação genérica realizada com a finalidade de destruir forças adversas ou irregulares. seja em uma ação pacificadora. Passagem tática Parte de uma barreira onde não foram construídos obstáculos. P-1 . seja em uma zona de operações. eliminar a organização revolucionária e restabelecer a normalidade político-administrativa na área conturbada. Pacote logístico Conjunto de suprimentos necessários para uma subunidade. com largura superior a 100 metros. em determinado período de tempo. com a finalidade de garantia da lei e da ordem. normalmente para uma jornada completa.

Perda de pessoal Qualquer redução do efetivo existente numa organização militar. Pedido diário de ração Pedido consolidado das necessidades de suprimento classe I (para consumo e para a reserva orgânica). Patrulha de trânsito Fração constituída por elementos motorizados de polícia do exército (normalmente 2 homens) destinados a fazer a ligação entre os postos de controle de trânsito. perdas fora de combate e perdas administrativas. dentro de uma área costeira defensiva e engloba todos os elementos da defesa dos portos. ou seja. P-2 . com a finalidade de romper seu dispositivo. embarcações de patrulha. do sistema costeiro e vigilância. acidente e movimentação do pessoal. Pedido de busca Documento de informação utilizado por um órgão de inteligência (OI) para solicitar a outro OI conhecimentos necessários à produção de uma informação. doença. Patrulha costeira Patrulha de defesa naval que opera. ocasionada. Perda bruta Quantidade de perdas de pessoal que abrange os mortos. ou a garantir a segurança do tráfego em locais onde houver grande probabilidade de ocorrência de incidentes de trânsito. capturados e desaparecidos. bem como os evacuados para hospitais e excluídos de suas unidades. principalmente. Penetração Forma de manobra tática ofensiva na qual o ataque principal é orientado contra a principal posição defensiva do inimigo. bases de apoio e aeronaves.C 20-1 Patrulha anti-submarino Navios ou aeronaves ou uma combinação desses elementos encarregados de determinar a presença de submarinos inimigos e atacá-los dentro de determinada área. pela ação do inimigo. a soma de perdas de combate. geralmente. dividi-lo e derrotá-lo por partes. que o escalão considerado envia ao escalão que o apóia. fiscalizando o trânsito militar.

operações. Pesquisa aplicada Busca de novos conhecimentos científicos ou técnicos. acidentados fora de ação e doentes. Perdas em ação São as perdas em combate e nos deslocamentos de ida e volta em missões de combate. Compreendem os indivíduos transferidos para outras unidades ou para a reserva. o exercício dos poderes constituídos e o cumprimento da lei. ameaçando as populações. Perdas fora de combate Tipo de perda de pessoal ocorrida sem relação direta com a ação. P-3 . na manutenção de sua condição de neutralidade.C 20-1 Perda líquida Diferença entre as perdas brutas e o número de homens que voltam ao serviço no teatro de operações. os sentenciados e os excluídos por motivo de rodízio. em geral. diretamente. durante o engajamento com forças inimigas. Perdas administrativas São todas as demais perdas. sendo seus resultados. com as de nossas próprias forças ou forças aliadas. compreendendo: mortos fora de ação . além das de combate e fora de combate. na esfera estadual. Perturbação da ordem Tipo de ação antagônica – incluída no quadro das calamidades públicas – que possa vir a comprometer. e com as ações de uma potência neutra. quando a ocorrência de perdas tiver sido. aplicáveis a uma simples unidade ou a um número limitado de produtos. Perseguição Operação destinada a cercar e destruir uma força inimiga que tenta fugir. os ausentes. desaparecidos fora de ação. mortos em conseqüência de ferimentos ou de acidente sofrido em ação. propriedades públicas e bens privados. feridos ou acidentados em ação e desaparecidos em ação ou capturados pelo inimigo. que ofereçam soluções a problemas objetivos previamente definidos. métodos ou sistemas. os desertores. Perdas de combate Tipo de perda de pessoal ocorrida em ação. relacionada com as ações de uma força inimiga. compreendendo mortos em ação.

Pesquisa e desenvolvimento Todo trabalho criativo. pesquisa aplicada e desenvolvimento experimental. Planejamento Ato ou efeito de idealizar e fixar. sistematizando um processo de tomada de decisão. P-4 . muitas vezes. mas que sejam do interesse de uma comunidade científica. afetam um amplo campo de conhecimento e podem proporcionar diversas aplicações futuras. Pessoal extranumerário da força terrestre do teatro de operações Efetivo previsto além do que consignam os quadros de organização e dotação das unidades e grandes unidades. sendo classificados em três categorias: pesquisa básica ou fundamental. (ver fase do planejamento). sem compromissos de resolução de determinado problema de natureza social ou econômica. Pesquisa operacional Aplicação de métodos técnicos e instrumentos científicos a problemas que envolvem as operações de um sistema. Condições Meteorológicas e Inimigo. sem objetivar aplicações práticas pré-determinadas.C 20-1 Pesquisa básica Busca generalizada de novos conhecimentos científicos. dando origem a novas hipóteses. Pesquisa doutrinária Documento que visa fornecer subsídios para o desenvolvimento de novas concepções e procedimentos de combate de novas organizações e de novos equipamentos ou armamentos. objetivando o aumento dos conhecimentos científicos e tecnológicos acumulados e seu uso em novas aplicações. com maior ou menor grau de detalhe. ou seja. de modo a proporcionar aos que controlam o sistema soluções ótimas para o problema em foco. desenvolvido de modo sistemático. ação. seus resultados. teorias ou leis gerais e. operação ou atividade a ser realizada. Pessoal capturado Pessoal aprisionado pelas forças legais nas operações. Atividade permanente e continuada que se desenvolve de modo ordenado e racional. PITCI Ver Processo de Integração Terreno.

com vistas à consecução e salvaguarda dos objetivos nacionais. que só possam ser afastados pela expressão militar do poder nacional. com a finalidade de promover e possibilitar a aplicação oportuna do poder nacional.C 20-1 Planejamento concorrente (simultâneo) Planejamento realizado simultaneamente por dois ou mais escalões de mesmo comando e por escalões correspondentes de comandos diferentes. não estando. Planejamento de guerra Planejamento destinado à execução das ações estratégicas que se contraponham aos antagonismos ou pressões de origem externa ou interna. Plano Método ou esquema para realizar uma ação ou para executar uma decisão ou projeto do comandante. ou no campo interno. através de trabalhos preliminares e de reuniões formais de comandantes e estados-maiores. também denominada “etapa das decisões fundamentais”. Planejamento preliminar Etapa inicial da fase do planejamento de uma operação anfíbia. e que. Planejamento detalhado Etapa da fase do planejamento de uma operação anfíbia que segue à etapa do planejamento preliminar. são tomadas as decisões fundamentais. Plano administrativo Documento que trata da previsão de ações e/ou providências de caráter administrativo da vida corrente das organizações militares. Planejamento de defesa nacional Trabalho ordenado. portanto. P-5 . aperfeiçoado e atualizado por meio de estudos continuados e análises. subordinado a um quadro tático. que se manifestam ou possam manifestar-se no domínio das relações internacionais. podendo ser alterado. Planejamento paralelo Processo de planejamento resultante de uma coordenação estreita e continuada entre os escalões correspondentes de comandos paralelos. que coordena estratégias.

Plano de inteligência Documento por meio do qual um órgão ou escalão de inteligência organiza. apresentam detalhadamente as instruções para a execução do movimento navio-para-terra. inclusive as medidas relativas à sua execução. compreendendo. intervindo em sua elaboração os ministérios e demais órgãos assessores do comandante supremo. Quando posto em execução. para cada hipótese. Plano de guerra Plano baseado nas várias hipóteses de emprego (HE). também. Este conceito se aplica. Plano de desembarque Designação geral de todos os documentos preparados respectivamente pelas forças naval e de desembarque que. Plano de campanha Plano elaborado pelo comandante de um teatro de operações que regula o emprego das forças à sua disposição para o cumprimento da missão atribuída pelo plano militar de guerra. Plano de circulação e controle do trânsito Documento que organiza a utilização da rede de estradas para atender a determinadas necessidades táticas e logísticas. determinadas por apropriados estudos de situação. orienta e sistematiza a busca de informes a ser realizada por todos os órgãos subordinados. se transforma em uma ordem de apoio logístico. em conjunto. econômico. Plano de busca Documento por meio do qual um órgão de inteligência organiza. às operações aeromóveis e operações aeroterrestres. define responsabilidades e metodiza as atividades de inteligência em sua esfera de atribuições. os planos políticos (externo e interno). podendo ser apresentado sob a forma de calco ou de carta.C 20-1 Plano de apoio logístico Documento que trata das necessidades operacionais das forças. psicossocial e militar. P-6 .

C 20-1 Plano de operações Planejamento operacional formulado a partir de uma hipótese de emprego de determinada força militar. decorrentes do plano militar de guerra. normas técnicas e de coordenação. visando à preservação do potencial humano. Plano militar de defesa Plano do Comando Supremo visando ao emprego coordenado de todas as forças armadas da nação. P-7 . informações e ordens. em face das missões que lhes são atribuídas. elaborados pelo estadomaior de cada uma das forças armadas. Planos orgânicos Plano de caráter administrativo. Plano de segurança integrada Documento elaborado por um comando que tem. Plano de rodízio Documento que inclui critérios e normas para transferir indivíduos ou unidades de frente para a retaguarda e vice-versa. de seus respectivos programas de transporte. sob seu controle. empregando meios orgânicos e/ou aqueles atribuídos para a realização do movimento. uma área de responsabilidade para fins de garantia da lei e da ordem. além de todos os dados indispensáveis à elaboração. à manutenção e ao preparo dos meios para execução em tempo de paz. em caso de ser colocado em execução. O PSI é um plano básico e abrange todas as atividades desenvolvidas desde a situação de normalidade até o emprego em situações de não-normalidade. Poderá dar origem a uma ordem de operações. pelos escalões executantes. compreendendo os planos de emprego das forças armadas. Poder Capacidade de impor a vontade. sendo estas detalhadas nos diversos anexos de acordo com as hipóteses elaboradas. que visam ao provimento. Plano de transporte Documento que pode compreender diretrizes do escalão superior. e que se destina a definir responsabilidades por planejamentos. na ocorrência de uma guerra previsível. de mobilização e de inteligência. inclusive o plano de adestramento.

traduzido pela capacidade da nação de controlar e utilizar o espaço aéreo com propósitos definidos. Poder futuro Expressão integrada dos meios de toda a ordem existentes para o pronto emprego. levando-o de roldão ou intimidando-a à rendição [O poder de choque caracteriza em particular as forças blindadas]. pelo combate aproximado e fogos diretos. pela dissuasão ou pela violência. de uma força que se produz sobre o inimigo pelo acometimento vigoroso. esmagando-o em posição. promover. abrangendo toda a capacidade aeronáutica e espacial da nação e sendo constituído pela força aérea. resultante do grau de eficácia que se lhe pode atribuir para opor-se ao inimigo. Poder de combate Capacidade de combate existente em determinada força. de que dispõe a nação para. estabelecimentos de tecnologias aeroespacial e instalações e engenhos espaciais. inibindo sua reação. do valor profissional do comandante e do valor moral da tropa. indústria aeroespacial. Poder militar Expressão do poder nacional. constituído de meios predominantemente militares. física e psicológica. sob a direção do estado. P-8 . Poder de choque Capacidade destrutiva. aviação civil. Poder marítimo Capacidade resultante da integração de meios de toda a ordem que possibilitam a utilização do mar e demais aquavias visando a conquista ou manutenção dos objetivos nacionais e a execução das políticas do estado.C 20-1 Poder aeroespacial Elemento do poder militar. a conquista dos objetivos nacionais ou sua manutenção. infra-estrutura aeronáutica. acrescidos daqueles meios que serão disponíveis para emprego em determinado prazo. da combinação do nível de eficiência operacional atingida.

acionados pela vontade nacional. Poder naval Componente naval do poder militar da nação e parte integrante do seu poder marítimo. seus recursos e populações. de apoio. Política Arte de estabelecer objetivos e de orientar e conduzir o processo global que visa à conquista e manutenção daqueles objetivos. Poder relativo de combate Valor comparativo da capacidade combativa de duas forças oponentes levando em conta não só a comparação quantitativa e qualitativa dos seus meios físicos (elementos de manobra. é o instrumento das ações bélicas em terra e da ação final e decisiva sobre o inimigo]. psicossociais e militares – de que dispõe efetivamente a nação. dispositivo. econômicos. para alcançar e manter. Poder nacional Poder integrado dos meios de toda ordem – políticos. Poder terrestre Componente do poder militar que possui como instrumento de ação as forças terrestres da nação e sua estrutura de apoio imediato. que tem a capacidade para atuar militarmente no mar e demais aquavias. Poder nacional atual Poder nacional em condições de emprego imediato. de comando). na guerra.C 20-1 Poder militar terrestre Componente da expressão militar do poder nacional representada pelo Exército (a Força Terrestre) e de toda a estrutura. infra-estrutura e recursos disponíveis de produção e de sustentação do seu poder de combate e que se destina a exercer o controle direto quando aplicado sobre o espaço terrestre. interna e externamente. como também das condições situacionais (atitude. na conquista e manutenção dos objetivos nacionais. [O poder militar terrestre na paz é respaldo militar da manutenção da lei e da ordem e da estabilidade das instituições e participante da dissuasão. P-9 . terreno. os objetivos nacionais. disponibilidade de informações) e dos fatores morais (valor profissional dos comandantes e valor moral das tropas envolvidas).

designado por uma palavra código. Ponto de controle Ponto bem caracterizado no terreno. Política nacional Arte de estabelecer os objetivos nacionais permanentes mediante a interpretação dos interesses e aspirações nacionais. ou um ponto natural no terreno. itinerário ou eixo de progressão. ao longo de um itinerário de marcha ou direção de movimento. rapidamente. facilmente atingível e identificável. a localização precisa de unidades. embarcações e material. destinado ao balizamento da rota. P-10 . visando a garantir a conquista ou a manutenção dos objetivos nacionais. embarcação ou aeronave com dispositivo eletrônico. e de orientar e conduzir o processo global que visa à conquista e manutenção daqueles objetivos. Política militar Arte de estabelecer objetivos e de orientar a expressão militar do poder nacional. Ponto de coordenação Ponto do terreno. Ponto facilmente identificável. utilizado como auxílio à navegação e/ou controle de helicópteros. Ponto crítico Ponto de passagem obrigatória. a fim de capacitá-la a concorrer para a consecução e manutenção dos objetivos nacionais. Posição marcada por uma bóia.C 20-1 Política de consecução Rumos a serem seguidos para alcançar os objetivos nacionais atuais. ao longo da zona de ação. Ponto de bloqueio e controle fluvial Local estabelecido perto das margem em pontos que dominem o canal da aquavia para verificação e fiscalização do movimento de pessoas. é a arte de orientar o poder nacional. onde se admite que possam ocorrer dificuldades de vulto na execução da marcha ou movimentos. utilizado como medida de controle para informar. Política nacional de segurança Integrada na política nacional. bem como o curso de sua progressão. Visa impedir a utilização pelo inimigo das vias fluviais de interesse. onde deve ocorrer a coordenação de fogos e/ou de manobra entre duas unidades.

Ponto de desembarque Local designado para desembarcar a tropa ou descarregar suprimentos. onde a coluna de marcha é desfeita e seus elementos componentes revertem aos comandos respectivos. indicativo do local onde duas ou mais unidades devem estabelecer contato físico. Ponto em que as unidades se apresentam para formar uma coluna de marcha. pelas características do terreno e pelos trabalhos de organização do terreno nela realizados. P-11 . Ponto de embarque Local designado para embarcar a tropa ou carregar suprimentos. Ponto de liberação Local facilmente identificável. onde os grupamentos de movimento fazem as alterações finais da rota. utilizado para indicar a região onde deve ocorrer o contato físico de uma força de junção com os elementos de segurança de uma força estacionária. Ponto forte Região dominante que. Ponto inicial Numa operação aeroterrestre.C 20-1 Ponto de decisão Último ponto do terreno onde um comandante pode determinar a execução de uma ação em uma área com objetivo de interesse (AOI). Seu posicionamento varia em função da velocidade de deslocamento do alvo e do tempo necessário para o desencadeamento de tal ação. Ponto de junção Ponto facilmente identificável no terreno. designado para o embarque do pessoal e material constitutivo de um grupamento de embarque. Ponto de ligação Ponto facilmente identificável no terreno. possibilita a realização de uma eficiente ação de defesa pelas forças que a ocupam. Local especificado em terra. a fim de passarem sobre as respectivas áreas de lançamento ou de aterragem. ponto próximo à área do objetivo.

ocupada temporariamente por uma força. recompletamento. Ponto regulador Ponto situado no fim do itinerário de marcha. verticalmente acima ou abaixo do centro da explosão de uma arma nuclear. a fim de estabelecer a continuidade de apoio mútuo. Posição de ataque Zona situada imediatamente antes da linha de partida. naturais ou artificiais (preparados ou não pela tropa). com a finalidade de facilitar o seu desdobramento para o ataque. P-12 . de modo significativo. ou das aréa de trens/unidade. evacuação de material e de mortos.C 20-1 Ponto intermediário logístico Ponto de encontro entre elemento apoiado e apoiador. as operações militares. onde se realizam atividades logísticas de suprimento. visando assegurar a continuidade do apoio em determinada operação em que seja inconveniente uma mudança de local da aréa de apoio logístico. Ponto zero Ponto sobre a superfície da terra ou da água. Podem ser usados para delimitar uma área de engajamento (AE). e/ou esteja alongada a distância máxima de apoio. o moral da população civil ou o esforço de guerra da nação. recolhimentos para manutenção e outros. Ponto vital selecionado e priorizado para ser defendido contra ataques aéreos de qualquer natureza. designados pelo defensor para definir alvos e facilitar a definição dos setores de tiro dos núcleos defensivos e das armas de apoio de tiros diretos ou indiretos. Ponto sensível Qualquer ponto cuja destruição ou neutralização pode afetar negativamente. Ponto limite Ponto usado na defesa para fixar o local onde deve ocorrer a coordenação do dispositivo e dos esforços de apoio de duas unidades vizinhas. previamente planejado. por troca de viaturas ou não. Pontos de referência de alvos Pontos nítidos do terreno. onde a coluna se subdivide em seus elementos componentes que se deslocam para locais designados.

organizada em largura e profundidade. na qual a reserva. construção de outros núcleos de aprofundamento. ou suas frações. Posição fortificada Posição construída à base de fortificações permanentes. cooperando com sua destruição. A organização mínima da posição compreende a construção das barreiras e dos núcleos de maior prioridade. o inimigo que penetrar na área de engajamento (AE). desta forma. Posição organizada Posição contínua. após o início dos trabalhos.C 20-1 Posição de ataque pelo fogo Posição selecionada pelo defensor. possam atacar. compreendendo a área de segurança. Este prazo é contado a partir do momento em que os trabalhos de organização do terreno têm início. O prazo mínimo para se alcançar este estágio de organização é de 5 jornadas após o início dos trabalhos. A organização da posição compreende. P-13 . Posição defensiva Região ocupada e organizada para conduzir ações táticas defensivas. e aperfeiçoamento dos trabalhos de camuflagem. Posição sumariamente organizada Posição parcialmente preparada em largura e profundidade. o máximo volume possível de fogos. além dos trabalhos citados para a posição sumariamente organizada. O prazo mínimo para se alcançar este estágio de organização é de uma jornada. Possibilidade do inimigo Ação que o inimigo é capaz de adotar e que deve preencher dois requisitos: ser compatível com os meios de que ele dispõe e capaz de interferir ou afetar o cumprimento da missão do comandante. a área de defesa avançada e a área de reserva. com abrigos a céu aberto para homens e material. Quando os meios são compatíveis e a situação permite. utilizando. com abrigos resistentes para homens e material. os seguintes: complementação do sistema de barreiras. pelo fogo dos carros de combate. este estágio de organização começa a caracterizar-se a partir da 15ª jornada. Tal prazo é contado a partir do momento em que os trabalhos de organização do terreno têm início.

sentinela.C 20-1 Posto Local em que deve permanecer um militar ou uma força em serviço. Posto central de controle de trânsito Instalação que exerce a coordenação da ação dos postos de controle de trânsito. evacuados e pessoas deslocadas. de material ou pessoal (mesmo mortos). Área de responsabilidade de uma guarda. Posto de coleta de prisioneiros de guerra Instalação destinada a receber e iniciar o processamento dos prisioneiros de guerra. que se destina aos casos de intervenção cirúrgica imediata e evacuação imediata para um hospital ou evacuação dos feridos graves na zona de ação das GU e unidades apoiadas. Posto cirúrgico móvel Instalação desdobrada do pelotão cirúrgico móvel. Posto de coleta de extraviados Instalação destinada a receber e iniciar o processamento de extraviados provenientes dos postos de extraviados. Posto de bloqueio e controle de estradas Local estabelecido numa via de circulação urbana ou rural para verificação e fiscalização do movimento de pessoas. Pequena instalação e respectivo pessoal que a opera. veículos e material. antes da evacuação desses elementos. Posto de coleta Instalação destinada a receber e iniciar o processamento da evacuação. Posto de coleta de civis Instalação designada para a reunião temporária de pequeno número de refugiados. Visa impedir a utilização pelo inimigo de uma determinada via terrestre. destinada ao desempenho de determinada atividade. P-14 . em determinado escalão. plantão e outros.

particularmente. Permite ao comandante da tropa acompanhar de perto as operações. estado das estradas e outros. bem como da situação do seu próprio crédito. nas situações em que este ficar impossibilitado de funcionar ou for destruído. com a finalidade de exercer a fiscalização do trânsito militar e. para o planejamento e coordenação das operações táticas correntes e futuras. P-15 . Posto de comando recuado Local de onde se estabelece a supervisão e a coordenação do apoio logístico e das atividades de segurança da área de retaguarda. Posto de comando principal Órgão de comando e controle voltado. ao mesmo tempo. Recebe todas as informações relativas ao combate. instalados em veículos apropriados ou em plataforma aérea. Posto de controle de munição Instalação logística por meio da qual determinado escalão exerce o controle do consumo de suprimento de classe V (munições) de seus elementos subordinados. Posto de distribuição Instalação logística destinada ao recebimento. instalações. de informar sobre postos de comando. como posto de comando principal. operada pela polícia do exército. Posto de comando tático Instalação de comando e controle de constituição leve e com excepcional mobilidade aérea ou terrestre. dando-lhe agilidade e aumentando sua flexibilidade para comandar e controlar as ações. Posto de controle de trânsito Instalação. um local onde a engenharia exerce o controle técnico sobre os elementos que vão utilizar-se dos meios de travessia. Posto de controle de engenharia Em operações de transposição de cursos de água. repartição e distribuição do suprimento destinado ao consumo dos elementos a apoiar. em pontos críticos.C 20-1 Posto de comando alternativo Posto de comando preparado para operar. É dotado de pouco pessoal e material.

destinada à armazenagem de suprimentos em pequena quantidade. a fim de diminuir a distância de apoio. geralmente destacada de um depósito. P-16 . informar a situação do serviço de transporte do escalão superior. para fornecê-los aos elementos a apoiar. Posto de socorro Instalação logística de saúde em cada unidade. que tem por tarefa verificar a circulação. determinar paradas ou desvios de comboios por intermédio dos postos de controle de trânsito e regularizar a corrente de trânsito. especialmente os de grande consumo. Posto de regulação de movimento Instalação localizada a cavaleiro das estradas e na proximidade de certos postos de controle de trânsito. É o primeiro posto da cadeia de evacuação. Posto de suprimento móvel Processo especial de suprimento que consiste no apoio a determinado elemento por meio de um comboio de viaturas ou embarcações fluviais que se desloca por lanços. Posto de suprimento Instalação logística. Posto de segurança estático Parte do sistema de segurança organizado para proteção de pontos e áreas sensíveis. para onde convergem as baixas e em que são prestados os socorros indispensáveis à evacuação posterior. acompanhando o elemento apoiado. permitindo que qualquer integrante da rede-rádio considerada possa ligar-se a qualquer assinante do sistema telefônico.C 20-1 Posto de extraviado Instalação de polícia do exército destinada a realizar o controle dos extraviados em determinada área. Posto de integração rádio-fio Posto rádio ligado ao sistema telefônico. Posto de remuniciamento Instalação logística. por meio da qual as unidades recebem e fazem a distribuição da munição necessária aos seus elementos subordinados.

C 20-1 Posto de triagem Instalação logística de saúde, de nível grande comando ou grande unidade, que executa a operação de triagem, antes de a baixa ser evacuada para as instalações do escalão superior. Posto diretor da rede Posto destinado a manter a disciplina do tráfego e centralizar o controle técnico, dentro de uma rede rádio, servindo, normalmente, à mais alta autoridade participante da rede. Postos avançados de combate Posição estabelecida imediatamente à frente da área de defesa avançada, com a finalidade principal de alertar quanto à aproximação do inimigo e proteger a posição defensiva da observação direta do inimigo. Postos avançados gerais Posição estabelecida à frente da área de defesa avançada, com a principal missão de, sem chegar ao engajamento decisivo das forças que a ocupam, provocar o desdobramento prematuro do inimigo, retardar e desorganizar a sua progressão e iludi-lo quanto à verdadeira localização da posição defensiva. Postos de bloqueio e controle de estradas (PBCE) São estabelecidos para controlar o movimento da população da área; capturar membros da força adversa; isolar a força adversa na área de operações e impedir a entrada de seus apoios e reforços; e restringir a liberdade de movimento das forças adversas. Podem ser permanentes ou inopinados e seu efetivo pode variar de um grupo de combate a um pelotão. Postos de bloqueio e controle de vias urbanas (PBCVU) São estabelecidos para controlar o movimento da população da área; para capturar membros da força adversa; para impedir o acesso de pessoas a determinadas área e para restringir a liberdade de movimento das forças adversas. Os PBCVU são semelhantes aos PBCE, diferindo daqueles por serem estabelecidos em áreas urbanas. Potencial Expressão integrada dos meios suscetíveis de serem transformados em poder, em prazo determinado.

P-17

C 20-1 Em operações psicológicas, o grau de apoio que determinado grupo ou público poderá facultar à consecução de uma meta, sendo função de sua eficiência e susceptibilidade. Potencial econômico Capacidade total de uma nação para produzir bens e serviços. Potencial econômico de guerra Parte da capacidade econômica da nação que pode ser usada para fins de guerra. Potencial nacional Expressão integrada dos meios de toda ordem, em estado latente, que o estado possui, suscetíveis de, em maior ou menor prazo, serem transformados em poder. Para efeito de planejamento, o potencial nacional é aquele capaz de ser transformado em poder num determinado prazo. Praia Área que se estende da linha de baixa-mar até uma alteração marcante da forma fisiográfica ou a linha de vegetação permanente. Praia de desembarque Trecho da linha de desembarque necessário ao desembarque, em assalto, de um grupamento de nível batalhão ou brigada. Precipitação radioativa Precipitação sobre a terra de partículas de matéria provenientes de uma nuvem radioativa. Precursor pára-quedista Combatente especializado que, precedendo os escalões de força páraquedista, conduz o seu lançamento e auxilia na sua reorganização. Combatente especializado que, nas operações aeromóveis, é introduzido em território inimigo, precedendo as aeronaves do escalão de assalto, com a finalidade de auxiliar a navegação e o controle das aeronaves, em área designadas pelo comandante da força aeromóvel.

P-18

C 20-1 Elemento enviado antecipadamente a uma área ou itinerário a ser utilizado por uma força militar, com a finalidade de sinalização e se possível, preparo, de modo a facilitar a sua utilização. Preparação Intenso fogo previsto, desencadeado de acordo com um horário estipulado em apoio a um ataque, a fim de interromper as comunicações do inimigo, desorganizar suas defesas e neutralizar seus meios de apoio de fogo. Preparação completa Nível adequado de adestramento que confere à organização militar condições de eficiência para cumprir todas as missões de combate fundamentais à sua natureza e valor, configurando o desempenho coletivo indispensável para caracterizar a sua eficiência operacional. Preparação específica Nível complementar de adestramento que confere à organização militar condições de eficácia para cumprir missões de combate previstas para serem conduzidas em uma campanha ou operação, definidos especialmente o inimigo e o ambiente operacional, configurando o desempenho coletivo necessário ou desejado para caracterizar o seu poder de combate. Preparo da mobilização nacional Conjunto de ações empreendidas ou orientadas pelo estado, desde a situação de normalidade, visando a facilitar tanto a execução da mobilização nacional como, também, a desmobilização. Pressões São antagonismos em que a vontade contestatória se manifesta com capacidade de se contrapor à conquista e à manutenção dos objetivos nacionais permanentes. Óbices de grau extremo em que a vontade contestatória se manisfesta com capacidade de se contrapor ao poder nacional. Pressões dominantes São antagonismos que, por sua importância e natureza, constituem ameaça ponderável à conquista e manutenção dos objetivos nacionais permanentes.

P-19

C 20-1 Pressupostos básicos Bases para o estabelecimento das políticas de consecução definidas “a priori” ou, mesmo, no decorrer do referido estabelecimento, exprimindo dados, situações, intenções e orientações consideradas básicas para o estabelecimento das políticas de consecução. Condicionantes ético-pragmáticas consideradas para a formulação dos objetivos estabelecidos em uma concepção política. Princípios básicos Constituem um conjunto de preceitos que devem ser observados no planejamento e na execução das funções logísticas. Princípios de guerra Conjunto de preceitos considerados essenciais ao sucesso da guerra, tanto do ponto de vista tático como estratégico. Prisioneiro de guerra Pessoa capturada por uma potência beligerante inimiga, em razão da guerra, salvo certas exceções previstas em convenções internacionais e tratados. Problema Situação onde existem dois estados: o presente (real ou existente) e o proposto (objetivado ou desejável). Procedimentos São as formas de executar as diretrizes ou políticas. Processamento dos suprimentos Norma de pedido, recebimento e distribuição dos suprimentos. Processo Ação ou sucessão de ações regulares e contínuas que ocorrem de maneira definida e conduzem a um resultado final. Processo de integração terreno, condições meteorológicas e inimigo (PITCI) Trata-se de um processo cíclico de caráter gráfico, que permite, mediante a análise integrada, a obtenção das possibilidades do inimigo e de seus possíveis objetivos e cooperar na montagem das linhas de ação. Auxilia, ainda, a análise das linhas de ação opostas e apóia a decisão do comandante. P-20

entre outras formas. por ação direta contra o governo. normalmente com conotações ideológicas. que se manifesta no âmbito interno de um país – atentando contra a conquista e manutenção dos objetivos nacionais permanentes – seja. Programa Conjunto de ações integradas e com objetivos gerais idênticos e definidos. forma ou natureza.C 20-1 Processo decisório Conjunto de ações realizadas pelo comandante e seu estado-maior para a tomada e execução das decisões. a linha de partida. Programa de aproximação Programa que indica. sobre o itinerário de marcha. Profundidade de coluna Espaço compreendido entre a testa e a cauda de um elemento da coluna de marcha. P-21 . econômico e social. abrange campo menor e se refere com mais propriedade ao emprego operacional dos meios. carrega consigo as características do método. os pontos de controle e a hora de chegada na praia. Processo especial de suprimento Toda a variação dos processos normais de suprimento que objetiva uma adaptação à situação. adaptados às circunstâncias. Produção de informação Conjunto de ações para a elaboração de uma informação. seja pelo controle progressivo da população e pela destruição dos valores da nacionalidade. Sendo parte do método operacional. Processo subversivo Seqüência de atos. Processo operacional Conjunto de atos relacionados com o emprego de pessoal e material por que se realiza determinada operação militar. à qual os mesmos seriam inadequados. para cada vaga. Apesar de constituir parte do método. as horas para se atingir a área de reunião. de maneira que este esteja sempre presente. de qualquer origem. dentro do complexo político.

Sua redação deve iniciar-se. doutrina ou apelo especial. idéia. Propaganda branca Propaganda desencadeada e reconhecida pelo seu promotor ou pela agência que o representa. direta ou indiretamente. Seu público alvo setores restritos e seletos da populção e visam a obter a adesão ou o comprometimento desses setores à causa do movimento que integram. o seu patrocinador. para o qual deve contribuir o efeito desejado obtido com a realização da tarefa. visando a obter comportamentos pré-determinados que beneficiarão. no entanto. Propagandistas São os ativistas de formação complexa e profunda. Propaganda cinza Propaganda que oculta sua origem sem. Manipulação planejada da comunicação. P-22 . gerar emoções. Propaganda Difusão de qualquer informação. provocar atitudes ou dirigir o comportamento de indivíduos ou grupos sociais a fim de beneficiar. sempre. valores e tempo de realização. pretender atribuí-la a outra origem diferente da verdadeira. quem a promoveu. Caracterizam-se como homens de muitas palavras para poucas pessoas. por um verbo. são cultos e profundos conhecedores das idéias do movimento ao qual pertencem. Propaganda negra Aquela em que a origem se pretende fazer crer diferente da verdadeira. sendo sua origem francamente indentificável.C 20-1 Projeto Conjunto de ações pré-estabelecidas. influindo psicologicamente em grupos sociais pela persuasão. visando a influenciar opiniões. Propósito Efeito desejado mais amplo que se deseja atingir. Os propagandistas são os responsáveis pela montagem de campanhas psicológicas e pela seleção das "idéias-força". perfeitamente definidas e quantificadas em suas metas físicas. direta ou indiretamente.

pela atuação de elementos no flanco. frente ou retaguarda imediatos. Proteger Ação ou conjunto de ações táticas que proporciona segurança a determinada área ou força.C 20-1 Proteção Ação que proporciona segurança a determinada região ou força. Público Grupo social ou um conjunto de pessoas que tem interesses comuns e que tanto podem influenciar as atividades de uma organização ou instalação. frente ou retaguarda imediatos. Conjunto de pessoas ou um grupo social em proveito de quem são desenvolvidas quaisquer das atividades de comunicação social. realizada por elemento de valor compatível no flanco. P-23 . Público-alvo Público do qual se pretende obter um comportamento desejado por meio das operações psicológicas. como por elas serem influenciadas. o fogo direto e o ataque de surpresa do inimigo sobre a região ou força protegida. de forma a impedir a observação terrestre. o fogo direto e o ataque de surpresa do inimigo. de forma a impedir a observação terrestre.

Q-1 . das fases de desdobramento de grandes unidades de combate e grandes comandos em áreas geográficas. Quadro de movimento Quadro anexo à ordem de operações correspondente a determinado movimento. com as respectivas distâncias e avaliação de velocidade em cada trecho. as respectivas horas de passagem nos pontos de controle.C 20-1 Q Quadro das redes-rádio Documento onde se encontra representado o sistema rádio. bem como as restrições impostas pela segurança. bem como outras medidas de controle do movimento. no tempo. em que são indicadas as unidades e os grupamentos de marcha. Quadro de organização Documento que prescreve as missões normais e a estrutura organizacional e que fixa o pessoal e o material que deve possuir uma organização militar operacional ou de tropa. os elementos constituintes. discriminando as redes internas e externas. a determinação. Quadro de desdobramento de força Com relação a planos de guerra. Quadro de itinerário Planilha elaborada a partir do reconhecimento de itinerário em que são relacionados os pontos críticos e pontos notáveis que orientarão uma marcha.

onde se define. Q-2 . bem como suas possibilidades. entre outros aspectos. em face da ameaça de eclosão de um conflito. a situação dos prováveis adversários. Quartel-general (QG) Local onde o comando de uma grande unidade ou grande comando se instala e exerce suas atividades. a estrutura e os objetivos militares da guerra.C 20-1 Quadro estratégico Concepção. de seus respectivos aliados e dos neutros. (ver definição de posto de comando).

Destina-se a alimentar vinte e cinco homens durante vinte e quatro horas. em princípio. poderá ser empregada na fase do assalto. Com finalidade de se evitar a monotonia alimentar. limitado a dez dias consecutivos.C 20-1 R Ração Quantidade de alimento necessária para manter um homem ou animal durante um dia. Ração coletiva de campanha (R-1B) Aquela constituída por alimentos enlatados ou acondicionados de maneira equivalente. É utilizada pelas tripulações e passageiros de aeronaves. Sua composição é semelhante à da ração tipo R-1A. ser especificado quando se referir a forragem. no caso de queda ou de pouso forçado. Constitui-se na reserva individual do combatente. seu consumo fica. devendo. A ração diária de um militar recebe a denominação de etapa. Será consumida quando a situação tática não permitir a utilização da ração R-1A. Eventualmente. Destina-se a alimentar um homem em situação de emergência de curta duração. Ração de abandono (R-4A) Destina-se a alimentar um homem. O termo isolado é empregado para designar ração de víveres. sendo os gêneros perecíveis substituídos por outros previamente preparados e devidamente acondicionados. por conseguinte. Somente será consumida mediante ordem. em situação de abandono. R-1 . Ração de emergência (alimentação de emergência-AE) Aquela constituída de uma refeição da ração tipo R-2A. por vinte e quatro horas.

Ração operacional Quantidade de alimento capaz de prover o sustento de um homem. um ocupante de aeronave (tripulante ou passageiro). Ração individual de combate. deslocamentos e marchas. em princípio. Ração glacial (R-6) Destina-se a alimentar um homem. em regiões muito frias ou de inverno rigoroso. por 24 horas. ser limitado a quatro dias consecutivos. Ração normal tipo A (R-1A) Aquela constituída de alimentos perecíveis e não perecíveis. durante cinco dias. quando não seja possível ou conveniente alimentá-lo com a ração normal. que devem ser preparados para o consumo. Será empregada durante períodos limitados. R-2 . e com a finalidade de se evitar a monotonia alimentar. em campanha. limitar o tempo de consumo da ração a três dias consecutivos. ou um total de 25 homens em um dia. Deverá fazer parte do equipamento de sobrevivência a bordo. nesse caso. por pequeno grupo de homens atuando isoladamente. na quantidade igual a cinco vezes o número de pessoas a bordo. até que seja resgatado por equipe de socorro. quando a situação tática não permitir a utilização de rações R-1A ou R-1B. durante um determinado período de tempo. é fornecida de acordo com o efetivo previsto no(s) quadro(s) de organização da(s) unidade(s). adaptada e adequada à utilização na Região Amazônica ou em regiões de características semelhantes. cinco homens. É consumida quando a situação tática permitir. Será consumida em combate. durante 24 horas. Compõe a reserva orgânica de suprimento classe I e. em situação de campanha.C 20-1 Ração de equipagem (R-3) Destina-se a alimentar. Compreende gêneros em estado natural. quando a situação tática não permitir o fornecimento de rações R-1A e R-1B e seja possível a utilização de meios de fortuna para a sua confecção. tipo amazônia (R-2B) Trata da ração R-2A. Ração individual de combate (R-2A) Constituída de três refeições para um homem. Ração de sobrevivência (R-4B) Destina-se a manter alimentado. em princípio. Devido às suas características. deve-se. acondicionadas separadamente. O tempo de consumo deve. em repouso absoluto ou em atividades leves. em teor energético mínimo.

em caso de naufrágio. veículo. direção de tiro e navegação). obstáculo e outros) por meio de emissão de pulsos de onda eletromagnética e captação dos respectivos ecos (o radar pode ser empregado principalmente na vigilância. de modo que possa fornecer o alerta com a devida antecedência. Radar de tiro Radar integrado a um sistema de armas antiaéreo. aeronave. propiciando seu acompanhamento com a devida antecedência.C 20-1 Ração para náufragos (R-5) Utilizada. fornecendo à unidade de tiro (UT) elementos precisos para o ataque à ameaça aérea. R-3 . Radiação Emissão de energia eletromagnética ou corpuscular ou sua propagação no espaço. a fim de detectar e identificar qualquer incursão no espaço aéreo sob a responsabilidade da unidade de tiro (UT). Radar Sistema eletrônico que permite detectar e determinar o azimute e distância de objetos ou alvos (navio. Radar de busca Radar integrado a um sistema de armas antiaéreo. Radar de vigilância terrestre Radar com a finalidade de detectar e identificar alvos terrestres móveis. Radar de vigilância Radar com a finalidade de detectar e identificar qualquer incursão no espaço aéreo sob a responsabilidade de um centro de controle. Radiação inicial Radiação nuclear que acompanha uma explosão nuclear. por um período de até seis dias. com a finalidade de manter os náufragos vivos em condições favoráveis a posterior recuperação. emitida pela bola de fogo resultante. a fim de acompanhar precisamente um setor hostil.

capaz de provocar queimaduras nas pessoas e incêndio em material inflamável. Raia de embarcação Área marítima. da mesma largura de uma praia de desembarque de um grupamento de desembarque de batalhão. R-4 .C 20-1 Radiação residual Radiação nuclear emitida pelo material radioativo depositado depois de uma explosão nuclear ou de um ataque por agentes de guerra nuclear. Aquela de forma eletromagnética emitida por fontes de calor e corpos aquecidos e que pode ser detectada por aparelhos especiais e revelar a imagem da origem. Rádio em silêncio absoluto Prescrição de emprego do rádio em que nenhuma trasmissão é permitida. permanecendo os transmissores desligados e os receptores em escuta. permanecendo o transmissor e receptor desligados. Radioatividade Emissão de partículas radioativas pela decomposição ou desintegração espontânea do núcleo atômico. Rádio restrito Prescrição de emprego do rádio em que somente são permitidas as tramissões indispensáveis ao estabelecimento das redes e. Rádio livre Prescrição de emprego do rádio em que a exploração é permitida sem restrições. que se estende desta praia até a linha de partida. durante o período de tempo prefixado. Radiação térmica Aquela de forma eletromagnética emitida quase instantaneamente com a luz proveniente da bola de fogo na explosão nuclear. Rádio em silêncio Prescrição de emprego do rádio em que nenhuma trasmissão é permitida. as mensagens urgentes e urgentíssimas. caso não estejam disponíveis outros meios de comunicações.

levando em conta os fatores de segurança. usando toda a sua autonomia operacional.C 20-1 Raio de ação Distância máxima que um navio. com o fim de impedir a execução ou cumprimento de atos administrativos. Rebatimento Manobra defensiva em que uma força realiza o retraimento das posições iniciais insustentáveis para estabelecer nova defesa em uma linha alternativa mais à retaguarda. Rastreamento Acompanhamento do deslocamento de vetores aeroespaciais para estabelecer os parâmetros de suas trajetórias (fase do ciclo de identificação). Reajustamento do dispositivo defensivo de uma força modificando o traçado do limite avançado da área de defesa avançada (LAADA). tendo em vista o prosseguimento da ação. contra o governo. ou desobedecer os mesmos. ato ou efeito de reconstituição do valor de uma força de infiltração. Raio de ação operacional Metade da distância máxima a que uma aeronave pode atingir com a velocidade de cruzeiro. mantendo a integridade da frente em face de uma penetração inimiga numa parte da posição. aeronave ou viatura pode percorrer com uma carga normal de combate e regressar sem se reabastecer de combustível. bombas ou granadas. geralmente espontâneo ou conduzido pelas circunstâncias. Reagrupamento Em operações de infiltração. Rebelião Levante de populares. Mudança de frente do dispositivo de uma força atacante para prosseguir numa nova direção ou para fazer face a uma ameaça de flanco. as autoridades ou a ordem estabelecida. legislativos ou judiciais. R-5 . Raio de círculo dentro do qual qualquer alvo será destruído ou seriamente danificado pelos efeitos da explosão de minas.

suprimento. Reconhecimento em força Operações de objetivo limitado. avisos de alarme sobre o movimento ou ação do inimigo. normalmente para uma área de relativa tranqüilidade. a recepção. destinados. meteorológico e eletrônico. por todos os comandos interessados. recentemente retirados de combate ou de serviços pesados. Rede de alarme Sistema de comunicações estabelecido com finalidade de difundir. com a finalidade de testar o valor. ao preenchimento de claros individuais ou de unidades. a composição e o dispositivo do inimigo ou para obter outras informações. recompletamento. referentes à área provável de operações. ficando prontos para emprego em futuras operações.C 20-1 Recompletamento Indivíduo ou Unidade. para fins de repouso. R-6 . executado por uma força de certo vulto. (ver definição de função logística recursos humanos). respectivamente. equipamento e instrução. Recuperação Processo seguido por unidades ou indivíduos. Também define a atividade que compreende a obtenção. Recursos humanos Função logística que trata das atividades relativas ao controle do pessoal militar e do pessoal civil vinculado ao Exército. a instrução e a distribuição de recompletamento individual ou de unidades para recompletamento. Rede de comando Sistema de comunicações que liga um escalão de comando aos seus escalões subordinados imediatos. o processamento. Reconhecimento Operação cujo propósito é obter informações referentes às atividades e meios do inimigo ou coletar informações de caráter geográfico.

que permite identificar sua origem.C 20-1 Rede de comunicações Sistema que consiste em um certo número de estações ligadas com outras por qualquer meio de comunicação e com um propósito definido. sem aumentar sua capacidade física. A artilharia que reforça os fogos permanece sob as ordens do comandante que atribuiu a missão. Reforço de fogos Missão tática padrão pela qual um elemento de artilharia aumenta o poder de fogo de outra artilharia. Reforço de guerra eletrônica Apoio prestado por elemento de guerra eletrônica (GE) a outro elemento de GE. mas tem seus fogos planejados pela artilharia que tem os fogos reforçados. passando o elemento ao comando da unidade reforçada. temporariamente. Reforçar Ação de colocar. quando o comando que a emprega não puder exercer sobre a mesma um controle conveniente. feita imediatamente após uma citação retirada de determinada obra literária. a fim de prestar-lhe determinado apoio. de constituição definida. à subordinação de uma organização militar de constituição fixa. unidade ou elemento subordinado a uma organização militar. chamado posto diretor da rede (PDR) ou estação diretora da rede (EDR). Caracteriza-se como apoio a um escalão. temporariamente. Rede-rádio Conjunto de postos ou estações de rádio. R-7 . Reforço Situação de uma unidade ou elemento que passa. sob a chefia de um posto ou estação. Referência bibliográfica Indicação precisa dos dados. aumentando-lhe a eficácia. Reforma Consiste nos trabalhos para melhorar a eficiência ou a aparência de um recurso físico já existente. trabalhando numa mesma freqüência.

na qual existem meios e são desenvolvidas atividades de defesa aeroespacial ativa e passiva. para onde deverá orientar o seu deslocamento. com algumas limitações. destinados à atualização de tabelas. tem os encargos de: . e . Região de defesa aeroespacial Subdivisão de um território. da sua execução. execução e controle do apoio logístico. Registros estatísticos Registro sistemático de todos os dados referentes às operações logísticas. deixou seu lar para procurar segurança em outro lugar. Região de interesse para a inteligência (RIPI) Área.planejamento do equipamento do território e. orientação. por razão de um perigo real ou imaginário.C 20-1 Refugiado Indivíduo civil que.planejamento e execução da defesa territorial. dentro de seu próprio país. . de forma a permitir levantar a linha de ação adotada pelo Ini. Região de destino Área. que define para determinada força em reserva ou em segundo escalão seu destino subseqüente e adequado à operação em curso. Registros Compilação de dados e informações referentes a indivíduos ou ao conjunto da organização militar. desde o tempo de paz. incluída a mobilização. coordenação. necessários ao exercício de determinada função. As RIPI são locadas no calco de eventos. R-8 . rota ou ponto específico onde se espera que aconteça uma atividade inimiga.planejamento.participação no planejamento e execução das operações relacionadas com a garantia da lei e da ordem. na área sob sua jurisdição. designada para fins de coordenação. . Região militar Grande comando territorial e administrativo que.

sobre assunto específico e considerado de significado relevante. Relatório diário da situação de suprimento classe III Documento que indica a quantidade de suprimento de classe III existente em viaturas cisternas (inclusive reboque ou semi-reboque) das unidades ou grandes unidades e. em particular o uso da força.C 20-1 Regras de engajamento Caracteriza-se por uma série de instruções predefinidas que orientam o emprego das unidades que se encontram na zona de operações. faz uma estimativa de consumo para o período seguinte. que uma operação está regulada quando a sua execução está determinada até um objetivo ou linha. como e para que. realizado com a finalidade de obter correções para aplicações em tiros subseqüentes. a fim de permitir atingir os objetivos políticos e militares estabelecidos pelas autoridades responsáveis. Relatório especial de inteligência (REI) Documento que reúne fatos significativos contidos em informações produzidas anteriormente e outros de conhecimento do órgão. Regulação da manobra Determinação de todos os elementos da decisão: quem. Relações públicas Atividade que visa a obter o ajustamento e a integração entre uma instituição e seus públicos. onde. referidas a certo período de tempo. que não pode deles prescindir para o exercício de sua função. ainda. Relatório Documento que remete dados e informações referentes a indivíduos ou ao conjunto da organização militar. consentindo ou limitando determinados tipos de comportamento. que. R-9 . Diz-se. quando. Relatório de perdas Documento que fornece informações sobre perdas de combate e fora de combate. Regulação Tiro conduzido por observador. portanto.

C 20-1 Relatório periódico (ou mensal) de inteligência (RPI ou RPM) Documento que reúne fatos contidos em informações já produzidas pelos órgãos de inteligência e outros de seu conhecimento. considerados em um dado momento. Remanescentes Sobreviventes de uma ação de combate. Reposição Reconstituição de níveis de suprimento. Reparação Consiste nos trabalhos corretivos para eliminar danos de pequeno vulto ocorridos em um recurso físico. alojamento. retornando-o ao estado de disponibilidade. em terminais e em instalações. transporte e serviços necessários às atividades militares. Requisição Solicitação legal de pessoal. pertencentes a determinada força. Relatório periódico de pessoal Exposição da situação do pessoal de uma organização militar. entre os quais. Conjunto de procedimentos e ações técnicas que visam remover falha(s) de um equipamento. num determinado período de tempo e relacionados com ocorrências em sua área de responsabilidade. a qualidade do líder para enquadrá-los e outros. suprimento ou serviços. analisados todos em seu conjunto e sendo apresentada uma conclusão. Pode ser em vias de transportes. em tempo de guerra. mediante ordem escrita e assinada por autoridade com delegação para tal fim. cujo valor combatente é variável e depende de diversos fatores. o moral prevalecente. abrangendo todas as atividades e referida a certo período de tempo. restabelecendo sua condição de utilização. R-10 . Imposição do fornecimento de suprimentos. Remoção Consiste nos trabalhos para transferir determinado recurso físico de um local para outro. o tipo de ação à qual foi submetida a força.

após a abordagem da posição defensiva pelo inimigo. seja em outras ações. Na ofensiva. Reserva estratégica de suprimento Quantidade de suprimento especificamente estabelecida e mantida para propósitos estratégicos. em qualquer área estratégica compatível com sua doutrina de emprego. ocupando mais de uma área ou zona de reunião. Reserva articulada Expressão utilizada para designar a reserva de determinada força terrestre. a fim de aproveitar o êxito ou ultimar o cumprimento da missão. no todo ou em parte. ocupando mais de uma área ou zona de reunião. com estrutura organizacional completa desde o tempo de paz. Reserva fracionada Expressão utilizada para designar a reserva de determinada força terrestre. para emprego em ocasião oportuna. Reserva estratégica Força dotada de alta mobilidade estratégica. em condições de atuar no mais curto prazo. sem que esteja sob comando único. é a totalidade dos meios não empregados inicialmente.C 20-1 Reserva Totalidade dos meios não empregados inicialmente na área de defesa avançada e conservados sob o controle do comandante. mantidos em condições de serem empregados na ocasião e locais decisivos. material e equipamento. sob comando único. R-11 . conservada para emprego em caso de mobilização. dotada do mais alto nível possível de capacitação operacional e aprestamento. Reserva de guerra Quantidade de suprimentos. seja em contraataques.

considerados necessários como complementação do apoio. ou ativado por mobilização. disponível para atuar. em profundidade. para resistir e expulsar um invasor militarmente mais poderoso. para fins de planejamento de emprego. de pessoal e/ou material que por qualquer razão seja retido em área ou instalação hostil ou sob controle do inimigo. Resgate Recuperação. Reserva local Força articulada. à reserva geral. em situação emergencial. localizada numa área estratégica. Uma organização militar da reserva geral pode pertencer. também. em qualquer área estratégica compatível com seu emprego doutrinário. existente desde o tempo de paz. para fins de planejamento de emprego. Grande Unidade (GU) ou Unidade. com mobilidade suficiente para ser empregada na própria área estratégica onde está localizada. no todo ou em parte. contando com o apoio da totalidade ou parcela ponderável da população. Uma organização militar da reserva local pode pertencer. de um certo número de viaturas carregadas com a quantidade de suprimentos. tanto para fins operacionais como para recompletamento de outras forças. ou forças irregulares. numa determinada área estratégica. em uma determinada operação. à reserva local da área estratégica onde está localizada. R-12 .C 20-1 Reserva geral Reserva de tropas mantidas sob o controle do comando supremo. Reserva orgânica de suprimento Reserva de suprimentos conduzidos por uma unidade ou grande unidade. Grande Comando. ao elemento apoiado. também. Resistência Forma de guerra interna na qual as forças armadas de um país militarmente fraco emprega táticas de guerrilha. Reserva móvel Processo especial de suprimento que consiste na entrega.

Restauração Consiste nos trabalhos corretivos para restabelecer as condições de utilização de determinado recurso físico que apresente danos consideráveis. R-13 . assumindo e enfrentando as conseqüências de suas atitudes e decisões. Restrições Condições que descrevem e limitam a maneira de atingir um objetivo. Restabelecer e/ou manter a ordem Ação genérica exercida por uma força legal com a finalidade de impedir ou neutralizar quaisquer manifestações ou atividades hostis. Retraimento Movimento retrógrado. Distingue-se da sabotagem por ser de caráter coletivo. Objetiva demonstrar a capacidade de mobilização da F Adv e jogar a populção contra as autoridades. ou não execução. através do qual determina força engajada rompe o contato com a força inimiga. realizado sem pressão do inimigo e segundo um plano bem definido. enquanto a sabotagem é uma ação individual. em navios ou embarcações. de acordo com a decisão de seu comandante. Responsabilidade Capacidade de cumprir suas atribuições. Retirada Movimento retrógrado.C 20-1 Resistência passiva Aspecto particular da greve e da sabotagem que consiste na execução morosa. ordenado. Retirada anfíbia Operação anfíbia de menor envergadura que o assalto anfíbio. de qualquer atividade a que os indivíduos ou grupos estejam obrigados em proveito da coletividade. com a finalidade de evitar um combate decisivo. em face da situação existente. compreendendo a retirada de forças por mar. de uma praia hostil.

acompanhados de seus respectivos estados-maiores. (mesmo que desengajar). Rocada Ligação terrestre entre eixos que permite deslocar tropas e meios entre os mesmos. contando com o apoio de parcela expressiva da população. conduzida por um grupo político e militar organizado em conspiração. Revolta Levante de uma parte da comunidade nacional. a fim de preservar o potencial humano. Reversão Ato administrativo pelo qual o militar agregado retorna à respectiva arma. Na reunião. Eixo que permite a ligação entre estradas penetrantes.C 20-1 Reunião de informes Fase da produção em que o especialista reúne os conhecimentos pertinentes ao assunto da inteligência. Ritmo da operação Desembaraço e velocidade com que se desenvolve a execução da operação em função da natureza dos meios empregados. no decorrer das quais são assentadas as decisões fundamentais (ou básicas). quadro ou serviço. tão logo cesse o motivo que determinou a sua agregação. processados ou não. da resistência do inimigo e da impulsão que lhe é dada. contra o governo. Romper o contato Ação pela qual uma força busca preservar ou recuperar a liberdade de ação de seu grosso. Reuniões formais Reuniões de que participam os comandantes da força-tarefa anfíbia e das forças componentes. do terreno e condições meteorológicas. podem ser desenvolvidas a coleta e a busca de conhecimentos. R-14 . para substituí-lo ou realizar aspirações políticas. Rodízio Ato administrativo que substitui indivíduos ou unidades. econômicas e sociais frustadas ou contrariadas.

(ver definição de ruptura). variando de acordo com o escalão. exigem. Ruptura Fase do ataque de penetração em que são atingidas ou conquistadas as regiões de aprofundamento de 1º escalão do inimigo. uma complementação que indique o que foi ou será rompido. para maior clareza do seu emprego. R-15 . (ver definição de rompimento).C 20-1 Rompimento Fase da penetração em que são atingidos ou conquistadas as regiões dos aprofundamentos do inimigo. Como esses termos representam a conquista de regiões que podem variar de acordo com o escalão.

Seção Subdivisão de um órgão. para o movimento terra-a-dentro de pessoal e material. descontentamentos.C 20-1 S Sabotagem Ação de caráter essencialmente material que visa a destruir ou danificar recursos de toda a ordem. serviços públicos e privados. que parte de uma praia. Segurança Estado de confiança individual ou coletivo. a partir do escalão divisão de exército. diminui a confiança da população nas autoridades e intimidam o poder. provocam agitações. S-1 . em virtude da adoção de medidas minimizadoras. Saída de praia Estrada ou caminho. ao dificultar ou impedir o funcionamento de instituições. Fração tática menor que o pelotão e maior que o grupo de combate. que realiza o planejamento e assessoria de comunicações e guerra eletrônica. baseado no conhecimento e no emprego de normas de proteção e na convicção de que os riscos de desastres foram reduzidos. indústrias. Os efeitos da sabotagem. de um estabelecimento ou de um estado-maior. Seção de comunicações e guerra eletrônica Seção integrante do estado-maior.

desde as ações preventivas nos campos político. psicossociais e militares. com o objetivo de estimular e caracterizar uma maior participação e integração de todos os setores envolvidos. Segurança orgânica Atividade de contra-inteligência que compreende um conjunto de medidas realizadas com a finalidade de dar proteção às informações. a despeito dos antagonismos e pressões existentes ou potenciais. É integrada na segurança nacional. através de ações políticas. de qualquer origem. de maneira global. em grau variável. S-2 . Segurança integrada Expressão usada nos planejamentos de garantia da lei e da ordem da força terrestre. apoio ao combate e apoio logístico localizados nas respectivas áreas de retaguarda. sistemática. permanente e gradual. Segurança interna Grau de garantia que o estado proporciona à nação contra os antagonismos ou pressões de qualquer origem. forma ou natureza. contra os antagonismos e/ou pressões. sob todas as suas formas e expressões. Segurança nacional Garantia que. forma ou natureza que se manifestem ou possam manifestar-se no domínio das relações internacionais. até o emprego preponderante da sua expressão militar. psicossocial e militar. econômico. colham informes valiosos das comunicações. principalmente sob a égide do estado. Segurança de área de retaguarda Conjunto de medidas e de ações executadas nos diversos escalões da força terrestre. Segurança externa Garantia alcançada pela aplicação do poder nacional.C 20-1 Segurança das comunicações Proteção resultante das medidas destinadas a retardar ou impedir que o inimigo. econômicas. para a conquista e manutenção dos objetivos nacionais permanentes. áreas ou atividades sigilosas. que se manifestem ou produzam efeitos no âmbito interno do país. ou elementos não credenciados. visando a assegurar a normalidade no desempenho das atividades dos elementos de combate. é proporcionada à nação.

Ausência de prejuízo aos direitos do cidadão. fixação. inimigos e civis. Sepultamento Atividade de pessoal que compreende a identificação. Serviço Conjunto de atividades correlatas de uma força armada que tem por missão prestar o apoio logístico. fintas. com a participação dos principais órgãos responsáveis ou envolvidos num determinado assunto. S-3 . como ainda. tais como. dissimulação (demonstrações. devendo comportar um ataque principal e um ou mais ataques secundários.C 20-1 Segurança pública Garantia que o estado proporciona à nação a fim de assegurar a ordem pública. serão realizadas ações mais secundárias. pelo eficiente funcionamento dos órgãos do estado. a inumação provisória de cadáveres. Seleção de frente de ataque Eleição da parte da zona de ação onde o comandante empregará a maioria de seus meios. buscando obter o resultado decisivo para o cumprimento da missão. conforme as circunstâncias. de aliados. funcionamento e manutenção de cemitérios temporários. além do preparo de registros e relatórios referentes a todos esses casos. a busca. o estabelecimento. normalmente. Seleção médica Atividade que se destina a separar os indivíduos aptos. de acordo com padrões preestabelecidos. Setor de uma organização ou unidade militar incumbido de auxiliar o comandante no desempenho de suas funções administrativas. dos incapazes para determinados fins militares. manutenção do contato e vigilância que. Seminário de doutrina Reunião(ões) que tem por objetivo a definição de aspectos essenciais da doutrina. ardis). se limitará à aérea. a eliminação de controvérsias e o estabelecimento de procedimentos comuns. a coleta e o processamento dos espólios encontrados nos corpos. Na faixa do terreno não selecionada. a coleta e a evacuação dos restos mortais de militares nacionais e. algumas vezes.

Por analogia e para fins de adestramento. de natureza eminentemente civil. Serviço postal Atividade logística que tem por finalidade estender os serviços dos correios e telégrafos a todas as unidades do Exército. para fins de planejamento de garantia da lei e da ordem. demolição. tais como assessoria. seja. deve ser considerado “Serviço de Campanha” a realização de exercícios táticos no terreno e com tropa. consultoria. Serviço de engenharia Atividade intelectual e/ou física destinada a obter determinada utilidade.C 20-1 Ato ou efeito de executar tarefa ou incumbência periódica ou de atender a uma exigência de caráter geral. voltados para o atendimento de determinadas necessidades da população e o seu bem-estar. remoção de benfeitorias e instalações. vistoria. sob a responsabilidade de uma organização militar valor batalhão. esta expressão significa o conjunto de medidas que visa à cooperação de uma organização militar com o setor civil. manutenção. quanto a execução de ações ou medidas preventivas e de caráter permanente. Para os efeitos da ação comunitária realizada pela força terrestre. Setor Subdivisão de uma área de responsabilidade atribuída a um comando para a execução de operações de segurança integrada. na área de serviços essenciais. Serviços públicos essenciais São ramos organizados e específicos de atividades humanas. particularmente nas atividades de inteligência e comunicação social. Serviço de campanha Conjunto de atividades da força terrestre em campanha. S-4 . envolvendo trabalhos técnico-profissionais de engenharia. seja no planejamento e execução da defesa. projeto. no sentido de assegurar o funcionamento dos serviços públicos essenciais de uma comunidade. em qualquer situação. onde quer que estejam. excepcionalmente na própria operação. e que correspondem a uma área a ser atribuída. Setor de segurança integrada Subdivisão da subárea de segurança integrada. normalmente. perícia técnica.

novelas e outros). audível ou mesmo produzido por um gesto. Os simpatizantes podem ser de três categorias: institucionais.C 20-1 Símbolo chave Em operações psicológicas. que. receio ou inconsciência cooperam com ela pelos mais variados meios. Sincronização Arranjo das atividades de todos os sistemas operacionais no tempo. intelectuais ou logísticas. interesse. Simpósio Reunião de cientistas ou técnicas para ventilar vários assuntos relacionados entre si ou os vários aspectos de um só assunto. peças teatrais. no espaço e na finalidade para obter o máximo poder relativo de combate no ponto decisivo. por condescendência. elemento visual. Simpatizantes logísticos São elementos que fornecem armamento. Simpatizantes intelectuais São elementos que. Utiliza recursos humanos. valendo-se dos meios de comunicação de massa e artísticos (artigos em revistas e jornais. Simulação de combate Imitação ou representação de procedimentos de combate ou de operações para avaliação ou para treinamento. filmes. ostensivo ou não. S-5 . existente em um apelo e que tem importância marcante para provocar o efeito desejado. documentos e outros itens aos militantes da força adversas. apresentam uma imagem positiva da força adversa. instalações e meios de informática destinados ao desenvolvimento de sistemas de simulação de combate. alojamento. Simpatizantes institucionais São elementos que se aproveitam de franquias legais e outros privilégios de sua posição ou profissão para auxiliar os militares. Simpatizantes Esta denominação inclui um grande número de pessoas não estruturadas nos quadros da força adversa. atraindo a simpatia do público. alimentação. livros.

sob o aspecto técnico. O conjunto dos diferentes sistemas de comunicações empregados num escalão constitui o sistema de comunicações deste escalão. empregadas no quadro de uma manobra tática ou estratégica. Sistema de barreiras Série de barreiras dispostas em largura e profundidade variáveis. Sistema de apoio logístico Conjunto integrado de pessoal. basicamente. unidades. Sistema de comunicações Termo geral utilizado para designar. métodos. empregados como uma entidade para desempenhar uma missão militar. uma associação de instalações e equipamentos de comunicações. S-6 . denominados sistemas. organizadas de modo a alcançar um ou mais objetivos. normas. funcionalmente inter-relacionadas. Sistema de armas Conjunto de armas. capaz de produzir um efeito desejado. de modo a barrar as direções de acesso do inimigo sobre uma região a ser defendida. com o objetivo de proporcionar o apoio logístico às organizações militares. os diferentes meios de comunicações grupam-se de modo a constituírem conjuntos homogêneos. Sistema de controle aerotático Sistema de defesa aeroespacial que fornece os meios para o planejamento. processos e técnicas. direção e controle de todas as aeronaves em vôo na área de responsabilidade da força aérea do teatro de operações. Sistema de comunicações de área Sistema estabelecido. Instrumento de combate com todos os equipamentos relacionados às técnicas operativas. com características comuns. princípios. equipamentos militares e os componentes necessários à sua operação. para proporcionar apoio de comunicações aos elementos em uma determinada área geográfica. equipamentos. às instalações e aos serviços de apoio. cada uma denominada subsistema. Tem a seu cargo atribuições específicas de defesa aeroespacial no teatro de operações. diretamente necessários a permitir a sua operação como uma unidade singular. com a máxima eficiência. Especificamente.C 20-1 Sistema Conjunto de partes.

objetivando suprir na quantidade exata. Os sistemas operacionais são: comando e controle. naturais ou provocados pelo homem. contramobilidade e proteção. S-7 . apoio ao combate e apoio logístico. Sistema de recompletamento de pessoal Conjunto integrado de unidades. apoio de fogo. técnicas e procedimentos. características. a fim de assegurar o pronto preenchimento dos claros individuais e de unidades. socorrer e assistir populações atingidas e recuperar áreas deterioradas por eventos adversos. elos e sistema vinculados.C 20-1 Sistema de defesa aeroespacial brasileiro (SISDABRA) Conjunto de órgãos. que têm por finalidade prover a infra-estrutura e a prestação dos serviços indispensáveis à execução da defesa aeroespacial do território nacional. mobilidade. princípios. processamento. objetivando prevenir ou minimizar danos. normas. no local certo e da forma mais econômica. e atuar em situações de emergência e em estados de calamidade públicas e privadas. recepção. na qualidade requerida. instalações. Sistemas operacionais Interação de elementos específicos de combate. Sistema de suprimento Conjunto integrado de pessoal. instrução e distribuição de recompletamento. por meio do qual são feitos os pedidos de apoio aéreo para a força e o intercâmbio contínuo e rápido de informações sobre o desenvolvimento das operações. no espaço e na finalidade. em interação com a comunidade. Sistema de material Combinação de materiais ou equipamentos reunidos para desempenhar uma ou mais funções operacionais. manobra. no momento preciso. e logístico. defesa antiaérea. tem por competência planejar e promover a defesa permanente contra desastres. normas e pessoal destinado a tratar da obtenção. Sistema de operações ar-terra (SOAT) Sistema da força terrestre. inteligência. de forma a permitir ao comandante o emprego oportuno e sincronizado daqueles meios no tempo. Sistema nacional de defesa civil Organizado por decreto. processos. métodos.

Situação de normalidade Situação na qual os indivíduos.C 20-1 Situação de não-normalidade Situação na qual as forças adversas. Soberania Elemento formal. comprometem gravemente a ordem pública. atribuindo valores concretos à missão dessa organização. S-8 . sem ameaçar a estabilidade institucional do país. auto-governar-se. embora as forças adversas. surgida em conseqüência da evolução dos acontecimentos. governando e disciplinando juridicamente a população que se encontra no seu território e mantendo relações com outros Estados. No plano legal. Sonar Aparelho sonoro de detecção submarina. comprometimento da ordem interna ou o grave comprometimento da ordem interna. a intervenção federal. sem interferência de nenhum outro poder. o estado de defesa ou o estado de sítio. mantém a ordem pública e a incolumidade das pessoas e do patrimônio. Solução de conduta Solução apresentada pelo comandante para fazer face a situação não planejada. a ação da força terrestre pode ser determinada caso se caracterize o comprometimento da ordem pública. em face de um inimigo caracterizado ou figurado. os grupos sociais e a nação sentem-se seguros para concretizar suas aspirações. Nesta situação. interesses e objetivos porque o estado. Situação tática Artifício didático que objetiva criar uma situação de combate para determinada organização militar. poder de auto-determinar-se. possam comprometer a ordem pública. caracterizando a intervenção no combate. No plano legal. chegando a ameaçar. de um terreno representado ou real onde deve atuar e dos meios que lhe estarão disponíveis. de forma potencial ou real. a integridade e a soberania nacionais acarretando grave comprometimento da ordem pública. poder supremo de que se acha revestida a autoridade do Estado. a estabilidade institucional. ainda que potencialmente. caracteriza-se pela decretação das salvaguardas constitucionais. caracteriza-se pela plena vigência das garantias individuais e pela não utilização das salvaguardas constitucionais. em seu sentido mais amplo.

e que correspondem a uma área a ser atribuída. sob a responsabilidade de uma organização militar valor subunidade independente. normalmente. valor batalhão. sob a responsabilidade dos comandos de nível brigada. para fins de planejamento de garantia da lei e da ordem. Subárea de segurança integrada Subdivisão da área de segurança integrada. Poderá ser uma subdivisão do setor de segurança integrada quando a organização militar. Subprograma Divisão do programa e indicativo de seus objetivos parciais. Subárea Subdivisão de determinada área que objetiva a atribuição de responsabilidade e elementos subordinados. receber sob seu controle uma organização militar valor subunidade independente. quanto a execução de ações ou medidas preventivas e de caráter permanente. normalmente. com a finalidade de apoiar determinado elemento de uma força que. particularmente nas atividades de inteligência e comunicação social. Compreende uma ou mais unidades de marcha. Subgrupamento de marcha Parte de um grupamento de marcha extenso. onda de choque e onda de calor produzidos por disparo de armas ou por explosão. não pode ser apoiado através da área de apoio logístico. por razões diversas. Subárea de apoio logístico Região onde são desdobradas as instalações logísticas retiradas do batalhão logístico ou do grupamento logístico. dividido para facilitar o controle e a execução do movimento. S-9 . e que correspondem a uma área a ser atribuída. quanto a execução de ações ou medidas preventivas e de caráter permanente. Subsetor de segurança integrada Subdivisão da subárea de segurança integrada. particularmente nas atividades de inteligência e comunicação social.C 20-1 Sopro Gases de ignição. em operações de segurança integrada e de segurança de área de retaguarda. para fins de planejamento de garantia da lei e da ordem.

Sumário diário de pessoal Registro geral e diário dos efetivos de pessoal de uma organização militar. Visa ao acompanhamento de uma situação específica. sobre a qual o usuário necessita manter-se permanentemente atualizado. que lhe permite executar operações aéreas. Superioridade aérea Grau de domínio (preponderância moral e material) de uma força aérea sobre outra. visando a substituição do regime vigente por outro. social e política de um regime.C 20-1 Substituição em posição Operação de combate em que. controle temporário. S-10 . sem interferência proibitiva da força aérea oposta. Sumário de inteligência Documento periódico. comportando ações em todos os campos do poder nacional. que esteja de acordo com a ideologia que lhe serve de base. econômica. Dentro de um processo subversivo podem ocorrer ações violentas que não chegam. ordens e instruções emanadas de determinada autoridade. Processo amplo e continuado de fundo ideológico. Emprego planejado da propaganda e de outras ações. bem como as alterações em pessoal em face dos resultados das ações realizadas por esta organização. em determinado tempo e lugar. obtido por forças de guerrilha amigas numa determinada área do terreno. Superioridade de área Na guerra de guerrilha em apoio a operações regulares. no qual são reunidas e sintetizadas informações sobre fatos ocorridos no período a que diz respeito (normalmente de 12 a 24 horas). principalmente de cunho psicológico. assegurando a perfeita compreensão de diretrizes. uma força em posição (ou parte dela) é substituída por outra força. com o objetivo de conquistar uma população para um movimento revolucionário. por determinação do escalão superior. a caracterizar uma situação de luta armada. porém. capaz de fornecer dados recentes. Supervisionar Ação de orientar. normas. Subversão Forma de guerra irregular que visa a minar a estrutura militar.

incluindo alimentação. obtenção e distribuição dos suprimentos. utensílios. material de acampamento. Função logística que compreende as atividades de determinação das necessidades. até a junção com forças regulares. combustível. manutenção e operação de uma força. Suprimento classe III Classe de suprimentos que compreende combustíveis e lubrificantes. forragem. equipamento. o absoluto grau de controle.C 20-1 Supremacia aérea Grau de superioridade aérea em que a força aérea oposta se torna incapaz de interferência eficaz. Suprimento classe II Classe de suprimentos que compreende material de intendência ( inclui fardamento. Suprimento classe V Classe de suprimentos que compreende armamento e munição (inclusive QBN). Suprimento classe VI Classe de suprimentos que compreende material de engenharia e cartografia. materiais e máquinas de toda espécie. munição. Suprimento Todos os itens necessários para o equipamento. armamento. material de expediente. equipamento. material de escritório e publicações). obtido por forças de guerrilha amigas em uma determinada área do terreno. Suprimento classe IV Classe de suprimentos que compreende material de construção. S-11 . móveis. vestuário. Supremacia de área Na guerra de guerrilha em apoio a operações regulares. Suprimento classe I Classe de suprimentos que compreende artigos de subsistência (inclui ração animal).

S-12 . no momento de sua chegada na área do objetivo. baseadas no consumo diário previsto e nas necessidades para formar estoques de reserva. segundo pedidos específicos. VII. o suprimento de acompanhamento mantido em estado de prontidão na área de partida. o suprimento colocado na cabeça-deponte aérea pelos elementos que participam do assalto aeroterrestre. Suprimento de outras classes Expressão empregada na logística tática para designar os suprimentos das classes que não possuem P Distr próprio na AApLog . de motomecanização e de aviação. o suprimento enviado após o desembarque de assalto inicial. Suprimento de acompanhamento automático Em uma operação aeroterrestre. IX e X -. Suprimento classe VIII Classe de suprimentos que compreende material de saúde (humana e veterinária). Suprimento classe X Classe de suprimentos que compreende material não incluído nas demais classes. eletrônica e informática.C 20-1 Suprimento classe VII Classe de suprimentos que compreende material de comunicações. a fim de suprir as unidades até que os procedimentos normais possam ser estabelecidos. pois apresentam baixo consumo nos escalões DE/ Bda e por isso são agrupados numa única instalação de distribuição: o Posto de Distribuição de Outras Classes. IV. para remessa imediata às unidades. Suprimento de acompanhamento Em uma operação aeroterrestre. o suprimento de acompanhamento colocado na área do objetivo. Suprimento de assalto Em uma operação aeroterrestre. Suprimento classe IX Classe de suprimentos que compreende material naval. VI.geralmente as classes II. em remessas previamente preparadas. Suprimento de acompanhamento a pedido Em uma operação aeroterrestre. V (Armt).

Susceptibilidade Grau com que determinado grupo ou público pode ser influenciado pelos apelos das operações psicológicas para reagir de modo favorável ao cumprimento de tarefas. Suprimento necessário Quantidade de suprimento de determinada classe. é estimado para determinado período. baseado em fatores experimentais. além das necessidades imediatas. cujo consumo. S-13 . Suprimento normal Em uma operação aeroterrestre. Surtida Decolagem de uma aeronave para missão contra o inimigo. Suprimento reembolsável Tarefa da atividade bem-estar e manutenção do moral militar da função logística recursos humanos que tem por objetivo distribuir artigos não fornecidos pelo governo e destinados a atender às necessidades e ao conforto dos militares e demais pessoas a quem o benefício for estendido. com o propósito de assegurar a continuidade de suprimento em caso de emergência. a fim de recompletarem suprimentos consumidos ou formarem estoques de reserva.C 20-1 Suprimento de reserva Suprimentos acumulados. os suprimentos remetidos como resultado de procedimentos normais de pedido.

Taxa de admissão diária Número médio de pacientes admitidos nos hospitais. segundo uma determinada seqüência e destinados à obtenção de um resultado determinado. atos ou movimentos integrados. movimentar e empregar as forças militares em presença do inimigo ou durante a batalha. para cada milhar de homens do efetivo teto estabelecido para o teatro de operações terrestre. Taxa de admissão de área Número de pacientes admitidos nos hospitais ou dispensados do serviço por indicação médica. atos ou movimentos interligados segundo uma determinada seqüência e visando a obtenção de um resultado definido. Tática Arte de dispor. Teatro de guerra Todo o espaço geográfico – terrestre.C 20-1 T Tarefa Agrupamento de passos. que agrupa passos. por dia. Tarefa logística Trabalho específico e limitado no tempo. marítimo e aéreo – que estiver ou possa ser diretamente envolvido nas operações militares de uma guerra. para cada milhar de homens do efetivo base. por dia. T-1 .

Tecnologia Conjunto ordenado de conhecimentos científicos. em dado momento. imagens. apresentada segundo possíveis visões alternativas futuras (cenários). Particularmente empregado durante o aproveitamento do êxito e a perseguição. para o cumprimento de determinada missão. caracteres. em análises sobre uma situação presente e sua retrospectiva. Técnica de planejamento Método que consiste em identificar o problema. Técnica de cenários alternativos Fundamenta-se. rádio ou qualquer outro processo eletromagnético. finalmente. empíricos ou intuitivos. Não se visa à destruição do inimigo que foi desbordado mas sim à manutenção da impulsão. Técnica de desbordamento Técnica de movimento em que o comandante deliberadamente evita o combate ofensivo contra uma força. que permitam deduzir os elementos necessários para a simulação da evolução dessa situação atual. quando executada com imperícia. Teatro de operações interaliado Teatro de operações onde forças nacionais atuam ao lado de forças aliadas. fazer a reunião e processamento de dados e outros elementos cognitivos pertinentes. um plano de execução. sinais escritos. enquanto a força principal manobra em torno do mesmo.C 20-1 Teatro de operações Parte do teatro de guerra. utilizados na produção e na comercialização de bens e serviços. T-2 . necessária à condução de operações militares de vulto e seu conseqüente apoio logístico. onde uma ação secundária fixa o inimigo. Assemelha-se a um ataque de desbordamento. desenvolver a concepção de uma solução factível ou alternativas e elaborar. sons ou informações de qualquer natureza. por fio. emissão ou recepção de símbolos. Técnica militar de risco Técnica militar que oferece risco de acidente. imprudência ou negligência. uma posição ou uma instalação inimiga. Telecomunicações Toda transmissão.

É indicada para a resolução de problemas inéditos e complexos. de uma forma clara e precisa. Tempestade de idéias Técnica de trabalho em equipe. ao alinhamento e aos tempos necessários às operações administrativas. em curto espaço de tempo. Tempo médio para reparo Tempo médio necessário para reparar determinado equipamento após a ocorrência de uma falha. à troca de peças defeituosas. Inclui os tempos necessários à localização da pane. normalmente. Terminal de transporte Qualquer local. Terreno adequado Terreno favorável (que não apresenta limitações) ao movimento de uma tropa e onde. empregada para levantar todos os aspectos de um tema ou problema. problema apresentado sob a forma de uma situação tática e uma missão em que o instruendo deve tomar decisões a cada situação particular que lhe é exposta. Assunto ou proposição que serve para orientar as atividades de operações psicológicas. como estação. que requeiram respostas originais e não padronizadas. expresso em horas. porto ou aeródromo em que pessoal ou suprimentos de qualquer classe são transferidos de um meio de transporte ou redistribuído. Tempo médio entre falhas Indicador de confiabilidade que determina o tempo médio entre falhas consecutivas.C 20-1 Tema Expressão que traduz uma idéia-força. não é necessário desenvolver qualquer atividade para melhorar a mobilidade. num dado momento e lugar. T-3 . Tema tático Nos exercícios táticos. Os terminais de transporte tomam o nome do sistema de transporte empregado. à desmontagem dos conjuntos. à montagem.

Terreno restritivo Terreno que limita o movimento de uma tropa. Trabalho de comando ou processo decisório Conjunto de ações realizadas pelo comandante e seu estado-maior para a tomada e execução das decisões. Terrorismo Forma de ação que consiste na realização de atos ou ameaça de atos de violência. 8ª fase – Expedição dos planos (ordens). abrangendo as seguintes fases: 1ª fase – Missão. 3ª fase – Diretriz de planejamento. destinados a criar um estado de medo. 7ª fase – Aprovação dos planos (ordens). 9ª fase – Supervisão do comandante e estado-maior. dados e conhecimentos de inteligência disponíveis. Tipo de ração Constituição padronizada das diversas rações. uma autoridade. Território liberado Qualquer região nacional ou aliada que. um indivíduo. 5ª fase – Estudo de situação do comandante. 6ª fase – Preparo de planos e ordens. foi conquistada por nossas forças. Território ocupado Território pertencente ao país inimigo e que foi conquistado pelas nossas forças. cuja velocidade de progressão será substancialmente reduzida se não houver o apoio necessário de engenharia. um grupo ou mesmo toda a população a adotar um determinado comportamento. 2ª fase – Informações. 4ª fase – Estudo de situação de estado-maior. adequadamente. Sua utilização necessitará de forte apoio de engenharia para possibilitar uma mobilidade restrita. tendo em vista atender. com o intuito de coagir um governo. tendo sido ocupada pelo inimigo.C 20-1 Terreno impeditivo Terreno desfavorável ao movimento de uma tropa de determinada natureza. às diferentes situações de consumo. T-4 .

equipamentos e suprimentos. ainda. Deve estar capacitado a transportar uma unidade da força terrestre completa. tráfego de passageiros. de embarcações de desembarque para viaturas anfíbias. equipamentos e suprimentos de um para outro navio ou. dos veículos e das mercadorias que transitam numa via de comunicação (tráfego de veículos. tráfego de pedestres). obigatoriamente. de até 30 dias. viaturas anfíbias ou helicópteros. Transporte Função logística referente ao movimento de pessoal e material de uma região para outra. Trânsito Movimento de pessoas. tendo os meios. concedido ao militar cuja movimentação implique. de navios de transporte para embarcações de desembarque. Transbordo Passagem de pessoal. compreendendo o emprego do equipamento e meios necessários à sua execução e ao seu controle. Período de afastamento total do serviço. Ato de movimentar pessoal ou material de um local para outro. Transferência Passagem de pessoal. T-5 . com seu equipamento e suprimento. Transposição de curso de água Operação que visa levar o poder de combate através de um obstáculo aquático. Transporte de tropa Navio de guerra que possui instalações adequadas ao transporte de homens com seus equipamentos de combate. para desembarcá-lo numa praia hostil. Transporte de tropa de assalto Navio de guerra destinado a transportar um grupamento de desembarque de batalhão. animais e veículos que utilizam uma via de comunicação. em mudança de sede. assegurando integridade e a impulsão das forças. inclusive embarcações de desembarque.C 20-1 Tráfego Conjunto das pessoas. tráfego de mercadorias.

em segurança. viaturas anfíbias ou helicópteros. Trens de combate Conjunto de elementos de serviço das unidades. por isso. Travessia Transposição de um curso de água. Travessia de assalto Fase da transposição de curso de água em que os elementos de primeiro escalão da força (vagas de assalto) realizam a passagem de uma margem do rio para a margem inimiga. helicópteros e passadeiras. viaturas anfíbias. executada após meticuloso planejamento e amplos preparativos. os elementos de primeiro escalão prontos para o assalto iniciam a transposição empregando botes de assalto. com os meios já disponíveis ou que possam ser obtidos em curto prazo. usando botes de assalto. T-6 . Trem Conjunto de elementos de serviço das unidades. Na hora H. cuja presença bem à frente é necessária. Transposição preparada Operação de transposição de um curso de água obstáculo. destinado a proporcionar apoio logístico. Triagem de baixas Operação que consiste na separação médica das baixas. podendo ter ou não a ação do inimigo durante a ação. segundo um critério predeterminado. cuja presença bem à frente é dispensável e que. planejada e executada com um mínimo de perda de impulsão pelas forças de assalto.C 20-1 Transposição imediata Operação de transposição de um curso de água. conforme o planejamento realizado. desdobram-se mais à retaguarda. Trens de estacionamento Conjunto de elementos de serviço das unidades. que exige uma concentração de meios de travessia e de forças para vencer a barreira física e sobrepujar uma posição defensiva na margem inimiga.

embora constando no planejamento operacional de quem o enquadra. cuja área de emprego presume-se que não mude. Tropa empenhada Forças terrestres inimigas em contato. da rapidez exigida e dos trabalhos futuros. Tropa de brigada Na composição dos meios.C 20-1 Trilha Caminho livre. Troca Processo de adquirir bens ou serviços.20 m de largura. cedidos voluntariamente pelo proprietário ou executante. qualquer que seja a linha de ação selecionada pelo comandante da unidade. da disponibilidade do pessoal e material. suas reservas imediatas e elementos de apoio de fogo terrestre. mediante pagamento em outros bens ou serviços. sendo a sua organização decorrente da missão. Tropa hipotecada Situação em que um determinado elemento. através de um obstáculo. tropa que permanece sob o comando do comandante de um exército. Tropa de exército Na composição dos meios. destinado à passagem de tropas à pé. tropa que permanece sob o comando direto do comandante de uma brigada. compreendendo o pessoal e o material necessário. T-7 . em coluna. Turma de comunicações Elemento básico de trabalho das comunicações em qualquer escalão. tropa que permanece sob o comando direto do comandante de uma divisão de exército. tendo. Tronco Circuito que liga duas centrais. 1. normalmente. tem seu emprego sujeito à autorização do comando ao qual está hipotecado. Tropa de divisão Na composição dos meios.

de uma arma. Ultraportátil Diz-se do equipamento que pode ser conduzido por um só homem. Ultrapassagem Operação de substituição que consiste na passagem de uma força que ataca através do dispositivo de outra força que está em contato com o inimigo. e com possibilidades definidas para viver e operar. Unidade carburante Quantidade de combustível necessária a uma viatura ou a todas as viaturas de uma unidade para a execução do percurso de 100 km. apoio ao combate ou apoio logístico. segundo uma estrutura prevista. serviço.C 20-1 U Última linha de defesa Aquela que corresponde à última linha de rebatimento que o comandante do exército de campanha ou da força de nível superior já não admite ceder na manobra defensiva porque a sua perda comprometeria o cumprimento da missão. quadro ou especialidade. Unidade Organização militar da força terrestre. em estrada (consumo normal para o deslocamento de 100 km). capaz de ser operado em movimento. que grupa elementos de combate. U-1 .

que se desloca por um itinerário sob um comando único. Unidade de mobilização Organização militar a ser ativada por mobilização de pessoal e de material. qualquer militar ou comandante está subordinado a um único chefe superior. processar e fornecer recompletamentos individuais às unidades. Como princípio de guerra. equipada e adestrada. desde o tempo de paz. visando obter uma só ação coletiva eficaz. devendo estar prevista. Unidade para recompletamento Unidade destinada a preencher um claro em uma organização. no planejamento do preparo da mobilização militar terrestre. que é capaz de apoiar o desembarque anfíbio de uma divisão. de menor ou de maior nível. do grupo naval de praia. Unidade de recompletamento Organização do sistema de recompletamento destinada a receber. Unidade de marcha Elemento de tropa. Unidade operacional de assuntos civis Unidade que integra ou reforça os comandos de exército de campanha. passa a integrar a reserva geral. Unidade de comando de praia Unidade naval. divisões de exército e brigadas independentes durante as operações militares. destinada a fornecer ao destacamento de praia um componente conhecido como “grupamento naval do destacamento de praia”. significando que a autoridade de direção e controle da força é atribuída e exercida por uma só pessoa e que. reciprocamente.C 20-1 Unidade de comando Singularidade funcional do comandante em qualquer organização militar. Unidade local de assuntos civis Unidade destinada às atividades de caráter estático em centros de população. entidades políticas ou outras áreas específicas. U-2 . normalmente de valor companhia ou equivalente. complexos industriais. ocasionado pela falta ou retirada de unidade do mesmo valor e natureza. Uma vez ativada. fator de êxito consistindo na centralização da direção e controle da força em uma só autoridade com prerrogativa de decisão e de mando.

Unitização Agrupamento de peças individuais de um carregamento em uma única unidade. porém não incluídas em vagas programadas. nem em vagas a pedido. U-3 . maior e mais pesada. Usuário Cada um dos setores ambientais que vão utilizar as saídas de um sistema ou para os quais esse sistema dirige seus produtos finais.C 20-1 Unidades não programadas Unidades da força de desembarque mantidas de prontidão para desembarque durante o período da descarga inicial.

sem que. conduzindo as unidades de assalto da força de desembarque. Nas operações anfíbias. conduzem as tropas que devem desembarcar simultaneamente numa determinada zona de pouso de helicópteros. carregados com elementos da força de desembarque. porém. dentro de um grupamento de embarcações. realizam o transporte de tropa dos navios para a praia. operando de forma simultânea. viaturas anfíbias. formação de embarcações de desembarque. Conjunto de forças e meios lançados em um só movimento sobre o inimigo. viaturas anfíbias ou helicópteros. simultaneamente. se possa determinar com exatidão o momento e o local que devam ser desembarcados. que carregam as tropas que devem desembarcar simultaneamente. é o conjunto de helicópteros que. Vagas a pedido Formações de embarcações de desembarque. navios de desembarque ou helicópteros.C 20-1 V Vaga Em operações aeromóveis. conjunto de botes de assalto que transpõem o rio simultaneamente. Vaga de embarcações Conjunto de embarcações de desembarque ou viaturas anfíbias. V-1 . Na transposição de curso de água. cuja necessidade em terra é prevista. viaturas anfíbias ou helicópteros que. Vagas programadas Formações de embarcações ou navios de desembarque. cujo instante e local de desembarque foram antecipadamente fixados.

caráter e dedicação. e de forma contínua. Velocidade de marcha Relação entre o espaço e o tempo gasto em percorrê-lo. coletivamente. Veículo aéreo não-tripulado (VANT) Veículo de pequeno porte. construído com material de difícil detecção. usando asas fixas ou rotativas. todas as freqüências de uma determinada faixa do espectro eletromagnético. Varredura Ataque rápido e violento. as minas existentes numa área pela qual os navios têm que passar. V-2 . a fim de infligir-lhe o máximo de perdas. por varredura. agregando-se ao poder de combate da força que comanda como fator de sua sustentação e ampliação. Vanguarda Força de proteção que opera à frente da força principal. Varredura de minas Operação destinada a remover. desencadeado por força blindada. Ação realizada por um receptor para percorrer. desde que estes estejam dentro do apoio mútuo de comando e controle disponíveis. desorganizá-la e destruir seu material ou equipamento. pilotado remotamente. experiência de comando e formação moral. manual ou automaticamente. contra uma força inimiga.C 20-1 Valor profissional do comandante Capacidade adquirida pelo comandante no seu preparo técnico-profissional. Via de acesso Combinação de dois ou mais corredores de mobilidade. e empregado para sobrevoar o alvo ou área de interesse com o objetivo de fornecer informações por meio de seu sistema de vigilância eletrônica. sem a finalidade de ocupar terreno. exteriorizada pela sua competência. Vetor Designação de aeronave utilizada como plataforma de armas. incluindo-se os pequenos altos periódicos.

sob a responsabilidade de uma defesa antiaérea. integração ou controle operacional. pelo estabelecimento de uma série de postos de observação. sob uma das seguintes formas: reforço. V-3 .C 20-1 Vigiar Ação tática que proporciona segurança a determinada região ou força. havendo necessidade de descentralizar o comando. Vinculação de comando Situação em que um comando tiver que empregar suas unidades ou frações subordinadas sem poder exercer convenientemente o controle sobre as mesmas. onde vigoram procedimentos específicos para o sobrevôo de aeronaves e para o fogo antiaéreo. complementado por ações adequadas que procuram detectar a presença do inimigo assim que o mesmo entre no raio de ação ou campo dos instrumentos do elemento que a executa. Volume de responsabilidade de defesa antiaérea Porção do espaço aéreo.

as unidades e os órgão necessários ao apoio logístico ao conjunto das forças em operações. compreendida entre o limite de retaguarda das forças empregadas na zona de combate e o limite posterior do teatro de operações terrestre. Zona de combate Porção do teatro de operações. Zona de apoio Área situada na zona de administração e em território estrangeiro. definida por limite. cuja finalidade é estabelecer responsabilidades operacionais a determinada força. em que as aeronaves devem pousar. Z-1 . onde se desdobram as principais instalações. Zona de administração Porção do teatro de operações.C 20-1 Z Zona de ação Faixa do terreno. compreendendo a área terrestre e o espaço aéreo correspondente. zona especificada na área do objetivo. sob jurisdição de um comando militar. para fins de administração territorial militar e de segurança. onde atuam os elementos diretamente necessários à conduta das operações. à frente do limite de retaguarda do exército de campanha. atribuindo-lhe um espaço de manobra adequado e compatível com suas possibilidades. Zona de aterragem Em operações aeroterrestres.

Zona de lançamento Zona especificada sobre a qual tropas aeroterrestres. Zona de pouso de helicópteros Área com espaço suficiente que permita desembarque ou embarque de passageiros por meio de pouso ou em vôo pairado para um ou mais helicópteros. para uso imediato. Z-2 .C 20-1 Zona de defesa Caracterizada por cada uma das partes em que é dividido o território nacional não incluído no TO para fins de defesa territorial ou operações de garantia da lei e da ordem. Zona de estacionamento Área onde a tropa descansa ou se reúne sem previsão de emprego tático imediato. ao longo de itinerários. destinado à transposição dos elementos de assalto. ficando em condições de receber missão de combate ou se preparando para o cumprimento de missão recebida. podendo ou não estar compreendida dentro de um sistema de barreiras. é dividida em zonas de defesa. o material de engenharia (botes e passadeiras). Zona de reunião final de material de engenharia Em operações de transposição de curso de água. Zona de obstáculos Série de obstáculos descontínuos. tendo em vista dificultar o avanço inimigo. Normalmente. quando ativada a estrutura militar de guerra. em geral. Zona de interior Parte do território nacional não incluída no teatro de operações. Zona de reunião Região delimitada em que uma unidade é reunida. Zona de operações Espaço operacional onde se desenvolverão as operações contra as forças adversas. uma região na qual é reunido e arrumado. equipamentos e suprimentos são lançados por pára-quedas ou sobre a qual suprimentos podem ser entregues por queda livre. estabelecidos.

onde há medidas restritivas especiais destinadas a evitar interferência entre forças amigas. correspondem as áreas sob jurisdição dos Comandos Militares de Área. O mesmo que zona morta. pela onda do radar ou pela vista. onde a direção desse movimento procura caracterizar a formação de um verdadeiro “Estado” e dessa forma reclamar. ângulo morto ou espaço morto. radar ou observador. inteiramente dominada por um movimento revolucionário. Z-3 . Zona de segurança integrada São áreas de responsabilidade. Zona de segurança Zona reservada para forças amigas navais. ângulo morto ou espaço morto. terrestres ou aéreas em operações distintas das de combate. por causa das características do material e da interposição de obstáculos. Zona morta Área dentro do alcance máximo de uma arma. que não pode ser atiginda pelo fogo. reconhecimento de seu pretenso “status” político e de sua situação de beligerância. radar ou observador. O mesmo que zona morta. Zona liberada Ampla zona do território nacional. (o mesmo que zona morta). Zona de silêncio rádio Espaço ou região dentro do alcance de transmissão onde os sinais do transmissor não são recebidos. quanto a execução de ações ou medidas preventivas e de caráter permanente. em princípio.C 20-1 Zona de reunião inicial de material de engenharia Em operações de transposição de curso de água. pela onda do radar ou pela vista. Zona de sombra Área dentro do alcance máximo de uma arma. que não pode ser atiginda pelo fogo. (o mesmo que zona de sombra). particularmente nas atividades de inteligência e comunicação social que. para fins de garantia da lei e da ordem. uma região na qual a engenharia reúne seu material de transposição e seu equipamento para posterior utilização na operação. por causa das características do material e da interposição de obstáculos. do exterior. Zona restrita Zona e o espaço aéreo correspondente.

........... D Cont.............................................................. DEPA....... Comando Militar de Área ............................... D Sup..... D Log........ DCIP . 05 03 02 03 03 03 02 02 01 03 02 02 15 02 01 01 01 01 01 01 01 01 01 ........... DEC............................. Artilharia Divisionária ................. DAC ............................. DGP....... CITEx ....................................... DCA.................. Divisão de Exército ... DSM.................................. DEP....... GRANDES COMANDOS E GRANDES UNIDADES COTER .............................. Brigada ... DCEM.................... IPE .......................................... DFA........................ C Com SEx............................................................................................................................................ DOM .......................... DMAvEx ........................... CAvEx .......................................... 2............ DFPC....................... .................. Gabinete do Comandante do Exército ......................................................... DFR.... CAEx... Região Militar/Divisão de Exército ............ ÓRGÃOS Ministério da Defesa ....................................................................... CIE....DISTRIBUIÇÃO 1....... Estado-Maior do Exército .......................... DAProm.................... D Sau........................................................... DEE... DSG............................. D Patr................................ IPD......................... SGEx............................................................................ DMCEI........... CDS ............................................................................................................................. DAF....... D Mnt.......................................................................................................................................... CPEx....................................... CTEx........... Grupamento de Engenharia .. Comando Regional de Saúde ............................................... DAP................................ DOC... D Aud ........................ D Trnp Mob...... STI ........ SEF................. Região Militar ....................................... SCT..................

.................... 5.............................................................................................................................................................................................................. CPOR ..... Engenharia ............................................................................................... Cia Prec ............................................................................................................................................... EsSA ..................................................................................... ESTABELECIMENTOS DE ENSINO ECEME ............ IME ................................................................................................................................................................................................. Cavalaria ...................................................................................................................................................... Base de AvEx ............................................................................................ Forças Especiais....................... Ação de Comandos ..................................... Batalhão Logístico ....................................................................... AMAN ....... SUBUNIDADES (autônomas ou semi-autônomas) Infantaria/Fronteira ..................................................... Parque Mnt ..................................................................................................................... Base Logística ....................................................................................................................................................................................................................................................................................... Artilharia ..................................................................................................................................................... 4...................................................................................................................................................... 20 20 15 15 05 02 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 01 02 02 02 01 02 01 02 02 02 02 01 01 01 02 01 01 02 ...................................................................................................................................... Bia/Esqd/Cia Cmdo (GU e G Cmdo) .................................................... Guarda ............... Batalhão de Suprimento .................................... Cavalaria ................. Batalhão de Manuntenção de Armamento ........... DOMPSA ............................................................. Comunicações ................................. Polícia do Exército .... EsAO ........ Precursora Pára-quedista ...................................................................... UNIDADES Infantaria ............................................ Batalhão de Manuntenção de Suprimento da Av Ex ................................. Cia Transp ................................................................................................................................................................ Esq Av Ex ...................................... Engenharia ....... Depósito de Suprimento ....................... Cia Intlg/GE ..................................................................................... NPOR ...................................................................................................................................3.................................................................................................................. CTA .......................................................................................................................................................... Comunicações ............................................................................ Defesa QBN . Material Bélico ........................ Depósito de Subsistência ................................................. Artilharia ......................................................................

ADIEx/Paraguai ........... EsSauEx..................... Campanha .................................................................... EsAS.................. C F N ..................... H F A ............................................ EsIMEx................................................................. CAAEx .............................. EsACosAAe.... CDE .... EsEFEx............................. E M Aer ............. E G G C F ................................................................................................. EsIMil................... CCFEx................................................................................................................................................................................ Bibliex ..................................... Centro de Embarcações do CMA .................................................................. EsIE........................................................... OUTRAS ORGANIZAÇÕES Arquivo Histórico do Exército ................ C Doc Ex ................................................................................... EAO (FAB) ........... EsPCEx. COMDABRA ..... EsEqEx............................................EsCom............ CI Bld..................................... Campo de Provas de Marambaia ............................................................................................................................................................................................... EsAEx................................. CIGE................................................... Colégio Militar ............................................................... CEP...................................................................... Es G N ............................ D C Mun ................................................................. EsMB............. D L ................. Arsenais de Guerra RJ / RS / SP .................... Hospitais Gerais e de Guarnições............................. E S G ................................................................................................................................................... Campo de Instrução .................................................................................................................................................... 6.................................. C C Au Ex .................................. DCA .............................................................................................................. CI Av Ex............. CIGS................................................................................... 03 01 01 01 01 01 01 01 02 01 01 01 01 01 01 01 01 02 02 02 02 01 01 01 01 01 .... E M A ..... ECEMAR ........ Policlínicas.......................... CI Pqdt GPB...........................................

Este Manual foi elaborado com base em anteprojeto apresentado pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército ( ECEME ). .

¯ C 101-5 3ª Edição / 2003 Tiragem: 1.200 exemplares Março de 2004 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful