Você está na página 1de 11

E Q UAÇ Õ E S D I O FAN T I NAS

Prof Alzir Fourny Marinhos


EQUAÇÕES DIOFANTINAS

A equação ax + by = c, tal que a, b, c, x, y pertencem ao conjunto dos números


inteiros é chamada Equação Diofantina.

Exemplos de Equações Diofantinas:

2x + 3y = 7

- 4x + 7y = - 6

- 3x – 5 y = 4

Diofanto foi um matemático grego que viveu entre 200 e 290 dC.

Escreveu “ A aritmética ” com a resolução de problemas de álgebra que foram


resolvidos utilizando equações do primeiro e segundo graus e sistemas de equações. Por
esse motivo é chamado o pai da álgebra e as equações do primeiro grau e segundo grau
em duas variáveis, envolvendo os números inteiros, são chamadas Equações
Diofantinas.

CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA DA SOLUÇÃO DE UMA EQUAÇÃO


DIOFANTINA

Seja a equação diofantina ax + by = c, com solução.

a, b, c, x, y pertencem ao conjunto dos números inteiros.

Existe (x0, y0) que satisfaz a equação ax + by = c, x0 e y0 números inteiros.

(x0, y0) é uma solução da equação.

ax0 + b y0 = c
Seja mdc ( a, b) = d

a b
= r; = s ( r e s são números inteiros)
d d

Logo a = dr; b = ds

ax0 + by0 = drx0 + dsy0 = d ( rx0 + sy0) = c

rx0 + sy0 é número inteiro

c
rx0 + sy0 =
d
Logo d divide c. ( se d não dividir c, rx0 + sy0 não será número inteiro, mas
rx0 + sy0 tem que ser número inteiro)

Para existir solução na equação diofantina ax + by = c, o mdc entre a e b tem que


dividir c.

SOLUÇÃO GERAL DA EQUAÇÃO DIOFANTINA

Seja a equação ax + by = c, no conjunto dos inteiros.

Seja (x0, y0) uma solução particular.

Seja mdc(a, b) = d.

Seja a solução, qualquer, (x’, y’).

ax0 + by0 = ax’+by’=c.

mdc(a, b) = d, então:
a b
= k1 ; = k 2 ; k1 e k 2 números primos entre si; mdc(k1 , k 2 .) = 1
d d

ax0 + by0 = ax’+by’

ax’-ax0=by0-by’

a(x’-x0)=b(y0-y’) ; dividindo por d.

'
a ( x ' − x 0 ) b( y 0 − y )
=
d d

a b
Como = k1 ; = k 2
d d

k1(x’-x0)=k2(y0-y’)
k1 ( x '− x 0 )
= yo − y'
k2
Veja que y0 – y’ é número inteiro. ( y0 e y’ são números inteiros).

Veja que k1 e k2 são números primos entre si, logo k2 não divide k1,
consequentemente, k2 divide (x’-x0).

x'− x0
= t , t inteiro.
k2

x’- x0=k2t

b
como = k2
d

b
x’-x0= t
d

b
x’ = x0 + t
d

b
Substituindo x’ = x0 + t em a(x’-x0)=b(y0-y’).
d

b
a(x0 + t - x0) = b(y0-y’)
d

abt
= b( y o − y ' )
d ; Dividindo por b.
at
= yo − y'
d
a
y’= y0 - t
d
Logo as soluções de uma equação diofantina é dada por:

b a
x’ = x0 + t e y’= y0 - t , onde x0 e y0 é uma solução particular, d é o mdc
d d
entre a e b, t são números inteiros que, ao serem colocados, vão gerar as soluções.

REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA DAS SOLUÇÕES DE UMA


EQUAÇÃO DIOFANTINA
Veja que ax + by = c, com a, b, c, x, y pertencente ao conjunto dos números reais
representa uma reta. Os infinitos pontos que vão gerar a reta são as soluções desta
equação. Neste caso seria simples achar as soluções. Bastaria atribuir valores arbitrários
para x e achar, na equação, os valores correspondentes para y.
Nas equações diofantinas as coordenadas dos pontos são números inteiros. Ao
atribuir para x um número inteiro, pode ocorrer que y não seja inteiro. Neste caso o par
(x, y) não é solução. Pode ocorrer que uma reta não tenha nenhum ponto com
coordenadas inteiras. Neste caso a equação diofantina não tem solução.

Veja a equação 18 x + 5 y = 48 representada pela reta abaixo


y
4.0

3.0

2.0

1.0

x
-4.0 -3.0 -2.0 -1.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0
-1.0

-2.0

-3.0

-4.0

Somente os pontos de coordenadas inteiras da reta serão soluções da equação


diofantina 18x + 5y = 48.
Veja que o ponto (6, -12) não representado na figura pertence à reta, pois
18 x 6 + 5 x ( -12 ) = 48. O par x = 6 e y = -12 é uma das soluções da equação
diofantina.

RESOLUÇÕES DE EQUAÇÕES DIOFANTINAS

1- Mostre que a equação diofantina 4x + 6y = 9 não tem solução.

Resolução:

Verificar a condição de existência das soluções.

mdc ( 6, 4 ) = 2

2 não divide 9, logo, não há solução.

2- a) Resolver a equação diofantina 2x + 3y = 9.


b) Determine quatro soluções particulares.
c) Determine os valores de t para que as soluções sejam positivas.
d) Determine os valores de t para que as soluções sejam negativas.

Resolução a)
Verificar a condição de existência das soluções.

mdc ( 3, 2 ) = 1

1 divide 9, logo tem solução.

Vamos, por tentativa, achar uma solução particular.

9 − 3y
Tirar o valor de x : x = .
2

Atribuir valores inteiro para y, até encontrarmos o x correspondente também


inteiro.
Veja que y = 1 teremos x = 3.

Uma solução particular será x0 = 3 e y0 = 1.

b a
A solução geral é dada por x = x0 + t e y = y0 - t , t números inteiros.
d d

Solução geral da equação diofantina.


3 2
x = 3 + t e y = 1 - t , t números inteiros.
1 1

Resolução b)

Atribuir t = 0; t = 1; t = - 1; t = 2

Para t = 0 temos x = 3 e y = 1;
Para t = 1 temos x = 6 e y = - 1
Para t = - 1 temos x = 0 e y = 3
Para t = 2 temos x = 9 e y = -3
( faça a verificação, de cada solução encontrada, na equação 2x + 3 y = 9)

Resolução c)

3 2
x=3+ t ey=1- t
1 1

3 + 3t > 0

3t > -3

t>-1
1–2t>0

-2t>-1

2t < 1

1
t<
2

1
-1 < t < ( t número inteiro)
2

t = 0 ( a única solução inteira positiva é x = 3 e y = 1)


(Verifique para outros valores de t, fazendo uma análise na solução geral da
equação)

Resolução d)

3 2
x=3+ t ey=1- t
1 1

3 + 3t < 0

3t < -3

t<-1

1–2t<0

-2t<-1

2t > 1

1
t>
2

1
Não existe t inteiro que satisfaça t > e t < -1.
2

Não há soluções inteiras, com x e y ambos negativos.


(Verifique fazendo uma análise na solução geral da equação)

3 - Escrever o mdc entre 143 e 17 como combinação linear entre esses dois
números, isto é, mdc ( 143, 17) = 143 a + 17 b.
Abaixo, o algoritmo do mdc:

8 2 2 3
14 17 7 3 1
3
7 3 1 0

mdc ( 143, 17) = 1

143 = 17 x 8 + 7 7 = 143 – 17 x 8

17 = 7 x 2 + 3 3 = 17 – 7 x 2

7=3x2+1 1=7–3x2

1 = 7 – 3 x 2 ; substituir 3 = 17 – 7 x 2.

1 = 7 – ( 17 – 7 x 2) x 2 = 7 x 1 – 17 x 2 + 7 x 4 = 7 x 5 – 17 x 2

substituir 7 = 143 – 17 x 8.

1 = ( 143 – 17 x 8) x 5 – 17 x 2.

1 = 143 x 5 – 17 x 40 – 17 x 2

1 = 143 x 5 – 17 x 42

Logo 1 = 143 x 5 + 17 x ( - 42) . Veja que é verdade.

Logo a = 5 e b = - 42.

4 - Escrever o mdc entre -345 e 215 como combinação linear entre esses
números, isto é, mdc ( - 345, 215) = - 345 a + 215 b.

Abaixo, o algoritmo do mdc:

1 1 1 1 1 8
34 21 13 8 4 4 5
5 5 0 5 5 0
13 85 45 4 5 0
0 0

mdc ( - 345, 215) = mdc ( 345 , 215 ) = 5


345 = 215 x 1 + 130 130 = 345 – 215 x 1

215 = 130 x 1 + 85 85 = 215 – 130 x 1

130 = 85 x 1 + 45 45 = 130 – 85 x 1

85 = 45 x 1 + 40 40 = 85 – 45 x 1

45 = 40 x 1 + 5 5 = 45 – 40 x 1

5 = 45 – 40 x 1; substituir 40 = 85 – 45 x 1.

5 = 45 – (85 - 45 x 1) x 1= 45 – 85 x 1 + 45 x 1 = 45 x 2 – 85 x 1

Substituir 45 = 130 – 85 x 1

5 = (130 – 85 x 1) x 2 – 85 x 1= 130 x 2 – 85 x 2 – 85 x 1 = 130 x 2 – 85 x 3.

Substituir 85 = 215 – 130 x 1.

5 = 130 x 2 – ( 215 – 130 x 1 ) x 3.

5 = 130 x 2 – 215 x 3 + 130 x 3 = 130 x 5 – 215 x 3.

Substituir 130 = 345 – 215 x 1.

5 = (345 – 215 x 1) x 5 – 215 x 3 = 345 x 5 – 215 x 5 – 215 x 3 =

345 x 5 – 215 x 8.

5 = 345 x 5 – 215 x 8.

Vamos escrever a combinação linear entre – 345 e 215.

5 = - 345 x ( -5) + 215 x ( -8 ). Veja que é verdade.

Logo a = -5 e b = -8

5) Resolver a equação diofantina 143 x + 17 y = 132.


Dê três soluções particulares.

Vamos verificar se tem solução.


mdc (143, 17) = 1. 1 divide 132, logo tem solução.

Se fizermos a combinação linear entre o mdc (143 e 17) e os números 143 e 17


encontraremos 1 = 143 x 5 + 17 x ( - 42). Veja o exercício 3 acima.

Como a equação é 143 x + 17 y = 132, teremos:


143 x 5 + 17 x ( - 42 ) = 1. Multiplicando os dois membros por 132.

143 x 5 x 132 + 17 x ( - 42 ) x 132 = 1 x 132

143 x 660 + 17 x ( - 5544) = 132.

Solução particular : x0 = 660 e y0 = - 5544

Solução geral:

17 143
x = 660 + t e y = - 5554 - t
1 1

x = 660 + 17 t e y = - 5554 – 143 t.

Soluções particulares:

Substituir t inteiro, arbitrário, na solução geral:

t = 0 : x = 660 e y = -5554.

t = 1 : x = 677 e y = - 5697

t = 2 : x = 694 e y = - 5840

6) Determinar todos os múltiplos de 11 e de 9 cuja soma seja 270.


Resolução:

11 x + 9 y = 270 , x e y são inteiros.


Abaixo, o algoritmo do mdc( 11, 9)

1 4 2
11 9 2 1
2 1 0
mdc ( 11, 9 ) = 1. A equação admite solução.

11 = 9x1+2 2 = 11 – 9x1

9 = 2x4 +1 1 = 9 – 2x4

1 = 9 – 2x4 = 9 – (11 – 9x1)x4 = 9 – 11 x 4 + 9x4 = -11x4 + 9x5.

11x(-4) + 9x5 = 1 . Multiplicando os dois membros por 270 temos:

11x(-4)x270 + 9x5x270 = 1x270.

11x ( -1080) + 9x1350 = 270

Logo x0= -1080 e y0=1350 é uma solução particular.


A solução geral é:

x = -1080 + 9 t e y = 1350 – 11 t.

- 1080 + 9t >0

9t > 1080

1080
t>
9

t > 120

1350 – 11 t > 0

- 11 t > - 1350

11 t < 1350

1350
t<
11

t < 122,7

Logo t = 121 e t =122

Para t = 121.

Daí x = - 1080 + 9 x 121 = 9

Daí y = 1350 – 11 x 121 = 19

Os múltiplos de 11 e 9 serão 11x9 = 99 e 9 x 19 = 171. Veja que a soma de 99 e

171 dá 270.

Para t = 122.

Daí x = - 1080 + 9 x 122 = 18

Daí y = 1350 – 11 x 122 = 8

Os múltiplos de 11 e 9 serão 11x18 = 198 e 9 x 8 = 72. Veja que a soma de 198 e

72 dá 270.

Resposta: 99 e 171; 198 e 72