Você está na página 1de 33
Universidade Federal do Tocantins Campus de Palmas Curso de Engenharia Civil e Elétrica Disciplina : Estatística

Universidade Federal do Tocantins Campus de Palmas Curso de Engenharia Civil e Elétrica Disciplina : Estatística e Probabilidade

Aula - 4

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

Medidas de Posição Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

Medidas de Posição

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

 O estudo que fizemos sobre distribuições de frequência, permite-nos descrever, de modo geral, os grupos
  • O estudo que fizemos sobre distribuições de frequência, permite-nos descrever, de modo geral, os grupos dos valores que uma variável pode assumir.

  • Dessa forma, podemos localizar a maior concentração de valores de uma dada distribuição, isto é, se ela se localiza no início, no meio ou no final, ou, ainda, se há uma distribuição por igual.

  • Esses são denominados elementos típicos da distribuição e são as:

  • 1. Medidas de posição;

  • 2. Medidas de variabilidade ou dispersão;

  • 3. Medidas de assimetria;

  • 4. Medidas de curtose.

1 - Medidas de Posição

  • Estatísticas que representam uma série de dados orientando-nos quanto à posição da distribuição em relação ao eixo horizontal (eixo das abscissas).

  • As medidas de posição mais importantes são as medidas de tendência central, que recebem tal denominação pelo fato de os dados observados tenderem, em geral, a se agrupar em torno dos valores centrais.

  • Dentre as medidas de tendência central. destacamos:

    • 1. A média aritmética;

  • 2. A moda e

  • 3. A mediana.

)
)

1 - Média Aritmética (

  • Em um conjunto de dados, podemos definir vários tipos de médias. Porém, em nossos estudos iremos nos limitar à mais importante: a média aritmética.

  • Média aritmética é o quociente da divisão da soma dos valores da variável pelo número deles:

sendo:

  • x

x

i

n

) 1 - Média Aritmética (  Em um conjunto de dados, podemos definir vários tipos

A média aritmética;

x i

Os valores da variável;

n

O número de valores.

1.1 - Dados não-agrupados

Quando desejamos conhecer a média dos dados não-agrupados, determinamos a

média aritmética simples.

Exemplo: Sabendo-se que as notas dos alunos da turma A, durante uma semana acadêmica de maratona foi de: 8,0; 6,0; 9,0; 5,0; 10,0 e 7,0.

Temos que a média da turma é dada por:

x

86



95



10

7

 7,5
6

x

1.2 - Desvio em relação à média (d i )

  • Denominamos desvio em relação à média a diferença entre cada elemento de um

conjunto de valores e a média aritmética.

d

i

x i
x
i

x

Para o exemplo anterior temos:

d

1

x x d  

1

1

8

7,5

0,5

d

2

x x d

2

1

6

7,5

 

1,5

d

3

x x d  

3

3

9

7,5

1,5

d

4

x x d  

4

4

5

7,5

 

2,5

d

5

x x d

5

5

10

7,5

2,5

d

6

x x d

6

6

7

7,5

0,5

 

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

1.3 - Propriedades da Média

1 a Propriedade

  • A soma algébrica dos desvios tomados em relação a média é nula:

k

i 1

d

i

0

  • Exemplo:

6

i

1

d

  • i 0,5 ( 1,5) 1,5 ( 2,5) 2,5 ( 0,5)0

 

 

 

 

7

i1

d

i

0

2 a Propriedade

  • Somando-se (ou subtraindo-se) uma constante (c) a de todos os valores de uma variável, a média do conjunto fica aumentada (ou diminuída) dessa constante:

y

i

x

i

c

y

x

c

Exemplo: Somando-se 2 a cada um dos valores da variável do exemplo dado, temos:

Daí:

y 1 = 10; y 2 = 8;

y 3 = 11;

y 4 = 7;

y 5 = 12;

y 6 = 9

  • 6 10 8 11 7 12 957

d

i

 

 

i 1

Como n = 6, vem:

y

57

6 y

9,5

9,5

7,5

2

y x

2

3ª Propriedade

  • Multiplicando-se (ou dividindo-se) todos os valores de uma variável por uma constante (c), a média do conjunto fica multiplicada (ou dividida) por essa constante:

y 1 = x 1 x c

y x x c

ou

y

i

x i
x
i

c

 

x

y

 

c

Exemplo: Multiplicando-se por 3 cada um dos valores da variável do exemplo dado, obtemos:

y 1 = 24;

y 2 = 18;

y 3 = 27;

y 4 = 15;

y 5 = 30;

y 6 = 21

  • 6 24 18 27 15 30 21135

d

i

  • i 1

Como n = 6, temos:

y

135

6

 y

22,5

22,5

7,5

x

3

y x x

3

1.4 - Dados agrupados :

  • Sem intervalos de classe

Consideremos

a distribuição

relativa

a

34

famílias

de quatro

filhos,

tomando para variável o número de filhos do sexo masculino:

TABELA 1 :

N o DE MENINOS

f i

x

i

0

2

1

6

2

10

3

12

4

4

 

34

Neste caso, como as frequências são números indicadores da intensidade de cada valor da variável, elas

Neste caso, como as frequências são números indicadores da intensidade de cada valor da variável, elas funcionam como fatores de ponderação, o que nos leva a calcular a média aritmética ponderada, dada pela fórmula:

x

xf

ii

n

O modo mais prático de obtenção da média ponderada é abrir, na tabela, uma coluna correspondente aos produtos x i f i :

TABELA 2 :

N o DE MENINOS

f i

x

i f i

x

i

 

0

2

 

0

1

6

6

2

10

20

3

12

36

4

4

16

 

34

78

Temos, então:

x

i

f i
f
i

78

e

f

i

34

xf

ii

78

x  

x

n

34

2,29



x

2,3

x2,3

meninos

  • Com intervalos de classe

Neste caso, convencionamos que todos os valores incluídos em um determinado intervalo de classe coincidem com seu ponto médio, e determinamos a média aritmética ponderada por meio da fórmula:

x

xf

ii

n

, onde x i é o ponto médio da classe.

TABELA 3
TABELA 3

i

VALOR DO

f i

CONSUMO

$

 
  • 1 |----- 154

150

4

  • 2 |----- 158

154

9

158

  • 3 |----- 162

11

  • 4 |----- 166

162

8

  • 5 |----- 170

166

5

  • 6 |----- 174

170

3

   

40

Pela mesma razão do caso anterior, vamos, inicialmente, abrir uma coluna para os pontos médios e outra para os produtos x i f i :

 

TABELA 4

 
 

i

VALOR DO

   

f i

 

x

i

 

x

i f i

 
 

CONSUMO

   

$

  • 1 |----- 154

150

   

4

 

152

 

608

  • 2 |----- 158

154

9

156

1404

158

  • 3 |----- 162

  • 4 |----- 166

162

  • 5 |----- 170

166

  • 6 |----- 174

170

11

160

164

168

172

1760

  • 8 1312

  • 5 840

  • 3 516

   

40

   

6.440

x

i

f

i

6.440

e

xf

ii

6.440

x  

x

f

i

161



x

40

161

n

40

1.5 - Emprego da média

  • A média é utilizada quando:

  • Desejamos obter a medida de posição que possui a maior estabilidade;

  • Houver necessidade de um tratamento algébrico ulterior.

Algumas propriedades da média

A média de um conjunto de dados pode ser sempre calculada. Para um dado conjunto de números, a média é única. A média é sensível a (ou afetada por) todos os valores do conjunto, assim, se um número se modifica, a média também se modifica. Somando-se uma constante a cada valor do conjunto, a média ficará aumentada do valor constante. Analogamente, extraindo-se um valor constante de cada valor do conjunto, a média também ficará diminuída desse valor. A soma dos desvios dos números de um conjunto a contar da média é zero.

2 - A MODA (Mo) 2.1 – Dados não agrupados:  Denominamos moda o valor que

2 - A MODA (Mo) 2.1 Dados não agrupados:

  • Denominamos moda o valor que ocorre com maior frequência em uma série de valores. Dados não-agrupados

  • Quando lidamos com valores não-agrupados, a moda é facilmente reconhecida: basta, de acordo com a definição, procurar o valor que mais se repete.

Exemplo:

7, 8, 9, 10, 10, 10, 11, 12, 13, 15,

tem moda igual a 10, ou seja, Mo = 10.

  • Podemos, entretanto, encontrar séries nas quais não exista valor modal, isto é, nas quais nenhum valor apareça mais vezes que outros.

Exemplo:

3, 5, 8, 10, 12, 13, que não apresenta moda (amodal).

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

 Em outros casos, ao contrário, pode haver dois ou mais valores de concentração. Dizemos, então,
  • Em outros casos, ao contrário, pode haver dois ou mais valores de

concentração. Dizemos, então, que a série tem dois ou mais valores modais. Exemplo:

  • 2, 3, 4, 4, 4, 5, 6, 7, 7, 7, 8, 9, temos duas modas: 4 e 7, ou seja, Mo1 = 4 e Mo2 = 7 (bimodal).

2.2 - Dados agrupados

  • Sem intervalos de classe

  • Uma vez agrupados os dados, é possível determinar imediatamente a moda: basta fixar o valor da variável de maior frequência.

Na distribuição da Tabela 1, à frequência máxima (12) corresponde o valor 3 da variável. Logo: Mo = 3

2.3-Com intervalos de classe

  • A classe que apresenta a maior frequência é denominada classe modal. Pela definição, podemos afirmar que a moda, neste caso, é o valor dominante que está compreendido entre os limites da classe modal.

  • O método mais simples para o cálculo da moda consiste em tomar o ponto médio da classe modal. Sendo, assim, denominada de moda bruta.

Exemplo:

A classe modal da tabela 3 (i = 3), têm seu ponto médio xi = Mo = 160.

2.4-Com intervalos de classe

Quando não há perda da informação, a moda é idêntica ao valor da classe modal, que

é a classe com maior frequência. Quando há perda da informação, a moda representa o(s) valor(es) de X correspondente(m) ao(s) ponto(s) de ordenada(s) máxima(s) da curva e pode ser calculada pela fórmula:

onde:

Mo

L[

1

1



1

2

]x h

L1= limite inferior da classe modal (isto é, a classe que contém a moda)

1 = excesso da frequência modal sobre a da classe imediatamente anterior

2 = excesso da frequência modal sobre a da classe imediatamente posterior h = amplitude da classe modal

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

L [ 1 ] x h  Mo 1    1  2 i

L[

  • 1 ]x h

Mo

 

1



1

2

 

i

 

VALOR DO

 

f i

 

F i

CONSUMO

 

$

1

 

150

|----- 154

4

 

4

2

154

|----- 158

9

13

3

 

158

|----- 162

11

 

24

4

 

162

|----- 166

8

 

32

5

166

|----- 170

5

37

6

170

|----- 174

3

40

         
 

9

9

 

158



98

x

4

158



17

x 4

158



Md

2,11

160,11

2.5 - Emprego da moda

  • A moda é utilizada:

    • 1. Quando desejamos obter uma medida rápida e aproximada de posição;

  • 2. Quando a medida de posição deve ser o valor mais típico da distribuição.

3 - A Mediana (Md)

  • A mediana é outra medida de posição definida como o número que se encontra no centro de uma série de números, estando estes dispostos segundo uma ordem. Em outras palavras, a mediana de um conjunto de valores, ordenados segundo uma ordem de grandeza, é o valor situado de tal forma no conjunto que o separa em dois subconjuntos de mesmo número de elementos.

3.1 - Dados não-agrupados

Exemplo:

5, 13, 10, 2, 18, 15, 6, 16, 9, de acordo com a definição de mediana, o primeiro passo a ser dado é o da ordenação (crescente ou decrescente) dos valores:

2, 5, 6, 9, 10, 13, 15, 16, 18

 Se, porém, a série dada tiver um número par de termos, a mediana será, por
  • Se, porém, a série dada tiver um número par de termos, a mediana será, por definição, qualquer dos números compreendidos entre os dois valores centrais da série. Convencionou-se utilizar o ponto médio.

  • Exemplo:

2, 6, 7, 10, 12, 13, 18, 21, tem para mediana a média aritmética entre 10 e 12.

Logo, Md = 11

Verificamos que, estando ordenados os valores de uma série e sendo n o

número de elementos da série, o valor mediano será:

  • O termo de ordem

,

n

1

se n for ímpar;

 

2

  • A média aritmética dos termos de ordem

    • 2 se n for par.

n

e

n

1

,

2

3.2 - Dados agrupados

  • Para o caso de uma distribuição, porém, a ordem, a partir de qualquer um dos extremos, é dada por:

n

2

3.2.1 - Sem intervalo de classe

  • Neste caso, é o bastante identificar a frequência acumulada imediatamente superior à metade da soma das frequências.

TABELA 5

N o DE MENINOS

 

f i

F i

0

 
  • 2 2

 

1

  • 6 8

2

10

18

3

12

30

4

4

34

 

34

 

n

34

 17

2

2

a menor frequência acumulada que supera esse valor é 18, que corresponde ao valor 2 da variável, sendo este o valor mediano, logo:

Md = 2 meninos

3.2.2 - Com intervalos de classe

Exemplo:

TABELA 6

 

i

VALOR DO

f i

F i

 

CONSUMO

$

  • 1 |----- 154

150

4

4

  • 2 |----- 158

154

9

13

   

158

  • 3 |----- 162

11

24

 
 
  • 4 |----- 166

162

8

32

  • 5 |----- 170

166

5

37

  • 6 |----- 174

170

3

40

 

40

 

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

n
n

onde:

L[

  • Md

1

2

F(ant)

fmd

]

xh

  • L1 = limite inferior da classe mediana, isso é, da classe que contém a mediana

  • n = número de itens dos dados (frequência total) ou Tamanho da amostra

  • F(ant) = é a frequência acumulada da classe anterior em questão

  • Fmd = frequência da classe da mediana

  • h = amplitude do intervalo da classe mediana.

n
n

Logo:

Md

L[

1

2

F(ant)

fmd

]

xh

n

2

40

 20

2

então o valor mediano é o que ocupa 20 o lugar.

20

13

11

. 4

7

11

. 4

Md

158

7

11

x

4

158

28

11

158

2,54

160,54

Md = 160,5 reais

3.3 - Emprego da Mediana

  • Empregamos a mediana quando:

    • 1. Desejamos obter o ponto que divide a distribuição em partes iguais;

  • 2. Há valores extremos que afetam de uma maneira acentuada a média;

  • 3. A variável em estudo é salário.

  • 4 - Posição Relativa da Média, Mediana e Moda

Quando uma distribuição é simétrica, as três medidas coincidem . Porém, a

assimetria torna-as diferentes e essa diferença é tanto maior quanto maior é a assimetria. Assim, em uma distribuição em forma de sino, temos:

1

2

3

-

-

-

Mo x x

Md

Md Md

Mo,

Mo, x,

no caso da curva simétrica;

no caso da curva assimétrica positiva;

no caso da curva assimétrica negativa.

4 - Posição Relativa da Média, Mediana e Moda Quando uma distribuição é simétrica, as três

UFT/2011

Prof. Hayda Maria Alves Guimarães

Curva simétrica Curva assimétrica positiva Curva assimétrica negativa 160,1 160,5 161,1
Curva simétrica
Curva assimétrica positiva
Curva assimétrica negativa
160,1
160,5
161,1

5 - Bibliografia :

AZEVEDO, A. G. de. Estatística básica. 4. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico e Científico, 1984.

DOWNING, D.; CLARK, J. Estatística aplicada. São Paulo: Saraiva 2000.

CRESPO, A. Estatística fácil. São Paulo: saraiva, 2001.

MARTINS, G. Estatística geral e aplicada. São Paulo: atlas, 2005.

MEYER, P. L. Probabilidade e aplicações à estatística. 2.ed. Rio de Janeiro:

Livros Técnicos e Científicos, 1983

SILVA, H. et al. Estatística para os cursos de economia, administração e contábeis. 3. Ed.

. SILVA, H. et al. Estatística para os cursos de economia, administração e contábeis. 3. Ed. São Paulo: atlas, 1999.