Resumos sobre Karl Marx, Emile Durkheim e Max Weber

Timon/2007

Karl Marx e a história da exploração do homem
Com o objetivo de entender o capitalismo, Marx produziu obras de filosofia, economia e sociologia, tencionando propor uma ampla transformação política, econômica e social. A principal obra de Marx, O Capital, não é sociológica, mas econômica. Todavia, é preciso elucidar alguns termos de sua fundamentação econômica, por constituírem peças básicas de interpretação. Na verdade, se produziu uma visão principalmente econômica da sociedade, precisamente porque acreditou que a compreensão dos processos históricos não pode ser feita sem referencia às maneiras como os homens produzem sua sobrevivência material. Marx sofreu algumas influencias como: a filosofia de Hegel, o seu contato com o pensamento socialista francês e inglês do século XIX. Destacava o pioneirismo desses críticos da sociedade burguesa, reprovava o “utopismo” de suas propostas. As três teorias tinham como traço comum o desejo de impor de uma só vez a transformação social total, implantando assim, o império da razão e da justiça eterna. Desenvolveu o conceito de alienação mostrando que a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios de produção, que se tornaram propriedade privada do capitalista. De acordo com Marx, politicamente o homem também se tornou alienado, pois o principio da representatividade, base do liberalismo, criou a idéia de Estado como um órgão político imparcial, capaz de representar toda a sociedade e dirigi-la pelo poder delegado pelos indivíduos. Marx proclamava ainda a inexistência de igualdade natural e observa que o liberalismo vê os homens como átomos, como se estivessem livres das evidentes desigualdades sociais. Para Marx, as desigualdades sociais observadas no seu tempo eram provocadas pelas relações de produção do sistema capitalista, que divide os homens em proprietários e não-proprietários dos meios de produção. As relações entre homens se caracterizam por relações de oposição, antagonismo, exploração e complementaridade entre as classes. A história do homem é, conforme Marx, a história da luta de classes, da luta constante entre interesses opostos, embora esse conflito nem sempre se manifeste socialmente sob a forma de guerra declarada. As divergências, oposições e antagonismos de classes estão subjacente a toda relação social, nos mais diversos níveis da sociedade, em todos os tempos, desde o surgimento da propriedade privada. Para Marx, o trabalho, ao se exercer sobre determinados objetos, provoca nestes uma espécie de “ressurreição”. Tudo o que é criado pelo homem, contém em si, um trabalho passado, “morto”, que só pode ser reanimado por outro trabalho. Acrescentou também que, este tempo de trabalho se estabelecia em relação às habilidades individuais médias e às condições técnicas vigentes na sociedade. De acordo com a análise de Marx, não é no âmbito da compra e venda de mercadorias que se encontram bases estáveis nem para o lucro dos capitalistas individuais nem para a manutenção do sistema capitalista. Ao contrário, a valorização da mercadoria se dá no âmbito de sua produção. Chama-se de mais-valia ao valor que o trabalhador cria para além do valor de sua força de trabalho. De certa forma, sobretudo em termos sociológicos, esta é a alma do capitalismo, porque nisto decide sua teoria e prática da desigualdade social. O trabalhador é pago pela sua força de trabalho, através de um salário cujo valor tende a ser de mera sobrevivência, ou seja, que lhe permite tão somente repor ou reproduzir sua força de trabalho. Mas o que o trabalhador produz, vale mais do que a paga recebida em salário. Esse “mais” é apropriado pelo dono dos meios de produção, o que se chama muitas vezes apropriação do excedente de trabalho. Marx chamou de mais-valia absoluta aquela obtida pelo alargamento da jornada de trabalhou pela intensificação do uso da força de trabalho. Por outra, é mais-valia relativa àquela obtida pela diminuição do tempo de trabalho necessário, geralmente através da especialização profissional, ou da introdução de novas tecnologias, ou da adoção de novos métodos de gerenciamento, etc. Nestes casos, é possível aumentar a mais-valia, mesmo diminuindo o tempo de trabalho. Marx constata ainda, que as diferenças entre as classes sociais não se reduzem a uma diferença quantitativa de riquezas, mas expressam uma diferença de existência material. Os indivíduos de uma mesma classe social partilham de uma situação de classe comum, que inclui valores, comportamentos, regras de convivência e interesses. A essas diferenças econômicas e sociais segue-se uma diferença na distribuição de poder. Diante da alienação do operariado, as classes econômicas dominantes desenvolveram formas de dominação políticas que lhes permitem apropriar-se do aparato de poder do Estado e, com ele, legitimar seus interesses sob a forma de leis e planos econômicos e políticos. Para Marx as condições específicas de trabalho geradas pela industrialização tendem a promover a consciência de que há interesses comuns para o conjunto da classe trabalhadora e, consequentemente, tendem a impulsionar sua organização política para a ação. A classe trabalhadora, portanto, vivendo uma mesma situação de classe e sofrendo progressivo empobrecimento em razão das formas cada vez mais eficientes de exploração do trabalhador, acaba por se organizar politicamente. Essa organização é que permite a tomada de consciência da classe operária e sua mobilização para a ação política. Marx parte do princípio de que a estrutura de uma sociedade qualquer reflete a forma como os homens organizam a produção sociaI de bens. Essa produção, segundo Marx, engloba dois fatores: as forças produtivas e as relações de produção. Sendo que as forças produtivas constituem as condições materiais de toda a produção. E, relações de produção são as formas pelas quais os homens se organizam para executar a atividade produtiva.

uma visão crítica da realidade. é pelo seu sentido subjetivo que uma ação se define ou não como social. Se por um lado Marx concebia a realidade social como uma concretude histórica. a filosofia e a ciência. ele distingue quatro categorias de ação por seu sentido subjetivo. A sociologia Weberiana conclui que. A forma pela qual ambas existem e são reproduzidas numa determinada sociedade constitui o que Marx denominou modos de produção. no plano teórico a fronteira da ação social deve ser traçada com clareza. A ação racional com relações afins. 4. para dessa maneira explicá-la casualmente em seus desenvolvimentos e efeitos. Coerentemente com esse enfoque. a questão da objetividade só se coloca enquanto consciência crítica. Todo conceito seleciona alguns aspectos da realidade infinita. um conjunto único e integrado das diversas formas de organização humana nas suas mais diversas instancia. Marx conseguiu como nenhum outro. o carisma. 1. nos limites da legitimidade. A coercitividade. Weber chamou de compreensão atual ao tipo de captação do sentido que decorre diretamente do curso observável da ação. independentemente da sua escolha e vontade. uma sociedade assentada na justiça social e igualdade real entre os homens. especialmente emotiva. por meios de sua práxis revolucionária. no mundo moderno. formando duas diferentes maneiras de atuação sob a bandeira do marxismo. A abordagem do conflito. segundo Weber. compreensão explicativa aquela que não se detém no sentido aparente da ação. são consideradas as mais importantes relações sociais. só pode ser verdadeira e não ideológica se refletir uma situação de classe e. é captar o seu sentido subjetivo. da dinâmica histórica. A ciência. a tradição. cada sociedade representava uma totalidade. Por esta razão. com sua obra. conclamando os trabalhadores a construir. sem que nunca se esgote a complexidade infinita da realidade. Além de elaborar uma teoria que condenava as bases sociais da espoliação capitalista. embora na realidade exista essa fluidez. ou seja. Para Marx. consequentemente. Essa compreensão da ação humana. considerada desse modo à compreensão não é um processo exclusivo do conhecimento cientifico. Segundo Weber. ou muito menos conscientes em toda plenitude. a Sociologia weberiana distingue três tipos de dominação legítima. A ação tradicional. assim como a ação política. A sociologia de Max Weber Para Weber a Sociologia é uma ciência que pretende compreender a ação social. o que. marcando com suas idéias. interpretando-a. da relação entre consciência e realidade e da correta inserção do homem e de sua práxis no contexto social foram conquistas jamais abandonadas pelos sociólogos. Para ele a sociedade é constituída de relações de conflito e é de sua dinâmica que surge a mudança social. Segundo Marx. O grau de coerção dos fatos sociais se torna evidente pelas sanções a que o individuo estará sujeito quando . A ação afetiva. Sempre ressalvando o caráter ideal desses tipos. nenhum dos tipos construídos deve ser considerados mais que um instrumento limitado e provisório de investigação. estéticos. e de. determinada pela crença consciente no valor seja éticos.Forças produtivas e relações de produção são condições naturais e históricas de toda atividade produtiva que ocorre em sociedade. determinada por um costume arraigado. nesse sentido. Conseqüentemente. 2. 3. cada qual com sua base. religiosos ou de qualquer outra forma como seja interpretado. Utilizava uma metodologia em que a compreensão consiste na captação do sentido subjetivo da ação (algo distinto dos nexos exteriores de causa e efeito que a envolvem). As relações de produção. a saber: a legalidade. determinada por afetos e estados sentimentais atuais. Estendendo sua análise tipológica às formas de dominação social. a noção de tipo ideal decorre da concepção acerca da infinita complexidade do real diante do alcance limitado dos conceitos elaborados pela mente humana. Weber enfoca que o fundamento da fluidez em casos de ações sociais reside em que a orientação pela conduta alheia e o sentido da própria ação de modo algum podem ser sempre precisados com toda clareza. consciente ou inconscientemente – orientada por valores. o estudo do modo de produção é fundamental para compreender como se organiza e funciona uma sociedade. A ação racional com relação a valores. Em Weber. não na realidade. A interpretação da ação humana através de tipos ideais volta-se para a apreensão do sentido subjetivo da ação. a força que os fatos sociais exercem sobre os indivíduos levando-os a conformar-se às regras da sociedade em que vivem. A sociologia de Durkheim Durkheim distingue os fatos sócias em três características: 1. por outro. Weber construiu os conceitos sociológicos básicos a partir de uma tipologia geral da ação social. Contudo. Marx redimensiona o estudo da sociedade humana. uma dimensão qualquer da ação humana admite sempre a construção de vários tipos. nem sempre são conscientes. enquanto exclui outros – seleção que é sempre. mas apela para seus motivos subjacentes. a burocracia é o exemplo mais típico do domínio legal. estabelecer relações profundas entre a realidade. determinadas por expectativas no comportamento tanto de objetos do mundo exterior como de outros homens. A expressão “ideal” sublinha precisamente o fato básico de que os tipos sociológicos só existem no plano da idéias. de maneira definitiva o pensamento cientifico e a ação política dessa época assim como das posteriores.

Estas sanções podem ser legais ou espontâneas. como todo organismo. Procura definir o objeto de estudo. RESUMO . O suicídio (1897). isto é. que afirmou a preeminência durkheimiana no mundo inteiro. de acordo com Durkheim. o que significa que a sociedade e a consciência coletiva são entidades morais. tinha por finalidade não só explicar a sociedade como também encontrar soluções para a vida social. deveriam ser medidos. A exterioridade. é social todo fato que é geral. observados e comparados independentemente do que os indivíduos envolvidos pensassem ou declarassem a respeito. Suas principais obras são: Da divisão social do trabalho (1893). são os fatos sociais. que se repete em todos os indivíduos ou. em que o normal seria aquilo que é ao mesmo tempo obrigatório para o indivíduo e superior a ele. 15 de novembro de 1917) é considerado um dos pais da sociologia moderna. Características básicas que distinguem os fatos sociais: . Émile Durkheim (Épinal. 3. os fatos sociais existem e atuam sobre os indivíduos independentemente de sua vontade ou de sua adesão consciente. Durkheim considera um fato social como normal quando se encontra generalizado pela sociedade ou quando desempenha alguma função importante para sua adaptação ou sua evolução. Essa preponderância da sociedade sobre o indivíduo deve permitir a realização desse. apresentaria estados normais e patológicos. pois é preciso definir.SOCIOLOGIA DE DURKHEIM A Sociologia de Durkheim • • • • Tentativa de emancipar a sociologia das demais teorias da sociedade ( bases científicas). isto é. cuja racionalidade só é acessível ao cientista. numa sociedade moderna. o método e as aplicações das ciências sociais. No seu livro : As regras do método sociológico define o objeto de estudo da sociologia. As formas elementares de vida religiosa (1912). Uma vez identificados e caracterizados os fatos sociais. 2. Sanções legais são aquelas prescritas pela sociedade. É reconhecido amplamente como um dos melhores teóricos do conceito da coerção social. Durkheim foi o fundador da escola francesa de sociologia. Fundou também a revista L'Année Sociologique. 15 de abril de 1858 — Paris.tenta se rebelar contra elas. mas mascaram as leis de organização social. regras de cooperação e troca de serviços entre os que participam do trabalho coletivo (preponderância progressiva da solidariedade orgânica). Tais formulações seriam apenas opiniões. antes mesmo de terem uma existência tangível. saudáveis e doentios. objetos que. A generalidade. A sociologia. Uma vez que a solidariedade varia segundo o grau de modernidade da sociedade. Regras do método sociológico (1894). sob a forma de leis. FATOS SOCIAIS • Para Durkheim o fato social é experiementado pelo indivíduo como realidade independente e preexistente. posterior a Marx. lhe sendo exteriores. Para que reine certo consenso nessa sociedade. Para ele. Durkheim procurou definir o método de conhecimento da sociologia. juízos de valor individuais que podem servir de indicadores dos fatos sociais. que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica. Sanções espontâneas seriam as que aflorariam como decorrência de uma conduta não adaptada a estrutura da sociedade ou do grupo ao qual o individuo pertence. segundo Durkheim. a explicação cientifica exige que o pesquisador mantenha certa distancia e neutralidade em relação aos fatos. desde que consiga integrar-se a essa estrutura. deve-se favorecer o aparecimento de uma solidariedade entre seus membros. resguardando a objetividade de sua análise. Partindo da afirmação de que "os fatos sociais devem ser tratados como coisas". na maioria deles. A sociologia fortaleceu-se graças a Durkheim e seus seguidores. Durkheim aconselhava o sociólogo a encarar os fatos sociais como coisas. pelo menos. segundo Durkheim. forneceu uma definição do normal e do patológico aplicada a cada sociedade. a norma moral tende a tornar-se norma jurídica. Busca no positivismo o espírito científico ( inspiração ). A sociedade.

: multas de trânsito. pois está ferindo os “bons costumes”. Por generalidade.. Objetividade do fato social: . A educação tem o papel de ajudar a internalizar as regras sociais. pelo menos. “ olhar de reprovação das pessoas”. è os indivíduos se conformam com as regras da sociedade (essa força se dá através da língua. que se repete em todos os indivíduos ou. costumes e leis que somos coagidos a aceitar por meio de mecanismo de coerção social. Sanções Espontâneas: Resposta a uma conduta inadequada. O comportamento desviante num grupo social pode não ter penalidade prevista por lei. os sentimentos comuns ao grupo. seja e educação formal ou informal. 2º) Fatores “ exteriores ao indivíduo”: Esses fatores atuam sobre o indivíduo independentemente de sua vontade ou de sua adesão consciente. (hehehehe) Os fatos sociais são ao mesmo tempo “coercitivos” e dotados de existência exterior às consciências individuais.. muitas vezes. em um determinado momento ou ao longo do tempo. as crenças ou os valores.1º) a “ Coerção Social “ .... Formas de habitação.: Você não tem escolha. como a educação. os acontecimentos manifestam sua natureza coletiva. roubo. Obs. 3º) a “generalidade” 1º) COERÇÃO SOCIAL : • FORÇA QUE OS FATOS EXERCEM SOBRE OS INDÍVÍDUOS. mas o grupo pode espontaneamente reagir castigando quem não se comporta de forma discordante em relação a determinados valores e princípios. 3º) a “generalidade” É social todo fato que é geral. mais intimidadora do que lei.: uso de determinada língua. Exemplo: Ao nascermos já encontramos as regras sociais . sejam eles os costumes. 2º) fatores “ exteriores ao indivíduo”.. sistemas de comunicação e a moral existente numa sociedade apresentam essa generalidade. na maioria deles. das leis. determinados padrões de arte. gosto culinário. das regras morais) • A FORÇA COERCITIVA SE TORNA EVIDENTE PELAS “SANÇÕES LEGAIS” OU “ESPONTÂNEAS” Sanções Legais: prescritas pela sociedade através de leis (penalidade e infração definidas) Ex. A reação negativa da sociedade a certa atitude ou comportamento é. que ocorre em distintas sociedades. Ex. Educação: Para Durkheim tem um papel importante na conformação do indivíduo à sociedade em que vivem.

 “consciência individual” X “consciência coletiva” Consciência Coletiva: “ conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à medida dos membros de uma mesma sociedade” que “ forma um sistema determinado com a vida própria” Obs. valores e sentimentos pessoais. “normal” é aquele fato que não extrapola os limites dos acontecimentos mais gerais da sociedade.• O pesquisador deve manter distanciamento e neutralidade em relação aos fatos.  Durkheim verificou que o suicídio depende de leis sociais e não da vontade dos sujeitos.  “ Patológico” é aquele que se encontra fora dos limites permitidos pela ordem social e pela moral vigente. segundo Durkheim. A consciência coletiva define o que “imoral” ou “ criminoso”. Suicídio para Durkheim:  Para Durkheim o suicídio é um fato social por sua presença universal. sendo o mais objetivo possível.  Encara a sociedade como um organismo que pode estar em estado “normal” ou ´”patológico”. conhecimento verdadeiro ) • Conselho de Durkheim para os cientistas sociais : encarar os fatos sociais como “coisas” (objeto). Ao estudar as taxas de suicídio percebeu a variação de acordo com o contexto histórico. como as doenças. são considerados transitórios e excepcionais. a sociologia tinha por finalidade não só explicar a sociedade como também encontrar soluções para a vida social. Sociedade : um organismo em adaptação:  Para Durkheim .. A Consciência coletiva:  Para Durkheim os fatos sociais independem daquilo que indivíduo pensa e faz em particular. ( busca de uma verdade.. estamos diante de um acontecimento mórbido e de uma sociedade doente. • o pesquisador deve. • Durkheim orienta o sociólogo a ater-se àqueles acontecimentos mais gerais e repetitivos e que apresentam características exteriores comuns.  fatores exteriores completamente independente aos suicidas.: os crimes. Morfologia social: as espécies sociais: .  Para Durkheim um fato social é “normal” è “generalidade” garante a “normalidade” representado através de um consenso social è vontade coletiva. mas está espalhada por toda sociedade. portanto. Os fatos patológicos . deixar de lado pré-conceitos. a adaptação e a evolução da sociedade. o “acordo”.: A consciência coletiva não se baseia na consciência de indivíduos singulares ou de grupos específicos. Ex.  Quando um fato põe em risco a “harmonia”. o “consenso” e. Portanto.

sendo assim considerado um dos primeiros grandes teóricos da mesma. os fatos sociais manifestam seu estado comum ao grupo de indivíduos (como a habitação. permanecendo em geral independentes e autônomos em relação à divisão social do trabalho. o suicídio constitui-se em fato social justamente por possuir as características apresentadas. O mesmo aconselhava o sociólogo a encarar os fatos sociais como “coisas”. da tradição e dos costumes. pois isso pode distorcer os fatos. O grau de coerção se “mede” pelas consequências a que o indivíduo se submete ao se rebelar. o trabalho científico exigia a eliminação de traços de objetividade. no interior de cada sociedade há padrões de pensamentos e conduta. Espontâneas são as que surgem quando a ação não é comum ao que a sociedade está acostumada.). Para Durkheim. Durkheim definiu o método de conhecimento da sociologia. se refere aos fatos sociais agirem sobre os indivíduos independentemente da sua vontade. As regras sociais e os costumes já existem antes do nascimento destes indivíduos. etc. além de um distanciamento básico. Depois de caracterizar os fatos sociais. Solidariedade Mecânica: Solidariedade orgânica: Predominava em sociedades pré-capitalistas. os meios de comunicação. embora não haja uma lei que penalize oficialmente. Baseando –se nessa idéia diz que o “motor” da evolução das sociedades era a passagem da solidariedade mecânica para a solidariedade orgânica. (ou para a maioria deles). O indivíduo. Coerção social é a força que os fatos exercem sobre os indivíduos. Legais são as que a sociedade prescreveu sob forma de lei. Além disso. Por conta dessa generalidade. A consciência coletiva exerce aqui todo seu poder de coerção sobre os indivíduos. A sociedade apresentaria estados normais (quando um fato social se encontra generalizado pela sociedade ou quando realiza um papel importante para sua evolução. É típico da sociedade capitalista. onde os indivíduos se identificavam por meio da família. Para Durkheim toda sociedade havia evoluído de uma forma social mais simples para uma mais complexa. ou seja. em que. cada qual se especializa numa atividade e tende a desenvolver maior autonomia pessoal. em lugar dos costumes e das tradições ou das relações sociais estreitas. embora sejam passageiros. observá-los e compará-los independentemente da opinião dos indivíduos envolvidos. mesmo resultando de causas particulares. Nas sociedades capitalistas. Durkheim publicou uma de suas obras fundamentais. ao mesmo tempo em que os indivíduos tornam-se mutuamente dependentes. por exemplo) ou “patológicos” (que são os que se encontram fora da ordem social. possui certa regularidade. aumentando ou diminuindo de intensidade em certos momentos históricos. da religião. transitórios e excepcionais). É geral (existe em todas as sociedades) e. ao praticar essa última sanção. Também segundo o mesmo. os fatos sociais possuem 3 características: coerção social. é preciso que ele deixe de lado a sua opinião pessoal sobre o estudo. mas foi Émile Durkheim quem emancipou a sociologia e a constituiu uma matéria científica. como ocorre nas sociedades contemporâneas. Com isso Durkheim queria definir a sociologia como ciência. nas quais se estabelece a infração e sua penalidade. ou seja. exterioridade aos indivíduos e generalidade. Segundo ele. pela acelerada divisão do trabalho social. assim preservando a objetividade de sua análise. Em 1895. Auguste Comte é considerado o pai da sociologia. os indivíduos se tornavam inter-independentes. embora cada indivíduo possua seu jeito de pensar e agir. E a terceira característica é a generalidade. os fatos sociais se repetem para todos os indivíduos. em que define o objetivo da Sociologia: os fatos sociais. a Sociologia tem o papel de encontrar soluções para a vida social. Essa interindependência garante a união social. “exterioridade aos indivíduos”. apenas são impostas a eles por meio da educação. Põem em risco a evolução da sociedade. está sujeito à penalização da sociedade. As consequências podem ser legais ou espontâneas. Isso ele chamou de “consciência . o sociólogo deve ser neutro em relação aos fatos. Outra teoria de Durkheim afirma que. e romper com os “achismos” que distorcem a realidade social. como o crime. Para ele. Durkheim também estudou o suicídio com profundidade. a consciência coletiva se afrouxa. Segundo ele. levando-os a se conformar com a sociedade em que vivem. A segunda característica.

na Lorraine no dia 15 de abril de 1858. regras de cooperação e troca de serviços entre os que participam do trabalho coletivo (preponderância progressiva da solidariedade orgânica). deve-se favorecer o aparecimento de uma solidariedade entre seus membros. pois é preciso definir. a norma moral tende a tornar-se norma jurídica.coletiva”. Sociologia e filosofia. Em vista desses aspectos. Para que reine certo consenso nessa sociedade. Ela revelaria o “tipo psíquico” da sociedade. Fundou também a revista L'Année Sociologique. Entrou na École Normale Supérieure em 1879 juntamente com Jean Jaurès e Henri Bergson. em que o normal seria aquilo que é ao mesmo tempo obrigatório para o indivíduo e superior a ele. que seria algo imposto aos indivíduos. . Iniciou seus estudos filosóficos na Escola Normal Superior de Paris. Ele elaborou um conjunto de técnicas de pesquisa que guiava o cientista para os meios adequados de interpretar um objeto de estudo. Ainda moço decidiu não seguir o caminho dos familiares levando. uma vida bastante secular. já que o comportamento humano resulta de características universais de uma mesma espécie. Nos seus estudos foram encontrados inovadores usos da matemática e da análise qualitativa e quantitativa. A sociologia fortaleceu-se graças a Durkheim e seus seguidores. É amplamente reconhecido como um dos melhores teóricos do conceito da coesão social. Durkheim se distingue dos demais sociólogos porque suas ideias e teorias ultrapassaram a filosofia e constituíram um sistema de teorias e metodologias sobre a sociedade. [editar]Biografia Émile Durkheim nasceu em Épinal. Essa preponderância da sociedade sobre o indivíduo deve permitir a realização deste. Uma vez que a solidariedade varia segundo o grau de modernidade da sociedade. Educação e sociologia. a partir da qual foi possível a criação de novas “espécies” sociais. Émile Durkheim Origem: Wikipédia.O suicídio (1897). Criou-se então a morfologia social. pelo contrário. Suas principais obras são: Da divisão do trabalho social (1893). explicava os fenômenos religiosos a partir de fatores sociais e não divinos. Em sua obra. como clãs e tribos. que classificava as “espécies” sociais. 15 de novembro de 1917) é considerado um dos pais da Sociologia moderna. o que significa que a sociedade e a consciência coletiva são entidades morais. “imoral” ou “reprovável” numa sociedade. que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica. posterior a Marx. Tal fato não o afastou. por exemplo. Regras do método sociológico (1895). desde que consiga integrar-se a essa estrutura. numa sociedade moderna. Durante estes estudos teve contatos com as obras de August Comte e Herbert Spencer que o influenciaram significativamente na tentativa de buscar a cientificidade no estudo das humanidades. Morreu em Paris em 15 de novembro de 1917 e encontra-se sepultado no Cemitério do Montparnasse na capital francesa[1]. Durkheim considerava que todas as sociedades evoluíram de uma forma social primitiva. os limites impostos pelo positivismo perderam a importância. Muitos de seus colaboradores. A consciência coletiva é um conjunto de regras rígidas e estabelecidas que delimitam os atos individuais. Formas elementares da vida religiosa. As regras do método sociológico. forneceu uma definição do normal e do patológico aplicada a cada sociedade. indo depois para Alemanha. tendo sido o fundador da escola francesa. que é o conjunto de crenças comuns à média dos membros de uma sociedade. Durkheim defendia outra posição: de que a Sociologia deveria ainda comparar as diferentes sociedades. 15 de abril de 1858 — Paris. Partindo da afirmação de que "os fatos sociais devem ser tratados como coisas". no entanto. Descendente de uma família judia. fazendo do trabalho de Durkheim um objeto de interesse da Sociologia conteporânea. Émile Durkheim (Épinal. que afirmou a preeminência durkheimiana no mundo inteiro. É ela que define o que é “criminoso”. Essa referência é considerada errônea. antes mesmo de terem uma existência tangível. Suas principais obras são: Da divisão do trabalho social. As formas elementares de vida religiosa (1912). entre eles seu sobrinho Marcel Mauss formaram um grupo que ficou conhecido como escola sociológica francesa. O suicídio. da comunidade judaica. referindo-se às espécies biológicas. a enciclopédia livre.

Ora. portanto. O homem que inovou construindo uma nova ciência inovava novamente se preocupando com fatores psicológicos. Era necessário revelar as leis que regem o comportamento social. dá seriedade à nova ciência. elas agem fazendo força contra as mudanças. Ele parte do princípio que o homem seria apenas um animal selvagem que só se tornou Humano porque se tornou sociável. sua defesa das instituições se baseia num ponto fundamental. sem limites leva o ser humano ao desespero.governo. é o conjunto de regras e procedimentos padronizados socialmente. quer seja família. o que as pessoas sentem. Não é algo que seja imposto especificamente a alguém. que embora sendo em boa parte extraída das ciências naturais. Basta uma rápida observação do contexto histórico do século XIX. foi capaz de aprender hábitos e costumes característicos de seu grupo social para poder conviver no meio deste. conservadoras por essência. os quais serviram de pontos expiatórios para os inícios de debates contra Gabriel Tarde (o que perdurou praticamente até o fim de sua carreira). a consciência coletiva seria então formada durante a nossa socialização e seria composta por tudo aquilo que habita nossas mentes e que serve para nos orientar como devemos ser. Seus estudos foram fundamentais para o desenvolvimento da obra de outro grande homem: Freud. protegido e respaldado. antes da existência daPsicologia. qualquer alteração afeta toda a sociedade. Partindo deste raciocínio ele desenvolve dois dos seus principais conceitos:Instituição social e Anomia. o que comanda os fatos sociais. o que quer dizer que se algo não vai bem em algum setor da sociedade. muita gente vivendo em condições miseráveis. Preocupado com esse desespero. A anomia era a grande inimiga da . cuja importância estratégica é manter a organização do grupo e satisfazer as necessidades dos indivíduos que dele participam. classificou como patologia social. desempregados. aceitos e sancionados pela sociedade. "em estado de anomia"). Mas Durkheim não pode ser meramente tachado de conservador. As instituições são. sem valores. valores tradicionais eram rompidos e novos surgiam. polícia ou qualquer outra. exterioridade e coercitividade. Aos problemas que observou. ou seja. pensam ou fazem independente de suas vontades individuais. Isto é. onde define uma metodologia de estudo. Se tudo na sociedade está interligado. Seu principal trabalho é na reflexão e no reconhecimento da existência de uma "Consciência Coletiva". é um comportamento estabelecido pela sociedade. A este processo de aprendizagem. E esse "tudo" ele chamou de "Fatos Sociais". Durkheim deixa bem claro em sua obra o quanto acredita que essas instituições são valorosas e parte em sua defesa. Uma sociedade sem regras claras (num conceito do próprio Durkheim. reconhecidos. que durante muitos anos causou antipatia a sua obra. doentes e marginalizados. o ser humano necessita se sentir seguro. Em seus estudos. do suicídio e da religião. é algo que já estava lá antes e que continua depois e que não dá margem a escolhas. porém sua obra inteira é dedicada à Sociologia. Nem tudo que uma pessoa faz é um fato social. o que o deixou com uma certa reputação de conservador. havia muito questionamento. escola. Durkheim se dedicou ao estudo da criminalidade. pela manutenção da ordem. ele concluiu que os fatos sociais atingem toda a sociedade. toda ela sentirá o efeito. Durkheim chamou de "Socialização". numa sociedade integrada essa gente não podia ser ignorada. para ser um fato social tem de atender a três características: generalidade. ou seja. sentir e nos comportar. O mérito de Durkheim aumenta ainda mais quando publica seu livro "As regras do método sociológico". o que só é possível se admitirmos que a sociedade é um todo integrado. e chamou aquela sociedade doente de "Anomana". e disse que esses eram os verdadeiros objetos de estudo da Sociologia. A instituição social é um mecanismo de proteção da sociedade.[editar]Pensamento Durkheim formou-se em Filosofia. porque de uma forma ou de outra. para se perceber que as instituições sociais se encontravam enfraquecidas. toda a sociedade sofreria as consequências.

entender e ajudar a sociedade.sociedade. O suicídio. As formas elementares de vida religiosa. e também sentirá a necessidade de se manter coeso e solidário aos outros. 1895. que realmente precise da sociedade de forma orgânica. onde discorre sobre a necessidade de se estabelecer uma solidariedade orgânica entre os membros desta. ele estará vinculado a ela através de um sistema de direitos e deveres. 1912. 1897. A solução estaria em seguir o exemplo de um organismo biológico. portanto. Regras do método sociológico. 1893. algo que devia ser vencido. Na tentativa de "curar" a sociedade da anomia. O importante para Durkheim é que o indivíduo realmente se sinta parte de um todo. interiorizada e não meramente mecânica. Durkheim escreve "Da divisão do trabalho social". onde cada órgão tem uma função e depende dos outros para sobreviver. e a sociologia era o meio para isso. O papel do sociólogo seria. [editar]Principais     obras Da divisão do trabalho social. . estudar. Se cada membro exercer uma função específica na divisão do trabalho da sociedade.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful