Você está na página 1de 12

INTRODUÇÂO

No âmbito da disciplina de Estatística foi-nos proposto a realização de um estudo sobre
os hábitos desportivos da população estudantil de Rio Maior.
Pretendeu-se conhecer o comportamento dos jovens do sexo masculino face ao desporto
nomeadamente relativamente à frequência da actividade desportiva, ao grupo de
modalidades favoritas, quanto ao desporto extra-curricular e quanto à forma como este è
praticado (Formal/Informal) e as razões para a não prática de desporto.
As conclusões deste advêm da análise dos dados estatísticos recolhidos através de um
inquérito realizado junto das escolas do concelho de Rio Maior.
A realização deste tipo de estudo é importante sobretudo para a área da Gestão
Desportiva visto que é um elemento necessário para a adaptação da oferta desportiva ir
ao encontro do praticante.
Assim procuramos conhecer a adesão ao desporto por forma a rentabilizarem-se os
recursos e a racionalizarem-se as escolhas em matéria de politica desportiva.
Revisão Bibliográfica

A nossa revisão bibliográfica recai sobre um único livro. Livro esse de Salomé
Marivoet que se intitula “Hábitos Desportivos da População Portuguesa”. Este livro dá-
nos dados acerca da procura desportiva, ao percurso desportivo, à participação no
associativismo desportivo, ao interesse da população pelo espectáculo e os media e às
opiniões sobre as instalações desportivas.
Assim através de uma breve análise deste livro verifica-se que a população portuguesa é
uma população que pratica pouco desporto pois apenas 23% é praticante assíduo de
desporto. Estes procuram o desporto principalmente para manutenção da condição física
(26%), seguido da procura de divertimento (24%) e do gosto pela prática desportiva
(19%).
Por outro lado, a não prática de desporto deve-se sobretudo à falta de tempo ( 43%) que
a população cada vez mais sofre devido ao emprego e à família. Por outro a cada vez
mais envelhecida população portuguesa tem como que uma fobia da pratica de desporto
(16%).
Verifica-se que na região centro à uma participação de 14%, sendo esta zona uma das
menos participativas do país. Esta é também uma região que tem uma problema grave, a
alta taxa de abandono da prática desportiva (73%).
Constata-se através dos dados que a região centro é uma região que apresenta uma taxa
de participação desportiva organizada e não organizada idêntica (7%).
No âmbito da prática desportiva organizada deparamo-nos ainda que os clubes
associativos detêm a maior fatia do bolo com a percentagem de 43%, seguido pelas
instituições públicas.
Na sua maioria a prática desportiva é desenvolvida entre amigos, logo conclui-se que é
a prática desportiva colectiva a que acolhe mais adeptos.
Em Portugal verifica-se que a modalidade mais praticada é o futebol (30%). Não
fugindo ao panorama nacional, a zona centro apresenta uma percentagem de 35% de
preferências pelo futebol.
Assim com a análise deste livro conclui-se que a prática desportiva em Portugal, e mais
especificamente na zona Centro é muito reduzida, e quando acontece, acontece
maioritariamente no âmbito dos clubes. Esses clubes são especialmente dedicados ao
futebol daí que se possa dizer que temos um país “futebolizado”. Assim Portugal
apresenta valores muito próximos do resultados dos países do sul da Europa, porém
muito abaixo dos valores.
Metodologia

O nosso estudo teve como base informativa um Inquérito sobre os Hábitos Desportivos
da População Estudantil do Concelho de Rio Maior, aplicado a uma amostra
representativa da população masculina, entre os 10 e os 20 anos, que residem e estudam
no Concelho de Rio Maior.
A nossa amostra é constituída por 76 indivíduos.
Assim os indivíduos foram seleccionados segundo três variáveis: sexo, idade e ano de
escolaridade.
A recolha de informação foi feita pelos membros do grupo, utilizando a técnica de
inquérito através do contacto directo com os entrevistados.
Após a recolha dos dados procedeu-se ao tratamento dos dados. Assim os dados
retirados deram origem à seguinte tabela:

Idade AnoEscolar Act.Fisica Mod.Preferida ForaEscola SimQual Tipo NaoPorquê
Suj1 13 7 Frequente Colectivos Sim Futebol Informal
Suj2 14 7 Frequente Colectivos Sim Futebol Informal
Suj3 13 7 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj4 13 7 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj5 15 10 Às vezes Colectivos Não Sedentarismo
Suj6 12 7 Nenhuma Colectivos Não Sedentarismo
Suj7 17 9 Frequente Colectivos Sim Basquetebol Federado
Suj8 17 9 Frequente Colectivos Sim Futsal Federado
Suj9 16 10 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj10 15 8 Raramente Colectivos Não Sedentarismo
Suj11 19 12 Frequente Natureza Sim Natação Federado
Suj12 16 9 Às vezes Colectivos Não Sedentarismo
Suj13 14 7 Às vezes Colectivos Sim Futebol Federado
Suj14 13 8 Frequente Colectivos Não Deslocamento
Suj15 14 8 Às vezes Colectivos Sim Artes Marciais Federado
Suj16 13 8 Frequente Colectivos Sim Tenis Informal
Suj17 13 8 Frequente Colectivos Não Financeira
Suj18 15 10 Às vezes Combate Não Saúde
Suj19 18 12 Frequente Colectivos Sim Futebol Informal
Suj20 15 8 Às vezes Colectivos Não Sedentarismo
Suj21 14 9 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj22 15 10 Frequente Individuais Sim Natação Federado
Suj23 16 10 Às vezes Colectivos Sim Futsal Federado
Suj24 17 9 Frequente Colectivos Sim D. Radicais Informal
Suj25 17 9 Às vezes Combate Sim Ciclismo Informal
Suj26 16 10 Às vezes Colectivos Não Falta Tempo
Suj27 14 8 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj28 12 10 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj29 16 11 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj30 16 10 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj31 14 7 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj32 10 5 Frequente Colectivos Sim Futebol Informal
Suj33 15 7 Frequente Colectivos Sim Atletismo Federado
Suj34 16 7 Às vezes Individuais Sim Atletismo Informal
Suj35 17 9 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj36 16 7 Frequente Individuais Não Sedentarismo
Suj37 16 9 Às vezes Colectivos Não Deslocamento
Suj38 16 7 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj39 16 7 Às vezes Colectivos Não Deslocamento
Suj40 15 7 Frequente Individuais Não Falta Moda.
Suj41 16 7 Às vezes Colectivos Não Deslocamento
Suj42 14 7 Frequente Combate Não Insucesso Esc.
Suj43 17 12 Frequente Colectivos Sim Basquetebol Informal
Suj44 18 12 Frequente Colectivos Sim Ciclismo Federado
Suj45 15 8 Frequente Combate Sim Artes Marciais Federado
Suj46 16 8 Frequente Colectivos Sim Fitness Informal
Suj47 18 12 Frequente Colectivos Sim Futebol Informal
Suj48 17 12 Às vezes Natureza Sim Ciclismo Informal
Suj49 20 12 Às vezes Colectivos Não Falta Moda.
Suj50 18 12 Frequente Colectivos Sim Artes Marciais Federado
Suj51 17 12 Raramente Natureza Não Falta Moda.
Suj52 15 7 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj53 18 11 Frequente Colectivos Sim Ciclismo Informal
Suj54 13 7 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj55 16 9 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj56 17 11 Raramente Colectivos Não Saúde
Suj57 15 9 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj58 16 11 Frequente Colectivos Sim Ciclismo Informal
Suj59 16 10 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj60 17 10 Às vezes Colectivos Sim Andebol Federado
Suj61 16 9 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj62 17 10 Raramente Colectivos Não Sedentarismo
Suj63 12 9 Às vezes Combate Não Falta Moda.
Suj64 17 11 Raramente Colectivos Sim Ciclismo Informal
Suj65 16 11 Frequente Colectivos Sim Artes Marciais Federado
Suj66 17 11 Às vezes Combate Sim Fitness Informal
Suj67 15 7 Frequente Natureza Sim Ciclismo
Suj68 16 9 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj69 15 8 Às vezes Individuais Não Falta Moda.
Suj70 16 11 Frequente Colectivos Sim Andebol Federado
Suj71 17 11 Às vezes Colectivos Não Deslocamento
Suj72 17 12 Frequente Colectivos Sim Futebol Federado
Suj73 15 9 Às vezes Colectivos Não Sedentarismo
Suj74 15 9 Às vezes Natureza Sim Futebol Federado
Suj75 18 10 Às vezes Colectivos Não Falta Moda.
Suj76 16 9 Às vezes Colectivos Não Sedentarismo
Apresentação e Discussão dos dados

PROCURA DESPORTIVA FORA DA ESCOLA

Através da análise dos resultados dos inquéritos sobre os hábitos desportivos da
população estudantil de Rio Maior verificamos que cerca de 67% dos inquiridos
praticam desporto fora da escola.

X F Fr
Sim 51 67,11
Não 25 32,89
76 100,00

Prática Fora da Escola

33%

Sim
Não

67%

Prática Desportiva Federada/Informal

Destes 67%, verifica-se que 66,67% dos praticantes que procuram o desporto fora da
escola, procuram este para competição. Este desenvolve-se em clubes, associações,
colectividades entre outros.
Os restantes praticam desporto por auto-recreação, com o objectivo da melhoria da

condição física e psíquica.
X F Fr
Federado/Inform al
Federado 34 66,67
Informal 17 33,33
51 100

33%

Federado
Informal

67%

Preferências por Tipo de Modalidade

Sendo a população portuguesa um população que prefere preferencialmente desportos
colectivos, a conclusão a que se chega com este trabalho não é nenhuma novidade.
Assim com uma frequência de 60 (78,95%), as modalidades colectivas são a moda.

X F Fr Frac
Colectivos 60 78,95 78,95
Individuais 5 6,58 85,53
Combate 6 7,89 93,42
Natureza 5 6,58 100,00
76 100

Preferências por Tipo de Modalidade

7%
8%

7%
Colect ivos
Individuais
Combat e
Nat ureza

78%
Quais as modalidades no âmbito extra-curricular?

Através da observação dos dados verificamos que a moda é o futebol com uma
frequência de 16.
Apesar do futebol ser a modalidade desportiva mais praticada, foi para nós com alguma
surpresa que o andebol estivesse muito próximo. Este facto deve-se também ao nível de
andebol juvenil que é praticado pelo clube local com resultados já demonstrados,
resultados esses que fazem com que alguns dos seus jovens atletas representem o
distrito, na selecção distrital. O facto de a procura desportiva ser tão diversificada, pode
dever-se também às condições desportivas que o próprio concelho oferece, condições
estas que são tão diversificadas como as modalidades procuradas pelos jovens. Podemos
destacar a proximidade entre o complexo desportivo e as instituições escolares, assim
como a distância a que os equipamentos estão uns dos outros. Estes factores permitem
uma melhor divulgação das várias modalidades que são oferecidas e uma melhor e
maior procura das mesmas.

X F
Modalidades Praticadas
Futebol 16
Andebol 12 18
Basquetebol 2
16
Futsal 2
Natação 2 14

Atletismo 2 12
Ténis 1 10
Ciclismo 7 8
Artes Marciais 4
6
Fitness 2
Desportos Radicais 1 4

51 2

0
ol

s
l
ol

o

s
l

o
s

ss
bo

sa

ai
ai
m

ni

m
eb
b

e

ic
ci
de

t
te

Te
tis

lis
Fu

tn
et

ad
ar
Fu

le

ic
An

Fi
u

M

R
C
At
sq

s

s
Ba

te

rto
Ar

po
es
D

Percentagem de Participação por Modalidade

4% 2% Futebol
8%
Andebol
30% Basquetebol
Futsal
14%
Natação
Atletismo
2% Tenis

4% Ciclismo
Artes Marciais
4%
Fitness
4% 24% Desportos Radicais
4%
Comparação entre as preferências e a procura?

Através da análise dos gráficos anteriores referentes às preferências e à procura por
modalidade verificamos que as preferências influenciam directamente a procura, ou
seja, quem prefere modalidades colectivas procura geralmente modalidades colectivas
como o futebol ou o andebol.

Razões para não praticar desporto

Fomos procurar as razões do porquê dos 33% da população juvenil não praticar
desporto. Assim encontramos 7 grandes grupos de razões para este fenómeno: falta de
tempo, deslocamento, razões de saúde, razões financeiras, sedentarismo, insucesso
escolar e falta de modalidade.

X F Fr
Sedentarismo 9 36%
Falta modalidade 6 24%
Deslocamento 5 20%
Saúde 2 8%
Financeira 1 4%
Falta de Tempo 1 4%
Insucesso Escolar 1 4%

Razões para não praticar desporto

Insucesso Escolar

Falta de Tempo

Financeira

Saúde

Deslocamento

Falta modalidade

Sedentarismo

0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40%

Do conjunto das 7 principais razões escolhidas pelos inquiridos para o facto de não
praticarem desporto, o sedentarismo (o típico “não me apetece”) é a principal razão
apontada por cerca de 36% dos não praticantes, seguida da falta de modalidade (24%),
do deslocamento (19%) e por motivos de saúde (8%) entre outras.
PRÁTICA DESPORTIVA

Participação desportiva segundo regularidade

X F Fr
Nenhuma 1 1%
Raramente 5 7%
às vezes 24 32%
Frequentemente 46 61%

Quantificação da Prática Desportiva

Frequentemente

às vezes

Fr
Raramente

Nenhuma

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70%
CONCLUSÃO

Conclui-se com a análise deste trabalho que dos 76 inquiridos, 67% pratica desporto
fora da escola, logo conclui-se que a população estudantil é activa desportivamente.
Em relação à educação física os desportos colectivos são “reis” e podemos ter também
como parâmetro que as modalidades praticadas fora da escola são as modalidades
desportivas colectivas, logo conclui-se que existe uma relação forte entre as preferências
e as escolhas.
Os jovens que praticam desporto fora da escola, na sua maioria (66,67%), praticam-no
de uma forma formal, logo este é praticado tendo em vista a competição.
Ao que os dados nos indicam não há uma relação forte entre o volume de prática
desportiva e o facto de não se praticar desporto fora da escola, pois analisando o gráfico
relativo à quantificação da prática desportiva e o gráfico relativo à prática de desporto
fora da escola verifica-se que há uma percentagem de 33% de não praticantes fora da
escola e apenas 1% dos indivíduos classifica a sua prática como nula. O facto de existir
uma grande percentagem de indivíduos a praticar desporto de forma formal, pode dever-
se a diversos factores tais como: diversidade de modalidades, proximidade do complexo
desportivo e as instituições escolares, resultados desportivos dos próprios clubes e a
divulgação por parte dos organismos públicos dos benefícios da prática desportiva.
Considera-se então, que o concelho de Rio Maior apresenta um regime de excepção
quanto à diversidade e qualidade das instalações desportivas, que obrigatoriamente
contribuem para uma melhor oferta e consequentemente uma maior procura.
Apesar de todas estas condições continua a existir uma percentagem considerável de
não praticantes (33%), destes 36% apontam a falta de apetência para a prática tornando-
se sedentários quanto ao desporto fora da escola. Estes 36% são assim o grupo de maior
risco visto que apenas praticam desporto na escola, este facto é preocupante pois quando
acabarem o seu percurso escolar em que a educação física é obrigatória estes jovens
deixaram de praticar desporto, tornando-se mais vulneráveis a determinados problemas
de saúde e condição física.
Por outro lado, a falta de modalidade afecta 24% dos indivíduos. Este é um facto
curioso pois apesar deste concelho possuir condições únicas para a prática de desporto é
de estranhar que este número de não praticantes não encontre uma actividade do seu
gosto.
Enquanto futuros gestores, este número de não praticantes é uma oportunidade a ter em
conta no futuro, isto porque este é o mercado que tem de ser satisfeito, pois se os que já
praticam têm apenas de ser mantidos na prática, estes têm de levados para esta. Assim
para conseguir dar uma resposta a isto, seria talvez necessário fazer um novo estudo que
nos desse a conhecer os desejos da população. Sendo um concelho pequeno e com uma
variedade de modalidades tão diversa quanto a que existe, não sabemos se seria a
melhor solução o aparecimento de novas modalidades ou com as já existentes tentar
puxar estes jovens para uma prática desportiva frequente.
Bibliografia

Marivoet, Salomé (2001). “Hábitos Desportivos Da População Portuguesa”, Novicópia,
Lda , Lisboa

Romero, F., (1998), Sebenta de Estatística, Ed. ESDRM

Sites consultados:

www.ine.pt
www.cm-riomaior.pt
Indíce

INTRODUÇÂO ................................................................................................................ 1
Revisão Bibliográfica ....................................................................................................... 2
Metodologia ...................................................................................................................... 3
Apresentação e Discussão dos dados................................................................................ 5
PROCURA DESPORTIVA FORA DA ESCOLA .......................................................... 5
Prática Desportiva Federada/Informal .......................................................................... 5
Preferências por Tipo de Modalidade........................................................................... 6
Quais as modalidades no âmbito extra-curricular?....................................................... 7
Comparação entre as preferências e a procura?............................................................ 8
Razões para não praticar desporto ................................................................................ 8
PRÁTICA DESPORTIVA ............................................................................................... 9
Participação desportiva segundo regularidade ............................................................. 9
CONCLUSÃO ................................................................................................................ 10
Bibliografia ..................................................................................................................... 11