PROCEDIMENTOS 2011

EXPEDIENTE

MESA DIRETORA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Presidente Desembargadora Telma Laura Silva Britto 1ª Vice-Presidente Desembargadora Maria José Sales Pereira 2º Vice-Presidente Desembargador Sinésio Cabral Corregedor-Geral Desembargador Jerônimo dos Santos Corregedora das Comarcas do Interior Desembargadora Lícia de Castro Laranjeiras Carvalho

NOTA INTRODUTÓRIA
Este manual tem por objetivo uniformizar os procedimentos nos Balcões de Justiça e Cidadania, tornando-os mais ágeis. Ele contém formulários administrativos e processuais para utilização nas unidades. Alguns deles trazem informações sob o título de Nota Explicativa. Essas notas devem ser deletadas por ocasião da utilização dos formulários.

SUMÁRIO Notas Explicativas O Procedimento Fluxograma Documentos necessários para celebração de acordos Sessão de Mediação Elaboração do Termo de Acordo Acordo de Alimentos Guarda Divórcio e Dissolução de União Estável Partilha de Bens Reconhecimento Espontâneo de Paternidade Valor da Causa Averbação Descumprimento dos Termos de Acordo Encaminhamento dos Termos de Acordo à Coordenação Jurídica Rotinas Administrativas Termos de Acordos Divórcio – com partilha de direito sobre posse de imóvel Divórcio – com partilha de propriedade de imóvel Divórcio – sem bens a partilhar Divórcio – guarda alternada Conversão de Separação Judicial em Divórcio Restabelecimento de Sociedade Conjugal Reconhecimento e Dissolução de União Estável – com partilha de direito sobre posse de imóvel Reconhecimento e Dissolução de União Estável – sem bens a partilhar Reconhecimento e Dissolução de União Estável Entre Pessoas do Mesmo Sexo Pensão de Alimentos Pensão de Alimentos Gravídicos Pensão de Alimentos – Composição/Parcelamento de Dívida Pensão de Alimentos – Revisão Pensão de Alimentos – Exoneração Pensão de Alimentos – Criança em família extensa Reconhecimento Espontâneo de Paternidade e Alimentos Compromisso Para Realização de Exame de DNA Reconhecimento de Paternidade e Alimentos (posterior ao exame de DNA) Ata de Sessão de Mediação – Sem Reconhecimento de Paternidade Ata de Sessão de Mediação – Exame de DNA Negativo Cível Extrajudicial Formulários Administrativos Atestado de Comparecimento Carta Convite Carta Convite – 2ª Tentativa Carta Convite – Coelba Controle de Atendimento Encaminhamento à Secretaria Jurídica Ficha de Atendimento Pauta de Conciliação Recibo Estatística Diária Relatório Mensal das Atividades Questionário de Pesquisa de Opinião do Jurisdicionado

09 10 11 11 12 12 14 15 16 17 17 17 18 19 19

21 23 25 27 29 30 31 33 34 35 37 39 40 41 42 44 46 47 49 50 51

52 53 54 55 56 57 59 60 61 62 63 64

Formulários Administrativos – Unidades Administradas pelo TJ Controle de Frequência – Ofício Controle de Frequência – Formulário Relação de Bens Patrimoniais Móveis Transferência de Bens Patrimoniais Móveis Atos da Secretaria Jurídica Procedimentos da Secretaria Jurídica Fluxograma Formulário de Verificação de Regularidade de Processos Formulário de Despachos Sentença – Pensão de Alimentos Sentença – Divórcio Consensual com Alimentos Sentença – Conversão de Separação Judicial em Divórcio Consensual Sentença – Reconhecimento e Dissolução de União Estável Sentença – Restabelecimento de Sociedade Conjugal Sentença – Reconhecimento Espontâneo de Paternidade com Alimentos

65 66 67 68

71 72 73 74 75 76 77 78 79 80

Balcão de Justiça e Cidadania

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

8

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

O Procedimento O procedimento adotado no Balcão de Justiça e Cidadania (BJC), estabelecido no art. 22 e seguintes da Resolução nº 5/2006-TJ-BA, é simples e tem início com o atendimento do interessado, momento em que é verificada a questão relativa à competência. Em caso afirmativo, é solicitada a apresentação dos documentos necessários, designada sessão para mediação e expedido convite para mediação, conforme modelos constantes deste Manual. Antes de dar início ao procedimento, é imprescindível consultar o Sistema de Acompanhamento e Informações Processuais (SAIPRO) para informar-se quanto à tramitação de ação idêntica em vara de família. Nas unidades que não disponham do Sistema, deve-se indagar ao interessado acerca da eventual existência de processo idêntico, uma vez que, havendo litispendência, todo o trabalho realizado poderá ser perdido, porque o acordo não poderá ser cadastrado na Secretaria Jurídica. Obtida a conciliação, um termo de acordo é redigido e assinado pelas partes e por duas testemunhas. Os documentos, as minutas dos termos de acordo e os demais formulários necessários às atividades dos Balcões encontram-se inseridos neste Manual. No divórcio, alimentos, dissolução de união estável e reconhecimento espontâneo de paternidade, o respectivo termo deve ser remetido à Coordenação Jurídica, para lançamento no Sistema de Acompanhamento e Informações Processuais – SAIPRO, ouvida do representante do Ministério Público, homologação judicial, expedição de mandado de averbação e de ofícios, quando necessários. Quando o acordo envolver prestação de alimentos, a Secretaria remeterá ao BJC, para serem entregues ao alimentando, cópias autenticadas do acordo, sentença homologatória e certidão da publicação, para a utilização em eventual pedido de execução. Não sendo solucionado o conflito ou não sendo ele passível de tratamento no BJC, por falta de competência deste, deve ser oferecida ao interessado a orientação necessária e efetuado o encaminhamento para o órgão competente. Em caso de dúvida, deverá ser consultado o supervisor da unidade, podendo ainda ser consultada a Assessoria da Presidência III – Projetos ou Secretaria Jurídica, nos endereços e telefones mencionados ao final. O fluxograma a seguir, traduz a simplicidade dos procedimentos adotados:

9

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Fluxograma dos Procedimentos nos BJC

INTERESSADO

APRESENTA UM CONFLITO DE MATÉRIA DA COMPETÊNCIA DO BALCÃO

BJC PREENCHE A FICHA DE ATENDIMENTO

APRESENTA UMA CONSULTA OU UM CONFLITO DE MATÉRIA FORA DA COMPETÊNCIA DO BALCÃO

DESIGNA SESSÃO PARA MEDIAÇÃO E EXPEDE A CARTA CONVITE

CONFLITO NÃO SOLUCIONADO

CONFLITO SOLUCIONADO

ORIENTA E ENCAMINHA AO ÓRGÃO COMPETENTE MATÉRIA CÍVEL REDIGE O TERMO DO ACORDO EXTRAJUDICIAL, ENTREGA UMA VIA PARA CADA PARTE E ARQUIVA UMA VIA

MATÉRIA DE FAMÍLIA  REDIGE O TERMO DO ACORDO;  AUTUA OS DOCUMENTOS;  REMETE OS AUTOS À COORDENAÇÃO JURÍDICA, PARA HOMOLOGAÇÃO DO ACORDO;  ORIENTA A PARTE PARA AGUARDAR A PUBLICAÇÃO DA SENTENÇA E A EXPEDIÇÃO DO MANDADO DE AVERBAÇÃO.  ENTREGA A CÓPIA DO ACORDO DE ALIMENTOS, DA SENTENÇA HOMOLOGATÓRIA E DA CERTIDÃO DA PUBLICAÇÃO.

10

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Documentos necessários para celebração de acordos Para a celebração de acordos de Divórcio e Alimentos é necessária a apresentação de: 1) Documento de identidade expedido pela SSP ou equivalente; 2) CPF (se possível); 3) Comprovante de Residência (vide observação a seguir); 4) Certidão de Casamento; 5) Certidão de Nascimento dos filhos ou Carteira de Identidade; 6) Título de propriedade ou posse dos imóveis a partilhar. Observações: 1) Podem ser aceitos comprovantes de residência mesmo quando emitido em nome de terceiro. Na falta do comprovante, poderá este ser substituído por declaração da própria parte. 2) Deve ser juntado ao acordo o documento comprobatório da posse, mas a inexistência desse documento não constitui obstáculo para a homologação do acordo. Neste caso, deve ser declarado no termo de acordo que as partes não possuem título de posse. 3) Quando os divorciandos residirem no mesmo local, recomenda-se que um deles assine declaração na qual fique esclarecido o seu endereço (informando-se, por exemplo, que a divorcianda mora em determinada rua e número, mas em andar diferente ou na parte da frente ou fundos do imóvel, conforme o caso). Sessão de Mediação Na sessão de conciliação é importante a geração de confiança pelo mediador em relação às partes, desde a apresentação, oportunidade em que devem ser ressaltadas as informações quanto à confidencialidade do procedimento e imparcialidade do tratamento, buscando-se um ambiente harmonioso. A mediação deve ser precedida da apresentação das regras, de forma breve e clara, tal como sugerido no texto exemplificativo a seguir: “Boa tarde, meu nome é... sou mediador deste Balcão; agradeço a presença de vocês (ou senhores) por atenderem ao nosso convite para participar desta sessão de mediação, que consiste em um meio de obter, gratuitamente, em espaço curto de tempo, uma solução amigável que satisfaça a ambos. Não sou Juiz, meu papel aqui é de ajudá-los a encontrar essa solução. Serei imparcial. Vocês terão o mesmo tempo para falar e o que for dito aqui não será utilizado contra vocês em qualquer hipótese. Peço o respeito para ouvir, quando o outro estiver com a palavra, pois será dada a mesma oportunidade a cada um. Caso necessário, vocês poderão ser ouvidos em separado. Para que seja alcançada uma solução, é importante que ambos estejam dispostos a ouvir e respeitar o outro. Comportamentos hostis não serão admitidos. É importante que exista aqui um ambiente de respeito e cooperação para que todos possam falar e ser ouvidos. Alguma dúvida? Podemos começar?” Depois de definido quem falará primeiro, o mediador pedirá ao interessado que exponha as suas razões com tranquilidade e solicitará ao outro que escute com atenção, aplicando o seu conhecimento sobre técnicas de mediação. Caso um dos presentes esteja acompanhado de advogado, deve este ser admitido na sessão de mediação, oportunidade em que o mediador deverá esclarecê-lo acerca da finalidade do ato, que tem por objetivo a pacificação do conflito. Nesta hipótese, recomenda-se cuidado redobrado para que a participação do referido profissional não coloque em desvantagem ou iniba a parte eventualmente desacompanhada de advogado.

11

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Sobre o tema, recomenda-se como leitura o artigo “Noções Gerais Sobre Mediação de Conflitos”, da professora Mônica Carvalho Vasconcelos, disponível no site do Tribunal de Justiça, bem como o Manual de Mediação Judicial, do Ministério da Justiça, distribuído aos supervisores de unidades.

Elaboração do Termo de Acordo Este manual contempla os modelos de termos de acordo de uso mais comum. Para evitar a repetição de texto, foram concentradas nos acordos de divórcio as variações que normalmente ocorrem em relação à situação patrimonial do casal e guarda dos filhos, variações essas que devem repercutir, quando for o caso, nas minutas de reconhecimento e dissolução de união estável. Os termos de acordo em geral devem ter a clareza necessária, para evitar dúvidas quando da sua aplicação, e ser absolutamente fiéis ao que foi acordado entre as partes. Eles devem conter a identificação do Balcão e a correta grafia dos nomes, qualificação das partes e datas. Devem ser emitidos com as seguintes quantidades de vias: 1 via para cada parte. 1 via para compor os autos (fls. 2). 1 via para inserir na contracapa do processo (se for divórcio com alimentos, inserir 2 vias). 1 via para arquivamento na unidade. O termo de acordo deve, ainda, conter as assinaturas das partes, estagiários e advogado. Antes das assinaturas, recomenda-se a leitura do termo de acordo em voz alta, para que seja possível identificar eventuais equívocos. Com o mesmo propósito, sugere-se que, sempre que possível, o estagiário que não redigiu o termo efetue a sua revisão. Se a parte encontrar-se impossibilitada de subscrever o termo de acordo, por qualquer motivo, outra pessoa capaz poderá assinar por ela, a seu rogo, sendo ideal que essa pessoa seja da confiança da parte, quando analfabeta, podendo ser parente seu. É necessário anexar ao processo cópia de documento de identificação da pessoa que assinou pela parte, para fins de conferência. Será ainda necessário o testemunho de duas pessoas presentes ao ato. O termo de acordo poderá ser encerrado do seguinte modo: Tendo o Senhor... declarado encontrar-se impossibilitado de assinar o presente termo, por ser analfabeto, assina a seu rogo a Sra. ..., CPF nº ...... ________________________________________ Assinatura da parte ________________________________________ Nome do subscritor Por a rogo do Sr....... Testemunhas: ________________________

___________________________

Acordo de Alimentos Nessa espécie de acordo aplica-se a regra de que quem não fica com a guarda do filho menor deve prestar alimentos, que decorre da necessidade de proteção do interesse da criança e das características da obrigação alimentar, sobretudo a irrenunciabilidade, sem se perder de vista o binômio necessidade-capacidade. O ideal é que se chegue a um valor mais equilibrado possível, levando-se em conta fatores como a quantidade de filhos e a capacidade econômica dos pais. A fixação de alimentos em valor excessivo leva ao inadimplemento e a fixação em valor insuficiente faz com que a parte retorne ao Judiciário para solicitar a revisão da pensão.

12

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

O art. 1.696 do Código Civil estabelece que o direito à prestação de alimentos é recíproco entre pais e filhos, e extensivo a todos os ascendentes, recaindo a obrigação nos mais próximos em grau, uns em falta de outros, e o seu art. 1.698 estabelece que se o parente, que deve alimentos em primeiro lugar, não estiver em condições de suportar totalmente o encargo, serão chamados a concorrer os de grau imediato e, sendo várias as pessoas obrigadas a prestar alimentos, todas devem concorrer na proporção dos respectivos recursos. Nos acordos que envolvem obrigação de prestação de alimentos, é necessário definir o valor da pensão, o modo de pagamento e a forma de reajustamento, além das disposições relativas à guarda e visitação dos filhos menores. Sendo fixados em dinheiro, é recomendável estabelecer proporcionalidade em relação ao salário mínimo, para permitir futuros reajustamentos da pensão, na mesma proporção do aumento do valor do referido salário. É aconselhável que o acordo, além da pensão alimentícia, contenha previsão sobre despesas extraordinárias, tais como as realizadas com a aquisição de medicamento, de aparelhos ortodônticos, óculos, consultas médicas, material e fardamento escolar, dentre outras. Caso a representante do alimentando não disponha de conta corrente, deverá ser estabelecida a obrigação de pagamento mediante recibo. Poderá ainda a interessada ser orientada a abrir conta corrente ou, ainda, poderá ser adotada a cláusula a seguir, na qual se declara que a referida representante informará posteriormente ao alimentante os dados da conta corrente (número, banco, e agência), a partir de quando o alimentante ficará obrigado a efetuar os pagamentos mediante depósito: A alimentanda providenciará a abertura de conta bancária para o recebimento dos valores devidos em razão do presente acordo e comunicará o fato oportunamente ao alimentante, a partir de quando este ficará obrigado a efetuar ditos pagamentos mediante depósito na referida conta. Sempre que possível, o valor da pensão deve ser convertido para percentual do salário mínimo para fins de redação da cláusula de alimentos. Para obtenção do percentual em relação ao salário mínimo, basta dividir o valor da pensão pelo valor do salário mínimo e multiplicar o resultado por 100. Exemplos: R$ 50,00 R$ 926,50
Valor da pensão

÷ ÷

545,00 545,00

= 0,09174 x 100 = = 1,7 x 100 =
Percentual sobre o salário mínimo

9,24% 170%

Salário mínimo da pensão

Inversamente, para a obtenção do valor da pensão a partir de um percentual sobre o salário mínimo, basta dividir o percentual escolhido pelo valor do salário mínimo e dividir o resultado por 100. Formas de grafar por extenso os percentuais do último exemplo: cento e setenta por cento do salário mínimo, um inteiro e sete décimos do salário mínimo e, ainda, um vírgula sete do salário mínimo. Quando o número for inteiro, preferir mencionar que a pensão corresponde a 1 salário mínimo em vez de 100% do salário mínimo. Caso seja necessário também mencionar o valor em moeda, o ideal é que os alimentos continuem sendo fixados no percentual, acrescentando-se o valor em seguida, como ocorre na redação a seguir: “Para o sustento do alimentando, o alimentante contribuirá, mensalmente, com o pagamento da quantia correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, que atualmente importa em R$ .....”. Esta redação evita a necessidade de inserção de cláusula de reajustamento. É necessário, neste caso, ter atenção para que não haja equívoco na correspondência entre o percentual e o valor declarado (o que ocorre com alguma frequência por ocasião do reajustamento do salário mínimo). Deve-se, ainda, ter a atenção para que não haja divergência entre valores expressos em algarismos e por extenso. Havendo desconto em folha de pagamento, é necessário anexar ao processo cópia do contracheque do alimentante e informar os dados do empregador, como denominação e endereço completo. Sugestões de redação a ser adaptada de acordo com cada caso (percentual sobre o salário):

13

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Para o sustento dos alimentandos, o alimentante contribuirá, mensalmente, com o pagamento da quantia correspondente a ... % (... por cento) da sua remuneração líquida, cujo valor será descontado por seu empregador (nome e endereço completo do empregador) e depositado na conta corrente nº ..., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ..., até o dia ... de cada mês, devendo, para tanto, ser expedido ofício para (mencionar nome completo da fonte pagadora e endereço). § 1º. Serão divididas entre os pais as despesas com medicamento, consultas médicas e odontológicas, com a aquisição de aparelhos ortodônticos e ortopédicos, óculos, bem como de fardamento e material escolar. § 2º. Entende-se por salário líquido toda e qualquer quantia paga em decorrência da relação de trabalho entre o alimentante e seu empregador, excluídos os descontos legais. Empréstimos consignados em folha não serão abatidos da remuneração bruta para efeito da obtenção da remuneração líquida. § 3º. A pensão ora estipulada será reajustada automaticamente, sempre quando houver majoração do valor do salário mínimo, na mesma proporção. Sugestão de cláusula com pensão fixada em percentual do salário mínimo, a ser desconta em folha de pagamento: Para o sustento dos alimentandos, o alimentante contribuirá, mensalmente, com o pagamento da quantia correspondente a ... % (... por cento) do valor do salário mínimo, o que atualmente corresponde a R$ ... (...), a ser descontada da remuneração do alimentante por seu empregador (nome e endereço completo do empregador). A referida pensão também incidirá sobre o 13º salário do alimentante e deverá ser depositada na conta corrente nº ..., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de .., na mesma oportunidade do pagamento da remuneração do alimentante , devendo, para tanto, ser expedido o respectivo ofício. O ofício para desconto em folha será expedido pela Secretaria Jurídica e assinado pelo Juiz e poderá ser encaminhado por via postal. Caso a parte tenha interesse em levá-lo pessoalmente, deverá dirigir-se à Secretaria na data e hora agendadas para recebê-lo. Havendo alternância na guarda, poderá ser adotada cláusula esclarecendo que não haverá pagamento de pensão entre as partes, uma vez que cada uma delas assumirá todas as despesas do filho enquanto estiver sob os seus cuidados, conforme modelo específico. Caso o alimentante encontre-se momentaneamente sem condições de prestar alimentos, uma opção seria esclarecer essa circunstância no termo do acordo. Nesse caso, havendo consenso, o alimentante poderá se comprometer a efetuar o pagamento de determinada pensão logo que passe a auferir renda (a pensão fica estabelecida no termo), conforme sugestão de cláusula a seguir: Tendo em vista que o alimentante se encontra sem perceber qualquer espécie de rendimento, acordam as partes que o pagamento da pensão de alimentos estabelecida na cláusula anterior ficará postergado para o momento em que o alimentante passe a exercer atividade remunerada. A representante dos alimentandos declara que possui condições de prover o sustento dos filhos e que, a qualquer momento, poderá, em nome deles, pleitear o pagamento da referida pensão, inclusive por meio de execução forçada do presente termo de acordo. Guarda As disposições sobre guarda e visitação dos filhos menores constam dos modelos integrantes do presente manual. Essas cláusulas poderão ser modificadas, a depender de cada caso concreto, uma vez que a guarda e visitação poderão envolver regulamentação diversa em relação a vários aspectos discutidos entre as partes, como a permanência da criança durante período de férias, feriados, inclusive durante o dia do seu aniversário. Por outro lado, verifica-se, com certa frequência o fenômeno em que a criança reside com os avós ou tias maternas, em virtude do falecimento ou ausência da mãe e até mesmo em virtude de situação sócio-econômica adversa.
14

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

A propósito, a Lei nº 12.010/2009 inseriu no art. 25 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) o parágrafo único em que conceitua como família ampliada ou aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, sendo formada por parentes próximos com os quais a criança convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade, o que pressupõe a extensão do poder familiar. Por outro lado, o art. 9º, I, do CPC, estabelece que o Juiz dará curador especial ao incapaz, se não tiver representante legal ou se os interesses deste colidirem com os daquele, dispositivo que é repetido no parágrafo único do art. 241 do ECA. No presente manual optou-se pela possibilidade de celebração de acordo envolvendo o parente próximo e o pai do alimentando, mas sem a homologação do Juiz, ato que ficará condicionado à posterior formalização da guarda perante o Juízo competente (o entendimento predominante é de que no BJC os acordos sobre guarda e visitação ocorrem apenas entre os pais). Sendo assim, os acordos celebrados permanecerão arquivados na unidade, com a documentação de suporte e somente serão encaminhados para homologação quando cumprida a formalidade antes mencionada. A pessoa responsável pela criança deverá ser esclarecida de que o acordo não homologado não tem eficácia de título judicial. O último item das minutas (fls. 38 e 39) contém esclarecimento. A presente conduta só se aplica aos acordos meramente de alimentos e poderá não ser a mais adequada em relação às demais comarcas, afora a da Capital, cujos Juízes-Coordenadores poderão orientar as unidades de forma diversa. Divórcio e Dissolução de União Estável Nos acordos de divórcio e nos de reconhecimento e dissolução de união estável, o mediador deve observar se do casamento ou união estável resultou filho, se o casal possui bens a partilhar e se haverá necessidade de restabelecimento de nome de solteiro ou se o nome de casado será mantido. Quando o casal não tiver filho, essa circunstância deve ser mencionada no termo do acordo, o mesmo ocorrendo em relação à inexistência de bens a partilhar. Deve-se ter atenção com a grafia do nome das partes, uma vez que, não raro, as pessoas, embora tenham modificado o nome ao contrair casamento, continuam utilizando o nome de solteira. O nome a ser escrito no termo de acordo e demais documentos é aquele constante da Certidão de Casamento, mas a divergência de nomes entre documentos, sobretudo entre Documento de Identidade e Certidão de Casamento deve ser objeto de análise mais cuidadosa. Havendo condições de formalização do acordo, a parte que apresentou documento com erro de grafia do nome deve ser orientada a providenciar a retificação do erro junto ao órgão emissor. Na Dissolução de União Estável que, é a convivência pública, contínua e duradoura entre homem e mulher, com intenção de constituição de família (art. 1.723, do CC), o pedido deve abranger o reconhecimento e a dissolução, conforme modelo, indicando-se, obrigatoriamente, as datas de início e do término da convivência conjugal ou, pelo menos, o mês em que ocorreu o início e o término da união estável, principalmente quando tiver sido verificada a aquisição de bens no referido período. O separado de fato que tenha constituído união estável e pretenda dissolvê-la, encontra-se na situação peculiar de ter duas sociedades conjugais a desfazer. Neste caso, para que não se corra o risco de se confundir os bens de uma e outra sociedade, recomenda-se que, antes ou simultaneamente à dissolução da união estável, seja efetuada a partilha dos bens relativos ao casamento, por meio da celebração de termo de divórcio. O reconhecimento da união estável da pessoa separada de fato, isto é, daquele que ainda não providenciou o divórcio (sendo, portanto, civilmente casado) é admitido no § 1º, do art. 1.723 do CC, que é alvo de crítica por alguns autores. Em face disso, é aconselhável que o interessado providencie o seu divórcio com a primeira mulher antes de tentar reconhecer/dissolver a união estável formada durante a separação de fato. Não sendo possível proceder ao divórcio, recomenda-se ouvir o coordenador jurídico antes da elaboração do termo de acordo de reconhecimento e dissolução de união estável que, de qualquer modo, só poderá ser assinado se houver prova testemunhal e documental da formação de patrimônio durante a vida em comum. Com a entrada em vigor da EC nº 66, publicada em 14/07/2 010, foi abolido o requisito do prazo para a concessão do divórcio, bem como o processo de separação judicial.
15

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Em virtude da facilidade da concessão do divórcio e da sua irreversibilidade, recomenda-se redobrar os cuidados na condução de mediações envolvendo o tema, para que se tenha certeza da segurança das partes em relação ao propósito de se divorciarem. O termo de acordo de divórcio deverá esgotar toda a matéria envolvendo a dissolução do casamento, sobretudo as disposições quanto o retorno do nome de solteiro ou a manutenção do nome de casado e a partilha de bens, além, evidentemente, da pensão de alimentos, quando for o caso. Dúvidas relativas a casos específicos poderão ser dirimidas perante as respectivas Secretarias e Coordenações Jurídicas de cada comarca. Partilha de Bens A partilha dos bens do casal deve ser efetuada por ocasião do divórcio ou dissolução de união estável (o art. 1.523, III, do CC estabelece que não deve casar o divorciado, enquanto não houver sido homologada ou decidida a partilha dos bens do casal). É recomendável que a partilha ocorra em idêntica proporção, uma vez que a falta de igualdade na divisão dos bens configura doação, em favor do cônjuge favorecido, daquilo que exceder à sua meação, o que traz como consequência a obrigação de recolhimento do imposto de transmissão inter vivos e no retardamento da tramitação do processo, uma vez que o acordo somente poderá ser homologado depois de ouvida a Fazenda Pública e recolhido o tributo (em Salvador a alíquota é de 3%, reduzida para 1% para os imóveis de valor até R$ 14.500,00). Ainda quanto à partilha de bens, seguem alguns exemplos de cláusula, que devem ser numeradas ao serem inseridas nos respectivos termos de acordo: O divorciando abre mão do seu direito de posse sobre o imóvel antes mencionado, dele se retirando nesta data, ficando a divorcianda na sua posse exclusiva, razão pela qual passa a responder por todas as despesas decorrentes da utilização do referido bem, inclusive os tributos eventualmente devidos, e, desde logo, se compromete a regularizar a sua posse por meio da ação própria, com consequente registro no cartório imobiliário competente. Havendo consenso quanto à doação de bem aos filhos, sugere-se a seguinte cláusula: As partes se comprometem, reciprocamente, a efetuar a doação do imóvel objeto da presente partilha aos filhos menores do casal, o que será feito por intermédio da outorga de escritura pública, a ser lavrada em momento oportuno, ocasião em que serão efetuados os pagamentos dos impostos devidos em decorrência do ato. Observação: Esta cláusula estabelece uma mera obrigação de fazer. Com ela, se atinge, embora parcialmente, a vontade das partes, viabilizando o acordo e a sua homologação. A sua estipulação não dá ensejo a fato gerador para a incidência de imposto de transmissão. Assim, futuramente, qualquer das partes poderá provocar a outra no sentido de ser outorgada a escritura pública de doação. Caso o imóvel venha a ser fracionado por pavimentos, sugere-se a seguinte redação: Conforme mencionado no preâmbulo do presente termo, as partes não adquiriram a propriedade de bens imóveis, tendo, no entanto, adquirido o direito de posse sobre o imóvel residencial nº ..., situado na rua ..., nesta cidade, edificado em terreno que mede ... metros na parte da frente, com 2 igual dimensão nos fundos e ... metros em cada lado, perfazendo a área de ...m , conforme instrumento particular assinado em .... de .... de ...., anexo, imóvel este com dois pavimentos, tendo o pavimento térreo uma sala, ... quartos, ... sanitários, cozinha e área de serviços, tendo o pavimento superior ..... salas, etc., imóvel este avaliado em R$ ..... e que as partes resolvem partilhá-lo do seguinte modo:

16

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

A partir do presente momento, os pavimentos do imóvel antes mencionado passarão a constituir unidades autônomas e independentes entre si, para fins do exercício da sua posse e uso, cabendo ao primeiro acordante utilizar o pavimento superior e a segunda acordante o pavimento térreo. Cada unidade é avaliada em R$..., tendo a mesma fração ideal de terreno, correspondente a 50% (cinquenta por cento) da área total antes mencionada. Constitui área comum, toda área não compreendida pela projeção da edificação. Enquanto não providenciado o desmembramento das contas de consumo de energia elétrica e de água e enquanto não providenciada a inscrição municipal de cada unidade, as partes ficarão responsáveis pelas respectivas despesas e tributos, na mesma proporção. Embora referidos pavimentos constituam unidades autônomas, as partes estabelecem direito recíproco de preferência, em igualdade de condições, no caso de alienação de qualquer uma delas. Os exemplos antes mencionados situam-se no âmbito do direito pessoal e dizem respeito meramente a direito de posse. Caso a partilha resulte em transmissão de direito de propriedade, o que ocorrerá quando o título de propriedade estiver registrado no cartório de registro imobiliário, haverá necessidade de posterior expedição de Formal de Partilha pela Secretaria Jurídica (neste caso, é recomendável que o estudante consulte o supervisor da unidade). Reconhecimento Espontâneo de Paternidade Existindo dúvida acerca da paternidade, poderá ser sugerida a realização de exame de DNA. Em Salvador, esse tipo de exame é realizado pelo Centro de Diagnóstico do Grupo de Apoio a Criança do Câncer (GACC), podendo ser custeado pela própria parte ou, ainda, pelo Poder Judiciário. No entanto, esse serviço tem sido viabilizado com mais agilidade por intermédio da Defensoria Pública do Estado, órgão para o qual esses casos poderão ser encaminhados. Quanto o exame tiver que ser viabilizado, haverá necessidade de realização de mais de uma sessão de conciliação. Na primeira, as partes assumirão o compromisso de fornecer material para o exame de DNA e de retornar para uma segunda sessão, em que deverão tomar conhecimento do resultado. Nessa segunda sessão, poderá assinado um dos documentos constantes do presente manual:

Valor da Causa Em todos os acordos sujeito à homologação deve ser indicado o valor da causa ou do acordo, que deve ser (art. 259, CPC): a) igual à soma de 12 prestações, no acordo de alimentos (art. 259, CPC); b) igual ao valor dos bens, quando o acordo envolver apenas partilha de bens; c) igual à soma dos alimentos e dos bens, quando o acordo envolver os dois aspectos; d) igual a 1 salário mínimo, nos acordos sem valor declarado. Na comarca da Capital, a orientação do Juiz Coordenador é de que, nos acordos que contemplem partilha de mero direito de posse sobre imóvel (e não partilha de domínio propriamente dito), o valor do acordo poderá ficar limitado ao dos alimentos (correspondente a 12 prestações mensais).

Averbação Averbação é o ato praticado para atualizar ou retificar o registro público. Normalmente é procedida à margem de registro de imóveis, de registro de títulos e documentos e de registro civil, por seus respectivos oficiais. Ao final do processo de divórcio, faz-se necessária a averbação à margem do assentamento do casamento. O modelo de sentença adotado neste manual contém dispositivo que lhe confere efeito de mandado de averbação, evitando-se, com isto, a expedição de mais um ato processual. Na própria sentença, o Juiz determina ao oficial de registro civil que proceda a averbação, independentemente da expedição de mandado.
17

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

De acordo com a Lei de Divórcio e Lei de Registros Públicos, a sentença de divórcio só adquire efeito perante terceiro depois de efetivada a averbação, decorrendo daí a sua importância prática. O reconhecimento de firma constitui requisito formal do mandado de averbação. No entanto, o Provimento Conjunto nº 1/2010 , publicado no DPJ de 13/05/2010 , da Corregedoria Geral de Justiça e Corregedoria das Comarcas do Interior, autoriza que a própria Secretaria Jurídica autentique a assinatura do magistrado. Quando o divórcio é processado na mesma comarca em que tenha ocorrido o casamento, o mandado de averbação poderá ser encaminhado ao cartório diretamente pela Secretaria Jurídica. Neste caso, o Balcão deve orientar as partes para acompanhar o andamento do processo perante a Secretaria Jurídica, com a qual deverá manter contato para se informar quando deve se dirigir ao Cartório de Registro Civil para obter a certidão averbada. Ocorrendo o casamento em outra comarca, o mandado de averbação poderá ser entregue a parte, que deverá ser orientada a dirigir-se, o quanto antes, ao Cartório de Registro Civil indicado no mandado, a fim de proceder à averbação da sentença homologatória. O Balcão deve colher recibo da parte ao efetuar a entrega do mandado, devendo ainda esclarecê-la de que, sem a averbação, a sentença não produzirá efeito. Nos casos de casamento celebrado em outra unidade da Federação, alguns Estados exigem que, antes da averbação, seja realizado o registro da sentença de divórcio no livro “E” do 1º Ofício de Registro Civil da comarca em que tramitou o respectivo processo, em face do que dispõe o parágrafo único, do art. 33, da Lei 6.015/1973 1. No entanto, o Código Civil, em seu art. 10, exige tão somente a averbação do ato e o Provimento Conjunto nº 4, de 13 de julho de 2010, apenas faculta o registro da sentença no livro “E” (na Capital, esse registro é realizado no Cartório do Subdistrito da Sé, situado no Fórum Ruy Barbosa).

Descumprimento dos Termos de Acordo No caso de descumprimento de obrigação alimentar, deve ser efetuada tentativa de solução amigável. Havendo êxito, o acordo de composição da dívida ou de revisão dos alimentos deve ser reduzido a termo, conforme modelos constantes deste Manual. Neste caso, a parte deve levar ao Balcão a cópia do acordo anteriormente celebrado. No novo acordo deve constar o número do processo no SAIPRO. Não havendo êxito na tentativa de acordo, o credor deve ser orientado a promover a execução e, caso não tenha condições de contratar advogado, o Balcão deve orientá-lo a procurar os serviços gratuitos, como a Defensoria Pública Estadual e os Núcleos de Prática Jurídica, cujos endereços e telefones são divulgados pela Coordenação Geral. Para tanto, o alimentante deve providenciar cópia autenticada do termo de acordo, da sentença homologatória e da certidão da sua publicação. O entendimento ora exposto decorre da aplicação do art. 25-A, da Resolução nº 5/2006, segundo o qual as questões processuais posteriores à homologação do acordo devem ser encaminhadas à livre distribuição, na forma da Lei de Organização Judiciária do Estado da Bahia, e apreciadas pelos Juízes competentes para conhecer da matéria. Versando o acordo sobre questão cível de menor complexidade, o respectivo termo valerá como título executivo, na forma do art. 585, II, do Código de Processo Civil, segundo o qual constitui título executivo extrajudicial o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas, sendo esse título passível de execução direta perante os Juizados Especiais. A estes compete processar a execução dos títulos executivos extrajudiciais, no valor de até 40 vezes o salário mínimo (§ 1º, art. 3º, Lei nº 9.099/95), caso o credor seja pessoa física capaz ou microempresa.

1

“Parágrafo único. No cartório do 1º Ofício ou da 1ª subdivisão judiciária, em cada comarca, haverá outro livro para inscrição dos demais atos relativos ao estado civil, designado sob a letra "E" (...). 18

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Encaminhamento dos Termos de Acordo à Coordenação Jurídica O pedido de homologação de acordos de família e os seus documentos deverão ser colocados em pasta própria de processo. As folhas deverão ser numeradas e rubricadas, sendo que a primeira folha deve ter o nº 2, uma vez que a capa do processo, a ser inserida pela Secretaria Jurídica, terá o nº 1. Os autos devem ser assim organizados: 1) Termo do Acordo – fls. 2 2) Documentos inerentes ao acordo (Certidão de Nascimento, etc.) – fls. 3 em diante 3) Documentos pessoais das partes (cópia do CPF, RG e Comprovante de Residência) Uma vez organizados, os autos devem ser remetidos à Secretaria Jurídica, por intermédio de ofício (vide modelo).

Rotinas Administrativas Até o dia 5 de cada mês, o Balcão deve remeter à Coordenação Geral o relatório das atividades, por meio eletrônico. As unidades que disponham de estagiários bolsistas do Tribunal deverão, no mesmo prazo, encaminhar ofício com os formulários de frequência, conforme modelo. Os formulários de pesquisa de opinião do jurisdicionado devem ser recolhidos ao final de cada trimestre, para tabulação na Coordenação Geral. As unidades do interior que adotarem a pesquisa deverão tabular, no mesmo período, os seus resultados. Quando algum equipamento de informática apresentar defeito, deve ser mantido contato com o Help Desk do TJ, pelos telefones (71) 3324-7400 (em Salvador) e (75) 3602-5970 (Feira de Santana); ao solicitar este serviço, mantenha em mãos o nº do tombo do equipamento. O material de expediente deve ser solicitado pelo telefone (71) 3372-5659 ou fax (71) 3372-5566, além do seguinte endereço eletrônico: balcaocidadania@gmail.com e aaddehusen@tjba.jus.br (exceto para os balcões mantidos por entidades parceiras do Tribunal de Justiça).

19

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

20

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE DIVÓRCIO COM ALIMENTOS (com partilha de direito de posse sobre bem imóvel) Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor, ............................................, OAB/BA ..........., na presença dos estagiários subassinados, compareceram ................, brasileira, casada, profissão, residente e domiciliada na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ..............................., CPF nº ...., ora denominada divorcianda, e ................, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ........................ CPF nº .................., denominado divorciando. Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: a) Casaram-se em .........., sob o regime da comunhão parcial de bens, conforme certidão de casamento anexa. b) Dessa união nasceram os seguintes filhos, conforme certidão(ões) anexa(s): Nota Explicativa: Indicar nome e data de nascimento; mencionar todos os filhos (maiores e menores) c) Na constância da sociedade conjugal, o casal não adquiriu a propriedade de bens, embora tenha adquirido a posse mansa e pacífica sobre o imóvel a seguir descrito: Notas Explicativas: 1) Mencionar endereço completo. Descrever o bem, indicando os seus cômodos e atribuindo valor. 2) Anexar documento comprovando a posse, caso exista. d) Visando por fim ao conflito trazido a este Balcão de Justiça e Cidadania, depois de tentada a reconciliação, sem êxito, resolvem as partes dissolver consensualmente o casamento pelo divórcio, mediante as cláusulas e condições seguintes: 1. O divorciando contribuirá mensalmente para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Notas Explicativas: 1) No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O divorciando contribuirá para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ... % (... por cento) do seu salário líquido, inclusive 13º salário, que será descontado pelo seu empregador, ......, estabelecido na rua ......., nº ....., bairro ....., CEP .........., nesta cidade, e depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ..., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... Entende-se por salário líquido a remuneração bruta com a exclusão dos descontos legais, exceto empréstimos consignados em folha. 2) Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam conta de poupança). 2. As partes, reciprocamente, dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência.

21

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

3. Os divorciandos estabelecem a mútua responsabilidade do exercício do poder familiar e se comprometem a participar conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do(s) filho(s), devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras. 4. Sem prejuízo do regime de compartilhamento da guarda ora adotado, convencionam as partes que o(s) filho(s) residirá(ão) na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de tê-lo(s) em sua companhia nos finais de semana e metade das férias escolares, alternando as datas comemorativas como as do natal, ano novo, carnaval, preservando os dias dos pais, dia das mães e aniversário da(s) criança(s), no(s) qual(ais) permanecerá(ão) a metade do dia com cada genitor. 4.1 Durante a permanência do(s) filho(s) com um dos pais, principalmente nos períodos prolongados, é facultado ao outro o direito de visita, a qualquer momento, desde que nos horários previamente ajustados entre as partes. 5. Os bens do casal são partilhados do seguinte modo: Notas Explicativas: 1) Verificar alternativas de cláusulas na parte introdutória deste Manual; 2) Sugerir que a divisão dos bens seja efetuada em partes iguais e informar que haverá incidência de imposto sobre a transmissão da propriedade, caso a divisão não seja efetuada em partes iguais; 6. A Divorcianda voltará a usar o nome de solteira, ...................... Nota: ou permanecerá com o nome de casada. 7. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 8. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita e a expedição do mandado de averbação ao Cartório de Registro Civil indicado na certidão inclusa. 9. Os mediandos ficam cientificados de que a homologação judicial constitui formalidade necessária à eficácia do presente termo de acordo, cuja decisão deverá ser averbada perante o ofício de registro civil competente. Havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA.

10. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ...... ____________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor

22

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE DIVÓRCIO COM ALIMENTOS (com partilha de propriedade de bem imóvel) Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor, ............................................, OAB/BA ..........., na presença dos estagiários subassinados, compareceram ................, brasileira, casada, profissão, residente e domiciliada na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ..............................., CPF nº ...., ora denominada divorcianda, e ................, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ........................ CPF nº .................., denominado divorciando. Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: a) Casaram-se em .........., sob o regime da comunhão parcial de bens, conforme certidão de casamento anexa. b) Dessa união nasceram os seguintes filhos, conforme certidão(ões) anexa(s): Nota Explicativa: Indicar nome e data de nascimento; mencionar todos os filhos (maiores e menores) c) Na constância do casamento, as partes adquiriram a propriedade dos seguintes bens: Notas Explicativas: 1) Os acordos que envolvam título de domínio de imóveis devem ser redigidos pelo advogado, em virtude da sua complexidade; 2) Descrever os imóveis, conforme matrícula no Cartório de Registro Imobiliário; 3) Atribuir valor para cada imóvel; 4) Anexar título de propriedade.

d) Visando por fim ao conflito trazido a este Balcão de Justiça e Cidadania, depois de tentada a reconciliação, sem êxito, resolvem as partes celebrar ACORDO DE DIVÓRCIO, mediante as cláusulas e condições seguintes: 1. O divorciando contribuirá mensalmente para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Notas Explicativas: 1) No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O divorciando contribuirá para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ... % (... por cento) do seu salário líquido, inclusive 13º salário, que será descontado pelo seu empregador..., estabelecido na rua...., nº..., bairro..., CEP..., nesta cidade, e depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ..., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... Entende-se por salário líquido a remuneração bruta com a exclusão dos descontos legais, exceto empréstimos consignados em folha. 2) Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam conta de poupança). 2. As partes, reciprocamente, dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência.

23

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

3. Os divorciandos estabelecem a mútua responsabilidade do exercício do poder familiar e se comprometem a participar conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do(s) filho(s), devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras. 4. Sem prejuízo do regime de compartilhamento da guarda ora adotado, convencionam as partes que o(s) filho(s) residirá(ão) na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de tê-lo(s) em sua companhia nos finais de semana e metade das férias escolares, alternando as datas comemorativas como as do natal, ano novo, carnaval, preservando os dias dos pais, dia das mães e aniversário da(s) criança(s), no(s) qual(ais) permanecerá(ão) a metade do dia com cada genitor. 4.1 Durante a permanência do(s) filho(s) com um dos pais, principalmente nos períodos prolongados, é facultado ao outro o direito de visita, a qualquer momento, desde que nos horários previamente ajustados entre as partes. 5. Os bens do casal são partilhados do seguinte modo: Nota Explicativa: Sugerir aos divorciandos que a divisão dos bens seja efetuada em partes iguais e informar que haverá incidência de imposto de transmissão, caso a divisão não seja realizada na mesma proporção. 6. A requerente voltará a usar o nome de solteira,.......................... Nota: ou permanecerá com o nome de casada. 7. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 8. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita e a expedição do mandado de averbação ao Cartório de Registro Civil indicado na certidão inclusa. 9. Os mediandos ficam cientificados de que a homologação judicial constitui formalidade necessária à eficácia do presente termo de acordo, cuja decisão deverá ser averbada perante o ofício de registro civil competente. Havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA.

10. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ...... __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor

24

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE DIVÓRCIO COM ALIMENTOS (partes sem bens a partilhar) Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor, ............................................, OAB/BA ..........., na presença dos estagiários subassinados, compareceram ................, brasileira, casada, profissão, residente e domiciliada na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ..............................., CPF nº ...., ora denominada divorcianda, e ................, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ........................ CPF nº .................., denominado divorciando. Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: a) Casaram-se em .........., sob o regime da comunhão parcial de bens, conforme certidão de casamento anexa. b) Dessa união nasceram os seguintes filhos, conforme certidão(ões) anexa(s): Nota Explicativa: Indicar nome e data de nascimento; mencionar todos os filhos (maiores e menores) c) O casal não adquiriu bens na constância do casamento, não havendo, portanto, patrimônio a partilhar. d) Visando por fim ao conflito trazido a este Balcão de Justiça e Cidadania, depois de tentada a reconciliação, sem êxito, resolvem as partes celebrar ACORDO DE DIVÓRCIO, mediante as cláusulas e condições seguintes: 1. O divorciando contribuirá mensalmente para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Notas Explicativas: 1) No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O divorciando contribuirá para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ... % (... por cento) do seu salário líquido, inclusive 13º salário, que será descontado pelo seu empregador, ......, estabelecido na rua ......., nº ....., bairro ....., CEP .........., nesta cidade, e depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ..., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... Entende-se por salário líquido a remuneração bruta com a exclusão dos descontos legais, exceto empréstimos consignados em folha. 2) Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam conta de poupança). 2. As partes, reciprocamente, dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência. 3. Os contratantes estabelecem a mútua responsabilidade do exercício do poder familiar e se comprometem a participar conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do(s) filho(s), devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras.

25

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

4. Sem prejuízo do regime de compartilhamento da guarda ora adotado, convencionam as partes que o(s) filho(s) residirá(ão) na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de tê-lo(s) em sua companhia nos finais de semana e metade das férias escolares, alternando as datas comemorativas como as do natal, ano novo, carnaval, preservando os dias dos pais, dia das mães e aniversário da(s) criança(s), no(s) qual(ais) permanecerá(ão) a metade do dia com cada genitor. 4.1 Durante a permanência do(s) filho(s) com um dos pais, principalmente nos períodos prolongados, é facultado ao outro o direito de visita, a qualquer momento, desde que nos horários previamente ajustados entre as partes. 5. A requerente voltará a usar o nome de solteira, ............ Nota: ou permanecerá com o nome de casada. 6. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 7. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita e a expedição do mandado de averbação ao Cartório de Registro Civil indicado na certidão inclusa. 8. Os mediandos ficam cientificados de que a homologação judicial constitui formalidade necessária à eficácia do presente termo de acordo, cuja decisão deverá ser averbada perante o ofício de registro civil competente. Havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 9. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

__________________________________ Nome

__________________________________ Nome

__________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor

26

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Autos nº

TERMO DE ACORDO DE DIVÓRCIO CONSENSUAL (guarda alternada) Ficha de Atendimento nº .........../....

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor, ............................................, OAB/BA ..........., na presença dos estagiários subassinados, compareceram ................, brasileira, casada, profissão, residente e domiciliada na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ..............................., CPF nº ...., ora denominada divorcianda, e ................, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ........................ CPF nº .................., denominado divorciando. Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: a) Casaram-se em .........., sob o regime da comunhão parcial de bens, conforme certidão de casamento anexa. b) Dessa união, nasceu o filho menor ….. , em …....., conforme certidão anexa. c) O casal não adquiriu bens na constância do casamento, não havendo, portanto, patrimônio a partilhar. d) Visando por fim ao conflito trazido a este Balcão de Justiça e Cidadania, depois de tentada a reconciliação, sem êxito, resolvem as partes celebrar ACORDO DE DIVÓRCIO, mediante as cláusulas e condições seguintes: 1. Os divorciandos declaram que, desde a ruptura da vida em comum, vêm adotando, por mútuo consenso, a guarda alternada do filho do casal, por entenderem ser esta a solução que melhor atende o interesse dos pais e da criança, por possibilitar o mesmo tempo de convivência entre pais e filho, proporcionando o equilíbrio e a isonomia das relações dos contratantes em relação ao filho, contribuindo, portanto, para a existência de uma relação mais harmoniosa e saudável entre eles. 2. Assim, acordam que o filho menor permanecerá uma semana com cada um dos pais, alternadamente, cabendo a cada um destes adotar todos os cuidados necessários ao desenvolvimento, educação, segurança e preservação da saúde do filho, proporcionando-lhe os meios materiais para o conforto e o bem-estar. 3. Os genitores, como detentores do poder familiar, se comprometem a decidir e participar ativamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do filho, devendo compartilhar as decisões relevantes, tais como a escolha de entidades de ensino em que deva ser matriculado o filho e participação deste em atividades que não se incluam no seu cotidiano, como a realização de viagens, dentre outras. 4. Convencionam, ainda, que nos feriados prolongados, como o de carnaval, e nas datas comemorativas, a exemplo do natal, o filho do casal deverá permanecer na companhia de um dos pais, alternadamente, conforme consenso estabelecido entre ambos; 5. Nas férias escolares, o filho menor permanecerá com um dos pais por idênticos períodos de tempo, que serão acordados entre as partes; 6. Durante a permanência do filho com um dos pais, é facultado ao outro o direito de visita, a qualquer época, desde que nos horários previamente ajustados entre as partes; 7. Caberá a cada um dos pais, enquanto o filho estiver sob os seus cuidados, realizar todas as despesas necessárias ao sustento e a criação do alimentando, inclusive as decorrentes de atividades recreativas, esportivas e culturais, necessárias a formação e desenvolvimento da criança. Entretanto, serão divididas entre ambos, na mesma proporção, as despesas com medicamento, dentista, mensalidade, material e uniforme escolares e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Nota Explicativa: A alternância da guarda não impede a fixação de alimentos por um dos pais, quando necessário.
27

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

8. Vindo o filho menor a residir com um dos pais, exclusivamente, o genitor que ficar sem a guarda do filho, contribuirá com a pensão mensal desde já fixada no valor correspondente a ….% (do salário mínimo), a ser paga mediante depósito em conta corrente, até o quinto dia útil de cada mês. 9. As partes, reciprocamente, dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência. 10. A divorcianda voltará a usar o nome de solteira: .................... Nota: ou permanecerá com o nome de casada. 11. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 12. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita e a expedição do mandado de averbação ao Cartório de Registro Civil indicado na certidão inclusa. 13. Os mediandos ficam cientificados de que a homologação judicial constitui formalidade necessária à eficácia do presente termo de acordo, cuja decisão deverá ser averbada perante o ofício de registro civil competente. Havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 14. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

__________________________________ Nome

__________________________________ Nome

__________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor

28

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE CONVERSÃO DE SEPARAÇÃO JUDICIAL EM DIVÓRCIO Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos ... dias do mês de ..... do ano de ...., às ... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação pelo supervisor, Bel. ... , OAB-BA nº ..., com assistência dos estagiários subassinados, na qual os Srs. ...... (nome), telefone nº ......., brasileiro, separado judicialmente, .... (profissão), residente e domiciliado na .................., nesta capital, RG nº ...., CPF nº ..., e ...... (nome), telefone nº ......., brasileira, separada judicialmente, ...... (profissão), residente e domiciliada na .............., RG nº .........., CPF nº ...... celebraram o presente acordo de conversão de separação judicial em divórcio, nos termos a seguir: 1) Inicialmente, os presentes outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo. 2) Declaram que, estando separados judicialmente há mais de ...., conforme sentença proferida em .... , nos autos nº .... que tramitaram perante a ....ª Vara de Família da Comarca de ... (ou Balcão de Justiça e Cidadania de ...), averbada no assentamento do casamento e que pretendem converter a referida separação em divórcio. 3) Para tanto, anexam ao presente acordo os documentos indispensáveis à formalidade do ato e, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata, desde logo renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC. 4) Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, com base na Lei nº 6.515, de 26 de dezembro de 1977, e art. 1.580 do Código Civil Brasileiro, a conversão da separação judicial em divórcio, com os benefícios da justiça gratuita, bem como a expedição do mandado averbatório ao Cartório de Registro Civil indicado na certidão inclusa. Ao encerrar o presente termo, o mediador cientificou os divorciandos de que a homologação judicial deste acordo, bem como a sua averbação perante o ofício de registro civil constituem formalidades necessárias à sua eficácia, em razão do que as partes deverão retornar a esta unidade para receber o mandado respectivo, a ser expedido depois de proferida a sentença. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ..... __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor Notas Explicativas: 1) Podem ser realizados acordos de conversão de separação judicial em divórcio, mesmo quando a separação não tenha sido processada perante o Balcão de Justiça e Cidadania; 2) Na conversão, poderá haver convenções acerca da modificação ou extinção dos alimentos, partilha de bens, etc. Atenção! Verificar se o caso concreto contém disposição sobre pensão de alimentos e partilha. 3) É recomendável que os interessados apresentem cópia do processo ou do termo de acordo da separação. A partilha de bens poderá ser realizada, caso não tenha sido procedida antes, o mesmo ocorrendo com a modificação do nome; 4) É necessária a apresentação da certidão de casamento contendo a averbação da separação; caso não tenha sido procedida a averbação da sentença que decretou ou homologou a separação, os interessados devem ser orientados a providenciar a referida averbação ou a obter a expedição do mandado de averbação da separação perante o Juízo competente. A conversão não poderá ser processada caso não atendido o disposto neste item; 5) O valor da causa poderá ser igual a um salário mínimo.
29

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE RESTABELECIMENTO DE SOCIEDADE CONJUGAL Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos ... dias do mês de ..... do ano de ...., neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação pelo supervisor, Bel. ... , OAB-BA nº ..., com assistência dos estagiários subassinados, compareceram . ................(nome), telefone nº ......., brasileiro, separado judicialmente, .... (profissão), residente e domiciliado na ....................., nesta capital, RG nº .........................., CPF nº ..., e ................ (nome), telefone nº ......., brasileira, separada judicialmente, ...... (profissão), residente e domiciliada na ........................., RG nº ...................., CPF nº .......................... Inicialmente, os requerentes outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para requerer a homologação do presente acordo. Declaram que se encontram separados judicialmente desde ../../.., conforme sentença homologatória averbada no assentamento do casamento, proferida nos autos do Termo de Acordo de Separação Consensual Judicial nº ......., que tramitou perante o Balcão de Justiça e Cidadania de .... Ocorre que os Requerentes reataram os laços afetivos desde ......... e, juntamente com os filho(s) (nome e data de nascimento), constituíram-se novamente em família, assim permanecendo até o presente momento. Não possuindo mais interesse em permanecerem separados legalmente, requerem que, depois de ouvido o representante do Ministério Público, se digne V.Exa. a desconstituir a respeitável decisão que formalizou a separação consensual e, por conseguinte, homologar o restabelecimento da sociedade conjugal, expedindo-se mandado de averbação ao competente Cartório de Registro Civil. Os mediados, por intermédio do advogado constituído no presente instrumento, requerem a expedição do mandado de averbação ao Cartório de Registro Civil indicado na certidão anexa, bem como o deferimento de assistência judiciária gratuita, tendo em vista que os requerentes não possuem condições econômicas para custear o processo sem prejuízo do sustento próprio e de seus familiares, ficando cientes que a homologação judicial constitui formalidade necessária à eficácia do presente termo de acordo, cuja decisão deverá ser averbada perante o ofício de registro civil competente. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ...... __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor

Atenção! Só utilizar este requerimento na hipótese de separação judicial consumada antes da vigência da EC 66/2010, publicada no D.O.U. de 14/07/2010. Deverão ser verificados aspectos da separação, como o acordo de alimentos, para saber se haverá necessidade de expedição de ofício para o cancelamento de desconto de pensão alimentícia em folha de pagamento, dentre outros.

30

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL COM ALIMENTOS (com partilha de propriedade de bem imóvel) Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor ......................................, OAB/BA ..........., na presença dos estagiários sub-assinados, compareceram ................, brasileira, solteira, nacionalidade, profissão, residente e domiciliada na .........................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ..............., CPF nº ..., e ................, brasileiro, solteiro, profissão, residente e domiciliado na .................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ............ CPF nº .......... Notas: 1) O reconhecimento de união estável só é possível entre pessoas que não apresentem qualquer dos impedimentos mencionados no art. 1.521 do CC, segundo o qual não podem casar: I - os ascendentes com os descendentes, seja o parentesco natural ou civil; II - os afins em linha reta; III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do adotante; IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau inclusive; V - o adotado com o filho do adotante; VI - as pessoas casadas; VII - o cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu consorte. 2) Os ex-conviventes devem apresentar certidões de nascimento (quando solteiros), certidão de óbito do cônjuge (se viúvos) e certidão de casamento com a averbação do divórcio (quando divorciados). Os mediandos desde logo outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo. Declaram que não possuem qualquer dos impedimentos mencionados no art. 1.521 do Código Civil e que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: a) Os mediandos viveram como se casados fossem durante o período …..... a ….., razão pela qual reconhecem a existência da referida sociedade de fato durante o mencionado lapso temporal. b) Da vida em comum, nasceram os seguintes filhos, conforme certidão(ões) anexa(s): Nota Explicativa: Indicar nome e data de nascimento, mencionar todos os filhos. c) Na constância da sociedade de fato, os requerentes não adquiriram a propriedade de bens, embora tenham adquirido a posse mansa e pacífica sobre o imóvel a seguir descrito: Notas Explicativas: 1) Mencionar endereço completo, fazendo descrição resumida do bem, mediante indicação dos seus cômodos e atribuindo valor. 2) Anexar documento comprovando a posse, caso exista. d) Visando por fim ao conflito trazido a este Balcão de Justiça e Cidadania, resolvem as partes dissolver a sociedade de fato, mediante as cláusulas e condições seguintes: 1. O alimentante contribuirá mensalmente para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros.

31

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Notas Explicativas: 1) No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O divorciando contribuirá para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ... % (... por cento) do seu salário líquido, inclusive 13º salário, que será descontado pelo seu empregador, ......, estabelecido na rua ......., nº ....., bairro ....., CEP .........., nesta cidade, e depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº .., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... Entende-se por salário líquido a remuneração bruta com a exclusão dos descontos legais, exceto empréstimos consignados em folha. 2) Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam conta de poupança). 2. As partes, reciprocamente, dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência. 3. Os contratantes estabelecem a mútua responsabilidade do exercício do poder familiar e se comprometem a participar conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do(s) filho(s), devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras. 4. Sem prejuízo do regime de compartilhamento da guarda ora adotado, convencionam as partes que o(s) filho(s) residirá(ão) na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de tê-lo(s) em sua companhia nos finais de semana e metade das férias escolares, alternando as datas comemorativas como natal, ano novo, carnaval, preservando os dias dos pais, dia das mães e aniversário da(s) criança(s), no(s) qual(ais) permanecerá(ão) a metade do dia com cada genitor. 4.1 Durante a permanência do(s) filho(s) com um dos pais, principalmente nos períodos prolongados, é facultado ao outro o direito de visita, a qualquer momento, desde que nos horários previamente ajustados entre as partes; 5. Os bens adquiridos pelas partes na constância da sociedade de fato são partilhados do seguinte modo: Notas Explicativas: 1) Verificar alternativas de cláusulas na parte introdutória deste Manual; 2) Sugerir que a divisão dos bens seja efetuada em partes iguais e informar que haverá incidência de imposto sobre a transmissão da propriedade, caso a divisão não seja efetuada em igual proporção. 6. Sendo assim, fica dissolvida a união estável havida entre os contratantes, a partir desta data, nos termos do presente instrumento, razão pela qual declaram as partes nada mais ter a reclamar entre si, em qualquer juízo. 7. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 8. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, bem como os benefícios da justiça gratuita. 9. Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 10. Dá-se ao presente acordo o valor de R$.... __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

Mediador/Supervisor
32

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL (sem bens a partilhar) Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos (tantos dias) do (mês tal) do ano (tal) às (tantas horas), neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor ............................................, OAB/BA ............ e com a presença dos estagiários subassinados, compareceram......, brasileira, solteira, profissão, residente e domiciliada na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ................, CPF nº ...., e ...., brasileiro, solteiro, profissão, residente e domiciliado na ........................, nesta capital, telefone nº …, RG nº ....................... CPF nº ................... Notas: 1) O reconhecimento de união estável só é possível entre pessoas que não apresentem qualquer dos impedimentos mencionados no art. 1.521 do CC, segundo o qual não podem casar: I - os ascendentes com os descendentes, seja o parentesco natural ou civil; II - os afins em linha reta; III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do adotante; IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau inclusive; V - o adotado com o filho do adotante; VI - as pessoas casadas; VII - o cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu consorte. 2) Os ex-conviventes devem apresentar certidões de nascimento (quando solteiros), certidão de óbito do cônjuge (se viúvos) e certidão de casamento com a averbação do divórcio (quando divorciados). Os mediandos desde logo outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo. Declaram que não possuem qualquer dos impedimentos mencionados no art. 1.521 do Código Civil e que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1. Os mediandos viveram como se casados fossem durante o período …..... a ….., razão pela qual reconhecem a existência da referida sociedade de fato durante o mencionado lapso temporal. 2. Da vida em comum, não advieram filhos. 3. Os requerentes não adquiriram bens na constância da sociedade de fato, não havendo patrimônio a partilhar. 4. Sendo assim, fica dissolvida a união estável havida entre os contratantes, a partir desta data, nos termos do presente instrumento, razão pela qual declaram as partes nada mais ter a reclamar entre si, em qualquer juízo ou tribunal, declarando ainda que dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência. 5. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 6. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, bem como os benefícios da justiça gratuita. 7. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ...... ____________________________________ Nome ____________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Nome __________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Mediador/Supervisor
33

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Autos nº________ Ficha de Atendimento nº ............../.. . .

Aos (tantos dias) do (mês tal) do ano (tal) às (tantas horas), neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor ............................................, OAB/BA ............ e com a presença dos estagiários subassinados, compareceram......, brasileiro(a), solteiro(a), profissão, residente e domiciliado(a) na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ................, CPF nº ...., e ...., brasileiro(a), solteiro(a), profissão, residente e domiciliado(a) na ........................, nesta capital, telefone nº …, RG nº ....................... CPF nº ................... Notas: 1) O reconhecimento de união estável só é possível entre pessoas que não apresentem qualquer dos impedimentos mencionados no art. 1.521 do CC, segundo o qual não podem casar: I - os ascendentes com os descendentes, seja o parentesco natural ou civil; II - os afins em linha reta; III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do adotante; IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau inclusive; V - o adotado com o filho do adotante; VI - as pessoas casadas; VII - o cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu consorte. 2) Os ex-conviventes devem apresentar Certidão de Nascimento (quando solteiros), Certidão de Óbito do cônjuge (se viúvos) e Certidão de Casamento com a averbação do divórcio (quando divorciados). As partes desde logo outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo. Declaram que não possuem qualquer impedimento para a constituição de união homoafetiva e que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1) Os mediandos viveram como se casados fossem durante o período …..... a ….., razão pela qual reconhecem a existência da referida sociedade de fato durante o mencionado lapso temporal. Nota: Mencionar no termo do acordo a existência de prova documental da união, como escritura de convivência, quando houver. 2. Na constância da sociedade de fato, os acordantes não promoveram a adoção de filhos. Também não adquiriam a propriedade de bens móveis e imóveis, não havendo, portanto, patrimônio comum a partilhar. 3. As partes, reciprocamente, dispensam a prestação de alimentos, posto que atualmente possuem meios próprios de subsistência. 4. Sendo assim, fica dissolvida a união estável havida entre os(as) acordantes, a partir do presente momento, declarando ambos(as) nada ter a reclamar entre si, em qualquer juízo, em virtude da sociedade ora desfeita. 5. Os contratantes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 6. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita. 7. Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 8. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

34

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE PENSÃO DE ALIMENTOS

Autos nº ...................

Ficha de Atendimento nº................./....

Aos .... dias do mês de ...., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação pelo supervisor ...................., OAB/BA ........., na presença dos estagiários subassinados, compareceram a Sra. ................, brasileira, estado civil, profissão, residente e domiciliada na ......................, telefone nº …, RG nº ........................, CPF nº............, na qualidade de representante do(s) filho(s) menor(es) mencionados no parágrafo seguinte, de um lado e, do outro lado, o Sr. ..................., brasileiro, estado civil, profissão, residente e domiciliado na ........................., telefone nº …, RG nº ........................, CPF nº....................., denominado alimentante. As partes outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo e que, desde logo, se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1. A representante do(s) alimentando(s) e o alimentante mantiveram relacionamento afetivo do qual resultou no nascimento dos filhos menores ........., em ../../.., e ................., nascido em ../../.., como provam as certidões de nascimento anexas. 2. O alimentante contribuirá mensalmente para o sustento do(s) filho(s) menor(es) mencionado(s) no parágrafo anterior com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ...................... Serão divididas entre os pais do(s) alimentando(s) as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Notas Explicativas: 1)No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O divorciando contribuirá para o sustento do(s) filho(s) menor(es) com o pagamento do valor correspondente a ... % (... por cento) do seu salário líquido, inclusive 13º salário, que será descontado pelo seu empregador, ......, estabelecido na rua ......., nº ....., bairro ....., CEP .........., nesta cidade, e depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº .., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... Entende-se por salário líquido a remuneração bruta com a exclusão dos descontos legais, exceto empréstimos consignados em folha. 2)Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam poupança). 3. Os mediandos estabelecem a mútua responsabilidade do exercício do poder familiar e se comprometem a participar conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do(s) filho(s), devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras. 4. Sem prejuízo do regime de compartilhamento da guarda ora adotado, convencionam as partes que o(s) filho(s) residirá(ão) na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de tê-lo(s) em sua companhia nos finais de semana e metade das férias escolares, alternando as datas comemorativas como natal, ano novo, carnaval, preservando os dias dos pais, dia das mães e aniversário da(s) criança(s), no(s) qual(ais) permanecerá(ão) a metade do dia com cada genitor. 4.1 Durante a permanência do(s) filho(s) com um dos pais, sobretudo nos períodos prolongados, é facultado ao outro o direito de visita, a qualquer momento, desde que nos horários previamente ajustados entre as partes. 5. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 6. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita.

35

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

7. Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 8. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

__________________________________ Alimentanda

__________________________________ Alimentante

____________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

36

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE PENSÃO DE ALIMENTOS GRAVÍDICOS

Autos nº ...................

Ficha de Atendimento nº................./....

Aos (tantos dias) do (mês tal) do ano (tal) às (tantas horas), neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor ............................................, OAB/BA ............ e com a presença dos estagiários subassinados, compareceram ........, brasileira, estado civil, profissão, residente e domiciliada na ..............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ................., CPF nº .............., ora denominada alimentanda, e ….............., brasileiro, estado civil, profissão, residente e domiciliado na .............................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ........................ CPF nº ........................, denominado alimentante. Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1. Os contratantes mantiveram relacionamento afetivo durante aproximadamente (....) anos e que resultou no estado de gravidez da alimentanda, que atualmente se encontra no ..... dia de gestação, conforme comprova o documento constante dos presentes autos. 2. Tendo em vista que o art. 2º do Código Civil Brasileiro põe a salvo, desde a concepção, os interesses do nascituro, e diante da necessidade advinda da gestação, sobretudo com alimentação, medicamentos e os cuidados em geral até o momento do parto, o alimentante obriga-se a pagar à alimentanda a quantia mensal correspondente a ..... % (...... por cento) do salário mínimo , a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Notas Explicativas: 1) No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O alimentante obriga-se a apagar a alimentanda a quantia mensal de R$ ....., , correspondente a % (...... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será descontada da sua remuneração, inclusive do 13º salário, pelo seu empregador, ......, estabelecido na rua ......., nº ....., bairro ....., CEP .........., nesta cidade, e depositada até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº .., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... 2) Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam conta de poupança). 3. Com o nascimento da criança, os alimentos fixados no presente acordo ficarão automaticamente convertidos em pensão alimentícia em favor do filho menor, a partir de quando as partes se obrigam a: a) Proceder ao registro civil do filho, na forma e prazo legal; b) Exercer o poder familiar de forma conjunta, especialmente no que tange à criação, educação e desenvolvimento do filho, devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que deva ser matriculado, efetuar a verificação do desempenho escolar e participar de eventos e reuniões escolares, dentre outras. c) Sem prejuízo do regime de compartilhamento da guarda ora adotado, o filho residirá na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de visitação nos seguintes dias e horários .... d) A permanência do filho com o pai durante finais de semana, feriados prolongados e férias escolares dependerá do desenvolvimento da criança e de novo ajuste entre as partes. 4. A obrigação do alimentante se extinguirá, automaticamente, no prazo de dois meses a partir do eventual insucesso da gravidez, com a perda do feto.
37

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Notas Explicativas: 1) Esta cláusula tem por finalidade evitar o ajuizamento de ação de exoneração de alimentos, no caso de perda do feto. 2) A obrigação de pagar durante período posterior ao fim da gestação visa compensar despesas efetuadas pela alimentanda, decorrentes da gravidez. O prazo de 2 meses mencionado nesta cláusula é meramente sugestivo e deverá ser ajustado à realidade de cada caso, conforme deliberação das partes. 3) Se tiver havido vida em comum entre o alimentante e a gestante, haverá necessidade de disposição sobre alimentos em relação a esta (dispensando ou fixando pensão). 4) Se o desconto for efetuado em folha de pagamento, a incidência desta cláusula dependerá da expedição de novo ofício pelo Juiz ao empregador do alimentante. Observação: Há presunção da paternidade em relação ao filho nascido nos 300 dias posteriores à dissolução da sociedade conjugal, por morte, separação judicial, nulidade e anulação do casamento (art. 1.597, II, do CCB). 5. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 6. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita. 7. Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA 8. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

__________________________________ Alimentanda

__________________________________ Alimentante

____________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

38

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE COMPOSIÇÃO DE DÍVIDA DE ALIMENTOS

Autos nº ... (indicar o número do SAIPRO e o tipo da ação) Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de conciliação/mediação, pelo supervisor ............................................, OAB/BA ..........., na presença dos alunos estagiários subassinados, compareceu(ram) o(s) alimentando(s) ..........................., menores, representados por sua genitora, …..........., telefone nº …........, brasileira, estado civil, profissão, residente e domiciliada na ............................., nesta capital, RG nº .................., CPF nº ...., e o alimentante, ................, telefone nº ......., brasileiro, estado civil, profissão, residente e domiciliado na ..........................., RG nº ........................, CPF nº....................... que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1. Nos autos acima identificados, as partes celebraram acordo pelo qual o segundo acordante obrigou-se a pagar à primeira, mensalmente, a título de pensão de alimentos em favor do(s) seus filho(s) menor(es), a quantia de R$ ....., correspondente a ... % (... por cento) do salário mínimo, tendo o devedor, no entanto, deixado de efetuar o pagamento das pensões devidas a partir da vencida no mês de _____ de __, dívida esta que, uma vez acrescida dos encargos moratórios calculados até o presente momento, importa em R$ ....., valor aceito pelas partes como líquido, certo e exigível. 2. Visando o implemento da obrigação, as partes concordam que o valor antes mencionado será pago em ... parcelas mensais de R$ ..., a partir de __/__/__, mediante depósito na conta corrente nº ..., junto ao Banco ..., agência ..., sem prejuízo da obrigação de pagamento das prestações vincendas objeto do referido acordo, ora ratificado. 3. O devedor desde já declara estar ciente que, havendo inadimplemento, a dívida objeto do presente acordo poderá ser exigida com o emprego dos meios coercitivos previstos em lei, inclusive a prisão civil do alimentante. 4. O(s) credor(es) fica(m) cientificados de que, havendo necessidade de execução da dívida, deverá(ão) constituir advogado para esse fim e providenciar cópias do termo de acordo de alimentos e respectiva sentença homologatória (conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA). 5. Requerem a juntada deste termo aos autos identificados no preâmbulo.

___________________________ Representante do Alimentando

_____________________________ Alimentante

___________________________ Estagiário(a)

_____________________________ Estagiário(a)

___________________________ Mediador

Nota Explicativa: Na Capital, as composições de dívida relativas a acordos celebrados nos Balcões de Justiça e cidadania serão encaminhadas à Secretaria Jurídica para arquivamento nos autos, sem homologação (por esse motivo, não é recomendável celebrar composição de dívidas relativas a acordos assinados em outro Juízo e, caso isso ocorra, o termo de acordo deve ser arquivado na própria unidade).

39

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE REVISÃO DE ALIMENTOS Autos nº ... (indicar o número do SAIPRO e o tipo da ação) Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de conciliação/mediação, pelo supervisor, Bel. ......................................, OAB/BA ..........., na presença dos alunos estagiários subassinados, compareceu(ram) o(s) alimentando(s) ..........................., menores, representados por sua genitora, …..........., telefone nº …........, brasileira, estado civil, profissão, residente e domiciliada na ........................, nesta capital, RG nº .................., CPF nº ...., e o alimentante, ................, telefone nº ......., brasileiro, estado civil, profissão, residente e domiciliado na .............................., RG nº ........................, CPF nº......................... Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para requerer a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1. Nos autos identificados no preâmbulo, as partes celebraram acordo pelo qual o segundo acordante obrigou-se a pagar à primeira, mensalmente, a título alimentos em favor do(s) seu(s) filho(s) menor(es), a quantia de R$ ....., correspondente a ..... % (...... por cento) do salário mínimo. 2. Ocorre que, tendo posteriormente ocorrido alterações na situação econômica do alimentante, não teve este condição de suportar o cumprimento da obrigação contraída, que se tornou excessivamente onerosa. 3. Em face do exposto, visando à composição do conflito e o restabelecimento do equilíbrio econômico da obrigação, em respeito ao binômio “necessidade-possibilidade”, resolvem as partes rever o valor da pensão alimentícia antes mencionada para fixá-la em de R$ ......., correspondente a ...% do salário mínimo, cujo pagamento será efetuado a partir de __/__/__, do mesmo modo estabelecido no acordo ora revisto. 4. Visando, outrossim, ao implemento das parcelas vencidas e não pagas, as partes fixam em R$ .... (....) o valor da dívida em atraso, que o alimentante se obriga a pagar em ... prestações mensais, iguais e sucessivas de R$ ......, a partir de __/__/__, mediante depósito na conta corrente nº ..., junto ao Banco ..., agência ......, sem prejuízo do pagamento das pensões vincendas a que se refere a cláusula anterior. 5. Os mediandos ratificam todas as cláusulas e condições do acordo ora revisado, que não foram objeto de expressa modificação no presente termo. 6. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 7. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, bem como os benefícios da justiça gratuita. 8. Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 9. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ...... ___________________________ Nome __________________________ Estagiário(a) _____________________________ Nome _____________________________ Estagiário(a)

Mediador/Supervisor Nota Explicativa: Este termo deve ser instruído com cópia do acordo ou sentença do processo no qual foram fixados os alimentos.
40

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE EXONERAÇÃO DE ALIMENTOS Ficha de Atendimento nº.........../.... Exonerante: ......................., brasileiro, solteiro, maior, portador do RG nº..................., inscrito no CPF sob o nº ...................., residente e domiciliado na rua .........................., CEP .............., Salvador-BA, telefone nº .................... Exonerado: ..................., brasileiro, casado, maior, portador do RG nº..................., inscrito no CPF sob o nº ...................., residente e domiciliado na rua ..........................., CEP .............., Salvador-BA, telefone nº .................... Aos ... dias do mês de ..... do ano de ...., neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação pelo supervisor ... , OAB-BA nº ..., na presença dos estagiários subassinados, compareceram as partes acima identificadas. Os mediandos outorgam, desde logo, ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, celebrado nos termos das cláusulas e condições a seguir: 1. Na Ação de ...................... (autos nº ............), que tramitou no Juízo de Direito da ........., foi estabelecida a obrigação do ora exonerado a prestar alimentos ao exonerante, no valor de ..... , que vem sendo regularmente cumprida. 2. Ocorre que o exonerante atingiu a maior idade, como prova a certidão de nascimento, dispondo de meios próprios de subsistência. 3. Em face do exposto, o exonerante resolve dispensar o ora exonerado da obrigação de prestar-lhe alimentos, visto que a considera desnecessária, com fundamento no art. 1.699 do Código Civil Brasileiro, em razão do que postulam a expedição de ofício à ..................., para que se façam cessar, de forma definitiva, os descontos que até o presente momento são efetuados dos rendimentos ao alimentante perante a ................................................ 4. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 5. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz-Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita. 6. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ...... __________________________________ Nome: Exonerante __________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Nome: Exonerado __________________________________ Estagiário(a)

_________________________________________ Mediador/Supervisor

41

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE ACORDO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA (alimentando não residente com a família natural)

Autos nº ................

Ficha de Atendimento nº................./2010

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de conciliação/mediação, pelo supervisor Bel. ............................................, OAB/BA ..........., na presença dos alunos estagiários subassinados, compareceram o Sr. …............................................ (qualificar), doravante denominado alimentante, e a Sra. ............................................., (qualificar), na condição de avó materna do menor alimentando .................................................., que o representa para o fim específico do aqui se acorda. Nota: O alimentando que tiver idade igual ou superior a 16, e inferior a 18 anos, também deverá subscrever o termo do acordo. Neste caso, a expressão “representado” deve ser substituída por “assistido”. 1. Os mediandos desde logo outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo. 2. O alimentante é pai do alimentando, atualmente com idade de .... anos, como prova a inclusa certidão, nascido do relacionamento afetivo que manteve com ............................., que atualmente reside em local ignorado. Nota: O item anterior deve ser ajustado à realidade do caso concreto. A mãe do alimentante deverá comparecer à sessão de mediação e subscrever o termo de acordo na condição de representante do menor, caso seja possível, hipótese em que deverão ser efetuadas as alterações necessárias no termo de acordo, no qual, nesse caso, a guardiã do alimentante (avó ou dia, normalmente) poderá figurar como interveniente (e não como representante eventual, e obrigar-se a todos os cuidados previstos neste instrumento. 3. A referida criança, desde ........, vive sob os cuidados da avó materna, que mantém estreito laço afetivo com o neto, proporcionando-lhe todos os cuidados necessários ao seu bem-estar e desenvolvimento saudável, bem como à sua educação e segurança, cuidados esses a que se obriga a dar continuidade. 4. Os mediandos declaram e reconhecem que a permanência do alimentando com a avó materna constitui a melhor maneira de assegurar-lhe os melhores cuidados, de sorte que concordam e anuem que a referida criança continue residindo com a segunda medianda, o que não exonera os pais de qualquer obrigação decorrente do poder familiar. 5. O alimentante se obriga a contribuir, mensalmente, para o sustento do filho, com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Notas: 1] Sempre que possível a mãe também deve ser obrigar a pagar alimentos; 2] Não utilizar cláusula com previsão de desconto em folha de pagamento. 6. O alimentante se compromete a participar do processo de formação, educação e desenvolvimento do alimentando, devendo compartilhar decisões relevantes como a escolha de instituição de ensino em que deva ser matriculado, efetuar a verificação do desempenho escolar, participar de eventos e reuniões escolares, dentre outras, comprometendo-se, ainda, a efetuar visitas regulares à criança, sobretudo nos finais de semana e, sempre que possível, a tê-la em sua companhia em feriados e férias escolares. 7) Os subscritores do presente termo foram orientados a regularizar a guarda do alimentando, uma vez que a exercida pela progenitora é meramente de fato.
42

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Nota: Ajustar o item anterior ao caso concreto. 8) Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita. 9) Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, deverão constituir advogado para esse fim e providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA.

________________________________ Representante do Alimentando

________________________________ Alimentante

________________________________ Mediador

________________________________ Estagiário(a)

________________________________ Estagiário(a)

43

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE RECONHECIMENTO ESPONTÂNEO DE PATERNIDADE COM ACORDO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA Autos nº ................... Ficha de Atendimento nº................./....

Aos .... dias do mês de ......., do ano de ......, às ..... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação, pelo supervisor ....................................., OAB/BA ..........., na presença dos estagiários subassinados, compareceram ................, brasileira, estado civil, profissão, residente e domiciliada na ...................................., nesta capital, telefone nº …, RG nº ........................., CPF nº ….... , na condição de representante do filho menor …......., nascido em …....., como prova a certidão anexa, e o Sr. …..........., brasileiro, estado civil, profissão, residente e domiciliado na ..................................., telefone nº …, RG nº ....................... CPF nº ........................... Os mediandos, desde logo, outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para promover a homologação do presente acordo, declarando, em seguida, que se obrigam ao cumprimento das cláusulas e condições a seguir: 1. Os contratantes mantiveram relacionamento afetivo durante aproximadamente (....) anos, a partir de __/__/__, do qual resultou no nascimento do filho menor mencionado no preâmbulo do presente termo, conforme certidão anexa, tendo a representante do alimentando levado a registro o nascimento, sem dar ciência ao pai, que somente veio ter conhecimento do fato em momento posterior. 2. Pretendendo as partes regularizar a situação do filho, bem como havendo a necessidade de prestação de alimentos e assistência paterna, convencionam que: 3. O primeiro acordante, reconhece, espontaneamente, a paternidade do filho menor antes mencionado, para todos os fins e efeitos de direito, para fazer constar no seu termo de nascimento o nome do seu genitor, avô paterno .............................. e avó paterna .........................., passando o menor a chamar-se........................ Notas Explicativas: 1) O acordo só deve ser celebrado se o suposto pai não tiver dúvida acerca da sua condição paterna e compareça à unidade com esse propósito, sem a necessidade do emprego de qualquer meio de persuasão. Havendo dúvida, poderá ser sugerida a realização de exame de DNA (verificar procedimento específico sobre a realização do exame). 2) O nome do avô paterno só poderá constar no novo registro do investigando se também constar na certidão de nascimento do pai, i.é, caso o pai não tenha sido reconhecido pelo avô do investigante, o nome deste não poderá ser inserido na certidão de nascimento do suposto neto. 4. O alimentante contribuirá mensalmente para o sustento do filho menor com o pagamento do valor correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento, dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. Notas Explicativas: 1) No caso de desconto em folha de pagamento, adotar redação a seguir, a ser ajustada a cada caso: O alimentante contribuirá para o sustento do filho com o pagamento do valor correspondente a ... % (... por cento) do seu salário líquido, inclusive 13º salário, que será descontado pelo seu empregador, ......, estabelecido na rua ......., nº ....., bairro ....., CEP .........., nesta cidade, e depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº .., no banco ..., agência nº..., aberta em nome de ... Entende-se por salário líquido a remuneração bruta com a exclusão dos descontos legais, exceto empréstimos consignados em folha. 2) Os órgãos federais e a Polícia Militar só efetuam depósito em conta corrente (não aceitam conta de poupança).

44

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

5. Os contratantes estabelecem a mútua responsabilidade do exercício do poder familiar e se comprometem a participar conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do filho, devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras. 6. Convencionam as partes que o filho residirá na companhia da mãe, concedendo-se ao genitor o direito de visitálo nos finais de semana, sendo que nos demais dias da semana a visitação dependerá de prévio entendimento com a mãe. 7. As partes renunciam ao direito recursal, nos termos do art. 186 do CPC, para que a sentença homologatória possa surtir eficácia imediata. 8. Requerem, por intermédio do advogado ora constituído, ao Exmo. Sr. Juiz Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, em todos os seus termos, bem como os benefícios da justiça gratuita. 9. Os mediandos ficam cientificados de que, havendo necessidade de execução do acordo, o interessado deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. 10. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

__________________________________ Representante do Alimentando ____________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Alimentante __________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

45

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE COMPROMISSO PARA A REALIZAÇÃO DO EXAME DE DNA

Procedimento Extrajudicial nº .............
Aos .... dias do mês de ....., do ano de ...., às ... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, presente a Bela. ..............., OAB/BA nº .... , e os estagiários do curso de Direito sub-assinados, foi realizada sessão de mediação entre ... FULANA, telefone nº ......., brasileira, casada, profissão, RG ......................... residente e domiciliada na ...................................., ..., doravante denominada requerente, por si e também na condição de representante do filho menor, ...................., e FULANO ............, telefone nº ......, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na ..................., RG ................, CPF ................., doravante denominado requerido, nos seguintes termos: 1. Os mediandos declaram que mantiveram relacionamento afetivo durante aproximadamente (....) anos, a partir de __/__/__, do qual resultou, supostamente, o nascimento do filho menor mencionado no preâmbulo do presente termo. 2. O suposto genitor, embora não tenha certeza de sua condição paterna em relação ao investigante, reconhece o direito deste em conhecer a sua ascendência paterna, para todos os fins e efeitos de direito, em razão do que se obriga a comparecer à .................... , nesta cidade, para permitir a coleta de material genético para fins de exame de DNA a ser realizado no ....., oportunidade em que a medianda comparecerá ao referido local acompanhada do investigante, para a mesma finalidade. 3. Os mediandos se obrigam a comparecer à próxima sessão de mediação a ser designada, para tomar conhecimento do laudo do exame antes mencionado e para dar continuidade do processo de mediação. 4. Uma cópia do laudo do exame será disponibilizada aos interessados ao final da sessão de conciliação.

__________________________________ Representante do Alimentando ____________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Alimentante __________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

46

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE COM ACORDO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA
Procedimento Extrajudicial nº................./2010

Aos .... dias do mês de....., do ano de ...., às... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, presente o bel. ..............., OAB/BA nº .... , foi realizada sessão de mediação entre ... FULANA, telefone nº ......., brasileira, casada, profissão, RG ......................... residente e domiciliada na ...................................., doravante denominada requerente, por si e na condição de representante do filho menor, ............................, e FULANO ............, telefone nº ......, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na ............., RG .............., CPF ............, doravante denominado requerido. Os mediandos desde logo outorgam ao mediador e advogado antes referido poderes para requerer a homologação do presente acordo, celebrado nos seguintes termos: 1. Na sessão de mediação anteriormente realizada neste Balcão de Justiça e Cidadania, os mediandos concordaram com a realização de exame de DNA, com o intuito de ser dirimida dúvida em relação à paternidade do investigante. 2. Referido exame foi realizado, sendo que o correspondente laudo, ora retirado do envelope lacrado, anexado aos presentes autos e lido para os presentes, revela que o investigando é filho dos mediandos. 3. Uma vez que não resta mais dúvida acerca da paternidade em questão, o requerido reconhece o investigante como seu filho, para todos os efeitos legais, especialmente para que se faça constar o nome do pai no termo de nascimento do referido infante, bem como o nome dos avós paternos ............................ e .......................... e para que o requerente passe a chama-se ........................................... 4. O requerido desde logo se obriga a contribuir para o sustento do filho ora reconhecido com o pagamento do valor mensal correspondente a ..... % (.... por cento) do salário mínimo, a título de pensão alimentícia, que será depositado até o dia ... de cada mês, na conta corrente nº ....., no banco ...., agência nº......., aberta em nome de ............................ Serão divididas entre os pais do alimentando as despesas com medicamento dentista, material e fardamento escolar e eventuais despesas com óculos, aparelhos ortodônticos e ortopédicos, dentre outros. 5. Os pais participarão conjuntamente do processo de criação, educação e desenvolvimento do filho, devendo compartilhar de decisões relevantes, tais como a escolha de instituição de ensino em que devam ser matriculados, efetuando a verificação do desempenho escolar, participando de eventos e reuniões escolares, dentre outras. 6. O filho menor residirá na companhia da mãe, assegurando-se ao pai o direito de visitá-lo em oportunidades que serão convencionadas entre as partes, que deverão priorizar os finais de semana, dada de aniversário da criança e feriados. Notas Explicativas: 1) Caso não haja consenso sobre alimentos, o acordo poderá ficar limitado ao reconhecimento da paternidade, para não prejudicar o direito da criança, uma vez que a prestação de alimentos poderá ser tentada posteriormente. No entanto, deve-se buscar uma solução que contemple alimentos e regulamentação de visitas do pai. 2) A cláusula de alimentos deve ser estabelecida conforme o caso concreto. Verificar as orientações constantes do Manual de Procedimentos quando se tratar de desconto em folha de pagamento etc. 7. As partes, por intermédio do advogado que também subscreve o presente instrumento, requerem ao Exmo. Sr. Juiz Coordenador dos Balcões de Justiça e Cidadania a homologação do presente acordo, para que produza os seus jurídicos efeitos, bem como os benefícios da Justiça gratuita. 8. A representante do investigante fica cientificada a retornar a esta unidade, a fim de receber o mandado de averbação dirigido ao Cartório de Registro Civil. Fica também cientificada de que, havendo necessidade de execução do acordo de alimentos, deverá constituir advogado, providenciar cópias da sentença homologatória e da
47

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

certidão da sua publicação, conforme art. 25-A, da Resolução nº 5/2006-TJ-BA. Nota Explicativa: Excluir a segunda parte da cláusula nº 8, caso o acordo não contenha previsão de obrigação alimentar. 9. Dá-se ao presente acordo o valor de R$ ......

__________________________________ Representante do Alimentando

__________________________________ Alimentante

____________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

48

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE SESSÃO DE MEDIAÇÃO
Procedimento Extrajudicial nº ... Investigante: ......... Representante: ......... Suposto pai: ….....

Aos .... dias do mês de ....., do ano de ...., às ... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, presente o bel. ............, OAB/BA nº .... , foi realizada sessão de mediação entre ... FULANA, telefone nº ......., brasileira, casada, profissão, RG ......................... residente e domiciliada na ...................................., ..., doravante denominada requerente, por si e na condição de representante do filho menor, ......., e FULANO ............, telefone nº ......, brasileiro, casado, profissão, residente e domiciliado na .............., RG ..............., CPF ..............., doravante denominado requerido. 1. Conforme termo da sessão de mediação anteriormente realizada neste Balcão de Justiça e Cidadania, os mediandos concordaram com a realização de exame de DNA, com o intuito de ser dirimida a dúvida em relação à paternidade do investigante. 2. O referido exame foi realizado e o laudo contendo o seu resultado, ora retirado do envelope lacrado e anexado aos presentes autos e lido para os presentes, revela que o investigando é filho do requerido. 3. Embora afastada a dúvida acerca da filiação do investigante, o requerido declara que não o reconhece como filho, o que inviabiliza a tentativa de solução consensual do conflito, razão pela é encerrado o presente termo, com a entrega de uma via para cada parte, acompanhada de cópia do laudo antes mencionado, sendo a representante do investigante orientada a procurar assistência jurídica por meio de Defensor Público ou advogado, a fim de serem adotadas as medidas cabíveis visando o interesse da criança. __________________________________ Representante do Alimentando ____________________________________ Estagiário(a) __________________________________ Alimentante __________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

49

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TERMO DE SESSÃO DE MEDIAÇÃO Exame de DNA Negativo

Procedimento Extrajudicial nº ... Investigante: ......... Representante: ......... Suposto pai: ….....

Aos ... dias do mês de ..... do ano de 2011, neste Balcão de Justiça e Cidadania, aberta a sessão de mediação pelo supervisor, bel. ... , OAB-BA nº ..., compareceram as partes acima identificadas, oportunidade em que foi levado ao conhecimento dos interessados o resultado negativo do exame de DNA procedido por solicitação das referidas partes, pelo Laboratório do ..... , que fica arquivado nesta unidade, de maneira que o Sr. _______________________________ juntamente com o menor ___________________________________, representado por sua genitora Sra. ___________________________________, dão por encerrado o presente procedimento de tentativa de autocomposição extrajudicial, sem o reconhecimento da paternidade. Nota Explicativa: Havendo inconformismo da representante do investigante em relação ao resultado do exame, deverá ela ser encaminhada à Defensoria Pública, para a adoção de medida judicial, uma vez que o procedimento de mediação esgota-se na situação antes relatada, não se admitindo a repetição do exame.

__________________________________ Representante do Alimentando ____________________________________ Estagiário(a)

__________________________________ Alimentante __________________________________ Estagiário(a)

_______________________________________________ Mediador/Supervisor

50

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Acordo não sujeito a homologação judicial

TERMO DE ACORDO CÍVEL EXTRAJUDICIAL

Autos nº ...................

Ficha de Atendimento nº................./....

Aos ….. dias do mês de …. do ano …., às … horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, compareceram à presente sessão de conciliação o Sr. .............., brasileiro, casado, profissão, CPF nº ......., RG nº ......, residente e domiciliado na rua ..................................... nº......., bairro......, CEP nº ........................., Salvador-BA, e o Sr. ......................., brasileiro, casado, profissão, CPF nº ......., RG nº ......, residente e domiciliado na rua ................................................... nº......., bairro...... , CEP........................., Salvador-BA. 1. O primeiro acordante declara que …. (descrever o objeto do conflito de interesses); 2. Visando por fim ao conflito trazido a este Balcão de Justiça e Cidadania, resolvem as partes celebrar o presente acordo, mediante as cláusulas e condições seguintes: 2.1 (mencionar as condições do acordo); 3. O presente acordo é feito de forma irretratável e irrevogável, para que nenhuma das partes venha a reclamar em relação à outra acerca do seu objeto, em qualquer juízo ou tribunal, valendo como título executivo extrajudicial.

__________________________________ Assinatura

__________________________________ Assinatura

__________________________________ Mediador/Supervisor

__________________________________ Testemunha

__________________________________ Testemunha

Notas Explicativas: 1) Utilizar este formulário quando a matéria não tiver modelo específico. 2) Quando o acordo envolver pagamento de dívida, sugere-se que seja estabelecida penalidade para o caso de descumprimento (não superior a 10%), além dos juros de mora de 1% ao mês. 3) Quando o acordo envolver obrigação de fazer, poderá ser estabelecida penalidade para o caso de descumprimento, incidente por dia de atraso. 4) A assinatura de 2 testemunhas é necessária para conferir ao documento força de título executivo extrajudicial (art. 585, II, do CPC). Os estagiários poderão assinar como testemunhas.

51

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

ATESTADO DE COMPARECIMENTO

Atesto, para os devidos fins, que o(a) Sr.(a) _______________________________, RG nº ______________________, compareceu ao Balcão de Justiça e Cidadania, na data abaixo especificada, no período da manhã, para tratar de assunto relativo à defesa de seus direitos.

Salvador, _____ de ________________ de ____.

________________________________________ Mediador responsável

52

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Salvador _____de_____________________ de ____.

CON VITE

Ilmo(a) Sr(a) ...................................................................... ................................................

Prezado(a) Senhor(a): O Balcão de Justiça e Cidadania tem como principal objetivo resolver conflitos através da mediação e conciliação, utilizando-se de procedimentos amigáveis, simples e inteiramente gratuitos, que podem evitar os transtornos causados com um possível procedimento judicial. Para tanto, o Balcão dispõe de mediadores que auxiliam as partes a encontrar uma solução satisfatória para o problema apresentado, atuando com total isenção e confidencialidade. Imbuído deste propósito, convidamos-lhe a comparecer no dia .... de ................ de ...., às ..... horas, à nossa unidade situada na rua ....................... para tratar de assunto de seu interesse, oportunidade em que solicitamos que apresente os originais e cópias da sua Carteira de Identidade, do CPF nº e comprovante de residência. O seu comparecimento poderá resultar em solução consensual que atenda aos interesses das partes, razão pela qual contamos com a presença de V.Sa. no dia e hora antes mencionados.

Cordialmente, ___________________________________ Mediador/Supervisor

Notas Explicativas: 1) Sempre que possível, o motivo do convite deve ser mencionado. 2) Caso haja necessidade de apresentação de outros documentos, alterar o antepenúltimo parágrafo.

53

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Salvador _____de_____________________ de ____.

CON VITE (2ª c o nvo c aç ão )

Ilmo(a) Sr(a) ...................................................................... ................................................

Prezado(a) Senhor(a): Tendo em vista o não atendimento ao nosso convite anterior, vimos, mais uma vez, solicitar o comparecimento de V.Sa. à nossa unidade situada na rua ..................... para tratar de assunto de seu interesse, sendo, para tanto designado dia .. de ........ de ...., às .... horas, oportunidade em que solicitamos que apresente os originais e cópias da sua Carteira de Identidade, do CPF nº e comprovante de residência. O seu comparecimento é importante, uma vez que a questão a ser tratada poderá ser solucionada de forma adequada e satisfatória. Caso V.Sa. não atenda este nosso segundo convite, a questão será encaminhada para outro órgão, a fim de ser adotada a via litigiosa.

Cordialmente, ___________________________________ Mediador/Supervisor

Nota Explicativa: Utilizar este modelo quando a parte não atender ao primeiro convite. Havendo interesse de criança ou adolescente, sugere-se a seguinte redação do 2º parágrafo: “O seu comparecimento é importante, uma vez que a questão a ser tratada envolve interesse de pessoa menor de idade, podendo ser solucionada de forma satisfatória”.

54

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Salvador. ... de ................... de .....

CON VITE À Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA At.: Gerência de Contratos/e Relacionamento com o Consumidor

Prezados Senhores: Convidamos-lhe a comparecer, no dia ..........., às ......... horas, neste Balcão de Justiça e Cidadania, localizado na rua ...... para tratar de assunto referente ao consumidor a seguir identificado: Nome: ......... Contrato nº ..... Objeto da reclamação: ...... (descrever resumidamente o problema apresentado) A pessoa indicada por essa empresa para comparecer à sessão de conciliação deverá fazer prova da sua condição de representante, por meio da apresentação de documentos, tais como carta de preposto ou procuração, dentre outros. Esclarecemos que o Balcão de Justiça e Cidadania tem entre os seus objetivos resolver, através da mediação, conflitos relacionados a questões de família e questões cíveis de menor complexidade, evitando o ajuizamento de uma possível demanda judicial. O não comparecimento dessa empresa implicará no encaminhamento do reclamante para a adoção de medida judicial.

Cordialmente, _________________________________________ Mediador/Supervisor

Nota Explicativa: Os convites relativos às questões cíveis devem conter informações para que o reclamado possa entender os motivos da sua convocação, tais como o número do contrato, etc. No que se refere à Coelba e Embasa, a mediação deve ser agendada por telefone e em seguida formalizada por escrito.

55

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

CONTROLE DE ATENDIMENTO

Nº DO CONTROLE DE ATENDIMENTO: NOME: DATA: MEDIADOR RESPONSÁVEL: RETORNO DOCUMENTAÇÃO

DATA

HORÁRIO

Nota Explicativa: Este formulário é fornecido em blocos impressos

56

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA DE ......... Salvador, ... de .................... de .... Ofício nº ..../.... À Secretaria dos Balcões de Justiça e Cidadania Nesta

Senhor(a) Secretário(a) Encaminho a V. Sa., para as providências cabíveis, os acordos celebrados neste Balcão de Justiça e Cidadania, a seguir relacionados: Alimentos Nº da Ficha

Nome das Partes

Total dos Acordos Divórcio e Conversão de Separação em Divórcio (todos os tipos de divórcio) Nº da Ficha Nome das Partes

Total dos Acordos Reconhecimento Espontâneo de Paternidade Nº da Ficha Nome das Partes

Total dos Acordos Reconhecimento e Dissolução de União Estável (com ou sem alimentos) Nº da Ficha Nome das Partes

Total dos Acordos Devolução para Correção Nº Processo Tipo / Correção

Total dos Acordos Atenciosamente, Supervisor(a) / Estagiário(a)
57

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Notas Explicativas: 1) Os termos de acordo devem ser separados em conformidade com as seguintes classes: alimentos; conversão de separação em divórcio e divórcio (com ou sem alimentos e com ou sem patrimônio); reconhecimento e dissolução de união estável (com ou sem alimentos); reconhecimento espontâneo de paternidade. 2) Os processos da mesma classe devem ser relacionados e numerados, conforme exemplificado no presente modelo. 3) Ao final de cada classe deve-se colocar o total. 4) Caso haja devolução de sentença e/ou mandado averbatório para correção, este(s) deverá(ao) ser identificado(s) na tabela específica.

58

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

FICHA DE ATENDIMENTO Nº do Controle do Atendimento Data do 1º atendimento Data e horário da conciliação DADOS DO REQUERENTE Nome Endereço Bairro Referência (DDD) Telefone Estado civil RG/órgão expedidor Sexo ( )M ( )F Naturalidade CPF Nº INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS Ocupação Número de dependentes Como tomou conhecimento do Balcão DADOS DO REQUERIDO Nome Endereço Bairro Referência (DDD) Telefone NATUREZA DO CONFLITO ( ) Alimentos ( ) Divórcio ( ) União Estável Observações: ( ) Rec. Esp. Paternidade ( ) Regulamentação de Visitas ( ) Posse/Propriedade/Vizinhança ( ) Relação de Consumo ( ) Cobrança de Dívida ( ) Outros CEP Cidade Estado Renda mensal pessoal Renda mensal familiar Data de Nascimento Escolaridade CEP Cidade Estado

Declaro que as informações aqui prestadas correspondem à verdade, sendo oferecidas sem qualquer constrangimento. Salvador, _____ , de ______________ de______.
59

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

PAUTA DE CONCILIAÇÃO 1. Unidade de Balcão: Nº 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37
60

Nº de controle

Nome do Requerente

Nome do Requerido

Data/hora da Conciliação

Conciliada/não conciliada/remarcada (data/hora)

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

RECIBO

............................................................, brasileiro, casado, comerciante, portador da Carteira de Identidade nº ....SSP-BA, declaro haver recebido, nesta data, do(a) Sr(a)............................................, portador(a) da Carteira de Identidade nº ........................-SSP-BA, a quantia de R$................. (.................................................................) referente à ...................................., razão pela qual dou plena e geral quitação do recebimento do referido valor.

Salvador, .... de .......................... de .....

___________________________________ assinatura

Nota Explicativa: caso o pagamento seja efetuado em cheque, o recibo poderá ter a redação seguinte: ......................, brasileiro, casado, comerciante, portador da Carteira de Identidade nº...-SSP-BA, declaro haver recebido, nesta data, por intermédio do cheque nº ..., sacado contra o Banco ..., agência nº ..., do(a) Sr(a) ..., portador(a) da Carteira de Identidade nº.....-SSP/BA, a quantia de R$... (...) referente à ...., razão pela qual dou plena e geral quitação do valor recebido. A eficácia da presente quitação fica condicionada à existência de saldo que possibilite a regular compensação ou resgate do cheque antes mencionado.

61

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

ESTATÍSTICA DIÁRIA – BALCÃO DE ...
Reclamações Efetuadas Orienta/Encaminha Acordos Celebrados Divórcio Dissolução U. Estável Não Conciliados Rec. Paternidade Família Cíveis Sessões Realizadas Remarcadas Reconciliações Acordos Descumpridos

Alimentos

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

Nota Explicativa: Este formulário é meramente ilustrativo. A sua utilização destina-se a facilitar o preenchimento do relatório mensal.

62

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

RELATÓRIO MENSAL DAS ATIVIDADES
JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL Total atendimentos Reclamações efetuadas Orientação/Encaminhamento Acordos celebrados Acordos Judiciais (Família) Alimentos Divórcio Dissolução de União Estável Reconhecimento Esp. de Paternidade Reconciliações Acordos Extrajudiciais (cíveis) Não conciliados Família Cíveis Sessões realizadas e remarcadas Sessões Não Realizadas Ausência do Autor Ausência do Réu Ausência de Ambos Acordo de alimentos descumpridos Total de Sessões Tempo entre a Reclamação e a 1º Sessão
Observações: 1) Inserir o nome do Balcão no cabeçalho; 2) São considerados descumpridos os acordos de alimentos em que foi tentada, sem êxito, uma nova mediação; 3) Os campos com zeros contém fórmula (não preenchê-los). 4) Nas sessões realizadas/remarcadas o processo de mediação foi iniciado e prosseguirá em outra sessão 5) Na linha 35 considerar a quantidade de dias entre o preenchimento da ficha de atendimento e a data designada para sessão de me diação, na data de elaboração do relatório.

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0 0 0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Nota Explicativa: Este formulário é meramente ilustrativo. Deve ser utilizado o formulário no formato Excel fornecido pela Coordenação Geral.

63

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Formulário de Pesquisa de Opinião do Jurisdicionado

64

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Ofício nº ...../.... Ref. Frequência dos Estagiários Salvador, .. de .......... de ....

Exmo. Sr. Dr. ..... Juiz Assessor da Presidência II Nesta

Senhora Juíza Assessora,

Comunico a V.Exa. que os estagiários de Direito relacionados a seguir tiveram frequência integral no mês de ......... de ..... ........ ........

Atenciosamente,

nome ............................................................ Supervisor

Notas Explicativas: 1) Informar a frequência dos estagiários de todos os balcões sob a responsabilidade do supervisor em único ofício. 2) Quando a frequência não for regular, o supervisor deve indicar as faltas. 3) No caso de ausências formalmente justificadas, anexar o documento (atestado médico, por exemplo). 4) O Formulário de frequência deve ser arquivado no Balcão, podendo ser anexado ao ofício no caso de frequência irregular. 5) Ao ser informada a frequência dos estagiários voluntários, deve ser indicado ao lado do nome os dias da semana frequentados.

65

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

CON TR OLE DE FR EQUÊN CIA MÊS/ANO ................/.... Nome do Servidor: Unidade de Lotação Balcão de Hora 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Data ____/_____/_____ E ntrada Rubr i ca Sábado Dom i ngo Saí da Hora Rubr i ca Sábado Dom i ngo Cadastro: Cargo/Função: Estagiário Anotaç ões

Sábado Dom i ng o

Sábado Dom i ngo

Sábado Dom i ngo

Sábado Dom i ngo

Sábado Dom i ngo

Sábado Dom i ngo

Sábado Dom i ngo Visto-Chefe Imediato

Sábado Dom i ngo

Notas Explicativas: 1) Encaminhar este formulário à Coordenação Geral até o 5º dia de cada mês; 2) Indicar os dias de sábado e domingo de acordo com cada mês do ano, conforme exemplo acima.

_________________________________________ Requerente

__________________________________ Estagiário / Agente Comunitário

66

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

RELAÇÃO DE BENS PATRIMONIAIS MÓVEIS 1.Balcão 3. Tombo 4. Descrição do bem 2. Data do levantamento

5. Nome do Supervisor/Estagiário do Balcão

6. Assinatura

Instruções de Preenchimento – Transferência de Bens Patrimoniais Móveis OBSERVAÇÃO: DOCUMENTO EM DUAS VIAS.

 A PRIMEIRA DEVERÁ SER ARQUIVADA PELO COORDENADOR DO BALCÃO, PARA CONTROLE INTERNO .  A SEGUNDA DEVERÁ SER ENVIADA AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, JUNTO COM OS
RELATÓRIOS MENSAIS, SUBSIDIANDO SEU CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SOBRE OS BENS. Finalidade do Documento: documento de emissão e controle interno com o objetivo de gerenciar o deslocamento, transporte e movimentação dos bens entre as unidades de Balcão.

67

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

TRANSFERÊNCIA DE BENS PATRIMONIAIS MÓVEIS 1. Número da transferência 3. Nome da unidade que transfere 2. Data da transferência 4. Nome da unidade que recebe

5. Tombo

6. Descrição do bem

7. Nome do Supervisor/Estagiário do balcão

8. Assinatura

Instruções de Preenchimento – Transferência de Bens Patrimoniais Móveis OBSERVAÇÃO: DOCUMENTO EM DUAS VIAS.

 A PRIMEIRA DEVERÁ SER ARQUIVADA PELO COORDENADOR DO BALCÃO, PARA CONTROLE INTERNO .  A SEGUNDA DEVERÁ SER ENVIADA AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, JUNTO COM OS
RELATÓRIOS MENSAIS, SUBSIDIANDO SEU CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SOBRE OS BENS. Finalidade do Documento: documento de emissão e controle interno com o objetivo de gerenciar o deslocamento, transporte e movimentação dos bens entre as unidades. CAMPO 1 - NÚMERO DA TRANSFERÊNCIA - Preencher com o número posterior a última transferência interna empreendida pela Instituição Executora. CAMPO 2 - DATA DA TRANSFERÊNCIA - Preencher com o dia, mês e ano de realização da transferência do bem. CAMPO 3 - NOME DA UNIDADE QUE TRANSFERE - Preencher com o nome da unidade de balcão da qual será retirada o bem. CAMPO 4 - NOME DA UNIDADE QUE RECEBE - Preencher com o nome da unidade de balcão a qual receberá o bem CAMPO 5 - NÚMERO DE TOMBO Preencher com o número do patrimônio do bem descrito na placa de identificação do mesmo. CAMPO 6 - DESCRIÇÃO DO BEM 68 Especificar tamanho, cor, características e estado de conservação do bem a ser transferido. CAMPO 7 - NOME DO SUPERVISOR/ESTAGIÁRIO DO BALCÃO Preencher com o nome. CAMPO 8 - ASSINATURA DO SUPERVISOR/ESTAGIÁRIO DO BALCÃO

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Secretaria Jurídica
69

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

70

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Procedimentos na Secretaria Jurídica

A Secretaria Jurídica é o órgão do Balcão de Justiça e Cidadania em que o Termo de Acordo é autuado, conferido, submetido à apreciação do Ministério Público (quando necessário) e à homologação do Juiz-Coordenador Jurídico. Na comarca da Capital, o Juiz-Coordenador é designado pela Presidência do Tribunal de Justiça (conforme Decreto Judiciário nº 43, de 27 de janeiro de 2011). Nas comarcas do interior, a Coordenação Jurídica dos Balcões de Justiça e Cidadania deve ser exercida pelo Juiz Titular ou Substituto da Vara Cível (nas comarcas de entrância inicial) e pelo Juiz Titular ou Substituto da Vara de Família (nas comarcas de entrância intermediária). Havendo mais de uma Vara de Família na Comarca, a Coordenação Jurídica será exercida pelo Juiz Titular ou Substituto da 1ª Vara de Família e, não havendo Vara de Família, mas existindo mais de uma vara cível, a Coordenação Jurídica caberá ao Juiz Titular ou Substituto da 1ª Vara Cível. O art.10-A, da Resolução nº 5/2006, estabelece que nas comarcas do interior, a estrutura cartorária vinculada ao Juiz-Coordenador do Balcão funcionará como Secretaria Jurídica. Na Secretaria Jurídica devem ser praticados atos processuais, como expedição de ofícios e mandados de intimação, dentre outros, além da publicação da decisão homologatória, sendo todos esses atos inseridos no SAIPRO. As unidades de mediação devem remeter à Secretaria Jurídica apenas os acordos envolvendo matéria de Direito de Família, uma vez que a Resolução nº 5/2006 não exige a homologação judicial do termo de acordo cível, que constitui título executivo extrajudicial. A critério do Juiz-Coordenador, nos acordos que não envolvam interesse de criança ou adolescente, é dispensável a ouvida do órgão do Ministério Público. Visando a racionalização do processo, foi criada uma folha de verificação (vide modelo), preenchida em duas vias, uma das quais é remetida ao Balcão juntamente com os autos, caso o processo apresente alguma pendência ou irregularidade. A verificação deve ser efetuada logo que o processo chegue à Secretaria, antes até mesmo do seu lançamento no SAIPRO, de modo a evitar que os autos com irregularidade ou pendência tramitem pelo órgão do Ministério Público e pelo Juiz-Coordenador, o que poderia comprometer a sua celeridade. O fluxograma na página a seguir, demonstra a tramitação dos autos na Secretaria Jurídica. As páginas posteriores contém modelos de atos praticados pelo Juiz, que são meramente sugestivos e que devem sofrer o ajuste necessário à adaptação ao entendimento ou estilo de cada julgador. Esses modelos estão disponíveis no SAIPRO.

71

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Fluxograma dos Procedimentos na Secretaria Jurídica

RECEBIMENTO DOS AUTOS

ANÁLISE DO PROCESSO OBSERVANDO ITENS DE CHECKLIST

PROCESSO REGULAR

PROCESSO COM PENDÊNCIA

EFETUA O CADASTRAMENTO NO SISTEMA

SECRETARIA REMETE AO BJC

SEM INTERESSE DE MENOR

COM INTERESSE DE MENOR

BJC SANA A IRREGULARIDADE E RETORNA OS AUTOS A SECRETARIA

REMETE OS AUTOS AO MP

PARECER FAVORÁVEL

PARECER DESFAVORÁVEL

CONCLUSÃO AO JUIZ. ANEXA A MINUTA DA SENTENÇA

SECRETARIA SOLUCIONA A PENDÊNCIA

AUTOS COM SENTENÇA

AUTOS COM DESPACHO A SER ATENDIDO

SECRETARIA: PUBLICA A SENTENÇA NO DJE CERTIFICA A PUBLICAÇÃO NOS AUTOS REMETE CÓPIA DA SENTENÇA E ACORDO AO BJC BAIXA O PROCESSO NO SISTEMA REMETE OS AUTOS PARA ARQUIVO

- 72 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Verificação de Regularidade de Processo

Identificação do Balcão: Nome do Autor

Controle nº

Documentação e Conteúdo dos Atos Certidão de Casamento juntada Certidão(ões) de Nascimento juntada(s) Comprovantes de residência juntados Cópia de documentos de identificação juntados Termo de declaração de testemunha juntado Dados divergentes nos documentos de fls. ______ e ______ Acordo fixado de alimentos para menor Regulamenta guarda Estabelece regime de visitas Indica o(s) documento(s) de identificação das partes Dispõe sobre bens dos divorciandos Nomes grafados corretamente. Incorreto às fls. ______ Falta assinatura no documento de fls. _______ - Advogado ( ) - Estagiário ( ) - Parte ( ) Outros:

Pendente

Observações:

Data:

Assinatura

Observação: Preencher em duas vias. A 1ª via ficará no Balcão e a 2ª retornará à Secretaria Jurídica.

- 73 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Processo nº: Autor: Representante: Réu:
CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos ao Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito. ________________,___ de ________ de _______. ___________________________________ Secretário

01. Expeça-se ofício à empresa empregadora, para que seja descontado em folha de pagamento o valor referente aos alimentos, na forma acordada. 02. Expeça-se Mandado. 03. Expeça-se ofício conforme requerido. 04. Defiro o pedido de fls. _________ 05. Indefiro o pedido de fls. _______, porque _____________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________

06. _______________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________

________________ , ____ de _________ de ......

________________________ Juiz de Direito

Certidão Certifico que a decisão supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/2011, transitando em julgado na mesma data, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé. Salvador, _____/______/2011 __________________________________ Secretário(a)

- 74 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Processo nº ________________ - Alimentos Alimentando: Representante: Alimentante:

CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos à Exma. Sra. Dra. Juíza de Direito. ________________,___ de ________ de _______. ___________________________________ Secretário

Vistos, etc. As partes acima identificadas celebraram acordo perante o Balcão de Justiça e Cidadania, no qual, pactuaram sobre pensão de alimentos, guarda e regulamentação de visitas. A ilustre Representante do Ministério Público opinou pela homologação do acordo, que obedeceu às normas de direito material pertinentes. Pelo exposto, HOMOLOGO, por sentença, para que produza os efeitos legais, o ACORDO DE ALIMENTOS, no percentual convencionado, regulamentação de visita e guarda. Dispensadas as custas, em face do deferimento de assistência judiciária gratuita. Expeçam-se os atos necessários à efetivação da presente decisão. P.I.R. Arquivem-se os autos com baixa no Livro Tombo.

________________ , ____ de _________ de ......

________________________ Juiz de Direito

Certidão Certifico que a decisão supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/2011, transitando em julgado na mesma data, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé. Salvador, _____/______/2011 __________________________________ Secretário(a)

- 75 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Divórcio Consensual com Alimentos Processo nº _______ Sentença Vistos, etc. Trata-se de Divórcio Consensual requerido por ___________ e __________ O acordo obedeceu às normas de direito material pertinentes. A ilustre Representante do Ministério Público opinou pela homologação do acordo. Relatados. Decido. As partes pactuaram em relação à guarda, direito de visitas e pensão para os filhos menores, em percentual sobre o salário mínimo em vigor na data do pagamento, deliberaram quanto à partilha de bens e convencionaram que a divorcianda voltará a usar o nome de solteira, ou seja, _____________. Pelo exposto e por tudo mais que dos autos consta, HOMOLOGO, por sentença, para que produza os efeitos legais, inclusive quanto à renúncia ao prazo recursal, o acordo celebrado pelos postulantes para decretar o DIVÓRCIO CONSENSUAL do casal, nos termos do art. 226, § 6º da Constituição Federal. Em homenagem aos princípios da economia e celeridade processuais, dou a esta sentença força de mandado de averbação, o que dispensa qualquer outra formalidade, devendo a parte encaminhá-la ao Cartório competente. Determino ao Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais do Subdistrito de ______ – Comarca de ____ que, vendo o presente e em seu cumprimento, proceda à margem do Livro de Registro de Casamentos nº ___, às fls. __, sob o Termo nº ____, a averbação do DIVÓRCIO CONSENSUAL. Dispensadas as custas, em face do deferimento de assistência judiciária gratuita, extensiva aos atos notariais e registrais. Arquivem-se os autos com baixa no Livro Tombo. P.I.R. Ciência pessoal ao Ministério Público.

________________ , ____ de _________ de ......

________________________ Juiz de Direito

Reconhecimento de Firma por Autenticidade Conforme Provimento Conjunto nº 01/2010 da Corregedoria Geral de Justiça e da Corregedoria das Comarcas do Interior, reconheço por autenticidade a assinatura do Juiz de Direito __________________________. __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a)

Certidão Certifico que a sentença supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/____, momento em que ocorreu o seu trânsito em julgado, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé. __________, ___/___/___ ___________________________ Secretário(a

- 76 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Conversão de Separação Judicial em Divórcio Consensual Processo nº ___________ Sentença Vistos, etc. Trata-se de pedido de Conversão de Separação Judicial em Divórcio Consensual requerido por _________________ e ________________. As partes declaram que tiveram 02 (dois) filhos já maiores de idade nesta data. Declararam que não possuem bens a partilhar e que dispensam o pagamento de pensão alimentícia. A divorcianda manterá o nome de solteira conforme já decidido em sentença judicial, ou seja, ______. O acordo obedeceu às normas de direito material pertinentes. Pelo exposto e por tudo mais que dos autos consta, HOMOLOGO, por sentença para que produza os efeitos legais, inclusive em relação à renúncia ao prazo recursal, o acordo celebrado pelos postulantes para DECRETAR a CONVERSÃO DA SEPARAÇÃO JUDICIAL EM DIVÓRCIO CONSENSUAL do casal, nos termos do art. 226, § 6º da Constituição Federal. Em homenagem aos princípios da economia e celeridade processuais, dou a esta sentença força de mandado de averbação, o que dispensa qualquer outra formalidade, devendo a parte encaminhá-la ao Cartório competente. Determino ao Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais do Subdistrito de ____, Comarca de SalvadorBA, que, vendo o presente e em seu cumprimento, proceda à margem do Livro de Registro de Casamentos nº ____, às folhas ___, sob o Termo nº ____, a averbação da CONVERSÃO DA SEPARAÇÃO JUDICIAL EM DIVÓRCIO CONSENSUAL. Defiro a assistência judiciária gratuita, extensiva aos emolumentos dos atos registrais e notarias. A divorcianda manterá o nome de solteira conforme já decidido em sentença judicial, ou seja, ______. P.I.R. Arquivem-se os autos com baixa no Livro Tombo. ________________ , ____ de _________ de ____ ________________________ Juiz de Direito

Reconhecimento de Firma por Autenticidade Conforme Provimento Conjunto nº 01/2010 da Corregedoria Geral de Justiça e da Corregedoria das Comarcas do Interior, reconheço por autenticidade a assinatura do Juiz de Direito __________________________. __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a)

Certidão Certifico que a sentença supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/____, momento em que ocorreu o seu trânsito em julgado, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé. __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a)

- 77 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Reconhecimento e Dissolução de União Estável Processo nº _________ Sentença Vistos, etc. _______________ e______________, qualificados nos autos, por advogado legalmente habilitado, celebraram acordo de RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL perante unidade de Balcão de Justiça e Cidadania da Capital. Os acordantes atenderam as disposições legais, assinando juntamente com o advogado o termo do acordo. Informam que conviveram como se casados fossem durante o período de ___ a ___, estando separados há ____ (_____) meses. Dessa união não advieram filhos e não possuem bens a partilhar. Do exposto, HOMOLOGO, por sentença, o RECONHECIMENTO DA SOCIEDADE DE FATO E DISSOLVO A UNIÃO ESTÁVEL DO CASAL, com fundamento nos art. 226, parágrafo 3º da Constituição Federal, bem como no art. 1.723 e seguintes, do Código Civil, nos termos do acordo celebrado pelas partes, para que produzam seus jurídicos e legais efeitos e, por conseguinte, declaro a extinção do processo, com exame do mérito, na forma do art. 269, III, do CPC. Dispensadas as custas, em face do deferimento de assistência judiciária gratuita. Arquivem-se os autos com baixa no Livro Tombo. P.I.R. Ciência pessoal ao Ministério Público. ________________ , ____ de _________ de ...... ________________________ Juiz de Direito

Certidão Certifico que a decisão supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/2011, transitando em julgado na mesma data, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé. Salvador, _____/______/2011 __________________________________ Secretário(a)

- 78 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Restabelecimento de Sociedade Conjugal Processo nº ___________ Sentença Vistos, etc. ________________ e _________________qualificados nos autos, por advogado legalmente habilitado, requereram o RESTABELECIMENTO DA SOCIEDADE CONJUGAL nos autos da presente AÇÃO DE SEPARAÇÃO JUDICIAL CONSENSUAL, alegando que juntamente com o filho _______________, constituíram-se novamente em família. O requerimento obedeceu às normas de direito material pertinentes, no qual foi estabelecido que a requerente voltará a usar o nome de casada. Informam que não averbaram a separação judicial no Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais. Relatados. Decido. Do exposto, HOMOLOGO, por sentença, o RESTABELECIMENTO DA SOCIEDADE CONJUGAL do casal, com arrimo no art. 1.577 do Código Civil c/c o art.46 da Lei nº 6.515/77, conforme pactuado pelas partes, para que produzam seus jurídicos e legais efeitos e, por conseguinte, declaro a extinção do processo, com exame do mérito, na forma do art. 269, III, do CPC. Em homenagem aos princípios da economia e celeridade processuais, dou a esta sentença força de mandado de averbação, o que dispensa qualquer outra formalidade, devendo a parte encaminhá-la ao Cartório Responsável. Determino ao Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais do Subdistrito de _____, comarca de _____, que, vendo o presente e em seu cumprimento, proceda à margem do Livro de Registro de Casamentos nº___, às folhas ___, sob o Termo nº __, a averbação do RESTABELECIMENTO DA SOCIEDADE CONJUGAL. Dispensadas as custas, em face do deferimento de assistência judiciária gratuita. Defiro o pedido de renúncia ao prazo recursal. Arquivem-se os autos com baixa no Livro Tombo. P.I.R. Ciência pessoal ao Ministério Público. ________________ , ____ de _________ de ...... ________________________ Juiz de Direito

Reconhecimento de Firma por Autenticidade Conforme Provimento Conjunto nº 01/2010 da Corregedoria Geral de Justiça e da Corregedoria das Comarcas do Interior, reconheço por autenticidade a assinatura do Juiz de Direito __________________________. __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a)

Certidão Certifico que a sentença supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/____, momento em que ocorreu o seu trânsito em julgado, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé. __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a)

- 79 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

Reconhecimento Espontâneo de Paternidade com Alimentos Processo nº _______________ Sentença Vistos etc. Cuidam os autos de Acordo de Reconhecimento Espontâneo de Paternidade com Alimentos firmados entre ______________ e ______________, representada por sua genitora, _________________, e _________________. Juntaram os documentos de fls. ___ dos autos. A ilustre Representante do Ministério Público opinou pela homologação do acordo. Relatados. Decido. As partes celebraram o acordo assinando junto ao Balcão de Justiça e Cidadania, no qual foi efetuado o reconhecimento espontâneo da paternidade do filho, fixada pensão de alimentos em favor deste e pactuada a guarda e o direito de visitas. Do exposto, HOMOLOGO, por sentença, o pacto celebrado pelos postulantes, para que produza seus jurídicos e legais efeitos, inclusive quanto à renuncia ao prazo recursal e, por conseguinte, declaro a extinção do processo, com resolução do mérito, na forma do art. 269, III, do Código de Ritos. Em homenagem aos princípios da economia e celeridade processuais, dou a esta sentença força de mandado de averbação, o que dispensa qualquer outra formalidade, devendo a parte encaminhá-la ao Cartório competente. Determino ao Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais do Subdistrito de _____ – Comarca de _______________, que, vendo o presente e em seu cumprimento, proceda à margem do Livro de Registro de Nascimento sob o nº XXXX, às folhas XXX, onde consta o Registro de Nascimento do Termo n.º XXXX, a averbação no registro de nascimento de _______________ , que passou a chamar-se ____________, fazendo constar o nome de seu pai, Sr. ______________, bem como de seus avós paternos, ___________ e ___________ Justiça gratuita. Cumpra-se na forma da lei. Arquivem-se os autos com baixa no SAIPRO. Sem custas por serem beneficiários da justiça gratuita. P.I.R. Ciência pessoal ao Ministério Público. ________________ , ____ de _________ de ...... ________________________ Juiz de Direito
Reconhecimento de Firma por Autenticidade Conforme Provimento Conjunto nº 01/2010 da Corregedoria Geral de Justiça e da Corregedoria das Comarcas do Interior, reconheço por autenticidade a assinatura do Juiz de Direito __________________________. __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a) __________, ___/___/___ __________________________ Secretário(a) Certidão Certifico que a sentença supra foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico do dia ____/____/____, momento em que ocorreu o seu trânsito em julgado, em face da renúncia ao prazo recursal. O referido é verdade e dou fé.

- 80 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

- 81 -

BALCÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

PROCEDIMENTOS 2011

- 82 -

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful