Iluminismo, de Francisco José Calazans Falcon - fichamento

Por que o Iluminismo? → Iluminismo: permanece atual, ainda vive. → Despotismo esclarecido: é apenas passado. → O Iluminismo não é apenas uma das causas da Revolução Francesa. Foi a expressão ideológica da crise do Antigo Regime. → A palavra Iluminismo reveste-se de muitas significações. → “No plano político restou-nos principalmente a vertente autoritária do Iluminismo, sempre distante e hostil à participação popular, tão elitista hoje quanto o eram à sua época os nossos tão familiares ‘déspotas esclarecidos’” (p. 7). Ditaduras e líderes carismáticos (donos exclusivos da verdade). → “No nível intelectual, o Iluminismo converteu-se nesse modelo paradigmático da verdade única e indiscutível, acima de qualquer dúvida, que reconhecemos simplesmente pela palavra ciência. À sua sombra protetora vicejam a tecnocracia e a burocracia” (p. 7). → “É preciso, hoje, desconfiar de tais manifestações iluministas” (p. 8), dos autoritarismos do poder e do saber. → “[...] a utopia da salvação da humanidade através da ciência cedeu lugar ao pesadelo da destruição da humanidade por essa mesma ciência” (p. 8). → Desencantamento diante do Iluminismo: diferenças entre hoje e o século XVIII. → “é preciso reconhecer a realidade originária do Iluminismo” (p. 8). O jogo das palavras: “Iluminismo” ou “Ilustração”? → Dicionários. └> Iluminismo: tendência à Iluminismo = Ilustração, referência à um movimento filosófico do século XVIII, mística, doutrina, adeptos = “iluminados”, o filosófico em função do sobrenatural. └> Ilustração: nível denotativo, em seu nível conotativo: Ilustração = Iluminismo. A vez dos historiadores → Problema do Iluminismo: a questão das palavras (lumi, ilustrar, illuminare, iluminar etc, várias dessas palavras foram criações posteriores ao Iluminismo), a questão dos sentidos ou significados dessas palavras (já no século XIII variavam, em cada espaço cultural, contrastes e contradições entre o participantes etc), e a metáfora das “Luzes”

revolução científica do século XVII. iluminação mística. As bases sociais das “Luzes” → “Havia. Enciclopédia. com a capacidade de um número cada vez maior de homens “‘pensarem por si mesmos’” (p. 15). → Outros historiadores: começos do Iluminismo.. altos e baixos = Ilustração. clérigos. 23). artistas. 19). erros. expansão comercial. crescimento da produção agrícola e industrial. a suposta univocidade do conceito de Iluminismo e com isso desmorona-se também a pretensão que consiste em identificar a época com o movimento intelectual. dia e noite. . opondo “Luzes” às “Trevas”. ou uma ideologia” (p. advogados. o processo de esclarecimento do homem. 16-17). funcionários do Estado absolutista. ignorância dos séculos precedentes).. de maneira algum.] a pretendida unidade da Europa era na realidade um projeto. a idéia de “Luzes” não se tratava de um movimento intelectual. 21). “Cronologia e geografia do Iluminismo”. Enfim. “a luz é sempre imagem ou símbolo que significa verdade ou conhecimento verdadeiro” (p. A dimensão cronológica → Franco Venturi. assim. idéias e intelectuais burgueses no movimento iluminista. com relação ao próprio Iluminismo. └> Termos globais: aumento demográfico. Aparecimento da “Europa das Luzes” (p. mas sim de um processo que estava apenas começando. Historiadores do Iluminismo em geral: a Revolução de 1789 é o fim do movimento ilustrado. à pluralidade inerente à variadas tomadas de consciência do movimento ilustrado” (p. mesmo com as múltiplas significações. O espaço-tempo do Iluminismo e suas bases sociais O espaço-tempo do movimento ilustrado → Europa. é certo. traduzido pela idéia de progresso. “homens de letras”. mas um contínuo enriquecimento. das superstições. → “Desfaz-se. Profissões liberais (médicos. └> Variações regionais e locais. mitos. → Para os iluministas. professores).(oposição entre luzes e sombras. O espaço geográfico do Iluminismo → “[. curva do setecentos. Século XVIII. uma unidade de princípios e uma autoconsciência que não correspondem. do mesmo modo fica demonstrada a falácia de propormos. Mas eram todos burgueses? → Agentes sociais do Iluminismo: “letrados”. Não haveria uma época. valorização positiva do dia e da luz.

pautada pelos pressupostos da imanência. Ao longo desse embate produziu-se uma nova concepção do mundo e do homem. → Razão: conquista individual. As reações do público receptor . mudar o modo de pensar. importância da opinião pública. é instrumento de mudança. A participação. vínculos com o Estado variava conforme o país. essencialmente terrena e humana. academias. 33).... de uma racionalidade que pouco a pouco iria iluminar as sombras da ignorância. comerciantes.. de natureza finalista ou teleológica por definição. ceticismo moral e religioso. iluministas (razão: é uma aquisição possível. → “Luzes”: avanço constante. em nome da razão e da liberdade de pensamento” (p. A natureza das concepções racionalistas → Otimismo.nobres. cosmopolitismo. 32). → Secularização: “[. 33). étrabalho do intelecto. naturalista e antropocêntrica. → Diferença: razão: filósofos do século XVII (razão: tesouro ou banco de dados) vs. Nos salões. força intelectual possível através da prática. a minoria da minoria dos instruídos. Pouco a pouco essa visão perdeu terreno diante do avanço da visão imanentista. crítica de um pensamento tradicional. Secularização e racionalismo A falsa antítese → “[. se opõe a tudo que é irracional. Formavam o mundo por excelência onde se produziam as idéias do Iluminismo. da racionalidade e da relação homem-natureza como realidade essencial” (p. princípio da verdade.] desenvolvimento da crítica às crenças e práticas religiosas. sociedades secretas. Dilemas da razão iluminista O lugar do sentimento – a sensibilidade → O emergir do racionalismo de uma atitude humanitária. era típica de um universo mental marcado pela Revelação. valores sociais e estéticos. → Ponto de vista moral e religioso: racionalismo oferecia muito mais dúvidas que certezas.] a secularização pode ser identificada como a emancipação de cada um dos campos particulares do conhecimento” (p. └> Eram uma parcela pequena da sociedade. tudo deve ser submetido à crítica para se produzir o novo e o verdadeiro). → “A visão tradicional. A sociedade como um todo deve ser reconstruída. com observação e experimentação.

Voltaire. Montesquieu. Natureza e características da historiografia iluminista → Autores importantes para a historiografia ilustrada: Ernst Cassirer. ao criticar o cosmopolitismo dos ‘filósofos’. e outros. J. As bases do pensamento iluminista → Iluminismo: “Movimento intelectual portador de uma visão unitária do mundo e do homem” (p. ao privilegiar o sentimento em todas as suas diversas formas de manifestação.→ Humanitarismo racionalista. P. → Ciência das sociedades humanas. G. As valorações da historiografia iluminista → “O mundo histórico utilizado pelos românticos contra os iluministas foi descoberto graças à eficácia dos pressupostos intelectuais do Iluminismo. D’Alembert. filosofia da história. 56). Hume. 50). crítica histórica. A visão iluminista da historicidade e seus problemas → “Nova História” proposta pelos iluministas: fé no progresso. A consciência da historicidade → Autor propõe análise da “visão da historicidade presente no pensamento ilustrado e as dificuldades filosóficas dela derivadas” (p. o primado da razão. 56). Filosofias da cultura. teorias. a antropologia e a pedagogia” (p. Herder. A antropologia das “Luzes” → Várias antropologias do século XVIII: estudo positivo do homem. └> “Suas principais linhas de força foram o pensamento crítico. 54). “Ao redescobrir e dar um novo valor às tradições culturais de cada país. investigações. Foi este quem colocou a autêntica questão filosófica da História” (p. → Conquista do mundo histórico: processo lento: filosofia da cultura. Diderot. Lessing. Progresso. tais tendências abrem caminho à rejeição do próprio Iluminismo” (p. razão humanitária e sentimento humanitário. A antropologia – seus temas e valores . Bayle. └> tais atitudes mentais coletivas distanciam-se mais e mais do Iluminismo e tenderão por contestá-lo. 51) nas próximas páginas.

Civilização e cultura. guerra e patriotismo. Síntese dos conhecimentos existentes. não havia Europa hegemônica. mas para o historiador é importante uma análise mais profunda. o saber da cultura popular foi ignorado. Exaltação da ciência e da técnica. O autor ressalta a importância do Iluminismo não só como uma das causas da Revolução Francesa. estado atual (século XVIII) das questões. não são sinônimos. O Enciclopedismo das “Luzes” A enciclopédia → Enciclopédia: grande balanço do saber. Filantropia. Os iluministas eram uma parcela de homens que haviam estudado. → Humanidade. → Revolução: levou à idéia de Liberdade. desenvolveram-se os temas da humanidade. O Iluminismo acontece em cada lugar em um tempo diferente também. O pragmatismo das “Luzes” → Para iluministas: as idéias apenas têm razão de ser quando objetivam ações que modifiquem a realidade existente. contratualista e representativa). Iluminismo e revolução → Choque de duas legitimidades: tradicional (monarquia de direito divino. beneficência. conforme Gusdorf. └> Cidadania. na Idade Moderna há o fortalecimento da ciência. . Racional. da civilização e do progresso” (p. A pedagogia dos “filósofos” → Pedagogia iluminista: questão da natureza do processo educativo e a questão da reforma e difusão das instituições educacionais. Sistema estatal de instrução. humanitarismo e utilitarismo. Progresso. O contrato social de Rousseau. que em dicionários podem ser sinônimos. sendo que ainda hoje há traços do iluminismo. 59). absolutista) e moderna (racional. No século XVIII. A pretendida unidade da Europa é apenas a ideológica. Síntese da autoconsciência iluminista. e os significados das palavras variavam de local para local. como na política autoritária.→ “Tendo como premissas mais gerais o primado absoluto da razão e o caráter universal e eterno da natureza humana. Comentário Segundo Falcon. └> tolerância. Falcon destaca as expressões “Iluminismo” e “Ilustração”.

Os iluministas queriam sistematizar o conhecimento que eles consideravam verdadeiro. estavam em um plano intermediário. o iluminismo era meio fora de questão. O iluminismo é pragmático. O progresso seria linear. Havia estágios para ser civilizado. em Rousseau. O Iluminismo seria o processo que levaria ao esclarecimento. para o autor. O Iluminismo defendia a humanidade. A pedagogia iluminista. Há o Iluminismo do místico. O Iluminismo como conceito só vai perdendo a significação religiosa à medida que vai recebendo releituras. Locke acredita que não se precisa de um lugar de instrução. da iluminação racional. nas sociedades secretas. Para os pobres. não muito aceito pelas camadas populares. Já os Renascentistas pensavam em todos os conhecimentos. a filantropia contra tudo o que seria desumano. visa também a tolerância. vê a necessidade de uma instituição pública para educar. do iluminado com significação religiosa.Há a oposição entre as luzes do conhecimento e as trevas da ignorância. O autor critica o Iluminismo com relação à verdade única e absoluta. a civilização e o progresso. todo o conhecimento produzido tinha importância. artistas. Os iluministas eram então os homens de letras. Os iluministas. o humanitarismo e o utilitarismo no campo religioso. Era secular porque não estava voltado para o campo religioso. O Enciclopedismo é anterior à idéia de Iluminismo. comerciantes. O conceito não é único. não só a científica. Para os marxistas o Iluminismo é a ideologia dos burgueses. todas as esferas. Cada região da Europa apresenta suas especificidades. diferentes culturas. se encontravam nos salões. não eram altos burgueses nem pobres. e o da razão. a beneficência. científico. uma instituição. acredita na importância de instruir. . para ele isso é uma ceguidão.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful