Você está na página 1de 1

maria edwiges maria edwiges borges

a sra. maria edwiges de albuquerque borges nasceu na cidade do rio de


janeiro no dia 18 de outubro de 1918, filha do m�dico sanitarista dr. jos�
de albuquerque, natural do estado do rio de janeiro, e de d. cl�udia alves
de albuquerque.
seu pai, como sanitarista, prestou servi�os na constru��o da estrada de
ferro noroeste do brasil, em mato grosso, onde conheceu d. cl�udia alves
de albuquerque, da cidade de porto murtinho, com a qual se casou, fixando
resid�ncia no rio de janeiro.
pela desencarna��o do pai, sua m�e retornou para a cidade de origem, vindo
com ela a adolescente maria edwiges borges.
para dar continuidade aos estudos foi para o col�gio interno de corumb�,
depois de cuiab�, complementando sua escolaridade.
morando os familiares na cidade de porto murtinho, a� passou a residir,
ap�s sua forma��o escolar.
conheceu nessa cidade, que faz fronteira com o paraguai, o oficial do
ex�rcito brasileiro ten. gumercindo bruno borges, com o qual se casou em
31 de janeiro de 1935.
nessa �poca, na mesma cidade, tornou-se amiga de uma senhora esp�rita que
a presenteou com a obra �depois da morte�, de l�on denis.
mais tarde, em 1942, quando seu esposo foi transferido para a cidade de
campo grande, ela deu continuidade �s atividades esp�ritas no centro
esp�rita disc�pulos de jesus, da qual foi presidente de maio de 1953 a
maio de 1979.
pela divis�o do estado de mato grosso, foi criada a federa��o esp�rita de
mato grosso do sul, ocupando ela a presid�ncia de abril de 1979 a abril de
1997.
relevantes obras sociais foram por ela assistidas em mato grosso do sul.
no ano de 1966, em janeiro, ela inaugura o sanat�rio mato grosso, hoje
hospital nosso lar, criado para atendimento dos doentes mentais, e
refer�ncia no estado nesta especialidade.
mais tarde, no ano de 1979, � solicitada a fazer o atendimento �s
crian�as, incorporando nas suas atividades a presid�ncia de uma
creche-escola - fraternidade educacional casa da crian�a - com assist�ncia
a mais de 100 crian�as e jovens.
personalidade dedicada ao sofrimento do pr�ximo, assumiu tamb�m a tarefa
de assistir os hansenianos da sirpha � sociedade de integra��o e
reabilita��o da pessoa humana �, da qual se tornou a presidente de honra.
quando ainda era presidente do centro esp�rita disc�pulos de jesus, fundou
a assist�ncia aos necessitados, com distribui��o mensal de cestas b�sicas
a 50 fam�lias, trabalho esse que continua existindo at� hoje.
foi assim que na madrugada fria de 25 de julho, em companhia de amigos,
denotando em seu rosto a paz que flui dos cora��es que j� cumpriram com
amor o seu dever, parte maria edwiges borges, para a p�tria espiritual,
deixando-nos como heran�a um exemplo a ser seguido.

jeronymo gon�alves da fonseca


texto extra�do da revista o reformador. ourubro/2000 - p�g. 30
transcri��o feita por: carmen lucia

Você também pode gostar