Neste documento será detalhado o processo de implantação do SIGMA como sistema de gerenciamento de manutenção nas unidades do grupo MARFRIG

(Divisão Bovino) em 8 unidades desta, a saber: Promissão-SP – Marbrand, Promissão-I, Promissão-II, Curtume, Mineiros-GO, Capão do Leão-RS, Bataguaçu-MS e Tangará da Serra-MT.

O inicio da implantação se deu com uma reunião na central de TI do grupo MARFRIG em Sto. André – SP, com o objetivo de definir o ambiente necessário para a utilização do SIGMA e para efetuar testes de como seria a melhor configuração para que os usuários finais pudessem utilizar o SIGMA e o mesmo ser gerenciado por um único servidor. Após esta etapa deu-se inicio a implantação do SIGMA na cidade de Promissão – SP na unidade PROMISSÃO – II juntamente com o Sr. Getúlio. Segue abaixo a descrição das atividades desenvolvidas e métodos utilizados para a implantação inicial do SIGMA:

DEFENIÇÃO DE CADASTRAMENTO

Para a implantação do sistema foi definido pelo grupo de implantação (Grupo interno da MARFRIG) como seriam feitos os cadastros e como seriam os códigos a serem utilizados nos cadastros básicos para a utilização do sistema, visando assim a padronização dos cadastros em todas as unidades do grupo MARFRIG que utilizarão o SIGMA como sistema de controle e gerenciamento de manutenção. Foram padronizados códigos de: Família Departamento Setor Processo Centro de custo Origem Área executante Função Funcionário Peças (Os códigos utilizados neste cadastro foram importados de base de dados do programa utilizado pelo grupo MARFRIG para controle de estoque) Procedimentos de Preventivas Procedimentos de Lubrificação Procedimentos de Preditiva Esta padronização prévia dos cadastros a serem realizados possibilitou a otimização do processo de implantação gerando assim um tempo maior de treinamento operacional, avaliação detalhada de necessidades e cadastramentos.

famílias.) Tabela (Famílias) . processos. programações e histórico contido na base de dados. em algumas unidades já se utilizava o SIGMA. funções e funcionários deveriam ser alterados. departamentos. então durante analise feita pelos consultores da Rede Industrial no de banco de dados observou-se quais tipos de cadastros seriam mantidos e quais seriam alterados para que os mesmos se adequassem ao padrão MARFRIG. Durante o período de implantação em uma das unidades que já utilizavam uma versão antiga do SIGMA (os mesmos estavam passando por auditoria interna) foi necessário recorrer ao histórico que constava na versão anterior. porém em versões antigas. Preventiva Elétrica PC Manutenção Preventiva Civil PR Rota de inspeções (Elétrica. e os mantenedores que o utilizavam não haviam sido devidamente instruídos nas formas de cadastro do sistema e por isso não efetuaram todos os cadastros corretamente. Abaixo encontra-se um exemplo de como foram efetuados alguns cadastros: Tabela (Cadastro de Preventiva): Código Nome. Preventiva mecânica PE Manut. Então para que déssemos prosseguimento a implantação. Durante este processo de atualização foi realizado um trabalho de análise dos cadastros. PM Manut. fez-se necessário a atualização da versão para que as novas funcionalidades apresentadas na versão utilizada pelo grupo MARFRIG fossem incorporadas e utilizadas pelos mesmos. CADASTRO DE PREVENTIVAS E OUTROS Conforme citado anteriormente. Feita esta análise concluiu-se que os cadastros de códigos de manutenções preventivas. e mantidos os demais cadastros existentes. setores.ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO Em algumas unidades onde o SIGMA foi implantado observou-se que os programadores de manutenção já utilizavam versões anteriores do sistema. centro de custo. para que esta migração ocorresse de maneira a conter fielmente todos os dados necessários para posterior consulta de histórico e auditorias posteriores. Civil e Mec.

ADS BALANCINS BALANÇAS DA INDÚSTRIA Tabela Função: Código> 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 Função Coordenador de Manutenção Supervisor de manutenção Mecânica Supervisor de manutenção Elétrica Supervisor de manutenção Civil Líder de manutenção Mecânica Líder de manutenção Elétrica Líder de manutenção Civil Programador de Manutenção Soldador Industrial Torneiro Mecânico Mecânico Industrial – A Mecânico Industrial – B Mecânico Industrial – C Encanador Industrial Eletricista Rebobinador Eletricista – A Eletricista – B . ABC ABM ADF AE AG ALI AMA ARQ ADS BAL BALN DESCRIÇÃO ABRIDOR DE CABEÇAS ABRIDOR DE MANDIBULA AFINADOR DE FACAS AERADOR AGITADOR ALICATES AMACIADORES ARQUEADEIRAS AREAS. DEPARTAMENTOS E SETORES .CÓD.

Elétrica Interna Manut. 100 200 300 400 500 Descrição Manutenção e Utilidades Recebimento de Animais Frigorífico Administrativo Infra-estrutura Tabela Área executante: Código> 01 02 03 04 Descrição: Manut. evitando assim que as mesmas fossem cadastradas posteriormente de maneira incorreta. Mecânica Externa IMPLANTAÇÃO NAS UNIDADES O inicio das atividades de implantação ocorreu na cidade de Promissão – SP. pois os mesmos serão utilizados no fluxo estabelecido para os serviços corretivos conforme pode ser visualizado nos planos de ações para manutenções corretivas. onde situam-se quatro unidades MARFRIG onde o SIGMA seria implantado. Inicialmente na unidade PROMISSÃO-1 era utilizada a versão 2007 do SIGMA então após análise dos dados existentes naquele banco realizou-se a atualização do mesmo. No portal de aplicativos também foram inclusos os aplicativos de Solicitação de serviço e LD. porém. esta decisão foi tomada juntamente com os planejadores de manutenção e aprovada pelo coordenador do projeto de implantação do SIGMA após análise dos parâmetros que seriam padrões para as demais unidades.Na tabela Departamento: Cód. efetuando durante este processo de atualização a inserção de tabela de peças. Após a atualização e instalação do SIGMA no portal de aplicativos MARFRIG este banco de dados foi utilizado como banco padrão para as demais unidades onde o SIGMA ainda não estivesse sendo utilizado. esta tabela foi extraída do sistema corporativo de controle de almoxarifado da MARFRIG (não para que se integrassem os dados. Mecânica Interna Manut. mais para que a relação de códigos de peças constassem no SIGMA). Elétrica Externa Manut. preventivas e autônomas listados abaixo: . em versões anteriores. Em duas dessas unidades (PROMISSÃO-1 e PROMISSÃO-16) o SIGMA já era utilizado.

Quando a solicitação foi verbal o mantenedor deve abrir uma OS. que deve registrar os apontamentos no SIGMA. O mantenedor deve encaminhar a OS para o supervisor de manutenção.2. o observador aciona a manutenção por meio verbal. Na data programada ou em até uma semana antes da programação. MANUTENÇÃO CORRETIVA 1.2. seja pelo SIGMA (acionando o programador) seja a OS de bolso.1. O programador gera a OS (Ordem de serviço) no SIGMA “Sistema de Gerenciamento da Manutenção” e negocia com o supervisor a data programada para execução. seja na necessidade de correção imediata ou programada.4. O supervisor pré-avalia as informações e encaminha a OS para o programador de manutenção.7. que deve registrar os apontamentos no SIGMA.2. Após a conclusão dos serviços o mantenedor deve preencher os apontamentos da OS.8. 1.2. Em casos excepcionais pode-se acionar diretamente qualquer mantenedor para a ação. Quando a solicitação necessita de programação deve ser encaminhada para o gerente de manutenção ou supervisor da manutenção que pré-avalia e encaminha para o programador de manutenção. O supervisor pré-avalia as informações e encaminha a OS para o programador de manutenção. Após os registros eletrônicos a OS em meio físico pode ser destruída. 1.2. 1. Após os registros eletrônicos a OS em meio físico pode ser destruída. e/ou por escrito através de uma SS (solicitação de serviços). 1. 1. 1. O supervisor de manutenção distribui as OS’s programadas aos mantenedores competentes com as especialidades requeridas.5. assinar e encaminhar a OS para o supervisor de manutenção. .6.10.3. 1.9. O mantenedor deve executar a corretiva. o programador imprime e encaminha a OS ao supervisor de manutenção.2. 1.11. 1.2.2. deve ser direcionada ao gerente de manutenção ou supervisor de manutenção para imediata ação.2.2. Quando na detecção de uma falha em equipamentos e instalações. Quando a solicitação requer uma ação emergencial.2. 1.2. O mantenedor deve executar a corretiva emergencial. 1. 1.1.1.2.

FLUXOGRAMA DA MANUTENÇÃO CORRETIVA Processos Sup. ou de bolso p/ CP =D+ Prog. +5 Fim . Programador Solicitante Relatar a falha: Verbalmente ou através de SS. Acionar o mantenedor com especialidade competente Executar a corretiva p/ CE =D Avalia as informações da OS e assina o registro Abrir e/ou Preencher Corretamente OS (SIGMA. Mantenedor Eng. PCM Qdo D Programada Qual a prioridade? A solicitação é viável técnica e economicamente? Sim Abrir a OS no SIGMA Emergencial Não D+ Programar a execução da OS Comunica o solicitante e finaliza o processo Fim Distribuir a OS aos mantenedores Imprimir a OS programada D+ Prog. Manut. Gerente Manut. Registra as informações da OS no SIGMA Auditoria periódica da metodologia D+ Prog.

2.1.5. Os supervisores de manutenção devem providenciar a execução das manutenções preventivas programadas na sua respectiva semana distribuindo as OS’s aos mantenedores competentes com a especialidade requerida. 2.2. preenchidas. podendo ser visualizada no Calendário de programação.2.3. 2. o programador da manutenção deve consultar o supervisor de manutenção para definição da necessidade de reprogramar a OS.1. Caso a manutenção não tenha sido concluída total ou parcialmente. Esta programação é criada e administrada pelos programadores de manutenção de cada unidade. Semanalmente o programador de manutenção deve emitir (imprimir) as respectivas OS´s sistemáticas. MANUTENÇÃO PREVENTIVA 2. O mantenedor deve executar a preventiva. As OS’s devem retornar ao programador.6. 2.5.4. A programação da manutenção preventiva é revisada anualmente (no mês de dezembro) e está registrada eletronicamente no SIGMA (Software de gestão da manutenção). 2. Após os registros eletrônicos a OS em meio físico pode ser destruída. mesmo quando não foi possível a intervenção integral ou parcial da manutenção preventiva. é executada conforme Procedimentos padrões “anexo. . seguindo o fluxo da manutenção corretiva (ítem 01 deste manual).1. Caso opte pela reprogramação. O programador deve registrar os apontamentos das OS’s concluídas e aceitas como concluídas no SIGMA. “anexo. e encaminhá-las aos supervisores de manutenção das áreas envolvidas.2. solicitar as assinaturas da produção e encaminhar para o programador de manutenção. 2. assinar. o supervisor de manutenção passa então a ser o emitente de uma SS de pendência (corretiva programada). 2. (Inclusão e exclusão de equipamentos e instalações são feitas em consenso pelos grupos de manutenção da unidade e engenharia de manutenção corporativa). Após a conclusão dos serviços o mantenedor deve preencher os apontamentos da OS.

. Manut. Executar a manutenção planejada (revisão. Mantenedor Eng. D+ Preencher as OS´s Programar ação gerencial para garantir o cumprimento das ações preventivas programadas. PCM Qdo D Distribuir as OS´s aos mantenedores.FLUXOGRAMA DA MANUTENÇÃO PREVENTIVA Gerente Manut. Processos Programador Emitir OS´s planejadas (da próxima semana) conforme mapa de planejamento. Encaminhar as Os´s ao programador Não A OS foi concluída integralmente? A OS foi concluída integralmente? Sim Sim D+ Não Registrar as informações da OS no SIGMA Auditoria periódica na metodologia Abrir SS da pendência Fim Segue o fluxo de corretiva. lubrificação ou inspeção). Sup.

seguindo o fluxo da manutenção corretiva (ítem 01 deste manual). Planilha de registro de treinamento) e atendendo o PMA “Procedimento de Manutenção Autônoma”. o operador deve corrigir a anomalia bloqueando a falha potencial. 3. É executada pelo operador do equipamento. Após a execução da manutenção autônoma o operador deve preencher corretamente a PRMA. 3.2. MANUTENÇÃO AUTÔNOMA 3. 3. 3. Após os registros eletrônicos a planilha em meio físico deve ser arquivado por pelo menos 01 mês para a comprovação da auditoria.5. A manutenção autônoma é de periodicidades diversas e não é controlada eletronicamente no SIGMA. 3. mensalmente emitir as respectivas PRMA’s planilhas de registro às áreas envolvidas e anexá-las as pastas dos padrões PMA de cada equipamento. O programador deve registrar os apontamentos da PRMA no SIGMA abrindo uma única OS com fechamento no último dia do mês.1. 3. O operador deve executar a manutenção autônoma conforme padrão específico (PMA). e as PRMA “Planilhas de Registro de Manutenção Autônoma”. Se não estiver treinado.5.8. 3. auditando a manutenção autônoma e recolhendo as SS’s geradas. deve constar no campo “observações operador (a)”.7. as anotações das ações tomadas e suas respectivas datas. Caso tenha efetuado uma correção de anomalia.2. .4.3. seguindo o fluxo da manutenção corretiva (ítem 01 deste manual).3. Caso detecte anomalias durante o procedimento da autônoma: 3. 3.1.4. devidamente treinado (conf. O programador deve. 3.6.4. mensalmente recolher as respectivas PRMA’s das áreas envolvidas e providenciar as assinaturas do chefe do departamento de produção e do supervisor de manutenção do equipamento. o operador passa então a ser o emitente de uma SS de corretiva. O programador deve. Se estiver treinado.1. O mantenedor deve vistar diariamente a PRMA.

Auditar e vistar a planilha de registros diariamente Preencher a “PRMA” Aprovar as planilhas no fechamento do mês Recolher mensalmente as PRMA’s D+ Registrar as informações da PRMA no SIGMA Auditoria periódica na metodologia D+ Fim .FLUXOGRAMA DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA Processos Programador Emitir as “PRMA” do mês e inseri-lás nas pastas dos equipamentos Ger/Sup Manut. Operador Mantenedor Eng. PCM Qdo D Executar a manutenção autônoma conforme procedimento padrão “PMA” D+ Não Existe anomalia? Sim Recolher as SS’s das pastas diariamente se houver Não Está treinado para corrigir? D+ Sim Executar a correção conf. treinado Segue o fluxo de corretiva.

Ícone indicado na imagem. informado o nome digite sua senha e clique em “OK”.Para a utilização do aplicativo de solicitações de serviço o sistema foi parametrizado para que ao acessar o aplicativo o usuário indique o setor para o qual a solicitação será realizada. Logo após será apresentada a tela do aplicativo de solicitação de serviço onde será necessário informar o nome do negócio (o mesmo pode ser visualizado clicando na lupa ao lado do campo). essa medida foi tomada para que não ocorressem equívocos na abertura da solicitação. • Abaixo encontra-se um pequeno manual estabelecido para orientação na abertura de solicitações de serviço: Para efetuar a abertura de solicitações de serviço (SS) acesse o portal Marfrig e clique no ícone SS. .

Informe a máquina. Logo após clique no botão “ABRIR SS” (item 3). será gerado automaticamente um número de SS e será apresentada a possibilidade de visualização e / ou impressão da solicitação aberta. TAG e Equipamento onde o problema está ocorrendo ou descreva manualmente o problema ocorrido no campo “DESCRIÇÃO”. .Nesta tela será necessário indicar primeiramente o setor para o qual será aberta a solicitação de serviço como pode ser visto no print abaixo (itens 1 e 2). Feito estes procedimentos clique no botão “SALVAR SS”.

.

Após estes procedimentos foram efetuadas algumas reuniões onde estiveram presentes os supervisores de manutenção de cada uma das quatro unidades juntamente com seus auxiliares que também efetuariam registros no SIGMA. custos e avaliação de serviços executados. . Após o banco de dados padrão estar devidamente configurado o mesmo foi replicado. Definição de metas para cadastramento em cada uma das unidades. Durante estas reuniões foram realizadas as seguintes atividades: • • • • • Apresentação do SIGMA e suas ferramentas. Esclarecimento de dúvidas. unidades de “derivados”) onde o SIGMA ainda não era utilizado. este usuário acessará qualquer banco a qualquer tempo para extração de informações de indicadores de manutenção. gráficos. Definição de estrutura de implantação do SIGMA durante o tempo de visita que foi realizado. relatórios. apagado os dados e renomeado para possibilitar a criação de outros negócios referente as demais unidades (MARBRAND e CURTUME. OBS: Em todos os bancos criados foi cadastrado um usuário “MASTER” (coordenador geral de manutenção). Conhecimento da estrutura organizacional e operacional da MARFRIG. Esta reunião ocorreu posteriormente a todos estes passos descritos que foram realizados dentro da unidade PROMISSÃO .Esta solicitação aberta será analisada pelo setor de manutenção para que a mesma seja aprovada e gerada uma OS (ordem de serviço) a partir desta solicitação.I por indisponibilidade de tempo para que os supervisores das outras unidades estivessem presentes.

KPI’s 3.Gráfico quantitativo.Gráfico de horas trabalhadas.Relatório de índice de eficiência por funcionário. 2 .Relatório de cadastramentos. .Treinamento individual de um dia para cada uma das unidades (visando apresentar o sistema e mostrar seus recursos e funcionalidades). postado e configurado na pasta do SIGMA no portal de aplicativos.1 .Gráfico de maquinas paradas. 3.4 . 3. 2.Backlog.2 .Ranking. O treinamento se deu da seguinte forma: .Gráfico de comparativo de manutenções por tipo de OS / Máquina.1 .2 . Já as outras unidades que não utilizavam o sistema já tinham alguma noção sobre o programa pois já havia tido um treinamento interno sobre o SIGMA. Após esta etapa de padronização e configurações demos inicio ao processo de treinamento operacional para os mantenedores e supervisores de cada unidade.3 . Após a correção o banco foi testado.4 . 3 .Relatório de horas trabalhadas.Relatório quantitativo de OS. Durante esta análise encontraram-se BUGs que logo foram corrigidos. são estes: 1 .Relatórios 1.3 .Gráficos indicadores. . 2. Este treinamento ocorreu no ultimo dia dessa fase inicial de implantação do SIGMA. 1. 1. Este treinamento ocorreu de forma ágil pois duas das quatro unidades já utilizavam e conheciam um pouco sobre o SIGMA.II (onde o SIGMA também já era utilizado) realizamos novamente a análise do banco para que o mesmo se encontrasse dentro dos padrões estabelecidos e pudesse ser incluso no portal MARFRIG.Gráficos 2. TAG e Equipamento.2 . Durante este dia de treinamento foram expostos recursos gerenciais que serão regularmente utilizados por todos os supervisores e mantenedores no dia a dia da manutenção e que também serão apresentados para efeito de comprovações em auditorias. 1. para que ao fim do treinamento fosse realizada uma reunião de avaliação deste processo inicial de implantação.Treinamento em conjunto com todos os supervisores e mantenedores para esclarecimento de dúvidas que poderiam existir.Na unidade PROMISSÃO .1 .3 . 2.

Ao longo de 2 (dois) meses a implantação inicial do SIGMA foi realizada em 8 (oito) unidades do grupo MARFRIG. 4.2.Relatório de custo 6 .1 . 6.Conclusão de OS.2 .3.Parâmetros da OS.3 .3.4 . nessas unidades o SIGMA já tem trazido ótimos resultados. 4.Parametrização 6.4 .2 .1 . esclareceram-se inúmeras dúvidas e dificuldades que eram encontradas anteriormente.1 .3 -Backlog de programações.3. 6.Configurações 6. níveis de usuários e senhas.2 . 5 .Criação de usuário.3 . possibilitando aos mantenedores realizar hoje a extração de diversos gráficos e relatórios. durante a reunião todos os supervisores se mostraram muitíssimos satisfeitos com os resultados obtidos no cadastramento e no treinamento.Consultas 4.3.Homem / hora 5. 6.Solicitação de serviço Ao fim do treinamento deu-se inicio a uma reunião de avaliação da implantação e dos métodos e parâmetros utilizados. histórico de manutenções e consulta de programações. o que segundo os próprios supervisores. .Parâmetros do sistema 6. 6.2 .Custo 5. 4.1 .4 -Consulta de localização.Calendário de programações.Níveis de acesso.Lançamento de horas trabalhadas.1 . 6. Nas outras unidades (Mineiros-GO / Capão do Leão-RS / Bataguaçu-MS / Tangará da Serra-MT) foi seguido o mesmo processo descrito anteriormente por se tratar de unidades de abate de bovinos / frigorífico assim como as unidades onde a implantação iniciou-se.Histórico.