Altera, revoga e inclui dispositivos na Lei nº 480, de 24 de novembro de 1983(Código Tributário Municipal) e dá outras providências. Art.

1º Esta Lei tem como objetivos a alteração, a revogação e a inclusão de dispositivos na Lei nº 480, de 24 de novembro de 1983 (Código Tributário Municipal), relacionados ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza previsto no art. 156, inciso III da Constituição Federal e cujas normas gerais foram estabelecidas pela Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, ao Imposto Predial e Territorial Urbano previsto no art. 156, inciso I da Constituição Federal e cujas normas gerais foram estabelecidas pela Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional), e à Taxa de Vigilância, Controle e Fiscalização, e dá outras providências.

Lei 480 / 8 3, de 24.11.1983 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Código Tributário do Município de Niterói, compõe- se dos dispositivos desta Lei, obedecidos os mandamentos da Constituição da República Federativa do Brasil, os das leis complementares e os do Código Tributário Nacional. Parágrafo Único - Esta Lei tem a denominação de CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI (CTMN). LIVRO PRIMEIRO TRIBUTOS DE COMPETÊNCIA DO MUNICÍPIO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 2º- Integram o Código Tributário do Município de Niterói: (Alterado pelas Leis 1032 / 9 1 e 1627 / 9 7 ) I – Impostos: a) Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana; b) Sobre Serviços de Qualquer Natureza; e c) Sobre a Transmissão Inter- Vivos, a Qualquer Título, por Ato Oneroso, de Bens Imóveis, por Natureza ou Acessão Física, e de Direitos Reais sobre Imóveis, Exceto os de Garantia, Bem como de Direitos a Sua Aquisição - ITBIM, instituído pela Lei n.º 729 de 29 de dezembro de 1988. (Alínea incluída pela Lei 1627 / 9 7 ) (Vide Lei 1720 / 9 9 – Parcelamento do ITBIM) II – Taxas: a) Decorrentes do exercício regular do poder de polícia do município; e b) Decorrentes da utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos municipais, específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte, ou postos à sua disposição. III – Contribuição de Melhoria Parágrafo Único - O imposto previsto no inciso I, a, deste artigo, será progressivo, de forma a assegurar o cumprimento da função social da propriedade, nos termos da Lei, obedecidos os preceitos do art. 182, § 2º, da Constituição Federal, bem como as normas fixadas pelo Plano Diretor do Município. (Incluído pela Lei 1032 / 9 1) IV – Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (AC) (COSIP – criada pela Lei 2040, de 27 / 1 2 / 0 2.) TÍTULO II LIMITAÇÕES DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Art.3º - Os impostos municipais não incidem sobre: (Alterado pela Lei 1627 / 9 7: deu nova redação ao artigo) I – O patrimônio ou os serviços da União, dos Estados do Distrito Federal e dos Municípios; II – Os templos de qualquer culto; III – O patrimônio ou os serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores e das instituições de educação e assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os seguintes requisitos: 1. não distribuírem qualquer parcela do seu patrimônio ou de suas rendas a título de lucro ou participação no seu resultado: 2. aplicarem, integralmente, no país, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais;

1

3. manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão; IV – Livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão. § 1º - O disposto neste artigo não exclui a atribuição, às entidades nele referidas, da condição de responsáveis pelos tributos que lhes caibam reter na fonte e não as dispensa da prática de atos previstos em lei, assecuratórios do cumprimento de obrigações tributárias por terceiros. § 2º - O disposto no inciso I não se aplica ao patrimônio e aos serviços relacionados com a exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados ou em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente de bem imóvel. § 3º - A não- incidência referida nos incisos II e III compreende somente o patrimônio e os serviços relacionados com as finalidades essenciais das entidades neles mencionadas. § 4º - Os impostos municipais incidem sobre o patrimônio, a renda e os serviços relacionados com a exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados realizados em território municipal pela União, Estados ou Municípios, por entidades de administração indireta ou mediante concessão ou permissão, exceto quando as atividades citadas forem executadas pela administração indireta do Município de Niterói. § 5º - Os requisitos condicionadores da não- incidência deverão ser comprovados perante a repartição fiscal competente, na forma estabelecida pelo Poder Executivo. § 6º - O disposto no inciso I deste artigo, observados os parágrafos anteriores, é extensivo às autarquias e fundações instituídas pelo poder público, no que se refere ao patrimônio e aos serviços vinculados às suas finalidades essenciais ou delas decorrentes. Art. 2º - O § 7º do art. 3º da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: §7º O descumprimento dos requisitos do Inciso III e §1º deste artigo, bem como a ocorrência de qualquer ato ou fato que exteriorize a prática de atividade lucrativa, importará na suspensão do beneficio, com o restabelecimento da incidência e da exigibilidade plena dos créditos tributários em relação ao exercício em que tiver ocorrido o descumprimento mencionado. Redação antiga (Lei 1627 /97): “§ 7º - O descumprimento dos requisitos do Inciso III deste artigo, bem como a ocorrência de qualquer ato ou fato que exteriorize a prática de atividade lucrativa importará na suspensão do beneficio, com o restabelecimento da incidência e da exigibilidade plena dos créditos tributários.” § 8º - As entidades alcançadas pela imunidade não ficam excluídas da condição de responsáveis pelos tributos que lhes caibam reter na fonte e nem as dispensam da prática de atos assecuratórios do cumprimento de obrigações tributárias por terceiros.

TÍTULO III DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA CAPÍTULO I DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL SEÇÃO I DO FATO GERADOR E DA INCIDÊNCIA Art. 4º - O Imposto sobre propriedade Predial e Territorial Urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel, por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona do Município. § 1º - Para os efeitos deste Imposto, entende- se como zona urbana, a definida em lei municipal, observado o requisito mínimo da existência de melhoramentos indicados em, pelo menos, dois dos incisos seguintes, construídos ou mantidos pelo Poder Público: I - Meio- fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais; II - Abastecimento de água; III - Sistema de esgotos sanitários; IV - Rede de iluminação pública, com ou sem posteamento, para distribuição domiciliar; V - Escola primária ou posto de saúde a uma distância máxima de três quilômetros do imóvel considerado.

2

§ 2º - Consideram - se, também, zonas urbanas, as áreas urbanizadas ou de expansão urbana constantes de loteamento aprovado pelos órgãos competentes, destinado à habitação, à industria, comércio, ou atividade de prestação de serviços, mesmo se localizado fora das zonas definidas no parágrafo anterior. Art. 5º - A base de cálculo do Imposto Predial e Territorial Urbano é o valor venal do imóvel, assim entendido o valor que este alcançaria para compra e venda a vista, segundo as condições de mercado. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2, com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3 . Redação antiga: “Art. 5º - A base de cálculo do Imposto é o valor venal do imóvel.” Art. 6º - O Imposto Predial incide sobre os seguintes imóveis: I - Edificados, com Aceite de Obras, mesmo que: a) estejam desocupados; b) a construção tenha sido licenciada em nome de terceiros, e por este feita em terreno alheio. II - Construídos sem licença ou em desacordo com a licença, sempre que o imposto predial for maior que o territorial; e III - Construídos com autorização a título precário, sempre que o imposto predial for maior que o territorial. Art. 3º. Ficam acrescentados o inciso IV e os parágrafos 1º e 2º, e renumerado o Parágrafo único no artigo 6º da Lei nº 480 / 8 3, da seguinte forma: IV - Edificados e ocupados, ainda que o respectivo aceite não tenha sido concedido, sempre que o imposto predial for maior que o territorial. § 1º - Considera- se também como ocupado, para efeitos de tributação, o imóvel que esteja em condições de ocupação. § 2º - As condições de ocupação são, concomitantemente, o fornecimento de energia, o fornecimento de água e o revestimento de pisos e paredes. § 3º - Para efeito deste artigo, o imóvel para ser lançado como imposto predial nas unidades residenciais deverá conter, no mínimo, sala, quarto, cozinha e banheiro, ressalvadas as construções multifamiliares. Redação antiga: “Parágrafo Único - Para efeito deste artigo, o imóvel para ser lançado como imposto predial, nas unidade residenciais, deverá conter no mínimo, sala, quarto, cozinha e banheiro, ressalvadas as construções multifamiliares.” Art. 7º - O Imposto Territorial incide sobre os seguintes imóveis: I - Aqueles nos quais não haja edificação; II - Aqueles cujas edificações tenham sido demolidas, desabado, incendiado ou se transformado em ruínas; III - Aqueles cujas edificações tenham sido feitas sem licença ou em desacordo com a licença, sempre que o imposto territorial for maior que o predial; e IV - Aqueles em que exista construção autorizada a título precário, sempre que o imposto territorial for maior que o predial. Art. 8º - A mudança de tributação predial para territorial, ou vice- versa, só será efetivada para efeito de cobrança do Imposto respectivo, a partir do mês seguinte àquele em que ocorrer o fato que motivar a mudança. Art. 9º - O imposto constitui ônus real e acompanha o imóvel em todos os casos de transferência de propriedade ou de direitos reais a ele relativos. SEÇÃO II DAS IMUNIDADES E DAS ISENÇÕES Art. 10 – REVOGADO (Em razão da revogação, pela Lei 1.627 / 9 7, do Art. 1º da Lei 1555 / 9 6 que lhe havia alterado o texto em sua totalidade). Alterado pelas leis: 1253 / 9 3, 1471 / 9 5, 1555 / 9 6 e l627 / 9 7.

3

(Alterado pela Lei 1555 / 9 6)” III . VII .O proprietário de imóveis ou titular de direito real sobre o mesmo que o ceder. enquanto nele residir. exceto aqueles cujo valor de mercado do título patrimonial ou de direito de uso seja superior a 05 (cinco) UFINIT.Os imóveis das Federações e Confederações de sociedades referidas no inciso anterior. (Alterado pela Lei 1471 / 9 5 ) IV . 1555 / 9 6. ecológico ou de preservação paisagística ou ambiental.REVOGADO.comprador. os seguintes requisitos: (Inciso incluído pela Lei 1702 / 9 8 e alterado pela Lei 1815 / 0 0 ) a) possuir renda mensal total de até 3 (três) salários mínimos. § 1º . da seguinte maneira: I . inclusive o imóvel de que seja promitente. relativamente aos imóveis cedidos e enquanto estiverem ocupados pelos citados serviços. assim reconhecidos pelo Poder Executivo. d) estar em dia com as obrigações tributárias referentes ao imóvel objeto da isenção. 1253 / 9 3. para funcionamento de quaisquer serviços do Município. ou que seja reconhecida como dependente regularmente inscrita perante o órgão a que esteve vinculado o titular.Os imóveis de interesse histórico. observada a legislação específica. no período de 02 de fevereiro até 30 de junho.00 (setenta mil reais).combatente ou o único imóvel herdado por filho menor ou inválido de ex. como também à concubina que com ele tenha vivido pelo prazo mínimo comprovado de três anos seguidos. cumulativamente. cuja finalidade principal consista em proporcionar meios de desenvolvimento da cultura física de seus associados. com a comprovação dos requisitos necessários á fruição do benefício fiscal.As isenções previstas neste artigo somente produzirão efeitos após o seu reconhecimento pelo órgão competente. 1702 / 9 8 e 1815 / 0 0 ) Art.Os beneficiários da isenção de que trata este artigo deverão solicitar a sua renovação qüinqüenalmente. requerer sua renovação trienalmente. os maiores de 65 anos e os portadores do vírus HIV. 11 .o único imóvel de propriedade de ex. (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) II . efetivamente ocupadas por florestas. cessionário ou usufrutuário vitalício.combatente da Segunda Guerra Mundial.O único imóvel de propriedade de ex.combatente da Segunda Guerra Mundial. c) ter o imóvel. referido na alínea anterior.000. exceto os beneficiários previstos no inciso VIII. persistindo o direito à isenção ainda que o titular venha a falecer. § 3º . (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) VIII – o contribuinte aposentado ou pensionista. Redação antiga: “II . 4º . (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) V . cessionário ou usufrutuário vitalício. R$ 70. o único imóvel de propriedade da viúva de ex. assim considerado o que tenha participado de operações bélicas como integrante do Exército. cultural. relativamente aos imóveis de sua propriedade ou de que sejam destinados ao uso de sua missão diplomática ou consular. persistindo o direito á isenção após o seu falecimento. da Aeronáutica.11 da Lei nº 480 / 8 3. § 2º . (Lei 1815 / 0 0 ) 4 . da Marinha de Guerra ou da Marinha Mercante. que deverão. valor venal equivalente a. desde que a unidade continue servindo de residência à viúva ou ao filho menor ou inválido.Art. na forma estabelecida pelo Poder Executivo. gratuitamente.As áreas que constituam reserva florestal.Os imóveis de propriedade de sociedades desportivas. Fica alterado o Inciso II e incluem . no máximo.000 (dez mil) metros quadrados. 1471 / 9 5. de direito público. VI .As pessoas jurídicas estrangeiras.combatente. desde que atenda.AIDS. a contar do exercício de 2001. definidas pelo Poder Público e as áreas com mais de 10. desde que a unidade imobiliária continue a ser utilizada como residência do cônjuge ou de seus filhos até que alcancem a maioridade civil e desde que preencham os mesmos requisitos exigidos do primeiro titular. o deficiente físico ou mental. b) ser titular de um único imóvel utilizado para sua residência . inclusive o de que seja promitentecomprador.se os parágrafos 4º.Estão isentos do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana: (Alterado pelas Leis 893 / 9 0. 5º e 6º no art. (Lei 1815 / 0 0 ) IX – REVOGADO.

Art.§4º Considera.O não pagamento. importará na suspensão do benefício. dos demais tributos municipais incidentes sobre o imóvel. restabelecendose o direito.combatente da Segunda Guerra Mundial.se seu direito. da Marinha de Guerra ou da Marinha Mercante. contribuição de melhoria ou de tributo instituído posteriormente à sua concessão. ou a quaisquer pessoa isenta ou imune do imposto. direito à sucessão. para efeitos do inciso II. qualquer ocorrência que possa implicar no cancelamento do benefício. que tenha renda mensal de até 3 (três) salários mínimos. após o pagamento das mesmas. 13 . Parágrafo Único . persistindo o direito à isenção após o seu falecimento. IX – O portador de deficiência. §6º A isenção prevista no inciso II será concedida apenas ao imóvel no qual seu proprietário fixe residência. nos prazos devidos.Estão isentos do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana: VII – O contribuinte com mais de 65 anos. importará na suspensão do benefício relativamente ao tempo em que ocorreu o inadimplemento do pagamento do tributo. salvo no caso do herdeiro ser também portador de deficiência.O beneficiário da isenção prevista no artigo anterior é obrigado a comunicar à Prefeitura. de um único imóvel. (Vide Lei 1689 / 9 8 – dispõe sobre a matéria deste artigo) (Isenção para hotéis e similares) Parágrafo Único . REDAÇÃO da Lei 1702 / 98 – Em vigor de 01/01 / 99 até 31/12 / 0 0. (Alterado pela Lei 1032 / 9 1 que incluiu os §§ 1º e 2º) § 1º . após o pagamento das mesmas. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. no prazo de 30 (trinta) dias. 14 . o aposentado ou o pensionista com renda mensal total de até 3 (três) salários mínimos. para efeitos do inciso II. aos Estados. aos Municípios. Art. nos prazos devidos. ou que seja reconhecida como dependente regularmente inscrita perante o órgão a que esteve vinculado o titular. das taxas e contribuições de melhoria ao imóvel. Art. após a comprovação dos pagamentos respectivos ou da sua regularização. pelo beneficiário da isenção do imposto.se seu direito. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2.O não pagamento. nos prazos devidos. pelo beneficiário da isenção do imposto. Parágrafo Único . desde que não ocorram as hipóteses previstas no inciso II. §5º Equipara. 11 . restabelecendo. titular de um único imóvel. pelo beneficiário da isenção do imposto. importará na suspensão do benefício. 12 .se ex. o que tenha participado de operações bélicas como integrante do Exército. utilizado para sua residência. a companheira estável que com ex. desde que a unidade continue a servir de residência ao cônjuge vivo que preencha os mesmos requisitos exigidos do primeiro titular. das taxas.A Prefeitura pode a qualquer tempo cancelar isenções. Parágrafo Único – O Benefício a que se refere o inciso IX não gerará. os posseiros.São também contribuintes os promitentes compradores imitidos na posse. 5 . da Aeronáutica. titular. mediante parcelamento. (Alterado pela Lei 2040 / 0 2 ) SEÇÃO III DO SUJEITO PASSIVO Art.se à viúva. quando caracterizada a insubsistência das razões que as determinaram. restabelecendo. Redações anteriores: Parágrafo Único .combatente tenha vivido pelo prazo mínimo comprovado de três anos seguidos. ocupantes ou comodatários de imóveis pertencentes à União.O contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel. contribuição de melhoria e contribuição para o custeio da iluminação pública. o titular do seu domínio útil ou o possuidor a qualquer título.O não pagamento.A imunidade ou isenção do imposto não acarreta a isenção das taxas. não abrangendo o imóvel que seja objeto total ou parcial de contrato de locação. REDAÇÃO original da Lei 480 / 9 3.

. em progressão aritmética.....se valor venal do imóvel.. o valor do terreno e das edificações. quando não houver impedimento legal para a construção.... limitada esta responsabilidade ao montante do quinhão. o titular do direito de usufruto...... independentemente das demais cominações legais... pelos débitos do alienante existentes à data de transferência...1...5% § 1º ... 6 .. os promitentes compradores imitidos na posse.Imóveis Residenciais: a) Imóveis com valor venal até 400UFINIT ....O Imposto sobre a Propriedade Predial ou Territorial Urbana será calculado mediante a aplicação. pelos débitos do "de cujus" existentes à data da abertura da sucessão.. transformação ou incorporação.............. limitada esta responsabilidade.Considera. SEÇÃO IV DA ALÍQUOTA E DA BASE DE CÁLCULO Art..... § 3º ..8% c) Imóveis com valor venal maior que 1... prova de quitação....IMPOSTO PREDIAL 1.. IV ...Respondem....0% (cinco por cento)......... o valor do terreno...0% II ....... 15 .. em construção.. até o limite máximo de 5. salvo quando conste do título..... e.000 UFINIT ... o justo possuidor... 1. nos casos de arrematação em hasta pública...O adquirente do imóvel... ainda que pertencente a qualquer pessoa física de direito público ou privado..... pelos débitos da sociedade cindida.....0% 1..IMPOSTO TERRITORIAL a) Imóveis com valor venal até 50 UFINIT.. existentes à data daquele ato. pelos débitos das sociedades fusionadas......Imóveis não Residenciais .... existentes à data daqueles atos....000 UFINIT .......No caso de imóveis não edificados.. das seguintes alíquotas: (Alterado pelas Leis 1032 / 9 1... 0. localizado em logradouro provido de calçamento e meio fio... ficarão sujeitos a alíquotas progressivas. considerados em conjunto.... bem como das transformadas ou incorporadas..se possuidor a qualquer título todo aquele que estiver na posse do imóvel.A partir de 1º de janeiro do exercício seguinte àquela em que for aprovada a lei que instituir o Plano Diretor do Município. 2...§ 2º .. III ..... de acordo com as disposições previstas na citada norma legal... Art. o imposto será cobrado pela alíquota de 5% (cinco por cento)..... (Alterado pela Lei 1081 / 9 2) § 2º ........ a qualquer título.. ao montante do respectivo preço.. os posseiros. em cumprimento aos preceitos contidos no Art..... que não seja murado ou não possua passeio.A pessoa jurídica resultante de fusão. II ......... pelos débitos do espólio existentes à data da adjudicação.1 . 3....... 156... V .. da Constituição Federal.......0% c) Imóveis com valor venal maior que 250 UFINIT.Nos demais casos.... solidariamente....O espólio.... mesmo quando este pertencer a pessoas isentas do imposto ou dele imunes... 3..... mediante o acréscimo anual da alíquota... subutilizados ou não utilizados. os cessionários.... pelo pagamento do Imposto. 16 ..........O sucessor....5% b) Imóveis com valor venal maior que 50 até 250 UFINIT . ... para fins previstos neste artigo: I . o titular do domínio pleno.5% (meio por cento) ao ano... à razão de 0.....As pessoas jurídicas resultantes de cisão... os terrenos vagos...São pessoalmente responsáveis: I . 1081 / 9 2) (Redação atual dada pela Lei 1081 / 9 1 – alterou as alíquotas) (Vide Lei 1763 / 9 9 – redução de alíquotas – PAR (Plano de Atratividade) I .Quando se tratar de imóvel não construído.. Parágrafo Único .... meado ou meação..Considera.......... uso ou habitação..2 ... em ruínas ou em demolição........... os promitentes cessionários. II . sobre o valor venal dos imóveis respectivos. 0... e o cônjuge meeiro.... isenta do Imposto ou a ele imune.... os comodatários e os ocupantes a qualquer título do imóvel.6% b) Imóveis com valor venal maior que 400 até 1.... § 1º....

entre outros fatores. considerando. na forma do regulamento. seu valor venal incorporará. Art. ressalvada a possibilidade de revisão.O imóvel construído clandestinamente. não regularizados de acordo com a legislação específica do Município. de índice de atualização aprovado pelo Chefe do Poder Executivo. as seguintes fontes. III – situação do imóvel em relação aos equipamentos urbanos existentes no logradouro. impossibilitando o levantamento dos elementos necessários à fixação do citado valor. § 5º . 197 da Lei 5172. entre outras. correspondente às classes dos imóveis. 7 .” § 2º . de outubro de 1966. § 1º . os valores apurados na "Tabela de Valores do Metro Quadrado de Construção". valores das áreas vizinhas ou situadas em zonas economicamente equivalentes. 18 .Será arbitrado pela Administração e anualmente atualizado. com base nas suas características e condições peculiares. 199 da Lei 5172. em conjunto ou separadamente: I .Declarações fornecidas obrigatoriamente pelos contribuintes. se comprovada a existência de erro. será apurado de acordo com os seguintes indicadores: I – localização. fora do afastamento permitido na legislação específica para rios e canais. utilizando. estado de construção.A descrição dos métodos de avaliação utilizados. levando. enquanto não for efetuada o devido afastamento. com base nos dados do mercado imobiliário local. serão tributados pela alíquota de 1. também.Demais estudos. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. 17 . § 2º .O contribuinte impedir o levantamento do elementos necessários à fixação do valor do imóvel. § 1º .§ 4º . II .se o critério de arbitramento para a apuração do valor venal quando: I . desde que ratificada pelo Fisco. (Alterado pela Lei 1081 / 9 2 ) Art. da União ou de outros Municípios da mesma região geo.O prédio se encontrar fechado por período superior a 30 (trinta) dias. a Administração Tributária do Município manterá permanentemente atualizados os valores venais dos imóveis. II – valores correntes das alienações de imóveis no mercado imobiliário. na forma do art. custo unitário da construção e os valores aferidos no mercado imobiliário.5% (dois e meio por cento). 17 – O valor venal da unidade imobiliária.A base de cálculo será arbitrada se forem omissas as declarações.Para fins de lançamento do imposto. dimensões. mediante a aplicação. V – outros dados tecnicamente reconhecidos para efetivação do lançamento do imposto.econômica. Redação antiga: “Art. diretamente ou através de comissão especial.Os imóveis construídos. todas do inciso I deste artigo.5% (um e meio por cento).Os valores da "Plantas Genéricas de Valores" serão atualizados anualmente até 31 de outubro.Aplica. impossibilitando o levantamento dos elementos necessários à fixação do citado valor. localização. obtidas na forma do art. o valor venal do imóvel. para vigorar a partir de 1º de janeiro do exercício seguinte. características e destinação da construção. para fins de lançamento do imposto.O valor venal dos imóveis será apurado.Na hipótese de imóveis edificados. III . utilização. sua forma. área.se o valor da "Plantas Genéricas de Valores" contendo: (Vide Leis 1627 / 9 7 e 1294 / 9 4 ) I . pesquisas e investigações conduzidos pela Administração Municipal. os esclarecimentos e os documentos apresentados pelo sujeito passivo ou se for impedida a ação fiscal e se: I – o contribuinte impedir o levantamento de elementos necessários à fixação do valor venal do imóvel. de 25 de outubro de 1966. II .Os valores médios unitários dos terrenos. II . e IV .Informações sobre o valor de bens imóveis de propriedade de terceiros.se em conta.Permuta de informações fiscais com a Administração Tributária do Estado. § 1º . Redação dada pela Lei 2045 / 0 2. será lançado pela alíquota de 2. sobre eles. IV – declaração do contribuinte. II – o prédio se encontrar fechado por período superior a trinta dias.

Considera. 4. Art.A comunicação do término das obras. ressalvado o caso de construção nova. 22 . 20 . proporcionalmente ao número de unidades construídas.se também a superfície: (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) 1. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. áreas edificadas destinadas ao lazer. § 2º . da seguinte forma: § 4º . estes últimos somente se decorrentes de erro de fato. com base nos elementos existentes no Cadastro Imobiliário. serão feitas no curso do exercício. Art. estes últimos somente se decorrentes de erro de fato.No caso de impugnação do lançamento do imposto. SEÇÃO V DO LANÇAMENTO Art. § 1º . 20 – O valor tributado do imóvel em que estiver sendo executada obra legalmente autorizada de construção ou reconstrução permanecerá como imposto territorial até o término da mesma. apenas com incidência dos índices oficiais adotados pelo Município para a atualização de seus tributos.As alterações no lançamento. 19 .se ocorrido o fato gerador em 1º de janeiro do ano a que corresponde o lançamento.O valor tributado do imóvel em que estiver sendo executada obra legalmente autorizada de construção ou reconstrução permanecerá como imposto territorial até o término da mesma. garagens ou vagas cobertas. Redação antiga: “Parágrafo Único . demais partes comuns. 5. 6º. § 3º . jiraus e mezaninos. computando . na ocorrência de fato ou ato que as justifiquem. improrrogavelmente até o último dia útil do mês de abril de cada exercício fiscal. observado o que dispõe o inciso IV do artigo 6º. por ato baixado pelo Secretário Municipal de Fazenda.” Parágrafo Único .O lançamento do imposto é anual e será feito um para cada imóvel.Os imóveis com testadas para diferentes logradouros serão tributados com base no valor do logradouro cuja tributação for mais elevada. deverá ser feita ao órgão encarregado da concessão do aceite de obras. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2. Redação antiga: “Art. das dos das das das sacadas. da seguinte forma: Art. Fica alterado o caput do artigo 20 da Lei nº 480 / 8 3.Enquanto não extinto o direito da Fazenda Municipal poderão ser efetuados lançamentos omitidos ou complementares. de que trata este artigo. mediante processo e por despacho da autoridade competente.235 desta lei. poderá ser emitido novo carnê com os valores relativos à parte não impugnada. varandas e terraços cobertos de cada pavimento. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 )” 8 .Os pedidos de revisão de lançamento do IPTU deverão ser apresentados. Parágrafo Único . observado o disposto no art.Enquanto não extinto o direito da Fazenda Municipal poderão ser efetuados lançamentos omitidos ou complementares.A área é obtida através dos contornos externos das paredes ou pilares.18 da Lei nº 480 / 8 3. Art. Art. 21 .Não havendo a revisão prevista no parágrafo 2º. os valores das referidas plantas serão atualizados monetariamente. 3. 2.§ 3º . cujo faro gerador ocorrerá na data da conclusão das obras. 5º. proporcionalmente ao número de unidades construídas. Fica incluído o § 4º no art.

Fica alterado o artigo 26 da Lei nº 480 / 8 3.Se caducar ou for revogado o decreto de desapropriação.O lançamento será feito em nome do proprietário.No caso de condomínio diviso. esclarecida tal circunstância no termo de inscrição. em qualquer época. obedecidos os prazos estabelecidos em ato do Poder Executivo. Redação antiga: “Art.Não sendo cadastrado o imóvel. com base nos elementos que a repartição fiscal coligir. esclarecida esta circunstância nos termos da inscrição. em nome de cada condômino. por omissão de sua inscrição. por omissão de sua inscrição. 30 . Parágrafo Único. 24 . 26 .Fica suspenso o pagamento do imposto referente a imóveis.Não sendo cadastrado o imóvel. do domínio útil ou da posse do terreno. de legitimidade da propriedade. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2. 23 . o lançamento será processado de ofício. III . enquanto este não se emitir na posse do imóvel.” Art. pelo valor total do imposto. 26 . II .Art. de editais publicados no Diário Oficial.No caso de domínio indiviso. serão cancelados os créditos fiscais cuja exigibilidade tiver ficado suspensa.Na hipótese de opção para pagamento em cotas mensais. CAPÍTULO II DA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA 9 .Não sendo reconhecido o proprietário. Art. nos prazos e em valores fixados em ato próprio. 23 .O pagamento do imposto não importa em reconhecimento pela Prefeitura. podendo ser pago integralmente até o último dia útil do mês de janeiro do exercício a que se referir ou em 12 (doze) cotas mensais. Art.Imitido o Município na posse do imóvel. para quaisquer fins. com base nos elementos que a repartição fiscal coligir. alguns ou de um só dos condôminos. em nome de todos.Também será feito o lançamento: I . na proporção de sua parte. 27 . (Alterado pela Lei 1606 / 9 7) Parágrafo Único . Redação antiga: “Art.O Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana é devido anualmente. SEÇÃO VI DO PAGAMENTO Art.7º.Os contribuintes do imposto terão ciência do lançamento por meio de notificação. sem atualização de seu valor e sem acréscimos penais ou moratórios. Parágrafo Único . ficará restabelecido o direito do Município à cobrança do imposto a partir da data da caducidade ou da revogação. 29 . 28 .” Art. construídos ou não. em jornais de grande circulação ou afixados no Paço Municipal. Art. emanado do Município.O Poder Executivo poderá estabelecer dedução de percentual para pagamento em cota única. titular do domínio útil ou possuidor do imóvel a qualquer título. Art. 25 .O Imposto Predial e Territorial Urbano é devido anualmente podendo ser pago em cota única ou em até 12 (doze) cotas mensais. de acordo com o artigo anterior. obedecidos os prazos estabelecidos no CARTRIN. para os quais exista decreto de desapropriação. da seguinte forma: Art. o total de lançamento expresso em cruzados será quantificado em UFINIT com atualizações periódicas.” (Alterado pelas leis 587 / 8 5 e 730 / 8 8) “Parágrafo Único . o lançamento será feito de ofício em qualquer época. em nome de quem esteja no uso e gozo do imóvel. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. ou por auto de infração.O pagamento de cada cota não faz presumir a quitação da cotas anteriores.

com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3.As alterações ou retificações porventura havidas nas dimensões dos terrenos. para quaisquer fins de legitimidade da propriedade. nos prazos e nas formas prescritas em regulamento.No caso de condomínio.ofício" de imóveis. § 4º . Parágrafo Único .A cada unidade imobiliária autônoma corresponderá uma inscrição. 35 . Art. Art. do domínio útil ou da posse do imóvel. III.A aquisição ou compromisso de compra e venda de imóveis e suas cesses. em que cada condômino possua sua parte ideal.Os prédios não legalizados poderão. reformas ou reconstruções. 38 . acompanhada de plantas e outros elementos elucidativos.A inscrição imobiliária não importa em presunção. inclusive "visto" da fiscalização tributária.Os imóveis localizados no Município de Niterói. conforme dispuser o regulamento.O contribuinte fica obrigado a comunicar ao órgão competente.O contribuinte fica obrigado a comunicar ao órgão competente. desde que apurados devidamente os elementos necessários a este fim. devendo ser aposto ao nome do titular a palavra “posse”. e V. não implicam na sua aceitação pelo Fisco. Art. II . mediante processo. REDAÇÃO dada pela Lei 1253 / 9 3. Art. dentro do prazo de 30 (trinta) dias. 34 . a critério do Poder Executivo. Art. ainda que isentos do imposto ou a ele imunes. Art. para efeitos fiscais.As declarações prestadas pelo contribuinte. CAPÍTULO III 10 .las a qualquer tempo.Os terrenos de titularidade desconhecida que sejam objeto de posse poderão ser inscritos a título precário. no ato da inscrição ou da atualização dos dados cadastrais. a inscrição será requerida pelas repartições incumbidas de sua guarda ou administração. sem a prova de ter sido feita a comunicação prevista no caput deste artigo. independentemente de prévia ressalva ou comunicação. Art. ficam sujeitos à inscrição no Cadastro Imobiliário Fiscal. croquis e outros elementos julgados essenciais à perfeita definição da propriedade. devendo a comunicação ser feita a partir da data da averbação dos atos respectivos no registro de imóveis. ser inscritos a título precário.O disposto neste artigo não se aplica às construções feitas em terrenos de favelas. 36 . § 2º . não regularizados. § 1º . que poderá revê. e exclusivamente para efeitos fiscais. 31 . Redação dada pela Lei 2045 / 0 2. bem como a cessão ou alteração das condições que levaram redução do imposto. dentro do prazo de 90 dias.Quaisquer outros fatos que possam afetar a incidência ou cálculo do imposto. ficam obrigados a comunicar as citadas obras quando de sua conclusão. IV.No caso de próprios federais.Não será concedido o aceite de obras pelo órgão competente.A inscrição. § 5º . a alteração ou a retificação de ofício não eximem o infrator das multas que lhe couberem. o desabamento. 35 . o incêndio ou a ruína do imóvel. ou acréscimos. (Alterado pela Lei 1555 / 9 6 ) Parágrafo único . contado da respectiva ocorrência: (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3 e 1815 / 0 0) I .A demolição . poderão a critério da autoridade fiscal ser inscritos a título precário e exclusivamente para efeitos fiscais.Os imóveis construídos. 37 .A inscrição será promovida pelo interessado. § 3º .Art. 32 .Os titulares de direito sobre imóveis nos quais foram construídos prédios. a critério da Administração. 33 . em vigor até 31 / 1 2 / 2 0 0 0 .A repartição competente do Município poderá efetivar a inscrição "ex. quanto à localização e características geométricas e topográficas. pelo Município. plantas. o reconhecimento de isenção ou de imunidade. mediante declaração acompanhada do título de propriedade. Parágrafo Único .A mudança de uso do prédio. estaduais ou municipais. contado da respectiva ocorrência: Art. poderá ser inscrita separadamente cada fração de propriedade.

44 . independentemente do pagamento dos tributos devidos e demais cominações legais. Art. iludindo. Art. 587 / 8 5 e 1253 / 9 3. sujeitará o infrator . deixarem de apresentar à fiscalização: guias. (Alterado pela Lei 1627 / 9 7) § 1º . sobre o valor do imposto devido. após notificação fiscal. porém nunca inferior a 2 (duas) UFINIT. independentemente dos tributos devidos e demais acréscimos contidos nesta Lei. inscreverem ou averbarem escrituras ou contratos concernentes a bens imóveis sem a prova de quitação dos tributos municipais a eles relativos ficarão sujeitos à multa correspondente ao valor dos tributos devidos pelos imóveis objetos desses atos. no caso de procedimento fiscal. na hipótese de lançamento do IPTU efetivado por auto de infração.As reduções previstas para cobrança de multas conforme incisos I. (Alterado pelas Leis 521 / 8 4. Art. 45 .O não pagamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana. Art. também. registrarem. 41. 43 – REVOGADO.20 (trezentos e quarenta e três reais e vinte centavos).Nos casos de artigos anteriores. Art. livros e quaisquer outros documentos que se relacionem com a apuração ou constatação do crédito tributário. 48 da Lei nº 480 /83 passam a vigorar com a seguinte redação: 11 . obstruindo ou dificultando a ação fiscal competente. serão punidos com o dobro do imposto devido. (Lei 1253 / 9 3 ) Art.A não inscrição do imóvel no cadastro fiscal do Município sujeitará o infrator à multa correspondente a R$ 190.118 aplicam. bem como das penalidades previstas no parágrafo único deste artigo e nos artigos 40. independentemente dos demais acréscimos legais incidentes. sem prejuízo de outras sanções aplicáveis e da exibição compulsória por via judicial.Os que prestarem informações falsas. 8º . Redação dada pela Lei 2045 / 0 2.76 (cento e noventa reais e setenta e seis centavos).92 (duzentos e cinco reais e noventa e dois centavos). 47 – REVOGADO. (Revogado pela Lei 1585 / 9 7) TÍTULO IV IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA CAPÍTULO I DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL SEÇÃO I DO FATO GERADOR E DA INCIDÊNCIA Art.As construções clandestinas ou não legalizadas sujeitarão o infrator à multa correspondente a R$ 343. escrituras ou contratos. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. independentemente dos tributos devidos. II e III do art. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) Art. 42 .41. nos prazos fixados pela legislação tributária municipal.42 e 44 a 46 desta Lei. 46 . será aplicada a multa de 2 (duas) UFINIT aos que estiverem isentos e 5 (cinco) UFINIT aos que forem imunes ao Imposto Predial e Territorial Urbano.Os tabeliães ou escrivães que lavrarem.A não comunicação ao órgão competente das informações requeridas pelo artigo 35 desta lei sujeitará o infrator à multa correspondente a R$ 205. 39 .se. a uma multa de 20% (vinte por cento). § 2º . se o imóvel estiver isento do imposto ou dele imune.DAS PENALIDADES Art. omitirem fatos ou declarações que levem à sonegação do tributo.O caput e o parágrafo único do art. Art.Serão punidos com multa de 3 (três) UFINIT os que. 40 .

postes. 4. centro de convenções. confecção. 12 . 4. hospitalar.01. Exploração de salões de festas. Casas de repouso e de recuperação. assistência ou tratamento móvel e congêneres. laboratórios. 1. configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados. para realização de eventos ou negócios de qualquer natureza.15. Serviços de saúde.16. Assessoria e consultoria em informática. prontos. 1. Unidade de atendimento. orgânico e mental.07. 4. fertilização in vitro e congêneres. cabos. Acupuntura. radioterapia. Enfermagem. coberturas e outras estruturas de uso temporário. 4. casas de espetáculos. Inseminação artificial. 3. Medicina veterinária e zootecnia. 1. de ferrovia.20. quimioterapia. tomografia e congêneres. 4. 4. inclusive serviços auxiliares.03. na área veterinária. 4. Cessão de andaimes. Ortóptica.22. quadras esportivas. direito de passagem ou permissão de uso. Odontologia. dutos e condutos de qualquer natureza.Art. 4. Outros planos de saúde que se cumpram através de serviços de terceiros contratados. 5. radiologia. sêmen e congêneres. odontológica e congêneres. prontos.04. asilos e congêneres.socorros e congêneres. 1. Hospitais.10. óvulos.01. Coleta de sangue. 4. parques de diversões. ressonância magnética. ainda que esses não se constituam como atividade preponderante do prestador.18. Análise e desenvolvimento de sistemas. estádios. Bancos de sangue. compartilhado ou não.12. Processamento de dados e congêneres. Elaboração de programas de computadores. 48. 3. 4. Obstetrícia.03. assistência médica e congêneres. 2. órgãos e materiais biológicos de qualquer espécie. 4. 1. canchas e congêneres. manicômios. creches.08. 1. manutenção e atualização de páginas eletrônicas.17.19.21. 4. Licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação. Suporte técnico em informática. 3. Locação. 1.04. Serviços de medicina e assistência veterinária e congêneres. Nutrição. 1. clínicas. 5. 5.07. 5. arrendamento. 2. O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza tem como fato gerador a prestação de serviços constantes da seguinte lista. cooperados ou apenas pagos pelo operador do plano mediante indicação do beneficiário.13.09. cessão de direito de uso e congêneres. pele. 4. Serviços farmacêuticos. patologia. 4. 4. rodovia.02. ambulatórios e congêneres. ambulatórios.01.11.06. Psicologia. 4. Planos de medicina de grupo ou individual e convênios para prestação de assistência médica. Terapia ocupacional. 4.02.08.04. 3. ginásios. eletricidade médica. 4. 4. sêmen. 4.02. leite.01. sanatórios. Programação.05.06. Serviços de informática e congêneres. stands . Medicina e biomedicina.14. Hospitais. 4. 1.02.23. palcos. Análises clínicas. sublocação. Planejamento. fisioterapia e fonoaudiologia. 3.05.01.socorros. inclusive instalação. 4.03. credenciados. Serviços de pesquisas e desenvolvimento de qualquer natureza. tecidos. Próteses sob encomenda. Psicanálise. Serviços de pesquisas e desenvolvimento de qualquer natureza. Cessão de direito de uso de marcas e de sinais de propaganda. Laboratórios de análise na área veterinária. Serviços prestados mediante locação. Terapias de qualquer espécie destinadas ao tratamento físico. clínicas. 4. auditórios.03. casas de saúde. 4. escritórios virtuais. ultra. olhos.sonografia. leite. Instrumentação cirúrgica. inclusive de jogos eletrônicos.

Instrução. Planos de atendimento e assistência médico. geofísicos e congêneres. que fica sujeito ao ICMS). 5. 5. Decoração e jardinagem. geológicos. 7. meio ambiente. 6. cartografia. Engenharia. estética. pedicuros e congêneres. Coleta de sangue.15. químicos e biológicos.02. hotelaria marítima. 5. arquitetura. artes marciais e demais atividades físicas. manutenção e conservação de vias e logradouros públicos. projetos básicos e projetos executivos para trabalhos de engenharia. testemunhagem. tecidos. piscinas. represas. desinsetização. limpeza. 7. levantamentos topográficos. dança. Hospedagem de qualquer natureza em hotéis. 13 . tratamento. 7. atividades físicas e congêneres. batimétricos. flat . 7.10. Elaboração de planos diretores. 7.02. portos e congêneres (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador dos serviços. pavimentação.05. hotéis residência.escolar.05. sauna. fertilização in vitro e congêneres. Serviços de educação.08. 6. conservação e reforma de edifícios. Controle e tratamento de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos. 7.01. empreitada ou subempreitada. 9. concretagem e a instalação e montagem de produtos. assoalhos. Varrição. paisagismo e congêneres. inclusive sondagem. Bancos de sangue e de órgãos e congêneres. pescaria. estudos organizacionais e outros. 7.16. 8.06. baías. médio e superior. arquitetura e urbanismo. perfuração. açudes e congêneres.5.01. desratização. apart . terraplenagem. Acompanhamento e fiscalização da execução de obras de engenharia. Serviços relativos a engenharia. reflorestamento. treinamento e avaliação pessoal de qualquer grau ou natureza. turismo. Aerofotogrametria (inclusive interpretação). lagoas. depilação e congêneres. assistência ou tratamento móvel e congêneres.08. 7. adubação e congêneres. lagos. 6. Limpeza e dragagem de rios. pensões e congêneres. agrimensura. suite service . Pesquisa. de obras de construção civil. orientação pedagógica e educacional. imóveis. cortinas. coleta.05. imunização. embelezamento. revestimentos de parede. desinfecção. por administração. 7. com material fornecido pelo tomador do serviço.07. geodésicos. Escoramento. canais. viagens e congêneres.veterinária. Dedetização. Demolição. Inseminação artificial. Limpeza. Recuperação. Centros de emagrecimento.12. urbanismo. contenção de encostas e serviços congêneres.18. 6. órgãos e materiais biológicos de qualquer espécie. 8. spa e congêneres. instrução. 7. natação.13.01. Ensino regular pré. escavação. vidros. drenagem e irrigação. mapeamento. urbanismo. 7. 9. elaboração de anteprojetos. amestramento. pulverização e congêneres. Esteticistas. 7. Ginástica. raspagem. avaliação de conhecimentos de qualquer natureza. 7. Banhos. 7. perfilagem.service .07. polimento e lustração de pisos e congêneres. hidráulica ou elétrica e de outras obras semelhantes. pontes. Calafetação. remoção. estimulação e outros serviços relacionados com a exploração e explotação de petróleo. saneamento e congêneres. reciclagem. concretação. 6. que fica sujeito ao ICMS). arquitetura. 7. mergulho.service condominiais. tratamento. residence . Unidade de atendimento. cimentação. peças e equipamentos (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador de serviços fora do local da prestação dos serviços.04. inclusive corte e poda de árvores. Colocação e instalação de tapetes. cabeleireiros. massagens e congêneres. manicuros. perfuração de poços. divisórias. carpetes.hotéis. geologia. tratamento de pele. geográficos. treinamento. relacionados com obras e serviços de engenharia.02. 6. jardins e congêneres. duchas. ensino. Serviços relativos a hospedagem. rejeitos e outros resíduos quaisquer. Serviços de cuidados pessoais. geologia. 7. 5. incineração. portos.01. agronomia. sêmen. 7. 7. orientação pedagógica e educacional. estradas. motéis. Barbearia. gás natural e de outros recursos minerais. placas de gesso e congêneres. 7.06. Guarda. 7.20.03.03. semeadura. Florestamento. apart . estudos de viabilidade. 7. construção civil. higienização.04. fundamental. 8.04. Nucleação e bombardeamento de nuvens e congêneres. Reparação. manutenção. leite. chaminés.11. 5. alojamento e congêneres. fora do local da prestação dos serviços. Execução. parques.17.09.19. separação e destinação final de lixo.09. esportes.14.

teatros. 12.03. 12. Serviços de intermediação e congêneres. 14 . danças. Programas de auditório. fotolitografia. festivais e congêneres.03.16. Composição gráfica. fotografia. fica sujeito ao Imposto Sobre Serviços). entrevistas. mixagem e congêneres. 12.03. Reprografia. centros de lazer e congêneres. 11. Shows . Agenciamento de publicidade e propaganda. trucagem e congêneres.01. Agenciamento. vigilância e congêneres. passeios. 12. inclusive aqueles realizados no âmbito de Bolsas de Mercadorias e Futuros. boliches e diversões eletrônicas ou não. 13. de cartões de crédito.09. promoção. armazenamento. recitais. Agenciamento. lazer. corretagem ou intermediação de contratos de arrendamento mercantil (leasing). espetáculos. inclusive revelação. cinematografia e reprografia. óperas. 12. Representação de qualquer natureza. congressos e congêneres. óperas. de aeronaves e de embarcações. Fonografia ou gravação de sons. hospedagens e congêneres.05.04. Espetáculos teatrais. bailes. viagens. 13. Guias de turismo. não abrangidos em outros itens ou subitens. segurança ou monitoramento de bens e pessoas. de seguros. descarga.15.01. 11.02. concertos. 9. 12.02. Boates. desfiles. por quaisquer meios.01. 12. corretagem ou intermediação de direitos de propriedade industrial. Exibição de filmes.08. de eventos.05. 10. com ou sem a participação do espectador. trios elétricos e congêneres. Bilhares. Agenciamento. organização. Execução de música. 11. depósito. 12. concertos. Serviços de guarda.03. desfiles. 12. Agenciamento. quando incluído no preço da diária. Competições esportivas ou de destreza física ou intelectual. 12. de planos de saúde e de planos de previdência privada. 10.04. de franquia (franchising) e de faturização (factoring). Serviços relativos a fonografia. microfilmagem e digitalização.09. concertos.04.06. Escolta. Feiras.08. 11. de destreza intelectual ou congêneres. Parques de diversões. Distribuição de bens de terceiros.11. Exibições cinematográficas. entrevistas. Desfiles de blocos carnavalescos ou folclóricos. arrumação e guarda de bens de qualquer espécie. desfiles. danças. 10. Vigilância. 13. Guarda e estacionamento de veículos terrestres automotores.13. 12. 11. zincografia. exposições. Corridas e competições de animais. cópia. inclusive o agenciamento de veiculação por quaisquer meios. 13. inclusive de veículos e cargas. reprodução.dancing e congêneres. Recreação e animação. carga. valores mobiliários e contratos quaisquer. 10. mediante transmissão por qualquer processo. 10. bailes. recitais. Agenciamento. 10.14. óperas. artística ou literária.07. estacionamento. Produção. inclusive comercial. excursões. 12. 12. taxi . 12.02. entretenimento e congêneres. 10.03. corretagem ou intermediação de títulos em geral. intermediação e execução de programas de turismo. Agenciamento marítimo. Agenciamento de notícias.17. musicais. Espetáculos circenses. shows . 10.04. Serviços de diversões. 10. 12. Fornecimento de música para ambientes fechados ou não.01.ocupação por temporada com fornecimento de serviço (o valor da alimentação e gorjeta. ampliação. Fotografia e cinematografia. 10.10. clicheria.06.07. inclusive trucagem. 9.02. 12. corretagem ou intermediação de bens móveis ou imóveis. espetáculos. Agenciamento. fotocomposição.10. competições esportivas. litografia. Armazenamento. 10. shows . corretagem ou intermediação de câmbio. 12. 13. dublagem.12. balés. festivais e congêneres. balés. inclusive em festas e eventos de qualquer natureza. mediante ou sem encomenda prévia.02. 12.

14. veículos. Recauchutagem ou regeneração de pneus. 14. fornecimento e cancelamento de cheques de viagem. lustração. de cheques pré. 14. exceto aviamento. exclusivamente com material por ele fornecido. Devolução de títulos. Tinturaria e lavanderia. restauração. transferência. estudo.13. 15. gravação e douração de livros. alteração. aparelhos. cancelamento e baixa de contrato de câmbio. Encadernação. 14. reapresentação de títulos. 14. 15. 15 .11. coleta e entrega de documentos. 15. sustação de protesto. inclusão ou exclusão no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos .CCF ou em quaisquer outros bancos cadastrais.13. plastificação e congêneres. 15. substituição de garantia.datados e congêneres. 15. substituição. recorte. pintura.06. 14. reemissão e fornecimento de avisos. bens e valores. motores. Restauração. alteração.11. Instalação e montagem de aparelhos. acesso a outro banco e a rede compartilhada.02. recondicionamento.02. 15. comunicação com outra agência ou com a administração central. galvanoplastia. Alfaiataria e costura. revisão. conserto. e demais serviços relacionados ao arrendamento mercantil (leasing ). reemissão. bem como a manutenção das referidas contas ativas e inativas. concessão.10. 15. inclusive vinte e quatro horas. limpeza. 15. recebimentos ou pagamentos em geral.05. anodização.07. Custódia em geral.01. de carteira de clientes. de câmbio. 14.05. polimento. internet e telex. Serviços relativos a bens de terceiros. Emissão.07. fichas de compensação. alteração.08. de tributos e por conta de terceiros. Serviços relacionados a cobranças.04. Lubrificação. por qualquer meio ou processo. manutenção e conservação de máquinas. 14. inclusive cessão de direitos e obrigações. que ficam sujeitas ao ICMS). de contas ou carnês. Assistência técnica. exportação e garantias recebidas. máquinas e equipamentos.06. prestados ao usuário final. 15. comprovantes e documentos em geral. 15. abono de firmas. e demais serviços a eles relacionados. secagem. 15.corrente. Acesso. inclusive aqueles prestados por instituições financeiras autorizadas a funcionar pela União ou por quem de direito. fornecimento. 14. 15. de títulos quaisquer. transferência de veículos. 14. revistas e congêneres. 15. Cadastro. de objetos quaisquer.03. 14. de consórcio. emissão de carnês. Recondicionamento de motores (exceto peças e partes empregadas. emissão de registro de exportação ou de crédito. emissão. Tapeçaria e reforma de estofamentos em geral. alteração ou contratação de aval. impressos e documentos em geral. cancelamento e registro de contrato de crédito. recebimento ou pagamento. 15. elevadores ou de qualquer objeto (exceto peças e partes empregadas. inclusive de títulos e valores mobiliários. emissão. Administração de fundos quaisquer. que ficam sujeitas ao ICMS). carga e recarga. envio e recebimento de mensagens em geral relacionadas a operações de câmbio.04. inclusive montagem industrial.12. facsímile . Arrendamento mercantil (leasing ) de quaisquer bens. cancelamento e registro de contrato. manutenção de títulos. acesso a terminais de atendimento. Carpintaria e serralheria. lavagem. beneficiamento. atestado de capacidade financeira e congêneres. prorrogação. de cartão de crédito ou débito e congêneres. conta de investimentos e aplicação e caderneta de poupança. Locação e manutenção de cofres particulares. de terminais eletrônicos.09. agenciamento fiduciário ou depositário. protesto de títulos. Fornecimento ou emissão de atestados em geral. movimentação. blindagem. tingimento.10. serviços relativos a abertura de crédito. renovação cadastral e congêneres. 14.09. inclusive por telefone. inclusive conta. acondicionamento. para quaisquer fins. no País e no exterior. elaboração de ficha cadastral.01. fiança. Serviços relacionados a operações de câmbio em geral. edição. Emissão. anuência e congêneres. por qualquer meio ou processo. cessão. inclusive os efetuados por meio eletrônico. fornecimento de posição de cobrança. inclusive atestado de idoneidade.12. corte. Colocação de molduras e congêneres. fornecimento de saldo. quando o material for fornecido pelo usuário final. 14.08. análise e avaliação de operações de crédito. licenciamento eletrônico de veículos. extrato e demais informações relativas a contas em geral. 14. devolução de bens em custódia. cobrança ou depósito no exterior. equipamentos. de terminais de atendimento e de bens e equipamentos em geral.03. automático ou por máquinas de atendimento. cancelamento e demais serviços relativos a carta de crédito de importação. Abertura de contas em geral. Funilaria e lanternagem. Serviços relacionados ao setor bancário ou financeiro. atendimento e consulta a contas em geral.

Planejamento. estenografia. inclusive jurídica.05. cartão salário e congêneres. conferências. tradução. análise. Compensação de cheques e títulos quaisquer. avulso ou por talão. 16. pules ou cupons de apostas. Recrutamento. reemissão. reemissão. 18. atendimento. Auditoria. sorteios. fundos. por qualquer meio ou processo.de. Atuária e cálculos técnicos de qualquer natureza. 17.12. 19.21.06. inclusive cadastro e similares.15.15. devolução. coordenação. avaliação e vistoria de imóvel ou obra. cancelamento e oposição de cheques quaisquer. Apresentação de palestras. Serviços de apoio técnico. 17. inclusive promoção de vendas. jurídico. 17. 18. sustação. seleção. seminários e congêneres. não contida em outros itens desta lista. planejamento de campanhas ou sistemas de publicidade. 16. 17. bingos. Serviços de regulação de sinistros vinculados a contratos de seguros. 15. apoio e infra . Leilão e congêneres. Organização de festas e recepções. interpretação. resposta audível. inclusive os decorrentes de títulos de capitalização e congêneres. pules ou cupons de apostas. digitação.02.18.08. Serviços de distribuição e venda de bilhetes e demais produtos de loteria. Franquia (franchising ). avulsos ou temporários. sorteios. contratados pelo prestador de serviço. Assessoria. pagamentos e similares. mesmo em caráter temporário.01. Serviços relacionados a crédito imobiliário. fornecimento. 17. inclusive serviços técnicos e auxiliares. Estatística. 19. Arbitragem de qualquer espécie. Fornecimento de mão. compilação e fornecimento de dados e informações de qualquer natureza.09. elaboração de desenhos. análise. prevenção e gerência de riscos seguráveis e congêneres. 15. administração de contas a receber ou a pagar e em geral. exposições. cartões. Advocacia. liquidação. bufê (exceto o fornecimento de alimentação e bebidas. 17. Emissão. textos e demais materiais publicitários. emissão.01. expediente. Emissão. 17. bingos. seleção e colocação de mão. cancelamento e baixa de ordens de pagamento. 17. prêmios.13. revisão. Análise de Organização e Métodos. edição.de.23.16. laudos.10.18. inspeção e avaliação de riscos para cobertura de contratos de seguros. alteração. que fica sujeito ao ICMS). gerenciamento de informações. Serviços de regulação de sinistros vinculados a contratos de seguros.11. ordens de crédito e similares. 17. inclusive entre contas em geral.14. 17. relacionados a operações de faturização (factoring ). organização e administração de feiras. 16 . inclusive em terminais eletrônicos e de atendimento. cadastro. Consultoria e assessoria econômica ou financeira. Perícias. contábil. emissão e reemissão do termo de quitação e demais serviços relacionados a crédito imobiliário. 17. alteração. 17.20. Datilografia. emissão. prevenção e gerência de riscos seguráveis e congêneres. cartões. coleta. inclusive de empregados ou trabalhadores. consulta. Fornecimento.01.15. secretaria em geral. 17.03. 17. redação. pesquisa.17. 17. cartão de crédito.17.14.obra.19. inclusive os decorrentes de títulos de capitalização e congêneres. serviços relacionados à transferência de valores. programação ou organização técnica. 15. administrativo. Cobrança em geral. inclusive de bens e negócios de terceiros. 17. 17. dados.04. congressos e congêneres. inclusive depósito identificado. Serviços de transporte de natureza municipal. 17. comercial e congêneres. transferência e renegociação de contrato. 17.22. financeira ou administrativa.16. Propaganda e publicidade. Administração em geral.07. 17. análise técnica e jurídica. Serviços de transporte de natureza municipal. Assessoria ou consultoria de qualquer natureza.estrutura administrativa e congêneres. cartão de débito. exames técnicos e análises técnicas. 17. serviços relacionados a depósito. Contabilidade. exame.obra. Planejamento. 15. a saque de contas quaisquer.01. Serviços de distribuição e venda de bilhetes e demais produtos de loteria. prêmios. inspeção e avaliação de riscos para cobertura de contratos de seguros. agenciamento. 17. 17. renovação e manutenção de cartão magnético. avaliação. por qualquer meio ou processo. reemissão. 17.

inclusive pelos correios e suas agências franqueadas.03. 28. 29. Serviços de programação e comunicação visual. desenho industrial e congêneres. remessa ou entrega de correspondências. Manutenção e conservação de jazigos e cemitérios. bens ou valores.01. biotecnologia e química. capatazia. 24. telecomunicações e congêneres. inclusive pelos correios e suas agências franqueadas. de terminais rodoviários. 21. 21. transporte do corpo cadavérico. banners. Serviços de coleta. monitoração. eletrotécnica. Serviços de registros públicos. 24. confecção de carimbos. 29. serviços de apoio marítimo. 27. placas. embelezamento. confecção de carimbos. 30. ferroportuários. serviços de apoio aeroportuários. movimentação de passageiros. Serviços de coleta. 27. 22. Serviços técnicos em edificações.01. reboque de embarcações. essa e outros adornos. adesivos e congêneres. Serviços aeroportuários. desembaraço de certidão de óbito.04. atracação.01. cartorários e notariais. Serviços funerários. courrier e congêneres. fornecimento de flores. 22. Serviços de avaliação de bens e serviços de qualquer natureza. 25. Serviços de assistência social. Planos ou convênio funerários. Serviços de chaveiros. mecânica. 23. embalsamamento. serviços acessórios. 25. Serviços de biblioteconomia. bens ou valores. sinalização visual. movimentação de passageiros.01. 28. atos de concessão ou de permissão ou em normas oficiais. de movimentação ao largo. coroas e outros paramentos. capatazia. cartorários e notariais. Serviços técnicos em edificações. eletrônica. conservação ou restauração de cadáveres. 20. 23. 20. aeroportuários. documentos. ferroportuários. documentos.01. logística e congêneres. Serviços de terminais rodoviários. placas. Serviços de exploração de rodovia mediante cobrança de preço ou pedágio dos usuários. utilização de porto.01. urna ou esquifes. courrier e congêneres. Serviços de exploração de rodovia. conferência. Serviços de registros públicos. desatracação. Serviços de chaveiros. assistência aos usuários e outros serviços definidos em contratos. 25. utilização de aeroporto. Funerais. melhoramentos para adequação de capacidade e segurança de trânsito. serviços de praticagem. Serviços de avaliação de bens e serviços de qualquer natureza. armazenagem de qualquer natureza.03. biotecnologia e química. logística e congêneres.01. 26.20.01. remessa ou entrega de correspondências. eletrônica. aluguel de capela. 25. rebocador escoteiro. estiva. envolvendo execução de serviços de conservação.01. Serviços portuários. manutenção.01.01. 31. Serviços portuários. Serviços de biblioteconomia. objetos. 17 . armazenagem de qualquer natureza.01. Serviços de biologia. telecomunicações e congêneres. inclusive suas operações.02. 30. serviços acessórios. movimentação de aeronaves. Serviços de assistência social. 25. ferroviários. Serviços de programação e comunicação visual. mecânica. 31. adesivos e congêneres.02. serviços de armadores. mercadorias. movimentação de mercadorias. logística e congêneres. eletrotécnica. Serviços de biologia. metroviários. movimentação de mercadorias. movimentação de passageiros. banners . desenho industrial e congêneres. fornecimento de véu. inclusive fornecimento de caixão. sinalização visual. 26. ferroviários e metroviários. Cremação de corpos e partes de corpos cadavéricos. 20. operação. objetos.

eletricidade médica. Serviços de museologia. convênios. modelos e manequins. com ou sem estabelecimento fixo. 36.01. manicômios.Limpeza. Serviços profissionais e técnicos não compreendidos nos itens anteriores e a exploração de qualquer atividade que represente prestação de serviços e não configure fato gerador de imposto de competência da União ou dos estados Redação antiga: “Art. casas de saúde. higienização. comissários. 48 . Serviços de ourivesaria e lapidação (quando o material for fornecido pelo tomador do serviço). parques e jardins. jornalismo e relações públicas. cabeleireiros.01. relativos a animais. Serviços de desenhos técnicos. 40. 1555 / 9 6 e 1776 / 9 9) (Lei 1776 / 9 9 – Incluiu os itens 100 e 101)” Parágrafo Único . ultra. ortópticos. coleta.Hospitais veterinários. Serviços de reportagem.socorros. remoção e incineração de lixo. 3 . sanatórios. 37. 683 / 8 7. 37. 40. desratização e congêneres. sêmen e congêneres. adestramento. rios e canais.Barbeiros.Incineração de resíduos quaisquer.Médicos veterinários. 33. 18 . 38. tratamento de pele. clínicas veterinárias e congêneres. 6 . detetives e congêneres.01. 36.Planos de saúde. imunização. assessoria de imprensa. duchas.sonografia. 16 . Serviços de reportagem. 14 .Enfermeiros. prontos. despachantes e congêneres. 7 . assessoria de imprensa.32. comissários.Assistência médica e congêneres previstos nos itens 1.01. 4 . radioterapia.Limpeza e dragagem de portos. 35. Serviços de desenhos técnicos. Serviços de desembaraço aduaneiro. Serviços de museologia. prestados através de planos de medicina de grupo. 39. 5 . 41. 39.Bancos de sangue. inclusive com empresas para assistência a empregados. clínicas. prestados por empresa que não esteja incluída no item 5 desta Lista e que se cumpram através de serviços prestados por terceiros contratados pela empresa ou apenas pagos por esta.Médicos.Hospitais.Para os efeitos deste artigo. manutenção e conservação de imóveis. 10 . alojamento e congêneres. tratamento. inclusive vias públicas. pele. 34. 17 . 15 . Serviços de investigações particulares. pedicures. obstetras. 2 .01. leite. Serviços de artistas. Serviços de desembaraço aduaneiro. 2. 13 . considera. de repouso e de recuperação e congêneres. Obras de arte sob encomenda.01. sauna. Serviços de artistas.Guarda. jornalismo e relações públicas. protéticos (prótese dentária).Varrição.01. detetives e congêneres. inclusive análises clínicas.se prestação de serviços o exercício das seguintes atividades: 1 . 32. manicures. ginásticas e congêneres. embelezamento.01. 8 .Desinfecção. radiologia. laboratórios de análises. 38. modelos e manequins. massagens. atletas. 11 . tomografia e congêneres. 33.Banhos. (Alterado pelas Leis 521 / 8 4. mediante indicação do benefício do plano. e 3 desta Lista. ambulatórios. Serviços de meteorologia. fonoaudiólogos. despachantes e congêneres. 12 .Controle e tratamento de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos e biológicos.O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza tem como fato gerador a prestação de serviços por empresas ou profissionais autônomos. Serviços de ourivesaria e lapidação. 9 . 34. depilação e congêneres.01. Serviços de investigações particulares. amestramento. atletas. 35. Serviços de meteorologia. Serviços relativos a obras de arte sob encomenda.

polimento.Assessoria ou consultoria de qualquer natureza. consultoria técnica. que fica sujeito ao ICMS). coordenação. 35 . não contida em outros itens desta Lista. corretagem ou intermediação de direitos da propriedade industrial. conservação e reformas de edifícios. artística ou literária.Limpeza de chaminés. passeios. perfuração. 40 . programação. excursões. 57 . arrumação e guarda de bens de qualquer espécie (exceto depósitos feitos em instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central) 56 . 23 . promoção e execução de programas de turismo.Vigilância ou segurança de pessoas e bens. corretagem ou intermediação de contatos de franquia (franchise) e de faturação (factoring) (excetuam. de construção civil. guarda. que fica sujeito ao ICMS).Agenciamento.Administração de bens e negócios de terceiros e de consórcio. técnicos em contabilidade e congêneres. empreitada ou subempreitada. 20 . 49 .Raspagem. congressos e congêneres.Despachantes.Florestamento e reflorestamento.Agenciamento.Armazenamento. exposições. jardinagem e decoração (exceto o fornecimento de mercadorias. 55 . fora do local da prestação dos serviços. 25 .18 . 54 . de seguros e de planos de previdência privada.Avaliação de bens. 19 .Aerofotogrametria (inclusive interpretação). auditoria. que fica sujeito ao ICMS). 19 . treinamento. 38 . corretagem ou intermediação de bens móveis e imóveis não abrangidos nos itens 44.Regulação de sinistros cobertos por contratos de seguros. prevenção e gerência de riscos seguráveis. instrução. organização. calafetação. exames técnicos e análises técnicas. 43 . organização e administração de feiras.Administração de fundos mútuos (exceto a realizada por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central).Ensino. descarga.Agenciamento.Traduções e interpretações.Leilão. 45. pesquisas e informações.Saneamento ambiental e congêneres.Análises. 21 . processamento de dados. 50 .Datilografia. 33 . 39 .Pesquisa. cálculos e desenhos técnicos de qualquer natureza.Perícias. financeira ou administrativa. secretaria em geral e congêneres. buffet (exceto o fornecimento de alimentação e bebidas. laudos.Agenciamento. programação ou organização técnica. 28 . estradas.Agenciamento. organização. cimentação. planejamento. 29 . 52 . expediente.Escoramento e contenção de encostas e serviços congêneres. 30 .Agenciamento. corretagem ou intermediação de câmbio. 42 . mapeamento e topografia. 26 .tos e congêneres (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador dos serviços fora do local da prestação dos serviços. de obras hidráulicas e outras obras semelhantes e respectiva engenharia consultiva.Planejamento. estenografia. estimulação e outros serviços relacionados com a exploração e explotação de petróleo e gás natural. 36 . avaliação de conhecimentos de qualquer grau ou natureza. 41 . guias de turismo e congêneres. 32 . 31 . carga. pontes.Demolição. financeira ou administrativa.Guarda e estacionamento de veículos automotores terrestres.livros.Projetos. assessoria. 37 .Execução. prestados por quem não seja o próprio segurado ou companhia de seguro. 34 . corretagem ou intermediação de títulos quaisquer (exceto os serviços executados por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central). inclusive serviços auxiliares ou complementares (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador de serviços.Contabilidade. 24 . paredes e divisórias. por administração. 48 . inspeção e avaliação de riscos para cobertura de contratos de seguros. 22 . perfilagem.Agentes da propriedade industrial.Planejamento. 53 . 46 e 47. depósito. lustração de pisos. 44 .Assistência técnica. 46 .Reparação. 27 . por. exames. que fica sujeito ao ICMS). 51 .Paisagismo. coleta e processamento de dados de qualquer natureza.Organização de festas e recepções.Agentes da propriedade artística ou literária. 45 .se os serviços prestados por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central). 47 . inclusive de sistemas.

reprodução e trucagem. 62 . quando o material for fornecido pelo usuário final. inclusive arrendamento mercantil. inclusive espetáculos que sejam também transmitidos. plastificação e congêneres.Lubrificação. 61 . ou pelo rádio.Psicólogos. mediante transmissão por qualquer processo. 90 . armazenagem interna.Montagem industrial. 59 . 78 .Advogados. 91 . recitais e congêneres.Composição gráfica. mediante compra de direitos para tanto. mediante ou sem encomenda prévia. limpeza e revisão de máquinas. inclusive trucagem. d) bailes. f) competições esportivas ou de destreza física ou intelectual. máquinas e equipamentos. inclusive por empregado do prestador do serviço ou por trabalhadores avulsos por ele contratados. manutenção e conservação de máquinas.Tinturaria e lavanderia. 72 .de.Colocação de tapetes e cortinas. capatazia. 60 . pintura.Dentistas. veículos. prestada ao usuário final do serviço exclusivamente com material por ele fornecido. gravação e douração de livros. planejamento de campanhas ou sistemas de publicidade. textos e demais materiais publicitários (exceto sua impressão. lavagem. secagem. reprodução ou fabricação). com ou sem a participação do espectador. mesmo em caráter temporário. inclusive revelação. serviços acessórios.Fotografia e cinematografia. elevadores ou de qualquer objeto (exceto o fornecimento de peças e partes. corridas de animais e outros jogos. exclusivamente com material por ele fornecido. agrônomos. 69 . tingimento. cópia. plantas ou desenhos. exceto aviamento. de espetáculos.Propaganda e publicidade.Colocação de molduras e afins.58 . pela televisão. 20 . 89 . 76 . 77 . 64 . 71 . coleta. urbanistas. e) jogos eletrônicos. cartões.Locação de bens móveis. 86 . com cobrança de ingresso.Produção para terceiros. polimento. corte.Transporte. 88 . a) cinemas. de objetos não destinados à industrialização ou comercialização. externa e especial. c) exposições. revistas e congêneres.Conserto. por qualquer meio (exceto em jornais. 82 . encadernação.Taxidermia. 80 . que fica sujeito ao ICMS). inclusive a venda de direitos à transmissão pelo rádio ou pela televisão. movimentação de mercadoria fora do cais. 79 .Fonografia ou gravação de sons ou ruídos. 83 .Economistas. zincografia. litografia e fotolitografia. boliches.Lustração de bens móveis quando o serviço for prestado para usuário final do objeto lustrado. b) bilhares. 75 .Distribuição e venda de bilhetes de loteria. suprimento de água. festivais. motores. rádios e televisão). acondicionamento.Recauchutagem ou regeneração de pneus para o usuário final. g) execução de música.Engenheiros. anodização.Recondicionamento de motores (o valor das peças fornecidas pelo prestador do serviço fica sujeito ao ICMS). 67 .Fornecimento de música. 68 . 65 .Recondicionamento. pules ou cupons de apostas. entrevistas e congêneres. 66 . aparelhos e equipamentos (exceto o fornecimento de peças e partes. veículos.Funerais.obra. periódicos.Alfaiataria e costura. elaboração de desenhos. arquitetos. foto composição. dublagem e mixagem sonora. ampliação. 70 .Diversões públicas. seleção. com material fornecido pelo usuário final do serviço. por quaisquer processos. 73 .Recrutamento. 84 . 74 . shows. desenhos e outros materiais de publicidade. 87 .tapes. sorteios ou prêmios.Cópia ou reprodução. individualmente ou por conjuntos. utilização de porto ou aeroporto. 81 . 63 . dentro do território do município. galvanoplastia. inclusive promoção de vendas. "taxi dancings" e congêneres. colocação ou fornecimento de mão.Serviços portuários e aeroportuários. de documentos e outros papéis. que fica sujeito ao ICMS). agenciamento. clicheria. remessa ou entrega de bens ou valores. 85 . prestados ao usuário final do serviço. atracação. restauração. para vias públicas ou ambientes fechados (exceto transmissões radiofônicas ou de televisão).Instalação e montagem de aparelhos. beneficiamento.Veiculação e divulgação de textos. recorte.Gravação e distribuição de filmes e vídeo.

telegramas. consultas em terminais eletrônicos.Comunicações telefônicas de um para outro aparelho dentro do mesmo município.Assistentes sociais.(Não recepcionado pela CF/88 ) 98 . aluguel de cofres. 97 . fica sujeito ao imposto sobre serviços). melhoramentos para adequação de capacidade e segurança do trânsito. e IV .O art. 100 – Exploração de rodovias mediante cobrança de preço dos usuários. operação. transferência de fundos. 100 . inclusive direitos autorais protestos de títulos. Redação antiga: “Art. 94 . Fica acrescentado ao art.Distribuição de bens de terceiros em representação de qualquer natureza. 10. III .Hospedagem em hotéis. pagamentos por conta de terceiros. atos de concessão ou de permissão ou em normas oficiais. sem prejuízo das cominações cabíveis. pensões e congêneres (o valor da alimentação.Instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central: fornecimento de talão de cheques. 93 . devolução de cheques. telex e teleprocessamento. 95 . ressalvadas as exceções contidas na referida lista. 49 . motéis. 49. emissão e renovação de cartões magnéticos. 9º . emissão de carnês (neste item não está abrangido o ressarcimento. bem como a exploração de qualquer atividade que represente prestação de serviço e não configure fato gerador de impostos de competência da União ou dos Estados. necessários à prestação dos serviços).Do cumprimento de quaisquer exigências legais. fornecimento de posição de cobrança ou recebimento e outros serviços correlatos da cobrança ou recebimento (este item abrange também os serviços prestados por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central). sustação de pagamento de cheques.Transporte de natureza estritamente municipal.Do resultado financeiro obtido. manutenção de títulos vencidos. relativas à atividade.” Art. regulamentares ou administrativas.A incidência do imposto independe: I . SEÇÃO II DA NÃO INCIDÊNCIA 21 . ainda que sejam prestados com fornecimento de mercadorias. 50 da Lei nº 480 / 8 3 o inciso V com a seguinte redação: V – da denominação dada ao serviço prestado. 101 – Serviços profissionais e técnicos não explicitados nos itens anteriores. quando incluído no preço da diária. inclusive os feitos fora do estabelecimento. REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6. 49 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. ordens de pagamento e de créditos . a instituições financeiras. ressalvadas as exceções contidas no próprio artigo. Os serviços incluídos na lista do artigo anterior ficam sujeitos exclusivamente ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza.Relações públicas. 50 . (Incluído pela Lei 1776 / 9 9 ) Art.Da existência de estabelecimento fixo. por qualquer meio. emissão de cheques administrativos.Cobranças e recebimentos por conta de terceiros. II . em sua totalidade ao imposto. elaboração de ficha cadastral. manutenção. devolução de títulos não pagos. de gastos com portes do Correio.92 .Serviços profissionais e técnicos não explicitados nos incisos anteriores bem como a exploração de qualquer atividade que represente prestação de serviço e não configure fato gerador de imposto de competência da União ou dos Estados.Da destinação dos serviços. 96 . monitoração. 99 . Art.Os serviços incluídos no artigo anterior ficam sujeitos. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 9. assistência aos usuários e outros definidos em contratos. REDAÇÃO dada pela Lei 1776 / 9 9. ainda que a respectiva prestação envolva fornecimento de mercadorias. sustação de protestos. fornecimento de segunda via de lançamento de extrato de contas. envolvendo execução de serviços de conservação.

Os serviços prestados por associações culturais. 11 da Lei 480. definidos em Lei.Os que prestam serviços sob relação de emprego. ainda que o pagamento seja feito por residente no exterior.” II . bingos.gerentes e dos gerentes. de 14 de dezembro de 1995. autarquias e sociedades de economia mista). Redação antiga:”I . shows. 1471 / 9 5 e 1627 / 9 7 ) (Vide Lei 1689 / 9 8 – concede isenção para hotéis e similares) I .Os serviços dos trabalhadores avulsos.se o inciso VI.a prestação de serviços em relação de emprego. Fica alterada. festividades. alterado pelo art. devidamente reconhecidas pelo Município.” SEÇÃO III DA ISENÇÃO Art. desde que as receitas se destinem a fins assistenciais. o principal.Não são contribuintes do Imposto: I .Estão isentos do imposto: (Alterado pelas Leis 1032 / 9 1. 2º da Lei 1471. O art. juros e acréscimos moratórios relativos a operações de crédito realizadas por instituições financeiras. o valor dos depósitos bancários. exposições.As promoções de concertos. bem como inclui . O imposto não incide sobre: I .o valor intermediado no mercado de títulos e valores mobiliários. e desde que já contemplados com a isenção do inciso VII do art. bem como dos sócios.Os serviços de reformas. II . recreativas e desportivas. III . recitais. reestruturação ou conservação de imóveis de interesse histórico ou cultural. 52 da Lei nº 480 / 8 3.ambiente. e VI – as pessoas físicas que prestem serviços definidos nas leis nº 793/89 e 1032/ 91 sob a forma de trabalho pessoal sem o auxílio de empregados e sem a utilização de estabelecimento prestador definido no parágrafo único do art. e desde que observado o disposto no parágrafo único deste artigo. de 24 de novembro de 1983. III . bem como em relação aos imóveis de interesse para a preservação do meio. venda de cartões. pules ou cupons de apostas. 51 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 52 .A remuneração dos direitos e membros do Conselho Consultivo ou Fiscal de Sociedade. Redação antiga: “art. 51 . 12. bem 22 . quermesses e espetáculos similares. A isenção prevista no inciso V não se aplica às receitas decorrentes de serviços prestados a não sócios. dos diretores e membros de conselho consultivo ou de conselho fiscal de sociedades e fundações. empresas públicas.Os espetáculos circenses nacionais e os teatrais. II .as exportações de serviços para o exterior do País. a redação do inciso I e do parágrafo único.A prestação de serviços por entidades da administração indireta do Município (fundações.delegados. III . devendo ser respeitadas integralmente as características arquitetônicas das fachadas.Art.as empresas públicas e sociedades de economia mista instituídas e controladas pelo Município de Niterói. no art. 51. 11. Parágrafo único. Não se enquadram no disposto no inciso I os serviços desenvolvidos no Brasil cujo resultado aqui se verifique. da seguinte forma: Art.82 desta lei. V . IV . dos trabalhadores avulsos. Parágrafo único. sorteios e prêmios.

55 – REVOGADO.As isenções previstas nesta Seção dependerão do reconhecimento pelo órgão competente. inclusive a sociedade civil ou de fato. b) a pessoa física que admita. responsáveis pela retenção e recolhimento do Imposto Sobre Serviços. reforma. Art. qualquer das atividades sujeitas ao imposto sobre serviços. Contribuinte é o prestador do serviço.obra. 53 .de.Para os efeitos deste imposto. exclusivamente de mão. e 3. hidráulicas ou outras obras semelhantes. naval. ou que façam concorrência com empreendimentos econômicos. (Alterado pelas Leis 683 / 8 7. que foram concedidas a prazo certo ou sob condições. Redação antiga : “Art. empresa ou profissional autônomo que exerça. em caráter permanente ou eventual. 2.Não se aplica a isenção prevista neste inciso às receitas decorrentes de: 1.Ficam mantidas as isenções não constantes desta Seção. até a publicação desta lei.como outros serviços não compreendidos nas finalidades institucionais das entidades mencionadas ou que façam concorrência com empreendimentos econômicos”. na forma. (Redação dada pela Lei 1627 / 9 7 ) Parágrafo Único .se: I . são também. 54. mais de dois empregados e/ou um ou mais profissionais da mesma habilitação do empregador. prazo e condições estabelecidas pelo Poder Executivo. venda de pules e talões de apostas. (Vide Lei 547 / 8 5) Parágrafo Único . bem como quanto aos serviços de montagem industrial e de reparos navais. SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS Art. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 )” Art. 23 . c) o empreendimento instituído para prestação de serviços com interesse econômico. e (Incluído pela Lei 1253 / 9 3) e) O condomínio que prestar serviços a terceiros. sem vínculo empregatício. reparação ou acréscimo de bens imóveis devidos por construtores ou empreiteiros. Art.Por empresa: a) toda e qualquer pessoa jurídica. que exercer a atividade econômica de prestações de serviços. Redação antiga: “Parágrafo Único . ao Município de Niterói.O contribuinte do imposto é o prestador de serviços. O art. 55 . para o exercício de sua atividade profissional.Fica atribuída aos construtores ou empreiteiros principais de obras de construção civil. no máximo.Por profissional autônomo todo aquele que fornecer o próprio trabalho. 54 . 13. dois empregados que não possuam a mesma habilidade profissional do empregador. Parágrafo Único . serviços prestados a não sócios. a responsabilidade pelo recolhimento na fonte do imposto devido pelas subempreiteiras.Além das pessoas indicadas neste artigo. Redação antiga: “Art. reconstrução. 1253 / 9 3 e 1627 / 9 7) . 56 – REVOGADO. no caso em que estas não tenham estabelecimento no Município de Niterói. se não exigirem dos mesmos as notas fiscais de serviços para prestadores de serviços com estabelecimento no Município e comprovante de recolhimento de Imposto Sobre Serviços. com o auxílio de. e II . entende. 54 da Lei nº 480 / 8 3 terá a seguinte redação: Art. quando o prestador dos serviços não possuir estabelecimento no seu território. serviços não compreendidos nas finalidades institucionais das entidades mencionadas. os contratantes de serviços de construção.

” VII .Os que utilizarem serviços de empresas. 63 desta Lei. 11 e 12.Serviços paralelos às obras hidráulicas ou de construção civil.Os que permitirem em seus estabelecimentos ou domicílios a exploração de atividade tributável sem estar o prestador de serviços inscrito no cadastro fiscal do Município. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. 112 e 113 desta lei. se não exigirem dos prestadores documento fiscal idôneo. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2.As entidades públicas ou privadas. da seguinte forma: Art. Redação antiga: “VII . Redação antiga: “Art.REVOGADO Redação antiga: “VI – Os que utilizarem os serviços de profissionais autônomos não isentos pelo imposto incidente sobre as operações. inclusive de subcontratados.obra e encargos. sanatórios. pelo imposto incidente sobre os serviços de diversões publicas prestados por terceiros em locais de que sejam proprietárias. 58. III . 58 da Lei nº 480 / 8 3 e ficam acrescentados ao citado artigo os incisos XXI e XXII. § 1º . pelo imposto devido sobre serviços a elas prestadas por: a) Empresas que agenciem.O construtor ou empreiteiro principal que não desejar proceder de conformidade com o disposto neste artigo fica obrigado a comunicar tal fato à repartição competente no prazo de 30 (trinta) dias após o início da obra. desde que o condomínio seja inscrito no Cadastro Fiscal Municipal e assuma. administradoras ou possuidoras a qualquer titulo. pelo construtor ou empreiteiro principal.” Art.Serviços de raspagem. 24 .de.Os que efetuarem pagamentos de serviços a terceiros não identificados.Redação antiga: “Art. desde que vinculados ao fato gerador da respectiva obrigação tributária. São responsáveis pelo recolhimento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza. 58 – São responsáveis pelo recolhimento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza: (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3. incisos VII. se não exigirem dos prestadores dos serviços prova da quitação fiscal. § 2º . b) Hospitais.As empresas que explorem serviços de planos de saúde ou assistência médica e hospitalar através de planos de medicina de grupo e convênios.(Redação dada pela Lei 1627 / 9 7 ) Art.o tomador ou intermediário de serviço proveniente do exterior do País ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior do País. clínicas. ainda que o pagamento do serviço seja feito diretamente pelo dono da obra ou contratante. IV . 1471 / 9 5.Os representantes de empresas estabelecidas fora do Município.de. 57 – Não se aplica o disposto nos artigos 55 e 56 quando a subempreiteira se referir a: (Alterado pelas Leis 683 / 8 7 e 1627 / 9 7 ) I . façam intermediação ou corretagem dos referidos planos junto ao público. estando sujeitos às penalidades previstas nos art. 57 – REVOGADO PELA LEI 2045 / 02. 56 – Os administradores de obras ficam responsáveis pelo imposto relativo à mão. pelo ISS do qual a representada seja a contribuinte de direito. VI . de eletricidade médica a assemelhados. XIII. V . Fica alterada a redação do “caput”. calafetagem e aplicação de resinas sintéticas em geral.obra. pelo imposto incidente sobre as operações. por escrito. II . VIII. conforme o item 38 da tabela constante do art. 14. XVI e XIX e parágrafos 3º e 4º do art. 1627 / 9 7 e 1766 / 9 9 )” I . de patologia. bem como os parágrafos 10. as seguintes pessoas: Redação antiga: “Art. a responsabilidade pelo pagamento do imposto relativo à mão. pelo imposto devido por essa atividade. tributados pela alíquota de 5%. pelo imposto cabível nas operações.O não cumprimento do prazo estipulado no parágrafo anterior implicará na aceitação da responsabilidade pelo pagamento do imposto. e II . laboratórios de análises.

quando a assistência a seus pacientes se fizer sem intervenção das empresas das atividades referidas no inciso anterior. água e correios pelo imposto incidente sobre os serviços por elas intermediados. bem como sobre as tarifas pagas ou repassadas pela Caixa Econômica Federal às casas lotéricas. c) locação de bens móveis. b) Empresas de conservação e limpeza de imóveis. manicômios. 17.c) Ambulatórios. pelo imposto devido por suas contratantes. Redação antiga : “XIII .17.de. REVOGADO. pelo imposto referente às remunerações. de repouso. pelo imposto incidente sobre a cota repassada às empresas administradoras ou promotoras de apostas ou sorteios. em relação ao imposto sobre as remunerações e comissões pagas às casas lotéricas. REVOGADO. sêmen e congêneres. telecomunicações. de patologia.” IX . 7.02. olho. telecomunicações. de pele. quando seu atendimento se fizer na forma referida na alínea c.14. pessoas físicas ou jurídicas autorizadas a explorar tais atividades. 7.05 e 17. casas de saúde. REVOGADO. de recuperação e congêneres.04.09. energia. XIII – a Caixa Econômica Federal. 7.REVOGADO. água e correios pelo imposto incidente sobre os serviços a elas prestados por empresa de: a) fornecimento de mão. 7. prontos. apostas ou sorteios.A Caixa Econômica Federal. de eletricidade médica e assemelhados.” VIII – a pessoa jurídica. energia.16. de sêmen e congêneres. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2.04. a) b) c) d) e) f) g) h) i) j) REVOGADO.09 da lista do Art. e)Empresas que executem remoção de pacientes.04. XV .48.Os hospitais e clínicas privados. ainda que imune ou isenta. d) Bancos de sangue. b) reforma. Redação antiga: “VIII . REVOGADO.10. X . reparação e conservação de imóveis. 7.As concessionárias de serviços públicos de telecomunicações.obra. XII . XVI – as concessionárias de serviços públicos de transportes.12. comissões ou tarifas pagas ou repassadas pela CEF às casas lotéricas. XI . REVOGADO.” XIV – Pessoas jurídicas administradoras de bingos e quaisquer outras modalidades de jogos. f) Empresas que executem remoção de doentes. REVOGADO. 11.As concessionárias de serviços públicos de exploração de rodovias. tomadora ou intermediária dos serviços descritos nos subitens 3. c) Laboratórios de análises. 7. 17.15. 7. REVOGADO. pele. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3. REVOGADO. Redação antiga:”XVI .REVOGADO.REVOGADO. pelo imposto devido sobre os serviços a eles prestados por: a) Empresas de guarda e vigilância. 25 .REVOGADO. d) Bancos de sangue. de olhos.socorros. REVOGADO. 7. exploração de rodovias.

O regulamento disporá sobre a forma pela qual será comprovada a quitação fiscal dos prestadores de serviços. aplicando . veículos e equipamentos. observado o disposto nesta lei.A obrigatoriedade da retenção se extingue se a contratada apresentar Inscrição no Cadastro de Contribuintes da Secretaria de Fazenda e comprovar o recolhimento do ISS devido. reparação e conservação de máquinas.A Responsabilidade prevista neste artigo é inerente a todas as pessoas físicas ou jurídicas. Redação antiga: “§ 2º . XXII – os hospitais e clínicas privadas. Redação dada pela Lei 2045 / 0 2. j) serviços médicos. nos demais casos. i) reboque de veículos. se não estabelecidas no Município. no que couber. e) conserto. b) bancos de sangue.” XX .REVOGADO.” XVII . ainda que alcançadas por imunidade ou isenção tributárias. XIX – o contratante.º 4. ainda que imune ou isenta. c) empresas que executem remoção de pacientes.” § 2º .REVOGADO. sobre a forma pela qual será comprovada a quitação fiscal dos prestadores de serviços.02 e 7. pontes e congêneres.” §4º O Poder Executivo disporá. auxiliares ou complementares às obras. inclusive remoção de pacientes. observados os artigos 77 e 78 do Regulamento do ISS – Decreto n.A responsabilidade de que trata este artigo será satisfeita mediante o pagamento: 1 – do imposto retido das pessoas físicas ou jurídicas com base no preço do serviço prestado aplicada a alíquota correspondente à atividade exercida. 48. h) limpeza. quando pagos através de cartões de crédito por elas emitidos.º 4.º 480 /83. tomadora ou intermediária dos serviços descritos nos subitens 7. o disposto nos parágrafos do Art. pelo imposto devido pelos prestadores de serviços classificados como produção externa. sêmen e congêneres. pelo imposto incidente sobre o preço dos serviços prestados pelos estabelecimentos filiados. localizados no Município. f) serviço de limpeza e manutenção de bens imóveis. pela prestação dos serviços contratados de terceiros. 84 do Regulamento do ISS – Decreto n. olhos. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3.Os condomínios.As agências de propaganda e publicidade.As empresas administradoras de cartões de crédito.652 /85 e no Art. inclusive serviços essenciais. § 1º .05 da lista do art. g) recebimentos e pagamentos efetuados por conta de terceiros. XVIII .O contratante fica responsável pelo recolhimento sobre todo e qualquer serviço terceirizado.” §3º A responsabilidade prevista neste artigo é inerente a todas as pessoas físicas ou jurídicas. XXI – a pessoa física ou jurídica . de patologia.d) construção civil e respectiva engenharia consultiva. observado o disposto no Art. de eletricidade médica e assemelhados. 1º do Decreto 8137 /99. Redação antiga : “§ 4º .” 26 . manutenção e conservação de imóveis. ainda que alcançadas por imunidade ou isenção tributárias. 2 – do imposto incidente sobre as operações. Redação antiga : “§ 1º . Redação antiga : “§ 3º . pele. através de decreto. 263 da Lei n. estradas.se. pelo recolhimento sobre todo e qualquer serviço terceirizado realizado através de pessoa jurídica.652 /85. Redação antiga: “XIX . pelo imposto sobre os serviços a eles prestados por a) laboratórios de análises.

o ISS será calculado aplicando . II . IV – Indicação como domicílio fiscal.Nos termos do Art. propaganda e publicidade. será preferencialmente atribuída I . máquinas. II – Estrutura administrativa ou organizacional.Para efeitos da retenção prevista no inciso XII. multa e acréscimos legais.REVOGADO.ao intermediário. V – Permanência ou ânimo de permanecer no local para exploração econômica de serviços.a contribuinte cadastrado no município. A responsabilidade tributária. Os responsáveis a que se refere este artigo estão obrigados ao recolhimento integral do imposto devido. Fica atribuída ao contribuinte. quando instalados no referido estabelecimento. contas de telefone. 39 da Lei 1.REVOGADO Redação antiga: “§ 9º .O não cumprimento do disposto neste artigo sujeitará o infrator às cominações previstas nos artigos 112 e 113 desta Lei.” § 8º . energia elétrica e água em nome do prestador de serviços. inclusive no que diz respeito às multas e aos acréscimos legais.§ 5º . § 6º .253. contrato de locação de imóveis ou parte do mesmo. Redação antiga: “§ 5º . não estabelecidos neste Município.REVOGADO. exteriorizada através da indicação do endereço em impressos.” 27 . §12.É considerado responsável solidário.841 / 74.REVOGADO Redação antiga: “Parágrafo Único . formulários. Parágrafo Único . III – Inscrição nos órgãos previdenciários. instrumentos ou equipamentos necessários à execução dos serviços. nos casos em que o tomador e o intermediário sejam cadastrados no município. Redação antiga : “§ 7º . §11.obra for contratada nos termos definidos pela Lei federal nº 6.019 / 74 e pelo decreto nº 73. Redação antiga : “§ 6º .” § 9º . a base de cálculo será estimada em 50% do valor total da fatura.REVOGADO PELA LEI 2045 /0 2 Redação antiga: “§ 8º .REVOGADO. o locador das máquinas e aparelhos de que trata este artigo.Não ocorrerá responsabilidade tributária quando os prestadores de serviços forem sociedades submetidas à regime de pagamento de imposto por alíquota fixa mensal”. quanto ao imposto devido pelo locatário.Para efeitos da retenção prevista na alínea “d” dos incisos XI e XVI. inclusive se nas dependências do contratante. a responsabilidade supletiva do pagamento total ou parcial do crédito tributário.obra temporária. e relativo à exploração daqueles bens. 59 . nos casos previstos neste artigo. independentemente de ter sido efetuada sua retenção na fonte. quando comprovadamente essa mão.se a alíquota correspondente sobre a base de cálculo composta pela Taxa de Administração ou Comissão recebida pela empresa que agencia ou loca a mão. nos casos previstos nos incisos VII e VIII. Art.de. correspondências. de seu representante ou preposto.de.” §10.O titular do estabelecimento é solidariamente responsável pelo pagamento do imposto relativo à exploração de máquinas e aparelhos pertencentes a terceiros. material. de 27 de dezembro de 1993. para efeitos de outros tributos.” § 7º . estabelecido neste Município. a existência de estabelecimento prestador é indicada pela conjunção parcial ou total dos seguintes elementos: I – Manutenção de pessoal.

4. 10. 7. II – a alíquota de 2%. 1.04.02. 4. 3.02.08. 5. 7.04. 5. 17.02. 11.02 da lista do art.03.12.15.05. 4. 20. 5. 9.06. 4.17 da lista do art. 7. 1.20.02. 12.19. 60 – REVOGADO Redação antiga: “Art. 12.17.01.02.23. Redação antiga: “Art. 7. 17.03. 20. 10.04. 4.48. nos casos não previstos na alínea f do inciso anterior e quando não relacionados a esportes. O imposto será calculado aplicando . 4.08.” Art.07.06.01. 12.03.16.01 da lista do art. 4.16. h) previstos no subitem 4.05.14. 62 – REVOGADO.07. 12. atribuir a qualidade de contribuinte àqueles a quem for prestado o serviço. vias e logradouros públicos. 12.06.19 da lista do art. jardins. 4. Redação antiga : “Art. 28 . 1. 1.10.10 e 7.09. mediante prévio acordo a ser estabelecido entre a Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico e os órgãos de classe respectivos. parques. 4. 63. quando se referirem a estradas. sob pena de responsabilidade solidária pelo pagamento do imposto.48.04.09 e 17. e) previstos no subitem 7. 4.09.03. pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e seus franqueados. b) previstos no subitem 8. 17. 7.O imposto que incide sobre as comissões de corretagem de seguros e de capitalização. 4.08.21. 1.02.02.10.18. pontes. 48.20. exceto quando executados em motéis.se ao ensino pré.18.se às pessoas físicas ou jurídicas. b) previstos nos subitens 7.se às obrigações previstas nos artigos anteriores. c) previstos nos subitens 14.05. 17. 7. 4. 4.05 e 20. 15. 60 .02. 7.Só se aplica o disposto neste artigo às empresas de seguros e de capitalização estabelecidas neste Município. 7. g) previstos no subitem 9. 61 – REVOGADO PELA LEI 2045 / 02.escolar e da 1ª a 4ª série do ensino fundamental ou tratarem. 17.01. em substituição ao prestador deste.08.48.22. 4. 1. d) previstos no subitem 26.48.04. 4. 12. 15.13. desde que o substituto seja contribuinte do imposto sobre serviços de qualquer natureza. ginástica e demais atividades físicas regulares e permanentes.a alíquota de 3%. 10.se sobre a base de cálculo I – a alíquota de 5%.01 da lista do art. 4. 4. III .01. quando relacionarem . 7.48. nos casos não especificados nos incisos posteriores deste artigo. 17. quando aplicados a reparo e construção de embarcações de qualquer natureza.11 da lista do art. percebidas pelas empresas corretoras.06.Art. 63 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art.03.48.03. 5.04.11. 7.11. 4.01.01 da lista do art.14. quando executados em águas marítimas.05.13. 1. 12.19.02. 5.15.07. 17. 5.15.48. Parágrafo Único . 14.01 e 8. 62 . 4.08. poderá ser retido na fonte pelas empresas de seguro e de capitalização.01.01 e 8.05.12. 7.17.19.18. 9.” SEÇÃO V DAS ALÍQUOTAS E DA BASE DE CÁLCULO Art.07.06. 15. 17. 7.09. 20. f) previstos nos subitens 8.Sujeitam.01 da lista do art. 7.01. 7. na prestação dos serviços a) previstos nos subitens 1. 3. 5.02 da lista do art.se de treinamento em informática. 5.05. 4. 4. quando executados em creches. sujeitam . 5. O art.05.” Art.01.16.03 e 33. na prestação dos serviços a) previstos nos subitens 4. 61 . portos. 48. 13. 48. nos casos indicados em lei.12.01 da lista do art. beneficiadas por regime de imunidade ou isenção tributária.O Poder Executivo poderá.

produção e veiculação de publicidade e propaganda...... pelos serviços prestados sob forma de trabalho pessoal. decorrentes de profissão: 4 UFINITs....Agentes.........Titulados por estabelecimento de ensino de nível superior: 3 UFINITs.. e pela EC 37 / 0 2 ) I – Profissionais autônomos. com vigência até 31 / 1 2 / 1 9 9 9.. que não estejam previstos nos itens 1 e 2. 3 ........ inclusive promoção vendas..... com vigência até 31 / 1 2 / 1 9 9 9...... §2º Os serviços prestados por empresas que funcionem como unidades centrais de atendimento na modalidade de call center ..(alíquota sobre o movimento econômico mensal) 1 .se a alíquota de 2% sobre a base de cálculo.......... será tributada...... (Redação dada pela Lei 1766 / 9 9) REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6...... despachantes....22 UFIR... localizados ou não.Serviços de execução de obras hidráulicas.. com o valor mensal de I ...Empresas . sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte e com o auxílio de.... ou valor equivalente por ano..... ou valor equivalente por ano.. representantes. 1555 / 9 6..de. desde que sejam reservados 10% da mão.... §3º Os serviços prestados na prática de atos cooperativos exclusivamente por cooperativas que sejam constituídas por trabalhadores serão tributados aplicando... Redação antiga: “Art..44 UFIR.44 (onze reais e quarenta e quatro centavos). decorrentes de profissão: 182. 1627 / 9 7.Titulados por estabelecimento de ensino de nível superior: 136. 3% 2 .... estabelecidos ou não: 1 . 1387 / 9 5.. quando os serviços prestados dispensarem a qualificação profissional mencionada no inciso I.. serão tributados aplicando .16 (dezessete reais e dezesseis centavos). 1 ..R$ 17... quando aplicados a imóveis...se a alíquota de 2% sobre a base de cálculo. corretores.. 3 ... II – R$ 11...O imposto será calculado de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 683 / 8 7.48....... corretores... ou valor equivalente por ano. despachantes........ 3% 3 ... (Redação dada pela Lei 1766 / 9 9 ) ]REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6.. 1253 / 9 1.10 da lista do art... ou valor equivalente por ano......83 UFIR.. II .. ou valor equivalente por ano.... com vigência até 31 / 1 2 / 1 9 9 9. localizados ou não. 1776 / 9 9.. intermediários e outros profissionais autônomos.. auxiliares complementares ...... que não estejam previstos nos itens 1 e 2.... por força de lei... 2 ... dois empregados que não possuam a mesma habilitação profissional do empregador. no máximo..... (Redação dada pela Lei 1627 / 9 7 ) REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6.. 1032 / 9 1. 1659 / 9 8... planejamento de campanhas ou sistemas publicidade .Titulados por estabelecimento de ensino de nível técnico: 2 UFINITs.Serviços de engenharia consultiva vinculados a obras de construção civil ou a outros serviços engenharia de de os ou de ou 29 ...obra para pessoas portadoras de necessidades especiais... 1766 / 9 9.. 1471 / 9 5. §1º A prestação de serviços por pessoa física... 2 ..... de qualificação profissional obtida através de titulação dada por instituição de nível superior. em qualquer hipótese....... intermediários e outros profissionais autônomos....Serviços de redação.... quando os serviços prestados necessitarem..... 1698 / 9 8.....Agentes. pelos serviços prestados sob forma de trabalho pessoal.c) previstos no subitem 7..... ou valor equivalente por ano..... de construção civil ou semelhantes. bem como serviços essenciais. 1917 / 0 1 e 2044 / 0 2. 63 .. representantes....Titulados por estabelecimento de ensino de nível técnico: 91.......

......... ................................... com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2........ 0.... manutenção e conservação de vias e logradouros públicos......................... 3% REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6. exames..... análises.............. rios e canais ..................... em seu artigo 8º..................... 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2......5% 15 Arrendamento (leasing) ........ 16 Serviços de informática de qualquer natureza................. análises....... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.................. 2% 5 ......5% 12 ...... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3............5% 14 .... 12 ........................... inclusive de mercado.. portos e congêneres .................................. REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6.................. corretagem ou intermediação de contratos de franquia (franchising) e de faturamento (factoring) ....... . 1.................................................................................................................. 1% mercantil mercantil inclusive cursos e Nota: É de 0............. conhecidos como “software de prateleira”.. ..................... 2% 10 Aerofotogrametria...................... REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6...................... 14 .............. terrestre ou marítima................................................................... 2% 7 Florestamento e reflorestamento ......................................... e fornecimento de informações de qualquer tipo.......arquitetura ................... treinamento .. 2%......................................3% REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6.................................... como determina a Lei 1589 / 9 7.. corretagem ou intermediação de contratos de franquia (franchising) e de faturamento (factoring) ......................... 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.. com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2............Agenciamento............................ 0........... 2% 6 ........... parques e jardins ................... manutenção e conservação de imóveis .. pontes.................................................................................................Agenciamento...... destinados ao mercado.....Coletas................ corretagem ou intermediação de contratos de afretamento de embarcações..... conservação e reformas de estradas............................. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.............. 30 ... de cargas transportadas por via aérea.....Controle e tratamento de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos e biológicos ............................... 15 Arrendamento (leasing) ............................................. pesquisas................ REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.................................................. exames..... pesquisas............................. 2% 11 Limpeza.... mapeamento e topografia ..Coletas................. 3% 4 Limpeza e dragagem de portos............ inclusive de mercado...... inclusive despachos aduaneiros ......................................... 13 .... com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2....................................2% 9 Serviços de reparação.....2% 8 Escoramento e contenção de encostas e serviços congêneres ........ e fornecimento de informações de qualquer tipo .. com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2............................................................................ ..............................................Agenciamento..........Limpeza.....................5% a alíquota do ISS incidente sobre a atividade de desenvolvimento de programas e sistemas não personalizados...... inclusive interpretação.............................................................

... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 0 3 REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6......... comissões sobre passagens................... treinamento e avaliação de conhecimentos de qualquer grau ou natureza: a) ensino de nível superior ..................... 3% 21 .......................................................... casas de saúde............ organização de excursões e serviços de guias de turismo........... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.. reserva de hotéis.................. 3% 18 Vigilância ou segurança de pessoas e bens....... laboratórios de análises clínicas e de eletricidade médica........... REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6........................................................................ inclusive agenciamento de viagens e passeios............................. instrução.........Ensino...... zincografia.................. olhos...... 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.......... 3% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2................................ 3% c) escolas de esportes.......................... de ginástica e demais atividades físicas regulares e permanentes .................................................................................... 3% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2....... comissões sobre passagens....... 2% 20 Banco de sangue................. prestados por empresas inscritas na EMBRATUR e cadastradas na NELTUR ......................... organização de excursões e serviços de guias de turismo. manicômios.........financeira e congêneres .. 3% b) ensino pré................................. reserva de hotéis...escolar. pronto ........................... sanatórios..... inclusive as de repouso e recuperação. .............. 2% 19 Composição gráfica....... 5% 31 ........ prestados por empresas inscritas na EMBRATUR e cadastradas na ENITUR .......... exceto serviços de reparo.... com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2..16 ... consultoria contábil............................ inclusive cursos e treinamento.....socorro e demais estabelecimentos congêneres ............ REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6... conservação e limpeza dos equipamentos (hardware)...... clicheria.............2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.... de 1º e 2º graus................................................................................Diversões públicas e jogos: a) competições esportivas .....Serviços de informática de qualquer natureza....... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.....Hospitais..... 1% 23 – Serviços de turismo e assemelhados....... 17 ...................... postos de coleta para exames clínicos e/ou laboratórios de qualquer natureza ... instrução...Serviços de turismo e assemelhados.... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3....... inclusive agenciamento de viagens e passeios........................................................ litografia e fotolitografia .......... leite... fotocomposição............................................ com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2.... 5% d) demais serviços de ensino........................ que serão tributados na forma do disposto no parágrafo único .....Hospitais..... 24 ............................. curativos e outros serviços drogarias ........ clínicas médicas.... 22 Aplicação de injeções.............................. com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2...... tais como: auditoria contábil........................... casas de saúde..................... inclusive cursos prévestibulares ..... laboratórios de análises clínicas e de eletricidade médica. ambulatórios....................... 3% 21 ............................ inclusive as de repouso e recuperação....... 23 ............... clínicas médicas....... manutenção....................................... pele...... sêmen e congêneres .......... treinamento ou avaliação de conhecimentos ............ sanatórios. 1% realizados por farmácias e 22 – Serviços de contabilidade..............................................

.... instalação ou montagem de máquinas... externa e especial................................................Diversões públicas: a) competições esportivas ...................... armazenagem interna...... bem como os serviços de cimentação...............................Serviços portuários e aeroportuários......................................................................... boliche e assemelhados........ quando cobram ingressos ou "couvert" artístico ... inclusive os seguintes serviços vinculados à fabricação........ planejamento e acompanhamento da construção...................................... restaurantes com dança e congê....................................................................................................... de suas partes e componentes: a) pesquisas........................... suprimento de água............ 3% 26 ... 3% b) instalação............................ desde que tais serviços sejam vinculados às atividades de construção ou reparo de embarcações ........ estimulação de poços de petróleo ou gás natural.................................. quando cobram ingressos ou "couvert" artístico ........................ limpeza....... utilização de porto ou aeroporto................... 10% c) cinemas e teatros ............................... inclusive divertimentos eletrônicos ....... atracação.... manutenção de plataforma e seus componentes... sorteios e comissões auferidas ....................... perfuração e estimulação de poços ................................................................ peças ou equipamentos.................................................. sorteios e comissões auferidas .............. bailes e assemelhados .. decoração de interiores e locação de mão de obra................. 2% (Redação dada pela Lei 1627 / 9 7) 27 ............................................................ 5% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.................... tais como: projetos. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3......... montagem.................................. restaurantes com dança e congêneres.................... 3% 32 ..................... cupons de apostas de qualquer tipo.............. tais como exposições.................................... 5% g)distribuição e venda de pules...... boliche e assemelhados.................... shows................. .......... 5% 24 ........................ cupons de apostas de qualquer tipo........5% c) cinemas ............................ desenhos técnicos................. serviços e acessórios.................. bailes e assemelhados ......................... da montagem ou da instalação de plataforma de qualquer tipo ............................................................................. .....Pesquisa............................ cimentação.... 5% e) sinuca...................................... .............Serviços de reparo de embarcações em geral............. ...................................................... perfuração................ inclusive docagem e demais atividades necessárias à recuperação de embarcações de qualquer tipo .................... 25 ......................... cálculos.................................... 10% e) sinuca.................................. perfilagem. movimentação de mercadorias fora do cais ..... projetos.............. cabarés... minibilhar.................. 3% 28 ........................... "shows"............................................. 3% d) casas noturnas...................... fiscalização................... ......... 5% f) distribuição e venda de pules...3% d) casas noturnas.......... ....................b) diversões públicas com cobrança de ingressos............. cabarés...........neres................................................Serviços auxiliares ou complementares à construção ou reparo de embarcações..............................2% b) diversões públicas com cobrança de ingressos....................... perfilagem.................................... minibilhar......................................... montagem ou instalação de plataformas e congêneres................ inclusive divertimentos eletrônicos ................................................................................... capatazia.................................................... ........... tais como exposições........................................... ...

.........refeição ....................Serviços de administração de bens ou serviços públicos.......................................................................... melhoramentos para adequação de capacidade e segurança do trânsito....... carregamento e embarque de plataformas e seus componentes .............. prestados com utilização de linhas telefônicas.... remunerados através de cobrança de preços públicos. promoção..................................................... ......... com vigência até 31 / 1 2 / 1 9 9 9........................... permissões.................. 36 .............. consulta....................................................... de 29 de dezembro de 1987 ....................................... 48................................ ...........................Serviços prestados por agências de correios e telégrafos... 2% 35 ........... instalação e montagem de equipamentos . 0........................................ informação....................... 1% 31 ......c) içamento..............Exploração de rodovias mediante cobrança de preço dos usuários......... inscritas na EMBRATUR e cadastradas na NELTUR ..... o controle.... previstos na lista do art............5% 37 Locação de uso de patente .... operação........................................................ compreendendo a produção.... envolvendo execução de serviços de conservação.................. 1% 29 Hotéis e pousadas...................................3% f) demais serviços vinculados à exploração ou explotação de petróleo e gás natural ............ da Lei 480 de 24 de novembro de 1983................................... 3% e) testes......................... tratamento e destinação de efluentes de qualquer natureza e de agentes físicos e biológicos ....Serviços de administração...... 10% 33 ................ 2% 36 ...... tratamento e distribuição de água.................. 3% d) jateamento e pintura.............Comissões e outras receitas de serviços de empresas que administrem cartões de crédito ou valesrefeição .... de concurso de prognósticos instituídos por Lei Municipal ................. 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.............................................................................. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3............. cobrança e congêneres.................. tarifas ou pedágios ............. assistência aos usuários e outros definidos em contratos..... 5% (Redação dada pela Lei 1776 / 9 9 ) REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6....... 5% REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6....Prestação de serviços de sorteio................ 38 ........ através de contratos......... manutenção.................... com alteração pela Lei 683....................Comissões e outras receitas de serviços de empresas que administrem cartões de crédito ou vales..... com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2............................. inclusive por veículos de comunicação ............................. atos de concessão ou de permissão ou em normas oficiais. 32 Serviços prestados por bancos e demais instituições financeiras .................. ................. 3% REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6......................................5% 33 . monitoração............ com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2....................Serviços de saneamento básico.. desde que cadastrados na ENITUR ....................................................... amarração.......... 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2..... ...................................................................... medições e certificações técnicas ........................................ inclusive por seus franqueados.......... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3........... com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2............. isolamento térmico e acústico...... agenciamento....................... 2% (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) marca ou INCLUÍDO pela Lei 1659 / 9 8...................2% 34 .......................... 31 ..................................... através de concessão............ ........... autorizações e concessões...... 29 Hotéis e pousadas............ 30 Motéis e assemelhados .

....................shore)................ 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2............ 39 ...................2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2....... Art....... 40 ...5% REDAÇÃO dada pela Lei 1659 / 9 8............... 38 .............................................................. Obs: Lei 1142 / 9 2....................................5% 39 ..... 2% (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) Parágrafo único ........... mantida pela Lei 1766 / 9 8........ 48........... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.38 .Os serviços constantes da lista do parágrafo único do Art.Os serviços previstos no parágrafo único.....................................................Serviços de realizados por empresas que funcionem como unidades centrais de atendimento (Call Center)........................... ..................... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3....... 2% REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2...................... objetivando o desempenho empresarial e solidário de atividades profissionais ou laborativas: alíquota sobre a base de cálculo (movimento econômico mensal) ....................operacional para a efetiva prestação dos serviço. por mês.Serviços de realizados por empresas que funcionem como unidades centrais de atendimento (“CALL CENTER”) reservados 10% (dez por cento) de mão.. não previstos nos itens anteriores.......... desde que não constituam fatos geradores de impostos de competência da União ou dos Estados.............. 64............................................... .... 48 da Lei 480 /83.......... não previstos nos itens anteriores e desde que não constituam fatos geradores de impostos de competência da União ou dos Estados .......................... 48 da Lei 480/83.................. 5% (Redação dada pela Lei 1917 / 0 1...Serviços não previstos nos itens anteriores.......... alterado pela Lei 683 /87................................. de responsabilidade das permissionárias de Transporte Coletivos do Município a partir de 01 / 0 1 / 1 9 9 3.......................... quando exercidos na prática de atos cooperativos... com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3................. do art.. exclusivamente por cooperativas que sejam constituídas por trabalhadores...de........... desde que não constituam fatos geradores de impostos de competência da União ou dos Estados ........ de 29 de dezembro de 1987.......... 48 da Lei 480................. §1º e §2º da Lei nº 480 / 8 3 passam a vigorar com a seguinte redação: 34 ...... REDAÇÃO dada pela Lei 1555 / 9 6.Serviços não previstos nos itens anteriores...........................................Serviços de administração através de concessão de concursos de prognósticos instituídos por Lei Municipal ......... O art......... com a redação dada pela Lei 683..... o ISS...................................................... de 24 de novembro de 1983...........obra para pessoas portadoras de deficiência ..................... 5º: – Fica fixado em 6...... 5% III .......... caput ............ serão tributados pela alíquota de 5% sobre o movimento econômico apurado............ por empresas que possuam estabelecimento prestador no Município e desde que este constitua base de apoio técnico.....Serviços constantes da lista do parágrafo único do art............................de.... 5% REDAÇÃO dada pela Lei 1627 / 9 7... reservados 10% da mão....... renumerado de 39 para 40) 40 – Serviços previstos no item 28............ 0........... REDAÇÃO dada pela Lei 2044 / 0 2.... 39 .... desde que não constituam fatos geradores de impostos de competência da União ou dos Estados . quando realizados na plataforma continental (serviços off ... com vigência até 31 / 1 2 / 2 0 0 2................ 37 – Serviços constantes da lista do parágrafo único do art.. desde que não constituam fatos geradores de impostos de competência da União ou dos Estados .................00 UFINITs por veículo...............obra para pessoas portadoras de deficiência .. com redação dada pela Lei 683 /87............. Art...... 16................. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3........ não previstos nos itens anteriores............ INCLUÍDO pela Lei 1917 / 0 1...............

se na base de cálculo os ônus relativos à concessão do crédito. dos dutos e dos condutos de qualquer natureza. o preço do serviço. A base de cálculo do imposto é o preço do serviço.A base de cálculo apurada nos termos do parágrafo anterior: I – será reduzida para 60% do seu valor. 48 desta Lei. 17.se ao preço do serviço. sob qualquer modalidade. caso haja posto de cobrança de pedágio no Município. 64. a base de cálculo será a proporção do preço do serviço que corresponder à proporção.Quando a contraprestação se verificar através de troca de serviços ou o seu pagamento for realizado mediante o fornecimento de mercadorias. terrestres e marítimas. (Alterado pelas Leis 683 / 8 7 e 1253 / 9 3 ) § 1º .Na prestação do serviço de exploração de rodovias mediante cobrança de preço dos usuários.Para efeito do disposto no item 100 do Art. 1605 / 9 7 e 1589 / 9 7 – concede incentivo – PABT) § 1º . considera.03 e 22. conforme o caso. (Incluído pela Lei 1776 / 9 9 ).No caso de concessão de desconto ou abatimento sujeitos à condição. Redação antiga: “Art. se no Município não houver posto de cobrança de pedágio. ainda que da responsabilidade de terceiros. § 4º .se preço do serviço.02 e 7.Considera. ainda que cobrados em separado. tudo o que for cobrado em virtude da prestação do serviço. (Incluído pela Lei 1776 / 9 9) Art. 48 forem prestados no território deste Município e também no de um ou mais outros Municípios. 65 . existentes neste Município. com a seguinte redação: Art. da extensão da ferrovia. § 4º . os valores acrescidos e os encargos de qualquer natureza. serão deduzidos do preço contratado os valores relativos às passagens aéreas. o preço base para o cálculo será o preço normal.Nas atividades cujo imposto for calculado sobre o movimento econômico. ou ao número de postes.(…) 35 . contribuinte do imposto é a pessoa física ou jurídica que detenha o direito de exploração da rodovia mediante cobrança de preço ou pedágio. para base de cálculo do imposto.Incorporam. II – será acrescida do complemento necessário a sua integralidade em relação à rodovia ou ponte. (Alterado pela Lei 1776 / 9 9 – inclui os parágrafos) (Vide leis 1679 / 9 8. reajustamento ou dispêndios de qualquer natureza. para efeito de cálculo do imposto.Para efeitos do disposto nos §§ 1º e 2º.se rodovia explorada o trecho limitado pelos pontos eqüidistantes entre cada posto de cobrança de pedágio ou entre o mais próximo deles e o ponto inicial ou terminal da rodovia. 64 . 48. em relação ao total. será o preço corrente na praça. (Incluído pela Lei 1776 / 9 9 )”. § 3º . § 5º .05 da lista do art. Fica alterado o parágrafo 6º e incluído o parágrafo 10 no art. §1º Quando os serviços descritos pelos subitens 3. a base de cálculo será o preço dos serviços prestados. seja na conta ou não. sem levar em conta essa concessão. § 3º . §6º Quando se tratar de organização de viagens.REVOGADO. o imposto será calculado sobre a parcela do preço correspondente à proporção direta da parcela da extensão da rodovia explorada no território do Município ou da metade da extensão da ponte que una o Município a outro. (Incluído pela Lei 1776 / 9 9 ) § 2º . da rodovia. incluem.01 da lista do art. bem como a hospedagem dos viajantes ou excursionistas. 65 da Lei nº 480 / 8 3.Art. inclusive a título de reembolso. dos cabos de qualquer natureza. § 2º . das pontes. dos túneis. §2º Não se inclui na base de cálculo do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza o valor dos materiais fornecidos pelo prestador dos serviços previstos nos itens 7.No caso de prestação de serviços a crédito.

Cada empregado não qualificado: Imposto: 22.Os contribuintes. IASERJ e outras entidades estatais.dia. 1253 / 9 3. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.REVOGADO. 48 aqueles efetuados mediante inscrição automática por qualquer meio. sócio. casas de saúde. 7. sanatórios. por mês. cada um. sócio. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. e que adquirem personalidade jurídica com o registro dos seus contratos ou atos constituídos no respectivo órgão de classe regulador da profissão dos sócios: II . Nos serviços contratados em moeda estrangeira. o número de inscrição do profissional autônomo. reconhe. 1627 / 9 7 e 1698 / 9 8 ) I .Aquelas que possuírem. que prestam serviços relacionados no item 21 da tabela do artigo 48 desta lei e que mantenham convênio de assistência médica ou hospitalar com pessoas jurídicas de direito público interno à base de leitos. 51. sócio. §10." § 1º . 66 – REVOGADO.Aquelas cujos equipamentos. Redação antiga: § 7º . as sociedades: 36 . 66 . empregados ou prestadores de serviços qualificados. Art. poderão deduzir do preço contratado os valores relativos às passagens aéreas. mesmo tendo profissionais com denominação e nível de formação diferentes.Quando os serviços a que se referem os incisos 1. (Redação dada pela Lei 1698 / 9 8) (Alterado pelas Leis 683 / 8 7. 24.Redação antiga: § 6º .se entre os sorteios referidos no item 60 do parágrafo único do art. 89.Cada empregado no qualificado: Imposto: ½ (MEIA) UFINIT cada um. nos casos cabíveis.5 (UMA UFINIT E MEIA) cada um. embora assumindo responsabilidade pessoal. e III . por mês.” § 8º . estão habilitados legalmente para o desempenho da atividade a que se propõe a sociedade. Redação antiga: “Art. § 2º . laboratórios e congêneres. da seguinte forma. II .Incluem. que preste serviços em nome da sociedade.Quando se tratar de organização de viagens. 88. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) § 9º . o valor dos honorários pagos a profissionais sem relação de emprego ou participação societária com o estabelecimento prestador de serviços e devidamente inscritos como autônomos no Cadastro Municipal. empregado ou não: Imposto: 68. instrumentos e maquinário sejam necessários à realização da atividade. quando decorrentes de convênio celebrados com o IBASM. REDAÇÃO dada pela Lei 1253 / 9 3. INSS. sem cunho empresarial.Aquelas que se constituírem como sociedades civis de trabalho profissional. exclusivamente pelo profissional habilitado na execução do serviço pessoal e intelectual em nome da Sociedade. desde que a captação de inscrição alcance participantes no Município . poderão deduzir da receita relativa ao ajuste. empregado ou não. cada um.Em se tratando de serviços prestados por hospitais. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 8.Não são consideradas profissionais. 90 e 91 do parágrafo único do Artigo 48 forem prestados por Sociedades Profissionais o imposto será calculado em relação a cada profissional habilitado. 4.cimento oficial do respectivo órgão de classe de que os sócios. I . desde que discriminado na Nota Fiscal de Serviços.81 UFIR. clínicas.42 UFIR.fim e usados. devendo pagar o imposto sobre o preço dos serviços prestados.Cada profissional qualificado. nos termos da lei aplicável. empregado ou não: Imposto: 1. § 7º . por mês.Cada profissional qualificado. devendo constar na Nota Fiscal de Serviços. II . o preço será o valor resultante de sua conversão em moeda nacional ao câmbio do dia da ocorrência do fato gerador. o mês de competência será o da aprovação do faturamento pelo usuário dos serviços.São Sociedades Profissionais: I . terrestres e marítimas. 87. por mês. bem como a hospedagem dos viajantes ou excursionistas.

Redação antiga: “Art. firmados antes do aceite de obras entre o incorporador que cumule essa qualidade com a de construtor e os adquirentes de frações ideais de terrenos. com o contrato de construção. 1627 / 9 7 e 1698 / 9 8) I . § 2º .5 (cinco décimos) UFINIT. nos casos de estimativa fiscal. 68 .º 4591. III . os valores referentes às subempreitadas sujeitas à tributação pelo Município ou.º 4591.As sociedades constituídas na forma do parágrafo único do artigo anterior estão sujeitas ao pagamento do imposto calculado sobre o movimento econômico mensal.” Art.Que sejam constituídas sob formas de sociedades por ações ou comerciais de qualquer tipo ou a elas equiparadas.5 (um inteiro e cinco décimos) UFINIT por mês.aquelas que possuírem mais de dois empregados não habilitados. 7. 1253 / 9 3.0.se. letra "b" recolherá o imposto à razão de: (Alterado pela Lei 1471 / 9 5 ) (Vide Leis 547 / 8 5.Se no local do estabelecimento. o imposto relativo à primeira 37 . § 3°. e II . 89. 70 . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.” Art. a base de cálculo compreende os honorários. conforme dispuser o regulamento. nos quais a empreiteira principal executar e cobrar a demolição. proporcionalmente. em relação a cada empregado não habilitado.Na execução de obras por administração. sujeitas a mais de uma forma de tributação.obra e encargos sociais.Ao valor dos materiais fornecidos pelo prestador de serviços. 67 . em relação a cada profissional habilitado.I .de. II . 87. Art. parágrafo único. 88. por mês.se.Que exerçam atividades diversas das habilitações profissionais dos sócios. em discordância com o disposto no caput deste artigo. (Alterado pela Lei 1471 / 9 5).Na prestação dos serviços a que se referem os incisos 31 e 33 do parágrafo único do artigo 48. Redação antiga: “Art. os dispêndios com mão. habilitações profissionais diretamente relacionadas com os objetivos da sociedade e estejam compreendidas entre aquelas mencionadas no itens 1. deduzindo . forem exercidas atividades diferentes. deduzido das parcelas correspondentes: (Alterado pelas Leis 683 / 8 7 e 1627 / 9 7) I . e II . o valor correspondente aos materiais empregados na obra.1. para cada sócio ou empregado habilitado.Nos contratos de construção civil regulados pela Lei n. todos. ou em seus depósitos ou outras dependências.Aquelas nas quais os sócios não prestem efetivamente serviços na sociedade. as despesas gerais de administração e outras. Redação antiga: “Art.Que tenham como sócio pessoa jurídica. conforme dispuser o regulamento. (Redação dada pela Lei 1627 / 9 7 ) § 2º . de 16 de dezembro de 1964. 90 e 91 do parágrafo único do Artigo 48.Nos contratos de construção regulados pela Lei n. 4.O disposto neste artigo não se aplica aos contratos de construção civil. a base de calculo será o preço das cotas de construção. e se na escrita não estiverem separadas as operações das duas.Ao valor das subempreitadas já tributadas pelo imposto.o contribuinte definido no artigo 54. 67 – REVOGADO. (Redação dada pela Lei 1698 / 9 8 ) IV . proporcionalmente. realizadas diretas ou indiretamente pelo prestador dos serviços. a base de calculo será o preço de venda das unidades compromissadas.Se uma das atividades for tributada de acordo com o movimento econômico e a outra com o imposto fixo. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) VI . 24. de 16 de dezembro de 1964. o imposto será calculado sobre o preço dos serviços. V .Cujos sócios não possuam. empregado ou não. 683 / 8 7. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. 69 . inciso II. englobadamente. (Redação dada pela Lei 1698 / 9 8 ). 51. § 1°. deduzindo .” Art. 69 – REVOGADO. bem como os valores referentes as subempreitadas sujeitas à tributação pelo Município de Niterói. firmados antes do aceite de obras. 68 – REVOGADO. deverão ser observadas as seguintes regras: I .

qualquer das hipóteses: (Alterado pela Lei 521 / 8 4 ) I – Se o contribuinte ou responsável. atos esses evidenciados pelo exame de livros e documentos do contribuinte ou responsável. e se na escrita não estiverem separadas as operações por atividades. e II . Redação antiga: “IV . sejam praticados com dolo.Não prestar o contribuinte. se o construtor não cumprir com as obrigações acessórias previstas na legislação.O arbitramento referir. pela inobservância de formalidades extrínsecas ou intrínsecas. fraude ou simulação. os esclarecimentos exigidos pela fiscalização ou prestar esclarecimentos insuficientes ou que não mereçam fé. não possuir ou deixar de exibir. 38 . ou apurados por quaisquer meios diretos ou indiretos de verificação. 18. extravio ou inutilização de livros ou documentos fiscais.Serem omissos ou. com a seguinte redação: Art. exclusivamente. firmados antes do aceite de obras. nos casos previstos por lei. sem se encontrar o contribuinte devidamente inscrito na repartição fiscal competente. 71 da Lei nº 480 / 8 3. (Incluído pela Lei 521 / 8 4) IX – Nos contratos de construção civil regulados pela Lei nº 4. após regulamente intimado. VI .Prática de subfaturamento ou contratação de serviço por valores abaixo dos preços de mercado.” II .O valor do imposto será objeto de arbitramento. atos esses evidenciados pelo exame de livros e documentos do contribuinte.se. III e IV e incluídos o inciso IX e o parágrafo 5º no art. sendo devido.atividade será apurado com base no movimento econômico total. Redação antiga: “III . os esclarecimentos exigidos pela fiscalização ou prestar esclarecimentos insuficientes ou que não mereçam fé. ou apurados por quaisquer meios diretos ou indiretos de verificação. nos casos previstos por lei.” IV .Serviços prestados sem determinação de preços ou a título de cortesia. ou (Incluído pela Lei 521 / 8 4 ) VIII .Não possuir o contribuinte. extravio ou inutilização de livros ou documentos fiscais.Existência de atos qualificados em lei como crimes ou contravenções ou que. os elementos necessários à comprovação da exatidão do valor das operações realizadas. mesmo sem essa qualificação. mesmo sem essa qualificação. e” V .Não prestar o contribuinte ou responsável. ficarão as mesmas. Ficam alterados os incisos I.á. em sua totalidade. III . (Incluído pela Lei 521 / 8 4) VII . por inverossímeis ou falsos. fraude ou simulação. além disso. Redação antiga : “I . não merecerem fé os livros ou documentos fiscais ou comerciais exibidos ou emitidos pelo sujeito passivo ou terceiros legalmente obrigados. sejam praticados com dolo.No caso de atividades tributadas com alíquotas diferentes ou sobre o movimento econômico total ou com dedução.Flagrante insuficiência do imposto pago face ao volume dos serviços prestados. inclusive nos casos de perda. após regularmente intimado. de 16 de dezembro de 1964. 71 . inclusive nos casos de perda. § 1º . e cessará após o contribuinte sanar as irregularidades que motivaram a aplicação do mesmo. o imposto fixo relativo à segunda. os elementos necessários à comprovação da exatidão do valor das operações realizadas. uma vez constatada pela fiscalização. aos fatos geradores ocorridos no período em que se verificarem os pressupostos mencionados nos incisos deste artigo. nos casos previstos por lei. aos agentes do Fisco.Exercício de qualquer atividade que implique realização de operação tributável. aos agentes do Fisco. por inverossímeis ou falsos. SEÇÃO VI DO ARBITRAMENTO Art.Existência de atos qualificados em lei como crimes ou contravenções ou que. sujeitas à alíquota mais elevada. ou deixar de exibir.591. que incidirá sobre o movimento econômico total.

O valor do imposto poderá ser fixado pela autoridade fiscal. encargos tributários e sociais e outras despesas necessárias à realização das atividades do contribuinte. tais como salários e encargos.Os elementos que exteriorizem a situação econômico . comunicações e outras. ” I . § 4º . 73 . Parágrafo único – Sobre o valor da média mensal das despesas apuradas será adicionado o valor correspondente a título de lucro presumido. II .Os recolhimentos efetuados em períodos idênticos pelo mesmo ou por outros contribuintes que exerçam a mesma atividade em condições semelhantes. a base de cálculo arbitrada corresponderá ao valor compromissado de aquisição das unidades. à época a que se referir a apuração. III . III . os seguintes elementos: (Alterado pela Lei 521 / 8 4 ). serão consideradas de caráter provisório cujo exercício seja de natureza temporária e estejam vinculadas a fatos ou acontecimentos excepcionais.Valor dos materiais empregados na prestação dos serviços e outras despesas. aluguéis. e IV . a critério exclusivamente da autoridade competente. o imposto deverá ser pago antecipadamente e contribuinte iniciar suas atividades sem efetuar o pagamento do mesmo. (Alterado pela Lei 521 / 8 4 )” SEÇÃO VII DA ESTIMATIVA Art. § 2º . V . §5º Na hipótese prevista no inciso IX.Quando o contribuinte não tiver condições de emitir documentos fiscais ou deixar. sob pena de local. 72 . instalações.O arbitramento terá sempre por base representação circunstanciada.Valor dos materiais empregados na prestação dos serviços e outras despesas.Quando se tratar de atividade exercida em caráter provisório. IV .se os seguintes elementos: REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. 72 .Será aplicada à base de cálculo apurada a alíquota correspondente à atividade de prestação de serviço exercida pelo contribuinte. a partir de uma base de cálculo estimada nos seguintes casos: I . Redação antiga do item: “V . conforme o caso. tratamento fiscal específico. que considerará. independentemente de qualquer formalidade legal. § 3º .O arbitramento terá sempre por base representação circunstanciada.Quando se tratar de contribuinte ou grupo de contribuintes cuja espécie. energia elétrica. energia. II .financeira do contribuinte. água. modalidade ou volume de negócios ou de atividades aconselhem.Quando se tratar de contribuinte de rudimentar organização.As condições peculiares ao contribuinte.§ 2º . Art.Na hipótese do parágrafo anterior. deduzido o valor correspondente às respectivas frações ideais do terreno. em percentual fixado em regulamento que não poderá ser inferior a 20% (vinte por cento). telefone.No caso de serem exercidas pelo contribuinte atividades sujeitas à alíquotas diferentes. será aplicada a alíquota maior à base de cálculo apurada no arbitramento.Para os efeitos do inciso I deste artigo. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.O preço corrente dos serviços. taxas condominiais. aluguéis. honorários. § 1º . com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. de cumprir as obrigações acessórias previstas na legislação vigente. tais como: salários e encargos. considerando. sistematicamente. as atividades ocasionais ou não poderá o interdição do 39 . oferecida pelo funcionário fiscal sob a responsabilidade do qual estiver sendo realizada a fiscalização do sujeito passivo. retiradas dos sócios.Serão deduzidos do imposto resultante do arbitramento os pagamentos realizados no período. na qual se estabelecerá a base de cálculo do imposto. oferecida pela autoridade fiscal competente. Redação antiga do caput: “Art.

O volume de receitas em períodos anteriores e sua projeção para os períodos seguintes. taxas condominiais. quando couber. 48. 72. telefone. os critérios previstos no art. para efeitos comparativos. tendo em vista: (Alterado pela Lei 521 / 8 4 ) I . servindo o mesmo como limite mínimo de tributação. tendo em vista: Redação antiga: “Art. 74. honorários. bem como o imposto incidente. Art. 19.O valor da estimativa será fixado para um período máximo de 3 (três) meses e servirá como limite mínimo de tributação. 40 . Fica incluído o parágrafo 3º no art.A natureza do acontecimento a que vincule a atividade. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. observados. observado o disposto na Lei nº 1813 /00. será estimado conforme o caso. (Incluído pela Lei 1032 / 9 1 ) Art. aluguéis.O local onde se estabelecer o contribuinte.Independentemente de qualquer procedimento fiscal e. O caput do art. sempre que verificar que o preço total dos serviços exceder o valor fixado pela estimativa. ficar dispensado de obrigações acessórias. V .O valor da estimativa será fixado para um período máximo de 12 (doze) meses.” (Incluído pela Lei 1032 / 9 1 ) § 3º . 22. III . 75 . O §1º do art.O tempo de duração e a natureza específica da atividade. Art. energia elétrica. 75 . O sujeito passivo submetido ao regime de estimativa poderá. O art. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. II . (Incluído pela Lei 521 / 8 4 ) VI – Valor dos materiais empregados na prestação dos serviços e outras despesas.” (Alterado pela Lei 1032 / 9 1 ) § 1º O valor da base de cálculo estimada.02 da lista do art.O preço corrente dos serviços. Redação antiga : “§ 2º . 74 . e IV .A estimativa do valor do imposto será fixada mediante despacho da autoridade fiscal competente ou ato normativo. 76 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. devendo o tributo ser pago com base no valor da UFINIT na data dos respectivos pagamentos. sucessivamente.Art. 74 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. retiradas dos sócios. bem como o valor do imposto incidente. outros contribuintes de idênticas atividades. fica o contribuinte obrigado a recolher o imposto pelo valor do movimento econômico real apurado. podendo ser observado. água.” (Incluído pela Lei 1032 / 9 1 ) § 2º . poderão incluir . com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.se os prestadores de serviços previstos no subitem 7. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.O valor do imposto a ser recolhido pelos contribuintes a que se refere o artigo anterior.A estimativa do valor do imposto será fixada mediante despacho da autoridade fiscal competente ou ato normativo. com a seguinte redação: §3º Dentre as hipóteses previstas no inciso IV. caso haja manifestação da autoridade competente. da Lei nº 480 / 8 3.76. Redação antiga: “§ 1º . 20. Redação antiga: “Art. 21. para fixação da base de cálculo. podendo ser prorrogado por igual período. tais como: salários e encargos. 73. serão expressos em moeda corrente.O valor da base de cálculo estimada. a critério da autoridade competente e na forma definida em regulamento. 75 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. encargos tributários e sociais e outras despesas necessárias à realização das atividades do contribuinte. serão expressos em UFINIT. O valor do imposto a ser recolhido pelo sujeito passivo a que se refere o artigo anterior será estimado conforme o caso.

a base de cálculo estimada. § 2º . desde que satisfeitas as exigências legais. quando. restituído ao contribuinte.Se o movimento econômico vier a exceder o valor fixado para base de cálculo. a autoridade competente poderá cancelar o regime de estimativa ou rever. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) Parágrafo Único – REVOGADO. Parágrafo Único . a autoridade competente rever a qualquer tempo a base de cálculo estimada.Quando a estimativa tiver fundamento no disposto nos incisos II.(Incluído pela Lei 521 / 8 4)” Art.A revisão do valor da base de cálculo ocorrerá. de forma geral. em outros casos. parcial ou individualmente. a contar da publicação do ato normativo ou da ciência do despacho onde se estabeleça a inclusão do contribuinte no regime de estimativa.Redação antiga : “Art. aplicar. 78 . sob pena de preclusão. 80 . com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. o contribuinte poderá optar pelo pagamento do imposto.Os contribuintes sujeitos ao regime de estimativa poderão.A opção será manifestada por escrito.O contribuinte optante pelo regime normal de pagamento do ISS ficará sujeito às disposições aplicáveis aos contribuintes em geral. a critério da autoridade competente. § 3º . a contar da publicação do ato normativo ou da ciência do respectivo despacho.No regime de estimativa de que trata o artigo anterior e no caso de não ser exercida a opção aludida no seu "caput" e § 1º. 81 . a qualquer tempo. a contar da publicação do ato normativo ou da ciência do respectivo despacho. desde que satisfeitas as exigências legais. 77 . 75. § 2º . 23. a autoridade competente poderá cancelar o regime de estimativa ou rever.Nos casos de não haver sido exercida a opção prevista no “caput”. (Alterado pela Lei 521 / 8 4 ) Art. a critério da autoridade competente. o contribuinte poderá optar pelo pagamento do imposto.á o disposto no § 2º do art. Redação antiga: “Art. ainda. ficar dispensados do uso de livros fiscais e de emitir os documentos da mesma natureza. § 3º . for julgado necessário.se. 79 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 73. 71. será compensado nos recolhimentos futuros. 79 . apresentar reclamação contra o valor estimado. e. a base de cálculo utilizada será imediatamente reajustada. a contar da publicação do ato normativo ou da ciência do despacho onde se estabeleça a inclusão do contribuinte no regime de estimativa. 77 . a base de cálculo estimada. (Alterado pela Lei 521 / 8 4 ) § 1º .” § 1º . O caput do art. podendo.Quando a estimativa tiver fundamento no disposto nos incisos II e IV do artigo 73. a qualquer tempo. durante o período estabelecido para estimativa.Sem prejuízo no disposto nesse artigo.Sem prejuízo no disposto nesse artigo. § 1º .” Art. de acordo com o regime normal. Art. no prazo de 10 (dez) dias. obrigatoriamente. § 4º . o regime de estimativa poderá ser cancelado a qualquer tempo. apresentar reclamação contra o valor estimado. § 2º .Julgada procedente a reclamação total ou parcialmente. 41 . Os contribuintes abrangidos pelo regime de estimativa poderão. no prazo de 30 (trinta) dias.Os contribuintes abrangidos pelo regime de estimativa poderão.O contribuinte optante ficará sujeito às disposições aplicáveis aos contribuintes em geral. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. no prazo de 10 (dez) dias. o valor que o interessado reputar justo assim como os elementos para a sua aferição. se for o caso. também. o imposto será recolhido nos prazos regulamentares.Sem prejuízo no disposto no art. 79. com base nesse movimento econômico. sempre que ocorrerem alterações nos preços ou tarifas cobrados.A opção será manifestada por escrito. Redação antiga: “Art. Art. sob a pena de preclusão. no prazo de 30 (trinta) dias. III e IV do art. de acordo com o regime normal. o valor recolhido em excesso na pendência da decisão. 76 .A reclamação não terá efeito suspensivo e mencionará.

Redação antiga : “Parágrafo Único - A base de cálculo estimada e o respectivo imposto serão fixados em UFINIT.”

SEÇÃO VIII DO PAGAMENTO

Art. 24. O art. 82 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 82. O imposto é devido neste Município I – quando o serviço for prestado através de estabelecimento situado em seu território ou, na falta de estabelecimento, houver domicílio do prestador em seu território; II – quando estiver nele estabelecido ou, caso não estabelecido, nele domiciliado o tomador ou o intermediário do serviço proveniente do exterior do País ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior do País; III – na prestação dos serviços a que se refere o subitem 3.03 da lista do art. 48, relativamente à extensão localizada em seu território, de ferrovia, rodovia, postes, cabos, dutos e condutos de qualquer natureza, objetos de locação, sublocação, arrendamento, direito de passagem ou permissão de uso, compartilhado ou não; IV – na prestação dos serviços a que refere o subitem 22.01 da lista do art. 48 relativamente à extensão de rodovia ou ponte localizada em seu território; V – quando os serviços forem executados em águas marítimas por prestador estabelecido em seu território; VI – quando em seu território ocorrerem as seguintes hipóteses de incidência do imposto, ainda que os prestadores não estejam nele estabelecidos nem nele domiciliados: a) instalação de andaimes, palcos, coberturas e outras estruturas, no caso dos serviços descritos no subitem 3.04 da lista do art. 48; b) execução da obra, no caso dos serviços descritos no subitem 7.02 e 7.17 da lista do art. 48; c) demolição, no caso dos serviços descritos no subitem 7.04 da lista do art. 48; d) edificações em geral, estradas, pontes, portos e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.05 da lista do art. 48; e) execução de varrição, coleta, remoção, incineração, tratamento, reciclagem, separação e destinação final de lixo, rejeitos e outros resíduos quaisquer, no caso dos serviços descritos no subitem 7.09 da lista do art. 48; f) execução de limpeza, manutenção e conservação de vias e logradouros públicos, imóveis, chaminés, piscinas, parques, jardins e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.10 da lista do art. 48; g) execução de decoração e jardinagem, de corte e poda de árvores, no caso dos serviços descritos no subitem 7.11 da lista do art. 48; h) controle e tratamento do efluente de qualquer natureza e de agentes físicos, químicos e biológicos, no caso dos serviços descritos no subitem 7.12 da lista do art. 48; i) florestamento, reflorestamento, semeadura, adubação e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.14 da lista do art. 48; j) execução dos serviços de escoramento, contenção de encostas e congêneres, no caso dos serviços descritos no subitem 7.15 da lista do art. 48; l) limpeza e dragagem, no caso dos serviços descritos no subitem 7.16 da lista do art. 48; m) localização do bem objeto de guarda ou estacionamento, no caso dos serviços descritos no subitem 11.01 da lista do art. 48;

42

n) localização dos bens ou o domicílio das pessoas em relação a que forem prestados serviços descritos no subitem 11.02 da lista do art. 48; o) localização do bem objeto de armazenamento, depósito, carga, descarga, arrumação e guarda, no caso dos serviços descritos no subitem 11.04 da lista do art. 48; p) execução dos serviços de diversão, lazer, entretenimento e congêneres, no caso dos serviços descritos nos subitens do item 12, exceto o 12.13, da lista do art. 48; q) execução de transporte, no caso dos serviços descritos pelo subitem 16.01 da lista do art. 48; r) localização do estabelecimento do tomador da mão- de- obra ou, na falta de estabelecimento, do domicílio do tomador, no caso dos serviços descritos pelo subitem 17.05 da lista do art. 48; s) localização da feira, exposição, congresso ou congênere a que se referir o planejamento, organização e administração, no caso dos serviços descritos pelo subitem 17.09 da lista do art. 48; t) execução dos serviços portuários, aeroportuários, ferroviários, de terminais rodoviários, ferroviários e metroviários descritos pelo item 20 da lista do art. 48; Parágrafo único. Considera- se estabelecimento prestador o local onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços, de modo permanente ou temporário, e que configure unidade econômica ou profissional, sendo irrelevantes para caracterizá- lo as denominações de sede, filial, agência, posto de atendimento, sucursal, escritório de representação ou contato ou quaisquer outras que venham a ser utilizadas.

Redação antiga : “Art. 82 - Considerar- se- á devido o imposto ao Município, nos seguintes casos: (Alterado pela Lei 1776 / 9 9) (Vide Lei 1253 / 9 3: Art. 39) I - Quando o serviço for prestado através de estabelecimento situado no seu território, seja sede, filial, agência, sucursal ou escritório; II - Quando a execução de obras de construção civil for realizada no Município; e III - Quando o prestador de serviços, mesmo não domiciliado no Município, venha prestar serviços em seu território, em caráter habitual ou permanente. IV – Quando o serviço de exploração de rodovia a que se refere o item 100 do parágrafo único do Art. 48 desta Lei for realizado em parcela de estrada explorada dentro do seu território. (Incluído pela Lei 1776 / 9 9 )

V – Quando na falta de estabelecimento houver domicílio do prestador no seu território. § 1º - Considera- se prestação de serviço em caráter habitual ou permanente, para fins do disposto no inciso III, os serviços que forem realizados no território do Município, por prazo igual ou superior a 90 (noventa) dias contínuos ou 120 (cento e vinte) dias intercalados, no período dos últimos 12 (doze) meses, a contar da ocorrência do fato gerador. § 2º - A autoridade administrativa poderá recusar o domicílio eleito pelo contribuinte quando impossibilite ou dificulte a arrecadação ou a fiscalização do tributo, sendo adotado, então, como domicílio tributário do contribuinte ou responsável, o lugar da situação dos bens ou da ocorrência dos atos ou fatos que derem origem à obrigação tributária, de acordo com os §§ 1º e 2º do art. 127 do Código Tributário Nacional, Lei 5172 /6 6. § 3º - No caso de ocorrência do fato previsto no § 2º o contribuinte deverá ser notificado, de forma circunstanciada, dos motivos da recusa do domicílio eleito pelo mesmo. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2, com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.”

Art. 83 - O contribuinte será obrigado ao pagamento do imposto sobre serviços de acordo com o seguinte: (Alterado pela Lei 549 / 8 5 ) I – REVOGADO Redação antiga : “I - Nos casos cuja atividade for a) no primeiro ano, antes de iniciadas compreendidos entre o da inscrição e o b) nos anos subseqüentes, na forma e 549 / 8 5)” tributada por importância fixa anual: as atividades, proporcionalmente ao número de meses último do exercício; (Incluído pela Lei 549 / 8 5 ) prazo fixados pelo Poder Executivo. (Incluído pela Lei

43

II - Nos casos cuja atividade for tributável por importância fixa mensal, na forma e prazo fixados pelo Poder Executivo; (Incluído pela Lei 549 / 8 5) III - Nos casos cuja atividade for tributável sobre o preço dos serviços, independentemente de recebê- lo, na forma e prazos fixados pelo Poder Executivo. (Renumerado pela Lei 549 / 8 5 ) § 1º - Nos recebimentos posteriores à prestação de serviços, o mês de competência é o da ocorrência do fato gerador. (Alterado pela Lei 549 / 8 5 ) § 2º - O prestador dos serviços, quando equiparado à empresa, está obrigado a pagamento do imposto nos mesmos prazos indicados para os contribuintes do inciso II. (Alterado pela Lei 549 / 8 5 ) § 3º - REVOGADO. (Revogado pela Lei 549 / 8 5)

Art. 25. Fica acrescentado o art. 83 - A à Lei nº 480 / 8 3, com a seguinte redação: Art. 83- A - Considera- se ocorrido o fato gerador do imposto e existentes os seus efeitos I – desde o momento em que se verifiquem as circunstâncias materiais necessárias a que a prestação dos serviços previstos na lista do Art.48 produza os efeitos que normalmente lhe são próprios; II - no dia do início da prestação dos serviços e em cada dia primeiro dos meses subseqüentes em que a prestação se der, no caso da prestação de serviços em caráter continuado; III – no dia do início da atividade e em cada dia primeiro dos meses em que a atividade continuar, no caso da prestação de serviços por pessoa física, sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte e com o auxílio de, no máximo, dois empregados sem a mesma habilitação do empregador. IV – no caso da prestação, por empreitada ou subempreitada, dos serviços de construção civil e semelhantes previstos no subitem 7.02, no momento de conclusão de qualquer das etapas da obra. §1º Considera- se prestação de serviços em caráter continuado aquela em que o decurso de tempo superior a um mês é condição necessária para o seu cumprimento. §2º A autoridade administrativa poderá desconsiderar atos ou negócios jurídicos praticados com a finalidade de dissimular a ocorrência do fato gerador do tributo ou a natureza dos elementos constitutivos da obrigação tributária, observados os procedimentos legais.

Art. 84 - Quando o contribuinte antes ou durante a prestação do serviço receber, pessoalmente, ou por intermédio de terceiros, dinheiro ou bens como princípio de pagamento, sinal ou adiantamento, deverá recolher o imposto sobre os valores recebidos.

CAPÍTULO II DA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 85 - Todas as pessoas, físicas ou jurídicas, contribuintes ou não, inclusive as imunes ao imposto, ou dele isentas, que, de qualquer modo, participem de operações relacionadas, direta ou indiretamente, com a prestação de serviços, estão obrigadas, salvo norma em contrário, ao cumprimento das obrigações deste Capítulo e das previstas em Regulamento.

44

dentro de 30 (trinta) dias. inclusive através de processamento eletrônico de dados. poderá cancelar de ofício a inscrição.á: I . e art. 90 . 86 .O pedido de regime especial deverá ser instituído com o "fac.O titular da repartição a que estiver subordinado o contribuinte.As características de inscrição deverão ser permanentemente atualizadas. Art. não implica quitação de quaisquer débitos de sua responsabilidade. contado da data do fato. SEÇÃO II DA INSCRIÇÃO Art.se na repartição fiscal competente antes do início de quaisquer atividades. Art. de ter o contribuinte cessado sua atividade. SEÇÃO III DOS LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS 45 . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. com o preenchimento de formulário próprio.Art. previstas na legislação própria. 93. deverá inscrever. 94 .O contribuinte poderá ser autorizado a utilizar. cuja atividade esteja sujeita ao imposto. atividades sujeitas ao imposto. 93 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. a contar da data de sua ocorrência. 1º da Lei 793 /89. Redação antiga : “Art. na forma prevista em regulamento. 88 da Lei nº 480 / 8 3 passam a vigorar com a seguinte redação: Art. 89 . porventura existentes.De ofício. a inscrição será facultativa. Art. embora não estabelecido no Município.Ficará também obrigado à inscrição na repartição competente aquele que. antes de iniciar quaisquer atividades. de caráter geral e comuns a vários tributos. ainda que imunes ou isentos deverão inscrever. 91 . Redação antiga : “Art. ficando o contribuinte obrigado a comunicar a qualquer alteração. 88. Parágrafo único – REVOGADO Redação antiga : “Parágrafo único – No caso de profissionais autônomos isentos por força do art. 92 .simile" dos modelos e sistemas pretendidos. 16 da Lei 1032 / 91. e II . se ficar constatado que este cessou suas atividades. ainda que isenta deste ou dele imune. no prazo de 30 (trinta) dias. O titular da repartição competente poderá cancelar de ofício a inscrição caso fique constatado o término das atividades do contribuinte. Parágrafo Único . O art.se. 26. Art.Através de solicitação do contribuinte ou do seu representante legal.se de regime especial para emissão e escrituração de documentos e livros fiscais.O contribuinte é obrigado a comunicar a cessação de atividades à repartição fiscal competente. exerça no território deste.A pessoa física ou jurídica. 27. na inscrição. Os contribuintes do imposto e os responsáveis. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. O caput do art.se na repartição fiscal competente.A anotação.” Art.A inscrição far. Art. 93 . 88 .” Art. nos casos previstos em lei.As obrigações acessórias constantes neste Capítulo e do Regulamento não excluem outras. 87 .

e ISS respectivo. anualmente. relatório com as seguintes informações. caixas econômicas e demais instituições financeiras.É obrigação de todo contribuinte exibir os livros fiscais e comerciais.Fiscais – DAIF. X .As empresas de transporte. inclusive os proprietários de veículos que. explorem a indústria de transporte.As empresas de administração de bens. ou de quaisquer pessoas. 101 . Art. II – informações cadastrais. 99 . ainda que isentas ou imunes do imposto. mês a mês. 100 . à disposição da fiscalização. inventariantes e liquidatários.Os bancos.los.Art. VI . comissários. Art. mapas de escrituração e demais documentos fiscais a serem utilizados pelo prestador de serviços. os comprovantes da escrita e os documentos instituídos por lei ou regulamento. ou para atender à requisição das autoridades competentes. a Declaração Anual de Informações Econômico. 97 . referentes ao exercício anterior ao da apresentação do documento: 46 . conforme dispuser ato regulamentar a ser baixado pelo Secretário Municipal de Fazenda. em substituição à DAIF. III . os trapiches e congêneres que efetuem armazenamento de mercadorias. Art.movimento econômico do ano anterior.Fiscais – DAIF. papéis e efeitos comerciais ou fiscais dos contribuintes. 96 .Os serventuários de Justiça. os depósitos. § 2º .As bolsas de mercadorias e caixa de liquidação. II . e XI . alteração do objeto social. As pessoas jurídicas inscritas no Cadastro de Tributos Mobiliários do Município ou os a elas equiparados deverão apresentar anualmente.Os livros obrigatórios de escrituração comercial e fiscal e os comprovantes dos lançamentos neles efetuados deverão ser conservados pelo prazo de 5 (cinco) anos. O caput do art.Os síndicos. escrivães e demais serventuários de ofício.Os modelos dos formulários. 98 . Parágrafo único – A fiscalização municipal exigirá dos contribuintes do ISS a apresentação dos livros Diário e Razão devidamente escriturados daqueles aos quais a legislação comercial incumbir a referida obrigação. leiloeiros e despachantes oficiais. VIII . para controle do Imposto Sobre Serviços. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. até o último dia útil do mês de agosto. V . notas fiscais. nem da obrigação de exibi . deverá ser apresentado. documentos.Não têm aplicação quaisquer dispositivos excludentes ou limitativos do direito de examinar livros. arquivos.Os livros e documentos deverão permanecer no estabelecimento daqueles que estejam obrigados a possuí. Redação antiga: ” Art. a Declaração Anual de Informações Econômico . 28. Art. tais como mudança de endereço. § 1º . a contar da data da intimação.Os funcionários públicos. Art. 101 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. são os instituídos em Regulamento. com as seguintes informações:. e deles só poderão ser retirados para os escritórios de contabilidade registrados. no prazo de 5 (cinco) dias. casas bancárias. 95 .los. até o último dia útil do mês de abril.São obrigados a exibir livros e documentos relacionados com o imposto. mudança de sócios e outras. a prestar as informações solicitadas pelo Fisco e a conceder facilidades à fiscalização no exercício de suas funções: I . VII . bem assim prestar informações e esclarecimentos sempre que os solicitem os funcionários encarregados da fiscalização do imposto. deverão apresentar.No caso dos bancos e demais instituições financeiras. exceto os profissionais autônomos. por conta própria ou de terceiros. IV .Os armazéns gerais. o seu preenchimento e demais exigências serão estabelecidos por ato do Secretário Municipal de Fazenda. com as seguintes informações:” I .Os livros.Os contribuintes do ISS. IX . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. Art. 101. além da discriminação mensal dos valores retidos na fonte de terceiros.As companhias de seguro.Os corretores.Os tabeliães.

assim como a omissão ou indicação incorreta das informações. 107 . 106 .Os regimes especiais concedidos aos contribuintes para o cumprimento de suas obrigações poderão ser cassados. 102 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. desta lei.A fiscalização do imposto compete à Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico e será exercida sobre as pessoas físicas e jurídicas. Redação antiga : “Art. e sobre Operações relativas a Títulos e Valores Mobiliários (IOF). 106 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. sempre que forem julgados insatisfatórios os elementos constantes dos documentos. mês a mês. 104 . 58. § 3º . prevista na legislação tributária.I – discriminação. 102 .á omissão de operações tributáveis. Art. que estiverem obrigadas ao cumprimento de disposições da legislação tributária. Considera. principal ou acessória. II – valores do ISS retidos dos seus contratados. contribuintes ou não. prevista na legislação do imposto. 106. Redação antiga: “Art. 105 . e também o ISS recolhido no período considerado. ou quando seja necessária efetivação de medidas acauteladoras do interesse do Fisco. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.se infração o descumprimento de qualquer obrigação. principal ou acessória.O Poder Executivo poderá estabelecer sistema especial de fiscalização. CAPÍTULO III DA FISCALIZAÇÃO Art.” Art. para efeito de aplicação de penalidade: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4 e 1032 / 9 1) I . livros fiscais e comerciais. bem como em relação às que gozarem de imunidade ou isenção. A fiscalização do imposto compete à Secretaria Municipal de Fazenda e será exercida sobre as pessoas físicas e jurídicas.Considerar. diretamente ou por intermédio das repartições a que pertencerem poderão requisitar auxílio das autoridades policiais. ainda que não se configure fato definido como crime.se infração o descumprimento de qualquer obrigação. os agentes fiscalizadores. 103 . CAPÍTULO IV DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 47 . independentemente das sanções previstas na legislação penal. inciso IV.O não cumprimento do disposto neste artigo.se. conforme obrigação prevista no art.Considera. contribuintes ou não.Quando vítimas de embaraço ou desacato no exercício de suas funções. da receita dos serviços não submetidos à incidência do Imposto sobre Operações de Crédito. se os beneficiários procederem em desacordo com as normas fixadas para sua concessão. 29. O art. O art. Art. Câmbio e Seguro. mês a mês. que estiverem obrigadas ao cumprimento de disposições da legislação do imposto. 30. de competência da União. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. 102.As entradas de numerários de origem não comprovada.” Art. em relação ao exercício anterior ao da apresentação do documento. sujeitará o infrator às multas previstas no artigo 113. bem como em relação às que gozarem de imunidade ou isenção.

II.Adulteração de livros ou de documentos fiscais. ou no prazo cominado pela autoridade. total ou parcial.A denúncia espontânea da infração exclui a aplicação da multa. SEÇÃO III DAS MULTAS Art.II .Não se considera espontânea a denúncia apresentada. desde que o sujeito passivo. III . O descumprimento da obrigação principal instituída pela legislação do Imposto Sobre Serviços de qualquer Natureza. quando acompanhado do pagamento do tributo atualizado e dos respectivos acréscimos moratórios.Qualquer irregularidade verificada em máquina registradora utilizada pelo contribuinte. Art. após o início de qualquer procedimento administrativo ou medida de fiscalização relacionada com a infração. 108 . 112. O art.Emissão de documentos fiscais consignando preço inferior ao valor real da operação.Não será passível de penalidade aquele que proceder em conformidade com decisão de autoridade competente. 112. VI . sujeitará o contribuinte ou responsável às seguintes multas: I . Art. III e IV da Lei nº480 / 8 3 passam a vigorar com a seguinte redação: Art.Prestação de serviços sem a correspondente emissão de documento fiscal ou sem o respectivo lançamento na escrita fiscal ou comercial. (Incluído pela Lei 521 / 8 4) IX . 111 . caput e incisos I. devidamente comprovado por documento fornecido pela firma que providenciar o conserto. (Incluído pela Lei 521 / 8 4) VIII . exceto nas hipóteses previstas nos incisos seguintes multa: 30% sobre o imposto devido.Início de atividades sem que o sujeito passivo tenha providenciado seu registro no cadastro fiscal do Município. IV .A ocorrência de saldo credor nas contas do ativo circulante ou do realizável contábil. idônea ou coincidente em datas e valores com as importâncias supridas. SEÇÃO II DO CRIME DE SONEGAÇÃO FISCAL Art. 48 . ou o pagamento do imposto em atraso. § 1º . no mesmo ano. 110 . (Incluído pela Lei 521 / 8 4) VII . 31. II .O dispositivo neste artigo abrange as multas decorrentes de descumprimento de obrigações acessórias. § 2º .As autoridades administrativas que tiverem conhecimento de crime de sonegação fiscal remeterão obrigatoriamente ao Ministério Público os elementos comprobatórios de infração com vista à instrução do competente procedimento criminal.falta de pagamento. regularize a situação. V .falta de pagamento. (Incluído pela Lei 521 / 8 4) Art.Os suprimentos encontrados na escrita comercial do contribuinte sem documentação hábil. prevista em lei.A efetivação de pagamento sem a correspondente disponibilidade financeira. e cuja disponibilidade financeira do supridor não esteja comprovada. quando houver a) operações tributáveis escrituradas como isentas ou não tributáveis.As penalidades estabelecidas neste Capítulo não excluem a aplicação de outras de caráter geral. 109 . nem aquele que encontrar na pendência de consulta regulamente apresentada. ressalvada a hipótese de defeito mecânico. enquanto não terminar o prazo para cumprimento do decidido nesta.

f) falta de retenção. e e) deduções fictícias nos casos de utilização de documentos simulados. multa : 100% sobre o imposto apurado ou arbitrado”. multa: 50% por cento sobre o imposto arbitrado. erro de cálculo na apuração do imposto a ser pago. se obrigatória. d) início de atividade antes da inscrição junto ao órgão competente. viciados ou falsos: apropriação. erro na identificação da alíquota aplicável. quando omissos ou inexatos os elementos informativos necessários ao lançamento ou à conferência do mesmo. d) erro na determinação da base de cálculo. b) deduções não comprovadas por documentos hábeis. de imposto retido de terceiros. deduções fictícias nos casos de utilização de documentos simulados. c) emissão de documentos fiscal consignando preço inferior ao valor real da operação. viciados ou falsos: multa: 150% por cento sobre o imposto apurado. Redação antiga: “Art. fica sujeito às seguintes multas: (Alterado pelas Leis 1032 / 9 1 e 1585 / 9 7) I . quando houver a) b) c) d) e) f) omissão de operações tributáveis. erro na determinação da base de cálculo.Relativamente ao pagamento do Imposto. nos casos de atividades tributáveis por importâncias fixas. não emissão de documento fiscal. a) operações tributáveis escrituradas como isentas ou não tributáveis. quando o imposto tenha sido lançado por arbitramento sobre sujeito passivo regularmente inscrito no órgão competente. quando o imposto tenha sido lançado por arbitramento não motivado pelas hipóteses previstas nas alíneas do inciso IV.falta de pagamento. pelo responsável. multa: 50% sobre o imposto arbitrado. início de atividade antes da inscrição junto ao órgão competente. total ou parcial. multa: 50% por cento sobre o imposto apurado. (Alterado pela Lei 1585 / 9 7 ) 4 .falta de pagamento. b) não emissão de documento fiscal. IV – falta de pagamento.falta de pagamento causado por: a) omissão de operações tributáveis. c) erro na identificação da alíquota aplicável.falta de pagamento. nos pagamentos dos serviços de terceiros. multa: 40% sobre o imposto apurado. (Alterado pela Lei 1585 / 9 7 ) 5 . (Alterado pela Lei 1585 / 9 7 ) 2 . e) erro de cálculo na apuração do imposto a ser pago. exceto nas hipóteses previstas nos itens seguintes: multa: 30% por cento sobre o imposto devido.falta de pagamento causado por: a) omissão de operações tributáveis. (Alterado pela Lei 1585 / 9 7 ) 3 . (Alterado pela Lei 1032 / 9 1) b) não emissão de documento fiscal. 112 . fixo ou sobre o movimento econômico. quando houver. 1 . multa: 50% por cento sobre o imposto apurado. 49 . emissão de documento fiscal consignando preço inferior ao valor real da operação.b) c) d) e) deduções não comprovadas por documentos hábeis.falta de pagamento. III – falta de pagamento. (Alterado pela Lei 1585 / 9 7 ) 5 . c) emissão de documento fiscal consignando preço inferior ao valor real da operação.O descumprimento da obrigação principal instituída pela legislação do Imposto Sobre Serviços de qualquer Natureza.

preços diferentes nas vias de mesmo número. se este não for conhecido. posse ou guarda. quando falsos: multa: R$ 1. e) impressão sem autorização prévia: multa: R$ 686.64 (sessenta e oito reais e sessenta e quatro centavos) por emissão e por espécie de infração. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.20 (trezentos e quarenta e três reais e vinte centavos). 113 . tais como duplicidade de numeração. c) emissão que consigne declaração falsa ou evidencie quaisquer outras irregularidades.O descumprimento das obrigações acessórias previstas na legislação do imposto sobre serviços.32 (trinta e quatro reais e trinta e dois centavos) por documento emitido.28 (cento e trinta e sete reais e vinte e oito centavos) por modelo exigível. aplicável ao emitente. h) inutilização. Art. o valor corrente da operação.40 (seiscentos e oitenta e seis reais e quarenta centavos). 6 – falta de pagamento do imposto retido de terceiros. da seguinte forma: Art. preço abaixo do valor real da operação ou subfaturamento: multa: 2% sobre o valor real da operação.40 (setecentos reais) ao usuário. sujeita o infrator às seguintes multas: (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3. 1627 / 9 7 e 1765 / 9 9 ) I . com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. viciados ou falsos: Multa: 100% sobre o imposto apurado. g) impressão.372. extravio.80 (um mil e trezentos e setenta e dois reais e oitenta centavos). perda ou não conservação por cinco anos: multa: R$ 34. Relativamente aos documentos fiscais: a) sua inexistência: multa: R$ 137. b) falta de emissão: multa: 2% sobre o valor da operação ou.d) início de atividade antes da inscrição junto ao órgão competente. aplicável a cada infrator. por mês ou fração. aplicável ao impressor e R$ 34. f) impressão em desacordo com o modelo aprovado: multa: R$ 343. II. fornecimento. alíneas e itens do art.32 (trinta e cinco reais) por documento. e e) deduções fictícias nos casos de utilização de documentos simulados. Multa: 100% sobre o valor do valor retido e não recolhido. d) emissão em desacordo com os requisitos regulamentares: multa: R$ 68. 32. 113 da Lei nº 480 / 8 3 bem como dos seus parágrafos 3º e 4º. a partir da obrigatoriedade. Relativamente aos livros fiscais: 50 . i) permanência fora dos locais autorizados: multa: R$ 34.32 (trinta e quatro reais e trinta e dois centavos) por documento. aplicável ao impressor e R$ 686. Fica alterada a redação de todos os incisos.

i) adulteração e outros vícios que influenciem a apuração de crédito fiscal: multa: R$ 686. contada. a partir da obrigatoriedade.a) sua inexistência: multa: R$ 137. por mês ou fração. por mês ou fração. em duplicidade.40 (seiscentos e oitenta e seis reais e quarenta centavos) por livro. e 2 . de documentos que gerem deduções no pagamento do imposto: multa: R$ 686. IV. perda ou não conservação por cinco anos: multa: R$ 137.R$ 205.32 (trinta e quatro reais e trinta e dois centavos) por livro. a partir da obrigatoriedade.R$ 137.92 (duzentos e cinco reais e noventa e dois centavos) por mês ou fração. g) permanência fora dos locais autorizados: multa: R$ 34. se pessoa jurídica. 2 . se pessoa física. extravio.32 (trinta e quatro reais e trinta e dois centavos) por documento não registrado. e até a data em que seja regularizada a situação.92 (duzentos e cinco reais e noventa e dois centavos) por ano ou fração.64 (sessenta e oito reais e sessenta e quatro centavos) por espécie de infração.32 (trinta e quatro reais e trinta e dois centavos) por livro.40 (seiscentos e oitenta e seis reais e quarenta centavos) por período de apuração.fiscais de interesse da administração tributária e às guias de pagamento do imposto: 51 . b) falta de autenticação. Relativamente à inscrição junto à Fazenda Municipal e às alterações cadastrais.R$ 68. em ambos os casos. se pessoa física.28 (cento e trinta e sete reais e vinte e oito centavos) por ano ou fração. estando o contribuinte escrito no órgão competente: multa: R$ 34. inclusive se isento de imposto: multa: R$ 34. d) escrituração atrasada: multa: R$ 68.28 (cento e quarenta reais) por livro.40 (seiscentos e oitenta e seis reais e quarenta centavos) por registro.64 (sessenta e oito reais e sessenta e quatro centavos) por ano ou fração.28 (cento e trinta e sete reais e vinte e oito centavos) por modelo exigível. e) escrituração em desacordo com os requisitos regulamentares: multa: R$ 68. a partir do início da atividade. Relativamente à apresentação de informações econômico.64 (sessenta e oito reais e sessenta e quatro centavos) por livro. b) Não comunicação do encerramento de atividade: multa: 1 . se pessoa jurídica. por mês ou fração. f) inutilização.R$ 205. III. até o limite de R$ 686. h) registro. c) falta de registro de documento relativo a serviço prestado. a) inexistência de inscrição: multa: 1 .

impressão. emissão em desacordo com os requisitos regulamentares: Multa: 1 (uma) UFINIT por espécie de infração. permanência fora dos locais autorizados: Multa: 0. a partir da obrigatoriedade. por mês ou fração. preço abaixo do valor real da operação ou subfaturamento: Multa: 10 (dez) UFINIT por emissão. II . tais como duplicidade de numeração. falta de registro de documento relativo a serviço prestado. 4. por mês ou fração..Relativamente aos documentos fiscais: 1. por mês ou fração. aplicável ao impressor e 10 (dez) UFINIT ao usuário. falta de autenticação. inclusive se isento de imposto: 52 . aplicável ao impressor e 0. em formulários próprios ou em guias: multa: R$ 34.5 (meia) UFINIT. Redação antiga: “I . inutilização.28 (cento e trinta e sete reais e vinte e oito centavos) por mês ou fração que transcorrer sem o cumprimento da obrigatoriedade.Relativamente aos livros fiscais: 1.5 (meia) UFINIT por documento. por documento emitido. aplicável ao emitente.372.O pagamento da multa não exime o infrator do cumprimento das exigências legais ou regulamentares que a tiverem determinado. impressão em desacordo com o modelo aprovado: Multa: 5 (cinco) UFINIT. extravio.372. preços diferentes nas vias de mesmo número. c) Exercício flagrante de atividade cuja inscrição tenha sido baixada ou suspensa mediante solicitação do próprio inscrito.32 (trinta e quatro reais e trinta e dois centavos) por informação. sua inexistência: Multa: 2 (duas) UFINIT por modelo exigível.80 (um mil e trezentos e setenta e dois reais e oitenta centavos). sua inexistência: Multa: 2 (duas) UFINIT. falta de emissão: Multa: 5 por cento sobre o valor da operação. 8. na forma e nos prazos legais ou regulamentares: multa: R$ 137. multa: R$ 1. fornecimento. o valor de R$ 1. por modelo exigível. § 2º .A aplicação das multas previstas neste artigo será feita sem prejuízo do imposto porventura devido ou de outras penalidades de caráter geral previstas em lei. a partir da obrigatoriedade.64 (sessenta e oito reais e sessenta e quatro centavos) § 4º . por formulário ou por guias. 3. 2. quando falsos: Multa: 10 (dez) UFINIT.As multas prevista neste artigo quando não proporcionais terão. 7. 6. seja em resposta à intimação. b) Falta de entrega de informações exigidas pela legislação.a) omissão ou indicação incorreta de informações ou de dados necessários ao controle do pagamento do imposto.As multas fixadas em percentagem de valor terão o limite mínimo de R$ 68. §3º . emissão que consigne declaração falsa ou evidencie quaisquer outras irregularidades. posse ou guarda. 9. 2. a partir da obrigatoriedade. aplicável a cada infrator.5 (meia) UFINIT por livro. impressão sem autorização prévia: Multa: 10 (dez) UFINIT. como limite máximo.80 (um mil e trezentos e setenta e dois reais e oitenta centavos).5 (meia) UFINIT por documento. 3. estando o contribuinte escrito no órgão competente: Multa: 0. 5. perda ou não conservação por cinco anos: Multa: 0. § 1º .

(Redação dada pela Lei 1765 / 9 9 )” § 1º . por características. (Lei 1765 / 9 9 ) Redação antiga : REDAÇÃO ORIGINAL da Lei 480 /83. 114 – REVOGADO. 2. serão aplicadas com redução de 60% (sessenta por cento).5 (meia) UFINIT a partir da data da ocorrência. perda ou não conservação por cinco anos: Multa: 2 (duas) UFINIT por livro. em ambos os casos. 3. se pessoa jurídica.Multa: 0. se pessoa física. em formulários próprios ou em guias: Multa: 0. Não comunicação do encerramento de atividade:(Redação dada pela Lei 1627 / 9 7 ) Multa: a) 45.5 (meia) UFINIT por livro. inutilização.5 (meia) UFINIT por informação. do artigo anterior. 115 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. a contar da data do pedido de autenticação.Relativamente à inscrição junto à Fazenda Municipal e às alterações cadastrais. por mês ou fração que transcorrer sem o cumprimento da obrigatoriedade. contada. § 2º . Art. inciso II. 33. 5.22 UFIR (noventa e uma e vinte e duas UFIR). se contribuinte autônomo. adulteração e outros vícios que influenciem a apuração de crédito fiscal: Multa: 10 (dez) UFINIT por período de apuração. seja em resposta à intimação.5 (meia) UFINIT por documento não registrado. 53 . 6.A aplicação das multas previstas neste artigo será feita sem prejuízo do imposto porventura devido ou de outras penalidades de caráter geral previstas em lei. no caso de empresa ou sociedade profissional. escrituração em desacordo com os requisitos regulamentares: Multa: 1 (uma) UFINIT por espécie de infração. contados da data em que tiver sido apurado o atraso. como limite máximo. falta de comunicação de quaisquer modificações ocorridas. permanência fora dos locais autorizados: Multa: 0. b) 3 (três) UFINIT por mês ou fração. 2. por ano ou fração . na forma e nos prazos legais ou regulamentares: Multa: 91. Omissão ou indicação incorreta de informações ou de dados necessários ao controle do pagamento do imposto. inciso II.61 UFIR. O art. em vigor até 31/12 / 1 999 Art. que decorrer de mudança de características.O pagamento da multa não exime o infrator do cumprimento das exigências legais ou regulamentares que a tiverem determinado. até a sua regularização.83 UFIR. por ano ou fração. por mês ou fração.20 UFIR. em duplicidade. o valor de 912. IV – Relativamente à apresentação de informações econômico . § 3º . inexistência de inscrição: Multa: a) 2 (duas) UFINIT por ano ou fração. 114 – As multas previstas no item 2.As multas prevista neste artigo quando não proporcionais terão. 115 – No caso previsto no artigo 113. registro.As multas fixadas em percentagem de valor terão o limite de 01 (uma) UFINIT. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7)” Art. alínea d. a partir do início da atividade. extravio. se a escrituração for regularizada dentro de 30 (trinta) dias. caso o pedido de autenticação seja feito espontaneamente antes de qualquer ação fiscal e desde que a multa seja efetivamente paga no prazo de 3 (três) dias úteis. 8.” § 4º. 4. 7. escrituração atrasada: Multa: 1 (uma) UFINIT por livro. em face dos dados constantes do formulário de inscrição: Multa: 0. de documentos que gerem deduções no pagamento do imposto: Multa: 10 (dez) UFINIT por registro. Falta de entrega de informações exigidas pela legislação. 9. III . a multa sofrerá redução de 50% (cinqüenta por cento). 1. e b) 136. por mês ou fração.fiscais de interesse da administração tributária e às guias de pagamento do imposto: 1. até o limite de 10 (dez) UFINIT por livro. e até a data em que seja regularizada a situação. por formulário ou por guias.

Art. sendo calculado todo o débito remanescente. se a escritura for regularizada dentro de 30 (trinta) dias.No caso previsto no artigo 113. considerando . e (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) III . se o pagamento for efetivado no prazo de 20 (vinte) dias. Redação antiga : “I . item 4.Quando a infração cometida for caracterizada pela lei tributária como sonegação ou fraude fiscal. 34. II e III do art.REVOGADO. se os tributos apurados em auto de infração forem pagos no prazo de 10 (dez) dias.se. não terá lugar a aplicação do beneficio. (Alterado pela Lei 1555 / 9 6 ) II .50% (cinqüenta por cento). desde que o contribuinte renuncie a qualquer apresentação de defesa ou recurso: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4. Redação antiga: “Art. 115 . (Lei 521 / 8 4) Art. Redação antiga: “§ 2º . II – 50% (cinqüenta por cento).117.40 (seiscentos e oitenta e seis reais e quarenta centavos) a multa aplicável aos que utilizarem máquina registradora em desacordo com as normas estabelecidas em regulamento. II e III deste artigo. a multa sofrerá redução de 50 por cento. inciso II. 116 – REVOGADO.100% ( cem por cento) da multa fiscal. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 )” § 1º .As multas decorrentes da falta de recolhimento do imposto fixadas na legislação tributária do Município.O não pagamento de 2 (duas) parcelas consecutivas ou de 3 (três) alternadas implicará no cancelamento do benefício. 54 . 118 . sofrerão as reduções abaixo discriminadas.Fica graduada em 10 (dez) UFINIT a multa aplicável aos que utilizarem máquina registradora em desacordo com as normas estabelecidas no Regulamento”. se o pagame nto for efetivado através de mais de 12 (doze) e até 24 (vinte e quatro) parcelas mensais.O disposto neste artigo aplica. 117 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. contados a partir da lavratura do auto de infração. sendo a primeira parcela paga no prazo de 30 (trinta) dias a contar do primeiro dia útil após a lavratura do auto de infração. desde que o pedido seja deferido nos prazos previsto nos incisos I. (Vide lei 521 / 8 4 )” Art. em até 12 (doze) vezes. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 )” § 3º . III – 30% (trinta por cento).70% (setenta por cento). Fica definida em R$ 686.Redação antiga : “Art. contados da data em que tiver sido apurado o atraso. se o pagamento for efetivado em sua totalidade no prazo de 30 (trinta) dias a contar do primeiro dia útil após a lavratura do auto de infração. 118 da Lei nº 480 / 8 3 passam a vigorar com a seguinte redação: Art. Os incisos I. 35. se o pagamento for efetivado através de parcelas mensais. inclusive o valor da multa fiscal. 1253 / 9 3. a contar da lavratura do auto. sendo a primeira parcela paga no prazo de 30 (trinta) dias a contar do primeiro dia útil após a lavratur a do auto de infração. se o pagamento for efetivado no prazo de 30 (trinta) dias. no caso de parcelamento de créditos tributários. também. 1555 / 9 6 e 1627 / 9 7 ) (Vide Leis 1606 / 9 7 e 1764 / 9 9) I – 70% (setenta por cento).se como vencido todo o crédito lançado pelo auto de infração. integralmente. O art.(Renumerado pela Lei 1627 / 9 7 ) § 2º . 117 . a contar da lavratura do auto.

A interdição será precedida de notificação expedida ao responsável pelo estabelecimento.40 (seiscentos e oitenta e seis reais e quarenta centavos). se for o caso. Art. (Alterado pela Lei 587 / 8 5 ) § 1º .” TÍTULO V DAS TAXAS Lei 1554 / 9 6 : Institui a taxa de Licenciamento e Fiscalização de Obras e Serviços em Logradouros Públicos Art. depois de afixado o Edital de interdição. continuar a exercer sua atividade. ficará sujeito à multa fixa de 10 (dez) UFINIT. por estimativa.3º . sob pena de interdição e evacuação do recinto. e mais uma multa de R$ 205.92 (duzentos e cinco reais e noventa e dois centavos) por dia em que continuar no exercício de sua atividade. SEÇÃO V DA INTERDIÇÃO Art. mediante procedimento fiscal. depois de afixado o Edital de interdição. no âmbito do Município de Niterói. Art. Redação antiga: “Art.Nos casos de atividades provisórias. vigilância e fiscalização da execução de obras e serviços em logradouros públicos. poderá ser interditado o estabelecimento do contribuinte que não estiver em dia com as obrigações estatuídas na lei fiscal ou da mesma decorrentes. independente de qualquer outra formalidade legal. 120 . que deixarem de efetuar o pagamento do imposto. ficará sujeito à multa fixa de R$ 686. 123. a Taxa de Licenciamento e Fiscalização de Obras e Serviços em Logradouros Públicos. Aquele que. 2º . 119 . 123 . continuar a exercer sua atividade. de acordo com as leis e regulamentos específicos. 36. pelo Poder Público Municipal. Art. de autorização.A Taxa tem como fato gerador o exercício regular. os livros. documentos e papéis que constituam prova de infração ao estabelecimento na legislação do imposto. O art.Poderão se apreendidos. não poderá o contribuinte iniciar suas atividades sem efetuar o recolhimento do mesmo. Art. e mais uma multa de 3 (três) UFINIT por dia em que continuar no exercício de sua atividade. 122 . 123 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art.São contribuintes da Taxa de Licenciamento e Fiscalização de Obras e Serviços em Logradouros Públicos do Município as empresas integrantes da administração indireta da União e dos 55 . ficarão impedidos de executar obras ou serviços no território do Município.A interdição não exime o faltoso do imposto devido e das multas que lhe forem aplicáveis de acordo com a lei.Fica instituída. (Redação dada pela Lei 587 / 8 5) § 2º .Aquele que.Os empreiteiros e os subempreiteiros não estabelecidos no território do Município.(Incluído pela Lei 1627 / 9 7) SEÇÃO IV DA APREENSÃO Art.A juízo da autoridade competente. em que imposto deva ser pago antecipadamente. dandolhe prazo máximo de 10 (dez) dias para o cumprimento da obrigação. 1º . Art. 121 .

Controle e Fiscalização tem como fato gerador o exercício regular do poder de polícia do Município. Controle e Fiscalização tem como fato gerador o exercício regular do poder de polícia do Município.De Vigilância. nos termos da legislação municipal. 125 . controle e fiscalização com permanente acompanhamento pelo Poder Público. 78 da Lei 5182. 78 da Lei 5172.172. de 25 de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional).A Taxa de Vigilância. 125 .Realizada a obra ficam os seus responsáveis obrigados à restauração das condições originais do logradouro público..O pagamento da Taxa não exime as entidades a que se refere o artigo 3º do licenciamento prévio da obra pelo Município.De serviços urbanos. através de seus órgãos fiscalizadores. com base no prazo estimado para sua realização. § 2º . CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Art. 7º . em prazo a ser fixado pelo Município no ato do licenciamento. controle e fiscalização com permanente acompanhamento pelo Poder Público.O valor da Taxa será de 0. O caput do art. e V . as concessionárias de serviços (TELERJ. Art. disciplinarmente e permanente acompanhamento pelo Poder Público. de 25 de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional). ao qual se submetem todas as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam atividades de caráter econômico sujeitas à vigilância. bem como ao controle. Art. direta ou indiretamente. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. 6º . da área pública do Município para. se existente . através de seus órgãos fiscalizadores. e os 50% (cinqüenta por cento) restantes no seu término. oportunidade em que será cobrada a diferença. (Alterado pelas Leis 1032 / 9. Controle e Fiscalização tem como fato gerador o exercício regular do poder de polícia do Município.A Taxa de Vigilância. Art. Art. 125.De serviços diversos.Estados e os respectivos comitentes ( pessoas físicas e jurídicas ) que se utilizarem.Nos casos de melhoria nas áreas públicas do Município. 125 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. nela. CEDAE.) farão às suas expensas a remoção dos equipamentos urbanos e instalações de quaisquer natureza.Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação. 4º . 37. conforme definido no art.1 UFINIT ou valor equivalente expresso em moeda em vigor por metro quadrado e por dia de realização da obra ou serviço. realizarem qualquer tipo de obra ou de serviço. quando solicitada pela Prefeitura. Parágrafo único . A Taxa de Vigilância. 124 . 5º . pousadas e similares)” 56 .O descumprimento do disposto neste artigo sujeitará o infrator à multa de 10 UFINIT/ dia ou valor correspondente expresso em moeda em vigor. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. § 1º . ao qual se submetem todas as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam as atividades sujeitas à vigilância. Art. Redações antigas: “Art.Respondem. IV . controle e fiscalização. conforme definido no art.” “Art. Tc.De expediente. 1253 / 9 3 e 1627 / 9 7) (Vide Lei 1689 / 9 8 – isenção para hotéis. ao qual se submetem todas as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam as atividades sujeitas a prévia autorização.O pagamento de 50% ( cinqüenta por cento ) da Taxa será efetuado antes do início da obra ou serviço. III . II .De licença. CAPÍTULO I DA TAXA DE VIGILÂNCIA. Art. através de seus órgãos fiscalizadores.Serão cobradas as seguintes taxas: I . pelo pagamento da Taxa e pela observação do disposto nesta Lei as pessoas físicas ou jurídicas responsáveis pela execução da obra ou do serviço. revogadas as disposições em contrário.. de 25 de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional). CERJ. conforme definido no artigo 78 da Lei 5. solidariamente. 8º .

As exercidas em estabelecimento destinados à produção. em caráter permanente. câmbio. missões diplomáticas e templos religiosos.B.As exercidas em instalações fixas ou removíveis colocadas nas vias e logradouros públicos ou em recintos fechados.a União. arte. São responsáveis pelo recolhimento da taxa I – as pessoas físicas ou jurídicas que permitirem em seus estabelecimentos ou domicílios a exploração de atividade econômica sem estar o contribuinte inscrito no cadastro fiscal do Município. prestação de serviços. suas federações e confederações. 125 . as seguintes: I . V .As exercidas sem estabelecimento ou sem instalação fixa ou removível. e sob a condição de cumprirem os requisitos condicionadores da franquia quanto a impostos municipais.os sindicatos. crédito. os Estados e Municípios. e f – As associações de moradores.União. com a comprovação do cumprimento dos requisitos estabelecidos no artigo 3º. controle e fiscalização do Poder Público. comércio. VI . 57 .Estão isentos das taxas: (Redação dada pela Lei 1627 / 9 7) a . mediante requerimento do beneficiário.as associações culturais. inciso III desta Lei.A . desde de que preencham os requisitos do art. com relação às entidades de educação e de assistência social devem ser renovadas trienalmente. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. Art. ou decorrentes de profissão. com a seguinte redação: Art. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.D.§ 1º .os partidos políticos. seguro. indústria. 125 . 38. art.As isenções previstas neste artigo. III .Consideram. 13 e § 3º do art.F na Lei nº 480 / 8 3. c – As instituições de educação e assistência social.C.as instituições de assistência social. os Estados e Municípios. sociais e desportivas. 125. Art.se atividades sujeitas à vigilância.as associações de moradores. 125. eventual ou transitório. II . de acordo com os disposto pela legislação tributária do Município. e – Os sindicatos dos trabalhadores e suas confederações. capitalização. 125 .as organizações não. § 4º . ofício ou função. Art. 58. 3º.governamentais. bem como suas autarquias e fundações. missões diplomáticas e templos religiosos.C.E e 125 .se ao beneficiário da isenção da taxa. Ficam incluídos os arts. III . 125 .B. bem como suas autarquias.A. II – o empresário ou os sócios de pessoas jurídicas com fins lucrativos. 3º. II . d – As associações culturais. sociais e desportivas. VIII .. desde que reconhecidas pelo Município. São contribuintes da taxa as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam atividades econômicas no território do município.Aplica.125 . VII – as cooperativas constituídas por trabalhadores com a finalidade de desempenhar de forma solidária as atividades de seu objeto social. no que couber. nos casos de paralisação de atividade econômica sem o devido cumprimento das obrigações acessórias quanto à baixa ou alteração cadastral. 125 . b – Os partidos políticos. as disposições contidas nos §§ 7º e 8º do art. § 2º . São isentos da taxa I . IV ." § 3º . financiamento.

a partir da data em que for reconhecido o início da suspensão e até o momento do reinício das atividades.IX – as empresas júniores (incubadoras). aplicam. IV . 06 (seis) meses. desta Lei. inclusive através do cruzamento de informações e da utilização de programas de simulação.172. A pessoa física ou jurídica. de 04 de abril de 1990.se.E.172 / 66. Art. das atividades reconhecidas como suspensas. Aplicam. II . No caso de descumprimento das obrigações acessórias relativamente à taxa. pelo requerente. X – as empresas públicas e de economia mista instituídas e controladas pelo Município de Niterói. que terá efeito declaratório e implicará na dispensa de pagamento da taxa por.se o direito.Avaliação e acompanhamento das informações previstas no artigo 101. O contribuinte poderá. no máximo. § 1º Para a obtenção da isenção.Combate à sonegação fiscal. nos termos que estabelece o § 1º do artigo 145 da Constituição da República Federativa do Brasil. do art. restabelecendo . V. pelo beneficiário da isenção. de que trata o artigo 125. 126 . os rendimentos e suas atividades econômicas. através da fiscalização exercida quanto aos tributos de competência municipal e aos partilhados com a União ou o Estado do Rio de Janeiro.A taxa será devida anualmente.se ao custeio da implantação e implementação das seguintes atividades e programas: (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3 e 1627 / 9 7) I . Art. será admitida a prorrogação da dispensa do pagamento da taxa por. relativamente ao primeiro ano. saúde pública. § 1. meio ambiente e sistema viário. em relação à taxa. no que couber. nos exercícios seguintes. antes de iniciar qualquer atividade. compreendendo as atualizações de que trata o artigo 212 da Lei Federal 5. destina. considerando .D. 2 e 3 do inciso III.lhes o patrimônio. IX e XI deverão cumprir. 113. os dispositivos dos art. bem como em relação à fiscalização de obras. 06 (seis) meses.REVOGADO Redação antiga: “§ 1º . cuja atividade esteja sujeita à taxa deverá inscrever.Aperfeiçoamento fiscal.” Art. III . Art.se. § 2º O reconhecimento da suspensão temporária e a conseqüente dispensa de pagamento da taxa poderão ser cancelados de ofício se comprovado o efetivo exercício. os dispositivos do art.F. as entidades a que se referem os incisos III. VI. e b) em primeiro de janeiro. 125.se verificado o fato gerador: a) na data do inicio da atividade.se na repartição fiscal competente. posturas municipais. XI – as fundações instituídas pela iniciativa privada.Coleta de dados necessários à graduação dos tributos. § 2º O não cumprimento dos requisitos referidos no § 1º. V . o que dispõem os itens 1. e VI . o aperfeiçoamento das relações entre fisco e contribuinte. 125.A Taxa de Vigilância. na forma prevista em regulamento. 3º.REVOGADO 58 . de 25 de outubro de 1966.Exercício permanente do poder de polícia. identificando . 89 a 94 desta Lei. no máximo.” § 2 . segundo a capacidade econômica dos contribuintes. IV. importará na suspensão do benefício relativamente ao tempo em que tiver ocorrido tal descumprimento. requerer o reconhecimento da suspensão temporária de suas atividades. integralmente. de 05 de outubro de 1988 e o artigo 117 da Lei Orgânica do Município de Niterói. § 1º Mediante nova solicitação. após a sua regularização fiscal. a partir do inicio da atividade.Assistência mútua fiscal de que trata o artigo 199 da Lei Federal 5. Parágrafo único. 125. Controle e Fiscalização (TVCF).

madeiras. vidros.12 549. Fica acrescentado o art.432.60 3. tintas.148.80 2. ferragens. adubos.12 823. 8º combinado com os §§ 3º e 4º do art. 39.372.296.864.775. fertilizantes e congêneres Animais abatidos Cooperativas que comercializem produtos Produtos siderúrgicos e metalúrgicos Material de construção. cine. A taxa será cobrada de acordo com a seguinte tabela: Nº I 1 2 3 4 5 6 II III IV 1a 1b 1c 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 ATIVIDADES Indústria. considerando . 127 e acrescentados os parágrafos 7º.12 549.40 2. O lançamento da taxa é anual e será efetuado de ofício. da seguinte forma : Art.Se a atividade for encerrada no meio do exercício fiscal (ano civil). todos da Lei Complementar nº 63. 127.20 5. eletrônicos de áudio e vídeo. inclusive construção civil e naval Até 10 empregados De 11 até 20 empregados De 21 até 50 empregados De 51 até 100 empregados De 101 até 150 empregados Mais de 150 empregados Comércio agropecuário Extração vegetal e mineral Comércio a varejo ou por atacado: Hipermercados e supermercados Classe A ou com mais de 20 caixas registradoras Classe B ou de 11 a 20 caixas registradoras Classe C ou até 10 caixas Produtos agrícolas.Redação antiga: “§ 2.864. 126 .” § 3º . 2º Fica alterada a tabela do art.029. II – na data do início da atividade sendo o valor da taxa lançado proporcionalmente ao número de meses ou fração.432. 126 .60 3. eletrodomésticos e/ou locação de fitas de vídeo em geral Compra e venda de veículos aéreos.00 1. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.80 1.A.059.80 411. vernizes e derivados Materiais elétricos.20 3.372.se por inteiro qualquer fração do mês. a taxa será devida proporcionalmente até o mês do encerramento considerando. em até 48 (quarenta e oito) horas após o prazo previsto para a entrega deste documento ao órgão estadual competente. de 11 de janeiro de 1990.745. 8º e 9º na Lei nº 480 / 8 3.00 3.00 ** ** 10. decorridos entre o mês em que o contribuinte tiver iniciado suas atividades e o mês de dezembro do exercício fiscal correspondente.00 549.68 686. novos ou usados Concessionárias e revendedoras autorizadas de veículos Posto de gasolina Frigorífico Livraria.372.00 1.A na Lei nº 480 / 8 3. Art. terrestres ou marítimos.059. com a seguinte redação: Art.00 59 . rações e ferramentas para agricultura. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.20 10.00 6.se ocorrido o fato gerador I – em 1º de janeiro de cada ano.00 6.00 6.864. Art. exigência autorizada pelo art. 3º. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) .Toda pessoa jurídica inscrita no Cadastro de Tributos Mobiliários.296.40 1.432. foto. papelaria e material escolar Produtos químicos e farmacêuticos por atacada Estabelecimentos de engarrafadores e distribuidores de gás Magazines e lojas de departamentos Valor (R$) ** 686.68 823.84 2. quando contribuinte do ICMS fica obrigada a apresentar anualmente cópia da DECLAN na Secretaria Municipal de Fazenda.

84 823.84 1. frutas e legumes Armarinhos e bazares Depósitos fechados Móveis.20 6. Serviços de leasing. de cargas e mudanças – de 4 a 10 veículos Transporte rodoviário.68 823.68 823.00 686.68 686. de cargas e mudanças – de 21 a 30 veículos Transporte rodoviário.68 2. artigos para decoração e congêneres Artefatos de borrachas ou plásticos Padarias e confeitarias Farmácias.84 823. artigos de couro e similares Artigos esportivos de qualquer natureza Comércio de óleo. armários de distribuição para telecomunicações.716.60 2. exceto serviços franqueados Compra e venda ou aluguel de linhas telefônicas Agências de viagens e turismo Remoção e transportes de pessoas em domicílio Radiodifusão e empresa jornalísticas Concessionária de serviços de energia elétrica.68 823. tabacaria.716.372. calçados.864. energia elétrica e demais serviços públicos Transporte rodoviário.716.20 3.68 823.80 686. fitas e similares Tecidos.20 1.728.432.00 1. malas. lanchonete. drogarias.40 ** 13. cortinas.432. inclusive manipulação e aviamento de receitas Mercearias. transmissão e energia para telecomunicação Exploração de rodovias. bar.68 686.40 2.029.00 13 14 15 VI 1 2 3 4 5 6 7 8 9 VII 5. pensão sem alojamento.864.80 5.432.059. comunicações.491. serviço de bufê.00 4. estofados. armazéns.059.059.059.84 411.491.80 411.20 1.00 13.84 ** 1.68 3. exceto as equiparadas a restaurantes Compra e venda de imóveis Joalheria Importadoras e exportadoras Distribuidoras centrais e transportadoras de bebidas Distribuidoras e revendedoras de bebidas Açougues Artigos religiosos Comércio atacadista de cereais.20 823. Entregas de encomendas (“courier”) Telemarketing e “callcenters” Instituições financeiras Bancos comerciais e de investimentos Postos de atendimento bancário e caixas eletrônicas Corretoras e distribuidoras de títulos mobiliários Corretagem de Seguros Capitalização de títulos e consórcios Câmbio Estabelecimentos de financeiras e crédito pessoal capitalização e seguros.432.372.059.864. roupas. quitandas e sacolões Comércio de discos.20 ** 60 .372. perfumarias.20 1. tapetes. de cargas e mudanças – de mais de 30 veículos Transporte coletivo de passageiros Transporte de valores Transporte marítimo e aéreo Despachos de cargas e agenciamento de fretes Comunicação (correios/telégrafos/ telefone). “franchising” e “factoring” Demais instituições financeiras não previstas nos itens anteriores Reparação.00 823.84 1.00 411 . cantinas.728.40 686.68 823.80 6.00 3.00 1.716.372. peixarias. de cargas e mudanças – de 11 a 20 veículos Transporte rodoviário.059.60 2.68 411. leiterias.864.00 1.40 411. peças e acessórios para veículos Óticas Comércio exclusivo de relógios Outras atividades comerciais não especificadas nos itens anteriores Transportes.68 823.40 411.20 3.00 2.16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 V 1a 1b 1c 1d 1e 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Arma e material de caça e pesca Restaurantes.864.00 6. laticínios. equipamentos em contêiner de comutação.80 6. de cargas e mudanças – até 3 veículos Transporte rodoviário. água e esgoto Antenas ou torres de transmissão para telecomunicações.00 1. limpeza e conservação 2.029.804.68 823. pizzarias e churrascarias Café.00 6. lubrificantes.00 823.

sonografia.84 411.00 1. arquitetura. pré. raspagem. cortinas. reprodução de documentos.059. estacionamento e parqueamento Com até 30 vagas Com 31 até 50 vagas Com 51 até 100 vagas Com 101 até 150 vagas Com 151 até 200 vagas 823.40 549.40 205.00 549. e veterinária Hospitais. corretagens negócios de terceiros e de consórcios Leilões Serviços e projetos de engenharia. pisos e consertos de estofados Oficina de veículos Assistência técnica.716.60 823.68 3. aparelhos. beneficiamento de assoalhos e congêneres Tinturaria e lavanderia Colocação de tapetes. congressos e similares Administração de bens. serviços de eletricidade médica.12 549.68 ** 1.68 823.059.12 686. odontologia. máquinas e bens móveis Serviços profissionais e artísticos: Sociedades profissionais e assuntos jurídicos.68 823. instalação. limpeza e reparos de imóveis Desinfecção. pesquisa de mercado e atividades afins Alojamentos Hotéis Motéis Pousadas.68 549.1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 VIII 1 2 3 4 5 6 7 IX 1 X 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 17 18 19 20 21 XI 1 2 3 XII 1 1 1 1 1 a b c d e Conservação. conserto.40 686.84 ** 3. vídeo e fotografia Escritório e demais dependências de empresas sem acesso ao público Promoção de vendas Incorporação imobiliária.20 549.12 411. ultra. pronto . organização.80 2. pensões e congêneres Locação e guarda de bens Garagem.432.372. perícias. arruamento e loteamentos Agências de propaganda.00 1.92 823.12 686. plastificação e encadernação Editoras de jornais e revistas Estúdio ou laboratório de áudio. dentários e veterinários Outros serviços de saúde não previstos nos itens anteriores Casas de repouso Instalação e montagem Instalação e montagem de equipamentos.372. odontológicas e veterinárias Consultórios médicos.primário e creches Ensino fundamental e médio Ensino de idiomas Ensino e creches para excepcionais Academia de ginástica ou de esportes Composição gráfica e similares.68 823.68 2.40 823. tomografia e congêneres Clínica médica.80 ** 823.68 823. atividades de urbanização.68 1. aparelhos e equipamentos Consertos de relógios e chaveiros Oficina de reparos navais Oficina de torneiro ou de fundições Consertos de calçados e bolsas Outros itens não previstos nos itens anteriores Medicina.20 1.40 ** 823.84 686.40 686.12 411.12 1.68 823. radiologia.745.716.372.68 823.432.68 823.372. análises técnicas e laudos Avaliação de bens Planejamento. exposições.12 549. consultoria. cópia. pele.84 549.68 549. desratização. cinema.60 1.029.68 823. casas de saúde e ambulatórios Banco de sangue. auditoria. sêmem e congêneres Laboratórios de análises.60 1. pesquisas técnicas e serviços afins Publicidade e propaganda Ensino de nivel superior Ensino maternal.80 61 .12 ** ** 549. contábeis.029.socorro. radioterapia. assessoria. administração de feiras.80 686.00 2.12 411. manutenção de máquinas.

5 .Peixaria. 15 . 3 .059. de acordo com a seguinte tabela: 1 .Produtos hortigranjeiros e frutas.Salgados e embutidos em geral. inclusive “leasing”. sociais e culturais Casas lotéricas e de apostas Boates e similares Demais diversões públicas Galeria de artes e congêneres Bingos Teatros Serviços de higiene e limpeza pessoal: Barbeiros Salões de beleza.372. 10 .obra Segurança de pessoas e bens Depósitos de combustíveis. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. (Incluído pela Lei 1471 / 9 5 ) Classe C – até 08 (oito) das atividades listadas.84 § 1º .Artigos importados.80 ** 686. § 4º .Conservas em vidro.de. do inciso IV. será lançada tendo como base de cálculo o número de empregados ou de veículos com os quais o contribuinte iniciar as suas atividades.84 549. (Incluído pela Lei 1471 / 9 5) 20 .Artigos de vestuários.372.84 3.372. a taxa será calculada e devida pela atividade sujeita a maior ônus fiscal.Brinquedos.716.40 1.Confeitaria.No caso de atividade tributada com base no número de empregados ou de veículos.12 2.372. 17 . § 3º . a taxa.80 1. (Incluído pela Lei 1471 / 9 5 ) 19 . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. Classe A – mais de 12 (doze) das atividades listadas. Classe B – de 09 (nove) a 12 (doze) das atividades listadas.12 823. saunas.372. 11 .80 3.029.Bebidas.20 1. exceto postos de gasolina Armazéns gerais e outros depósitos de bens Diversões públicas Circos.1f 2 3 4 5 6 XIII 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 XIV 1 2 XV XVI XVII XVIII Com mais de 200 vagas Locação bens móveis.Eletrodomésticos. cabeleireiros. 14 . massagens e congêneres Serviços cartoriais (Cartórios e tabelionatos) Profissionais autônomos localizados Cemitérios particulares Atividades não previstas nos itens anteriores.432.80 1. louças e vidros.Padaria.Artigos para higiene e limpeza. 13 .80 343.029. laticínios e derivados 12 .REVOGADO.68 1.00 1.Farmácias ou drogarias.80 1. máquinas reprográficas e congêneres Locação de mão.Açougue.Na hipótese de atividades múltiplas exercidas no mesmo imóvel ou local.60 343.40 686.O enquadramento das atividades previstas no item 1.Frios.Cereais.Lanchonete. 62 . no primeiro ano.60 549.432. 8 . desta tabela 1. 16 . 4 .Perfumaria. deste artigo. será feito de acordo com o número de atividades exercidas. 6 .00 411.00 1. exceto nos casos de exercício de atividades diversas por diferentes pessoas físicas ou jurídicas. (Lei 1627 / 9 7)” § 2º . 18 .20 ** 411.Artigos de jardinagem. 9 .20 411. quando a taxa será cobrada por atividade. 7 .372. parques de diversões e competições esportivas Cinemas Bilhares e outros jogos Associações desportivas. duchas. 2 .Artigos de cama e mesa.

de 21 até 50 empregados 4. com os valores indicados no § 7º. papelaria e material escolar 13. de 11 até 20 empregados 3. observando .A taxa será cobrada de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4. § 8º Para os contribuintes já inscritos no cadastro de tributos mobiliários a taxa somente será lançada. vernizes e derivados 7. fertilizantes e congêneres 3. adubos. 101 desta lei.§ 5º . inciso V. eletrodomésticos (Alterado pela Lei 1471 / 9 5 ) 8. será feito de acordo com o número de veículos existentes no mês de agosto. Materiais de construção. Armas e material de caça e pesca 17. Restaurantes. cine.se a proporcionalidade prevista nesta Lei. terrestres ou marítimos novos ou usados 9. 1081 / 9 2. Distribuição de gás 15. até 10 empregados 2.O enquadramento das atividades com base no número de empregados ou de veículos será procedido de acordo com o número de empregados ou de veículos existentes no primeiro semestre do exercício imediatamente anterior ao do lançamento da taxa. de 101 até 150 empregados 6.O enquadramento das atividades previstas no item 1. a partir de sua inscrição no cadastro de tributos mobiliários.se a proporcionalidade do valor prevista nesta Lei. Animais abatidos 4. Concessionárias ou revendedoras autorizadas de veículos 10. 1032 / 9 1. 587 / 8 5. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. Frigoríficos 12. madeiras. observando . de 51 até 100 empregados 5. vidros e ferragens. eletrônicos. leiteiras. Produtos siderúrgicos e metalúrgicos 6. Materiais elétricos. Redação antiga do caput : “Art. Compra e venda de veículos aéreos. 1253 / 9 3. rações e ferramentas para agricultura. devendo a comunicação ser feita nos prazos previstos no art.Livraria. pizzarias e churrascarias Nº de UFINIT 10 20 40 55 75 100 15 50 II III IV 150 100 50 10 10 10 15 15 15 30 150 20 20 08 30 50 100 30 20 63 . na forma da tabela deste artigo. mais de 150 empregados Comércio agropecuário Extração vegetal e mineral Comércio a varejo ou por atacado: 1. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. Produtos químicos e farmacêuticos por atacado 14. § 6º . § 9º Nas hipóteses de revogação do enquadramento da condição de microempresa ou de empresa de pequeno porte a taxa terá seu valor revisto de acordo com a atividade do contribuinte. Hipermercados e supermercados: (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) a) classe A b) classe B c) classe C 2. na forma da lei específica. Postos de gasolina 11. inclusive construção civil e naval: 1. de áudio e vídeo.92 para as microempresas e de R$ 274. no exercício subsequente ao do deferimento do enquadramento. quando o contribuinte deverá apresentar declaração contendo o número de veículos. Produtos agrícolas. de foto. 1471 / 9 5 e 1627 / 9 7 ) Natureza da Atividade I Indústria. tintas. Cooperativas que comercializem produtos 5. (Redação dada pela Lei 1471 / 9 5 ) § 7º A taxa será lançada pelo valor de R$ 205. 127 . Magazines e lojas de departamentos 16.56 para as empresas de pequeno porte.

de cargas e mudanças: (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) a) até 3 veículos b) de 4 a 10 veículos c) de 11 a 20 veículos d) de 21 a 30 veículos e) mais de 30 veículos 2. conservação 1. serviço de "buffet" e cantinas. Importadoras e exportadoras 22. Mercearias. Postos de atendimento bancário e caixas eletrônicos 3. Transporte de valores 4. Tinturaria e lavanderia 1. armazéns. Artigos religiosos 26. Depósitos fechados 29. Comércio exclusivo de relógios 40. malas. Compra e venda de imóveis 20. conserto. drogarias e perfumarias. pensão sem alojamento. tabacaria. estofados. Móveis. pisos e conserto de estofados (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) 5. Outras atividades comerciais não especificadas nos itens anteriores Serviços de Transporte e Comunicações: 1. Joalherias 21. exceto os serviços franqueados 7. Transporte marítimos e aéreos 5. limpeza. Comércio de discos. fitas e similares 35. cortinas. Artigos esportivos de qualquer natureza 37. roupas. Corretagem de seguros 5.Capitalização de títulos e consórcios 6. Compra e venda ou aluguel de linhas telefônicas 8. tapetes. telégrafos e telefone). instalação e manutenção de máquinas. Armarinhos e bazares 28. Bancos comerciais e de investimentos 2. quitandas e sacolões 34. artigos para decoração e congêneres 30. Concessionárias de serviços de energia elétrica. peixarias. lubrificantes. Colocação de tapetes. Artefatos de borracha ou plástico 31. aparelhos e equipamentos 12 30 25 25 100 15 12 10 20 10 15 15 15 15 15 12 10 15 15 15 15 10 15 15 30 50 70 100 200 50 100 20 80 25 10 25 20 100 200 50 30 15 50 30 50 15 10 10 06 10 10 VI VII 64 . bar. peças e acessórios para veículos 38. calçados. Transporte rodoviário. Corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários 4. Padarias e confeitarias 32. lanchonete.Agências de viagens e turismo 9. artigos de couro e similares 36. Óticas 39. Oficina de veículos 6. Comércio atacadista de cereais. Assistência técnica. Comunicações (correio. Comércio de óleos. raspagens ou beneficiamento de assoalhos e congêneres (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) 3.V 18. Conservação. Distribuidoras e revendedoras de bebidas 24. Demais instituições financeiras não previstas nos itens anteriores Reparação. água e esgoto Instituições Financeiras: 1. Desinfecção. Radiodifusão e empresas jornalísticas 11. inclusive da manipulação ou aviamento de receitas 33. Distribuidoras centrais e transportadoras de bebidas 23. Transporte coletivo de passageiros 3. Açougues 25.Remoção e transporte de pessoas a domicílio 10. Farmácias. Câmbio 7. Tecidos. cortinas. frutas e legumes 27. laticínios. exceto as equiparadas a restaurante 19. limpeza e reparos de imóveis 2. desratização. Café. Despacho de cargas e agenciamentos de fretes 6.

Clínicas médicas. Ensino maternal. assessoria. Bilhares e outros jogos 06 10 10 06 10 50 40 25 25 20 20 15 15 15 15 15 15 15 15 15 50 10 12 12 05 15 15 12 12 15 10 20 30 20 15 15 30 10 20 20 20 20 50 20 10 10 15 65 . Segurança de pessoas e bens 5.VIII IX X XI XII XIII 7. congressos e similares 4. Hospitais. pesquisas técnicas e serviços afins 7. máquinas reprográficas e outras 3.Incorporação imobiliária. Outros serviços de saúde não previstos nos itens anteriores Instalação e montagens: 1. Oficinas de torneiros ou de fundições 10. Serviços de projeto de engenharia. pré. Pousadas. radiologia. Academia de ginástica ou de esportes 15. Circos.obra 4. Laboratórios de análises. Armazéns gerais e outros depósitos de bens Diversões Públicas: 1. Promoções de vendas 20. Avaliação de bens 3. tomografia e congêneres 4. Bancos de sangue. radioterapia. Outros serviços não previstos nos itens anteriores Alojamento: 1. Administração de bens. Editoras de jornais e revistas (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) 17. Outros serviços não previstos nos itens anteriores deste inciso Medicina. cinema. aparelhos. serviço de eletricidade médica. estacionamento e parqueamento 2. pensões e congêneres Locação e Guarda de Bens: 1. perícias. Garagem. pronto . ultrasonografia. exposições. Agências de propaganda. Cinemas e teatros 3. arquitetura. Locação de bens móveis. Odontologia e Veterinária (pessoas jurídicas): 1. plastificação e encadernação 16. cópia. arruamento e loteamentos 21. contábeis.de. consultoria. Oficina de reparos navais 9. Composição gráfica e similares. análises técnicas e laudos 2. Sociedades profissionais de assuntos jurídicos. Ensino de idiomas 12. inclusive "leasing". desde que não constituam fase de industrialização de bens Serviços Profissionais e Artísticos: 1. casas de saúde. Hotéis 2. Estúdio ou laboratório de áudio. Leilões 6. Planejamento. pesquisa de mercado e atividades afins 22. máquinas e bens móveis 2. sêmen e congêneres 3. Consultórios médicos. Motéis 3. auditoria. de repouso e ambulatórios 2. Ensino e creche para excepcionais 13. Conserto de relógios e chaveiros 8. Ensino não previsto nos itens 8 a 12 14. Ensino de nível superior 9. corretagens. organização e administração de feiras. atividades de urbanização.socorro. vídeo e fotografia (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) 18. odontológicas e veterinárias 5.Consertos de calçados e bolsas 11. parques de diversões e competições esportivas 2. negócios de terceiros e de consórcios 5. pele. Locação de mão. Depósito de combustíveis. exceto postos de gasolina 6. Outros serviços de instalação e montagem de bens. Escritório e demais dependências de empresas sem acesso ao público 19.primário e creche 10. Ensino de 1º e 2º graus 11. reprodução de documentos. dentários e veterinários 6. Instalação e montagem de equipamentos. Publicidade e propaganda 8.

. IV ..Serão cobradas as taxas de licença para: I .REVOGADO Redação antiga: “§ 1º . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. Barbeiros 2. quando a licença for concedida até o dia 31 de janeiro..(Incluído pela Lei 521 / 8 4)” Art.No exercício fiscal em que o contribuinte iniciar regularmente suas atividades. baixado por ato da Administração...Execução de arruamento e de loteamento em terreno. 66 ..Proporcionalmente ao número de meses ou fração.. a taxa será devida com a redução de 50% independentemente de outras deduções previstas em lei. considerando..Proporcionalmente ao número de meses ou fração.. 128 . O art....se o mesmo critério previsto no inciso II.... 129.... XV Serviços Cartoriais (cartórios e tabelionatos) XVI Profissionais autônomos localizados XVII Cemitérios Particulares XVIII Atividades não previstas nos itens anteriores deste artigo 10 15 20 15 05 06 10 30 06 50 15 Art... decorridos do mês do início da atividade até o final do exercício.Publicidade...Fica o Poder Executivo autorizado a parcelar o pagamento da taxa em até 4 (quatro) vezes. II ..Ocupação de solo nas vias e logradouros públicos..taxa de cada exercício deverá ser paga no prazo fixado no Calendário Anual de Recolhimento de Niterói (CARTRIN). se a atividade for iniciada após o mês de janeiro.. § 1º Fica o Poder Executivo autorizado a parcelar o pagamento da taxa....Exercício de comércio eventual ou ambulante. compreendidos entre o deferimento da licença e o término do exercício. Galeria de artes e congêneres XIV Serviços de Higiene e Limpeza Pessoal: 1. e VI . Associações desportivas.. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. Redação antiga: “Art.Integralmente. 130 .” § 2º .. § 1º . Salões de beleza. no caso de baixa de inscrição. saunas.. devendo as parcelas serem pagas nos prazos estabelecidos no CARTRIN. independentemente de outras deduções previstas em lei. Art... A taxa deverá ser paga no prazo fixado por decreto. II .4...Aplica.. sociais e culturais (Alterado pela Lei 1471 / 9 5) 5. Art. I ..... massagens e congêneres.. Parágrafo Único . a taxa será devida com redução de 50% (cinqüenta por cento)..... 130 .. Art. cabeleireiros.. Boates e similares 7..O pagamento será efetuado: (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) ..No exercício fiscal em que o contribuinte iniciar suas atividades..... quando o início da atividade ocorrer no mês de janeiro. 129 da Lei nº 480 / 8 3 passa a vigorar com a seguinte redação: Art.... (Alterado pela Lei 521 / 8 4) § 1º . baixado por ato da Administração. § 2º Se a atividade for encerrada durante o exercício fiscal a taxa será devida proporcionalmente até o mês do encerramento. Casas lotéricas e de apostas 6..Execução de obras particulares. II .. III . duchas. V . 129 . 40..Tráfego de veículos não motorizados. Demais diversões públicas 8.se por inteiro qualquer fração do mês.Integralmente.O pagamento será efetuado: I .. 128 .

§ 3º . sempre que houver qualquer modificação nas características iniciais da atividade exercida. Art. colocadas nas vias e logradouros públicos. barracas.A Taxa de Licença para exercício do comércio eventual ou ambulante será cobrada de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 499 / 8 4.Comércio eventual é o exercido: I . mediante preenchimento de formulário próprio. de autorização. Art. § 1º . independentemente da expedição de nova licença. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.A inscrição será permanentemente atualizada. 133 . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.se acompanhar de uma auxiliar. será concedido um cartão de habilitação. tabuleiros e assemelhados.Os ambulantes. ou que promova a venda de produtos de sua fabricação através de empregados seus. sem estabelecimentos. empregados de pessoas jurídicas. na repartição competente. mesas.Inclui. 131 . § 1º . como balcões. deverão ser objeto de licença individual.I – exercício do comércio ou serviço eventual ou ambulante. do comerciante eventual ou ambulante.A taxa incide sobre cada licenciamento ou renovação. por ocasião de festejos ou comemorações. em locais autorizados pela Prefeitura.Em determinadas épocas do ano. 134 . conforme modelo aprovado pela Prefeitura. 131 – A Taxa de Licença para o Exercício do Comércio e Serviço Eventual ou Ambulante tem como fato gerador o exercício regular. pelo Poder Público Municipal. Art. Art. 1555 / 9 6 e 1698 / 9 8 ) Nº Natureza do Tributo Unidade Nº de Ufinit Prazo 67 .Em instalações removíveis. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. 135 . explore comércio eventual ou ambulante. § 2º . § 2º . para exercício do comércio eventual ou ambulante. SEÇÃO I DA TAXA DE LICENÇA PARA EXRCÍCIO DE COMÉRCIO EVENTUAL OU AMBULANTE Art. 521 / 8 4.se na exigência deste artigo o comerciante que. a requerimento da pessoa jurídica empregadora. vigilância e fiscalização. § 2º .Será cobrada taxa de licença para exercício de comércio eventual ou ambulante.É permitido ao titular de comércio ambulante quando pessoa física fazer. contendo as características essenciais de sua inscrição e as condições de incidência da taxa. § 1º . 1032 / 9 1.Contribuinte da taxa é o comerciante eventual ou ambulante. por iniciativa do comerciante eventual ou ambulante. 132 . com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. Art. especialmente por ocasião de festejos ou comemorações. visando disciplinar o exercício do comércio ou serviço em caráter eventual ou ambulante no território do Município.Ao comerciante eventual e ao ambulante que satisfazer as exigências legais e regulamentares. instalações ou localização fixa. § 4º .É obrigatória a inscrição. II . 1253 / 9 3.Comércio ambulante é o exercido individualmente.A inscrição será renovada ao término do prazo previsto.

Será cobrada a taxa de licença para execução de obras particular no território do Município. III .Por ano. até o dia 10 (dez) do 1º mês do trimestre a que se referir.º 2 até . 25) 2 Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid Unid 03 05 07 10 03 03 03 01 01 1. modificação. 136 . vigilância e fiscalização da execução de obras particulares.Por semestre. até o último dia útil do mês de fevereiro do exercício a que referir.627 / 9 7: Art.Quando se tratar de renovação de licença. I . Art.5 12 18 456 Ufir 02 Ano Ano Ano Ano Mês Semestre Semestre Semestre Semestre Mês Ano Ano Ano Ano Unid 02 Ano Unid Unid Unid Unid 03 10 02 04 Ano Ano Mês Semestre Unid 03 Mês Art. Quadros redes e similares (Redação anterior dada pela Lei 1555 / 9 6 em vigor até 31 / 1 2 / 9 8 ) 12 REVOGADO (Lei 1698 / 9 8 ) 12 Malas e bolsas de mão (Redação anterior dada pela Lei 1555 / 9 6 em vigor até 31 / 12 / 9 8 ) 13 Mercadores ambulantes de comestíveis ou não em carrinhos ou triciclos 14 Ambulantes de comestíveis ou não com veículo motorizado 15 Stand de vendas em épocas determinadas ou em razão de eventos transitórios 16 Venda de alimentos em estabelecimentos estranhos ao próprio negócio (ex.3m 2 Modelo n. café. Parágrafo Único .º 1 até . ambulantes de comestíveis em barracas ou tabuleiros 08 Stand de Vendas e Exposições (Fixos) 09 Trailler ou quiosque (até 6 m ) 10 Trailler ou quiosque com mais de 6 m 2 e até 10 m 2 11 Trailler ou quiosque (até 10 m 2 ) (Redação dada pela Lei 1698 / 9 8) 11 Recipiente a tiracolo (bolas.Por mês.Por dia. também. antecipadamente. V . a esta taxa as atividades de prestação de serviços realizados da mesma forma prevista no art.Sujeitam. pelo Poder Público Municipal. (Incluído pela Lei 1032 / 9 1 ) SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE OBRA PARTICULAR Art.10m 2 02 Barracas 03 Mesas ou Balcões de Exposições (Removíveis) 04 Tabuleiros e Assemelhados 05 Barraca de Feiras Livres 06 Tabuleiros de Feiras Livres 07 Mercadores. acréscimo. de autorização. 137 – A Taxa de Execução de Obra Particular tem como fato gerador o exercício regular. sorvetes.Por trimestre. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.º 3 até . 137 .5m 2 Modelo n. picolé e outros) 17 Outros não especificados (Vide Lei 1. 68 .Licenciamento de construção. II .01 Banca de jornais Modelo n. o recolhimento dos tributos devidos poderá ser feito: (Alterado pela Lei 1032 / 9 1) I . reforma. até o dia 5 (cinco) do mês em que for devida. bem como fiscalização de sua execução.: ovos. demolição de prédio e obra de qualquer natureza. IV . 131 e seus parágrafos. até o dia 15 (quinze) do 1º mês do semestre a que se referir.se.

02 3.00 0. a qualquer titulo. III .25 Prazo da licença 0. desde que aprovadas pelos órgãos técnicos da Prefeitura Municipal de Niterói. galinheiro e caramanchão.2 Multifamiliar 60 m 2 Construção de prédio industrial. de monta. (Incluído pela lei 1253 / 9 3 ) Art. V .A pintura externa do prédio. modifi cação 3 Alíquota 0.A execução de viveiro.Exame e verificação de projetos.A instalação mecânica de elevador. sem direito a início de obra 12 Modificação de projeto em obras m 2 de licenciadas (em andamento).20 0. telheiro. do imóvel em que se executa a obra.A execução de passeio público. quando efetuada em madeira ou similar. 140 – A taxa é devido de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4 e 549 / 8 5) Nº Natureza do Tributo Unidade 1 Alvará de licença Documento 2 Aprovação e licença de construção de prédio.10 0. de caldeira e de motor.02 da licença 69 .II . como de interesse histórico.São isentas de taxas: (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) templos) (Vide Lei 1635 / 9 8 – isenção para I . edifício ou dependência residencial com direito a início de obra: (Alterado pela Lei 549 / 8 5 ) 2. industriais e outros 4 Construção de posto de gasolina e de 10 m 2 serviços 5 Construção de sobreloja ou jirau em 1 m2 prédio existente 6 Instalação de divisões fixas (madeira ou 1 m2 similar) 7 Demolição de qualquer edificação p/unidade 8 Empachamento 1 m2 9 Sondagem p/ lote 10 Aprovação de projeto quando desacompanhado do pedido da licença.Muros laterais e de fundo. 139 . inclusive arrimo.05 0. Art. de gerador a vapor.00 p/mês p/mês p/mês p/mês p/dia ------- 1. muro e gradil. de plano inclinado.25 p/ano p/ano 1. cultural.03 2. de escada rolante. II .A construção de casa de tipo proletário aprovada pela Prefeitura.00 0. VI .cargas. VII .do do pedido de licença de outras edificações.10 p/mês p/mês p/mês 0. sem direito a início de obra: 10 Unifamiliar 60 m 2 1 Multifamiliar 60 m 2 10 2 11 Aprovação de projeto quando 60 m 2 desacompanha. ecológico ou de preservação paisagística ou ambiental. 60 m 2 comercial e galpão para fins comerciais.50 p/ano 0.As obras em imóveis reconhecidos pelos órgãos municipais. IV .05 0. 138 .O contribuinte da taxa é o proprietário. Art.1 Unifamiliar 60 m 2 2. o titular do domínio útil ou possuidor.

A taxa de pintura geral interna e de pequenos consertos será de 1 (uma) UFINIT por trimestre e isenta de Alvará.00 2. de autorização. laje.01 p/1 ano p/mês p/90 dias --p/unidade p/unidade --- 1. 141 .50 0. Art.50 3. Art.00 p/1 ano 60 m 2 60 m 2 0. vigilância e fiscalização da execução de serviço de arruamento e loteamento. 142 . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.20 0.13 Aprovação de modificação e/ou acréscimo em prédio residencial existente 14 Aprovação de modificação e/ou acréscimo em prédio comercial. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. § 3º . Art. piscina e arrimo) 20 Pequenos reparos 21 Vistoria de aceite para monoresidencial 22 Vistoria de aceite de obra para multi residencial.A alíquota mínima é cobrada somente quando o valor tributado for inferior a ele e a licença será válida por 3 (três) meses. 144 – Aplica. o titular do domínio útil ou o possuidor.00 Prazo p/ano 70 .00 0. m 2 e m 3: (muro.50m de altura fica isento do pagamento de taxas. industriais e outros.01 0.50 p/1 ano 60 m 2 3.00 p/90 dias ----p/ano m3 m3 m3 0.00 0.50 p/mês p/mês 30 m 2 30 m 2 --- 2. 143 .Contribuinte da taxa é o proprietário.O volume proveniente da escavação do terreno até 2. 16 Construção de área modificada e/ou acrescida de prédios comerciais. 15 Construção de área modificada e/ou acrescida de prédio residencial. do imóvel. 17 Aprovação de instalação comercial sem Direito a início de obra 18 Execução de instalação comercial 19 Quaisquer outras obras previstas p/m1.Será cobrada a taxa de licença para execução de arruamento e de loteamento de terreno. § 2º . no que couber.007 0. 141 – A taxa de licença para a Execução de Arruamento e de Loteamento de Terrenos tem como fato gerador o exercício regular pelo Poder Público Municipal.003 p/mês p/mês p/mês § 1º .Os prédios residenciais unifamiliares com área inferior a 60 m2 ficarão isentos de taxas. cobertura. etc. a tabela constante: (Alterado pela Lei 521 / 8 4) N Natureza do Tributo º 1 Arruamento p/loteamento e plano integrado Unidade 100 ml Alíquota (Ufinit) 3. comercial. § 4º .A taxa incide sobre o licenciamento do arruamento e do loteamento. Industrial.se. misto ou outros 23 Aprovação de projeto de desmonte de material de qualquer natureza 24 Execução de desmonte e/ou aterro: Rocha Fogo Rocha a frio Outro material 60 m 2 1. a qualquer título. (Incluído pela Lei 549 / 8 5) SEÇÃO III DA TAXA DE LICENÇA PARA EXECUÇÃO DE ARRUAMENTO E DE LOTEAMENTO DO TERRENO Art. Art.

50 2. V . ou ainda quaisquer outros locais de acesso público. o recolhimento dos tributos devidos poderá ser feito: I . Art. Art. 150 .Será cobrada taxa de licença para exploração ou utilização de publicidade nas vias e logradouros públicos ou em locais que possam ser visíveis destes.5 1.Por trimestre. 149 .50 1.Os veículos destinados ao serviço agrícola.O contribuinte da taxa é o proprietário ou possuidor do veículo. até o dia 10 (dez) do 1º mês do trimestre a que se referir. (Vide Art.Por ano. até o dia 15 (quinze) do 1º mês do semestre a que se referir.A taxa será paga por ocasião do licenciamento independentemente de lançamento.A taxa será devida por ocasião do licenciamento inicial e na renovação anual do veículo. II . II As bicicletas de uso não comercial. 151 . 148 .0 1.A Taxa de Licença para tráfego de veículos não motorizados será cobrada de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pela Lei 521 / 8 4 ) N º 1 2 3 4 5 6 Natureza do Tributo Triciclo para carga Triciclo para ambulante Carrocinha Carrinho de mão Bicicletas comerciais Carroças Unidade veículo veículo Veículo Veículo veículo veículo Alíquota (Ufinit) 1.Será cobrando taxa de licença para tráfego de veículo não motorizado em circulação no Município.50 1.Por mês. 25 – Lei 1627 / 9 7 ) 71 . 145 . 147 .Por dia. SEÇÃO IV DA TAXA DE LICENÇA PARA TRÁFEGO DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS Art. antecipadamente. Art.Por semestre.00 1. até o 5 (cinco) do mês em que for devida.2 3 4 5 6 Anexação e desmembramento Modificação de projeto loteamento Aprovação de Arruamento Modificação de arruamento Aprovação de loteamento de P/lote p/lote 100 ml modificado p/lote 1. IV .50 ----p/1 ano p/1 ano p/1 ano Art.5 Prazo Ano Ano Ano Ano Ano Ano Parágrafo Único . 146 . até o último dia útil do mês de fevereiro do exercício a que se referir.5 0.Quando se tratar de renovação de licença. Art.São isentos da taxa: I . SEÇÃO V DA TAXA DE LICENÇA PARA PUBLICIDADE Art.5 0. III . usados unicamente dentro das propriedades rurais de seu possuidores.0 0.

0 5.5 0.Que faça qualquer espécie de anúncio.5 0. com objetivos comerciais. 1253 / 9 3 e 1627 / 9 7) Nº 1 2 3 4 5 6 7 Natureza do Tributo Anúncios em letreiro. bem como as indicações de endereços. quadros.5 1.Incluem. 152 . 154 . (Vide Art.5 0.5 0. etc.) Anúncios em painel ou cartaz transportável Anúncios por intermédio de veículos destinados especialmente à propaganda Anúncios luminosos no exterior das estações de transporte Anúncios colocados no interior de casa de diversões. os cartazes. caminhões. telefones e atividades. com até 3 m 2 (Redação dada pela Lei 1253 / 9 3 ) Anúncios em painel padronizado por papel (out.0 Ano 14 0. sucessivos ou slides com substituição de dizeres ou não Anúncios no exterior de veículos de transporte (ônibus. industriais ou de prestação de serviços. placas ou pinturas em empresas Anúncios luminosos.00 Prazo 1 ano 1 ano 1 ano mês mês 1 ano 1 ano 8 9 --0.A taxa será cobrada de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4. nesses mesmos locais. anúncios e mostruários.5 Unidade 1.se na obrigatoriedade estabelecida no artigo anterior. de papel. fixos. Art. Mínima 0.0 m 2 1.As tabuletas indicativas de sítios. II . quando estranhos ao próprio negócio Anúncios no interior de veículos de transporte Anúncios em painel ou placa com molduras fixas ou móvel (Alterado pela Lei 1627 / 9 7 ) Anúncios em painéis ou placas em terreno baldio de ocupação precária ou não com moldura fixa (Redação anterior dada pela Lei 587 / 8 5. religiosos ou eleitorais. 55 – Lei 1253 / 9 3. granjas ou fazendas.0 m 2 1.5 1.5 2. a divulgação de anúncios de terceiros. 1032 / 9 1.00 1.0 0. afixados no estabelecimento que se referirem. ou III .5 1semana 1 dia Mês 13 00 Unid 654.São isento da taxa.0 m 2 Veíc /pessoa Veículo 1. 153 . 587 / 8 5. letreiros.000 Unid 1.0 1 ano 72 .Que explore ou utilize.0 m 2 Ufinit 1.0 5.00 34. se o conteúdo não contiver caráter publicitário: I .0 UFIR 1 ano 13 00 Unid 7.8 1.15 1 ano 10 11 12 1. 155 .0 0.5 0.0 1. placas. ou outros quaisquer instrumentos de publicidade. praças de es. programas.door) 32 folhas (Redação dada pela Lei 1627 / 9 7) Anúncios em painéis por cartazes substituíveis.Os cartazes ou letreiros destinados a fins patrióticos. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7 ) Projeção de filmes de propaganda Distribuição de prospectos e/ou panfletos Faixas ou cartazes na porta do estabelecimento.0 m 2 1.2 UFIR 1 ano 1 ano 9 0.5 m 2 0.porte.A quem o anúncio aproveite. nos locais referidos no artigo 151 deste Código. II .0 m 2 1. Responsável Solidário) Art.5 0. bem como as de rumo e direção de vias e logradouros públicos e dísticos ou denominações de estabelecimentos comerciais. painéis.0 1.0 m 2 1.Contribuinte da taxa é a pessoa jurídica ou física: I .Art. de 32 folhas (“outdoor”) (Redação anterior dada pela Lei 1253 / 9 3 em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7) Anúncios de terceiros em veículos de vendedores ambulantes T.0 00 Unid 1. Art.5 Veículo 1. a juízo da Prefeitura.

se como fato gerador da taxa a licença para colocação de tabuleiros.25 4.A ocupação do solo nas vias e logradouros públicos só poderá ser efetivada após o pagamento da taxa devida. SEÇÃO VI DA TAXA DE LICENÇA PARA OCUPAÇÃO DO SOLO NAS VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS Art. Art. bancas de jornais e revistas. quando o valor tributado for inferior. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7) Parques de Diversões (Alterado pela Lei 1627 / 9 7 ) UNIDADE 1 m2 1 m2 1 m2 ALÍQUOTA (Ufinit) 4.A taxa será cobrada: (Redação da Lei 1. a fiscalização apreenderá qualquer instalação ou mercadoria deixada em locais não permitidos ou colocada em logradouros públicos sem o respectivo pagamento. multa e despesas devidas.Não serão permitidos os anúncios vazados em idioma estrangeiro. mercadores motoriza do s ou não.Os nomes próprios ou denominações por natureza intraduzível. circos.Quando anual. II . 160 . (Vide Art.REVOGADO. Art.Sem prejuízo do pagamento da taxa.56 Ufir 0. Art.Compreen de .A tradução para o vernáculo.0 Ano 00 0. veículos ou mercadorias que ocupem o solo. 25 – Lei 1627 / 9 7) Art.mestre Mês 73 . § 2º .mente. parques de diversões. antecipada. 1627 / 9 7 e 1698 / 9 8 ) Nº 1 1 2 NATUREZA DO TRIBUTO Circos (Alterado pela Lei 1627 / 9 7 ) Circos (Redação dada pela Lei 521 / 8 4. § 3º . II . 157 . 156 .0 Ano 1 mês Ano § 1º .0 6. até o dia 5 (cinco) do mês que for devida.Contribuinte da taxa é o proprietário ou responsável pelas instalações. (Alterado pela Lei 1. 159 .471 / 9 5) I . veículos. Art. salvo os que contiverem: I . 162 – A Taxa de Licença para ocupação do solo. e após o pagamento da respectiva taxa. será cobrada de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 499 / 8 4. pelo Poder Público Municipal.5 00 Unid --Unid 1. módulos de mesa e cadeiras.Quando mensal.O metro quadrado de incidência para efeito de base de cálculo. e somente cobrada. nas vias e logradouros públicos. 1253 / 9 3. até o último dia útil do mês de fevereiro.56 Ufir PRAZO Mês Tri. estacionamento e logradouros com até 2 m 2 (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) Anúncios em bancas de jornais (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) Propaganda por qualquer outro meio Indicadores de hora e/ou temperatura (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) 00 Unid 2. de autorização. "stands". visando disciplinar a ocupação de vias e logradouros públicos para a prática de qualquer atividade.A Taxa de Licença para Ocupação do Solo tem como fato gerador o exercício regular.A taxa mínima é variável. para cobrança da taxa devida será a totalidade do espaço métrico do engenho de publicidade objeto da licença. bem como a fixação de equipa m e n t o s e instalações de qualquer naturez a. em função do prazo. 161 . Parágrafo Único .555 / 9 6) Parágrafo Único . vigilância e fiscalização. (Pela Lei 521 / 8 4 ) Art.0 1. ou caracteres maiores ou por qualquer forma. 158 . (Pela Lei 521 / 8 4 ) § 4º .Quando por dia ou por semana. maior evidência.15 16 17 18 Anúncios em placas indicativas de ponto de ônibus.REVOGADO.Somente será licenciada a publicidade quando previamente aprovada pela repartição competente. e III . 521 / 8 4. 1555 / 9 6.

referentes a ordens de pagamento.0 Ufinit ou valor equivalente Ano Ano Art. 163 .Prestação de serviços burocráticos.0 0. II . de mais de 3 m 2 até 5 m 2 Modelo nº 3.35 0.Expedição de Alvará de Localização. Art.Por ano.Tramitação de petição ou documento. até 3 m 2 Modelo nº 2.Por dia. até o dia 10 (dez) do 1º mês do trimestre a que se referir. o peticionário ou quem tiver interesse direito no ato com a Prefeitura.0 2. que devam ser apreciados por autoridade municipal. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7) Bancas de jornais: (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) Modelo nº 1.0 1.50 01 Ufinit ou valor equivalente Ano Mensal Ano 15 16 Unid Unid 4. 165 .0 4. III .5 Ano Ano Ano Semestre Semestre Mês Ano Semestre Veículo 1 m2 Unid Unid 1. 164 . torres e demais instalações e equipa. 166 .0 1. CAPÍTULO III DA TAXA DE EXPEDIENTE Art. IV . depósitos ou caução. até o último dia útil do mês de fevereiro do exercício a que se referir. mais de 5 m 2 até 10 m 2 Tabuleiros Barracas e Tabuleiros de feira Stand Módulos (1 mesa e 4 cadeiras) (Alterado pela Lei 1698 / 9 8 ) Módulos (mesas + cadeiras) (Redação dada pela Lei 521 / 8 4. o recolhimento da taxa devida poderá ser feito: I .10 Tri.Por mês. IV .nica (Alterado pela Lei 1555 / 9 6 ) Indicadores de hora e/ou temperatura Outros não Especificados (Incluído pela Lei 1555 / 9 6 ) 1 m2 0.Por semestre. antecipadamente. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7 ) Veículos mercadores não motorizados Veículos mercadores motorizados “Trailler” ou quiosque (até 10 m2 ) (Alterado pela Lei 1698 / 9 8 ) “Trailler ou quiosque” até 6 m2 (Redação dada pela Lei 1253 / 9 3. Art.Lavratura de termo ou contrato. postos à disposição do contribuinte no seu exclusivo interesse. III . 74 . II .Será cobrada a taxa de expediente pela: I . em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 8) Barracas (Alterado pela Lei 1253 /93) Mesas e Balcões de exposições Postes.0 4.5 67 Ufir 1.mestre Unid Unid Unid Unid 1 m2 1 m2 Unid Unid 1.2 3 4 5 6 7 7 8 9 10 10 11 11 Parques de Diversões (Redação dada pela Lei 521 / 8 4.Por trimestre.de atos ligados à vida funcional dos servidores do Município.de apresentação dos demonstrativos de que trata o artigo 101 desta Lei. até o dia 5 (cinco) do mês em que for devida.mentos destinados à distribuição de energia elétrica.0 456 Ufir 12 Ano Semestre Ano Ano Unid 18 Ano 12 13 14 Unid 1m² Unid 8 0. até o dia 15 (quinze) do 1º mês do semestre a que se referir.São isentos da Taxa de Expediente os requerimentos: I .Quando se tratar de renovação de licença. de restituição de tributos. II . V . ou a serviços de comunicação telefô. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 8 ) REVOGADO (Pela Lei 1698 / 98) “Trailler” ou quiosque com mais de 6 m2 e até 10 m 2 (Redação dada pela Lei 1253 / 9 3. III .Contribuinte da taxa é o solicitante do serviço.

Será cobrada taxa pela execução de serviços urbanos prestados ou colocados à disposição do contribuinte em caráter não industrial. desentranhado ou desarquivado. 169 . (Alterado pela Lei 1627 / 9 7 ) § 1º . assinado ou visado.30 Página Cada Cada Unid.50 0. conhecimento ou processo mecânico. na ocasião em que o ato for praticado. o ressarcimento das despesas incorridas com a expedição dos mesmos. expedido ou anexado. 170 . em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7 ) 11 Levantamento de perempção 12 REVOGADO (Lei 1627 / 9 7) 12 Registro do título de aforamento ou apostila (Redação dada pela Lei 1253 / 9 3.20 0. pela Prefeitura.A taxa será cobrada de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3 e 1627 / 9 7 ) Nº Natureza 1 Expedido de alvará de licença para localização 2 Apostila em título de aforamento 3 Busca de qualquer espécie 4 Expedido de títulos de aforamento 5 Certidão de desmembramento 6 Certidão para efeito de averbamento no Registro de Imóveis.A cobrança da taxa será feita por meio de guia. será sustado o andamento de papéis ou atos sobre os quais incida a taxa. assegurando. II .20 0. Art. loteamentos.30 0. inclusive no que tange à titularidade.30 Art.30 0. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7) CAPÍTULO IV DA TAXA DE SERVIÇOS URBANOS Art.referentes a regularização de imóveis no cadastro imobiliário do Município.Taxa de limpeza e conservação de vias e logradouros públicos. 167 . em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7 ) 10 REVOGADO (Lei 1627 / 9 7) 10 Comunicação a qualquer autoridade municipal (Redação dada pela Lei 1253 / 9 3. desmembramentos ou averbação de terreno (por unidade certificada) 7 Certidão de quitação de Imposto Predial e Territorial Urbano 8 Certidão referente a tributos municipais 9 REVOGADO (Lei 1627 / 9 7) 9 Outras certidões de qualquer espécie (Redação dada pela Lei 1253 / 9 3.50 0. de construção de prédios ou apartamentos.A taxa será cobrada independentemente de lançamento. Página Página 0.Enquanto não efetuado o pagamento da taxa.30 0.se. Página Unid.Taxa de iluminação de vias e logradouros públicos. § 2º . ao Município.00 0. Ufinit 0.A taxa de serviços urbanos compreende: I .30 Imóvel Página Página 0. 168 . ou em que o instrumento formal for protocolado.50 0. § 3º.30 1. com tudo. Pela Lei 2040 / 0 2) SEÇÃO I 75 .30 0. Unid. em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 7 ) 13 Vistoria 14 Cópia de plantas 15 Outros documentos Padrão Unid. 1 ano Unid.Não será devida a taxa de expediente para a expedição de certidões ou documentos para defesa de direitos e para esclarecimentos da situação de interesse pessoal.(REVOGADO.20 0. Art.IV .

c) Imóveis localizados nas 3ª. 9ª e 10ª zonas do 1º Distrito: 2 (duas) UFINIT. por unidade autônoma ou economia.se por base de cálculo a UFINIT. 173 . para efeito de lançamento e cobrança da taxa. § 1º . enquanto perdurar esta restrição.Na hipótese da quantidade de lixo. 9ª e 10ª zonas do 1º Distrito: 1.No que concerne ao serviço de limpeza: a) remoção de lixo.Os terrenos "NON AEDIFICANDI" ficam isentos da taxa de que trata esta seção. jardins. 4ª e 5ª zonas do 1º Distrito: 2 (duas) UFINIT. galerias. Art.5 (uma e meia) UFINIT.A taxa será lançada e arrecadada juntamente com o imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana.Constitui fato gerador da taxa de limpeza e conservação de vias e logradouros a utilização efetiva ou potencial de: I . a taxa devida será equivalente a da 5ª zona do mesmo Distrito como couber.5 (meia) UFINIT. passeios de calçadão e demais instalações de responsabilidade da Municipalidade. § 1º . 2ª e 3ª zonas do 2º Distrito: 1(uma) UFINIT. a ser coletada nos estabelecimentos comerciais e industriais.Para os imóveis residenciais ou terrenos localizados na 6ª zona do 1º Distrito e situados no perímetro compreendido entre São Francisco e o Preventório. Art. nos termos da legislação civil. como unidade autônoma ou economia. exceto nas residências. 7ª. 172 .O contribuinte imune ou isento do pagamento do imposto sobre a propriedade predial ou territorial urbana pagará a taxa na forma do disposto no artigo 175 deste Código.de.Para os imóveis residenciais localizados na Ilha da Conceição será devida o equivalente a 1 (uma) UFINIT. (Incluído pela Lei 521 / 8 4 ) § 3º . 8ª. (Incluído pela Lei 521 / 8 4) § 2º . 8ª. por unidade e por dia. ainda que imune ou isento do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana.Apartamentos. muros. tomando . salas comerciais ou qualquer outro tipo de imóvel que. c) Imóveis localizados nas 1ª. c) Imóveis localizados nas 1ª. Art. 2ª. o custo do serviço será acrescido e cobrado de acordo com a tabela elaborada pelo órgão 76 . 3ª. b) Imóveis localizados nas 1ª. 2ª. lavagem e capinação. 171 .A taxa será calculada em função da destinação do imóvel e sua localização. o peso unitário 1 / 2 (meia) tonelada ou 1 (um) metro cúbico. 4ª e 6ª zonas do 1º Distrito: 4 (quatro) UFINIT. 2ª e 3ª zonas do 2º Distrito: 1 (uma) UFINIT. constituam propriedade autônoma. bancos. c) reparos em bueiros e "bocas. íngreme ou inundáveis a taxa devida será cobrada a razão de 0.lobo".Para os imóveis situados em locais de difícil acesso. serão consideradas. b) Imóveis localizados nas 5ª. 2ª. b) Imóveis localizados nas 7ª. 2ª e 3ª zonas do 2º Distrito: 2 (duas) UFINIT. § 2º . d) reparos em canais.DA TAXA DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DE VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS Art. ultrapassar. localizados na 6ª e 11ª zonas do 1º Distrito e 1ª. de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4 e 587 / 8 5) 1) RESIDENCIAL: a) Imóveis localizados na 6ª e 11ª zonas do 1º Distrito e nas 1ª.A taxa será cobrada anualmente. (Incluído pela Lei 521 / 8 4) § 4º . 8ª. 7ª. Art. 4ª e 5ª zonas do 1º Distrito: 4 (quatro) UFINIT.O contribuinte da taxa é o proprietário do domínio útil ou possuidor a qualquer título do imóvel situado em via ou logradouro público. 174 . (Incluído pela Lei 521 / 8 4) § 5º . 175 . 3) TERRENOS: a) Imóveis. 2) COMERCIAL E INDUSTRIAL: a) Imóveis localizados na 11ª zona do 1º Distrito e nas 1ª. 9ª e 10ª zonas do 1º Distrito: 3 (três) UFINIT. 3ª. b) varrição.

no lado em que estão instaladas as luminárias.(Redação dada pela lei 1555 / 9 6 ) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) § 1 O . (pela Lei 1555 / 9 6) Art. salas.São também contribuintes da taxa quaisquer outros estabelecimentos instalados permanentemente nas vias e logradouros públicos. 1244 / 9 3 e 1555 / 9 6 ) a) imóveis residenciais e unidades não construídas: 68.em todo o perímetro das praças públicas.A Taxa de Manutenção das Redes de Iluminação Pública tem como fato gerador a prestação efetiva ou potencial dos serviços de manutenção das redes de iluminação das vias e logradouros públicos situados no Município de Niterói. a ser aprovada pelo Poder Executivo.TMRI será devida em razão do custo dos serviços e cobrada de acordo com a seguinte tabela: (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) (Alterado pelas Leis 1032 / 9 1. bem como qualquer outro tipo de estabelecimento ou divisão em prédio. para efeito de cobrança de TMRI. for igual ou superior a 100 (cem metros).Os serviços de retirada de entulho e de lixo especiais serão cobrados independentemente da Taxa de Limpeza.Considera. bem como para melhoria e ampliação desses serviços.REVOGADO.Fica considerado um imóvel distinto.A taxa incidirá sobre imóveis localizados: (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) a . terrenos. independentemente da distribuição das luminárias. relativamente ao mesmo imóvel. 180 .competente.em ambos os lados das vias públicas de caixa única. destinados à exploração de atividade comercial ou de serviços. (Incluído pela Lei 587 / 8 5) § 6º . comercial ou industrial de consumo de energia. 179 . quando a iluminação for central. entre duas luminárias. considera.(Redação dada pela Lei 1555 / 9 6 ) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2 ) Parágrafo único . (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) § 3º . sobrelojas. (Incluído pela Lei 587 / 8 5) SEÇÃO II DA TAXA DE MANUTENÇÃO DAS REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Art.em ambos os lados das vias públicas de caixa dupla. Conservação de Vias e Logradouros Públicos. lojas.Contribuinte da Taxa é o proprietário ou possuidor do imóvel a qualquer título em nome do qual se emitam guias para pagamento de impostos ou conta de fornecimento de energia elétrica. boxes. no caso de vias públicas de caixa dupla.REVOGADO. tais como casas. mesmo que as luminárias estejam instaladas em apenas um dos lados. 178 . (pela Lei 1555 / 9 6) § 2º . 176. na forma em que for estipulado.44 (cento e oitenta e duas vírgula quarenta e quatro) UFIRs ou valor equivalente por ano. § 2º .A Taxa de Manutenção de Redes de Iluminação Pública . 177 .O produto da arrecadação da Taxa constituirá receita vinculada e destinada à manutenção das instalações para iluminação pública. (Redação dada pela Lei 1555 / 9 6 ) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) Art.Nas vias públicas não iluminadas em toda sua extensão. (Alterado pela Lei 1555 / 9 6) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2 ) 77 .42 (sessenta e oito vírgula quarenta e duas) UFIRs ou valor equivalente por ano. nas condições estabelecidas na tabela a ser elaborada pelo órgão competente e aprovada pelo Poder Executivo. (Redação dada pela Lei 1555 / 9 6 ) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) Art. § 1º .se também beneficiado o imóvel que tenha qualquer parte de sua área dentro dos círculos cujos centros estejam localizados num raio de 100 (cem) metros de poste dotado de luminária. qualquer que seja sua natureza ou destinação. c . cada unidade autônoma residencial. apartamento. (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) Art. e d . incidentes sobre imóveis construídos ou não. e b) imóveis não residenciais: 182.se via pública não dotada de iluminação pública em toda sua extensão aquela em que a interrupção desse serviço. b .

III . 181 .45. (Alterado pela Lei 1555 / 9 6 ) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) CAPÍTULO V DA TAXA DE SERVIÇOS DIVERSOS Art. não cadastrados e não inscritos na Prefeitura. por dia . assim como estabelecerá as sanções pela inobservância do disposto nesta Lei.A taxa de serviços diversos será devida pela execução dos seguintes serviços:(Alterado pela Lei 1627 / 9 7) I . 185 . 184 desta Lei.Numeração ou renumeração de prédio e sua instalações . (Alterado pelas Leis 1244 / 9 3. IV . a qualquer título. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7) SEÇÃO I Art.5 (cinco décimos) da UFINIT. 184 será cobrada de acordo com a seguinte tabela.Numeração e renumeração de prédios. de animais. II . 187 .por unidade .Funerários. será cobrada à razão de 0.Aplicam.44 UFIR. quanto à isenção.61 UFIR. 182 .(Alterado pela Lei 1555 / 9 6) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2) Art.por apreensão .Seja proprietário ou possuidora. os mesmos requisitos estabelecidos em Lei para a isenção do IPTU. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) II .A taxa a que se refere o inciso II do artigo 184.Apreensão e depósito de veículos .se aos contribuintes da TMRI.Apreensão e depósitos de mercadorias e animais. IV .Apreensão e depósito de mercadorias e animais .Vistoria de edificações e sua instalações.Quem requeira a prestação dos serviços previstos no inciso V do art..182. 190 desta Lei. bens ou mercadorias apreendidos.Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a firmar convênios com concessionárias de serviços públicos. 184 . 186 . que será cobrado de acordo com o art. Art.Ato do Poder Executivo disciplinará a cobrança da TMRI e a fiscalização a ser exercida pela Prefeitura Municipal de Niterói. 183 .45. para fins de cobrança e/ou arrecadação da TMRI. (Alterado pela Lei 1627 / 9 7) I .Apreensão e depósitos de veículos. II .Seja proprietária ou possuidora a qualquer título dos imóveis sujeitos à taxação.A taxa a que se refere o art. SEÇÃO III DA TAXA DE SERVIÇOS FUNERÁRIOS 78 . 184 desta lei.61 UFIR. exceto em relação ao inciso V. III . veículos. SEÇÃO II Art.91. é a pessoa física ou jurídica que: (Alterado pela Lei 1627 / 9 7) I . 1294 / 9 4 e 1555 / 9 6 ) (REVOGADO pela Lei 2040 / 0 2 ) Art. e (Incluído pela Lei 1627 / 9 7) III . conforme os incisos I e II do art.por veículo. e V . no caso dos incisos III e IV do artigo anterior.22 UFIR.por unidade . 184 desta Lei.Art.Vistoria de edificações e suas instalações .Contribuinte da taxa a que se refere o art.

quando realizados pelo Poder Público Municipal.se 25% (vinte e cinco por cento) da presente tabela. Art. ressalvados os direitos adquiridos”. Redação antiga: “Art.se por Serviços Funerários.em catacumba de anjos Revestimentos em azulejos: . 188 – A Taxa de Serviços Funerários tem como fato gerador o sepultamento e desempenhos de quaisquer trabalhos correlatos. carneiros de anjos Qualquer outro tipo de serviço 40 20 10 0.se de sepultamento de corpos de pessoas procedentes de outros municípios. 79 .em catacumbas de adultos e anjos. perpétuos Carneiros e Catacumbas de anjos perpétuos REFORMAS: Carneiros e Catacumbas de adultos.1 10 1 0.5 0. cuja competência seja da Municipalidade. ressalvados os direitos adquiridos.5 12 6 100 40 25 20 3 60 10 30 I a) b) c) d) e) f) g) h) II a) b) III a) b) c) d) e) f) g) h) § 1º .Art.Compreende.A taxa de serviços funerários é devida de acordo com a seguinte tabela: (Alterado pela Lei 521 / 8 4) Natureza do Serviço ENTERRAMENTOS: Carneiros de adultos. por três anos Catacumbas de anjos. por três anos Covas Rasas de anjos. por dois anos Covas Rasas de adultos. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. por três anos Carneiros e Catacumbas de anjos.em catacumbas de adultos e carneiros de anjos . 189 . 190. 190 . Art.O Poder Executivo regulamentará o funcionamento dos Serviços de Cemitérios e Classes de enterramento. previstos na tabela do art.Quando situadas em áreas acidentadas os enterramentos serão cobrados deduzindo . serão as alíquotas cobradas em dobro (item I da tabela do artigo 190). por dois anos Catacumbas de adultos.5 3 3 1 i) j) § 1º . por dois anos Carneiros e Catacumbas de adultos. por dois anos PERPETUIDADE: Carneiros de adultos Catacumbas de adultos Carneiros de anjos Catacumbas de anjos Nichos para quatro ossadas Terrenos para jazigos por área de carneiro Manutenção anual de sepulturas doadas até 6m2 Manutenção anual de sepulturas doadas acima de 6m2 Ufinit 3 2 2 1.Tratando . IV a) b) c) d) e) f) g) h) DIVERSOS: Transferência de carneiros ou catacumbas de adultos (perpétuas) Transferência de carneiros ou catacumbas de anjos (perpétuas) Transferência de nichos Exumação Entrada de ossos vindos de outros cemitérios Entrada de ossos vindos dos cemitérios da municipalidade Saída de ossos para outros cemitérios Serviço em mármore ou pedra: .em carneiros de adultos .5 Isento 1 0.1 2 1 0. 188 .em carneiros de adultos . por três anos Carneiros de anjos. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. a que se refere o inciso III do artigo 184. o sepultamento e desempenhos de quaisquer trabalhos correlatos.

quando referentes a obras de iniciativa da própria administração. antes do início da execução da obra: 80 . projetos. por pelo menos. Art. saneamento.As multas fiscais incidentes sobre as taxas municipais.§ 2º . sem prejuízo da correção monetária e dos acréscimos moratórios.627 / 9 7) TÍTULO VI DA CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA Art.se. a critério da Administração Municipal. (Renumerado pela Lei 1627 / 9 7) § 2º . 26 – Lei 1. referente ao serviço. especialmente nos seguintes casos: I . 118 desta Lei. 193 .20 UFIR. IV .quando referente a obra solicitada. 2/3 dos proprietários interessados. drenagem.se. sujeitará o infrator à multa de 30% (trinta por cento) sobre o valor da taxa devidamente atualizada quando apurada através de procedimento fiscal.Abertura. nos prazos fixados pelo Poder Executivo. de acordo com a variação do valor unitário das Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional (ORTN). as deduções previstas no art. tendo como limite total de despesa realizada.Arborização e obras paisagísticas em geral.se às multas fiscais. a contribuição de melhoria poderá ser cobrada proporcionalmente ao valor da parte executada.A contribuição de melhoria será determinada pelo rateio proporcional do custo da obra entre todos os imóveis beneficiados. nos prazos em que as mesmas forem devidas. computando . quando apurada através de procedimento fiscal.A falta de pagamento de qualquer taxa de competência do Município. as despesas de estudos. II .Serviços e obras de abastecimento de água potável.As obras ou melhoramentos que justifiquem a cobrança da contribuição de melhoria enquadrar. retificação.á. fiscalização. Art. e outros melhoramentos de vias e logradouros públicos.Quando da autorização para serviços em carneiros ou catacumbas.O não recolhimento de Taxa de Vigilância. além das despesas com sua execução propriamente dita.Os cemitérios terão caráter secular e compete exclusivamente à Prefeitura a sua construção. inclusive financiamento e empréstimos. Art. 196 . 1585 / 9 7 e 1627 / 9 7 ) § 1º . Controle e Fiscalização.Aplicam.Proteção contra inundação. dever. (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3 e 1585 / 9 7 Art. nivelamento. alargamento. impermeabilidade.Ordinário .627 / 9 7) (Vide Art.Quando a obra for concluída gradativamente.Não sendo o prestador do serviço inscrito nesta Municipalidade.Extraordinário .A contribuição de melhoria será cobrada pelo Município. quando não proporcionais. não poderão exceder a 912.ão em dois programas: I . 194 . deverá ser exigido o comprovante de recolhimento de ISS. deverá ser exigida. 192 . instalação de esgotos pluviais e/ou sanitários. Art. (Incluído pela Lei 1.se como custo de obra. e sua polícia administrativa. o número de inscrição da empresa ou profissional no cadastro de contribuintes da Municipalidade. 197 . decorrentes de falta do recolhimento de taxas municipais. III .Para cobrança da contribuição de melhoria. 191 . e poderá ter sua expressão monetária atualizada na época do lançamento mediante aplicação de coeficientes de correção monetária. e como limite individual o acréscimo de valor que da obra resultar para cada imóvel beneficiado. e as decorrentes de operações financeiras. CAPÍTULO VI DAS PENALIDADES Art. retificação e regularização de cursos d'água. para fazer face ao custo de obras públicas de que decora direta ou indiretamente a valorização imobiliária. administração. sujeitará o infrator à multa de 30% ( trinta por cento ) sobre o valor exigível. Parágrafo Único . 195 . (Alterado pelas Leis 1253 / 9 3. e constar do requerimento. pavimentação. II . § 3º .

§ 1º . e nem terá o efeito de obstar a Administração Municipal da prática dos atos necessários ao lançamento e cobrança da contribuição de melhoria. 204 . Art. para impugnação pelos interessados de qualquer dos elementos dele constantes.Na localização e dimensões do imóvel. não inferior a 30 (trinta) dias. 198 . a qualquer título. Parágrafo Único . cabendo ao impugnante o ônus da reserva. Art. Art.As prestações de pagamento da contribuição de melhoria poderão ser mensalmente corrigidas monetariamente. individualmente. inclusive o demonstrativo de custos.Os bens indivisos serão considerados como pertencentes a um só proprietário.No valor da contribuição. e mediante requerimento do interessado. II . a quota relativa à propriedade primitiva será distribuída de forma que a soma dessas novas quotas corresponda à quota global anterior. II . diretamente ou por edital. § 2º . Art. § 1º . e) determinação do fator de absorção da valorização imobiliária da área ou dos imóveis beneficiados. 203 . Art. d) delimitação da área direta ou indiretamente beneficiada e a ralação dos imóveis nela compreendidos. § 1º .Para efetuar os novos lançamentos previstos neste artigo. caberá recurso no prazo de 10 (dez) dias. o lançamento poderá ser desdobrado em tantos outros quantos forem os imóveis em que efetivamente se subdividir o primitivo. para formação do respectivo processo administrativo de instrução e julgamento. no prazo de 10 (dez) dias. 200 .I . 201 .A impugnação será julgada pelo órgão a que se refere o "caput" deste artigo.Quando houver condomínio de edificação dividido em várias unidades. em nome de cada um dos titulares das unidades. ou de vila.Da decisão proferida pelo Secretário Municipal de Fazenda.No número de prestações. IV . 81 . no local.Fixar no Edital prazo não inferior a 30 (trinta) dias a contar de sua publicação.Responde pelo pagamento da contribuição de melhoria o proprietário ou titular do domínio útil do imóvel ao tempo do seu lançamento. para o Prefeito Municipal.A contribuição de melhoria será paga pelo contribuinte em prestações. 199 . Parágrafo Único . do valor da contribuição de melhoria lançada. os proprietários dos imóveis beneficiados deverão ser notificados. III .Publicar edital com os seguintes elementos: a) memorial descritivo do projeto. b) orçamento do custo da obra.A impugnação do lançamento deverá ser apresentada por petição dirigida ao Secretário Municipal de Fazenda para informação ao respectivo processo administrativo.A petição de impugnação não suspenderá o início ou o prosseguimento da obra. conforme fixado na notificação de lançamento. mensais. transmitindo . 202 . deverão ser individualmente considerados os imóveis constantes dos loteamentos aprovados ou fisicamente divididos em caráter definitivo. e terá por objeto reclamação do contribuinte contra erro: I .No cálculo da contribuição de melhoria. da decisão cabendo recurso. com o correspondente plano de rateio entre os imóveis beneficiados. de acordo com a variação do valor unitário das Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional (ORTN).No caso de desmembramento do imóvel já lançado.Por ocasião do respectivo lançamento. deverá ser apresentada por petição dirigida ao órgão Administrativo Municipal que fizer publicar o edital.se esta responsabilidade aos adquirentes ou sucessores. Art. forma e prazo de pagamento. c) determinação da parcela do custo da obra a ser ressarcida pela contribuição. Art. sem efeito suspensivo.A impugnação. e dos elementos que integram o respectivo cálculo. § 2º . e aquele que for lançado terá direito de exigir dos condôminos as parcelas que lhes couberem. para o Prefeito Municipal. de que trata o inciso II do artigo anterior.No cálculo dos índices atribuídos. bem como do prazo para impugnação do lançamento. a contribuição será lançada.

para efeito de incidência desta Contribuição.As prestações de pagamento da contribuição de melhoria poderão ser atualizadas monetariamente na forma prevista no art. em nome de quem seja emitida a guia para pagamento do Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana ou conta de fornecimento de energia elétrica. III – O promissário comprador ou cessionário imitido na posse do imóvel. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) SEÇÃO III DA INCIDÊNCIA Art. operação e fiscalização do sistema de iluminação das vias. a Secretaria Municipal de Fazenda será cientificada para as anotações devida TÍTULO VII DA CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL SEÇÃO I DO CUSTEIO (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) Art. melhoramento.Iniciada que seja a execução de qualquer obra ou melhoramento sujeito à contribuição de melhoria. 82 . mensalmente. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. podendo gozar dos descontos estabelecidos na notificação a que se refere o artigo anterior. públicas ou privadas. destinado à exploração de atividade industrial.C – Consideram . Art. II – O estabelecimento instalado permanentemente nas vias e logradouros públicos. sobre cada uma das unidades autônomas.se beneficiados por Iluminação Pública. os Imóveis edificados ou não. localizados: I – em ambos os lados das vias públicas de caixa única. incluindo instalação. logradouros e demais bens públicos contidos nos limites territoriais do Município. independentemente da forma de distribuição das luminárias. manutenção. III – em todo o perímetro das praças públicas. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2 ) SEÇÃO II DO CONTRIBUINTE E DO RESPONSÁVEL Art. 205. mesmo que as luminárias estejam instaladas em apenas um dos lados.§ 1º .É facultado ao contribuinte antecipar o pagamento das prestações devidas. IV – em escadarias ou ladeiras. vias e bens públicos providos desses serviços. situadas em logradouros. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. e incidirá. ainda que pertencente a qualquer pessoa de direito público ou privado isenta da contribuição.A – A Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (COSIP) será cobrada pelo Município para fazer face ao custeio dos serviços públicos de iluminação. o posseiro e o ocupante a qualquer título do imóvel beneficiário do serviço. por rateio do custo. 205. II – em ambos os lados das vias públicas de caixa dupla quando a iluminação for central. § 2º . 205 . independentemente da forma de distribuição das luminárias. constituídas ou não. comercial ou de serviços. 205. 227 desta lei.B – O sujeito passivo da Contribuição é: I – O proprietário ou possuidor do imóvel a qualquer título.

incidindo. 205. bem como qualquer outro tipo de estabelecimento ou divisão em prédio. 205.0% 83 . tais como casas. e cujo consumo de energia elétrica não exceda a 80 (oitenta) kWh/mês. apartamentos. de acordo com a faixa de consumo.Quando o contribuinte quitar à vista a COSIP juntamente com o IPTU terá os mesmos descontos previstos para o imposto. qualquer que seja sua natureza ou destinação. III – as sociedades beneficentes com personalidade jurídica que se dediquem exclusivamente a atividades assistenciais.0% 2. II – as entidades religiosas. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) Art.0% 4. industrial e de serviços. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) Art. salas. para efeito de cobrança da Contribuição. 205. bem como para melhoria. 149. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) SEÇÃO V DO LANÇAMENTO Art. IV – o contribuinte titular de um único imóvel cadastrado no município com padrão construtivo de baixa renda. cujos centros estejam em um raio de 100 (cem) metros do poste dotado de iluminação pública.Na hipótese prevista no caput .A da Constituição Federal. conforme definido no Art. no tocante aos imóveis destinados aos respectivos templos e as casas paroquiais e pastorais delas integrantes. § 1º . 205. 205.V – ainda que parcialmente. lojas.se imóvel distinto. comercial.G – A COSIP incidente sobre os imóveis não edificados poderá ser lançada e cobrada na mesma guia do IPTU.Fica o Poder Executivo autorizado a firmar convênio com a concessionária de energia elétrica. assim considerado pela AGÊNCIA NACIONAL REGULADORA. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2 ) SEÇÃO IV DAS ISENÇÕES Art. 205. ampliação e expansão desses serviços. para fins do disposto no parágrafo único do Art.D – Considera. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) Art. § 2º . sobre o valor da tarifa básica de energia elétrica fixada pelo governo federal para a iluminação pública: (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) Ite m I Faixas de Consumo (em kWh) RESIDENCIAL a) até 30 b) de 31 a 100 c) de 101 a 200 d) de 201 a 300 COSIP Máxima 0.F – A COSIP será devida em razão do custo total da prestação do serviço. § 2º . atendidos os demais requisitos legais exigíveis. § 1º . dentro de círculos. sem qualquer fim lucrativo.5% 1. § 3º . o valor da contribuição será atualizada pelo mesmo índice aplicado à tarifa básica de energia elétrica para iluminação pública.E – São isentos de Contribuição: I – os Entes Federativos e suas respectivas autarquias e fundações.A.H – A COSIP é devida de acordo com a seguinte tabela. sobrelojas. o valor da contribuição será atualizado nos mesmos prazos e índices aplicados à tarifa básica de energia elétrica para iluminação pública. cada unidade autônoma territorial.Para imóveis constituídos. residencial. boxes.O produto da arrecadação da Contribuição constituirá receita vinculada e destinada ao pagamento do valor da energia elétrica fornecida ao Município e à manutenção do serviço de iluminação pública.

1 5% (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) CAPÍTULO II DAS PENALIDADES Art.1 a 30 3% Acima de 30.0% 2. taxas e contribuições devidos ao Município de Niterói. 84 .II III IV e) de 301 a 400 f) de 401 a 500 g) de 501 a 1000 h) acima de 1000 i) Baixa renda até 80 INDUSTRIAL a) até 30 b) de 31 a 100 c) de 101 a 200 d) de 201 a 300 e) de 301 a 400 f) de 401 a 500 g) de 501 a 1000 h) acima de 1001 COMERCIAL a) até 30 b) de 31 a 100 c) de 101 a 200 d) de 201 a 300 e) de 301 a 400 f) de 401 a 500 g) de 501 a 1000 h) acima de 1001 CLASSE “A” a) até 2000 b) de 2001 a 5000 c) de 5001 a 10000 d) acima de 10001 6. 207 . 206 .0% 11.0% 22.I – O não pagamento da COSIP nos prazos regulamentares sujeitará o infrator à multa fiscal de 20% (vinte por cento).0% 8. sem prejuízo da incidência dos acréscimos moratórios.0% 8. Art.0% 5. 205.0% 15.Este livro estabelece normas aplicáveis a todos os impostos. salvo disposição expressa em contrário.0% 5. sendo considerados como complementares dos mesmos os textos legais especiais.0% 3. (Incluído pela Lei 2040 / 0 2) LIVRO SEGUNDO NORMAS GERAIS TRIBUTÁRIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DO CAMPO DA APLICAÇÃO Art. em princípio.0% 8.0% 9. pela legislação vigente no momento em que tiver lugar o ato ou fato tributável.0% 1.A relação jurídico tributária será regida.0% 10% 13% Isento 2.0% 18.0% 12% 15% 18% 30% 50% 80% 100% Parágrafo Único – A unidade não edificada está sujeita à Contribuição de acordo com a seguinte tabela: Faixas de testada (metro linear) COSIP Máxima Até 12 1% De 12.

determinar a matéria tributável. 85 .O crédito decorre da obrigação principal e tem a mesma natureza desta. à autoridade administrativa constituir o crédito tributário pelo lançamento. II . positivas ou negativas nela prevista. converte. deixe de atender. CAPÍTULO III CRÉDITO TRIBUTÁRIO SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. Art.Quando a declaração não seja prestada por quem de direito.Art. 214 .A obrigação principal surge com a ocorrência do fato gerador. Art. a juízo daquela autoridade.Quando a pessoa legalmente obrigada.se juntamente como o crédito dele decorrente.se a prestá. ou seus efeitos. 217 .O lançamento deverá ser efetuado e revisto de ofício pela autoridade competente. 218 da Lei nº 480 / 8 3.As circunstâncias que modificam o crédito tributário. 209 .A obrigação acessória. da seguinte forma: Art. III . CAPÍTULO II OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA Art. assim entendido o procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente. tem por objeto o pagamento do tributo ou penalidade pecuniária e extingue. nos seguintes casos: (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) I .A obrigação tributária é principal ou acessória. em relação ao Fisco.É ineficaz. pelo simples fato de sua inobservância. ao pedido de esclarecimento formulado pela autoridade administrativa. 210 . Fica incluído o parágrafo único no art. sua extensão. 213 . embora tenha prestado declaração nos termos do inciso anterior. Art. 212 . por declaração de vontade que não emane do poder competente. propor aplicação da penalidade cabível. SEÇÃO II DO NASCIMENTO E APURAÇÃO Art. no prazo e na forma de legislação tributária.lo ou não o preste satisfatoriamente. sendo o caso. a cessão de pagar qualquer crédito tributário.A isenção do tributo ou a imunidade ao mesmo não exonera o interessado de providenciar sua inscrição ou de cumprir qualquer obrigação legal ou regulamentar relativa ao fato gerador. Art. no prazo e na forma da legislação tributária.A obrigação acessória decorre da legislação tributária e tem por objeto as prestações. Art. Art. 218 . decorrente de acordo entre pessoas físicas ou jurídicas. no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos.O crédito tributário não pode ter o seu nascimento obstado. 211 .Quando se comprove falsidade. 41. não afetam a obrigação tributária que lhe deu origem. calcular o montante do tributo devido. 208 . 216 . nem os seus elementos modificados. erro ou omissão a qualquer elemento definido na legislação tributária como sendo de declaração obrigatória. ou que excluem a sua exigibilidade.Complete.Quando a lei assim o determine. Art. IV .se em obrigação principal relativamente à penalidade pecuniária. identificar o sujeito passivo e. ou as garantias ou os privilégios a ele atribuídos. privativamente. recuse. 215 .

ocorreu fraude ou falta funcional da autoridade que o afetou. sem que a Fazenda Municipal se tenha pronunciado. considerados na apuração do saldo porventura devido e. Art. Art. retificar de ofício o lançamento efetuado através de auto de infração. de ato ou formalidade essencial. obrigada a prestar os esclarecimentos e informações solicitadas pelos funcionários fiscais e a exibir. SEÇÃO III DO PAGAMENTO (Vide Lei 1720 / 9 9 .Os atos a que se refere o parágrafo anterior serão. inclusive quando o lançamento for objeto de impugnação.Expirado o prazo de 5 (cinco) dias. sob condição resolutória da ulterior homologação do lançamento. ou de terceiros legalmente obrigado. o pagamento de crédito tributário em cheques.Quando se comprove que o sujeito passivo. considera. de trinta dias a contar do recebimento da notificação. da forma mais ampla e por todos os meios cabíveis.arbitramento. 5 .Ocorreram as hipóteses de: (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) 1 . fraude ou simulação. papel selado. contado da data do fato gerador. 86 . quando por este assim for considerado necessário à fiscalização. X .Poderá a administração tributária atribuir ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prévio exame da autoridade competente. VIII . ou omissão.Cabe ao Município o direito de pesquisar. salvo as exceções previstas em lei especial. os livros. 2 . ficando. Art. carnês. os elementos necessários à liquidação do crédito tributário. VII .diferença de tributo. nos termos deste artigo.O pagamento antecipado pelo obrigado. ou terceiro.parcelamento dos créditos tributários) (Vide CTN 155A e Lei Complementar 104 / 0 1) Art. aos mesmos.Quando deva ser apreciado fato não conhecido ou não provado por ocasião do lançamento anterior.se homologado o lançamento e definitivamente extinto o crédito.O Poder executivo estabelecerá. inclusive mercadorias. contribuinte ou não.V .Não influem sobre a obrigação tributária quaisquer atos anteriores à homologação.estimativa. Parágrafo Único . em conseqüência. em benefício daquele. no lançamento anterior. até a decisão de primeira instância. § 3º . 219 . em moeda corrente no País.Os créditos tributários devem ser solvidos. Parágrafo único.Quando se comprove ação ou omissão do sujeito passivo. sendo obrigatórias a cientificação do sujeito passivo através de notificação específica e a concessão de prazo.divergência com as normas legais ou regulamentares. 222 . Art. visando à extinção total ou parcial do crédito. sendo o caso. mediante autorização do chefe imediato. VI .Quando se comprove que. para novo recurso. no seu estabelecimento. em ato normativo.Os prazos de pagamento dos tributos devidos ao Município serão fixados por ato da administração. documentos. 221 . fraude ou simulação. toda e qualquer pessoa. salvo se comprovada a ocorrência de dolo.las na repartição competente. porém. pela mesma autoridade. bens móveis e imóveis. ou sua graduação. 220 . e IX . na imposição de penalidade. promissórias. caso não as receba no prazo normal. no exercício da atividade a que se refere o artigo seguinte. desde que tenham sido feitas publicações dando ciência ao público da emissão das citadas guias. 223 .Quando se comprove omissão ou inexatidão por parte da pessoa legalmente obrigada. agiu como dolo. § 1º .O pagamento do tributo dos tributos deve ser feito nas repartições municipais ou a estabelecimentos bancários devidamente autorizados a receber. 3 . § 2º . Parágrafo Único .erro de fato. extingue o crédito. ou por processo mecânico.A praxe de remessa de guias de pagamento ao contribuinte não o desobriga de procurá. 4 . que d6e lugar à aplicação de penalidade pecuniária. praticados pelo sujeito passivo ou por terceiros. Poderá o fiscal autuante. § 4º .

tributários ou não ficarão sujeitos à atualização monetária.Aplica.se em conta. 227 . quando não pagos nas datas dos respectivos vencimentos. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) § 1º .No caso de créditos fiscais. não exonerado o contribuinte de qualquer diferença que venha a ser apurado de acordo com o disposto na lei. levando. de 30 de dezembro de 1991. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) 87 . para cobrança de seus créditos fiscais. aos valores que estiverem expressos em UFINIT ou UFIR em atos administrativos referentes à cobrança de tarifas e preços públicos pelo Município diretamente. (Renumerado pela Lei 1627 / 9 7 )” Art.Os créditos da Fazenda Municipal. 228 . por culpa do contribuinte.UFIR. será baixado ato fixando os prazos de pagamentos dos tributos para o exercício seguinte. ou através de concessionárias ou permissionárias de serviços públicos. aos valores dos tributos lançados de ofício a 1º de janeiro de cada exercício fiscal. § 2º . (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) SEÇÃO IV DA CORREÇÃO MONETÁRIA E DA MORA Art.se a equiparação da UFINIT a UFIR. Art. desde que ainda não inscrito no Serviço de Dívida Ativa. ou qualquer outra que venha a substituí . (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) § 2º . de 27 de dezembro de 1996. instituída pela Lei Federal 8383. 225 . de forma que uma UFINIT eqüivale a 45. tributários ou não.O pagamento não importa em quitação do crédito tributário. apurados ou aplicados posteriormente à época normal que isso deveria ter sido feito.O Município utilizará a Unidade Fiscal de Referência. com multa de 10% sobre o saldo devedor devidamente atualizado. valendo somente como prova de recolhimento da importância referida na guia e. não importa em presunção de pagamento de créditos anteriores.financeira do sujeito passivo.Até o dia 30 de dezembro de cada ano.61 UFIR. originados de tributos ou multas. será feita a atualização dos ditos créditos.(Alterado pelas Leis 1253 / 9 3 e 1627 / 9 7) Parágrafo Único . REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.O conhecimento de pagamento de crédito. de acordo com o disposto pelo art. Redação antiga : “Art. as parcelas já quitadas. em conseqüência. § 1º .la.O Poder Executivo poderá permitir. ainda que essa apuração ou aplicação se deva à iniciativa do mesmo. Art.A correção monetária prevista nos artigos anteriores. em caráter excepcional. 1º da Lei Municipal 1561.se. Art. tendo em vista a situação econômico. 229 . também atualizadas.Esses prazos poderão ser alternados por superveniência de fatos que justifiquem essa alteração. não implica na exoneração dos acréscimos moratórios e das multas que serão devidas sobre o crédito fiscal atualizado. também a atualização monetária.O débito de parcelamento com atraso superior a sessenta dias será reativado por autuação fiscal. ficam sujeitos à atualização monetária quando não pagos nas datas dos respectivos vencimentos. bem como de outros referentes a tributos diversos. 227 – Os créditos da Fazenda Municipal. 226 .Será aplicada também a atualização monetária conforme o § 1º.§ 1º . Art. 224 . § 2º . o pagamento parcelado de créditos tributários já vencidos. a data em que os mesmos deveriam ter sido pagos se feita sua apuração na época própria. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.Do saldo a que se refere o parágrafo anterior serão deduzidas. anualmente. observando . para tanto. nas mesma condições e periodicidade adotadas pela União Federal.

Parágrafo Único - As multas devidas, não proporcionais, ou as que forem decorrentes do não cumprimento de obrigações acessórias, serão atualizadas a partir do prazo estabelecido para o pagamento das mesmas. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) Art. 230 - As disposições dos artigos aplicam- se quaisquer créditos fiscais anteriores a essa Lei, apurados ou não. Art. 231 - A falta de pagamento dos tributos nos prazos fixados pelo regulamento, sujeitará o contribuinte aos seguintes acréscimos moratórios: (Alterado pelas Leis 521 / 8 4, 587 / 8 5, 992 / 9 1, 1585 / 9 7, 1606 / 9 7, 1627 / 9 7 e 1765 / 9 9 ) I - até 30 dias de atraso 2% (dois por cento); II - de 31 a 60 dias de atraso 4% (quatro por cento); III - de 61 a 90 dias de atraso 8% (oito por cento); IV - de 91 a 120 dias de atraso 15% (quinze por cento); V - mais de 120 dias de atraso 20% (vinte por cento). § 1º - Os créditos não pagos nos exercícios financeiros em que forem devidos, além dos acréscimos moratórios previstos neste artigo, sofrerão incidência de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês ou fração, calculados até a data do pagamento, calculados até a data do pagamento, observado o limite máximo de 20% (vinte por cento). REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2, com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.

Redação antiga : “§ 1º - Os créditos não pagos no exercício financeiro em que forem devidos, além dos acréscimos moratórios previstos no caput , sofrerão incidência de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês ou fração, calculados até a data do pagamento, considerando - se: (Alterado pela lei 1765 / 9 9 ) I - mês, o período iniciado do dia 1º e findo no respectivo último dia útil; II - fração, qualquer período de tempo inferior a um mês, ainda que igual a um dia.” § 2º - Os acréscimos previstos no presente artigo aplicar- se- ão aos créditos tributários pretéritos não definitivamente julgados, entendendo- se como tal os decorrentes de obrigações tributárias impugnadas administrativamente e também aqueles que fundamentam certidões de Dívida Ativa passíveis de reforma, ainda se ocorrido o disposto no Art. 8º da Lei 6830 /80. (Alterado pela lei 1765 / 9 9) REDAÇÃO dada pela Lei1627 / 9 7, em vigor até 31 / 1 2 / 1 9 9 9 § 1º - Os créditos fiscais não pagos no exercício em que forem devidos, além dos acréscimos moratórios previstos neste artigo, sofrerão incidência de juros de 1% (um por cento), ao mês ou fração, até o pagamento. (Renumerado pela Lei 1627 / 9 7) § 2º - Os acréscimos previstos no "caput" deste artigo serão aplicados retroativamente, em se tratando de créditos tributários não definitivamente julgados, entendendo- se como tal, os decorrentes de obrigações tributárias impugnadas administrativamente, e também, aquela que fundamente certidões de dívida ativa passíveis de reforma, e ainda, de acordo com o disposto no § 8º da Lei 6.830, de 22 de setembro de 1980. (Incluído pela Lei 1627 / 9 7 ) Art. 232 - No caso de tributos recolhidos por iniciativa do contribuinte, sem lançamento prévio pela repartição competente, e sem o recolhimento concomitante das multas ou qualquer outro acréscimo moratória, essa parte acessória do débito passará a constituir débito autônomo, sujeito à atualização do valor e acréscimos moratórios, de acordo com as regras comuns, bem como às multas cabíveis. Art. 233 - Não se considera em mora o contribuinte quando tenha deixado de efetuar o pagamento de tributos no prazo legal ou regulamentar, em virtude de decisão da autoridade Fiscal competente. Parágrafo Único - Se a administração modificar a sua orientação, passará o contribuinte a incidir em mora, caso não efetue o pagamento do tributo devido, no prazo legal ou que lhe for concedido. Art. 234 - A consulta sobre matéria tributária quando protocolada de acordo com as normas regulamentares, suspende o curso da mora. Parágrafo Único - Recomeçará o curso da mora tão logo termine o prazo fixado ao contribuinte para cumprir a solução dada à consulta, prazo esse que não poderá ser inferior a 10 (dez) dias.

88

Art. 235 - A reclamação ou a impugnação a crédito fiscal, o recurso ou pedido de reconsideração de decisão proferida em processo fiscal, ainda que em caso de consulta, não interrompem o curso da mora. Art. 236 - Se, dentro do prazo fixado para pagamento, o contribuinte depositar nos cofres da pessoa de direito público, a qual devesse efetuar o pagamento, a importância que julgue devida, o crédito fiscal não ficará sujeito à atualização de seu valor, nem sobre ele serão devidos multas ou qualquer acréscimo moratório, até o limite da importância depositada. Parágrafo Único - Quando o depósito for feito fora do prazo, deverá o contribuinte recolher, juntamente com o principal, a multa ou qualquer acréscimo moratório já devido nessa oportunidade.

Art. 237 – REVOGADO. (Pela Lei 1585 / 9 7 )

SEÇÃO V DO DEPÓSITO Art. 238 - O depósito referido no artigo 236 poderá ser de duas espécies: I - Depósito livre, isto é, o feito espontaneamente pelo contribuinte para evitar os efeitos da mora, haja ou não exigência do pagamento por parte do Fisco; e II - Depósito vinculado, isto é, o feito quando a lei ou regulamento o considerar indispensável para que o contribuinte possa praticar qualquer ato de seu interesse. Art. 239 - O depósito livre não ficará vinculado ao débito fiscal, e em conseqüência: I - Poderá ser levantado pela simples manifestação de vontade do depositante; e II - Não obstará o prosseguimento do processo de cobrança do crédito fiscal, nem aplicação de multas de caráter penal. Parágrafo Único - O depósito livre não está sujeito à atualização do seu valor ou a multa ou a qualquer acréscimo moratório, quando desenvolvido, salvo se forem criados embaraços à sua devolução, caso em que se aplicarão as regras de repetição de pagamentos. Art. 240 - No caso de devolução do depósito vinculado, por ter sido reconhecido o direito do depositante, será atualizado o seu valor acrescido dos juros de 1% (um por cento) ao mês, a contar da data do depósito, até a data em que tenha nascido o direito do depositante de pedir sua devolução. Parágrafo Único - Pedida a devolução do depósito, o curso da mora se reiniciará 90 (noventa) dias depois da entrega do pedido.

SEÇÃO VI DA RESTITUIÇÃO DO INDÉBITO

Art. 241 - As quantias recolhidas aos cofres municipais em pagamento de créditos fiscais indevidos, em face da lei, serão restituídos, independentemente de protestos, ou da prova de erro nos seguintes casos: (Vide lei 1386 / 9 5 – ITBIM) I - Cobrança ou pagamento espontâneo do tributo indevido ou maior que o devido em face da legislação tributária aplicável, ou da natureza ou circunstâncias materiais do fato gerador efetivamente ocorrido; II - Erro na identificação do sujeito passivo, na determinação da alíquota aplicável, no cálculo do montante do débito ou na elaboração ou conferência de qualquer documento relativo ao pagamento; e III - Reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisões condenatória. Art. 242 - A restituição de tributos que comportem por sua natureza transferência do respectivo encargo financeiro somente será feita a quem prove haver assumido o referido encargo, ou, no caso de tê- lo transferido a terceiro, estar por este expressamente autorizada a recebê- lo. Art. 243 - A restituição total ou parcial do tributo dá lugar à restituição, na mesma proporção, da correção monetária, dos acréscimos moratórios e das multas, exceto as referentes a infração de caráter formal não prejudicadas pela causa da restituição; ficando a importância a ser restituída sujeita à correção monetária a partir da data do pagamento indevido. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3

89

§ 1º - A restituição vence juros não capitalizáveis, a partir do trânsito em julgado da decisão definitiva que a determinar. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) § 2º - Cessará a contagem da correção monetária e dos acréscimos moratórios na data da ciência ao interessado de que a importância está à sua disposição. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3 ) § 3º - Considera- se cientificado o requerente na data da publicação do despacho que autorizar o pagamento do crédito a ser restituído. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3) § 4º - Nos indébitos apurados por iniciativa da autoridade fiscal, não será considerada a correção monetária e nem os acréscimos moratórios. (Incluído pela Lei 1253 / 9 3) Art. 244 - O direito de pleitear a restituição extingue- se com o decurso do prazo de 5 (cinco) anos, contado: I - Nas hipóteses dos incisos I e II do artigo 241 da data da extinção do crédito tributário; e II - Na hipótese do inciso III do artigo 241, da data em que se tornar definitiva a decisão administrativa ou passar em julgado a decisão judicial que tenha reformado, anulado, revogado ou rescindido a decisão condenatória. Parágrafo Único - Poderá ser autorizada a utilização do indébito para amortização de débitos futuros. SEÇÃO VII DA COMPENSAÇÃO (Vide Lei 1764 / 9 4 – prazo para requerer até 08 / 0 1 / 2 0 0 0 ) Art. 245 - É facultado ao Poder Executivo, mediante as condições de garantia que estipular para cada caso, através de lei especial, efetuar a compensação de créditos tributários com créditos líquidos e certos, vencidos e vincendos, do sujeito passivo, contra a Fazenda Municipal. Vide Lei 1764 / 9 9 Art. 246 - Atendendo à natureza e ao montante do tributo a ser restituído, poderá o Secretário Municipal de Fazenda determinar que a restituição se processe através da fórmula de compensação de crédito.

SEÇÃO VIII DA TRANSAÇÃO (Vide Lei 1690 / 9 8 – Transação com a PONTE S/A) Art. 247 - É facultada a celebração entre o Poder Executivo e o sujeito passivo da obrigação tributária, de transação para terminação do litígio e conseqüente extinção de créditos tributários, mediante concessões mútuas, determinadas por lei específica.

DA REMISSÃO (Vide Lei 1683 / 9 8: IPTU, Taxa de Limpeza e Conservação De Vias e Logradouros Públicos de 1998 e Anteriores) (Vide Lei 1765 / 9 9: Remissão de créditos tributários inscritos na Dívida Ativa, ajuizados ou não, até 1996, cuja certidão não ultrapasse 250 UFIRs) Art. 248 - Fica o Poder Executivo autorizado a conceder remissão total ou parcial do crédito tributário, tendo em vista os seguintes princípios: I - A situação econômica do sujeito passivo; II - O erro ou ignorância escusável do sujeito passivo, quanto à matéria de fato; III - A diminuta importância do crédito tributário; IV - Considerações de eqüidade, em relação às características pessoais ou materiais do caso; e V - As condições peculiares à determinada região do território da entidade tributante.

CAPÍTULO IV DA DÍVIDA ATIVA

90

O número do processo administrativo de que se originar o crédito. indicará.O termo de inscrição da Dívida Ativa deverá conter obrigatoriamente: I .O termo de inscrição da Dívida Ativa. sempre que possível. assim como a respectiva fundamentação legal e o termo inicial para o cálculo da mesma.Se. II . o domicílio ou residência de um e de outro. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) Art. nem prejudica a ação penal. em que seja fundado.O número do processo administrativo ou do Auto de Infração. 253 . (Alterado pela Lei 1253 / 9 3 ) Art.O Termo de Inscrição e a Certidão da Dívida Ativa poderão ser preparados e numerados por processo manual.A data e o número da inscrição no registro da Dívida Ativa.se. 255 . 254 . e. III . com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3.Constitui Dívida Ativa a proveniente de crédito dessa natureza. a natureza e o fundamento legal ou contratual da dívida. Art. obrigatoriamente: I .O nome do devedor. Parágrafo Único . mencionada especificamente a disposição da lei. bem como. houver também infração por falta de pagamento de tributo ou de diferença de tributo.No caso em que o contribuinte recolha o principal do débito fiscal sem os acréscimos moratórios. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2.A data em que foi inscrita. quando acompanhada do pagamento do tributo atualizado e dos respectivos acréscimos moratórios ou quando seguida do depósito da importância arbitrada pela autoridade fiscal.A quantia devida e a maneira de calcular a multa de mora. § 2º . autenticado pela autoridade competente.Art. 252 . além dos requisitos deste artigo. será o infrator passível de multa por ambas as infrações. 249 . os dos co. se neles estiver apurado o valor da dívida. Art. sempre que o montante do crédito dependa de apuração. Art.A origem. 250 . III . V .á até 60 (sessenta) dias após transcorrido o prazo para cobrança amigável.A certidão conterá. se tiver sido iniciada a ação fiscal.A denúncia espontânea da infração exclui a aplicação de multa. assim como o termo inicial e forma de calcular os acréscimos moratórios e demais encargos previstos em lei ou contrato. § 1º .responsáveis e. dos co.A Certidão da Dívida Ativa conterá os mesmos elementos do termo de inscrição e será autenticada pela autoridade competente.” CAPÍTULO V DA PENALIDADE Art. IV . 91 .O nome do devedor.responsáveis. II – O valor originário da dívida. 251 . nem impede a cobrança do tributo porventura devido.A imposição de qualquer penalidade ou o pagamento da multa respectiva não exime o infrator do cumprimento da obrigação que deu causa à mesma. Redação antiga: “Art. de acordo com as normas comuns que regem as aplicações das penalidades. sempre que conhecido. IV – A indicação de estar a dívida sujeita à atualização monetária. 251 . V . sendo o caso. VI . o domicílio ou residência de um e de outros. regulamente inscrito na repartição administrativa competente. como débitos autônomos. depois de esgotado o prazo fixado para pagamento por lei ou por decisão final proferida em processo regular. a indicação do Livro e da Folha de Inscrição. será passível das mesmas multas sobre esses acréscimos.A origem e a natureza do crédito. mecânico ou eletrônico.A inscrição do débito da Dívida Ativa far. sendo o caso. se cabível no caso. concomitantemente com uma infração de dispositivo de caráter formal. ou da multa fiscal.

dentro do prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis. à multa de 10 (dez) UFINIT. no mínimo de 1 (uma) UFINIT. ou não anotarem suas características nos registros que efetuarem. Art.ão multas de R$ 137. 258 – Àquele que.O não atendimento da terceira intimação. 256 da Lei nº 480 / 8 3. ficam sujeitos. ficarão sujeitos à multa equivalente ao débito não pago.Nos casos de infração às obrigações constantes de dispositivos legais ou regulamentares.As multas serão graduadas de acordo com a gravidade da infração. adulterarem ou criarem outro vício de forma em quaisquer livros ou documentos fiscais. ou não transcreverem os ditos documentos nos instrumentos que lavrarem ou expedirem. § 2º . Art. dentro do prazo máximo de 5 (cinco) dias.O arbitramento "ex offício" não impede o Fisco de continuar intimado o contribuinte e aplicandolhes as multas previstas neste artigo. 258 – Àquele que. 256 . estará sujeito à aplicação das seguintes penalidades: Redação antiga: “Art.80 (um mil e trezentos e setenta e dois reais e oitenta centavos). inclusive mercadorias ou seus estabelecimentos aos funcionários fiscais. 260 – Poderão ser apreendidas: I – Quando na via pública. de exibir livros e documentos. CAPÍTULO VI DAS APREENSÕES Art. e b) quaisquer objetos utilizados como meio de propaganda. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. para os quais não estejam previstas penalidades específicas. e com a importância desta para com os interesses da arrecadação. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. 259 – Os que falsificarem. § 1º . § 1º . serão aplicadas as seguintes multas:” I – R$ 120. de exibir livros e documentos ou de mostrar bens móveis ou imóveis.se. §2º Os valores das multas previstas na legislação tributária serão corrigidas observado o disposto na Lei nº 1813/ 00. serventuários.28 (cento e trinta e sete reais e vinte e oito centavos) a R$ 1. inclusive mercadorias ou seus estabelecimentos aos servidores fiscais. os objetos ou mercadorias: 92 .36 (duzentos e quarenta reais e trinta e seis centavos) pelo não atendimento de cada uma das intimações subseqüentes. 257 . quando solicitados pelos mesmos. dificuldade ou impedimento à ação do Fisco. nos casos em que a lei determine sua exigência. deixar de prestar esclarecimentos e informações. da seguinte forma: Art. quando solicitados pelos mesmos. ou de mostrar bens móveis ou imóveis. ou que deixarem de exibir certificado de não existência de débitos fiscais apurados. funcionários públicos. funcionários do registro do comércio e quaisquer outras autoridades ou funcionários que deixarem de exigir a prova de pagamento ou certificado de imunidade ou de isenção de tributos relativos a atos ou fatos translativos de bens ou direitos sujeitos à tributação. pelo descumprimento de cada ato. em virtude dessa omissão. além da sanção aplicável pelo imposto porventura não recolhido ou sonegado.18 (cento e vinte reais e dezoito centavos) pelo não atendimento do primeiro pedido.42 Fica renumerado o parágrafo único e incluído o parágrafo 2º no art. II – Em qualquer caso. a critério da autoridade competente. sujeitará o infrator à multa de 10 (dez) UFINIT.Art. Art.As autoridades judiciárias. bem como qualquer ação ou omissão do sujeito passivo que implique em embaraço. a contar do primeiro dia útil subseqüente ao dia em que foi lavrada a intimação. deixar de prestar esclarecimentos e informações.372. se não tiverem sido pagos os tributos respectivos: a) os veículos. aplicar. ou de outras posteriores. II – R$ 240.

264 – O infrator que se negar a indicar o nome dos outros infratores relacionados com o ato irregular que tiver praticado. para efeitos de retenção do imposto. II – Os bancos. pelos débitos do "de cujus" existentes à data da abertura da sucessão. mistério. ficará obrigado ao pagamento da multa a que estariam sujeitos estes infratores. o sujeito passivo. limitada esta responsabilidade ao montante do quinhão. possa ser identificado o seu destinatário. IV – Os corretores. e V – As pessoas jurídicas resultante de cisão. além daquela pela qual for responsável como decorrência da infração por ele cometida. atividade ou profissão. ainda que alcançadas por imunidade ou isenção tributárias. III – As empresas de administração de bens. ofício. não identificados pelos agentes da fiscalização. prova de quitação. entretanto. sem que. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) § 1º . fusão. pelos débitos das sociedades extintas à data daqueles atos. negócios ou atividades de terceiros: I – Os tabeliães. por lei ou regulamento deva acompanhar o objeto ou a mercadoria. são obrigados a prestar à autoridade administrativa todas as informações de que disponham em relação aos bens.A obrigação solidária é inerente a todas as pessoas físicas ou jurídicas. d) se o detentor. origem e destino. podendo. IV – A pessoa jurídica resultante de sucessão. remetente ou destinatário não estiver inscrito na repartição competente. ficam obrigadas à inscrição no cadastro fiscal da Secretaria Municipal de Fazenda. e VII – Quaisquer outras entidades ou pessoas que a lei designe em razão de seu cargo. 263 – Todas as pessoas jurídicas que se utilizem de serviço de terceiros realizados no Município. escrivães e demais serventuários de ofício.a) cujo detentor não exiba à fiscalização documento fiscal que comprove sua origem. caixas econômicas e demais instituições financeiras. efetuar o pagamento do imposto incidente sobre o serviço antes de iniciado o procedimento fiscal. III – Os livros. b) quando transitarem. II – O espólio. salvo quando constar do título de transferência. quanto ao imposto relativo aos serviços de que forem parte. Art. 265 – Mediante intimação escrita. Art. nos casos em que a lei ou regulamento e exigir. quando couber. função. e) se existirem indícios veementes de fraudes em face à lei ou regulamento fiscal. CAPÍTULO VII DA RESPONSABILIDADE Art. Art. cuja existência seja certa em virtude da natureza da operação. Parágrafo Único – A obrigação prevista neste artigo não abrange a prestação de informação quanto a fato sobre os quais informante esteja legalmente obrigado a observar segredo em razão de cargo. casas bancárias. ofício. V – Os inventariantes. leiloeiros e despachantes oficiais. 261 – São pessoalmente responsáveis: I – O adquirente de imóvel. documentos ou quaisquer outros papéis que constituam prova de infração a dispositivos legais ou regulamentares. TÍTULO II 93 . ministério. legado ou meação. ainda que acompanhados de documentos fiscais. quando a isso obrigado. c) se houver anotações falsas nos livros e documentos fiscais com eles relacionados. § 2º . e que. Art.A solidariedade não comporta benefício de ordem. mesmo que não sujeitas ao imposto sobre serviços. função. atividade ou profissão. pelos débitos do alienante. III – O sucessor a qualquer título e o cônjuge meeiro pelos débitos do espólio existentes à data da partilha ou adjudicação. pelos débitos da sociedade cindida. aqueles que tenham interesse comum na situação que constitua fato gerador da obrigação principal. 262 – São solidariamente obrigados perante a Fazenda Municipal. no entanto. inclusive quanto ao preço. atingido por seus efeitos. comissários e liquidatários. VI – Os síndicos. transformação ou incorporação.

227 desta Lei. observado o disposto neste artigo. § 3º . com exceção para os contribuintes inadimplentes inscritos ou não na Dívida Ativa.Fica mantida a Unidade de Valor Fiscal do Município de Niterói .Excepcionalmente. que comprovem renda até 5 (cinco) salários mínimos no País.09. estes índices passam a Ter a seguinte equivalência em moeda corrente na data da publicação desta Lei.se que cada UFINIT equivale a 45. (Alterado pela Lei 734 / 8 9) § 4º . inclusive parcelamento de débitos fiscais. 587 / 8 5. considerando . 267 da Lei nº 480 / 8 3. no 1º semestre do exercício de 1989. (Alterado pela Lei 734 / 8 9 )” 94 . (Alterado pela Lei 734 / 8 9 ) § 6º . Art. fixação de faixas e limites de tributação. § 2º . bem como para quaisquer outros cálculos previstos na legislação municipal. para lançamento e cobrança dos tributos municipais. Fica incluído o parágrafo 7º no Art. 29 da Medida Provisória nº 1973 . §4º REVOGADO §5º REVOGADO §6º REVOGADO §7º Fica o Poder Executivo autorizado a publicar tabela anual com os valores correspondentes à atualização dos valores constantes nesta lei . (Alterado pela Lei 734 / 8 9) § 2º . de acordo com o art. deverão ser convertidos em Reais. 730 / 8 8. (Alterado pelas Leis 521 / 8 4. com a seguinte redação: Art. Redação antiga: “Art. do Estado e de outros Municípios.Ao valor de R$ 1. 267 .61 UFIR. na forma prevista no art. que era o valor de UFIR.R$ 1. para a solução dos seguintes assuntos: I – Adoção de um único cadastro . que estiveram fixados em Unidade de Valor Fiscal do Município de Niterói (UFINIT). 734 / 8 9 e 1253 / 9 3) § 1º . 266 – O Município de Niterói poderá firmar convênio com o Governo da União. REDAÇÃO dada pela Lei 2045 / 0 2. § 1º . e considerando a atualização monetária aplicada sobre a UFINIT e UFIR.O valor fixado para a UFINIT poderá ser arredondado para a casa centesimal imediatamente superior sempre que seu cálculo implicar a ocorrência de milésimo da unidade monetária.Em nenhuma hipótese.fiscal. com vigência a partir de 01 / 0 1 / 2 0 0 3. (Alterado pela Lei 1253 / 9 3) § 3º .67. ressalvado o dispostos nos §§ 1º e 2º. 43. observado o disposto no § 1º: a) uma UFINIT – R$ 60. fixação de faixas e limites de tributação. e III – Requisição de pessoal fazendário especializado. de 27 de dezembro de 1996. será aplicado o índice de atualização monetária adotado pelo Município. a UFINIT será reajustada trimestralmente. bem como para quaisquer outros cálculos previstos na Legislação Municipal. quando da sua extinção na forma do § 3º do art. desconsiderada em seu cálculo.2208. conforme dispõe o art. 1º da Lei nº 1561.Os valores que estiveram fixados em UFIR na legislação tributária do Município serão convertidos em Reais. II – Utilização do mesmo sistema de processamento de dados para controle e fiscalização de tributos. a fixação do valor da UFINIT impedirá a incorporação futura da perda monetária decorrente da inflação anterior.O valor da UFINIT será reajustado no último decênio de cada mês. na legislação tributária ou não do Município.641.UFINIT.A UFINIT será também utilizada para efeito de cálculo de multas. 227 dessa Lei. conforme previsto neste artigo. base de cálculo de tributos. b) uma UFIR . § 5º .DISPOSIÇÕES FINAIS Art. para vigorar no mês seguinte.Para efeito de cálculo de multas.O valor da UFINIT será o resultado da aplicação sobre o seu valor originário do índice de atualização de créditos fiscais que for aprovado e publicado pela Secretária de Finanças e Desenvolvimento Econômico. 267 – Os valores correspondentes a tributos municipais e outros.

poderão optar por calcular o imposto relativo aos fatos geradores ocorridos no período entre 1º de agosto e 31 de dezembro de 2003 pela forma prevista no caput do art. são proibidos de transacionar. o inciso I e suas alíneas a e b do art. o art. 2º. artigos 91 e 135 da Lei 140/ 78. 2º da Lei nº 1698. e. h.Aqueles que. 128 da Lei nº 480 /83 com a redação dada pelo art. Domingo ou feriado. com as repartições públicas ou autarquias municipais. 45.Os prazos previstos neste Código contar. os incisos IX. 5º. XI. 273 . b. desde que o devedor não tenha feito prova do pagamento da dívida ou de ter iniciado. o parágrafo único do art. 270 . 126 da Lei nº 480 /83 com a redação dada pelo art. e demais disposições em contrário.Fica o Poder Executivo autorizado a baixar os regulamentos necessários ao fiel cumprimento dos dispositivos constantes da presente Lei. 10 da Lei nº 2045/ 02. § 1º . o art. o parágrafo único do art. 1º da Lei nº 2044 / 02. ficam sujeitos à multa equivalente a 10 (dez) UFINIT por dia em que continuar no exercício de suas atividades. 6º da Lei nº 1765. com a redação dada pelo art. produzindo seus efeitos a partir 1º de janeiro de 1984. 66 da Lei nº 480 /83 com a redação dada pelo art. o parágrafo 2º do art. § 2º . 408 /82. a decisão condenatória. 67 da Lei nº 480/83. 55 da Lei n° 480 /83. poderá ser interditado o estabelecimento do contribuinte que não estiver legalizado com a municipalidade. XII. revogadas as seguintes Leis: 138 /77. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. g. dandolhe o prazo máximo de 10 (dez) dias para o cumprimento da obrigação. o art. VI. em Juízo. 68 da Lei nº 480 /83 com redação dada pelo art. a ação anulatória do ato administrativo. a qualquer título. o art. com redação dada pelo art.se. o dia inicial. nos termos dos parágrafos 1º e 2º do art. que os devedores tenham com o Município e suas autarquias. 271 . inclusive os fiadores. Art. Art. 69 da Lei nº 480 /83 com a redação dada pelo art. 304/ 81. 59. § 1º . X. 4º da Lei nº 1766 / 99. 13 da Lei nº 1627 / 97. c. 23 da Lei nº 2045. 268 . 83 da Lei nº 480/83. as alíneas a. d. 8º da Lei nº 2045 /02. 272 . o art. 12 da Lei nº 1253 /93. 44. 209/79. Os contribuintes definidos como sociedades profissionais. i e j do inciso XVI e os parágrafos 1º. 65. Parágrafo Único .As multas oriundas da infração do artigo anterior terão propriedade na inscrição da Dívida Ativa. os incisos I. Art. na esfera administrativa.ão por dias corridos. 1º da Lei nº 549 /85.A interdição não exime o faltoso do pagamento do imposto devido e das multas que lhe forem aplicáveis. o art. artigos 1º e 2º da Lei 392 /82. Art. § 2º . a participação em concorrência pública. 58 da Lei nº 480 /83 com redação dada pelo art.A declaração de remisso será feita pela Secretaria Municipal de Fazenda. 21 da Lei nº 2045 e o parágrafo 1º do art.Os devedores. depois de afixado o edital de interdição. f. 66 da Lei nº 480/83 com redação dada pelo art. 7º e 9º do art. mediante a lavratura de sucessivos atos de infração. 56. 3º e o art.á para o primeiro dia útil. 6º da Lei nº 1471 /95. 1º da Lei nº 1776 /99 e pelo art.A proibição de transacionar compreende o recebimento de qualquer quantia ou crédito. 274 – Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 333 /81. Art. 192/ 79. o §7º do art. 63 da Lei nº 480/83. de acordo com a lei. 11 da Lei nº 1627 /9 7 e pelo art. o art. 63 da Lei nº 480 /83 com a redação dada pelo art. II e III e o parágrafo único do art. Art. 60. 66 da Lei nº 480 /83 ou pela regra geral definida no art. 88 da Lei nº 480 /83 com a redação dada pelo art. no prazo. 16 da Lei nº 2045/ 02. o parágrafo único do art. o art. 118 da Lei nº 480/83 com a redação dada pelo art. o art.A interdição será precedida de notificação expedida ao responsável pelo estabelecimento. 15 da Lei nº 1627 e pelo art. 6º da Lei nº 1606 / 97. os parágrafos 1º e 2º do art. após decorridos 30 (trinta) dias em que se tornar irrecorrível. 2º da Lei nº 1698 /98. 6º. 95 .Não será computado. o art. declarados remissos. Art.Art. o vencimento do prazo que terminar em Sábado. 6º da Lei nº 1627/ 97. 81 da Lei nº 480/83 com a redação dada pelo art. Art. o art.A juízo da autoridade administrativa. coleta ou tomada de preços e quaisquer outros atos que importem transação. ficando revogados o art. 62. a Lei nº 1776 /99. 269 . continuarem a exercer suas atividades.se. 2º. e prorrogar .

96 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful