Você está na página 1de 2

Jacqueline C. de O.

Manfredi RH1

Anlise crtica do filme: Quanto vale ou por quilo?


Um filme que deve ser visto com olhar crtico, a fim de absolver as diversas mensagens que transmite. Comearemos analisando a forma com que o mesmo transmitido. Vemos que foram feito vrios recortes do perodo colonial durante todo o filme e estes foram transmitidos imagino que para relacionarmos o que acontecia naquele perodo com o que acontece em nossos dias. Percebemos a veracidade no que mostrado nos dois perodos, onde podemos relacion-los, deixando claro que no acontece da mesma forma como as torturas no perodo colonial, mas de maneira semelhante. Em nosso pas ainda mandam os poderosos e obedecem os desprovidos de poder. Assim como, o racismo algo muito presente e traz uma carga de culpa para muitos, mas de pouca significncia para a grande maioria. No passado os escravos quando libertos no tinham maneira de subsistncia, e quando estavam servindo aos seus senhores no subsistiam, pois eram muito maltratados, as torturas eram usadas a fim de, corrigir o pecado qualquer que fosse ele e tambm para ensinar que o mesmo no podia fugir, desobedecer. Era a coisificao do homem, pois o preo era dado como mercadoria e os mesmo eram vistos como tal, pelos mercadores e fazendeiros. Hoje vemos a similaridade no que tange aos caridosos (aqueles que tm o poder em ONGs) que fazem uso da pobreza alheia, para se promoverem e se beneficiarem, os pobres ficam cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos. Vemos faltam polticas pblicas para que haja mudana na questo dos caridosos, pois havendo polticas pblicas que funcionem no existe a necessidade de pessoas caridosas tomarem para si uma responsabilidade que no lhes cabe, promovendo grandes escndalos como pudemos ver no ms passado com a sada do ministro do esporte e tantos outros casos de corrupo que vemos constantemente divulgados pela mdia.

No pude assistir at o final do filme, mas at onde vi e pelo que me contaram funciona mais ou menos como aquele ditado popular que sempre contam Se no conseguem venc-los junte-se a eles. Penso que muitos so os motivos para que esse ditado popular se cumpra s vezes por temer, por m ndole, por sobrevivncia. No podemos fazer um julgamento dos motivos, mas tambm no podemos aceitar que certas coisas ainda aconteam e ns enquanto sociedade constituda ficamos estticos, vendo as coisas acontecerem sem tomar nenhuma atitude. Precisamos pensar mais, agir conforme nossos ideais e no momento de votar colocar pessoas que sejam idneas (pelo menos at aquele momento no tenham cometido nenhuma irregularidade) e tenham a mesma linha de ideais que possumos. Sendo assim, penso que para esta obra cinematogrfica existem muitos outros pontos que podem ser abordados e debatidos, selecionei neste momento os que foram expostos acima pensando que para mim foram os que mais se destacaram.

Você também pode gostar