Você está na página 1de 14

1

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38

SELEÇÃO DE BIOINDOCADORES PARA MONITORAMENTO DA MOBILIDADE E PERSISTÊNCIA NO SOLO DE HERBICIDAS PRÉEMERGENTES
RESUMO: Os herbicidas se destacam entre os defensivos como um dos mais importantes para se obter altas produtividades em grandes áreas, mas o seu uso exagerado e inadequado tem acarreto consequências ao meio ambiente, uma vez que, quando aplicado em pré-emergência, o mesmo pode sofrer processos de lixiviação. Dentro deste contexto, o presente trabalho teve como objetivo a seleção de bioindicadores adequados para o monitoramento da mobilidade no solo e persistência dos herbicidas amicarbazone, ametryne, clomazone e diuron. Os experimentos foram conduzidos em casa-de-vegetação em Tangará da Serra - MT. Em vasos de polietileno de 250 cm com Latossolo Vermelho distroférrico, foram acondicionadas 10 sementes das espécies bioindicadoras (C. sativus, B. decumbens, S. bicolor), aplicando, em seguida, quatro doses do herbicida nos vasos (100%, 50%, 25% e 12,5% da dose recomendada), além da testemunha (0 kg ha ), com três repetições. Os herbicidas foram aplicados com um pulverizador costal pressurizado por CO2, munido de bicos tipo leque XR110.02, mantido à pressão de trabalho de 2 kgf cm , de modo que a borda superior dos vasos esteja posicionada a 50 cm abaixo da barra de aplicação. Os vasos foram mantidos em condições ambientais adequadas para as espécies. Trinta dias após a semeadura foram cortadas as partes aéreas das plantas, mantidas em estufa de ventilação forçada a 40 ºC, até massa constante, visando à determinação da matéria seca delas. Dentre as espécies de bioindicadores testadas, ficou determinado que a C. sativus foi a que mais obteve maior sensibilidade às concentrações utilizadas de amicarbazone e ametryne no solo. A B. decumbens também obteve uma resposta adequada para biomonitoramento do clomazone e diuron, assim considerando essa espécie vegetal, ideal para futuros experimentos de mobilidade e persistência no solo de textura argilosa. O S. bicolor tem apresentado a menor inibição da biomassa dentre os bioindicadores, para todos os herbicidas avaliados, não sendo indicado para avaliar o comportamento desses herbicidas no solo.
-2 -1 3,

Termos para indexação: fitotoxicidade, doses, solo argiloso, contaminação.

BIOINDOCADORES SELECTION FOR MONITORING OF MOBILITY AND PERSISTENCE IN SOIL PRE-EMERGENCE HERBICIDES

ABSTRACT: Herbicides are prominent among the defensive as one of the most important to obtain high yields over large areas, but their use has led to exaggerated and inappropriate consequences for the environment, since, when applied pre-emergence, the same can undergo processes of leaching. Within this context, this study aimed at the selection of suitable bioindicators for monitoring the persistence and mobility in soil of herbicides amicarbazone, ametryne, clomazone and diuron. The experiments were conducted in green-house in Tangara da Serra - MT. In polyethylene vessels of 250

pode ocorrer devido a outros . A morte das plantas. it was determined that C. a produção de ATP e NADPH. and is not suitable for assessing the behavior of these herbicides in soil. decumbens. No solo. (2009). ou sofrer degradação (Vivian et al. S. B.. podendo ser absorvidos pelas plantas. podendo apresentar atividade residual limitada. maintained in a forced air oven at 40 °C to constant weight in order to determine the dry matter of them. entretanto. ideal for future experiments of mobility and persistence in the clayey soil. bicolor). bioindicadoras.2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 cm . decumbens also obtained an appropriate response to the biomonitoring clomazone and diuron. so considering this plant species. a dose de um herbicida é eficiente para controle pontual. The vessels were kept in appropriate environmental conditions for the species. parte destes é depositada sobre a planta alvo. pode ser avaliado mediante o uso de espécies vegetais. for all the herbicides evaluated. à persistência e à capacidade do herbicida em permanecer na camada de solo onde está o banco de sementes. kept at working pressure of 2 kgf cm . tanto a eficiência no controle de plantas daninhas quanto o destino final no ambiente são controlados pela forma com que as moléculas se comportam no solo. Herbicides were applied with a CO2-pressurized backpack sprayer. S. with Red Latosol were placed 10 seeds of bioindicator species (C. sendo uma prática bastante difundida em todo país. bicolor has shown the slightest inhibition of biomass from the bio-indicators. rates. inibindo o transporte de elétrons. Durante a aplicação dos herbicidas. entretanto. atuando na reação de Hill (fotossistema II). Deste modo. 2010). INTRODUÇÃO A intensa utilização de herbicidas se destaca como uma ferramenta indispensável para a obtenção de alta produtividade em grandes áreas de cultivo. uma quantidade considerável acaba por atingir o solo direta ou indiretamente. os quais são elementos essenciais ao crescimento das plantas. O amicarbazone apresenta como mecanismo de ação do amicarbazone a inibição da fotossíntese nas plantas daninhas. Segundo Evans et al. sativus. Muitas vezes. O estudo do comportamento dos herbicidas nos solos tais como. 2011).. que demonstrem alta sensibilidade ao produto empregado (Blanco et al. o mau uso e/ou redução das doses de herbicidas préemergentes têm alterado a eficiência no controle e afetado a seu efeito residual. so that the upper edge of the vessel is positioned 50 cm below the bar application. devido sua elevada eficácia e economia (Inoue et al. and the control (0 kg ha ) with three replications. o potencial de lixiviação e o efeito residual. sativus was the most had the highest sensitivity to the concentrations used in amicarbazone and ametryne the ground. Among the species of bioindicators tested. 50 %. -2 -1 3 Index terms: phytotoxicity. Thirty days after sowing were cut aerial parts of plants. contamination.5% of the recommended rate). lixiviado e incorporado ao lençol freático. paralisando a fixação de CO2. applying then four rates of the herbicide in the vessels (100%. 25% and 12. clay soil.. B. o efeito residual é proporcional à dose empregada.02. equipped with fan type nozzles XR110. 2007).

as condições climáticas e a dose aplicada (Dias et al. objetivou-se neste trabalho selecionar dentre os bioindicadores Cucumis sativus.3 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 processos.4 e 42. seguido de necrose e a morte da planta (Pires & Oliveira. Diante do uso recorrente de herbicidas. promove a inibição da fotossíntese. considerado não volátil.600 ppm.. bloqueando o transporte de elétrons de QA para QB. O clomazone pertence ao grupo químico das isoxazolidinonas. Rodrigues & Almeida. é considerado um herbicida de caráter básico com pKa em torno de 4. O primeiro sintoma aparente é a clorose foliar. 2003. Brachiaria decumbens e Sorghum bicolor. pelo fluxo de transpiração (Rodrigues & Almeida. consequentemente. 2003). promovendo a destruição das membranas e perda de clorofila (Rodrigues & Almeida 2005). e razoável pelas folhas. aplicados em pré-emergência. 2001). Isto para a fixação de CO2 e a produção de ATP e NADPH2.6 mg g de solo. Além disso.975 x 10-8 mm Hg a 20 ºC e sua capacidade de adsorção varia entre 32.. grupo este que atua na inibição da biossíntese de carotenoides e apresenta persistência no solo por cerca de 100 a 120 dias. O mecanismo de ação deste produto causa a inibição da fotossíntese acontece pela ligação dos herbicidas desse grupo ao sítio de ligação 3 e 4 da QB. Procópio et al. Outra característica importante é o seu efeito residual de 40 a 70 dias variando de acordo com as características físico-químicas do solo. 2001. 2003). O diuron é um herbicida do grupo químico dos derivados da ureia. o mais adequado para o monitoramento da mobilidade e persistência no solo argiloso dos herbicidas amicarbazone. A ametryne é um herbicida pertencente ao grupo das s-triazinas utilizado no controle de plantas daninhas na cultura da cana-de-açúcar. sendo translocado via xilema com movimentação acrópeta pela corrente de transpiração. e quando aplicado em pré-emergência. Quando empregado em pós-emergência. na proteína D1 do fotossistema II. como a peroxidação de lipídeos e proteínas. na proteína D1 do fotossistema II. Além de possuir solubilidade é alta. da ordem de 4. A absorção do diuron ocorre principalmente pelo sistema radicular e. aliada à escassez de informações referentes sensibilidade desses compostos nas espécies bioindicadoras. nas membranas dos tilacóides dos cloroplastos. 2005). o que acontece pela ligação dessas moléculas ao sítio de ligação da QB. é absorvido pelas raízes. o bloqueio do transporte de elétrons de QA para QB. os sintomas visuais evoluem geralmente para cloroses generalizadas e redução do desenvolvimento das plantas. com menor intensidade foliar. o amicarbazone é um herbicida sistêmico pertencente ao grupo químico das triazolinonas e possui enorme resistência à seca e longo período residual. -1 . sendo translocado via xilema. A absorção e translocação dão-se principalmente via apoplástica pelo xilema. por meio de bioensaios.0 (Inoue et al. 1995). clomazone e diuron. pois sua pressão de vapor é de 0.. As propriedades físico-químicas desta molécula podem garantir uma persistência de até seis meses no solo. apresentando maior severidade em espécies perenes. ametryne. De acordo com Gimenes (2004). ou podem ser mais acentuados com necroses nos pontos de contato da calda de pulverização com as folhas (Pires & Oliveira.

Km 07. 2005). além da testemunha sem aplicação de herbicidas.00 Areia 4.1 415 147 438 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 1/ LV = Latossolo Vermelho (textura argilosa). As doses utilizadas referem-se às recomendações em pré-emergência. peneiradas para remoção dos resíduos presentes na superfície do solo. com três repetições. Várzea Grande.10 kg ha ) e diuron (3. resultando em volume de calda de 200 L ha . Em cada experimento. 1999). MT.5.40 kg ha ). Solo LV 1/ pH (CaCl2) 5. na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). situada na rodovia MT 358. foi utilizado um herbicida (amicarbazone. com auxílio de um pulverizador costal pressurizado a CO2. cujas características físicoquímicas são representadas na Tabela 1. clomazone (1. distribuídos no delineamento em blocos ao acaso e esquema fatorial 5 x 3.30 (g dm ) 43 -3 (cmolc dm ) 9. 12. 50 e 100%) e inibição da biomassa dos bioindicadores (C.20 kg ha ).5 m acima da borda superior dos vasos.05 kg ha ). sativus. provenientes do município de Tangará da Serra. decumbens e S. foram feitas de tal forma que a barra do pulverizador estivesse posicionada a 0. munido de bicos tipo leque XR110. ametryne (2.13 V -3 6. equivale à morte destas (SBCPD.37 Argila (mg dm ) 2.02. B. em que 0 corresponde a nenhuma injúria na planta e 100%. no Campus de Tangará da Serra-MT. Para a inibição da biomassa dos bioindicadores utilizaram-se critérios qualitativos de controle. clomazone ou diuron) e três bioindicadores.31 Silte (g kg ) -1 0. ametryne. por uma escala percentual de notas. Tabela 1.8 P C -3 Al (H2O) 6. Fonte: Laboratório de Solos Plante Certo. foram utilizadas amostras de Latossolo Vermelho – LV (EMBRAPA. Características físico-químicas das amostras de solos utilizadas nos experimentos. -2 -1 -1 -1 -1 -1 3 .00 (%) 67. para solos de textura argilosa (Rodrigues & Almeida. Para isso. As aplicações dos herbicidas amicarbazone (1. As amostras foram coletadas a uma profundidade de 5-10 cm. e posteriormente seca ao ar e acondicionadas em vasos de polietileno com capacidade de 250 cm . Todas as aplicações foram realizadas com temperaturas inferiores a 35 ºC e umidade relativa superior a 60%. com pressão de trabalho de 2 kgf cm .4 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 MATERIAL E MÉTODOS Os três experimentos foram realizados na forma de bioensaios em casa de vegetação. Os fatores estudados foram diferentes doses dos herbicidas (0. 25. 1995).7 3+ H +Al + 3+ Ca +Mg (cmolcdm ) -3 2+ 2+ Ca 2+ K + 0 CTC 3. MT. bicolor).

2010). Na análise dos dados foi utilizado o programa de assistência estatística ASSISTAT (Silva & Azevedo. também obteve excelente nível de controle (91-100%) desde 14 DAA. (2009) observaram em casa de vegetação. -1 RESULTADOS E DISCUSSÃO Amicarbazone O acúmulo de matéria seca em bioindicadores após a aplicação de 1. 10 sementes do bioindicador (C. os vasos foram mantidos com irrigação diária até 30 dias após a semeadura. com 54% de inibição na dose recomendada de amicarbazone (1. Negrisoli et al. bicolor) foram semeadas na profundidade de 1 cm. e assim com a aplicação de 50% da dose recomendada de amicarbazone. sobre diversas plantas daninhas. o amicarbazone (1. até massa constante.05 kg ha ) em Latossolo Vermelho-Amarelo (10-13 g dm de MO e -1 3 3 -1 3 -1 3 -1 de . apresentou controle acima de 40%. demonstrando elevada sensibilidade (91-100% de controle) desde 35 DAA. Após a semeadura. resultado este considerado excelente segundo a escala proposta pela “Asociación Latinoamericana de Malezas” (ALAM. bicolor apresentou menor controle. 2002). Ao avaliar a eficiência agronômica do amicarbazone (1. são apresentados na Figura 1. Com inibição intermediária dentre as biomassas dos bioindicadores. que na precipitação de 35 mm de lâmina d’água.05 kg ha amicarbazone nas amostras de Latossolo Vermelho. 1974). elevados níveis de inibição foram evidenciados para o C. visando à determinação da matéria seca delas. decumbes. em solo de textura média (19 g dm de MO). foram simuladas precipitações regulares equivalentes à média histórica de 10 anos de frequência e volume para a região de Tangará da Serra (Martins et al.05). nos tratamentos em que o herbicida atingiu o solo. sativus. Corroborando com os dados Bachega et al.5 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Nos períodos entre a aplicação dos herbicidas e a semeadura do bioindicador. em Latossolo Vermelho (43 g dm de MO e 43. aos tratamentos com o herbicida. Na Figura 1. em solo de textura argilosa com 43 g dm de MO (Figura 1). tido como um bom controle da plântula. atingindo 76% de controle na dose recomendada.. foram ajustadas equações de regressão (p>0. reduzindo gradativamente em função da diminuição das doses. Decorrido esse prazo. sativus. (2007) mencionaram que a espécie I.4 kg ha ) em diferentes posicionamentos em relação à camada de palha de cana-de-açúcar e seu comportamento sob efeito da chuva simulada antes ou após aplicação do herbicida. Para B. com o uso de 40% da dose. a B. levando-as à estufa de ventilação forçada a 40 ºC.05 kg ha ). este bioindicador demonstrou um nível de controle alto (100%). decumbens e S.8% de argila) (Figura 1). posteriormente. B. independentemente se aplicado diretamente sobre este ou lixiviado em virtude da simulação de chuva após a aplicação do herbicida. Após a aplicação dos herbicidas. decumbens. grandifolia mostrou-se mais sensível ao amicarbazone. O bioindicador S. as partes aéreas das plantas bioindicadoras foram coletadas e colocadas em sacos de papel. Os dados foram transformados para porcentagem de inibição do acúmulo de matéria seca em relação à testemunha (dose de 0 kg ha ) e submetidos à análise de variância.

sativus.11% de MO e 34% de argila).75 kg ha ) em Podzólico Vermelho-Amarelo câmbico.0 kg ha ) em Latossolo Vermelho distroférrico (36 g dm de MO e 15% de argila) e em Latossolo Vermelho distrófico (22 g dm de MO e 51% de argila) sem palha. nas diferentes dose de ametryne. textura francoargiloarenosa (2.10 kg ha ).8% de argila) proporcionou controle da B. Inoue et al. proporcionou até os 40 DAA controle acima de 80% em plantas de C. Já Monquero et al.60 e 2. evidenciando a possibilidade da realização de futuras pesquisas sobre mobilidade e persistência de clomazone com essa espécie vegetal. Isso significa que. controlando 40 e 100%. . Ametryne A Figura 2 apresenta o acúmulo de matéria seca em bioindicadores após a aplicação de ametryne (2. -1 -1 3 -3 -3 -1 -1 3 -1 -1 -1 Clomazone A Figura 3 apresenta o acúmulo de matéria seca em bioindicadores após a aplicação de 1. aplicado isolado ou em mistura com óleo mineral. outra possibilidade é que o produto lixiviou por todo o perfil do solo. devido à sua elevada solubilidade.5 + 1. propiciou controle acima de 90% em B. decumbens tem apresentado 56% de controle para a dose recomendada de ametryne (2. acima de 50% da dose recomendada de clomazone o controle foi de 100% para a B. Aumento exorbitante na inibição da biomassa do C.50 e 3. em que o clomazone aplicado no Latossolo Vermelho distroférrico de textura argilosa (43 g dm -3 -1 de MO e 43. Na Figura 3. bicolor até os 40 DAA com a aplicação da mistura ametryne + clomazone (1. para a dose recomendada (2. respectivamente (Figura 2).90 e 1. (2011) verificaram que o herbicida ametryne.8% de argila). Na Figura 2.8% de argila).40 kg ha ) em Latossolo Vermelho (43 g dm de MO e 43.20 kg ha ).40 kg ha ) nas amostras de Latossolo Vermelho. (2002) observaram que ametryne aplicado em pós-emergência (nas doses de 2. ressaltando a grande fitotoxicidade ao herbicida. nas duas doses avaliadas (1.6 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 27-29% de argila). e com 12. a utilização da dose recomendada é ideal para o controle efetivo de ametryne para esse bioindicador. em ambas as doses (0. decumbens. O bioindicador S. a B. (2008) alcançaram controle eficiente de 100% do S. atingindo controle máximo de 28% na dose recomendada. não causou redução da matéria seca de S. e a concentração remanescente nas camadas superficiais não causou intoxicação às plantas.40 kg ha ) em Latossolo Vermelho (43 g dm de MO e 43. decumbens -1 acima de 80% até os 39 DAA.5% da dose recomendada relativamente não tem se observado controle do bioindicador (Figura 2). bicolor não tem apresentado inibição satisfatória da biomassa. (2011).40 kg ha ) de ametryne. Dados similares também foram observados por Inoue et al. sativus. indicando que este poderia não ser um bioindicador adequado para esse herbicida. não sendo muito eficiente para avaliar o biomonitoramento de moléculas desse herbicida no solo. decumbens. diminuindo gradativamente após esse período. Ainda segundo o autor. bicolor. tem sido evidente de 50% da dose (1. Em contrariedade Silva et al.10 kg ha de clomazone nas amostras de Latossolo Vermelho.

Inoue et al. sativus. bicolor apresentou o pior desempenho de controle com a aplicação das diferentes doses de diuron. nuda necessitou de doses maiores para apresentar a mesma redução no crescimento. Procópio et al. A espécie vegetal bioindicadora B. controlando cerca de 90% das plantas (Figura 4). onde 50 e 100% da dose recomendada não promoveram controle de mais do que 25% das plantas (Figura 4). A dose de campo proporcionou redução da massa seca em torno de 70 e 90% para D. nuda e D. bicolor tem alcançado apenas 12% de controle com 50% da dose recomendada de clomazone (1. (2011) observaram que a aplicação de 3. oleracea.5% de clomazone. D. atingindo 60% de controle com a dose recomendada (Figura 3). na menor dose (1. (2003) indicaram que o clomazone aplicado na cultura da soja afetou culturas sucessivas de trigo.20 kg ha de diuron nas amostras de Latossolo Vermelho. A aplicação de diuron (240 mg m ) houve redução significativa (p ≤ 0. sendo a dose CONCLUSÃO .. já foi possível observar inibição de 36% para a biomassa do C.. (2006). Trabalhos realizados por Santos et al. S.. ciliaris. aveia e cevada devido à sua persistência no solo. Em trabalho de Cavero et al.05) da massa seca das duas espécies com o aumento da dose de diuron aplicada. sativus somente com a utilização de 100% da dose. Diuron mostrou elevada eficiência no controle de Portulaca oleracea com doses menos elevada como pode ser evidenciado pelos valores 0.ha-1) controlaram 100% P. O S. 2003). 2010).9 kg ha (Raimondi et al.10 kg ha ) (Figura 3).7 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 Com concentrações mínimas de 12. o que demanda um intervalo mínimo de 150 DAA para implantação da cultura subsequente.15 kg ha ). (2001) observa-se que a menor dose de clomazone utilizada pelos autores (180 g i. decumbens apresentou fitointoxicação superior ao C.a.20 kg ha -1 -1 -1 de diuron em solo argiloso proporcionou excelente controle de B. Embora em relação aos demais herbicidas testados o C. respectivamente (Dias et al. atingindo o máximo de controle (65%).227 kg ha . relataram que realizando uma aplicação da mistura formulada de paraquat + diuron (0. sativus ter apresentado porcentagens de controle melhor em relação as demais espécies avaliadas. em pré emergência na cultura da soja efetuou controle superior a 98% para a planta daninha Digitaria insularis. acima de 90%. demonstrando a grande eficiência deste herbicida para esta espécie. -1 -1 -1 -1 -2 e 0. -1 Diuron A Figura 4 apresenta o acúmulo de matéria seca em bioindicadores após a aplicação de 3. decumbens com o uso da dose recomendada.60 kg ha ) até 22 DAA.170 kg ha recomendada de 0.30 + 0. ocorrendo diferença de sensibilidade entre as espécies. com a aplicação de diuron este obteve resultados inferiores. com aplicação de 100% da dose recomendada (Figura 4).

afetaram o desenvolvimento das plântulas de S. Recomendaciones sobre unificación de los sistemas de evaluación en ensayos de control de malezas..D. utilização de diferentes porcentagens das doses recomendadas do herbicida no solo argiloso. ametryne. sendo a C. EVANS. Bragantia. ALAM. REGITANO. v. DIAS. 2009. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. independentemente da dose empregada. v. BATISTA FILHO A. n. distintamente. em menor proporção. 2003. 1974.C. v.2. EMBRAPA. Bogotá.. o S. M.R. sativus mais sensível às doses menores aplicadas... Asociación Latinoamericana de Malezas. p. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. p.L.7.D. 1999. G. v. Planta Daninha.292-299. Campinas. n. BACHEGA. Viçosa.363-370. R.21. 2009. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. PAVANI. sativus apresentou maior sensibilidade ao herbicida amicarbazone e ametryne em relação às demais espécies testadas. Viçosa. Dinamic: O novo herbicida da Hokko do Brasil para cana-de-açúcar.L. Lixiviação de sulfentrazone e amicarbazone em colunas de solo com adição de óleo mineral. J. proporcionaram diferenciação no controle de todos os bioindicadores. pode-se concluir que os herbicidas amicarbazone. bicolor.M. n. BELLINDER. Rio de Janeiro: Embrapa Solos.1. Piracicaba. n. Cambridge.69. Planta Daninha. L. M. v.71-75. GIMENES.35-38. GOFFINET. Herbicidal effects of vinegar and a clove oil product on redroot pigweed (Amaranthus retroflexus) and velvetleaf (Abutilon theophrasti). BLANCO F. Contudo.. p. 2010. SAES. decumbens somente com o uso da dose máxima.1. ALVES.F. CHRISTOFFOLETI. Assim sendo..1.4. STAB.A. n. variando conforme o aumento das doses. Weed Technology. .C.J. M.G. n. bicolor obteve o menor controle. R. Absorção e translocação do herbicida diuron por espécies suscetível e tolerante de capim-colchão (Digitaria spp.J.2. Persistência do herbicida sulfentrazone em solo cultivado com cana-de-açúcar.. N.B.P. P.23.).. clomazone e diuron.23-24.C. VELINI E.M.22. P.2.P. p. v. T. BOSCHIERO.8 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 Com base nos dados obtidos. decumbens... p.293-300. o emprego do diuron promoveu uma resposta melhor no controle de B. A aplicação de clomazone proporcionou excelente controle da B. com apenas metade da dose recomendada. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALAN. 2004.M. TORNISIELO. V. p. O bioindicador C.

DALLACORT. D. v.. J.. AMARAL.2.. E.G.40.1. 2005. REGITANO. p. n.24..S. v. OLIVEIRA JR. p..N.R. n. A.. M.T. D. CAVENAGHI. RAIMONDI. Estado do Mato Grosso.. TORMENA.. p. p.25.29. Revista Brasileira de Herbicidas. J.2.H. PIRES. SANTANA. INOUE. A. C.. R. CONSTANTIN. COSTA. Viçosa. E.313-323.S. R. VELINI. J.V.O. R. MARTINS..21. p. G.V. Probabilidade de precipitação para a microrregião de Tangará da Serra. n... SILVA.A.A. C. Critérios para avaliação do potencial de lixiviação dos herbicidas comercializados no estado do Paraná. Viçosa.M. (Coord.C...S.. BIFFE. BINHA. Guia de herbicidas. Planta Daninha.603-611.C. PROCÓPIO. GEMELLI.L. VARGAS. L. SILVA..R. SANTANA.V. OLIVEIRA JR. 2003.A.26. A. INACIO.291-296. In: OLIVEIRA JR. FERREIRA..L. BARROSO.. R. NEGRISOLI..R. v. 150p. SILVA. P.3.L. 2010. J. MONQUERO. Goiânia.. 5.F. A. v. N. Viçosa: UFV.O.M.411-417. L..D. A. R. p. ROSSI. Controle de plantas daninhas pelo amicarbazone aplicado na presença de palha de cana-de-açúcar.. Londrina: Edição dos Autores.. p. PROCÓPIO. CARMO....L.) Plantas Daninhas e seu Manejo.2.42-53.B..D. 2008. SZTOLTZ. S. n. FRANCHINI.. Alelopatia.. Manejo de plantas daninhas na cultura da cana-de-açúcar. Planta Daninha. E. P. RODRIGUES.. D.B.. v. B. 2007. Planta Daninha. Otimização de herbicidas utilizados em préemergência para o controle de Portulaca oleracea.. v. Planta Daninha. Mobilidade e persistência de herbicidas aplicados em pré-emergência em diferentes solos. V.C. OLIVEIRA JR.. M. M. KOLLING. M. n. BUCKER.. A. A. 2010. .A.M.A.J.V. TORNISIELO.145-185.E.ed.M. Viçosa. Efeito de dessecantes no controle de plantas daninhas na cultura da soja. SILVA. COLETTI. SANTOS. CONSTANTIN. Viçosa. E. C.H. POSSAMAI. Umuarama. A. E.G.. 2011.3.. J. SANTI.E.S.S. TOLEDO. F. OLIVEIRA. Guaíba: Livraria e Editora Agropecuária. n. n. PIRES.S. ARRUDA. MORAES.. & ALMEIDA. QUEIROZ. R.. 2006.S. C. M. F. p. S.A.V.. R. DALLACORT. M... R.H..H.L. E. Pesquisa Agropecuária Tropical.A.9 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 INOUE... CONSTANTIN. Planta Daninha.193-197.. E.. L. v. C.P. INOUE.29.L..A. 2001. F. Efeito residual de herbicidas aplicados em préemergência em diferentes solos.C. R. Viçosa.1..D.C. 2003. R.429-435.. W. GHENO. MENEZES.

A. 2002. M.A.L. FERREIRA. R.71-78. F. SILVA. 2002.R.. Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas. A.1.L. SILVA.771776. W. Planta Daninha.4. p.1. REIS. SPEHAR.R. P. v.10 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 SANTOS. SBCPD. VILELA. p.. n.A.E.P. CARNEIRO. Campina Grande. Versão do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. D.B. VIVIAN. M. R. n..S.R.V.6. 2003.. QUEIROZ. R.. C. Quinoa (Chenopodium quinoa) reaction to herbicide residue in a Brazilian Savannah soil. v. A.A. Procedimentos para instalação. VIVALDI.. . Viçosa.2.. F. Planta Daninha.20.A.. C. v. Persistência e lixiviação de ametryne e trifloxysulfuron-sodium em solo cultivado com cana-de-açúcar. n. p. L. Pesquisa Agropecuária Brasileira. SILVA.. 1995. A.M.38. Viçosa.. Redução da interferência de Brachiaria decumbens na formação de pastagem com Penisetum purpureum através de herbicidas.V. Brasília. Revista Brasileira Produtos Agroindustriais. JAKELAITIS. PEREIRA.111-124.273-281.. Londrina: SBCPD. 2007. GUIMARÃES. p.25. FERREIRA.. n. avaliação e análise de experimentos com herbicidas. v. & AZEVEDO. A.

o triângulo vazio equivale aos dados observados para S. bicolor.99) ∆ Ŷ = 18.08 + 1.0152*x² (r² = 0.0. em relação à testemunha.825*x . 25%.99) FIGURA 1. o quadrado sólido para B.367*x . o triângulo sólido equivale aos dados observados para C.05 kg ha ) em Latossolo Vermelho. Porcentagem de inibição no acúmulo de matéria seca de bioindicadores.5%.137*x .65 + 2. com a aplicação de 12.81) ■ Ŷ = .00003*x² (r² = 0.0103*x² (r² = 0.63 + 0. Nas linhas cheias. decumbes. 50% e 100% da dose recomendada de amicarbazone (1.0 20 40 60 80 100 Doses recomendadas (%) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ▲ Ŷ = 37. sativus. Nas linhas tracejadas.11 120 % de inibição em relação à testemunha 100 80 60 40 20 0 0.0. -1 .2.0.

o quadrado sólido para B.244*x + 0.221*x + 0.0.93) FIGURA 2. sativus.5%. em relação à testemunha.12 120 % de inibição em relação à testemunha 100 80 60 40 20 0 0. bicolor.0 20 40 60 80 100 Doses recomendadas (%) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ▲ Ŷ = 26. o triângulo vazio equivale aos dados observados para S.99) ∆ Ŷ = .93 + 0.0. 25%.98) ■ Ŷ = 12. Porcentagem de inibição no acúmulo de matéria seca de bioindicadores. Nas linhas cheias.4. 50% e 100% da dose recomendada de ametryne (2. Nas linhas tracejadas.0052*x² (r² = 0. decumbes.50 + 0. com a aplicação de 12.40 kg ha ) em Latossolo Vermelho.0065*x² (r² = 0.0047*x² (r² = 0.793*x . -1 . o triângulo sólido equivale aos dados observados para C.62 .

98) ■ Ŷ = . o quadrado sólido para B.97) ∆ Ŷ = 4. o triângulo vazio equivale aos dados observados para S.01 + 0. 25%.0. Porcentagem de inibição no acúmulo de matéria seca de bioindicadores.033*x + 0. Nas linhas cheias.0249*x² (r² = 0.846*x . Nas linhas tracejadas.5%.99) FIGURA 3.52 + 3.0 20 40 60 80 100 Doses recomendadas (%) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 ▲ Ŷ = 28.0.0023*x² (r² = 0.0048*x² (r² = 0. decumbes. em relação à testemunha.34. 50% e 100% da dose recomendada de clomazone (1. sativus.649*x . com a aplicação de 12.0. bicolor.13 120 % de inibição em relação à testemunha 100 80 60 40 20 0 0. o triângulo sólido equivale aos dados observados para C.10 kg ha ) em Latossolo Vermelho. -1 .65 .

Porcentagem de inibição no acúmulo de matéria seca de bioindicadores. o quadrado sólido para B.0105*x² (r² = 0.0032*x² (r² = 0.04 + 0.2.85 + 1. em relação à testemunha. Nas linhas tracejadas.97) FIGURA 4. 25%.41 + 1.14 120 % de controle em relação à testemunha 100 80 60 40 20 0 0. decumbes. Nas linhas cheias.556*x + 0. o triângulo vazio equivale aos dados observados para S.693*x . sativus.82) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ■ Ŷ = 12. o triângulo sólido equivale aos dados observados para C.0 20 40 60 80 100 Doses recomendadas (%) ▲ Ŷ = . 50% e 100% da dose recomendada de diuron (3.20 kg ha ) em Latossolo Vermelho.237*x .99) ∆ Ŷ = .5%.0. com a aplicação de 12.0. -1 . bicolor.0.008*x² (r² = 0.