Você está na página 1de 2

Sociedade

A sociedade feudal era composta por três estamentos (mesmo que grupos sociais com status praticamente fixo, não se pode dizer que a mudança de classe social não existia, pois alguns camponeses tornavam-se padres e passavam a integrar o baixo clero, por exemplo, mas essa mudança era rara e um servo dificilmente ascenderia à outra posição): os Nobres (guerreiros, bellatores), o Clero (religiosos, oratores), e os servos (mão de obra, laboratores). O que determinava o status social era o nascimento. Havia também a relação de suserania entre os Nobres, onde um nobre (suserano) doa um feudo para um outro nobre (vassalo). Apresentava pouca ascensão social e quase não existia mobilidade social (a Igreja foi uma forma de promoção, de mobilidade).  O clero tinha como função oficial rezar. Na prática, exercia grande poder político sobre uma sociedade bastante religiosa, onde o conceito de separação entre a religião e a política era desconhecido. Mantinham a ordem da sociedade evitando, por meio de persuasão e criação de justificativas religiosas, revoltas e contratações camponesas.  A nobreza (também chamados de senhores feudais) tinha como principal função a de guerrear, além de exercer considerável poder político sobre as demais classes. O Rei lhes cedia terras e estes lhe juravam ajuda militar (relações de suserania e vassalagem).  Os servos da gleba constituíam a maior parte da população camponesa: estavam presos à terra, sofriam intensa exploração, eram obrigados a prestarem serviços à nobreza e a pagarlhes diversos tributos em troca da permissão de uso da terra e de proteção militar. Embora geralmente se considere que a vida dos camponeses fosse miserável, a palavra "escravo" seria imprópria. Para receberem direito à moradia nas terras de seus senhores, juravam-lhe fidelidade e trabalho. Por sua vez, os nobres, para obterem a posse do feudo faziam o mesmo juramento aos reis.  Os Vassalos oferecem ao senhor ou suserano, fidelidade e trabalho em troca de proteção e um lugar no sistema de produção. As redes de vassalagem estendiam-se por várias regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso.

Política
Com o decorrer das invasões bárbaras que se iniciaram no século V, ocorreu uma "divisão do poder político entre os grandes proprietários de terras, isto é, os senhores feudais. Os reis continuaram existindo, mas sem poderes plenos e efetivos. Os senhores feudais, reunindo funções administrativas, judicárias e militares, governavam seus feudos de maneira autônoma, mandando e desmandando em suas regiões. A união social era garantida pelos laços de vassalagem. Nessa relação, encontramos, de um lado, o suserano (proprietário que concedia feudos a seus protegidos) e, de outro lado, o vassalo (pessoa que recebia feudos do suserano, prometendo-lhe fidelidade).

Economia

os mansos servis. A cada ano. e o manso comum que era utilizado por todos habitantes do feudo. Ao mesmo tempo. No entanto. . Dessa forma. A outra parcela era deixada em descanso. o desenvolvimento de técnicas agrícolas de baixa produtividade impedia a obtenção de excedentes possivelmente utilizados na realização de atividades comerciais. a economia feudal se desenvolveu graças ao processo de ruralização desencadeado pela crise do Império Romano. A disponibilidade de terras férteis era preocupação constante entre os camponeses. Somente com o incremento das atividades agrícolas e o crescimento demográfico que o quadro da economia feudal sofreu as primeiras transformações responsáveis pelo surgimento de uma classe de comerciantes burgueses. os grandes proprietários começaram a arrendar as suas terras com o objetivo de. pertencentes ao senhor feudal. Nesse sistema. ao menos. Nos feudos. As terras férteis eram dividias entre os mansos senhoriais. Ao mesmo tempo. garantir as condições necessárias para o próprio sustento. aumentando o tempo útil de um determinado campo. para prolongarem o tempo útil de uma área agrícola. destinados à produção agrícola das populações camponesas. os instrumentos de arado e a qualidade das sementes impediam colheitas expressivas. um campo tinha dois terços de sua área ocupado por duas diferentes culturas agrícolas. De fato. a desvalorização das atividades comerciais por parte dos povos germânicos também foram de grande importância para a consolidação de uma economia predominantemente agrária. realizava-se um sistema de rotação de culturas. Gêneros agrícolas eram raramente utilizados para a obtenção de ferramentas ou outros tipos de alimento em falta em determinado feudo. as parcelas trabalhadas e preservadas revezavam-se entre si. o comércio perdeu bastante espaço nesse contexto. Sem poder usufruir de baixos custos de produção obtidos pela grande mão-de-obra escrava disponível.Em linhas gerais. recuperando-se do desgaste das colheitas anteriores. as poucas trocas comerciais que aconteciam se davam através das trocas naturais.