Você está na página 1de 9

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA “PAULA SOUZA” FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PIRACICABA TECNOLOGIA EM BIOCOMBUSTÍVEIS

APROVEITAMENTO DE SUBPRODUTOS DA CADEIA PRODUTIVA DO BIODIESEL

BRUNO DURRER FELIPE FURLANETO MARCOS LINS DE EMERI

PIRACICABA NOVEMBRO//2011

Jonas Jacob como parte da avaliação final do segundo semestre de 2011.1 BRUNO DURRER FELIPE FURLANETO MARCOS LINS DE EMERI APROVEITAMENTO DE SUBPRODUTOS DA CADEIA PRODUTIVA DO BIODIESEL Trabalho apresentado à disciplina Gestão de subprodutos Industriais ao Profo Dr. PIRACICABA NOVEMBRO/2011 .

Referências biliográficas ----------------------------------------------------------------------11 Sumário do trabalho da filó. Introdução -----------------------------------------------------------------------------------------03 2.2 SUMÁRIO 1. Justificativa ----------------------------------------------------------------------------------------04 4. Objetivos ------------------------------------------------------------------------------------------04 5. Revisão de literatura ---------------------------------------------------------------------------05 6. Questão norteadora -----------------------------------------------------------------------------03 3. Procedimentos metodológicos ---------------------------------------------------------------10 8. Cronograma ---------------------------------------------------------------------------------------11 9. vamos acertar quando estiver pronto .

possibilitando assim. estimulando a produção da agricultura familiar e estabelecendo misturas graduais do biodiesel com o diesel mineral. O Brasil tem grandes potencialidades para essa renovação energética em razão de suas condições edafoclimáticas. a formação de uma nova matriz energética. a mamona. residuais e de sebo animal. sendo óleos vegetais ou gordura animal. sendo as mais utilizadas a soja. do ciclo Diesel. Assim. Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB).1 BIODIESEL Biodiesel é um combustível biodegradável. Há também um esforço governamental em estabelecer o programa de biocombustível. utilizado em substituição aos combustíveis fósseis em motores de ignição por compressão. independentemente da tecnologia adotada. Em virtude do PNPB. Uns dos principais subprodutos da cadeia produtiva de biodiesel são a torta e/ou farelo e a glicerina. integrando tecnologias de produção e de industrialização. o girassol. a exemplo do Proálcool. visando à diversificação da matriz energética nacional. em que haja a substituição gradual do petróleo por energia renovável. Na região do Semi Árido. 2 REVISÃO DE LITERATURA 2. o dendê. devido à sua aptidão climática e também aos incentivos fiscais. sua grande dimensão continental e de sua experiência com outro programa ligado ao biocombustível. o algodão e o amendoim. . são gerados. que pode ocorre a partir de diversos óleos vegetais puros. Existem diversas fontes de oleaginosas para produção do biodiesel. o plantio predominante é o da mamona. podendo ser definido como um monoalquil éster de ácidos graxos de cadeia longa. a produção em escala comercial no semiárido brasileiro de culturas voltadas à produção de biodiesel vem aumentando e uma das consequências é a geração de resíduos que necessitam de destino econômico e ecologicamente viável.3 1 INTRODUÇÃO A preocupação mundial com a dependência do petróleo nas matrizes energéticas aumenta o esforço internacional para desenvolver tecnologias voltadas à produção e ao uso de energias limpas. Na produção do Biodiesel. proveniente de uma fonte renovável. como uma política pública estratégica para o País.

craqueamento e 2. superando. o óleo de andiroba e o óleo da casca de laranja. as gorduras animais também podem ser transformadas em biodiesel. nas lanchonetes. Porém.1. . pequenas diferenças entre os ácidos graxos predominantes em óleos e gorduras. Os óleos de frituras. in natura. Outra forma de obtenção de biodiesel é através dos óleos e gorduras de animais. pode ser utilizada como substrato. amendoim. entre outros. entre outros. nos restaurantes comerciais e institucionais. transesterificação. milho. entre outros. já que essas substâncias possuem estruturas químicas semelhantes as dos óleos vegetais. No Brasil. sendo moléculas tri glicerídicas de ácidos graxos.1 Matérias primas Apesar da maior parte do biodiesel produzido mundialmente ser proveniente do óleo de soja. representam um potencial de oferta surpreendente. o farelo e a glicerina. constituem uma família de óleos vegetais que não pode ser utilizada na produção de biodiesel. as mais otimistas expectativas. na forma de mistura com óleo diesel mineral ou biodiesel. esterificação. girassol. os óleos vegetais mais comumente usados são os óleos de soja. algodão. Uma outra matéria prima de grande interesse são os óleos e gorduras residuais. pode-se obter este produto de qualquer óleo vegetal considerado um óleo fixo ou ainda de gordura animal. Os óleos conhecidos como essenciais. e ainda. devido a sua constituição. Dentre vários processos para a obtenção desse combustível. uma mistura volátil. devido às semelhanças.4 a torta. alguns óleos essenciais podem ser utilizados. A torta de filtro. óleos de peixes. Tais óleos têm origem em determinadas indústrias de produção de alimentos. Podemos citar como exemplo desses óleos. o farelo como. palma. Alguns exemplos dessas gorduras animais são sebo bovino. Havendo somente. mamona. Desta forma. e a glicerina os mais utilizados são.

3 Esterificação A esterificação consiste em um processo de obtenção de ésteres. 2003). são necessários três mols de álcool para cada mol de triglicerídeo.2. gerando moléculas menores. O processo global de transesterificação de óleos vegetais e gorduras é uma sequência de três reações em que os monoglicerídeos e os diglicerídeos são os intermediários.2.2 PROCESSOS 2. NaOCH3 ou KOH. 2004 apud VIANNA.1 Transesterificação Transesterificação é uma reação química entre um éster (RCOOR’) e um álcool (R’’OH) da qual resulta um novo éster (RCOOR’’) e um álcool (R’OH). formado a partir da substituição de uma hidroxila (-OH) de um ácido por um radical alcoxíla (OR). sendo por vezes ainda utilizado um catalisador (óxido de silício e óxido de alumínio) para quebra das ligações químicas.2 Craqueamento O craqueamento térmico é a conversão de uma substância em outra por aquecimento. O método mais comum é a reação reversível de um ácido carboxílico com um álcool. a temperaturas superiores a 450 graus centígrados. 2006) 2. podendo ser NaOH. é usado um catalisador para acelerar a reação. havendo eliminação de água (RODRIGUES. .5 2. na ausência de ar ou oxigênio. que é removida por decantação sendo esse o processo mais utilizado atualmente para a produção de Biodiesel. obtendo-se um éster metílico de ácido graxo e glicerina como subproduto. 2.2. Nessa reação. Na maioria dos casos. (HOLANDA.

A torta . 2006).6 2. correspondendo a 110 kg de Nitrogênio/ha. Estudos avaliam o comportamento da torta de mamona depositada no solo 15 dias antes do plantio.3 UTILIZAÇÃO DE TORTAS DE FILTRO E FARELO 2..3. Segundo.1 Adubo As tortas de oleaginosas são grandes fontes de nitrogênio. Akhtar et al.700 kg/ha. na quantidade de 2. fósforo e potássio e possuem a capacidade de recuperar áreas degradadas (MELO et al. (1996) a torta da mamona além de ser fonte rica em minerais. também serve para controle de nematóides do solo.

2006 2. gerando créditos de carbono e atendendo ao interesse da iniciativa privada. 2. porém a mamona e o pinhão manso necessitam de um processo prévio de destoxificação ou desalerginação para serem aproveitados na alimentação animal. observam-se os percentuais de macro-nutrientes básicos que são encontrados na casca do fruto e na torta de mamona. produtos de higiene bucal e indústrias de cosméticos.3. pomadas. antibióticos entre outros. a utilização deste subproduto na alimentação de ruminantes visa aumentar a produtividade e gerar menor emissão de gases de efeito estufa pelos animais. Em indústrias de cosméticos a glicerina é aplicada como emoliente e umectante em cremes hidratantes. Nas industriais farmacêuticas destaca-se aplicação em xaropes. Fonte: Melo. Considerando a alimentação animal como o elo entre a produção de biodiesel e a pecuária. Na Tabela 1. Sua maior aplicação é em indústrias de medicamentos. desodorantes. No ramo alimentício também é . composições de cápsulas. e maquiagens.2 Alimentação animal A torta e farelo podem ser aproveitados racionalmente na alimentação de animais ruminantes.7 promove o aumento do eloídogyne aquaticus que é predador de várias espécies de nematóides causadores de doenças nas plantas. pastas de dente.4 UTILIZAÇÕES DA GLICERINA A glicerina consegue ser empregada em vários tipos de indústrias devido as suas propriedades físico-químicas.

refrigerantes. 2011). REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS http://pt.org/wiki/Transesterifica%C3%A7%C3%A3o. e doces (SANTOS. 9.8 empregada como umectante na fabricação de balas. acessado dia 18/11/2011. .wikipedia.

008.03/4023..  .902507./..40O/4  /0 .4 54/03/4807.470.7.:9.8 2034708     .0884 2..39.:8H3.0784 /0 :2.24/097.8 :9.   !# $$ $   %7.007..:.20394  .424 8:-574/:94  6:0 F 7024.7-4J. /0 97H8 70.5:/'       89071.20390 5./.4 /0 E.8 .848 F:8.  /0:2E.8  07. .8.4J.7.073.07J/04 .08 6:J2.8./74.70. 708:9. 70.38089071. 8:-893.../48 803/4547.4/0O048 .20394 3.. 4:      7. 70./48.078J.08844-.8.8:-899:4/0:2..4 F :2. 6:.07J/048 84 48 390720/E748  088./4./4547:27..6:0.6:0.08 02 6:0 48 2434. 03970 :2 F8907 # E. 806:H3.6:0... 7.38089071.4. /....7. 574/:4/04/080  574../.7.42:2 E.797/.039J7.42:2F. 5.4 0 .0884/04-9034/0F890708 1472.8 F :2..7.43./4 7.. 6:0-7.70. :2 34. 547 ..9:7.38089071./0. #  2F94/42..:8 ...3/4 24F.9..:2J34  5.4  84 30.0/0:2E.9:.4 F .74:4H34 .445.2.44 .47.4 6:J2.009.4 089071.07J/048 0 48 /.7. # #&$     .20394 9F72./4. ./47 O/4/08J.44 # 4-903/4 80 :2 F8907 209J.80 47/:7.3/.44 #   /..4/0E:. .088E748 97H8 248 /0 E./4 .9.43889002:2574.88:5074708.4 803/4 0880 4 574./47 5./097. 02 4:97.4 %7. 547 /0./4:2.4./4:2..4 F8907 # #  0 :2   #  0 :2 E.

34844/. ./0/070.394 3.439740 /0 302./02.20394/.3/08143908/03974H34 1O814740549E884 05488:02.3908/45./.7 09 .7.7E70.5.348.425479./.2-F2 807.. 2.8  9..9479.:507.243.8  09.. 02 2307.8. /./05489. ./0 /0    . 9479./. 6:.     &%@   89479..    ..9O/08 /4 844  89:/48 .8847.243.    $0:3/4  9.8/07.2 4 ..8/040.0 5..39/.F2 /0 807 14390 7./.

    /0 974H34..  .47708543/03/4 .

   /:-4 % #%$%# #  ..   9479.

2 80 48 507.03/897.48 6:0 8403.E58:..243../48 7.8 /0 2.482F9.4 /0890 8:-574/:94 3.. 02 ..:86:0F570/.2039.6:.3/4..482F9.574/:4/0-4/0800 .2039.32..0884 57F.424 0240390 0 :20..8 8:..8085F.073.8 /0 20/.7 20347 02884 /0 ./47/0.243.47 . .7..    439004      2039.073.39-O9.83. .8  .7F/948/0.4.4 5.04.32.:E7.2-F2 F .3.8/0.32./417:9403. ./.3/4. 5048 ..203948 574/:948/0030-:. 80702 .E7489548 /0 3/897.704 54/02 807 .2 /0 :2 574.8 /0 /0390  /084/47.   4-807.2039J.384 30.9.8 /0...  57424.08/0 302.4 F 02 3/897.9O/08.4./08 1J8.4 /0 /08941.903/03/4. 80 .../.85.574.42440403970.89.:2039. 0 1.3908 .8.48  2 3/897. 2.09.  .:20394/404J/430.4 02 .9.4380:0807 02570.E7.3908  547F2 . .8 1.57.8 /0 ./.48 .43. .74508  542.39.48 03970 4:9748  4 7.2039.. :9.:8.4397.8  .74 3:9703908 -E8.4..4 4: /08.. .  438/07.6:.09.3908  5. . F .70208 /7. 2. 0 4 534 2../..8 3/:897.5.574.073.4 9.9479.20390 3.4 /0 7:23.5./4708/0/403.4254808/0 .5.808 /0 01094 089:1.24 .8 07.    &%@ $#  ..7-4340./483.32.9. 574/:9.4 6:J2..8  .H:9.0889.8 7:23.32.039:.9./48 3.8 /089.7 .038  .8.  9479../4 ../02.8 574570/.-0.72.390 02 ./0 0 07./. %.2039.4 /0 .8  $:. 50.3908  0 2..439070880/.

 .8  701707...4 /0 -.9./.3908  0 /4.390 3.  02570.08 $% $             ##$ #$  995.-7. 1.424 :20.

.

47.59 50/.

.

%7.38089071. .4  ...088./4 /.

.

                     .