Você está na página 1de 3
GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, de

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, de 24 de outubro de 2002.

Dispõe sobre acompanhamento pedagógico dos Supervisores Técnicos de Qualidade, dos Coordenadores Pedagógicos às Unidades Escolares e dos procedimentos de rotina das Unidades Escolares.

A SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 42, § 1º, inciso II, da Constituição do Estado, resolve:

Art. 1º O Supervisor Técnico de Qualidade ­ STQ deverá planejar mensalmente seu acompanhamento escolar, juntamente com o Delegado Regional de Ensino, o Coordenador Pedagógico e os Coordenadores de Setor, definindo a pauta geral e a específica dos assuntos a serem avaliados e acompanhados nas Unidades Escolares.

Parágrafo único. O Supervisor Técnico de Qualidade será responsável pelas Unidades Escolares por ele atendidas.

Art. 2º O Supervisor Técnico de Qualidade somente poderá sair para acompanhamento da Unidade Escolar com seu Plano de Ação devidamente assinado pelo Coordenador Pedagógico da Delegacia Regional de Ensino.

Art. 3º O Supervisor Técnico de Qualidade deverá atender três unidades escolares, preferencialmente, uma na sede e duas fora desta. O município fora da sede, onde houver duas ou três escolas, deverá ser acompanhado por um mesmo supervisor.

Parágrafo único. O Supervisor Técnico de Qualidade deverá permanecer na escola por um período mínimo de dois dias e acompanhar o andamento das atividades nos três turnos, quando houver.

Art. 4º O Supervisor Técnico de Qualidade deverá preencher uma Ficha de Rotina de Acompanhamento de cada Unidade Escolar, registrado nesta as experiências bem sucedidas, os problemas detectados e as orientações repassadas, observando que:

I ­ a Ficha de Rotina deverá conter o registro dos prazos para retorno de soluções ou informações a serem repassadas pelo Gestor ao Supervisor Técnico de Qualidade e pelo Supervisor Técnico de Qualidade à Unidade Escolar;

II ­ a Ficha de Rotina será assinada pelo Supervisor Técnico de Qualidade e pelo Gestor da Unidade Escolar e, na falta deste, pelo Coordenador Pedagógico, além de conter a data e o turno em que for realizado o acompanhamento.

Art. 5º O Supervisor Técnico de Qualidade deverá, no acompanhamento mensal, utilizar uma Ficha de Relatório dos Problemas Críticos para o registro de situações graves e urgentes.

2

2 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA Art. 6º Concluído o acompanhamento,

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA

Art. 6º Concluído o acompanhamento, o Supervisor Técnico de Qualidade deverá reunir­se com o Delegado Regional de Ensino e o Coordenador da Delegacia Regional de Ensino e/ou Gerente da Administração da Capital para:

I ­ repassar a Ficha de Relatório dos problemas críticos para análise e soluções imediatas;

II ­ priorizar as demais situações problema;

III ­ selecionar as situações problema nos setores responsáveis;

IV ­ estabelecer prazos não compatíveis àqueles firmados com as Unidades Escolares para apresentar soluções e/ou encaminhamentos.

Art. 7º Toda Delegacia Regional de Ensino deverá instituir o Comitê Regional de Acompanhamento Escolar e este deverá ser constituído por:

I ­ Delegado Regional de Ensino, Presidente;

II ­ Coordenador Pedagógico, Vice­Presidente;

III ­ Coordenadores dos demais setores, membros;

IV ­ Supervisores Técnicos de Qualidade, membros.

Art. 8º São atribuições do Comitê:

I ­ reunir­se mensalmente;

II ­ informar, bimestralmente, à Secretaria da Educação e Cultura, através

de relatório, os êxitos alcançados, os problemas detectados, as soluções e/ou decisões tomadas;

III ­ definir prioridades no atendimento;

IV ­ trocar experiências;

V ­ tomar decisões em função das necessidades específicas das Unidades

Escolares;

VI ­ elaborar nova agenda de trabalho em função das necessidades das Unidades Escolares.

Art. 9º Na próxima visita de trabalho do Supervisor Técnico de Qualidade à escola, este deverá ter resolvido os problemas detectados anteriormente ou ter dado um retorno para a escola.

3

3 GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA § 1º Todas as orientações

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA

§ 1º Todas as orientações deverão ser devidamente registradas.

§ 2º As decisões mais simples e que independem de parecer do Delegado

Regional de Ensino, Coordenador Pedagógico ou Gerente, o Supervisor Técnico de Qualidade poderá formalizá­la, por escrito, e antecipar a resposta à Unidade Escolar por

telefone quando for o caso.

Art. 10. Os Supervisores Técnicos de Qualidade deverão cumprir todas as atribuições constantes da Instrução Normativa nº 013, de 19 de dezembro de 2001.

Art. 11. Ao despachar com os Diretores de Unidades Escolares, o Delegado Regional de Ensino deverá solicitar, sempre que possível, a presença do Supervisor Técnico de Qualidade da respectiva Unidade Escolar e, na falta deste, a do Coordenador Pedagógico.

Art. 12. O Coordenador Pedagógico da Delegacia Regional de Ensino e da Gerência da Administração da Capital será o responsável direto pelo acompanhamento pedagógico das Unidades Escolares, devendo, portanto:

I ­ ter conhecimento de todos os problemas das escolas;

II ­ ler todos os Relatórios de Acompanhamento das Unidades Escolares feitas pelo Supervisor Técnico de Qualidade;

III ­ tomar decisões para o bom andamento pedagógico das Unidades

Escolares, no âmbito de sua competência;

IV ­ acompanhar, supervisionar e avaliar o trabalho dos Supervisores

Técnicos de Qualidade;

V ­ proporcionar meios de capacitação e de qualificação dos Supervisores

Técnicos de Qualidade.

Art. 13. A Secretaria da Educação e Cultura promoverá a fiscalização, por amostragem, do trabalho dos Supervisores Técnicos de Qualidade.

Art. 14. Esta Instrução Normativa entra em vigor a partir desta data.

PUBLIQUE­SE

Palmas, 24 de outubro de 2002.

MARIA AUXILIADORA SEABRA REZENDE Secretária da Educação e Cultura