Você está na página 1de 51

OS GENES E O MEIO

Psicologia A

Pedro Vitó
Vitória 1
OS GENES E O MEIO
z Todos nós nascemos com um conjunto de genes que
determinam o aspecto que vamos ter e o modo como o
nosso corpo se vai desenvolver e funcionar.
z Ora, o aspecto que temos e o modo como funcionamos
sofre também a influência de tudo o que nos sucede
no útero, na infância, na adolescência e na vida adulta.
Estas influências ambientais, que se iniciam durante o
desenvolvimento fetal, incluem a exposição a infecções
e a venenos, como, por exemplo, o álcool e os produtos
químicos do fumo do cigarro e da poluição.

Pedro Vitó
Vitória 2
OS GENES E O MEIO
z Outros factores ainda exercem influência sobre
o funcionamento dos genes, como sejam o
regime alimentar, o clima, o exercício, os
processos químicos do organismo, acidentes e
doenças infecciosas.
z Em última análise,
tudo o que sucede ao nosso corpo é
consequência de uma complexa acção
recíproca da hereditariedade e do meio.

Pedro Vitó
Vitória 3
OS GENES E O MEIO

z CARACTERÍSTICAS
GENETICAMENTE DETERMINADAS

Pedro Vitó
Vitória 4
CARACTERÍSTICAS GENETICAMENTE DETERMINADAS

z Os genes controlam algumas das nossas


características, como por exemplo, o grupo
sanguíneo e a cor dos olhos, que não sofrem a
influência do meio.
z Há perturbações provocadas por genes
deficientes com os quais se nasce.
z Outras perturbações, como o cancro, podem
resultar de genes danificados por factores
ambientais, como o fumo do tabaco e a luz
solar.

Pedro Vitó
Vitória 5
OS GENES E O MEIO

ASPECTO FACIAL:
RESULTADO
DA NATUREZA INATA
OU
RESULTADO
DA EXPERIÊNCIAS ADQUIRIDAS?
Pedro Vitó
Vitória 6
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

z As características faciais são


determinadas em grande parte pelo
conjunto de genes herdados dos pais.

z Esse conjunto único de genes designa-se


genótipo.

Pedro Vitó
Vitória 7
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

z Todavia, o aspecto físico também pode


sofrer a influência de factores
ambientais, como a alimentação e a
doença.
z Designa-se de fenótipo a forma como,
num dado momento, um organismo
funciona e se apresenta em resultado de
influências genéticas e ambientais.
Pedro Vitó
Vitória 8
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

Os dentes

z O tamanho e a forma dos dentes são


determinados por genes.
z Todavia, a acção de factores ambientais como a
dieta, a fraca higiene dental, doença ou danos
recebidos pode provocar alterações
significativas no aspecto dos dentes.
Pedro Vitó
Vitória 9
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

O Nariz

z O tamanho e a forma do nariz são determinados


geneticamente.
z Somente danos sofridos e cirurgia cosmética podem
modificar o seu aspecto.
z Todavia, o álcool, a droga e até a ingestão de
demasiados líquidos com cafeína podem ter influência
na cor e na textura da pele que o recobre.

Pedro Vitó
Vitória 10
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

O Cabelo

z A cor e a textura do cabelo são determinadas


por genes
z Mas podem modificar-se, até certo ponto, em
consequência de factores ambientais do género
da alimentação e luz solar.

Pedro Vitó
Vitória 11
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

A Pele

z Os genes determinam a cor e a textura da pele.


z Mas a exposição ao sol pode torná-la mais
escura, mais enrugada e mais estragada.
z A textura da pele pode ainda ser influenciada
por outros factores, entre eles a alimentação e o
tabaco.

Pedro Vitó
Vitória 12
OS GENES E O MEIO - ASPECTO FACIAL

Os Olhos

z A cor dos olhos é determinada por genes.


z Os factores ambientais não podem mudar olhos
castanhos para azuis
z Embora outros factores, como o envelhecimento
e a falta de saúde, possam provocar ligeiras
modificações
Pedro Vitó
Vitória 13
OS GENES E O MEIO

z CARACTERÍSTICAS
ADQUIRIDAS NO MEIO AMBIENTE

Pedro Vitó
Vitória 14
CARACTERÍSTICAS ADQUIRIDAS NO MEIO AMBIENTE

z Algumas das nossas características e


capacidades são determinadas pelo meio
ambiente.
z A língua ou as línguas ensinadas às
crianças dependem da cultura em que se
é criado.

Pedro Vitó
Vitória 15
CARACTERÍSTICAS ADQUIRIDAS NO MEIO AMBIENTE

z Embora a capacidade para o bom uso da


linguagem possa ser característica da
família, pode também ser muito
influenciada por factores ambientais
z Como por exemplo, o crescimento num lar
onde a leitura é actividade frequente.

Pedro Vitó
Vitória 16
CARACTERÍSTICAS ADQUIRIDAS NO MEIO AMBIENTE

z Muitas das nossas preferências e


antipatias — sejam elas na arte, na
música ou nos alimentos — são
determinadas primariamente por
influências culturais e de educação.

Pedro Vitó
Vitória 17
OS GENES E O MEIO
z CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM
CONTINUIDADE

z POR INFLUÊNCIA

DOS GENES HERDADOS


E
DAS EXPERIÊNCIAS ADQUIRIDAS NO MEIO
AMBIENTE

Pedro Vitó
Vitória 18
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z Referem-se a aspectos fisiológicos e de


comportamento bastante complexos,
como sejam a altura e a pressão arterial.
z Variam em resposta a diversos factores
z São mensuráveis ou quantificáveis, quer
dizer podem ser medidos com rigor.

Pedro Vitó
Vitória 19
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z Uma vez que as pessoas com laços de


parentesco compartilham dos mesmos
genes, é fácil atribuir as semelhanças a
factores genéticos.
z Ora, os membros da mesma família
tendem a viver no mesmo meio
z O que dificulta a distinção entre os
efeitos dos genes e os devidos ao
meio.
Pedro Vitó
Vitória 20
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z ALTURA POTENCIAL

z Os genes determinam a altura potencial

z Mas factores relativos ao meio — e


especialmente a alimentação — exercem
influência no crescimento.
Um regime alimentar pobre perturba
significativamente o crescimento e não permite
que se atinja a altura máxima para a qual se
está geneticamente determinado.
Pedro Vitó
Vitória 21
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z ALTURA POTENCIAL

z A alimentação e a estatura

z Os filhos de japoneses que emigraram para o Havaí


cresceram em média 5 a 10 cm mais do que os seus
pais.
z As diferenças de altura entre as duas gerações têm
sido atribuídas à mudança de um regime de
alimentação de baixo teor proteico para uma dieta de
alto teor proteico.

Pedro Vitó
Vitória 22
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

ALTURA
POTENCIAL

Pedro Vitó
Vitória 23
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z ALTURA POTENCIAL

z Tal como sucede com muitas outras


características variáveis, a altura resulta
de uma actuação recíproca e subtil
entre os genes e o meio.

Pedro Vitó
Vitória 24
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

Outro exemplo: ESQUERDINO OU DEXTRO?

z O encéfalo divide-se em dois hemisférios. Algumas das


suas funções — como, por exemplo, a utilização das
mãos — estão localizadas no hemisfério direito ou no
esquerdo.
z Cerca de 90% da população usam a mão direita para
escrever e dois terços privilegiam a mão direita para
outras actividades que requerem coordenação e
habilidade.
z Os restantes 10% são esquerdinos ou ambidextros
(capazes de usar igualmente ambas as mãos).
Pedro Vitó
Vitória 25
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

ESQUERDINO OU DEXTRO?

z Porque o mundo se organizou para acomodar


as pessoas que usam preferencialmente a mão
direita, os pais das crianças esquerdinas
incitam-nas muitas vezes a preferir a mão
direita.
z Ora, o uso preferencial de uma mão ou da outra
não pode alterar-se facilmente, pois trata-se
sobretudo de uma característica herdada —
os esquerdinos têm maior probabilidade de ter
filhos que também o sejam.
Pedro Vitó
Vitória 26
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z INTELIGÊNCIA

z Os genes têm influência sobre a


inteligência, sem dúvida.

z Certas anomalias genéticas podem


conduzir a grave atraso intelectual.

Pedro Vitó
Vitória 27
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z A avaliação da inteligência

z Estudos efectuados em gémeos criados


separadamente vieram demonstrar o importante papel
que os genes desempenham na determinação da
inteligência.

z A inteligência continua a ser avaliada por intermédio da


avaliação do QI (quociente de inteligência).
z Embora as capacidades mentais sejam
demasiadamente complexas para serem medidas com
exactidão, recorre-se com frequência aos testes ao QI.

Pedro Vitó
Vitória 28
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z A avaliação da inteligência

z Não obstante a avaliação do QI poder constituir uma


medida da inteligência arbitrária útil, a verdade é que
pouco mais indica para além da capacidade da pessoa
na sua execução.

z Não existe qualquer processo de avaliação que possa


comparar com credibilidade — por exemplo — a
inteligência de um estudante universitário americano
com a de uma pessoa da mesma idade que viva na
Amazónia.

Pedro Vitó
Vitória 29
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z A avaliação da inteligência

z Distribuição dos resultados da avaliação do QI

z Poucas são as pessoas com um QI extremamente alto


ou extremamente baixo.

z Cinquenta por cento situam-se entre os 90 e os 110.

Pedro Vitó
Vitória 30
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

z A avaliação da inteligência

z A distribuição dos resultados da avaliação do QI nos


Estados Unidos pode ser representada num gráfico em
curva, em referência à qual se podem comparar os
resultados dos testes individuais.

z De seguida, vejamos o quadro:

Pedro Vitó
Vitória 31
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

Pedro Vitó
Vitória 32
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

z Avaliação do QI

z A avaliação do QI varia na forma como procura medir a


inteligência.

z Muitos processos têm um grande número de perguntas


que exigem uma alta capacidade linguística para
responder correctamente.

Pedro Vitó
Vitória 33
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

z Avaliação do QI

z Apresentam-se de seguida dois exemplos de perguntas


não verbais de uma avaliação do QI.

z Os testes não verbais ao QI são muito úteis na


determinação da inteligência de pessoas de diversos
níveis culturais uma vez que não se apoiam na
capacidade linguística.

Pedro Vitó
Vitória 34
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

Avaliação do QI – TESTE 1

Pedro Vitó
Vitória 35
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

Avaliação do QI – TESTE 2

Pedro Vitó
Vitória 36
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

O QI e o sucesso

Pedro Vitó
Vitória 37
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

z Estudos efectuados e nos quais se avaliava a


situação socioeconómica em função da educação e
profissão dos pais, do número de descendentes e do
material educacional existente no lar

z Levaram a concluir que os indivíduos provenientes


de estratos socioeconómicos mais altos obtinham
valores mais elevados na avaliação do QI.

Pedro Vitó
Vitória 38
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

z ESTUDOS EM GÉMEOS

z A variação de uma determinada


característica pode ser devida a
factores genéticos em maior ou menor
grau.

z A cor dos olhos, que resulta


primariamente de factores genéticos,
varia em elevado grau em função dos
mesmos.

Pedro Vitó
Vitória 39
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

z Há muitos factores que interactuam na determinação


da inteligência e de um sucesso eventual na vida,.

z Entre os quais se compreendem componentes


genéticos da inteligência e referentes ao meio em
que se foi criado.

Pedro Vitó
Vitória 40
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

ESTUDOS EM GÉMEOS

z Pelo contrário, uma característica do tipo da


inteligência resulta em menor grau de tais factores,
já que sofreu a influência de muitos outros relativos
ao meio, como, por exemplo, a educação.

Pedro Vitó
Vitória 41
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

Comparação entre gémeos idênticos e não idênticos

z Estudos levados a efeito em gémeos têm


demonstrado que algumas características, como
seja o caso da altura e da inteligência, estão muito
mais correlacionadas em gémeos idênticos — que
são geneticamente idênticos — do que em gémeos
não idênticos — que não têm mais semelhança
genética entre si do que qualquer outro par de
irmãos.

Pedro Vitó
Vitória 42
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

Comparação entre gémeos idênticos e não idênticos

z Tais resultados indicam que muitas das nossas


características são determinadas em grande medida
por genes.

Pedro Vitó
Vitória 43
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência
Comparação entre gémeos idênticos e não idênticos

z No que se refere à altura, estima-se em cerca de 94%


a medida em que se deve a factores exclusivamente
genéticos, ao passo que, no que se refere à
inteligência, tal medida oscila por volta dos 50%.

z Todavia, e porque os gémeos idênticos tendem a


receber tratamento também idêntico, a influência do
meio sobre eles pode trazer maior realce às
semelhanças, consideradas num dado conjunto de
características.

Pedro Vitó
Vitória 44
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência
Estudos de gémeos idênticos criados separadamente

Os gémeos idênticos que


foram educados por pais
diferentes partilham muitas
semelhanças de
comportamento e aparência.

Mas muitas vezes apresentam


também algumas diferenças.

Pedro Vitó
Vitória 45
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência
Estudos de gémeos idênticos criados separadamente

z Estudos realizados em gémeos idênticos criados


separadamente contribuíram para a avaliação da
influência genética em características tão complexas
quanto a inteligência.

z Uma forte semelhança numa característica, entre


gémeos idênticos criados separadamente, in-dica
uma influência genética forte, porquanto são
idênticos os genes de ambos, mas diferentes os
meios em que vivem.

Pedro Vitó
Vitória 46
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência
Estudos de gémeos idênticos criados separadamente

z Estes estudos levaram a presumir que os genes


desempenham uma função importante na
determinação da inteligência.

z Todavia, a validade de alguns estudos foi posta em


causa, nos casos em que os gémeos foram criados
em ambientes semelhantes.

Pedro Vitó
Vitória 47
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência
Estudos de gémeos idênticos criados separadamente

z Um estudo sueco conduzido num universo de 650


pares de gémeos demonstrou que os gémeos
idênticos tinham o mesmo peso em adultos,
tivessem ou não sido criados em conjunto.

z Os gémeos não idênticos não apresentavam esta


semelhança. Estes estudos demonstraram ainda que
o abuso do álcool e algumas perturbações mentais
são influenciados por genes.

Pedro Vitó
Vitória 48
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência
Estudos de gémeos idênticos criados separadamente

Muitos pais — consciente ou


inconscientemente —
encorajam os gémeos
idênticos a vestirem-se do
mesmo modo e a participar
nas mesmas actividades.

Actuações deste tipo podem


influenciar os resultados dos
estudos de comparação entre
gémeos idênticos e não
idênticos.
Pedro Vitó
Vitória 49
CARACTERÍSTICAS VARIÁVEIS EM CONTINUIDADE

A avaliação da inteligência

ESTUDOS EM GÉMEOS

z Os estudos de comparação dos QI de gémeos


idênticos revelaram uma percentagem de 90% de
semelhança.

z E os de gémeos não idênticos apenas de 50%.

z Estes resultados levam a presumir que os factores


genéticos desempenham um papel significativo na
determinação da inteligência.

Pedro Vitó
Vitória 50
FIM DA APRESENTAÇÃO

Pedro Vitó
Vitória 51