REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO: FONTE ALTERNATIVA DE RENDA SUSTENTÁVEL PARA O AGRICULTOR FAMILIAR DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ

Sandra Rosani Zanatta Pós-Graduanda em Auditoria e Gestão de Negócios pela UNICENTRO – PR. Romeu Schvarz Sobrinho Professor da Unicentro/PR e doutorando em Agronegócios pela UFRGS/CEPAN www.unicentro.br

RESUMO A agricultura familiar está tomando seu espaço no cenário do agronegócio brasileiro e representa 79,5% dos estabelecimentos rurais, do município de Coronel Vivida, PR. O cultivo florestal surge como uma real alternativa de equilíbrio ao meio ambiente, ao mesmo tempo em que contribui significativamente para a melhoria da qualidade de vida dos agricultores e de suas famílias. Este artigo teve por objetivo, identificar os motivos que levaram agricultores familiares de Coronel Vivida – PR, a optarem por plantio de eucalipto, tendo em vista a inserção recente da atividade no Município, como alternativa de diversificação de seus negócios e obtenção de renda sustentável e longo prazo. Inicialmente, buscou-se abordar o tema desenvolvimento sustentável no âmbito da agricultura familiar, delimitado aos conceitos e parâmetros, econômico e ambiental. Posteriormente, são apresentadas vantagens e desvantagens do plantio de eucalipto, tais como: incentivos fiscais orientados por aspectos legais dessa cultura, manejo sustentável da cultura no aspecto ambiental. Por fim, são apresentados o levantamento de custos de implantação de reflorestamento. O estudo é finalizado com uma relação de dez motivos que contribuíram para a inserção de agricultores familiares na atividade de reflorestamento de eucalipto, no sudoeste do estado do Paraná. Palavras-chave: agricultura familiar, reflorestamento, eucalipto e sustentabilidade.

ABSTRACT The familiar agriculture is taking place in the Brazilian scenery agribusiness and it represents 79,5% from rural establishments in the city of Coronel Vivida, PR. The forestall cultivation appears like a real alternative of balance to the environment, at the same time that it contributes significantly to improvement of life quality for cultivators and their families. This article had by objective to indentify the purposes that led the familiar farmers from Coronel Vivida – PR to Choose for planting eucalyptus, considering the recently insertion of this activity in the city as an alternative of diversification of its business and obtaining sustainable income and long term. Initially, it was tried to approach the theme -development sustainable under the agriculture family, delimiting the concepts and parameters, economic and environmental. Later are presented advantages and disadvantages of eucalyptus plating, such as: fiscal fires guided for aspects of that culture, sustainable management of culture in the environmental aspect. Finally, are presented the rising of coasts of implantation of reforestation. The studies are ended with a relation of ten reasons that contributed for the insert of familiar farmers in the activity of eucalyptus reforestation in the southwest of Paraná. Key words: familiar agriculture, reforestation, eucalyptus and sustainability.
Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 1 de 11

à luz do conceito de desenvolvimento rural sustentável. feijão. o mundo contemporâneo colocou o sistema Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 2 de 11 . Resultante dessa realidade. especificamente: a) apresentar características do Município de Coronel Vivida. tem crescido nos mercados nacional e internacional e. A necessidade de diversificar as economias locais com sistemas de produção que integrem a produção animal. o comércio local depende do desenvolvimento econômico da agricultura para seu crescimento e continuidade. 2 2. localizado no sudoeste do Estado do Paraná. Essa característica dos sistemas produtivos familiares contribui para a biodiversidade dos agroecossistemas e contribui para a manutenção do homem no campo. de seus familiares.. de grãos e do manejo florestal. o presente artigo tem como objetivo geral identificar os motivos que levaram agricultores familiares de Coronel Vivida. metodologia e. Silveira. perfil dos produtores e dependência dos seus resultados para subsistência e sucesso do mercado local. e) demonstrar as vantagens e desvantagens do plantio de eucalipto em termos econômicos. d) coletar informações sobre legislação ambiental para reflorestamento à base de eucalipto.1 REVISÃO DE LITERATURA Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável Segundo Guilhoto. Seguindo o delineamento do estudo. b) apresentar abordagens sobre desenvolvimento sustentável da agricultura familiar. 355). “o setor agropecuário familiar faz parte da história do Brasil e da própria humanidade. comuns na agricultura familiar. com muitas possibilidades de empreendimentos e iniciativas que possam melhorar sua qualidade de vida. resultados e considerações finais. adotada neste estudo. f) verificar o que o eucalipto representará na renda do agricultor familiar. PR a optarem por plantio de eucalipto.REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO: FONTE ALTERNATIVA DE RENDA SUSTENTÁVEL PARA O AGRICULTOR FAMILIAR DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ 1 INTRODUÇÃO A viabilidade da agricultura familiar pode estar na diversificação de sistemas de produção onde existem mais de uma atividade para geração de renda agrícola e autoconsumo. e g) identificar o impacto econômico que o plantio de eucalipto pode gerar para os agricultores do Município objeto deste estudo. nos últimos anos. O município de Coronel Vivida. pode constituir a base de um projeto de desenvolvimento sustentável para determinada região. Consubstanciado na realidade local objeto deste estudo. tendo em vista que a demanda. Para alcançar o objetivo geral proposto. Ichihara e Azzoni (2006. apresenta-se a seguir revisão de literatura. c) explicitar informações sobre incentivos fiscais para reflorestamentos. tem ocorrido escassez na oferta deste produto. p. Justifica-se tal diversificação de atividade e opção de espécie de madeira. principalmente quanto ao custo de implantação (custos por hectare de plantio de eucalipto). concomitante às culturas tradicionais cultivadas na região (milho. em contrapartida. A abordagem de desenvolvimento rural sustentável. considera que o agricultor familiar não é apenas produtor de alimento e sim cidadão de uma sociedade complexa. pecuária leiteira). Entretanto. da comunidade local e da sociedade como um todo numa perspectiva de curto e longo prazo. anteriormente contextualizado. Considerando as características das propriedades da região em termos de extensão das áreas.. é essencialmente agrícola com predominância de pequenas áreas. buscam-se alternativas de renda como a exploração da madeira por meio de reflorestamento de eucalipto. exploradas em conformidade com o conceito de agricultura familiar. pretende-se.

No âmbito da sustentabilidade econômica. A sustentabilidade ambiental está ligada à preservação dos recursos naturais para gerações futuras (GOMES.1. Neste estudo. O manejo da biodiversidade.326/06. SOBRINHO. incentivo à agroecologia. segundo sua capacidade em um espaço geográfico.” É nesse sentido e reconhecendo a importância da agricultura familiar para as pessoas.1 Agricultura Familiar O conceito de agricultura familiar sempre existiu. Nesse sentido. Em Coronel Vivida. Possua renda familiar predominante rural e dirija sua propriedade com sua família.1. p. 2. é importante a participação dos governos municipal. a problemática do êxodo rural e outros fatores de tensão social. haja vista que sua importância ganha força quando se questiona o futuro das pessoas que subsistem no campo. A sustentabilidade social está vinculada ao padrão estável de crescimento. uma das maiores dificuldades dos governantes é suprir a zona rural dos conhecimentos técnicos que proporcionem a criação de novas oportunidades e outras formas de produzir renda. Segundo Ribas. Não possua área superior a quatro módulos fiscais (varia de região para região. para obter bens e serviços diretos e indiretos da agricultura e dos recursos naturais para satisfazer as necessidades das gerações futuras e presentes”. 2004). Severo e Miguel (2007. o módulo é 80 ha). enquanto que Virtuoso (2004). O mais atual é o enunciado pela Lei 11. elevando a qualidade de vida do agricultor familiar. Essa Lei. promovendo o uso sustentável dos recursos naturais são Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 3 de 11 . 2.2 Desenvolvimento Sustentável na Agricultura Familiar Desenvolvimento sustentável é a permanência ou manutenção de uma atividade. Segundo Gomes (2004). a partir dos fatores econômicos disponíveis na região. Não há um conceito único no Brasil sobre agricultura familiar. econômicos e sociais. Sandra Rosani. com políticas públicas de desenvolvimento que atendam às necessidades do agricultor. estadual e federal em projetos sociais que possam contribuir com a permanência. embora com outras nomenclaturas e reduzida clareza em sua definição. afirma que desenvolvimento sustentável “é aquele que atende as necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades”. de maneira digna do agricultor familiar em sua propriedade. Romeu Schvarz familiar de produção dentro de um contexto sócio-econômico próprio e delicado. o desenvolvimento sustentável na agricultura familiar é constituído por três fatores: social. econômico e ambiental que formam um “tripé” de sustentação desse conceito. de sua família e da comunidade local. 206) o termo sustentabilidade: “refere-se ao uso dos recursos biofísicos. melhor distribuição de renda com redução das diferenças sociais. resgate das sementes crioulas. considera agricultor familiar como aquele que pratica atividades rurais utilizando mão-deobra da própria família. refere-se à agricultura familiar e sua continuidade dentro dos parâmetros de respeito ao meio ambiente. comunidades locais e sociedade em geral que esta pesquisa procura identificar razões para inclusão da cultura de eucalipto nas atividades rurais de pequenas propriedades características da região objeto do estudo.ZANATTA.

institui que todos os produtores rurais do Estado do Paraná terão até o ano de 2019 para recomposição da reserva legal (20% da área total). com juros de 6. O Decreto nº 378. licenciamento e fiscalização. ornamentais e exóticas. com juros de 4% ao ano. Mais uma vez os agricultores familiares ficaram de fora. anuências. permitindo que fosse descontado do imposto de renda até 50% do valor do imposto a pagar. Lei nº4. O valor limite do financiamento é de R$ 150 mil por cliente. de Março de 1999. com isso. podendo os Estados e o Distrito Federal legislar concorrentemente com a União sobre direito ambiental. a obrigatoriedade de empresas. controle. é possível somar à área de preservação permanente. cabe ao IAP (Instituto Ambiental do Paraná) cumprir a legislação Ambiental. em 15 de setembro de 1965.2.75% a. visando ao desenvolvimento de atividades de interesse ambiental e social que gerassem benefícios à pequena propriedade rural. que utilizem matéria-prima florestal. tendo como objetivo. o novo Código Florestal Brasileiro. para a pequena propriedade de agricultura familiar. bem como assegurar que o plantio seja equivalente ao consumido para seu abastecimento. 2. com 12 anos de prazo e carência de 8 anos.2 Legislação Ambiental para Reflorestamento A competência legislativa sobre questões florestais é privativa da União. 2. até que uma Portaria Interministerial de 20 de agosto de 2002. fica proibido o cultivo florestal em áreas de preservação permanente determinadas pelo artigo 2º da Lei 4. No estado do Paraná. o Governo Federal institui.1 INCENTIVOS FISCAIS e LEGISLAÇÃO PARA REFLORESTAMENTO Incentivos Fiscais Com o objetivo de diminuir a exploração indiscriminada dos recursos florestais naturais e de implantar florestas de rápido crescimento. desde que o Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 4 de 11 . as instituições financeiras simplesmente não abriam o crédito por ser de longo prazo.a. O “novo” Código Florestal. em áreas de reserva legal proibindo o corte raso. Segundo o IAP. licenças ambientais. certidões e demais instrumentos só poderão ser emitidos mediante comprovação de regularização de reserva legal e preservação permanente dos imóveis rurais. Outra medida sancionada pelo Governo Federal foi a Lei de Incentivo Fiscal a Empreendimentos Florestais (Lei 5. No entanto. (o antigo Código era de 1934) destaca nos arts.REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO: FONTE ALTERNATIVA DE RENDA SUSTENTÁVEL PARA O AGRICULTOR FAMILIAR DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ parte da sustentabilidade ambiental. comprovadamente.771/65 é que norteia a atividade florestal no Brasil. autorizações. linha de investimento em silvicultura.771/65. com área de até 30 hectares. apoiar a implantação e recomposição de áreas de preservação. denominado de PRONAF FLORESTAL. a formação da área de reserva legal.771/65. áreas com árvores frutíferas. criou uma linha de crédito junto ao PRONAF. florestas destinadas ao seu suprimento. com prazo de 144 meses para pagamento. que. foram aplicados em reflorestamento. o Governo Federal incluiu no plano safra 2001/2002 o PROPFLORA.2 2.106 de 02 de setembro de 1966). reserva florestal legal e reflorestamento para diminuir o déficit de matéria-prima pelas indústrias. em declives superiores a 45º graus. Após 14 anos sem incentivos na área de reflorestamento. 20 e 21 da Lei 4.2. No Paraná. fato que gerou uma rápida expansão da atividade. possuírem em terreno próprio ou de terceiros. exercendo o poder de polícia administrativa.

e só corta quando encontrar um preço justo. Mas. o desequilíbrio do meio ambiente. Dentre as vantagens e desvantagens. O Eucalipto é originário da Austrália e se adaptou muito bem no Brasil. BRACELPA (2007). e sua média anual de crescimento gira em média 25 metros cúbicos por hectare ao ano. alertavam que o avanço da monocultura do eucalipto poderia transformar áreas em deserto verde. Uma delas é que existem variedades nacionais como o cedro que consome mais água que o eucalipto. despertou críticas e mobilizou defensores. desde que chegou. tendo como objetivo principal contribuir com a produção de dormentes e de madeira. Caso que não acontece com culturas temporárias. no ano de 1903.ZANATTA. o eucalipto teve boa adaptação ao clima brasileiro. Romeu Schvarz somatório dessas seja de no mínimo 25% da área da propriedade. Sandra Rosani. Já os defensores. Do eucalipto nada se perde.3 EUCALIPTO . As flores são ótimas para abelhas produzirem mel. bem superior ao dos Estados Unidos e África do Sul. técnico da companhia paulista de estradas de ferro. e a drenagem dos solos. produz-se lenha. 2. outra é que as raízes não ultrapassam 2 metros de profundidade para a busca de nutrientes. Mas a principal vantagem é que o eucalipto cresce muito rápido em relação a outros países. Os críticos apontam como principal desvantagem. deixa a árvore lá. existe um consenso. o manejo sustentável pois a monocultura é prejudicial como em qualquer outra cultura. A madeira cerrada é usada para fabricação de móveis. foram em busca de pesquisas para derrubar a tarja de vilão atribuída ao eucalipto. construção civil e outras aplicações como se observa na Figura 1. sendo possível explorar a área de reserva legal por meio de técnica de manejo sustentado. Ambientalistas. Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 5 de 11 . podendo minimizar a derrubada de árvores nativas. eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto. como dos agricultores familiares. na década de 90. Segundo Caetano (2007). limpeza e alimentos. a monocultura está descartada. Das folhas se extrai óleos essenciais para produtos fármacos. trazidas por Navarro de Andrade. Com a madeira em si. se o preço não estiver bem num ano. SOBRINHO. Uma ótima vantagem é que o agricultor pode vender suas árvores quando bem entender. de higiene. que crescem 15 e 18 metros cúbicos respectivamente.VANTAGENS E DESVANTAGENS E DIFERENTES USOS DA MADEIRA DE EUCALIPTO Há mais de um século. celulose e postes. No caso de plantio de eucalipto em pequenas propriedades.

2. Segundo Marion (1996).REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO: FONTE ALTERNATIVA DE RENDA SUSTENTÁVEL PARA O AGRICULTOR FAMILIAR DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ FIGURA 1 . auxiliando o processo de planejamento rural. o agricultor não tem custo. nos anos seguintes. o que gera frustração diante de uma expectativa de maior lucro. Na planilha abaixo. Daí a importância de um sistema de custos por mais simples que seja. um sistema de custos permite ao administrador um maior controle da unidade de produção. que ocorre a partir do oitavo ano. bem como as vantagens de substituição uma pelas outras. apresentam-se os custos de implantação até o terceiro ano do cultivo de eucalipto na área de um hectare em conformidade com as características da região objeto de estudo.Principais usos da madeira de eucalipto. encarregam-se do corte e transporte. 2007. Na colheita ou desbaste. ou seja. as madeireiras ou para que seja vendida a madeira.4 Custos do Plantio de Eucalipto O agricultor de um modo geral não tem o hábito de levantar custos dos produtos que cultiva. Fonte: SBS (Sociedade Brasileira de Silvicultura). O eucalipto exige quantidade reduzida de mão-de-obra. sendo que a maior demanda ocorre no período da implantação ao segundo ano. Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 6 de 11 . apenas esporadicamente. revelando ao administrador as atividades mais lucrativas e de menor custo. entra numa atividade por impulso. dessa forma.

00 R$ 40.00 R$ 40.00 Unidade R$ 0.00 R$ 146.00 R$ 80.582 na área rural.00 R$ 0.00 R$ 2. leiteira e Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 7 de 11 .00 0 R$ 0.00 R$ 0. município de Coronel Vivida. possui área de 701 km² e população total.00 0 R$ 0.00 R$ 160.00 R$ 0. foram utilizados dados bibliográficos de revistas.00 R$ 0.00 2 2 0.751 R$ 350.00 6 2 2 2 9 1 Kg Litro Litro R$ 13. Escolhidos aleatoriamente quando participavam de plenárias realizadas no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Coronel Vivida – PR. De acordo com IBGE (2000). Sandra Rosani.00 Kg Kg R$ 1.50 200 R$ 300. livros.20 1.00 R$ 40.00 Fonte: Emater de Coronel Vivida – PR. As principais atividades econômicas das propriedades rurais do Município estão relacionadas com a produção de grãos.35 2 0 0 R$ 26. SOBRINHO.00 R$ 80.00 R$ 40. Romeu Schvarz TABELA 1 .1 Caracterização do Município de Coronel Vivida O espaço territorial estudado.00 R$ 21.00 0 0 0 4 R$ 0.00 R$ 160.00 R$ 160. sendo 14.00 R$ 360.00 0 R$ 0. em 2000.00 R$ 40.35 3 0 0 0 R$ 120.00 R$ 880.00 R$ 4.00 R$ 26.00 Dia/Homem Dia/Homem Dia/Homem Dia/Homem Dia/Homem Dia/Homem R$ 40. 3.00 4 2 4 0 R$ 160.00 R$ 80.309 habitantes.00 R$ 0. Foram entrevistados dez agricultores sobre suas opções por reflorestamento. artigos.Planilha de custo de implantação de um hectare de eucalipto 1º ANO INSUMOS MUDAS Mudas ADUBAÇÃO Adubo (4.00 R$ 40. nos dias 23 de Junho de 2007 e 28 de Agosto de 2007.00 R$ 0.30.00 R$ 120.00 R$ 40. 3 METODOLOGIA Trata-se de um estudo exploratório sobre plantio de eucalipto em áreas de agricultura familiar.00 R$ 40.00 R$ 0.00 R$ 0.00 0 0 0 0 0 0 0 R$ 0.00 Unidade Custo unit Quant Custo Tot Quant 2º ANO Custo Tot Quant 3º ANO Custo Tot R$ 240.00 R$ 0.15 R$ 722. localiza-se na região da bacia do rio Chopin.00 R$ 0.00 R$ 0.83 R$ 26.00 R$ 400.00 R$ 80.10) Adubo orgânico DEFENSIVOS Formicida Herbicida/dessecante Óleo mineral SUBTOTAL PREP DO SOLO P/ PLANTIO Roçada manual Aceiro/queimada Controle de formigas Dessecagem Coveamento/plantio replantio SUBTOTAL TRATOS CULTURAIS Combate a formigas Dessec/coroamento Roçada manual linha Desrama (poda) SUBTOTAL TOTAL GERAL Dia/Homem Dia/Homem Dia/Homem Dia/Homem R$ 40.00 R$ 0.00 R$ 0. região Sudoeste do Estado do Paraná.00 R$ 40.727 residentes na área urbana e 8.002.00 0 0 0 0 0 0 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 0.00 R$ 160.00 R$ 0.00 R$ 0. de 23.00 R$ 0.00 R$ 0.20 0 R$ 0.00 R$ 5.00 R$ 0. Para consubstanciação da parte teórica.00 R$ 42. teses e monografias no intuito de embasar o estudo.00 R$ 0.ZANATTA.00 R$ 0.00 0 0 0 0 R$ 0.00 R$ 0.

denominado de PROPFLORA. por quatorze anos. A colheita é feita quando se encontra uma colheitadeira disponível. gerente da agência local do Banco do Brasil e demais entidades da agricultura familiar.78%. com apresentação de conceitos e abordagens sobre agricultura familiar. devido ao êxodo dos jovens para as cidades.362/06. incentivando o plantio de espécies como pinus e eucalipto. No período de dezembro 2005 a setembro de 2007. Os principais achados foram: a) a Cidade de Coronel Vivida foi caracterizada como constituída por propriedades familiares. não era ofertado. bem como melhorias sociais e ambientais. gerando escassez de mão-de-obra. da demanda crescente. mostrar motivos que levaram os agricultores a optarem por plantar eucalipto em atendimento ao objetivo geral deste estudo. com redução da eficácia desejada.5% são pequenas propriedades familiares. procura-se. Consideradas de acordo com a Lei nº 11. nesta seção. acarretando plantio fora de época. O setor agropecuário corresponde por cerca de 46% da economia do Município. A taxa anual de crescimento rural está em queda de 3. desenvolvimento sustentável. 4 RESULTADOS E CONSIDERAÇÕES FINAIS Em conformidade com os conceitos. a disponibilização de incentivo fiscal governamental que. Inicialmente.362/06. compreendendo várias reuniões com representantes da Prefeitura Municipal. a população rural de Coronel Vivida vem envelhecendo. abordagens apresentadas na revisão bibliográfica e entrevistas. o que pode acarretar perdas.REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO: FONTE ALTERNATIVA DE RENDA SUSTENTÁVEL PARA O AGRICULTOR FAMILIAR DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ produtos básicos de alimentação. também. com o objetivo de viabilizar o cultivo florestal proporcionando a diversificação da propriedade e o aumento da renda do agricultor familiar. um dos vários motivos levantados junto aos agricultores familiares que já implantaram e que irão implantar em setembro deste ano (2007) o reflorestamento de eucalipto. Do universo de propriedades rurais estabelecidas nesta área. incentivos fiscais. foi possível identificar vantagens e desvantagens no plantio e identificar quais razões contribuem para que produtores familiares da Região optem pelo investimento em reflorestamento de Eucalipto. EMATER. Tal incentivo fiscal deu uma “injeção” de ânimo ao setor. destaca-se como fator preponderante na decisão de reflorestamento. apresentação de planilha com custos para implantação e condução até o 3º ano. Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 8 de 11 b) c) d) e) f) . retornou no plano safra 2001/2002. legislação para reflorestamento. outros motivos são: alguns agricultores não possuem máquinas e equipamentos agrícolas para operacionalizar as safras e dependem de terceiros para plantar. Processo que iniciou em 2005. a região objeto de estudo foi caracterizada. Foi a pioneira no Sudoeste do Estado do Paraná a utilizar recursos do PRONAF FLORESTAL. vislumbramento por parte dos proprietários agricultores de possibilidade de uma fonte de renda a longo prazo com a madeira e com a possibilidade de venda de créditos de carbono. a aplicação de defensivos fora do ciclo. 79. de acordo com conceito previsto pela Lei 11. foram encaminhados 34 projetos. movimento empresarial do Município em busca de utilização dos incentivos fiscais em face.

com previsão de produção e renda econômico-financeira de cultivo na área de um hectare de eucalipto.00 R$ 65.0 Preço/m³ R$ 46. O agricultor familiar de Coronel Vivida tem como principais atividades o plantio de milho.00 R$ 85. com o objetivo de evitar erosão em áreas com declives). além dos produtos citados.100. como faixas de beira de estrada. 90% dos entrevistados destacam o incentivo fiscal.636.350.00 TABELA 02 – Previsão de produção e renda de um hectare de eucalipto Operações 1º desbaste .00 R$ 25. conforme se observa na tabela 2. Sandra Rosani. sempre existem partes onde não são exploradas permanecendo ociosas.ZANATTA.Madeira Corte final . Por mais que se aproveite bem os espaços de terra. são elevações de terra feitas mecanicamente em nível. SOBRINHO. Um investimento sem muitos riscos.Energia 2º desbaste . No entanto.00 R$ 39. no entanto quanto mais se espera para a venda da madeira mais ela tem valor no mercado. Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 9 de 11 . Essas áreas se plantadas com eucalipto terão um bom rendimento econômico no futuro.0 460.Madeira Fonte: Emater de Coronel Vivida – PR. até certo ponto. e a vitivinicultura em menor escala. a atividade leiteira. Romeu Schvarz g) h) i) questões de consciência ambiental também foi identificada. na maioria das propriedades. linha de crédito fornecida pelo PRONAF. como fator principal de opção por plantio de eucalipto nas propriedades. explora-se. dinheiro guardado no tronco. cantos. que é predominante na região. O primeiro corte ou desbaste comercial de eucalipto se dá aos sete anos. soja. murundus (também conhecido como barreiras de contenção. feijão.00 R$ Total/ha R$ 7. levando os agricultores a pensar no futuro agindo de forma ecologicamente correta.0 390. Idade 8 anos 12 anos 16 anos m³/ha 166. j) é uma poupança. Existe também em regiões a olericultura. o eucalipto como fonte alternativa de renda para o agricultor familiar. haja vista estar em alta.

br/eduep/rbct/sumarios/pdf/agriculturafamiliar. CAETANO. Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 10 de 11 . 2004. de 2 de setembro de 1966. I. BRASIL. Dispõe sobre os incentivos fiscais concedidos a empreendimentos florestais. Fernando. .gov. Vol.br/ccivil/leis/l4771/compilado. EMATER – Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural.org.gov.br/meioambiente/arquivos/file/iap/port233_04. Revista de Economia e Sociologia Rural. escritório em anexo a prefeitura Municipal.326 de 24 de julho de 2006. Institui o novo Código Florestal. município de Coronel Vivida.REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO: FONTE ALTERNATIVA DE RENDA SUSTENTÁVEL PARA O AGRICULTOR FAMILIAR DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ REFERÊNCIAS BRACELPA – Associação Brasileira de Celulose e Papel.planalto. J.gov. J. dispõe a necessidade de promover a recuperação de áreas no âmbito de pequena propriedade rural e assentamentos de reforma agrária e colonização.Instituto Ambiental do Paraná.htm Acesso em 14 de junho de 2007. IAP. J. 44. Disponível em http://www..senado.br/ccivil_03/ato2004-2006/2006/lei/l11326. Disponível em http://www. BRASIL. Silvio M.htm Acesso em 14 de junho de 2007. “Florestas Plantadas de Eucalipto e Pinus: A Solução Verde”. G. “Sustentabilidade Social e Ambiental na Agricultura Familiar”. área. 1996 5 tiragem. “Madeira! Produtores de menor porte mostram que investir em florestas pode ser um bom negócio”. Decreto-Lei 4.br/bra/saibamais/florestas/index.Portaria 233 de 26 de novembro de 2004 “Operacionalização do SISLEG no âmbito do IAP para o estado do Paraná”.edu. AZZONI.pdf acesso em 09 de julho de 2007. Portaria Interministerial 411. Disponível em http://www.action?id=116684 Acesso em 08 de julho de 2007. M. Carlos R. BRASIL. nº 3. A importância do agronegócio familiar no Brasil. Junho de 2007 p 65 a 75.771. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. BRASIL.iap.com. Disponível em http://www.br acesso em 10 de junho de 2007.planalto.uepb. MARION. São Paulo n 260. de 15 de setembro de 1965.html Acesso em 14 de junho de 2007.Contabilidade e Controladoria em Agrobusiness São Paulo: Atlas.pr. GUILHOTO.pdf acesso em 08 de julho de 2007. de 20 de agosto de 2002. Disponível em http://www. praça Três Poderes em Coronel Vivida . Decreto-Lei 5.pdf Acesso em 08 de Julho de 2007. Disponível em http://www6. Revista Globo Rural. Decreto-Lei 11. ICHIHARA. população e atividades econômicas.br/saf/arquivos/0706109676. Revista de Biologia e Ciências da terra.106.. projetos de reflorestamento.PR GOMES. Disponível em http://www.br/legislacao/listapublicacoes.gov. SILVEIRA.bracelpa. M. Estabelece as diretrizes para formulação da Política Nacional para Agricultura familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. jul/set 2006.pmcv.mda..gov. Disponível em http://www. responsável técnico Paulo Walter Kohl.. C.

Disponível em http://www. Revista Eletrônica Lato Sensu – UNICENTRO Página 11 de 11 . Vol. 45. dez 2006 disponível em http://www. extrativismo e sustentabilidade: o caso dos “samambaieiros” do litoral norte do Rio Grande Do Sul.ZANATTA. Sandra Rosani. MIGUEL. Christiane Marques. Disponível em http://www.chapeco.. Lovois de Andrade. A. Agricultura familiar.gov.pdf acesso em 08 de julho de 2007 RIBAS. P.br/secure/palestracampogrande_eucaliptomitoseverdades. fica instituído o sistema de manutenção. TISSIANI. jan/mar 2007. SBS – Sociedade Brasileira de Silvicultura.br/aaru/?p=153 acesso em 27 de fevereiro de 2007. Revista de Economia e Sociologia Rural. L.br/meioambiente/arquivos/File/iap/decreto_387_99.Energia Alternativa a partir das Florestas Plantadas de Eucalipto”AARU – Associação Amigos do Rio Uruguai e afluentes.sbs. SEVERO. “Eucalipto: Mitos e verdades”.org. “Biomassa. nº 1.sc. R.pdf acesso em 08 de julho de 2008.pr.iap. Decreto 387 de 2 de março de 1999. Romeu Schvarz PARANÁ.gov. recuperação e proteção da reserva florestal legal e áreas de preservação permanente. SOBRINHO.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful