COLEGIO CRISTÃO DE BELO HORIZONTE MAISA GONÇALVES BORGES

RELATÓRIO – PARQUE MUNICIPAL MANGABEIRAS

BELO HORIZONTE, 12 DE JULHO DE 2011

orientado pela professora Letícia Carvalho Belchior aos alunos da turma 301 BELO HORIZONTE. 12 DE JULHO DE 2011 .RELATÓRIO – PARQUE MANGABEIRAS Relatório da disciplina de Geografia.

.............................. 3 PRINCIPIO E VERSÍCULO ............................................................................................................................................................ÍNDICE INTRODUÇÃO ........................................................................................... 2 BIBIOGRAFIA ..... 4 ......................................................................................................................................................... 1 RELATÓRIO .......

nele foram observados vários aspectos presentes como a vegetação.INTRODUÇÃO Este relatório foi realizado com base na visita ao Parque Mangabeiras de Belo horizonte. tipos de rochas e degradação ambiental e intervenção humana que são essenciais para o nosso conhecimento. . temperatura.

é perceptível também um ambiente ameno é agradável quando se esta na presença da mata ciliar onde também pode ver folhas se decompondo. e outras também como Orquídeas e Vitória Régia que foram vistas la é que fazem parte da vegetação mineira . química ou biológica como é o caso do chapéu de madame . No parque foi possível ver através da cor do solo o tipo de mineral presente nessa área. Por ser localizado em um lugar mais alto o parque possui uma temperatura mais baixa a parti que vai subindo é uma vegetação menos densa. . e embaixo mais densa. algumas espécies como Mangabeira na qual originou o nome do parque que é muito rara hoje em dia é Baba timão. características típicas do cerrado.A degradação pode também ocorrer por forma física . claro que em grande parte sim é muito visível no parque mangabeira. A diversificação vegetal é um deles. como era meio avermelhado tem ferro. mesmo sendo espécies diferentes é dependente da árvore. A degradação não é só feita pelo homem. possuem troncos tortos e casca grossa. os liquens são exemplo de relação ecológica e também o cipó. e um dos minerais muito presentes no parque foi o Quartzo que é o segundo mineral mais abundante da Terra.além de incêndios . que foi modificado para ser um espaço de lazer onde possa atender ao homem sendo uma área muito urbanizada . Assim também os musgos e os liquens podem ser visto onde o ar é mais puro e úmido.RELATÓRIO O Parque municipal Mangabeiras localizado na Serra do curral apresenta vários aspectos incríveis que foram observados em sua visita.

com FOTO 3: Cascatas Parque Mangabeirastiquinhodeestilo.blogspot.FOTO 1: Vitória Régia ( plantas Hidrófilas) - Cinthia FOTO 2:Vista do mirante– blog.yokandesh.com/ .

(Acesso: 11/07/2011) http://blog.com/photos/30767004@N07/(Acesso: 11/07/2011) http://tiquinhodeestilo.BIBLIOGRAFIA   http://pt.yokandesh.flickr.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpT axonomiaMenuPortal&app=fundacaoparque&tax=15257&lang=pt_BR&pg=5521&ta xp=0&.org/wiki/Quartzo (Acesso: 10/07/2011) http://portalpbh.com/2011/04/capital-mineira-belo-horizonte.html    (Acesso: 11/07/2011) .com/parque-mangabeiras/(Acesso: 11/07/2011) http://www.blogspot.br/pbh/ecp/comunidade.wikipedia.gov.pbh.

’’ Gênes 1:11 IMPORTANCIA DA VISITA A visita foi muito importante para o conhecimento é muito bom estudar na escola é ver na pratica. sobre a terra. E assim foi.PRINCIPIO BIBLICO Soberania: É incrível como a soberania de Deus é algo tão impressionante e perfeito a ponto de cada detalhe ser especial e ter sua importância que é fatal. dêem fruto que tenha em si a sua semente. segundo as suas espécies. e árvores frutíferas que. parar um pouco com a rotina e ver como é belo o que Deus fez com tanto amor é muito bom! VERSICULO “E disse Deus: Produza a terra relva. ervas que dêem semente. l Nessa visita ao parque essa idéia ficou mais do que nítida. de certa forma é diferente é melhor ! .

 .

     #    O ½ $$½ ½ f –$$.f .0884 .

.

0884. °9f f½½ €° fnf½f f  f°– ½%  ½–  f ½   .   O ½ $$½f½  ½  – $½ $ n½$n¯° f "  ° ½  ½ 9n n½@ f°¯f.

.

   O ½ $$ – f° ¾ n¯$½f ¯f°–f f¾$ .0884.

.

0884.   O ½ $$ €n n¯$½¾$'-$ .

.

   O ½ $$° ¾ –¾½ n¯$$$nf½f ¯° f  ° ¯ .0884.

.

                             .

0 .9.430.09078:.  07.8 /4 6:0 3J9/.0. 70.8 6:0  80:3/4 .A 3.73.9077. /F.42..F/1070390F2047 .57.20394F2:94-42089:/.079./. 84-07.89. .08  /H02 17:94 6:0 903.3900 5071094..7.424F-0446:00:810.7 :2 54:.7493. ./0 0:8F. .76:0 088.3. 1.7J.88214   H308   ! #%'$%  . 9077.8 8:.254793.4 .89. 08.  088.49425708843.073.1472.54394/0. !#!    $4-07.4.F.3905. 02 8 . /0.07. ..8 6:0 /H02 8020390  0 E7.9.4..4 5.08070850./09.429..247F2:94-42   '#$&    /880 0:8 !74/:.6:0F1. 8020390 84-70.142:9425479.4: 2.4708 17:9J107.394.  5..8 085F.3. 8:.424.7.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful